Você está na página 1de 2

A série de reações de Bowen é um meio de estudar minerais silicatados ígneos

pela temperatura em que eles cristalizam. Minerais no topo têm temperaturas de


cristalização alto o que significa que eles serão os primeiros minerais a
cristalize a partir de um magma que está em arrefecimento.
SE eles são quimicamente compatíveis com o magma enquanto ele continua a arrefecer,
eles vão crescer mais pela adição de camadas externas de material adicional
Eles então podem-se tornar os fenocristais e surge uma textura porfiroide.
Se eles são quimicamente incompatíveis, eles vão reagir com o magma residual
originando os minerais seguintes na série. O que em última análise, determina esta
compatibilidade química é em grande parte o teor total de sílica do magma.

Minerais na parte esquerda do "Y" do diagrama são chamados minerais


ferromagnesianos, porque contêm ferro (latim: ferrum) e magnésio em sua composição.
Esta parte da série é referida como a série descontínua, uma vez que estes minerais, se
quimicamente incompatíveis com o magma em arrefecimento, geralmente reagem
completamente para formar minerais totalmente novos com diferentes cristais
estruturas: uma olivina (ilha de silicato) reage completamente com o material em fusão
recristalizar em piroxena (silicato de cadeia única), e uma piroxena pode
completamente recristalizar numa anfíbola (um silicato de cadeia dupla) ou, finalmente,
numa biotite (uma folha silicato), se houver sílica livre suficiente (e tempo!) disponível
durante o arrefecimento. Assim, uma rocha que contém olivina e anfíbola não está em
um estado de equilíbrio, porque estes minerais formam e são estáveis sob condições
diferentes; olivina e piroxena são estáveis pares, como são piroxena e anfíbola ou
anfíbola e biotite. A biotite é o mineral de ferro e magnésio que cristaliza a uma
temperatura mais baixa e só poderá ser formado se o material fundido tiver sílica que
permita a sua cristalização.
Os minerais no braço direito do "Y" são as plagióclases, estas pertencem ao grupo dos
feldespatos e formam uma série contínua desde a plagióclase totalmente cálcia a
anortite que cristaliza a temperaturas mais altas i. é maior ponto de fusão até a uma
plagióclase totalmente sódica, a albite de ponto de fusão mais baixo. Os primeiros
minerais formados podem reagir com o material fundido e progressivamente o cálcio é
substituído pelo sódio, mas nunca é destruída a rede cristalina uma vez que a rede
cristalina entre minerais isomórficos é a mesma. Por vezes acontece mesmo que os
primeiros minerais formados vão crescendo por reação com o material em fusão e nas
plagióclases pode aparecer uma zonação (visível ao microscópio) de fora para dentro
plagioclases sódicas por fora e cálcicas no interior.

A parte inferior da série de reações de Bowen é ditada mais pela química do que
é a parte superior. Biotite, ortoclase e muscovite são os únicos minerais aqui
que contêm grandes quantidades de potássio. Estes também têm um conteúdo de sílica
muito maior do que os minerais no topo da série (por exemplo, a olivina pura é cerca de
38% SiO2, enquanto ortoclase pura é 65% SiO2). É este aumento no teor de sílica que
diminui a temperatura do ponto de fusão; note que o quartzo, na parte inferior da série,
é, naturalmente, 100% SiO2, e tem o ponto de fusão mais baixo (cerca de 700 ° C).

Os baixos pontos de fusão dos minerais no fundo da série de reações de Bowen


significa que à temperatura e pressão superficial eles estão mais perto dos campos
normais de estabilidade. O quartzo, na verdade, é completamente estável a 20 ° C (68 °
F). Olivina, no entanto, não o é, e dada a presença de água, ela irá resistir muito pouco
alterando-se com grande facilidade. Como resultado, é raro encontrar olivina em
sedimentos ou rochas sedimentares. Argilas e os óxidos e hidróxidos de ferro (por
exemplo, hematite, limonite) são os produtos da meteorização erosão de
minerais de silicato ricos em ferro, e são as formas minerais que são estáveis a baixa
temperaturas e pressões.