Você está na página 1de 56

BIBLIOGRAFIA

 Livros:
- SILVA, P.; Farmacologia. 7 ed. Rio de Janeiro: Guanabara
Koogan, 2006.

- RANG, H. B.; DALE, M. M. Farmacologia. 5 ed. Rio de


Janeiro: Guanabara Koogan, 2004.

- KATZUNG, B. G. Farmacologia básica e clínica. 8 ed. Rio de


Janeiro: Guanabara Koogan 2003.

- GILMAN, A. G.; GOODMAN, L. S.; GILMAN, A. As bases


farmacológicas da terapêutica. 11 ed. Rio de Janeiro:
Guanabara Koogan, 2006.
Introdução à Farmacologia

3
Introdução à Farmacologia

CONCEITOS

 PRINCÍPIOS GERAIS
pharmacon (droga) + logos (ciência)
APROFUNDANDO MAIS ESTE
CONCEITO...

É a ciência que estuda as


propriedades e os efeitos dos que atuam no sistema
fármacos ( ou substâncias biológico (organismo vivo)
químicas)

5
FARMACOLOGIA
A Farmacologia pode ser definida como o estudo da atividade
biológica de substâncias
químicas na matéria viva.

Uma substância tem atividade biológica quando, em pequenas


doses, inicia
alterações celulares e subcelulares; é seletiva quando a resposta
ocorre em algumas células e não em
outras.

A Farmacologia estuda a natureza dessas alterações seletivas, a


sistematização das respostas
das substâncias química que as causam, assim como o mecanismo
pelo qual essas alterações foram
efetuadas.
Compreender o mecanismo pela qual
uma substância química administrada
afeta o funcionamento do organismo
(mecanismo de ação: farmacodinâmica)

Pata ter um sucesso terapêutico no


tratamento das doenças (farmacoterapia:
protocolo)
Por que estudar a
farmacologia???
Escolher o fármaco mais adequado para
certas características fisiopatológicas.

Garantir que o fármaco atinja a


[adequada]. (farmacocinética)
7
Que pode resultar...

Dose x via de
administração

8
Introdução à Farmacologia

CONCEITOS

 INTERAÇÃO ENTRE:
Substância Química + Sistema Biológico
Droga / Fármaco Fisiologia / Patologia
Introdução à Farmacologia

CONCEITOS

DROGA – Qualquer substância que interaja com o organismo


capaz de produzir algum efeito.
FÁRMACO – Uma substância de estrutura química definida,
com propriedades ativas, produzindo efeito terapêutico.
REMÉDIO (re = novamente + medior = curar): Pode ser
qualquer coisa capaz de trazer benefício ao paciente;
Não existe necessidade de comprovação cientifica de sua
eficiência e segurança.
MEDICAMENTO – Produto tecnicamente elaborado para fins
terapêuticos, sanativos ou paliativos.
Introdução à Farmacologia
• Princípio ativo – substância que deve exercer efeito
farmacológico. Um medicamento, um alimento ou uma planta
pode ter diversas substâncias em sua composição, mas
somente uma ou algumas dessas substâncias conseguem ter
ação no organismo.
• Placebo: é toda e qualquer substância sem propriedades
farmacológicas.
• Tóxico – droga que resulta em efeito danoso ou lesivo ao
organismo.
• Ação do fármaco – interação do fármaco com o receptor
(local de ligação no organismo), resultando em eventos
bioquímicos.
• Efeito indesejável ou adverso, ou reação adversa a
medicamentos
Introdução à Farmacologia

CONCEITOS

MEDICAMENTO REFERÊNCIA
 É o produto inovador, cuja eficácia, segurança e qualidade foram
cientificamente comprovadas por ocasião do registro. É geralmente o
primeiro remédio que surgiu para curar determinada doença e o
laboratório que detém a patente do produto tem exclusividade para
produzi-lo durante um tempo determinado. Ex.: Viagra®, Xenical®,
Lipitor®.
Introdução à Farmacologia

CONCEITOS

MEDICAMENTO GENÉRICO –
 É um medicamento idêntico ao produto de marca (Princípio ativo,
dose, forma farmacêutica, etc).
 É uma alternativa ao medicamento de referência e pois tem
rigorosamente as mesmas características e efeitos sobre o organismo
do paciente.
 A garantia é dada pelo Ministério da Saúde
que exige testes de bioequivalência farmacêutica.
Introdução à Farmacologia

CONCEITOS

MEDICAMENTO SIMILAR
 Contém o mesmo princípio ativo, apresenta a mesma concentração,
forma farmacêutica, via de administração, posologia e indicação
terapêutica do medicamento de referência, mas não há testes de
bioequivalência.
Histórico

Produtos naturais e crenças religiosas

 Óleos essenciais;
Cupressus sempevirens e Papaver somniferum

700 drogas documentadas no “Ebers Papyrus”

Compêndio “Matéria Medica” - 52 prescrições

15
Histórico

 Nascimento Indústria Farmacêutica


 Primeiros fármacos sintéticos :
Arsfenamina (Salvarsan®) - Ehrlich e Hata
Ác. Acetil-salicílico - (Aspirina®) - Hoffmann

 Descoberta das vitaminas e vacinas;


 Desenvolvimento da química orgânica;
 Descoberta “acidental” da penicilina (Fleming).
16
Histórico

 Era dos antibióticos:


Sir Howard Florey e Ernst Chain;

 Novas Tecnologias e Instrumentação;


 Compreensão da Fisiologia Humana;
 Descoberta da estrutura do DNA;
 Desenvolvimento da Biotecnologia.

 Desenvolvimento da Técnica QSAR;


Estratégias Racionais para a descoberta de novos
fármacos ;
 Planejamento Racional auxiliado por Técnicas
Computacionais.
17
Histórico

 Desenvolvimento da Imunologia e descoberta do


vírus HIV e da AIDS;
 Inicio da valorização do Mercado Farmacêutico
(“Blockbusters” - Viagra®, Liptor®, Cymbalta®);

 Desenvolvimento da Química Combinatória;


 Robótica e automação na Descoberta de Fármacos;
 Desenvolvimento das Técnicas de “High Throughput
Screening” (HTS);

18
Planejamento Racional

 Novas entidades químicas;

 Compostos com propriedades farmacoterapêuticas úteis;

 Fármacos mais eficazes e seguros.

19
Introdução
Por que Precisamos de Novos Fármacos?
 Combate à resistência a um fármaco já existente;
 Aperfeiçoamento do tratamento de doenças existentes;
 Tratamento de doenças recém identificadas
(AIDS, H1N1);

 Controle de pragas (agricultura);


 Produção de fármacos mais seguros.

2
0
Origem dos Fármacos

Cocaína Lidocaína Benzocaína 21


Origem dos Fármacos

 Produtos Naturais (plantas, animais e/ou produtos de origem


marinha);
 Compostos Sintéticos;
Heparina
 Química Combinatória; Extraído de mucosa intestinal suína ou bovina

Brioblastina
Bugula neritina

Ácido Acetilsalicílico
Salix alba
(Salqueiro Branco)

22
Origem dos Fármacos

23
Origem dos Fármacos

Penicilina (1929) - Antibióticos ß-lactâmicos

Cultura de Staphylococcus aureus inibida por


um contaminante (Fungos)
24
Origem dos Fármacos

Sildenafil – Viagra® (Disfunção erétil)


Pfizer (Campbell et al. 1996);

Originalmente planejado como antihipertensivo e antianginal


(baixa eficácia)
25
Origem dos Fármacos

 Extração convencional
-Extrair, purificar, isolar...

 Screening (triagem, seleção, etc)


Seleção randômica

 High Throughput Screening ou THS


Seleção de toda a quimiotéca.

26
Origem dos Fármacos

Planta Substância Ação


Coffea arabica Cafeína Estimulante central
Calmante; Estimula o apetite;
Cannabis sativa Canabinol
Antiemético; Relaxante muscular
Rauwolfia
Reserpina Antihipertensivo
serpentina
Mandragora
Escopolamina Analgésica; Antiespasmódico do TGI
officinalis
Atropa belladona Atropina Anticolinérgico
Vasoconstrictor; Broncodilatador;
Ephedra sinica Efedrina
Estimulante
Pilocarpus Controle da pressão intraocular
Pilocarpina
microphyllus elevada
27
Origem dos Fármacos

 Morfina
(Papaver somniferum)

- 1804: Friedrich Wilhelm;


- 1852: uso generalizado;
- 1874: 1º derivado: Diacetilmorfina

 Cocaína (Erytroxylum coca)

-1859: Niemann;
-1886 – John Pemberton criou o “soft drink” (Coca-cola)
- Toxicodepêndencia de morfina e Anestésicos Locais
28
Origem dos Fármacos

 Grupo Farmacofórico ou Farmacóforo


Alterações na estrutura do protótipo:

- Dimensão e conformação do esqueleto do carbono;


- Natureza e o grau de substituição;
- Estereoquímica do protótipo

Ác. Barbitúrico
Fenobarbital Tiopental
29
Origem dos Fármacos

- Maior probabilidade de se obter derivados com propriedades


superiores ao composto protótipo;
- Menor custo e tempo de produção;
- Estudar as relações estrutura e atividade (REA);
- Elucidar o grupo farmacofórico;

 Maior potência;
 Menos efeitos colaterais;
- Obter análogos com:  Ação mais ou menos prolongada;
 Maior estabilidade física e química;
 Síntese simplificada,
30
Desenvolvimento de Fármacos
Levantamento bibliográfico

v
e busca por patentes

Síntese e Id. estrutural


do composto

Testes Pré-clinicos
FASE IV
(Farmacovigilância)

Testes Clínicos

31
Desenvolvimento de Fármacos

 Tempo
- 7 – 15 anos desde o desenho até sua comercialização;

 Riscos
- Somente uma entre 1000 moléculas consideradas candidatas para o
desenvolvimento alcança o mercado;

 Preço
- Custo médio para um desenvolvimento bem sucedido de uma droga é
estimado em mais de R$ 500 milhões.

32
Desenvolvimento de Fármacos

Testes Clínicos

Testa o medicamento pela primeira vez em humanos;


Avalia a segurança do produto investigado;
Pequenos grupos (10 – 30 pessoas), geralmente, de
voluntários sadios.
Exceções - câncer ou HIV-aids
Desenvolvimento de Fármacos

Testes Clínicos

Número de pacientes maior (70 - 100);


Avaliar a eficácia da medicação;
Obter informações mais detalhadas sobre a segurança
do medicamento;
Toxicidade
Desenvolvimento de Fármacos

Testes Clínicos

Comparação;
Aumenta o número de pacientes para 100 a 1.000.;
Estudos randomizados;
Monitorar efeitos colaterais;
Compará-los com os tratamentos já utilizados;
Segurança e Eficácia
Farmacologia

Farmacodinâmica Farmacocínética
Farmacologia básica
• FARMACOCINÉTICA: ABSORÇÃO,
DISTRIBUIÇÃO, METABOLISMO E
EXCREÇÃO DE FARMACOS

• FARMACODINÂMICA: ESTUDA OS EFEITOS


FISIOLÓGICOS, BIOQUÍMICOS E
MECANISMO DE AÇÃO DOS FÁRMACOS
Farmacologia - definições
• VEÍCULO FARMACOLÓGICO: meio em que a droga se encontra
dispersa.

• FORMA FARMACÊUTICA: forma como a droga se apresenta para


uso.
• EX:
• COMPRIMIDOS
• CÁPSULAS
• DRÁGEAS
• INJETÁVEIS
• LÍQUIDOS
• POMADAS OU CREMES
Farmacologia - defnições
• DOSE: é a quantidade de droga administrada

• BIODISPONIBILIDADE: é a fração de um fármaco


administrado que é evado à circulação sistêmica

• BIOEQUIVALÊNCIA: quando um fármaco pode ser


substituído por outro sem consequências clínicas
adversas.
Farmacologia- definições
• TEMPO 1/2 VIDA: é o tempo ncessário para que
a concentração plasmática do fármaco chegue
em 50 %. É utilizado para o cálculo da
posologia.

• ESTADO DE EQUILIBRIO ESTÁVEL: indica quando


o fármaco atinge a concentração terapêutica.
DIVISÕES DA FARMACOLOGIA
• Fase farmacêutica
– Dose administrada
– Desintegração do medicamento
– Dissolução da susbtância ativa
• Fase farmacocinética
– Absorção
– Distribuição
– Metabolização/biotransformação
– Excreção
• Fase farmacodinâmica
– Interação droga x receptor
Necessidades do paciente

Deglutição

Conforto

Facilidade de administração

Quantidade de doses
FASE FARMACÊUTICA
• Tem relação com a via de administração

– Exemplo: Oral, parenteral, tópica, até que ocorre


a dissolução do medicamento e liberação da
substância ativa: o princípio ativo.
Diferentes vias de administração
FARMACOCINÉTICA
• Os eventos não farmacológicos que ocorrem após a
administração de uma droga.
• Uma droga é absorvida para a corrente sangüínea,
distribuída através do organismo e, a seguir, é eliminada
por meio de sua transformação em outro composto ou
de sua excreção.
• Esses eventos são importantes no que diz respeito à
ação farmacológica de uma droga, uma vez que
determinam a quantidade da mesma que chega ao local
de ação e duração do efeito.
Farmacocinética – ABSORÇÃO
Farmacocinética - DISTRIBUIÇÃO
• O medicamento será
distribuído pelo sistema
circulatório, chegando aos
tecidos e células para que
ocorra ação.
• O fármaco circula ligado a
proteínas plasmáticas

• MAS ANTES ELE SERÁ


METABOLIZADO.
Farmacocinética - METABOLIZAÇÃO
• É a biotransformação que ocorre no fígado
principalmente.
• É uma reação química catalizada por enzimas
que transformam o fármaco em ATIVO, ou
INATIVO
• A fração ativa, circulará livre ou ligada as
proteínas plasmáticas até o receptor para
fazer seu efeito.
Farmacocinética EXCREÇÃO
• Rins (urina)
• Intestinos (fezes)
• Pulmões (ar)
• Fígado
• Pele (suor)
• Glandulas (suor, lágrimas, leite…)
Excreção Renal
• A via mais importante de excreção de drogas é
através dos rins, na urina.
– Algumas drogas sofrem reabsorção, e esse indice de
reabsorção influencia na quantidade de droga livre
circulando, portanto a função renal interfere na
concentração do medicamento
circulante.
Farmacocinética - BIODISPONIBILIDADE
• Biodisponibilidade
– Quando o fármaco entra no organismo ele está
em duas formas, ligado a proteínas plasmáticas
(reserva) ou livre (biodisponível) Importante
saber para evitar overdose por deslocamento
– Ex. CUMARINA (marcoumar) X BUTAZONA
FARMACODINÂMICA
• Só a droga livre se liga ao receptor para fazer
efeito
• Absorção
• Distribuição
• Metabolização
• Excreção
Interferem na quantidade livre para se ligar aos
receptores.
Só neste momento é que começa a fazer efeito
farmacológico
Farmacodinâmica
É a ciência que estuda a inter-relação da concentração
de um fármaco e a estrutura alvo, bem como o
respectivo mecanismo de ação.
FARMACODINAMICA
FARMACODINAMICA ANTAGONISTAS
• Antagonistas Beta Adrenérgicos
– Propanolol
– Atenolol
• Antagonistas do receptor da angiotensina
– Losartan, candesartan
• Antagonistas do receptor H2 (histamina)
– Cimetidina
– Ranitidina
Exercícios em grupo
no caderno
• 1) Conceitue Farmacologia e Farmacocinética
• 2) Explique os 4 processos básicos da
farmacocinética
• 3) Na sua Bula, encontre e explique o que foi
descrito como um processo farmacocinético.