Você está na página 1de 21

lOMoARcPSD|3477506

Prova 1 2019, questões e respostas

Fiscalidade I (Universidade de Coimbra)

A StuDocu não é patrocinada ou endossada por nenhuma faculdade ou universidade


Baixado por Cepade Projectos (consulting.cepadeeprojectos@gmail.com)
lOMoARcPSD|3477506

IVA
18/06/2011 Questões 26 e 27

A INFOTOC pagou, por transferência bancária, o valor em dívida relativo à compra de


consumíveis adquiridos para revenda a um fornecedor do Montijo e obteve um desconto
de pronto pagamento de 2%.
QUESTÃO 8.:
O valor pago pela INFOTOC, após descontos, ao seu fornecedor do Montijo:
a) Foi obrigatoriamente objeto de regularização no tocante a IVA.
b) Não pode ter sido objeto de regularização de IVA.
c) Pode ou não ter sido objeto de regularização do IVA, mediante opção do fornecedor.
d) Coube à INFOTOC o direito de exigir ao seu fornecedor a regularização do IVA.

Em fevereiro de 2011, a INFOTOC adquiriu, a um fabricante sul coreano, oito


cmputadores que foram transportados por barco, diretamente de Seul (Coreia do Sul)
para o Funchal, onde serão desalfandegados e instalados nos escritórios de uma
consultora com sede na região autónoma da Madeira.
QUESTÃO 11.:
Relativamente às operações de compra e venda destes computadores a efetuar pela INFOTOC:
a) A INFOTOC tem de autoliquidar IVA na compra dos computadores.
b) A compra dos computadores não está sujeita a IVA.
c) A compra dos computadores está sujeita a IVA.
d) A venda dos computadores está isenta de IVA, não havendo que proceder a liquidação de
imposto.

Os sacos de plástico são fornecidos aos clientes da INFOTOC gratuita e independente do


montante da transação.
QUESTÃO 21.:
Relativamente aos sacos de plástico utilizados nas vendas nas lojas da INFOTOC:
a) A INFOTOC tem de liquidar IVA.
b) A compra daqueles sacos de plástico não está sujeita a IVA.
c) A compra dos sacos de plástico está sujeita a IVA.
d) Nenhuma das anteriores.

26/02/2011
No final de Dezembro de 2010, a Q&F SA adquiriu, a um distribuidor alemão, 50 aparelhos de
ar condicionado que foram transportados por barco, directamente de Osaka (Japão) para
Luanda (Angola), onde serão instalados no Hotel Luanda, que está em fase de acabamento.
QUESTÃO 5.:
Relativamente às operações de compra, venda e instalação destes aparelhos de ar condicionado a
efectuar pela Q&F SA no Hotel Luanda:
a) A Q&F SA tem de autoliquidar IVA na compra dos aparelhos.
b) A compra dos aparelhos não está sujeita a IVA.
c) A compra dos aparelhos está isenta de IVA.
d) A venda dos aparelhos está isenta de IVA, não havendo que proceder a liquidação de imposto.

30/10/2010

QUESTÃO 26.:
A empresa Carrengil, S.A. vendeu uma mercadoria no dia 18 de Outubro, tendo emitido a
correspondente factura no dia 21 do mesmo mês, a qual apenas foi paga no dia 29. O IVA
é exigível:
a) No dia 18 de Outubro.
b) No dia 21 de Outubro.
c) No dia 23 de Outubro.
d) No dia 29 de Outubro.

Baixado por Cepade Projectos (consulting.cepadeeprojectos@gmail.com)


lOMoARcPSD|3477506

QUESTÃO 27.:
Na transmissão a título oneroso de um armazém, que integra os inventários do sujeito
passivo, a uma sociedade de locação financeira seguida de um contrato de locação
financeira a favor do transmitente (lease back):
a) Transmissão e locação são operações sujeitas a IVA, beneficiando ambas de isenção
sem possibilidade de renúncia à isenção.
b) Transmissão e locação são operações não sujeitas a IVA.
c) Transmissão e locação são operações sujeitas a IVA, beneficiando ambas de isenção,
com possibilidade de renúncia à isenção apenas pelo locador.
d) Transmissão e locação são operações sujeitas a IVA, beneficiando ambas de isenção,
com possibilidade de renúncia à isenção verificadas que sejam determinadas condições.

QUESTÃO 28.:
O comerciante J. Castro decidiu constituir uma sociedade unipessoal por quotas,
realizando o capital através da transferência do seu património empresarial:
a) A transmissão dos activos para a sociedade é objecto de tributação em IVA.
b) Só há lugar a tributação em IVA se tiver sido previamente deduzido o IVA suportado
com a aquisição dos bens transferidos para a sociedade.
c) Não há lugar a tributação em IVA, por se tratar de operação isenta do imposto.
d) Não há lugar a tributação em IVA, por se tratar de operação não sujeita a imposto.

QUESTÃO 15.:
A administração da PASTELARIAS REUNIDAS vai passar a oferecer diariamente os
bolos e salgados não vendidos a uma instituição particular de solidariedade social (IPSS).
Relativamente aos bolos e salgados que serão diariamente oferecidos, a PASTELARIAS
REUNIDAS:
a) Deverá liquidar IVA, calculado sobre o preço de custo.
b) Deverá liquidar IVA, calculado sobre o preço de venda.
c) Goza de isenção de IVA nesta oferta, desde que os beneficiários sejam pessoas carenciadas.
d) Nenhuma das anteriores.

QUESTÃO 17.:
António, vizinho e cliente regular de uma das lojas da PASTELARAS REUNIDAS, toma
habitualmente o pequeno almoço no estabelecimento de Sacavém: senta-se numa mesa,
bebe um sumo de laranja em garrafa e come um queque de maçã, enquanto lê o jornal da
manhã.
Nesta operação – pequeno almoço do António – a PASTELARIAS REUNIDAS deverá:
a) Liquidar IVA à taxa reduzida em ambos os alimentos.
b) Liquidar IVA à taxa reduzida no queque e liquidar IVA à taxa intermédia no sumo.
c) Liquidar IVA à taxa reduzida no sumo e liquidar IVA à taxa intermédia no queque.
d) Liquidar IVA à taxa intermédia sobre a totalidade da receita.

26/06/2010
QUESTÃO 6.:
A SEMPRE A ANDAR efectuou na sua oficina a mudança de óleo numa viatura de serviço da
FUNDAÇÃO AMIGOS DE AVEIRO que é uma IPSS (Instituição Particular de Solidariedade Social) a
quem foi reconhecida utilidade pública, tendo emitido uma factura onde discriminou o tipo de
serviço prestado, mencionando “mudança de óleo”.
No âmbito do IVA, relativamente à factura emitida à FUNDAÇÃO AMIGOS DE AVEIRO, a SEMPRE A
ANDAR deverá:
a) Liquidar IVA à taxa normal.
b) Liquidar IVA à taxa reduzida.
c) Não liquidar IVA porque se trata de operações isentas.
d) Não liquidar IVA porque se trata de operações não sujeitas.

Baixado por Cepade Projectos (consulting.cepadeeprojectos@gmail.com)


lOMoARcPSD|3477506

QUESTÃO 9.:
Duas das viaturas alienadas tinham sido adquiridas em 2007 por 15.000€ cada uma e a viatura
comprada em 2008 por 16.000€. Estes valores incluem o IVA suportado à taxa legal aplicável, não
tendo a empresa exercido o direito à dedução, nos termos da alínea a) do n.º 1 do art. 21º do
Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado.
Na factura emitida, relativa à alienação das viaturas, em Maio de 2010, a SEMPRE A ANDAR
deverá:
a) Ter liquidado IVA à taxa de 20%.
b) Não ter liquidado IVA por se tratar de vendas de bens em segunda mão.
c) Não ter liquidado IVA por se tratar de vendas a particulares.
d) Não ter liquidado IVA por se tratar de operação isenta.

Questão 25.:
O IVA suportado com a aquisição de uma máquina, no mercado nacional, que vai ser
utilizada na produção de artigos cuja comercialização é tributada em IVA:
a) É dedutível aquando da aquisição.
b) É dedutível aquando do pagamento se anterior à aquisição.
c) É dedutível à medida que a máquina for sendo depreciada ou amortizada.
d) Não é dedutível.

13/03/2010

QUESTÃO 2.:
Em 2008 a XCRITOR, Lda começou a vender os seus produtos no mercado espanhol e também a
exportar para Angola. As vendas para este país africano são efectuadas a partir de uma
delegação na cidade do Funchal, dado que o responsável por esta Delegação, natural de Angola,
é quem detém os contactos comerciais com empresas daquele país.
Relativamente aos produtos vendidos para Angola, a XCRITOR deverá:
a) Liquidar IVA à taxa de 20%, em vigor no Continente, dado que é aqui que está localizada a
sede da empresa.
b) Liquidar IVA à taxa de 14%, dado que as vendas são facturadas pela delegação do Funchal.
c) Não liquidar IVA porque se trata de operações isentas.
d) Não liquidar IVA porque se trata de operações não sujeitas.

QUESTÃO 18.:
Em Fevereiro de 2010 a gerência da XCRITOR decidiu proceder à redecoração do escritório. Para
o efeito, foram afectadas ao activo fixo tangível seis secretárias fabricadas pela empresa, as quais
constavam nos Inventários pelo valor unitário de 1.200 euros cada.
Estas secretarias têm um preço de venda unitário de 1.800 euros.
Em sede do IVA, aquando da afectação ao activo fixo tangível das seis secretárias, a XCRITOR
deverá:
a) Liquidar IVA no montante de 240€.
b) Liquidar IVA no montante de 360€.
c) Liquidar IVA no montante de 120€.
d) Não liquidar IVA.

Questão 28.:
Tendo em vista a emissão de um parecer para um cliente, o economista Ernesto Silva
recorreu ao serviços de um advogado, António Fagundes. Ambos estão colectados em IRS pelo
exercício das suas actividades em regime livre, estando o economista no regime simplificado e o
advogado no regime da contabilidade organizada.
Em sede de IRS, relativamente ao pagamento de honorários que o primeiro fez ao segundo:
a) Há lugar a retenção na fonte à taxa de ….
d) Não há lugar a retenção na fonte.

31/10/2009

A CONSTROC, Lda, além de efectuar obras para terceiros em regime de empreitada, tem
efectuado diversos empreendimentos próprios, para habitação, o que determina que seja um

Baixado por Cepade Projectos (consulting.cepadeeprojectos@gmail.com)


lOMoARcPSD|3477506

sujeito passivo do regime geral do IVA, embora misto e no regime de afectação real.
Habitualmente os empreendimentos são apresentados aos clientes ainda em fase de projecto. É
então celebrado um contrato de promessa de compra e venda para cada fracção autónoma (cujo
preço nunca é inferior a 400.000 euros), sendo o mesmo sinalizado com 10% do preço acordado.
A CONSTROC, Lda recorre a empresas de betão pronto para o fornecimento do betão necessário
à construção dos edifícios e outras construções que constituem a sua actividade.
QUESTÃO 5.:
Relativamente ao IVA debitado à CONSTROC, Lda por uma empresa de betão pronto que fornece
o betão para a construção de um destes empreendimentos para habitação:
a) A CONSTROC, Lda poderá efectuar a respectiva dedução na íntegra.
b) A CONSTROC, Lda não poderá efectuar a respectiva dedução.
c) A CONSTROC, Lda poderá efectuar a dedução parcial daquele IVA, porque se encontra no
regime misto de IVA.
d) Nenhuma das anteriores.

A CONSTROC, Lda dispõe de um terreno que adquiriu para nele construir um novo
empreendimento destinado a habitação. Tendo a Gerência entretanto constatado que,
em consequência da crise económica e financeira actualmente vivida, o mercado não
absorverá certamente mais esta oferta imobiliária, foi decidido afectar aquele terreno à
função de Estaleiro Central da empresa. Para tal, iniciou-se naquele terreno a
construção de um edifício que funcionará como Armazém central da empresa, comum
às várias actividades.

QUESTÃO 9.:
Relativamente ao IVA constante das facturas relativas aos materiais adquiridos pela CONSTROC,
Lda para a construção do Armazém:
a) A empresa pode proceder à dedução do imposto na íntegra.
b) A empresa terá de suportar integralmente o imposto, não podendo proceder à respectiva
dedução.
c) A dedução do imposto será efectuada por opção da empresa.
d) Nenhuma das anteriores.

QUESTÃO 25.:
A venda de um armazém entre sujeitos passivos de IVA:
a) Está necessariamente isenta de IVA.
b) Pode eventualmente haver renúncia à isenção de IVA, sendo nesse caso o imposto liquidado
pelo alienante.
c) Pode eventualmente haver renúncia à isenção de IVA, sendo nesse caso o imposto liquidado
pelo adquirente.
d) Pode eventualmente haver renúncia à isenção de IVA, sendo nesse caso o imposto liquidado
pelo serviço de finanças competente.

QUESTÃO 26.:
Um técnico oficial de contas com escritório em território português foi contratado por uma empresa
espanhola para lhe dar um parecer sobre o modo mais correcto de constituir em Portugal uma
empresa participada por aquela. Os honorários respeitantes a esse serviço:
a) São tributados em IVA em Portugal.
b) São tributados em IVA em Espanha.
c) São tributados em IVA em Portugal e em Espanha.
d) Não são tributados em nenhum dos países, dado que existe convenção sobre dupla tributação
entre ambos.

27/06/2009
As conservas COSTA são muito apreciadas na Europa. A CC&F, LDA. vende a maior
parte da sua produção nos mercados francês e alemão. Para tal, dispõe de um
distribuidor em cada um destes países, os quais são empresas locais.
QUESTÃO 2.:
As vendas de conservas de sardinha pela CC&F, LDA. aos distribuidores em França e na
Alemanha:

Baixado por Cepade Projectos (consulting.cepadeeprojectos@gmail.com)


lOMoARcPSD|3477506

a) Estão sujeitas a IVA à taxa de 5%.


b) Estão sujeitas a IVA à taxa de 12%.
c) Estão sujeitas a IVA à taxa de 20%.
d) Nenhuma das anteriores.

A gerência da CC&F, LDA. tem também dúvidas, em sede de IVA, no tocante ao


enquadramento fiscal da perda resultante do sinistro no que respeita ao valor do pescado
cujo IVA foi deduzido aquando da aquisição.
QUESTÃO 7.:
Dado que a CC&F, LDA. deduziu o IVA respeitante ao pescado adquirido e que foi objecto do
sinistro, agora deverá:
a) Efectuar uma regularização do IVA a favor do Estado, de montante igual ao do imposto
deduzido aquando da aquisição.
b) Efectuar liquidação tendo como base tributável o preço de custo.
c) Não efectuar qualquer registo contabilístico, mantendo o direito à dedução do IVA relativo
aquele pescado.
d) Nenhuma das anteriores.

QUESTÃO 25.:
O IVA suportado nas aquisições de matérias-primas utilizadas no seu processo produtivo
por uma empresa que realiza exclusivamente operações sujeitas e não isentas do
imposto:
a) É dedutível até à concorrência do imposto liquidado pela empresa.
b) É dedutível no período de tributação do consumo das matérias-primas a que respeita.
c) É dedutível no período em que são feitas as aquisições.
d) É dedutível no período em que ocorrem as vendas dos produtos.

QUESTÃO 26.:
Em termos de IVA, a transmissão de todos os activos e passivos de um estabelecimento
comercial:
a) Está isenta.
b) Não está sujeita.
c) Está isenta, desde que cumpridas algumas condições.
d) Não está sujeita, desde que cumpridas algumas condições.

14/03/2009
QUESTÃO 25.:
Não estão sujeitas a IVA:
a) As exportações de bens.
b) As transmissões intracomunitárias de bens.
c) As importações de bens.
d) Certas prestações de serviços realizadas por residentes.

Retenções na Fonte de IR
18/06/2011 Questões 28

A INFOTOC decidiu abrir um escritório em Lisboa, tendo para o efeito efetuado obras de
beneficiação de um imóvel arrendado a uma outra empresa, que ascenderam a 25.000€.
A INFOTOC pagou à outra empresa uma caução de três meses de renda, no valor total
bruto de 6.000€.
QUESTÃO 3.:
Relativamente à caução paga pela INFOTOC à senhoria:
a) Está sujeita a retenção na fonte de IRC se e só se a senhoria for um fundo de investimento
imobiliário.
b) Nunca está sujeita a retenção na fonte de IRC.

Baixado por Cepade Projectos (consulting.cepadeeprojectos@gmail.com)


lOMoARcPSD|3477506

c) Não está sujeita a retenção na fonte de IRC caso a senhoria seja uma sociedade que tenha por
objeto a gestão de imóveis próprios e não se encontre sujeita ao regime de transparência fiscal.
d) Nenhuma das anteriores.

No decurso do mês de Dezembro a Q&F SA efectuou operações de manutenção gratuitas, a


cinco clientes empresariais que tinham adquirido aparelhos de ar condicionado no primeiro
semestre desse ano. Em média, em cada uma das operações, o gasto com pessoal ascendeu
a cerca de 200 € e foram utilizados consumíveis (gás, material isolante, etc.) no valor de 45€.
QUESTÃO 13.:
No âmbito da tributação em IVA:
a) A Q&F SA deverá emitir uma factura no valor total de 245€ relativa a cada um destes serviços e
liquidar o IVA respectivo.
b) A Q&F SA deverá emitir uma factura no valor total de 245€ relativa a cada um destes serviços mas
não liquida IVA porque se trataram de operações gratuitas.
c) A Q&F SA não deverá emitir qualquer factura relativa a estes serviços.
d) Nenhuma das anteriores.

30/10/2010
A PASTELARIAS REUNIDAS pagou, em Julho de 2010, a título de subsídio de férias aos
empregados, cerca de 90.000€. Em Dezembro de 2009, a empresa tinha estimado os
gastos com férias a pagar em 2010 apenas em 85.000€.
QUESTÃO 13.:
A PASTELARIAS REUNIDAS pagou, em Julho de 2010, a título de subsídio de férias aos
empregados, cerca de 90.000€. Em Dezembro de 2009, a empresa tinha estimado os
gastos com férias a pagar em 2010 apenas em 85.000€.
A PASTELARIAS REUNIDAS deverá ter efectuado a retenção na fonte de IRS sobre o subsídio
de férias dos empregados:
a) Em Julho de 2010, quando efectuou o pagamento desse subsídio.
b) Em Dezembro de 2009, quando estimou os gastos com férias.
c) No momento do processamento do subsídio de férias.
d) Nenhuma das anteriores.

13/03/2010
QUESTÃO 21.:

A XCRITOR pagou honorários ao designer João Mendonça, relativos a uma nova linha de
mobiliário de escritório que este está a conceber. O pagamento ocorreu em Fevereiro de 2010,
mês em que a empresa recebeu também o respectivo recibo Modelo 6 de IRS, no qual se
evidenciava um montante de IVA de 10.000€ e uma retenção na fonte a título de IRS de …€.
Relativamente aos honorários do designer João Mendonça, pagos pela
XCRITOR em 2010:
a) O montante bruto foi …€.
b) O montante pago foi …€.

14/03/2009
A SdoC, LDA. extrai a matéria-prima, entre outros locais, de uma pedreira situada perto de um
terreno cujo proprietário é o Senhor A. Silva. A SdoC, LDA. paga-lhe mensalmente uma renda no
valor de 1 500 euros, relativa ao terreno que utiliza como parque das máquinas há cerca de três
anos.

QUESTÃO 5.:
As rendas pagas ao Senhor A. Silva:
a) Estão sujeitas a retenção na fonte de IRS à taxa de …%.
b) Não estão sujeitas a retenção na fonte de IRS.
c) Estão sujeitas a IVA à taxa de 20%.

Baixado por Cepade Projectos (consulting.cepadeeprojectos@gmail.com)


lOMoARcPSD|3477506

IRC
18/06/2011 Questões 30, 31 e 32

Enquanto os profissionais liberais solicitam habitualmente serviços pontuais à INFOTOC,


as empresas optam geralmente por celebrar contratos de manutenção para garantir a
assistência ao sistema de informação. O Dr. Santos Serra é o único sócio da sua
sociedade unipessoal através da qual exerce profissão incluída na lista anexa ao CIRS:
médico (especialidade oftalmologia).
QUESTÃO 5.:
Em sede de IRC, a sociedade unipessoal do Dr. Santos Serra:
a) Enquadra-se no regime normal.
b) Pode ser enquadrada no regime de transparência fiscal.
c) É obrigatoriamente enquadrada no regime de transparência fiscal.
d) Nenhuma das anteriores.

26/02/2011
Ainda relativamente à desvalorização do imóvel anteriormente referida, surgiram dúvidas
sobre o respectivo enquadramento fiscal.
QUESTÃO 9.:
A quantia de 60.000 € relativa à diferença entre o valor contabilístico do imóvel no final do exercício de
2010 e o respectivo valor de mercado e registada contabilisticamente como uma perda por imparidade:
a) É sempre considerada como uma perda fiscal no exercício em que for registada.
b) Não pode ser considerada como uma perda fiscal no exercício em que for registada.
c) Nunca pode ser aceite como custo fiscal.
d) Nenhuma das anteriores.

Relativamente ao enquadramento fiscal em sede de IRC das vendas destes equipamentos


surgiram dúvidas sobre o momento em que devem ser tributadas.
QUESTÃO 11.:
No âmbito da tributação em IRC:
a) As vendas destes equipamentos são tributadas integralmente em 2010,pelo respectivo valor
nominal constante da factura.
b) A vendas destes equipamentos são tributadas integralmente em 2010,sendo o valor tributável o
resultante da soma do valor de 25.000 €
recebidos inicialmente com o valor descontado à taxa de 6% das três prestações trimestrais cujo
recebimento apenas ocorrerá em 2011.
c) As vendas serão tributadas de acordo com o reconhecimento do rédito registado contabilisticamente
de acordo com as NCRF.
d) Nenhuma das anteriores.

Também em sede de IRC surgiram algumas dúvidas relativas ao enquadramento destas


ofertas de serviços e consumíveis.
QUESTÃO 14.:
No âmbito da tributação em IRC:
a) A Q&F SA deverá acrescer no Quadro 07 da Declaração Mod. 22 as quantias suportadas de gastos
com pessoal e com aquisições de consumíveis utilizados nestes serviços, porque se tratam de gastos
não aceites na determinação do lucro tributável.
b) A Q&F SA deverá suportar a tributação autónoma à taxa de 5% sobre os gastos suportados com a
prestação destes serviços.
c) Os gastos suportados com a prestação destes serviços são aceites como custo na determinação do
lucro tributável.
d) A Q&F SA deverá emitir uma factura no valor total de 245€ relativa a cada um destes serviços e
considerar esse valor como proveito na determinação do lucro tributável.

No dia 31 de Dezembro de 2010 a Q&F SA recebeu os juros anuais (calculados à taxa Euribor) dos
suprimentos que efectuou em 2 de Janeiro de 2008 a cada uma das participadas QUENTE & FRIO –
NORTE, Lda, e QUENTE & FRIO – SUL, Lda.

Baixado por Cepade Projectos (consulting.cepadeeprojectos@gmail.com)


lOMoARcPSD|3477506

QUESTÃO 19.:
Relativamente aos juros recebidos pela Q&F SA e pagos pelas participadas:
a) As participadas devem efectuar retenção na fonte de IRC à taxa liberatória de 21,5%.
b) Os juros não são gasto fiscal nas participadas pois estão a ser pagos a uma empresa que participa
nos respectivos capitais sociais em mais de 50%.
c) Os juros não são rendimento fiscal para a Q&F SA, pois esta empresa tem que suportar Imposto do
Selo sobre os suprimentos efectuados.
d) Os juros são rendimento fiscal para a Q&F SA.

Questão 28.:
A Sociedade Alfa, Lda. teve em 2010 um volume de negócios de 10.000.000 €. No
mesmo ano, pagou quotizações à associação empresarial do sector em que se insere no
montante de 15.000€.
No Quadro 07 da Declaração Modelo 22 respeitante a 2010 poderá deduzir:
a) 5.000,00 €.
b) 7.500,00 €.
c) 15.000,00 €.
d) 22.500,00 €.

Questão 29.:
Constitui uma variação patrimonial não relevante para efeitos de determinação do lucro
tributável em IRC:
a) Um subsídio destinado à aquisição de um bem do activo fixo tangível.
b) Um perdão de dívidas concedido pelos credores.
c) Um aumento de capital em dinheiro com prémio de emissão.
d) Um subsídio destinado à exploração.

Questão 31.:
A Sociedade Beta, S.A. reconheceu em 2009 uma perda por imparidade relativamente ao
cliente J. Silva, com referência a uma factura cuja data de vencimento havia ocorrido em
Fevereiro desse ano. O crédito relativo a essa factura era de 20.000,00 € e a perda por
imparidade foi reconhecida nesse montante. Em 2010, por iniciativa de uma instituição
bancária, foi instaurado a J. Silva um processo de insolvência.
No Quadro 07 da declaração modelo 22 do IRC de 2010 a Sociedade Beta, S.A. deverá:
a) Deduzir 20.000 €.
b) Deduzir 5.000 €.
c) Deduzir 15.000 €.
d) Não deduzir qualquer importância.

Questão 32.:
A Sociedade Alfa, Lda. adquiriu no passado mês de Janeiro uma loja comercial por
1.000.000€, tendo pago 65.000 € de IMT e 35.000 € de escritura e registo na
conservatória. A depreciação máxima fiscalmente aceite é de:
a) 22.000 €.
b) 20.000 €.
c) 17.000 €.
d) 16.500 €.

30/10/2010
QUESTÃO 29.:
A sociedade Alfa, Lda., cujo resultado é tributado em IRC ao abrigo do regime geral,

Baixado por Cepade Projectos (consulting.cepadeeprojectos@gmail.com)


lOMoARcPSD|3477506

suportou quotizações para uma associação empresarial no valor de 5.000€, sendo o


seu volume de negócios de 2.600.000€. O montante considerado dedutível para efeitos
fiscais em sede de IRC (compreendendo as quotizações e eventual majoração) ascende a:
a) 5.000€.
b) 5.200€.
c) 6.400€.
d) 7.500€.

QUESTÃO 30.:
A sociedade industrial Chapa, S.A. alienou à sua sociedade-mãe uma participação
correspondente a 10% da sociedade Cima, Lda., tendo apurado uma menos-valia
fiscal, a qual:
a) Deverá ser considerada dedutível em IRC na esfera da sociedade Chapa, S.A. na
totalidade.
b) Deverá ser considerada dedutível em IRC na esfera da sociedade Chapa, S.A. em
somente 50%.
c) Não deverá ser considerada dedutível em IRC na esfera da sociedade Chapa,S.A..
d) Poderá ser reinvestida em exercícios posteriores.

QUESTÃO 31.:
Qual dos seguintes gastos ou encargos não é aceite para efeitos da determinação
do lucro tributável em sede IRC?
a) O Imposto do selo suportado no âmbito de um financiamento contraído pela empresa.
b) Uma multa paga a um cliente pelo atraso na entrega de mercadorias.
c) A despesa suportada com a reparação de uma viatura da própria empresa, por danos
sofridos num acidente, por não existir seguro contra todos os riscos.
d) A derrama incidente sobre o lucro tributável.

26/06/2010

QUESTÃO 3.:
Relativamente aos dividendos pagos pela SEMPRE A ANDAR AVEIRO em Abril de 2010 aos
seus accionistas pessoas singulares, deve ter havido:
Retenção na fonte de imposto sobre o rendimento à taxa de …%.
QUESTÃO 4.:
A SEMPRE A ANDAR AUTO PORTUGAL tem tido resultados contabilísticos e lucros tributáveis
sempre positivos, não sentindo a crise que o sector e o país atravessam. A participação de 20%
que subscreveu no capital da franchisada foi contabilizada pelo método da equivalência
patrimonial. Em 31.12.2009, o activo estava reconhecido no balanço por 46.250€ e esta
valorização justifica-se apenas pelo efeito associado ao valor de aquisição e ao resultado apurado
no ano.
No âmbito da tributação em IRC, a parte da SEMPRE A ANDAR AUTO PORTUGAL em 2009 nos
resultados da SEMPRE A ANDAR AVEIRO é:
a) Deduzida à colecta de IRC de 2009.
b) Deduzida ao lucro tributável em IRC de 2009.
c) Um ganho totalmente tributável em IRC de 2009.
d) Nenhuma das anteriores.

QUESTÃO 17.:
A SEMPRE A ANDAR AVEIRO está a equacionar a compra de um sistema de lavagens
automáticas. A decisão de aceitação depende necessariamente do custo do sistema, da
quantidade de lavagens mensais estimadas e do preço a praticar.

Baixado por Cepade Projectos (consulting.cepadeeprojectos@gmail.com)


lOMoARcPSD|3477506

Em sede de IRC, os gastos suportados pela SEMPRE A ANDAR AVEIRO nas lavagens
oferecidas aos clientes:
a) São aceites como gastos na determinação do lucro tributável.
b) Não são aceites como gastos na determinação do lucro tributável, pois o serviço não é
facturado ao cliente.
c) Apenas são aceites como gastos na determinação do lucro tributável caso a empresa apresente
lucro tributável no exercício.
d) Apenas são aceites como gastos na determinação do lucro tributável desde que o valor anual
não ultrapasse 5_‰ do volume de negócios.

QUESTÃO 22.:
As viaturas do Hospital D. Sebastião E.P.E. sito em Aveiro têm sido assistidas pela SEMPRE A
ANDAR AVEIRO, no que respeita a mudanças de óleo e filtro, travões, mudanças e equilibragens
de pneus e alinhamentos de direcção. Pontualmente são também efectuadas reparações de bate-
chapa e pintura, relativas a pequenos acidentes. Em Julho de 2010 e atendendo a que o Hospital
D. Sebastião E.P.E. tinha dívidas em mora no total de 18.360€, algumas das quais vencidas há
mais de 540 dias, a Administração da SEMPRE A ANDAR AVEIRO suspendeu a prestação de
serviços aquela entidade, mas não tem intenção de accionar judicialmente aquele hospital.

Em sede de IRC, as dívidas do Hospital D. Sebastião E.P.E. já vencidas mas


não liquidadas:
a) São consideráveis como créditos incobráveis e, consequentemente, aceites como gastos ou
perdas.
b) Não podem dar origem a perdas por imparidade fiscalmente dedutíveis.
c) Apenas a parte respeitante ao IVA suportado pela SEMPRE A ANDAR, SA é gasto aceite
fiscalmente.
d) A aceitabilidade depende da circunstância de ter sido anteriormente constituído perda de
imparidade para cobranças duvidosas.

Questão 27.:

Não estão sujeitas a tributação autónoma em IRC:


a) Despesas não documentadas.
b) Encargos não devidamente documentados.
c) Despesas de representação.
d) Despesas com viaturas parcialmente movidas a energia eléctrica.

Questão 28.:
Um aumento de capital de uma sociedade realizado por um sócio através da entrega de um
imóvel:
a) Constitui para a sociedade uma variação patrimonial tributada em IRC.
b) É tributada em imposto do selo, por se tratar de uma transmissão gratuita.
c) Embora sujeita a tributação em imposto do selo, está isenta de tributação por se tratar da
transmissão de um bem entre o sócio e a sociedade de que faz parte.
d) Constitui para a sociedade uma variação patrimonial não tributada em IRC.

Questão 29.:
O Sr. António Abreu doou um imóvel a uma sociedade de que é sócio maioritário um seu filho.
Essa doação é tributada:
a) Em imposto do selo, embora fique isenta.
b) Em imposto do selo, não beneficiando de qualquer isenção.
c) Em IMT.
d) Em IRC.

13/03/2010
QUESTÃO 7.:

Baixado por Cepade Projectos (consulting.cepadeeprojectos@gmail.com)


lOMoARcPSD|3477506

Em Fevereiro de 2010 um cliente sedeado em Madrid – Muebles SR - entrou em processo de


insolvência e foi imediatamente declarado falido pelo tribunal, dado não existir património que
permita ressarcir os credores. Este cliente não tinha liquidado no prazo acordado (Fevereiro de
2010) duas facturas cujo montante global ascendia a 23.000 euros. E deve ainda à XCRITOR uma
outra factura no valor de 40.000 euros, a qual se iria vencer no corrente mês de Março. As três
facturas respeitam todas a vendas efectuadas já em 2010.
Sabe-se ainda que a XCRITOR não participa no capital da referida empresa espanhola, nem é por
ela participada. Por outro lado, não existe qualquer seguro de crédito em relação às vendas
efectuadas para aquele cliente.

No âmbito do IRC relativo a 2010 da XCRITOR, os créditos incobráveis da Muebles SR:


a) Não serão aceites como gastos, dado que o cliente se encontra sedeado em Espanha.
b) São aceites como gastos na totalidade.
c) São aceites como gastos excepto na parte respeitante ao IVA, dado que este imposto é
recuperável pela XCRITOR.
d) Não serão aceites como gastos por não ter sido anteriormente constituído perda de imparidade
para cobranças duvidosas.

QUESTÃO 11.:
No início de 2010, particularmente chuvoso, ocorreu uma inundação num dos armazéns de
matérias-primas da XCRITOR, tendo ficado irremediavelmente danificadas algumas madeiras
utilizadas na fabricação dos tampos de secretárias. As madeiras danificadas custaram 16.000
euros e foram vendidas agora por 2.000 euros.
A XCRITOR aceitou receber da Seguradora uma indemnização no valor de apenas 12.000 euros,
já que foi entendimento da Gerência que as despesas seriam mais avultadas se recorressem aos
tribunais, a fim de exigirem à Seguradora um valor mais próximo do prejuízo efectivamente
sofrido.
A Gerência da XCRITOR questionou o TOC sobre o enquadramento fiscal desta operação, ou
seja, sobre a aceitabilidade como gasto do valor não coberto pela seguradora.

No apuramento do IRC de 2010 da XCRITOR, a diferença entre o custo da madeira danificada e o


valor recebido da seguradora:
a) É um gasto aceite fiscalmente.
b) É um gasto não aceite fiscalmente porque o risco estava seguro, mas não foi coberto.
c) É um gasto aceite fiscalmente, mas dependente de autorização prévia da DGCI.
d) Nenhuma das anteriores.

QUESTÃO 19.:

A XCRITOR, Lda tem reintegrado as imobilizações corpóreas utilizando o método das quotas
constantes e as taxas máximas fixadas para efeitos fiscais que constam das tabelas anexas ao
Decreto Regulamentar n.º 2/90. Em 2010, a empresa pretende calcular as depreciações por
duodécimos com base na legislação fiscal em vigor.
As depreciações relativas a Fevereiro de 2010 das secretárias afectas ao activo fixo tangível
deverão ascender ao montante de:
a) 65€.
b) 75€.
c) 90€.
d) 112,5€.

QUESTÃO 23.:
Em Fevereiro de 2009 a XCRITOR alienou, por 115.000 euros, uma loja localizada no centro da
cidade que deixou de ser utilizada pela empresa, quando abriu o “Show Room” nas novas
instalações. Aquela loja tinha sido adquirida no início de 1999 por 85.000 euros, a que acresceram
despesas de aquisição (sisa, escritura, registos, etc.) no montante de 15.000 euros. Este imóvel
foi sempre amortizado desde o ano de aquisição em quotas constantes anuais e às taxas
máximas previstas no Decreto Regulamentar n.º 2/90. Sabe-se ainda que o valor de alienação é
superior ao valor patrimonial tributável (VPT) do imóvel.

Baixado por Cepade Projectos (consulting.cepadeeprojectos@gmail.com)


lOMoARcPSD|3477506

Em sede de IRC, a XCRITOR obteve em 2009 na alienação deste imóvel:


a) Uma mais valia fiscal de 3.650€.
b) Uma menos valia fiscal de 19.650€.
c) Uma mais valia fiscal de 15.000€.
d) Uma menos valia fiscal de 3.650€.

Questão 25.:
A Sociedade Beta, Lda. adquiriu em 2009 uma viatura ligeira de passageiros (cujo nível
homologado de emissão de CO2 é superior a 120g/km) por € 39.927,87, tendo-a amortizado
nesse ano à taxa de 20%. A tributação autónoma apurada em IRC do exercício de 2009 relativa à
amortização dessa viatura foi de:
a) € 598,56.
b) € 748,20.
c) € 798,56.
d) € 1.000,00.

Questão 26.:
Em 2010, no âmbito da tributação em IRC, a constituição de provisões:
a) Dá origem a gastos obrigatoriamente aceites para efeitos fiscais, respeitando o princípio
contabilístico da prudência.
b) Dá origem a gastos fiscalmente aceites sempre que os riscos venham a ser confirmados no
futuro.
c) Só dá origem a gastos fiscalmente aceites se a Direcção-Geral dos Impostos aceitar a
existência de riscos.
d) Nenhuma das respostas anteriores é verdadeira.

Questão 27.:
Qual das seguintes variações patrimoniais é relevante para efeitos de determinação do lucro
tributável das sociedades em Portugal?
a) Reavaliação do imobilizado não prevista em diploma legal de carácter fiscal.
b) Reavaliação do imobilizado prevista em diploma legal de carácter fiscal.
c) Aumento de capital de uma sociedade anónima não reservado a accionistas.
d) Doação de um imóvel recebida pela sociedade.

31/10/2009
A gerência da CONSTROC, Lda decidiu constituir uma outra sociedade que se denominará
CONSTBET-BETÃO PRONTO SOCIEDADE UNIPESSOAL Lda, também designada
simplesmente por CONSTBET. O objecto social desta sociedade será a produção e fornecimento
de betões, argamassas e agregados. A CONSTBET será integralmente detida pela CONSTROC,
Lda. A CONSTBET efectuará fornecimentos à CONSTROC, Lda e a outras empresas com as
quais, para além das normais relações comerciais, não existem outras relações. Os gerentes – Sr.
José Silva e Sr. António Ramires – entendem que a CONSTROC, Lda deverá beneficiar de preços
especiais (mais reduzidos) naquelas aquisições, por a CONSTBET ser detida a 100 por cento pela
CONSTROC, Lda e ainda como forma de compensação pelo capital investido.
QUESTÃO 6.:
Caso a CONSTBET pratique os referidos preços especiais nos fornecimentos que efectuar à
CONSTROC, Lda:
a) A CONSTROC, Lda deverá efectuar por sua iniciativa uma correcção ao seu lucro tributável,
subtraíndo os valores dos descontos praticados pela CONSTBET.
b) A CONSTBET deverá efectuar por sua iniciativa uma correcção ao seu lucro tributável,
adicionando os valores dos descontos praticados à CONSTROC,
c) Nenhumas das empresas deve efectuar por iniciativa própria qualquer correcção ao respectivo
lucro tributário, podendo a Direcção-Geral dos Impostos efectuar as correcções ao lucro tributável
que sejam necessárias para que o respectivo montante corresponda ao que teria sido obtido se a
operação se tivesse processado numa situação normal de mercado.
d) Nenhuma das anteriores.

Em Abril de 2008, a CONSTROC, Lda efectuou uma obra de pintura para uma Câmara Municipal,
por 100.000€. A Câmara deveria ter liquidado a dívida até ao final de Maio de 2008. Apesar das
insistentes solicitações da empresa, por telefone e até por carta registada, verificou-se que a

Baixado por Cepade Projectos (consulting.cepadeeprojectos@gmail.com)


lOMoARcPSD|3477506

dívida correspondente a estes trabalhos ainda se encontra por liquidar em Outubro de 2009. Por
outro lado, sabe-se que a CONSTROC, Lda contabilizou – relativo à dívida referida – um
ajustamento de dívidas a receber no montante de 25.000€ na demonstração dos resultados de
2008.
QUESTÃO 14.:
Se, em 31 de Dezembro de 2009, a totalidade daquela dívida ainda se encontrar por liquidar, para
efeitos do apuramento do lucro tributável em IRC de 2009 da CONSTROC, Lda:
a) Poderá deduzir uma provisão para créditos de cobrança duvidosa até ao montante de 50.000€.
b) Poderá constituir uma provisão para créditos de cobrança duvidosa até 100.000€.
c) Não será aceite como custo fiscalmente dedutível nenhuma provisão para créditos de cobrança
duvidosa.
d) A provisão pode ser deduzida para efeitos fiscais, mas apenas se a dívida tiver sido
previamente isolada em contas de devedores duvidosos.

A CONSTROC, Lda tem reintegrado e amortizado as imobilizações corpóreas e as imobilizações


incorpóreas utilizando o método das quotas constantes anuais e as taxas máximas fixadas para
efeitos fiscais que constam das tabelas anexas ao Decreto-Regulamentar n.º 2/90. Em 2008 as
reintegrações do exercício relativas às cofragens metálicas (adquiridas todas no mesmo ano)
totalizaram 7.500€.
QUESTÃO 15.:
O valor de aquisição das cofragens metálicas da CONSTROC, Lda. deverá ter sido:
a) 37.500€.
b) 30.000€.
c) 22.500€.
d) 75.000€.

Em Setembro de 2009, a CONSTROC, Lda foi galardoada com o prémio EXCELÊNCIA, tendo
recebido 2.500€.
QUESTÃO 17.:
No âmbito da tributação em IRC, o montante do prémio recebido pela CONSTROC, Lda é:
a) Um proveito tributável.
b) Uma variação patrimonial positiva não reflectida no resultado.
c) Uma dedução à colecta.
d) Um proveito que não será tributado.

Na CONSTROC, Lda existem suprimentos, os quais têm vencido juros à taxa anual de 10%. Estes
juros têm sido pagos aos sócios no final de cada ano civil.
QUESTÃO 19.:
No âmbito da tributação em IRC em 2009, os juros dos suprimentos pagos pela CONSTROC, Lda
aos sócios são:
a) Um custo fiscalmente aceite na totalidade.
b) Uma variação patrimonial negativa não reflectida no resultado.
c) Um custo que não pode ser deduzido, para efeitos fiscais, em nenhuma circunstância.
d) Um custo parcialmente dedutível para efeitos fiscais.

QUESTÃO 29.:
A Sociedade Jota, Lda. é titular de uma quota representativa de 5% do capital da Sociedade
Kapa, Lda. que adquiriu em Janeiro de 2005. Em Junho de 2009 recebeu por transferência
bancária dessa sociedade a quantia de 800€ respeitante a uma distribuição de lucros.
Terá direito a fazer uma dedução no Quadro 07 da Declaração Modelo 22 do exercício
de 2009 no montante de:
a) 400€.
b) 500€.
c) 800€.
d) 1.000€.

QUESTÃO 30.:
Qual dos seguintes custos é aceite para efeitos de IRC?
a) Juros de mora por atraso no pagamento de uma prestação de empréstimo bancário.

Baixado por Cepade Projectos (consulting.cepadeeprojectos@gmail.com)


lOMoARcPSD|3477506

b) Multa por estacionamento indevido de uma viatura para descarregar mercadorias.


c) Tributação autónoma em IRC de custos com despesas de representação.
d) Despesas não documentadas.

No decurso de 2008 e 2009 até ao momento em que passou a participar no


capital social da CONSERVEX, a CC&F, LDA. vendeu mercadorias àquela
empresa francesa com um desconto adicional de 10%, a fim de a ajudar a
ultrapassar as dificuldades financeiras.
QUESTÃO 4.:
A CC&F, LDA, após a entrada no capital social da CONSERVEX e
relativamente ao desconto adicional que vinha sendo praticado:
a) Não pode continuar a praticar o desconto, atendendo ao regime dos Preços de Transferência
consagrado no Código do IRC.
b) Pode continuar a praticar o desconto, mas deverá proceder à correcção do resultado
operacional como se não o estivesse a praticar.
c) Pode continuar a praticar o desconto, mas deverá proceder às necessárias correcções positivas
na determinação do lucro tributável.
d) Nenhuma das anteriores.

27/06/2009
A companhia de seguros onde a CC&F, LDA. tem colocadas as várias apólices de seguro
subscritas informou que relativamente ao sinistro descrito, uma das apólices cobria quer
os danos decorrentes do curto-circuito e do incêndio consequente, quer a perda do
pescado. A CC&F, LDA. terá todavia que pagar pelo sinistro uma franquia correspondente
a 10% do valor total dos danos sofridos. A gerência da CC&F, LDA. tem dúvidas quanto
ao enquadramento fiscal da perda resultante do sinistro, no que respeita ao pescado
perdido.
QUESTÃO 6.:
No âmbito do Código do IRC, o valor relativo ao pescado perdido:
a) Deverá ser considerado como custo fiscal, sendo de considerar como proveito a indemnização
a receber da seguradora.
b) Deverá ser acrescido no Quadro 07 da Declaração Mod. 22 do IRC.
c) Não deverá ser considerado como custo fiscal na íntegra, mas apenas na parte indemnizada
pela seguradora e desde que a empresa registe como proveito a indemnização recebida.
d) Nenhuma das anteriores.

A CC&F, LDA substituiu parte das viaturas próprias por outras em regime de
locação financeira e, entretanto, a gerência da empresa pediu ao TOC que
analisasse qual o enquadramento fiscal daquela operação.
QUESTÃO 11.:
Em sede de IRC, as mais valias fiscais obtidas pela CC&F, LDA. Na alienação das viaturas de
distribuição:
a) Serão consideradas em metade do seu valor para efeitos da determinação do lucro tributável
de 2009.
b) Estão integralmente sujeitas a IRC, dado que não foi efectuado o reinvestimento em bens de
propriedade da empresa.
c) Estão isentas de IRC porque foram integralmente reinvestidas.
d) Nenhuma das anteriores.

Em 2009 a CC&F, LDA. atribuiu a todos os trabalhadores um seguro de saúde,


o qual abrange também os seus descendentes.
QUESTÃO 17.:
A despesa relativa ao seguro de saúde atribuído aos colaboradores da CC&F, LDA.:
a) É um custo aceite fiscalmente, independentemente do respectivo valor.
b) É um custo aceite fiscalmente até ao limite de 15% das despesas com o pessoal escrituradas a
título de remunerações, ordenados ou salários, respeitantes ao exercício.
c) É um custo aceite fiscalmente, independentemente do respectivo valor, apenas se a empresa
apresentar lucro tributável no exercício.

Baixado por Cepade Projectos (consulting.cepadeeprojectos@gmail.com)


lOMoARcPSD|3477506

d) É um custo não aceite fiscalmente, por não ser indispensável à obtenção de proveitos.

No decurso de 2009, as dificuldades de cobrança têm-se agravado. Entre os clientes com


dívidas vencidas registadas em conta corrente e relativamente aos quais não foi intentada
acção judicial, está a associada CONSERVEX, que não tem pendente qualquer processo
especial de recuperação da empresa e de protecção de credores, nem de execução,
insolvência ou falência.
QUESTÃO 23.:
Em sede de IRC, o ajustamento relativo às dívidas em atraso da CONSERVEX a efectuar em 2009
pela CC&F, LDA.:
a) Pode ser fiscalmente aceite como custo, se essas dívidas forem transferidas da conta corrente
para conta de clientes de cobrança duvidosa.
b) Não é aceite como custo dedutível para efeitos de cálculo do IRC.
c) A aceitação da dedutibilidade do ajustamento depende da prova de terem sido desenvolvidos
esforços com vista à respectiva cobrança.
d) Nenhuma das anteriores.

QUESTÃO 27.:
Uma doação recebida por uma pessoa colectiva:
a) Está sujeita a imposto do selo.
b) Está sujeita a IRC.
c) Só está sujeita a IRC se for contabilizada como ganho extraordinário.
d) Está isenta de IRC.

QUESTÃO 30.:
A Sociedade Jota, Lda. cometeu um erro no preenchimento da declaração modelo 22 do
exercício de 2006. Por este facto, foi-lhe feita em 2008 uma liquidação adicional de IRC
no montante de 1 200€. Teve ainda de pagar 120€ de derrama, 180€ de juros
compensatórios e uma coima de 200€.
a) Nenhuma das importâncias pagas é aceite como custo para efeitos fiscais.
b) Só os juros são aceites como custos para efeitos fiscais.
c) Só o IRC não é aceite como custo para efeitos fiscais por respeitar ao exercício
anterior.
d) Só a coima não é aceite como custo para efeitos fiscais, por não ter natureza
contratual.

14/03/2009
QUESTÃO 1.:
Em sede de IRC, o referido aumento do capital social por incorporação de reservas livres:
a) Está sujeito a IRC.
b) É uma variação patrimonial não tributável.
c) É uma variação patrimonial positiva tributável.
d) Não constitui rendimento para efeitos de IRC.

Em Maio de 2008, a SdoC, LDA. vendeu, por 5 000 €, 1 000 acções de uma sociedade
denominada LESSTAX, SA e cotada na Euronext Lisbon. A empresa adquirira essas acções por
2,5€ cada, valor este pelo qual sempre estiveram contabilizadas em Investimentos Financeiros,
durante os quatro anos em que foram detidas.
Durante 2008, a SdoC, LDA. não alienou quaisquer outros elementos do activo imobilizado.

QUESTÃO 7.:
Caso a SdoC, LDA. tenha obtido uma mais-valia fiscal na alienação das acções da LESSTAX,
S.A., em sede de IRC, essa mais-valia estará:
a) Sujeita a tributação na totalidade, caso não declare a intenção de reinvestir o produto da
alienação.

Baixado por Cepade Projectos (consulting.cepadeeprojectos@gmail.com)


lOMoARcPSD|3477506

b) Isenta de tributação.
c) Sujeita a tributação, apenas em metade do respectivo valor, independentemente de reinvestir
ou não o produto da alienação.
d) Nenhuma das anteriores.

No início de Janeiro de 2008 foi adquirido, por 50 000 €, equipamento específico em estado novo -
um martelete - cujo período mínimo de vida útil é de oito anos (código 0225, Tabela I, anexo ao
Decreto Regulamentar nº 2/90) e o valor residual estimado é de 10 000€. O TOC da SdoC, LDA.
decidiu, na reintegração do novo martelete, aplicar o cálculo das reintegrações por quotas
degressivas.

QUESTÃO 8.:
De acordo com a informação conhecida, a reintegração anual de 2008 do novo martelete deverá
ter sido:
a) 5 000€.
b) 12 500€.
c) 15 625€.
d) Nenhuma das anteriores.

No cálculo das reintegrações têm sido utilizadas as taxas máximas previstas no Decreto-
Regulamentar n.º 2/90, de 12 de Janeiro e têm-se aplicado as normas fiscais em detrimento das
normas contabilísticas, quando ambas não coincidem. A gerência da empresa pretende que em
2008, relativamente aos edifícios, se passem a praticar as quotas mínimas previstas no Decreto
Regulamentar referido.

QUESTÃO 9.:
Quanto às reintegrações dos edifícios em 2008, a SdoC, LDA.:
a) Terá de aplicar as taxas máximas de reintegração.
b) Poderá aplicar as taxas mínimas de reintegração apenas a novos edifícios, mas deverá
continuar a adoptar as taxas máximas nos restantes edifícios já parcialmente reintegradas.
c) Poderá aplicar as taxas mínimas de reintegração, desde que passe a fazê-lo para todos os
edifícios, tendo de corrigir as reintegraçoes acumuladas em anos anteriores.
d) Poderá aplicar as taxas mínimas de reintegração.

Ao contrário do que aconteceu no passado recente, não se espera que a SdoC, LDA. recorra em
2009 a horas extraordinárias, pelo que se prevê que os custos com o pessoal venham a sofrer
uma redução. Além do seguro de acidentes de trabalho e doenças profissionais, obrigatório para
todos os empregados, a SdoC, LDA efectuou a favor de todos os trabalhadores um contrato de
seguro pelo qual é garantido um complemento de invalidez ou sobrevivência.

QUESTÃO 13.:
Em sede de IRC, o prémio de seguro pago em 2008 pela SdoC, LDA.:
a) Não é aceite como custo, pois não integra o conjunto das remunerações e encargos a que a
empresa está legalmente obrigada.
b) Não é aceite como custo, porque não é qualificável como custo ou perda comprovadamente
indispensável para a realização dos proveitos ou ganhos sujeitos a imposto ou para a manutenção
da fonte produtora.
c) É aceite com o custo, desde que sejam cumpridas as condições previstas no CIRC relativas às
“realizações de utilidade social”.
d) Nenhuma das anteriores.

QUESTÃO 28.:

Baixado por Cepade Projectos (consulting.cepadeeprojectos@gmail.com)


lOMoARcPSD|3477506

A Sociedade ABC adquiriu, em Janeiro de 2005, uma máquina-ferramenta ligeira por 20 000€,
a que corresponde, nas tabelas anexas ao Decreto Regulamentar n.º 2/90, de 12 de Janeiro,
uma taxa de reintegração de 20%.
Supondo a aplicação do método das quotas degressivas, a quota de reintegração do
exercício de 2008 terá sido de:
a) 1 728€.
b) 2 160€.
c) 2 880€.
d) 4 000€.

QUESTÃO 29.:
A Sociedade Alfa, S.A. apurou os seguintes resultados para efeitos fiscais desde 2000:
Ano Valor Ano Valor
2000 -30.000 € 2004 15.000 €
2001 8.000 € 2005 -5.000 €
2002 5.000 € 2006 -8.000 €
2003 -3.000 € 2007 25.000 €
Em 2007 a Sociedade Alfa, S.A. deduziu prejuízos fiscais no montante de:
a) 13 000€.
b) 15 000€.
c) 16 000€.
d) 18 000€.

IRS
18/06/2011 Questões 29

No dia 31 de março de 2011 a INFOTOC pagou os juros anuais (calculados à taxa de Euribor
mais 12%) dos suprimentos que recebeu do accionista Afonso da Silva.
QUESTÃO 10.:
Relativamente aos juros pagos pela INFOTOC e recebidos pelo acionista Sr. Afonso da Silva:
a) A INFOTOC deve efetuar retenção na fonte de IRC à taxa liberatória de 20%.
b) Não são obrigatoriamente englobados no rendimento do Senhor Afonso da Silva para efeitos de
apuramento do IRS.
c) Não podem ser englobados no rendimento tributável do Senhor Afonso da Silva.
d) São gasto fiscal na totalidade para a INFOTOC.

QUESTÃO 26.:
São tributados em IRS a taxas liberatórias, os seguintes rendimentos obtidos por
residentes em território português:
a) Remunerações do trabalho dependente não fixas.
b) Mais-valias na alienação de imóveis.
c) Juros de suprimentos.
d) Rendas de imóveis.

30/10/2010
QUESTÃO 32.:
Relativamente a juros recebidos, por pessoas singulares residentes em território nacional,
de entidades residentes no mesmo território:
a) É possível o englobamento.
b) É sempre obrigatório o englobamento.
c) Nunca é possível o englobamento.
d) Nunca estão sujeitos a taxas liberatórias.

Baixado por Cepade Projectos (consulting.cepadeeprojectos@gmail.com)


lOMoARcPSD|3477506

26/06/2010
Questão 26.:
O Sr. Jorge Ramos decidiu criar uma empresa em nome individual dedicada à prestação de
serviços de programação informática. Na declaração de início de actividade, que entregou em
Julho de 2007, fez uma previsão de rendimentos para o exercício de 2007 de 35.000€.
Desde essa altura, realizou as seguintes prestações de serviços, que constituíram os seus únicos
rendimentos:
Ano de 2007 ... ... ... ... ... ... 30.000€
Ano de 2008 ... ... ... ... ... ... 180.000€
Ano de 2009 ... ... ... ... ... ... 200.000€
Nunca fez qualquer opção em termos de enquadramento na categoria B. Ficará enquadrado no
regime simplificado nos exercícios de:
a) 2007.
b) 2007 e 2008.
c) 2007, 2008 e 2009.
d) 2007, 2008, 2009 e 2010.

Questão 30.:
A transferência para o património particular dos empresários de quaisquer bens afectos ao activo
da sua empresa em nome individual dá origem a um rendimento:
a) Da categoria A.
b) Da categoria B.
c) Da categoria G.
d) Não dá origem a qualquer rendimento objecto de tributação.

13/03/2010
Questão 29.:
Um arquitecto que tem estado integrado no regime simplificado de tributação prestou serviços
durante o ano de 2008 no montante de € 60.000, tendo incorrido em despesas (fornecimentos e
serviços externos, impostos e custos com o pessoal) no montante de € 25.000.
Além disso, vendeu por € 15.000 uma viatura que estava afecta ao seu uso profissional.
Essa viatura tinha sido adquirida em 2006 por € 18.000 e o seu valor para efeitos fiscais era, na
data da venda, de € 13.500 (nos termos do n.º 9 do artigo 31.º do Código do IRS).
O rendimento tributável da categoria B deste arquitecto no ano de 2008 será de:
a) € 36.500.
b) € 42.000.
c) € 43.050.
d) € 45.000.

Questão 30.:
Para efeitos de tributação em IRS, as indemnizações por despedimento de um trabalhador podem
constituir:
a) Rendimentos do trabalho dependente.
b) Rendimentos de pensões.
c) Incrementos patrimoniais.
d) Rendimentos empresariais e profissionais.

31/10/2009
QUESTÃO 27.:
Qual dos seguintes rendimentos é necessariamente tributado em IRS aquando do pagamento ou
colocação à disposição?
a) Rendimentos de capitais.
b) Rendimentos da categoria B enquadrados no regime simplificado.
c) Rendimentos da categoria B enquadrados no regime da contabilidade organizada.
d) Rendimentos prediais.
QUESTÃO 28.:
O Sr. A. Silva vendeu, em Agosto último, 3.500 acções da Sociedade Alfa, S.A. ao
preço unitário de 4,00€. Era na altura titular de 4.000 acções dessa sociedade, que

Baixado por Cepade Projectos (consulting.cepadeeprojectos@gmail.com)


lOMoARcPSD|3477506

adquiriu nas seguintes datas:


- Setembro de 2004; 1.000 acções, a 6,00€/cada, por Compra.
- Outubro de 2008; 2.000 acções, por Aumento de capital por incorporação de reservas.
- Outubro de 2008; 1.000 acções, a 2,40€/cada, por Aumento de capital em dinheiro.
Apurou uma mais-valia tributável de: …

27/06/2009
A sociedade CONSERVAS COSTA & FILHOS, LIMITADA, que designaremos
abreviadamente por CC&F, LDA, foi constituída em 1948 pelo Senhor Efigénio Costa, pai
dos actuais sócios: Manuel, José e Ezequiel. No início de 2009, cada um detinha uma
quota de valor nominal de 20.000€. Estas quotas foram herdadas nos anos 70 do século
passado, aquando do falecimento do Senhor Efigénio Costa, viúvo, e não sofreram desde
então qualquer alteração. Ezequiel Costa vendeu, em Abril de 2009, a sua quota a uma
sociedade gestora de participações sociais (S.G.P.S.), sociedade anónima que está
sujeita ao Plano Oficial de Contas (POC).
QUESTÃO 1.:
Em sede de IRS, o resultado da venda da quota efectuada pelo Senhor Ezequiel Costa em 2009:
a) Está sujeita a IRS em 50% da mais valia apurada.
b) Não está sujeita a IRS.
c) Está isenta de IRS.
d) Nenhuma das anteriores.

QUESTÃO 28.:
Com referência a um empresário em nome individual integrado no regime simplificado de
tributação, foram apurados os seguintes elementos em relação à actividade empresarial
que desenvolve e ao exercício de 2008:
Vendas de mercadorias.............. 80 000€
Prestações de serviços............... 10 000€
Proveitos e ganhos financeiros... 12 100€
Custos e perdas financeiros........ 11 600€
Qual o rendimento colectável respeitante a esta actividade que foi englobado no referido
exercício?
a) 23 000€.
b) 23 350€.
c) 24 470€.
d) Não houve qualquer englobamento, já que o empresário está enquadrado no regime
simplificado.

QUESTÃO 29.:
O Sr. J. Pacheco adquiriu em Fevereiro de 2008 uma casa destinada à sua habitação
própria e permanente, pelo preço de 900 000€. Em Agosto seguinte, vendeu a casa em
que habitava e que comprara em Maio de 2001 por 800000€ (tendo pago na altura 80
000€ de sisa e suportado despesas de aquisição de 44 000€). Calculou, em relação à
alienação, com base nas regras stabelecidas no Código do IRS, uma mais-valia de 140
000€. O coeficiente de desvalorização monetária aplicável a alienações em 2008 de
bens adquiridos em 2001 é 1,17.
A quantia que irá ser englobada para efeitos de tributação da alienação que fez será de:
a) 17 500€.
b) 35 000€.
c) 70 000€.
d) Nula, face ao reinvestimento que foi feito.

14/03/2009
Na SdoC, LDA. está atribuída ao Dr. F. Santos – director financeiro e pertencente ao quadro da
empresa – uma viatura, que ele utiliza também aos fins-de-semana em deslocações de natureza
particular.

Baixado por Cepade Projectos (consulting.cepadeeprojectos@gmail.com)


lOMoARcPSD|3477506

QUESTÃO 23.:

Em sede de IRS, os rendimentos provenientes da utilização pelo Dr. F. Santos da viatura


pertencente à SdoC, LDA.:
a) São sempre tributados, desde que se reconheça que é o único utilizador da viatura.
b) Só são tributados quando forem excedidos os limites legais.
c) Só são tributados se a atribuição ao trabalhador constar de acordo escrito nesse sentido.
d) Nunca são tributados.

QUESTÃO 26.:
Das verbas constantes das alíneas seguintes, atribuídas em função do trabalho dependente
exercido pelos respectivos beneficiários, assinale aquela que é necessariamente tributada em
IRS:
a) Ajudas de custo por deslocações ao serviço da empresa.
b) Atribuição de verbas relativas à utilização pelo trabalhador de automóvel próprio em serviço
da empresa.
c) Indemnização por despedimento.
d) Uma gratificação por aplicação de resultados.

QUESTÃO 27.:
O titular de uma quota numa sociedade por quotas, pessoa singular, que a havia adquirido em
1998 por 10 000€, vendeu-a em 2008 por 15 000€, apurando uma mais-valia que em sede de
IRS:
a) Será tributada a uma taxa especial de …%, dando origem a uma liquidação de IRS de
500€, salvo opção pelo englobamento.
b) Não será tributada, porque a quota foi detida pelo seu titular durante mais de 12 meses.
c) Será tributada por englobamento de metade da mais-valia apurada.
d) Será tributada por englobamento da importância correspondente a …% da mais-valia
apurada.

Baixado por Cepade Projectos (consulting.cepadeeprojectos@gmail.com)