Você está na página 1de 260

Não me faça contar até três – O olhar de uma mãe sobre a

disciplina orientada para o coração


Traduzido do original em inglês:
Don’t Make Me Count to Three! – A mom’s look at heart-oriented
discipline
© 2003 by Ginger Plowman


Publicado em inglês por:
Shepherd Press
PO Box 24, Wapwallopen, PA 18660

Copyright Fiel 2013


Primeira edição em português: 2013


Todos os direitos em língua portuguesa reservados por
Editora Fiel da Missão Evangélica Literária

PROIBIDA A REPRODUÇÃO DESTE LIVRO POR QUAISQUER MEIOS, SEM


A PERMISSÃO ESCRITA DOS EDITORES, SALVO EM BREVES CITAÇÕES,
COM INDICAÇÃO DA FONTE.


Diretor: James Richard Denham III
Presidente Emérito: James Richard Denham Jr.
Editor: Tiago J. Santos Filho
Tradução: Ingrid Rosane de Andrade Fonseca
Revisão: Sabrina Sukerth Gardner
Capa: Rubner Durais
Diagramação: Rubner Durais
Ebook: Yuri Freire

ISBN: 978-85-8132-215-5

Caixa Postal, 1601


CEP 12230-971
São José dos Campos-SP
PABX.: (12) 3919-9999
www.editorafiel.com.br
Para os meus pais, Chuck e Bonnie Ferrell

Ele tem nos restituído os anos consumidos pelo


gafanhoto.
Eu me levanto e lhes chamo bem-aventurados.
Salmo 37.5
ÍNDICE

Agradecimentos
Prefácio
Uma palavra da autora

PARTE I – CHEGANDO AO CORAÇÃO DE SEU FILHO


1. O chamado celestial da maternidade
2. Definindo disciplina
3. Extraindo os problemas do coração
4. Instruindo os filhos na justiça

PARTE II – COMO REPREENDER BIBLICAMENTE


5. Domando a língua
6. O poder da palavra de Deus
7. Lidando com o manipulador
8. Orientações para a correção verbal

PARTE III – O USO BÍBLICO DA VARA


9. A vara está ligada ao... coração?
10. O modelo bíblico funciona
11. Definindo padrões de obediência
12. Bater ou não bater?

CONSIDERAÇÕES FINAIS
Apêndice A: Como se tornar um cristão?
Apêndice B: Como conduzir o seu filho a Cristo?
Apêndice C: Como orar pelo seu filho?

Notas
AGRADECIMENTOS

A primeira pessoa a quem eu gostaria de agradecer


é meu marido e melhor amigo, Jim. Seu apoio e
encorajamento têm sido o vento sob as minhas asas.
Eu amo você.
Os meus profundos agradecimentos aos dois filhos
mais preciosos que uma mãe poderia desejar, Wesley
e Alex, por me permitirem usar os exemplos da
nossa própria família, a fim de encorajar outros.
Vocês dois são as minhas maiores bênçãos!
Eu gostaria de expressar a minha profunda
gratidão a Tedd Tripp, cujo livro e série de vídeos
Pastoreando o coração da criança são, na minha
opinião, os materiais para criação de filhos mais
centrados em Cristo no mercado hoje. Sua
compreensão sobre disciplina bíblica e orientada
para o coração não só moldou meu próprio modelo
de criação de filhos, mas formou também a espinha
dorsal deste livro.
Meus agradecimentos a Lou Priolo, cujo excelente
trabalho em O coração da ira e O caminho para o
filho andar se reflete neste livro.
Eu também sou grata por Roy Lessin. Seu livro
Disciplina – um ato de amor me ajudou
tremendamente a compreender as diferenças entre a
palmada mundana e a disciplina bíblica. Muito da
sabedoria que ganhei de você está refletida nos
capítulos 9-12.
Um agradecimento especial às minhas amigas
“líderes de torcida”, Lisa O’Quinn e Aimee Schmitt,
que perguntaram um milhão de vezes: “Quando é
que você vai escrever um livro?” E, então, passaram
a ficar no meu pé até que eu o escrevesse.
Agradeço à Debra Stabler, uma editora
extraordinária, por ir muito além da obrigação,
aperfeiçoando as muitas falhas deste livro.
Um grande obrigado ao meu herói do ciberespaço,
Al Roland, que recuperou este trabalho várias vezes
desde as entranhas do meu computador enquanto eu
“enlouquecia” pelo telefone.
Meus sinceros agradecimentos a Glynnis Whitwer,
que atiçou a minha paixão por escrever ao me
ensinar a como fazê-lo direito.
Um obrigado entusiasmado a Mark Maddox, por
me incentivar a não desistir de ter esse livro
publicado. Sua confiança em mim e neste trabalho
significou mais do que você jamais saberá.
Eu gostaria de reconhecer e agradecer aos leitores
que ofereceram informações valiosas para
melhorias: Gina Ferrell, Julie Daum, Thelma
Plowman, Andi Barnes, Glenn e Lena Sollie, James
e April Martin.
Eu também gostaria de agradecer à minha querida
amiga Rebecca Ingram Powell por sempre saber
exatamente o que dizer e por interromper o meu
trabalho com e-mails me lembrando de “comer” e
“dormir”. Que bênção é trilhar a jornada de escritora
com você!
Eu agradeço especialmente ao meu pastor, Al
Jackson, e Patty Chance, por suas sugestões no
Apêndice B.
Um agradecimento caloroso ao meu amigo e
mentor Toma Knight. A sabedoria que obtive com
você ao longo dos anos está espalhada por todo este
livro. Eu também apreciei sua ajuda com o
Apêndice C.
Obrigada, Walter Henegar, por me manter
biblicamente correta e por arrumar todos os meus
problemas gramaticais sulistas.
Sou especialmente grata a Aaron Tripp, Rick Irvin
e à equipe da Shepherd Press por fazer deste livro
uma realidade. É uma honra servir a uma editora
que exalta Jesus.
E, acima de tudo, agradeço ao meu Senhor e
Salvador, Jesus Cristo, por me conceder o privilégio
de encorajar as mães de todo o país. Que o Senhor
seja glorificado!
PREFÁCIO

“Não me faça contar até três!”


“Espere só até seu pai chegar a casa!”
“Você não vai gostar se eu for até aí!”
“Você quer uma surra?”
“Se você não se comportar, você vai levar.”

Soa familiar? Não importa como você os diga,


esses tipos de declarações têm todos uma coisa em
comum: ajudar os pais a evitar os problemas de
disciplina.
Todos os pais querem que seus filhos obedeçam,
mas muitos falham em conseguir a obediência.
Alguns ameaçam. Alguns chantageiam. Alguns
usam “acabou o tempo”. Outros simplesmente
ignoram os atos de desobediência. Será que os pais
evitam esses problemas porque não sabem como
lidar com eles?
Nós, as mães, tendemos a pensar que, após o
nascimento de uma criança, a parte mais difícil já
passou. Nós suportamos meses de enjoo matinal,
ficamos chocadas com as mudanças em nossos
corpos feitas pela gravidez e ainda sobrevivemos ao
próprio processo de parto com risco de morte. Que
surpresa foi saber que a parte mais difícil estava
apenas começando!
Depois do nascimento do meu filho, li sobre as
etapas pelas quais ele estava prestes a passar – os
assim chamados “terríveis dois anos” estavam logo
adiante. Eu lutei para ficar um passo à frente do
desenvolvimento dele. Tão avidamente quanto eu li
os livros do tipo “O que esperar durante a gravidez”,
agora eu lia os livros do tipo “Como criá-los agora
que você já os teve”. Ao estudar as Escrituras e ler
livros repletos de sabedoria bíblica, tornou-se
evidente que eu deveria ligar disciplina à instrução.
Eu tive que aprender a atingir além do
comportamento exterior e extrair o que estava
dentro do coração dos meus filhos. Meu marido e
eu tivemos que tomar uma decisão quanto a dar
palmadas ou não. E tivemos que encarar o desafio
sobre o que exatamente era a instrução bíblica e
como a daríamos na proporção correta e na hora
certa. Este livro é o resultado do que aprendi.
Livros sobre como disciplinar o seu filho são
comuns. Alguns desses livros são profundamente
bíblicos. Mas poucos são aqueles que esclarecem ao
leitor a forma de aplicar as escrituras de uma forma
prática para instruir seu filho. Esse é o meu objetivo
neste livro.

Ginger Plowman
UMA PALAVRA
DA AUTORA

Cara! Ninguém nunca me disse o quão exigente


seria escrever um livro. Também nunca me disseram
como isso paralisaria o cérebro para qualquer outra
necessidade de pensamento, a não ser a sua própria.
Eu acredito que a gíria para essa condição do
cérebro seja “frito”. Recentemente, esperei na fila
do banco, encostei no guichê e olhei fixamente para
o caixa enquanto dizia: “Eu não tenho ideia do por
que estou aqui. Eu deveria estar indo para a agência
de correios”. Ela parecia bastante preocupada
quando eu fui embora.
Meus filhos me rotularam de “dopada”, e o
marido questionou por que uma família de quatro
precisa de três galões e meio de leite. Sim, escrever
um livro é exigente assim. Ufa, finalmente acabei.
Agora tudo o que resta é orar para que o livro seja
usado para glorificar a Deus, encorajar os pais e
beneficiar os filhos.
Eu não sou uma especialista em criação de filhos e
não escrevi este livro com base na minha própria
autoridade. Ele foi escrito baseado na autoridade da
Palavra de Deus e a especialidade do seu conselho.
Eu ouvi muitos “especialistas” declararem que a
Bíblia tem pouquíssimo a dizer sobre a educação
dos filhos. Talvez eles tenham gastado muito tempo
obtendo seus graus e muito pouco aprendendo as
Escrituras. A Palavra de Deus tem muito a dizer aos
pais, se a lermos diligentemente, aplicá-la e
colhermos seus frutos. Verdadeiramente, Deus nos
deu tudo de que precisamos para a vida e piedade
(2Pe. 1.3).
“E também faço esta oração: que o vosso amor
aumente mais e mais em pleno conhecimento e toda
a percepção, para aprovardes as coisas excelentes e
serdes sinceros e inculpáveis para o Dia de Cristo”
(Fp. 1.9-10).
CAPÍTULO 1
O CHAMADO
CELESTIAL
DA MATERNIDADE

Se eu tiver que responder a mais uma pergunta


insignificante, limpar mais um nariz congestionado
ou fazer curativo em mais algum dodói hoje, vou
arrancar meus cabelos... e talvez os cabelos de quem
estiver por perto também!
“Já chega, crianças! Eu vou tomar um banho de
espuma bem quente e recomendo fortemente contra
quaisquer interrupções. A menos que alguém esteja
morto ou morrendo, não batam na porta!”
Enquanto afundo na minha espuma com
fragrância de baunilha, oro: “Deus, isso é realmente
o que eu deveria estar fazendo? Quero dizer, o
Senhor não tem algo realmente importante para mim
que exija um pouco mais de habilidade do que
amarrar sapatos e tirar a casca de sanduíches?”
Deixe-me voltar e lhe contar sobre mim antes de
chegar a este ponto de minha vida. Eu nem sempre
estive beirando à loucura. Não faz muito tempo que
realmente tive a mente sã. Eu gerenciava com
sucesso um negócio em expansão e de boa
reputação, dava aconselhamento sobre organização e
dirigia um automóvel muito legal que NÃO
acomodava um time inteiro de futebol e a mim,
confortavelmente. Gostava de programas de
televisão que não eram apresentados por vegetais
cantores ou um dinossauro roxo. Eu nunca encontrei
o telefone na geladeira e nunca experimentei o puro
pânico de tentar lembrar para quem eu estava
ligando antes de a voz do outro lado da linha dizer:
“Alô”! Ontem eu fiz um pedido pelo telefone.
Quando a vendedora me pediu o endereço, tive que
colocá-la em espera. Eu absolutamente não
conseguia me lembrar do meu próprio endereço. Ele
acabou vindo à minha mente quando eu estava
chegando à agenda telefônica para procurá-lo.
O que aconteceu? O bastão ficou azul. Eu troquei
a Victoria’s Secret pelo conforto elástico da Sloggi.
Encaixotei minhas músicas cristãs contemporâneas –
você me encontrará dançando ao som de “Canções
Divertidas com Larry”. É adeus ao jornal e olá para
o Elmo.
Às vezes, sinto como se apenas me vestir e chegar
até ao fim do dia é tudo que consigo realizar. “Não
há nada mais que queiras que eu faça hoje,
Senhor?” Finalmente, ouço aquela voz mansa e
delicada. Posso não ter encontrado uma cura para o
câncer ou ter vencido a fome mundial, mas
enquanto mergulho em minha banheira, Deus
gentilmente me lembra do que de fato realizei hoje.
Tive o privilégio de ouvir as esperanças e os sonhos
de um lindo jovem que pensa que sou a melhor
mulher do mundo. Ele tem um pouco mais de um
metro de altura e só fica realmente animado com
Legos e pizza, mas é engraçado, charmoso e nunca
entediante.
Eu também pude ver um sorriso brilhante e
precioso iluminar o doce rosto da minha filha de
cinco anos de idade quando tirei um tempo para
invadir a casa da Barbie com alienígenas verdes.
Enquanto ela gritava de alegria, meu coração se
derretia.
De fato, tive alguns minutos de privacidade bem
apreciada, como por exemplo, ser capaz de me
manter no banheiro sem ter alguém batendo à porta.
Na verdade, registrei esse evento raro no meu diário
na parte de “milagres”. Comecei a ler alguns dos
grandes clássicos. Em voz alta. Esqueça Dickens,
nós temos as obras do Dr. Seuss. Fui capaz de tirar
a poeira, organizar, limpar, aconselhar e cozinhar.
Beijei os dodóis e enxuguei as lágrimas. Eu elogiei,
repreendi, incentivei, abracei e testei minha
paciência, tudo antes do meio-dia.
Sim, minha maior realização hoje foi educar os
dois filhos preciosos que Deus confiou aos meus
cuidados.
Agora vamos falar sobre o meu maior desafio de
hoje... e de cada dia. Criar esses dois preciosos
filhos nos caminhos do Senhor. Deus tem realmente
um trabalho importante para mim, e ele requer
muita habilidade. É a minha vocação, minha
prioridade, minha luta e meu objetivo. Aproveitarei
a oportunidade e aceitarei a tarefa presente. Amarei,
cuidarei e treinarei meus filhos da maneira que Deus
me chamou para fazer.
Mães, nós precisamos ser lembradas da tremenda
responsabilidade que Deus nos deu. Quando
respondemos ao chamado celestial da maternidade
com paixão, as recompensas são muito maiores do
que qualquer outra que poderíamos ganhar fora
desse chamado. As alegrias da maternidade são
tesouros raros e belos que podem ser facilmente
perdidos se não aproveitarmos a oportunidade para
agarrá-los.
Ser mãe é mais do que ser cozinheira, motorista,
empregada doméstica, conselheira, médica, juíza,
disciplinadora, etc. (só para citar alguns). É sobre
moldar o caráter, construir confiança, cuidar, ensinar
e orientar. Não há nada como a influência que uma
mãe tem sobre seu filho. A influência de uma mãe
tem um potencial enorme de moldar a pessoa que a
criança se tornará, para o bem ou para o mal.
Ouça o que Thomas Edison disse sobre a mãe
dele: “Minha mãe foi quem me fez assim como sou.
Ela era tão confiante, acreditava tanto em mim; e eu
senti que tinha alguém por quem viver, alguém que
eu não devia decepcionar”.1
Abraham Lincoln descreveu a própria mãe como a
responsável principal por tudo o que ele era ou
esperava se tornar.2
George Washington disse: “Minha mãe era a
mulher mais linda que eu já vi. Tudo que eu sou
devo à minha mãe. Eu atribuo todo meu sucesso na
vida à educação moral, intelectual e física que recebi
dela”.3
Uau! Que honra! Essas crianças certamente se
levantaram e chamaram suas mães de bem-
aventuradas. Como essas mulheres fizeram isso?
Uma coisa é certa. As mães desses grandes homens
sabiam como alcançar os corações de seus filhos.
Elas conheciam a importância da Palavra de Deus na
formação e educação de seus meninos. Elas
compreenderam a disciplina bíblica e fielmente
instruíram seus filhos nos caminhos do Senhor. E
você pode apostar que elas nunca contaram até três!
Você provavelmente buscou este livro porque
também deseja ensinar seus filhos de acordo com a
Palavra de Deus. Deseja ser a melhor mãe que
puder ser. Deseja que seus filhos cresçam e a
chamem ditosa. Boa notícia, mamãe: a Palavra de
Deus está cheia de instruções para você. Vamos
explorar essas instruções juntas.

UMA PALAVRA DE ADVERTÊNCIA


À medida que começamos a nossa jornada juntas,
quero alertá-la. A Palavra de Deus nunca volta
vazia. Isso significa que, conforme você aprende a
aplicar a Palavra de Deus na formação de seus
filhos, começará eventualmente a ver os frutos. Você
testemunhará sucessos na criação de seus filhos.
Seus filhos começarão a mudar, e você se alegrará
com essas mudanças. Este é o momento em que
uma nova tentação levanta a sua cabeça repulsiva.
Tenha cuidado para não deixar o orgulho entrar em
seu coração. O orgulho é tão ruim que é listado
como uma das coisas que Deus odeia (Pv. 8.13).
Eu me lembro do pecado do orgulho entrar pela
primeira vez na minha vida aos cinco anos, quando
meus pais me compraram um aparelho de karaokê
para o Natal. Eu ficava de pé em frente ao espelho
em meus pijamas por horas assistindo a mim mesma
cantar. Eu achava que era excepcionalmente boa.
Quando estava com seis anos, reunia pequenas
multidões nas reuniões de família, na escola e
parquinhos locais, cantando Delta Dawn para quem
quisesse ouvir. Eu acredito que Deus soubesse que a
minha capacidade de cantar bem me colocaria em
risco de presunção completa. Então, hoje, posso
dizer com grande confiança que não consigo cantar
mais coisa alguma. Bem, na verdade, eu soo
bastante decente no chuveiro, mas, mais uma vez,
todos soam decentes no chuveiro.
Provérbios 16.18 adverte: “A soberba precede a
ruína, e a altivez do espírito, a queda”. Eu não
aprendi a minha lição enquanto criança, mesmo
depois que Deus me deixou incapaz de cantar com
precisão. No entanto, Deus não desistiu de mim. Ele
continuamente precisa me lembrar da minha
tendência rebelde de ser orgulhosa, e muitas vezes
Ele me humilha. Uma lição em particular se destaca.
Eu aprendi humildade em uma sexta-feira à tarde no
supermercado, cerca de três anos atrás.
Normalmente, faço as minhas compras de
supermercado pela manhã, enquanto a loja não está
tão cheia. Mas, por alguma razão, eu me encontrei
esperando na fila do caixa às 18h na sexta-feira com
os meus dois filhos. O lugar estava lotado. Havia
caixas em todas as dez máquinas registradoras e seis
ou sete carros em cada fila. Na fila ao meu lado, a
última fila de todas, esperava uma mãe e seus dois
filhos pequenos. Eles tinham cerca das mesmas
idades dos meus filhos, três e cinco. Pequenos
refrigeradores cheios de bebidas diversas estavam
estrategicamente localizados no final de cada balcão.
O de cinco anos de idade começou a implorar a
mãe por uma Coca (Que comecem os jogos!).
A mãe deu um firme “Não”. O garoto começou a
caminhar até ao refrigerador.
A mãe disse (em voz alta): “É melhor você não
abrir a porta!”. O menino abriu a porta.
“É melhor o senhor não pegar uma bebida!”. O
menino pegou uma Coca.
“Se você abrir essa Coca, você vai ver!”. O rapaz
tirou a tampa, jogou-a no chão, e tomou um gole
grande.
A mãe estava gritando agora, completamente
enlouquecida. “Espera só até chegar em casa e o seu
pai ouvir sobre isso! Vocês, crianças, nunca me
escutam. Eu já estou por aqui com vocês dois!”
Ninguém foi capaz de decifrar a localização exata do
“aqui”, mas nós continuamos ouvindo ainda assim.
Não é que estivéssemos sendo intrometidos. É que
não havia mais nada para fazer enquanto
esperávamos na fila, por isso essa cena tinha toda a
atenção de cada cliente. Agora, para que todas essas
pessoas assistissem à cena que se desenrolava, elas
tinham que olhar através de mim e dos meus filhos,
que nesse dia em particular estavam se comportando
bem. Entra agora o orgulho. Em vez de ter
compaixão por essa pobre mãe e as lutas que ela
estava tendo com os seus filhos, eu
presunçosamente pensei: “Você não verá meus filhos
agindo assim”.
E então aconteceu. A minha filha de três anos de
idade, Alex, estava bem atrás de mim quando, de
repente, ela soltou as palavras mais horríveis que
alguém possa imaginar. Foi como se ela tivesse
pegado um dos microfones de um dos caixas e
gritado nele com toda a sua força. Agitando as mãos
freneticamente em frente ao seu rosto, com uma voz
SUPER potente, ela gritou: “Mamãe! Você soltou
um pum!” Meu corpo inteiro congelou. O tempo
parou. Até hoje, eu não sei o que foi pior – o
segundo em que ela deixou escapar isso ou o minuto
que levou para todos perceberem que era verdade.
Eu sou um testemunho vivo de Provérbios 11.2a:
“Em vindo a soberba, sobrevém a desonra”. Querida
Mãe, ao experimentar o sucesso na criação de seus
filhos, por favor, não se torne orgulhosa. Solte um
pum em um supermercado!
CAPÍTULO 2
DEFININDO
DISCIPLINA

Disciplina. Apenas mencionar a palavra soa


severo. Por que isso? Talvez sua imagem rigorosa
venha da definição distorcida que a sociedade
colocou sobre ela. A sociedade retrata a disciplina
como o castigo que envolve raiva, gritos e atos
severos, ou até mesmo cruéis.
Atualmente, muitos pais acreditam cegamente na
definição de disciplina da sociedade. Por
relacionarem a palavra a uma instrução negativa,
preferem tolerar o comportamento de seus filhos a
corrigi-lo. Aqueles que ainda tentam estabelecer
limites tendem a perder o coração de seus filhos.
Eles tentam meramente controlar seus filhos,
concentrando-se apenas em seu comportamento
exterior. Adotaram a filosofia de que se conseguem
fazer seus filhos agirem corretamente, então eles os
estão criando da forma certa.
Recentemente, ouvi um dos psicólogos mais atuais
e de mais rápida ascensão apresentar seus métodos
de educação infantil. O anúncio de televisão apoiava
suas afirmações com alguns testemunhos de pais que
expressavam a rapidez com que seus métodos
ceifaram benefícios no comportamento de seus
filhos. Queridos pais, nós não precisamos de
métodos que estão na moda. Precisamos de métodos
de Deus. Embora algumas das ideias modernas
soem bem e possam até colher alguns benefícios
externos, nós não estamos buscando ações aparentes
apenas, mas a purificação interior. Estamos atrás dos
próprios corações de nossos filhos.

UMA VISÃO BÍBLICA DA DISCIPLINA


Embora a sociedade relacione disciplina a um uso
descontrolado do castigo físico, a disciplina bíblica
envolve amor, o coração e a Palavra de Deus. Por
Deus estar preocupado com as questões do coração,
a disciplina bíblica envolve muito mais do que o
comportamento externo. A disciplina bíblica chega
ao cerne do problema. Afinal de contas, se você
consegue chegar até o coração, o comportamento
cuidará de si mesmo. Para que alcancemos os
corações de nossos filhos, devemos perceber que há
muito mais na criação de filhos do que apenas fazê-
los agir corretamente. Precisamos levá-los a pensar
corretamente e serem motivados por um amor de
virtude em vez do medo da punição. Fazemos isso
ao instruí-los na justiça. A instrução justa só pode vir
a partir da Palavra de Deus.
Em Efésios 6.4 nos é dito: “criai-os na disciplina e
na admoestação do Senhor”. Eu descobri que a
segunda parte do versículo é muito mais desafiadora
do que a primeira.
É fácil dizer aos nossos filhos que eles agiram de
forma errada e castigá-los por isso, porém, é preciso
muito mais preparação, disciplina, entendimento e
autocontrole da nossa parte para realmente instruí-
los de acordo com a Palavra de Deus. Essa
abordagem exige muita atividade cerebral,
requerendo que pensemos e verbalizemos essa
instrução fiel. E isso de uma mãe cuja atividade
cerebral parece ser excepcionalmente baixa após
uma provação – alguns dias extenuantes com as
crianças!
Quando eles desobedecem, pensamos que fizemos
bem ao dizer: “Isso foi errado, e você não deveria
ter feito isso... (paft, paft, paft) agora, vá para o seu
quarto!” Ao fazermos isso, fazemos apenas a
metade do que Deus nos chamou para fazer.
Certamente Deus nos chamou para usar a vara
para afastar a insensatez do coração dos nossos
filhos. Em Provérbios 22.15, nos é dito: “A estultícia
está ligada ao coração da criança, mas a vara da
disciplina a afastará dela”. Mas igualmente
importante é que Ele nos chamou para “admoestá-
los”. As passagens que dizem respeito à disciplina
nos dizem claramente que Deus destinou os dois a
andarem junto. Efésios 6.4 diz: “... criai-os na
disciplina e admoestação do Senhor” (grifo meu).
Vemos os dois juntos novamente em Provérbios
29.15: “A vara e a repreensão dão sabedoria, mas a
criança entregue a si mesma envergonha a sua mãe”
(grifo meu).
Felizmente, a Bíblia nos orienta em como
repreender biblicamente e como instruir fielmente
nossos filhos. Nós também somos munidos com
exemplos de pais que educaram seus filhos com
sucesso e dos frutos que colheram como resultado.
Um exemplo é a “mamãe” de Provérbios 31.

A MAMÃE DE PROVÉRBIOS 31
Todas nós desejamos ser a mulher que Deus nos
chamou para ser – e nós não temos modelo mais
exemplar do que a mulher citada em Provérbios 31.
No versículo 26 nos é dito que ela “fala com a
sabedoria e a instrução da bondade está na sua
língua”. De onde essa sabedoria vem? Há vários
versículos em Provérbios que nos dão pistas: “A
boca do justo produz sabedoria” (Pv. 10.31). “O
temor do Senhor é o princípio do saber” (Pv. 1.7).
Se você deseja se tornar uma mãe sábia, que pode
transmitir essa instrução sábia, deve começar
temendo o Senhor e se encontrar justa diante dele
(para saber como se tornar justa, consulte o
Apêndice A).
Provérbios 31.28 também descreve a atitude dos
filhos em relação a uma mãe piedosa: “Levantam-se
seus filhos e lhe chamam ditosa”. Essa não é uma
mãe que permite que seus filhos sejam
desrespeitosos ou desobedientes. A mãe em
Provérbios é a mãe que ensinou, educou, guiou e
instruiu seus filhos diligentemente enquanto eles
eram jovens e estavam em sua casa. Agora,
presumivelmente como adultos, eles estão se
levantando e lhe chamando ditosa. Por que eles se
levantam e lhe chamam ditosa? Porque ela os
preparou para a vida adulta. Ela os preparou para
governarem suas próprias ações. Ela os preparou
para regularem suas próprias vidas de acordo com a
Palavra de Deus. Eles a abençoam porque foram
abençoados por ela.
Agora, não espere que seu filho de cinco anos de
idade se levante e lhe chame ditosa. Provavelmente
não vai acontecer. Mas seja paciente: você colhe o
que planta, colhe mais tarde do que planta e colhe
mais do que planta. A mulher de Provérbios 31
colheu os benefícios da instrução da bondade que
ela semeou por muitos anos nos corações de seus
filhos. Você também colherá! Seja encorajada!

O CORAÇÃO DO PROBLEMA É O PROBLEMA DO


CORAÇÃO
O coração é o fundamento do comportamento.
Quando nossos filhos se expressam
pecaminosamente, seja na forma de egoísmo,
desobedecendo, respondendo de forma insolente,
fazendo birras ou atacando a nós ou seus irmãos,
eles estão sorvendo o que está em seus corações.
Provérbios 4.23 diz: “Sobre tudo o que se deve
guardar, guarda o coração, porque dele procedem as
fontes da vida”. O coração é o poço do qual todas as
respostas para a vida jorram. O comportamento que
uma pessoa exibe é uma manifestação daquilo de
que está cheio o coração. Para colocar isso de forma
simples, o coração determina o comportamento.
J. C. Ryle diz: “A mãe não pode dizer o que seu
tenro filho virá a ser, alto, baixo, fraco ou forte,
sábio ou tolo: ele pode ser qualquer um desses ou
não, tudo é incerto. Mas uma coisa a mãe pode
dizer com certeza: ele terá um coração corrupto e
pecador”.
A fim de compreender a natureza do pecado,
devemos entender estas três verdades:
1. O seu filho nasce pecador. “Pois todos
pecaram e carecem da glória de Deus” (Rm. 3.23).
Seu filho nasceu um pecador porque herdou o
pecado de Adão. Isso é chamado de pecado original
e explica por que uma sala cheia de crianças não
precisa ser instruída a como lutar por um brinquedo.
Elas simplesmente sabem.
John McArthur diz: “As crianças nascem
pecadoras, e esse pecado não se manifesta em
virtude do que os pais fazem, mas por aquilo que
deixam de fazer”.
2. O pecado está ligado ao coração de seu filho.
Provérbios 22.15 diz: “A estultícia está ligada ao
coração da criança”. A definição de John Wesley de
ligado é “fixado e estabelecido, enraizado em sua
própria natureza”. Não seria natural se seu filho não
pecasse. No entanto, isso não dispensa os pais da
responsabilidade dada por Deus de educarem seus
filhos na disciplina e instrução do Senhor. A
Escritura afirma claramente que, quando nós
pecamos, sofremos as consequências. As Escrituras
também são claras acerca de que os pais devem
administrar a disciplina quando os filhos
desobedecem (quando eles pecam).
Quando os pais dão ouvidos ao mandamento de
Deus sobre educarem seus filhos na justiça por meio
do uso da vara e da repreensão, o método de Deus
para afastar a estultícia do coração da criança está
sendo colocado em prática. Deus ordena os pais a
confiarem nele e a terem participação ativa na
educação de seus filhos.
3. O pecado não é engraçado. Vamos encarar o
fato: às vezes, é difícil não rir de nossos filhos
quando eles estão pecando descaradamente. No
entanto, os cristãos não devem rir ou tratar como
banais as coisas pelas quais Deus enviou Seu Filho
para morrer. O pecado não é engraçado. Nós talvez
achemos que é bonitinho quando a pequena Sally
está orgulhosa de si mesma por empurrar o valentão
da classe para o chão, mesmo ele sendo duas vezes
seu tamanho. Nós talvez achemos que é bonitinho o
Tommy, de três anos idade, colocar as mãos nos
quadris, pôr seu adorável lábio inferior para fora e,
com todo seu charme, dizer: “Não”, após a sua
mamãe lhe dizer: “Vem aqui”. Mas Deus não acha
que é bonitinho, e se nós quisermos ter a
mentalidade de Cristo, também não deveríamos
achar.
Deixe-me contar a história do “Doug”. Quando a
minha filha Alex tinha três anos, ela sabia que não
estava autorizada a mexer no meu estojo de
maquiagem. Era hora do jantar e a nossa família
estava sentada à mesa comendo quando Mickey,
nosso pequeno cão Yorky, veio todo empinado para
a cozinha usando batom. Foi uma visão bastante
hilária. Assumindo o óbvio, todos nós olhamos para
Alex, que começou a cantarolar inocentemente e a
agir como se nada estivesse fora do comum. Dizer
que o meu filho Wesley começou a rir seria um
eufemismo. Ele ficou completamente sem controle.
Após ser questionada sobre como Mickey veio a
ter lábios de “Jacarandá”, Alex nos olhou nos olhos
e, com uma expressão extremamente séria e grave,
respondeu: “Doug fez isso”. Meu marido e eu nos
entreolhamos tentando avaliar a nova informação.
Quando ficou óbvio que nenhum de nós dois
conhecia ninguém, dos amigos ou da família, com o
nome de Doug, nós nos voltamos novamente para
Alex e perguntamos: “Quem é Doug”? Ela desceu
da mesa, desapareceu por alguns minutos e então
voltou com o Doug. Doug se mostrou ser um
personagem de ação de dez centímetros de altura
munido de uma capa e um clipe em cima de sua
cabeça, para que pudesse ser fixado às roupas de
alguém ou a algum outro item.
Eu queria ter a certeza de que ela não estava
confundindo honestidade com fingimento, então eu
perguntei: “Alex, você pegou o batom da mamãe e
colocou nessa coisa em cima da cabeça do Doug e
depois ajudou o Doug a passar o batom no
Mickey?” “Oh, não senhora”, foi a resposta, como
se estivesse chocada por eu sugerir uma coisa
dessas. “Eu não peguei o seu batom porque eu não
tenho permissão para pegar o seu batom, isso seria
desobedecer. Eu estava no meu quarto, e Doug foi
até o seu quarto e fez tuuuuudo sozinho. Ele passou
o batom no Mickey.” O seu contato visual era
realmente incrível enquanto contava a
pecaminosidade de Doug em grande detalhe. Ela
estava tentando arduamente ser séria e convincente.
Nessa altura, Jim, meu marido, estava
gargalhando. Eu dei a ele e a Wesley um olhar
severo. Jim, percebendo a gravidade da ofensa,
tentou esconder o riso. Ele enterrou a cabeça nos
braços cruzados sobre a mesa, mas os seus ombros
estavam chacoalhando para cima e para baixo
enquanto tentava conter o riso. E era TÃO DIFÍCIL
não rir. Ela era completamente adorável com seu
rosto doce e delicado, seu rabo de cavalo loiro
subindo e descendo enquanto nos assegurava de que
o “Doug fez isso”.
Agora estávamos todos atrasados para o jogo de
futebol do Wesley. O ponto alto da semana de Alex
é assistir ao Wesley jogando futebol. Eu disse a ela:
“Alex, o Doug não fez isso. O Doug não é capaz de
caminhar até ao meu quarto, pegar o meu batom e
passá-lo no cachorro”.
Eu lhe mostrei na Bíblia o que Deus diz sobre a
mentira e lhe disse que ela não poderia ir ao jogo de
futebol – mas poderia sentar-se em sua cama até que
estivesse pronta para ser honesta. Então, Jim levou
Wesley ao futebol, e Alex estava chorando em seu
quarto porque estava perdendo o jogo. Eu estava
esperando que ela confessasse logo para que
pudéssemos lidar com isso e encontrar Jim e Wesley
no campo de futebol. As coisas nunca são tão
simples.
Quando fui ao quarto dela e perguntei se ela
estava pronta para ser honesta, ela se sentou ereta
em sua cama e disse: “A razão pela qual o Doug
pôde fazer isso por si mesmo é porque eu coloquei
pilhas nele”.
Tenha em mente, ela tinha três anos de idade. Eu a
deixei pensar um pouco mais e quando voltei... ela
estava dormindo. Eu não queria que ela fosse dormir
com esse pecado oprimindo fortemente seu coração,
então, eu gentilmente a cutuquei e disse: “Acorda,
Alex”.
Eu não podia acreditar. Era como algo saído de “O
Exorcista”. Ela se levantou subitamente e
delirantemente começou a cantar: “Doug fez isso!
Doug fez isso! Doug fez isso!” Para encurtar uma
longa história, uma mentira se tornou uma bola de
neve de muitas mentiras. Eu a vesti para dormir e
enquanto estava escovando os dentes dela, ela
finalmente começou a chorar. Eu podia dizer que
era um choro de arrependimento. Eu perguntei:
“Dizer mentiras faz você se sentir mal, não é, Alex?”
Ela assentiu com a pequena cabeça. “Sabe, querida,
a maneira triste que você se sente agora é a mesma
maneira como Deus se sente quando você conta
uma mentira”. Ela então começou a me contar o que
realmente aconteceu. Ela estava absolutamente
aliviada e grata por ter apanhado. Seu coração
estava limpo.
Tudo isso para dizer: teria sido fácil para nós
rirmos disso e dizer: “Ah, ela tem apenas três anos.
Você consegue acreditar que ela possa inventar uma
história dessas?” Mas Deus leva a sério o pecado, e
nós também deveríamos. Se tivéssemos rido dela,
achando bonitinho, ela teria mantido essa culpa em
seu coração, e isso a teria endurecido e oprimido. Eu
não trocaria nada pela liberdade que ela teve após
receber a palmada e limpar seu coração. Eu acho
que ela também não trocaria.

O QUE ESTÁ POR DENTRO


A Bíblia ensina que o comportamento não é o
problema básico. A questão básica é sempre o que
está acontecendo no coração. “... de dentro, do
coração dos homens, é que procedem os maus
desígnios, a prostituição, os furtos, os homicídios, os
adultérios, a avareza, as malícias, o dolo, a lascívia,
a inveja, a blasfêmia, a soberba, a loucura” (Mc.
7.21-22). A parte “de dentro” desse versículo nos
diz que os comportamentos externos são apenas as
manifestações do problema real, que se encontra no
coração. A Bíblia usa o coração para falar do seu eu
interior.
Lucas 6.45 diz: “O homem bom do bom tesouro
do coração tira o bem, e o mau do mau tesouro tira
o mal; porque a boca fala do que está cheio o
coração”. O coração é o centro de controle da vida.
O comportamento é simplesmente o que o alerta
para a necessidade de correção de seu filho. Mas
não cometa o erro que muitos pais cometem,
permitindo que seu desejo por mudança de
comportamento substitua seu desejo por um coração
mudado. Se você conseguir alcançar o coração, o
comportamento cuidará de si mesmo. Tenha em
mente que é possível fazer com que seu filho mude
o próprio comportamento irritante para aquele que é
aceitável, sem que haja uma mudança efetiva no
coração.
Ensinar os seus filhos apenas a mudar o seu
comportamento externo não é mais louvável do que
ensinar uma foca a saltar através de um aro. Tedd
Tripp diz:
Uma mudança de comportamento que não
decorre de uma mudança no coração não é louvável;
é condenável. Não é a mesma hipocrisia que Jesus
condenou nos fariseus? Em Mateus 15, Jesus
denuncia os fariseus que o honravam com os seus
lábios, enquanto seus corações estavam longe dele.
Jesus os censura como pessoas que lavam o exterior
do copo enquanto o interior ainda está sujo.1
Quando nos concentramos no comportamento
externo de nossos filhos e negligenciamos o que está
por dentro, fazemos com que nossos filhos se
tornem manipuladores. Eles aprenderão a nos
agradar saltando através do aro (agindo da maneira
que lhes dizemos para agir, motivados pelo medo da
punição), mas não aprenderão a justiça de Cristo.
Na verdade, se nos focarmos apenas sobre as leis de
comportamento externo, mas falharmos em educar
seus corações de acordo com a Palavra de Deus,
corremos o risco de lhes fazer ver o cristianismo
como um conjunto de regras penosas. Como
resultado, eles talvez nunca experimentem o que
significa verdadeiramente conhecer Cristo e seu
poder de transformar vidas.
A lei de Deus demanda de fato que exijamos um
comportamento apropriado, mas não podemos nos
satisfazer em deixarmos a questão por aí. Deus diz
que devemos ensinar nossos filhos na justiça. Nós
devemos ajudar nossos filhos a entenderem que seus
corações desgarrados produzem um comportamento
errado. Se quisermos realmente ajudar nossos filhos,
temos que trabalhar em sentido inverso, a partir do
comportamento para o coração. Devemos estar
preocupados com as atitudes do coração que
dirigem o seu comportamento. Nós fazemos isso ao
nos comunicarmos com nossos filhos de tal maneira
que eles sejam levados a não apenas entender uma
atitude semelhante à de Cristo, mas que aprendam a
como torná-la mais substancial em suas vidas.
CAPÍTULO 3
EXTRAINDO OS
PROBLEMAS DO
CORAÇÃO

Muitas vezes pensamos que, se somos capazes de


expressar nossos pensamentos e sentimentos com
êxito para outra pessoa, então somos bons
comunicadores. Pensamos que, se falarmos a nossos
filhos sobre os caminhos justos de Deus, estamos os
ensinando e os alcançando por meio da
comunicação. No entanto, a comunicação
verdadeiramente benéfica é baseada não apenas na
capacidade de falar, mas também na capacidade de
ouvir. Deixe-me sugerir que, em vez de falar para
seu filho, você fale com seu filho. Ao aprender a se
comunicar de forma eficaz, você é capaz de
perceber o que está acontecendo com sua família.
Devemos procurar entender o que está dentro dos
corações de nossos filhos, bem como lhes mostrar
como compreender e avaliar o que está em seus
corações. Provérbios 18.2 fala sobre a questão
daqueles que só praticam o falar a alguém, em vez
do falar com alguém. Está escrito: “O insensato não
tem prazer no entendimento, senão em externar o
seu interior”. Provérbios 18.13 nos lembra:
“Responder antes de ouvir é estultícia e vergonha”.
Esses versículos nos ajudam a entender que se
precisa de muito mais para haver comunicação do
que apenas expressar nossos próprios pensamentos
com êxito.
A forma mais produtiva de comunicação é
aprender a como extrair os pensamentos do outro.
Quando você auxilia seu filho a compreender o que
está em seu coração, você está ensinando-o a avaliar
suas próprias motivações, o que o ajudará a equipar-
se para sua caminhada com Cristo à medida que se
torna adulto. E, como vimos em Provérbios 31, tal
criança crescerá e chamará sua mãe ditosa.
Por exemplo, vamos olhar para um problema que
qualquer pessoa com mais de um filho terá de
enfrentar. Tommy e Billy estão brincando juntos
quando de repente uma briga surge acerca de um
determinado brinquedo. O pai típico chegará ao
local e expressará aquela sabedoria parental
cuidadosamente pensada, perguntando: “Quem
estava com ele primeiro?” Depois de idas e vindas,
com a mãe brincando de detetive por alguns
minutos, Tommy e Billy, finalmente, concordam que
Billy estava, de fato, com o brinquedo primeiro.
Então, a mãe gentilmente insiste que Tommy o
devolva para Billy.
Tedd Tripp explica o problema desse tipo de
reação:
Essa reação deixa escapar os problemas do coração. “Quem
estava com ele primeiro?” é uma questão de justiça. A justiça
opera a favor da criança que é mais rápida para pegar o
brinquedo, para começo de conversa. Se olharmos para essa
situação em termos do coração, as questões mudam. Ambas
as crianças estão mostrando dureza de coração. Ambas estão
sendo egoístas. Ambas estão dizendo: “Eu não me importo
com a sua felicidade. Só estou preocupado comigo mesmo.
Eu quero esse brinquedo. Eu o conseguirei e serei feliz,
independentemente do que isso signifique para você”. Em
termos de questões do coração, você tem dois filhos
pecaminosos. Duas crianças preferindo a si mesmas antes do
outro. Duas crianças que estão quebrando a lei de Deus.1

Todas as condutas estão ligadas a uma atitude


particular do coração. Nesse caso, o egoísmo está
ligado ao coração, e esse pecado leva à conduta
externa.
A Bíblia apresenta instruções exatas aos pais sobre
o que eles deveriam fazer nessa situação em
particular? Não. Eu não alego ter um plano de ação
bíblico detalhado que me diz como resolver todos os
problemas. Eu gostaria de ter. Mas Deus nos deu
Sua Palavra e espera que nós a usemos na educação
de nossos filhos. Assim, em situações como essas,
devemos orar e aplicar a Palavra de Deus da melhor
maneira que pudermos. Meu objetivo é usar as
Escrituras para ensinar, repreender, corrigir e instruir
na justiça. A Segunda Epístola de, Pedro 1.3 diz:
“Pelo seu divino poder, nos têm sido doadas todas as
coisas que conduzem à vida e à piedade”. Ainda que
um problema não seja diretamente abordado na
Bíblia, ele nos deu uma comunicação aberta com ele
por meio da oração. Ele nos diz em Tiago 1.5: “Se,
porém, algum de vós necessita de sabedoria, peça-a
a Deus, que a todos dá liberalmente e nada lhes
impropera; e ser-lhe-á concedida”.
Na situação do partilhar entre irmãos, eu orei e
procurei nas Escrituras sobre como poderia lidar
com esse tipo de conflito. Posso lhe dizer como nós
lidamos com isso em nossa casa, mas não posso lhe
dizer que essa é a única forma, ou até mesmo o
melhor caminho. Para nossa família em particular, a
forma mais prática que encontramos é abordar um
problema do coração, para simplificar nosso método
e para promover a paz. Como disse, ambas as
crianças estão sendo egoístas, mas nós ainda
tínhamos que ter um “plano de ação” que
pudéssemos usar cada vez que esse tipo de situação
ocorresse, a fim de promover a paz. Nós queríamos
uma solução que fosse fácil para eles entenderem e
colocarem em prática por conta própria. Então,
chegamos à regra de que não é apenas egoísta, mas
é rude pegar ou até mesmo pedir alguma coisa que
alguém esteja usando, antes que a pessoa tenha
claramente terminado de usá-la.
Aqui está como a regra funciona em nossa casa.
Suponha que o Wesley esteja brincando com um
brinquedo. Quando a Alex era mais nova, se ela o
quisesse, ela apenas tentava tirá-lo. Agora que é
mais velha, pode pedir educadamente: “Wesley, será
que eu posso brincar com aquele brinquedo agora?”
Se ela tenta tomar o brinquedo, costumo reagir com
algo deste tipo:
“Querida, o Wesley está com esse brinquedo
agora. Você acha que ele está gostando de brincar
com ele?” “Sim, senhora.” “Você acha que o faria
feliz ou triste, se você o levasse embora?” “Triste.”
“Será que você gosta de deixar seu irmão triste?”
“Não, senhora.” “Você acha que seria gentil ou rude
tentar tirar algo do qual ele está gostando?” “Rude.”
“É isso mesmo, Alex, e o amor não é rude. Quando
o Wesley tiver terminado de brincar completamente
com ele e largá-lo, então você pode pedir por ele.”
Nós não estamos apenas educando seus corações,
mas também preparando-os para a vida adulta. Esse
é o mesmo comportamento que eu esperaria de
amigos ou irmãos adultos. Veja isso desta maneira:
se eu estivesse sentada à mesa do lado oposto ao
seu, e alguém me desse algumas fotos para olhar,
nas quais você também estivesse interessada, você
esperaria para pedir por elas até que eu tivesse
terminado ou pediria para pegá-las quando eu
tivesse apenas começado a gostar de vê-las? A
maioria de nós concordaria que seria rude pedir por
elas antes de eu ter terminado. A Primeira Epístola
aos Coríntios 13.5 diz: “[O amor] não se conduz
inconvenientemente”. Então, nesses tipos de
situações, tenho encontrado grandes oportunidades
de trabalhar com “colocar para fora” o ser egoísta e
rude e “colocar para dentro” uma atitude de amor e
bondade. Todas essas são questões do coração que
são abordadas na Palavra de Deus.
Você talvez esteja pensando: “Mas o que acontece
com a outra criança? Ela está sendo egoísta
também”. Na situação do partilhar entre irmãos,
descobri que ter uma regra simples e compreensível
que seja fácil de seguir promove a paz. E, para o
bem da minha própria sanidade, meu objetivo é
promover a paz. Eu transformo isso em uma
questão de obediência ao impor essa regra, e então
sou capaz de trabalhar com uma criança de cada
vez. Acredite em mim, o pecado eventualmente se
tornará evidente na outra criança, dando-me a
oportunidade de trabalhar com o egoísmo e a rudeza
que estão ligados ao seu coração.
Seu primeiro objetivo na correção não deve ser o
de dizer aos seus filhos como você se sente sobre o
que eles fizeram ou disseram, mas extrair a causa de
tal comportamento. Você consegue ver como isso
funcionou no cenário do brinquedo? Em vez de
perguntar: “Quem estava com ele primeiro?”, tentei
extrair as atitudes do coração por meio de perguntas
relacionadas a ele. Visto que a Escritura diz que é a
partir da abundância do coração que a boca fala,
você deve ajudá-los a entender o que está
acontecendo dentro deles.
A fim de compreender o problema no coração do
seu filho, você precisa olhar para o mundo através
dos olhos dele, que é quando a comunicação entra.
Olhar para as questões internas, em vez do
comportamento externo apenas, permitirá que você
saiba quais aspectos salutares da Palavra de Deus
são apropriados para a conversa particular.

DESENVOLVA AS SUAS HABILIDADES EM INVESTIGAR


O CORAÇÃO
A fim de ajudar seus filhos a compreender o que
está em seus corações, você precisa desenvolver
suas habilidades em investigar o coração.
Você deve aprender a ajudar seus filhos a
expressar o que estão pensando.
Você deve aprender a ajudar seus filhos a
expressar o que estão sentindo.
Você deve aprender a como discernir problemas
do coração de ações e palavras.
Extrair os problemas do coração não é uma tarefa
fácil. É preciso muita prática para se tornar um hábil
investigador do coração. Provérbios 20.5 diz:
“Como águas profundas, são os propósitos do
coração do homem, mas o homem de inteligência
sabe descobri-los”.
Nosso objetivo em sondar o coração da criança é
trazê-la à avaliação sóbria de si mesma como uma
pecadora, ajudá-la a reconhecer sua necessidade de
Cristo, e ensiná-la a agir, pensar e ser motivada
como um cristão. Não é tão difícil ensinar nossos
filhos a agir como cristãos. Nós teremos realmente
conseguido realizar alguma coisa quando os
ensinarmos a pensar como cristãos. Pensar como
um cristão os ajudará a crescer em sabedoria e os
preparará para governar seu próprio comportamento
de uma maneira que glorifique a Deus. Nós os
encorajamos a crescer em sabedoria ao discutir a
perspectiva de Deus em todas as situações. As
crianças não conseguem fazer isso sem nossa ajuda
parental.
Como podemos desenvolver as habilidades de
investigação do coração? Seguindo o exemplo do
Rei dos corações. Jesus Cristo é o mestre da
sondagem do coração. Ao longo das Escrituras, ele
nos apresentou exemplo após exemplo como chegar
ao cerne da questão. Ele foi capaz de olhar palavras
e comportamentos passados e extrair os problemas
do coração. Como Ele fez isso? Em vez de apenas
dizer a alguém o que era certo e errado, Jesus
muitas vezes usou questões que instigavam o
pensamento. Para que as pessoas pudessem
responder a essas questões, precisavam avaliar a si
mesmos. Ele perguntava de tal maneira que era
necessário retirar o foco das circunstâncias ao seu
redor e colocar sobre o pecado em seus próprios
corações.
Nós todos sabemos que quando se descobre algo
por conta própria, está-se menos propenso a
esquecer do que se alguém lhe disser a resposta. É
como resolver problemas de matemática, nós
aprendemos e entendemos mais ao descobrirmos
por conta própria. Se alguém nos dá a resposta, nós
nos tornamos dependentes deles para resolver
futuros problemas para nós. Mas, se somos
obrigados a resolver o problema por conta própria,
estamos melhores equipados para solucionar outros
problemas, extraindo do conhecimento pessoal
adquirido e aplicando o que aprendemos a outros
problemas também.
Da mesma forma, quando seu filho aprende a
reconhecer o que está em seu próprio coração, ele
está mais propenso a demonstrar reações piedosas
por conta própria. Ao fazer isso, ele está crescendo
em sabedoria. Mas quando você simplesmente lhe
diz qual é o seu problema e o que ele deveria fazer
sobre isso, você está impedindo-o de aprender a
pensar como um cristão, e ele se tornará deficiente
em discernir os problemas do seu próprio coração.

ENSINANDO FILHOS A PENSAREM COMO CRISTÃOS


Seguindo o exemplo de Jesus, podemos fazer com
que nossos filhos pensem como cristãos, fazendo-
lhes perguntas que os orientem a ver as situações da
perspectiva de Deus. Permita-me levá-la por meio
de um cenário que demonstrará como podemos
sondar os seus corações e ensiná-los a pensar como
cristãos.
Há alguns meses, eu estava visitando minha amiga
Lisa. Seus filhos, Josh e Lindsey, estavam
almoçando com meus filhos na sala de jantar. Lisa e
eu estávamos comendo na cozinha, de forma que
não conseguíamos enxergá-los. E, justamente
quando estávamos começando a nos gabar sobre o
quanto as crianças estavam se dando bem, a nossa
conversa foi interrompida por um grito aterrorizante
da Lindsey. Quando chegamos ao local,
descobrimos que Lindsey estava chorando porque
Josh, seu irmão, havia batido nela. No início, a
conversa foi assim:

Mãe: “Por que você bateu na sua irmã?” Josh: “Eu não sei.”
Mãe (irritada): “Bem, o que você quer dizer com você não
sabe?” Assim como um cão perseguindo o seu rabo, a
conversa continuou e continuou. Esse é um cenário típico. O
problema com essa linha de raciocínio é que, quando a única
questão colocada é “Por que você fez isso?”, nada é
alcançado em termos de ensinar o coração.
Qual é o problema com a resposta de Josh? Será
que Josh está dizendo: “Eu não sei”, por que está
apenas teimosamente se recusando a falar? Muito
provavelmente, Josh não está expressando
desobediência deliberada ao não explicar suas ações.
Ele está simplesmente sendo questionado com
perguntas que ele não consegue responder. Devido à
sua idade e inexperiência com questões de
discernimento do próprio coração, ele não
compreende completamente por que exatamente
bateu em sua irmã. Ele sabe que foi errado porque a
mãe diz que foi errado, e Deus deu a ele uma
consciência, mas ele não entende realmente por que
agiu contra sua própria consciência e infligiu esse
golpe doloroso em sua preciosa irmãzinha.
A tragédia nessas situações é que a mãe não
enxerga seu papel de orientar o filho a compreender
seu próprio coração. E então, ele não apenas é
punido por bater na irmã, mas também por não
explicar verbalmente por que fez isso. A instrução
do coração foi completamente deixada de fora.
Quando usada sozinha, a pergunta “Por que
você...” raramente funciona com crianças, ou
mesmo com adultos. Meu marido pode me
perguntar por que eu fiz alguma coisa, e eu ainda
responder com “eu não sei”. Agora, não me
interpretem mal – não há problema em perguntar ao
seu filho por que ele fez alguma coisa, algumas
vezes você pode até obter uma resposta adequada.
Mas, se você lhe perguntar por que ele fez alguma
coisa, e ele responder com o sempre tão comum “eu
não sei”, não deixe a questão apenas por aí. Ajude-o
a cavar mais fundo em seu coração para encontrar a
resposta.
Nesse momento, Lisa e eu juntamos nossas
cabeças e começamos a fazer perguntas produtivas.
Aqui estão alguns exemplos de perguntas para
investigar o coração que podem ser feitas em tais
situações:
“O que você estava sentindo quando bateu na sua
irmã?” Muitas vezes, o sentimento é a raiva.
“O que sua irmã fez para deixar você com raiva?”
Após ouvi-lo, descobrimos que Josh estava
contando uma piada para todos na mesa e, em vez
de ouvir respeitosamente e permitir a Josh a diversão
de contá-la, Lindsey continuou interrompendo
rudemente, tentando roubar a diversão de seu irmão
ao contar a piada ela mesma. Então, como uma
resposta à sua rudeza, Josh ficou irritado e lhe deu
um soco bem dado!
“Bater na sua irmã parece ter feito as coisas
ficarem melhor ou pior entre vocês dois?” Essa
questão o ajudou a reconhecer que ele ainda estava
irritado, e Lindsey chorando de dor.
“Qual era o problema com o que Lindsey estava
fazendo com você?” Embora Josh não devesse ter
atingido-a, nós não queríamos negar o fato de que
haviam pecado contra Josh. Nós o fizemos dizer o
que Lindsey estava fazendo de errado e por que
aquilo estava errado. Nós queríamos ensiná-lo a
identificar as ações de sua irmã (e a tentação dele)
biblicamente. Há muitos versículos que poderiam ser
aplicados ao que Lindsey estava fazendo. Um seria
Provérbios 6.19, que diz que uma das sete coisas
que Deus odeia é aquele “que semeia contendas
entre irmãos”. Isso era definitivamente o que ela
estava fazendo. Quanto mais irritado ele ficava, mais
ela tinha prazer em interrompê-lo.
Nesse ponto, nós paramos e perguntamos a
Lindsey: “Querida, você estava promovendo a paz
ao interromper a piada de seu irmão ou você estava
criando problemas?” Nós concentramos a atenção
deles sobre o que Deus diz acerca de criar
problemas. Estávamos lhes mostrando a situação da
perspectiva de Deus.
“Sim, Josh, Lindsey estava pecando contra você,
mas de que outras maneiras você poderia ter
respondido?” Cada resposta que Josh deu lhe
permitiu entender melhor seu próprio coração e sua
própria necessidade da graça e da redenção de
Cristo. E cada pergunta respondida nos deu a
oportunidade de usar a Palavra de Deus para instruí-
lo de acordo com sua luta. Moral da história: Josh
ficou irritado com a irmã e pagou o mal com o mal.

Embora muitos desses exemplos digam respeito a


crianças mais novas, os mesmos princípios bíblicos
se aplicam a crianças mais velhas. A Palavra de
Deus é proveitosa e benéfica para todas as idades. A
Palavra de Deus nunca muda. É apenas a forma
como o pecado se manifesta que muda conforme as
crianças crescem. Egoísmo, descontentamento,
desobediência e outros pecados podem se manifestar
de forma diferente com as crianças mais velhas, mas
a Palavra de Deus é sempre a mesma. Portanto,
deve ser sempre a Palavra de Deus que usamos para
educá-los nos caminhos do Senhor.
Em todos os conflitos, devemos iniciar nosso
ensino, procurando entender a natureza do conflito
interno que se expressou no comportamento
exterior. Para investigar seus corações, ensiná-los a
pensar como cristãos e ajudá-los a discernir os
problemas de seus corações, existem três questões
pelas quais devemos conduzi-los.
Qual era a natureza da tentação? Era raiva,
idolatria, inveja? Era egoísta ou contenciosa?
Como ele reagiu à tentação? Ele respondeu à
tentação de maneira a satisfazer Deus? O que havia
de errado com a maneira como ele reagiu?
De que outras maneiras ele poderia ter reagido que
teriam sido melhores?
CAPÍTULO 4
INSTRUINDO OS
FILHOS
NA JUSTIÇA

É importante repreender nossos filhos quando eles


agem errado, mas é igualmente importante, se não
mais importante, fazê-los caminhar por meio do que
é correto – colocar para fora, bem como colocar
para dentro. Efésios 4.22-24 diz: “No sentido de
que, quanto ao trato passado, vos despojeis do velho
homem, que se corrompe segundo as
concupiscências do engano, e vos renoveis no
espírito do vosso entendimento, e vos revistais do
novo homem, criado segundo Deus, em justiça e
retidão procedentes da verdade”. Basicamente,
devemos parar de buscar os desejos pecaminosos
(paixões do velho homem), indo após desejos santos
(paixões do novo homem). Quando aceitamos Cristo
como nosso Senhor e Salvador, somos feitos novos
nele. Devemos colocar para fora o nosso velho
homem, a nossa vida antes de aceitarmos Jesus, e
colocar para dentro nosso novo homem, nossa nova
vida como um filho de Deus (veja o Apêndice A).
Como podemos fazer isso com crianças? Primeiro,
trabalhe com o princípio de como teria sido uma
reação bíblica. Segundo, conduza a criança por ela.
Eu não consigo enfatizar o quão vital isso é na
educação. A Primeira Epístola aos Coríntios 10.13
diz que, quando você é tentado, “Deus é fiel e não
permitirá que sejais tentados além das vossas forças;
pelo contrário, juntamente com a tentação, vos
proverá livramento, de sorte que a possais suportar”.
Quando corrigimos nossos filhos por um
comportamento errado, mas deixamos de ensiná-los
no comportamento justo, nós os exasperamos,
porque não estamos lhes fornecendo uma rota
alternativa. Esse tipo de negligência os despertará à
ira. Nunca haverá uma situação em que isso não se
aplique. Como regra geral, sempre que você corrigir
seu filho por um comportamento errado, conduza-o
pelo comportamento correto. É assim que
ensinamos nossos filhos a andar na justiça de Cristo.
Isso é o que a Bíblia quer dizer com “instruí-los na
justiça”.
Vamos voltar ao cenário do irmão batendo na irmã
dele. Josh bateu na Lindsey porque ela o tinha
irritado. Mas a Escritura diz: “A ira do homem não
produz a justiça de Deus” (Tg. 1.20). Josh
pecaminosamente despejou a raiva dele em Lindsey
e então prosseguiu para contar à mãe o que Lindsey
estava fazendo. Josh precisava tomar a rota
alternativa de Mateus 18.
Em Mateus 18, a Palavra de Deus nos fornece
instruções de como lidar de forma justa com um
conflito como esse. Mateus 18.15 diz: “Se teu irmão
pecar [contra ti], vai arguí-lo entre ti e ele só”. Aqui
vemos que ser um “dedo-duro” é errado. Josh
deveria ter sido instruído a primeiro tentar resolver o
assunto com Lindsey em privado. Josh poderia ter
promovido a paz, dizendo a Lindsey, com uma voz
calma, gentil e autocontrolada, que ela o estava
ofendendo ao interromper a piada dele. Isso dá a
oportunidade ao infrator de se arrepender antes de
ser apresentado ao juiz (Mãe).
Se o infrator se arrepende, então Efésios 4.32 diz
para a criança ofendida conceder perdão. Se
funcionar dessa maneira, então a mãe nunca deve
saber nada sobre isso. O seu objetivo é que eles
ganhem a experiência de resolver o conflito de
acordo com a Palavra de Deus por conta própria.
Essa é a forma como eles aprendem a governar o
seu próprio comportamento de uma maneira bíblica.
Mas, e se o ofensor não se arrepende? Então a
criança ofendida deve acertar a outra bem forte na
cabeça! Não, eu estou brincando. No versículo
seguinte, Mateus 18.16, diz: “Se, porém, não te
ouvir, toma ainda contigo uma ou duas pessoas, para
que, pelo depoimento de duas ou três testemunhas,
toda palavra se estabeleça”. Se outros estiverem
presentes, a criança ofendida pode recorrer a eles
para confirmar a ofensa. No entanto, na maioria dos
casos envolvendo crianças, a única opção será
passar direto para Mateus 18.17a: “Se ele não os
atender, dize-o à igreja”, que é a autoridade, ou
adaptado para a casa, a autoridade seriam os pais.
Então, se Lindsey rejeitasse a repreensão de seu
irmão, em vez de bater nela (pagando mal com mal),
Josh poderia ter tomado a rota alternativa e trazido o
assunto à mãe.
Nesse ponto, a mãe disse: “Josh, se você tivesse
respondido às táticas pecaminosas de Lindsey com
autocontrole e de uma maneira bíblica, você não
estaria recebendo uma palmada. Lindsey seria a
única com problemas”. No entanto, Josh não
escolheu a rota alternativa e sofreu as
consequências.

ENTENDENDO OS PROBLEMAS DO CORAÇÃO


Permita-me dar mais um exemplo de como é
importante instruir os filhos em justiça e como você
pode conduzi-los mediante esse processo. Um
tempo atrás, Wesley estava passando por um
momento em que intencionalmente provocava a
irmã. Ele ficava de quatro como um leão, rosnando,
rugindo e babando, enquanto corria atrás dela (Eu
não sei por que razão ela não gostaria disso, mas ela
não gostou). Ele também aparecia com outras
“brincadeiras” que eram divertidas à custa dela. Eu
soava como um disco quebrado o dia inteiro!
“Wesley, pare!” “Wesley, saia!” “Wesley, Alex não
gosta disso!” Ele parava, mas então passava adiante
para algo igualmente irritante. A resposta verbal dele
para mim era a mesma o tempo todo: “Sim,
senhora, mas eu estava apenas brincando com ela”.
Tornou-se um ciclo interminável ao longo do dia e
todos os dias: “Wesley, pare!” “Sim, senhora, mas eu
estava apenas brincando com ela.” “Wesley, saia!”
“Sim, senhora, mas eu estava apenas brincando com
ela.” “Wesley, ela não gosta disso!” “Sim, senhora,
mas eu estava apenas brincando com ela.” O
problema era que nenhum de nós estava olhando
para isso como um problema do coração. E a razão
pela qual o problema continuou durante todo o dia e
se manifestou de formas diferentes é porque o
comportamento exterior era a única coisa em vista.
Ele obedecia e parava com a atitude em particular
que eu lhe havia dito para parar, mas ele
simplesmente mudava para um comportamento
semelhante. Eu percebi a característica comum de
cada comportamento, mas ele não tinha a habilidade
de avaliar o que estava em seu coração; por isso, ele
não conseguia discernir o que estava errado no que
estava fazendo. Eu havia falhado em investigar o
coração dele. Eu havia falhado em extrair o pecado
que o estava levando a constantemente provocar a
irmã, e eu fiquei frustrada de lhe dizer vez após vez
“a resposta” (para parar de provocá-la!). Mas esse
era o problema: eu continuei lhe dando a resposta,
sem ensiná-lo por que essa era a resposta. Se ele
entendesse o próprio pecado e se arrependesse
disso, seria capaz de governar o próprio
comportamento, em vez de eu sempre ter que lhe
dizer para parar.
Eventualmente, percebi que tinha que trabalhar em
sentido inverso, do comportamento para o coração.
Cada vez que ele começava a provocá-la, ele
passava por uma sequência muito simples de
questionamento.
Mãe: Wesley, a julgar pelo seu riso, você parece
estar tendo um ótimo momento rosnando e correndo
atrás de sua irmã. Você está se divertindo tanto
quanto parece que está? Wesley: (levantando uma
sobrancelha com curiosidade) Sim, senhora.
Mãe: A Alex está se divertindo tanto quanto você
está?
Wesley: (se contorcendo um pouco) Bem, não,
senhora.
Mãe: Diga-me, o que a Alex está fazendo?
Wesley: (pausando por um momento e olhando
para baixo) Ela está gritando e chorando.
Mãe: Querido, você está se alegrando com o
sofrimento da Alex? Porque o amor não se alegra
com o mal (1 Coríntios 13. 6).
Wesley: (com um olhar de compreensão seguido
por um olhar de tristeza) Alex, você me perdoa por
fazer você chorar?
Eu não vou dizer que isso nunca aconteceu de
novo, mas houve uma melhora enorme. Quando
isso acontecia, eu o guiava mostrando o que estava
em seu coração. E houve muitas vezes em que ele
começou a provocá-la e, assim que ela se
entristeceu, ele pediu desculpas e parou o
comportamento por conta própria. Ele foi capaz de
aprender a partir do entendimento que ele obteve
avaliando o próprio coração. É um processo, mas
estou vendo o fruto de ele estar aprendendo a
governar o próprio comportamento por meio da
compreensão de seu próprio coração. Agora que eu
tinha atingido o coração dele, meu próximo objetivo
era mostrar aos dois como o conflito poderia ter sido
tratado biblicamente e sem a necessidade de um
dedo-duro. Eu realizei esse objetivo por meio do uso
de dramatização.

A IMPORTÂNCIA DA DRAMATIZAÇÃO
A dramatização é uma ferramenta extremamente
eficaz em ensinar as crianças a praticar o que
aprenderam. Quando elas colocam o conhecimento
adquirido em prática, ele se torna realmente parte de
suas vidas. O ensinamento será mais bem afixado,
porque elas aprendem a usá-lo em uma situação
prática. É semelhante ao fato de que a aprendizagem
de toda a teoria para um campo específico de
trabalho é de muito valor, mas aprender a colocar
esse conhecimento em prática só pode ser obtido
realmente mediante o “treinamento de trabalho”.
Deixe-me mostrar como usei a dramatização no
cenário que acabei de apresentar. Embora a Alex
tenha começado como a vítima nessa situação, ela
pecou na forma como reagiu. Enquanto ela estava
sendo perseguida no corredor pelo leão feroz, ela
chorou e levou o leão direto aos pés da mamãe. A
voz dela foi amplificada como se eu estivesse do
outro lado da casa, em vez de estar bem em frente a
ela. “O Wesley está sendo ruim para miiiiiiiiiim!” Ela
tinha se tornado o que a Bíblia chama de fofoqueiro,
ou como dizemos, um dedo-duro, e parecia que ela
gostaria bastante de ver o irmão em sérios apuros.
Aqui é novamente onde você poderia ensiná-los a
aplicar Mateus 18. Mais uma vez, eu simplesmente
usei perguntas para sondar o seu coração. “Alex,
querida, você já pediu ao seu irmão em particular
para parar de perseguir você?” Com um rosto triste
e um lábio trêmulo, ela respondeu: “Não, senhora”.
“Será que você se alegra em ver seu irmão ficar em
apuros?” Ela parecia estar considerando essa
questão e se inclinando para o “sim” final. Lembrei-
lhe do que Deus diz: “O que se alegra da calamidade
não ficará impune” (Pv. 17.5).
O passo seguinte foi caminhar com eles no sentido
de como substituir o comportamento errado pelo
comportamento certo mediante o uso de
dramatização. Em vez de apenas lhe dizer o que ela
deveria ter feito e deixar por isso mesmo, eu dei
mais um passo adiante e a fiz colocar o ensino
verbal em prática. Eu fiz os dois voltarem para onde
primeiramente o leão havia começado a atacar. Eu
coloquei as palavras na boca de Alex e disse: “Alex,
diga ao Wesley, ‘Por favor, não me persiga e nem
rosne para mim’”. “Agora, Wesley, você diz: ‘O.k.,
Alex’”. É isso! É simples assim!
Ao fazê-los voltar e fazer isso da maneira correta,
estou instruindo-os na justiça, em vez de apenas os
repreender pelo erro. Eu estou lhes dando uma rota
alternativa. Eu estou ensinando-os a “colocar para
fora” os desejos corruptos e enganadores e “colocar
para dentro” a justiça e santidade de Deus.
Querida mãe, eu a encorajo a extrair o que está no
coração de seu filho, trabalhar no sentido de como
seu filho pode substituir o que é errado pelo que é
certo e então fazer seu filho pôr em prática o que
aprendeu. Assim é como você os instrui na justiça.
Lembre-se de que isso é um processo. Os meus se
tornam ativos com a instrução por uma semana e
ficam muito bem com ela, em seguida, a partir do
nada, agem como se nunca tivessem obtido
instrução alguma – e geralmente quando estamos em
público! Os dias em que nossos filhos realmente
fazem contenda e nós nos tornamos fatigados de
instruí-los vez após vez, podemos ser encorajados
por Gálatas 6.9: “Não nos cansemos de fazer o bem,
porque a seu tempo ceifaremos, se não
desfalecermos”.
CAPÍTULO 5
DOMANDO A
LÍNGUA

A língua – Deus tem muito a dizer sobre uma


parte tão pequena do corpo. Ela pode ser pequena,
mas é extremamente poderosa. No livro de Tiago, é
comparada ao fogo. Assim como uma pequena
faísca pode incendiar e destruir uma floresta inteira,
os dardos inflamados da língua também podem
destruir aqueles que mais amamos. No entanto,
quando usada corretamente, a língua pode produzir
frutos que curam, confortam e estimulam aqueles
que mais amamos.
O sábio uso da língua é um componente
fundamental na formação da criança. Deus ordenou
dois métodos principais aos pais para educarem os
filhos em sabedoria. Eles são a vara (que abordarei
na parte três) e a repreensão.
Repreensão é expressar verbalmente a outra
pessoa de que forma ela violou a Palavra de Deus.
Provérbios 29.15 diz: “A vara e a repreensão dão
sabedoria, mas a criança entregue a si mesma vem a
envergonhar sua mãe” (grifo meu). Deus nos deu
uma abordagem equilibrada para o ensinamento de
nossos filhos. A repreensão envolve o uso correto da
língua. Vemos esse equilíbrio novamente em Efésios
6.4, que diz: “E vós, pais, não provoqueis vossos
filhos à ira, mas criai-os na disciplina e na
admoestação do Senhor” (grifo meu). A disciplina e
a admoestação em Efésios correspondem à
passagem de Provérbios, que ensina os pais a
disciplinar com a vara e a repreensão. O versículo de
Efésios também nos adverte que, se nós não
usarmos o equilíbrio ordenado por Deus, nós
provocaremos os nossos filhos à ira.
Alguém uma vez disse: “Você pode bater na
criança até que o insensato saia dela, mas você não
pode bater até que a sabedoria entre”. O projeto de
Deus para a disciplina realiza ambos. Ele expulsa a
insensatez e a substitui por sabedoria. Portanto,
nunca se deve usar a vara sem a repreensão. A
disciplina que não é equilibrada utilizando as duas,
certamente falhará. O propósito da disciplina é
ensinar aos filhos a Palavra de Deus, como eles
violaram essa Palavra e como mudar. Castigar pelo
erro sem lhes ensinar o certo pode exasperá-los,
provocá-los ao medo e à ira, e não resultar em
mudança interior. O medo e a ira causados por pais
que batem, mas falham em instruir adequadamente
seus filhos, podem ser ilustrados na instrução de um
filhote de cachorro.
Você decide que quer um filhote de cachorro,
então, você escolhe o adorável companheiro quando
ele está com apenas seis semanas de idade. Ele é tão
pequeno e fofo, e seu coração se enche de amor e
expectativas por ele enquanto você o leva para casa.
Ele será o cachorro perfeito, porque será cercado
com tanto amor.
Ele entra em sua casa e, por um tempo, você
simplesmente não consegue parar de segurá-lo a
todo instante. Mas eventualmente a novidade acaba,
e você finalmente o coloca no chão, momento em
que ele imediatamente mostra sua gratidão. Ele urina
no chão, defeca nos tapetes, morde o sofá, late no
meio da noite e faz furos em suas meias. O
sentimento aconchegante que você tinha ao olhar em
seus olhos foi substituído agora por frustração e
raiva. Você decide iniciar o processo de treinamento
e começar com a parte das “necessidades no lugar
certo”. Então, você o observa bem de perto e, no
minuto em que ele levanta aquela perna para se
aliviar, você bate nele e lhe diz “não”. Isso é tudo o
que você faz: você bate nele e lhe diz “não”. Você o
repreendeu e o disciplinou pelo erro.
O que ele fará na próxima vez que sentir vontade?
Ele se retirará sorrateiramente, fará o que tem que
fazer e, então, se encolherá enquanto espera que
você o encontre. Eventualmente, você encontra a
bagunça, retira-o do canto dele, esfrega o seu
focinho ali e, em seguida, bate nele novamente. Na
vez seguinte, ele está com mais medo ainda. Ele
procura por um esconderijo melhor e se encolhe
debaixo da cama à espera da sua ira. E você se
pergunta o que aconteceu com todo aquele carinho
que vocês costumavam ter e se questiona por que
ele não deseja mais ir procurá-la e afagar-se em seu
colo. Você sente falta do amor carinhoso que vocês
compartilharam uma vez. Mas fica ainda pior. O
tempo passa e, agora quando você o encontra, após
ele ter deixado outra bagunça, ele não está mais
encolhido em um canto, ele está mostrando
ousadamente os dentes e rosnando para você. Você
chega até ele, e ele o abocanha com raiva.
É o mesmo com muitos filhos cujos pais lhes
bateram pelo erro, mas deixaram de instruí-los na
justiça. Eles crescem irados, amargos e rebeldes.
Não é de se espantar que eles se tornem mais
agressivos e direcionem a raiva para os pais.
A instrução adequada para o cachorro teria sido
bater nele pelo erro, mas lhe mostrar o certo,
colocando-o para fora imediatamente, fornecendo-
lhe uma rota alternativa. A disciplina sem instrução
exasperará e provocará à ira. Disciplina e instrução é
educar sem exasperar.
Como afirmei anteriormente, o propósito de
disciplinar nossos filhos é ensinar-lhes a Palavra de
Deus. É ensiná-los a mudar. Para ensinar,
repreender, corrigir e instruir na justiça, devemos
usar a Palavra de Deus. A Palavra de Deus instrui a
alma a partir de uma perspectiva eterna.
Em Os deveres dos pais, J. C. Ryle diz: “Instrua
continuamente com este pensamento diante de seus
olhos: a alma do seu filho é a primeira coisa a ser
considerada. Em cada decisão que você tomar
acerca deles, em todo plano, esquema e arranjo que
lhes disser respeito, não deixe de fora esta pergunta
poderosa: ‘Como isso afetará as suas almas?’”.
Nosso objetivo final em tudo deve ser apontá-los
para Cristo.

ENSINANDO NO CONTEXTO DO MOMENTO


As crianças aprendem ensinamentos gerais da
Palavra de Deus quando estão na igreja, na Escola
Dominical e em outros tipos de estudos bíblicos.
Isso é ótimo, mas não deixe essa ser toda a extensão
do treinamento bíblico. Ao lhes ensinar com o
objetivo de instruí-los, não lhes ensine apenas o que
a Bíblia diz, mas o que a Bíblia diz acerca da luta
particular que eles estão tendo. Ensine-lhes o que a
Bíblia diz sobre os problemas e preocupações que
estão enfrentando. O ensino aplicado ao momento e
à situação é um ensino que realmente beneficiará a
criança. Os maiores benefícios surgem ao se ensinar
enquanto as coisas acontecem, ou seja, no “contexto
do momento”.
O contexto do momento é a hora mais natural
para seu filho aprender e crescer. Muitas vezes,
tentamos forçar um momento de aprendizado antes
que a criança esteja pronta para aprender uma lição
em particular. Eu tenho aprendido ao longo dos anos
que deveria ensinar de acordo com a necessidade de
aprender do meu filho.
Essa lição foi esclarecida para mim em uma
Páscoa. Pelos últimos anos, meu marido e eu
assistimos à peça da Paixão de Cristo em Atlanta,
um drama musical que retrata a vida de Cristo. Todo
ano, sinto que o meu coração é renovado, meu amor
por Jesus é aprofundado, e minha paixão pela Sua
Palavra é atiçada. Este ano em particular era para ser
ainda mais especial, porque levaríamos meu filho de
quase oito anos, Wesley. Por meses, orei para que
Deus usasse essa apresentação para tocar o coração
dele com uma compreensão de quem exatamente
Jesus é o que Ele tem feito por ele. Eu orei para que
Deus se revelasse a Wesley de um modo novo e para
que o Wesley realmente entregasse a vida dele a
Jesus.
O dia finalmente chegou e me sentei com o meu
filho em frente ao centro do palco, na segunda
fileira. Meu coração começou a bater rapidamente
com a expectativa do que aconteceria no pequeno
coração de Wesley hoje. Ao longo da apresentação,
sussurrei orações a Deus, pedindo a Ele para dar
entendimento ao Wesley. Posso dizer com certeza
que passei mais tempo observando o rosto dele e
tentando ler seus pensamentos do que assistindo à
peça.
Então, chegou a cena em que Jesus caminha sobre
a água e acalma a tempestade. Os ventos sopraram
fortemente, o barco balançou ferozmente e as ondas
quebraram violentamente contra o barco. Wesley
levantou as sobrancelhas e sua expressão se
intensificou. De repente, ele se inclinou para me
fazer uma pergunta e eu pensei: “Ah, que bom! Esta
será uma grande oportunidade para eu explicar o
incrível poder de Jesus!”. Ao colocar a mão em
volta do meu ouvido, ele sussurrou: “Mãe, é um
monte de sacos de lixo ou uma grande lona que eles
estão usando para fazer aquelas ondas?” Eu percebi
naquele momento que estava me segurando muito
forte ao seu coração. Eu estava tentando forçar um
momento de aprendizado. Enquanto eu ria,
deixando minhas expectativas de lado, sussurrei uma
nova oração. Eu orei para que estivesse pronta e
disposta a plantar as sementes, mas que eu deixaria
o momento e a colheita para Deus.

BENEFÍCIOS DO ENSINO NO CONTEXTO DO


MOMENTO
Há grandes benefícios para os filhos cujos pais
aprenderam a ensinar no contexto do momento.
Aqui estão alguns desses benefícios:
1. As crianças aprendem a como se tornar
“praticantes” da Palavra, em vez de apenas
“ouvintes”.
2. As crianças compreendem melhor quando
aprendem em uma situação prática.
3. As crianças ganham as habilidades de
consubstanciar a Palavra de Deus na vida diária.
4. As crianças estão mais bem equipadas para
obedecer a Deus.

Como é ensinar no contexto do momento?


Quando o Johnny estiver provocando o irmão,
ensine-lhe que uma das sete coisas que Deus odeia é
“o que semeia contendas entre irmãos” (Pv.
6.19).Você pode dizer: “Criar problemas é tolice,
querido, mas quando você promove a paz, você é
sábio (Tg. 3.17). Johnny, você quer ser tolo ou
sábio?” Quando a Suzie responder com raiva e gritar
com a amiga, ensine-lhe a partir de Provérbios 15.1
que “a resposta branda desvia o furor, mas a palavra
dura suscita a ira”. Você pode dizer: “Querida, você
pode tentar de novo e desta vez usar um tom suave
de voz?” Quando o Timmy tentar fazer com que o
irmão entre em apuros ao dedurá-lo, ensine-lhe que
“o que se alegra da calamidade não ficará impune”
(Pv. 17.5). Você também pode lembrá-lo de que “o
amor não se alegra com a injustiça” (1Co. 13.6). E é
tão importante que você não apenas lhe diga o que
está errado com o comportamento dele, mas como
ele pode torná-lo correto. Assim, para instruí-lo no
que ele pode fazer para substituir a tentativa de
colocar o seu irmão em apuros, você pode lhe
mostrar que Hebreus 10.24 diz que devemos “nos
considerar também uns aos outros, para nos
estimularmos ao amor e às boas obras”.
Quando as crianças se comportam
pecaminosamente, use a Palavra de Deus para
instruí-las verbalmente na justiça e, então, reforce
essa instrução fazendo com que elas a coloquem em
prática naquele exato momento. Portanto, não basta
dizer à criança que está tentando colocar seu irmão
em apuros, que ela deveria estar estimulando seu
irmão em direção ao amor e às boas obras, mas a
obrigue a voltar e realmente fazê-lo. Pergunte a ela:
“Timmy, em vez de vir e me dizer que seu irmão
está pulando em sua cama, o que você poderia ter
dito para estimulá-lo?” O Timmy talvez diga: “Eu
poderia ter dito que ele não deve pular em sua cama,
e que eu não quero que ele entre em apuros”. Ou
talvez ele diga: “Eu poderia ter dito a ele que a
mamãe nos disse para não pular na cama porque
podemos nos machucar, por isso é melhor descer”.
Qualquer coisa parecida com isso seria boa. E o
mais importante, fazer Timmy voltar e dizer essas
palavras a seu irmão, mesmo se você tiver que ir
com ele e fazê-los reencenar tudo. Dessa forma,
Timmy está colocando a sua instrução em prática,
que não apenas lhe dará melhor entendimento de
como ela funciona, mas também o equipará para
situações semelhantes no futuro. Isso é ensinar no
contexto do momento. É ensinar com o propósito de
agir. É ensiná-los a aplicar a Palavra de Deus na vida
diária.
Tenha em mente que ensinar no contexto do
momento é algo que terá que fazer vez após vez.
Em outras palavras, você não pode ter expectativas
de ensiná-los a aplicar um princípio bíblico e depois
esperar que eles automaticamente o façam. Assim
como muitas coisas, é preciso prática. Você talvez
ache que isso soa como um monte de tempo e
trabalho, e está absolutamente certa! Instruir nossos
filhos é um processo. Continue a semear e lembre-se
da lei da colheita. Você colhe o que planta.

INSTRUINDO NA PIEDADE1
Quando eu ainda era uma menina, calcei um par
de patins. Eu me levantei e imediatamente caí.
Depois de um tempo, porém, eu conseguia patinar
por vários metros antes de cair. Aos 15 anos, após
anos e mais anos de prática, eu conseguia patinar
sem esforço maior do que precisava para andar. A
patinação não vem naturalmente, mas por meio da
disciplina de praticar vez após vez, tornou-se minha
segunda natureza. Embora essa seja uma ilustração
física, funciona da mesma maneira espiritualmente.
Quando fazemos nossos filhos exercitarem a
sabedoria espiritual da Palavra de Deus vez após
vez, ela se tornará como uma segunda natureza para
eles.
Paulo disse a Timóteo, em 1 Timóteo 4.7, para se
exercitar na piedade. Paulo ainda comparou o
processo ao treinamento físico no versículo 8. É
interessante que a palavra grega para a disciplina é
gumnazo, da qual nós temos a palavra ginásio.
Gumnazo significa exercitar ou treinar. A ideia é
que, quanto mais treinamos, mais bem equipados
nos tornamos para realizar nossa tarefa. Da mesma
forma que a patinação. Através do exercício e
treinamento (gumnazo), o que antes parecia
impossível para mim tornou-se uma tarefa fácil. Isso
é exatamente o que acontece quando exercitamos ou
treinamos nossos filhos (e a nós mesmos) na
piedade. O que antes parecia impossível torna-se
como uma segunda natureza. Lou Priolo chama esse
método de treinamento de O Princípio Gumnazo e
apresenta uma excelente ilustração de como ele
funciona.
O Princípio Gumnazo pode ser ilustrado pelo
exemplo de um ferreiro que está treinando um
aprendiz. A aprendizagem não é tão popular hoje
quanto costumava ser durante os primeiros
momentos de nossa nação, quando Benjamin
Franklin, por exemplo, serviu como um aprendiz de
seu irmão mais velho. Então, não era incomum para
o aprendiz viver com o mestre artesão, ser
provisionado por ele e subordinado a ele. Um
aprendizado era um treinamento completo e intenso
que normalmente durava por vários anos.
Basicamente, era um treinamento pela prática,
prática e mais prática, até que o aprendiz estivesse
fazendo certo. O mestre artesão provavelmente
explicava primeiro e demonstrava com o
equipamento. Então ele permitia que o aprendiz o
observasse passar pelo processo de fazer uma
ferradura, desde acender a forja até calçar o casco
do cavalo com o produto acabado, explicando cada
procedimento com grande detalhamento. Após uma
série de observações, o mestre artesão permitia que
o aprendiz ajudasse com uma parte do
procedimento. Instruindo-o, o mestre permitia que o
aprendiz tentasse o procedimento. Ele o corrigia no
local em que cometesse algum erro e exigia que ele
fizesse novamente até que acertasse. O mestre
talvez ficasse por trás de seu aprendiz, detendo suas
mãos sobre as do aprendiz enquanto mantivessem o
ferro no fogo até que tivesse o brilho exato de
vermelho. Então, mão com mão, o mestre artesão e
o aprendiz traziam rapidamente o ferro para a
bigorna e, mão com mão, o mestre demonstrava ao
aprendiz exatamente onde martelar o ferro e com
que força atingi-lo. Em seguida, ele o colocava de
volta no fogo e repetia até que a ferradura estivesse
completa. Após alguns exercícios desse treinamento
prático, o mestre estava pronto para permitir que o
aprendiz tentasse o procedimento por si próprio.
Ainda de pé atrás de seu aluno, ele observava o
trabalho do aprendiz, considerando cada detalhe da
obra. Então, assim que um erro fosse cometido,
imediatamente, ele dizia: “Não, desta maneira”. E,
novamente, detendo a sua mão sobre a do aprendiz,
ele lhe mostrava precisamente como corrigir seu
erro.
Imagine como seria se o mestre artesão tivesse
simplesmente explicado o procedimento uma única
vez e, quando o aprendiz cometesse seu primeiro
erro, o mestre dissesse: “Errado! Sem jantar para
você esta noite. É melhor melhorar amanhã”.
“Isso seria cruel, impiedoso e uma violação da
educação”, você diria.
No entanto, essa é a forma como muitos pais
cristãos “disciplinam” seus filhos.2
Uma criança pode falar asperamente com seus
pais, ao que estes respondem: “Isso foi
desrespeitoso!” Então, a criança toma uma palmada
e é levada ao quarto, e os pais acham que agiram
bem porque identificaram e verbalizaram o
comportamento errado da criança e lhe deram uma
palmada por isso. Lou diz:
O Princípio Gumnazo sustenta o fato de que você
não disciplinou uma criança adequadamente até que
a tenha trazido ao ponto de arrependimento,
exigindo-lhe que pratique a alternativa bíblica ao seu
comportamento pecaminoso... Disciplina bíblica
envolve corrigir o comportamento errado praticando
o comportamento correto, com a atitude certa, pelo
motivo certo, até que o comportamento correto se
torne um hábito.3
É essencial que a criança identifique o pecado e
peça perdão por ser desrespeitosa, mas também é
essencial que ela pratique a alternativa bíblica.
Então, após repreender a criança por ser
desrespeitosa e talvez castigá-la por isso, faça-a
voltar à cena do crime e praticar a comunicação da
maneira correta, usando as palavras e o tom de voz
apropriados (e para muitas crianças, especialmente
as minhas, a expressão facial apropriada!).
Imagine tentar ensinar seu filho a amarrar os
sapatos sem o Princípio Gumnazo. Fazê-lo caminhar
verbalmente pelo processo não seria suficiente. Você
tem que demonstrar fisicamente à criança
exatamente como a tarefa é feita e, então, exigir que
a criança pratique por si mesma. Como Lou Priolo
diz, em O coração da ira: “Se o Princípio Gumnazo
é vital para o ensino de tais tarefas relativamente
simples e temporais, quanto mais para o ensino da
aplicação da verdade eterna e do desenvolvimento
do caráter de Cristo”.4
CAPÍTULO 6
O PODER DA
PALAVRA
DE DEUS

A razão pela qual a Escritura é para ser utilizada


na instrução dos filhos é encontrada em 2 Timóteo
3.16: “Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil
para o ensino, para a repreensão, para a correção,
para a educação na justiça”. O Espírito Santo
falando através da Palavra de Deus mostrará o erro,
convencerá o culpado e promoverá a justiça. A fim
de que os filhos caminhem em justiça, eles devem
primeiro estar convictos de seus pecados. Eles
devem admitir que são culpados. Deus usa a sua
Palavra, a fim de convencer seus filhos. Portanto,
quando nossos filhos pecam, devemos usar a
Palavra de Deus a fim de que possam ser
convencidos.
Os pais cujos filhos ainda não depositaram sua
confiança em Jesus adotam muitas vezes o ponto de
vista de que, já que os seus filhos ainda não são
cristãos, eles não podem obedecer a Deus de forma
sincera. Portanto, eles sentem que ainda não é
benéfico instruí-los usando a Palavra de Deus.
Afinal, sem o poder do Espírito Santo atuando,
como a criança pode sequer chegar perto de
verdadeiramente compreender e obedecer aos
mandamentos de Deus? E por que ela sequer
desejaria isso, já que ainda não é motivada como um
cristão?
É verdade que a lei de Deus não é fácil para o
homem natural. A lei de Deus é o mais alto padrão.
É um padrão santo que não pode ser alcançado à
parte da graça sobrenatural de Deus. Mas é
exatamente isso. É a lei de Deus a partir da Palavra
de Deus que nos ensina nossa necessidade de sua
graça. Ensinar nossos filhos de acordo com a
Palavra de Deus (a Lei de Deus) os aponta para o
fato de que eles são pecadores necessitados da
misericórdia e intervenção de Deus em suas vidas. A
Bíblia nos diz que a Lei de Deus conduz pecadores
a Cristo. Gálatas 3.24 diz: “De maneira que a lei nos
serviu de aio para nos conduzir a Cristo, a fim de
que fôssemos justificados por fé”. Então, cada vez
que seu filho viola a lei de Deus, você tem uma
oportunidade de conduzi-lo à sua necessidade de
Cristo.
Quando seu filho fala a você com um tom de voz
desrespeitoso, não diga apenas: “Você está fazendo
coisa feia”. Chame isso como Deus chama, usando
as palavras de Deus. Diga a seu filho o que Deus diz
sobre esse comportamento em particular, e ao que
ele conduz. “Querido, você está sendo desrespeitoso
e não está me honrando. As coisas não irão bem
para você se você me desonrar assim. Agora, tente
novamente de uma forma honrosa.” As palavras que
escrevi são derivadas de Deuteronômio 5.16. Eu
usei as palavras de Deus, mas observe como as usei,
sem agir como se estivesse em pé atrás de um
púlpito pregando para a congregação. Deuteronômio
6.6-7 nos diz que os mandamentos de Deus devem
estar em nossos lábios e que devemos ensiná-los a
nossos filhos, conversando sobre eles o dia todo,
todos os dias “assentado em tua casa, e andando
pelo caminho, e ao deitar-te, e ao levantar-te” (v. 7).
Eu não acho que isso signifique que, quando os
nossos filhos nos falam desrespeitosamente,
devamos exigir em nossa voz mais formal:
“Crianças, abram comigo suas Bíblias em
Deuteronômio 5.16 e me acompanhem enquanto
leio, ‘Honra a teu pai e a tua mãe, como o
SENHOR, teu Deus, te ordenou, para que se
prolonguem os teus dias e para que te vá bem na
terra que o SENHOR, teu Deus, te dá’”. Eu
acredito que devamos conhecer a Palavra de Deus e
falar sobre ela tão frequentemente na presença de
nossos filhos, de forma que isso seja feito de uma
maneira confortável e coloquial. Não é uma forma
de ensino formal, rigorosa e legalista, mas, sim, um
modo de vida que está constantemente em nossos
corações, em nossas mentes e em nossas línguas.
Use a Palavra de Deus para ensiná-los a partir de
seu coração.
Quando Alex era mais nova, ela passou por um
período em que falava com uma voz chorosa na
tentativa de conseguir as coisas do jeito dela. Eu
perguntava a ela: “Alex, você está pedindo o suco
para mamãe com uma voz autocontrolada?” (“Não,
senhora”). “A mamãe nunca lhe dará o que você
quer enquanto estiver choramingando. Deus quer
que você tenha autocontrole, mesmo com a sua voz.
Agora, eu vou ajustar o timer para 5 minutos e,
então, você pode voltar e pedir suco com
autocontrole”. Eu não preguei um sermão a ela ou
usei palavras que ela não conseguia entender. A
Palavra de Deus diz que devemos ter autocontrole.
Lamentar-se é uma questão de autocontrole. Eu
simplesmente usei as palavras de Deus para
repreendê-la de uma forma que ela pudesse
compreender, fazê-la sofrer as consequências de ter
que esperar cinco minutos e, então (o mais
importante), eu a fiz voltar e pedir o suco da
maneira certa.
Mais uma vez, nós podemos nos tornar cansados
de sempre ter que tomar tempo para instruí-los
usando a Palavra de Deus, especialmente nos dias
em que parece que estamos ensinando a mesma
coisa vez após vez. Nós podemos enxergar instruí-
los o dia inteiro, todos os dias, vez após vez como
um fardo ou uma provação. Mas Tiago 1.2-4 diz:
“Meus irmãos, tende por motivo de toda alegria o
passardes por várias provações, sabendo que a
provação da vossa fé, uma vez confirmada, produz
perseverança. Ora, a perseverança deve ter ação
completa, para que sejais perfeitos e íntegros, em
nada deficientes”. Assim, de acordo com esses
versos, nós deveríamos ser alegres e gratos em cada
vez que nos é fornecida uma oportunidade de
apontarmos a nossos filhos sua necessidade de Jesus
ao instruí-los em Sua Palavra. Se pudéssemos ver
todos os seus comportamentos pecaminosos como
oportunidades preciosas para ensiná-los, então
seríamos muito mais justos em nosso ensinamento.
Nós estaríamos alegres e ávidos o tempo todo, em
vez de zangados e frustrados. Agora, sei melhor que
ninguém que é mais fácil dizer do que fazer, mas
nós estamos tentando fazer nossas atitudes serem
como a atitude de Cristo (cf. Fp. 2.5).
Cada vez que seu filho errar, não veja isso como
uma tragédia sem esperança. Lembre-se de que não
seria natural seu filho não pecar, porque, afinal, ele é
um pecador.
Outro dia eu estava no shopping, e uma mãe
estava de pé na fila ao meu lado com seus dois filhos
quando de repente um dos irmãos se voltou e atingiu
o outro na cabeça. A mãe exausta olhou para o filho
como se ele tivesse se transformado em um
alienígena verde de três cabeças e disse: “Por que
você age assim?” Eu queria me intrometer e dizer:
“Porque ele é um pecador. Por que ele não agiria
assim?” A questão não é “Por que ele age assim?”,
mas: “O que você vai fazer sobre isso? Você vai
permitir que esse pecado crie raízes em seu coração
e cresça, ou usará essa oportunidade para instruí-lo
na justiça?” Tragicamente, o que ela escolheu foi
permitir que o pecado criasse raízes, porque ela
começou a dar desculpas por ele. Ela olhou para
alguns dos adultos que estavam por perto e, por
algum motivo, sentiu a necessidade de dizer a todos
nós que o seu filho estava “apenas muito cansado”.
“Ele não tirou seu cochilo hoje e está realmente com
fome”. Nesse momento, eu queria dizer: “Bem,
estou cansada e com fome também, mas não é por
isso que eu vou dar um tapa na sua cabeça!” Não
me interpretem mal. Condições como a fadiga
podem desempenhar um papel no comportamento
de crianças pequenas, mas o pecado é pecado, e
errado é errado. Mesmo que esteja cansado e com
fome, é pecaminoso dar um tapa na cabeça de
alguém! Não há nada nas Escrituras para validar a
negligência do ensino porque a criança está cansada
ou com fome. Elas pecam não porque estão
cansadas, com fome ou tendo um dia ruim, mas
porque são pecadoras. Deus colocou os pais como
autoridade sobre elas para ensiná-las, não para dar
desculpas pelos seus pecados.
Também foi interessante que, pouco antes do
menino bater na irmã, ele estava em pé na fila,
calmamente com sua mãe, e alguém passou e
comentou como os filhos dela eram bem
comportados. A mãe deu um sorriso satisfeito e
radiante ao dizer: “Obrigado!” Até então ele não
estava cansado ou com fome. Mas segundos depois,
ele está tão faminto e exausto que não conseguiu
sequer reunir autocontrole suficiente para evitar
bater na irmã.
Meu marido e eu conduzimos várias classes de
criação de filhos, eu costumava estar à frente de um
ministério em Auburn, Alabama, chamado “De mãe
para mãe”, e eu viajava e falava sobre questões
relativas à criação de filhos. Devido a esses papéis
de liderança, as pessoas às vezes desenvolvem a
ideia absurda de que nós somos os pais perfeitos e
estamos criando os filhos perfeitos.
Algum tempo atrás, tomei conta dos filhos de uma
amiga, e alguém fez o comentário: “Eu não posso
acreditar que você a deixou ficar com seus filhos. Eu
ficaria tão envergonhada por ela ver como os meus
filhos agem!” Minha amiga April sempre foi
bastante espirituosa. Ela veio com “O quê? Eu não
estou envergonhada por ela ver como meus filhos
agem porque eu vi os dela agirem da mesma
maneira!” E como ela está certa. Eu sou
extremamente apaixonada por encorajar e ensinar
pais a educarem os filhos biblicamente, mas não
ensino baseado na minha própria autoridade ou
minha própria capacidade, porque eu não tenho. Eu
ensino na autoridade da Palavra de Deus.
Na verdade, se você visitasse minha casa e visse
meus fracassos, provavelmente não teria comprado
este livro. Eu sou uma mãe em formação, assim
como você, e embora eu deseje ser santa e perfeita
na educação dos meus filhos, estou longe disso. Eu
me esforço para ensiná-los diligentemente, a fim de
conquistar seus corações para Jesus, mas eu não sou
perfeita, e nem eles são.
A simples verdade é que todas as crianças são
pecadoras e manifestarão um comportamento
pecaminoso. A questão não é: Será que elas
pecarão?, mas: Quando elas pecarem, o que você
fará a respeito? Você as ignorará, gritará com elas,
dará desculpas por elas ou as ensinará no caminho
que devem andar? (Pv. 22.6).
A RESPONSABILIDADE DOS PAIS
Deus deu aos pais as seguintes responsabilidades:
Usar todas as oportunidades para apontar às
crianças sua necessidade de Cristo. A maior
necessidade que os nossos filhos têm é a de nascer
de novo. A salvação de nossos filhos não é baseada
em nada do que fazemos como pais. Sua salvação é
uma questão que só pode ser resolvida entre eles e
Deus. Embora nós sejamos responsáveis diante de
Deus para direcionar nossos filhos ao Salvador, é
Deus que toca seus corações.
Por vários anos, senti que, se eu os instruísse
diligentemente nas Escrituras, isso garantiria sua
vinda a Cristo. Quando meu filho tinha sete anos,
percebi que eu podia citar todas as passagens
corretas para cada questão pecaminosa com a qual
ele fosse confrontado e fazê-lo obedecer de acordo
com as Escrituras, mas só Deus poderia atingir seu
coração. Veja você, ele se tornou realmente bom em
prestar serviço verbal. Eu o instruía, e ele
verbalizava todas as palavras certas, mas sua
expressão facial dizia: “Eu já disse tudo o que você
queria que eu dissesse, agora suma da minha
frente!” Foi durante esse período que Deus me
ensinou a parar de confiar em minhas próprias
habilidades. Eu tive que parar de tentar controlar o
coração dele e deixar Deus agir. Foi um momento
difícil. Parecia que havia um oceano de distância
entre nós. Eu sou grata por esse tempo, porque me
trouxe maior dependência de Deus. Eu o procurei
com todo meu coração e lhe pedi para restaurar
nosso relacionamento e trazer o Wesley a um ponto
em que ele receberia a minha instrução com o amor
com o qual ela era intencionada.
Deus me levou a fazer duas coisas. Primeiro, ter
um tempo sozinha com o Wesley a cada noite na
hora de dormir. Não ter pressa. Não gastar esse
tempo instruindo, mas simplesmente sentando em
sua cama e ouvindo qualquer coisa sobre a qual ele
escolhesse falar. Segundo, voltar ao seu quarto a
cada noite antes de eu ir para a cama e orar por ele,
enquanto ele dormia. A minha oração de cada noite
foi para que Deus tocasse o coração dele. E Ele o
fez (para entender como levar o seu filho a Cristo,
consulte o Apêndice B).
Instruí-los a obedecer a Deus ao honrar e
obedecer a seus pais. Nós devemos ajudá-los a
obedecer a Deus, exigindo que obedeçam à mãe e
ao pai. Se deixarmos de exigir obediência de nossos
filhos, nós nos tornamos uma pedra de tropeço para
eles. Lucas 17.2 explica que seria melhor para nós
nos afogarmos no mar com uma pedra de moinho
amarrada ao redor de nossos pescoços do que fazer
com que uma criança tropece. Nós estamos
privando nossos filhos das bênçãos que Deus
tenciona para eles quando deixamos de exigir
obediência. Efésios 6.1-3 diz: “Filhos, obedecei a
vossos pais no Senhor, pois isto é justo. Honra a teu
pai e a tua mãe (que é o primeiro mandamento com
promessa), para que te vá bem, e sejas de longa vida
sobre a terra”.
Ensinar-lhes sabedoria. Isso é aplicável para
crianças salvas e não salvas. Embora a Bíblia ensine
que ninguém que rejeita a Cristo seja
verdadeiramente sábio, ainda nos é dado o dever de
educar e instruir cuidadosamente nossos filhos com
sabedoria para a vida diária.
Instruí-los na justiça. Brenda Payne diz: “Nós
não podemos tornar nossos filhos justos, mas
podemos instruí-los a fazer o que é certo”. Paulo
disse a Timóteo em 1 Timóteo 4.7-8: “Mas rejeita as
fábulas profanas e de velhas caducas. Exercita-te,
pessoalmente, na piedade. Pois o exercício físico
para pouco é proveitoso, mas a piedade para tudo é
proveitosa, porque tem a promessa da vida que
agora é e da que há de ser”. É importante que
nossos filhos tenham o hábito de pensar e agir
corretamente. Eles precisam entender que, quando
demonstram a justiça de Deus, estão reluzindo a sua
luz em um mundo de trevas. Essa é uma maneira
que eles podem compartilhar o poder de Jesus em
suas vidas com outros.
Eu tentei explicar as muitas maneiras que podemos
compartilhar a nossa fé com os outros para a minha
filha de cinco anos de idade, mas não acho que ela
tenha compreendido totalmente o conceito. Uma
tarde, ela decidiu que iria agir de acordo com o
conselho da mamãe e compartilhar sua fé com
algumas das crianças do bairro. Eu achei seu
momento impecável, seu método notável, e seu
motivo... bem, só Deus pode julgar realmente o
motivo de seu coração.
Há algumas crianças em nosso bairro que sentem
muito prazer em provocar a Alex (o que não é muito
difícil de fazer). Um dia em particular, elas
começaram sua guerra de palavras, a fim de irritá-la
– e como ela ficou irritada. Do canto de seu quintal,
elas gritaram comentários hostis, um após o outro.
Eu tenho certeza de que Alex estava lutando com a
ideia de “retribuir ou não o mal com o mal” ou
seguir o conselho de sua mamãe e ser uma
testemunha de Jesus. Dividida entre as duas opções,
ela se empinou até a borda do nosso quintal,
colocou as mãos nos quadris, começou a balançar
de um lado para o outro e com o queixo erguido, ela
começou a cantar ao som de na-na-na-na-na as
palavras, “vo-cê-nem-co-nhe-ce-Je-sus!”. Embora
eu não pudesse ver seu rosto, a suspeita me disse
que ela mostrou a língua após a música.
Desnecessário dizer que nós ainda estamos
trabalhando em como compartilhar nossa fé.

“JOANA”, A BATISTA
Além da mulher de Provérbios 31, vejo a minha
responsabilidade sendo em grande parte como a de
João Batista. Deixe-me explicar. Como pais, é-nos
dada a maravilhosa responsabilidade de estarmos na
brecha perante os nossos filhos. Antes de eles se
renderem ao senhorio de Deus e se colocarem sob
sua autoridade, eles estão soberanamente debaixo da
única autoridade que conhecem – seus pais. Essa era
divina nos coloca na brecha entre Deus e nossos
filhos. Deus nos chamou para sermos “João Batista”
para nossos filhos. Em obediência ao chamado de
Deus, João dedicou sua vida a preparar o caminho
para Jesus. Deus usou as palavras e ações de João
para ajudar a preparar aqueles que Jesus chamaria a
si mesmo mais tarde.
Da mesma forma, Deus nos confiou para preparar
os corações de nossos filhos para o Salvador. Somos
ferramentas utilizadas por Deus para extrair os calos
do coração, mantendo o coração tenro e inclinado à
obediência. Quando ordenamos que nossos filhos
nos obedeçam, estamos preparando-os para
obedecer a Jesus, que é o nosso objetivo final.
Quando eles aceitam a Jesus e se rendem ao seu
Senhorio, eles acham mais fácil dar ouvidos aos seus
mandamentos, porque eles já estão habituados a
obedecer. Vamos adiante do Senhor, assim como
João Batista fez, e “preparar o caminho”.
Orar por eles. Nós devemos envolver todos
nossos esforços em oração pela salvação de nossos
filhos. Nós podemos obedecer a Deus ao educar e
instruir nossos filhos, mas é Deus quem muda seus
corações (para aprender a orar pelos seus filhos,
consulte o Apêndice C).
Ser um exemplo piedoso. Nós devemos ensinar
pelo nosso exemplo. Muitos anos atrás, meu amigo
Toma me escreveu um bilhete que dizia: “O seu
falar fala, e a sua prática fala, mas sua prática fala
mais do que fala o seu falar”.
J. Vernon McGee conta uma história sobre um pai
que mantinha uma garrafa de uísque no celeiro.
Todas as manhãs, ele tinha o hábito de sair e tomar
um gole de uísque. Uma manhã, ele foi para o
celeiro, como era seu hábito, mas dessa vez ele
ouviu alguém atrás dele. Ele se virou e descobriu
que era seu filho pequeno seguindo-o, pisando nas
pegadas na neve, onde seu pai tinha andado. O pai
perguntou: “O que você está fazendo, filho?” O
menino respondeu: “Estou seguindo seus passos.” O
pai mandou o menino de volta para casa, foi até o
celeiro e quebrou a garrafa de uísque.
Alguém está seguindo seus passos. Seu filho
aprende mais não pelo que ouve você dizer, mas
pelo que vê você fazer. Ele seguirá muitos dos
exemplos que você colocar diante dele. Ao seguir
seu exemplo, ele será um praticante da Palavra de
Deus ou apenas um ouvinte? Ele será fiel ou
hipócrita? Talvez um dos versículos mais sérios no
que diz respeito à nossa responsabilidade em ensinar
nossos filhos esteja em Lucas 6.40: “O discípulo não
está acima de seu mestre; todo aquele, porém, que
for bem instruído, será como seu mestre”.

POR QUE EU REPREENDO MEUS FILHOS?


Em Mateus 18.15, Deus ordena que
repreendamos aqueles que são pegos em pecado.
Repreender nossos filhos de acordo com as
Escrituras expõe o mal, derramando luz onde há
trevas, convencendo, assim, o culpado. Agora,
deixe-me esclarecer um ponto. Nós somos
simplesmente os veículos que entregam a Palavra de
Deus. É a Palavra de Deus e o Espírito de Deus que
realmente convencem.

QUANDO REPREENDER OS FILHOS


Como sei quando deveria repreender meus filhos?
Quando seu filho tiver pecado. A repreensão está
correta quer seus filhos tenham pecado
intencionalmente ou não.
Antes de dar uma palmada. Você nunca deve bater
em seu filho sem lhe dizer exatamente o que ele fez
de errado e o que ele pode fazer para agir
corretamente.
Embora uma repreensão deva sempre acompanhar
o castigo bíblico, às vezes, uma repreensão por si só
é tudo que é necessário. Aqui estão dois tipos de
situações em que apenas uma repreensão deveria ser
dada:
Quando a criança não tiver sido informada do
padrão de seus pais. Isto é, ela não sabia que o que
estava fazendo era errado ou desobediente. Para que
nossos filhos compreendam suas responsabilidades
em obedecer às normas, precisamos comunicar essas
normas a eles. Uma forma de fazer isso é discuti-las
durante um momento sem conflito. Há muitas
maneiras de fazer isso. Você pode buscar
devocionais para o desenvolvimento do caráter ou
estudar personagens bíblicos juntos. Há uma
abundância de livros infantis baseados na Bíblia que
dão exemplos de como demonstrar o caráter piedoso
em várias situações. As crianças absorvem mais
rapidamente as lições de moral durante os
momentos em que elas não estão em apuros. Outra
forma de ajudar seus filhos a respeitarem a norma é
discutir o que se espera antes de entrar em uma
situação em que você sabe que eles serão tentados a
desobedecer.
Por exemplo, ao ir para o supermercado, você
pode perguntar a seus filhos: “Quem sabe o que não
se deve fazer, enquanto estiver no supermercado?”
Quando meus filhos eram mais novos, nós
realmente fazíamos um “jogo” a partir disso. Eles
recebiam um “ponto” para cada resposta. As
respostas podem incluir: “Não devemos tocar nas
coisas nas prateleiras. Não devemos pedir um monte
de comidas que não são saudáveis. Não devemos
nos afastar de você”.
Após eles terem assumido a responsabilidade pelo
que não fazer, eu perguntava: “Quem sabe o que
você deve fazer no supermercado?” As respostas
podem incluir: “Nós devemos caminhar a seu lado.
Devemos falar quando nos for perguntado. Não
devemos nos ‘pendurar’ no carrinho”.
A instrução em momentos sem conflitos lhes dá
não apenas uma compreensão clara do que é
esperado, mas ajuda também a prevenir contra a
desobediência.
Quando a criança não é caracterizada pelo
pecado em que foi pega. Em outras palavras,
digamos que a criança sabe que é a sua norma de
que ela venha até você assim que você a chamar, e
já há algum tempo, ela tem sido caracterizada por
responder prontamente ao seu chamado e
imediatamente vir até você. Digamos que uma tarde
você a chame, e ela grite: “Eu estou ocupada, mãe!”
Esse não é o momento de castigá-la, porque ela não
é caracterizada por desobedecer você nessa área. É
quando você deve demonstrar graça, assim como o
nosso Senhor demonstra graça, e simplesmente
repreendê-la. Agora, se ela faz isso novamente no
dia seguinte, o castigo estaria em ordem.
CAPÍTULO 7
LIDANDO COM
O MANIPULADOR

Um pecado que é negligenciado muitas vezes e


merece repreensão é a manipulação. Lou Priolo
define manipulação como “uma tentativa de ganhar
controle sobre outro indivíduo ou situação ao incitar
uma reação emocional em lugar de uma resposta
bíblica daquele indivíduo... Para um cristão, a
manipulação é usar meios não bíblicos para
controlar ou influenciar outra pessoa” (grifo meu).1
Pessoalmente, acredito que as mulheres são
melhores em manipular do que os homens, mesmo
quando crianças. Veja minha filha, Alex. Ela é um
exemplo perfeito da mente de uma jovem mulher
em ação.
Eu havia saído para resolver diversas coisas com
Alex e sua amiga Molly, de quatro anos de idade.
Ao nos aproximarmos do carro uma última vez, eu
me preparei para lidar com o conflito que vinha
evitando todas as vezes que as meninas entravam no
carro: quem subiria primeiro. Eu abri a porta de trás
e, mais uma vez, as meninas abriram caminho
passando pelas minhas pernas para ver quem
poderia ser a primeira a entrar. Mas antes que eu
pudesse apresentar meu conselho para resolver o
conflito de uma vez por todas, Alex abriu a boca e
disse: “Molly, desta vez eu serei gentil e generosa”.
Eu olhei para o seu rostinho sincero e pensei comigo
mesma: “Louvado seja o Senhor”. Então, ela
continuou: “Desta vez eu entrarei primeiro porque
eu quero ser gentil”. A pequena Molly de quatro
anos de idade parecia confusa. Com um nariz
retorcido e o lábio superior levantado, Molly
perguntou: “Hã?” A resposta simples de Alex veio
enquanto ela mergulhava para dentro do carro antes
de sua amiga: “Molly, você sabe que os primeiros
serão os últimos, e eu não quero que você seja a
última, então eu estou entrando em primeiro lugar!”
Percebeu o que quero dizer? As meninas têm a
capacidade de conseguir o que querem e ainda fazer
a outra pessoa sentir que saiu por cima. É realmente
incrível, se você pensar sobre isso.
E quanto aos meninos? Ah, sim, eles têm suas
habilidades naturais também.
É tarde da noite, quando você ouve um barulho
vindo da cozinha. Ele se parece muito com o
estouro da tampa do frasco de vidro de biscoitos.
Você caminha desconfiadamente na ponta dos pés
até a cena do crime e então entra pela porta que
ainda estava balançando. O seu pequeno “cervo” de
olhos arregalados parece estar tão assustado que
nem se move. Ele foi pego com a boca na botija,
mas suas travessuras rápidas e inteligentes vão muito
além daquelas de um típico garoto de três anos de
idade. Ao experimentar temporariamente a perda do
bom senso, você pergunta firmemente: “O que você
está fazendo, filho?” O braço pequeno e gordinho se
estende, oferecendo-lhe um biscoito, enquanto ele
docemente responde: “Eu estava pegando um
biscoito para você, mamãe... posso comer um
também?”

O MANIPULADOR MAIS NOVO


A manipulação é mais fácil de detectar em crianças
menores do que em crianças mais velhas. As
crianças mais novas talvez chorem, lamentem,
implorem ou façam uma cena, a fim de obter o que
quer que elas queiram. Quando fazem isso, estão
agindo de maneira tola. E quando a mãe
recompensa a tentativa pecaminosa da criança por
ganho pessoal, dando-lhe o que ela quer, ela está
respondendo de maneira tola.
O MANIPULADOR MAIS VELHO
Manipuladores mais velhos foram manipuladores
mais jovens que apenas aperfeiçoaram suas táticas.
Estas costumavam ser uma tentativa óbvia de ganhar
o controle de outra pessoa ou da situação. Agora,
suas tentativas são um pouco mais inteligentes, o
que as tornam mais sutis e difíceis de serem
detectadas. As crianças mais velhas talvez acusem,
critiquem, façam cara feia, perguntem “Por quê?”,
ajam com indiferença ou retenham carinho, a fim de
manipular sua resposta. Quando elas fazem isso,
estão agindo de maneira tola. A mãe talvez
recompense a tentativa pecaminosa da criança por
ganho pessoal justificando suas ações, defendendo-
se, culpando-se, respondendo aos “Por quês?” ou
argumentando. Quando a mãe faz isso, está
respondendo de maneira tola.

RESPONDENDO À MANIPULAÇÃO
Deus deu instruções aos pais sobre como
responder à manipulação:
“Não respondas ao insensato segundo sua
estultícia, para que não te faças semelhante a ele. Ao
insensato responde segundo sua estultícia, para que
não seja ele sábio aos seus próprios olhos” (Pv.
26.4-5). Isso não quer dizer que as crianças sejam
insensatas, mas que são capazes de agir tolamente e
de acordo com sua natureza pecadora. A genialidade
da sabedoria de Deus nesse provérbio é que ele
considera diferentes tipos de tolice. Se uma criança
está apegada obstinadamente a uma justificativa
particularmente tola por suas ações, os pais devem
evitar serem arrastados para dentro de uma
discussão interminável e, se necessário, passar
diretamente à disciplina. Mas, se seu filho mostra
sinais de capacidade e disposição para aprender,
você pode graciosamente resgatá-lo da tolice de ser
“sábio aos seus próprios olhos”.
A Bíblia nos dá muitos exemplos de pessoas, tanto
amigos quanto inimigos, que tentaram manipular
Jesus. Jesus nunca respondeu a uma questão ou
acusação tola com uma resposta tola. Ao contrário,
respondia de tal forma que o tolo não era capaz de
se afastar da conversa acreditando que era “sábio
aos seus próprios olhos”. Muitas vezes, Jesus
mostrou ao tolo sua própria tolice, levando-o a
avaliar seu próprio coração. Jesus fez isso levando o
foco do comentário manipulador para o próprio
coração e motivações do manipulador.
Por exemplo, Lucas (capítulo 10) narra o
momento em que Jesus entrou na casa de Maria e
Marta. Maria sentou aos pés do Senhor e escutou
suas palavras, enquanto Marta estava distraída com
todos os preparativos que deviam ser feitos para os
convidados. Agora, o que Marta queria era
assistência para ajudar com os preparativos, mas, em
vez de simplesmente pedir ajuda, ela tentou
manipular Jesus a fazer com que Maria ajudasse.
Em Lucas 10.40 Marta se queixa: “Senhor, não te
importas de que minha irmã tenha deixado que eu
fique a servir sozinha? Ordena-lhe, pois, que venha
ajudar-me”. Jesus respondeu de tal forma que Marta
teve que tirar o foco do que Maria estava fazendo e
colocá-lo sobre as motivações do seu próprio
coração. Nos versículos 41-42, Jesus respondeu:
“Marta! Marta! Andas inquieta e te preocupas com
muitas coisas. Entretanto, pouco é necessário ou
mesmo uma só coisa; Maria, pois, escolheu a boa
parte, e esta não lhe será tirada” (grifo meu).
Em outras ocasiões, Jesus frustrou as intenções de
seus manipuladores, evitando suas perguntas por
completo, demonstrando, assim, a insensatez deles à
multidão. Por exemplo, em Mateus 21.23-28, os
principais sacerdotes e os anciãos questionaram a
autoridade de Jesus, a fim de minar seu ministério
diante da multidão. Em vez de defender a si mesmo
e incitar a discussão que eles buscavam, ele fez uma
pergunta que expôs a própria escravidão deles à
opinião popular: “Donde era o batismo de João, do
céu ou dos homens?” (v. 25). Quando eles se
recusaram a responder à pergunta, Jesus respondeu:
“Nem eu vos digo com que autoridade faço estas
coisas” (v. 27).
Nossa responsabilidade é responder à insensatez
da mesma forma que Jesus fez. Como pais, nós
podemos julgar as palavras e ações de nossos filhos,
mas não temos a capacidade de julgar seus
pensamentos e motivações. No entanto, se formos
sábios, podemos ajudá-los a avaliar o que está em
seu próprio coração. Nós podemos orientá-los a
remover a insensatez que está atada a ele. Aqui estão
alguns exemplos de como isso pode funcionar:

EXEMPLO 1
Como você responderá?
Sua filha está tendo um tempo maravilhoso
brincando de “desfile” em seu quarto. Você lhe diz
que ela pode brincar por mais cinco minutos e que
após isso ela precisa limpar o quarto, porque é hora
de almoçar. Com uma voz chorosa, ela diz: “Mas
por quêêê?” Deixe-me acrescentar que existem dois
tipos de “porquês”. Existe o “por quê?” usado para
manipular, e o “por quê?” sincero que realmente
busca uma resposta. Geralmente, não é difícil
discernir entre os dois. A mãe já tinha dito que era
hora de almoço. Obviamente, o “por quê?” choroso
é uma tentativa de manipular a mãe para que lhe
permita continuar brincando.
A. Você pode lhe responder de acordo com sua
insensatez e dizer: “Porque você esteve brincando
por uma hora, e eu acabei de lhe dizer que é hora do
almoço”.
B. Você pode lhe responder como sua insensatez
merece e dizer: “Querida, será que é possível que
você esteja mais interessada em brincar de ‘desfile’
do que agradar ao Senhor?” Deus diz: “Filhos, em
tudo obedecei a vossos pais; pois fazê-lo é grato
diante do Senhor” (Cl. 3.20).
EXEMPLO 2
Como você responderá?
Seu filho está brincando do lado de fora com um
amigo da vizinhança. Você lhe diz que ele precisa
dizer adeus ao seu amigo porque é hora de cortar os
cabelos. Com um rosto descontente, ele diz: “Você
nunca me deixa brincar com o Jimmy. Eu nunca
consigo me divertir!”
A. Você pode lhe responder de acordo com sua
insensatez e dizer: “É claro que você se diverte, e eu
deixei você brincar com o Jimmy três dias atrás!”
B. Você pode lhe responder como sua insensatez
merece e dizer: “Será que você está tentando fazer
eu me sentir culpada, a fim de obter o que você
quer? Você deveria desejar honrar e obedecer aos
seus pais mais do que você deseja brincar lá fora
com o Jimmy. Filho, tenha cuidado para não se
tornar um amante do prazer mais do que um amante
de Deus” (Pv. 21.17; 2Tm. 3.4).
CAPÍTULO 8
ORIENTAÇÕES PARA
A CORREÇÃO
VERBAL

Eu posso me identificar com as frustrações de


criar filhos pequenos o dia inteiro. Estive lá, já fiz
isso! Eu também sei o quão fácil é para a mãe
perder a calma. Eu estava realmente lutando com
uma questão um dia em particular quando meus
filhos eram mais novos. Sentindo-me culpada pelas
duras palavras e o tom não tão doce de voz que eu
havia usado o dia inteiro, decidi escrever algumas
orientações que me permitiriam me manter dentro
de limites razoáveis. Talvez você possa ser
beneficiada por elas também.1
Orientação 1: Examine seus motivos. Estou
fazendo isso porque minha vontade foi violada ou
porque a vontade de Deus foi violada? Estou
corrigindo meu filho porque ele pecou contra Deus
ou porque seu comportamento me causou algum
desconforto pessoal, vergonha ou problema?
Considere outro exemplo pessoal. Este é aquele
domingo em que você chega à igreja após uma
manhã nada agradável, apenas para descobrir que os
únicos assentos disponíveis estão na primeira fileira,
exatamente em frente ao pastor e ao coro. Você
relutantemente organiza sua família em um formato
com a “maior probabilidade de sucesso”. Não está
funcionando. Eles começam a se agitar e se
contorcer, como se seu café da manhã não
consistisse em nada além de Butter Toffees e
M&M’s. Eles começam com essa coisa pequena de
balançar a cabeça. Em seguida, deslizam até a borda
do banco e progridem para o balanço do corpo
inteiro, agitando de um lado para o outro com
aqueles olhos arregalados. Algum tipo de som
gorgolejante, que não parece humano, começa a
soar no ritmo do balanço do corpo. Já pelo meio do
culto, após várias advertências e ameaças severas,
eles estão deitados de costas no banco da igreja com
seus pés esticados para cima no ar. Você se vira para
fazer um pedido de desculpas às pessoas atrás de
você e os encontra olhando para seus filhos com um
olhar aborrecido em seus rostos. Ao fim do culto,
você já descarregou um pouco de raiva,
informando-os com os dentes cerrados do que
acontecerá com eles quando chegar a casa. Então,
agora, eles estão chorando e lamentando de forma
bastante audível: “MAS EU NÃO QUERO
APANHAAAAR”. No momento em que vocês
chegam ao saguão de entrada, eles já enlouqueceram
completamente. Eles se jogaram no chão, chutando
e gritando, e você está arrastando-os para fora por
uma perna. São momentos como esses que você
precisa orar pelas suas motivações antes de
administrar qualquer forma de disciplina.
Nossos filhos podem sentir quando estão
apanhando por motivos impuros, e Deus conhece as
motivações do nosso coração. Se a nossa motivação
é pecaminosa, nós repreenderemos de uma forma
pecaminosa, e nossos filhos verão isso como um
ataque pessoal ou um ato de vingança. Isso pode
resultar em raiva em vez de arrependimento. Ore
por seus motivos antes de repreender seu filho se
você sentir que eles não estão duvidosos.
Por exemplo, nada me irrita mais do que quando
estou falando com um adulto e um dos meus filhos
interrompe nossa conversa. Contudo, se estou
motivada pela ira pecaminosa, eu pecarei contra
Deus e meu filho quando administrar uma
repreensão. Minha motivação não deve ser a
vingança por estar irritada ou incomodada. Ela deve
ser a de expulsar a rudeza e o desrespeito
imprudente do coração do meu filho. Se a minha
motivação for pecaminosa, eu talvez diga: “Eu não
posso acreditar que você seja tão descuidado. Estou
tentando falar com ela, e você está agindo tão feio!”
Mas se minha motivação for justa em vez de
egoísta, eu talvez diga: “Querido, você acha que é
gentil ou rude interromper a mamãe enquanto ela
está falando com alguém? Você está pensando nos
outros ou em si mesmo ao interromper? O que você
poderia ter feito, em vez de interromper?” Sempre
se lembre de aplicar Gálatas 6.1 ao repreender seu
filho: “Irmãos, se alguém for surpreendido nalguma
falta, vós, que sois espirituais, corrigi-o com espírito
de brandura” (grifo meu).
Assim, lembre-se de que devemos fornecer a
nossos filhos uma rota alternativa em vez de apenas
repreendê-los pelo erro. “Não vos sobreveio
tentação que não fosse humana; mas Deus é fiel e
não permitirá que sejais tentados além das vossas
forças; pelo contrário, juntamente com a tentação,
vos proverá livramento, de sorte que a possais
suportar” (1Co. 10.13). As crianças muitas vezes
sentem a necessidade urgente de comunicar alguma
coisa à sua mãe enquanto ela está falando com outra
pessoa. Para evitar interrupções rudes, é esperado de
nossos filhos que eles coloquem a mão em mim e
esperem eu lhes dar permissão para falar. Dessa
forma, eles não são exasperados. Afinal, quando
duas mães estão falando, pode parecer uma
eternidade antes que haja uma pausa na conversa.
Isso pode ser insuportável para uma criança
pequena.
Quando meus filhos colocam a mão em meu
braço (ou em qualquer outro lugar), eles estão me
informando de uma maneira que mostra respeito por
mim e pela outra pessoa: “Mãe, eu preciso dizer
uma coisa, mas eu não quero ser rude”. Eu
geralmente coloco minha mão sobre a deles para
comunicar: “Eu sei que você precisa de alguma
coisa, e eu vou lhe perguntar assim que houver uma
pausa na conversa”. Assim que for conveniente, eu
lhes darei permissão para falar. Isso é proporcionar-
lhes uma rota alternativa. Ensiná-los a colocar a mão
em você em vez de interromper não é um
mandamento bíblico. É uma ferramenta, utilizada
para prevenir a exasperação.
Orientação 2: Examine sua vida. Eu provoquei
meu filho de alguma maneira? Qual é meu exemplo?
Como eu ajo quando as coisas não saem do meu
jeito? Já levei meu filho a pecar por deixar de
ensiná-lo? Ao deixar de lhe fornecer uma rota
alternativa? Ao deixar de instruí-lo no que é certo?
Eu dei ao meu filho mais liberdade do que ele podia
suportar? Nós devemos aplicar a admoestação
bíblica: “Hipócrita! Tira primeiro a trave do teu olho
e, então, verás claramente para tirar o argueiro do
olho de teu irmão” (Mt. 7.5).
Orientação 3: Escolha o momento e o lugar
certos. Não envergonhe seu filho. Ele estará mais
atento às suas instruções se não estiver
envergonhado por ser repreendido na frente de seus
amigos. Quando você repreende seu filho na frente
de outras pessoas, você tira seu foco do pecado em
seu coração e coloca sobre a vergonha e humilhação
que você desnecessariamente lhe causou. Seu
objetivo não é constrangê-lo, mas trazê-lo ao
arrependimento. Ocasionalmente, pode ser
necessário repreender seu filho na frente de outros,
mas a maior parte do tempo, se outros estiverem por
perto, será melhor levar a criança a outro cômodo
ou silenciosamente instruí-la em seu ouvido. Jesus
nos ensinou: “Se teu irmão pecar [contra ti], vai
argui-lo entre ti e ele só. Se ele te ouvir, ganhaste a
teu irmão” (Mt. 8.15).
Orientação 4: Escolha as palavras certas. Tenha
cuidado para não substituir a sabedoria de Deus pela
sabedoria humana. Em vez de usar a terminologia
mundana, use a terminologia bíblica. Por exemplo,
ao falar com seu filho, não substitua:
“Você está sendo desrespeitoso” por “Você está
agindo feio”.
“Contar uma mentira” por “Ser criativo”.
“Ser tolo” por “Ser teimoso”.
“Ser desobediente” por “Ser temperamental”.
Use a terminologia bíblica quando puder, porque é
o poder das palavras de Deus e sua sabedoria que
penetrarão realmente nos corações de seus filhos.
Hebreus 4.12 explica esse poder de forma clara:
“Porque a palavra de Deus é viva, e eficaz, e mais
cortante do que qualquer espada de dois gumes, e
penetra até ao ponto de dividir alma e espírito,
juntas e medulas, e é apta para discernir os
pensamentos e propósitos do coração”.
Orientação 5: Escolha o tom certo de voz. Faça
um esforço consciente para não esbravejar com seu
filho. Você está pronto para repreendê-lo
biblicamente quando pode falar com ele em um tom
de voz normal e com palavras cuidadosamente
medidas: “O coração do justo medita o que há de
responder, mas a boca dos perversos transborda
maldades” (Pv. 15.28). Em 1891, H. Clay Trumbull
escreveu sobre os perigos do esbravejamento:
Esbravejar nunca é de fato correto, ao lidar com
uma criança ou qualquer outra obrigação na vida.
“Esbravejar” é atacar ou insultar com um discurso
tempestuoso... Esbravejar é sempre uma
manifestação de um espírito ruim e de uma perda de
temperamento...
Se uma criança agiu de forma errada, ela precisa
de conversa; mas nenhum pai deveria falar com uma
criança enquanto for incapaz de falar em um tom
natural de voz e com palavras cuidadosamente
medidas. Se o pai estiver tentado a falar rapidamente
ou a multiplicar as palavras sem ponderá-las, ou a
mostrar um estado de sentimento agitado, a primeira
obrigação do pai é ganhar autocontrole completo.
Até que esse controle esteja garantido, é inútil a
tentativa do pai de tentar qualquer medida de
instrução da criança. A perda de autocontrole é, no
momento, uma perda absoluta do poder para o
controle de outros...
Se, de fato, esbravejar tiver qualquer efeito bom,
esse efeito é no esbravejante, e não em com quem se
esbravejou. O esbravejamento é a explosão de um
sentimento forte que luta pelo domínio sob a pressão
de alguma provocação externa. Nunca beneficia
aquele contra quem é dirigido, nem mesmo aqueles
que observam de fora, no entanto, pode dar alívio
físico à pessoa que se entrega a ele. Se, portanto,
esbravejar for uma necessidade inevitável por parte
de qualquer um dos pais, deixe que ele se feche, de
uma vez, totalmente sozinho, em uma sala onde
possa se entregar ao esbravejamento sem prejudicar
alguém. Mas convém lembrar que, como um
elemento na formação da criança, esbravejar nunca,
nunca é correto.2
Permita-me ilustrar a diferença entre esbravejar e
repreender biblicamente. Era um dia frio de
fevereiro. Meus filhos me perguntaram se poderiam
ir para fora para brincar. Eu lhes dei permissão para
sair, mas só depois que tivessem colocado seus
casacos e sapatos.
Agora, você tem que entender que minha filha
Alex se deleita completamente em andar descalça.
Enquanto ela passava, reafirmei minhas ordens,
repetindo: “Não se esqueça de colocar seus
sapatos”.
Vinte minutos se passaram. Então, quando eu
estava levando o lixo para fora, o que eu encontro
senão a Alex correndo de pés descalços, que haviam
se transformado em uma cor roxa azulada. Como se
isso não fosse o suficiente para acender a minha ira,
suas calças novas estavam um pouco longas demais
para suas pernas, de forma que, sem seus sapatos,
ela pisava sobre elas. Após triturar a barra das calças
no concreto por vinte minutos, agora já havia dois
buracos nela. Podia estar frio lá fora, mas o calor
que se acumulava na mamãe naquele momento
poderia ter aquecido o bairro inteiro.
Alex havia me desobedecido diretamente. Há duas
maneiras que eu poderia responder:
Eu poderia esbravejar com ela. Eu poderia dizer
de forma dura: “Alex, eu DISSE a você para colocar
seus sapatos! Agora, seus pés estão
PRATICAMENTE CONGELADOS e VEJA o que
você fez com suas calças! (com as mãos nos quadris
e abanando o dedo freneticamente). O SEU PAI
trabalha tão duro para comprar essas roupas, e é
ASSIM que você mostra seu apreço! Veja o quão
rápido você consegue colocar seu traseiro no seu
quarto! Você receberá uma surra enorme, mocinha!”
Eu poderia repreendê-la biblicamente em amor. Eu
posso dizer suavemente: “Alex, querida, eu lhe disse
para colocar seus sapatos antes de sair. Você
obedeceu ou desobedeceu à sua mamãe?” Após ela
verbalizar que desobedeceu, eu posso voltar com
“Bem, querida, Deus diz que os filhos devem
obedecer a seus pais. A mamãe ama você demais
para permitir que você desobedeça. Agora, vá para
seu quarto, e eu estarei lá em apenas um minuto”.
A que resposta você acha que ela será mais
receptiva? Qual delas mostra um amor incondicional
e instrução cuidadosa? De qual delas ela aprenderá
sem ser provocada à ira? Lembre-se de que
esbravejar é uma resposta irada. “A resposta branda
desvia o furor, mas a palavra dura suscita a ira” (Pv.
15.1).
Se você luta com seu tom, como eu, em vez de
repreender seu filho em um tom normal de voz,
você pode até tentar suavizar sua voz um pouco
quando estiver repreendendo. Quando eu tenho o
hábito de fazer um esforço consciente para instruir
meus filhos em uma voz mais suave do que eu uso
normalmente, isso me ajuda a ter autocontrole.
Orientação 6: Esteja preparado para sugerir
uma solução bíblica. Isso é o que falamos
anteriormente. Nós podemos dizer a nossos filhos o
que colocar para fora (pecado), mas devemos
lembrar que é ainda mais importante lhes dizer o
que colocar para dentro (justiça), instruí-los em
como substituir esse comportamento errado pelo
comportamento certo, e, em seguida, fazê-los de
fato exercitar o que aprenderam. A Bíblia descreve
desta forma: “No sentido de que, quanto ao trato
passado, vos despojeis do velho homem, que se
corrompe segundo as concupiscências do engano, e
vos renoveis no espírito do vosso entendimento, e
vos revistais do novo homem, criado segundo Deus,
em justiça e retidão procedentes da verdade” (Ef.
4.22-24).

UM LUGAR PARA A IRA NA REPREENSÃO


“Sabeis estas coisas, meus amados irmãos. Todo
homem, pois, seja pronto para ouvir, tardio para
falar, tardio para se irar. Porque a ira do homem não
produz a justiça de Deus” (Tg. 1.19-20).
Entenda que nem toda ira é pecaminosa. A Bíblia
não diz: “Não se ire”. Ela diz: “Irai-vos e não
pequeis” (Ef. 4.26). A ira é uma emoção que nos foi
dada por Deus. Há uma diferença entre a ira
pecaminosa e a ira justa. Pergunte a si mesmo: “Eu
estou com raiva porque a minha vontade foi violada
(ira pecaminosa) ou porque a vontade de Deus foi
violada (ira justa)?” No entanto, mesmo se nossa ira
for justa, devemos ter cuidado para não expressar
essa ira usando formas pecaminosas de
comunicação, tais como gritar, jogar coisas ou
xingar.

QUANDO A IRA É PECAMINOSA?


A ira é pecaminosa quando:
Ataca outro exteriormente. A ira pecaminosa
talvez diga: “Eu lhe disse para ficar a meu lado na
loja! Qual é o problema com você! Por que você
não pode simplesmente fazer o que eu digo?” A ira
justa talvez diga: “Querida, eu lhe disse para ficar a
meu lado na loja. Você obedeceu ou desobedeceu?
Isso mesmo, você desobedeceu, e eu amo você
demais para permitir que você desobedeça”.
Habita dentro do coração. Quando não se lida
com a ira de forma bíblica, ela se torna
ressentimento e amargura. Essa ira pecaminosa pode
manifestar-se por guardar rancor, por dar o
tratamento do silêncio a seu filho ou ser indiferente.
A ira justa trabalha no coração da criança e lida com
o pecado comunicando a Palavra de Deus e
seguindo seus mandamentos quando se trata de
disciplina.
Ao instruir nossos filhos na justiça usando a
Palavra de Deus, estamos preparando-os para
governar suas próprias ações e capacitando-os para
discernir os problemas de seus próprios corações.
Nós queremos que eles atentem às nossas
instruções, afim de que aprendam a discernir o que é
certo.
Provérbios 17.10 nos lembra de que “mais fundo
entra a repreensão no prudente do que cem açoites
no insensato”.

SÁBIAS PALAVRAS PARA MÃES E PAIS


Eu passei bastante tempo nos capítulos anteriores
falando sobre o quão importante é chegar até o
coração de seu filho e repreendê-lo usando a Palavra
de Deus. Para alguns de vocês, tudo isso pode ser
muito novo. Se você não tem experiência na
educação de seus filhos de acordo com as
Escrituras, então, provavelmente, tudo isso tenha
sido um pouco avassalador para você. Você pode
estar pensando: “Eu não teria a menor ideia de como
fazer para encontrar a passagem que usar para as
diferentes lutas que meus filhos estão tendo. Eu não
saberia nem por onde começar”.
Boas notícias! Eu desenvolvi uma tabela “Sábias
palavras para as mães” para lhe dar um incentivo.3
O quadro que se segue foi projetado para mães,
mas é útil para pais também.
“O coração do justo medita o que há de
responder”
Provérbios 15.28

SÁBIAS PALAVRAS PARA AS MÃES

Perguntas
Repreensão Encorajamento
Comportamento para Versículos
(colocar para (colocar para
da criança investigar adicionais
fora) dentro)
o coração
Provocando, 1. Você está Briga. Uma das sete Buscar a Paz. Deus dá 1 Pedro 3.11
intencionando coisas que Deus alegria àqueles que
instigando Provérbios
em seu coração odeia é aquele que promovem a paz. 10.12
brigas, promover a paz semeia contendas 1 Pedro 3.11
ou está criando entre seus irmãos. Provérbios
importunando
problemas? Provérbios 12.20 12.20
outros Provérbios 6.19
2. Como você
pode mostrar
amor e buscar a
paz nessa
situação?

Más amizades 1. Você acha Má Companhia. Sabedoria. Se você Provérbios


que este amigo Você deveria se andar com os sábios, 22.24-25
encorajará você afastar daqueles crescerá em Provérbios
a seguir Jesus? cujos caminhos são sabedoria. 28.26
2. Você acha contrários ao ensino Provérbios 13.20
que você tem Romanos
que é uma
aprendido ou você 16.17
decisão sábia
será levado na
“passar tempo” direção errada e
com esta sofrerá danos.
pessoa?
Romanos 16.17
NOTA: Tenha Provérbios 12.26
cuidado em não
condenar o Provérbios 13.20
insensato, mas
ore por eles em
amor e
compaixão.

Transferindo 1. É possível Orgulho. Quando Humildade. Se você Provérbios


que você esteja você tenta esconder confessar e se afastar 21.2
culpa, dando
tentando seu pecado, você de seu pecado, será Miqueias 7.9
desculpas acobertar seu não prospera. Deus perdoado e receberá
próprio sabe o que está em misericórdia. Tiago 5.16
pecado? seu coração. Provérbios 28.13
2. Sem culpar Provérbios 28.13
1 João 1.9
ninguém mais
ou inventar
desculpas,
quero que você
examine seu
próprio
coração e me
diga o que você
fez.
3. O que você
poderia ter
feito de forma
diferente?

Vanglória, presunção Essas palavras Orgulho. Seja outro Humildade. Ande em 1 Samuel
trazem glória e o que te louve, e não humildade e considere 17.7b
honra a Deus a tua boca; o os outros superiores a Romanos 12.3
ou a você estrangeiro, e não os si mesmo.
mesmo?
teus lábios. Filipenses 2.3 1 Coríntios
Provérbios 27.2 1.31
Deus não tolerará Gálatas 6.14
um coração
arrogante.
Salmo 101.5

Murmuração 1. Será que sua Murmuração. Fazei Gratidão. É a vontade Provérbios


atitude está tudo sem de Deus que você seja 17.22
mostrando murmurações nem grato e alegre em Colossenses
gratidão e contendas.Filipenses todas as 3.17; 23
contentamento? 2.14 circunstâncias.
2. Em vez de 1 Tessalonicenses
reclamar, pelo 5.16-18
que você
poderia ser
grato nesta
situação?

Como usar esse gráfico


Essa tabela foi desenvolvida com o propósito de
ajudá-la a usar as Escrituras para afastar a estultícia
“ligada ao coração da criança” (Pv. 22.15). Ela não
contém tudo o que você precisa saber sobre os
comportamentos pecaminosos que estão listados,
nem mesmo contém todos os comportamentos
pecaminosos com os quais você pode vir a se
deparar. Portanto, ela deve ser usada como uma
ferramenta – não um substituto – de sua
investigação pessoal da Bíblia, quando se trata de
ensinar, repreender, corrigir e instruir seus filhos na
justiça.
CAPÍTULO 9
A VARA ESTÁ
LIGADA
AO... CORAÇÃO?

Muitos pais hoje estão perplexos quanto à questão


de bater ou não em seus filhos. Alguns dizem que é
uma forma de punição cruel e abusiva ou que
promove a violência. Outros simplesmente dizem
que “Não acreditam na palmada”. Mesmo alguns
bem respeitados psicólogos cristãos orientam contra
a palmada. É fácil ficar confuso.
Analisemos estes argumentos primeiro. Os dois
primeiros podem ter alguma validade. Certamente
há casos em que os pais batiam, e a criança cresceu
com uma inclinação para a violência. No entanto, na
maioria desses casos, os pais haviam abraçado uma
forma mundana de bater em vez da forma bíblica de
castigo. Eles haviam usado a vara sem a repreensão.
Haviam punido o erro, sem explicar o certo e, na
maioria das vezes, haviam castigado com raiva e
com uma motivação errada. Sempre que os pais
rejeitarem os métodos de Deus e abraçarem os
métodos mundanos, problemas surgirão. Provérbios
14.12 nos diz: “Há caminho que ao homem parece
direito, mas ao cabo dá em caminhos de morte”.
Nesses casos, teria sido melhor que os pais tivessem
se abstido de bater por completo do que dado uma
surra de uma maneira que rejeita a santa intenção de
Deus pela disciplina.
O uso da vara conforme os princípios divinos é
claramente ensinado nas escrituras, como veremos
nas próximas seções. Dizer: “Eu não acredito em
palmada” é dizer que os métodos ordenados por
Deus para a instrução dos filhos estão errados. É
rejeitar a Palavra de Deus. É dizer que você é mais
sábio do que o próprio Deus. Os caminhos de Deus
são mais altos que os nossos caminhos. “Porque os
meus pensamentos não são os vossos pensamentos,
nem os vossos caminhos, os meus caminhos, diz o
SENHOR, porque, assim como os céus são mais
altos do que a terra, assim são os meus caminhos
mais altos do que os vossos caminhos, e os meus
pensamentos, mais altos do que os vossos
pensamentos” (Is. 55.8-9).

O QUE EXATAMENTE É A VARA?


Tedd Tripp define usar a vara como “Um pai, fiel
a Deus e em fidelidade para com seu filho ou sua
filha, assumindo a responsabilidade do uso
cuidadoso, oportuno, calculado e controlado do
castigo físico, para reforçar a importância de
obedecer a Deus, resgatando, assim, a criança de
continuar em sua estultícia até à morte”.1
POR QUE BATER É NECESSÁRIO?
Bater é parte do método ordenado por Deus para
dirigir a estultícia para fora dos corações de nossos
filhos. É-nos dito em Provérbios 22.15: “A estultícia
está ligada ao coração da criança, mas a vara da
disciplina a afugentará dela”. Esse versículo também
define claramente qual deve ser a nossa motivação
ao bater em nossos filhos. Não é para se vingar por
nos envergonharem ou irritarem, ou para levá-los a
obedecer apenas externamente, mas para expulsar a
estultícia que está ligada aos seus corações. E, como
eu mencionei na parte um, se você conseguir
alcançar seus corações, o comportamento cuidará de
si mesmo.

MÉTODOS MUNDANOS UTILIZADOS PELOS PAIS NA


TENTATIVA DE OBTER OBEDIÊNCIA
Em um esforço para evitar o uso bíblico da vara
para disciplinar, alguns pais surgiram com métodos
superficiais e destrutivos para obter obediência.
Método mundano 1: suborno
Certa vez, observei uma mãe no Walmart dizendo
ao filho de dois anos para ir até ela. A criança
ignorou sua mãe e saiu correndo na direção
contrária. Em desespero, a mãe gritou: “Vem com a
mamãe e eu vou lhe dar um pirulito”.
Imediatamente, a criança passou da deficiência
auditiva para a audição excepcional e veio
rapidamente para o lado da mãe. Isso não é a instruir
para a obediência; é recompensar a criança por sua
teimosia. As crianças devem ser ensinadas a
obedecer porque é certo e porque agrada a Deus,
não para receber uma recompensa. Dar-lhes uma
recompensa, a fim de levá-los a obedecer, encoraja-
os no egoísmo. A sua motivação para obedecer é:
“Eu vou obedecer pelo que eu posso ganhar em
troca”.

Método mundano 2: ameaça


Este geralmente vem após você ter repetido suas
instruções várias vezes sem obter êxito e, então,
você usa suas “armas secretas”.
“Se você não começar a compartilhar seus
brinquedos agora, eu vou mandar todos eles para
outras crianças que compartilharão!”, diz a mãe
ameaçadora. Isso lhes ensina que a mamãe não quer
dizer realmente o que diz. Quantos pais, em uma
tentativa de persuadir seus filhos a apreciarem seus
brinquedos, falaram sobre as crianças do outro lado
do mundo que não tinham nenhum brinquedo? Mas
quantos pais realmente embalaram todos os
brinquedos e os enviaram para Tombuctu?
Evite dizer coisas que você não intenciona fazer.
Recentemente, eu me peguei ameaçando meus
filhos. Eu disse: “Se você não limpar seu quarto, não
passará a noite com a vovó e o vovô hoje”. Mas eu
sabia muito bem que eu não estava disposta a perder
a minha saída com meu marido, a fim de prosseguir
com essa ameaça! Mateus 5.37 diz: “Seja, porém, a
tua palavra: Sim, sim; não, não. O que disto passar,
vem do maligno”. Nós devemos dizer o que
intencionamos fazer e fazer o que dizemos, ou então
podemos exasperar nossos filhos. É difícil levar a
sério um mentiroso. Nunca, nunca, dê um aviso ou
uma ordem sem levá-lo até ao fim. Pense antes de
falar. Tente não dizer “sim” ou “não” a alguma coisa
até que tenha certeza de que essa é sua resposta
definitiva. Tiago 1.19 nos diz: “Seja pronto para
ouvir, tardio para falar”. Provérbios 15.28 nos diz
que “o coração do justo medita o que há de
responder”.

Método mundano 3: apelo para suas emoções


Os pais muitas vezes tentam apelar para as
emoções dos filhos, fazendo com que se sintam
culpados. “Depois de tudo o que eu faço para você,
é assim que você me paga”, lamenta a mãe com uma
cara triste. Esse método mundano pode ser
especialmente tentador para pais que já estão no
limite, muito em parte em virtude de seus filhos. É
fácil sentir pena de nós mesmos e pensar que nossos
filhos “nos devem” obediência. No entanto, isso
ensina os filhos a agradarem a homens e não a
Deus. João 12.43 nos ensina a amar a glória de
Deus e não dos homens. Nós queremos que as
motivações de nossos filhos à obediência venham de
um coração que agrade a Deus e não de um
sentimento de culpa infligido pelos pais.

Método mundano 4: manipulação do ambiente


Enquanto a mãe está conversando com uma
amiga, o pequeno Rusty pega um vaso do final da
mesa. A mãe olha por cima do ombro e continua a
falar com a amiga enquanto coloca o vaso no alto da
prateleira, onde Rusty não consegue alcançá-lo.
Bem, o pequeno indisciplinado Rusty (ele é apenas
curioso, você sabe) pega agora a armação de cristal
da outra extremidade da mesa. Após ele ter deixado
a marca dos seus dedos manchados de chocolate por
toda parte, a mãe eventualmente percebe que ele a
está segurando. “Rusty, colocar isso de volta”, diz a
mamãe. Rusty a coloca de volta, espera um minuto
e, em seguida, a pega novamente. Então, a mãe se
levanta e coloca a estrutura de cristal no alto da
prateleira, onde Rusty não consegue alcançá-la. E a
história se repete até que a mamãe tenha conseguido
reorganizar a sala inteira enquanto o pequeno Rusty
(ele é tão fofo) procura por algo que a mãe não
consiga mover. Observe que a mãe instruiu Rusty. O
princípio no qual ela o instruiu é este: “Se você
puder alcançar, é seu. Se eu colocar onde somente
eu consigo alcançar, é meu”. Mas ela não foi capaz
de ensinar Rusty sobre autocontrole e obediência.

Método mundano 5: argumento com a criança


A mãe pergunta ao filho de seis anos de idade:
“Querido, você não quer vir e almoçar agora?”
“Não, obrigado, mamãe, eu estou brincando com os
meus carros”.
“Ah, querido, o seu cachorro-quente esfriará se
você não vier agora”.
“Bem, eu prefiro ir quando eu terminar de
brincar”.
“Mas se você vier agora e comer, eu pensei que
nós poderíamos ir ao parque depois do almoço”.
“Tudo bem, mamãe, eu estarei aí em um minuto”.
Aqui a mãe está tentando convencer o filho a
obedecer, em vez de simplesmente instruí-lo e
esperar que ele obedeça. Os pais que tentam
argumentar com seus filhos normalmente acabam
frustrados e muitas vezes superados em esperteza. E
eles geralmente acabam recorrendo a um suborno, a
fim de obter a resposta que procuram. Argumentar
com crianças pequenas em uma tentativa de levá-los
a obedecer causa confusão, porque as coloca em
uma posição na qual elas ainda não são maduras ou
responsáveis o suficiente para estar. Isso apaga a
linha de autoridade entre o adulto e a criança e
coloca o filho em um nível igual ao dos pais. Em vez
disso, instrua claramente seu filho e espere
obediência.
Métodos mundanos como esses são apenas
algumas maneiras de manipular o comportamento de
uma criança, mas todos eles falham em conseguir
chegar ao coração. Colossenses 2.8 nos diz:
“Cuidado que ninguém vos venha a enredar com sua
filosofia e vãs sutilezas, conforme a tradição dos
homens, conforme os rudimentos do mundo e não
segundo Cristo”. E Gálatas 6.7-8 diz: “Não vos
enganeis: de Deus não se zomba; pois aquilo que o
homem semear, isso também ceifará. Porque o que
semeia para sua própria carne, da carne colherá
corrupção; mas o que semeia para o Espírito, do
Espírito colherá vida eterna”.
Vivemos em uma época que desafia Deus e sua
Palavra em todos os pontos, incluindo a educação
dos filhos. Mas a Bíblia diz: “Há caminho que ao
homem parece direito, mas ao cabo dá em caminhos
de morte” (Pv. 14.12). Nós não deveríamos nos
surpreender com o fato de os métodos mundanos e
as filosofias falsas serem ensinados por
“especialistas” seculares. No entanto, devemos
aprender a discernir a diferença entre a sabedoria do
mundo e a sabedoria de Deus. 1 Coríntios 3.19 diz:
“A sabedoria deste mundo é loucura diante de
Deus”.
Eu gostaria de lhe apresentar dois cenários comuns
em que a mãe deixou de fora a Palavra de Deus na
instrução de seus filhos, e gostaria que você
observasse como ambos os cenários terminam.
Cenário 1: uma mãe espera na fila de saída do
supermercado com o filho de quatro anos de idade.
Quando o pequeno Tommy começa a vasculhar a
prateleira de doces, a mãe puxa o braço dele e diz:
“Tommy, eu lhe disse para ficar aqui!”Tommy se
solta da mãe. “Eu não quero”, ele diz
desafiadoramente e retorna para os doces.
A voz da mãe sobe uma oitava. “Tommy, volte
aqui agora mesmo ou você vai ver quando chegar a
casa!” A batalha continua enquanto o caixa registra,
ensaca e coloca os mantimentos no carrinho de
compras. Mãe e filho voltam para casa frustrados e
irritados.
Cenário 2: uma mãe espera na fila no balcão
principal da biblioteca pública com seus dois filhos
em idade pré-escolar. As crianças começam a
discutir e empurrar um ao outro até que a mãe diz:
“Parem com isso agora mesmo! Vocês sabem que
não é assim que se deve agir.” Enquanto o
bibliotecário carimba a pequena pilha de livros, a
mãe começa a explicar: “Eu sinto muito pela
perturbação; eles não tiveram sua hora de cochilo
ainda”. No caminho, a mãe diz aos filhos como está
decepcionada com seu comportamento.
Observe como ambos os cenários terminaram com
uma nota negativa. É porque a mãe não está
atentando aos mandamentos de Deus ao educar seus
filhos. Ela abandonou as instruções santas de Deus e
adotou métodos mundanos.
Quando a instrução é feita corretamente, ela
sempre termina com uma nota positiva. Uma criança
que desobedece diretamente à mãe no supermercado
não precisa levar uma bronca ou ter que ir para casa
com uma mãe irritada. Essa forma de disciplina não
demonstra amor incondicional e instrução
cuidadosa. Ela envia a mensagem negativa “Eu não
estou satisfeita com você” para que a criança pense
sobre ela. Nosso desejo deve ser que a criança reflita
sobre o que ela poderia ter feito direito, e não o que
fez de errado. A mãe que toma tempo para dar uma
palmada de forma apropriada em seu filho enquanto
lhe assegura de seu amor e, em seguida, discute com
o filho o que ele poderia ter feito, envia uma
mensagem positiva: “Eu o amo o suficiente para
instruí-lo no que é certo”.
É o mesmo no segundo cenário. As crianças
presenciaram pela primeira vez a mãe oferecer
desculpas pelo seu comportamento, o que envia a
mensagem negativa: “Está tudo bem em discutir e
empurrar um ao outro, se você estiver cansado”.
Então, ela envia aos filhos sinais confusos,
contradizendo a si mesma ao declarar que está
desapontada com o comportamento deles.
Novamente, isso faz com que as crianças reflitam
sobre a desaprovação de sua mãe, em vez de uma
qualidade de caráter positivo. A instrução da mãe
teria sido mais eficaz e orientada para o coração se
ela tivesse calmamente dito às crianças para cruzar
os braços e esperar tranquilamente até ela sair. Se
eles escolhessem desobedecer às suas instruções, no
caminho de saída, ela poderia ter explicado que ela
os ama tanto que deve lhes ensinar autocontrole e
obediência. Após administrar a disciplina em casa,
ela poderia ter discutido o que teria sido uma
resposta positiva às suas instruções na biblioteca.
Isso envia a mensagem positiva: “Eu o amo o
suficiente para instruí-lo em autocontrole e
obediência, a fim de que você tome decisões mais
sábias”.
CAPÍTULO 10
O MODELO BÍBLICO
FUNCIONA

Você alguma vez ouviu falar de pais que não


querem que seus filhos obedeçam? Certamente não.
Todos os pais desejam filhos obedientes, mas muitos
não conseguem obter obediência. Alguns se tornam
tão desanimados e frustrados que convencem a si
mesmos de que a obediência não é nem mesmo
possível com seus filhos.
Por que os pais são desencorajados a ponto de
desistir? Por que a disciplina não está funcionando
com seus filhos? Por que seus filhos estão caindo
em espiral para as profundezas da desobediência?
Por que muitos pais recorrem frequentemente a
gritos, súplicas, ameaças e até mesmo ao abuso
físico na tentativa de educar seus filhos – tudo em
vão? É porque eles não estão seguindo os
conhecimentos do “manual de instruções”,1 a Bíblia.
Roy Lessin diz:
Quando alguém compra um aparelho novo, ele é
fornecido com um manual de instruções do
fabricante. Ele diz como usar o aparelho e como
mantê-lo da melhor forma. Se algo der errado, o
cliente é encorajado a contatar o fabricante para
reparos. Assim é com a família. A família é ideia de
Deus. Ele a trouxe à existência. Em sua Palavra, ele
deu instruções claras a respeito de como ele espera
que ela funcione. Quando pais experimentam
problemas na educação de seus filhos, ele é o único
a ser consultado. Ele deu aos pais o rico conselho de
sua sabedoria para orientá-los na importante questão
da educação de seus filhos.2

POR QUE USAMOS A VARA?


A disciplina bíblica envolve ensino, repreensão,
correção e uso adequado da vara. Você talvez esteja
pensando: “Por que um pai amoroso bateria alguma
vez em seu filho?”
O uso da vara demonstra fidelidade a Deus. Os
pais que colocam sua confiança na sabedoria de
Deus, compreendem a relação entre a vara e
obediência. Atentar para os mandamentos de Deus
ao usar a vara é confiar plenamente em sua
sabedoria e confiar fielmente em seu conselho.
O uso da vara demonstra fidelidade para com a
criança. Os pais que se recusam a bater estão
causando uma injustiça espiritual para com seus
filhos. Não bater é ser infiel à alma da criança. “Não
retires da criança a disciplina, pois, se a fustigares
com a vara, não morrerá. Tu a fustigarás com a vara
e livrarás a sua alma do inferno” (Pv. 23.13-14).
Isso não significa que quanto mais você bater, mais
provável é que seu filho vá para o céu. Significa,
simplesmente, que o uso da vara ajuda a trazer a
criança à observância e a um ponto em que está
mais propícia a receber a Palavra de Deus.
O uso da vara transmite sabedoria. A ligação da
vara à sabedoria por meio das Escrituras é muito
importante. A criança que não está se submetendo à
autoridade parental está agindo estupidamente. Ela
está rejeitando a jurisdição de Deus. A vara da
correção traz sabedoria para a criança. Ela humilha
o coração da criança e expulsa a estultícia que está
ligada a ele. A Bíblia explica desta forma: “A vara e
a disciplina dão sabedoria, mas a criança entregue a
si mesma vem a envergonhar a sua mãe” (Pv.
29.15).

A VARA É UMA RESPONSABILIDADE


Quando os pais administram a vara, eles não estão
meramente punindo seus filhos. Estão obedecendo à
responsabilidade que Deus lhes deu. Existe um
mistério em como a vara funciona, mas podemos
estar confiantes de que, enquanto estamos
obedecendo a Deus e trabalhando no bumbum,
Deus está honrando nossa obediência e trabalhando
no coração. Portanto, se você pretende resgatar seu
filho da morte, se pretende arrancar a estultícia do
coração dele pela raiz e se pretende transmitir
sabedoria, você deve usar a vara.

DESCULPAS QUE OS PAIS DÃO PARA NÃO BATEREM


EM SEUS FILHOS
Os pais de gerações mais recentes apareceram
com várias desculpas para não baterem em seus
filhos. Embora muitas dessas desculpas sejam bem-
intencionadas, elas não são bíblicas.
“Mas... eu amo tanto meus filhos que sou
incapaz de bater neles.” Eu certamente posso me
identificar com essa maneira de pensar. Uma das
coisas mais difíceis que faço como mãe é
administrar a vara. Dar palmadas nos meus filhos é
doloroso para mim. Eu nunca acreditei nos meus
pais quando eles falaram aquelas famosas palavras
de pais: “Isso vai doer mais em mim do que em
você”. Eu sempre pensei comigo mesma: “Até
parece!” No entanto, agora que o quadro mudou, sei
que meus pais falavam a verdade.
Propositadamente, infligir dor aos filhos é algo
difícil de fazer. Mas é o pensamento mundano que
diz: “Eu o amo demais para discipliná-lo.” Faça a si
mesma esta pergunta: Quem se beneficia com sua
decisão de não bater em seu filho? Certamente, não
a criança. Provérbios 23 deixa claro que a falta de
disciplina com a vara coloca a criança em risco.
Então, quem se beneficia de não usar a vara? Você.
Você está livre do desconforto de bater em seu filho.
Você está liberta de infligir dor a alguém que é tão
precioso para você. Você está livre da
inconveniência de tomar tempo para disciplinar da
maneira correta. Mas Deus diz: “O que retém a vara
aborrece a seu filho, mas o que o ama, cedo, o
disciplina” (Pv. 13.24). Os pais não devem ser
abusivos, mas cuidadosos ao disciplinar. Assim, é o
amor que motiva um pai a usar a vara. Deus associa
disciplina com amor, assim, quando disciplinamos
em amor, nossos filhos associarão disciplina com
amor.
“Mas... ele não é velho o suficiente para
entender”.3 Alguns pais acolhem a ideia de que o
Junior é muito novo ainda para entender que não
tem permissão para puxar tudo para fora da mesa.
As crianças têm idade suficiente para aprender
“Não” quando têm idade suficiente para fazer algo
que exija que você lhes diga “Não”. Já ouvi mães se
gabarem do quão inteligentes seus bebês são; seus
bebês de seis meses de idade podem acenar tchau-
tchau ou bater palmas e fazer jogos de bater as mãos
quando incentivados. Aos oito meses, eles têm um
conhecimento enorme de vocabulário. E respondem
a instruções como: “Vem com a mamãe”, “manda
um beijo” e “Abraça ele”. No entanto, essas mesmas
mães que se gabam do quão inteligente seus bebês
são dizem: “Ah, ele é muito novo para entender a
palavra ‘Não’”. Eu ouvi mães me perguntarem
quando é o momento certo para dar um tapa na mão
do seu bebê por desobedecer e por tocar em algo
que não deveria. A resposta deveria ser óbvia.
Quando eles desobedecem e tocam em algo que não
devem. Se eles tiverem idade suficiente para
desobedecer, então têm idade suficiente para serem
instruídos a obedecer.
Minha amiga Debra me contou a luta que teve
para conseguir fazer a bebê dela ficar sentada na
cadeira de refeição. A bebê tinha dez meses de idade
quando aprendeu a obedecer. A mãe decidiu que, se
ela tinha idade suficiente para desafiar, tinha idade
suficiente para aprender submissão. A mãe relembra
o dia em que Della aprendeu a obedecer nesta área:
Ela se impulsionou para uma posição meio-
sentada na cadeira; eu disse: “Não, Della, não fique
em pé na sua cadeira”, e a sentei novamente. Ela
prontamente se colocou de pé, então eu dei um tapa
no seu bumbum e disse: “Não! Senta”. Ela parecia
confusa, domada, então se recostou, observando-
me, pensou melhor, sentou-se, e nunca mais nos deu
problema novamente sobre ficar de pé em sua
cadeira.
Della aprendeu a lição da primeira vez que sua
mãe a disciplinou. Nem todas as crianças chegam a
um ponto de submissão assim tão rapidamente, mas
esse exemplo certamente prova que uma criança de
dez meses é capaz de aprender o significado da
palavra “Não”.
“Mas... ele só está agindo assim porque não
estamos em casa.”4 A desobediência de seu filho
vem de seu coração, não de uma mudança no
ambiente. Quando você está longe de casa, não deve
culpar o novo cenário pela desobediência de seu
filho. Se seu comportamento for desculpado porque
ele está longe de casa, ele aprenderá rapidamente
que só é obrigado a obedecer em casa. É um padrão
duplo que não beneficiará a criança, os pais ou os
envolvidos em seus passeios. A sua palavra deve ser
obedecida no supermercado, no parque, no
shopping, na casa de um amigo, e ATÉ MESMO na
casa da vovó.
“Mas... eu não acho que ele se sente bem,
porque ele só age assim quando está doente.”5 Se
seu filho está doente, ele precisa de cuidados
especiais da mãe. Precisa de muito amor, repouso e,
possivelmente, de remédio. No entanto, a
desobediência não deve ser desculpada, porque a
criança “não se sente bem”. Não há nada nas
Escrituras para validar a negligência da instrução
porque a criança está cansada ou doente. A Bíblia
não diz que os filhos devem ser instruídos a
obedecer, exceto quando estão doentes. A Palavra
de Deus é sempre a mesma. Se seu filho está com
febre, com o nariz escorrendo ou com dor de
barriga, “Sim” ainda significa “Sim” e “Não” ainda
significa “Não”. Os pais que deixam de instruir seus
filhos cada vez que a criança tem um resfriado
encontram-se com a difícil tarefa de reeducá-los
mais tarde. É sempre mais fácil educar do que
reeducar.
“Mas... ele puxou isso do seu tio Tom. Ele tem
um temperamento ruim também.”6 Talvez seja
tarde demais para corrigir o temperamento do tio
Tom com a vara (embora eu ache que existem
muitos adultos que poderiam se beneficiar de uma
boa e velha surra), mas não é tarde demais para seu
filho. O fato de que o tio Tom não foi instruído em
autocontrole deve servir como um motivador, não
uma desculpa. Culpar o pecado com a
hereditariedade da criança é dizer o óbvio. Em certo
sentido, todo pecado é hereditário. Nós herdamos
de Adão. Mas, com certeza, o uso bíblico da vara
ajuda a lidar com qualquer característica hereditária
que precise ser corrigida.
“Mas... palmada não funciona com meu filho.”
Uma mãe me disse uma vez: “Você pode ser capaz
de fazer seus filhos obedecerem, mas isso não
funcionará com os meus filhos”. Ela passou a
explicar como as personalidades de seus filhos eram
diferentes. Cada criança é uma criação única de
Deus, mas ele espera que todas obedeçam
independentemente da sua personalidade. Cada
criança tem características físicas, personalidades e
habilidades distintas, mas em nenhum lugar da
Bíblia existe a afirmação de que alguma criança é
uma exceção à ordem de Deus para a obediência.
Colossenses 3.20 diz: “Filhos, em tudo obedecei a
vossos pais; pois fazê-lo é grato diante do Senhor”.

RAZÕES EM QUE BATER NÃO FUNCIONA


Em alguns casos, a palmada não tem o efeito
desejado na instrução do coração da criança.
Geralmente, isso pode ser atribuído à aplicação
imprópria da vara, da qual existem diversas
variedades:
Falta de consistência. Você tem que ser
consistente. Bruce Ray diz: “Não é a gravidade da
correção que produzirá obediência; é a certeza da
correção que trará o resultado desejado. Seja
coerente em sua administração de disciplina. Nunca,
nunca, nunca emitir um aviso ou uma ordem sem
levar até o fim”.7
Um dia, a mãe de Johnny o ignorou enquanto ele
arrastava todos os potes Tupperware para fora do
armário da cozinha. Mas, no dia seguinte, ele
recebeu uma palmada por isso. Que confuso,
irritante e injusto isso é para a criança! Se ela nunca
sabe quando você pode atacar, ela passará toda a sua
infância pisando em ovos. Nós devemos definir o
padrão e ser consistentes em seguir com as
consequências quando esse padrão é violado, ou
podemos exasperar nossos filhos e provocá-los à ira.
Uma criança que nunca sabe o que deve esperar
também pode se tornar insegura. Há uma grande
sensação de segurança em saber o que esperar. Que
cruel é para elas viverem com medo por não
saberem o que pode acontecer a seguir. Que cruel é
que a sua disciplina seja baseada no humor, nível de
energia ou capricho do pai. Todas as crianças, quer
estejam engatinhando ou andando, encontram mais
segurança em saber onde seus limites estão. De fato,
com limites vem a liberdade. Quando você
estabelece limites para seus filhos, está lhes dando a
liberdade para determinar quando haverá
consequências. Eles são corrigidos por sua própria
escolha e não pela emoção ou estado de espírito dos
pais. Uma criança segura é uma criança que sabe
seus limites e é corrigida de forma consistente
quando os ultrapassa.
A vara da correção retorna a criança a um lugar de
submissão a seus pais, um lugar onde Deus
prometeu bênção. A disciplina lhe permite obter
autocontrole. A disciplina a ajuda a respeitar mãe e
pai e promove uma atmosfera de proximidade entre
os pais e a criança. A mãe que é consistente e não
permite que a criança desafie sua autoridade,
experimentará intimidade com seu filho. Mas
quando lhe é permitido ser rabugento e
desobediente, é possível que o afastamento se
desenvolva. Não se engane pensando que a palmada
dificultará a proximidade. O pai que é consistente
em exigir obediência, mantém a relação balanceada.
Esse pai desfrutará de um relacionamento próximo e
aberto com a criança.
Falta de persistência. Alguns pais usam a vara
por alguns dias, tornam-se desanimados quando seus
filhos não são transformados durante a noite, e
desistem. Eles decidem que a disciplina não é apenas
desagradável; mas que também não funciona. Em
Hebreus 12.11 lemos que: “Toda disciplina, com
efeito, no momento não parece ser motivo de
alegria, mas de tristeza; ao depois, entretanto,
produz fruto pacífico aos que têm sido por ela
exercitados, fruto de justiça” (grifo meu). Você
colhe o que planta, colhe mais tarde do que planta, e
colhe mais do que planta.
Quando somos persistentes, nossos filhos
aprendem a lei da colheita. Tedd Tripp diz: “Quando
a desobediência é recebida com consequências
dolorosas, eles aprendem que Deus colocou o
princípio da semeadura e da colheita em seu
mundo”.8 Nós podemos nos desanimar algumas
vezes e pensar que não adianta, mas nossa
responsabilidade é confiar em Deus e fazer o que ele
diz e então deixar os resultados para ele. Provérbios
3.5 diz: “Confia no SENHOR de todo o teu coração
e não te estribes no teu próprio entendimento”. Deus
quer que façamos tudo o que ele requer durante o
tempo que for preciso. Ele nos desafia em Gálatas
6.9: “E não nos cansemos de fazer o bem, porque a
seu tempo ceifaremos, se não desfalecermos”.
Falta de eficácia. O propósito de uma palmada é
infligir dor. Se o Joãozinho está vestindo uma fralda
extra-acolchoada e correndo em círculos enquanto a
mãe, sem entusiasmo, administra a vara, a palmada
é ineficaz. (Veja o capítulo 12 “Orientações para
administrar o castigo bíblico”). Tenha em mente que
cada criança é diferente. Algumas têm maior
tolerância à dor do que outras. Algumas são
naturalmente mais submissas do que outras e mais
rápidas em demonstrar arrependimento sincero.
Como mãe, você tem que determinar o que é
“eficaz” para seu filho. Por favor, note que, se
alguma vez você deixar algum hematoma em seu
filho, você está batendo muito forte.
Falta de Justiça. Quando a vara é administrada
em ira pecaminosa ou com a motivação errada, a
criança se ressentirá em vez de se arrepender. As
crianças não cederão à correção quando esta for
administrada em ira injusta ou se o pai disciplinar
por razões egoístas. E Deus não honrará nossos
esforços, se forem conduzidos em pecado. Está tudo
bem se a criança tiver que esperar em seu quarto
enquanto a mãe ora por alguns minutos e acalma seu
coração antes de administrar a vara. Verifique se seu
motivo para disciplinar seus filhos é justo, e não
causado por raiva, porque Tiago 1.20 nos diz que “a
ira do homem não produz a justiça de Deus”. Sua
motivação não deve ser vingança, mas amor. Deve
ser expulsar a estultícia do coração da criança. A
disciplina não deve ser uma mentalidade do tipo “eu
vou lhe mostrar!” ou “mocinho, agora você vai
ver!”, ela deve ser “eu o amo demais para permitir
que esse pecado crie raízes em seu coração e
cresça”.
CAPÍTULO 11
DEFININDO
PADRÕES
DE OBEDIÊNCIA

Devemos esperar obediência imediata de nossos


filhos. Ensinar-lhes que Deus quer que eles
obedeçam por completo, de imediato e com um
coração alegre. Assim que meus filhos foram
capazes de falar, eu lhes perguntava: “Como é que
Deus quer que você obedeça?” Eles respondiam:
“Por completo, de imediato e com um coração
alegre”. Eu falei bastante sobre instruir os filhos com
essa norma, então me permita destrinchar cada
ponto e reforçar cada um com as Escrituras.
A obediência deve ser por completo. A Bíblia
afirma que a obediência deve ser completa. Deus
demonstra a importância da obediência completa por
meio da vida do Rei Saul em 1 Samuel 15. Deus
disse a Saul para destruir completamente os
amalequitas, incluindo todos os seus animais. Saul
começou a pensar sobre o desperdício que seria
matar todos aqueles animais, então, decidiu, por
conta própria, manter alguns para si. Após a batalha,
Samuel questionou o rei Saul, perguntando se ele
havia obedecido totalmente à ordem de Deus. Tenho
certeza de que o sangue subiu para o rosto de Saul
enquanto ele acenava com a cabeça. Em seguida, o
coração de Saul provavelmente parou por um
instante quando as ovelhas começaram a balir no
fundo. Saul foi pego com a mão na botija e, assim
como uma criança que diz: “Eu só estava pegando
um para você, mamãe”, Saul tentou justificar sua
desobediência, afirmando que estava apenas lhes
poupando para oferecer como sacrifícios a Deus.
Mas Samuel respondeu: “Obedecer é melhor do que
sacrificar”. Como consequência da falta de
obediência completa por parte do rei Saul, o reino
lhe foi tirado.1
A obediência deve ser de imediato. Sempre que
meu pastor prega sobre a obediência, ele termina
com o clássico preceito: “Obediência tardia é
desobediência”. Uma criança deve ser instruída para
responder prontamente na primeira vez que o pai dá
uma ordem. O pai não deve ter que gritar, ameaçar
ou repetir instruções a fim de obter obediência. A
ordem que deve ser obedecida é para ser dita em um
tom de voz normal e apenas uma vez. As
consequências de obediência tardia são vistas na
vida de Jonas. Deus disse a Jonas para ir a Nínive.
No final, Jonas foi. Mas as consequências de sua
obediência tardia colocaram a vida dele e a de
muitos outros em grande perigo espiritual e físico.
Obediência imediata deve ser o padrão, e deve se
esperar que os filhos cumpram essa norma.
Devemos reforçar a expectativa com a vara cada vez
e toda vez que eles não obedecerem – ou estaremos
lhes enviando sinais dúbios.2
A obediência deve ser com um coração alegre.
Deus requer não somente obediência externa, mas
também obediência interior. Obediência interior
vem de um coração que está alegre. Se uma criança
está obedecendo com uma atitude errada, ela não
está obedecendo de um modo que agrade a Deus.
Uma criança que obedece exteriormente, mas está
irada interiormente porque não conseguiu fazer do
seu próprio jeito é uma criança que não é
verdadeiramente feliz. A verdadeira felicidade
permeia a criança que se deleita em obedecer,
porque ela sabe que está agradando a Deus e a seus
pais. Felicidade e contentamento são escolhas do
coração. Os filhos podem escolher obedecer com o
coração contente. Os pais devem orientá-los a fazê-
lo.
Quando o Wesley era mais novo, posso dizer com
certeza que ele recebia mais palmadas por
desobedecer com a atitude dele do que por
desobediência direta. Ele fazia o que eu lhe dizia,
mas, no processo, ele saía batendo o pé e fazendo
careta. Precisou de muita correção para lhe ensinar
que a obediência completa é expressa com um
coração alegre e uma atitude correta.
Atitudes corretas não dizem respeito às emoções.
Dizem respeito à vontade, significa que uma criança
pode escolher ser feliz e contente. E Deus a chamou
para isso em Filipenses 2.14: “Fazei tudo sem
murmurações nem contendas”. E 1 Tessalonicenses
5.16-18 diz: “Regozijai-vos sempre. Orai sem
cessar. Em tudo, dai graças, porque esta é a vontade
de Deus em Cristo Jesus para convosco”. Roy
Lessin diz:
Os sentimentos ou emoções são um barômetro da
vontade. Quando uma criança escolhe a atitude
correta, a resposta emocional apropriada seguirá.3
Até mesmo a uma criança pequena pode ser dito:
“Querido, você precisa obedecer à mamãe com um
coração feliz”. Eu ainda tenho que lembrar ao
Wesley que a atitude dele é uma escolha. Emoções
são boas, mas eu não quero que ele seja um escravo
de suas emoções – então eu lhe lembro: “Querido,
você está escolhendo ter uma atitude ruim, quando
você deveria estar escolhendo obedecer com uma
atitude correta”.
Agora, as crianças devem ter permissão para vir e
falar livremente sobre os pensamentos e sentimentos
delas e fazer perguntas, mas isso deve ser feito em
um tom de voz agradável e com uma atitude de
respeito. Em outras palavras, uma criança com uma
atitude desrespeitosa pode dizer: “Por que você tem
que me dar essa hora de dormir tão ridícula, às oito
horas da noite?” Uma criança que quer resolver esse
problema respeitosamente pode perguntar: “Agora
que tenho nove anos de idade, poderíamos discutir
minha hora de dormir?”
EVITANDO ARMADILHAS
Para obter obediência imediata de seu filho com
um coração disposto, você deve evitar as armadilhas
que sabotarão seus esforços no ensino adequado.
Repetir-se. Há alguns pais que dirão a seus filhos
para fazer alguma coisa duas ou três vezes antes que
eles façam. Se estivermos habituados a não exigir
obediência imediata, então estamos fazendo com
que nossos filhos tenham o hábito de não obedecer
imediatamente.
Levantar a voz. Outros pais precisam levantar a
sua voz para além do normal antes de seus filhos
obedecerem. Eles dão a primeira ordem, e o filho
pensa: “Ah, eu tenho tempo de sobra”. Então, a
ordem vem até ele um pouco mais alta, e a criança
olha para cima para examinar a mãe e pensa: “Ah,
eu ainda tenho algum tempo, os olhos e as veias do
pescoço dela não estão protuberantes ainda”. Então,
finalmente, quando a mãe se torna verde, inchada a
ponto de rasgar as próprias roupas e se transforma
no Hulk, eles obedecem.
Técnicas mundanas. Então, há aqueles pais que
dizem: “Se você não fizer isso até eu contar até três,
você vai levar, mocinho!” Eles contam: “Um”... a
criança não se move, “dois”... a criança ainda não se
move, “dois e meio”... e assim vai. As crianças
agirão de acordo com o padrão que os pais
definirem. Se você não espera que seu filho obedeça
até a contagem de três, então ele não obedecerá até
que você conte. Por que não exigir obediência
imediata? Essa norma não deixa espaço para dúvida
ou confusão. É muito mais fácil e muito mais
pacífica. Se meu filho está saindo da calçada para
uma rua movimentada, eu não quero ter que contar
até três para que ele obedeça.
Mais importante, estamos instruindo-os e
preparando-os para obedecer a Jesus. Os pais são
frequentemente responsáveis pelos hábitos de seus
filhos. Nós queremos que eles estejam habituados a
nos obedecer na primeira vez, de modo que, quando
se renderem ao senhorio de Cristo, eles tenham mais
facilidade de lhe obedecer na primeira vez. Portanto,
antes de começar sua contagem até três, pergunte a
si mesmo: “Eu quero que meu filho tenha o hábito
de obedecer a Deus na primeira, segunda ou terceira
vez?” Instruir as crianças a obedecer rapidamente
deve ser o padrão. Nós precisamos ter cuidado com
coisas assim: repetir instruções duas ou três vezes,
levantar nossas vozes ou dar-lhes tempo até a
contagem de três. Essas coisas nos afastam de
ensinar nossos filhos a obedecerem imediatamente e
completamente.
Tolerar pequenos atos de desobediência. Nós
também precisamos ser cuidadosos ao corrigir
apenas grandes atos de desobediência enquanto
deixamos atos menores passarem despercebidos.
Cerca de cem anos atrás, J. C. Ryle advertiu os pais:
“Cuidado ao deixar pequenas falhas passarem
despercebidas sob a ideia de que é algo pequeno.
Não há coisas pequenas ao instruir filhos; todas são
importantes. Ervas daninhas pequenas precisam ser
arrancadas tanto quanto qualquer outra. Deixe-as
sozinhas, e em breve elas estarão grandes”.4
Qualquer pessoa com um jardim sabe a importância
de ser consistente com as ervas daninhas pequenas.
Se as deixarem crescer por todo o verão, elas serão
incrivelmente difíceis de arrancar. Era fácil quando
as raízes eram pequenas e não muito profundas.
Mas arrancar essas ervas daninhas mais tarde é um
trabalho árduo, pois elas têm sido negligenciadas por
tanto tempo. As raízes se aprofundaram e se
espalharam amplamente.
Posso dizer por experiência pessoal que é o
mesmo com as crianças. Mais uma vez, é muito
mais fácil educar do que reeducar. Muitas vezes eu
me encontrei em uma rotina. Meus filhos iam bem
por semanas e, então, pequenos atos de
desobediência ou desrespeito começavam a aparecer
sorrateiramente, e eu os deixava passar, porque eles
estavam indo muito bem. A próxima coisa que sei é
que estou frustrada, estou me repetindo e levantando
minha voz. A culpa é minha. É porque não tenho
sido obediente a Deus em instruí-los de forma
consistente e diligente na justiça. E em virtude da
minha desobediência e negligência, minha relação
com meus filhos não é mais tão íntima e aberta.
Tensão e frustração entraram sorrateiramente em
nosso relacionamento e nos roubaram a abertura e a
proximidade que nós normalmente partilhávamos.
Nós todos sofremos as consequências da minha
desobediência.
É nessas horas que preciso me sentar com eles e
dizer: “Crianças, preciso pedir perdão a vocês. A
mamãe tem permitido que vocês desobedeçam. Eu
não tenho instruído vocês da maneira que deveria. É
minha responsabilidade instruí-los em sabedoria,
mas tenho permitido que vocês se comportem de
forma tola”.
Eu também lhes explico que pedi ao meu Pai
celestial que me perdoe pela minha desobediência.
Esse não apenas é um passo importante para mim,
mas também modela a confissão e o arrependimento
bíblico para eles. É benéfico permitir que a criança
realmente ouça a oração. O meu próximo passo é
revisar o que é esperado deles (nós revisamos o
padrão), e eu lhes digo que os amo demais para
permitir que desobedeçam e vivam tolamente.
Esperar até que a chaleira ferva. A tendência a
ignorar a desobediência é muitas vezes baseada no
humor ou na emoção dos pais. Alguns de nós temos
o que Bruce Ray chama de “temperamento de
chaleira”.
Um temperamento de chaleira é caracterizado pela
calma aparente, mas pela turbulência interior.
Exteriormente, tudo parece bem, mas, por dentro,
um monte de pequenas coisas está começando a se
agitar e ferver até que, finalmente, muito barulho
escapa do pequeno buraco no topo da chaleira. De
repente, nós explodimos e pegamos o pequeno
Jimmy. Nós o colocamos sobre nossos joelhos e, em
seguida, o deixamos realmente ter o que merece,
dando-lhe uma surra como nunca teve antes em sua
vida. De alguma forma, nós pensamos que aquela
única surra compensará todas as pequenas coisas
que o Jimmy fez durante o dia.5
Esse tipo de disciplina é errado, porque é baseado
no humor e na emoção. A surra foi um alívio da
frustração da mãe, e não um ato autocontrolado de
amor. Uma boa surra no final do dia nunca pode
compensar as palmadas que deveriam ter sido dadas
ao longo do dia. Mães que têm um temperamento
de chaleira precisam depender da graça de Deus
para que possam agir de forma contrária à sua
natureza e em harmonia com a Palavra de Deus.
CAPÍTULO 12
BATER OU NÃO
BATER?

Apesar do que eu disse sobre a importância da


palmada, também acredito que existam ocasiões que
possam parecer situações de disciplina, mas não
justificam a palmada. É inadequado bater pelas
seguintes razões:
Comportamento infantil. As crianças são
naturalmente imaturas e não devem ser disciplinadas
por agirem de acordo com sua idade. Há uma
diferença entre infantilidade e insensatez. A
infantilidade se torna insensatez quando instruções
claras foram dadas à criança, e ela compreende essas
instruções, mas escolhe desobedecer.
Por exemplo, é infantilidade de Sally May brincar
de escorregar na banheira e deixar o chão todo
molhado. Ela não deve ser punida por um ato
infantil como esse. Mas esse mesmo comportamento
se torna insensatez, caso a mãe a instrua claramente
a não escorregar, e ela faça isso de qualquer maneira
e deixe o chão todo molhado. Então, ela deve ser
disciplinada por ser tola.
Incapacidade de realizar algo. Os pais devem
evitar o uso da palmada para tentar forçar uma
criança a realizar algo atleticamente ou
intelectualmente. Quando digo intelectualmente,
estou falando de bater em uma criança porque ela
tirou uma nota baixa na escola, embora tenha se
esforçado estudando. Todas as crianças têm os seus
próprios talentos e habilidades dados por Deus.
Algumas podem gostar de ler, enquanto outras
gostam de desenhar. Algumas podem amar praticar
esportes, enquanto outras amam tocar um
instrumento musical. Os pais não devem tentar
modificar as habilidades naturais e os desejos
pessoais (ou interesses) de seus filhos.
Acidentes. Acidentes não intencionais, como
derramar bebidas, não são também razões para
bater. Acidentes podem ser frustrantes para a mãe,
mas pergunte a si mesma: “o acidente ocorreu como
resultado da criança ter sido desobediente?” Se
Tommy derruba acidentalmente seu copo de Del
Valle Kapo de morango no tapete novo da sala, não
é um ato de desobediência, e ele não deve ser
punido por isso (apesar de que seria apropriado
fazer a criança ajudar a limpar). No entanto, se a
mãe claramente instruiu Tommy a beber seu Del
Valle Kapo na cozinha e a não passear na sala com
ele, e ele derrama sobre o tapete, o castigo estaria
correto. Não porque ele acidentalmente o derramou,
mas porque ele deliberadamente desobedeceu à sua
ordem para ficar na cozinha com a bebida.
Antes de saber todos os fatos. Outro momento
em que uma palmada não deve ser dada é quando
você não tem todos os fatos que cercam as
circunstâncias. Houve muitas vezes que tive que me
desculpar por tirar conclusões precipitadas antes de
ter todos os fatos.
Nós temos um riacho atrás da nossa casa com uma
pequena ponte em que é possível atravessar para
entrar na floresta. Meus filhos gostam de atravessar
a ponte e brincar na floresta. No entanto, um dia,
eles decidiram que o riacho parecia mais intrigante
do que a floresta, então eles se entregaram a
atividades no riacho que envolviam ficar molhado e
enlameado. Eles pareciam se divertir tanto que dei
uma de mamãe “legal” e ouvi com entusiasmo as
grandes aventuras que eles tinham desfrutado no
riacho. Bem, naturalmente, a área recém-descoberta
os atraiu de volta no dia seguinte... e no dia
seguinte... e no dia seguinte, até que, finalmente, eu
estava disposta a perder a posição de “legal” por
uma pausa de roupas e crianças molhadas e
enlameadas.
Eu instituí a lei. “Crianças, foi ótimo o tempo no
riacho, mas é hora de parar de ficar enlameado e
molhado todos os dias. Vocês não podem mais
brincar no riacho. Vocês podem atravessar a ponte e
brincar na floresta, mas não mais do riacho. Está
claro?” Duas cabeças pequenas assentiram uma
resposta afirmativa.
Não passaram nem dois dias, entra o Wesley na
garagem com a calça toda molhada e lama saindo
por entre seus dedos. Ele abriu a boca para falar,
mas antes que ele dissesse uma palavra, eu me
intrometi. Comecei imediatamente a falar sobre
como ele havia me desobedecido. Eu informei a ele
que ele perderia o privilégio de brincar fora de casa
por uma semana.
Quando finalmente fechei minha matraca, olhei
para baixo. Havia uma expressão de desespero total
em ambos os rostinhos. Em meio a lágrimas e um
lábio trêmulo, Wesley começou a explicar como eles
estavam atravessando a ponte para brincar na
floresta, quando Alex deixou cair acidentalmente o
ursinho de pelúcia dela no riacho. Ele continuou
falando sobre como ela ficou chateada. Ela estava
com medo gritando: “Ele vai se afogar, Wesley! Ele
vai se afogar!” Então, ao passar os braços em volta
da minha perna, ele concluiu: “Mamãe, eu sei que
você nos disse para não ir ao riacho, mas eu tentei
pensar no que você gostaria que eu tivesse feito.
Alex estava tão chateada, e eu pensei que você iria
querer que eu pegasse o seu ursinho para ela”.
Ai, ai, ai. Eu estava errada e tive que lhes pedir
para me perdoar por tirar conclusões precipitadas
antes que eu tivesse todos os fatos. A Bíblia nos
adverte: “Responder antes de ouvir é estultícia e
vergonha” (Pv. 18.13).
Enquanto você está irritado. Como já disse, um
pai que bate com raiva no filho está pecando contra
Deus e pecando contra o próprio filho. Se você está
com raiva, tire um tempo para orar até que ela passe
e permitir que Deus torne seus motivos puros antes
de bater. Disciplinar com raiva pode fazer a criança
ressentir-se em vez de arrepender-se.

QUANDO A VARA É NECESSÁRIA?


Nós sabemos, a partir de Provérbios 22.15, que a
estultícia está ligada ao coração da criança, e
sabemos que a vara da disciplina afasta essa
estultícia. Biblicamente, nós disciplinamos a
estultícia. Então, o que exatamente é a estultícia?
Roy Lessin diz: “Essa palavra refere-se a uma
disposição egoísta do coração que ignora a sabedoria
e vontade de Deus, escolhendo viver
independentemente dele”.1
A vara é útil para corrigir essas áreas de estultícia:
1. Desobediência direta. Desobediência direta é
quando você deu instruções claras a seu filho e fez
com que ele entendesse essas instruções, mas ele
escolhe desobedecer. “Filhos, em tudo obedecei a
vossos pais; pois fazê-lo é grato diante do Senhor”
(Cl. 3.20).
2. Atitude desafiadora. Atitude desafiadora é
quando a criança expressa a rebelião em suas ações,
palavras, tom de voz ou expressões faciais. “Servi ao
Senhor com alegria” (Sl. 100.2). “Fazei tudo sem
murmurações nem contendas” (Fp. 2.14).

ORIENTAÇÕES PARA ADMINISTRAR O CASTIGO


BÍBLICO
Administrar a vara sem seguir os princípios
bíblicos pode ser contraprodutivo e até mesmo
perigoso ou nocivo para a criança. Sempre siga estas
diretrizes ao bater em seu filho. As seguintes
diretrizes são para você e seu filho; você só bateria
no filho de outra pessoa se tivesse a permissão dela.
Discuta o que a criança fez de errado e porque é
sua a responsabilidade de discipliná-la. Você pode
investigar seu coração, fazendo-lhe perguntas como:
“Deus está satisfeito com o que você fez? O que
havia de errado com o que você fez?” Certifique-se
de que ela saiba que você a está disciplinando,
porque você a ama demais para permitir que o
pecado crie raízes em seu coração e cresça. Lembre-
se de usar a terminologia bíblica ao repreender seu
filho, pois, de acordo com Hebreus 4.12, é a Palavra
de Deus que realmente penetrará o coração da
criança. Também é importante que a criança
confesse verbalmente o que fez e peça perdão.
Oriente seu filho a pensar o que deveria ter feito.
Pergunte a ele: “O que você poderia ter feito nessa
situação que teria sido melhor?” Deixe-o pensar por
ele. Isso é ensiná-lo a como “pensar” como um
cristão.
Use o instrumento adequado para bater. Você
não quer usar algo tão duro a ponto de deixar
hematomas em seu filho. Use algo um pouco mais
flexível, de modo a causar dor sem deixar feridas.
Deixe a criança saber quantas palmadas você
estará dando. Dizer a seu filho quantas “palmadas”
ele receberá demonstra que você está usando o
autocontrole. Se a criança não chegar a um ponto de
arrependimento e submissão, pode ser necessário
dar outra palmada.
Bata tão prontamente após a ofensa quanto
possível. Leve a idade da criança em conta.
Prontidão é ainda mais importante com as crianças
mais novas. Uma criança de dois anos de idade que
desobedece enquanto há companhia para jantar não
deve apanhar duas horas mais tarde, depois que a
companhia se for. Embora seja uma hora
inconveniente, seria justiça para a criança desculpar-
se educadamente e sair para um momento de
correção. No entanto, uma criança de quatro anos
de idade que desobedece no supermercado pode
certamente esperar até que os mantimentos sejam
comprados e levados para casa para receber o
castigo.
Administre a palmada em privado. Lembre-se de
que seu objetivo não é o de constranger ou humilhar
a criança, mas de levá-la ao arrependimento. Um
coração arrependido não resultará de uma criança
cujo foco principal está no fato de estar sendo
envergonhada na frente dos amigos ou irmãos (ou o
público na fila do mercado).
Administre a vara no traseiro da criança. A parte
inferior é uma área sensível e ainda é amortecida, de
tal forma que uma palmada adequada não causará
danos físicos.
Tire um tempo para a reconciliação. Isso requer o
perdão da mamãe. Quando nossos filhos pecam, não
devemos guardar rancor. Mark Twain disse uma
vez: “O perdão é a fragrância que a violeta deixa
sobre o calcanhar que a esmagou”. Uma vez eu falei
para um grupo de mães sobre a questão da palmada.
Durante a parte de perguntas e respostas, uma mãe
disse: “Meu filho quer que eu o abrace logo após
receber uma surra. Eu sou incapaz de fazê-lo porque
estou tão zangada. Eu só preciso de um tempo para
‘esfriar’ um pouco antes que eu possa ‘fazer as
pazes’ com ele”. Essa mãe nunca deveria ter batido
no filho para começar, já que ela estava tão irada.
Somos ordenados a perdoar como Jesus perdoou –
e perdoar sem demora.
Não importa o que tenham feito ou o quanto
tenham nos envergonhado ou magoado, não é nada
comparado ao que fizemos para o Cordeiro
imaculado de Deus. Foi por nossos pecados contra
ele que ele sofreu e morreu na cruz do Calvário. E
no calor do momento, enquanto ele pendia ali,
sofrendo em dor física e espiritual agonizante e
insuportável, seu amor e perdão foram evidentes em
suas palavras: “Pai, perdoa-lhes”. Guardar rancor é
pecaminoso. Jesus não tirou um tempo para
“esfriar”. Seu perdão foi imediato e completo. Não
temos direito algum de reter o perdão de nossos
filhos, mesmo no calor do momento. Colossenses
3.13 diz: “Assim como o Senhor vos perdoou, assim
também perdoai vós”. Que santo exemplo de amor
sacrifical, incondicional e verdadeiro Jesus
estabeleceu para nós naquele dia no Calvário.
Exija que a criança faça a restituição. Na maioria
dos casos envolvendo crianças pequenas, isso é
simplesmente uma questão de fazer a criança voltar
e praticar o que é certo. Em alguns casos, a
restituição pode implicar mais. Talvez a criança
tenha roubado um pedaço de doce; a restituição
estaria em pedir perdão e ressarcir o proprietário do
doce. A restituição é mais do que apenas pedir
perdão: é voltar e fazer as coisas direito. E é uma
parte muito importante da instrução na justiça.
Após terminar a palmada, tome a criança em
seus braços e lhe diga o quanto você a ama. A sua
ficha está limpa. Ela foi desobediente e devidamente
disciplinada, agora esqueça a questão.

CONSIDERAÇÕES FINAIS
Nós questionamos muitas vezes nossos métodos e
nos perguntamos se estamos criando nossos filhos
corretamente. Se tivermos certeza de que os
métodos que usamos para disciplinar, educar e
instruir nossos filhos se originam nas Escrituras,
podemos estar confiantes de que estamos criando
nossos filhos da maneira correta, que é a maneira de
Deus.
Talvez você não esteja instruindo seus filhos de
acordo com a Palavra de Deus e, depois de ler este
livro, você teme que seja tarde demais. Anime-se,
cara amiga! Nunca é tarde demais! Posso
testemunhar isso! Veja você, eu não fui criada em
um lar cristão. Embora meus pais fossem pessoas
extremamente morais, minha família nunca havia
colocado os pés dentro de uma igreja até eu ter 17
anos de idade. Meus pais haviam praticamente
terminado de criar meu irmão e a mim quando
aceitaram a Jesus Cristo como seu Senhor e
Salvador. No momento em que aprenderam sobre o
plano de Deus para a família na Bíblia, os corações
deles se entristeceram porque Jesus havia sido
deixado de fora de nossas vidas por muitos anos.
Mas eles foram encorajados a não desistir de seus
filhos rebeldes. Eles oraram e buscaram na Palavra
de Deus sobre como recompensar por todos esses
anos que o deixaram fora de nossa família. Eles
ganharam forças a partir das muitas promessas de
Deus. Um verso em particular que se destacou para
eles foi Joel 2.25a: “Restituir-vos-ei os anos que
foram consumidos pelo gafanhoto”.
Meu pai se ajoelhou ao lado de minha cama uma
noite, pegou minhas mãos nas dele e me pediu para
perdoá-lo por não ter me criado nos caminhos do
Senhor. A partir desse momento, meus pais foram
diligentes na busca da vontade de Deus para nossa
família. Como consequência de sua paixão para
agradar a Deus, em palavras e ações, eu aceitei Jesus
como meu Senhor e Salvador quando tinha 18 anos
de idade. Deus é fiel, e a Sua Palavra nunca volta
vazia (cf. Is. 55.11).
Eu gostaria de incentivá-la a continuar
pesquisando e aprendendo com o manual de
instruções santo, a Bíblia. Que bênção é Deus não
ter nos deixado descobrir como criar nossos filhos
por conta própria. Ele nos deu tudo de que
precisamos para a vida e a piedade. Por favor, saiba
que este livro não contém tudo de que você precisa
saber para criar seus filhos. Você não pode fazer a
etapa A e depois a B e sempre obter C como
resultado. Se você depender apenas das informações
que eu forneci, você acabará derrotada e confusa.
Você deve ser 100% dependente de Deus e da
Palavra dele. A vontade dele não é que sejamos
derrotadas e confusas, mas que dependamos dele. E
quando o reconhecermos em todos os nossos
caminhos, ele promete nos dar sabedoria e fazer
nossos caminhos retos. “Confia no SENHOR de
todo o teu coração e não te estribes no teu próprio
entendimento. Reconhece-o em todos os teus
caminhos, e ele endireitará as tuas veredas” (Pv. 3.5-
6).
Instruir nossos filhos na justiça é um processo,
mas Deus promete que, da mesma forma como
trabalhar em um jardim, nós colheremos o que
semearmos. Continuemos a plantar as sementes da
justiça. Não consigo imaginar um jardim melhor
para plantar essas sementes do que no solo dos
corações de meus filhos. A Deus seja a Glória.
APÊNDICE A
COMO SE TORNAR
UM CRISTÃO?

Quando perguntado “Você é cristão?”, um grande


número de americanos dirá: “Sim”. Segundo as
estatísticas, a maioria dos americanos acredita em
Deus e que irá para o céu quando morrer. No
entanto, a Bíblia diz: “Entrai pela porta estreita
(larga é a porta, e espaçoso, o caminho que conduz
para a perdição, e são muitos os que entram por
ela), porque estreita é a porta, e apertado, o caminho
que conduz para a vida, e são poucos os que
acertam com ela” (Mt. 7.13-14). Por que tantas
pessoas pensam que são cristãs, se não são? Um
cristão falso é enganado pelo que parece lógico para
ele. “Há caminho que ao homem parece direito, mas
ao cabo dá em caminhos de morte” (Pv. 14.12).

UM CRISTÃO FALSO
Acredita em Deus. Simplesmente acreditar em
Deus não faz de você um cristão. O próprio
Satanás, juntamente com todos os demônios do
inferno, acredita em Deus. Tiago diz: “Crês, tu, que
Deus é um só? Fazes bem. Até os demônios creem e
tremem” (Tg. 2.19). A diferença entre um cristão
falso e um verdadeiro é que um cristão verdadeiro
não apenas acredita em Deus, ele conhece a Deus
pessoalmente. A fim de realmente conhecer alguém,
devemos gastar tempo com essa pessoa. Se você não
tem nenhum desejo de passar tempo com Deus por
meio da oração e aprender mais sobre ele pela
leitura de sua Palavra, você deve refletir se
realmente o conhece.
Acredita em si mesmo. Algumas pessoas pensam
que são cristãs porque se esforçam para viver uma
vida moral. Elas avaliam a si mesmos como “boas”
em comparação a outras. Com base em suas boas
ações, acreditam que ganharam o direito de entrar
no céu. A Bíblia ensina que nossas boas ações não
comprarão nosso bilhete para o céu: “Todas as
nossas justiças são como trapo da imundícia” (Is.
64.6). Se pudéssemos receber a salvação por sermos
boas pessoas, então Deus enviou seu filho para
morrer sem motivo. Dizer que você é bom o
suficiente para entrar no céu por conta própria é
rejeitar o sacrifício expiatório de Jesus Cristo.
Acredita na religião. Ser cristão não se trata de
uma religião, trata-se de um relacionamento. A
salvação não é encontrada ao frequentar a igreja em
três dos quatro cultos dominicais do mês. A salvação
não é encontrada em sua preferência
denominacional. A salvação é encontrada na pessoa
de Jesus Cristo. Ir à igreja, limpar narizes no
berçário e dar aula na escola dominical não lhe dá
pontos extras no Livro da Vida do Cordeiro. O
Senhor condenou os líderes “religiosos” e todos seus
rituais religiosos quando disse: “Visto que este povo
se aproxima de mim e com a sua boca e com os seus
lábios me honra, mas o seu coração está longe de
mim, e seu temor para comigo consiste só em
mandamentos de homens, que maquinalmente
aprendeu” (Is. 29.13). Jesus descreveu essas pessoas
como aquelas que limparam o exterior do copo
enquanto o interior ainda estava imundo (Mt.
23.25). Deus está preocupado com o seu coração,
não com a sua religião aparente.
Acredita na misericórdia incondicional. Eu
queria ter ganhado uma moeda para cada vez que
ouvi: “Deus é bom demais para me mandar para o
inferno. A sua misericórdia prevalecerá”. É verdade
que Deus é misericordioso, mas ele também é
perfeitamente justo. Ele é santo demais para apenas
“apagar” nosso pecado; a pena deve ser paga. Para
aqueles que aceitam seu filho, a justiça de Deus
recai sobre Jesus, e eles recebem misericórdia. Mas
para aqueles que rejeitam seu Filho, a justiça de
Deus recai sobre eles. Jesus explica desta forma:
“Todo aquele que me confessar diante dos homens,
também eu o confessarei diante de meu Pai, que está
nos céus; mas aquele que me negar diante dos
homens, também eu o negarei diante de meu Pai,
que está nos céus” (Mt. 10.32-33).
A justiça e a misericórdia de Deus encontram sua
expressão máxima na cruz, onde Jesus morreu como
expiação pelos nossos pecados. Ao derramar sua ira
sobre Jesus, ele derrama sua misericórdia sobre
aqueles que creem. Mas aqueles que rejeitam sua
misericórdia ao rejeitarem seu filho, sofrerão
certamente a sua ira. Jesus disse: “Quem nele crê
não é julgado; o que não crê já está julgado,
porquanto não crê no nome do unigênito Filho de
Deus” (Jo. 3.18).

UM CRISTÃO VERDADEIRO
Tornar-se um cristão é tão simples quanto receber
um presente. Na verdade, a salvação é um dom
gratuito. Nós não podemos alcançá-la. Não
podemos comprá-la. Jesus a comprou para nós com
seu próprio sangue. “Porque o salário do pecado é a
morte, enquanto o dom de Deus é a vida eterna”
(Rm. 6.23). Em outras palavras, o “salário”, ou
consequência, de nossos pecados é a morte. A Bíblia
define a morte eterna como a separação de Deus
(veja Mt. 7.23). Um cristão verdadeiro:
Acredita que é um pecador. “Pois todos pecaram
e carecem da glória de Deus” (Rm. 3.23). O pecado
é o que nos separa de Deus. Pecar é simplesmente
quebrar a lei de Deus, seus mandamentos, como
mentir. Todos nós quebramos a lei de Deus.
Portanto, todos somos pecadores.
Acredita que Jesus Cristo morreu por ele.
“Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que
deu seu Filho unigênito, para que todo o que nele
crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo. 3.16).
Não há amor maior do que o amor que Jesus tem
por você. Não foram os pregos que o prenderam à
cruz naquele dia, mas o amor dele por você. Ele
sofreu e morreu para que você pudesse ter vida em
abundância.
Porque Deus é santo, ele não pode tolerar o
pecado. Na verdade, ele disse que todo pecado deve
ser punido com a morte. Deve-se lembrar de que
nós deveríamos cada um pagar pelos seus próprios
pecados. Mas Deus, em virtude de seu amor por
nós, pagou o preço ao enviar Jesus para morrer na
cruz. Deus chamou isso de “expiação” de Cristo, ou
pagamento, pelos nossos pecados.
Acredita que a salvação é somente através de
Jesus Cristo. Jesus diz: “Eu sou o caminho, e a
verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por
mim” (Jo. 14.6). Jesus Cristo é a única provisão
para nosso pecado. Para que sejamos perdoados,
precisa haver reparação pelos nossos pecados. Jesus
é a nossa expiação. Ele morreu para que
pudéssemos viver. Ele pagou o preço para que nós
não tivéssemos que pagar: “Pois também Cristo
morreu, uma única vez, pelos pecados, o justo pelos
injustos, para conduzir-vos a Deus” (1Pe. 3.18).
Acredita na promessa de Deus. “Mas, a todos
quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem
feitos filhos de Deus, a saber, aos que creem no seu
nome” (Jo. 1.12). A Palavra de Deus é santa e
verdadeira. Se você reconhecer a si mesmo como
um pecador, crer que Jesus morreu na cruz por seus
pecados, arrepender-se deles e convidar Jesus para
ser seu Senhor e Salvador, você será salvo. Jesus
prometeu: “Eis que estou à porta e bato; se alguém
ouvir minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa
e cearei com ele, e ele, comigo” (Ap. 3.20).

TORNANDO-SE UM CRISTÃO
Se você gostaria de aceitar Jesus como seu
Salvador, receber o perdão de Deus e ter a certeza
da vida eterna com ele no céu, eu o convido a falar
com Deus com esta oração:
Querido Pai Celestial, reconheço que sou um
pecador que precisa do seu perdão, misericórdia e
graça. Eu creio que Jesus morreu por mim, pagando
o preço pelos meus pecados. Eu creio que Jesus
ressuscitou da morte, conquistando a morte para que
eu viva eternamente. Eu me arrependo dos meus
pecados contra ti. Por favor, perdoe-me. Por favor,
lave meus pecados com o sangue precioso que
derramou por mim. Eu o convido a entrar em minha
vida e reinar como meu Senhor e Salvador. Ajuda-
me a conhecê-lo. Ajuda-me a lhe obedecer.
Obrigado, Jesus, por me salvar e me dar nova vida
em você. Amém.

Todo aquele que invocar o nome do Senhor será


salvo.
(Rm. 10.13)
APÊNDICE B
COMO CONDUZIR O
SEU FILHO A
CRISTO?

COMO CONDUZIR SEU FILHO A CRISTO


Todos os pais cristãos anseiam pelo dia em que
seu filho receba a Jesus Cristo como Senhor e
Salvador. “Mamãe, eu pedi a Jesus para ser o meu
Salvador” traz lágrimas aos olhos e alegria aos
nossos corações. Enquanto pais que desejam vida
abundante de Deus para nossos filhos, devemos nos
alegrar demasiadamente ao ouvir essas palavras. No
entanto, enquanto pastores sábios sobre os corações
de nossos filhos, devemos ser muito cautelosos.
Conduzir nossos filhos a Cristo envolve muito
mais do que guiá-los em uma oração simples. É
viver um exemplo diante deles do que significa
caminhar com Cristo diariamente. É ensinar-lhes a
perspectiva de Deus em cada situação. É demonstrar
perdão. É pedir perdão. É viver, respirar e adorar a
Palavra de Deus na presença de seus filhos, bem
como na sua ausência.
Os pais devem ter cuidado para não oferecerem
aos filhos uma garantia prematura de sua salvação. É
normal ansiar pela salvação de nossos filhos. No
entanto, não devemos permitir que nossa esperança
se prenda a simples palavras saídas de suas bocas
que não refletem uma mudança em seus corações.
Não podemos permitir que nosso desejo de paz de
espírito engane ou conduza nossos filhos em uma
falsa sensação de salvação.
Um pastor bem respeitado afirmou uma vez que
poderia levar quase qualquer criança abaixo de dez
anos a fazer uma profissão de fé em Cristo. Esse
pastor não estava se vangloriando de suas
habilidades. Ele estava argumentando sobre a
ingenuidade das crianças. Uma criança pode ser
facilmente enganada sobre o estado de sua alma. A
maioria responderá a um adulto convincente e bem-
falante com pouquíssima persuasão. No entanto,
uma mera profissão é muito diferente de uma
verdadeira conversão. Uma profissão é declarar sua
fé. A conversão é demonstrar ou viver sua fé.
Profissão é falar. Conversão é agir conforme o que
se diz.
Crianças que crescem na igreja testemunham o
poder de Deus na vida de outros. Elas confiam na
convicção de seus pais de que Deus é real. Elas
ouviram as verdades da Palavra de Deus pregada no
púlpito domingo após domingo. É de se admirar que
elas acreditem em Deus e saibam exatamente como
professar essa crença? É perigoso supor que seu
filho seja realmente salvo simplesmente porque ele
tem algum conhecimento das Escrituras e professa
sua crença em Deus. É tolice oferecer garantia para
uma criança com base em conhecimento por si só.
Compreender a ingenuidade das crianças, a
esperança dos pais e os esquemas astuciosos do
grande enganador pode nos ajudar a permanecer
sóbrios e nos impedir de arriscar as ternas almas de
nossos preciosos filhos.
Estou dizendo que uma criança não pode
experimentar uma verdadeira conversão?
Certamente não. Estou dizendo que devemos ser
muito cautelosos ao considerar a imaturidade
intelectual das crianças e como que isso desempenha
um papel na sua prontidão para compreender e
receber a Cristo.
Estou dizendo que devemos repeli-los cada vez
que falarem de salvação e batismo, dizendo-lhes
para esperar até que estejam mais velhos?
Absolutamente não. Devemos convidá-los a vir a
Cristo agora e sem demora. Um coração que rejeita
a oferta do Espírito Santo pode se tornar endurecido
para responder no futuro. Devemos encorajá-los a
reconhecer a tentação de “pensar em aceitar a Cristo
mais tarde”. Adiar confiar em Jesus como Salvador
e Senhor fornece tempo ao diabo para tecer sua
perversa teia em torno dos corações de nossos
filhos, apertando cada vez mais enquanto suga toda
a ternura.
Encoraje seu filho. Quando seu filho falar de seu
amor e compromisso com Jesus, deixe-o saber que
você está muito feliz por seu desejo de agradar a
Deus. Encoraje-o a discutir seus pensamentos e a
lhe fazer perguntas sobre coisas que o confundem.
Encoraje-o a conhecer melhor Jesus passando
tempo com o Senhor em oração e leitura da sua
Palavra. Você talvez queira considerar deixá-lo
escolher uma Bíblia adequada à sua idade e um livro
de devocional (há alguns disponíveis para leitores
iniciantes). Quando ele iniciar seu momento com
Deus, deixe-o saber que você está feliz em vê-lo
buscar a Jesus.
Nunca desencoraje seu filho, dizendo: “Se você
realmente conhecesse a Deus, não agiria dessa
forma!” Dizer algo assim desanimaria seu filho e o
tornaria um hipócrita. Como um pecador, você
carece igualmente da glória de Deus e precisa de sua
graça, tanto quanto outro qualquer. Resista à
tentação de usar a ira de Deus como uma ameaça
para tentar corrigir o comportamento de seu filho:
“Deus vai pegar você se você não parar de brigar
com sua irmã!” Encoraje-o a se aproximar do trono
da graça de Deus por meio do amor de virtude, não
pelo medo de punição.
Quando ele pecar, incentive-o a encontrar refúgio
no perdão de Jesus. Deixe-o testemunhar você fazer
o mesmo. Ensine a seus filhos e filhas o modelo
bíblico de reconhecimento do pecado, de verdadeiro
arrependimento pelo pecado, de súplica pelo perdão
e de mudança de comportamentos e atitudes
pecaminosas.
Desafie seu filho. Diga-lhe que Deus define o
compromisso verdadeiro como um caminho sem
retorno. Informe-o de que se voltar para Cristo é um
compromisso de vida, não de uma única oração.
Explique que seu compromisso não deve ser
baseado no compromisso de seus pais ou amigos.
Diga-lhe que seu compromisso deve ser tão forte e
verdadeiro que, mesmo se aqueles que ele ama e
que o amam se afastarem de Deus, ele não deve
fazer o mesmo.
Faça-lhe perguntas que não exijam sim ou não
como resposta. Por exemplo: “Como você sabe que
Deus ama você?” “Por que você precisa de um
Salvador?” “O que Deus fez em relação ao seu
pecado?” Não instigue, sugira ou coloque palavras
em sua boca. Permitir que ele responda às perguntas
por vontade própria ajuda você a discernir seu nível
de compreensão e prontidão espiritual. Se você
determina que seu filho está pronto para receber a
Cristo como seu Salvador e Senhor, consulte o
Apêndice A.
Procure por evidências de conversão. Uma
definição de arrependimento é “a mudança da
mente”. Uma verdadeira conversão é demonstrada
pelo abandono do pecado e volta para Deus,
independentemente da idade do convertido. Se seu
filho foi verdadeiramente convertido, haverá uma
diferença visível nele. Se o Espírito de Cristo
realmente habita no coração dele, o caráter de Cristo
fluirá dele. Ao procurar sinais de conversão em seu
filho, pergunte a si mesmo:

Ele tenta aplicar a Palavra de Deus à sua vida?


Ele deseja obedecer a seus pais/autoridade mais do
que antes?
Ele parece sedento por conhecer Jesus?
Ele recebe correção e instrução com humildade?
Ele tem um forte interesse em agradar a Deus?
Ele parece realmente amar a Jesus?
Você vê uma diferença nele?
APÊNDICE C
COMO ORAR PELO
SEU FILHO?

Não importa em que fase da vida nossos filhos


estejam, a coisa mais importante que podemos fazer
é orar por eles. Quer estejam ainda de fraldas, em
perigo, apaixonados, em rebeldia ou em um carro
esportivo, nossa ferramenta mais poderosa e eficaz
na criação é a oração fervorosa sobre cada aspecto
de suas vidas.
Enquanto pais amaldiçoados com uma natureza
pecaminosa, estamos sujeitos ao cometimento de
erros. Nós tomaremos algumas decisões erradas. De
vez em quando, perderemos o temperamento – ou,
devo dizer, nós o encontraremos! Por não sermos
perfeitos, nós desapontaremos nossos filhos,
daremos exemplos ruins e falharemos com eles em
mais de uma maneira. No entanto, há uma coisa que
sempre renderá frutos e nunca será em vão. Nós
podemos orar por nossos filhos conforme a Palavra
de Deus. Stormie Omartian diz: “Ser um pai perfeito
não faz diferença. Ser um pai de oração faz”.
Orar pelos nossos filhos diretamente a partir da
Palavra de Deus é orar em harmonia com a perfeita
vontade de Deus para suas vidas. É atar nossos
desejos vãos e superficiais e desatar a sabedoria e o
poder de nosso Senhor poderoso. Quando oramos a
partir da Palavra de Deus, renunciamos nossos tolos
equívocos do que é melhor ao reconhecer que os
caminhos de Deus não são nossos caminhos. Orar a
partir das Escrituras é buscar a vontade do Pai mais
do que a vontade do pai. “Porque meus
pensamentos não são vossos pensamentos, nem
vossos caminhos, meus caminhos, diz o SENHOR,
porque, assim como os céus são mais altos do que a
terra, assim são meus caminhos mais altos do que
vossos caminhos, e meus pensamentos, mais altos
do que vossos pensamentos” (Is. 55.8-9).

POR QUE DEVEMOS ORAR?


A oração é um mandamento de Deus .
“Regozijai-vos sempre. Orai sem cessar. Em tudo,
dai graças, porque esta é a vontade de Deus em
Cristo Jesus para convosco” (1Ts. 5.16-18).
A oração nos leva para perto de Deus. “Pois que
grande nação há que tenha deuses tão chegados a si
como o SENHOR, nosso Deus, todas as vezes que
o invocamos?” (Dt. 4.7).
A oração manifesta o poder de Deus. “Confessai,
pois, os vossos pecados uns aos outros e orai uns
pelos outros, para serdes curados. Muito pode, por
sua eficácia, a súplica do justo” (Tg. 5.16).

O QUE DEVEMOS ORAR?


1. Ore para que nossos filhos venham à salvação
pela fé em Jesus Cristo.
1 Timóteo 2.3-4
2. Ore para que eles nos honrem e nos obedeçam
enquanto seus pais, bem como àqueles com
autoridade sobre eles.
Efésios 6.1-3
Hebreus 13.17
3. Ore para que o Senhor os cerque com amigos
piedosos e exemplares.
2 Coríntios 15.33
Provérbios 13.20
Provérbios 27.17
4. Ore para que o Senhor coloque em seus
corações fome e sede por ele.
Salmo 42.1-2
5. Ore para que o Senhor lhes dê o Espírito de
sabedoria e de revelação para que eles possam
conhecê-lo melhor.
Efésios 1.17
6. Ore para que os olhos de seus corações estejam
sempre iluminados, a fim de que conheçam a
esperança para a qual ele os chamou.
Efésios 1.18
7. Ore para que eles sempre sigam a verdade e
rejeitem as mentiras de Satanás.
Provérbios 22.3
Tito 2.11-12
8. Ore para que eles frutifiquem para a glória de
Deus.
Gálatas 5.22-23
Efésios 2.10
1 João 3.16-18
9. Ore para que eles fujam da tentação.
1 Coríntios 10.13
2 Timóteo 2.22-26
10. Ore para que eles usem seus dons e talentos para
honrar o Senhor.
Provérbios 16.3
1 Coríntios 10.31
11. Ore para que eles sejam libertos do medo à
medida que confiarem no Senhor.
Salmo 56.13
2 Tessalonicenses 3.16
2 Timóteo 1.7
12. Ore para que eles se mantenham sexualmente
puros para seus futuros companheiros.
1 Coríntios 10.8
Hebreus 13.4
13. Ore para que o Senhor traga companheiros
piedosos para suas vidas.
2 Coríntios 6.14-16
14. Ore para que eles levem cativo todo pensamento
à obediência de Cristo.
2 Coríntios 10.5
Filipenses 4.8
15. Ore para que eles se tornem mais parecidos com
ele.
Romanos 8.28-29
Em cada situação, precisamos aprender a confiar
no Senhor e não nos apoiarmos em nosso próprio
entendimento... e todos nós sabemos que, com os
filhos, haverá muitas situações assim! Devemos
perceber que cada bênção, cada provação e cada
situação de partir o coração foram filtradas através
de suas mãos de amor. Devemos ter plena confiança
na soberania de Deus.

COMO DEVEMOS ORAR?


Analise seus filhos e saiba o que está acontecendo
nas vidas deles, assim você saberá como orar
especificamente para cada um deles. Encontre
versículos da Palavra de Deus relacionados às
questões que estão enfrentando. Pergunte a seus
filhos como você pode orar por eles. Ore a Palavra
de Deus para seus filhos (Hebreus 4.12).
Ore em voz alta com eles. Ore com frequência.
Ore em conversa como se estivesse falando com
alguém no ambiente (sem um linguajar eclesiástico
que seja difícil para as crianças entenderem). Ore
por toda parte – dentro de casa, ao ar livre, dirigindo
o carro, alimentando o gato – para que seu filho
perceba que o Pai Celestial está sempre disponível.
Ore sobre as pequenas coisas (como um
brinquedo perdido), bem como pelas coisas grandes
(como a perda do emprego do papai). Conte-lhes
sobre a fidelidade de Deus em responder às suas
orações feitas por eles. Considere anotar suas
orações respondidas em um diário para que eles
leiam nos próximos anos.
A oração não somente o atrairá para mais perto de
Deus, como também o aproximará mais de seus
filhos. Incentive seus filhos a orar sobre tudo.
Garanta-lhes que Deus irá fielmente ao encontro de
cada uma de suas necessidades!
NOTAS

Capítulo 1
1. BARTLETT, Mabel; BAKER, Sophia. Mothers:
makers of men [Mães: formadoras de homens].
Nova Yorque: Exposition Press, 1952. P. 92.
2. NOTKIN, Louis M. (ed.). Mother tributes from
the world’s great literature [Tributo às mães a
partir da grande literatura universal]. Nova
Yorque: Samuel Curl, 1943. p. 177.
3. O’CONNER, Lindsey. Moms who changed the
world [Mães que mudaram o mundo]. Eugene,
OR.: Harvest House, 1999. p. 65.

Capítulo 2
1. Tripp, Tedd. Pastoreando o coração da criança.
São José dos Campos: Fiel, 1994.
Capítulo 3
1. Tripp, Tedd. Pastoreando o coração da criança.
São José dos Campos: Fiel, 1994. p. 21.

Capítulo 5
1. Grande parte do material desta seção é uma
reformulação do excelente material de O coração da
ira, de Lou Priolo. São José dos Campos: Nutra,
2009. particularmente o capítulo 4.
2. Priolo, Lou. O coração da ira. São José dos
Campos: Nutra, 2009.
3. Ibid.
4. Ibid. Esse exemplo inteiro foi retirado de Lou
Priolo. Eu simplesmente substituí meu lugar-comum
ao amarrar cadarços por um exemplo diferente.
Mães amarram muitos cadarços até que seus filhos
aprendam.

Capítulo 7
1. Priolo, Lou. O coração da ira. São José dos
Campos: Nutra, 2009. p. 125. Neste capítulo,
peguei muita coisa emprestada dos capítulos 9 e 10
desse livro.

Capítulo 8
1. Estou novamente devendo a Lou Priolo por muito
desse material.
2. Trumbull, H. Clay. Hints on child training
[Dicas sobre criação de filhos]. Eugene, OR: Great
Expectations, 1990. p. 129-131.
3. Plowman, Ginger. Wise words for moms
[Palavras sábias às mães]. Wapwallopen, PA:
Shepherd Press, 2001.

Capítulo 9
1. Tripp, Tedd. Pastoreando o coração da criança.
São José dos Campos: Fiel, 1994.

Capítulo 10
1. “É claro que, embora a Bíblia nos dê instruções
sobre como viver, ela é muito mais do que isso! É
uma grande história arrebatadora contada em forma
de narrativa, lei, poesia, profecia, canção, carta,
visão, etc., dizendo-nos onde a história começou e
para onde está indo – e, acima de tudo, sobre
QUEM a história é!” – Walter Henegar.
2. Lessin, Roy. Spanking: why, when, how [Bater:
por quê, quando, como]. Minneapolis, MN:
Bethany House, 1979. p. 18.
3. Lessin, Roy. Disciplina: um ato de amor. Belo
Horizonte: Betânia, 1983.
4. Ibid.
5. Ibid.
6. Ibid.
7. Ray, Bruce. Não deixe de corrigir seus filhos.
São José dos Campos: Fiel, 1989.
8. Tripp, Tedd. Pastoreando o coração da criança.
São José dos Campos: Fiel, 1994.
Capítulo 11
1. Lessin, Roy. Disciplina: um ato de amor. Belo
Horizonte: Betânia, 1983.
2. Ibid.
3. Ibid.
4. Ray, Bruce. Não deixe de corrigir seus filhos.
São José dos Campos: Fiel, 1989.
5. Ibid.

Capítulo 12
1. Lessin, Roy. Disciplina: um ato de amor. Belo
Horizonte: Betânia, 1983.
A Editora Fiel tem como propósito servir a Deus
através do serviço ao povo de Deus, a Igreja.
Em nosso site, na internet, disponibilizamos
centenas de recursos gratuitos, como vídeos de
pregações e conferências, artigos, e-books, livros em
áudio, blog e muito mais.
Oferecemos ao nosso leitor materiais que, cremos,
serão de grande proveito para sua edificação,
instrução e crescimento espiritual.
Assine também nosso informativo e faça parte da
comunidade Fiel. Através do informativo, você terá
acesso a vários materiais gratuitos e promoções
especiais exclusivos para quem faz parte de nossa
comunidade.

Visite nosso website


www.ministeriofiel.com.br
e faça parte da comunidade Fiel