Você está na página 1de 46

SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

Secretaria de Documentação
Coordenadoria de Biblioteca

INTERRUPÇÃO VOLUNTÁRIA DA GRAVIDEZ


Bibliografia, Legislação e
Jurisprudência Temática

Agosto 2018
SECRETARIA DE DOCUMENTAÇÃO
ANA VALÉRIA DE OLIVEIRA TEIXEIRA

COORDENADORIA DE BIBLIOTECA
LUIZA GALLO PESTANO

SEÇÃO DE BIBLIOTECA DIGITAL


LEIBER CIPRIANO PINHEIRO
TALES DE BARROS PAES

SEÇÃO DE PESQUISA
MÁRCIA SOARES DE OLIVEIRA VASCONCELOS
ALINE LIMA MATOS
MARINA VAZ SANTOS VALADARES
RAYNER FERREIRA DOS SANTOS

COORDENADORIA DE ANÁLISE DE JURISPRUDÊNCIA


SANDRA REGINA CASTRO DA SILVA

SEÇÃO DE PESQUISA DE JURISPRUDÊNCIA


MARIANA BONTEMPO BASTOS
Apresentação

A Secretaria de Documentação, por meio da Coordenadoria de Biblioteca e da


Coordenadoria de Análise de Jurisprudência, elaborou a Bibliografia, Legislação e Jurisprudência
Temática sobre o assunto Interrupção voluntária da gravidez com o objetivo de divulgar a
doutrina existente nas Bibliotecas cooperantes da Rede Virtual de Bibliotecas – RVBI –, bem como
a jurisprudência do STF e legislação sobre esse assunto.
Os termos utilizados na pesquisa foram:
 Criminalização do aborto;
 Descriminalização do aborto.

Para efetuar o empréstimo ou obter cópias dos documentos bibliográficos listados, devem
ser contatadas as Seções de Pesquisa ou de Referência e Empréstimo, nos ramais 3532 e 3523 ou
nos e-mails doutrina@stf.jus.br e biblioteca@stf.jus.br respectivamente, ou, ainda, pessoalmente
no balcão de atendimento da Biblioteca.

Coordenadoria de Biblioteca
SUMÁRIO

Apresentação ........................................................................................ 4

1. Doutrina .......................................................................................... 6

2. Legislação ....................................................................................... 39

3. Jurisprudência ................................................................................. 40
6

1. Doutrina

1. ABORTO: Ciência e cultura, v. 64, n. 2, abr./jun. 2012. 48 p. Disponível


em:
<http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?script=sci_issuetoc&pid=0009-
672520120002&lng=pt&nrm=iso> Acesso em: 20 jul. 2018. [942210]
SEN (STF DIG)

2. ABREU, Diego. Aborto de anencéfalo, uma decisão da mulher.


Disponível em
<http://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/54373/noticia.htm?s
equence=1>. Acesso em: 20 jul. 2018. Correio Braziliense, n. 17856,
13 abr. 2012. [936728] SEN STF

3. ADESSE, Leila (Org.) A saúde sexual e reprodutiva da mulher no


Brasil: diferentes visões no contexto do aborto. Porto Alegre: Metrópole,
2005. [760494] CAM

4. ALLEGRETTI, Carlos Artidorio. Revisão crítica do conceito do crime de


aborto: a busca de um consenso possível. Revista Jurídica, São Paulo,
v. 53, n. 334, p. 91-116, ago. 2005. [740538] AGU CAM CLD MJU PGR
SEN STF STJ STM TCD TJD TST (STF DIG)

5. ALMEIDA, Eloisa Machado de. Autonomia e aborto no Supremo


Tribunal Federal. In: PINTO, Roberto Parahyba de Arruda; CAMARANO,
Alessandra; HAZAN, Ellen Mara Ferraz (Coord.). Feminismo,
pluralismo e democracia. São Paulo: LTr, 2018. [1119450] SEN TST

6. ALMEIDA, João Alcides de. O aborto consensual: estudo de direito


penal e de politica criminal. Lisboa: Escola da Cadeia Penitenciaria,
1964. [170867] STJ

7. ALVES, Roque de Brito. Aborto: crime ou direito? Arquivo Forense, v.


74, p. 35-41 1989/1992. [512917] SEN (STF DIG)

8. AMARAL, Carlos Eduardo Rios do. A exclusão do crime de aborto.


Revista Magister de Direito Penal e Processual Penal, v. 8, n. 48, p.
87-89, jun./jul. 2012. [949365] SEN MJU PGR STF STJ STM TJD (STF
DIG)
7

9. AMARAL, Rafael Caiado. O aborto: perspectiva filosófico-constitucional.


Porto Alegre: S.A. Fabris, 2014. [997643] CAM TJD

10. AMATO, Salvatore. La logica coerenza del paradosso di una legge


senza diritto un'interpretazione della legge sull'aborto. Rivista
Internazionale di Filosofia del Diritto, v. 57, n. 2, p. 197-237, apr./giu.
1980. [535719] STF

11. ANDRADE, Andressa Paula de. Autonomia feminina x proteção penal da


vida intrauterina: lineamentos sobre o PLS n. 236/12. Consulex: Revista
Jurídica, v. 19, n. 442, p. 14-15, jun. 2015. [1044346] CAM CLD PGR
SEN STF STJ STM TCD TJD TST

12. ANENCEFALIA: CNTS e o Supremo asseguram dignidade e autonomia


às mulheres. Brasília: Confederação Nacional dos Trabalhadores na
Saúde, 2012. [954063] CAM

13. ANJOS, Karla Ferraz dos. Aborto e saúde pública no Brasil: reflexões
sob a perspectiva dos direitos humanos. Saúde em debate: revista do
Centro Brasileiro de Estudos de Saúde, v. 37, n. 98, p. 504-515, jul./set.
2013. Disponível em:
<http://www.scielo.br/pdf/sdeb/v37n98/a14v37n98.pdf>. Acesso em: 20
jul. 2018. [1006388] SEN

14. ANTONACCI, Andreia Tassiane. O aborto no ordenamento jurídico


brasileiro. Revista dos Tribunais, São Paulo, v. 106, n. 976, p. 273-299,
fev. 2017. [1088082] STF STJ STM TJD TST (STF DIG)

15. AQUINO, Estela M. L. et al. Qualidade da atenção ao aborto no Sistema


Único de Saúde do Nordeste brasileiro: o que dizem as mulheres?
Ciência & Saúde Coletiva, v. 17, n. 7, p. 1765-1776, jul. 2012.
Disponível em:<http://www.scielo.br/pdf/csc/v17n7/15.pdf>. Acesso em:
13 jul. 2018. [1086141]

16. ARAUJO, Dylvan Castro de. Aborto: crime ou um direito?. Revista Ceut
/ Centro de Ensino Unificado de Teresina, v. 1, n. 1, p. 26-38, jan./dez.
2000. [676455] SEN

17. ARDAILLON, Danielle. A insustentável ilicitude do aborto. Revista


Brasileira de Ciências Criminais, v. 6, n. 22, p. 199-230, abr./jun.
1998. Disponível
em:<http://www.abep.org.br/publicacoes/index.php/anais/article/view/105
6/1021>. Acesso em: 20 jul. 2018. [543322] SEN CAM AGU MJU PGR
STF STJ STM TJD (STF DIG)
8

18. AZAMBUJA, Maria Regina Fay de. O aborto sob a perspectiva da


bioética. Revista dos Tribunais, São Paulo, v. 92, n. 807, p. 473-485,
jan. 2003. [662121] SEN CAM AGU CLD MJU PGR STF STJ STM TCD
TJD TST

19. BARBIERO, Louri Geraldo. Da necessidade de nomeação de curador à


lide nos pedidos de alvarás para realização de aborto. Cadernos
Jurídicos /Escola Paulista da Magistratura, v. 3, n. 8, p. 127-130,
mar./abr. 2002. Lex: jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, v. 23,
n. 269, p. 5-9, maio. 2001. Boletim Ibccrim, v. 8, n. 101, p. 4-5, abr.
2001. Disponível em:
<https://api.tjsp.jus.br/Handlers/Handler/FileFetch.ashx?codigo=16707>.
Acesso em: 20 jul. 2018. [593229] SEN CAM AGU PGR STF STJ TJD

20. BARBOSA, Regina Maria et al. Aborto induzido entre mulheres em idade
reprodutiva vivendo e não vivendo com HIV/Aids no Brasil. Ciência &
Saúde Coletiva, v. 14, n. 4, p. 1085-1099, jul./ago. 2009. Disponível em:
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-
81232009000400015>. Acesso em: 18 jul. 2018. [979502] SEN

21. BARBOSA-FOHRMANN, Ana Paula. A dignidade humana no direito


constitucional alemão. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2012. [969342]
TJD

22. BARROSO, Carmen. As Pesquisas sobre o aborto na América Latina e


os estudos de mulher. Revista Brasileira de Estudos de População, v.
6, n. 1, p. 35-60, jan./jun. 1989. Disponível em:
<https://www.rebep.org.br/revista/article/download/564/pdf_538>.
Acesso em 18 jul. [456064 ] CAM SEN (STF DIG)

23. BARROSO, Luís Roberto. A americanização do direito constitucional e


seus paradoxos: teoria e jurisprudência constitucional no mundo
contemporâneo. Interesse Público, v. 12, n. 59, p. 13-55, jan./fev. 2010.
Disponível em
<http://www.egov.ufsc.br/portal/sites/default/files/anexos/33391-42838-1-
PB.pdf>. Acesso em: 20 jul. 2018. [879742] AGU CAM CLD MJU PGR
SEN STF STJ TCD TJD TST (STF DIG)

24. BARROSO, Luís Roberto. A judicialização da vida e o papel do


Supremo Tribunal Federal. Belo Horizonte: Fórum, 2018. [1113689]
SEN STF 341.2 B277 JVP TCD TST

25. BARSTED, Leila de Andrade Linhares. Legalização e descriminalização


do aborto no Brasil: 10 anos de luta feminista. Estudos Feministas, v.
0, n. 0, p. 104-130 1992. Disponível em:
9

<https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/download/15804/14297
>.Acesso em: 20 jul. 2018. [478127] SEN

26. BATES, Jerome e. Criminal abortion: a study in medical sociology.


Springfield, Ill. C. C. Thomas 1964. [65480] CAM

27. BATISTA, Morena Gabriela; Constantinópolos, Severo Pereira. Aborto:


legalização na constatação de anencefalia. Direito em Revista, v. 4, n.
7, p. 143-155, maio 2005. [743432] SEN

28. BATISTA, Nilo. Aborto: a retórica contra a razão. Revista da OAB-RJ, v.


6, n. 12, p. 165-176, jan./abr. 1980. [366605] SEN

29. BELO, Warley Rodrigues. Aborto: considerações jurídicas e aspectos


correlatos. Belo Horizonte: Del Rey, 1999. 160 p. [212583] SEN CAM
MJU STJ TJD STF 341.55621 B452 ABO

30. BEZERRA NETO, Orfileno. O aborto e a defesa da vida. Revista APMP,


v. 1, n. 12, p. 30-33, nov. 1997. [552230] SEN PGR STF STJ TJD

31. BINS, Rejane Maria Dias de Castro. O aborto provocado é constitucional


no Brasil. ADV Advocacia Dinâmica: Seleções Jurídicas, n. 11, p. 1-6,
nov. 2007. Disponível em: <http://www.jornaldaordem.com.br/artigo-
ler/aborto-provocado-e-constitucional-no-brasil--artigo-rejane-maria-dias-
castro-bins/7956>. Acesso em 18 jul. [805836] CAM PGR SEN STF STJ
TJD TST (STF DIG)

32. BIRCHAL, Telma de Souza; FRIAS, Lincoln. Debate sobre o aborto. In:
TORRES, João Carlos Brum (Org.). Manual de ética: questões de
ética teórica e aplicada. Rio de Janeiro: Vozes, 2014, p. 646-664.
[1046075] SEN CAM CLD TST

33. BIROLI, Flávia. Gênero e desigualdades: limites da democracia no


Brasil. São Paulo: Boitempo, 2018. [001119445] SEN

34. BISPO, Ingrid. O aborto e suas multifacetas no estado brasileiro.


Revista CEJ, v. 21, n. 72, p. 54-67, mai./ago. 2017. Disponível em:
<http://www.jf.jus.br/ojs2/index.php/revcej/article/download/2055/2162>.
Acesso em: 20 jul. 2018. [1114511] SEN CLD STF STJ TST

35. BLOCK, Walter. Abortion once again: a response to Feser, Goodwin,


Mosquito, Sadowsky, Vance and Watkins. Revista de Investigações
Constitucionais, v. 4, n. 1, p. 11-41, jan./abr. 2017. Disponível em:
<https://revistas.ufpr.br/rinc/article/view/50328/31673>. Acesso em: 13
jul. 2018. [1096601] (STF DIG)
10

36. BOITEUX, Luciana. A ADPF 442, dignidade das mulheres, democracia e


o STF. Boletim IBCCrim, v. 25, n. 294, p. 5-7, maio 2017. [1097158]
CAM PGR STF STJ TJD

37. BORGES, Vinicius de Castro. Da inconstitucionalidade da autorização


legal para a prática de aborto em caso de estupro. Inconsulex, v. 41,
25/09/ 2008. [833183] STJ

38. BRAGANÇA, Bruna Alves dos Santos. A descriminalização do aborto do


feto anencefálico como garantia aos direitos fundamentais da gestante.
Revista da Ajuris: Doutrina e Jurisprudência, v. 36, n. 113, p. 397-416,
mar. 2009. [849898] CAM MJU PGR SEN STF STJ STM TJD TST (STF
DIG)

39. BRANDALISE, Camila. Quem manda no meu corpo sou eu. Isto é, v.
40, n. 2502, p. 58-63, 29 nov. 2017. Disponível em
<https://istoe.com.br/quem-manda-no-meu-corpo-sou-eu/>. Acesso em:
20 jul. 2018. [1111756] CAM SEN

40. BRUTTI, Roger Spode. Temáticas recentes: nossos filhos e o crime,


pedofilia, busca em veículo, aborto terapêutico, toque de recolher para
crianças e adolescentes, quatro minutos e outros temas. Revista
Síntese de Direito Penal e Processual Penal, v. 13, n. 77, p. 224-233,
dez./jan. 2013. [963962] AGU STF TJD (STF DIG)

41. BUCCI, Daniela. Navegar é preciso, viver não é? A soberania dos


estados e os abortos praticados em alto-mar. In: MENEZES, Wagner.
(Org.). Direito do mar: desafios e perspectivas. Belo Horizonte: Arraes,
2015. [1022386] STJ

42. BUGLIONE, Samantha. O respeito à liberdade das mulheres e a não


discriminação como condições para a realização de democracias
constitucionais: a questão do aborto voluntário. In: LACERDA, Carmem
Miranda Gonçalves de; SANTOS, Sidney Francisco Reis dos (Org.).
Debate interdisciplinar: sobre os direitos humanos das mulheres.
Florianópolis: Insular, 2010. [938297] SEN

43. BUSATO, Paulo César. Tipicidade material, aborto e anencefalia.


Revista dos Tribunais, São Paulo, v. 94, n. 836, p. 379-398, jun. 2005.
[724401] SEN CAM AGU CLD MJU PGR STF STJ STM TCD TJD TST

44. CABANELLAS, Guillermo. El aborto: su problema social, médico y


jurídico. Buenos Aires: Atalaya, 1945. [6409] SEN STF 341.55621 C112
APS
11

45. CABETTE, Eduardo Luiz Santos. A legalização insidiosa do aborto no


PLS n. 236/12: o novo código penal. Consulex: Revista Jurídica, v. 18,
n. 407, p. 43-45, jan. 2014. Disponível em:
<http://conteudojuridico.com.br/index.php?colunas&colunista=371_Eduar
do_Cabette&ver=1742>. Acesso em: 10 jul. 2018. [1001159] SEN CAM
CLD PGR STF STJ STM TCD TJD TST

46. CAMARA, Arruda. Do abôrto necessário: revogação do art. 128 do


Código penal. Archivo Judiciario. Suplemento, v. 92, p. 101-106,
out./dez. 1949. [972470] CAM STF STJ

47. CAMPO, Carmen Hein de; AMORIM, Rovena Furtado; LOYOLA, Júlia
Roberta Teixeira. Aborto: análise crítica do PL 5069/2013. Sistema
penal & violência [recurso eletrônico], v. 8, n. 1, p. 65-76, jan./jun.
2016. Disponível em:
<http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/sistemapenaleviolencia/
article/view/23928/14731>. Acesso em: 10 jul. 2018. [1082271]

48. CAMPOS, Carmen Hein de. A inconstitucionalidade da criminalização do


livre exercício dos direitos sexuais e reprodutivos: observações sobre o
PL 478/2007. Boletim Ibccrim, v. 15, n. 184, p. 4-5, mar. 2008. [823255]
CAM PGR STF TJD

49. CAMPOS, João Pedroso de. Aborto não é crime. Veja, v. 49, n. 49, p.
96, 7 dez. 2016. [1081359] CAM CLD SEN TJD

50. CARLOS, Paula Pinhal de. Aspectos jurídicos do abortamento


decorrente de anencefalia fetal: vazio normativo e intervenção do poder
judiciário. In: LACERDA, Carmem Miranda Gonçalves de; SANTOS,
Sidney Francisco Reis dos (Org.). Debate interdisciplinar: sobre os
direitos humanos das mulheres. Florianópolis: Insular, 2010. [938297]
SEN

51. CARLUCCI, Aída Kemelmajer de. ¿Pasa el test de convencionalidad el


art. 85.2 del Código penal argentino que sanciona la interrupción del
embarazo aún si la mujer lo decide voluntariamente em los tres primeros
meses de gestación? (Una sentencia brasileña con visión de género).
Publicum [recurso eletrônico], v. 4, n. 1, p. 1-59 2017. Disponível em:
<http://www.e-
publicacoes.uerj.br/index.php/publicum/article/view/29961/23666>.
Acesso em: 10 jul. 2018. [1107364]

52. CARNEIRO, Alaim de Almeida. Do Aborto em face do novo código


penal. Revista Forense, v. 39, n. 89, p. 292-295, jan./mar. 1942.
[374863] AGU CAM MJU SEN STF STJ STM TST
12

53. CARVALHO, Gisele Mendes de. Proteção penal dos direitos da


personalidade do concebido: sobre os delitos de aborto culposo e lesões
ao feto. CARDIN, Valéria Silva Galdino (Coord.). In: Novos rumos dos
direitos especiais da personalidade e seus aspectos
controvertidos. Curitiba: Juruá, 2013. p. 97-131. [970675] STF 342.115
N945 NRD TJD

54. CARVALHO, Paulo de Barros (Coord.). Inviolabilidade do direito à


vida. São Paulo: Noeses, 2013. [991974] SEN

55. CERNICCHIARO, Luiz Vicente. Aborto. Direito & justiça, n. 13202, p. 1,


12 jul. 1999. [586714] SEN STJ TST

56. CERNICCHIARO, Luiz Vicente. Interrupção da gravidez e o anteprojeto


de reforma do Código penal. Consulex: Revista Jurídica, v. 8, n. 174, p.
27, abr. 2004. Disponível em:
<https://bdjur.stj.jus.br/jspui/bitstream/2011/116074/interrupcao_gravidez
_cernicchiaro.pdf>. Acesso em: 10 jul. 2018. [691271] SEN CAM CLD
PGR STF STJ STM TCD TJD TST

57. COOK, Rebecca J.; ERDMAN, Joanna N.; DICKENS, Bernard M. (Ed.).
El aborto en el derecho transnacional: casos y controvérsias. México:
Fondo de Cultura Económica: Centro de Investigación y Docencia
Económicas, 2016. 506 p. [1083744] STF 341.55621 A154 ADT

58. CORRÊA, Adriana Espíndola. Proteção da vida intrauterina e a


autonomia reprodutiva das mulheres: paradoxos do debate sobre a
constitucionalidade do aborto. In: Direito constitucional brasileiro. São
Paulo: Revista dos Tribunais, 2014, v. 1, p. 528-556. [1017841] CAM
CLD SEN STF 341.2 D598 DRC STJ TCD TJD TST (STF DIG)

59. CORRÊA, Elídia Aparecida de Andrade; CONRADO, Gilberto Giacoia e


Marcelo (Coord.). Biodireito e dignidade da pessoa humana: diálogo
entre a ciência e o direito. Curitiba: Juruá, 2008. [825683] SEN

60. CORRÊA, Marilena Cordeiro Dias Villela; MASTRELLA, Miryam. Aborto


e misoprostol: usos médicos, práticas de saúde e controvérsia científica.
Ciência & Saúde Coletiva [recurso eletrônico], v. 17, n. 7, p. 1777-
1784, jul. 2012. Disponível em:
<http://www.scielo.br/pdf/csc/v17n7/16.pdf>. Acesso em: 13 jul. 2018.
[1086227]

61. COSTA, Álvaro Mayrink da. Interrupção da gravidez: uma questão de


direitos humanos = Termination of pregnancy: a human rights issue.
Revista forense, v. 106, n. 408, p. 3-22, mar./abr. 2010; Revista da
13

EMERJ, v. 13, n. 50, p. 191-219 2010. Disponível em:


<https://bdjur.stj.jus.br/jspui/bitstream/2011/54235/interrupcao_gravidez_
questao_costa.pdf>. Acesso em: 02 ago. 2018. [887803] AGU PGR SEN
STF STJ TCD TJD TST (STF DIG)

62. COSTA, Álvaro Mayrink da. Interrupção da gravidez: uma questão de


direitos humanos. Justiça & Cidadania, n. 158, p. 26-29, out. 2013.
Revista Forense, v. 106, n. 408, p. 3-22, mar./abr. 2010. Revista da
EMERJ, v. 13, n. 50, p. 191-219 2010. Disponível em:
<https://www.uniceub.br/media/907239/Interrup%C3%A7%C3%A3o_da_
gravidez___uma_quest%C3%A3o_de_direitos_humanos.pdf>. Acesso
em: 13 jul. 2018. [986041] SEN CAM AGU PGR MJU STF STJ TCD TJD
TST (STF DIG)

63. COUTINHO, Luiz Augusto. Aborto em casos de anencefalia: crime ou


inexigibilidade de conduta diversa. Revista Magister de Direito Penal e
Processual Penal, v. 1, n. 4, p. 62-76, fev./mar. 2005. Disponível em:
<https://jus.com.br/imprimir/6423/aborto-em-casos-de-anencefalia>.
Acesso em: 13 jul. 2018. [765568] SEN MJU PGR STF STJ TJD (STF
DIG)

64. CRIMINALIZAÇÃO dos movimentos sociais: obstáculos para efetivação


de direitos. Fêmea, v. 10, n. 160, p. 6-7, abr.-jun. 2009. Disponível em
<http://www.cfemea.org.br/index.php/colecao-femea-e-
publicacoes/colecao-femea/144-numero-160-abrilmaiojunho-de-
2009/1317-criminalizacao-dos-movimentos-sociais-obstaculo-para-
efetivacao-de-direitos>. Acesso em: 20 jul. 2018. [850140] CAM CLD
SEN

65. CRUZ, Luiz Carlos Lodi da. Aborto na rede hospitalar pública: o
Estado financiando o crime. Anápolis: Múltipla, 2007. [784800] PGR
SEN STJ

66. CUELLAR, Karla Ingrid Pinto. O princípio constitucional da dignidade


humana, princípio da proporcionalidade e o aborto. Revista IOB de
Direito Penal e Processual Penal, v. 7, n. 37, p. 59-63, abr./maio 2006.
Disponível em: <http://egov.ufsc.br/portal/conteudo/o-princ%C3%ADpio-
constitucional-da-dignidade-humana-princ%C3%ADpio-da-
proporcionalidade-e-o-aborto>. Acesso em: 13 jul. 2018. [774385] CAM
AGU MJU PGR STF STJ TJD (STF DIG).

67. CUELLO CALÓN, Eugenio. Tres temas penales: el aborto criminal, el


problema penal de la eutanasia, el aspecto penal de la fecundación
artificial. Barcelona: Bosch, 1955. [24426] CAM MJU SEN STF 341.5561
C965 TTP STJ
14

68. DAHL, Tove Stang. Abortion and legal policy. Contemporary crises :
Crime, Law, Social Policy, v. 10, n. 4, p. 87 1986. [429814] CAM SEN
STF STJ

69. DALBORA, José Luis Guzmán. El aborto: delito arcaico, punibilidad


regresiva y explotación social. In: LUÍS GRECO, Antonio Martins. Direito
penal como crítica da pena: estudos em homenagem a Juarez
Tavares por seu 70º aniversário em 2 de setembro de 2012. São
Paulo: Marcial Pons, 2012. [952768] SEN STF 341.5 D598 DRP STJ
TJD

70. DANTAS, Paulo Roberto de Figueiredo. O direito à vida no direito


brasileiro atual. Repertório IOB de Jurisprudência: Civil, Processual,
Penal e Comercial, n. 4, p. 138-132, 2. quinz. fev. 2006. [754424] CAM
SEN PGR STF STJ TJD TST

71. DE ZORDO, Silvia. Representações e experiências sobre aborto legal e


ilegal dos ginecologistas-obstetras trabalhando em dois hospitais
maternidade de Salvador da Bahia. Ciência & Saúde Coletiva [recurso
eletrônico], v. 17, n. 7, p. 1745-1754, jul. 2012. Disponível em:
<http://www.scielo.br/pdf/csc/v17n7/13.pdf>. Acesso em: 13 jul. 2018.
[1086138]

72. DHAVERNAS, Odile. Entrave a l'interruption volontaire de grossesse:


esquisse d'un bilan. Revue de Science Criminelle et de Droit Penal
Comparé, n. 4, p. 821-825, oct./dec. 1997. [549506] SEN CAM STJ

73. DIAS, Jorge de Figueiredo. A interrupção voluntária da gravidez: uma


consideração jurídico-penal. Revista Brasileira de Ciências Criminais,
v. 18, n. 86, p. 148-169, set./out. 2010. [896797] SEN CAM MJU PGR
STF STJ STM TJD (STF DIG)

74. DIAS, Maria Berenice. Aborto é crime? Doutrina Adcoas, n. 17, p. 320-
321, 1. quinz. set. 2005. [741297] CAM SEN STF STJ TJD

75. DIAS, Maria Berenice. Direito fundamental ao aborto. ADV Advocacia


Dinâmica: informativo semanal, v. 28, n. 6, p. 91, 8 fev. 2008. Revista
Magister de Direito Penal e Processual Penal, v. 2, n. 11, p. 20-21,
abr./maio 2006. Disponível em:
<http://www.mariaberenice.com.br/manager/arq/(cod2_484)9_direito_fun
damental_ao_aborto.pdf>. Acesso em: 13 jul. 2018. [810110] SEN CAM
MJU PGR STF STJ TJD

76. DINIZ, Debora. Itinerários e métodos do aborto ilegal em cinco capitais


brasileiras. Ciência & Saúde Coletiva [recurso eletrônico], v. 17, n. 7,
15

p. 1671-1688, jul. 2012. Disponível em:


<http://www.scielo.br/pdf/csc/v17n7/02.pdf>. Acesso em: 13 jul. 2018.

77. DINIZ, Débora. O Brasil deve descriminalizar o aborto? Época, n. 988,


p. 82-85, 29 maio 2017. Disponível em:
<https://epoca.globo.com/brasil/noticia/2017/05/o-brasil-deve-
descriminalizar-o-aborto.html>. Acesso em: 20 jul. 2018. [1096349] CAM
MJU SEN TJD

78. DINIZ, Débora. Quando a justiça tortura as mulheres. Direito & Justiça,
n. 14953, p. 1, 26 abr. 2004. [691626] SEN STM TST

79. DINIZ, Debora; RIBEIRO, Diaulas Costa. Aborto por anomalia fetal.
Brasília: Letras Livres, 2004. 149 p. [698502] SEN PGR TJD STJ STF
341.55621 A154 AAF 1.REIMPR.

80. DINIZ, Geilza Fátima Cavalcanti. Os domínios recalcitrantes do direito


internacional: diversidade moral e religiosa no direito penal como óbice
ao direito comum: o caso do aborto do feto anencéfalo. Direitos
Fundamentais e Justiça, v. 5, n. 16, p. 95-135, jul./set. 2011.
Disponível em:
<https://www.publicacoesacademicas.uniceub.br/rdi/article/download/21
25/pdf_1>. Acesso em: 13 jul. 2018. [936351] SEN STF TJD TST (STF
DIG)

81. DURÁN, Manuel Carrasco. Aborto, eutanásia, recusa a tratamento


médico e reprodução assistida: interpretação constitucional e biodireito.
Jurisprudência Catarinense, v. 32, n. 114, p. 31-64 2007/2008.
Disponível em:
<https://bdjur.stj.jus.br/jspui/bitstream/2011/92107/aborto_eutanasia_rec
usa_duran.pdf>. Acesso em 18 jul. [835607] STF STJ (STF DIG)

82. D'URSO, Luiz Flávio Borges. A propósito do aborto na reforma do código


penal. Revista do Conselho Nacional de Política Criminal e
Penitenciária, v. 1, n. 10, p. 117-120, jul./dez. 1997. Revista do
Instituto de Pesquisas e Estudos, n. 25, p. 339-343, abr./jul. 1999.
Disponível em: <https://core.ac.uk/download/pdf/79071416.pdf>. Acesso
em: 13 jul. 2018. [792015] SEN CAM MJU PGR STF STJ TJD TST

83. DUTRA, Eneida Vinhaes; FLEISCHER, Soraya. Como parlamentares


pensam os direitos das mulheres? : pesquisa na legislatura 2007-
2010 do Congresso Nacional. Brasília : Centro Feminista de Estudos e
Assessoria, 2009. Disponível em
<http://www.bibliotecadigital.abong.org.br/bitstream/handle/11465/268/C
16

FEMEA_como_parlamentares_pensam_direitos_mulheres.pdf?sequenc
e=1&isAllowed=y>. Acesso em: 20 jul. 2018. [864727] CAM SEN

84. EL TASSE, Adel. Aborto de feto com anencefalia: ausência de crime por
atipicidade. Revista Jurídica, São Paulo, v. 52, n. 322, p. 101-112, ago.
2004. Revista Síntese de Direito Penal e Processual Penal, v. 5, n.
27, p. 28-41, ago./set. 2004. [708037] SEN CAM AGU CLD MJU PGR
STF STJ STM TCD TJD TST (STF DIG)

85. EMMERICK, Rulian. Aborto (des)criminalização, direitos humanos,


democracia. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2008. 223 p. [822554] SEN
CAM PGR STJ

86. FACHINELLI, Guilherme Berto Nascimento. O aborto anencefálico e a


tutela da dignidade humana na Constituição de 1988. Unijus: revista
jurídica, v. 9, n. 10, p. 153-160, maio 2006. Disponível em:
<http://www.revistas.uniube.br/index.php/unijus/article/download/1034/12
09>. Acesso em: 13 jul. 2018. [805986] SEN TJD

87. FARAH, Elias. Considerações sobre o aborto: o conflituoso enfoque


penal e ético: questão relevante de saúde pública. Revista de Direito
de Família e das sucessões: RDFAS, v. 2, n. 4, p. 53-85, abr./jun.
2015. [1086373] STJ

88. FAÚNDES, Aníbal. O aborto deve ser descriminalizado? Folha de S.


Paulo, n. 27877, 30 jul. 2005. Tendências / debates, p. A3. Disponível
em: <https://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/fz3007200508.htm>.
Acesso em: 20 jul. 2018. [1080026] SEN

89. FAUNDES, Anibal. Uma Legislação menos burocratica para o aborto.


Fêmea, v. 6, n. 70, p. 3, nov. 1998. [546648] SEN CAM CLD

90. FAYET, Fabio Agnet. O (des)cabimento dos discursos religiosos no


Estado laico : a problemática da anencefalia sob a óptica da dignidade
da mulher. Revista de Estudos Criminais, v. 17, n. 69, p. 51-71,
abr./jun. 2018. Disponível em
<http://www.bdr.sintese.com/AnexosPDF/SRC_69_miolo.pdf>. Acesso
em: 20 jul. 2018. [1126757] AGU CAM SEN STJ

91. FEGHALI, Jandira. Pelo direito à opção. Teoria e debate, v. 20, n. 71, p.
18-19, maio/jun. 2007. Disponível em
<https://teoriaedebate.org.br/2007/06/02/pelo-direito-a-opcao> Acesso
em: 20 jul. 2018. [789888] CAM SEN
17

92. FELIPPE, Kenarik Boujikian. Descriminalizar o aborto. Folha de S.


Paulo, n. 28502, p. A3, 16 abr. 2007. Disponível em: <
https://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/fz1604200708.htm >. Acesso
em: 20 jul. 2018. [862311] SEN

93. FERNANDES, Paulo Sérgio Leite. Aborto e infanticídio. São Paulo:


Sugestões Literárias, 1972. [15473] CAM SEN STF 341.55621 F363 AID

94. FERNANDES, Paulo Sérgio Leite. Aborto e infanticídio: doutrina,


legislação, jurisprudência e prática. 3. ed. Belo Horizonte: Nova
Alvorada, 1996. 182 p. [175236] STF 341.55621 F363 AID 3.ED.

95. FERREIRA, Éder. Eqüidade, razão pública e o direito ao aborto no


Brasil. Unijus: revista jurídica, v. 11, n. 14, p. 217-230, maio 2008.
[852136] SEN TJD

96. FERREIRA, Ivette Senise. A Politica criminal e a descriminalização.


Revista do Instituto dos Advogados Brasileiros, v. 7, n. 29, p. 195-
202 1973. [347164] CAM SEN STF STJ

97. FIRMO, Osvaldo Oliveira Araújo. O aborto em mulher doente mental.


Revista do Curso de Direito da Univale, v. 1, n. 2, p. 121-139, jul./dez.
1998. [548019] SEN

98. FIÚZA, Philipe Silveira Dias. A mulher sujeito ativo do crime de estupro e
as consequências do resultado gravidez. Consulex: Revista Jurídica, v.
19, n. 451, p. 32-35, nov. 2015. [1068655] CLD

99. FONTELES, Cláudio Lemos. Aborto: feto portador de anencefalia.


Consulex: Revista Jurídica, v. 8, n. 184, p. 46-49, set. 2004. [710805]
SEN CAM CLD PGR STF STJ STM TCD TJD TST (STF DIG)

100. FONTELES, Cláudio Lemos. O direito à vida e os casos de


anencefalia. Revista Brasileira de Ciências Criminais, v. 12, n. 51, p.
344-353, nov./dez. 2004. [721638] SEN CAM MJU PGR STF STJ STM
TJD

101. FONTELES, Cláudio Lemos. Sedução: adultério; bigamia e aborto


devem ser descriminalizados? Enfoque Jurídico, n. 14, p. 2-4, mar./abr.
1999. [552689] SEN STJ

102. FRANCO, Alberto Silva. Aborto: um tema recorrente. In:


PEDRINHA, Roberta Duboc; FERNANDES, Márcia Adriana (Org.).
Escritos transdisciplinares de criminologia, direito e processo
penal: homenagem aos mestres Vera Malaguti e Nilo Batista. Rio de
18

Janeiro: Revan, 2014, p. 49-60. [1019004] SEN STJ TJD STF 341.5
C929 CDP (STF DIG)

103. FRANCO, Alberto Silva. Um bom começo. Boletim Ibccrim, v.


12, n. 143, p. 2, out. 2004. [738919] CAM PGR STF STJ TJD

104. FREIRE, Gleuton Brito. Aborto de anencéfalo: decisão jurídica ou


cristã?. Boletim Ibccrim, v. 12, n. 149, p. 10-11, abr. 2005. [732192]
PGR STF STJ TJD

105. FREITAS, André Guilherme Tavares de. Tutela penal do direito


à vida. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2009. [851308] CAM SEN STJ TST

106. FRIEDE, Roy Reis. Contradições da criminalização do aborto.


Direito & Justiça, n. 20025, p. 1, 19 mar. 2018. [1122145] SEN STM
TST

107. FURTADO, Jonas. Duas mil mulheres no banco dos réus. Isto é,
v. 31, n. 2020, p. 70-72, 23 jul. 2008. Disponível em
<https://istoe.com.br/11268_DUAS+MIL+MULHERES+NO+BANCO+DO
S+REUS/>. Acesso em: 20 jul. 2018. [821401] CAM SEN TJD

108. GALLARDO GARCÍA, Manuel. Aborto, uma questão social


além da controvérsia. Brasília: Supremo Tribunal Federal, 2016.
Disponível em:
<http://www.stf.jus.br/bibliotecadigital/ProgramaTeixeiraFreitas/1080456/
pdf/1080456.pdf>. Acesso em: 10 jul. 2018. [1080456]

109. GALLI, Beatriz et al. Direito à reprodução e à sexualidade : uma


questão de ética e justiça. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2010. [866995]
CAM SEN STF 342.1152 D598 DRS STJ TJD

110. GALLI, Beatriz. A ilegalidade do aborto, a criminalização e a


violência contra as mulheres. Fêmea, v. 13, n. 165, p. 8, abr./jun. 2010.
Disponível em: <http://www.cfemea.org.br/index.php/colecao-femea-e-
publicacoes/colecao-femea/207-numero-165-abrilmaiojunho-de-
2010/2806-a-ilegalidade-do-aborto-a-criminalizacao-e-a-violencia-contra-
as-mulheres>. Acesso em: [887130] SEN CAM CLD

111. GALLI, Beatriz. Juridicização versus autonomia sexual e


reprodutiva: efeitos da criminalização do aborto para os direitos
humanos das mulheres. In: ASENSI, Felipe Dutra; MUTIZ, Paula Lucia
ARÉVALO; Pinheiro, Roseni (Coord.). Direito e saúde: enfoques
interdisciplinares. Curitiba: Juruá, 2013. p. 379-388. [987742] CAM STM
TJD STF 341.272 D598 DSE
19

112. GAMA, Guilherme Calmon Nogueira da. Direito penal e bioética: o


aborto e os embriões congelados e descartados. Revista de julgados
do Tribunal de Alçada Criminal do Estado de São Paulo, n. 57, p. 13-
24, maio/jun. 2002. [645675] SEN PGR STJ TJD

113. GARCIA MARIN, Jose Maria. El aborto criminal en la


legislacion y la doctrina / pasado y presente. Madrid: Ed. de Derecho
Reunidas, 1980. [57237] CAM SEN

114. GARCIA, Maria. A Inviolabilidade constitucional do direito á vida: a


questão do aborto, necessidades de sua descriminalização: a justiça
restaurativa. Revista de Direito Constitucional e Internacional, v. 16,
n. 65, p. 192-201, out./dez. 2008. [840305] CAM CLD MJU PGR SEN
STF STJ TJD TST

115. Garcia, Maria. A Inviolabilidade constitucional do direito à vida, a


questão do aborto, necessidades de sua descriminalização, medidas de
consenso. Cadernos de Direito Constitucional e Ciência Política, v.
6, n. 24, p. 73-83, jul./set. 1998. [545269] AGU CAM CLD PGR SEN STF
STJ

116. GARCIA, Maria. O aborto e a condição feminina: nem legalização


nem criminalização. Educação e apoio social: o Estatuto da Mulher.
In:______, Juliane Cavarieri Gamba; MONTAL, Zélia Cardoso (Coord.).
Biodireito constitucional: questões atuais. Rio de Janeiro: Campus,
2010. p. 415 - 430. [866307] CAM STJ TCD

117. GARCIA, Maria. Os sentidos da liberdade: aborto, uma decisão


igualitária perante a lei. Revista de Direito Constitucional e
Internacional, v. 26, n. 106, p. 49-61, mar./abr. 2018. [1121160] PGR
STJ TJD

118. GHERARDI, Carlos. Anencefalia e interrupción del embarazo:


análisis médico y bioético de los fallos judiciales a propósito de un caso
reciente. Revista Brasileira de Ciências Criminais, v. 13, n. 52, p. 53-
70, jan./fev. 2005. [725953] SEN CAM AGU MJU PGR STF STJ STM
TJD (STF DIG)

119. GIACOMOLLI, Nereu José. Autorização judicial para interrupção


da gravidez: aborto eugênico, necessário e sentimental. Revista dos
Tribunais, São Paulo, v. 90, n. 794, p. 486-494, dez. 2001. Revista da
Ajuris: doutrina e jurisprudência, v. 27, n. 84 t.1, p. 262-272, dez. 2001.
[621716] SEN CAM AGU CLD MJU PGR STF STJ STM TCD TJD TST
20

120. GIMÉNEZ MERINO, Antonio. Una lectura laica de la discusión


sobre la interrupción voluntaria del embarazo en Brasil. Revista da
Emerj, v. 17, n. 64, p. 22-35, jan./abr. 2014. Disponível em:
<http://www.emerj.tjrj.jus.br/revistaemerj_online/edicoes/revista64/revista
64.pdf>. Acesso em: 11 jul. 2018. [1004381] (STF DIG)

121. GIORGIS, José Carlos Teixeira. Nota sobre o aborto. ADV


advocacia dinâmica: informativo semanal, v. 25, n. 20, p. 325-324, 20
maio 2005. [733962] SEN CAM PGR STF STJ

122. GOMES, Luiz Flávio. Aborto anencefálico e imputação objetiva:


exclusão da tipicidade (II). Revista Síntese de Direito Penal e
Processual Penal, v. 6, n. 33, p. 5-6, ago./set. 2005. Disponível em:
<https://www.tribunapr.com.br/noticias/aborto-anencefalico-e-imputacao-
objetiva-exclusao-da-tipicidade-ii/>. Acesso em: 11 jul. 2018. [740514]
SEN MJU PGR STF STJ TJD

123. GOMES, Luiz Flávio. Aborto anencefálico e imputação objetiva:


exclusão da tipicidade (I). Revista Síntese de Direito Penal e
Processual Penal, v. 6, n. 32, p. 70-71, jun./jul. 2005. Revista Magister
de Direito Penal e Processual Penal, v. 1, n. 6, p. 73-76, jun./jul. 2005.
Disponível em: <https://www.tribunapr.com.br/noticias/aborto-
anencefalico-e-imputacao-objetiva-exclusao-da-tipicidade-i/>. Acesso
em: 11 jul. 2018. [735798] SEN MJU PGR STF STJ TJD

124. GOMES, Luiz Flávio. Aborto anencefálico: direito não é religião.


Repertório IOB de Jurisprudência: civil, processual, penal e comercial,
n. 19, p. 633-632, 1º quinz. out. 2008. Revista IOB de Direito Penal e
Processual Penal, v. 9, n. 54, p. 7-9, fev./mar. 2009. Disponível em:
<http://www.migalhas.com.br/dePeso/16,MI69737,91041-
Aborto+Anencefalico+direito+nao+e+religiao>. Acesso em: 11 jul. 2018.
[831198] SEN CAM PGR STF STJ TJD TST

125. GOMES, Luiz Flávio. Aborto anencefálico: exclusão da tipicidade


material(I). Informativo Jurídico Consulex, v. 20, n. 46, p. 9-10, 20
nov. 2006. Doutrina Gazeta Juris, n. 16, p. 282-283, 2. quinz. ago.
2006. Disponível em:
<https://lfg.jusbrasil.com.br/noticias/1728373/aborto-anencefalico-
exclusao-da-tipicidade-material>. Acesso em: 11 jul. 2018. [775109]
SEN CAM CLD STF STJ TJD TST

126. GOMES, Luiz Flávio. Aborto anencefálico: exclusão da tipicidade


material(II). Informativo Jurídico Consulex, v. 20, n. 47, p. 7, 27 nov.
2006. [777734] SEN CAM CLD STF STJ
21

127. GOMES, Luiz Flávio. Nem todo aborto é criminoso. Consulex:


Revista Jurídica, v. 8, n. 191, p. 36-37, dez. 2004. Revista Síntese de
Direito Penal e Processual Penal, v. 5, n. 28, p. 35-36, out./nov. 2004.
Disponível em: <http://www.egov.ufsc.br/portal/conteudo/nem-todo-
aborto-%C3%A9-criminoso>. Acesso em: 11 jul. 2018. [725765] SEN
CAM CLD MJU PGR STF STJ STM TCD TJD TST

128. GOMES, Luiz Flávio. Teoria da imputação objetiva e aborto


anencefálico: atipicidade material do fato. Consulex: Revista Jurídica, v.
9, n. 202, p. 40-44, jun. 2005. [747090] SEN CAM CLD PGR STF STM
TCD TJD TST

129. GONÇALVES, Luiz Carlos dos Santos. Mandados expressos de


criminalização e a proteção de direitos fundamentais na
Constituição brasileira de 1988. Belo Horizonte: Fórum, 2007. 327 p.
[810363] CAM PGR STF 341.272 G635 MEC STJ STJ

130. GUEDES, Maria Eunice Figueiredo. As mulheres paraenses e o


aborto legal. Fêmea, v. 6, n. 52, p. 8, maio 1997. [524021] CAM CLD
SEN

131. GUERRERO, Rossina. A luta pelos direitos reprodutivos das


mulheres: o exemplo do Peru. Fêmea, v. 10, n. 158, p. 4-5, dez. 2008.
Disponível em: <http://www.cfemea.org.br/index.php/colecao-femea-e-
publicacoes/colecao-femea/142-numero-158-dezembro-de-2008-
especial/1289-a-luta-pelos-direitos-reprodutivos-das-mulheres-o-
exemplo-do-peru>. Acesso em: 20 jul. 2018. [839149] CLD SEN

132. HAEBERLIN, Mártin. Se Dworkin fosse ministro do STF, como ele


julgaria a descriminalização do aborto?: um antigo debate sobre direitos
não enumerados e como ele pode nos ajudar. Direitos Fundamentais e
Justiça, v. 11, n. 37, p. 273-302, jul./dez. 2017. [1125821] TST (STF
DIG)

133. HEBMULLER, Marjorie Garlow. Gestações subsequentes em


mulheres que tiveram sífilis na gestação. Ciência & Saúde Coletiva, v.
20, n. 9, p. 2867-2878, set. 2015. Disponível em:
<http://www.scielo.br/pdf/csc/v20n9/1413-8123-csc-20-09-2867.pdf>.
Acesso em: 13 jul. 2018. [1060817]

134. HENRIQUES, Marco R. Crimes contra a vida intrauterina uma


visão consolidada do ordenamento jurídico-penal português. Revista
Jurídica Unigran, v. 17, n. 34, p. 155-182, jul./dez. 2015. Disponível em
<https://www.unigran.br/revista_juridica/ed_anteriores/34/artigos/artigo0
9.pdf>. Acesso em: 20 jul. 2018. [1066871] SEN
22

135. HOPPE, Francisco Osvaldo Martins. Um estudo comparativo


sobre o tratamento dispensado pelo legislador penal no caso do aborto
sentimental, a valoração e capacidade do consentimento com a
disponibilidade da vida no estudo da eutanásia. Revista dos Tribunais,
São Paulo, v. 96, n. 858, p. 465-480, abr. 2007. [787435] SEN CAM
AGU CLD MJU PGR STF STJ STM TCD TJD TST

136. HOROVITZ, Dafne Dain Gandelman. Lei do aborto ignora


gestações inviáveis. Ciência hoje, v. 23, n. 133, p. 60-61, nov. 1997.
[553190] SEN

137. HUERTA TOCILDO, Susana. Aborto con resultado de muerte o


lesiones graves. Madrid: Universidad Complutense, 1977. [25664 ] SEN
TJD

138. IBAIXE JR., João. Aborto não é crime no ordenamento jurídico.


Consulex: Revista Jurídica, v. 10, n. 234, p. 66, out. 2006. [782308]
CAM CLD MJU PGR SEN STF STJ STM TCD TJD TST

139. JOSILCO, Daniel José de. Aborto x bioética. Revista Jurídica


Unigran, v. 2, n. 4, p. 137-147, jul./dez. 2000. Disponível em:
<http://egov.ufsc.br/portal/sites/default/files/anexos/32302-38691-1-
PB.pdf>. Acesso em: 11 jul. 2018. [777127] SEN

140. JOURDAN, Maria Leonor B. O crime de aborto no direito


positivo moderno. Rio de Janeiro: s. ed., 1978. [594754] STM

141. KARAM, Maria Lucia. Proibições, crenças e liberdade: o direito


à vida, a eutanásia e o aborto. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2009.
[833503] SEN CAM TCD TJD STF 341.272 K18 PCL

142. KOHL, Alphonse. Analyse des dispositions relatives a l'interruption


de grossesse contenues dans la quinzieme loi de reforme du code penal
allemand (loi du 18 mai 1976). Revue de Droit Penal et de
Criminologie, v. 57, n. 7, p. 551-557, avr. 1977. [376968] SEN

143. KOZAK, Carmen. Carta deixa aborto para lei e facilita divorcio
codigo penal em vigor proíbe. Jornal de Brasília, n. 4733, p. 3, 27 maio
1988. Disponível em:
<http://www2.senado.leg.br/bdsf/handle/id/106824>. Acesso em: 10 jul.
2018. [278848] SEN

144. KRAUSE, Paul Medeiros. Aborto : um crime contra toda a


humanidade. Consulex: Revista Jurídica, v. 13, n. 293, p. 24-26, mar.
23

2009. [847772] CAM CLD MJU PGR SEN STF STJ STM TCD TJD TST
(STF DIG)

145. LANDROVE DIAZ, Gerardo. Politica criminal del aborto.


Barcelona: Bosch, 1976. [19894] SEN

146. LAURENZO COPELLO, Patricia. El aborto no punible el art. 417


bis del codigo penal. Bosch: Barcelona, 1990. 356 p. [139131] SEN

147. LIMA, André Estefam Araújo et. al. O aborto sentimental e a


interrupção da gravidez da autora do crime de estupro. Consulex:
Revista Jurídica, v. 15, n. 341, p. 60-63, abr. 2011. [908561] CAM CLD
PGR SEN STF STJ TCD TJD TST

148. LIMA, Carolina Alves de Souza. Aborto e anencefalia: direitos


fundamentais em colisão. 2. ed., rev. e atual. Curitiba: Juruá, 2015.
[1022104] SEN STJ TJD STF 341.55621 L732 AAD 2.ED.

149. LIMA, Marina Torres Costa. Aborto e legalização: uma necessária


reflexão sobre o árduo caminho até a garantia da dignidade sexual e
reprodutiva da mulher. Ciência Jurídica, v. 27, n. 169, p. 247-256,
jan./fev. 2013. Disponível em: <https://jus.com.br/artigos/23776/aborto-e-
legalizacao>. Acesso em: 11 jul. 2018. [1013137] SEN STF STM TJD
(STF DIG)

150. LINHARES, Leila. Movimento feminista e a descriminalização do


aborto. Estudos Feministas, v. 5, n. 2, p. 397-402, jul./dez. 1997.
Disponível em:
<https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/download/12157/11427>.
Acesso em: 20 jul. 2018. [1094146] CAM SEN

151. LUZ, Aujor Avila da. Do Aborto criminoso e das práticas abortivas.
Revista Jurídica, Porto Alegre, v. 1, n. 4, p. 26-34, jul./ago. 1953.
[372446] CAM MJU SEN STF STJ

152. MACEDO, Marcos Jorge Ferreira. A anencefalia e o crime de


aborto - exclusão de ilicitude via autorização judicial: uma real
possibilidade no Brasil. Novos Estudos Jurídicos, v. 10, n. 2, p. 553-
575, jul./dez. 2005. Disponível em:
<https://siaiap32.univali.br/seer/index.php/nej/article/download/412/355>.
Acesso em: 11 jul. 2018. [762471] SEN CAM

153. MAGALHÃES, Breno Baía. O próximo degrau: o direito à vida na


jurisprudência do STF e a criminalização do aborto. In: ANJOS FILHO,
Robério Nunes dos (Org.). STF e direitos fundamentais: diálogos
24

contemporâneos. Salvador: JusPODIVM, 2013, p. 105-138. [993460]


SEN TJD TST STF 341.272 S959 SDF

154. MAGALHÃES, Osmar Patti. Breves considerações sobre o aborto.


Revista Jurídica da Universidade de Franca, v. 8, n. 14, p. 253-263,
jan./jun. 2005. [751611] SEM MJU STF STJ TJD (STF DIG)

155. MAÍRA CARDOSO, Zapater. Esse corpo tem dono?: o direito das
mulheres à autonomia sobre o próprio corpo. In: Direito à diversidade.
São Paulo: Atlas, 2015, p. 176-190. [1040408] CAM PGR SEN STF
341.2722 D598 DDI STJ TJD TST

156. MAMMANA, Caetano Zamitti. Condições juridicas essenciais do


abortamento criminoso. Revista dos Tribunais, São Paulo, v. 47, n.
270, p. 34-60, abr. 1958. [369360] AGU CAM MJU PGR SEN STF STM
TCD

157. MAMMANA, Caetano Zamitti. O Aborto ante o direito, a


medicina, a moral e a religião. São Paulo: Letras, 1969. [13845] SEN
STF 341.55621 M265 AAD

158. MANIFESTO das mulheres propostas de alteração do código


penal brasileiro. Estudos Feministas, v. 1, n. 1, p. 159-161 1993.
[478033] SEN

159. MANIR, Mônica. O procedimento: como Rebeca Mendes se


tornou um símbolo da luta pela descriminalização do aborto. Piauí, v. 12,
n. 141, p. 34-39, jun. 2018. [1125338] CAM SEN TJD

160. MARCÃO, Renato. O aborto no anteprojeto de Código Penal.


Revista dos Tribunais, São Paulo, v. 87, n. 758, p. 429-434, dez. 1998.
Ciência Jurídica, v. 19, n. 125, p. 375-382, set./out. 2005. Revista
Magister de Direito Penal e Processual Penal, v. 2, n. 8, p. 80-87,
out./nov. 2005. Disponível em:
<https://www.direitonet.com.br/artigos/exibir/631/O-aborto-no-
Anteprojeto-de-Codigo-Penal>. Acesso em: 11 jul. 2018. [551216] SEN
CAM AGU CLD MJU PGR STF STJ STM TCD TJD TST

161. MARREY, Adriano. O Crime de aborto. Revista dos Tribunais,


São Paulo, v. 52, n. 329, p. 7-17, mar. 1963. [371087] AGU CAM MJU
PGR SEN STF STM TCD TJD

162. MARTINS FILHO, Ives Gandra da Silva. Reflexões em torno do


aborto. Correio Braziliense, n. 16052, p. 17, 30 abr. 2007. Informativo
25

Jurídico Consulex, v. 24, n. 26, p. 3, 28 jun. 2010. [864166] SEN CAM


STF STJ

163. MARTINS, Alexandre. Descriminalização do aborto. Direito &


Justiça, n. 18557, p. 2, 17 mar. 2014. [1008052] SEN TST

164. MARTINS, Antonio Carvalho. O Aborto e o problema criminal.


Coimbra: Coimbra, 1985. [177152] STF 341.5562109469 M386
APC

165. MARTINS, Élida Lúcia C. Criminosas ou vítimas? Aborto uma


questão de saúde pública, direitos humanos e justiça social. In: ASENSI,
Felipe Dutra; PINHEIRO, Roseni (Org.). Direito sanitário. Rio de
Janeiro: Elsevier Campus, 2012. [922842] SEN STJ TCD TJD

166. MARTINS, Ives Gandra da Silva. Aborto, uma questão


constitucional. Folha de S. Paulo, n. 27274, 5 dez. 2003. Seção
Tendências e Debates, p. A3. Disponível em:
<https://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/fz0512200309.htm>. Acesso
em: 20 jul. 2018. [685073] SEN

167. MARTINS, Ives Gandra da Silva. Direito fundamental à vida.


Revista Magister de Direito Penal e Processual Penal, v. 2, n. 8, p.
78-79, out./nov. 2005. [764229] MJU PGR SEN STF STJ TJD (STF DIG)

168. MARTINS, Ives Gandra da Silva; MARTINS, Roberto Vidal da


Silva; MARTINS FILHO, Ives Gandra da Silva. A questão do aborto:
aspectos jurídicos fundamentais. São Paulo: Quartier Latin, 2008. 127 p.
[817653] SEN STJ TJD TST STF 341.55621 M386 QAA

169. MARTINS, Luana Adélia Araújo. O dilema do aborto sob uma


perspectiva imparcial do Estado. In: SALES, Tainah Simões; SILVA,
Lucas Matos da; MARTINS, Luana Adélia Araújo (Org.). Constituição e
política no cenário de 2016: democracia, impeachment, STF e outras
polêmicas. Curitiba: CRV, 2017, p. 97-107. [1107983] STF 341.2 C758
CPD (STF DIG)

170. MARTINS, Rodrigo. A infantaria antiaborto. Carta Capital, v. 16,


n. 658, p. 46-47, ago. 2011. Disponível em:
<https://www.cartacapital.com.br/sociedade/a-infantaria-antiaborto>.
Acesso em: 20 jul 2018 [916702] CAM SEN

171. MATIELO, Fabrício Zamprogna. Aborto & direito penal. Porto


Alegre: Sagra-dc Luzzatto, 1994. 108 p. [154254] SEN PGR STJ
26

172. MATOS, Maurílio Castro de. A criminalização do aborto em


questão. Coimbra: Almedina, 2010. [902153] SEN CAM STF 341.55621
M433 CAQ

173. MAVILA, Olga Espinoza. Aborto: uma questão de política criminal.


Boletim Ibccrim, v. 9, n. 104, p. 4-6, jul. 2001. [600226] SEN CAM PGR
STF STJ TJD (STF DIG)

174. MELO, Jacira. Quando as mulheres morrem por serem pobres.


Fêmea, v. 6, n. 67, p. 9, ago. 1998. [543686] CAM CLD SEM

175. MENDES, Soraia da Rosa. Os direitos fundamentais das


mulheres à autodeterminação e à proteção como limites ao poder
punitivo: reflexões sobre a criminalização do aborto no projeto de novo
Código penal e sobre a proibição de proteção deficiente no Supremo
Tribunal Federal. Revista Brasileira de Estudos Constitucionais, v. 7,
n. 25, p. 211-235, jan./abr. 2013. [1011546] SEN PGR STF STJ TJD

176. MENEZES, Glauco Cidrack do Vale. Aborto Eugênio. Revista


Jurídica da FA7, v. 1, n. 1, p. 131-172, abr. 2004. [794531] SEN TJD

177. MEOTTI, Francieli Freitas; ZIEMANN, Aneline dos Santos.


Protagonismo da jurisdição constitucional e a legalização do aborto de
fetos anencéfalos: uma análise da ADPF 54 e do princípio da dignidade
da pessoa humana. In: A jurisdição constitucional brasileira:
perspectivas e desafios. [1041896] CAM PGR SEN STF 341.2563 J95
JCB TCD

178. MOHALLEM, Michael Freitas. Zika, aborto e autonomia da


mulher. Justiça & Cidadania, n. 187, p. 52-55, mar. 2016. Disponível
em:
<http://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/bitstream/handle/10438/19523/Zika
%2c%20Aborto%20e%20autonomia%20da%20mulher%20IMPRESSO.p
df?sequence=1&isAllowed=y>. Acesso em: 20 jul. 2018. [1078500] CAM
MJU STF STJ TJD (STF DIG)

179. MORAIS, Joana D'arc. Considerações sobre a questão do aborto


e a reforma do código penal. Boletim Legislativo Adcoas, v. 28, n. 35,
p. 983-984, dez. 1994. [494675] SEN STJ

180. MORAIS, Lorena Ribeiro de. A legislação sobre o aborto e seu


impacto na saúde de mulher. Senatus: Cadernos da Secretaria de
Informação e Documentação, v. 6, n. 1, p. 50-58, maio 2008. Disponível
em:
<https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/131831/legisla%C
27

3%A7%C3%A3o_aborto_impacto.pdf?sequence=6>. Acesso em: 18 jul.


2018. [828405] CAM SEN TJD (STF DIG)

181. MOREIRA, Eliane Trevisani. Ação de descumprimento de preceito


fundamental 54-8: anencefalia: vida e dignidade: questão de ordem. In:
MOREIRA, Eliane Trevisani; Rossi, Francisco Vicente. Ministro Marco
Aurélio Mello: acórdãos: comentários e reflexões. Campinas:
Millennium, 2010, p. 87-99. [873320] MJU SEN STF O 341.4191 M665
MMA STJ TST

182. MORIARTY, Claire et al. Aborto: um direito da mulher sobre seu


próprio corpo. São Paulo: Proposta, 1980. [55757] SEN

183. MOURA, Júlio Victor dos Santos. Aborto legal: qual o alcance da
lei?. Repertório IOB de Jurisprudência: civil, processual penal e
comercial, n. 11, p. 332-330, 1. quinz. jun. 2005. [733265] SEN CAM
PGR STF STJ TJD

184. MULHERES em movimento na luta pela legalização do aborto!.


Fêmea, v. 14, n. 170, p. 12, jul./set. 2011. Disponível em:
<http://www.cfemea.org.br/index.php/colecao-femea-e-
publicacoes/colecao-femea/388-numero-170-julhoagostosetembro-de-
2011/3632-mulheres-em-movimento-na-luta-pela-legalizacao-do-
aborto>. Acesso em: 20 jul. 2018. [922405] CAM CLD SEM

185. NACIF, Eleonora Rangel. Aborto, desejo e autodeterminação


feminina. Boletim Ibccrim, v. 20, n. 236, p. 16-17, jul. 2012. [960482]
PGR STF STJ

186. NASCIMENTO FILHO, João Batista do. A dignidade da pessoa


humana e a condição feminina: um olhar sobre a descriminalização do
aborto. Curitiba: Juruá, 2013. 156 p. [970642] SEN CLD TJD STF
341.272 N244 DPH

187. NASCIMENTO JÚNIOR, Moacir Silva do. Tipicidade


conglobante no crime de aborto. Natal: Ed. do Autor, 2009. 93 p.
[866911] SEN STJ STF 341.55621 N244 TGC

188. NEFF, Juliana Gomes dos Santos. Aborto: por anencefalia é


crime impossível. Consulex: Revista Jurídica, v. 9, n. 206, p. 56-57, ago.
2005. [745313] CAM CLD PGR SEN STF STJ STM TCD TJD TST

189. NICHNIG, Cláudia Regina. Mulher, mulheres, mulherio:


discursos, resistência e reivindicações por direitos. Rio de Janeiro:
Multifoco, 2013. [988916] CAM TST
28

190. O DESCOMPROMISSO do legislativo brasileiro com as mulheres.


Fêmea, v. 10, n. 156, p. 4-5, jun./ago. 2008. Disponível em:
<http://www.cfemea.org.br/index.php/colecao-femea-e-
publicacoes/colecao-femea/140-numero-156-junhojulhoagosto-de-
2008/1256-o-descompromisso-do-legislativo-brasileiro-com-as-
mulheres>. Acesso em: 18 jul. 2018. [824544] CLD SEM

191. OLIVEIRA JÚNIOR, Eudes Quintino de. A notificação obrigatória


de aborto na hipótese do artigo 225, § 1º, II, do código penal. Revista
APMP, v. 11, n. 49, p. 59-64, jan./abr. 2009. [863004] PGR

192. OLIVEIRA, Ana Sofia Schimidt de. Parecer do Conselho Nacional


de Política Criminal e Penitenciária a favor de aborto de feto
anencefálico. Boletim Ibccrim, v. 13, n. 160, p. 9-10, mar. 2006.
[756530] CAM PGR STF STJ TJD (STF DIG)

193. OLIVEIRA, Eleonora Menicucci. A ética do ponto de vista das


mulheres que abortam. Universidade e Sociedade, v. 9, n. 20, p. 80-82,
set./dez. 1999. [583544] CAM SEN

194. OLIVEIRA, Leonardo Alves de. Aborto é crime, não houve


descriminalização, por enquanto (comentários sobre o HC 124.306/STF,
aborto no primeiro trimestre, e acerca da ADIn 8851, aborto de feto
microcefálico). Revista Síntese de Direito Penal e Processual Penal,
v. 17, n. 102, p. 213-222, fev./mar. 2017. [1110542] PGR STJ STM TJD

195. OLIVEIRA, Leonardo Alves de. Da descriminalização do aborto:


no primeiro trimestre gestacional e nos casos de microcefalia. Revista
dos Tribunais, São Paulo, v. 106, n. 976, p. 263-272, fev. 2017.
[1088068] STF STJ STM TJD TST (STF DIG)

196. OLIVEIRA, Mara Regina de; ORTEGA, Luciano Correa. O aborto


clandestino como rejeição da autoridade e a questão do relativismo
axiológico: uma análise comparativa dos filmes "O segredo de Vera
Drake" e "4 meses, 3 semanas e 2 dias". Revista mestrado em direito:
Unifieo - Centro Universitário FIEO, v. 11, n. 2, p. 109-206, ago./dez
2011. [972692] SEM

197. OLIVEIRA, Wilson de. A mulher em face do direito: ao alcance


de todos. 2. ed. Belo Horizonte: Del Rey, 1998. [193642] CAM SEN STJ
TJD

198. OMMATI, José Emílio Medauar. O direito fundamental ao aborto


na constituição federal de 1988. In: MINAHIM, Maria Auxiliadora;
FREITAS, Tiago Batista; OLIVEIRA, Thiago Pires, (Coord.). Meio
29

ambiente, direito e biotecnologia. Curitiba: Juruá, 2010, p. 533-543.


[993236] SEN CAM MJU STJ TCD TJD

199. ORDEIG, Enrique Gimbernat. Vida e morte no direito penal:


(estudos sobre a eutanásia, pena de morte e aborto). Barueri, SP:
Manole, 2004. [722194] STJ

200. ORTINO, Sergio. La riforma del paragrafo 218 c.p. della


repubblica federale tedesca sull'aborto. Giurisprudenza Costituzionale,
v. 23, n. 2, p. 372-414, febbr. 1978. [523894] STF

201. PACHECO, Eliana Descovi. O aborto anencefálico: à luz do


ordenamento jurídico atual. Revista IOB de Direito Penal e Processual
Penal, v. 9, n. 54, p. 10-36, fev./mar. 2009. [845655] SEN CAM PGR
STF STJ TJD

202. PAIVA, Leonor Nunes de. Aborto direito de opção. Revista do


PMDB, v. 2, n. 6, p. 69-73, dez. 1983. [408526] CAM CLD SEN

203. PASCHOAL, Janaina (Coord.). Mulher e direito penal. Rio de


Janeiro: Forense, 2007. [780849] CAM PGR SEN STF 341.556 M956
MDP STJ TJD

204. PASSOS, Hitallo Ricardo Panato. A descriminalização do aborto


no Brasil. Informativo Jurídico CONSULEX, v. 25, n. 28, p. 5-6, 11 Jul.
2011. [914516] CAM STF STJ (STF DIG)

205. PEDROSO, Fernando Gentil Gizzi de Almeida. A dualidade


havida (a vida): seria o aborto questão de saúde pública ou de política
criminal. Revista Magister de Direito Penal e Processual Penal, v. 12,
n. 68, p. 94-100, out./nov. 2015. [1073562] SEN PGR STF STJ STM

206. PEDROSO, Fernando Gentil Gizzi de Almeida. O programa


Nacional de Direitos Humanos e a possibilidade da descriminalização do
aborto. Revista APMP, v. 15, n. 56, p. 60-63, jan./jul. 2012. Revista
Magister de Direito Penal e Processual Penal, v. 7, n. 38, p. 48-53,
out./nov. 2010. [899645] SEN PGR STF STJ STM

207. PEREIRA, José das Graças. Aborto: agravo de instrumento.


Ciência Jurídica, v. 12, n. 78, p. 331-335, nov./dez. 1997. [545506] SEN
STF

208. PIAZZETA, Naele Ochoa. O princípio da igualdade no direito


penal brasileiro: uma abordagem de gênero. Porto Alegre: Livr. do
30

Advogado, 2001. [587425] AGU CAM SEN MJU STF 341.522 P584 PID
STJ STM TJD TST

209. PILECCO, Flávia Bulegon et al. Aborto pós-diagnóstico em


mulheres vivendo com HIV/Aids no sul do Brasil. Ciência & Saúde
Coletiva, v. 20, n. 5, p. 1521-1530, maio 2015. Disponível em:
<http://www.scielo.br/pdf/csc/v20n5/pt_1413-8123-csc-20-05-
01521.pdf>. Acesso em: 13 jul. 2018. [1065373]

210. PIMENTEL, Silvia. A insustentável exigência de B.O. nos casos


de aborto legal. Boletim Ibccrim, v. 12, n. 149, p. 2, abr. 2005. [732157]
PGR STF STJ TJD

211. PIMENTEL, Silvia. Aborto: um direito da mulher. Lua Nova:


Revista de Cultura e Política, v. 2, n. 2, p. 18-20, jul./set. 1985.
Disponível em:
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-
64451985000300005>. Acesso em: 18 jul. 2018. [422054] SEN

212. PIMENTEL, Silvia. Percepções das mulheres em relação ao


direito e a justiça: legislação, acesso e funcionamento. Porto Alegre: S.
A. Fabris 1996. SEN STF 341.2726 P644 PMR

213. PIMENTEL, Silvia. Violência e discriminação na área penal. In:


Pensando nossa cidadania. Brasília: Centro Feminista de Estudos e
Assessoria, 1993. p. 41-107. [183048] CAM CLD MJU PGR SEN

214. PINSKY, Carla Bassanezi; Pedro, Joana Maria (Org.). Nova


história das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2013. [990018]
CAM

215. PIOVESAN, Flávia. A necessidade de reformar o Código penal.


Folha de S. Paulo, n. 26792, 6 fev. 2003. seção Tendências. Disponível
em: <https://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/fz0602200309.htm>.
Acesso em: 20 jul. 2018. [659700] SEN

216. PIRES, Teresinha Inês Teles. O princípio da segurança jurídica e


o direito da mulher à saúde reprodutiva: uma análise acerca do dever do
Estado na prestação de assistência à saúde física e mental da mulher
no contexto da ilegalidade do aborto. Revista de Informação
Legislativa, v. 51, n. 201, p. 129-149, jan./mar. 2014. Disponível em:
<http://www2.senado.leg.br/bdsf/handle/id/502955>. Acesso em: 13 jul.
2018. [1002785] CAM CLD MJU PGR SEN STF STJ STM TCD TJD
31

217. PITANGUY, Jacqueline; GARBAYO, Luciana Sarmento.


Seminário a Implementação do Aborto Legal no Serviço Público de
Saúde (1994: Rio de Janeiro). Relatório do Seminário a Implementação
do Aborto Legal no Serviço Público de Saúde. Rio de Janeiro:
Cidadania, Estudo, Pesquisa, Informação e Ação (Cepia), 1994.
[211929] MJU

218. POZZA, Darcy. Aborto continua a ser tratado como um crime.


Jornal de Brasília, n. 4411, p. 4, 13 maio 1987. [258868] SEN

219. QUADROS, Irene Soares. O aborto eugênico. Revista Jurídica,


São Paulo, v. 54, n. 345, p. 101-105, jul. 2006. [766181] SEN CAM AGU
CLD MJU PGR STF STJ STM TCD TJD TST

220. QUEIROZ, Carla Ferreira Lopes da Silva. Aborto de feto portador


de malformação incompatível com a vida extra-uterina: uma dilema da
mulher brasileira contemporânea. Revista da Ordem dos Advogados
do Brasil, v. 38, n. 86, p. 73-82, jan./jun. 2008. [980168] SEN STF STJ
TJD

221. RAMPAZZO, Adriane. A (in) constitucionalidade da interrupção


voluntária da gravidez no Brasil: um estudo de direito comparado.
Revista da Emerj, v. 20, n. 78, p. 9-38, jan./abr. 2017. Disponível em:
<http://www.emerj.tjrj.jus.br/revistaemerj_online/edicoes/revista78/revista
78_9.pdf>. Acesso em: 10 jul. 2018. [1095468] (STF DIG)

222. REIS, Dagma Paulino dos. Aborto a polêmica interrupção


voluntária ou necessária da gravidez; questão criminal ou de saúde
pública?. Revista dos Tribunais, São Paulo, v. 83, n. 709, p. 277-284,
nov. 1994. [495369] SEN CAM AGU CLD MJU PGR STF STJ STM TCD
TJD TST

223. REMESAL, Javier de Vicente. El grave peligro para la salud


psiquica de la madre en la nueva ley del aborto en el derecho penal
espanhol. Jurisprudência Brasileira Criminal, n. 33, p. 23-42 1994.
[483301] STF STJ (STF DIG)

224. RIBEIRO, Leonidio. Aborto em caso de estupro. Revista


Brasileira de Criminologia e Direito Penal, v. 2, n. 7, p. 73-81,
out./dez. 1964. [380084] CAM MJU SEN STF

225. RIBEIRO, Leonidio. O novo Código penal e a medicina legal:


aborto, dor, inversão sexual, tratamento arbitrário, curandeirismo,
infanticídio, responsabilidade. Rio de Janeiro: Liv. Jacinto, 1942. [42510]
MJU STM STF LC 340.7 R484 NCP
32

226. RIBEIRO, Lucia. A experiência do aborto entre as mulheres


católicas. Cadernos do CEAS, n. 153, p. 70-76, set./out. 1994.
Disponível em:
<http://faje.edu.br/periodicos/index.php/perspectiva/article/download/119
6/1603>. Acesso em: 18 jul. 2018. [489877] CAM CLD SEN

227. ROBERTI, Maura. O Aborto eugenérico e a reforma da legislação


penal. Advocacia Pública, v. 3, n. 5, p. 26-27, maio 1997. [559130]
228. ROCHA, Liège. Mulheres: crises e conquistas. Princípios, n. 100,
p. 43-46, mar./abr. 2009. Disponível em:
<http://revistaprincipios.com.br/artigos/100/cat/646/mulheres-crises-e-
conquistas-.html>. Acesso em: 20 jul. 2018. [847344] CAM

229. ROCHA, Maria Isabel Baltar da. A saúde das mulheres e o


legislativo: as questões do planejamento familiar e do aborto provocado.
Universidade e Sociedade, v. 9, n. 20, p. 76-79, set./dez. 1999.
[583543] CAM SEN

230. RODRIGUES, Almira. Legislativo federal e os direitos das


mulheres: não falta sensibilidade e sim vontade política. Jornal da
Redesaúde: informativo da Rede Nacional Feminista de Saúde e
Direitos Reprodutivos (Rede Saúde), n. 21, p. 15-22, set. 2000.
Disponível em:
<http://redesaude.org.br/home/conteudo/biblioteca/biblioteca/jornal/005.p
df>. Acesso em 18 jul. [786468] SEN

231. ROMANO, Mario. Cause di giustificazione procedurali?:


interruzione della gravidanza e norme penali, tra esclusioni del tipo e
cause di giustificazione. Rivista italiana di diritto e procedura penale,
v. 50, n. 4, p. 1269-1286, ott./dic. 2007. [823640] STF (STF DIG)

232. ROMEO MALANDA, Sergio. Protección de la vida prenatal y


interrupción del embarazo: reflexiones sobre la reforma de la Ley del
aborto em España. In: CASABONA, Carlos María Romeo; SÁ, Maria de
Fátima Freire de (Coord.). Direito biomédico: Espanha-Brasil. Belo
Horizonte: PUC Minas, 2011. p. 184-204. [917068] CAM SEN STF
340.78 D598 DBE STJ

233. RUIZ, Blanca Rodríguez. Género en el discurso constitucional del


aborto. Revista de Estudios Politicos, n. 156, p. 49-83, abr./jun. 2012.
Disponível em:
<https://recyt.fecyt.es/index.php/RevEsPol/article/download/40033/22663
>. Acesso em: 18 jul. [991070] CAM
33

234. RUSSEL, Dominique Soulas de. L'interruption de grossesse en


republique federale d'allemagne. Revue de Droit Penal et de
Criminologie, v. 57, n. 7, p. 541-549, avr. 1977. [376499] SEN

235. SAAD-DINIZ, Eduardo. Observações sobre o movimento


codificador no Brasil e a questão das liberdades pessoais da mulher no
aborto. Boletim IBCCrim, v. 22, n. 263, p. 17-18, out. 2014. [1073937]
CAM PGR STF STJ TJD

236. SABADELL, Ana Lucia; DIMOULIS, Dimitri. Constitucionalidade,


moralidade e tratamento penal do aborto com consentimento da
gestante. In: SARLET, Ingo Wolfgang; LEITE, George Salomão (Org.).
Direitos fundamentais e biotecnologia. São Paulo: Método, 2008, p.
325-349. [1000434] SEN MJU PGR STJ TJD TST STF 341.274 D598
DFB

237. SALES, Eugenio. Aborto e crime. Jornal do Brasil, v. 103, n. 135,


p. 11, 21 ago. 1993. [311684] SEN

238. SALGE, Cláudia Aparecida. Aspectos criminais do aborto. Unijus:


revista jurídica, v. 8, n. 9, p. 219-244, nov. 2005. [803087] SEN

239. SAMPAIO, José Adércio Leite; SOUZA, Lívia Maria Cruz


Gonçalves de. Do crime de aborto ao aborto do crime: os imperativos e
as controvérsias impostas pela epidemia do zika vírus. Revista de
Estudos e Pesquisas Avançadas do Terceiro Setor [recurso
eletrônico], v. 4, n. 1, p. 369-388, jan./jun. 2017. Disponível em: <
https://portalrevistas.ucb.br/index.php/REPATS/article/view/8211>.
Acesso em: 10 jul. 2018. [1120068]

240. SANCHEZ-IZQUIERDO, Jose Ricardo Palacio. La circunstancia


cualificativa de profesionalidad en el delito de aborto. In: Criminologia y
Derecho Penal al Servicio de la Persona. San Sebastian: Instituto
Vasco de Criminologia, 1989. p. 859-867. [119249] SEN

241. SANDI, Stella de Faro; BRAZ, Marlene. As mulheres brasileiras e


o aborto: uma abordagem bioética na saúde pública. Revista Bioética,
v. 18, n. 1, p. 131-153 2010. SEN CAM MJU

242. SANTOS, Boaventura de Sousa. L'interruption de la grossesse


sur indication medicale dans le droit penal portugais. Boletim da
Faculdade de Direito: Universidade de Coimbra, n. 43, p. 163-221
1967. [388808] CAM STF
34

243. SANTOS, Dalci Ferreira dos. A Vida é uma garantia constitucional


que não podemos pôr em risco: considerações sobre o aborto. Revista
Jurídica da Universidade de Franca, v. 7, n. 13, p. 48-53, jul./dez.
2004. MJU SEN STF STJ TJD [746098]

244. SANTOS, Juarez Cirino dos. Aborto, a politica do crime. Revista


de Direito Penal, n. 25, p. 13-24, jan./jun. 1978. [365027] CAM SEN
STF STJ

245. SANTOS, Lília Nunes dos. Aborto: a atual discussão sobre a


descriminalização do aborto no contexto de efetivação dos direitos
humanos. Curitiba: Juruá, 2016. 371 p. [1088758] SEN TJD

246. SANTOS, Lycurgo de Castro. Direito penal e aborto. Revista dos


Tribunais, São Paulo, v. 84, n. 712, p. 347-357, fev. 1995. [499088]
SEN CAM AGU CLD MJU PGR STF STJ STM TCD TJD TST

247. SANTOS, Vanessa Cruz. Criminalização do aborto no Brasil e


implicações à saúde pública. Revista Bioética, v. 21, n. 3, p. 494-508
2013. [1017458] SEN MJU

248. SARMENTO, Daniel. Legalização do aborto e Constituição. In:


_____. Livres e iguais: estudos de direito constitucional. Rio de
Janeiro: Lumen Juris, 2006. [765264] STF STJ

249. SARMENTO, Daniel; PIOVESAN, Flávia (Coord.). Nos limites da


vida: aborto, clonagem humana e eutanásia sob a perspectiva dos
direitos humanos. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2007. [771404] MJU
PGR SEN STF STJ TJD TST

250. SAÚDE da mulher: fator de desenvolvimento social. Persona


Mulher, v. 17, n. 113, p. 51-56, dez./jan. 2011/2012. [928492] SEN

251. SCALCON, Raquel Lima. Aborto, zika e direitos da mulher.


Revista dos Tribunais, São Paulo, v. 105, n. 971, p. 47-66, set. 2016.
[1080715] STF STJ STM TCD TJD TST

252. SCHEPELER RAVEAU, Manuel. El delito de aborto. Santiago de


Chile: Ed. Juridica de Chile, 1967. [36141] CAM MJU STF
341.556210983 S325 DAB

253. SCHIOCCHET, Taysa; BARBOSA, Amanda Souza. Tutela e


efetividade do aborto legal: reflexões jurídicas acerca da autonomia de
adolescentes e do direito à objeção da consciência. In: ASENSI, Felipe
Dutra; MUTIZ, Paula Lucia ARÉVALO; Pinheiro, Roseni (Coord.). Direito
35

e saúde: enfoques interdisciplinares. Curitiba: Juruá, 2013. p. 351-364.


[987742] CAM STM TJD STF 341.272 D598 DSE

254. SCHULTZ, Hans. La reforme du droit penal suisse en matiere


d'interruption de la grossesse methode legislative et resultats. Revue de
Science Criminelle et de Droit Penal Comparé, n. 2, p. 249-268,
avr./juin 1974. [350190] CAM MJU SEM

255. SÉGUIN, Elida. Política pública de assistência à mulher: a


questão do abortamento. Revista de Direito e Política, v. 3, n. 9, p. 41-
61, abr./jun. 2006. [770331] CAM PGR SEN

256. SGANZERLA, Rogerio Barros. Aborto e Congresso Nacional: uma


análise crítica do cenário legislativo. A & C: revista de direito
administrativo & constitucional, v. 17, n. 67, p. 291-319, jan./mar. 2017.
[1105551] CLD TCD TJD

257. SILVA, Danielle Martins. A vitimização feminina no crime de


estupro: o viés sexual da violência de gênero. In: LIMA, Fausto
Rodrigues de; SANTOS, Claudiene (Coord.). Violência doméstica:
vulnerabilidades e desafios na intervenção criminal e multidisciplinar.
[867772] CAM PGR SEN STF 341.556 V795 VDV STM TJD TST

258. SILVA, José Afonso da; CLÈVE, Clèmerson Merlin. Antecipação


de parto de feto anencefálico [...] Devido julgamento pelo Supremo
Tribunal Federal. Revista Forense, v. 103, n. 390, p. 281-298, mar./abr.
2007. [788570] CAM MJU PGR STF STJ STM TCD TST (STF DIG)

259. SILVA, José Afonso da; CLÈVE, Clèmerson Merlin. Arguição de


descumprimento de preceito fundamental [...] antecipação de parto de
feto a comprovadamente anencefálico. In: Cadernos de soluções
constitucionais: 3. São Paulo: Malheiros: Associação Brasileira de
Constitucionalistas Democratas, 2008, p. 201-229. Cadernos da escola
de Direito e Relações Internacionais da Unibrasil, n. 5, p. 27-49,
jan./dez. 2005. [823817] SEN AGU PGR STJ TJD TST STF 341.2 C122
CSC (STF DIG)

260. SILVA, Rebeca de Souza e. Cegonhas indesejadas aborto


provocado. Estudos Feministas, v. 1, n. 1, p. 123-134 1993. Disponível
em:
<https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/download/15994/14489>.
Acesso em: 20 jul. 2018. [478026] SEN

261. SILVA, Rodrigo Lima e. Considerações sobre a circular 46/2013


do CFM. Breves comentários sobre a autonomia geracional feminina e o
36

aborto no novo Código penal. Boletim IBCCrim, v. 21, n. 249, p. 6-8,


ago. 2013. [1074107] CAM PGR STF STJ

262. SILVA, Thiago Ferreira da; CURI, Vinícius Fernandes Cherem.


Restrição ou violação ao direto à vida?: a possibilidade do aborto a
pedido do homem vítima de estupro. Revista da Faculdade de Direito
da Universidade Federal de Uberlândia, v. 43, n. 1, p. 1-28 2015.
Disponível em:
<http://www.seer.ufu.br/index.php/revistafadir/article/view/30263/18499>.
Aceso em: 11 jul. 2018. [1070102]

263. SILVEIRA, Alfredo Balthazar da. Aborto no caso de gravidez


resultante de estupro: observações sobre o art. 128 do Código penal.
Archivo Judiciario. Suplemento, v. 65, p. 5-7, jan./mar. 1943. [971058]
CAM STF STJ (STF DIG)

264. SIQUEIRA, Geraldo Batista de. Aborto eugenésico ou eugênico e


autorização judicial: qualificadora na denúncia e concessão de liberdade
provisória; juri; quesitação; tese de excludente de culpabilidade;
admissibilidade. Revista Síntese de Direito Penal e Processual Penal,
v. 1, n. 4, p. 73-78, out./nov. 2000. [596129] SEN CAM MJU PGR STJ
TJD

265. SIQUEIRA, Geraldo Batista de. SIQUEIRA, Marina da Silva.


Aborto, anencefalia: autorização judicial ou consentimento da gestante.
Revista Síntese de Direito Penal e Processual Penal, v. 6, n. 32, p. 5-
15, jun./jul. 2005. Revista Magister de Direito Penal e Processual
Penal, v. 1, n. 6, p. 62-72, jun./jul. 2005. [735763] SEN MJU PGR STF
STJ TJD

266. SOLÓRZANO SÁNCHES, Rodolfo. Criterios de aplicación de la


figura del aborto en Costa Rica desde la perspectiva constitucional y
pena. In: REIS, Maurício Martins; JOBIM, Marco Félix (Org.). Justiça
constitucional e direitos fundamentais. Porto Alegre: Livraria do
Advogado, 2015, p. 247-333. [1039382] SEN CAM TST STF 341.272
J96 JCD (STF DIG)

267. SOUSA, José Arnóbio Amariz de. Os filhos do estupro. Consulex:


Revista Jurídica, v. 9, n. 211, p. 46-51, out. 2005. [747574] CAM CLD
MJU PGR SEN STF STJ STM TCD TJD TST

268. SOUZA, Alberto Rufino R. de. A pílula abortiva e a lei penal.


Fascículos de Ciências Penais, p. 23-26, mar. 1988. [444002] MJU
PGR SEN STJ
37

269. SPOLIDORO, Luiz Claudio Amerise. O Aborto e sua


Antijuridicidade: uma teoria que transforma e redefine o Código Penal,
nos crimes contra a pessoa, subclasse dos crimes contra a vida. Rio de
Janeiro: Lejus, 1997. 199 p. [183614] SEN TJD

270. SRUGI, Miguel. A lei que mata mulheres. Veja, v. 51, n. 25, p. 76-
77, 20 jun. 2018. [1125801] CAM CLD SEN TJD

271. TAQUARY, Eneida Orbage de Britto. Aborto. Revista Síntese de


Direito Penal e Processual Penal, v. 2, n. 11, p. 41-44, dez./jan. 2002.
[619173] MJU PGR STF STJ STM TJD

272. TEIXEIRA, Caren de Lima; SILVA, Daphne Lewis da. Aborto na


adolescência em caso de gravidez indesejada: uma questão de
educação e conscientização. Revista Direitos Sociais e Políticas
Públicas [recurso eletrônico], v. 4, n. 1, p. 70-88 2016. Disponível em:
<http://www.unifafibe.com.br/revista/index.php/direitos-sociais-politicas-
pub/article/view/155/pdf>. Acesso em: 10 jul. 2018. [1101344]

273. TEIXEIRA, Marco Antonio. Alguns dados sobre a experiência


italiana na disciplina do aborto. MP, v. 15, n. 11, p. 219-250, 1987.
[437215] SEN STF (STF DIG)

274. TEODORO, Frediano José Momesso. Aborto eugênico: delito


qualificado pelo preconceito ou discriminação. Curitiba: Juruá, 2007. 255
p. [783384] SEN MJU PGR STJ TJD

275. TESSARO, Anelise. O debate sobre a descriminalização do


aborto: aspectos penais e constitucionais. Revista Brasileira de
Ciências Criminais, v. 16, n. 74, p. 35-85, set./out. 2008. [835829] SEN
CAM MJU PGR STF STJ STM TJD (STF DIG)

276. TIBURI, Márcia. Aborto, soberania e mudez das mulheres. Folha


de S. Paulo, n. 28603, p. A3, 26 jul. 2007. Disponível em:
<https://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/fz2607200709.htm>. Acesso
em 18 jul. 2018. [859323] SEN

277. TORRES, José Henrique Rodrigues. Aborto inseguro: é


necessário reduzir riscos. Revista Brasileira de Ciências Criminais, v.
15, n. 68, p. 27-68t, set./out. 2007. In: Jorge Junior, Alberto Gosson et.
al.(Org.). Constituição Federal após 20 anos: reflexões. Campinas:
Millennium, 2009, p. 177-210. [802991] SEN CAM MJU PGR STJ STM
TCD TJD TST STF 341.2 C758 CFA
38

278. TOULAT, Jean. El aborto: crimen o liberacion?. Bilbao:


Mensajero, 1975. [693122] CAM

279. UNDURRAGA, Verónica. O princípio da proporcionalidade no


controle de constitucionalidade das leis sobre aborto. Publicum
[recurso eletrônico], v. 2, n. 1, p. 15-44 2016. Disponível em:
<http://www.e-
publicacoes.uerj.br/index.php/publicum/article/view/25160/18097>.
Acesso em: 10 jul. 2018 [1107282]

280. VELLELA, Wilza Vieira. Aborto, saúde e cidadania. São Paulo:


Unesp, 2011. 125p. [933295] SEN

281. VELOZO, Francisco José. A Proposito do crime de aborto.


Scientia Jvridica: Revista de Direito Comparado Português e Brasileiro,
v. 32, n. 184/186, p. 321-338, jul/dez. 1983. [407448] SEN

282. VENTURI, Gustavo; GODINHO, Tatau (Org.). Mulheres


brasileiras e gênero nos espaços público e privado: uma década de
mudanças na opinião pública. São Paulo: Fundação Perseu Abramo,
2013. [990126] CAM SEN

283. VERARDO, Maria Tereza. Aborto: um direito ou um crime?. 13.


ed. São Paulo: Moderna, 1995. [168050] CLD

284. VIDAL, Paulo Roberto. Aborto piedoso: considerações. Revista


APMP, v. 2, n. 14, p. 7, jan. 1998. SEN PGR STF STJ STM TJD

285. VIEIRA, Emanuelle Boullosa; SEDLACEK, Carolina de Souza. A


interrupção da gravidez de feto anencefálico em face da legislação
brasileira. In: TOLEDO, Armando (Coord.). Direito Penal:
reinterpretação à luz da constituição: questões polêmicas. Rio de
Janeiro: Elsevier, 2009, p. 189-204. [1092451] SEN CAM PGR TCD TJD
TST

286. VIEIRA, Tereza Rodrigues; FERREIRA, Rafaela Lanutte.


Reflexões sobre o aborto. Consulex: Revista Jurídica, v. 15, n. 354, p.
18-20, out. 2011. [921434] SEN CAM CLD PGR STF STJ TCD TJD TST
(STF DIG)

287. VILLAS BOAS, Maria Elisa S. Aspectos Práticos do Delito de


Aborto. Revista dos Mestrandos em Direito Econômico da UFBA, n.
9, p. 304-316, jan./dez. 2001. [625172] SEN STF TJD

288. VILLELA, João Baptista. Malformações, viabilidade e aborto:


retorno de um espectro?. Repertório IOB de Jurisprudência: civil
39

processual penal e comercial, n. 24, p. 479-475, 2. quinz. dez. 1994.


[493341] SEN AGU STF STJ TJD TST

289. VILLELA, Wilza Vieira et al. Motivos e circunstâncias para o


aborto induzido entre mulheres vivendo com HIV no Brasil. Ciência &
Saúde, v. 17, n. 7, p. 1709-1719, jul. 2012. Disponível em:
<http://www.scielo.br/pdf/csc/v17n7/09.pdf>. Acesso em: 13 jul. 2018.
[1086114]

290. WEDY, Delio Spalding de Almeida. O Aborto eugênico. In: FAYET


JÚNIOR, Ney; WEDY, Miguel Tedesco (Org.). Estudos críticos de
direito e processo penal: em homenagem ao des. Garibaldi Almeida
Wedy. Porto Alegre: Livr. do Advogado, 2004, p. 61-65. [719330] STJ
TJD STF 341.5 W393 ECD

2. Legislação

1. BRASIL. Conselho Federal de Medicina. Resolução nº 1.989, de 10 de


maio de 2012. Dispõe sobre o diagnóstico de anencefalia para a
antecipação terapêutica do parto e dá outras providências. Disponível
em:
<https://sistemas.cfm.org.br/normas/visualizar/resolucoes/BR/2012/1989
>. Acesso em: 03 ago. 2018.

2. BRASIL. Decreto-lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940. Código


Penal. Disponível em: <https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-
lei/del2848.htm>. Acesso em: 03 ago. 2018.

3. BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria de consolidação nº 5, de 28 de


setembro de 2017. Consolidação das normas sobre as ações e os
serviços de saúde do Sistema Único de Saúde. Disponível em:
<http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prc0005_03_10_20
17_comp.html>. Acesso em: 03 ago. 2018.
40

3. Jurisprudência

ADPF 442 - INTERRUPÇÃO VOLUNTÁRIA DA GESTAÇÃO

HC 124306 / RJ - RIO DE JANEIRO


HABEAS CORPUS
Relator(a): Min. MARCO AURÉLIO
Relator(a) p/ Acórdão: Min. ROBERTO BARROSO
Julgamento: 09/08/2016 Órgão Julgador: Primeira Turma
Publicação
PROCESSO ELETRÔNICO
DJe-052 DIVULG 16-03-2017 PUBLIC 17-03-2017
Parte(s)
PACTE.(S) : EDILSON DOS SANTOS
PACTE.(S) : ROSEMERE APARECIDA FERREIRA
IMPTE.(S) : JAIR LEITE PEREIRA
COATOR(A/S)(ES) : SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA
Ementa
Ementa: Direito processual penal. Habeas corpus. Prisão preventiva. Ausência dos
requisitos para sua decretação. inconstitucionalidade da incidência do tipo penal
do aborto no caso de interrupção voluntária da gestação no primeiro trimestre.
Ordem concedida de ofício. 1. O habeas corpus não é cabível na hipótese. Todavia,
é o caso de concessão da ordem de ofício, para o fim de desconstituir a prisão
preventiva, com base em duas ordens de fundamentos. 2. Em primeiro lugar, não
estão presentes os requisitos que legitimam a prisão cautelar, a saber: risco para a
ordem pública, a ordem econômica, a instrução criminal ou a aplicação da lei
penal (CPP, art. 312). Os acusados são primários e com bons antecedentes, têm
trabalho e residência fixa, têm comparecido aos atos de instrução e cumprirão
pena em regime aberto, na hipótese de condenação. 3. Em segundo lugar, é preciso
conferir interpretação conforme a Constituição aos próprios arts. 124 a 126 do
Código Penal – que tipificam o crime de aborto – para excluir do seu âmbito de
incidência a interrupção voluntária da gestação efetivada no primeiro trimestre. A
criminalização, nessa hipótese, viola diversos direitos fundamentais da mulher,
bem como o princípio da proporcionalidade. 4. A criminalização é incompatível
com os seguintes direitos fundamentais: os direitos sexuais e reprodutivos da
mulher, que não pode ser obrigada pelo Estado a manter uma gestação indesejada;
a autonomia da mulher, que deve conservar o direito de fazer suas escolhas
existenciais; a integridade física e psíquica da gestante, que é quem sofre, no seu
corpo e no seu psiquismo, os efeitos da gravidez; e a igualdade da mulher, já que
homens não engravidam e, portanto, a equiparação plena de gênero depende de se
respeitar a vontade da mulher nessa matéria. 5. A tudo isto se acrescenta o
impacto da criminalização sobre as mulheres pobres. É que o tratamento como
crime, dado pela lei penal brasileira, impede que estas mulheres, que não têm
acesso a médicos e clínicas privadas, recorram ao sistema público de saúde para se
submeterem aos procedimentos cabíveis. Como consequência, multiplicam-se os
casos de automutilação, lesões graves e óbitos. 6. A tipificação penal viola, também,
o princípio da proporcionalidade por motivos que se cumulam: (i) ela constitui
medida de duvidosa adequação para proteger o bem jurídico que pretende tutelar
(vida do nascituro), por não produzir impacto relevante sobre o número de abortos
41

praticados no país, apenas impedindo que sejam feitos de modo seguro; (ii) é
possível que o Estado evite a ocorrência de abortos por meios mais eficazes e
menos lesivos do que a criminalização, tais como educação sexual, distribuição de
contraceptivos e amparo à mulher que deseja ter o filho, mas se encontra em
condições adversas; (iii) a medida é desproporcional em sentido estrito, por gerar
custos sociais (problemas de saúde pública e mortes) superiores aos seus benefícios.
7. Anote-se, por derradeiro, que praticamente nenhum país democrático e
desenvolvido do mundo trata a interrupção da gestação durante o primeiro
trimestre como crime, aí incluídos Estados Unidos, Alemanha, Reino Unido,
Canadá, França, Itália, Espanha, Portugal, Holanda e Austrália. 8. Deferimento da
ordem de ofício, para afastar a prisão preventiva dos pacientes, estendendo-se a
decisão aos corréus.
Decisão
Após o voto do Senhor Ministro Marco Aurélio, Relator, que concedia a ordem de
habeas corpus, pediu vista dos autos o Senhor Ministro Luís Roberto Barroso,
Presidente. 1ª Turma, 9.8.2016. Decisão: Por maioria de votos, a Turma não conheceu
da impetração, mas concedeu a ordem, de ofício, nos termos do voto do Senhor
Ministro Luís Roberto Barroso, Presidente e Redator para o acórdão, vencido o Senhor
Ministro Marco Aurélio, Relator, que a concedia. 1ª Turma, 29.11.2016.
Outras informações Exibir
fim do documento

ADPF 54 / DF - DISTRITO FEDERAL


ARGÜIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL
Relator(a): Min. MARCO AURÉLIO
Julgamento: 12/04/2012 Órgão Julgador: Tribunal Pleno
Publicação
ACÓRDÃO ELETRÔNICO
DJe-080 DIVULG 29-04-2013 PUBLIC 30-04-2013
RTJ VOL-00226-01 PP-00011
Parte(s)
REQTE.(S) : CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NA
SAÚDE - CNTS
ADV.(A/S) : LUÍS ROBERTO BARROSO
INTDO.(A/S) : PRESIDENTE DA REPÚBLICA
ADV.(A/S) : ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO
Ementa
ESTADO – LAICIDADE. O Brasil é uma república laica, surgindo absolutamente
neutro quanto às religiões. Considerações. FETO ANENCÉFALO –
INTERRUPÇÃO DA GRAVIDEZ – MULHER – LIBERDADE SEXUAL E
REPRODUTIVA – SAÚDE – DIGNIDADE – AUTODETERMINAÇÃO –
DIREITOS FUNDAMENTAIS – CRIME – INEXISTÊNCIA. Mostra-se
inconstitucional interpretação de a interrupção da gravidez de feto anencéfalo ser
conduta tipificada nos artigos 124, 126 e 128, incisos I e II, do Código Penal.
Decisão
Após o voto do Senhor Ministro Marco Aurélio (Relator), que julgava procedente o
pedido para declarar a inconstitucionalidade da interpretação segundo a qual
a interrupção da gravidez de feto anencéfalo é conduta tipificada nos artigos 124, 126,
128, incisos I e II, todos do Código Penal, no que foi acompanhado pelos Senhores
Ministros Rosa Weber, Joaquim Barbosa, Luiz Fux e Cármen Lúcia, e o voto do Senhor
42

Ministro Ricardo Lewandowski, que julgava improcedente o pedido, o julgamento foi


suspenso. Impedido o Senhor Ministro Dias Toffoli. Falaram, pela requerente, o Dr.
Luís Roberto Barroso e, pelo Ministério Público Federal, o Procurador-Geral da
República, Dr. Roberto Monteiro Gurgel Santos. Plenário, 11.04.2012. O Tribunal, por
maioria e nos termos do voto do Relator, julgou procedente a ação para declarar a
inconstitucionalidade da interpretação segundo a qual a interrupção da gravidez de feto
anencéfalo é conduta tipificada nos artigos 124, 126, 128, incisos I e II, todos do Código
Penal, contra os votos dos Senhores Ministros Gilmar Mendes e Celso de Mello que,
julgando-a procedente, acrescentavam condições de diagnóstico de anencefalia
especificadas pelo Ministro Celso de Mello; e contra os votos dos Senhores Ministros
Ricardo Lewandowski e Cezar Peluso (Presidente), que a julgavam improcedente.
Ausentes, justificadamente, os Senhores Ministros Joaquim Barbosa e Dias Toffoli.
Plenário, 12.04.2012.
Outras informações Exibir
fim do documento

ADI 3510 / DF - DISTRITO FEDERAL


AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE
Relator(a): Min. AYRES BRITTO
Julgamento: 29/05/2008 Órgão Julgador: Tribunal Pleno
Publicação
DJe-096 DIVULG 27-05-2010 PUBLIC 28-05-2010
EMENT VOL-02403-01 PP-00134
RTJ VOL-00214-01 PP-00043
Parte(s)
REQTE.(S) : PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA
REQDO.(A/S) : PRESIDENTE DA REPÚBLICA
ADV.(A/S) : ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO
REQDO.(A/S) : CONGRESSO NACIONAL
INTDO.(A/S) : CONECTAS DIREITOS HUMANOS
INTDO.(A/S) : CENTRO DE DIREITO HUMANOS - CDH
ADV.(A/S) : ELOISA MACHADO DE ALMEIDA E OUTROS
INTDO.(A/S) : MOVIMENTO EM PROL DA VIDA - MOVITAE
ADV.(A/S) : LUÍS ROBERTO BARROSO E OUTRO
INTDO.(A/S) : ANIS - INSTITUTO DE BIOÉTICA, DIREITOS HUMANOS E
GÊNERO
ADV.(A/S) : DONNE PISCO E OUTROS
ADV.(A/S) : JOELSON DIAS
INTDO.(A/S) : CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL -
CNBB
ADV.(A/S) : IVES GRANDRA DA SILVA MARTINS E OUTROS
Ementa
CONSTITUCIONAL. AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE. LEI
DE BIOSSEGURANÇA. IMPUGNAÇÃO EM BLOCO DO ART. 5º DA LEI Nº
11.105, DE 24 DE MARÇO DE 2005 (LEI DE BIOSSEGURANÇA). PESQUISAS
COM CÉLULAS-TRONCO EMBRIONÁRIAS. INEXISTÊNCIA DE
VIOLAÇÃO DO DIREITO À VIDA. CONSITUCIONALIDADE DO USO DE
CÉLULAS-TRONCO EMBRIONÁRIAS EM PESQUISAS CIENTÍFICAS PARA
FINS TERAPÊUTICOS. DESCARACTERIZAÇÃO DO ABORTO. NORMAS
43

CONSTITUCIONAIS CONFORMADORAS DO DIREITO FUNDAMENTAL A


UMA VIDA DIGNA, QUE PASSA PELO DIREITO À SAÚDE E AO
PLANEJAMENTO FAMILIAR. DESCABIMENTO DE UTILIZAÇÃO DA
TÉCNICA DE INTERPRETAÇÃO CONFORME PARA ADITAR À LEI DE
BIOSSEGURANÇA CONTROLES DESNECESSÁRIOS QUE IMPLICAM
RESTRIÇÕES ÀS PESQUISAS E TERAPIAS POR ELA VISADAS.
IMPROCEDÊNCIA TOTAL DA AÇÃO. I - O CONHECIMENTO CIENTÍFICO,
A CONCEITUAÇÃO JURÍDICA DE CÉLULAS-TRONCO EMBRIONÁRIAS E
SEUS REFLEXOS NO CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE DA LEI
DE BIOSSEGURANÇA. As "células-tronco embrionárias" são células contidas
num agrupamento de outras, encontradiças em cada embrião humano de até 14
dias (outros cientistas reduzem esse tempo para a fase de blastocisto, ocorrente em
torno de 5 dias depois da fecundação de um óvulo feminino por um
espermatozóide masculino). Embriões a que se chega por efeito de manipulação
humana em ambiente extracorpóreo, porquanto produzidos laboratorialmente ou
"in vitro", e não espontaneamente ou "in vida". Não cabe ao Supremo Tribunal
Federal decidir sobre qual das duas formas de pesquisa básica é a mais
promissora: a pesquisa com células-tronco adultas e aquela incidente sobre
células-tronco embrionárias. A certeza científico-tecnológica está em que um tipo
de pesquisa não invalida o outro, pois ambos são mutuamente complementares. II -
LEGITIMIDADE DAS PESQUISAS COM CÉLULAS-TRONCO
EMBRIONÁRIAS PARA FINS TERAPÊUTICOS E O
CONSTITUCIONALISMO FRATERNAL. A pesquisa científica com células-
tronco embrionárias, autorizada pela Lei n° 11.105/2005, objetiva o enfrentamento
e cura de patologias e traumatismos que severamente limitam, atormentam,
infelicitam, desesperam e não raras vezes degradam a vida de expressivo
contingente populacional (ilustrativamente, atrofias espinhais progressivas,
distrofias musculares, a esclerose múltipla e a lateral amiotrófica, as neuropatias e
as doenças do neurônio motor). A escolha feita pela Lei de Biossegurança não
significou um desprezo ou desapreço pelo embrião "in vitro", porém u'a mais
firme disposição para encurtar caminhos que possam levar à superação do
infortúnio alheio. Isto no âmbito de um ordenamento constitucional que desde o
seu preâmbulo qualifica "a liberdade, a segurança, o bem-estar, o
desenvolvimento, a igualdade e a justiça" como valores supremos de uma
sociedade mais que tudo "fraterna". O que já significa incorporar o advento do
constitucionalismo fraternal às relações humanas, a traduzir verdadeira comunhão
de vida ou vida social em clima de transbordante solidariedade em benefício da
saúde e contra eventuais tramas do acaso e até dos golpes da própria natureza.
Contexto de solidária, compassiva ou fraternal legalidade que, longe de traduzir
desprezo ou desrespeito aos congelados embriões "in vitro", significa apreço e
reverência a criaturas humanas que sofrem e se desesperam. Inexistência de
ofensas ao direito à vida e da dignidade da pessoa humana, pois a pesquisa com
células-tronco embrionárias (inviáveis biologicamente ou para os fins a que se
destinam) significa a celebração solidária da vida e alento aos que se acham à
margem do exercício concreto e inalienável dos direitos à felicidade e do viver com
dignidade (Ministro Celso de Mello). III - A PROTEÇÃO CONSTITUCIONAL
DO DIREITO À VIDA E OS DIREITOS INFRACONSTITUCIONAIS DO
EMBRIÃO PRÉ-IMPLANTO. O Magno Texto Federal não dispõe sobre o início
da vida humana ou o preciso instante em que ela começa. Não faz de todo e
qualquer estádio da vida humana um autonomizado bem jurídico, mas da vida que
já é própria de uma concreta pessoa, porque nativiva (teoria "natalista", em
44

contraposição às teorias "concepcionista" ou da "personalidade condicional"). E


quando se reporta a "direitos da pessoa humana" e até dos "direitos e garantias
individuais" como cláusula pétrea está falando de direitos e garantias do
indivíduo-pessoa, que se faz destinatário dos direitos fundamentais "à vida, à
liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade", entre outros direitos e
garantias igualmente distinguidos com o timbre da fundamentalidade (como
direito à saúde e ao planejamento familiar). Mutismo constitucional
hermeneuticamente significante de transpasse de poder normativo para a
legislação ordinária. A potencialidade de algo para se tornar pessoa humana já é
meritória o bastante para acobertá-la, infraconstitucionalmente, contra tentativas
levianas ou frívolas de obstar sua natural continuidade fisiológica. Mas as três
realidades não se confundem: o embrião é o embrião, o feto é o feto e a pessoa
humana é a pessoa humana. Donde não existir pessoa humana embrionária, mas
embrião de pessoa humana. O embrião referido na Lei de Biossegurança ("in
vitro" apenas) não é uma vida a caminho de outra vida virginalmente nova,
porquanto lhe faltam possibilidades de ganhar as primeiras terminações nervosas,
sem as quais o ser humano não tem factibilidade como projeto de vida autônoma e
irrepetível. O Direito infraconstitucional protege por modo variado cada etapa do
desenvolvimento biológico do ser humano. Os momentos da vida humana
anteriores ao nascimento devem ser objeto de proteção pelo direito comum. O
embrião pré-implanto é um bem a ser protegido, mas não uma pessoa no sentido
biográfico a que se refere a Constituição. IV - AS PESQUISAS COM CÉLULAS-
TRONCO NÃO CARACTERIZAM ABORTO. MATÉRIA ESTRANHA À
PRESENTE AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE. É constitucional
a proposição de que toda gestação humana principia com um embrião igualmente
humano, claro, mas nem todo embrião humano desencadeia uma gestação
igualmente humana, em se tratando de experimento "in vitro". Situação em que
deixam de coincidir concepção e nascituro, pelo menos enquanto o ovócito (óvulo
já fecundado) não for introduzido no colo do útero feminino. O modo de irromper
em laboratório e permanecer confinado "in vitro" é, para o embrião, insuscetível
de progressão reprodutiva. Isto sem prejuízo do reconhecimento de que o zigoto
assim extra-corporalmente produzido e também extra-corporalmente cultivado e
armazenado é entidade embrionária do ser humano. Não, porém, ser humano em
estado de embrião. A Lei de Biossegurança não veicula autorização para extirpar
do corpo feminino esse ou aquele embrião. Eliminar ou desentranhar esse ou
aquele zigoto a caminho do endométrio, ou nele já fixado. Não se cuida de
interromper gravidez humana, pois dela aqui não se pode cogitar. A "controvérsia
constitucional em exame não guarda qualquer vinculação com o problema do
aborto." (Ministro Celso de Mello). V - OS DIREITOS FUNDAMENTAIS À
AUTONOMIA DA VONTADE, AO PLANEJAMENTO FAMILIAR E À
MATERNIDADE. A decisão por uma descendência ou filiação exprime um tipo de
autonomia de vontade individual que a própria Constituição rotula como "direito
ao planejamento familiar", fundamentado este nos princípios igualmente
constitucionais da "dignidade da pessoa humana" e da "paternidade responsável".
A conjugação constitucional da laicidade do Estado e do primado da autonomia da
vontade privada, nas palavras do Ministro Joaquim Barbosa. A opção do casal por
um processo "in vitro" de fecundação artificial de óvulos é implícito direito de
idêntica matriz constitucional, sem acarretar para esse casal o dever jurídico do
aproveitamento reprodutivo de todos os embriões eventualmente formados e que
se revelem geneticamente viáveis. O princípio fundamental da dignidade da pessoa
humana opera por modo binário, o que propicia a base constitucional para um
45

casal de adultos recorrer a técnicas de reprodução assistida que incluam a


fertilização artificial ou "in vitro". De uma parte, para aquinhoar o casal com o
direito público subjetivo à "liberdade" (preâmbulo da Constituição e seu art. 5º),
aqui entendida como autonomia de vontade. De outra banda, para contemplar os
porvindouros componentes da unidade familiar, se por eles optar o casal, com
planejadas condições de bem-estar e assistência físico-afetiva (art. 226 da CF).
Mais exatamente, planejamento familiar que, "fruto da livre decisão do casal", é
"fundado nos princípios da dignidade da pessoa humana e da paternidade
responsável" (§ 7º desse emblemático artigo constitucional de nº 226). O recurso a
processos de fertilização artificial não implica o dever da tentativa de nidação no
corpo da mulher de todos os óvulos afinal fecundados. Não existe tal dever (inciso
II do art. 5º da CF), porque incompatível com o próprio instituto do
"planejamento familiar" na citada perspectiva da "paternidade responsável".
Imposição, além do mais, que implicaria tratar o gênero feminino por modo
desumano ou degradante, em contrapasso ao direito fundamental que se lê no
inciso II do art. 5º da Constituição. Para que ao embrião "in vitro" fosse
reconhecido o pleno direito à vida, necessário seria reconhecer a ele o direito a um
útero. Proposição não autorizada pela Constituição. VI - DIREITO À SAÚDE
COMO COROLÁRIO DO DIREITO FUNDAMENTAL À VIDA DIGNA. O § 4º
do art. 199 da Constituição, versante sobre pesquisas com substâncias humanas
para fins terapêuticos, faz parte da seção normativa dedicada à "SAÚDE" (Seção
II do Capítulo II do Título VIII). Direito à saúde, positivado como um dos
primeiros dos direitos sociais de natureza fundamental (art. 6º da CF) e também
como o primeiro dos direitos constitutivos da seguridade social (cabeça do artigo
constitucional de nº 194). Saúde que é "direito de todos e dever do Estado" (caput
do art. 196 da Constituição), garantida mediante ações e serviços de pronto
qualificados como "de relevância pública" (parte inicial do art. 197). A Lei de
Biossegurança como instrumento de encontro do direito à saúde com a própria
Ciência. No caso, ciências médicas, biológicas e correlatas, diretamente postas pela
Constituição a serviço desse bem inestimável do indivíduo que é a sua própria
higidez físico-mental. VII - O DIREITO CONSTITUCIONAL À LIBERDADE DE
EXPRESSÃO CIENTÍFICA E A LEI DE BIOSSEGURANÇA COMO
DENSIFICAÇÃO DESSA LIBERDADE. O termo "ciência", enquanto atividade
individual, faz parte do catálogo dos direitos fundamentais da pessoa humana
(inciso IX do art. 5º da CF). Liberdade de expressão que se afigura como clássico
direito constitucional-civil ou genuíno direito de personalidade. Por isso que
exigente do máximo de proteção jurídica, até como signo de vida coletiva
civilizada. Tão qualificadora do indivíduo e da sociedade é essa vocação para os
misteres da Ciência que o Magno Texto Federal abre todo um autonomizado
capítulo para prestigiá-la por modo superlativo (capítulo de nº IV do título VIII).
A regra de que "O Estado promoverá e incentivará o desenvolvimento científico, a
pesquisa e a capacitação tecnológicas" (art. 218, caput) é de logo complementada
com o preceito (§ 1º do mesmo art. 218) que autoriza a edição de normas como a
constante do art. 5º da Lei de Biossegurança. A compatibilização da liberdade de
expressão científica com os deveres estatais de propulsão das ciências que sirvam à
melhoria das condições de vida para todos os indivíduos. Assegurada, sempre, a
dignidade da pessoa humana, a Constituição Federal dota o bloco normativo posto
no art. 5º da Lei 11.105/2005 do necessário fundamento para dele afastar qualquer
invalidade jurídica (Ministra Cármen Lúcia). VIII - SUFICIÊNCIA DAS
CAUTELAS E RESTRIÇÕES IMPOSTAS PELA LEI DE BIOSSEGURANÇA
NA CONDUÇÃO DAS PESQUISAS COM CÉLULAS-TRONCO
46

EMBRIONÁRIAS. A Lei de Biossegurança caracteriza-se como regração legal a


salvo da mácula do açodamento, da insuficiência protetiva ou do vício da
arbitrariedade em matéria tão religiosa, filosófica e eticamente sensível como a da
biotecnologia na área da medicina e da genética humana. Trata-se de um conjunto
normativo que parte do pressuposto da intrínseca dignidade de toda forma de vida
humana, ou que tenha potencialidade para tanto. A Lei de Biossegurança não
conceitua as categorias mentais ou entidades biomédicas a que se refere, mas nem
por isso impede a facilitada exegese dos seus textos, pois é de se presumir que
recepcionou tais categorias e as que lhe são correlatas com o significado que elas
portam no âmbito das ciências médicas e biológicas. IX - IMPROCEDÊNCIA DA
AÇÃO. Afasta-se o uso da técnica de "interpretação conforme" para a feitura de
sentença de caráter aditivo que tencione conferir à Lei de Biossegurança
exuberância regratória, ou restrições tendentes a inviabilizar as pesquisas com
células-tronco embrionárias. Inexistência dos pressupostos para a aplicação da
técnica da "interpretação conforme a Constituição", porquanto a norma
impugnada não padece de polissemia ou de plurissignificatidade. Ação direta de
inconstitucionalidade julgada totalmente improcedente.
Decisão
Após os votos do Senhor Ministro Carlos Britto (relator) e da Senhora Ministra Ellen
Gracie (Presidente), julgando improcedente a ação direta, pediu vista dos autos o Senhor
Ministro Menezes Direito. Falaram: pelo Ministério Público Federal, o Procurador-
Geral da República, Dr. Antônio Fernando Barros e Silva de Souza; pelo amicus curiae
Conferência Nacional dos Bispos do Brasil - CNBB, o Professor Ives Gandra da Silva
Martins; pela Advocacia-Geral da União, o Ministro José Antônio Dias Toffoli; pelo
requerido, Congresso Nacional, o Dr. Leonardo Mundim; pelos amici curiae Conectas
Direitos Humanos e Centro de Direitos Humanos - CDH, o Dr. Oscar Vilhena Vieira e,
pelos amici curiae Movimento em Prol da Vida - MOVITAE e ANIS - Instituto de
Bioética, Direitos Humanos e Gênero, o Professor Luís Roberto Barroso. Plenário,
05.03.2008. Decisão: Após os votos dos Senhores Ministros Menezes Direito e Ricardo
Lewandowski, julgando parcialmente procedente a ação direta; dos votos da Senhora
Ministra Cármen Lúcia e do Senhor Ministro Joaquim Barbosa, julgando-a
improcedente; e dos votos dos Senhores Ministros Eros Grau e Cezar Peluso, julgando-a
improcedente, com ressalvas, nos termos de seus votos, o julgamento foi suspenso.
Presidência do Senhor Ministro Gilmar Mendes. Plenário, 28.05.2008. Decisão:
Prosseguindo no julgamento, o Tribunal, por maioria e nos termos do voto do relator,
julgou improcedente a ação direta, vencidos, parcialmente, em diferentes extensões, os
Senhores Ministros Menezes Direito, Ricardo Lewandowski, Eros Grau, Cezar Peluso e
o Presidente, Ministro Gilmar Mendes. Plenário, 29.05.2008
Outras informações Exibir
fim do documento