Você está na página 1de 1
S e ç ã o 1 ISSN 1677-7042 Nº 103, quinta-feira, 30 de maio de

Seção 1

ISSN 1677-7042

Nº 103, quinta-feira, 30 de maio de 2019

810.371/2004-PACIL PAVIMENTADORA E ARTEFATOS DE CIMENTO LTDA-OF.

N°201/2019/SEFAM/ANM-RS

811.075/2007-JOHRMANN MINERAÇÃO E TERRAPLENAGEM LTDA-OF.

N°189/2019/SEFAM/ANM-RS

810.156/2008-CERÂMICA KOTTWITZ LTDA.-OF. N°210/2019/SEFAM/ANM-RS 810.166/2011-JOHRMANN MINERAÇÃO E TERRAPLENAGEM LTDA-OF.

N°189/2019/SEFAM/ANM-RS

810.253/2011-JOSI EXTRAÇÃO DE BASALTO LTDA-OF.

N°204/2019/SEFAM/ANM-RS

810.332/2011-DALTRO COUTO DIAS ME-OF. N°211/2019/SEFAM/ANM-RS Determina cumprimento de exigência- RAL RETIFICADOR/Prazo 30

dias(1739) 810.034/1985-LIBERIO CORNELIO PASINATO-OF. N°199/2019/SEFAM/ANM-RS 810.122/2002-PACIL PAVIMENTADORA E ARTEFATOS DE CIMENTO LTDA-OF.

N°200/2019/SEFAM/ANM-RS

810.371/2004-PACIL PAVIMENTADORA E ARTEFATOS DE CIMENTO LTDA-OF.

N°200/2019/SEFAM/ANM-RS

810.945/2011-AZIR VUELMA ME-OF. N°205/2019/SEFAM/ANM-RS 811.428/2011-LIBERIO CORNELIO PASINATO-OF. N°199/2019/SEFAM/ANM-RS 811.290/2012-LINO MARCON - FI-OF. N°206/2019/SEFAM/ANM-RS 811.291/2012-LINO MARCON - FI-OF. N°206/2019/SEFAM/ANM-RS 811.329/2012-LINO MARCON - FI-OF. N°206/2019/SEFAM/ANM-RS 811.577/2014-LINO MARCON - FI-OF. N°206/2019/SEFAM/ANM-RS

RONALDO MOSSMANN Gerente

GERÊNCIA REGIONAL DA ANM NO ESTADO DO PARANÁ

DESPACHO Relação nº 20/2019

Fase de Requerimento de Licenciamento Outorga o Registro de Licença com vigência a partir dessa publicação:(730) 826.028/2019-CONSTRUTORA TRIUNFO SA-Registro de Licença N° 31/2019 - Vencimento em 24/01/2024 826.102/2019-CERÂMICA BOM JESUS LTDA EPP-Registro de Licença N° 32/2019 - Vencimento em 26/04/2029

CARLOS ALBERTO DIETER Gerente

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS DIRETORIA II SUPERINTENDÊNCIA DE INFRAESTRUTURA E MOVIMENTAÇÃO

AUTORIZAÇÃO Nº 359, DE 29 DE MAIO DE 2019

O SUPERINTENDENTE DE INFRAESTRUTURA E MOVIMENTAÇÃO da AGÊNCIA

NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS - ANP, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pela Portaria ANP nº 64, de 1º de março de 2012, tendo em vista o que consta do processo ANP n. º 48610.202336/2019-71 e considerando o atendimento às

exigências da Portaria ANP n.º 170, de 25 de setembro de 2002, torna público o seguinte ato:

Fica a E.C. AGUIAR COMERCIO DE COMBUSTIVEIS EIRELI , CNPJ nº 83.582.221/0003-04, autorizada a exercer a atividade de transporte a granel de petróleo, seus derivados e biocombustíveis por meio aquaviário, na navegação interior restrita aos limites do estado do Pará.

A íntegra desta autorização consta nos autos e estará disponível na página de

legislação (legislacao.anp.gov.br) do portal da ANP.

CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS

RECOMENDAÇÃO Nº 4, DE 9 DE MAIO DE 2019

Sobre o não contingenciamento de recursos da Educação e não ingerência à autonomia administrativa, de gestão financeira e patrimonial e de cátedra.

Humanos - CNDH, no uso de suas

de 2014, especialmente o

lhe confere competência para expedir

recomendações a entidades públicas e privadas envolvidas com a proteção dos direitos

O

Conselho

Nacional

de

Direitos

de

02

atribuições previstas na Lei disposto no art. 4º, inciso

12.986,

IV,

que

de

junho

humanos; Considerando que o art. 6º da Constituição Federal (CF) estabelece a educação como um direito social; Considerando o art. 207 da CF, as metas estabelecidas no Plano Nacional de Educação e o art. 53 e 54 da Lei nº 9394/96 (LDB), que asseguram a autonomia didático-cientifica, administrativa e de gestão financeira e patrimonial das universidades; Considerando o art. 206, inciso II e III da CF, que garantem a liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar o pensamento, a arte e o saber, o pluralismo de ideias e concepções pedagógicas, e coexistências de instituições públicas e privadas

de ensino; Considerando que o art. 23, inciso V, da CF determina que é competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios proporcionar os meios de acesso à cultura, à educação, à ciência, à tecnologia, à pesquisa e à

inovação; Considerando que o art. 26 da Declaração Universal dos Direitos Humanos proclamada pela Organização das Nações Unidas (ONU) e assinada pelo Brasil em 10 de dezembro de 1948, bem como o art. 12 da Declaração Americana de Direitos e Deveres do Homem proclamada pela IX Conferência Internacional Americana e assinada pelo Brasil em 30 de abril de 1948, definem ambas que toda pessoa tem direito à

educação; Considerando que o art. 13 do Pacto Internacional Sobre Direitos Econômicos, Sociais e Culturais adotado pela ONU em 19 de dezembro de 1966 e

ratificado pelo Brasil por meio do decreto nº 591, de 6 de julho de 1992, estabelece que os Estados partes do Pacto reconhecem o direito de toda pessoa à educação e que será preciso prosseguir ativamente o desenvolvimento de uma rede escolar em todos os níveis de ensino, que assegure a inclusão e a permanência dos estudantes, bem como melhorar continuamente as condições materiais de ensino e valorização do corpo docente; Considerando o contingenciamento anunciado de até 30% do orçamento do Ministério da Educação, afetando todas as etapas da educação, das creches e pré- escolas aos institutos e universidades; Reafirmando a defesa da prioridade de investimentos públicos na educação pública, universal, laica, gratuita e socialmente referenciada; recomenda:

Ao

Presidente da República;

Ao

Ministro da Economia;

Ao

Ministro da Educação;

1.

A revisão do contingenciamento e a liberação dos recursos previstos no

orçamento para a educação, ciência e tecnologia;

2. A não ingerência à autonomia universitária, liberdade de cátedra,

expressão e pensamento, bem como a livre investigação científica;

LEONARDO PENAFIEL PINHO Presidente do Conselho

RECOMENDAÇÃO Nº 4, DE 9 DE MAIO DE 2019

HELIO DA CUNHA BISAGGIO

PETRÓLEO BRASILEIRO S.A.

DECISÃO Nº 50, DE 21 DE MAIO DE 2019

O Presidente da Petróleo Brasileiro S.A - Petrobras, no uso de suas atribuições

conferidas pelo Art. 8º, caput e § 1º da Lei nº 12.846 de 2013, e art. 3º, § único do Decreto nº 8.420 de 2015, delega:

1) ao Gerente Executivo de Conformidade da Petrobras as atribuições previstas na Lei nº 12.846/2013 e no Decreto nº 8.420/2015 para atuar como autoridade instauradora do Processo Administrativo de Responsabilização (PAR) na Petrobras e decidir (i) ao tomar ciência de possível ato lesivo, pela abertura de investigação preliminar, pelo arquivamento da matéria ou pela instauração do Processo Administrativo de Responsabilização (PAR) na Petrobras; e (ii) quanto à suspensão cautelar do ato, contrato, processo ou procedimento objeto do PAR; 2) ao Comitê de Medidas Disciplinares (CMD), os poderes previstos na Lei nº 12.846/13 e no Decreto nº 8.420/15 para atuar como autoridade julgadora do Processo Administrativo de Responsabilização (PAR) na Petrobras, aplicando as sanções previstas em lei e analisando os respectivos pedidos de reconsiderações apresentados, bem como para deliberar a respeito da efetivação e cumprimento das sanções fixadas e de quaisquer questões afetas à decisão emitida na etapa de julgamento. Esta delegação permanecerá vigente até revogação ou manifestação formal em sentido contrário pela autoridade delegante.

ROBERTO CASTELLO BRANCO

Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos

GABINETE DA MINISTRA

PORTARIA Nº 1.214, DE 29 DE MAIO DE 2019

A MINISTRA DE ESTADO DA MULHER, DA FAMÍLIA E DOS DIREITOS

HUMANOS, em cumprimento à decisão judicial proferida nos autos do Processo da Ação Ordinária nº 5004301-14.2014.404.7000/PR, da 4ª Vara Federal de Curitiba da Seção Judiciária do Paraná, e nos termos do Parecer de Força Executória nº 00096/2019/ESE/PR/PUPR/PGU/AGU, referente ao Requerimento de Anistia nº 2005.01.52093, resolve:

Retificar a Portaria Ministerial nº 464, de 13 de março de 2012, publicada no Diário Oficial da União de 14 de março de 2012, para reconhecer o direito da autora DIVA RIBEIRO LIMA, inscrita no CPF sob o nº 302.110.939-04, receber o benefício da prestação mensal, permanente e continuada, em valor igual ao da remuneração que a anistiada política receberia se estivesse na ativa, em conformidade com o art. 6º da Lei nº 10.559/2002, considerando as informações prestadas pela EMATER-PR, na fase de liquidação da sentença, correspondente à função de Auxiliar de Escritório Local, com remuneração de R$ 2.565,82 (dois mil, quinhentos e sessenta e cinco reais e oitenta e dois centavos), código de enquadramento AD.02.4.

Sobre o não contingenciamento de recursos da Educação e não ingerência à autonomia administrativa, de gestão financeira e patrimonial e de cátedra.

O

Conselho

na

Nacional

Lei

de

Direitos

12.986,

de

02

Humanos

- de junho de 2014, especialmente o

suas

CNDH,

no

uso

de

atribuições previstas disposto no art.

4º,

inciso

IV, que lhe confere competência para expedir

recomendações a entidades públicas e privadas envolvidas com a proteção dos direitos

humanos; Considerando que o art. 6º da Constituição Federal (CF) estabelece a educação como um direito social; Considerando o art. 207 da CF, as metas estabelecidas no Plano Nacional de Educação e o art. 53 e 54 da Lei nº 9394/96 (LDB), que asseguram a autonomia didático-cientifica, administrativa e de gestão financeira e patrimonial das universidades; Considerando o art. 206, inciso II e III da CF, que garantem a liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar o pensamento, a arte e o saber, o pluralismo de ideias e concepções pedagógicas, e coexistências de instituições públicas e privadas

de ensino; Considerando que o art. 23, inciso V, da CF determina que é competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios proporcionar os meios de acesso à cultura, à educação, à ciência, à tecnologia, à pesquisa e à

inovação; Considerando que o art. 26 da Declaração Universal dos Direitos Humanos proclamada pela Organização das Nações Unidas (ONU) e assinada pelo Brasil em 10 de dezembro de 1948, bem como o art. 12 da Declaração Americana de Direitos e Deveres do Homem proclamada pela IX Conferência Internacional Americana e assinada pelo Brasil em 30 de abril de 1948, definem ambas que toda pessoa tem direito à

educação; Considerando que o art. 13 do Pacto Internacional Sobre Direitos Econômicos, Sociais e Culturais adotado pela ONU em 19 de dezembro de 1966 e ratificado pelo Brasil por meio do decreto nº 591, de 6 de julho de 1992, estabelece que os Estados partes do Pacto reconhecem o direito de toda pessoa à educação e que será preciso prosseguir ativamente o desenvolvimento de uma rede escolar em todos os níveis de ensino, que assegure a inclusão e a permanência dos estudantes, bem como melhorar continuamente as condições materiais de ensino e valorização do corpo docente; Considerando o contingenciamento anunciado de até 30% do orçamento do Ministério da Educação, afetando todas as etapas da educação, das creches e pré- escolas aos institutos e universidades; Reafirmando a defesa da prioridade de investimentos públicos na educação pública, universal, laica, gratuita e socialmente referenciada; Recomenda:

Ao

Presidente da República;

Ao

Ministro da Economia;

Ao

Ministro da Educação;

1.

A revisão do contingenciamento e a liberação dos recursos previstos no

orçamento para a educação, ciência e tecnologia;

2. A não ingerência à autonomia universitária, liberdade de cátedra,

expressão e pensamento, bem como a livre investigação científica;

DAMARES REGINA ALVES

LEONARDO PENAFIEL PINHO Presidente do Conselho

68
68
ALVES LEONARDO PENAFIEL PINHO Presidente do Conselho 68 Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico

pelo código 05152019053000068

Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.

MP nº 2.200-2 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.