Você está na página 1de 17

Disciplina: Engenharia Sustentável

Aula 1: Engenharia Sustentável

Apresentação
As empresas de Engenharia vêm desenvolvendo projetos que visam não só às
necessidades humanas, mas também à preservação da natureza e à integração do
homem com os ecossistemas existentes, com a mínima alteração possível. Linhas de
crédito especiais são ofertadas nos bancos para projetos desse tipo, incentivos fiscais
são oferecidos pelo governo, e prêmios são dados às empresas que se empenham
para esse fim.

Tudo isso só traz melhorias para a população, pois esta viverá em cidades mais
verdes, bonitas e ecologicamente corretas, o que, consequentemente, proporcionará
uma melhor qualidade de vida.

Essa é a Engenharia Sustentável. Descobriremos nesta aula tudo sobre esse conceito.

Objetivos
Registrar o significado de Engenharia Sustentável e o quanto a sua aplicabilidade
é essencial.
Compreender a importância da elaboração de projetos de sistemas que integrem
a natureza e as organizações humanas visando o mútuo benefício.
Interpretar os conceitos ambientais com a finalidade de atuar profissionalmente
de modo a preservar o planeta e aprimorar os sistemas de produção.
Desafio para o futuro
De maneira a atender às necessidades da atual geração sem diminuir as
chances de as futuras gerações fazerem o mesmo, um dos desafios deste
século se relaciona à expectativa de que as sociedades se tornem social,
ambiental e economicamente sustentáveis. Para isso, é necessário rever
a visão de mundo, priorizando o pensamento associado que percebe as
interdependências entre os fatos sociais, ambientais e econômicos. Acredita-
se que o estabelecimento de uma educação comprometida com mudanças de
valores e de comportamentos (sejam eles individuais e/ou coletivos) poderá
auxiliar na constituição dessas sociedades.

Nessa conjuntura, a educação de nível superior tem um papel prioritário à


medida que os futuros profissionais são os que trabalharão com os recursos
sociais, ambientais e econômicos e, portanto, precisam perceber sua função
na busca por transformações sociais e melhoria de bem-estar para as pessoas
das gerações atuais e das próximas. Em relação à Engenharia, a atuação de
engenheiros/engenheiras pode causar impactos, muitas vezes, prejudiciais à
qualidade de vida das pessoas, de outros seres vivos e dos ecossistemas.
Logo, é imprescindível que eles possam refletir sobre sua atuação e sejam
formados para buscarem soluções sustentáveis para os problemas
profissionais que encontrarão, colaborando, assim, com a sociedade na qual
atuam (ADEODATO et al., 2004).
Engenharia Sustentável
A Engenharia Sustentável não é uma nova divisão da Engenharia. Também
não se reduz às acepções mais simplistas pertinentes a assuntos ambientais,
em oposto ao que muitos pensam. Sem dúvidas, para o engenheiro o meio
ambiente deve ser um componente essencial da equação. Na Engenharia, a
técnica não pode ser implementada de forma desconectada da viabilidade
econômica nem da preocupação ambiental.

Resguardar o meio ambiente e garantir que a sociedade se desenvolva: este é


o alvo de todas as atuações que garantam a sustentabilidade ambiental. A
sustentabilidade versa sobre a conservação dos componentes do ecossistema,
objetivando medidas que sejam factíveis a todos os setores das atividades
humanas. O conceito é: conseguir o desenvolvimento sem que seja
necessário investir contra o meio ambiente.

Em 1987 surge o termo sustentabilidade, sendo apresentado oficialmente na


Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (CMMAD), da
Organização das Nações Unidas (ONU), presidida pela ex-primeira-ministra da
Noruega, Gro Harlem Brundtland. O termo é definido como:

“[...] a capacidade de satisfazer as necessidades do

presente sem comprometer a capacidade das gerações

futuras de satisfazerem suas próprias necessidades.”

Mais tarde, na Cúpula da Terra, popularmente conhecida como ECO 92, foi
firmado um acordo por quase todos os países do mundo, no qual eles se
comprometiam com a estabilização da concentração dos gases responsáveis
pelo efeito estufa, porém não foram definidas metas de redução específicas
para cada grupo resultante do encontro. Vale ressaltar que esse acordo sofre
revisões periódicas, sendo a mais famosa delas o Protocolo de Quioto,
apresentado em 1997.

Em 1994, Elkington (2001) criou a Teoria dos Três Pilares (em inglês, Triple
Bottom Line), um modelo de desenvolvimento que leva em consideração o
desenvolvimento econômico, a qualidade ambiental e a justiça social
por meio de uma visão equilibrada de como fazer uso dos recursos naturais,
essenciais para que as gerações futuras tenham uma sociedade de
prosperidade e justiça, melhor saúde ambiental e melhor qualidade de vida.

 Legenda: Mundo sustentável | Fonte:


Shuttersotck / kotoffei.

Os conceitos de sustentável e sustentabilidade têm várias definições


publicadas, contudo esses termos têm significados distintos. O termo
sustentável pode ser definido como “aquilo que pode ser mantido ao
longo do tempo”. A expressão sustentabilidade é o resultado de produzir
bens com um menor impacto ambiental, ajudando assim a preservar os
recursos naturais para as gerações futuras (HEINBERG, 2007).

Magalhães (1998) coloca que o conceito de desenvolvimento sustentável


abrange simultaneamente cinco dimensões de sustentabilidade:
ial
Soci
Cu
ltu

ica
ra

óg
l

ol
Ec
Espa
cial
Econômica

Espacial

Dada pela distribuição mais racional das atividades produtivas e sociais no


espaço físico, com ênfase no equilíbrio entre o meio rural e o urbano.

Cultural

Ligada à questão dos valores da sociedade, da educação, da pluralidade de


interesses e necessidades humanas, das peculiaridades de cada sistema
cultural.

Social

Se traduz pela igualdade de direitos e oportunidades

Ecológica

Que se coloca em favor da harmonização do desenvolvimento e da


preservação ambiental, com atenção aos limites dados pela capacidade de
suporte dos sistemas envolvidos.

Econômica

Caracterizada pela alocação mais eficiente dos recursos da produção.

Embora existam modelos que apresentem quatro ou mais dimensões (pilares)


relacionadas ao desenvolvimento sustentável, é comum o uso de três delas: a
social, a ambiental e a econômica (CAVALCANTI, 2012). Esses modelos são,
comumente, representados conforme Figura 1.

As três dimensões da sustentabilidade:


Para que se obtenha a sustentabilidade, Cavalcanti (2012) idealiza que o
desenvolvimento sustentável deve ser visto como um processo
socioeconômico no qual o uso de matéria e energia e os impactos
ambientais sejam minimizados, o bem-estar social seja maximizado, e o uso
dos recursos naturais vise à máxima eficiência, conforme o modelo de
funcionamento da natureza, ou seja, fugindo do esbanjamento.

Para Osório, Lobato e Castilho (2005), a sustentabilidade é apresentada como


a capacidade de manutenção de um estado, enquanto o desenvolvimento
sustentável ocorre como um processo para tentar manter um estado de
equilíbrio dinâmico de longo prazo, no qual a sustentabilidade é a ideia
central.

 Figura 1: As três dimensões da


sustentabilidade (desenhado pelo autor).
O sistema dinâmico da natureza
De modo simples, o meio ambiente funciona como um sistema aberto, que
recebe constantes insumos, processados e transformados em produtos,
conforme apresentado na Figura 2 (MOTA, 2004).

 Figura 2: Modelo termodinâmico da natureza

Modelo termodinâmico da natureza


Um sistema aberto está constantemente trazendo energia do ambiente. Os
animais e os vegetais sobrevivem devido à troca constante dela. Do mesmo
modo, as atividades econômicas e humanas precisam importar energia do
meio ambiente, pois vivem por sua causa. As atividades econômicas e
humanas, a fim de suprirem suas necessidades, transformam a energia dos
recursos naturais por meio de uso intensivo (IPEA, 2010).

As questões socioambientais são aspectos inerentes ao funcionamento do


sistema terrestre: primeiro, a compreensão de que a Terra é um sistema
singular, está aberta para a troca de energia e matéria; e segundo,
atualmente as atividades econômicas e humanas são capazes de promover
profundas transformações no sistema global em uma escala complexa,
interativa e evidentemente acelerada. As questões socioambientais devem,
necessariamente, ser abordadas de um ponto de vista sistêmico. Entretanto,
um dos maiores entraves verificados quanto às políticas públicas tem sido a
carência de conhecimentos sobre o funcionamento dos sistemas
socioambientais. – IPEA, 2010.


Desenvolvimento Sustentável
O desenvolvimento sustentável, como opção de desenvolvimento, foi
delimitado por um progresso conceitual que antecedeu e auxiliou as pesquisas
da Comissão Mundial sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento (CMMAD). Os
primeiros estudos científicos sobre o tema surgiram a partir do século XVIII.

Thomas Robert Malthus, um economista, demógrafo e estatístico, é


considerado o primeiro pesquisador a sugerir existência de limites ao
crescimento derivado da escassez dos recursos, por volta de 1978. A teoria
malthusiana (Figura 3) cria que a população tinha potencial de crescimento
ilimitado, enquanto a natureza, opostamente, possuía recursos limitados para
alimentá-la. Enquanto as populações crescem, segundo ele, em PG
(Progressão Geométrica), a produção de alimentos cresce em PA (Progressão
Aritmética).

 Figura 3: Teoria malthusiana


autor).
(desenhado pelo
A ideia de desenvolvimento sustentável incorporada aos negócios é
relativamente recente, além de complexa e controversa. Com o surgimento de
novas demandas e maior pressão por transparência nos negócios, empresas
se veem forçadas a adotar uma postura mais responsável em suas ações
(LIMA, 2009).

As organizações de grande porte possuem forte influência mútua com o


ambiente e as comunidades do entorno da área de operação, exigindo, muitas
vezes, amplo investimento financeiro. Igualmente, o crescente número de leis
e regulamentações, que vêm sendo estabelecidas nos últimos anos, faz com
que a questão sustentável se torne praticamente obrigatória.


[...] responsabilidade socioambiental deixou de ser
uma opção para as organizações; ela é uma questão de
visão, estratégia e, muitas vezes, de sobrevivência.

Trevisan et al. (2008).

Apesar disso, conquanto todas elas tenham incluído a procura pela


sustentabilidade em suas missões e visões, são incomuns as empresas
reconhecidas como exemplo nesse campo. Isso se deve à falta de um modelo
que alie, de forma ativa, o planejamento estratégico com os conceitos da
sustentabilidade (PRIETO et al., 2006).

O que se encontra, na prática da gestão empresarial, é uma diversidade de


instrumentos de gestão, muitos dos quais de grande qualidade, porém que
não demonstram a capacidade de executar tal interação entre a
sustentabilidade e a estratégia de negócios na qual a empresa está inserida
(BAUMGARTEN, 2002).

Para as organizações privadas, é importante que a relação entre a economia,


o social e o ambiental esteja afinada. Ou seja, as companhias não podem
mais atuar pensando só em gerar lucro; por meio do uso sustentável de
recursos e do desenvolvimento humano, devem estar adequadas a toda
cadeia de valor, à preservação da água e à biodiversidade. Em busca de
reforçar a importância do envolvimento de todos os setores com a
sustentabilidade, a Organização das Nações Unidas, em 2015, implementou
os 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODSs), cuja
finalidade é aplicar universalmente, até o ano de 2030, ações que contribuam
com o fim da pobreza e da desigualdade e que combatam as alterações
climáticas.

Na Figura 4, estão representados os Objetivos do Desenvolvimento


Sustentável, que vários países, incluindo o Brasil, comprometeram-se a atingir
até 2030.

Os ODSs, como também são conhecidos, são compostos por 169 metas, que
reforçam a necessidade de acabar com a pobreza e de prover
educação, saúde, água e saneamento a todos (tópicos que já estavam
presentes nos Objetivos do Milênio) e vão além. A ideia é construir um mundo
mais equilibrado, com oportunidades para todos e respeito ao meio ambiente.

 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável


(adaptada de “A GLOBAL COMPACT FOR
SUSTAINABLE DEVELOPMENT”)

Na cartilha Gestão Sustentável nas Empresas, do Serviço Brasileiro de


Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), os Sistemas de Gestão
Ambiental (SGA) podem ser aplicados em qualquer atividade econômica,
pública ou privada. Um SGA possibilita ao empresário controlar e minimizar os
riscos ambientais, além de representar uma importante vantagem
competitiva. A iniciativa ajuda o empreendimento em uma série de ações,
como:

Identificar e controlar impactos e riscos ambientais relevantes.

Estabelecer metas para o desempenho ambiental, assegurando o equilíbrio de


custos e benefícios.

Medir o desempenho em relação a padrões e metas preestabelecidos e


modificar a abordagem, se necessário.

Por meio de uma prática empresarial sustentável, provocando mudança de


valores e de orientação em seus sistemas operacionais, as empresas estarão
engajadas à ideia de desenvolvimento sustentável e preservação do meio
ambiente (Figura 5). A empresa que não buscar adequar suas atividades ao
conceito de desenvolvimento sustentável está fadada a perder
competitividade em médio prazo.

 FIGURA 5: Preceitos para uma atuação


Empresarial Sustentável (INVEPAR, 2013). Fonte:
goo.gl/UxL21w <http://goo.gl/UxL21w> .
Acesso em 01/05/2018.
Responsabilidade social
Responsabilidade social está atrelada ao conceito de desenvolvimento
sustentável. Uma atitude responsável em relação ao ambiente e à sociedade
não só garante a não escassez de recursos, mas também amplia o conceito a
uma escala mais abrangente. O desenvolvimento sustentável não só se refere
ao ambiente, mas também, por via do fortalecimento de parcerias duráveis,
promove a imagem da empresa como um todo e, por fim, leva ao crescimento
orientado. Uma postura sustentável é, por natureza, preventiva e possibilita a
prevenção de riscos futuros, como impactos ambientais ou processos judiciais.

São exemplos importantes de ações sustentáveis:

Exploração dos recursos vegetais de florestas e matas, garantindo o replantio,


e preservação de áreas verdes não destinadas à exploração econômica.

Uso de fontes de energia limpas e renováveis (eólica, geotérmica e


hidráulica).

Reciclagem dos resíduos sólidos e exploração do gás liberado em aterros


sanitários como fonte de energia.

4
Consumo controlado da água, visando evitar o desperdício, além da assunção
de medidas que visem à não poluição dos recursos hídricos.

Atividades
1. Qual das afirmações a seguir representa corretamente o conceito de
sustentabilidade?

a) Promover a exploração de áreas ou o uso de recursos planetários


(naturais ou não) de forma a prejudicar o menos possível o equilíbrio
entre o meio ambiente e as comunidades humanas e toda a biosfera que
dele dependem para existir.
b) Desenvolver novas tecnologias que proporcionem um aumento na
capacidade de produção industrial.
c) Automatizar a forma de exploração dos recursos naturais.
d) Desenvolver novas técnicas para a filtragem de resíduos industriais.
e) Promover a exploração de áreas ou o uso de recursos planetários
(naturais ou não) de forma a maximizar a capacidade de produção e
extração dos recursos naturais.
2. Considere as seguintes afirmativas:

I - O desenvolvimento sustentável é capaz de suprir as necessidades da


geração atual, sem comprometer a capacidade de atender às
necessidades das futuras gerações.

II - A definição de Desenvolvimento Sustentável surgiu na Comissão


Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, conhecida como
Comissão Brundtland, em 1987. Essa comissão foi criada pelas Nações
Unidas para discutir e propor meios de um desenvolvimento econômico
mais consciente e a conservação ambiental, buscando soluções para a
manutenção da grande população mundial de forma que promova a
sustentabilidade com a exploração de recursos naturais renováveis de
maneira equilibrada.

III - Atualmente, a população humana está consumindo os recursos


naturais mais rápido do que são regenerados na biosfera, acumulando
materiais tóxicos e diminuindo a qualidade do ambiente.

São verdadeiras:

a) Apenas I.
b) I e II.
c) Apenas II.
d) II e III.
e) I, II e III.
3. A definição mais aceita para desenvolvimento sustentável é o
desenvolvimento capaz de suprir as necessidades da geração atual, sem
comprometer a capacidade de atender às necessidades das futuras
gerações. Essa definição surgiu na Comissão Mundial sobre Meio
Ambiente e Desenvolvimento, criada pelas Nações Unidas para discutir e
propor meios de harmonizar dois objetivos: o desenvolvimento
econômico e a conservação ambiental. Nesse sentido, a sustentabilidade
não deve ser utilizada genericamente como um “clichê”. Ela representa
um conceito que se expande em três dimensões principais, a saber:

a) ideológica, política e social.


b) econômica, ambiental e social.
c) política, econômica e cultural.
d) geopolítica, geoeconômica e histórica.
e) histórico-cultural, ideológica e geopolítica.

Referências

AGOSTINHO, M.; AMORELLI, D.; BARBOSA, S. Introdução à Engenharia. 1 ed. Rio


de Janeiro: Lexicon, 2015.

BRAGA, B. et al. Introdução à Engenharia Ambiental. 2 ed. São Paulo: Pearson,


Prentice Hall, 2005.

FERREIRA A.D.D. Habitação autossuficiente: interligação e integração de sistemas


alternativos (biblioteca virtual). 1 ed. Rio de Janeiro: Interciência, 2014.

FREITAS, C.A. Introdução à Engenharia. São Paulo: Pearson Education do Brasil,


2014.

PHILLIPPI JR., A. Coleção ambiental: energia e sustentabilidade (biblioteca virtual).


Barueri, SP: Manole, 2016.

REIS, L.B.; FADIGAS, E.A.F.A.; CARVALHO, C.E. Energia, recursos naturais e a


prática de desenvolvimento sustentável (biblioteca virtual). 2 ed. Barueri, SP:
Manole, 2012.
SILVA, C.G. da. De sol a sol: energia do século XXI. São Paulo: Oficina de textos,
2010.

ADEODATO, M.T.P.C.; SILVA, M.R.; SHIMBO, I. TEIXEIRA, B.A.N. O ensino da


sustentabilidade em cursos de graduação em Engenharia Civil integrando
pesquisa e extensão: a experiência da UFSCar. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE
EDUCAÇÃO EM ENGENHARIA, setembro de 2004, Brasília. Disponível em:
http://www.abenge.org.br/cobenge/arquivos/15/artigos/07_266.pdf
<http://www.abenge.org.br/cobenge/arquivos/15/artigos/07_266.pdf> .
Acesso em 17 julho de 2018.

CAVALCANTI, C. Sustentabilidade: Mantra ou Escolha Moral? Estudos Avançados. v.


26, n. 74, p. 35-50, 2012. Disponível em: https://goo.gl/ebnPN5
<https://goo.gl/ebnPN5> . Acesso em 01 maio 2018.

ELKINGTON, J. Canibais com garfo e faca. São Paulo: Makron Books. 2001.

HEINBERG, R. (2007). Cinco axiomas da sustentabilidade. Disponível em


http://www.resistir.info/energia/5_axiomas.html
<http://www.resistir.info/energia/5_axiomas.html> . Acesso em 15 maio
2018.

LIMA, G.A. Notas de Aula: sustentabilidade das organizações, 2009.

MAGALHÃES, R. M. (1998). Análise de ciclo de vida orientada para o meio


ambiente – o contexto de projeto e gestão para o desenvolvimento sustentável.
Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – COPPE, Universidade Federal
do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

MOTA, J. A. Economia, Meio Ambiente e Sustentabilidade: As Limitações do


mercado Onde o Mercado é o Limite. Boletim Científico. Brasília, Escola Superior do
Ministério Público da União, ano 3, n. 12, p. 67-87, jul./set. 2004.

OSÓRIO, L.A.R.; LOBATO, M.O.; CASTILLO, X.A. del. Debates on Sustainable


Development: Towards a Holistic View of Reality. Environment, Development and
Sustainability. 7, p. 501–518, 2005.

PRIETO, V. C. et al. Fatores Críticos na Implementação do Balanced Scorecard.


Gestão & Produção. v. 13, n. 1, p. 81-92, 2006. Disponível em:
http://dx.doi.org/10.1590/S0104-530X2006000100008
<http://dx.doi.org/10.1590/S0104-530X2006000100008> . Acesso em 15
jul. 2018.
Sustentabilidade ambiental no Brasil: biodiversidade, economia e bem-estar
humano. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Brasília: Ipea, 2010.

TREVISAN, M. et al. Uma ação de responsabilidade socioambiental no rodeio


internacional. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO –
ENEGEP, 28., 2008, Rio de Janeiro. Anais...

Próximos Passos

Abordar a história e o ensino de Engenharia no Brasil e no mundo.


Analisar o desenvolvimento histórico da ciência e tecnologia no país.
Ilustrar a expansão das escolas de Engenharia no Brasil.

Explore mais

Leia os seguintes textos:

“Termos usados nas questões de sustentabilidade ainda geram conflitos


<https://jornal.usp.br/atualidades/termos-usados-nas-questoes-de-
sustentabilidade-ainda-geram-conflitos> ”.
“Cinco axiomas da sustentabilidade
<http://resistir.info/energia/5_axiomas.html> ”.

Acesse a página:

“Engenharia sustentável <https://www.engenhariasustentavel.com.br>


”.

Assista aos vídeos:

“Mas afinal, o que é sustentabilidade?


<https://www.youtube.com/watch?v=cSzDdNA8jwM> ”. Em uma
linguagem acessível e moderna.
“Responsabilidade social e sustentabilidade das organizações
<https://www.youtube.com/watch?v=phpIk4J9QgI> ”.