Você está na página 1de 37

APRENDA QUÍMICA – Módulo I

INTRODUÇÃO À QUÍMICA ............................. 1


MATÉRIA E ESTRUTURA ATÔMICA ............. 3
TABELA PERIÓDICA ........................................ 9
LIGAÇÕES QUÍMICAS.................................... 12
FUNÇÕES INORGÂNICAS.............................. 18
RELAÇÕES DE MASSA .................................. 26
ESTEQUIOMETRIA ......................................... 28
ESTUDO DOS GASES ...................................... 33
BIBLIOGRAFIA ................................................ 37

INTRODUÇÃO À QUÍMICA
Fonte: Peruzzo e Canto (2009)

A Química estuda a matéria e também as Diagrama da mudança de estado físico de


suas transformações. uma substância, para um processo em que a
temperatura aumenta:
Matéria tem massa e ocupa volume. São três
os estados físicos comuns: sólido, líquido e gasoso.
Sobre os três estados físicos acima
apresentados, diz-se de maneira geral:
 Sólido: têm forma definida e volume fixo;
interação mais intensa entre as partículas.
 Líquido: não tem forma definida, mas possui 1
volume fixo; interação não tão intensa entre
as partículas.
 Gasoso: sem forma ou volume definidos;
interações mais fracas entre as partículas.
Transformações físicas: processos nos quais
não há formação de nova(s) substância(s), mudando- Fonte: Fonseca (2016)
se apenas forma e aparência. As substâncias apresentam diversas
Transformações químicas: processos nos propriedades características, tais como pontos de
quais há formação de nova(s) substância(s). fusão e ebulição, densidade (d = m/v), etc.

- MUDANÇAS DE ESTADO FÍSICO - MISTURAS

Uma substância pode passar de um estado As misturas são formadas por mais de uma
físico a outro através da alteração nas condições de substância, que não reagem entre si, e podem ser
pressão e/ou de temperatura. classificadas como homogêneas (uma só fase) ou
heterogêneas (duas ou mais fases).
Um esquema geral sobre essas mudanças está
apresentado a seguir: Diagrama da mudança de estado físico para
uma mistura, considerando um processo em que há
aumento da temperatura:

 Comum

Página | 1
Alguns métodos de separação de misturas
homogêneas:
 Destilação: pode ser simples ou fracionada.
A simples é usada para realizar a separação
entre misturas sólido-líquido, enquanto que a
fracionada é utilizada na separação de
misturas líquido-líquido não azeotrópicas,
onde os componentes tenha pontos de
ebulição distintos.
 Evaporação.
 Cromatografia.
Fonte: Fonseca (2016) Esquema representativo de destilação simples (1)
 Eutética e fracionada (2):

(1)
Fonte: Fonseca (2016) 2
 Azeotrópica

Fonte: Fonseca (2016) (2)


Fonte: Fonseca (2016)
Alguns métodos de separação de misturas
heterogêneas: Praticando!
 Decantação: mistura líquido-líquido separada 1. (UEG-GO) O processo descrito na figura a seguir
por diferenças na densidade. é usado para separar misturas homogêneas não
 Filtração: separação com utilização de um azeotrópicas, do tipo líquido-líquido, nas quais os
filtro, pode ser comum ou à vácuo. componentes apresentam pontos de ebulição
 Centrifugação relativamente próximos.
 Imantação ou separação magnética. REIS, M. "Completamente química - Química. Ciências,
tecnologia e sociedade". São Paulo: FTD. 2001. p. 135.
 Tamisação ou peneiração.
 Levigação: utilizado por garimpeiros.
 Dissoluçãao fracionada.
Página | 2
3. (UFPI/adaptado) A água potável consumida pela
população de Teresina é captada do rio Parnaíba e
tratada nas estações de tratamento de água da
AGESPISA, denominadas ETA I, ETA II, ETA III e
ETA IV, produzindo um volume mensal médio de 6
bilhões de metros cúbicos de água tratada. Uma das
etapas do tratamento de água consiste na aglutinação
de partículas, as quais, por possuírem dimensões
Considerando o texto e a figura, marque a alternativa reduzidas e baixa densidade, apresentam dificuldade
CORRETA: de sedimentação. Esta etapa é denominada:

A) Quando se destilam dois líquidos, o líquido A) aeração. B) decantação. C) floculação.


menos volátil é destilado em primeiro lugar. D) sifonação. E) destilação fracionada.
B) Quando se destilam dois líquidos, o líquido que
apresenta menor pressão de vapor é destilado em Gabarito: 1. D; 2. E; 3. C.
primeiro lugar.
C) O processo conhecido por filtração simples
apresenta os mesmos princípios físicos utilizados no MATÉRIA E ESTRUTURA ATÔMICA
processo descrito na figura.
D) Pode-se afirmar que, pelo processo descrito, não é
possível separar completamente os componentes de MODELOS ATÔMICOS
uma mistura azeotrópica, pelo fato de ela apresentar
ponto de ebulição constante.
E) Para separar os componentes de uma mistura - AS IDEIAS DE LEUCIPO E DEMÓCRITO
gasosa, o primeiro passo seria realizar uma
destilação. Por volta de 400 a.C. os filósofos Leucipo e
Demócrito formularam a sua teoria sobre a
2. (FATEC-SP) As tribos indígenas da América do constituição da matéria.
3
Norte e as antigas civilizações da América Central Nessa teoria, a matéria era constituída por
fizeram uso da MESCALINA. Este alcalóide é pequenas partículas que sempre existiram e que
encontrado em um razoável número de espécies de seriam indivisíveis: os átomos.
cactos, principalmente no peyote. A seguir encontra-
se sua tabela de solubilidade nos principais solventes. Esses átomos de Demócrito deveriam atender às
seguintes condições:
 Os átomos constituiriam toda e qualquer
matéria.
 Os átomos seriam qualitativamente iguais,
diferindo, apenas, na forma, no tamanho e na
massa.

Para obter a mescalina a partir das folhas de peyote, Para Demócrito a grande variedade de materiais
inicialmente é necessário ferver em solução aquosa na natureza provinha dos movimentos dos diferentes
de HCℓ 5%, e a seguir neutralizar com solução tipos que, ao se chocarem, formavam conjuntos
aquosa de NaOH. Indique a alternativa que apresenta maiores, gerando diferentes corpos, com
a sequência de procedimentos posteriores mais características próprias.
indicada para o isolamento da mescalina.

A) Filtrar; evaporar a água; destilar. - O MODELO DE DALTON


B) Centrifugar; extrair com água; filtrar. Em 1803, a partir de dados experimentais, Dalton
C) Filtrar, extrair com água; decantar. propôs uma teoria atômica que dizia:
D) Extrair com éter; filtrar; evaporar o solvente.
E) Filtrar; extrair com diclorometano; evaporar o  A matéria é formada por partículas esféricas,
solvente. indivisíveis, indestrutíveis e intransformáveis
chamada átomo.
 Átomos de um mesmo elemento químico são
iguais (mesma massa, mesmo tamanho, etc.)
Página | 3
e átomos de elementos químicos diferentes Durante o experimento foi observado que:
são diferentes entre si.
 A maioria das partículas alfa atravessava a
lâmina de ouro sem sofrer desvio, indicando
que a maior parte do átomo deveria ser de
espaços vazios.
 Uma pequena quantidade de partículas alfa
não passava pela lâmina e voltavam,
indicando a existência de uma região
- O MODELO DE THOMPSON pequena praticamente maciça.
Para Thomson, o átomo seria uma esfera com as  Algumas partículas alfa sofriam pequenos
seguintes características: desvios ao passarem pela lâmina, indicando
que havia uma repulsão entre a partícula alfa
 homogênea; e uma pequena região do átomo.
 não maciça;
 de carga positiva (onde estariam incrustadas A região do átomo em que as partículas alfa
algumas cargas negativas, garantindo assim a sofriam desvio ou voltavam foi denominada de
neutralidade do átomo). núcleo, onde estaria concentrada a massa do átomo.
A outra região, que envolve o núcleo, foi chamada de
Este modelo ficou conhecido como o “modelo de eletrosfera.
pudim de passas”, onde o pudim seria as cargas
positivas e as passas, as cargas negativas. As partículas fundamentais que constituem os
átomos são prótons, nêutrons e elétrons. Rutherford
imaginava que haveria partículas neutras no núcleo,
mas apenas ponderou isso (sem comprovação).
A comprovação veio apenas posteriormente, em
1932. No núcleo do átomo são encontrados prótons e
nêutrons; enquanto que na eletrosfera são
encontrados os elétrons. Estudos feitos permitiram 4
determinar características físicas destas partículas
atômicas fundamentais, tais como carga elétrica
- O MODELO DE RUTHERFORD relativa e massa relativa, que são:
Um dos maiores feitos de Rutherford foi a Partícula Massa relativa Carga relativa
realização do experimento esquematicamente
representado abaixo: ELÉTRON 1/1836 -1
PRÓTON 1 +1
NÊUTRON 1 0

- O MODELO DE BOHR
O estudo de espectros dos elementos químicos,
bem como o estudo de Planck na formulação da ideia
de quantum de energia, auxiliaram Bohr na
proposição do seu modelo.
Ele postulou que:
 O elétron move-se em órbitas circulares ao
redor do núcleo e que cada elétron tem órbita
específica, com uma energia bem definida
(níveis de energia);
 Os níveis de energia são quantizados e, por
Fonte:http://brasilescola.uol.com.br/quimica/o-atomo- isso, os espectros dos elementos são
rutherford.htm descontínuos.
Alguns conceitos correlatos:

Página | 4
 Átomo no estado fundamental: elétrons Em átomos NEUTROS, o número de cargas
movimentando-se nos níveis de menor positivas (chamadas prótons) é igual ao de cargas
energia. negativas, elétrons. Dessa maneira:
 Átomo no estado excitado: elétrons Z=p
movimentando-se em níveis de energia
acima do estado fundamental. p = e-
Onde p é o número de prótons e e- o número de
elétrons.

- NÚMERO DE MASSA (A)


A massa de um átomo, conforme indicado
por Rutherford, se concentra no núcleo.
O núcleo possui apenas prótons e nêutrons e
pode-se dizer que a massa é o resultado da soma da
Imagem retirada de: massa dos prótons com a massa dos nêutrons.
http://zeus.qui.ufmg.br/~qgeral/?p=qwyitvwhn&paged=2
A massa de um átomo geralmente é
aproximada pelo número de massa (A), dado por:
Atenção! O MODELO DE SOMMERFELD: O A=Z+N
estudo de espectros finos, resultado da utilização de
espectroscópios mais potentes, permitiu que Onde N é o número de nêutrons.
Sommerfeld apontasse que os níveis de energia eram Com a mesma expressão determina-se o
divididos em subníveis. número de prótons ou de nêutrons, apenas
reorganizando os termos.

- O “MODELO ATUAL” Z=A−N


5
 Modelo matemático-probabilístico; N=A−Z
 Considera o princípio da dualidade de de
Broglie e o princípio da incerteza de
- ELEMENTO QUÍMICO
Heisenberg;
 Orbital: região de máxima probabilidade de É o conjunto de átomos que possuem o
se encontrar o elétron mesmo número de prótons.
 Dois elétrons não podem apresentar o mesmo Na natureza podem existir diferentes átomos
conjunto de números quânticos (exclusão de de um mesmo elemento (isótopos), cada um com um
Pauli); número de massa diferente.
 Nêutrons: Chadwick, 1932;
 Princípio da máxima multiplicidade Na tabela periódica, ao observarmos as
(preenchimento eletrônico); massas dos elementos, percebemos que essas não são
 Equação de Schrödinger: números inteiros.

Observação! Órbita ≠ orbital Isso é devido ao fato da massa de um


elemento químico ser uma média ponderada pela
disponibilidade dos diferentes átomos de um
ATOMÍSTICA elemento químico na natureza.
A seguir apresenta-se um exemplo em
relação a massa atômica do elemento químico cloro:
- NÚMERO ATÔMICO (Z)
MASSA ATÔMICA DO ELEMENTO QUÍMICO
É o numero de identificação dos elementos CLORO:
químicos e aponta o numero de prótons presente em
determinado elemento químico. Jamais elementos Isótopo Cl-35 possui massa atômica (u) = 34,977,
diferentes terão o mesmo numero de prótons. numa abundância de 75%
Isótopo Cl-37 possui massa atômica (u) = 36,975,

Página | 5
numa abundância de 25% 2 8 18 32 32 18 8
A massa atômica (MA) é dada então por:
As camadas são inicialmente preenchidas da
parte mais interna (próxima ao núcleo) para a parte
mais externa (camada de valência). Por exemplo, o
átomo de sódio possui 11 elétrons, assim distribuídos
A notação padrão para representação das K = 2; L = 8; M = 1.
informações sobre um elemento químico é:
Sommerfeld, estudando o átomo, percebeu
A
que nem sempre os elétrons de um mesmo nível
estão equivalentes a outro elétron. Em seus estudos
Onde o número de massa, A, fica na parte
descobriu a existência dos subníveis. Apontam-se, de
superior e o número atômico, Z, fica na parte
maneira prática, 4 subníveis: s, p, d, f.
inferior.
K 1s

- SEMELHANÇAS ATÔMICAS L 2s 2p

Diversos átomos são semelhantes em M 3s 3p 3d


propriedades e/ou composição. N 4s 4p 4d 4f
A seguir são apresentadas as semelhanças O 5s 5p 5d 5f
atômicas.
P 6s 6p 6d
ISÓTOPOS: átomos que possuem o mesmo numero
Q 7s 7p
atômico, logo só serão isótopos os átomos do mesmo
elemento químico.
Exemplo: (respectivamente O aspecto energético das subcamadas é
prótio, deutério e trítio). comumente representado a partir de um diagrama 6
muito conhecido.
ISOBÁROS: quando possuírem números de massas
iguais, os átomos serão chamados de isóbaros.
Exemplo: .
ISÓTONOS: átomos que apresentam os números de
neutros iguais.
Exemplo: 19K39 e 20Ca40.

ESTRUTURA ELETRÔNICA

Ao redor do núcleo há a eletrosfera NÚMEROS QUÂNTICOS


(Rutherford) e nela se concentram as principais
informações sobre as propriedades energéticas do
átomo. - NÚMERO QUÂNTICO PRINCIPAL (n)
A eletrosfera é dividida em partes, chamadas “Identifica” o nível de energia do elétron.
camadas eletrônicas ou níveis de energia (Böhr). Do Nível K L M N O P Q
núcleo para fora estas camadas são representadas
pelas letras: K, L, M, N, O, P, Q... n 1 2 3 4 5 6 7
Em cada camada poderemos encontrar um
número máximo de elétrons, referentes à quantidade - NUMERO QUÂNTICO SECUNDÁRIO (l)
de elétrons possíveis de serem acomodados no
número de orbitais disponíveis para cada camada. “Identifica” o subnível do elétron.
K L M N O P Q Subnível s p d f

Página | 6
l 0 1 2 3
- NÚMERO QUÂNTICO DE SPIN
- NUMERO QUÂNTICO MAGNÉTICO (ml) “Identifica a orientação de spin”. Pode
assumir os valores ±1/2.
“Indica o orbital do elétron” (a região onde é
mais provável encontrar o elétron). Praticando!
Importante recordar que é impossível
calcular a posição exata de um elétron. 1. (UPE) Na II Guerra Mundial, as Forças Aliadas
Da mecânica quântica advém uma executaram uma ação de guerra para resgatar uma
interpretação de determinada região onde haveria garrafa de cerveja contendo água deuterada (D 2O),
que Niels Bohr deixou, por engano, no seu
maior probabilidade de se encontrar um elétron. A
laboratório. Sobre esse tema, analise as afirmativas a
essa região chamaremos de orbital.
seguir:
Nos subníveis adotados na prática, portanto,
teremos os seguintes números de orbitais: I. A ação militar justifica-se porque o deutério pode
sofrer fissão nuclear, sendo utilizado na confecção da
Subnível s ml = 0 1 orbital
bomba atômica.
Subnível p ml = −1 a 1 3 orbitais II. A água deuterada e a água pura (H 2 O) são
substâncias compostas constituídas pelos mesmos
Subnível d ml = −2 a 2 5 orbitais
elementos químicos.
Subnível f ml = −3 a 3 7 orbitais III. A garrafa com água deuterada, encontrada no
laboratório de Bohr, tem massa maior que uma
O número quântico magnético pode ser de –l até +l garrafa idêntica contendo o mesmo volume de água
Cada orbital comporta, no máximo, 2 pura (H2O).
elétrons, que iremos distribuir nestes orbitais
seguindo a regra de Hund (regra da máxima Está CORRETO o que se afirma em
multiplicidade). 7
A) I, apenas. B) I e II, apenas. C) I e III, apenas.
Convencionalmente, coloca-se um elétron D) II e III, apenas. E) I, II e III.
em cada orbital, da esquerda para a direita e, quando
todos os orbitais tiverem recebido o primeiro elétron, 2. (SSA) Um grupo de estudantes de uma escola fez
colocamos o segundo elétron, com sentido oposto. uma visita ao Espaço Ciência. Ao observar a
No Ensino Médio, comumente distribuição planetária para o Sistema Solar,
representamos esses orbitais por quadrados (as localizada em uma área do museu, a professora de
chamadas “caixinhas”). química aproveitou a oportunidade para abordar
modelos atômicos. Explicou as características do
modelo atômico, que é comumente associado a esse
tipo de distribuição.
Uma das características associadas ao modelo
atômico escolhido pela professora reside no fato de
ele

A) ter sido proposto por Jonh Dalton.


B) ser semelhante e ser precedente ao modelo
proposto por Thomson.
C) ter sido criado após as aplicações da fissão
nuclear para fins bélicos.
D) passar a ser utilizado para ratificar a ideia de que
átomos não possuíam cargas.
Exemplificando: Distribuir os elétrons do subnível E) conceber o átomo como um pequeno núcleo
“3p5“. positivo rodeado por uma região contendo elétrons.

3. (ENEM)

Página | 7
busca de aumentar a energia do sistema e com isso
adquirir estabilidade.

Quantos erros científicos são encontrados no texto?

A) Um B) Dois C) Três D) Quatro E) Cinco

5. (ENEM) Os núcleos dos átomos são constituídos


de prótons e nêutrons, sendo ambos os principais
responsáveis pela sua massa. Nota-se que, na maioria
dos núcleos, essas partículas não estão presentes na
Do ponto de vista da ciência moderna, os “quatro mesma proporção. O gráfico mostra a quantidade de
elementos” descritos por Platão correspondem, na nêutrons (N) em função da quantidade de prótons (Z)
verdade, às fases sólida, líquida, gasosa e plasma da para os núcleos estáveis conhecidos.
matéria. As transições entre elas são hoje entendidas KAPLAN, I. Física Nuclear. Rio de Janeiro: Guanabara Dois,
como consequências macroscópicas de 1978 (adaptado) .
transformações sofridas pela matéria em escala
microscópica. Excetuando-se a fase de plasma, essas O antimônio é um elemento químico que possui 50
transformações sofridas pela matéria, em nível prótons e possui vários isótopos ― átomos que só se
microscópico, estão associadas a uma diferem pelo número de nêutrons.

A) troca de átomos entre as diferentes moléculas do


material.
B) transmutação nuclear dos elementos químicos do
material.
C) redistribuição de prótons entre os diferentes
átomos do material.
D) mudança na estrutura espacial formada pelos 8
diferentes constituintes do material.
E) alteração nas proporções dos diferentes isótopos
de cada elemento presente no material.

4. (SSA) Muitas informações veiculadas na internet


contêm erros científicos. Um exemplo disso pode ser
verificado em determinado blog sobre o ensino de
química cujo conteúdo é transcrito a seguir:

Modelos Atômicos
Os modelos atômicos são diferentes ideias, que
surgiram durante o desenvolvimento da história da
ciência, na tentativa de explicar a composição íntima
da matéria. O primeiro modelo atômico da era
moderna foi proposto por John Dalton, que
considerava os átomos como esferas maciças e
indivisíveis. A descoberta dos elétrons, partículas
subatômicas de carga elétrica positiva, fez os De acordo com o gráfico, os isótopos estáveis do
cientistas provarem que o átomo era divisível, antimônio possuem
abrindo espaço para uma nova ideia, um modelo que
ficou conhecido como pudim de passas, atribuído ao A) entre 12 e 24 nêutrons a menos que o número de
físico Ernest Rutherford. Esse modelo durou alguns prótons.
anos, até que o cientista Niels Böhr propôs um B) exatamente o mesmo número de prótons e
modelo no qual os elétrons giravam ao redor de um nêutrons.
núcleo com energia variável, ao percorrer uma órbita C) entre 0 e 12 nêutrons a mais que o número de
fixa. A partir desses elétrons, os átomos poderiam se prótons.
unir para formar compostos em um fenômeno D) entre 12 e 24 nêutrons a mais que o número de
conhecido como ligação química, que ocorria em prótons.
Página | 8
E) entre 0 e 12 nêutrons a menos que o número de Terrosos
prótons. 3 3B ns2 d1
4 4B ns2 d2
GABARITO: 1. D; 2. E; 3. D; 4. D; 5. D. 5 5B ns2 d3 Metais de
... Transição
...
TABELA PERIÓDICA 11 1B ns2 d9
12 2B ns2 d10
13 3A ns2 np1 Grupo do Boro
CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA ATUAL 14 4A ns2 np2 Grupo do
Carbono
15 5A ns2 np3 Grupo do
- PERÍODOS Nitrogênio
Agrupam os elementos químicos em ordem 16 6A ns2 np4 Calcogênios
crescente de numero atômico. Os períodos são as 17 7A ns2 np5 Halogênios
linhas horizontais da tabela periódica e ao todo 18 8A ns2 np6 Gases Nobres
existem 7 linhas horizontais. É comum associar o *Configuração Eletrônica da Camada de Valência
período de um elemento químico ao número quântico
principal do elétron mais externo.
Os elementos de transição são divididos em
O elemento flúor tem 9 elétrons. A sua elementos de transição interna (ns nd) e transição
distribuição eletrônica é: 1s² 2s² 2p5 externa (ns nf). A presença dos orbitais f, nos metais
Neste caso o elétron mais externo se encontra de transição externa, confere a eles propriedades
na segunda camada e o flúor pertence ao segundo interessantes, como luminescência.
período. Os metais de transição externa da série dos
lantanídeos são frequentemente usados em
diagnósticos clínicos e os actinídeos são explorados
- GRUPOS (ANTIGAS FAMÍLIAS) 9
devido às propriedades radioativas.
Por recomendação da IUPAC, a utilização do
termo família, deve ser substituída gradativamente
pelo termo grupo.
Anteriormente as famílias dos elementos
representativos (ns, np) eram representadas pela
letra A precedida de um número de 1 a 8 e os de
transição seguiam o mesmo método, mas a letra que
representa os elementos de transição (ns nd / ns nf)
era o B. A família 8A (grupo 18) é a dos gases
nobres.
Os grupos são as linhas verticais da tabela
periódica e agrupam os elementos com forte
semelhança química. - CLASSIFICAÇÃO DOS ELEMENTOS
A semelhança entre propriedades, em boa Podemos classificar os elementos, dentro da
parte, está associada à configuração eletrônica dos tabela periódica, em metais ametais, gases nobres e
elementos de um mesmo grupo. Por exemplo, o lítio, hidrogênio. Antigamente ainda era comum a
sódio, potássio, rubídio, césio e frâncio, todos classificação em semimetais (metalóides).
elementos do grupo 1, possuem a mesma quantidade
de elétrons na camada de valência.
GRUPO FAMÍLIA C.E.C.V.* N. DO
GRUPO
1 1A ns1 Metais
Alcalinos
2 2A ns2 Metais
Alcalinos
Página | 9
medindo-se a distância entre dois núcleos de átomos
iguais vizinhos e tomando-se a sua metade. As
medidas experimentais nos levam a concluir:
“Nos grupos, o raio aumenta de cima para baixo e
nos períodos, da direita para a esquerda.”

Algumas características:
(a) Metais: brilho metálico característico; boa
condutibilidade térmica e elétrica; maleáveis; cor
acinzentada/prateada (em geral, exceção para ouro e Quando um átomo origina um íon
cobre (dourado e avermelhado); sólidos a 25ºC e 1 verificamos que o ânion é maior que o átomo
atm (exceto mercúrio, que é líquido). neutro correspondente e o cátion é menor que o
(b) Semimetais: brilho semimetálico; baixa átomo neutro correspondente.
condutibilidade elétrica.
ATENÇÃO! Atualmente, por algumas correntes, é - POTENCIAL DE IONIZAÇÃO ou ENERGIA DE
comum não utilizar mais o termo semimetal ou IONIZAÇÃO (EI)
metalóide e classificar alguns deles como metais
Para retirar um elétron de um átomo neutro
(Ge, Sb, Po) e outros como ametais (B, Si, As, Te).
(ou íon) isolado no estado gasoso necessitamos de
DICA! Para memorização dos semimetais: B, Si, uma energia mínima. A esta energia denomina-se
Ge, As, Sb, Te, Po. energia de ionização.
Frase: Brasileiro Simples Geralmente Assiste SbT, Experimentalmente verifica-se que ao longo
Televisão dos Pobres. da tabela periódica esta energia aumenta de baixo 1
para cima, nos grupos, e da esquerda para a 0
direita nos períodos.
(c) Ametais: Maus condutores térmicos e elétricos
A remoção do primeiro elétron requer uma
(atuando a maioria como isolante térmico e elétrico);
quantidade de energia denominada de primeira
sem brilho (exceto grafita e iodo).
energia de ionização (1ª E.I.).
(d) Hidrogênio: não se enquadra em nenhum grupo; é
um gás inflamável nas condições do nosso ambiente A remoção do segundo elétron requer uma
(H2); combina-se com metais, ametais e semimetais. energia maior que à primeira, e é denominada de
(e) Gases Nobres: gases nas condições ambientes; segunda energia de ionização (2ª E.I.) e assim
apresentam grande estabilidade; não formam sucessivamente.
compostos de maneira espontânea (sintetiza-se
compostos como o XeO4 em laboratório).

PROPRIEDADES PERIÓDICAS

As propriedades periódicas são aquelas que,


em geral, apresentam-se de maneira crescente ou
decrescente em cada período à medida que se
aumenta o número atômico e que se repetem de - AFINIDADE ELETRÔNICA
maneira periódica.
“É a energia liberada pelo átomo, isolado
no estado gasoso, quando recebe um elétron.”
- RAIO ATÔMICO Podemos observar que:
Não podemos medir diretamente o raio de  Nos grupos aumenta de baixo para cima.
um átomo. A medida é feita por meio de raios-X,
Página | 10
 Nos períodos aumenta da esquerda para a
direita.
 Não definimos afinidade eletrônica
(eletroafinidade) para os gases nobres.

Com base no texto, a toxicidade do cádmio em sua


forma iônica é consequência de esse elemento
- ELETRONEGATIVIDADE
A) apresentar baixa energia de ionização, o que
É a “tendência” que os átomos apresentam de favorece a formação do íon e facilita sua ligação a
atrair elétrons. outros compostos.
“Nos grupos esta tendência aumenta de baixo B) possuir tendência de atuar em processos
para cima e nos períodos da esquerda para a biológicos mediados por cátions metálicos com
direita.” cargas que variam de +1 a +3.
C) possuir raio e carga relativamente próximos aos
de íons metálicos que atuam nos processos
biológicos, causando interferência nesses processos.
D) apresentar raio iônico grande, permitindo que ele
cause interferência nos processos biológicos em
que, normalmente, íons menores participam.
E) apresentar carga +2, o que permite que ele cause 1
interferência nos processos biológicos em que,
normalmente, íons com cargas menores participam. 1
Praticando!

01. (ENEM) O cádmio, presente nas baterias, pode 2. (Fuvest-SP) Cinco amigos resolveram usar a tabela
chegar ao solo quando esses materiais são periódica como tabuleiro para um jogo. Regras do
descartados de maneira irregular no meio ambiente jogo: Para todos os jogadores, sorteia-se o nome de
ou quando são incinerados. Diferentemente da forma um objeto, cujo constituinte principal é determinado
metálica, os íons Cd2+ são extremamente perigosos elemento químico. Cada um joga quatro vezes um
para o organismo, pois eles podem substituir íons dado e, a cada jogada, move sua peça somente ao
Ca2+, ocasionando uma doença degenerativa nos longo de um grupo ou de um período, de acordo com
ossos, tornando-os muito porosos e causando dores o número de pontos obtidos no dado. O início da
intensas nas articulações. Podem ainda inibir enzimas contagem é pelo elemento de número atômico 1.
ativadas pelo cátion Zn2+, que são extremamente Numa partida, o objeto sorteado foi “latinha de
importantes para o funcionamento dos rins. A figura refrigerante” e os pontos obtidos com os dados
mostra a variação do raio de alguns metais e seus foram: Ana (3, 2, 6, 5), Bruno (5, 4, 3, 5), Célia (2, 3,
respectivos cátions. 5, 5), Décio (3, 1, 5, 1) e Elza (4, 6, 6, 1).
Assim, quem conseguiu alcançar o elemento
procurado foi:

A) Ana. B) Bruno. C) Célia.


D) Décio. E) Elza.

3. (UnB-DF/adaptado) Uma das atividades


importantes realizadas pelos químicos é o estudo de
propriedades químicas macroscópicas observadas em
substâncias simples e compostas. A constatação de
Página | 11
regularidades permite ao químico elaborar teorias induzir a estados de demência, panelas deste metal
para explicar, ao nível microscópico, essas devem ser utilizadas para cozimentos rápidos. O
propriedades. A posição de um elemento no quadro cobre em excesso pode originar leucemia e câncer do
periódico permite deduzir algumas propriedades de intestino, embora sua falta possa levar a doenças
seus átomos, de sua(s) substância(s) simples e de respiratórias, as panelas deste metal devem ser
substâncias compostas nas quais ele está presente. revestidas com uma camada protetora de titânio. Até
Considerando as propriedades periódicas mais mesmo revestimentos de níquel ou de material
comumente estudadas, classifique os itens que se antiaderente apresentam riscos para a saúde. De um
seguem em certos ou errados. modo geral, as panelas de ferro fundido são as
(1) O potencial de ionização é uma melhores para a saúde, pois liberam o nutriente na
propriedade dos átomos dos elementos químicos. comida e ajudam a suprir as necessidades do
(2) A eletroafinidade é uma propriedade da organismo, mas não são boas para quem tem
grafite e do diamante. colesterol alto. As panelas de INOX são bastante
(3) Em um mesmo grupo da tabela periódica, seguras, porque o material não se oxida e não libera o
os elementos localizados nos últimos períodos têm metal na comida, dizem alguns pesquisadores.”
raio menor que aqueles localizados nos primeiros (Adaptado de O Globo, 14/10/2011).
períodos.
Dos metais de transição citados no texto, o que mais
A) I e II estão corretos. facilmente forma cátions é o:
B) Apenas III está correto.
C) Apenas I estão correto. A) alumínio. B) cobre. C) ferro.
D) I e III estão incorretos. D) níquel. E) titânio
E) Apenas II está incorreto.
GABARITO: 1. C; 2. E; 3. C; 4. E; 5. E.

4. (SSA) Em um local de alta umidade, colocou-se


um pedaço de uma substância simples, metálica na
palma da mão. Conforme mostrado na figura abaixo, LIGAÇÕES QUÍMICAS
olha o que aconteceu após um tempinho... 1
TIPOS DE LIGAÇÕES QUÍMICAS 2

Os tipos de ligações químicas interatômicas


são três: (a) iônica, (b) covalente e (c) metálica.
As ligações químicas permitem a
combinação entre os mais variados tipos de átomos e,
consequentemente, são responsáveis pela grande
variedade de substâncias encontradas na natureza.
Esse fenômeno exemplifica
Conceito importante: a chamada regra (ou
A) o derretimento de uma liga de gálio à baixa teoria) do octeto.
temperatura.
A regra do octeto aponta que os átomos adquirem
B) a influência da umidade no derretimento do
estabilidade quando possuem oito elétrons em sua
potássio metálico.
camada mais externa (ou camada de valência)
C) a fusão do mercúrio por causa do fornecimento de
energia térmica pela mão.
D) a formação de uma solução de mercúrio, tendo o Atenção! Há casos em que a regra do octeto não é
suor como solvente. obedecida! Exemplo: átomo de boro no BF3.
E) o baixo ponto de fusão do gálio, quando
comparado a outros metais.
LIGAÇÃO IÔNICA
5. (ESCS-DF) “Os pesquisadores alertam que os
metais dos quais as panelas são feitas podem causar
intoxicações, anemia, distúrbios gástricos e até expor Ligação caracterizada pela transferência de
os usuários a substâncias cancerígenas. Pesquisas elétrons entre os átomos.
mostram que o excesso de alumínio no corpo pode
Página | 12
Estabelecida entre íons, sendo o positivo LIGAÇÃO COVALENTE
denominado de cátion e o negativo, ânion.
Trata-se de uma atração eletrostática.
Caracterizada pelo compartilhamento de
Em linhas gerais, a ligação iônica é elétrons entre os átomos.
geralmente estabelecida entre um elemento com
Não há “perda ou ganho” de elétrons. Em
tendência a perder elétrons e outro com tendência de
geral, átomos com tendência de ganhar elétrons
ganhar elétrons.
partilham seus elétrons, formando pares eletrônicos.
Os metais dos primeiros grupos (1 e 2) Assim, eles “completam seu octeto”.
geralmente tem uma maior facilidade de perder
Ligação geralmente estabelecida entre
elétrons (menores energias de ionização). Já os
hidrogênio ou ametais com hidrogênio, semimetais
ametais dos grupos 15, 16 e 17 geralmente são as
ou ametais.
espécies químicas que ganham elétrons numa ligação
iônica (maiores afinidades eletrônicas). Exemplos de moléculas com ligações
covalentes: H2O, BF3, N2, O2, CH4, entre outros.
As substâncias iônicas apresentam caráter
iônico predominante na ligação interatômica.
Elas conduzem energia elétrica quando no - FÓRMULAS QUÍMICAS
estado líquido, mas não no estado sólido. Molecular: indica a quantidade de átomos de cada
Exemplos de compostos iônicos: NaCl, elemento químico na molécula.
BaCl2, KBr, MgO, entre outros. Ex.: O2 (gás oxigênio), CH4 (metano).
Na11: 1s2 2s2 2p63s1 Eletrônica (ou de Lewis): apresenta os átomos dos
Com a perda de um elétron: 1s2 2s2 2p6 elementos químicos, seus elétrons de valência e os
pares eletrônicos.
Cl17: 1s2 2s2 2p6 3s2 3p5
Ex.:
Com o ganho de um elétron: 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6
1
(Ambos passam a ter o octeto completo)
3
Na+ + Cl− → interação eletrostática → NaCl

Os compostos iônicos que são produzidos


apresentam carga eletricamente neutra (NaCl é Estrutural: apresenta os átomos dos elementos
neutro na totalidade, mas constituído por íons). químicos e as ligações (sendo cada ligação
representada por um traço, correspondente a um par
A interação entre vários íons formam de elétrons compartilhado).
retículos cristalinos (aglomerados que apresentam
uma forma geométrica definida e que são Ex.:
característicos dos sólidos).
Em virtude dos retículos cristalinos, os
compostos iônicos apresentam determinadas
características:
 Em condições ambiente, são sólidos; Atenção! Importante destacar que em compostos
 Apresentam, em geral, altos pontos de como AlCl3, BeF2 e BF3, alguns átomos não
fusão e ebulição; apresentam os oito elétrons (octeto) na camada de
 No estado sólido, não apresentam valência, mas são estáveis. Outros exemplos são
condutividade. alguns compostos de fósforo e de enxofre, onde esses
 Apresentam condutividade quando no elementos chegam a apresentar, respectivamente, dez
estado líquido (fundido) ou em solução e doze elétrons em sua camada de valência.
aquosa = “íons livres”;
 Duros e quebradiços.

Página | 13
Atenção! A ligação covalente pode ser estabelecida
mesmo quando o par eletrônico compartilhado é
“proveniente” de um único átomo. Exemplos: SO 2 e
O3 (tente desenhar as fórmulas de Lewis e
estrutural para essas moléculas). Não se
apresentará nesse material, portanto, a denominação
ligação dativa.

- PROPRIEDADES
Em geral, os compostos formados através de
ligações covalentes por um número determinado de
átomos (substâncias moleculares) apresentam-se em
vários estados físicos, podendo ser gasosos (H2,
CH4), líquidos (H2O, Br2) ou sólidos (C12H22O11, I2).
- GEOMETRIA MOLECULAR
Em muitos casos, apresentam temperaturas
de fusão e de ebulição menores do que as dos Parte-se da ideia proposta pelo modelo de
compostos iônicos. Repulsão dos Pares Eletrônicos da Camada de
valência (teoria VSEPR, em inglês Valence Shell
Não conduzem corrente elétrica, quando Electron Pair Repulsion): os pares de elétrons, seja
puros. como par isolado ou como ligação covalente,
Atenção! Quando os compostos formados pelas orientam-se de maneira a possuir a maior distância
angular possível entre eles. 1
ligações covalentes apresentam um número muito
grande de átomos (número esse que geralmente não é A partir dos arranjos tridimensionais dos 4
possível determinar), tem-se então macromoléculas – átomos em relação a um átomo central, são atribuídas
substâncias covalentes. Nesse caso, essas geometrias às moléculas.
substâncias se apresentam nas condições ambiente no
estado sólido e apresentam pontos de fusão e Moléculas diatômicas apresentam sempre
ebulição elevados. Exemplos: grafite, diamante (Cn), geometria linear. Exemplos: Cl–Cl (Cl2), O=O (O2),
areia ((SiO2)n), polietileno ((C2H4)n), entre outros. H–Cl (HCl), entre outros.

- ALOTROPIA Nº nuvens Fórmula Geometria


eletrônicas ao estrutural
Fenômeno no qual elementos químicos formam mais redor do átomo
de uma substância simples diferente. Essas formas central
alotrópicas podem diferenciar-se quanto à
atomicidade, a estrutura cristalina ou ambos. 2 Linear

3 Com dois átomos Angular


ligantes

3 Com três átomos Trigonal


ligantes plana

Página | 14
Moléculas apolares são aquelas que
apresentam momento de dipolo resultante igual a
zero.
Para isso, devem-se observar os átomos
envolvidos nas ligações, bem como a geometria
4 Com dois átomos Angular molecular.
ligantes
Dica 1: Desenhe os vetores de acordo com a
eletronegatividade dos átomos envolvidos nas
ligações. Observe a resultante. Caso os vetores se
anulem, molécula apolar. Se não, molécula polar.
4 Com três átomos Pirâmide Dica 2: Observe a simetria. É uma técnica utilizada
ligantes trigonal para moléculas que contenham um átomo central,
onde este está ligado a todos os demais átomos da
molécula. Caso não haja pares de elétrons isolados e
os átomos ligados sejam todos iguais, molécula
apolar. Havendo pares de elétrons isolados e/ou
4 Com quatro Tetraédrico átomos de elementos químicos diferentes ligando-se
átomos ligantes ao átomo central, molécula polar.
Exemplos:

- POLARIDADE DE LIGAÇÕES
Ligação iônica: classificada como ligação Apolar Polar Polar 1
polar.
5
Ligações covalentes: classificadas como
- INTERAÇÕES INTERMOLECULARES
apolar ou apolar.
As moléculas podem interagir umas com as
A ligação covalente apolar: se dá entre
outras por meio de interações (ou forças)
átomos de mesma eletronegatividade.
intermoleculares.
A ligação covalente polar: se dá entre
Aqui, serão abordadas três interações
átomos de eletronegatividades distintas.
intermoleculares em destaque: ligação de
Em geral, quanto maior a diferença de hidrogênio, dipolo-dipolo e dipolo induzido-dipolo
eletronegatividade entre os átomos, maior a induzido.
polaridade da ligação covalente.
Ligação de hidrogênio: interação típica
Atenção! Fila de eletronegatividade: ordem entre moléculas que possuem átomos de hidrogênio
decrescente. diretamente ligados a F, O e N. Por exemplo: na
molécula de água, o hidrogênio (parcialmente
F > O > N > Cl >Br> I > S > C > P > H
positivo) é atraído pelo átomo de oxigênio
Dica! Para memorização da fila acima: (parcialmente negativo, possui par eletrônico isolado)
de outra molécula de água vizinha. Na amônia, por
Fui Ontem No Clube Brigar I Saí Correndo Para
sua vez, o átomo de hidrogênio de uma molécula
Hospital.
interage com o nitrogênio de outra molécula de
amônia.
- POLARIDADE DE MOLÉCULAS
Moléculas polares são aquelas que
apresentam momento de dipolo resultante diferente
de zero.

Página | 15
metálicos, organizados segundo determinado arranjo
geométrico (estrutura cristalina), rodeados por um
“mar” de elétrons. Esses elétrons são ditos
deslocalizados pelo fato de não serem atraídos por
nenhum núcleo atômico em particular, ocupando
assim o retículo cristalino metálico e interagindo com
todos os cátions constituintes da estrutura.

Representações de ligações de hidrogênio - PROPRIEDADES


 Condutibilidade elétrica: conduz corrente
Dipolo-dipolo (ou dipolo permanente- elétrica, tanto como sólidos quanto no estado
dipolo permanente): É a interação decorrente da líquido;
atração entre os pólos positivo e negativo de  São, em geral, sólidos. Exceção: mercúrio,
moléculas polares (atração entre os dipolos). Por Hg(l);
exemplo, imaginemos a molécula do ácido clorídrico,  Geralmente possuem altos pontos de fusão e
HCl. Essa molécula polar tem seu pólo positivo no ebulição. Algumas exceções: metais alcalinos,
hidrogênio e o pólo negativo no cloro. A região de Hg, Ga, In, Sn, Bi;
carga parcial positiva de uma molécula de HCl é  Baixa dureza: são moles e riscados facilmente
então atraída pela carga parcial negativa da molécula por outros materiais, em geral. Algumas
de HCl vizinha, e assim sucessivamente. exceções: Ir, Cr, W, Os.
 Alta tenacidade: suportam altas pressões sem
Dipolo induzido-dipolo induzido (ou
que sofram rupturas;
dipolo instantâneo-dipolo induzido): Acontece
quando uma nuvem eletrônica é levemente  Maleáveis: podem ser transformados em
distorcida, em um determinado instante, em virtude lâminas;
do movimento contínuo dos elétrons. Então, devido a  Dúcteis: podem ser transformados em fios
essa distorção da nuvem, aparece um dipolo quando são aquecidos a temperaturas elevadas; 1
instantâneo, que por sua vez interage com a  Resistentes à tração;
nuvem eletrônica da molécula adjacente  Insolúveis em água e óleo. 6
induzindo um outro dipolo. Essa interação entre os
dipolos induzidos duram uma fração de tempo muito
pequena. Essas interações acontecem tanto em - LIGAS METÁLICAS
moléculas apolares quanto em polares e são mais São, em geral, a mistura de substâncias,
fracas que as interações do tipo dipolo-dipolo. sendo o componente principal da mistura um
metal (pode ser a mistura de dois ou mais metais ou
de um metal com uma substância não metálica).
LIGAÇÃO METÁLICA Apresenta propriedades metálicas.
A seguir seguem alguns exemplos:
Os metais, em geral, têm a tendência a perder Aço Fe, C e traços de Si, S e P
elétrons (são eletropositivos). Esses, então, tendem a
formar cátions. Aço inox Aço, Cr e Ni
Imaginemos agora um conjunto com Amálgama Hg, Ag e Sn
incontáveis átomos de um metal, por exemplo, o (usada em
sódio. O sódio pode liberar um elétron e formar o obturações)
cátion Na+. Consideremos que esse grande conjunto
de átomos de sódio liberasse parcialmente os elétrons Bronze Cu e Sn
de suas camadas de valência. Teríamos, portanto, um Latão Cu e Zn
grande conjunto de cátions e os elétrons desses
cátions agrupados estariam movendo-se dentro da Ouro 18 quilates Au, Ag e Cu
estrutura metálica, mas sem abandoná-la.
O modelo para ligação metálica descreve Praticando!
então essa ligação como um conjunto de cátions

Página | 16
1. (ENEM) A pele humana, quando está bem D) I e II, apenas. E) I, II e III.
hidratada, adquire boa elasticidade e aspecto macio e
suave. Em contrapartida, quando está ressecada, 3. (SSA) 2016, ano de Olimpíadas, todos os atletas
perde sua elasticidade e se apresenta opaca e áspera. vieram ao Rio de Janeiro, em busca da medalha de
Para evitar o ressecamento da pele é necessário, ouro. Mas o que poucas pessoas sabem é que a
sempre que possível, utilizar hidratantes umectantes, medalha olímpica não é feita inteiramente de ouro:
feitos geralmente à base de glicerina e ela possui apenas 1,34% do metal dourado em sua
polietilenoglicol: composição.
Além do alto valor de mercado, que outra
propriedade do ouro determina essa decisão?

A) Baixa rigidez
B) Alta densidade
C) Baixa reatividade
D) Alta eletronegatividade
E) Alta condutividade térmica

A retenção da água na superfície da pele promovida 4. (ENEM) Quando colocados em água, os


pelos hidratantes é conseqüência da interação dos fosfolipídeos tendem a for mar lipossomos, estruturas
grupos hidroxila dos agentes umectantes com a formadas por uma bicamada lipídica, conforme
umidade contida no ambiente por meio de: mostrado na figura. Quando rompida, essa estrutura
tende a se reorganizar em um novo lipossomo.
A) ligações iônica
B) forças de London
C) ligações covalentes
D) forças dipolo-dipolo
E) ligações de hidrogênio
1
2. (SSA) As moedas, utilizadas no sistema monetário
brasileiro, passam de mão em mão, com muita 7
frequência e sempre estão expostas à umidade e ao
oxigênio. As moedas de cinco centavos de real são
feitas de aço e recobertas com cobre metálico (Cu).
Com o uso das moedas, elas passam a apresentar uma
coloração escura graças à formação de uma camada Esse arranjo característico se deve ao fato de os
de óxido de cobre (CuO). Existe uma forma para que fosfolipídios apresentarem uma natureza
as moedas voltem a ser brilhantes; basta colocá-las
em solução diluída de ácido clorídrico A) polar, ou seja, serem inteiramente solúveis em
(HCl), pois o CuO é convertido em cloreto de cobre água.
II (CuCl2), sendo removido da moeda, restabelecendo B) apolar, ou seja, não serem solúveis em solução
o brilho característico do cobre. Com relação às aquosa.
transformações descritas, são feitas as seguintes C) anfotérica, ou seja, podem comportar-se como
afirmações: ácidos e bases.
D) insaturada, ou seja, possuírem duplas ligações em
I. Os produtos de reação citados no texto são sua estrutura.
formados por ligação iônica. E) anfifílica, ou seja, possuírem uma parte hidrofílica
II. A restauração do brilho da moeda só é possível ser e outra hidrofóbica.
visualizada porque a espécie formada na
reação é solúvel em água. 5. (Unisinos-RS) Nas indústrias de bebidas e de
III. A camada de óxido de cobre formada sobre a laticínios, entre outras, a amônia, cuja fórmula
moeda impede que todo o cobre metálico seja molecular é NH3, é utilizada nos equipamentos de
convertido em óxido. refrigeração para com ela alcançar baixas
temperaturas. Entre as moléculas de amônia ocorrem
Está CORRETO o que se afirma em ligações características chamadas:

A) I, apenas. B) II, apenas. C) III, apenas. A) forças de dipolo induzido.


Página | 17
B) ligações metálicas. ÁCIDOS
C) ligações de hidrogênio.
D) ligações covalentes. Substâncias que, em solução aquosa, ionizam
E) ligações dipolo-dipolo. e liberam como cátions somente íons H+.

6. (UFRGS) O gás metano, CH4, pode ser obtido no HCl(aq)  H+(aq) + Cl−(aq)
espaço sideral pelo choque entre os átomos de
hidrogênio liberados pelas estrelas e o grafita Um conceito mais sofisticado para a
presente na poeira cósmica. Sobre as moléculas do definição anterior: Substâncias que, em solução
metano, pode-se afirmar que o tipo de ligação aquosa, ionizam e liberam como cátions somente
intermolecular e sua geometria são, respectivamente, íons H3O+ (íons hidrônio ou hidroxônio).
A) ligações de hidrogênio e tetraédrica.
HCl(aq) + H2O(l)  H3O+(aq) + Cl−(aq)
B) forças de dipolo induzido e trigonal plana.
C) covalentes e trigonal plana.
D) forças de dipolo induzido e tetraédrica. A ionização de um ácido poliprótico (que
E) ligações de hidrogênio e trigonal plana. possui mais de um hidrogênio ionizável) pode
acontecer em várias etapas:
Gabarito: 1. E; 2. E; 3. A; 4. E; 5. C; 6. D.
H2SO4(aq) + H2O(l)  H+(aq) + HSO4−(aq)

FUNÇÕES INORGÂNICAS HSO4−(aq) + H2O(l)  H+(aq) + SO4−2(aq)

Função é o conjunto de substâncias que se


assemelham em propriedades físicas e químicas.
- CLASSIFICAÇÃO DOS ÁCIDOS
Na química inorgânica, são quatro as funções
químicas: ácidos, bases, sais e óxidos. Quanto ao número de H ionizáveis: 1
8
 monoácidos ou ácidos monopróticos . Ex:
TEORIA DA DISSOCIAÇÃO ELETROLÍTICA HCl, HBr, HClO4.
DE ARRHENIUS  diácidos ou ácidos dipróticos. Ex: H2SO4
 triácidos ou ácidos tripróticos. Ex: H3PO4
 poliácidos. Ex: H4[Fe(CN)6]
Ao se dissolver uma substância em água, ela
pode se dividir em partículas menores, com carga
Quanto a presença, ou não, de oxigênio na
elétrica, denominadas íons. Nestes casos, a solução
conduz a corrente elétrica. molécula:

 Dissociação iônica é a separação dos íons de  Hidrácidos: sem oxigênio. Ex: HCl , H 2S ,
uma substância iônica, quando ela se HCN etc.
dissolve na água.  Oxiácidos: com oxigênio. Ex: HNO3 ,
 Ionização é a formação de íons pela quebra H2SO4, H3PO4 etc.
da ligação em uma molécula, quando
dissolvida em água. Quanto à força
A dissolução de uma substância em água
 Ácidos fortes: aqueles que ionizam em
pode gerar dois tipos de soluções:
grande extensão.
 Soluções eletrolíticas são aquelas que
conduzem a corrente elétrica. Para os hidrácidos: HCl, HBr, HI.
Para os Oxiácidos (H xEOy), nos quais (y - x) = 2 ou
 Soluções não-eletrolíticas são aquelas que mais. Exemplos: HClO4, HNO3 e H2SO4.
não conduzem a corrente elétrica.
 Ácidos semifortes ou moderados: quando a
ionização ocorre em extensão intermediária.
ÁCIDOS E BASES DE ARRHENIUS
Página | 18
Para os Hidrácidos: HF A partir dessas fórmulas e nomenclaturas, e
Para os oxiácidos (HxEOy) nos quais (y - x) = 1. levando em consideração o número de átomos de
Exemplos: H3PO4,HNO2,H2SO3. oxigênio, determinam-se as fórmulas e os nomes de
Exceção: H2CO3 é fraco, embora (x – y) = 1. outros ácidos, com o uso dos prefixos e sufixos
adequados.
 Ácidos fracos: aqueles em que a ionização
ocorre em pequena extensão.

Para os hidrácidos: os demais


Para os oxiácidos (HxEOy )nos quais (y – x ) = 0.
Exemplos: HClO, H3BO3.

Assim sendo, temos que:


- FORMULAÇÃO
HClO4 Ácido perclórico
−x −x
H A  HxA, onde: A = ânion, H = hidrogênio.
+
HClO3 Ácido clórico
HClO2 Ácido cloroso
- NOMENCLATURA
HClO Ácido hipocloroso
Para efeito de nomenclatura, os ácidos são divididos
H2SO4 Ácido sulfúrico
em hidrácidos e oxiácidos.
H2SO3 Ácido sulfuroso
H3PO4 Ácido fosfórico
Hidrácidos
H3PO3 Ácido fosforoso
Ácidos que não possuem oxigênio(s) em sua
constituição. H3PO2 Ácido hipofosforoso
A nomenclatura é feita com a terminação 1
ídrico.
- ALGUNS ÁCIDOS COMUNS UTILIZADOS NO 9
Exemplos:
COTIDIANO
HBr – Ácido bromídrico
H2S – Ácido sulfídrico Ácido acético (CH3COOH)
HCN – Ácido cianídrico
 Esse ácido é constituinte do vinagre, produto
Oxiácidos indispensável na cozinha (preparo de saladas
e maioneses).
Ácidos que possuem oxigênio em sua
constituição.
Ácido carbônico (H2CO3)
Sua nomenclatura é feita com as terminações
(sufixos) ico ou oso. Uma maneira simples de indicar  Ácido presente nas águas minerais
o nome desses ácidos é a partir do nome e da fórmula gaseificadas e nos refrigerantes. Pode ser
dos ácidos padrões, listados a seguir: formado na reação do gás carbônico com a
H3BO3 Ácido bórico água, dada por:
CO2 + H2O  H2CO3
HNO3 Ácido nítrico
H2CO3 Ácido carbônico Ácido clorídrico (HCl)
H2SO4 Ácido sulfúrico
 Quando impuro, é comercialmente vendido
H3PO4 Ácido fosfórico com o nome de ácido muriático;
HClO3 Ácido clórico  Está presente no suco gástrico;
 Usado na indústria e no laboratório para
diversos fins;

Página | 19
 Remove os respingos de cal, sendo por isso observadas através de manchas
utilizado na limpeza de edifícios após pintura amarelas/acastanhadas.
com cal (caiação);
 Pode ser aplicado para a limpeza de Ácido sulfúrico (H2SO4)
superfícies metálicas antes da soldagem dos
respectivos metais.  É o ácido mais importante na indústria e no
laboratório, sendo largamente utilizado.
Ácido fluorídrico (HF) Pode-se estimar o poder econômico de um
país através da quantidade de ácido sulfúrico
 Ácido que consegue promover a corrosão do que ele fabrica e consome;
vidro, sendo por isso acomodado em frascos  Esse ácido é bastante utilizado para a
de polietileno. É utilizado nas indústrias para fabricação de fertilizantes, como exemplos
fazer gravação/marcação em vidro. os superfosfatos e o sulfato de amônio.
 Ácido utilizado nos acumuladores de
Ácido fosfórico (H3PO4) chumbo de baterias utilizadas em
automóveis;
 Os sais desse ácido (fosfatos) são  Processos da indústria petroquímica,
amplamente utilizados como fertilizantes na fabricação de papel, corantes, etc. utilizam
agricultura; esse ácido;
 Usado como aditivo em alguns refrigerantes  O ácido sulfúrico concentrado é um dos
(vide o rótulo de refrigerantes). desidratantes mais enérgicos. Açúcares,
amido e celulose podem ser carbonizados por
Ácido nítrico (HNO3) ele. Essa carbonização é decorrente da
desidratação desses materiais;
 Após o H2SO4, é o ácido de maior fabricação  Esse ácido concentrado pode produzir
e consumo na indústria. Consumido queimaduras severas na pele, tendo ação
amplamente para a fabricação de explosivos, corrosiva sobre os tecidos em virtude do seu
poder desidratante. Assim sendo, é 2
como nitroglicerina (dinamite),
trinitrotolueno (TNT), trinitrocelulose necessário extremo cuidado ao manuseá-lo; 0
(algodão pólvora), ácido pícrico (usado na  Ambientes poluídos com dióxido de enxofre
fabricação de explosivos, e no ramo da provocam chuvas ácidas que contêm H 2SO4
farmácia, fabricação de medicamentos para e isso pode causar grandes impactos
queimaduras) e picrato de amônio (explosivo ambientais.
considerado seguro em razão de requerer
uma descarga elétrica substancial para ser
detonado); BASES
 Utilizado na fabricação do salitre (NaNO 3,
KNO3) e da pólvora negra (salitre + carvão + Substâncias que, quando em solução aquosa,
enxofre). dissociam e liberam como ânions somente íons
 Causa impacto ambiental, ao estar presença hidroxila ou oxidrila (OH−).
em chuvas ácidas (locais que estejam
poluídos com óxidos de nitrogênio NaOH(s)  Na(aq) + OH−(aq)
apresentam chuvas ácidas que contem
HNO3). Ambientes não poluídos, mas em
que há raios e relâmpagos, podem acarretar a
presença de HNO3 na chuva, mas em - CLASSIFICAÇÃO DAS BASES
proporções mínimas;
 Quando concentrado, o ácido nítrico é um Quanto ao número de OH
líquido muito volátil e seus vapores são  monobases. Ex: NaOH, KOH.
muito tóxicos. É um ácido bastante corrosivo  dibases. Ex: Ca(OH)2, Mg(OH)2.
e, tal qual o ácido sulfúrico, faz-se necessário  tribases. Ex: Al(OH)3, Fe(OH)3.
ter muito cuidado ao manuseá-lo. O contato  polibases. Ex: Sn(OH)4, Pb(OH)4.
com a pele pode provocar queimaduras,

Página | 20
Quanto à solubilidade em água: fertilizantes na agricultura (Exemplos:
NH4NO3, (NH4)2SO4, (NH4)3PO4);
 Solúveis: o hidróxido de amônio e  Produtos de limpeza doméstica, como Ajax,
hidróxidos de metais alcalinos Fúria, etc., utilizam amônia no seu processo
 Pouco solúveis: as bases de metais alcalinos de fabricação.
terrosos.
 (Praticamente) Insolúveis: as demais. Hidróxido de alumínio (Al(OH)3)

 Utilizado em medicamentos com atividade


Quanto à força
de antiácidos estomacais.
 Fortes: os hidróxidos de metais alcalinos e de
Hidróxido de cálcio (Ca(OH)2)
alguns alcalinos terrosos (Ca, Sr, Ba).
 Fracas: os hidróxidos de metais de  Também é chamada de cal hidratada, cal
transições, dos grupos 13, 14, 15, alguns extinta ou cal apagada;
alcalinos terrosos (Mg) e também o  Hidróxido obtido pela reação da cal viva ou
hidróxido de amônio. cal virgem (CaO) com a água (CaO + H 2O
 Ca(OH)2);
 Utilizado nas pinturas a cal (caiação) e
- FORMULAÇÃO também no preparo da argamassa usada nas
C+xOH−  C(OH)x, onde: OH− = hidroxila, C+x = obras de alvenaria.
cátion.
Hidróxido de magnésio (Mg(OH)2)

- NOMENCLATURA  Base pouco solúvel em água;


Hidróxido + de + (nome do cátion)  Leite de magnésia é a denominação dada à
suspensão aquosa de Mg(OH)2, sendo esta 2
Exemplos: usada como antiácido estomacal. Nessa
aplicação, o Mg(OH)2 tem o intuito de 1
+
a) K : cátion sódio, KOH: hidróxido de neutralizar o excesso de HCl no suco gástrico
potássio (Mg(OH)2 + 2HCl  MgCl2 + 2H2O).
b) Ca+2: cátion cálcio, Ca(OH)2: hidróxido de
cálcio Hidróxido de sódio ou soda cáustica (NaOH)
c) Para cátions com mais de uma valência:
i. Terminação “oso”: menor valência.
 Base de extrema importância na indústria e
Exemplo: Fe(OH)2: hidróxido ferroso (ou
no laboratório, sendo fabricada e consumida
hidróxido de ferro II)
em quantidades grandes;
ii. Terminação “ico”: maior valência.
Exemplo: Fe(OH)3: hidróxido férrico (ou  Utilizada em processos de fabricação de
hidróxido de ferro III) sabão, glicerina e biodiesel;
 Utilizada no processo de fabricação de sais
de sódio em geral, como exemplo o salitre
- ALGUMAS BASES COMUNS UTILIZADAS NO
COTIDIANO (HNO3 + NaOH  NaNO3 + H2O);
 A indústria petroquímica e os processos de
fabricação de papel, celulose, corantes, etc.
Amônia (NH3) e hidróxido de amônio (NH4OH)
utilizam essa base;
 Substância bastante corrosiva, exigindo
 O hidróxido de amônio é a solução aquosa
muito cuidado ao se manusear. Utilizada em
do gás amônia;
limpeza doméstica.
 A amônia é um gás incolor, possuindo
 A eletrólise de solução aquosa de sal de
característico cheiro forte e irritante;
cozinha é um processo de produção do
 Produzida em larga escala pela indústria; NaOH. Além do NaOH, nesse processo
 Aplicada na produção de ácido nítrico; também se obtêm o H2 e o Cl2, cada um
 Utilizada no processo de fabricação de sais desses possuindo suas aplicações.
de amônio, sendo esses muito usados como
Página | 21
ÍDRICO ETO
OSO ITO
ALGUMAS PROPRIEDADES DE ÁCIDOS E
BASES
Exemplos:
(a) KCl: cloreto de potássio (proveniente do
 Em água, diz-se que os ácidos sofrem HCl: ácido clorídrico)
ionização, enquanto que as bases sofrem (b) NaClO: hipoclorito de sódio (proveniente do
dissociação; HClO: ácido hipocloroso)
 Em geral, diz-se que os ácidos apresentam
sabor azedo e as bases, adstringente;
 Em água, ambos conduzem eletricidade; - SOLUBILIDADE
 Alguns metais reagem com ácidos, liberando
Os sais de metais alcalinos e de são
gás hidrogênio (Mg(s) + HCl(aq)  MgCl2(aq)
solúveis.
+ H2(g));
 Alguns metais (ou soluções aquosas com Sais de nitratos e cloratos ( e )
íons metálicos) reagem com bases, formando também são solúveis.
precipitado (FeCl3(aq) + NaOH(aq)  A tabela a seguir apresenta, de maneira geral,
Fe(OH)3(s) + NaCl(aq)). a solubilidade de outros sais a depender dos ânions.
 Ácidos e bases de Arrhenius sofrem reação
de neutralização, produzindo sal e água Ânions Solúvel Insolúvel
(ácido + base  sal + água); Em geral Ag+, Pb2+ e
 Frente a alguns indicadores, temos que Hg22+
soluções ácidas ou básicas apresentam a
seguinte coloração: Em geral Ag+, Pb2+, Hg2+
e Hg22+
Indicador Ácido Base Alcalinos, alcalinos Em geral 2
Alaranjado de Vermelho Amarelo terrosos e 2
metila
Alcalinos, alcalinos Em geral
Azul de Amarelo Azul
terrosos e
bromotimol
Fenolftaleína Incolor Rosa Alcalinos e Em geral
Tornassol Vermelho Azul
Alcalinos e Em geral
Em geral Ca , Sr2+, Ba2+
2+
SAIS E ÓXIDOS
e Pb2+
SAIS
Substâncias que são formadas por um cátion, - CLASSIFICAÇÃO DE SAIS
proveniente de uma base, e um ânion, proveniente de
Sais neutros são sais formados por cátions
um ácido.
provenientes de bases fortes e ânions provenientes de
ácidos fortes ou cátions provenientes de bases fracas
e ânions provenientes de ácidos fracos. Exemplo:
- NOMENCLATURA
KCl, NaCl.
A partir do ácido que originou o sal, dá-se
Sais ácidos são formados por cátions
nome ao sal formado, fazendo a substituição
advindos de bases fracas e ânions provenientes de
adequada dos sufixos e colocando o nome do
ácidos fortes. Exemplo: NH4Cl.
elemento químico do cátion.
Sais básicos são formados por cátions
Terminação Terminação provenientes de bases fortes e ânions provenientes de
do ácido do sal ácidos fracos. Exemplo: NaHCO3 (bicarbonato de
ICO ATO sódio ou mono hidrogeno carbonato de sódio).

Página | 22
Há ainda, em determinadas literaturas, a  Exemplos: Na2O (óxido de sódio), ZnO
classificação de hidrogenossal, hidróxissal, sal duplo (óxido de zinco), Fe2O3 (óxido férrico ou
e sal hidratado. óxido de ferro III), etc.
DICA! Fera, a seguir estão algumas nomenclaturas,
oficial e usual, de alguns compostos que vale a pena
- CLASSIFICAÇÃO DE ÓXIDOS
não perder de vista!
Óxidos ácidos são formados, em geral, por
Ba(OH)2: Água de barita, suspensão de Ba(OH)2 em
ametais. São também denominados de anidridos.
água. – Hidróxido de bário
Podem reagir com água, produzindo ácidos. São
CaCO3: Calcário (presença de CaCO3 nos minerais compostos moleculares.
constituintes) – Carbonato de cálcio
Exemplos:
CaO: Cal viva ou cal virgem – Óxido de cálcio
CO2 – Dióxido de carbono ou anidrido carbônico
Ca(OH)2: Cal apagada ou cal extinta – Hidróxido de
cálcio CO2 + H2O  H2CO3

CaSO4: Gipsita, gesso (sulfato de cálcio hidratado) N2O3 – Trióxido de dinitrogênio ou anidrido nitroso
– Sulfato de cálcio N2O5 – Pentóxido de dinitrogênio ou anidrido nítrico
CH4: Gás dos pântanos – Metano N2O5 + H2O  2 HNO3
CO2: Gás carbônico – Dióxido de carbono P2O3 – Trióxido de difósforo ou anidrido fosforoso
HCl: Ácido muriático – Ácido clorídrico P2O5 – Pentóxido de difósforo ou anidrido fosfórico
H2O2: Água oxigenada – Peróxido de hidrogênio P2O5 + H2O  2 HPO3
Mg(OH)2: Leite de magnésia – Hidróxido de P2O5 + 2 H2O  2 H4P2O7
magnésio
P2O5 + 3 H2O  2 H3PO4
NaCl: Sal de cozinha – Cloreto de sódio
SO2 – Dióxido de enxofre ou anidrido sulfuroso 2
NaClO: Cândida – Hipoclorito de sódio
SO3 – Trióxido de enxofre ou anidrido sulfúrico 3
de cálcio
SO3 + H2O  H2SO4
NaCO3: Barrilha – Carbonato de sódio
NaOH: Soda cáustica – Hidróxido de sódio
Óxidos básicos são formados, em geral, por
NH3: Gás amoníaco ou amônia metais. Podem reagir com água, produzindo bases.
São compostos iônicos.
ÓXIDOS Exemplos:
Compostos binários nos quais o oxigênio é o Na2O – Óxido de sódio
elemento mais eletronegativo. CaO – Óxido de cálcio
CaO + H2O  Ca(OH)2
- NOMENCLATURA MgO – Óxido de magnésio
Segundo a IUPAC, temos: prefixo + óxido +
MgO + H2O  Mg(OH)2
prefixo (opcional) + nome do elemento.
FeO – Óxido de ferro II ou Óxido ferroso
 Exemplos: Fe2O3 (trióxido de diferro), SO3
(trióxido de (mono)enxofre), CO (monóxido Fe2O3 – Óxido de ferro III ou Óxido férrico
de carbono), CO2 (dióxido de carbono), etc. Fe2O3 + 3 H2O  2 Fe(OH)3
Usualmente, para óxidos de elementos metálicos, Cu2O – Óxido de cobre I ou Óxido cuproso
temos a seguinte opção de nomenclatura: óxido +
nome do elemento. Utilizam-se, inclusive, as Cu2O + H2O  2 CuOH
terminações “oso” e “ico” junto ao nome do CuO – Óxido de cobre II ou Óxido cúprico
elemento para indicar casos em que há diferentes
estados de oxidação para o metal.
Página | 23
Óxidos neutros são aqueles que não reagem ÁCIDOS E BASES DE BRØNSTED-LOWRY
com a água formando ácido ou base. São exemplos o
Segundo essa teoria, ácidos são substâncias
CO, o NO e o N2O. Isso não significa que os óxidos
doadoras de prótons e bases são substâncias
neutros não participam de reações, a saber: 2 CO +
receptoras de próton.
O2  2 CO2.
Exemplos:
HNO3(aq) + H2O(l) H3O+1(aq) + NO3-1(aq)
Óxidos anfóteros são óxidos que se
comportam como um óxido ácido ou como um óxido Aqui, HNO3 funciona como um ácido e H2O
básico a depender da substância com a qual ele reage. como uma base.
São exemplos o Al2O3, ZnO, PbO e PbO2.
NH3(aq) + H2O(l) NH4+1(aq) + OH-1(aq)
Al2O3 + 6 HCl → 2 AlCl3 + 3 H2O
Aqui, H2O funciona como um ácido e NH3
Al2O3 + 2 NaOH → 2 NaAlO2 + H2O como uma base.
ZnO + 2 HCl →ZnCl2 + H2O A água, e substâncias que apresentem mesmo
comportamento (comporta-se como ácido ou base),
ZnO + 2 NaOH → Na2ZnO2 + H2O
são chamadas de anfótera.
Essa teoria envolve ainda o conceito de par
Peróxidos apresentam em sua estrutura O22−. conjugado. Um ácido de Brønsted-Lowry, ao reagir,
São formados, em geral, por hidrogênio ou metais forma uma base conjugada do ácido e uma base de
alcalinos ou alcalinos terrosos. Reagem com a água Brønsted-Lowry forma um ácido conjugado da base.
ou com ácidos diluídos. No primeiro caso, forma-se
Exemplificando:
uma base e água oxigenada. No segundo, forma-se
um sal e água oxigenada. Ácido Base Conjugada
Na2O2 + 2 H2O  2 NaOH + H2O2 H2 O OH−
Na2O2 + H2SO4 Na2SO4 + H2O2 H3 O+ H2 O 2
Alguns exemplos: HCl Cl−
4
H2O2 – Peróxido de hidrogênio CH3COOH CH3COO−
Na2O2 – Peróxido de sódio HCO3− CO3−
K2O2 – Peróxido de potássio
MgO2 - Peróxido de magnésio ÁCIDOS E BASES DE LEWIS
CaO2 – Peróxido de cálcio Segundo essa teoria, ácidos são substâncias
receptoras de pares de elétrons e bases são
substâncias doadoras de pares de elétrons.
OUTRAS TEORIAS DE ÁCIDOS E BASES
Considere a seguinte reação geral, temos:
A definição para ácidos e bases proposta pelo A + :B  A:B
químico sueco Svant Arrhenius, no ano de 1884, não
A = Ácido de Lewis, :B = Base de Lewis, A:B =
mostrava boa aplicabilidade em diversas situações.
Complexo ácido-base.
A amônia (NH3), por exemplo, não se ioniza No caso da reação amônia + água, ao doar
liberando H+, nem se dissocia liberando OH−. Ela seu par de elétrons, a amônia se caracteriza como
pode produzir íons hidroxilas ao reagir com a água, base. A água, por sua vez, ao receber os elétrons do
de maneira que: próton que se liga à amônia, funciona como um
ácido.
NH3(aq) + H2O  NH4+(aq) + OH−(aq) Considere ainda outro exemplo: o alumínio.
Assim sendo, algumas outras teorias mais Quando no estado fundamental, considerando o
abrangentes foram formuladas. átomo isolado, teríamos configuração eletrônica na
camada de valência como 3s2 3p1. Agora,
considerando o composto AlCl3, ou seja, com o

Página | 24
alumínio combinado com outros elementos, a indicador (repolho roxo, por exemplo). O vermelho
configuração eletrônica deste é dada por um conjunto indica a acidez, e o azul, basicidade.
de orbitais híbridos (sp3), por meio dos quais se é
possível estabelecer três ligações covalentes e ainda Quais dos produtos abaixo, em presença de
se percebe um orbital híbrido vazio. Por meio deste indicador, ficariam, respectivamente, vermelho e
orbital vazio o alumínio possui a capacidade de azul?
receber par de elétrons e isso permite que ele possa
atuar como um ácido de Lewis. A) suco de limão e álcool.
B) leite de magnésia e detergente.
Tente representar, através de uma representação de
C) soda cáustica e álcool.
blocos para orbitais (as “caixinhas”) esse caso do
D) soda cáustica e amoníaco.
AlCl3 e também do BF3.
E) suco de limão e leite de magnésia.

3. (EsPCEx-SP) A cal virgem, CaO, é classificada


como óxido básico e tem diversos usos, tais como
desinfetar criatórios de peixes, nos quais ela destrói
sanguessugas, ovos de predadores e até larvas de
mosquito, além de ter a capacidade de eliminar o
Imaginando a seguinte reação: vibrião do cólera. Sobre algumas de suas
propriedades químicas, analise as seguintes
HCl + NH3 NH4+ + Cl−
afirmativas.
Temos que:
i. Deve ser manipulada com extremo cuidado porque
 O HCl é ácido de Bronsted-Lowry, porque
pode queimar a pele, segundo a reação: CaO + H2O
doa H+.
→ Ca(OH)2. A pele sofre desidratação.
 O HCl é ácido de Lewis, porque recebe um
par de elétrons.
ii. Ao se fazer a sua reação com uma solução aquosa
 O NH3 é base de Bronsted-Lowry, porque 10% de ácido clorídrico, HCl, a solução deve
recebe H+. 2
borbulhar ligeiramente, porque ocorre a liberação de
 O NH3 é base de Lewis, porque doa um par gás hidrogênio. 5
de elétrons.
Praticando! iii. A cal no Brasil, hoje, é produzida a partir de
rochas que contêm carbonato de cálcio, através da
1. (UFPB) Os ácidos são substâncias químicas reação de síntese: CaCO3 → CaO + CO2.
sempre presentes no cotidiano do homem. Por
exemplo, durante a amamentação, era comum usar se iv. A dolomita é uma rocha cujo principal
água boricada (solução aquosa de ácido bórico) para componente é um sal, carbonato de cálcio e
fazer a assepsia do seio da mãe; para limpezas mais magnésio, que também pode ser utilizada na
fortes da casa, emprega-se ácido muriático (solução obtenção de cal, segundo uma reação de análise.
aquosa de ácido clorídrico); nos refrigerantes,
encontra-se o ácido carbônico; e, no ovo podre, o Pode-se afirmar que estão corretas as afirmativas:
mau cheiro é devido à presença do ácido sulfídrico.
A) i e ii. B) i e iii. C) i e iv.
Esses ácidos podem ser representados, D) ii e iii. E) iii e iv.
respectivamente, pelas seguintes fórmulas
moleculares: 4. (ENEM) As misturas efervescentes, em pó ou em
comprimidos, são comuns para a administração de
A) H3BO3, HCl, H2CO2 e H2SO4. vitamina C ou de medicamentos para azia. Essa
B) H2BO3, HCl, H2CO3 e H2S. forma farmacêutica sólida foi desenvolvida para
C) H3BO3, HClO3, H2SO3 e H2CO2. facilitar o transporte, aumentar a estabilidade de
D) H2BO3, HClO4, H2S e H2CO3. substâncias e, quando em solução, acelerar a
E) H3BO3, HCl, H2CO3 e H2S absorção do fármaco pelo organismo. As matérias-
primas que atuam na efervescência são, em geral, o
2. (Ulbra-RS) A acidez de vários produtos ácido tartárico ou o ácido cítrico que reagem com um
domésticos pode ser demonstrada adicionando-se um sal de caráter básico, como o bicarbonato de sódio

Página | 25
(NaHCO3), quando em contato com a água. A partir E) neutraliza a toxicidade do alumínio, reduzindo o
do contato da mistura efervescente com a água, pH dessas áreas.
ocorre uma série de reações químicas simultâneas:
liberação de íons, formação de ácido e liberação de Gabarito: 1. E; 2. E; 3. C; 4. E; 5. A.
gás carbônico – gerando a efervescência.

As equações a seguir representam as etapas da reação


da mistura efervescente na água, em que foram RELAÇÕES DE MASSA
omitidos os estados de agregação dos reagentes, e
H3A representa o ácido cítrico.
ALGUNS CONCEITOS FUNDAMENTAIS

Unidade de massa atômica: corresponde a


⁄ da massa de um átomo do isótopo 12C. Tem
A ionização, a dissociação iônica, a formação do como simbologia u.
ácido e a liberação do gás ocorrem, respectivamente,
Massa atômica: é a massa do átomo. É
nas seguintes etapas:
expressa em u por conveniência.
A) IV, I, II e III B) I, IV, III e II Atenção! O número de massa (A) e a massa atômica
C) IV, III, I e II D) I, IV, II e III são coisas distintas. Entretanto, é importante destacar
E) IV, I, III e II que o valor da massa atômica, expresso em u, quando
arredondado para o número inteiro mais próximo,
equivale ao valor do número de massa. Assim sendo,
5. (ENEM) Decisão de asfaltamento da rodovia MG-
muitas vezes o valor de A é usado como o valor da
010, acompanhada da introdução de espécies
massa atômica.
exóticas, e a prática de incêndios criminosos
ameaçam o sofisticado ecossistema do campo Massa atômica de um elemento químico:
rupestre da reserva da Serra do Espinhaço. As plantas média ponderada das massas atômicas dos seus 2
nativas desta região, altamente adaptadas a uma alta isótopos.
concentração de alumínio, que inibe o crescimento 6
Massa molecular: soma das massas
das raízes e dificulta a absorção de nutrientes e água,
atômicas de todos os átomos constituintes da
estão sendo substituídas por espécies invasoras que
molécula em foco.
não teriam naturalmente adaptação para este
ambiente; no entanto, elas estão dominando as
margens da rodovia, equivocadamente chamada de
NÚMERO (OU CONSTANTE) DE AVOGADRO
“estrada ecológica”. Possivelmente, a entrada de
espécies de plantas exóticas neste ambiente foi
provocada pelo uso, neste empreendimento, de um A ideia concebida por Avogadro era de que
tipo de asfalto (cimento-solo) que possui uma uma amostra de determinado elemento que
mistura rica em cálcio, que causou modificações apresentasse a massa em gramas numericamente
químicas aos solos adjacentes à rodovia MG-010. igual à massa atômica apresentaria sempre o mesmo
Scientific American Brasil. Ano 7, n° 79, 2008 (adaptado).
número de átomos.
Essa afirmação baseia-se no uso de cimento-solo, O número de Avogadro é 6,022∙1023 (as
mistura rica em cálcio que vezes, utilizam-se os valores arredondados 6,02∙1023
ou 6,0∙1023).
A) inibe a toxicidade do alumínio, elevando o pH
O mesmo vale para moléculas. Uma amostra
dessas áreas.
que apresente massa em gramas igual à massa
B) inibe a toxicidade do alumínio, reduzindo o pH
molecular encerra 6,022∙1023 moléculas.
dessas áreas.
C) aumenta a toxicidade do alumínio, elevando o pH Exemplos: Consideremos a massa atômica
dessas áreas. do metal mercúrio como 201u. Uma amostra com
D) aumenta a toxicidade do alumínio, reduzindo o 201g de mercúrio apresenta 6,022∙10 23 átomos de
pH dessas áreas. mercúrio. Da mesma forma, a massa molecular do

Página | 26
metano é 16u. Uma amostra de 16g de metano
contém 6,022∙1023 moléculas de metano.

MOL E MASSA MOLAR

O mol é a quantidade de matéria de um


sistema que possui tantas unidades elementares
quanto o número de átomos contidos em 12g de 12C. Considerando-se o valor 6∙10−23 mol−1 para a
constante de Avogadro e a massa molar do cálcio
Em outras palavras, mol (ou quantidade de
igual a 40 g/mol, qual a quantidade mínima diária de
matéria) é uma unidade que contém 6,022∙10 23
átomos de cálcio a ser ingerida para que uma pessoa
entidades.
supra suas necessidades?
O mol é utilizado como uma unidade de
medida no mundo microscópico, tal qual a dúzia no A) 7,5∙1021 B) 1,5∙1022 C) 7,5∙1023
mundo macroscópico. D) 1,5∙1025 E) 4,8∙1025
1 mol de átomos = 6,022∙1023átomos
2. (ENEM) As “margarinas” e os chamados “cremes
1 mol de moléculas = 6,022∙1023moléculas vegetais” são produtos diferentes, comercializados
em embalagens quase idênticas. O consumidor, para
1 mol de íons = 6,022∙1023íons
diferenciar um produto do outro, deve ler com
1 mol de elétrons = 6,022∙1023elétrons atenção os dizeres do rótulo, geralmente em letras
1 mol de partículas = 6,022∙1023partículas muito pequenas. As figuras que seguem representam
rótulos desses dois produtos.
etc.

2
A massa molar, então, é caracterizada como
a massa associada a 6,022∙1023 entidades (expressa 7
em g/mol). Tomemos como exemplo a água, que tem
massa molecular igual a 18u. Com 6,022∙10 23
moléculas de água apresentando massa de 18g, sendo
esse número de moléculas equivalente a 1 mol, então
temos que a massa molar da água é 18 g/mol. Uma função dos lipídios no preparo das massas
alimentícias é torná-las mais macias. Uma pessoa
- DETERMINANDO O NÚMERO DE MOLS DE
que, por desatenção, use 200 g de creme vegetal para
UMA AMOSTRA preparar uma massa cuja receita pede 200 g de
margarina, não obterá a consistência desejada, pois
estará utilizando uma quantidade de lipídios que é,
Onde n representa o número de mols, m a em relação à recomendada, aproximadamente
massa da amostra da substância e M a sua massa
molar. A) o triplo. B) o dobro. C) a metade.
D) um terço. E) um quarto.
Exemplo: Consideremos uma amostra de água de
36g. Qual a quantidade de matéria correspondente a 3. (ENEM)
massa dessa amostra?

Praticando!
1. (ENEM)

Página | 27
Na produção de 27.000 L de etanol, a quantidade REPRESENTAÇÃO DE REAÇÕES E
total de fósforo, em kg, disponível na vinhaça será BALANCEAMENTO
mais próximo de

A) 1 B) 29 C) 60 D) 170 E) 1000 Reagentes → Produtos


Simbologia das substâncias envolvidas: nAx.
Gabarito: 1. B; 2. C; 3. B.
Os valores indicados por n são os
coeficientes e x são os subscritos das fórmulas
químicas, os índices. Ao se balancear uma reação
ESTEQUIOMETRIA química, ou seja, “igualar o número de cada tipo dos
átomos envolvidos”, devem-se alterar os valores dos
coeficientes, nunca os índices.
Ramo que compreende o estudo das Exemplo: Balancear a seguinte equação química
quantidades das substâncias que estão envolvidas
numa reação química. H2 + O2 → H2O
Certo: alterando os coeficientes
TIPOS DE FÓRMULAS Passo 1: H2 + O2 → 2H2O (balanceando oxigênio)
Passo 2: 2H2 + O2 → 2H2O (balanceando hidrogênio)
Fórmula mínima: faz a indicação da menor Errado: alterando o índice
proporção, em números inteiros de mol, dos átomos H2 + O2 → H2O2 (modificando o índice para que a
dos elementos que são constituintes da substância. quantidade de oxigênio em ambos os lados fique
 Exemplo: etano, C2H6. Fórmula mínima = igual. Nesse caso, você alterou a reação indicada!)
CH3.
Fórmula molecular: faz a indicação do real O balanceamento das reações pode ser feito 2
número de átomos de cada elemento que existem na pelo método das tentativas, pelo método algébrico ou
molécula. mesmo pelo método de oxirredução. 8
 Exemplo: etanol, C2H6O. O método das tentativas, como o próprio
Fórmula percentual: faz a indicação da nome indica, consiste em atribuir valores de
porcentagem em massa de cada elemento presente coeficientes por tentativas, até balancear a equação
em uma substância. (ou seja, a quantidade de átomos de determinado
elemento ser a mesma em ambos os lados da equação
 Exemplo: metano, CH4. Fórmula percentual, química).
C75%H25%.
Quanto ao método algébrico e o método de
oxirredução, um exemplo de cada será exposto a
LEIS PONDERAIS seguir.
Método algébrico: Balancear a equação dada por

Lei da conservação das massas: Br2 + KOH → KBr + KBrO2 + H2O


considerando um sistema fechado, a massa dos 1º) Adicionar coeficientes hipotéticos.
produtos deve ser igual a massa dos reagentes.
aBr2 + bKOH → cKBr + dKBrO2 + eH2O
Lei das proporções constantes: as
substâncias apresentam uma determinada proporção 2º) Relacionar os coeficientes para cada átomo.
constante, em massa, na sua composição. Quando existe mais de um átomo, o coeficiente deve
ser multiplicado pela quantidade existente. Lembre-
Lei de Gay Lussac (lei volumétrica): em se se que o mesmo número de átomos de uma espécie
considerando as mesmas condições de pressão e em um “lado da reação” deve existir do “outro lado”.
temperatura, os volumes dos gases participantes da
reação guardam entre si uma relação, sendo esta Br: 2a = c + d
relação de números inteiros e pequenos. K: b = c + d
O: b = 2d + e
Página | 28
H: b = 2e 4º) Por fim, balanceie por tentativas, a partir dos
coeficientes determinados no passo anterior. Assim,
3º) Resolva o sistema de equações montado. Atribua
teremos:
um valor arbitrário para uma das incógnitas e
prossiga. 2KMnO4 + 16HCl → 2KCl + 2MnCl2 + 5Cl2 + 8H2O
2a = c + d; b = c + d. Portanto, 2a = b. Considerando
a = 1, temos:
CÁLCULOS ESTEQUIOMÉTRICOS
b=2
b = 2e, portanto e = 1
Os cálculos mais comuns nos exercícios de
b = 2d + e, portanto d = 1/2 estequiometria consistem em pedir a “quantidade” de
algum dos participantes das reações a partir das
b = c + d, portanto c = 3/2
“quantidades” fornecidas dos outros. Essas
Logo, temos a equação: “quantidades” podem estar expressas em massa,
1Br2 + 2KOH → 3/2KBr + 1/2KBrO2 + 1H2O volume, quantidade de matéria (mol), etc., sendo
necessário fazer as conversões e relações adequadas
4º) Caso deseje eliminar os números fracionários, a fim de solucionar o problema.
multiplique pelo mínimo múltiplo comum entre os
denominadores. Assim, tem-se que: Por exemplo, dada a reação entre o gás
nitrogênio (N2) e o gás hidrogênio (H2) para formar
2Br2 + 4KOH → 3KBr + 1KBrO2 + 2H2O gás amônia (NH3), temos:
___N2(g) + ___H2(g) → ___NH3(g)
Método por oxirredução: Balancear a Fazendo o balanceamento, temos:
equação dada por
N2(g) + 3H2(g) → 2NH3(g)
KMnO4 + HCl → KCl + MnCl2 + Cl2 + H2O
Estabelecendo um quadro agora que
1º) Determinar os números de oxidação e, ao avaliar apresenta relações estequiométricas que podem ser
as variações nos números de oxidação, determinar 2
observadas a partir dessa equação, temos:
quem oxidou e quem reduziu. 9
Substância N2(g) H2(g) NH3(g)
KMnO4 + HCl → KCl + MnCl2 + Cl2 + H2O
Número 1 3 2
Mn: reduziu, de +7 para +2. de mols
Cl: oxidou, de −1 para 0. Massa (g) 28 3∙2 = 6 2∙17 = 34
2º) No caso do manganês, há apenas duas substâncias Volume 22,4* 3∙22,4 = 2∙22,4 =
contendo esse elemento na reação, uma de cada (L) 67,2 44,8
“lado” da equação química. Logo, pode-se colocar o
coeficiente na substância do “lado esquerdo” da Número 6,02∙1023 3∙6,02∙1023 2∙6,02∙1023
reação. Caso essa fosse a situação no caso do cloro, o de
mesmo poderia ser feito. Porém, há mais de duas moléculas
substâncias contendo cloro. Nesse caso, o coeficiente * nas CNTP
deve ser colocado naquela que apresenta o número de
oxidação diferente das demais. Assim, escolhemos: Relações quantitativas podem ser
estabelecidas a partir dos dados dessa tabela. Por
KMnO4 + HCl → KCl + MnCl2 + Cl2 + H2O exemplo, pode-se dizer que 1 mol de gás nitrogênio
3º) Calcular os valores de Δ para cada caso. O (N2) utilizado nessa reação produz 2∙6,02∙1023
número de átomos que sofrem a oxidação/redução no moléculas do gás amônia, ou mesmo que 28g de gás
composto selecionado deve ser considerado. O valor N2 consomem 3 mols de gás hidrogênio nessa reação.
Δ(Mn) é colocado no composto contendo cloro, e o É comum encontrar questões que relacionam
Δ(Cl) naquele contendo manganês. quantidade de matéria com quantidade de matéria,
Δ(Mn): | | = 5. quantidade de matéria com a constante de Avogadro
(número de entidades em um mol), massa com
Δ(Cl): | |= 2. massa, constante de Avogadro com massa, etc.
2KMnO4 + HCl → KCl + MnCl2 + 5Cl2 + H2O

Página | 29
Em geral, para se resolver problemas desse oxigênio, gerando como produto gás carbônico e
tipo, deve-se adotar três medidas: água. Considerando que esse combustível sofra
combustão completa dentro de uma câmara
(a) balancear a equação química;
apropriada e que sejam recolhidos os 88g de gás
(b) observar a proporção entre as substâncias carbônico resultantes da reação em um recipiente
envolvidas através dos coeficientes estequiométricos, acoplado à câmara reacional, qual o número de
onde os coeficientes obtidos indicam o número de moléculas de etanol envolvidas na reação química
mols de cada substância envolvidos na reação; descrita?
(c) relacionar as grandezas conforme solicitado pelo
problema (massa, volume, número de mols...).

A seguir estão alguns exemplos, para que


você possa praticar.

- QUANDO HÁ IMPUREZAS
QUESTÃO: Nas estações de tratamento de água,
eliminam-se as impurezas sólidas em suspensão Em geral, podemos dizer que nenhuma
através do arraste por flóculos de hidróxido de substância apresenta-se totalmente pura, mesmo após
alumínio, sendo os reagentes e produtos envolvidos ser submetida a sucessivos processos de separação.
na reação descritos acima apresentados na equação a Podemos alcançar a purezas da ordem de 99,95%,
seguir: por exemplo, mas não em 100%.
Al2(SO4)3 + Ca(OH)2 → Al(OH)3 + CaSO4 Sempre que é feita a aferição da massa de
6 3 uma determinada substância, é necessário estar ciente
Para tratar 1,0x10 m de água foram adicionadas 17
da presença na amostra, em maior ou menor escala,
toneladas de Al2SO4. Qual a quantidade de matéria
de outras substâncias (contaminantes impurezas).
(mol) de Ca(OH)2 necessária para reagir
completamente com esse sal? O grau de pureza de uma amostra indica o 3
percentual de massa de uma substância, relacionando
com a massa total da amostra em questão. Quando 0
não se faz referência ao grau de pureza das
substâncias participantes, considera-se para o cálculo
a pureza de 100% (como no caso das questões acima
apresentadas).
Ao se conhecer o grau de pureza de uma
QUESTÃO: Calcule a massa de ácido sulfúrico amostra em relação às substâncias constituintes dela,
produzida a partir de 8 toneladas de enxofre segundo o estabelecimento de uma relação de
as seguintes reações químicas: proporcionalidade (aquela famosa regra de três!) nos
indica a quantidade que realmente há da substância
S + O2 → SO2 em foco (quantidade esta que deve ser a utilizada
SO2 + ½O2 → SO3 para os cálculos estequiométricos).

SO3 + H2O → H2SO4


Dica: Obtenha primeiramente a equação geral do QUESTÃO: Utilizou-se ácido sulfúrico para
processo através da soma das três equações. neutralizar uma amostra de 200g de NaOH com 80%
de pureza. Qual a massa de sulfato de sódio
resultante da reação?

QUESTÃO: A combustão completa do etanol,


C2H5OH, consiste na reação deste com o gás
Página | 30
QUESTÃO: Considere uma amostra de 300g de amostra, por sua vez, é submetida a reação com o gás
magnésio que apresenta grau de pureza de 80%. Esta oxigênio, sendo produzido óxido de magnésio. Na
amostra, por sua vez, é submetida a reação com o gás câmara reacional há disponibilidade 3,5 mols de gás
oxigênio, sendo produzido óxido de magnésio. Qual oxigênio. Qual a massa de óxido de magnésio
a massa de óxido de magnésio produzida na reação? produzida na reação? Quem é o reagente limitante?
DADOS: Massas molares – Mg = 24g/mol; MgO = Quem é o reagente em excesso? Qual a quantidade,
40g/mol). em gramas e em quantidade de matéria, do excesso
de reagente? DADOS: Massas molares – Mg =
24g/mol; MgO = 40g/mol).

- REAGENTE EM EXCESSO E REAGENTE


LIMITANTE
QUESTÃO: O carbonato de sódio é empregado na
Imagine que sejam misturados dois reagentes
fabricação de vidro e ele é preparado a partir de
que não se encontram em proporções
carbonato de cálcio e cloreto de sódio, segundo a
estequiométricas, que eles tenham afinidade química
reação química não balanceada abaixo:
e reajam entre si.
CaCO3 + NaCl → Na2CO3 + CaCl2
Um deles estará em quantidade
estequiométrica inferior e será consumido totalmente. Considerando que 1kg de CaCO3 foi colocado para
A esse se denomina reagente limitante. reagir com 585g de NaCl, responda: a massa obtida
do carbonato de sódio em gramas é:
O outro reagente, colocado em maior
quantidade do que a necessária para reagir com o a) Quem é o reagente limitante?
primeiro, ainda estará presente no meio reacional 3
b) Quem e o reagente em excesso?
após o fim da reação, sendo denominado reagente
em excesso. c) Qual a quantidade em excesso? 1

Em geral, questões desse tipo podem ser d) Qual a massa, em gramas, de carbonato de sódio
solucionadas através da seguinte metodologia: produzido?
1. Consideramos um dos reagentes como o e) Qual a quantidade matéria (mol) de carbonato de
limitante e determinamos a quantidade de sódio produzido?
produto formado para uma reação que
consuma aquela quantidade de reagente.
2. Repete-se o procedimento descrito em (1)
para outro(s) reagente(s) envolvido(s) no
processo.
3. Aquele reagente que produzir a menor
quantidade de produto corresponde ao
reagente limitante. Sendo assim, a
quantidade de produto formada indica a
quantidade que realmente é obtida no - RENDIMENTO DE UMA REAÇÃO
processo.
4. A partir da quantidade de reagente limitante, O rendimento reacional está associado à
encontra-se a quantidade dos demais quantidade de reagentes que, efetivamente,
reagentes necessária para reagir com esse e, converteram-se em produtos.
sendo assim, encontra-se a quantidade em Para questões em que se indica o rendimento
excesso do(s) outros(s) reagente(s). da reação, pode-se descobrir a quantidade de produto
proveniente da reação inicialmente realizando o
cálculo considerando que o rendimento da reação é
QUESTÃO: Considere uma amostra de 300g de 100% e, posteriormente, com uma regra de
magnésio que apresenta grau de pureza de 65%. Esta proporcionalidade, utilizar o dado de rendimento
Página | 31
fornecido para descobrir a quantidade de produto(s)
efetivamente formada.
Quando a determinação do rendimento se
constitui no objetivo do problema, devem-se utilizar
as quantidades de reagentes apresentadas na questão
para calcular quanto de produto seria formado se QUESTÃO: Considere uma amostra de 300g de
todo aquele reagente se convertesse em produto. magnésio que apresenta grau de pureza de 45%. Esta
Posteriormente, com os dados fornecidos na questão amostra, por sua vez, é submetida a reação com o gás
da quantidade de produto realmente formado, oxigênio, sendo produzido óxido de magnésio, num
estabelecer uma relação de proporcionalidade para rendimento reacional de 85%. Qual a quantidade de
determinar o rendimento da reação. matéria de óxido de magnésio produzida na reação?
Dessa forma, em geral, questões desse tipo DADOS: Massas molares – Mg = 24g/mol; MgO =
podem ser solucionadas através da seguinte 40g/mol).
metodologia:
1. Verificam-se os coeficientes
estequiométricos da reação (balanceamento).
2. Determina-se a quantidade de produto que
seria obtido caso a conversão fosse completa
(ou seja, 100%).
3. Estabelece-se uma proporcionalidade direta
(regra de três) para fazer a determinação do
Praticando (um pouco mais)!
rendimento que corresponde à quantidade de
produto efetivamente foi obtido através da 1. (ENEM) Para proteger estruturas de aço da
reação em estudo. corrosão, a indústria utiliza uma técnica chamada
galvanização. Um metal bastante utilizado nesse
processo é o zinco, que pode ser obtido a partir de
QUESTÃO: (UPF – ADAPTADO) 15,0 g de pirita um minério denominado esfalerita (ZnS), de pureza 3
(FeS2) de 80% de pureza são submetidos à ustulação. 75%. Considere que a conversão do minério em
2
A reação deste processo, não ajustada, é representada zinco metálico tem rendimento de 80% nesta
por: sequência de equações químicas:
FeS2(s) + O2(g) → Fe2O3(s) + SO2(g)
2ZnS + 3O2 → 2ZnO + 2SO2
O rendimento da reação é de 75%. Nessas condições, ZnO + CO → Zn + CO2
determine o volume de SO2(g) obtido e a massa, em
mg, de óxido férrico produzido. DADOS: Massas Considere as massas molares: ZnS (97 g/mol); O2 (32
Atômicas – Fe = 56; O = 16; S = 32. Volume Molar: g/mol); ZnO (81 g/mol); SO2 (64 g/mol); CO (28
22,7 L. g/mol); CO2 (44 g/mol); e Zn (65 g/mol).

Que valor mais próximo de massa de zinco metálico,


em quilogramas, será produzido a partir de 100kg de
esfalerita?

A) 25 B) 33 C) 40 D) 50 E) 54

2. (SSA) A rapadura é obtida pela concentração à


QUESTÃO: (UFRGS – ADAPTADO) A quente do caldo da cana-de-açúcar; sua principal
decomposição térmica de meio mol de clorato de matéria prima possui grande teor energético, é rica
potássio segundo a equação não balanceada a seguir em vitaminas, ferro e flúor, fatores que dependem da
KClO3(s) → KCl(s) + O2(g) origem e do processamento. Além disso, possui um
baixo custo, sendo tradicionalmente consumida pela
produziu 8,4 litros de oxigênio nas CNTP (volume população nordestina. Várias etapas para a produção
molar de 22,4L). Qual o rendimento da reação? de rapadura com base na cana-de-açúcar são
necessárias, como lavagem, desfibramento, moagem,
cristalização, moldagem e secagem. A rapadura
Página | 32
obtida pode ser analisada quanto ao teor de íons Fe3+ lixiviação por carbonato de sódio e considerando
por meio de reações químicas específicas. Uma delas uma massa de pasta residual de uma bateria de 6 kg,
pode ser representada pela equação química: qual quantidade aproximada, em quilogramas, de
PbCO3 é obtida?
Fe3+(aq) + 3OH−(aq)  Fe(OH)3(s).
A) 1,7 kg B) 1,9 kg C) 2,9 kg
Dados: Massas molares, H = 1g/mol; O = 16g/mol; Fe = 56 D) 3,3 kg E) 3,6 kg
g/mol.
4. (ENEM) As mobilizações para promover um
Com base no texto acima, analise as considerações a planeta melhor para as futuras gerações são cada vez
seguir: mais frequentes. A maior parte dos meios de
transporte de massa é atualmente movida pela
I. Em 3 mols de íons OH−, há 3 vezes 6,02x1023 íons queima de um combustível fóssil. A título de
hidroxila. exemplificação do ônus causado por essa prática,
II. A partir de 1 mol de Fe3+, obtêm-se 107 gramas de basta saber que um carro produz, em média, cerca de
hidróxido férrico. 200g de dióxido de carbono por km percorrido.
III. A quantidade de ferro na rapadura é a mesma em Revista Aquecimento Global. Ano 2, n.o 8. Publicação do
qualquer processo de produção. Instituto Brasileiro de Cultura Ltda.
IV. A equação química que mostra a formação do
hidróxido férrico precisa ser balanceada. Um dos principais constituintes da gasolina é o
V. Os processos lavagem, moldagem e secagem são octano (C8H18). Por meio da combustão do octano é
físicos, pois não alteram a constituição química possível a liberação de energia, permitindo que o
das substâncias presentes. carro entre em movimento. A equação que representa
a reação química desse processo demonstra que
Estão CORRETAS
A) no processo há liberação de oxigênio, sob a forma
A) I e IV. B) II e III. C) III e IV. de O2.
D) I, II e V. E) I, II, III e IV B) o coeficiente estequiométrico para a água é de 8
para 1 do octano. 3
3. (ENEM) A composição média de uma bateria C) no processo há consumo de água, para que haja 3
automotiva esgotada é de aproximadamente 32% Pb, liberação de energia.
3% PbO, 17% PbO2 e 36% PbSO4. A média de D) o coeficiente estequiométrico para o oxigênio é de
massa da pasta residual de uma bateria usada é de 6 12,5 para 1 do octano.
kg, onde 19% é PbO2,60% PbSO4 e 21% Pb. Entre E) o coeficiente estequiométrico para o gás carbônico
todos os compostos de chumbo presentes na pasta, o é de 9 para 1 do octano.
que mais preocupa é o sulfato de chumbo (II), pois
nos processos pirometalúrgicos,em que os compostos Gabarito: 1. C; 2. D; 3. C; 4. D.
de chumbo (placas das baterias) são fundidos, há a
conversão de sulfato em dióxido de enxofre, gás
muito poluente. Para reduzir o problema das
emissões de SO2(g), a indústria pode utilizar uma ESTUDO DOS GASES
planta mista, ou seja, utilizar o processo
hidrometalúrgico, para a dessulfuração antes da fusão
do composto de chumbo. Nesse caso, a redução de MODELO DO GÁS IDEAL
sulfato presente no PbSO4 é feita via lixiviação com
solução de carbonato de sódio (Na2CO3) 1M a 45ºC,
O modelo do gás ideal aponta que:
em que se obtém o carbonato de chumbo (II) com
rendimento de 91%. Após esse processo, o material  As moléculas do gás praticamente não interagem
segue para a fundição para obter o chumbo metálico. entre si (a menos das colisões);
 Movimento aleatório das partículas;
 O volume ocupado é igual ao volume do
recipiente que o contém;
 As partículas são consideradas pontuais (o
volume das partículas constituintes do gás é
Segundo as condições do processo apresentado para
desprezível em relação ao volume do ambiente);
a obtenção de carbonato de chumbo (II) por meio da
Página | 33
 A pressão no recipiente é resultado das colisões
das partículas do gás nas paredes do recipiente;
Onde i se refere ao estado inicial e f ao estado final.
 A temperatura é diretamente proporcional à
energia cinética média das partículas do gás. Gráfico de uma isoterma:
4
- ESTADOS DE UM GÁS 3,5
3
2,5

Pressão
2
1,5
1
0,5
0
0 1 2 3 4
Volume
Ao se conhecer as três variáveis acima
descritas, podemos dizer que é conhecido o estado de - TRANSFORMAÇÃO ISOBÁRICA (PRESSÃO
um gás. Caso um ou mais dessas condições se CONSTANTE)
alterem, é dito então que o gás sofreu uma mudança Primeira Lei de Charles e Gay-Lussac: Em um
de estado. sistema à pressão constante, o volume ocupado por
Um recipiente contendo gás quando está determinada massa de um gás é diretamente
sendo estudado passa a ser chamado de sistema. Os proporcional à sua temperatura absoluta.
sistemas podem ser classificados em: Ou seja,
(a) Aberto: sistema que permite troca de massa e de
calor com o ambiente;
(b) Fechado: sistema que permite troca de calor, 3
mas não de massa, com o ambiente; Temos que: 4
(c) Isolado: sistema que não permite troca de massa
e de calor com o ambiente.

Onde i se refere ao estado inicial e f ao estado final.


TRANSFORMAÇÕES GASOSAS –
MUDANÇAS DE ESTADO Gráfico de uma isóbara:

4
A seguir serão apresentados estudos acerca 3
das mudanças de estado de um sistema fechado
Volume

contendo gás. Esses estudos foram importantes no 2


entendimento da relação entre as variáveis que
determinam o estado de um gás. 1

0
0 2 4 6 8
- TRANSFORMAÇÃO ISOTÉRMICA
Temperatura
(TEMPERATURA CONSTANTE)
Lei de Boyle: Em um sistema fechado à temperatura
constante, o volume ocupado por determinada massa - TRANSFORMAÇÃO ISOCÓRICA (VOLUME
de um gás é inversamente proporcional à sua pressão. CONSTANTE)
Ou seja, Segunda Lei de Charles e Gay-Lussac: Em um
sistema fechado com volume constante, a pressão
exercida por determinada massa de um gás é
Temos que: diretamente proporcional à sua temperatura absoluta.
Ou seja,
Página | 34
22,71 L/mol.
Hipótese de Avogadro: volumes iguais, de
Temos que: qualquer que seja o gás, submetidos às mesmas
condições de temperatura e pressão, possuem a
mesma quantidade de matéria.
MISTURA DE GASES
Onde i se refere ao estado inicial e f ao estado final.
Gráfico de uma isócora:
Uma mistura de gases configura-se como um
8 sistema homogêneo. À luz do modelo do gás ideal,
6 algumas considerações serão apresentadas a seguir.
Pressão

4
2 - EQUAÇÃO DE CLAYPERON

0 Considerando a mistura dos gases


0 1 2 3 4 genericamente representados por A, B e C, teríamos:
Temperatura

- EQUAÇÃO GERAL DOS GASES - FRAÇÃO EM QUANTIDADE DE MATÉRIA


Relacionando as três equações apresentadas As frações correspondentes a cada gás na
anteriormente para as mudanças de estado, obtemos mistura é dada por
uma relação: a equação geral dos gases. Ela é dada
por:
Onde n = nA + nB + nC. 3
5
- PRESSÃO PARCIAL
EQUAÇÃO DE CLAYPERON A lei das pressões parciais (ou lei de
Dalton) aponta que a pressão total de uma mistura
gasosa é igual à soma das pressões parciais dos gases
A partir da equação geral dos gases, é
que compõem a mistura gasosa.
possível chegar à equação de Clayperon (também
chamada de equação de estado dos gases ideais). A A seguir, estão apresentadas algumas equações
dedução desse processo não será aqui apresentada. A relacionadas a esse tema. Não serão apresentadas as
equação de estado dos gases ideais é dada por: deduções.

Onde R varia conforme as unidades


utilizadas. Alguns valores para R a partir de unidades
usualmente utilizadas são 0,082 L∙atm/mol∙K e
8,314Pa∙m³/mol∙K.
Atenção! CNTP: Pressão padrão = 101325 Pa (1
atm) e Temperatura padrão = 273,15 K.
Atenção! STP: Pressão padrão = 100000 Pa (1 bar) e
temperatura padrão = 273,15 K. - VOLUME PARCIAL
Nota: A lei dos volumes parciais (ou lei de
Amagat) aponta que o volume total de uma mistura
Volume molar de gases: volume ocupado por um
gasosa é igual à soma dos volumes parciais dos gases
mol de qualquer gás, à determinada pressão e
que compões a mistura gasosa.
temperatura. Nas CNTP, 22,4L/mol. Nas STP,

Página | 35
A seguir, estão apresentadas algumas para dois gases, a equação acima pode ser reescrita
equações relacionadas a esse tema. Não serão da seguinte forma:
apresentadas as deduções.

Praticando!
1. (UFU-MG/adaptado) Em uma atividade
experimental o professor pegou duas garrafas PET
vazias e colocou bexigas cheias na boca de cada uma
delas. Em seguida, colocou uma das garrafas em uma
bacia com água quente e a outra em uma bacia com
DENSIDADE ABSOLUTA E RELATIVA DE água fria. Um dos balões murchou e o outro ficou
GASES mais cheio. Sobre estes fatos, assinale a alternativa
correta.

A densidade absoluta pode ser obtida A) O balão que murchou foi colocado em água
através da equação de estado dos gases ideais. Ela é quente, pois o aumento da temperatura causou uma
dada por: contração dos gases da bexiga.
B) O balão que ficou mais cheio foi colocado em
água quente, devido ao aumento da temperatura do
sistema e a expansão dos gases presentes na bexiga.
Onde M é a massa molar do gás. C) O volume do balão que foi colocado em água fria
diminuiu, porque a pressão do sistema aumentou,
A densidade relativa, por sua vez, é obtida reduzindo o choque das partículas de gás com as
através da simples relação entre as densidades paredes do balão.
absolutas de dois gases, obtidas nas mesmas D) Em qualquer um dos casos, o volume dos balões
condições de temperatura e pressão. Assim, tem-se foi alterado porque o tamanho das partículas de gás 3
que: foi modificado. 6
E) O volume do balão que foi colocado em água
quente aumentou, em virtude do aumento no
tamanho das partículas, fato decorrente do aumento
da temperatura.
DIFUSÃO E EFUSÃO
2. (UFCCE) Acidentes com botijões de gás de
cozinha são noticiados com bastante frequência.
A difusão consiste na propriedade de duas Alguns deles ocorrem devido às más condições de
ou mais substâncias se misturarem de maneira industrialização (botijões defeituosos), e outros por
espontânea, quando na presença uma da outra, uso inadequado. Dentre esses últimos, um dos mais
resultando assim em uma mistura homogênea. Os conhecidos é o armazenamento dos botijões em
gases sofrem difusão. locais muito quentes. Nessas condições, e assumindo
a lei dos gases ideais, é correto afirmar que:
A efusão é definida como a passagem de um
gás por pequenos orifícios. A) a pressão dos gases aumenta, e o seu número de
A lei de Graham aponta que as velocidades mol diminui.
de difusão e efusão de um gás são de maneira B) a pressão dos gases diminui, e o seu número de
inversamente proporcional à raiz quadrada de sua mol diminui.
densidade. Matematicamente, esse enunciado é C) o número de mol permanece constante, e a
expresso por: pressão aumenta.
D) a pressão e o número de mol dos gases aumentam.
E) a pressão e o número de mol dos gases não são
√ afetados pelo aumento de temperatura.

Onde v é a velocidade de difusão e efusão. 3. (ENEM) A adaptação dos integrantes da seleção


Para mesmas condições de pressão e temperatura brasileira de futebol à altitude de La
Página | 36
Paz foi muito comentada em 1995, por ocasião de um
torneio, como pode ser lido no texto abaixo.

“A seleção brasileira embarca hoje para La Paz,


capital da Bolívia, situada a 3.700 metros de
altitude, onde disputará o torneio Interamérica. A
adaptação deverá ocorrer em um prazo de 10
dias, aproximadamente. O organismo humano, em
altitudes elevadas, necessita desse tempo para
se adaptar, evitando-se, assim, risco de um colapso
circulatório.”
(Adaptado da revista Placar, edição fev. 1995)

A adaptação da equipe foi necessária principalmente


porque a atmosfera de La Paz, quando comparada à
das cidades brasileiras, apresenta:

A) menor pressão e menor concentração de oxigênio.


B) maior pressão e maior quantidade de oxigênio.
C) maior pressão e maior concentração de gás
carbônico.
D) menor pressão e maior temperatura.
E) maior pressão e menor temperatura.

4. (PUC) A reação entre o gás nitrogênio (N2) e o gás


hidrogênio (H2) produz o gás amônia (NH3). Em um
recipiente fechado de 10L, a 800K, foram colocados
5 mol de N2 e 20 mol de H2. Considerando que o
3
rendimento dessa reação nessas condições é de 40%
e que não houve variação de temperatura, a relação 7
entre a pressão final e inicial do sistema é

A) Pf = 0,84 Pi B) Pf = Pi C) Pf = 1,19 Pi
D) Pf = 0,4 Pi E) Pf = 0,6 Pi

Gabarito: 1. B; 2. C; 3. A; 4. A.

BIBLIOGRAFIA

ATKINS, P. W.; JONES, L. Princípios de química:questionando


a vida moderna e o meio ambiente. 5. ed. Porto Alegre:
Bookman, 2012.
BROWN, T L.; JR, H. E.; BURSTEN, B. E; BURDGE, J. R.
Química: a ciência central. 9 ed. São Paulo: Pearson Prentice
Hall, 2005.
FONSECA, M. R. M. Química. 1 ed., v. 1. São Paulo: Ática,
2013.
FONSECA, M. R. M. Química. 2 ed., v. 1. São Paulo: Ática,
2016.
FONSECA, M. R. M. Química. 1 ed., v. 2. São Paulo: Ática,
2013.
FONSECA, M. R. M. Química. 1 ed., v. 3. São Paulo: Ática,
2013.
PERUZZO, F. M.; CANTO, E. L. Química na abordagem do
cotidiano. 4 ed., v. 1. São Paulo: Moderna, 2006.
PERUZZO, F. M.; CANTO, E. L. Química na abordagem do
cotidiano (Suplemento de Revisão). 5 ed., v. 1. São Paulo:
Moderna, 2009.
USBERCO, J.; SALVADOR, E. Química.5 ed. v. único. São
Paulo: Saraiva, 2002.
Página | 37