Você está na página 1de 44

INSTITUTO PEDAGÓGICO DE

MINAS GERAIS

Teoria e Prática em Psicopedagogia


Coordenação Pedagógica – IPEMIG

Belo Horizonte
SUMÁRIO

INTRODUÇÃO ..................................................................................................... 03

1 NOÇÕES BÁSICAS EM PSICOPEDAGOGIA ................................................. 05

1.1 As origens e trajetória da Psicopedagogia ..................................................... 06

1.2 Conceituações, influências e contribuições .................................................... 11

1.3 Seu campo de atuação .................................................................................. 14

1.4 Suas divisões – clínica e institucional ............................................................ 15

1.5 As relações com as demais disciplinas .......................................................... 26

1.6 Os eixos norteadores da Psicopedagogia Institucional .................................. 28

2 CÓDIGO DE ÉTICA DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE

PSICOPEDAGOGIA ............................................................................................ 32

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS .................................................................... 37

AVALIAÇÃO ........................................................................................................ 40
3

INTRODUÇÃO

Sejam bem vindos !

Nos esforçamos para oferecer um material condizente, procurando


referências atualizadas, embora saibamos que alguns clássicos como Sara Paín e
Maria Lúcia
L. Weiss são indispensáveis ao curso.

As ideias aqui expostas, como não poderiam deixar de ser, não são neutras,
afinal, opiniões e bases intelectuais fundamentam o trabalho dos diversos institutos
educacionais, mas deixamos claro que não há intenção de fazer apologia a esta ou
aquela vertente, estamos cientes e primamos pelo conhecimento científico, testado e
provado pelos pesquisadores.

Não obstante, o curso tenha objetivos claros, positivos e específicos, nos


colocamos abertos para críticas e para opiniões, pois temos consciência que nada
está pronto e acabado e com certeza críticas e opiniões só irão acrescentar e
melhorar nosso trabalho.

Como os cursos baseados na Metodologia da Educação a Distância, vocês


são livres para estudar da melhor forma que possam organizar-se, lembrando que:
aprender sempre, refletir sobre a própria experiência se somam e que a educação é
demasiado importante para nossa formação e, por conseguinte, para a formação
dos nossos/ seus alunos.

Deste modo, o curso em questão tem como objetivo geral oferecer subsídios
teórico-metodológicos para que os ingressantes na área de Psicopedagogia
Institucional e Clínica possam atuar na prevenção e tratamento e, reforçar os
conhecimentos daqueles que já atuam na área, pois sabemos que o mercado atual
exige renovação da bagagem profissional, valorização das novas tendências na sua
área de trabalho.

Nesta apostila, o conteúdo passa por noções básicas em Psicopedagogia, o


que inclui as suas origens, os campos de atuação, as suas divisões, as relações
com as demais disciplinas e os eixos norteadores.

IPEMIG - Instituto Pedagógico de Minas Gerais www.ipemig.com.br


(31) 3484-4334 - (31) 8642-1801 "É mais que educação, é EVOLUÇÃO"
4

Trata-se de uma reunião do pensamento de vários autores que entendemos


serem os mais importantes para a disciplina.

Para maior interação com o aluno deixamos de lado algumas regras de


redação científica, mas nem por isso o trabalho deixa de ser científico.

Desejamos a todos uma boa leitura e caso surjam algumas lacunas, ao final
da apostila encontrarão nas referências consultadas e utilizadas aporte para sanar
dúvidas e aprofundar os conhecimentos.

IPEMIG - Instituto Pedagógico de Minas Gerais www.ipemig.com.br


(31) 3484-4334 - (31) 8642-1801 "É mais que educação, é EVOLUÇÃO"
5

1 NOÇÕES BÁSICAS EM PSICOPEDAGOGIA

Já vamos entrando no campo da Psicopedagogia levantando alguns


questionamentos que perpassam pela ética, como por exemplo, o que o levou a
cursar essa especialização? Qual papel exerce na sociedade? Quais seus
objetivos? Onde quer chegar? Isto porque, queiramos ou não, a escolha de uma
profissão vem sempre acompanhada de um código de ética direcionado ao exercício
da atividade no meio ambiente social onde se vai atuar.

Essas questões são de foro íntimo, não podemos responder por vocês, mas
podemos trazer à tona algumas ideias que os levem a refletir e responder com toda
sinceridade a que vieram.

O campo da Psicopedagogia traz à tona o encontro com o prazer de


trabalhar, de investigar, de aprender com os pacientes (alunos). Como diz
Damasceno (s/d) é a busca criativa que nos leva a (des) aprisionar a inteligência, a
tirar a criatividade do casulo, a desprender-se, deixar solto o pensamento, o
conhecer e o crescer, porque desperta a crença no ser humano.

Justifica-se a necessidade do Psicopedagogo dentro da escola, levando em


consideração que a maioria delas ainda não possui, em sua equipe pedagógica, um
profissional que possa auxiliar a comunidade escolar, instrumentalizando-a teórica e
metodologicamente para atender a individualidade de cada educando no processo
de construção de seus conhecimentos.

Pois bem, vamos analisar a importância da Psicopedagogia, a qual tem por


objeto central de estudo o processo de aprendizagem humana, seus padrões
evolutivos normais e patológicos, bem como a influência do meio (família, escola,
sociedade) e especificamente, tentaremos demonstrar que as dificuldades escolares
não podem ser explicadas apenas por um fator, mas que podem situar-se na
criança, no meio familiar ou mesmo no meio escolar.

IPEMIG - Instituto Pedagógico de Minas Gerais www.ipemig.com.br


(31) 3484-4334 - (31) 8642-1801 "É mais que educação, é EVOLUÇÃO"
6

1.1 As origens e trajetória da Psicopedagogia

A psicopedagogia nasceu da necessidade de melhor compreensão do


processo de aprendizagem e se tornou uma área de estudo específica que busca
conhecimento em outros campos e cria seu próprio objeto de estudo, ocupando-se
do processo de aprendizagem humana, seus padrões de desenvolvimento e a
influência do meio nesse processo (FERREIRA, 2006).

Na literatura francesa que sempre influenciou as ideias sobre


psicopedagogia na Argentina (a qual, por sua vez, influenciou a práxis brasileira) –
encontra-se, entre outros, os trabalhos de Janine Mery, a psicopedagoga francesa
que apresenta algumas considerações sobre o termo psicopedagogia e sobre a
origem dessas ideias na Europa, e os trabalhos de George Mauco, fundador do
primeiro centro médico psicopedagógico na França, onde se percebeu as primeiras
tentativas de articulação entre Medicina, Psicologia, Psicanálise e Pedagogia, na
solução dos problemas de comportamento e de aprendizagem (BOSSA, 2000, p.
37).

Esses centros tentavam readaptar crianças com comportamentos


socialmente inadequados na escola ou no lar e atendiam crianças com dificuldades
de aprendizagem apesar de serem inteligentes.

Esperava-se através desta união Psicologia – Psicanálise – Pedagogia,


conhecer a criança e o seu meio, para que fosse possível compreender o caso para
determinar uma ação reeducadora, e, diferenciar os que não aprendiam, apesar de
serem inteligentes, daqueles que apresentavam alguma deficiência mental, física ou
sensorial era uma das preocupações da época.

Observa-se que a psicopedagogia teve uma trajetória significativa tendo


inicialmente um caráter médico-pedagógico dos quais faziam parte da equipe do
Centro Psicopedagógico: médicos, psicólogos, psicanalistas e pedagogos.

Ferreira (2006) nos conta que há alguns anos atrás, a falta de clareza a
respeito dos problemas de aprendizagem, fazia com que os alunos com dificuldades
fossem encaminhados para profissionais de diversas áreas de atuação, sem uma
resolução eficiente dos problemas.

IPEMIG - Instituto Pedagógico de Minas Gerais www.ipemig.com.br


(31) 3484-4334 - (31) 8642-1801 "É mais que educação, é EVOLUÇÃO"
7

Em primeiro momento, no período de Medicalização dos problemas de


aprendizagem, estas crianças eram encaminhadas ao médico: pediatra e depois ao
neurologista.

Em segundo momento, denominado Psicologização dos problemas de


aprendizagem, onde eram encaminhadas ao psicólogo, submetendo a criança a
uma bateria de testes. Frente a estas situações, não se chegava a uma explicação
clara sobre as dificuldades da criança, foi-se criando a consciência da necessidade
de formação de um único profissional apto a integrar conhecimentos e para atuar de
maneira objetiva e eficaz, não só na resolução dos problemas escolares, mas
também que atuasse na prevenção dos mesmos, facilitando o vínculo do aluno com
o processo de aprendizagem e o resgate do prazer de aprender, melhorando assim,
o desempenho escolar do aluno.

Assim nasceu a Psicopedagogia, cujo termo apresenta-se hoje com uma


característica especial. Devido a complexidade dos problemas de aprendizagem, a
Psicopedagogia se apresenta com um caráter multidisciplinar, que busca
conhecimento em diversas outra áreas de conhecimento, além da psicologia e da
pedagogia. É necessário ter noções de:

Linguística, para explicar como se dá o desenvolvimento da linguagem


humana e sobre os processos de aquisição da linguagem oral e escrita.

Conhecimentos sobre o desenvolvimento neurológico, sobre suas disfunções


que acabam dificultando a aprendizagem;

Conhecimentos filosóficos e sociológicos, que nos oferece o entendimento


sobre a visão do homem, seus relacionamentos a cada momento histórico e
sua correspondente concepção de aprendizagem (FERREIRA, 2006).

Sobre a corrente europeia que influenciou significativamente a Argentina,


Bossa (2000) citando estudos de Alícia Fernandez nos conta que a Psicopedagogia
surgiu na Argentina há mais de 40 anos e foi em Buenos Aires, sua capital, a
primeira cidade a oferecer o curso de Psicopedagogia, portanto, foram nos anos
1970 que surgiram por lá, os Centros de Saúde Mental, onde equipes de
psicopedagogos atuavam fazendo diagnóstico e tratamento.

IPEMIG - Instituto Pedagógico de Minas Gerais www.ipemig.com.br


(31) 3484-4334 - (31) 8642-1801 "É mais que educação, é EVOLUÇÃO"
8

Estes psicopedagogos perceberam um ano após o tratamento, que os


pacientes resolviam seus problemas de aprendizagem, mas desenvolviam distúrbios
de personalidade como deslocamento de sintoma. Resolveram então incluir o olhar
e a escuta clínica psicanalítica, perfil atual do psicopedagogo argentino (BOSSA,
2000).

Ao Brasil, a Psicopedagogia chegou na década de 1970, cujas dificuldades


de aprendizagem nesta época eram associadas a uma disfunção neurológica
denominada de Disfunção Cerebral Mínima (DCM) que virou moda neste período,
servindo para camuflar problemas sócio-pedagógicos. Fora introduzida baseada nos
modelos médicos de atuação e foi dentro desta concepção de problemas de
aprendizagem que se iniciaram, a partir de 1970, cursos de formação de
especialistas em Psicopedagogia na Clínica Médico-Pedagógica de Porto Alegre,
com a duração de dois anos (BOSSA, 2000, p. 48-52).

De acordo com Visca apud Bossa (2000, p. 21), a Psicopedagogia foi


inicialmente uma ação subsidiada da Medicina e da Psicologia, perfilando-se
posteriormente como um conhecimento independente e complementar, possuída de
um objeto de estudo, denominado de processo de aprendizagem, e de recursos
diagnósticos, corretores e preventivos próprios.

Com esta visão de uma formação independente, porém complementar


destas duas áreas, o Brasil recebeu contribuições para o desenvolvimento da área
psicopedagógica, de profissionais argentinos tais como: Sara Paín, Jacob Feldmann,
Ana Maria Muniz, Jorge Visca, dentre muitos outros.

O professor argentino Jorge Visca, tido como um dos maiores contribuintes


da difusão psicopedagógica no Brasil, foi o criador da Epistemologia Convergente,
linha teórica que propõe um trabalho com a aprendizagem utilizando-se da
integração de três linhas da Psicologia:

1. Escola de Genebra – Psicogenética de Piaget (já que ninguém pode aprender


além do que sua estrutura cognitiva permite);
2. Escola Psicanalítica – Freud (já que dois sujeitos com igual nível cognitivo e
distintos investimentos afetivos em relação a um objeto aprenderão de forma
diferente);

IPEMIG - Instituto Pedagógico de Minas Gerais www.ipemig.com.br


(31) 3484-4334 - (31) 8642-1801 "É mais que educação, é EVOLUÇÃO"
9

3. Escola de Psicologia Social de Enrique Pichon Rivière (pois se ocorresse uma


paridade do cognitivo e afetivo em dois sujeitos de distinta cultura, também
suas aprendizagens em relação a um mesmo objeto seriam diferentes, devido
às influências que sofreram por seus meios socioculturais).

Assim, a análise do sujeito através de correntes distintas do pensamento


psicológico concebeu uma proposta de diagnóstico, de processo corretor e de
prevenção, dando origem ao método clínico psicopedagógico, que influencia os
profissionais até o presente momento.

[...] Quando se fala de psicopedagogia clínica, se está fazendo referência a


um método com o qual se tenta conduzir à aprendizagem e não a uma corrente
teórica ou escola. Em concordância com o método clínico podem-se utilizar
diferentes enfoques teóricos. O que eu preconizo é o da epistemologia convergente
(VISCA, 1987, p. 16 apud BOSSA, 2000).

A psicopedagogia tem sofrido influências de diversas correntes teóricas ao


longo de sua existência.

A partir da década de 1950/1960, no seu início, tinha uma visão médica,


enfocando o problema que acontecia com o sujeito com relação à aprendizagem.
Esta visão partia de uma abordagem neuropsicológica, uma vez que existindo um
problema de aprendizagem, este deveria ser sanado investigando-se qual
dificuldade apresentada pelo sujeito, que ocasionava o fracasso escolar (SCHMID,
2006).

Na década de 1960/1970, permeou-se pela visão behaviorista, ou seja,


parou de abordar as falhas e começou a trabalhar os condicionamentos, avaliando o
desempenho do sujeito.

Na década de 1980, seu estudo começa a possuir uma visão social, dialética
devido à influência da teoria de Vygotsky que considera relevante o meio social do
sujeito para sua aprendizagem. Neste momento, surge o profissional
psicopedagogo/educador interdisciplinar, que dá importância ao processo de
aprendizagem. Começa-se a pensar porque este sujeito fracassa e não mais como
ele fracassa, levando-se em conta o meio social do sujeito.

IPEMIG - Instituto Pedagógico de Minas Gerais www.ipemig.com.br


(31) 3484-4334 - (31) 8642-1801 "É mais que educação, é EVOLUÇÃO"
10

Já na década de 1990 até hoje, sua visão passou a ser de


interdisciplinaridade, sofrendo influência da Psicolinguística, neurociências e
sociologia.

Segundo a Associação Brasileira de Psicopedagogia (ABPp, s/d)


a Psicopedagogia no Brasil enquanto área de atuação é sustentada por referenciais
teóricos, isto é uma práxis psicopedagógica. É reconhecida academicamente
através das produções científicas materializadas em teses, publicações e reuniões
científicas organizadas pelo órgão de classe (ABPp) e por outros órgãos
representados pelos profissionais e áreas afins. Diferentemente dos primórdios do
movimento educacional preocupado em compreender as razões do insucesso das
crianças na escola, buscando apenas no aluno as respostas, a tendência
contemporânea é considerar o insucesso enquanto sintoma social e não apenas
como uma patologia do aluno.

Hoje é inegável o reconhecimento da contribuição social e científica da


Psicopedagogia e dos Psicopedagogos na realidade brasileira. Embora nossa
referência seja a Psicopedagogia, enquanto área de atuação preocupada com a
questão da aprendizagem humana, sabemos que muitos são os estilos dos
psicopedagogos, pois cada um os constrói a partir de sua singularidade, a qual
determina as diferentes opções pelos modelos e referenciais teóricos.

Entende-se que existe uma profunda relação e entrelaçamento entre os


aspectos teóricos, a formação e o modus operandi do profissional. Como não há
uniformidade de modelos teóricos, não há uma única práxis psicopedagógica. O
fundamental é desencadear a consciência do compromisso na formação
profissional. É a formação continuada que fundamenta a práxis psicopedagógica.
Para que o tripé modelos teóricos/ formação/ modus operandi se sustente, hoje é
preciso fazer uma distinção entre legitimidade e legalização. A legitimidade da
Psicopedagogia enquanto práxis e do Psicopedagogo enquanto profissional, já foi
alcançada. É preciso agora legalizar/oficializar através de leis o que já está
legitimado (ABPP, s/d).

IPEMIG - Instituto Pedagógico de Minas Gerais www.ipemig.com.br


(31) 3484-4334 - (31) 8642-1801 "É mais que educação, é EVOLUÇÃO"
11

1.2 Conceituações, influências e contribuições

A Psicopedagogia é um campo do conhecimento que se propõe a integrar,


de modo coerente, conhecimentos e princípios de diferentes ciências humanas com
a meta de adquirir uma ampla compreensão sobre os variados processos inerentes
ao aprender humano (BEAUCLAIR, 2004).

Enquanto área de conhecimento multidisciplinar interessa a Psicopedagogia,


compreender como ocorrem os processos de aprendizagem e entender as possíveis
dificuldades situadas neste movimento. Para tal, faz uso da integração e síntese de
vários campos do conhecimento, tais com a Psicologia, a Psicanálise, a Filosofia, a
Psicologia Transpessoal, a Pedagogia, a Neurologia, entre outros.

A Psicopedagogia é um corpo de conhecimentos estruturada de diferentes


maneiras. A seguir destacamos algumas definições.

De acordo com Alves e Bossa (2006) a Psicopedagogia é um campo no


qual floresceu o conceito de sujeito autor, é uma área de estudo interdisciplinar que
olha para o sujeito como um todo no contexto no qual está inserido, que estuda os
caminhos do sujeito que aprende e apreende, adquire, elabora, saboreia e
transforma em saber o conhecimento. A concepção de sujeito autor como aquele
que constrói seu pensamento se faz presente através de um “corpo” que sente,
existe, ama e proclama sua liberdade de ser, de estar e viver no eterno presente, no
eterno agora.

Para Bossa (2000) a Psicopedagogia é concebida com uma configuração


clínica, ainda que sua prática se dê em um enfoque preventivo e, esse caráter
clínico significa levar em conta a singularidade do processo a ser investigado,
recorrendo tanto aos diagnósticos e intervenções que lhe são comuns no trabalho
institucional e clínico. Para a autora, o termo distingue-se em três conotações:

1. Como uma prática;

2. Como um campo de investigação do ato de aprender e,

3. Como uma saber científico.

IPEMIG - Instituto Pedagógico de Minas Gerais www.ipemig.com.br


(31) 3484-4334 - (31) 8642-1801 "É mais que educação, é EVOLUÇÃO"
12

A Psicopedagogia é entendida como uma área de aplicação que antecede o


status de área de estudos, a qual tem procurado sistematizar um corpo teórico
próprio, definir o seu objeto de estudo e delimitar o seu campo de atuação.

Segundo a mesma autora, a Psicopedagogia deve se ocupar do estudo da


aprendizagem humana e, portanto, preocupar-se inicialmente com o processo de
aprendizagem (como se aprende, como essa aprendizagem varia evolutivamente e
está condicionada por diversos fatores, como se produzem as alterações na
aprendizagem, como reconhecê-las, tratá-las e preveni-las).

Seu objeto de estudo é, portanto, um sujeito a ser estudado por outro


sujeito. Esse estudo pode ser através de um trabalho clínico ou preventivo.

O primeiro se dá na relação entre um sujeito com sua história pessoal e sua


modalidade de aprendizagem buscando compreender a mensagem de outro sujeito,
implícita no não aprender. Nesse processo, investigador e objeto-sujeito interagem
constantemente.

No segundo, a instituição (espaço físico e psíquico da aprendizagem) é


objeto de estudos uma vez que são avaliados os processos didático-metodológicos
e a dinâmica institucional que interferem no processo de aprendizagem.

A psicopedagogia, hoje, é entendida num contexto de interdisciplinaridade,


sem, contudo, perder de vista que „os diferentes níveis de realidade são acessíveis
ao conhecimento humano graças à existência de diferentes níveis de percepção,
que se acham em correspondência biunívoca com os níveis de realidade‟ [...] sem
jamais difere-la completamente (RUBINSTEIN, 1996, p.23).

A mesma autora (1999) nos dá uma boa pista quando ressalta que a
Psicopedagogia deve ser compreendida como uma práxis dinâmica, tanto em seu
contexto interno, isto é, no interior da relação terapêutica, no processo, nos
recursos e necessidades do paciente, como no contexto externo, no sentido que as
diferentes concepções teóricas que sustentam a prática estão muito relacionadas
com o percurso acadêmico e com o contexto particular de formação pessoal do
profissional que exerce a função.

Deste modo, a psicopedagogia é uma ciência que abre espaço para


descobertas, investigações, que cria condições e viabiliza espaços para a troca e

IPEMIG - Instituto Pedagógico de Minas Gerais www.ipemig.com.br


(31) 3484-4334 - (31) 8642-1801 "É mais que educação, é EVOLUÇÃO"
13

consequente expansão do conhecimento, que permite o intercâmbio cultural das


ciências que se reportam ao entendimento do sujeito, que permite ao ser humano
ser autor de seu pensamento, e que permite, portanto, a viagem e a interação entre
o velho e o novo, entre o tradicional e o moderno, entre o ideal e o real, entre o
masculino e o feminino, entre o subjetivo e o objetivo. É uma ciência capaz de unir,
integrar, viabilizar, promover, portanto, é a ciência que se reporta ao ser aprendente,
ao que dá ao ser humano a condição de constituir-se na aprendizagem e esse
processo se dá desde o seu nascimento e perpetua até sua morte.

A psicopedagogia lida com o processo de aprendizagem e trabalha com a


construção do ser cognoscente, capaz de construir seu próprio conhecimento, isto é,
a psicopedagogia, ao longo dos tempos, passou a objetivar a reconstrução,
integração e expansão do sujeito na construção de sua autonomia e o eu
cognoscente e sua relação com a aprendizagem (SCHMID, 2006).

Pode auxiliar no enfrentamento da exclusão e na luta pela não exclusão


através de pesquisas e produções científicas, orientação e ação pontual sobre as
situações já existentes e prevenção tanto no grupo familiar, quanto escolar.

Entre as possíveis ações, a Psicopedagogia pode:

Propiciar a reflexão na escola, auxiliá-la a repensar seus valores e crenças


com relação à diversidade e à igualdade;
Auxiliar os pais a pensarem sobre as dificuldades de seus filhos e
perceberem se a insistência a respeito da inclusão não está atrelada à
negação da dificuldade;
Auxiliar a escola a encontrar saídas metodológicas e avaliativas não
exclusivas;
Divulgar uma proposta de trabalho grupal, descentralizador do papel do
professor;
Divulgar o ensino pela pesquisa, para que todos possam participar,
independente de suas dificuldades.

IPEMIG - Instituto Pedagógico de Minas Gerais www.ipemig.com.br


(31) 3484-4334 - (31) 8642-1801 "É mais que educação, é EVOLUÇÃO"
14

Ela ainda possibilita uma nova reflexão sobre o contexto sociopolítico e


sobre a diferença na sociedade, levando também a repensar sobre o papel do
profissional da saúde e da educação na questão da inclusão.

Junto à Educação tem como papel, instituir caminhos entre os opostos que
liguam o saber e o não saber, o acesso ao conhecimento e a falta desse acesso, a
facilidade e a dificuldade, a rapidez e a lentidão e outros opostos que possam se
apresentar em um processo de aprendizagem.

Segundo Barbosa (2006) o campo que se esboça é vasto; olhar a diferença


sem perder a dimensão da igualdade é um dos maiores desafios educacionais neste
século. E enquanto uma das áreas responsáveis pela aprendizagem, a
psicopedagogia tem muito a aprender e muito a contribuir.

Segundo Moojen (1983), ao conceituarmos a Psicopedagogia, deveremos


proceder com cautela, pois um conceito teórico deve atender a determinadas
características, devendo ser: dinâmico, histórico, flexível e contextualizado.
Diferentemente do que ocorre na conceitualização apresentada pelo Dicionário
Aurélio da Língua Portuguesa. Pois, segundo o dicionário, A Psicopedagogia é “a
aplicação da psicologia experimental à Pedagogia”. E, segundo a autora, esta
definição é restrita para a ação Psicopedagógica, mas, que foi originada como um
reflexo das concepções iniciais da Psicopedagogia na década de 1950 e de 1960.
Esclarecendo ainda que mesmo com a falta de nitidez conceitual e de identificação
do corpo teórico psicopedagógico, encontra-se em nosso país, uma prática
psicopedagógica bastante eficaz.

1.3 Seu Campo de atuação

Sabendo que, na verdade, a Psicopedagogia situa-se em um campo que, ao


atuar de forma preventiva e terapêutica, posiciona-se para compreender os
processos do desenvolvimento e das aprendizagens humanas, recorrendo a várias
áreas e estratégias pedagógicas objetivando se ocupar dos problemas que podem
surgir nos processos de transmissão e apropriação dos conhecimentos (possíveis

IPEMIG - Instituto Pedagógico de Minas Gerais www.ipemig.com.br


(31) 3484-4334 - (31) 8642-1801 "É mais que educação, é EVOLUÇÃO"
15

dificuldades e transtornos), o papel essencial do psicopedagogo vem a ser o de


mediador em todo esse movimento.

Beauclair (2004) analisa que se for além da simples junção


dos conhecimentos da Psicologia e da Pedagogia, o psicopedagogo pode atuar em
diferentes campos de ação, situando-se tanto na Saúde como na Educação, já que
seu fazer visa compreender as variadas dimensões da aprendizagem humana, que,
afinal, ocorrem em todos os espaços e tempos sociais.

A questão da aprendizagem é, então, uma questão central da


psicopedagogia, existindo milhões de teorias para diferenciá-la, mas que nunca será
explicada totalmente, porque todos fazem parte da aprendizagem. Ela é processo, é
vida, não é finito, ou melhor, só deixa-se de aprender quando morre, pois é esta a
última aprendizagem (BEAUCLAIR, 2004).

Pensando assim, para Gasparian (2006), nenhuma teoria de aprendizagem


será abrangente para se trabalhar, então trabalha-se parte deste todo que pode
representar o todo, mas não é o todo, porque o todo é muito mais do que a soma de
suas partes.

Uma situação é certa, o psicopedagogo tem que trabalhar dentro das


diferenças, entrar de cabeça dentro de um paradoxo que faz parte de nossa vida,
por isso tem que ter muita reflexão.

1.4 Suas divisões – clínica e institucional

Partindo da premissa que a ciência Psicopedagogia apresenta um campo de


atuação vasto, ao seu profissional cabe assumir com discernimento e compromisso
sua complexa tarefa e ainda, construí-la sob base sólida de formações teórico-
práticas. Antes de seguirmos para os campos mais conhecidos de sua atuação,
vamos discorrer um pouco sobre esse profissional: o Psicopedagogo!

Formado em cursos de pós-graduação ou especialização (curso


regulamentado pelo MEC com carga horária mínima de 360 hs), esse profissional
reúne conhecimento de várias áreas e estratégias pedagógicas e psicológicas que o

IPEMIG - Instituto Pedagógico de Minas Gerais www.ipemig.com.br


(31) 3484-4334 - (31) 8642-1801 "É mais que educação, é EVOLUÇÃO"
16

possibilita voltar-se para o processo de desenvolvimento e aprendizagem, atuando


numa linha preventiva e/ou terapêutica.

Sua contribuição na dinâmica escolar é muito importante. Sua atividade


caracteriza-se pelo aspecto interacional, ou seja, pode fazer parte de uma equipe
interdisciplinar atuando nas questões de discussão de problemática docente,
discente e administrativa.

Contribuirá das diversas formas, tendo em vista que o profissional de


Psicopedagogia tem bem claro como se processa a evolução do pensamento (LIMA,
2003).

Algumas de suas atuações possíveis:

 Assessorar e esclarecer a escola a respeito de diversos aspectos do processo


de ensino-aprendizagem;

 Esclarecer que as dificuldades de aprendizagem não têm como causas


apenas deficiências do aluno, mas como consequências de problemas
escolares advindos da organização da instituição, dos métodos de ensino;

 Ao trabalhar com conceitos e pré-requisitos para a aprendizagem, auxilia para


que as situações de ensino sejam organizadas de acordo com o
desenvolvimento;

 Auxilia a determinar prioridades com relação aos objetivos educacionais junto


à equipe curricular.

Ao considerar os problemas de aprendizagem do ponto de vista sistêmico,


evidencia-se a relevância para que o indivíduo possa ser trabalhado no seu
ambiente escolar, deixando assim que sejam encaminhados para serviços especiais
os casos mais sérios, que necessitam de diagnóstico especializado e exames
complementares.

Nessa linha de pensamento atuará terapeuticamente na escola de modo a:

Preparar o professor para realização de atendimentos pedagógicos


individualizados,

IPEMIG - Instituto Pedagógico de Minas Gerais www.ipemig.com.br


(31) 3484-4334 - (31) 8642-1801 "É mais que educação, é EVOLUÇÃO"
17

Auxiliar na compreensão de problemas na sala de aula, permitindo ao


professor ver alternativas de ação e ver como as demais técnicas podem
intervir,

Participar no diagnóstico dos distúrbios específicos da aprendizagem;

Atender pequenos grupos de alunos.

O Psicopedagogo preocupa-se fundamentalmente, com que as experiências


de aprendizagem sejam prazerosas para o indivíduo e, sobretudo, que sejam
estruturalizantes, isto é, que promovam o desenvolvimento das capacidades de Ego
para lidar com o meio ambiente, numa linha de evolução o mais natural possível
(LIMA, 2003).

Na sua função preventiva, cabe ao psicopedagogo:

Detectar possíveis perturbações no processo de aprendizagem;

Participar da dinâmica das relações da comunidade educativa afim de


favorecer o processo de integração e troca;

Promover orientações metodológicas de acordo com as características dos


indivíduos e grupos;

Realizar processo de orientação educacional, vocacional e ocupacional, tanto


na forma individual quanto em grupo.

Segundo Macedo (1992), o psicopedagogo no Brasil ocupa-se das


seguintes atividades:

Orientação de estudos: consiste em organizar a vida escolar da criança


quando esta não sabe fazê-lo espontaneamente. Procura-se promover o
melhor uso do tempo, a elaboração de uma agenda e tudo aquilo que é
necessário ao “como estudar” (como ler um texto, como escrever, como
estudar para prova, etc.).

Apropriação dos conteúdos escolares: o psicopedagogo visa propiciar


domínio de disciplinas escolares em que a criança não vem tendo um bom
aproveitamento. Ele se diferencia do professor particular, pois o conteúdo
escolar é usado apenas como uma estratégia para ajudar e fornecer ao aluno
IPEMIG - Instituto Pedagógico de Minas Gerais www.ipemig.com.br
(31) 3484-4334 - (31) 8642-1801 "É mais que educação, é EVOLUÇÃO"
18

o domínio de si próprio e as condições necessárias ao desenvolvimento


cognitivo.

Desenvolvimento do raciocínio: trabalho feito com os processos de


pensamento necessários ao ato de aprender. Os jogos são muito utilizados,
pois são férteis no sentido de criarem um contexto de observação e diálogo
sobre processos de pensar e de construir o conhecimento. Este procedimento
pode promover um desenvolvimento cognitivo maior do que aquele que as
escolas costumar conseguir.

Atendimento de crianças: A psicopedagogia se presta a atender deficientes


mentais, autistas ou com comprometimentos orgânicos mais graves, podendo
até substituir o trabalho da escola.

O campo de atuação passa basicamente pela clínica que envolve


diagnóstico, avaliação e intervenção e pela prevenção. A distinção entre o trabalho
clínico e o preventivo é fundamental. O primeiro visa buscar os obstáculos e as
causas para o problema de aprendizagem já instalado; e o segundo, estudar as
condições evolutivas da aprendizagem apontando caminhos para um aprender mais
eficiente.

As áreas de estudo se traduzem na observação de diferentes dimensões no


processo de aprendizagem: orgânico, cognitivo, emocional, social e pedagógico
(posteriormente em outra apostila veremos em detalhes cada dimensão). “A
interligação desses aspectos ajudará a construir uma visão gestáltica da
pluricausalidade deste fenômeno, possibilitando uma abordagem global do sujeito
em suas múltiplas facetas” (WEISS, 1992, p. 22).

Psicopedagogia Clínica enfocando a Hospitalar

A Psicopedagogia Clínica tem como missão retirar as pessoas de sua


condição inadequada de aprendizagem, dotando-as de sentimentos de alta auto-
estima, fazendo-se perceber suas potencialidades, recuperando desta forma, seus
processos internos de apreensão de uma realidade, nos aspectos: cognitivo, afetivo-
emocional e de conteúdos acadêmicos.
IPEMIG - Instituto Pedagógico de Minas Gerais www.ipemig.com.br
(31) 3484-4334 - (31) 8642-1801 "É mais que educação, é EVOLUÇÃO"
19

Segundo Schroeder e Macking (2006), cabe ao Psicopedagogo Clínico ou


terapêutico as seguintes missões:

Avaliar e diagnosticar as condições da aprendizagem, identificando as áreas


de competência e de insucesso do aprendente; de acordo com Bossa (2000,
p.102), em geral, no diagnóstico clínico, além de entrevistas e anamnese,
utilizam-se provas psicomotoras, provas de linguagem, provas de nível
mental, provas pedagógicas, provas de percepção, provas projetivas e outras,
conforme o referencial teórico adotado pelo profissional.
Realizar devolutivas para os pais ou responsáveis, para a escola e para o
aprendente;
Atender o aprendente, estabelecendo um processo corretor psicopedagógico
com o objetivo de superar as dificuldades encontradas na avaliação;
Orientar os pais quanto às suas atitudes para com seus filhos, bem como
professores para com seus alunos;
Pesquisar e conhecer a etiologia ou a patologia do aprendente, com
profundidade.

O Psicopedagogo é um profissional que deverá ter conhecimentos


multidisciplinares para usar na avaliação diagnóstica, uma vez que é preciso
estabelecer e interpretar dados em várias áreas, tais como: auditiva e visual, motora,
intelectual, cognitiva, acadêmica e emocional. Este conhecimento favorecerá
também a escolha da metodologia mais adequada para ajudar o aprendente a
superar suas inadequações.

Deve ainda pautar seu trabalho clínico procurando escutar com


sensibilidade, pois seu trabalho é de cunho investigatório, interventivo e contínuo, e
assim, mobilizar ações que venham levantar hipóteses sobre as possíveis causas
que estão intervindo no processo de construção da aprendizagem.

Os instrumentos utilizados nesta modalidade são: entrevistas com a família,


entrevistas com o sujeito, contato com a escola e com outros profissionais que
venha complementar o diagnóstico e, por fim, a devolutiva, na qual o profissional
solicitado irá fazer uma síntese do processo que foi realizado, durante o período

IPEMIG - Instituto Pedagógico de Minas Gerais www.ipemig.com.br


(31) 3484-4334 - (31) 8642-1801 "É mais que educação, é EVOLUÇÃO"
20

terapêutico, pontuando a necessidade ou não de encaminhar o aluno para um outro


especialista (SANTOS et al, 2002).

É preciso falar ainda que dentro da psicopedagogia clínica, temos a


modalidade hospitalar, local que também é uma instituição, pois o psicopedagogo
poderá trabalhar com crianças hospitalizadas e seu processo de aprendizagem,
poderá também estar trabalhando com a equipe multidisciplinar dessa instituição,
tais como psicólogos, assistentes sociais, enfermeiros e médicos.

No ambiente hospitalar, o psicopedagogo busca compreender o modo como


se dá a construção do conhecimento e que fatores podem facilitar ou intervir nesse
processo dentro do hospital. A aprendizagem irá ocorrer, embora intuitivamente,
com todos que mantenham alguma ligação com a instituição hospitalar, uma vez que
ela se dá a partir das relações de uns com os outros e com o ambiente em que
estão inseridos, onde as pessoas influenciam e são influenciadas ao mesmo tempo,
numa troca constante de experiências e saberes.

Assim, o trabalho do psicopedagogo no hospital não objetiva só o paciente,


a criança ou adolescente em hospitalização, mas pode estender-se também às
mães ou acompanhantes, aos funcionários, ao motorista da ambulância que vem do
interior do Estado, ao vendedor ambulante da calçada, enfim, qualquer pessoa que
faça parte, de alguma forma, do dia-a-dia do hospital.

O psicopedagogo será o profissional que buscará compreender como as


pessoas constroem seu saber no ambiente hospitalar intervindo de forma a integrar
o indivíduo ou o grupo a realidade da instituição e dela tirar algum proveito.

Já Psicopedagogia em hospitalização, refere-se especificamente ao


paciente. No momento em que ele entra em contato com a realidade do hospital,
passa a se relacionar com pessoas, objetos, vocabulários e sentimentos novos,
passando a fazer parte, interagir e se envolver com essa nova realidade, mesmo
sem perceber. E se “aprender é estar completamente envolvido naquilo, é estar
presente,” como afirma Pedro Demo (2001, p. 50) em entrevista a revista NOVA
ESCOLA, existe aí, sem dúvida alguma, um ambiente propício para a aprendizagem
que, como sabemos, não se limita ao espaço escolar ou a um determinado período
da vida da criança e muitos menos depende da sua condição física.

IPEMIG - Instituto Pedagógico de Minas Gerais www.ipemig.com.br


(31) 3484-4334 - (31) 8642-1801 "É mais que educação, é EVOLUÇÃO"
21

Psicopedagogia Institucional enfocando a educacional

Institucionalmente, no ambiente escolar, o psicopedagogo pode trabalhar


prestando assessoria aos professores e demais educadores para que estes possam
melhorar a qualidade de sua atuação, através de reflexões sobre questões
pedagógicas e de novas alternativas de trabalho, propiciando a análise de como
acontece o processo de ensino-aprendizagem, frisando sempre a importância dos
fatores orgânicos, cognitivos, afetivos/sociais e pedagógicos, na construção do
conhecimento pelos indivíduos cognoscentes. Além disso, a sua função também
perpassa a instalação de um clima de cooperatividade entre todos os profissionais
da escola, possibilitando a participação destes, na construção do Projeto
Pedagógico, em discussões sobre situações e casos especiais ocorridos com os
alunos.

Segundo Gasparian (2006) deve ser parceiro da professora, entrar na


classe, construir junto com ela, detectar os nichos das crianças rejeitadas, das
crianças atentas, das desatentas, das que faltam, etc., enfim, construir um perfil da
classe.

Ainda falando sobre a atuação do psicopedagogo na escola, esta também


configura-se no atendimento aos alunos com problemas de aprendizagem já
instalados (realizando atividades com grupos) bem como, na prevenção dos
mesmos, buscando realizar um trabalho global junto aos alunos, através do
desenvolvimento do raciocínio e resgate da autoestima, a fim de despertar o prazer
e a vontade de aprender (SANTOS et al, 2002).

Enfim, ele atua sempre no campo clínico-preventivo porque está sempre


interferindo no processo de ensino e aprendizagem, podendo trabalhar com
formação continuada de professores, de reflexão sobre currículos e programas junto
com a coordenação pedagógica, atuando junto com famílias e comunidade e com
alunos com dificuldades de aprendizagem detectando fraturas neste processo.

Caso o aluno precise de uma orientação mais específica ele deverá


diferenciá-lo para um trabalho individual (clínico), mas depois de verificar se o aluno
tem ou não um comprometimento cognitivo ou se é apenas defasagem de conteúdo
IPEMIG - Instituto Pedagógico de Minas Gerais www.ipemig.com.br
(31) 3484-4334 - (31) 8642-1801 "É mais que educação, é EVOLUÇÃO"
22

escolar. É um trabalho complexo e requer do profissional sensibilidade para detectar


essas dificuldades e as reais necessidades da escola.

Já nas empresas, sua atuação é pautada em ajudar nas relações entre as


pessoas, e destas com a empresa, percebendo que esta é parceira e não rival,
ajudando na construção e aplicação da ética, da moral e da criatividade humana.

Enfim, o psicopedagogo vai trabalhar a pessoa do professor, do gerente, o


que ele tem de melhor, o aqui e agora, é um trabalho bem gestáltico, é um trabalho
de transformação, que segundo Gasparian (2006) fará com que o professor não veja
o seu aluno como inimigo, que o gerente não veja que o seu subordinado quer pegar
o seu lugar, mas que se vejam como parceiros, sempre um trabalho de parceria.

Esse profissional pode trabalhar também com as classes de EJA.

A partir da influência que exerce no âmbito da educação, o psicopedagogo,


portanto, precisa utilizar seu papel articulador para auxiliar no enfrentamento das
dificuldades que o processo de inclusão pode trazer.

A escola regular ao oferecer o ensino fundamental tem como objetivo a


educação da criança, esquecendo-se que o adulto não teve acesso à escola na
idade certa e que se encontra à margem do conhecimento e do saber, necessitando,
pois de apoio pedagógico e psicopedagógico.

Hoje, a inclusão dos jovens e adultos nos projetos de alfabetização tem


nascido basicamente da exigência do mercado de trabalho, onde o ensino
fundamental não significa somente acesso ao mesmo, mas principalmente
permanência, para isto é indispensável que os diversos setores da sociedade
busquem inserir e possibilitar a permanência na escola, para que os cidadãos
possam participar ativamente da sociedade, da vida cidadã, cultural e política do seu
país.

Para Fernández (1994), quem não conhece morre para a vida, não existindo
o conhecimento não há lugar para a sexualidade humana, para o trabalho, para a
procriação de filhos, de novos seres humanos que, reproduzindo os velhos,
ressignificam a história.

No momento em que o ser humano ressignifica sua aprendizagem no nível


desejante, o papel da escola, do professor, do psicopedagogo e da sociedade, são

IPEMIG - Instituto Pedagógico de Minas Gerais www.ipemig.com.br


(31) 3484-4334 - (31) 8642-1801 "É mais que educação, é EVOLUÇÃO"
23

fundamentais principalmente por não ocultar ao aprendiz o caráter de sujeito


pensante.

Sobre sua metodologia de trabalho, sabe-se que ele se torna mais completo
se a família estiver integrada às relações do aprendiz com a psicopedagoga, mas no
caso do aprendiz-adulto, se torna mais difícil, uma vez que pode existir um bloqueio
em sua aprendizagem.

Segundo Tfouni (1995), '”para que ocorra o letramento e alfabetização, é


necessário analisar a sociedade letrada'”, isto é, na instituição de ensino superior e
mesmo nas escolas regulares, as práticas de leitura e escrita são práticas
cotidianas, com grande estímulo visual, pois vive-se entre letras, símbolos e
imagens, o que não ocorre, obviamente no ambiente comum das classes de EJA,
assim, essas dificuldades de aprendizagem devem ser encaradas no mínimo com
muita cautela e alguma desconfiança.

Na mesma linha, temos Orlandi (1987) quando diz que os conhecimentos


não são compartilhados homogeneamente, mas sim distribuídos socialmente,
contribuindo para uma desigualdade visível.

Portanto, metodologicamente, um diagnóstico bem aplicado e analisado pelo


psicopedagogo pode trazer uma situação presente, desde o real, como trampolim
para investigar o lugar do paciente designado problema de aprendizagem, como
depositário da enfermidade de todo o grupo familiar, como signo de um conjunto de
vínculos alterados, como porta-voz ou intérprete dos não ditos familiares, etc.
(FERNÁNDEZ, 1991).

Finalizando e baseando em Fernández (1994), que afirma ser a


aprendizagem a apropriação, a reconstrução do conhecimento do outro, a partir do
saber pessoal, as patologias na aprendizagem, tanto individual como social,
correspondem a uma não coincidência entre o conhecimento e o saber, vindo, então
o psicopedagogo tem a missão de analisar os fatores inconscientes, promovendo
uma intervenção re (construtiva) sobre essas determinações inconscientes que
permeiam o ensino-aprendizagem, abrindo espaços de liberdade humana, de
pensar, de ser e de agir.

O psicopedagogo atua de forma preventiva e terapêutica, posicionando-se


para compreender os processos do desenvolvimento e das aprendizagens humanas,
IPEMIG - Instituto Pedagógico de Minas Gerais www.ipemig.com.br
(31) 3484-4334 - (31) 8642-1801 "É mais que educação, é EVOLUÇÃO"
24

recorrendo a várias áreas e estratégias pedagógicas objetivando se ocupar dos


problemas que podem surgir nos processos de transmissão e apropriação dos
conhecimentos (possíveis dificuldades e transtornos) (BEAUCLAIR, 2004).

De acordo com o Código Brasileiro de Ocupações (CBO) na ocupação de


um Psicopedagogo são necessárias algumas habilidades e competências tais como:

 Implantar e executar,

 Avaliar e coordenar a (re) construção do projeto pedagógico de escolas de


educação infantil, de ensino médio ou ensino profissionalizante com a equipe
escolar.

 No desenvolvimento das atividades, viabilizar o trabalho pedagógico coletivo


e facilitar o processo comunicativo da comunidade escolar e de associações a
ela vinculadas.

 Atuar nas atividades de ensino nas esferas públicas e privadas.

São estatutários ou empregados com carteira assinada; trabalham tanto


individualmente como em equipe interdisciplinar, com supervisão ocasional, em
ambientes fechados e em horário diurno e noturno. Em algumas atividades podem
trabalhar sob pressão, levando-os à situação de estresse. O exercício dessas
ocupações requer curso superior na área de educação ou áreas correlatas. O
desempenho pleno das atividades ocorre após três ou quatro anos de exercício
profissional (CBO, 2002).

Numa instituição visa a fortalecer-lhe a identidade, bem como buscar o


resgate das raízes dessa instituição, ao mesmo tempo em que procura sintonizá-la
com a realidade que está sendo vivenciada no momento histórico atual, buscando
adequar essa escola às reais demandas da sociedade.

Durante todo o processo educativo, procura investir numa concepção de


ensino-aprendizagem que:

Fomente interações interpessoais;


Incentive os sujeitos da ação educativa a atuarem considerando
integradamente as bagagens intelectual e moral;
Estimule a postura transformadora de toda a comunidade educativa para, de
fato, inovar a prática escolar; contextualizando-a;
IPEMIG - Instituto Pedagógico de Minas Gerais www.ipemig.com.br
(31) 3484-4334 - (31) 8642-1801 "É mais que educação, é EVOLUÇÃO"
25

Enfatize o essencial: conceitos e conteúdos estruturantes, com significado


relevante, de acordo com a demanda em questão;
Oriente e interaja com o corpo docente no sentido de desenvolver mais o
raciocínio do aluno, ajudando-o a aprender a pensar e a estabelecer relações
entre os diversos conteúdos trabalhados;
Reforce a parceria entre escola e família;
Lance as bases para a orientação do aluno na construção de seu projeto de
vida, com clareza de raciocínio e equilíbrio;
Incentive a implementação de projetos que estimulem a autonomia de
professores e alunos;
Atue junto ao corpo docente para que se conscientize de sua posição de
“eterno aprendiz”, de sua importância e envolvimento no processo de
aprendizagem, com ênfase na avaliação do aluno, evitando mecanismos
menores de seleção, que dirigem apenas ao vestibular e não à vida
(BEAUCLAIR, 2004).

Nesse sentido, o material didático adotado, após criteriosa análise, deve ser
utilizado como orientador do trabalho do professor e nunca como o único recurso de
sua atuação docente.

Com certeza, se o profissional almejar contribuir para a evolução de um


mundo que melhore as condições de vida da maioria da humanidade, os alunos
precisam ser capazes de olhar esse mundo real em que vivemos, interpretá-lo,
decifrá-lo e nele ter condições de interferir com segurança e competência.

Para tanto, juntamente com toda a Equipe Escolar, o Psicopedagogo estará


mobilizado na construção de um espaço concreto de ensino-aprendizagem, espaço
este orientado pela visão de processo, através do qual todos os participantes se
articulam e mobilizam na identificação dos pontos principais a serem intensificados
e hierarquizados, para que não haja ruptura da ação, e sim continuidade crítica que
impulsione a todos em direção ao saber que definem e lutam por alcançar
(FERREIRA, 2006).

Considerando a escola responsável por parcela significativa da formação do


ser humano, o trabalho psicopedagógico na instituição escolar, chamada de
IPEMIG - Instituto Pedagógico de Minas Gerais www.ipemig.com.br
(31) 3484-4334 - (31) 8642-1801 "É mais que educação, é EVOLUÇÃO"
26

psicopedagogia preventiva, cumpre a importante função de socializar os


conhecimentos disponíveis, promover o desenvolvimento cognitivo e a construção
de normas de conduta inseridas num mais amplo projeto social, procurando afastar,
contrabalançar a necessidade de repressão.

Assim, a escola, como mediadora no processo de socialização, vem a ser


produto da sociedade em que o indivíduo vive e participa. Nela, o professor não
apenas ensina, mas também aprende. Aprende conteúdos, aprende a ensinar, a
dialogar e liderar; aprende a ser cada vez mais um cidadão do mundo, coerente com
sua época e seu papel de ensinante, que é também aprendente. Agindo assim, a
maioria das questões poderão ser tratadas de forma preventiva, antes que se
tornem verdadeiros problemas (DI SANTO, 2007).

1.5 As relações com as demais disciplinas

A Psicopedagogia se relaciona com as mais diversas disciplinas, aqui, no


entanto, falar-se-á daquelas que causam alguma confusão em termos de limites dos
seus espaços de atuação e que mais interessam a esta revisão de literatura.

Portanto, quando se trabalha na área das ciências humanas, é preciso


reconhecer que esta área é de extrema amplidão e complexidade. Em se tratando
da Filosofia, ela está e sempre esteve por trás do trabalho psicopedagógico, pois
não há como trabalhar o sujeito sem refletir sobre a condição humana, seja em seu
âmbito particular, seja em seu âmbito genérico.

Assim, ao trabalhar na área clínica, é preciso sempre pensar sobre quem é


aquele sujeito que será atendido, quais são seus valores, quais são suas regras
morais e éticas, quais são suas aspirações, para que assim o psicopedagogo possa
tentar diferenciá-lo e, com isto, compreender seu modo de funcionamento e de
absorção da realidade, da vida à sua volta.

A filosofia é um campo de conhecimento que pode ser aplicado à


psicopedagogia, desde que se trabalhe especificamente com ele. A associação da
psicopedagogia com a filosofia enquanto forma de lidar com aspectos preventivos
das dificuldades de aprendizagem é muito relativa; pois estão absolutamente
IPEMIG - Instituto Pedagógico de Minas Gerais www.ipemig.com.br
(31) 3484-4334 - (31) 8642-1801 "É mais que educação, é EVOLUÇÃO"
27

entrelaçadas por princípio. O seu uso irá depender do Psicopedagogo que manusear
este tipo de relação, dando maior ou menor ênfase aos conceitos que deseje
anunciar, analisar, usar como estímulo à reflexão.

Nada impede que dentro do campo de trabalho, o psicopedagogo pesquise


um determinado autor/filósofo ou uma determinada linha de pensamento e associe
tais pensamentos, conceitos e reflexões à prática psicopedagógica.

Em se tratando da Psicologia Escolar, existem três maneiras de diferenciá-la


da Psicopedagogia:

1. Quanto à origem histórica, pois a Psicologia Escolar surgiu para explicar


o fracasso escolar, enquanto a Psicopedagogia surgiu como um trabalho clínico
dedicado e voltado para aqueles que apresentavam dificuldades na aprendizagem
por problemas específicos.

2. Quanto à formação, uma vez que a Psicologia Escolar é uma


especialização do curso de graduação em Psicologia, enquanto o curso de
Psicopedagogia é um curso de especialização, que recebe graduados em diversos
cursos.

3. Quanto ao campo de atuação, onde encontra-se a diferença mais


significativa. O trabalho da Psicologia Escolar se realiza nos limites da Psicologia,
enquanto o trabalho Psicopedagógico se realiza na interface da Psicologia e da
Pedagogia ou, mais recentemente, na interface da Psicanálise e da Pedagogia.

Analisando sua relação com a psicanálise, esta relaciona-se à


psicopedagogia enquanto teoria que abrange a compreensão da dinâmica do
aparelho psíquico e, em especial, do desenvolvimento emocional do sujeito. Deste
modo, nos auxilia a compreender melhor o sujeito com o qual trabalhamos em
psicopedagogia, bem como as dificuldades que ele apresenta.

A diferença existente entre Psicopedagogia e Psicanálise está em seu


próprio objeto de trabalho: a Psicopedagogia trabalha com questões relacionadas à
aprendizagem, tanto no que diz respeito ao processo quanto ao que diz respeito às
dificuldades encontradas neste processo; tanto no que diz respeito ao sujeito quanto
ao que diz respeito ao grupo ou à instituição. Para tanto, dispõe de uma série de
técnicas e teorias próprias que lhe permitem analisar profundamente cada caso.

IPEMIG - Instituto Pedagógico de Minas Gerais www.ipemig.com.br


(31) 3484-4334 - (31) 8642-1801 "É mais que educação, é EVOLUÇÃO"
28

A psicanálise, por sua vez, dispõe não apenas da teoria como também de
sua técnica específica, a qual é bastante peculiar e muito diferente da
psicopedagógica. Além disto, a aprendizagem não é o seu foco principal de estudo
ou de trabalho.

Deste modo, poderia inferir que a Psicopedagogia está no lugar dos três,
onde um mais um é igual a três. Portanto, ela não é uma disciplina. Ela é
interdisciplinar, ou seja, está inter-relacionada com duas ou mais disciplinas, que
transcende o espaço da subjetividade para ir ao encontro de muitas
subjetividades/disciplinas em diálogos que caminham na mesma direção.

1.6 Os eixos norteadores da Psicopedagogia Institucional

Para Coll (1989) citado por Ferreira (2006) o amplo conjunto de tarefas e
funções realizadas pelos profissionais que prestam assessoramento
psicopedagógico às escolas, apesar de sua diversidade, pode ser organizado em
torno de quatro eixos.

1. O primeiro relativo à natureza dos objetivos da intervenção, cujos polos


caracterizam respectivamente as tarefas que se centram, prioritariamente no
sujeito e aquelas que têm como finalidade incidir no contexto educacional.
Assim, as tarefas incluídas são tanto as que têm como objetivo prioritário o
atendimento a um aluno, quanto as que aparecem vinculadas a aspectos
curriculares e organizacionais.
2. O segundo eixo afeta as modalidades de intervenção, que podem ser
consideradas como corretivas, ou preventivas e enriquecedoras. Qualquer
intervenção realizada na escola pode ser caracterizada, em um determinado
momento, embora, em um momento posterior, sua consideração se
modifique.
3. O terceiro eixo diferencia modelos de intervenção. Embora tenha como
objetivo final o aluno, pode ter diferenças consideráveis: enquanto alguns
psicopedagogos trabalham diretamente com o aluno, orientam-no e, inclusive,
manejam tratamentos educacionais individualizados, outros combinam

IPEMIG - Instituto Pedagógico de Minas Gerais www.ipemig.com.br


(31) 3484-4334 - (31) 8642-1801 "É mais que educação, é EVOLUÇÃO"
29

momentos de intervenção direta com intervenções indiretas, (por exemplo, no


caso de uma avaliação psicopedagógica), centradas nos agentes
educacionais que interagem com ele (no próprio processo de avaliação
psicopedagógica, na tomada de decisões sobre o plano de trabalho mais
adequado para esse aluno). São frequentes as consultas formuladas por um
professor ao psicopedagogo em relação a um aluno que não vai manter
nenhum contato direto com esse profissional.
4. O quarto eixo indica o lugar preferencial de intervenção, que entende-se
como a diversidade de níveis e contextos, inclusive quando circunscrita ao
marco educacional escolar. Este eixo inclui tanto as tarefas localizadas no
nível de sala de aula, em algum subsistema dentro da escola, na instituição
em seu conjunto, ano, série, assim como aquelas que se dirigem ao sistema
familiar, à zona de influência, etc.

O fato que se deve considerar, concordando com Ferreira (2006) é que as


tarefas que aparecem englobadas nos eixos precedentes, objeto da intervenção
psicopedagógica, não significa necessariamente que todos os psicopedagogos as
executem em seu conjunto e, obviamente, não significa que as realizem da mesma
forma.

O amplo conjunto de tarefas, funções e possibilidades ao alcance do


psicopedagogo educacional deixa no ar a vontade de ter em cada escola, um
profissional deste calibre. Infelizmente as escolas, principalmente as públicas não
contam em seu quadro de funcionários, nem mesmo para algumas horas na
semana, com um profissional de tantas habilidades como é o psicopedagogo.

Pensamos que as escolas deveriam se empenhar na contratação deste


profissional, uma vez que respeitando a forma e o ritmo próprio de cada educando,
introduzindo propostas ricas e desafiadores, teriam neste profissional um suporte
para transformar as dificuldades dos alunos em algo construtivo e produtivo.

Contudo, a Psicopedagogia não é uma terapia para as dificuldades de


aquisição dos códigos ou linguagens que permitem a produção do conhecimento.
Conhecimento esse que é um processo contínuo, de acordo com a filosofia da
ciência, mas precisamos situar a psicopedagogia num patamar mais alto e entendê-
IPEMIG - Instituto Pedagógico de Minas Gerais www.ipemig.com.br
(31) 3484-4334 - (31) 8642-1801 "É mais que educação, é EVOLUÇÃO"
30

la como uma área de estudos interdisciplinar, abrangendo diferentes outras áreas,


além de perceber que seu campo de atuação está voltado para identificar as
dificuldades do educando no processo ensino-aprendizagem.

Esperamos que tenham percebido que a formação desse profissional tem


alguns pontos que devem ser levantados:

1º - precisa ter formação acadêmica de nível superior, voltada para a área


humana e direcionada para a educação;
2º - seu objeto de atuação é a escola e a criança em processo de
aprendizagem;
3º - deve conhecer este objeto de atuação de uma forma ampla, através das
teorias de desenvolvimento e de aprendizagem e suas dificuldades;
4º - precisa ter conhecimento sobre avaliação e recursos de atuação
psicopedagógica, que possibilite ao profissional que trabalha na área,
melhorar o desempenho acadêmico do aluno, como também, prevenir e
remediar o fracasso escolar.

Portanto, a regulamentação de sua profissão contribui para a percepção


global do fato educativo, para a compreensão satisfatória dos objetivos da Educação
e da finalidade da escola, possibilitando uma ação transformadora (ROCHA, 2002).

Ainda, é preciso salientar que a ação desse profissional jamais pode ser
isolada, mas integrada à ação da equipe escolar, buscando, em conjunto, vivenciar a
escola, não só como espaço de aprendizagem de conteúdos educacionais, mas de
convívio, de cultura, de valores, de pesquisa e experimentação, que possibilitem a
flexibilização de atividades docentes e discentes.

Segundo Weiss (s/d apud Scoz et al,1987, p.76), [...] muitas vezes existem
dificuldades no ler, escrever, calcular que não interferem na vida do sujeito, só
transformando em sintoma, face a uma exigência ambiental. [...] ao se
instrumentalizar um diagnóstico, é necessário que o profissional atente para o
significado do sintoma a nível familiar e escolar, e não o veja apenas em um recorte
artificial, como uma deficiência do sujeito a ser por ele tratado. É essencial
procurarmos o não dito, implícito existente no não aprender.

IPEMIG - Instituto Pedagógico de Minas Gerais www.ipemig.com.br


(31) 3484-4334 - (31) 8642-1801 "É mais que educação, é EVOLUÇÃO"
31

Os profissionais da educação, precisam voltar seus olhares para a escola e


ter uma visão íntegra da visão da aprendizagem e visão de mundo. E ao
psicopedagogo institucional, através de uma profunda e clara observação das
dimensões que envolvem o diagnóstico de aprendizagem, o qual envolve presença e
ausência de saber, desenvolver seu papel.

Finalmente, o diagnóstico, como veremos na última apostila do curso, do


ponto de vista do psicopedagogo deve ser encarado como bússola que norteará sua
intervenção junto à escola, ao aluno, ao seu histórico familiar atual e passado, o
sociocultural, o educacional, à superação dos obstáculos surgidos e à construção de
novos conhecimentos.

IPEMIG - Instituto Pedagógico de Minas Gerais www.ipemig.com.br


(31) 3484-4334 - (31) 8642-1801 "É mais que educação, é EVOLUÇÃO"
32

2 CÓDIGO DE ÉTICA DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE

PSICOPEDAGOGIA

Reformulado pelo Conselho Nacional e Nato do biênio 95/96

CAPÍTULO I - DOS PRINCÍPIOS

Artigo 1º - A psicopedagogia é um campo de atuação em Saúde e Educação


que lida com o processo de aprendizagem humana; seus padrões normais e
patológicos, considerando a influência do meio _ família, escola e sociedade _ no
seu desenvolvimento, utilizando procedimentos próprios da psicopedagogia.

Parágrafo único - A intervenção psicopedagógica é sempre da ordem do


conhecimento relacionado com o processo de aprendizagem

Artigo 2º - A Psicopedagogia é de natureza interdisciplinar. Utiliza recursos


das várias áreas do conhecimento humano para a compreensão do ato de aprender,
no sentido ontogenético e filogenético, valendo-se de métodos e técnicas próprios.

Artigo 3º - O trabalho psicopedagógico é de natureza clínica e institucional, de


caráter preventivo e/ou remediativo.

Artigo 4º - Estarão em condições de exercício da Psicopedagogia os


profissionais graduados em 3º grau, portadores de certificados de curso de Pós-
Graduação de Psicopedagogia, ministrado em estabelecimento de ensino oficial
e/ou reconhecido, ou mediante direitos adquiridos, sendo indispensável submeter-se
à supervisão e aconselhável trabalho de formação pessoal.

Artigo 5º - O trabalho psicopedagógico tem como objetivo: (i) promover a


aprendizagem, garantindo o bem-estar das pessoas em atendimento profissional,
devendo valer-se dos recursos disponíveis, incluindo a relação interprofissional; (ii)
realizar pesquisas científicas no campo da Psicopedagogia.

CAPÍTULO II - DAS RESPONSABILIDADES DOS PSICOPEDAGOGOS

Artigo 6º - São deveres fundamentais dos psicopedagogos:

IPEMIG - Instituto Pedagógico de Minas Gerais www.ipemig.com.br


(31) 3484-4334 - (31) 8642-1801 "É mais que educação, é EVOLUÇÃO"
33

A) Manter-se atualizado quanto aos conhecimentos científicos e técnicos


que tratem o fenômeno da aprendizagem humana;

B) Zelar pelo bom relacionamento com especialistas de outras áreas,


mantendo uma atitude crítica, de abertura e respeito em relação às diferentes visões
do mundo;

C) Assumir somente as responsabilidades para as quais esteja preparado


dentro dos limites da competência psicopedagógica;

D) Colaborar com o progresso da Psicopedagogia;

E) Difundir seus conhecimentos e prestar serviços nas agremiações de


classe sempre que possível;

F) Responsabilizar-se pelas avaliações feitas fornecendo ao cliente uma


definição clara do seu diagnóstico;

G) Preservar a identidade, parecer e/ou diagnóstico do cliente nos relatos e


discussões feitos a título de exemplos e estudos de casos;

H) Responsabilizar-se por crítica feita a colegas na ausência destes;

I) Manter atitude de colaboração e solidariedade com colegas sem ser


conivente ou acumpliciar-se, de qualquer forma, com o ato ilícito ou calúnia. O
respeito e a dignidade na relação profissional são deveres fundamentais do
psicopedagogo para a harmonia da classe e manutenção do conceito público.

CAPÍTULO III - DAS RELAÇÕES COM OUTRAS PROFISSÕES

Artigo 7º - O psicopedagogo procurará manter e desenvolver boas relações


com os componentes das diferentes categorias profissionais, observando, para este
fim, o seguinte:

A) Trabalhar nos estritos limites das atividades que lhes são reservadas;

B) Reconhecer os casos pertencentes aos demais campos de


especialização; encaminhando-os a profissionais habilitados e qualificados para o
atendimento;

IPEMIG - Instituto Pedagógico de Minas Gerais www.ipemig.com.br


(31) 3484-4334 - (31) 8642-1801 "É mais que educação, é EVOLUÇÃO"
34

CAPÍTULO IV - DO SIGILO

Artigo 8º - O psicopedagogo está obrigado a guardar segredo sobre fatos de


que tenha conhecimento em decorrência do exercício de sua atividade.

Parágrafo Único

Não se entende como quebra de sigilo, informar sobre cliente a especialistas


comprometidos com o atendimento.

Artigo 9º - O psicopedagogo não revelará, como testemunha, fatos de que


tenha conhecimento no exercício de seu trabalho, a menos que seja intimado a
depor perante autoridade competente.

Artigo 10 - Os resultados de avaliações só serão fornecidos a terceiros


interessados, mediante concordância do próprio avaliado ou do seu representante
legal.

Artigo 11 - Os prontuários psicopedagógicos são documentos sigilosos e a


eles não será franqueado o acesso a pessoas estranhas ao caso.

CAPÍTULO V - DAS PUBLICAÇÕES CIENTÍFICAS

Artigo 12 - Na publicação de trabalhos científicos, deverão ser observadas as


seguintes normas:

a) A discordância ou críticas deverão ser dirigidas à matéria e não ao autor;

b) Em pesquisa ou trabalho em colaboração, deverá ser dada igual ênfase


aos autores, sendo de boa norma dar prioridade na enumeração dos colaboradores
àquele que mais contribuir para a realização do trabalho;

c) Em nenhum caso, o psicopedagogo se prevalecerá da posição hierarquia


para fazer publicar em seu nome exclusivo, trabalhos executados sob sua
orientação;

d) Em todo trabalho científico deve ser indicada a fonte bibliográfica


utilizada, bem como esclarecidas as ideias descobertas e ilustrações extraídas de
cada autor.

IPEMIG - Instituto Pedagógico de Minas Gerais www.ipemig.com.br


(31) 3484-4334 - (31) 8642-1801 "É mais que educação, é EVOLUÇÃO"
35

CAPÍTULO VI - DA PUBLICIDADE PROFISSIONAL

Artigo 13 - O psicopedagogo ao promover publicamente a divulgação de seus


serviços, deverá fazê-lo com exatidão e honestidade.

Artigo 14 - O psicopedagogo poderá atuar como consultor científico em


organizações que visem o lucro com venda de produtos, desde que busque sempre
a qualidade dos mesmos.

CAPÍTULO VII - DOS HONORÁRIOS

Artigo 15 - Os honorários deverão ser fixados com cuidado, a fim de que


representem justa retribuição aos serviços prestados e devem ser contratados
previamente.

CAPÍTULO VIII - DAS RELAÇÕES COM SAÚDE E EDUCAÇÃO

Artigo 16 - O psicopedagogo deve participar e refletir com as autoridades


competentes sobre a organização, implantação e execução de projetos de Educação
e Saúde Pública relativo às questões psicopedagógicas.

CAPÍTULO IX - DA OBSERVÂNCIA E CUMPRIMENTO DO CÓDIGO DE ÉTICA

Artigo 17 - Cabe ao psicopedagogo, por direito, e não por obrigação, seguir


este código.

Artigo 18 - Cabe ao Conselho Nacional da ABPp orientar e zelar pela fiel


observância dos princípios éticos da classe.

Artigo 19 - O presente código só poderá ser alterado por proposta do


Conselho da ABPp e aprovado em Assembleia Geral.

CAPÍTULO X - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Artigo 20 - O presente código de ética entrou em vigor após sua aprovação


em Assembleia Geral, realizada no V Encontro e II Congresso de
IPEMIG - Instituto Pedagógico de Minas Gerais www.ipemig.com.br
(31) 3484-4334 - (31) 8642-1801 "É mais que educação, é EVOLUÇÃO"
36

Psicopedagogia da ABPp em 12/07/1992, e sofreu a 1ª alteração proposta


pelo Congresso Nacional e Nato no biênio 95/96, sendo aprovado em
19/07/1996, na Assembleia Geral do III Congresso Brasileiro de
Psicopedagogia da ABPp, da qual resultou a presente solução.

FONTE: http://www.abpp.com.br/leis_regulamentacao_etica.htm

IPEMIG - Instituto Pedagógico de Minas Gerais www.ipemig.com.br


(31) 3484-4334 - (31) 8642-1801 "É mais que educação, é EVOLUÇÃO"
37

REFERÊNCIAS CONSULTADAS E UTILIZADAS

ALVES, Maria Dolores Fortes; BOSSA, Nádia. Psicopedagogia: em busca do


sujeito autor. Disponível em:
<http://www.psicopedagogia.com.br/artigos/artigo.asp?entrID=809> Acesso em: 23
jul. 2010.

ARROYO, Miguel. Ofício de mestre: imagens e auto-imagens. Petrópolis: Editora


Vozes, 2000.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSICOPEDAGOGIA. Código de ética da ABPp.


Disponível em: <http://www.abpp.com.br/leis_regulamentacao_etica.htm> Acesso
em: 24 jul. 2010.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSICOPEDAGOGIA (ABPp). O que é


psicopedagogia? Disponível em: <http://www.abpp.com.br/faq_oquee.htm#11>
Acesso em: 29 jul. 2010.

BARBOSA, Laura M. S. O papel da psicopedagogia na inclusão de pessoas com


dificuldade de aprendizagem Disponível em
<http://www.abpp.com.br/publicacoes.htm> Acesso em: 23 jul. 2010.

BEAUCLAIR, João. Psicopedagogia - trabalhando competências, criando


habilidades. Rio de Janeiro: WAK Editora, 2004.

BOSSA, Nádia Ap. A Psicopedagogia no Brasil: contribuições a partir da


prática. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.

CBO – Classificação Brasileira de Ocupações – 2002. Regulamentação e


Legislação. Ministério do Trabalho e do Emprego. Disponível em:
<http://www.mtecbo.gov.br>. Acessado em: 21 jul. 2010.

DAMASCENO, Dagmar Fátima de Lima. A contribuição da psicopedagogia para


a formação docente (2006). Tema de uma mesa redonda: Estilos de aprender e
estilos de ensinar. Disponível em <http://www.abpp.com.br./artigos.htm.> Acesso
em: 23 jul. 2010.

DEMO, Pedro. É errando que a gente aprende. Revista Nova Escola, São Paulo,
144: p.49-51, 2001.

DI SANTO, Joana Maria Rodrigues. A ação psicopedagógica e a transformação


da realidade escolar (2007). Disponível em: <http://psicopedagogia-
institucional.blogspot.com/2006/07/ao-psicopedaggica-e-transformao-da.html>
Acesso em: 23 jul. 2010.

FERNÁNDEZ, A. A Inteligência Aprisionada. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991.

FERNÁNDEZ, A. A Mulher Escondida na Professora. Porto Alegre: Artes Médicas,


1994.
IPEMIG - Instituto Pedagógico de Minas Gerais www.ipemig.com.br
(31) 3484-4334 - (31) 8642-1801 "É mais que educação, é EVOLUÇÃO"
38

FERNANDEZ, Alícia. A inteligência aprisionada. Porto Alegre: Artes Médicas,


1990.

FERREIRA, Renata Tereza da Silva. A importância da psicopedagogia no ensino


fundamental – 1ª A 4ª SÉRIES. Disponível em
<http://www.psicopedagogiaonline.com.br> Acesso em: 23 jul. 2010.

GASPARIAN, Maria Cecília C. Psicopedagogia institucional uma visão sistêmica


(2006) Disponível em <http://www.psicopedagogiaonline.com.br> Acesso em: 23 jul.
2010.

LIMA, Terezinha Bazé de. Formação do Psicopedagogo e sua atuação no


contexto educacional (2003). Disponível em:
<www.baze.hpg.com.br/texto_aula_psicop.doc> Acesso em: 23 jul. 2010.

MACEDO, Lino de. “Prefácio” a SCOZ et al, Psicopedagogia – Contextualização,


Formação e Atuação Profissional. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992.

MOOJEN, Sonia. Reabilitação em neurologia e psiquiatria infantil – Aspectos


Psicopedagógicos. Congresso Brasileiro de neurologia e Psiquiatria Infantil – A
criança e o adolescente da Década de 80. Porto Alegre, Abenepe, vol. 2, 1983.

MRECH, Leny Magalhães. O uso de brinquedos e jogos na intervenção


Psicopedagógica de crianças com necessidades especiais. Disponível em
<http:///www.centrorefeducacional.pro.br/brinqespec.htm> Acesso em: 23 jul. 2010.

NÓVOA, Antonio (org.). Vidas de professores. Portugal: Porto Editora, 1996.

OLIVEIRA, Eliane Ferreira de. O psicopedagogo na instituição: sua atuação


otimizando o espaço organizacional por meio de novos pensamentos (2005).
Disponível em <http://www.psicopedagogiaonline.com.br> Acesso em: 23 jul. 2010.

ORLANDI, E. P. O sentido dominante: a literalidade como produto da História.


Campinas: Editora Unicamp, 1987.

ROCHA, Nina. Trajetória da Psicopedagogia no Brasil (2002).


Disponível em:
<http://www.partes.com.br/educacao/trajetoria_da_psicopedagogia.asp> Acesso em:
23 jul. 2010.

RUBINSTEIN, Edith (org.). Psicopedagogia: uma prática, diferentes estilos. Casa


do Psicólogo, São Paulo, 1999.

RUBINSTEIN, Edith. Atuação Psicopedagógica e Aprendizagem Escolar.


Petrópolis: Vozes, 1996.

SANTOS, Adilma Souza et al. O lúdico e a Psicopedagogia. Salvador: UFB,


trabalho mimeografada, 2002.

IPEMIG - Instituto Pedagógico de Minas Gerais www.ipemig.com.br


(31) 3484-4334 - (31) 8642-1801 "É mais que educação, é EVOLUÇÃO"
39

SCHMID, Márcia H. C. Psicopedagogia e educação de jovens e adultos.


Universidade Federal Fluminense. Disponível em
<http://www.cereja.org.br/pdf/20050331_Marcia.pdf> Acesso em: 23 jul. 2010.

SCHROEDER, M. M.; MACKING, M. L. M. A Psicopedagogia. Disponível em


<http://www.pedagobrasil.com.br/artigosanteriores/pedago_psico.htm> Acesso em:
23 jul. 2010.

SCOZ, B.; RUBINSTEIN, E.; ROSSA, E.; BARONE, L.(org). Psicopedagogia: o


caráter interdisciplinar na formação e atuação profissional. Porto Alegre: Artes
Médicas, 1987.

SCOZ, Beatriz (org.) (Por) uma educação da alma. Petrópolis: Vozes, 2002.

SOUZA, Antônio Vital Menezes de. Reflexões antropossociais da intervenção


clínica e do método em psicopedagogia: um enfoque das Abordagens
Acionalistas em Educação. Disponível em <http://www.pedagogiaonline.com.br>
Acesso em: 23 jul. 2010.

TFOUNI, Leda V. Letramento e Alfabetização. São Paulo: Editora Cortez, 1995.

WEISS, Maria Lucia L. Psicopedagogia Clínica: uma visão diagnóstica. Porto


Alegre: Artes Médicas, 1992.

IPEMIG - Instituto Pedagógico de Minas Gerais www.ipemig.com.br


(31) 3484-4334 - (31) 8642-1801 "É mais que educação, é EVOLUÇÃO"
40

AVALIAÇÃO

1)São necessários vários tipos de conhecimento (de outras áreas) por parte do
Psicopedagogo para um trabalho eficaz. Qual das opções abaixo condiz com os
conhecimentos que nos oferece o entendimento sobre a visão do homem, seus
relacionamentos a cada momento histórico e sua correspondente concepção de
aprendizagem?

A( )Linguística

B( )conhecimento biológico

C( )conhecimento neurológico

D( )conhecimentos filosóficos e sociológicos

2)Qual a linha teórica de trabalho psicopedagógico segue o argentino Jorge Visca?

A( )Epistemologia convergente

B( )Epistemologia divergente

C( )Epistemologia central

D( )n.r.a

3) A psicopedagogia tem sofrido influências de diversas correntes teóricas ao longo


de sua existência. Qual a corrente prevaleceu nas décadas de 1960/1970?

A( )a corrente médica

B( )a corrente behaviorista

C( )a corrente social e dialética

D( )n.r.a.

4)Leia atentamente as afirmativas abaixo e assinale a resposta correta:

I – Não há uniformidade de modelos teóricos, não há uma única práxis


psicopedagógica.

IPEMIG - Instituto Pedagógico de Minas Gerais www.ipemig.com.br


(31) 3484-4334 - (31) 8642-1801 "É mais que educação, é EVOLUÇÃO"
41

II – É a formação continuada que fundamenta a práxis psicopedagógica.

III – Para que o tripé modelos teóricos/ formação/ modus operandi se sustente, hoje
é preciso fazer uma distinção entre legitimidade e legalização.

A( )Somente estão corretas as afirmativas I e III

B( )Somente está correta a afirmativa II

C( )Todas as afirmativas estão corretas

D( )Todas as afirmativas estão erradas

5) O estudo que se dá na relação entre um sujeito com sua história pessoal e sua
modalidade de aprendizagem buscando compreender a mensagem de outro sujeito,
implícita no não aprender e tem nesse processo, investigador e objeto-sujeito
interagindo constantemente é: assinale a alternativa correta

A( )um trabalho psicopedagógico clínico

B( )um trabalho psicopedagógico preventivo

C( )um trabalho psicopedagógico tanto clínico quanto preventivo

D( )n.r.a.

6)O Psicopedagogo pode atuar de várias maneiras possíveis. Assinale a opção que
não representa uma de suas atuações.

A( ) Esclarecer que as dificuldades de aprendizagem só tem como causas as


deficiências do aluno, e nunca que os problemas escolares sejam advindos da
organização da instituição, dos métodos de ensino.

B( ) Ao trabalhar com conceitos e pré-requisitos para a aprendizagem, auxilia para


que as situações de ensino sejam organizadas de acordo com o desenvolvimento.

C( ) Auxilia a determinar prioridades com relação aos objetivos educacionais junto


à equipe curricular.

D( ) Assessorar e esclarecer a escola a respeito de diversos aspectos do processo


de ensino-aprendizagem.

IPEMIG - Instituto Pedagógico de Minas Gerais www.ipemig.com.br


(31) 3484-4334 - (31) 8642-1801 "É mais que educação, é EVOLUÇÃO"
42

7) Segundo Macedo (1992), o psicopedagogo no Brasil ocupa-se das seguintes


atividades: orientação de estudos, apropriação dos conteúdos escolares,
desenvolvimento do raciocínio e atendimento de crianças. Qual das opções
relaciona-se com a orientação dos estudos?

A( ) visa propiciar domínio de disciplinas escolares em que a criança não vem


tendo um bom aproveitamento. Ele se diferencia do professor particular, pois o
conteúdo escolar é usado apenas como uma estratégia para ajudar e fornecer ao
aluno o domínio de si próprio e as condições necessárias ao desenvolvimento
cognitivo.

B( ) consiste em organizar a vida escolar da criança quando esta não sabe fazê-lo
espontaneamente. Procura-se promover o melhor uso do tempo, a elaboração de
uma agenda e tudo aquilo que é necessário ao “como estudar” (como ler um texto,
como escrever, como estudar para prova, etc.).

C( ) trabalho feito com os processos de pensamento necessários ao ato de


aprender.

D( ) se presta a atender deficientes mentais, autistas ou com comprometimentos


orgânicos mais graves, podendo até substituir o trabalho da escola.

8)São habilidades e competências do Psicopedagogo segundo o Código Brasileiro


de Ocupações (CBO):

A( )implantar e executar, avaliar e coordenar a (re) construção do projeto


pedagógico de escolas de educação infantil, de ensino médio ou ensino
profissionalizante com a equipe escolar.

B( ) desenvolver as atividades, viabilizar o trabalho pedagógico coletivo e facilitar o


processo comunicativo da comunidade escolar e de associações a ela vinculadas.

C( ) Atuar nas atividades de ensino nas esferas públicas e privadas.

D( )Todas as alternativas são verdadeiras.

IPEMIG - Instituto Pedagógico de Minas Gerais www.ipemig.com.br


(31) 3484-4334 - (31) 8642-1801 "É mais que educação, é EVOLUÇÃO"
43

9) Em se tratando da Psicologia Escolar, existem três maneiras de diferenciá-la da


Psicopedagogia. Qual das alternativas abaixo se relaciona com o campo de
atuação?

A( )A Psicologia Escolar surgiu para explicar o fracasso escolar, enquanto a


Psicopedagogia surgiu como um trabalho clínico dedicado e voltado para aqueles
que apresentavam dificuldades na aprendizagem por problemas específicos.

B( )A Psicologia Escolar é uma especialização do curso de graduação em


Psicologia, enquanto o curso de Psicopedagogia é um curso de especialização, que
recebe graduados em diversos cursos.

C( )É aqui que se encontra a diferença mais significativa. O trabalho da Psicologia


Escolar se realiza nos limites da Psicologia, enquanto o trabalho Psicopedagógico
se realiza na interface da Psicologia e da Pedagogia ou, mais recentemente, na
interface da Psicanálise e da Pedagogia.

D( )n.r.a.

10) Para Coll (1989) citado por Ferreira (2006) o amplo conjunto de tarefas e
funções realizadas pelos profissionais que prestam assessoramento
psicopedagógico às escolas, apesar de sua diversidade, pode ser organizado em
torno de quatro eixos. “as tarefas incluídas são tanto as que têm como objetivo
prioritário o atendimento a um aluno, quanto as que aparecem vinculadas a aspectos
curriculares e organizacionais”. Qual das opções abaixo apresenta o eixo definido
acima?

A( )Eixo relativo às modalidades de intervenção.

B( )Eixo relativo à natureza dos objetivos da intervenção.

C( )Eixo relativo aos modelos de intervenção.

D( )Eixo relativo ao lugar preferencial de intervenção.

IPEMIG - Instituto Pedagógico de Minas Gerais www.ipemig.com.br


(31) 3484-4334 - (31) 8642-1801 "É mais que educação, é EVOLUÇÃO"
44

GABARITO DE PSICOPEDAGOGIA
(MÓDULO 5)

Nome do aluno:
Matrícula:
Curso:
Data do envio: / / .
Assinatura do aluno:

Teoria e Prática em
Psicopedagogia
1) 2) 3) 4) 5)

6) 7) 8) 9) 10)

IPEMIG - Instituto Pedagógico de Minas Gerais www.ipemig.com.br


(31) 3484-4334 - (31) 8642-1801 "É mais que educação, é EVOLUÇÃO"

Você também pode gostar