Você está na página 1de 2

Informativo comentado:

Informativo 912-STF (RESUMIDO)


Márcio André Lopes Cavalcante

DIREITO PROCESSUAL CIVIL

RECURSOS
Multa do § 2º do art. 557 do CPC/1973 (§ 4º do art. 1.021 do CPC/2015) e Fazenda Pública

Se o Poder Público for condenado ao pagamento da multa do § 2º do art. 557 do CPC/1973 (§


4º do art. 1.021 do CPC/2015), a interposição de outros recursos ficará condicionada ao
depósito prévio do respectivo valor?
CPC/1973: SIM CPC/2015: NÃO
Havendo condenação da Fazenda Pública ao Veja o que diz o CPC/2015:
pagamento da multa prevista no art. 557, § Art. 1.021 (...)
2º, do CPC 1973, a interposição de qualquer § 4º Quando o agravo interno for declarado
outro recurso fica condicionada ao depósito manifestamente inadmissível ou
prévio do respectivo valor. improcedente em votação unânime, o órgão
O prévio depósito da multa também é devido colegiado, em decisão fundamentada,
pela Fazenda Pública. condenará o agravante a pagar ao agravado
STJ. 2ª Turma. AgRg no AREsp 553.788-DF, multa fixada entre um e cinco por cento do
Rel. Min. Assusete Magalhães, julgado em valor atualizado da causa.
16/10/2014 (Info 551). § 5º A interposição de qualquer outro
STF. 2ª Turma. ARE 931830 AgR/PB, Rel. recurso está condicionada ao depósito
Min. Dias Toffoli, julgado em 21/8/2018 prévio do valor da multa prevista no § 4º, à
(Info 912). exceção da Fazenda Pública e do beneficiário
de gratuidade da justiça, que farão o
pagamento ao final.

MANDADO DE SEGURANÇA
É desnecessária a oitiva do MP se o tribunal já tiver
jurisprudência consolidada sobre o tema discutido

Importante!!!
Em regra, é indispensável a intimação do Ministério Público para opinar nos processos de
mandado de segurança, conforme previsto no art. 12 da Lei nº 12.016/2009.
No entanto, a oitiva do Ministério Público é desnecessária quando se tratar de controvérsia
acerca da qual o tribunal já tenha firmado jurisprudência.
Assim, não há qualquer vício na ausência de remessa dos autos ao Parquet que enseje nulidade
processual se já houver posicionamento sólido do Tribunal. Nesses casos, é legítima a
apreciação de pronto pelo relator.
STF. 2ª Turma. RMS 32.482/DF, rel. orig. Min. Teori Zavaski, red. p/ o ac. Min. Edson Fachin, julgado
em 21/8/2018 (Info 912).

Informativo 912-STF (30/08/2018) – Márcio André Lopes Cavalcante | 1


Informativo
comentado

MANDADO DE SEGURANÇA
Não cabe MS para declarar lei ou ato normativo inconstitucional

Importante!!!
O mandado de segurança não é o instrumento processual adequado para o controle abstrato
de constitucionalidade de leis e atos normativos.
STF. 2ª Turma. RMS 32.482/DF, rel. orig. Min. Teori Zavaski, red. p/ o ac. Min. Edson Fachin, julgado
em 21/8/2018 (Info 912).

DIREITO PROCESSUAL PENAL

ARQUIVAMENTO
O STF pode, de ofício, arquivar inquérito quando, mesmo esgotados os prazos para a conclusão
das diligências, não foram reunidos indícios mínimos de autoria ou materialidade

Importante!!!
O STF pode, de ofício, arquivar inquérito quando verificar que, mesmo após terem sido feitas
diligências de investigação e terem sido descumpridos os prazos para a instrução do
inquérito, não foram reunidos indícios mínimos de autoria ou materialidade (art. 231, § 4º,
“e”, do RISTF).
A pendência de investigação, por prazo irrazoável, sem amparo em suspeita contundente,
ofende o direito à razoável duração do processo (art. 5º, LXXVIII, da CF/88) e a dignidade da
pessoa humana (art. 1º, III, da CF/88).
Caso concreto: tramitava, no STF, um inquérito para apurar suposto delito praticado por
Deputado Federal. O Ministro Relator já havia autorizado a realização de diversas diligências
investigatórias, além de ter aceitado a prorrogação do prazo de conclusão das investigações.
Apesar disso, não foram reunidos indícios mínimos de autoria e materialidade. Com o fim do foro
por prerrogativa de função para este Deputado, a PGR requereu a remessa dos autos à 1ª
instância. O STF, contudo, negou o pedido e arquivou o inquérito, de ofício, alegando que já foram
tentadas diversas diligências investigatórias e, mesmo assim, sem êxito. Logo, a declinação de
competência para a 1ª instância a fim de que lá sejam continuadas as investigações seria uma
medida fadada ao insucesso e representaria apenas protelar o inevitável.
STF. 2ª Turma. Inq 4420/DF, Rel. Min. Gilmar Mendes, julgado em 21/8/2018 (Info 912).
No mesmo sentido: STF. Decisão monocrática. INQ 4.442, Rel. Min. Roberto Barroso, Dje 12/06/2018.

Informativo 912-STF (30/08/2018) – Márcio André Lopes Cavalcante | 2