Você está na página 1de 6

FILHO REIS, Daniel Aarão. O mundo socialista: expansão e apogeu.

In:
FILHO REIS, Daniel Aarão; FERREIRA, Jorge; ZENHA, Celeste. (Org.).
O Século XX: o tempo das dúvidas – do declínio das utopias às
globalizações. V. 3. 2ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002. p.
13-33.

- INTRODUÇÃO (p. 13-14):

- 1945-1985: momento de sucesso e expansão do socialismo no mundo;

- Várias experiências socialistas no mundo além da URSS.


Eurocomunismo, Cuba, China, Ásia Oriental, etc;

- Períodos: 1º - expansão e supremacia (1945-1954); 2º apogeu e crises


(1954-1975) “(...) o socialismo constituía-se numa realidade incontornável
do ponto de vista da dinâmica das relações internacionais.” (p. 14); 3º
socialismo desenvolvido (1975-1985).

- EXPANSÃO E SUMPREMACIA DO MONILITO SOVIÉTICO (p.


15-20):

- A URSS saiu da segunda guerra economicamente arrasada, mas com


grande prestígio político e militar, afinal fora um fator decisivo na
derrocada do nazismo;

- “Instaurou-se o mundo fechado da bipolarização, a serviço dos interesses


e da dinâmica dos complexos industriais e militares de cada campo, ou
seja, dos setores comprometidos com a corrida armamentista (...).” (p. 15);

- Economia de comando e planos quinquenais: estatização gral das


atividades, planejamento centralizado, proliferação de agencias centrais de
controle, ditadura política, etc. Repetição desse quadro;
- Expansão do regime socialista na Europa e Ásia. Oeste europeu: Letônia,
Estônia e Lituânia, parte da Polônia e Romênia. Europa Central: Polônia,
Tchecoslováquia, Alemanha Oriental, Hungria, Romênia, Albânia, Bulgária
e Iugoslávia. (formação de um modelo único e rígido, submetido a
Moscou);

- Revoluções armadas na Ásia realizadas por camponeses: China, Vietnã,


Coréia, Indonésia, Birmânia, Malásia e Filipinas;

- “Internacional comunista asiática”: desenvolver a luta nacional de forma


radical, libertando as nações da Ásia de qualquer tipo de colonialismo,
basear-se fundamentalmente nos camponeses, realizando programas de
reforma agrária, formar alianças mais amplas, incluído a burguesia e
pequena burguesia urbana, conduzir a revolução via luta armada tomando o
poder por meio de exércitos guerrilheiros que cercariam os centros
urbanos;

- Maoísmo;

- Crises nos regimes socialistas, que deram causa a deflagração de guerras


civis, como na Coréia e Vietnã, possibilitando a participação direta dos
EUA;

- “Cortina de Bambu”. Houve um apoio da URSS que não se encaixou bem


nos regimes socialistas que se instalavam nos países asiáticos;

- Caso da Iugoslávia: socialismo autogestionário. No entanto, a regra era a


criação de um bloco sem falhas e nem fissuras, uma espécie de monólito
coeso em torno da URSS;
- APOGEU E CRISES DO SOCIALISMO MONOLÍTICO (20-25):

- - Morte de Stálin em 1953 e reordenamento do sistema socialista na


ordem bipolar, a partir de uma revisão das bases do stalinismo e da adoção
de uma política de coexistência pacífica;

- Admitiu-se que poderia haver várias formas de chegar ao socialismo,


substituindo o monólito centrado em Moscou, pelo policentrismo
socialista;

- Tais medidas estabeleceram condições de pôr fim à Guerra da Coréia em


1953, ao Vietnã alcançar sua independência em 1954 e estabelecer uma
distensão com os EUA no contexto da guerra fria;

- Houve também inúmeras mudanças internas que passaram a ocorrer na


URSS, com um processo de liberalização dos controles de repressão,
anistia para presos políticos, afrouxamento do controle sobre os meios e
comunicação. No campo da economia passou-se a se preocupar com a
questão da habitação, transporte coletivo, saúde e educação;

- Passou a investir mais em agricultura, na tentativa de s tornar


autossuficiente no abastecimento de alimento para a população;

- O Congresso do Partido Comunista de 1956 consagrou todas as medidas


em curso, consolidando o “clima de degelo”. Relatório Kruchev;

- “Na União Soviética criou-se uma atmosfera ambígua: insegurança e


dúvida ao lado de sentimentos de confiança e de euforia, inéditas desde os
tempos longínquos da revolução de 1917.” (p. 22);

- Avanços tecnológicos com o desenvolvimento da bomba atômica e de


hidrogênio, além da liderança na corrida espacial, lançando o Sputnik e
levando Gagarin ao espaço;
- A área agrícola não se desenvolvia conforme o planejado e necessário;

- Resistência as medidas até então tomadas e acusações contra Kruschev,


especialmente na política de distensão com os EUA e depois o episódio da
crise dos mísseis;

- “O mundo socialista deixara de ser um monólito e apresentava agora


enorme fissuras.” (p. 23);

- Surgimento de propostas alternativas para a implementação do


comunismo (Eurocomunismo), com críticas dos outros países que
formavam o bloco comunista, pela forma que a URSS conduzia o processo;

- Houve diversas revoltas contra a centralização e os atos soviéticos,


algumas sendo duramente reprimidas;

- Auxílio soviético nas lutas de libertação nacional;

- Kruchev foi derrubado em 1964, acusado especialmente do que


combateu, concentrar poderes e praticar arbitrariedades (pontos positivos e
negativos p. 25).

- O SOCIALISMO DESENVOLVIDO: FORÇA E FRAQUEZAS DE


UM SISTEMA (p. 26-33)

- “Apesar dos problemas e das contradições, a URSS e o socialismo


pareciam imbatíveis, dotados de uma dinâmica invencível.” (p. 26);

- As política reformistas democratizantes e descentralizantes de Kruchev


foram revogadas;

- A URSS tornava-se uma superpotência no plano internacional e tentava se


reorganizar internamente;
- Fim da guerra do Vietnã. No Oriente Médio contrapunha Israel, apoiando
a Palestina;

- No contexto da descolonização das colônias portuguesas, apoiavam


grupos independentistas, a fim de possivelmente implantarem governos
socialistas quando da independência desses países;

- “Na América Latina, a revolução cubana – vitoriosa como um programa


nacionalista e democrático – transformara-se em revolução socialista, em
larga medida, em virtude das pressões americanas.” (p. 27);

- Houve um direcionamento da revolução em Cuba para o espectro


socialista, com um direcionamento claro de associação a URSS. Por outro
lado, esse espectro comunista que rondou o restante do continente foi a
fagulha para desencadear uma série de golpes civis-militares ao longo do
tempo;

- Todo o avanço decorrido na URSS não uniria o mundo socialista;

- Conflito sino-soviético. Discordâncias no modo de conduzir o pós


revolução e as políticas economias e sociais a serem adotadas;

- Crise no modelo socialista/maoista da China. A partir dos anos 70 há uma


reconciliação do país com os EUA;

- Houve um expressivo crescimento da URSS em todos os sentidos,


econômico, militar, de urbanização, entre outros aspectos;

- “No início dos anos 80, o quadro das relações internacionais já não
parecia tão promissor. Uma onda neoliberal agressiva, antissoviética,
começava a varrer o mundo capitalista, anunciando novas concepções de
Estado e de sociedade e um nova espiral na corrida armamentista. (p. 32)”;
- Houve a inversão de dinamismo e resultados, da URSS para a China, que
não se comunicava;

- A URSS declinava, até desaparecer na última década do século XX.