Você está na página 1de 64

Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

Matéria: Direito Administrativo


Professor: Jonatas Albino do Nascimento
Administração Pública e Terceiro Setor
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

CONSIDERAÇÕES INICIAIS

Olá, Pessoal!
Seguindo na nossa sequência de resumo e questões, hoje teremos a
Reforma Administrativa!
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Vamos em frente!
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

Professor Jonatas Albino do Nascimento 2 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

REFORMA ADMINISTRATIVA

Sumário
1 – Reforma Administrativa ............................................................... 4
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

2 – Administração Pública Indireta .................................................... 5


2.1 – Agências Executivas .......................................................................................................5
2.2 – Agências Reguladoras ....................................................................................................6
2.3 – Consórcios Públicos .......................................................................................................7
3- Terceiro Setor ............................................................................. 11
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

3.1 – Organizações Sociais - OS............................................................................................. 11


3.2 – Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público - OSCIP ......................................13
3.3 – Parcerias Voluntárias ...................................................................................................14
3.4 – Serviços Sociais Autônomos ......................................................................................... 15
3.5 – Entidades de Apoio ......................................................................................................16
4 – Questões Comentadas ............................................................... 17
4.1 - CESPE ............................................................................................................................... 17
4.2 - ESAF .................................................................................................................................32
4.3 - FCC...................................................................................................................................47
5 – Lista de exercícios ..................................................................... 48
5.1 - CESPE ............................................................................................................................... 48
5.2 - ESAF .................................................................................................................................53
5.3 - FCC...................................................................................................................................62
6 – Gabarito .................................................................................... 63
7– Referencial Bibliográfico ............................................................. 64

Professor Jonatas Albino do Nascimento 3 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

1 – Reforma Administrativa

A Administração Patrimonialista é o modelo de Administração Pública


no qual não há uma clara divisão entre o patrimônio do Estado e do
governante, o que obviamente inviabiliza qualquer controle mais efetivo por
parte da população. O Estado funciona como uma extensão do poder do
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

soberano. Corrupção e nepotismo são características marcantes desse


modelo.
Com a evolução do modelo de Administração Patrimonialista surgiu a
Administração Burocrática. Segundo esse conceito, de forma alguma os
bens públicos podem ser confundidos com os pertencentes aos governantes.
Práticas como o nepotismo e a corrupção foram explicitamente vedadas e
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

controles, para garantir o patrimônio público, foram implementados. Conceitos


como impessoalidade, carreira dos agentes públicos e profissionalismo foram
empregados. Grande atenção é dada ao princípio da legalidade e
observância dos processos.
Em seguida, temos a Administração Pública Gerencial. Tal conceito
preservou as conquistas da Administração Burocrática, tais como o controle do
patrimônio público e a observância do princípio da legalidade. Além disso,
inovou ao mudar o foco de atuação para uma gestão por resultados,
garantindo mais autonomia aos administradores, desde que determinadas
metas fossem cumpridas. Desta forma, aumentou significativamente a
relevância do princípio da eficiência, ganhando importância a busca pela
qualidade.

Patrimonialista Burocrática Gerencial


• Confusão • Administração •Gestão por
patrimonial profissional resultados

• Corrupção • Excessivo apego •Manutenção dos


aos processo. benefícios gerados
• Nepotismo pela APU Burocrática
• Valorização da
• Governo visto como carreira no serviço •Foco na eficiência
extensão dos público e qualidade
governante
• Significativo • Controles
• Sem prestação de controle da APU ao utilizando
contas longo do processo ferramentas
tradicionais da
iniciativa privada,
como indicadore e
metas

Professor Jonatas Albino do Nascimento 4 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

2 – Administração Pública Indireta

2.1 – Agências Executivas

Apesar do que se pode parecer, as agências executivas não são uma


nova modalidade de entidade da Administração Pública Indireta. Trata-
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

se uma qualificação que pode ser dada às autarquias ou fundações públicas


que preencham determinados requisitos.

Ter um plano estratégico


de reestruturação e de
desenvolvimento
Autarquias e institucional em andamento
fundações públicas
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

Agência
precisam atender os
Executiva
seguintes requisitos,
cumulativamente: Ter celebrado um contrato
de gestão com o Ministério
supervisor, que deve ter
duração mínima de 1 ano

“Art. 37. (...)


§ 8º A autonomia gerencial, orçamentária e financeira dos órgãos e entidades
da administração direta e indireta poderá ser ampliada mediante contrato, a
ser firmado entre seus administradores e o poder público, que tenha por
objeto a fixação de metas de desempenho para o órgão ou entidade, cabendo
à lei dispor sobre:
I - o prazo de duração do contrato;
II - os controles e critérios de avaliação de desempenho, direitos, obrigações e
responsabilidade dos dirigentes;
III - a remuneração do pessoal.”

Agências Executivas
Federais

Qualificação realizada
Maior
por Decreto do Chefe Necessário
Autonomia
do Executivo

Plano Contrato
Emprego de Gestão
Estratégico de
Gerencial de
Restruturação e (mín. 1
Recursos
Desenvolvimento ano)

Professor Jonatas Albino do Nascimento 5 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

(CESPE/2014/TJ-CE/Analista Judiciário - Execução de


Mandados/ADAPTADA)
A respeito de organização administrativa, julgue o item subsequente.
São consideradas agências executivas as autarquias, fundações, empresas
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

públicas e sociedades de economia mista que apresentam regime jurídico


especial que lhes concede maior autonomia em relação ao ente federativo que
as criou.
Comentários.
Podem ser consideradas agências executivas apenas as autarquias e
fundações públicas.
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

Gabarito: Errado.

2.2 – Agências Reguladoras

As agências reguladoras são autarquias sob regime especial que têm


como funções fiscalizar, controlar e regulamentar determinados
setores, nos quais os serviços públicos ou a exploração de bens públicos
tenham sido delegados a particulares.
Esse regime especial tem quatro pilares:
 Poder normativo técnico;
 Autonomia decisória no âmbito administrativo;
 Independência administrativa; e
 Autonomia econômica/ financeira.

judicial
transitada em
julgado
Estáveis, só Condenação
Dirigentes podendo
da Agências perder os em PAD
Reguladoras cargos no
caso de: Renúncia

Professor Jonatas Albino do Nascimento 6 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

Capacidade
deslegalização
Normativa

Estabilidade
Agências
Reguladoras
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Mandado Fixo

Dirigentes
Sujeitos a quarentena

Autarquia de
Regime Nomeados pelo Presidente
Especial após Aprovação do Senado
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

(CESPE/2013/ANP/Todos os Cargos)
No que concerne à organização administrativa e à administração pública direta
e indireta, julgue os itens subsequentes.
Compete às agências reguladoras controlar as atividades que constituem
objeto de concessão ou permissão de serviço público ou de atividade
econômica monopolizada pelo Estado, a exemplo da ANP.
Comentários.
As agências reguladoras são autarquias sob regime especial que têm como
funções fiscalizar, controlar e regulamentar determinados setores nos
quais os serviços públicos ou a exploração de bens públicos tenham sido
delegados a particulares.
As Agências Reguladoras são um dos pilares do Programa de
Desestatização na esfera federal, instituído nos anos 90 do século passado.
Em 1997, foram criadas a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), a
Agência Nacional do Petróleo (ANP) e a Agência Nacional de Energia Elétrica
(ANEEL). Todas essas agências foram criadas para a regulamentação e
controle de atividades até então exercidas pelo Estado como monopólio.
Gabarito: Certo.

2.3 – Consórcios Públicos

“Art. 241. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios


disciplinarão por meio de lei os consórcios públicos e os convênios de
cooperação entre os entes federados, autorizando a gestão associada
de serviços públicos, bem como a transferência total ou parcial de encargos,
serviços, pessoal e bens essenciais à continuidade dos serviços transferidos. ”

Professor Jonatas Albino do Nascimento 7 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

gestão
associada de
Consórcios serviços
públicos públicos, e

U, E, M e DF,
disciplinarão transferência total
autorizando
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

por meio de lei Convênios de ou parcial de


cooperação encargos,
entre os entes serviços, pessoal
federados e bens essenciais
à continuidade
dos serviços
transferidos
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

Consórcios Públicos

de direito público de direito privado

espécie de empresa
espécie de autarquia
pública

A União somente poderá participar em consórcios em que façam


parte todos os Estados dos municípios consorciados.
Vamos a um exemplo. A União não poderá participar de um consórcio
São dois os requisitos para a criação dos consórcios:
1. Subscrição do protocolo de intenções
2. Ratificação por lei de cada ente participante

Requisitos para criação dos


Consórcios

Subscrição do Ratificação por lei


Protocolo de de cada ente
Intenções consorciado

Professor Jonatas Albino do Nascimento 8 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

Consórcios
Públicos
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Entidade
O representante
interfederativa
Capital 100% será o Chefe do
participante da API
Público Executivo de um
de todos os
dos participantes
consorciados

 Contrato de Rateio
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

O contrato de rateio é o contrato por meio do qual os entes


consorciados comprometem-se a fornecer recursos financeiros para a
realização das despesas do consórcio público. Mais do que isso, o artigo 8º da
citada lei afirma que este contrato é condição para que haja a entrega desses
recursos.

 Contrato de Programa
O contrato de programa tem como objetivo constituir e regular as
obrigações que um ente da Federação constituir para com outro ente da
Federação ou consórcio público, no âmbito da gestão associada de serviços
públicos.
Essa gestão associada de serviços públicos pode ocorrer de duas
formas:
1. Convênio ou Cooperação:
Os entes federados e entidades da Administração pública Indireta
firmam um contrato de programa disciplinando a gestão associada
de serviços públicos. Reparem que aqui não há consórcio, pois não
há criação de uma nova pessoa jurídica.
2. Consórcio Público:
Nesse caso, o contrato de programa irá ser celebrado entre o
consórcio (que, ao contrário do item anterior, possui personalidade
jurídica) e um dos entes consorciados, que irá prestar o serviço
público.

Professor Jonatas Albino do Nascimento 9 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

Gestão Associada de
Serviços Públicos

Convênio Consórcio
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Sem personalidade Com personalidade


jurídica jurídica

Os consórcios públicos possuem vários privilégios previstos, entre os


Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

quais destacamos:
 Podem ser contratado pela Administração Pública dos entes da
Federação sem licitação;
 Realizar diretamente a arrecadação de tarifas ou preços públicos;
 Outorgar concessão, permissão ou autorização de obras ou
serviços públicos;
 Possuir limites mais elevados, de acordo com a modalidade de
licitação (concorrência, tomada de preços e convite), sendo tal limite o
dobro para consórcios com até 3 entes e o triplo para consórcios com
mais de 3 participantes;
 Dispensa de licitação quando celebrarem contrato de programa
com ente da federação ou entidade da Administração Pública
Indireta, para a prestação de serviços públicos de forma associada.

(CESPE/2014/TJ-CE/Analista Judiciário - Execução de


Mandados/ADAPTADA)
A respeito de organização administrativa, julgue o item subsequente.
Os consórcios públicos sob o regime jurídico de direito público são associações
públicas sem personalidade jurídica criadas para a gestão associada de
serviços públicos de interesse de mais de um ente federativo.
Comentários.
O consórcio público terá personalidade jurídica própria, podendo adquirir
tanto personalidade jurídica de direito público quanto de direito privado:

 O consórcio com personalidade jurídica de direito público é,


segundo a doutrina dominante, espécie de autarquia pertencente
a Administração Pública Indireta de todos os membros
participantes.

Professor Jonatas Albino do Nascimento 10 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

 Caso o consórcio adote a personalidade jurídica


de direito privado, o raciocínio é o mesmo (faz parte da
Administração Pública Indireta de todos os entes consorciados),
salvo por ter, segundo a doutrina majoritária, natureza
semelhante das empresas públicas, uma vez que seu patrimônio
é totalmente público, mas dividido entre os entes consorciados.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Gabarito: Errado.

3- Terceiro Setor
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

Características Gerais do Terceiro


Setor

Prestam
serviços sociais
Reg. jur. e de interesse
Interesse Não Sem fins público
de Direito
público estatal lucrativos
Privado

3.1 – Organizações Sociais - OS

As Organizações Sociais (OS) são pessoas jurídicas de direito privado


não pertencentes à Administração Pública que desempenham, em
parceria com o Estado, serviços sociais não exclusivos do setor estatal e
que têm grande importância para o sociedade.
A qualificação como organização social é ato discricionário, ou seja,
atendidos os requisitos a OS não adquire direito a receber tal qualificação.
São requisito para conseguir tal qualificação:
 Personalidade jurídica de direito privado;
 Não ter finalidade lucrativa; e
 Atuar nas áreas de ensino, saúde, cultura, pesquisa científica,
desenvolvimento tecnológico e proteção/preservação do meio
ambiente (lista exaustiva, numerus clausus).
Percebam que são todas áreas bastante sensíveis para a população.

Professor Jonatas Albino do Nascimento 11 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

Ensino

Saúde

Cultura
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Atuar nas áreas Pesquisa Científica


de

Requisitos para Desenvolvimento


Qualificação Pessoa Jurídica de Tecnológico
como OS direito Privado
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

Sem finalidade Proteção/preservação


lucrativa do meio ambiente

Princípios do Contrato de Gestão

Legalidade Impessoalidade Moralidade Publicidade Economicidade

A desqualificação da entidade como OS pode ocorer de duas formas:


 A pedido da entidade (apesar de tal hipótese não estar expressa na
lei); e
 Devido à aplicação de sanção pelo descumprimento do contrato de
gestão.
A desqualificação implicará na reversão (devolução) dos bens e valores
entregues pelo Poder Público, sem prejuízo de outras penalidades cabíveis.

Professor Jonatas Albino do Nascimento 12 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

Desqualificação por Sanção


Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Precedida de processo administrativo em que seja assegurado

contraditório ampla defesa

Dirigentes respondem
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

individual solidariamente

(CESPE - ACE - TC-DF/2014) Julgue o item seguinte,


relativo aos contratos celebrados entre o poder público do DF e os agentes
privados.
O governador do DF poderá desqualificar a organização social que descumprir
o disposto no contrato de gestão, independentemente da abertura de processo
administrativo.
Comentários.
Como verificamos, é necessário a abertura de processo administrativo no qual
seja garantida a ampla defesa à OS.
Gabarito: Errado.

3.2 – Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público - OSCIP

As OSCIP apresentam várias semelhanças com as OS. São entidades de


direito privado, sem fins lucrativos, que prestam serviços sociais não
exclusivos do Estado.

Professor Jonatas Albino do Nascimento 13 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

Qualificação como OSCIP


Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Requerimento
Precisa funcionar há direcionado ao
Ato Vinculado
no mínimo 3 anos Ministério da
Justiça
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

OS OSCIP

•Natureza do ato de qualificação: •Natureza do ato de qualificação:


discricionário; vinculado;

•Celebra Contato de Gestão; •Pode celebrar termo de


parceria (depende de processo
seletivo);

•Qualificação dada por Ministro •Qualificação realizada por


ou órgão da área de atuação Ministro da Justiça;
e do MPOG;

•Precisa ter Consenho de •Precisa de Conselho Fiscal ou


Administração e Diretoria. órgão equivalente.

(CESPE - Ag Adm - MTE/2014) Acerca das organizações


da sociedade civil de interesse público (OSCIP), julgue o item a seguir.
A qualificação de uma pessoa jurídica de direito privado como OSCIP ocorre
por meio de ato de ministro de Estado ou titular de órgão supervisor, ou ainda
pelo regulador da área de atividade correspondente ao seu objeto social.
Comentários.
Diferente das OSs a qualificação como OSCIP compente ao Ministro da Justiça.
Gabarito: Errado.

3.3 – Parcerias Voluntárias

A Lei nº 13.019/14 instituiu o regime jurídico das parcerias


voluntárias. Ao contrário das leis das OS e OSCIP, é uma norma geral

Professor Jonatas Albino do Nascimento 14 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

aplicável a todos os entes da federação, incluindo às entidades da


Administração Indireta. Vejamos o primeiro artigo da norma:
“Art. 1º Esta Lei institui normas gerais para as parcerias voluntárias,
envolvendo ou não transferências de recursos financeiros, estabelecidas
pela União, Estados, Distrito Federal, Municípios e respectivas autarquias,
fundações, empresas públicas e sociedades de economia mista prestadoras de
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

serviço público, e suas subsidiárias, com organizações da sociedade civil,


em regime de mútua cooperação, para a consecução de finalidades de
interesse público; define diretrizes para a política de fomento e de
colaboração com as organizações da sociedade civil; e institui o termo
de colaboração e o termo de fomento.”
Não haverá transferência de recursos no acordo de cooperação.
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

Termo de Originada da
colaboração APU

Originada do
Formalização Termo de
parceiro
da Parceria fomento
privado

Acordo de
cooperação

3.4 – Serviços Sociais Autônomos

Os serviços sociais autônomos são entidades de direito privado que


realização atividades privadas de interesse público. Assim como as outras
entidades do terceiro setor, não têm finalidade lucrativa. Segundo a
doutrina, atuam em regime de cooperação com o Poder Público.
Por receberem recursos públicos, estão sujeitas ao controle do TCU,
mas não estão submetidas ao regime de licitação.
São também denominados de Sistema S e podemos citar como
exemplo o SESI, SESC, SENAI, etc.
A atuação do Estado aqui é de fomento. O Estado autoriza a criação,
instituindo contribuições parafiscais de natureza compulsória para o estímulo à
atividade particular de interesse social.

(CESPE/2014/ANTAQ/Conhecimentos Básicos –
Cargos 1 a 4)

Professor Jonatas Albino do Nascimento 15 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

Em relação à organização administrativa do Estado brasileiro, julgue o item a


seguir.
As entidades que compõem o serviço social autônomo prestam serviço público
e, por isso, integram a administração pública indireta, estando sujeitas ao
controle do tribunal de contas.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Comentários.
As entidades que compõem o serviço social autônomo:

 Não realizam serviços públicos


 Não pertencem à Administração Pública.
 Sua criação depende de lei autorizadora.
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

 Por receberem recursos públicos, estão sujeitas ao controle do TCU,


mas não estão submetidas ao regime de licitação.
Gabarito: Errado.

3.5 – Entidades de Apoio

São as entidades sem fins lucrativos que atuam na prestação de


serviços sociais não exclusivos do Estado. Não necessitam de lei para
autorizar sua criação.
Geralmente são instituídos por servidores públicos e atuam na
área de educação, saúde e tecnologia (geralmente junto a hospitais e
Universidades Públicas). Costumam adotar a forma de fundação, associação ,
fundação ou cooperativa, mas não há nenhuma previsão para que
necessariamente adotem tais modelos. Inclusive as entidades de apoio
não são reguladas por nenhuma lei específica.
O vínculo com o poder público decorre de assinatura de convênio, que
possibilitará a transferência de recursos, uso de bens públicos e cessão de
servidores.

Chegamos ao final da nossa aula! Não deixem de fazer todas as


questões e revisar os pontos importantes! Te esperamos na próxima!

Professor Jonatas Albino do Nascimento 16 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

4 – Questões Comentadas

4.1 - CESPE
1. (CESPE/2014/TJ-CE/Analista Judiciário - Execução de
Mandados/ADAPTADA)
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

A respeito de organização administrativa, julgue o item subsequente.


São consideradas agências executivas as autarquias, fundações, empresas
públicas e sociedades de economia mista que apresentam regime jurídico
especial que lhes concede maior autonomia em relação ao ente federativo que
as criou.
Comentários.
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

Podem ser consideradas agências executivas apenas as autarquias e


fundações públicas.
Gabarito 1. Errado.

2. (CESPE/2013/ANP/Todos os Cargos)
No que concerne à organização administrativa e à administração pública direta
e indireta, julgue os itens subsequentes.
Compete às agências reguladoras controlar as atividades que constituem
objeto de concessão ou permissão de serviço público ou de atividade
econômica monopolizada pelo Estado, a exemplo da ANP.
Comentários.

As agências reguladoras são autarquias sob regime especial que têm como
funções fiscalizar, controlar e regulamentar determinados setores nos
quais os serviços públicos ou a exploração de bens públicos tenham sido
delegados a particulares.
As ARs são um dos pilares do Programa de Desestatização na esfera
federal, instituído nos anos 90 do século passado. Em 1997, foram criadas a
Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), a Agência Nacional do
Petróleo (ANP) e a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL). Todas essas
agências foram criadas para a regulamentação e controle de atividades até
então exercidas pelo Estado como monopólio.
Gabarito 2. Certo.

3. (CESPE/2014/TJ-CE/Analista Judiciário - Execução de


Mandados/ADAPTADA)
A respeito de organização administrativa, julgue o item subsequente.

Professor Jonatas Albino do Nascimento 17 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

Os consórcios públicos sob o regime jurídico de direito público são associações


públicas sem personalidade jurídica criadas para a gestão associada de
serviços públicos de interesse de mais de um ente federativo.
Comentários.
O consórcio público pode adquirir tanto personalidade
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

jurídica de direito público quanto de direito privado:

 O consórcio com personalidade jurídica de direito público é,


segundo a doutrina dominante, espécie de autarquia pertencente
à Administração Pública Indireta de todos os membros
participantes.
 Caso o consórcio adote a personalidade jurídica
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

de direito privado, o raciocínio é o mesmo (faz parte da


Administração Pública Indireta de todos os entes consorciados),
salvo por ter, segundo a doutrina majoritária, natureza
semelhante das empresas públicas, uma vez que seu patrimônio
é totalmente público, mas dividido entre os entes consorciados.
Gabarito 3. Errado.

4. (CESPE - ACE - TC-DF/2014) Julgue o item seguinte, relativo aos


contratos celebrados entre o poder público do DF e os agentes privados.
O governador do DF poderá desqualificar a organização social que descumprir
o disposto no contrato de gestão, independentemente da abertura de processo
administrativo.
Comentários.

Como verificamos é necessário a abertura de processo administrativao onde


seja garantida ampla defesa a OS.
Gabarito 4. Errado.

5. (CESPE - Ag Adm - MTE/2014)


Acerca das organizações da sociedade civil de interesse público (OSCIP),
julgue o item a seguir.
A qualificação de uma pessoa jurídica de direito privado como OSCIP ocorre
por meio de ato de ministro de Estado ou titular de órgão supervisor, ou ainda
pelo regulador da área de atividade correspondente ao seu objeto social.
Comentários.

Diferente das OSs a qualificação como OSCIP compente ao Ministro da Justiça.


Gabarito 5. Errado.

Professor Jonatas Albino do Nascimento 18 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

6. (CESPE/2014/ANTAQ/Conhecimentos Básicos – Cargos 1 a 4)


Em relação à organização administrativa do Estado brasileiro, julgue o item a
seguir.
As entidades que compõem o serviço social autônomo prestam serviço público
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

e, por isso, integram a administração pública indireta, estando sujeitas ao


controle do tribunal de contas.
Comentários.

As entidades que compõem o serviço social autônomo:

não realizam serviços públicos


Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

 não pertencem à Administração Pública.


 sua criação depende de lei autorizadora.
 por receberem recursos públicos estão sujeitas ao controle do TCU,
mas não estão submetidas ao regime de licitação.
Gabarito 6. Errado.

7. (CESPE/2013/ANP/Todos os Cargos)
No que concerne à organização administrativa e à administração pública direta
e indireta, julgue os itens subsequentes.
O pessoal das empresas públicas, das sociedades de economia mista e das
agências reguladoras, como regra, se submete ao regime trabalhista comum,
próprio da Consolidação das Leis do Trabalho.
Comentários.

A Lei nº 9986/2000 previu, no seu artigo 1º, que as ARs terão suas
relações de trabalho regidas pela CLT. Ocorre que este dispositivo teve a
eficácia suspensa por concessão de liminar até o julgamento final da
ADIN 2310, que questiona o fato de agentes públicos, desempenhando
atividades de Estado, sejam celetistas. Hoje, portanto os servidores das ARs
são obrigatoriamente estatutários.
Já os servidores das empresas públicas e sociedades de economia mista se
submetem ao regime trabalhista comum.
Gabarito 7. Errado.

8. (CESPE/2014/ANTAQ/Conhecimentos Básicos – Cargos 5 e 6)

Professor Jonatas Albino do Nascimento 19 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

Julgue os próximos itens, acerca das agências reguladoras e das teorias da


regulação.

Dada a importância da ANTAQ como autoridade administrativa independente


das atividades portuárias e de transporte aquaviário, ela figura entre as três
primeiras agências criadas com assento constitucional, ao lado da Agência
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Nacional do Petróleo (ANP) e da Agência Nacional de Telecomunicações


(ANATEL).
Comentários.

Apenas a ANATEL e a ANP possuem assento constitucional. As demais


agências têm base em suas leis instituidoras.
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

ANATEL
Art. 21. Compete à União:
XI - explorar, diretamente ou mediante autorização, concessão ou permissão,
os serviços de telecomunicações, nos termos da lei, que disporá sobre a
organização dos serviços, a criação de um órgão regulador e outros aspectos
institucionais;

ANP
Art. 177. Constituem monopólio da União:
...
§ 1º A União poderá contratar com empresas estatais ou privadas a realização
das atividades previstas nos incisos I a IV deste artigo observadas as
condições estabelecidas em lei.
§ 2º A lei a que se refere o § 1º disporá sobre:
...
III - a estrutura e atribuições do órgão regulador do monopólio da União;
Gabarito 8. Errado.

9. (CESPE/2014/ANTAQ/Conhecimentos Básicos – Cargos 5 e 6)


Julgue os próximos itens, acerca das agências reguladoras e das teorias da
regulação.
A criação das agências reguladoras advém da política econômica adotada no
Brasil na década de 90 do século XX, quando ocorreram privatizações
decorrentes do Plano Nacional de Desestatização.
Comentários.

Professor Jonatas Albino do Nascimento 20 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

As agências reguladoras são um dos pilares do Programa de


Desestatização na esfera federal, instituído nos anos 90 do século passado.
Em 1997, foram criadas a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), a
Agência Nacional do Petróleo (ANP) e a Agência Nacional de Energia Elétrica
(ANEEL). Todas essas agências foram criadas para a regulamentação e
controle de atividades até então exercidas pelo Estado como monopólio.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Gabarito 9. Certo.

10. (CESPE/2014/ANTAQ/Conhecimentos Básicos – Cargos 1 a 4)


Em relação à organização administrativa do Estado brasileiro, julgue o item a
seguir.
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

O poder normativo das agências reguladoras, cujo objetivo é atender à


necessidade crescente de normatividade baseada em questões técnicas com
mínima influência política, deve estar amparado em fundamento legal.
Comentários.

O regime especial das agências reguladoras (ARs) tem quatro pilares:


 Poder normativo técnico
 Autonomia decisória no âmbito administrativo
 Independência administrativa
 Autonomia econômica/financeira
Apesar de inicialmente questionado pela doutrina a capacidade normativa
técnica de tais entidades hoje é amplamente reconhecida para tratar dos seus
setores de atuação. Através das normas originadas dessas entidades é
possível dar maior dinamismo no tratamento de questões por vezes
extremamente técnicas.
Esta capacidade normativa das ARs, entretanto encontra limitações nas
leis vigentes no país, expedidas pelo Poder legislativo, esse sim detentor de
capacidade legislativa (plena), que devem ser observados pelas ARs.
Gabarito 10. Certo.

11. (CESPE/2014/ANTAQ/Técnico Administrativo)


Acerca dos órgãos reguladores no Brasil, julgue o item a seguir.
A autonomia funcional concedida por lei às agências reguladoras resulta em
processo decisório que reflete as demandas políticas de curto prazo.
Comentários.

Professor Jonatas Albino do Nascimento 21 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

De acordo com as explicações da questão anterior, aprendemos que as


agências reguladoras atuam em questões técnicas com mínima influência
política. O erro da questão é dizer que o processo decisório reflete as
demandas políticas, já que isso não ocorre.
Gabarito 11. Errado.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

12. (CESPE/2014/ANTAQ/Conhecimentos Básicos – Cargos 1 a 4)


Julgue o próximo item, acerca das agências reguladoras e das teorias da
regulação.

O preço e o número de empresas são variáveis críticas para os reguladores:


Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

além de regular a entrada de novas empresas, a agência reguladora também


controla as empresas reguladas existentes.
Comentários.

As agências reguladoras são autarquias sob regime especial que têm


como funções fiscalizar, controlar e regulamentar determinados
setores nos quais os serviços públicos ou a exploração de bens públicos
tenham sido delegados a particulares.
Assim, as agências reguladoras regularão o setor controlando o
comportamento das empresas existentes (preço) e a entrada de novas
empresas (número de empresas).
Gabarito 12. Certo.

13. (CESPE/2014/ANTAQ/Técnico em Regulação)


Julgue o item subsecutivo, com relação às agências reguladoras.

A função normativa das agências reguladoras se equipara à função


regulamentar do chefe do Poder Executivo de complementação das leis.
Comentários.

Apesar de inicialmente questionada pela doutrina, a capacidade normativa


técnica das agências reguladoras hoje é amplamente reconhecida para
tratar dos seus setores de atuação. Por meio das normas originadas
dessas entidades, é possível dar maior dinamismo no tratamento de questões
por vezes extremamente técnicas.
Esta capacidade normativa, entretanto, encontra limitações nas leis
vigentes no país, expedidas pelo Poder legislativo, esse sim detentor de
capacidade legislativa (plena), que devem ser observados pelas agências
reguladoras. Já a função regulamentar é de competência privativa (exclusiva
em âmbito administrativo) do chefe do Poder Executivo, conforme CF/88:

Professor Jonatas Albino do Nascimento 22 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

Art. 84. Compete privativamente ao Presidente da República:


IV - sancionar, promulgar e fazer publicar as leis, bem como expedir decretos
e regulamentos para sua fiel execução;
Memorize os conceitos:
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

 Função Legislativa: Poder Legislativo

 Função Regulamentar: Poder Executivo

 Função Normativa (técnica sobre o setor regulado): Agências


Reguladoras
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

Gabarito 13. Errado.

14. (CESPE/2013/ANTT/Especialista em Regulação de Serviços e


Transportes Terrestres)
Julgue o item subsecutivo, referente ao poder normativo das agências
reguladoras.
A função normativa das agências reguladoras, exercida com vistas ao
equilíbrio do subsistema regulado, não se equipara ao poder regulamentar de
competência do chefe do Poder Executivo.
Comentários.

Lembre-se sempre de que as agências reguladoras têm função normativa


técnica apenas sobre o setor regulado e que isso não se confunde com o poder
regulamentar do chefe do Poder Executivo.
Gabarito 14. Certo.

15. (CESPE/2014/ANTAQ/Técnico em Regulação)


Julgue o item subsecutivo, com relação às agências reguladoras.
As agências reguladoras exercem função normativa primária, observadas as
normas hierarquicamente superiores.
Comentários.

A função normativa primária é exercida quando se inova no ordenamento


jurídico, por meio da edição de leis. Já a função normativa secundária tem
fundamento nas leis e por isso deve observá-las (por exemplo, a edição de
resoluções pelas agências reguladoras).
Gabarito 15. Errado.

Professor Jonatas Albino do Nascimento 23 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

16. (CESPE/2015/STJ/Analista Judiciário - Administrativa)


No tocante aos poderes administrativos, julgue o seguinte item.

O fenômeno da deslegalização, também chamada de delegificação, significa


Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

a retirada, pelo próprio legislador, de certas matérias do domínio da lei,


passando-as para o domínio de regulamentos de hierarquia inferior.
Comentários.

Um conceito importante sobre a função normativa das Agências Reguladoras


(ARs) é a deslegalização (também chamada de delegificação), cuja ideia
básica consiste na possibilidade de o Parlamento estabelecer princípios
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

gerais e diretrizes sobre determinada matéria que não fosse reserva


absoluta de lei, porém já disposta em lei formal; e, nessa mesma lei
deslegalizadora (superveniente), atribuir competência delimitada ao
governo (no nosso caso às ARs) para normatizar determinado setor.
A deslegalização acontece quando uma lei, sem entrar na regulamentação da
matéria, “rebaixa” formalmente o seu grau normativo, permitindo que essa
matéria possa vir a ser modificada pela legislação (e não lei em sentido
estrito) a ser gerada por outro ente.
Gabarito 16. Certo.

17. (CESPE/2015/TRF-5ª Região/Juiz Federal


Substituto/ADAPTADA)
Considerando a disciplina legal acerca das agências reguladoras e das
agências executivas, julgue o seguinte item.
Apenas as autarquias podem, mediante iniciativa do advogado-geral da União,
ser qualificadas como agências executivas, desde que possuam um plano
estratégico de reestruturação e de desenvolvimento institucional que definam
diretrizes, políticas e medidas voltadas para a racionalização de sua estrutura.
Comentários.

Segundo o Decreto 2.487/98:


Art. 1º As autarquias e as fundações integrantes da Administração Pública
Federal poderão, observadas as diretrizes do Plano Diretor da Reforma do
Aparelho do Estado, ser qualificadas como Agências Executivas.
§ 1º A qualificação de autarquia ou fundação como Agência Executiva poderá
ser conferida mediante iniciativa do Ministério supervisor, com anuência
do Ministério da Administração Federal e Reforma do Estado, que verificará o
cumprimento, pela entidade candidata à qualificação, dos seguintes requisitos:
a) ter celebrado contrato de gestão com o respectivo Ministério supervisor;

Professor Jonatas Albino do Nascimento 24 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

b) ter plano estratégico de reestruturação e de desenvolvimento


institucional, voltado para a melhoria da qualidade da gestão e para a
redução de custos, já concluído ou em andamento.
Gabarito 17. Errado.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

18. (CESPE/2015/TRF-5ª Região/Juiz Federal


Substituto/ADAPTADA)
Considerando a disciplina legal acerca das agências reguladoras e das
agências executivas, julgue o seguinte item.
A qualificação de uma entidade como agência reguladora é efetivada por meio
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

de decreto do chefe do Poder Executivo, a partir do que deverá assinar


contrato de gestão com o respectivo ministério ao qual é subordinada.
Comentários.

A qualificação de uma entidade como agência executiva é efetivada por


meio de decreto do chefe do Poder Executivo. Além disso, o contrato de
gestão deve ser celebrado previamente à edição do decreto.
Gabarito 18. Errado.

19. (CESPE/2015/TRF-5ª Região/Juiz Federal


Substituto/ADAPTADA)
Considerando a disciplina legal acerca das agências reguladoras e das
agências executivas, julgue o seguinte item.
A agência executiva deve celebrar contrato de gestão com o respectivo
ministério supervisor, com periodicidade mínima de um ano, no qual se
estabelecerão os objetivos, metas e indicadores de desempenho da entidade,
bem como os recursos necessários e os critérios e instrumentos para a
avaliação do seu cumprimento.
Comentários.

Para conseguir a qualificação de agência executiva as autarquias e fundações


públicas precisam atender os seguintes requisitos, cumulativamente:

Professor Jonatas Albino do Nascimento 25 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Gabarito 19. Certo.


Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

20. (CESPE/2015/TRF-5ª Região/Juiz Federal


Substituto/ADAPTADA)
Considerando a disciplina legal acerca das agências reguladoras e das
agências executivas, julgue o seguinte item.
Pela técnica da deslegalização, mediante a qual o próprio legislador retirou
certas matérias do domínio da lei, as agências reguladoras podem editar atos
normativos dotados de conteúdo técnico que disciplinem matérias que
deveriam ser reguladas por lei ordinária e por lei complementar, desde que
expressamente autorizadas pela legislação pertinente.
Comentários.

Um conceito importante sobre a função normativa das Agências Reguladoras é


a deslegalização (também chamada de delegificação), cuja ideia básica
consiste na possibilidade de o Parlamento estabelecer princípios gerais e
diretrizes sobre determinada matéria que não fossem reserva absoluta de
lei, porém já disposta em lei formal; e, nessa mesma lei deslegalizadora
(superveniente), atribuir competência delimitada ao governo (no nosso
caso às agências reguladoras) para normatizar determinado setor.
A deslegalização acontece quando uma lei, sem entrar na regulamentação da
matéria, “rebaixa” formalmente o seu grau normativo, permitindo que essa
matéria possa vir a ser modificada pela legislação (e não lei em sentido
estrito) a ser gerada por outro ente. Esse é o erro da questão. Pelo instituto
da deslegalização, poderia ser permitido que uma resolução ou regulamento
(legislação) trata-se de matéria reservada à lei.
Gabarito 20. Errado.

21. (CESPE/2015/TRF-5ª Região/Juiz Federal


Substituto/ADAPTADA)

Professor Jonatas Albino do Nascimento 26 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

Considerando a disciplina legal acerca das agências reguladoras e das


agências executivas, julgue o seguinte item.
As agências reguladoras são autarquias com regime jurídico especial, dotadas
de autonomia em relação ao ente central, razão pela qual não se admite a
interposição de recurso hierárquico impróprio contra suas decisões nem a
demissão de seus dirigentes, salvo mediante sentença transitada em julgado.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Comentários.

Lei nº 9.986/00 (Dispõe sobre a gestão de recursos humanos das Agências


Reguladoras e dá outras providências):
Art. 9o Os Conselheiros e os Diretores somente perderão o mandato em
caso de renúncia, de condenação judicial transitada em julgado ou de
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

processo administrativo disciplinar.


Parágrafo único. A lei de criação da Agência poderá prever outras
condições para a perda do mandato.
Gabarito 21. Errado.

22. (CESPE/2014/Câmara dos Deputados/Analista Legislativo)


No que diz respeito a convênio, a consórcio público e a parceria público-
privada (PPP), julgue o item que se segue.

Duas entidades federativas podem instituir uma pessoa jurídica autônoma,


que materializará a criação de um consórcio.
Comentários.

Segundo o artigo 241 da Constituição de 1988:

gestão
associada de
Consórcios serviços
públicos públicos, e
U, E, M e DF,
disciplinarão Convênios transferência
por meio de autorizando total ou parcial
de
lei cooperação de encargos,
entre os serviços, pessoal
entes e bens essenciais
federados à continuidade
dos serviços
transferidos

Gabarito 22. Certo.

23. (CESPE/2014/MTPS/Agente Administrativo)

Professor Jonatas Albino do Nascimento 27 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

Com base nas disposições da Lei n.º 11.107/2005, que disciplina o consórcio
público, julgue o próximo item.
Caso um estado-membro da Federação pretenda participar de consórcio
público, ele deverá subscrever um protocolo de intenções, o qual deverá ser
ratificado por lei, salvo se o ente federativo, no momento do protocolo, já tiver
editado lei disciplinadora sobre sua participação no consórcio.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Comentários.

São dois os requisitos para a criação dos consórcios:


Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

Já o artigo 5º da Lei nº 11.107/05, que dispõe sobre normas gerais de


contratação de consórcios públicos, determina:
Art. 5o O contrato de consórcio público será celebrado com a ratificação,
mediante lei, do protocolo de intenções.
§ 1o O contrato de consórcio público, caso assim preveja cláusula, pode ser
celebrado por apenas 1 (uma) parcela dos entes da Federação que
subscreveram o protocolo de intenções.
§ 2o A ratificação pode ser realizada com reserva que, aceita pelos demais
entes subscritores, implicará consorciamento parcial ou condicional.
§ 3o A ratificação realizada após 2 (dois) anos da subscrição do protocolo de
intenções dependerá de homologação da assembléia geral do consórcio
público.
§ 4o É dispensado da ratificação prevista no caput deste artigo o ente da
Federação que, antes de subscrever o protocolo de intenções,
disciplinar por lei a sua participação no consórcio público.
Gabarito 23. Certo.

24. (CESPE/2013/AGU/Procurador Federal)


Com relação a convênios e consórcios administrativos, julgue os itens
subsecutivos.

Embora o consórcio público possa adquirir personalidade jurídica de direito

Professor Jonatas Albino do Nascimento 28 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

público ou de direito privado, em ambas as hipóteses a contratação de pessoal


deverá ser regida pela Consolidação das Leis do Trabalho, pois a legislação
veda a admissão de pessoal no regime estatutário.
Comentários.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

Segundo a Lei nº 11.107/05 (normas gerais de contratação de consórcios


públicos):
Art. 6o O consórcio público adquirirá personalidade jurídica:
I – de direito público, no caso de constituir associação pública, mediante a
vigência das leis de ratificação do protocolo de intenções;
II – de direito privado, mediante o atendimento dos requisitos da legislação
civil.
§ 1o O consórcio público com personalidade jurídica de direito público integra a
administração indireta de todos os entes da Federação consorciados.
§ 2o No caso de se revestir de personalidade jurídica de direito privado, o
consórcio público observará as normas de direito público no que concerne à
realização de licitação, celebração de contratos, prestação de contas
e admissão de pessoal, que será regido pela Consolidação das Leis do
Trabalho - CLT.
Não há vedação para a admissão de pessoal no regime estatutário, que poderá
ocorrer nos consórcios públicos de direito público.
Gabarito 24. Errado.

25. (CESPE/2010/INCA/Analista em C&T Júnior - Direito -


Legislação Pública em Saúde)
A respeito das modalidades de acordos administrativos, julgue os
itens subsequentes.
É legal a constituição de um consórcio público cujos consorciados sejam,
exclusivamente, a União e dois municípios distintos, por exemplo.

Professor Jonatas Albino do Nascimento 29 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

Comentários.

Lei nº 11.107/05 - Parágrafo 2o do artigo primeiro:


A União somente poderá participar em consórcios em que façam parte
todos os Estados dos municípios consorciados.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Exemplo: A União não poderá participar de um consórcio que tenha os


seguintes participantes:

 Municípios: Rio de Janeiro, Belo Horizonte, São Paulo


 Estados: Rio de Janeiro, Minas Gerais.
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

Como o Estado de São Paulo não participa do consórcio, a União não poderá
atuar.

Gabarito 25. Errado.

26. (CESPE/2013/TRF – 1ª Região/Juiz Federal/ADAPTADA)


No que se refere às organizações sociais, julgue o item seguinte.
Para ser qualificada como organização social, a entidade deve firmar termo de
parceria com o ministério da área em que atua.
Comentários.

• OS: Para que seja concedida a qualificação de OS é também


necessária a celebração de contrato de gestão com o Poder Público.
Tal contrato deve ser aprovado pelo conselho de administração da OS e
pelo Ministro/autoridade supervisora da área.
• OSCIP: Após ser qualificada como OSCIP, a entidade poderá celebrar
termo de parceria com o Poder Público.
Gabarito 26. Errado.

27. (CESPE/2015/TRE-GO/Analista Judiciário – Área


Administrativa)
Acerca das entidades paraestatais e do terceiro setor, julgue o item seguinte.

As organizações da sociedade civil de interesse público são pessoas jurídicas


de direito privado que firmam contrato de gestão com o poder público, com a
finalidade de firmar parceria entre as partes, objetivando o fomento e a
execução de atividades de interesse social, sem fins lucrativos.
Comentários.

Professor Jonatas Albino do Nascimento 30 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

As organizações da sociedade civil de interesse público celebram termo de


parceria! Vejamos um esquema das principais características das organizações
sociais (OS) e das organizações da sociedade civil de interesse público
(OSCIPs):
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

OS OSCIP

•Natureza do ato de qualificação: •Natureza do ato de qualificação:


discricionário vinculado

•Celebra Contato de Gestão •Pode celebrar termo de


parceria (depende de processo
seletivo)
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

•Qualificação dada por Ministro •Qualificação realizada por


ou órgão da área de atuação Ministro da Justiça
e do MPOG

•Precisa ter Consenho de •Precisa de Conselho Fiscal ou


Administração e Diretoria órgão equivalente

Gabarito 27. Errado.

28. (CESPE/2013/TRF – 1ª Região/Juiz Federal/ADAPTADA)


No que se refere às organizações da sociedade civil de interesse público,
julgue o item seguinte.
As organizações da sociedade civil de interesse público devem possuir
conselho de administração em cuja composição haja representantes do poder
público e de entidades da sociedade civil, além de membros eleitos entre seus
associados e pessoas que tenham notória capacidade profissional e
reconhecida idoneidade moral.
Comentários.

Segundo a lei, as OSCIPs devem possuir um conselho fiscal ou órgão


equivalente. É permitida a participação de servidores na composição de tal
conselho.
Gabarito 28. Errado.

29. (CESPE/2014/TJ-CE/Analista Judiciário - Execução de


Mandados/ADAPTADA)
A respeito de organização administrativa, julgue o item subsequente.

Professor Jonatas Albino do Nascimento 31 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

As organizações sociais são pessoas jurídicas de direito público que celebram


contrato de gestão com o poder público para a prestação de serviços públicos
de natureza social.
Comentários.

As Organizações Sociais são pessoas jurídicas de direito privado não


Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

pertencentes à Administração Pública que desempenham em parceria com o


Estado serviços sociais não exclusivos do setor estatal e que tem grande
importância para a sociedade.
Gabarito 29. Errado.
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

30. (CESPE/ICMBio/2014)
No que diz respeito à organização administrativa, julgue o item subsecutivo.
A administração pública direta é composta por entidades autônomas, com
natureza de direito público ou privado, como as fundações públicas e também
as empresas públicas.
Comentários.

A administração pública Indireta é composta por entidades autônomas, com


natureza de direito público ou privado, como as fundações públicas e também
as empresas públicas.
Gabarito 30. Errado.

4.2 - ESAF
31. (ESAF - SEFAZ CE/2007)
Assinale a opção que contenha a pessoa jurídica de direito público que pode se
apresentar nas formas ordinária, de regime especial e fundacional.
a) Empresa Pública
b) Fundação Pública
c) Autarquia
d) Sociedade de Economia Mista
e) Serviço Social Autônomo.
Comentários.

As agências executivas são autarquias ou fundações sob regime especial.


Lembre-se que na aula passada falamos que quando se tratar de fundação da
API sob regime jurídico de direito público, estaríamos falando de uma espécie
de autarquia e que a autarquia pode ser qualificada como agência executiva
(autarquia de regime especial)?

Professor Jonatas Albino do Nascimento 32 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

Gabarito 31. C.

32. (ESAF - AFC - CGU /Auditoria e Fiscalização/2006)


Pelo sistema constitucional brasileiro, a categoria das agências reguladoras
apresenta competência de natureza:
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

a) legislativa e administrativa.
b) legislativa, administrativa e jurisdicional.
c) exclusivamente legislativa.
d) administrativa e jurisdicional.
e) exclusivamente administrativa.
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

Comentários.

As agências reguladoras apresentam capacidade administrativa e normativa,


mas nunca jurisdicional e legislativa. Notem que capacidade legislativa
pertence ao Congresso Nacional e suas casas, sendo a capacidade normativa
das agências reguladoras eminentemente técnica e limitada pelas leias. Logo
todas as alternativas que falam capacidade legislativa e jurisdicional devem
ser consideradas erradas.
Gabarito 32. E.

33. (ESAF - CVM)/2010)


Correlacione a Coluna I com a Coluna II indicando tratar-se de produto da
descentralização ou da desconcentração administrativa e, ao final, assinale a
opção correta.

a) 1, 2, 1, 2, 1
b) 2, 1, 2, 2, 1
c) 2, 2, 2, 1, 1
d) 1, 2, 1, 2, 2
e) 1, 2, 2, 2, 1
Professor Jonatas Albino do Nascimento 33 de 64
www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

Comentários.

CVM -> autarquia -> Descentralização -> 1


SRF -> órgão -> Desconcentração -> 2
SUSEP -> Autarquia -> Descentralização -> 1
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Polícia Federal -> Órgão -> Desconcentração ->2


CADE -> Autarquia -> Descentralização -> 1
Gabarito 33. A.

34. (ESAF - CVM/2010)


Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

Assinale a opção que contemple a distinção essencial entre as entidades


políticas e as entidades administrativas.
a) Personalidade jurídica.
b) Pertencimento à Administração Pública.
c) Autonomia administrativa.
d) Competência legislativa.
e) Vinculação ao atendimento do interesse público.
Comentários.

Como estudamos a principal diferença entre as entidades políticas e as


entidades administrativa é a competência legislativa.
Gabarito 34. D.

35. (ESAF - MPOG /2010)


Sobre a forma de prestação de serviços públicos, é correto afirmar:
a) a centralização administrativa é permitida; a concentração administrativa é
vedada.
b) a descentralização administrativa permite a participação de entes não-
estatais.
c) consórcios públicos são exemplos de desconcentração administrativa.
d) descentralização administrativa implica desconcentração administrativa.
e) a desconcentração administrativa pressupõe a existência de duas pessoas
jurídicas.
Comentários.

a) Falso. a concentração administrativa é vedada permitida.

Professor Jonatas Albino do Nascimento 34 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

b) Verdadeiro. Na delegação administração os serviços públicos são


delegados à empresas privadas, portanto entes não-estatais
c) Falso. Consórcios públicos são exemplos de desconcentração
descentralização administrativa.
d) Falso. descentralização administrativa NÃO NECESSARIAMENTE implica
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

desconcentração administrativa.
e) Falso. A desconcentração descentralização administrativa pressupõe a
existência de duas pessoas jurídicas.
Gabarito 35. B.
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

36. (ESAF - Ana Sist - Informática e Redes/2012)


A doutrina pátria costuma classificar a prestação de serviços públicos entre
concentrados e desconcentrados, centralizados e descentralizados. Tendo em
conta tal classificação, é correto afirmar que o serviço público realizado por
órgão com competência específica para tanto, integrante da estrutura de uma
entidade que compõe a administração indireta titular de tal serviço, configura
uma prestação de serviços
a) descentralizada por colaboração.
b) concentrada descentralizada.
c) desconcentrada centralizada.
d) concentrada centralizada.
e) desconcentrada descentralizada.
Comentários.

A prestação do serviço público está sendo realizada por órgão de entidade da


Administração Indireta, por isso ocorrer tanto descentralização (entidade da
API) quanto desconcentração (pois foi criado um órgão na estrutuda da
entidade da API).
Gabarito 36. E.

37. (ESAF - ATA MF/2012)


Analise os casos concretos narrados a seguir e classifique os como sendo
resultado de um dos fenômenos listados de acordo com o seguinte código:
C = centralização
D = descentralização
DCON = desconcentração.
Após a análise, assinale a opção que contenha a sequência correta.

Professor Jonatas Albino do Nascimento 35 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

1.1. Serviço de verificação da regularidade fiscal perante o fisco federal e


fornecimento da respectiva certidão negativa de débitos, prestado pela Receita
Federal do Brasil. ( )
1.2. Extinção de unidades de atendimento descentralizadas de determinado
órgão público federal para que o atendimento passe a ser feito exclusivamente
na unidade central. ( )
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

1.3. Serviços oficiais de estatística, geografia, geologia e cartografia,


prestados em âmbito nacional pelo Instituto Brasileiro de Geografia e
Estatística – IBGE. ( )
a) D / C / DCON
b) C / DCON / D
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

c) DCON / D / C
d) D / DCON / C
e) DCON / C / D
Comentários.
(I) Receita Federal ->órgão Administrativo -> Desconcentração -
DCON
(II) Extinção de entidades descentralizadas -> Centralização -> C.
Reparem que já poderíamos ter parado nesse item pois só há uma resposta
que atende
(III) Serviços prestados por Entidade da Administração Indireta ->
descentralização -> D
Gabarito 37. E.

38. (ESAF - AnaTA MF/2013)


Acerca dos fenômenos de desconcentração e descentralização, correlacione as
características listadas na Coluna I com o fenômeno-tipo descrito na Coluna II.
Ao final, assinale a opção que expresse a sequência correta para a Coluna I.

Coluna I Coluna II

( ) É um fenômeno
externo, por transferir
atribuições a outra
pessoa. (1) Descentralização

( ) Trata-se de (2) Desconcentração.


organização interna de
atribuições.

Professor Jonatas Albino do Nascimento 36 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

( ) Cria unidades
administrativas sem
personalidade jurídica.

a) 1 – 2 – 1
b) 1 – 1 – 2
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

c) 2 – 1 – 2
d) 1 – 2 – 2
e) 2 – 2 – 2
Comentários.
1. fenômeno externo, atribuição a outra pessoa -> descentralização:1
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

2. organização interna de atribuições -> dentro da mesma PJ ->


Desconcentração: 2
3. cria unidades administrativas sem PJ - > criação de órgãos ->
desconcentração: 2
Gabarito 38. D.

39. (ESAF - AnaTA - MTUR/2014)


Assinale a opção que preencha adequadamente as lacunas do texto abaixo.
Ocorre a chamada ________________ administrativa quando o estado
desempenha algumas de suas atribuições por meio de outras pessoas e não
pela sua administração direta.
Por que a ___________________ ocorre no âmbito de uma mesma pessoa
jurídica, surge relação de hierarquia, de subordinação entre os órgãos dela
resultantes.
Em nenhuma forma de _________________ há hierarquia.
A _______________________ ocorre exclusivamente dentro da estrutura de
uma mesma pessoa jurídica.
a) Desconcentração / descentralização / descentralização/desconcentração.
b) Descentralização / descentralização / desconcentração/descentralização.
c) Desconcentração / desconcentração / descentralização/desconcentração.
d) Descentralização / desconcentração / desconcentração/descentralização.
e) Descentralização / desconcentração / descentralização/desconcentração.
Comentários.

Vamos completar os quadros:

Professor Jonatas Albino do Nascimento 37 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

“Ocorre a chamada descentralização administrativa quando o estado


desempenha algumas de suas atribuições por meio de outras pessoas e não
pela sua administração direta.
Por que a desconcentração ocorre no âmbito de uma mesma pessoa
jurídica, surge relação de hierarquia, de subordinação entre os órgãos dela
resultantes.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Em nenhuma forma de descentralização há hierarquia.


A desconcentração ocorre exclusivamente dentro da estrutura de uma
mesma pessoa jurídica.”
Gabarito 39. E.
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

40. (ESAF - AFRFB/2014)


Considere que o Poder Público conserve a titularidade de determinado serviço
público a que tenha transferido a execução à pessoa jurídica de direito
privado. Nessa situação, a descentralização é denominada:
a) por colaboração.
b) funcional.
c) técnica.
d) geográfica.
e) por serviços.
Comentários.

Como estudamos, a transferência da execução de serviços públicos aos


particulares é uma forma de descentralização administrativa por delegação ou
por colaboração.
Gabarito 40. A.

41. (ESAF - AFC – CGU - Auditoria e Fiscalização/2006)


Com a transferência da execução de alguns serviços públicos para o setor
privado, tornou-se necessário criar, na administração pública, agências
especiais destinadas a regular, controlar e fiscalizar tais serviços no interesse
dos usuários e da sociedade. São aspectos comuns às agências reguladoras de
infraestrutura, exceto,
a) os seus quadros de servidores são regidos por regime jurídico estatuário
peculiar.
b) os seus dirigentes são nomeados pelo Presidente da República, com prévia
aprovação do Senado Federal.

Professor Jonatas Albino do Nascimento 38 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

c) os seus administradores possuem mandatos fixos como fundamento de sua


independência administrativa.
d) os que possuem autonomia financeira, ou seja, contam com recursos
próprios e têm liberdade para aplicá-los.
e) os que possuem poder normativo, ou seja, podem editar sobre matérias de
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

sua competência.
Comentários.

(a) Falso. Como desempenham atividades típicas de Estado seus agentes são
servidores estatutários, sem existir um regime estatutário peculiar.
Importante lembrar que o art 1º da Lei 9986 que previa a aplicação do regime
celetista para os agentes das ARs teve sua eficácia suspensa por liminar
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

concedida pelo STF.


(b) Verdadeiro. Essa é a regra geral das ARs federais.
(c) Verdadeiro. O mandado fixo ajuda na garantia de estabilidade e ao mesmo
tempo de temporalidade de seus dirigentes (ninguém irá ficar ali para sempre)
(d) Verdadeiro. Autonomia financeia é uma das características das ARs
(e) Verdadeiro. Possuem poder normativo de caráter técnico.
Gabarito 41. A.

42. (ESAF – SUSEP - Administração e Finanças/2010)


Acerca do tema "Agências Executivas e Agências Reguladoras", é correto
afirmar:
a) a denominação "Agência Executiva" designa um título jurídico que pode ser
atribuído a autarquias e fundações públicas, não traduzindo uma nova forma
de pessoa jurídica pública.
b) as Agências Reguladoras gozam de uma autonomia precária, conferida pela
simples contratualização de suas atividades.
c) as Agências Executivas surgem da descentralização do Estado e da
substituição da sua função empreendedora, o que requer o fortalecimento das
funções de fiscalização.
d) na União, o título de Agência Reguladora é conferido mediante decreto do
Presidente da República.
e) em geral, as Agências Reguladoras implementam as políticas públicas, sem
se ocuparem de disciplinar a atuação de outras entidades
Comentários.
a) Verdadeiro. As AEs são autarquias e fundações públicas com uma
qualifidacação especial

Professor Jonatas Albino do Nascimento 39 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

b) Falso. Não tem nada de precário na autonomia das ARs


c) Falso. as Agências Executivas Reguladoras surgem da descentralização
do Estado e da substituição da sua função empreendedora, o que requer o
fortalecimento das funções de fiscalização.
d) Falso. Na União, o título de Agência Reguladora Executiva é conferido
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

mediante decreto do Presidente da República.


e) Falso. É exatamente o contrário – as ARs se preocupam em disciplicar a
atuação das empreas
Gabarito 42. A.
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

43. (ESAF - Ag Exec - CVM/2010)


A lei que cria entidade da administração indireta assegurando-lhe mecanismos
de autonomia administrativa, financeira e gerencial, a fim de que ela possa
atingir seus objetivos, entre eles o de assegurar a prestação de serviços
públicos adequados, está criando:
a) Fundação Pública.
b) Empresa Pública.
c) Sociedade de Economia Mista.
d) Autarquia Ordinária.
e) Agência Reguladora.
Comentários.

Como a questão fala que a entidade é criada por lei já podemos eliminar as
opções A, B e C. Como vimos a questão da autonomia administrativa
financeira e gerencial é garantida as autarquias de regime especial, ou seja, as
ARs e AEs.
Gabarito 43. E.

44. (ESAF - Pref RJ/2010)


Sobre a organização da administração pública brasileira, é correto afirmar
que:
a) por serem qualificadas como autarquias de natureza especial, as agências
reguladoras integram a administração direta.
b) ao contrário do que ocorre em relação às autarquias, a lei não cria
empresas públicas, apenas autoriza sua instituição.
c) agências reguladoras e agências executivas são categorias de entidades
pertencentes à administração indireta.
d) a Constituição Federal veda, aos municípios, a criação de autarquias.

Professor Jonatas Albino do Nascimento 40 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

e) no âmbito federal, as empresas públicas subordinam-se, hierarquicamente,


aos ministérios a que se vinculem.
Comentários.

a) Falso. Por serem qualificadas como autarquias de natureza especial, as


agências reguladoras integram a administração direta indireta.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

b) Verdadeiro.
c) Falso. Não são categorias, mas apenas qualificações.
d) Falso. Não há essa previsão na CF
e) Falso. No âmbito federal, as empresas públicas subordinam-se,
hierarquicamente, vinculam-se aos ministérios a que se vinculem.
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

Gabarito 44. B.

45. (ESAF - EPPGG/2009)


Com relação às Agências Reguladoras no Brasil, indique a opção incorreta.
a) Após a instituição do Programa de Desestatização, em 1997, foram criadas
a Agência Nacional de Telecomunicações, a Agência Nacional do Petróleo e a
Agência Nacional de Energia Elétrica, todas elas para a regulamentação e
controle de atividades até então exercidas pelo Estado como monopólio.
b) A função das agências reguladoras é ditar as normas de condução entre os
agentes envolvidos: o Poder Público, o prestador de serviços e os usuários.
c) A agência reguladora é uma pessoa jurídica de direito público interno,
geralmente constituída sob a forma de autarquia especial ou outro ente da
administração indireta.
d) As agências reguladoras são dotadas de autonomia política, financeira,
normativa e de gestão.
e) As agências reguladoras não estão sujeitas às normas gerais de licitação.
Comentários.
a) Verdadeiro. É necessário decorar tudo isso? Acho desnecessário pois
basta saber que as ARs são produtos do programa de desestatização do
Estado.
b) Verdadeiro. Como vimos as ARs atuam regulando setores do mercado
para que este possam ser desenvolvidos sem prejuízo na qualidade dos
serviços públicos.
c) Verdadeiro. Até agora desconheço uma AR que não seja autarquiam e a
própria Lei 9986 que regula as ARs no plano federal fala apenas de autarquias.
Entretanto como os outros entes também podem instituir ARs não podemos
dizer que não é possível que outras entidades da API não possam fazê-lo

Professor Jonatas Albino do Nascimento 41 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

d) “Verdadeiro”. Essa ai tem que ter uma boa dose de boa vontade.
Autonomia política de autarquia? Entretanto não tem como brigar com a
banca. Pelo enunciado da próxima opção dá pra escolher a letra E, dizer que
isso aqui está certo é complicado.
e) Falso. Como entidades da API as ARs estão sujeitas ao regime de
licitações.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Gabarito 45. E.

46. (ESAF – TSIET - Estradas/2013)


A respeito das agências reguladoras e das agências executivas, analise as
assertivas abaixo, classificando-as como Verdadeiras (V) ou Falsas (F).
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

Ao final, assinale a opção que contenha a sequência correta.


( ) A agência executiva é uma nova espécie de entidade integrante da
Administração Pública Indireta.
( ) O grau de autonomia da agência reguladora depende dos instrumentos
específicos que a respectiva lei instituidora estabeleça.
( ) Ao contrário das agências reguladoras, as agências executivas não têm
área específica de atuação.
( ) As agências executivas podem ser autarquias ou fundações públicas.
a) V, F, V, V
b) F, V, V, V
c) F, F, V, V
d) V, V, V, F
e) F, F, F, V
Comentários.
(I) Falso. A agência executiva NÃO é uma nova espécie de entidade
integrante da Administração Pública Indireta.
(II) Verdadeiro. A lei que institui a AG pode estabelecer maior ou menos
autonomia.
(III) Verdadeiro. Notem que já no item anterior poderíamos ter marcado a
opção B. As AEs não têm uma área definida.
(IV) Verdadeiro.
Gabarito 46. B.

47. (ESAF - AFC - STN/2013)

Professor Jonatas Albino do Nascimento 42 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

A transferência da função normativa (sobre matérias determinadas) da sede


legislativa estatal para outra sede normativa denomina-se:
a) Remissão.
b) Delegação receptícia.
c) Reserva legal.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

d) Deslegalização.
e) Desconcentração.
Comentários.

Ainda não Estudamos os itens A, B e C. Entretanto sabemos que não é letra E


(desconcentração) e que o conceito descrito é a deslegalização, que consiste
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

no ente com capacidade legislativa plena estabecer que determinada matéria


deve ser normatizada por uma outra entidade e não mais por lei em sentido
estrito.
Gabarito 47. D.

48. (ESAF/Proc DF/2007)


No tocante às agências reguladoras no Direito Brasileiro:
I. As agências reguladoras são autarquias sob regime especial;
II. Entre as atividades afetas à disciplina e controle de tais entidades
destacam-se os serviços públicos relacionados à energia elétrica, transportes
terrestres, transportes aquaviários, aviação civil, atividades de fomento e
fiscalização de atividade privada;
III. A Constituição Federal de 1988 prevê expressamente a criação de um
órgão regulador;
IV. As agências reguladoras exercem a atividade de regulação, abrangendo
competência para estabelecer regras de conduta, para fiscalizar, reprimir,
punir, resolver conflitos, não só no âmbito da própria concessão, mas também
nas relações com outras prestadoras de serviço;
V. Nos termos da Lei n. 9.986/2000, as agências reguladoras podem utilizar o
pregão para as contratações referentes a obras e serviços de engenharia.
A quantidade de itens incorretos é igual a:
a) 4
b) 2
c) 3
d) 1
e) 5

Professor Jonatas Albino do Nascimento 43 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

Comentários.

(I) Verdadeiro.
(II) Verdadeiro. O examinador cita diversos setores que são regulados pelas
ARs.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

(III) Verdadeiro. Para a ANP e Anatel, a assertiva está correta.


(IV) Verdadeiro. É a atividade básica ds ARs.
(V) Falso. Nos termos da Lei n. 9.986/2000:

Art. 37. A aquisição de bens e a contratação de serviços pelas Agências


Reguladoras poderá se dar nas modalidades de consulta e pregão, observado
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

o disposto nos arts. 55 a 58 da Lei no 9.472, de 1997, e nos termos de


regulamento próprio.
Parágrafo único. O disposto no caput não se aplica às contratações
referentes a obras e serviços de engenharia, cujos procedimentos
deverão observar as normas gerais de licitação e contratação para a
Administração Pública.
De acordo com o parágrafo único, deverão ser observados os dipositivos da
Lei 8.666/93 (normas gerais de licitação e contratação para a Administração
Pública):

Art. 22. São modalidades de licitação:


I - concorrência;
II - tomada de preços;
III - convite;
IV - concurso;
V - leilão.

Art. 23. As modalidades de licitação a que se referem os incisos I a III


do artigo anterior serão determinadas em função dos seguintes limites,
tendo em vista o valor estimado da contratação:
I - para obras e serviços de engenharia:
a) convite - até R$ 150.000,00 (cento e cinqüenta mil reais);
b) tomada de preços - até R$ 1.500.000,00 (um milhão e quinhentos mil
reais);
c) concorrência: acima de R$ 1.500.000,00 (um milhão e quinhentos mil
reais);

Professor Jonatas Albino do Nascimento 44 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

Gabarito 48. D.

49. (ESAF – AFRFB - Tributária e Aduaneira/2005)


Assinale entre o seguinte rol de entidades de cooperação com o Poder Público,
não-integrantes do rol de entidades descentralizadas, aquela que pode
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

resultar de extinção de entidade integrante da Administração Pública Indireta.


a) Organização social.
b) Fundação previdenciária.
c) Organização da sociedade civil de interesse público.
d) Entidade de apoio às universidades federais.
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

e) Serviço social autônomo.


Comentários.

Como falamos o conceito de publicização está diretamente ligado a passagem


de atividades do Estado para o setor não estatal, inclusive com a
transformação de entidades da API em Organizações Sociais.
Gabarito 49. A.

50. (ESAF – AFRFB - Auditoria/2003)


Não há previsão legal para a celebração de contrato de gestão entre a pessoa
jurídica de direito público política e a seguinte espécie:
a) órgão público
b) organização social
c) agência executiva
d) organização da sociedade civil de interesse público
e) sociedade de economia mista
Comentários.

O instrumento adequado para a parceria entre o Estado e as OSCIPs é o


termos de parceria e não contrato de gestão.
Gabarito 50. D.

51. (ESAF – CGU - Auditoria e Fiscalização – Saúde- 2008)


Sobre as Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público - OSCIP, julgue
as assertivas a seguir:
I. a outorga da qualificação como OSCIP é ato discricionário.

Professor Jonatas Albino do Nascimento 45 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

II. as entidades de beneficio mútuo destinadas a proporcionar bens ou


serviços a um círculo restrito de associados ou sócios são passíveis de
qualificação como OSCIP prevista na lei.
III. a promoção da segurança alimentar e nutricional é uma das finalidades
exigidas para a qualificação como OSCIP, instituída pela lei.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

IV. as organizações sociais são passíveis de qualificação como OSCIP.


V. as fundações, sociedades civis ou associações de direito privado criadas por
órgão público ou por fundações públicas não poderão ser qualificadas como
OSCIP.
Assinale a opção correta.
a) I, II e III são verdadeiras e IV e V são falsas.
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

b) II e III são falsas e I, IV e V são verdadeiras.


c) I e III são verdadeiras e II, IV e V são falsas.
d) I, III e V são verdadeiras e II e IV são falsas.
e) I, II e IV são falsas e III e V são verdadeiras.
Comentários.

Excelente questão de OSCIP. Vamos avaliar cada item


I – Falso. Como sabemos a qualificação de OSCIP é ato vinculado – atendeu os
requisitos a APU tem que conceder a qualificação. Notem que daqui já
sabemos que a resposta é letra E, pois é a única opção onde o item I é dado
como falso. O concurseiro tem que ficar esperto pois muitas vezes a banca
prepara uma questão que apesar de não ser difícil acaba tirando mais tempo
do que o necessário se você estiver sempre de olho na resposta ao invés de só
olhar para as opções depois de avaliar todas as alternativas. Vamos avaliar os
demais itens a título de revisão.
II – Falso. As entidades de benefício mútuo não podem ser qualificadas como
OSCIP. Sei que muitos devem estar pensando “”Poxa,, mas é impossível
decorar aquela lista imensa.”. Pessoal, mas do que decorar é preciso aprender
a pensar. Você acha razoável que uma entidade de benefício mútuo, que tem
como característica que como regra só aqueles que atendam certos requisitos
possam participar seja qualificada como OSCIP? Claro que não
III – Verdadeiro. Está listado na lei.
IV – Falso. A entidade não pode ser OS e OSCIP ao mesmo tempo
V - Verdadeiro. Tipos de entidades que estão listados na lei como
impossibilitados de se tornarem OSCIP. Aqui mais uma vez a necessidade do
candidato manter a calma quando chegar numa questão em que ele não tenha
tudo decorado. Obviamente este seria um caso de típico conflito de interesses
e por isso é vedado.

Professor Jonatas Albino do Nascimento 46 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

Gabarito 51. E.

4.3 - FCC
52. (FCC/Proc Leg CamMun SP/2014)
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

No que tange aos órgãos públicos, é correto afirmar:


a) A teoria do mandato é a explicação adotada pela doutrina atual para
explicar a expressão da vontade estatal pelos órgãos públicos e pelos agentes
administrativos que os compõem.
b) Somente se pode proceder à criação de um órgão público mediante lei de
iniciativa da Chefia do Poder Executivo, sob pena de inconstitucionalidade por
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

vício de iniciativa.
c) Como regra, os órgãos públicos são destituídos de capacidade processual;
porém, a doutrina e a jurisprudência nacionais vêm reconhecendo tal
capacidade a órgãos de status constitucional, quando necessária à defesa de
suas prerrogativas e competências institucionais.
d) O Chefe do Poder Executivo pode, por decreto, promover a extinção de
órgãos públicos, quando seus cargos estiverem vagos.
e) As Câmaras Municipais não são propriamente órgãos públicos, mas entes
autárquicos, dado a autonomia que lhes é conferida pela Constituição.
Comentários.
a) Falso. A teoria adotada atualmente é a teoria do órgão
b) Falso. Essa regra só é válida para o Poder Executivo.
c) Verdadeiro. Comentamos isso no curso
d) Falso. A banca tenta confundir o candidato com a prerrogativa do Chefe
do Executivo poder extinguir funções e cargos públicos, quando vagos, por
decreto autônomo
e) Falso. As Câmaras são sim órgãos públicos.
Gabarito 52. C.

Professor Jonatas Albino do Nascimento 47 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

5 – Lista de exercícios

5.1 - CESPE
1. (CESPE/2014/TJ-CE/Analista Judiciário - Execução de
Mandados/ADAPTADA)
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

A respeito de organização administrativa, julgue o item subsequente.


São consideradas agências executivas as autarquias, fundações, empresas
públicas e sociedades de economia mista que apresentam regime jurídico
especial que lhes concede maior autonomia em relação ao ente federativo que
as criou.
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

2. (CESPE/2013/ANP/Todos os Cargos)
No que concerne à organização administrativa e à administração pública direta
e indireta, julgue os itens subsequentes.
Compete às agências reguladoras controlar as atividades que constituem
objeto de concessão ou permissão de serviço público ou de atividade
econômica monopolizada pelo Estado, a exemplo da ANP.

3. (CESPE/2014/TJ-CE/Analista Judiciário - Execução de


Mandados/ADAPTADA)
A respeito de organização administrativa, julgue o item subsequente.
Os consórcios públicos sob o regime jurídico de direito público são associações
públicas sem personalidade jurídica criadas para a gestão associada de
serviços públicos de interesse de mais de um ente federativo.

4. (CESPE - ACE - TC-DF/2014) Julgue o item seguinte, relativo aos


contratos celebrados entre o poder público do DF e os agentes privados.
O governador do DF poderá desqualificar a organização social que descumprir
o disposto no contrato de gestão, independentemente da abertura de processo
administrativo.

5. (CESPE - Ag Adm - MTE/2014)


Acerca das organizações da sociedade civil de interesse público (OSCIP),
julgue o item a seguir.
A qualificação de uma pessoa jurídica de direito privado como OSCIP ocorre
por meio de ato de ministro de Estado ou titular de órgão supervisor, ou ainda
pelo regulador da área de atividade correspondente ao seu objeto social.

Professor Jonatas Albino do Nascimento 48 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

6. (CESPE/2014/ANTAQ/Conhecimentos Básicos – Cargos 1 a 4)


Em relação à organização administrativa do Estado brasileiro, julgue o item a
seguir.
As entidades que compõem o serviço social autônomo prestam serviço público
e, por isso, integram a administração pública indireta, estando sujeitas ao
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

controle do tribunal de contas.

7. (CESPE/2013/ANP/Todos os Cargos)
No que concerne à organização administrativa e à administração pública direta
e indireta, julgue os itens subsequentes.
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

O pessoal das empresas públicas, das sociedades de economia mista e das


agências reguladoras, como regra, se submete ao regime trabalhista comum,
próprio da Consolidação das Leis do Trabalho.

8. (CESPE/2014/ANTAQ/Conhecimentos Básicos – Cargos 5 e 6)


Julgue os próximos itens, acerca das agências reguladoras e das teorias da
regulação.

Dada a importância da ANTAQ como autoridade administrativa independente


das atividades portuárias e de transporte aquaviário, ela figura entre as três
primeiras agências criadas com assento constitucional, ao lado da Agência
Nacional do Petróleo (ANP) e da Agência Nacional de Telecomunicações
(ANATEL).

9. (CESPE/2014/ANTAQ/Conhecimentos Básicos – Cargos 5 e 6)


Julgue os próximos itens, acerca das agências reguladoras e das teorias da
regulação.
A criação das agências reguladoras advém da política econômica adotada no
Brasil na década de 90 do século XX, quando ocorreram privatizações
decorrentes do Plano Nacional de Desestatização.

10. (CESPE/2014/ANTAQ/Conhecimentos Básicos – Cargos 1 a 4)


Em relação à organização administrativa do Estado brasileiro, julgue o item a
seguir.
O poder normativo das agências reguladoras, cujo objetivo é atender à
necessidade crescente de normatividade baseada em questões técnicas com
mínima influência política, deve estar amparado em fundamento legal.

Professor Jonatas Albino do Nascimento 49 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

11. (CESPE/2014/ANTAQ/Técnico Administrativo)


Acerca dos órgãos reguladores no Brasil, julgue o item a seguir.
A autonomia funcional concedida por lei às agências reguladoras resulta em
processo decisório que reflete as demandas políticas de curto prazo.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

12. (CESPE/2014/ANTAQ/Conhecimentos Básicos – Cargos 1 a 4)


Julgue o próximo item, acerca das agências reguladoras e das teorias da
regulação.

O preço e o número de empresas são variáveis críticas para os reguladores:


além de regular a entrada de novas empresas, a agência reguladora também
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

controla as empresas reguladas existentes.


13. (CESPE/2014/ANTAQ/Técnico em Regulação)
Julgue o item subsecutivo, com relação às agências reguladoras.

A função normativa das agências reguladoras se equipara à função


regulamentar do chefe do Poder Executivo de complementação das leis.

14. (CESPE/2013/ANTT/Especialista em Regulação de Serviços e


Transportes Terrestres)
Julgue o item subsecutivo, referente ao poder normativo das agências
reguladoras.
A função normativa das agências reguladoras, exercida com vistas ao
equilíbrio do subsistema regulado, não se equipara ao poder regulamentar de
competência do chefe do Poder Executivo.

15. (CESPE/2014/ANTAQ/Técnico em Regulação)


Julgue o item subsecutivo, com relação às agências reguladoras.
As agências reguladoras exercem função normativa primária, observadas as
normas hierarquicamente superiores.

16. (CESPE/2015/STJ/Analista Judiciário - Administrativa)


No tocante aos poderes administrativos, julgue o seguinte item.

O fenômeno da deslegalização, também chamada de delegificação, significa


a retirada, pelo próprio legislador, de certas matérias do domínio da lei,
passando-as para o domínio de regulamentos de hierarquia inferior.

Professor Jonatas Albino do Nascimento 50 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

17. (CESPE/2015/TRF-5ª Região/Juiz Federal


Substituto/ADAPTADA)
Considerando a disciplina legal acerca das agências reguladoras e das
agências executivas, julgue o seguinte item.
Apenas as autarquias podem, mediante iniciativa do advogado-geral da União,
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

ser qualificadas como agências executivas, desde que possuam um plano


estratégico de reestruturação e de desenvolvimento institucional que definam
diretrizes, políticas e medidas voltadas para a racionalização de sua estrutura.

18. (CESPE/2015/TRF-5ª Região/Juiz Federal


Substituto/ADAPTADA)
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

Considerando a disciplina legal acerca das agências reguladoras e das


agências executivas, julgue o seguinte item.
A qualificação de uma entidade como agência reguladora é efetivada por meio
de decreto do chefe do Poder Executivo, a partir do que deverá assinar
contrato de gestão com o respectivo ministério ao qual é subordinada.

19. (CESPE/2015/TRF-5ª Região/Juiz Federal


Substituto/ADAPTADA)
Considerando a disciplina legal acerca das agências reguladoras e das
agências executivas, julgue o seguinte item.
A agência executiva deve celebrar contrato de gestão com o respectivo
ministério supervisor, com periodicidade mínima de um ano, no qual se
estabelecerão os objetivos, metas e indicadores de desempenho da entidade,
bem como os recursos necessários e os critérios e instrumentos para a
avaliação do seu cumprimento.

20. (CESPE/2015/TRF-5ª Região/Juiz Federal


Substituto/ADAPTADA)
Considerando a disciplina legal acerca das agências reguladoras e das
agências executivas, julgue o seguinte item.
Pela técnica da deslegalização, mediante a qual o próprio legislador retirou
certas matérias do domínio da lei, as agências reguladoras podem editar atos
normativos dotados de conteúdo técnico que disciplinem matérias que
deveriam ser reguladas por lei ordinária e por lei complementar, desde que
expressamente autorizadas pela legislação pertinente.

21. (CESPE/2015/TRF-5ª Região/Juiz Federal


Substituto/ADAPTADA)

Professor Jonatas Albino do Nascimento 51 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

Considerando a disciplina legal acerca das agências reguladoras e das


agências executivas, julgue o seguinte item.
As agências reguladoras são autarquias com regime jurídico especial, dotadas
de autonomia em relação ao ente central, razão pela qual não se admite a
interposição de recurso hierárquico impróprio contra suas decisões nem a
demissão de seus dirigentes, salvo mediante sentença transitada em julgado.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

22. (CESPE/2014/Câmara dos Deputados/Analista Legislativo)


No que diz respeito a convênio, a consórcio público e a parceria público-
privada (PPP), julgue o item que se segue.
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

Duas entidades federativas podem instituir uma pessoa jurídica autônoma,


que materializará a criação de um consórcio.

23. (CESPE/2014/MTPS/Agente Administrativo)


Com base nas disposições da Lei n.º 11.107/2005, que disciplina o consórcio
público, julgue o próximo item.
Caso um estado-membro da Federação pretenda participar de consórcio
público, ele deverá subscrever um protocolo de intenções, o qual deverá ser
ratificado por lei, salvo se o ente federativo, no momento do protocolo, já tiver
editado lei disciplinadora sobre sua participação no consórcio.

24. (CESPE/2013/AGU/Procurador Federal)


Com relação a convênios e consórcios administrativos, julgue os itens
subsecutivos.

Embora o consórcio público possa adquirir personalidade jurídica de direito


público ou de direito privado, em ambas as hipóteses a contratação de pessoal
deverá ser regida pela Consolidação das Leis do Trabalho, pois a legislação
veda a admissão de pessoal no regime estatutário.

25. (CESPE/2010/INCA/Analista em C&T Júnior - Direito -


Legislação Pública em Saúde)
A respeito das modalidades de acordos administrativos, julgue os
itens subsequentes.
É legal a constituição de um consórcio público cujos consorciados sejam,
exclusivamente, a União e dois municípios distintos, por exemplo.

26. (CESPE/2013/TRF – 1ª Região/Juiz Federal/ADAPTADA)

Professor Jonatas Albino do Nascimento 52 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

No que se refere às organizações sociais, julgue o item seguinte.


Para ser qualificada como organização social, a entidade deve firmar termo de
parceria com o ministério da área em que atua.

27. (CESPE/2015/TRE-GO/Analista Judiciário – Área


Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Administrativa)
Acerca das entidades paraestatais e do terceiro setor, julgue o item seguinte.

As organizações da sociedade civil de interesse público são pessoas jurídicas


de direito privado que firmam contrato de gestão com o poder público, com a
finalidade de firmar parceria entre as partes, objetivando o fomento e a
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

execução de atividades de interesse social, sem fins lucrativos.

28. (CESPE/2013/TRF – 1ª Região/Juiz Federal/ADAPTADA)


No que se refere às organizações da sociedade civil de interesse público,
julgue o item seguinte.
As organizações da sociedade civil de interesse público devem possuir
conselho de administração em cuja composição haja representantes do poder
público e de entidades da sociedade civil, além de membros eleitos entre seus
associados e pessoas que tenham notória capacidade profissional e
reconhecida idoneidade moral.

29. (CESPE/2014/TJ-CE/Analista Judiciário - Execução de


Mandados/ADAPTADA)
A respeito de organização administrativa, julgue o item subsequente.
As organizações sociais são pessoas jurídicas de direito público que celebram
contrato de gestão com o poder público para a prestação de serviços públicos
de natureza social.

30. (CESPE/ICMBio/2014)
No que diz respeito à organização administrativa, julgue o item subsecutivo.
A administração pública direta é composta por entidades autônomas, com
natureza de direito público ou privado, como as fundações públicas e também
as empresas públicas.

5.2 - ESAF
31. (ESAF - SEFAZ CE/2007)

Professor Jonatas Albino do Nascimento 53 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

Assinale a opção que contenha a pessoa jurídica de direito público que pode se
apresentar nas formas ordinária, de regime especial e fundacional.
a) Empresa Pública
b) Fundação Pública
c) Autarquia
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

d) Sociedade de Economia Mista


e) Serviço Social Autônomo.

32. (ESAF - AFC - CGU /Auditoria e Fiscalização/2006)


Pelo sistema constitucional brasileiro, a categoria das agências reguladoras
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

apresenta competência de natureza:


a) legislativa e administrativa.
b) legislativa, administrativa e jurisdicional.
c) exclusivamente legislativa.
d) administrativa e jurisdicional.
e) exclusivamente administrativa.

33. (ESAF - CVM)/2010)


Correlacione a Coluna I com a Coluna II indicando tratar-se de produto da
descentralização ou da desconcentração administrativa e, ao final, assinale a
opção correta.

a) 1, 2, 1, 2, 1
b) 2, 1, 2, 2, 1
c) 2, 2, 2, 1, 1
d) 1, 2, 1, 2, 2
e) 1, 2, 2, 2, 1

Professor Jonatas Albino do Nascimento 54 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

34. (ESAF - CVM/2010)


Assinale a opção que contemple a distinção essencial entre as entidades
políticas e as entidades administrativas.
a) Personalidade jurídica.
b) Pertencimento à Administração Pública.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

c) Autonomia administrativa.
d) Competência legislativa.
e) Vinculação ao atendimento do interesse público.

35. (ESAF - MPOG /2010)


Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

Sobre a forma de prestação de serviços públicos, é correto afirmar:


a) a centralização administrativa é permitida; a concentração administrativa é
vedada.
b) a descentralização administrativa permite a participação de entes não-
estatais.
c) consórcios públicos são exemplos de desconcentração administrativa.
d) descentralização administrativa implica desconcentração administrativa.
e) a desconcentração administrativa pressupõe a existência de duas pessoas
jurídicas.

36. (ESAF - Ana Sist - Informática e Redes/2012)


A doutrina pátria costuma classificar a prestação de serviços públicos entre
concentrados e desconcentrados, centralizados e descentralizados. Tendo em
conta tal classificação, é correto afirmar que o serviço público realizado por
órgão com competência específica para tanto, integrante da estrutura de uma
entidade que compõe a administração indireta titular de tal serviço, configura
uma prestação de serviços
a) descentralizada por colaboração.
b) concentrada descentralizada.
c) desconcentrada centralizada.
d) concentrada centralizada.
e) desconcentrada descentralizada.

37. (ESAF - ATA MF/2012)


Analise os casos concretos narrados a seguir e classifique os como sendo
resultado de um dos fenômenos listados de acordo com o seguinte código:

Professor Jonatas Albino do Nascimento 55 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

C = centralização
D = descentralização
DCON = desconcentração.
Após a análise, assinale a opção que contenha a sequência correta.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

1.1. Serviço de verificação da regularidade fiscal perante o fisco federal e


fornecimento da respectiva certidão negativa de débitos, prestado pela Receita
Federal do Brasil. ( )
1.2. Extinção de unidades de atendimento descentralizadas de determinado
órgão público federal para que o atendimento passe a ser feito exclusivamente
na unidade central. ( )
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

1.3. Serviços oficiais de estatística, geografia, geologia e cartografia,


prestados em âmbito nacional pelo Instituto Brasileiro de Geografia e
Estatística – IBGE. ( )
a) D / C / DCON
b) C / DCON / D
c) DCON / D / C
d) D / DCON / C
e) DCON / C / D

38. (ESAF - AnaTA MF/2013)


Acerca dos fenômenos de desconcentração e descentralização, correlacione as
características listadas na Coluna I com o fenômeno-tipo descrito na Coluna II.
Ao final, assinale a opção que expresse a sequência correta para a Coluna I.

Coluna I Coluna II

( ) É um fenômeno
externo, por transferir
atribuições a outra
pessoa.

(1) Descentralização
( ) Trata-se de
organização interna de
(2) Desconcentração.
atribuições.

( ) Cria unidades
administrativas sem
personalidade jurídica.

a) 1 – 2 – 1
b) 1 – 1 – 2

Professor Jonatas Albino do Nascimento 56 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

c) 2 – 1 – 2
d) 1 – 2 – 2
e) 2 – 2 – 2
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

39. (ESAF - AnaTA - MTUR/2014)


Assinale a opção que preencha adequadamente as lacunas do texto abaixo.
Ocorre a chamada ________________ administrativa quando o estado
desempenha algumas de suas atribuições por meio de outras pessoas e não
pela sua administração direta.
Por que a ___________________ ocorre no âmbito de uma mesma pessoa
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

jurídica, surge relação de hierarquia, de subordinação entre os órgãos dela


resultantes.
Em nenhuma forma de _________________ há hierarquia.
A _______________________ ocorre exclusivamente dentro da estrutura de
uma mesma pessoa jurídica.
a) Desconcentração / descentralização / descentralização/desconcentração.
b) Descentralização / descentralização / desconcentração/descentralização.
c) Desconcentração / desconcentração / descentralização/desconcentração.
d) Descentralização / desconcentração / desconcentração/descentralização.
e) Descentralização / desconcentração / descentralização/desconcentração.

40. (ESAF - AFRFB/2014)


Considere que o Poder Público conserve a titularidade de determinado serviço
público a que tenha transferido a execução à pessoa jurídica de direito
privado. Nessa situação, a descentralização é denominada:
a) por colaboração.
b) funcional.
c) técnica.
d) geográfica.
e) por serviços.

41. (ESAF - AFC – CGU - Auditoria e Fiscalização/2006)


Com a transferência da execução de alguns serviços públicos para o setor
privado, tornou-se necessário criar, na administração pública, agências
especiais destinadas a regular, controlar e fiscalizar tais serviços no interesse
dos usuários e da sociedade. São aspectos comuns às agências reguladoras de
infraestrutura, exceto,

Professor Jonatas Albino do Nascimento 57 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

a) os seus quadros de servidores são regidos por regime jurídico estatuário


peculiar.
b) os seus dirigentes são nomeados pelo Presidente da República, com prévia
aprovação do Senado Federal.
c) os seus administradores possuem mandatos fixos como fundamento de sua
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

independência administrativa.
d) os que possuem autonomia financeira, ou seja, contam com recursos
próprios e têm liberdade para aplicá-los.
e) os que possuem poder normativo, ou seja, podem editar sobre matérias de
sua competência.
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

42. (ESAF – SUSEP - Administração e Finanças/2010)


Acerca do tema "Agências Executivas e Agências Reguladoras", é correto
afirmar:
a) a denominação "Agência Executiva" designa um título jurídico que pode ser
atribuído a autarquias e fundações públicas, não traduzindo uma nova forma
de pessoa jurídica pública.
b) as Agências Reguladoras gozam de uma autonomia precária, conferida pela
simples contratualização de suas atividades.
c) as Agências Executivas surgem da descentralização do Estado e da
substituição da sua função empreendedora, o que requer o fortalecimento das
funções de fiscalização.
d) na União, o título de Agência Reguladora é conferido mediante decreto do
Presidente da República.
e) em geral, as Agências Reguladoras implementam as políticas públicas, sem
se ocuparem de disciplinar a atuação de outras entidades

43. (ESAF - Ag Exec - CVM/2010)


A lei que cria entidade da administração indireta assegurando-lhe mecanismos
de autonomia administrativa, financeira e gerencial, a fim de que ela possa
atingir seus objetivos, entre eles o de assegurar a prestação de serviços
públicos adequados, está criando:
a) Fundação Pública.
b) Empresa Pública.
c) Sociedade de Economia Mista.
d) Autarquia Ordinária.
e) Agência Reguladora.

Professor Jonatas Albino do Nascimento 58 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

44. (ESAF - Pref RJ/2010)


Sobre a organização da administração pública brasileira, é correto afirmar
que:
a) por serem qualificadas como autarquias de natureza especial, as agências
reguladoras integram a administração direta.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

b) ao contrário do que ocorre em relação às autarquias, a lei não cria


empresas públicas, apenas autoriza sua instituição.
c) agências reguladoras e agências executivas são categorias de entidades
pertencentes à administração indireta.
d) a Constituição Federal veda, aos municípios, a criação de autarquias.
e) no âmbito federal, as empresas públicas subordinam-se, hierarquicamente,
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

aos ministérios a que se vinculem.

45. (ESAF - EPPGG/2009)


Com relação às Agências Reguladoras no Brasil, indique a opção incorreta.
a) Após a instituição do Programa de Desestatização, em 1997, foram criadas
a Agência Nacional de Telecomunicações, a Agência Nacional do Petróleo e a
Agência Nacional de Energia Elétrica, todas elas para a regulamentação e
controle de atividades até então exercidas pelo Estado como monopólio.
b) A função das agências reguladoras é ditar as normas de condução entre os
agentes envolvidos: o Poder Público, o prestador de serviços e os usuários.
c) A agência reguladora é uma pessoa jurídica de direito público interno,
geralmente constituída sob a forma de autarquia especial ou outro ente da
administração indireta.
d) As agências reguladoras são dotadas de autonomia política, financeira,
normativa e de gestão.
e) As agências reguladoras não estão sujeitas às normas gerais de licitação.

46. (ESAF – TSIET - Estradas/2013)


A respeito das agências reguladoras e das agências executivas, analise as
assertivas abaixo, classificando-as como Verdadeiras (V) ou Falsas (F).
Ao final, assinale a opção que contenha a sequência correta.
( ) A agência executiva é uma nova espécie de entidade integrante da
Administração Pública Indireta.
( ) O grau de autonomia da agência reguladora depende dos instrumentos
específicos que a respectiva lei instituidora estabeleça.
( ) Ao contrário das agências reguladoras, as agências executivas não têm
área específica de atuação.

Professor Jonatas Albino do Nascimento 59 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

( ) As agências executivas podem ser autarquias ou fundações públicas.


a) V, F, V, V
b) F, V, V, V
c) F, F, V, V
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

d) V, V, V, F
e) F, F, F, V

47. (ESAF - AFC - STN/2013)


A transferência da função normativa (sobre matérias determinadas) da sede
legislativa estatal para outra sede normativa denomina-se:
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

a) Remissão.
b) Delegação receptícia.
c) Reserva legal.
d) Deslegalização.
e) Desconcentração.

48. (ESAF/Proc DF/2007)


No tocante às agências reguladoras no Direito Brasileiro:
I. As agências reguladoras são autarquias sob regime especial;
II. Entre as atividades afetas à disciplina e controle de tais entidades
destacam-se os serviços públicos relacionados à energia elétrica, transportes
terrestres, transportes aquaviários, aviação civil, atividades de fomento e
fiscalização de atividade privada;
III. A Constituição Federal de 1988 prevê expressamente a criação de um
órgão regulador;
IV. As agências reguladoras exercem a atividade de regulação, abrangendo
competência para estabelecer regras de conduta, para fiscalizar, reprimir,
punir, resolver conflitos, não só no âmbito da própria concessão, mas também
nas relações com outras prestadoras de serviço;
V. Nos termos da Lei n. 9.986/2000, as agências reguladoras podem utilizar o
pregão para as contratações referentes a obras e serviços de engenharia.
A quantidade de itens incorretos é igual a:
a) 4
b) 2
c) 3
d) 1

Professor Jonatas Albino do Nascimento 60 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

e) 5

49. (ESAF – AFRFB - Tributária e Aduaneira/2005)


Assinale entre o seguinte rol de entidades de cooperação com o Poder Público,
não-integrantes do rol de entidades descentralizadas, aquela que pode
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

resultar de extinção de entidade integrante da Administração Pública Indireta.


a) Organização social.
b) Fundação previdenciária.
c) Organização da sociedade civil de interesse público.
d) Entidade de apoio às universidades federais.
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

e) Serviço social autônomo.

50. (ESAF – AFRFB - Auditoria/2003)


Não há previsão legal para a celebração de contrato de gestão entre a pessoa
jurídica de direito público política e a seguinte espécie:
a) órgão público
b) organização social
c) agência executiva
d) organização da sociedade civil de interesse público
e) sociedade de economia mista

51. (ESAF – CGU - Auditoria e Fiscalização – Saúde- 2008)


Sobre as Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público - OSCIP, julgue
as assertivas a seguir:
I. a outorga da qualificação como OSCIP é ato discricionário.
II. as entidades de beneficio mútuo destinadas a proporcionar bens ou
serviços a um círculo restrito de associados ou sócios são passíveis de
qualificação como OSCIP prevista na lei.
III. a promoção da segurança alimentar e nutricional é uma das finalidades
exigidas para a qualificação como OSCIP, instituída pela lei.
IV. as organizações sociais são passíveis de qualificação como OSCIP.
V. as fundações, sociedades civis ou associações de direito privado criadas por
órgão público ou por fundações públicas não poderão ser qualificadas como
OSCIP.
Assinale a opção correta.
a) I, II e III são verdadeiras e IV e V são falsas.

Professor Jonatas Albino do Nascimento 61 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

b) II e III são falsas e I, IV e V são verdadeiras.


c) I e III são verdadeiras e II, IV e V são falsas.
d) I, III e V são verdadeiras e II e IV são falsas.
e) I, II e IV são falsas e III e V são verdadeiras.
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

5.3 - FCC
52. (FCC/Proc Leg CamMun SP/2014)
No que tange aos órgãos públicos, é correto afirmar:
a) A teoria do mandato é a explicação adotada pela doutrina atual para
explicar a expressão da vontade estatal pelos órgãos públicos e pelos agentes
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

administrativos que os compõem.


b) Somente se pode proceder à criação de um órgão público mediante lei de
iniciativa da Chefia do Poder Executivo, sob pena de inconstitucionalidade por
vício de iniciativa.
c) Como regra, os órgãos públicos são destituídos de capacidade processual;
porém, a doutrina e a jurisprudência nacionais vêm reconhecendo tal
capacidade a órgãos de status constitucional, quando necessária à defesa de
suas prerrogativas e competências institucionais.
d) O Chefe do Poder Executivo pode, por decreto, promover a extinção de
órgãos públicos, quando seus cargos estiverem vagos.
e) As Câmaras Municipais não são propriamente órgãos públicos, mas entes
autárquicos, dado a autonomia que lhes é conferida pela Constituição.

Professor Jonatas Albino do Nascimento 62 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

6 – Gabarito

Gabarito 1. Errado. ...................................................................... 17


Gabarito 2. Certo. ........................................................................ 17
Gabarito 3. Errado. ...................................................................... 18
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Gabarito 4. Errado. ...................................................................... 18


Gabarito 5. Errado. ...................................................................... 18
Gabarito 6. Errado. ...................................................................... 19
Gabarito 7. Errado. ...................................................................... 19
Gabarito 8. Errado. ...................................................................... 20
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

Gabarito 9. Certo. ........................................................................ 21


Gabarito 10. Certo. ........................................................................ 21
Gabarito 11. Errado. ...................................................................... 22
Gabarito 12. Certo. ........................................................................ 22
Gabarito 13. Errado. ...................................................................... 23
Gabarito 14. Certo. ........................................................................ 23
Gabarito 15. Errado. ...................................................................... 23
Gabarito 16. Certo. ........................................................................ 24
Gabarito 17. Errado. ...................................................................... 25
Gabarito 18. Errado. ...................................................................... 25
Gabarito 19. Certo. ........................................................................ 26
Gabarito 20. Errado. ...................................................................... 26
Gabarito 21. Errado. ...................................................................... 27
Gabarito 22. Certo. ........................................................................ 27
Gabarito 23. Certo. ........................................................................ 28
Gabarito 24. Errado. ...................................................................... 29
Gabarito 25. Errado. ...................................................................... 30
Gabarito 26. Errado. ...................................................................... 30
Gabarito 27. Errado. ...................................................................... 31
Gabarito 28. Errado. ...................................................................... 31
Gabarito 29. Errado. ...................................................................... 32
Gabarito 30. Errado. ...................................................................... 32
Gabarito 31. C. .............................................................................. 33
Gabarito 32. E. .............................................................................. 33
Gabarito 33. A. .............................................................................. 34

Professor Jonatas Albino do Nascimento 63 de 64


www.exponencialconcursos.com.br
Direito Administrativo – Teoria e Questões Comentadas
Professor Jonatas Albino do Nascimento

Gabarito 34. D. .............................................................................. 34


Gabarito 35. B. .............................................................................. 35
Gabarito 36. E. .............................................................................. 35
Gabarito 37. E. .............................................................................. 36
Gabarito 38. D. .............................................................................. 37
Direitos autorais reservados (Lei 9610/98). Proibida a reprodução, venda ou compartilhamento deste arquivo. Uso individual.

Gabarito 39. E. .............................................................................. 38


Gabarito 40. A. .............................................................................. 38
Gabarito 41. A. .............................................................................. 39
Gabarito 42. A. .............................................................................. 40
Gabarito 43. E. .............................................................................. 40
Cópia registrada para SILMARA CAETANO FELIPE (CPF: 048.828.513-50)

Gabarito 44. B. .............................................................................. 41


Gabarito 45. E. .............................................................................. 42
Gabarito 46. B. .............................................................................. 42
Gabarito 47. D. .............................................................................. 43
Gabarito 48. D. .............................................................................. 45
Gabarito 49. A. .............................................................................. 45
Gabarito 50. D. .............................................................................. 45
Gabarito 51. E. .............................................................................. 47
Gabarito 52. C. .............................................................................. 47

7– Referencial Bibliográfico

Alexandrino, M. Paulo, V. Direito Administrativo Descomplicado. 22ª ed. São Paulo:


Editora Método, 2014.
Bandeira de Melo, C. A. Curso de Direito Administrativo. 27ª ed. São Paulo: Malheiros,
2010.
Di Pietro, M. S. Z. Direito Administrativo. 22ª ed. São Paulo: Editora Atlas, 2009.
Alexandre, Ricardo. Deus, João de. Direito Administrativo Esquematizado. São Paulo:
Editora Método, 2014.

Meirelles, Hely Lopes. Direito administrativo brasileiro. 22.ed. São Paulo, RT, 1997
BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília,
DF, Senado, 1998.

Professor Jonatas Albino do Nascimento 64 de 64


www.exponencialconcursos.com.br