Você está na página 1de 15

i

1. 0 mesmo e o outro: a articutação

Como ocorre e.
F,osona se ocupa, l ilffi:i:: ;:.:::T:,.;,n];::
meiros a encontrar motivo de perplexldade
na relação
entre o mesmo e o outro. A princípio,
duas porlçá.,
absolutamente contrárias traduziram
o impasse: de um
lado, a afirmação absoluta do
ser, necessariamente
sempre o mesmo, sem nenhuma
alteração (parmênides,
c. 530-460 a.C.); de outro,
a afirmação da mudança, da
transformação e da instabilidade
de tudo que existe
(Heráclito, c. 54O-4TO
a.C.). percebe_se a ênfâse,
no pri_
meiro caso, na identidade do ser,
e, no segundo, no
fato de que tudo que é torna_se
ouúo. 0 problema que
os sucessores desses primeiros
filósofos tiveram de en_
frentar consistia no fato de que,
como já dissemos, a
experiência da percepçâo e do p.rrulrr.rrto
indica que,
de algum modo, as duas perspectivas,
embora antagô-
nicas, estâo presentes no nosso
contato com o mundo.
I

I
13
t

IL

i t
I
I
I

I
ll
i
ti
I

li

ll

I
I

I
Foi preciso então, como fez platão (428-348
a.C.), preciso orticulor a oposição para que o conhecimento
nào apenas fixar-se no mesmo
como garantia da ver_ possa superar aquilo que aparece a princÍpio como con-
dade, mas tambem pensar o estatuto
do outro, isto e, o tradição. Articular significa: preservando aquilo que
tipo de realidade relacionado com a diferença.
Essa laz com que algo seja eie mesmo, encontrar, todavia, o
poiaridade apresenta-se de modo
mais intenso na rela_ modo de apreendê-lo como outro, de maneira que o
ção que constitui, por excelência, o antagonismo
dos lugar da diferença não faça desaparecer a identidade.
contrários: o verdadeiro e o falso.
Assim, torna-se possível entender a mudança e a apa-
Como ocorreu em um dos diálogos
escritos por rência, alem da identidade e da realidade. posso, então,
Platão, suponhamos que o filósofo
diz a verdade e que me situar na multiplicidade das imagens sem perder de
o sofista diz o falso. poderemos,
entâo, definir o clis_ vista a unidade da realidade em si mesma. Quando di-
curso do fllósofo como verdadeiro,
entendendo_o como zemos: "isto e uma imagem", queremos dizer que a
real e como expressão da realidade.
Mas o que diremos imagem e, ou existe. Toda a questão está em entender
do discurso do sofista? por ser falso,
será inexistente? esse modo de existência. A fala do sofista e produtora
Assim seria no caso da aflrmação
eterna e necessária de imagens, e seu elemento e a multiplicidade; ele não
do ser na sua imutabilidade, pois
seu contrário só po_ volta seu pensamento para a unidade, e, nesse sentido,
deria acontecer como a negaçâo
do ser. Mas o discurso diz o falso. 0 filósofo, por sua vez, considera as ima-
do sofista está aÍ, e é convincente
para muitos. Será, gens e a multiplicidade das aparências, mas seu obje-
pois, tão real quanto o discurso
verdadeiro? Mas, nesse tivo e atingir a unidade, isto e, a essência ou a realidade.
caso, não teríamos de afirmar
o contrário do ser, quer Para o soflsta, a realidade e sempre outra; para o filó-
dizer, a existência do não_ser?
sofo, essa multiplicidade de outros deve ser questio-
Essa questão delicada, posta pela
relação entre o nada como forma de busca da unidade do mesmo.
filósofo e seu outro, o sofista, abala
profundamente a A experiência imediata e a do movimento e da
tranquilidade lógica com que se
afirmava o ser. será mudança. Se nos ativermos a este mundo percebido, a
14
L5
I

Iransltoriedade e o caráter efêmero das coisas impôem_


verdade na medida em que participam do ser em sen-
-se com muita força. Ora, se o que percebemos
e o que tido pleno.
podemos aflrmar variam a cada instante, como
definir Assim deve ser tendo-se em vista que Ser e Ver-
a verdade? Será ela relativa a cada um desses
momen_ dade náo comportam o outro de si mesmos, mas ape-
tos e tão instável como as qualidades passageiras?
Seu nas as variações aparentes da unidade e da identidade.
âmbito será esse continuo movimento da presença à
ausência - do mesmo ao outro - que parece caracterís_
tico da relação humana com as coisas? Assim seria se
a realidade fosse apenas e tão somente aquilo que
nos
aparece ou que nos afeta transitoriamente. Mas,
se pu_
dermos transportar-nos alem das aparências e
alem do
esgotamento temporal de todas as coisas, poderemos,
segundo Platão, encontrar a verdade como essência,
isto e, como a permanência do ser. Ao pensar em
outra
instância aquilo que e percebido no mundo sensível,
veremos, então, que a realidade em si mesma perma_
nece de modo absoluto e que tudo aquilo que
vem a ser
e vem a desaparecer diante de nós, na experiência
ime_
diata, e relativo a formas inteligíveis, sempre idênticas
a si mesmas. A realidade das coisas relativas provem
de sua participação no absoluto. por isso, as
diferenças,
as oposições e a instabilidade que povoam o mundo
em que vivemos possuem algum grau de realidade
e
r6
t7
2. Deus como o outro abso[uto ,rluando se volta para si (para a sua interioridade), o ser
l'lmano encontra Deus na própria alma: e a conver-
sào. Trata-se, portanto, inseparavelmente, de um en-
rontro de si e de um encontro de Deus, e a razão disso
:srá em que Deus habita no mais profundo da alma. E
A identidade está profunclamente relacionada com la interioridade que se podem encontrar Deus e a si
o Eu ou a consciência de si. Somos levados a supor mesrno, renunciando aos simulacros que o mundo ex-
que
a permanência do mesmo ocorre de forma privilegiada rerior oferece.
nesse patamar da personalidade; daÍ a oposição Entre mim e Deus, no entanto, a relação e de alte-
habi_
tual entre o Eu e o outro. Seja para afirmar a proximi_ ridade. Não pode haver maior oposição do que aquela
dade ou para assinaiar a distância, seja para marcar eristente entre a criatura finita e o ser infinito. Pode-se
a
afinidade ou o antagonismo, a relação entre o Eu e o dizer, então, !lue, em relação ao Eu, Deus e absoluta-
mente o Outro. Como explicar, a partir dessa distância
outro tem sido, ao iongo da História, um exempio ca_
e dessa diferença, a convergência da busca de si e da
racterístico. Contudo, e possivel encontrar casos
em
busca de Deus? Como as duas perguntas - "quem sou
que a busca da identidade, como conhecimento
de si, eu?" e "quem e Deus?" - podem estar tão afastadas e
e ao mesmo tempo a tentativa de conhecer o outro.
ao mesmo tempo tão próximas? A razão dessa verdade
Assim vemos, nas Confissôes de Santo Agostinho
paradoxal reside na identidade da criatura. Com efeito,
(lSS-+lO), um itinerário para Deus que
e tambem uma
não posso responder à questão "quem sou eu?" sem me
trajetória em que o indivíduo vai ao encontro de si.
referir a Deus, que, como criador, é a causa e a razão
Enquanto a busca de Deus e de si mesmo ocorre
na da minha existência. Disso decorre que, âo procurar
exterioridade (em tudo o que e exterior a pessoa), o
ser minha identidade somente em mim, encontro sempre
humano vaga, perdido, ao sabor das circunstâncias.
umâ resposta insuficiente. Como provenho de Deus,
18
19
minha identidade me transcende na direção desse r.le a pensa, e !lue, portanto, não poderia ter sido pro-
outro absoluto, e nele se realiza de modo compieto, por r';zida pela consciência de um ser finito. Por consequên-
ser E1e causa e razão de meu ser. Só me encontro ver-
- â. ta1 ideia só pode remeter a uma causa igualmente
dadeiramente encontrando a Deus, porque minha iclen- liinita, o ser que ela representa - Deus -, cuja exis-
tidade está nele. A distância que me separa de Deus e
-:ncia e demonstrada assim necessariamente.
tambem aquilo que me aproxima deie, e a compreen- E interessante observar que, na sequência da cons-
são desse paradoxo, tanto quanto seja possivel, passa
.araçào da própria existência, o filósofo não depara
pelo Amor, que faz com que Deus, transcendendo-me
.om a existência de outras consciências, seres pensan-
infinitamente, esteja, no entanto, presente no mais ín- res tambem, com os quais partilharia a condiçáo finita,
timo do meu ser. Alteridade e intimidade se associam, mas encontra diretamente a Deus, o outro absoluto, ser
e ate mesmo se confundem, pelo Amor.
infinito. A razão desse salto para o infinito e que so-
0 fato de que tanto o que sou como o que posso mente a representação do ser infinito na consciência
saber de mim somente se completem no encontro do remete com necessidade à realidade desse ser em si
outro que e Deus repete-se na filosofia de Rene Descar- mesmo. Todas as outras representações, por se situarem
tes (1596-1650). Depois que a dúvicla universal (a dú- no âmbito da finitude, podem remeter as suas respecti-
vida estendida metodicamente a todos os campos do vas realidades, mas essa correspondência não e desde
saber) o faz encontrar a verdade indubitável acerca da
logo necessária porque existe a possibilidade de que eu
própria existência ("penso, logo existo"), a tarefa do fi- mesmo, ser finito, as tenha criado, uma vez que elas
lósofo foi a de investigar se alguma outra existência são compatÍveis comigo em $randeza. Entre essas estào
poderia ser aflrmada com a mesma evidência e certeza.
as representações de outros seres pensantes e ai está a
Examinando as representações que povoam a consciên- razão de que não chego a Deus passando pelos outros,
cia, Descartes encontrou a ideia de infinito, que possui
mas posso chegar aos outros depois de provar a exis-
a peculiaridade de ser maior do que a própria mente tência de Deus, o Outro absoluto e necessariamente
20 2t
existente. Na ordem da lógica de Descartes, o Outro que 3. Subjetividade e
e Deus vem antes do outro que seria outro Eu. i ntersubjetividade
Essa necessidade de passar do Eu finito ao Outro
infinito atende a exigências relativas à garantia da
verdade: esta, embora encontrada pelo sujeito no
exame das suas representações, somente se torna obje-
tiva e absoluta na dependência de um ser que e posto
A dificuldade que mencionamos anteriormente
.,:rnstitui o problema da intersubjetividade. Uma filo-
como anterior e acima da subjetividade finita. Diferen-
temente de Santo Agostinho, com Descartes não en- .rrtia que elege o sujeito como centro de referência da
contramos em nós a presença efetiva de Deus, mas â .eoria e da prática não pode facilmente passar da sin-
sua ideia, que o filósofo define como a marca de Deus do Eu à pluralidade do Nós, isto e, não pode
'.ularidade
em nós, o sinal que Deus deixa em nossa alma para senão postular a presença de outros sujeitos porque o
que possamos encontrá-lo, e esse sinal e mais claro conhecimento subjetivo restringe-se ao Eu do sujeito
do que a representação de outros seres com os quais que conhece. Com efeito, não posso habitar a consciên-

compartilhariamos a mesma natureza. cia do outro da mesma maneira que habito a minha.
A reflexão, isto e, a busca metódica da cefteza no Nesse sentido, se a certeza relativa à própria consciên-
âmbito da própria mente, leva-nos a encontrar com cia for o único ponto de parlida, o sujeito corre o risco
total evidência a existência do Eu. Entretanto, por ser de permanecer encerrado nessa representação originá-
a reflexão a exploração da dimensão subjetiva, ela não ria, absolutamente cefto de si mesmo, mas tambem
pode obter a mesma certeza no que concerne à exis- prisioneiro dessa certeza. Essa situação recebeu, na
tência do outro. Sou imanente a mim mesmo, mas sou Filosofia, a denominação de solipsismo. A proximidade
estranho ao outro, no sentido de que não tenho acesso imediata do sujeito a si mesmo acarreta a distância,
direto à sua consciência. talvez intransponível, entre ele e o outro.
22 23
Quando a filosofia contemporânea afirma, numa ::-.da: tem de construi-la ao longo do processo exis-
de suas vertentes mais imporlantes que e o existencia_ .;:iiai, isto e, da sua história. Nâo há um "si mesmo"
lismo, a precedência da existência em relação à essên_ :ado no inicio; trata-se de algo a ser alcançado, reali-
cia, isto e, uma inversão da perspectiva tradicional. :ado na existência. Nessa trajetória, que deveria ser de
esse quadro tende a ser visto de outra maneira. Na fi_ ,urorrealização, o sujeito depara com a existência de
losofia de Descartes, o sujeito se conhece de modo lutros, ou seja, de outras liberdades, de outros proje-
cefto e evidente quando a reflexão atinge um atributo :os, de outras intenções que procuram, igualmente,
que não pode de forma alguma ser separado clo sujeito,
realizar-se. Náo e dificil entender como se relacionam
constituindo, por isso, a sua essência, aquilo que o de_ dois objetos determinados, por exemplo, dois fenôme-
fine e determina. Numa filosofia existencialista como nos naturais. Mas e quase impossível compreender
a de Jean-Paul Sartre (1905-1980), não se concebe ne_ como se podem relacionar dois sujeitos livres, porque
nhuma essência previa, mas pafie-se da existência, a a liberdade, quando e absoluta, tende a uma expansão
princípio indeterminada; e, no decorrer dessa existên_ indefinida, em princípio incompatÍvel com o fato de
cia, o próprio sujeito, por meio de sua liberdade, defi_ que ela teria de ser limitada por outra liberdade. Tome-
nir-se-á a partir de projetos que formula para si mesmo. mos um exempio célebre, a relação entre o senhor e o
Para que o sujeito possa de fato escolher o caminho escravo. A liberdade do senhor existe na medida da
entre as múltiplas possibilidades que se apresentam, e submissão do escravo; o senhor se aflrma como livre
preciso que a liberdade seja total: e preciso que a sub_ na proporção em que o escravo não o e. Se não tenho
jetividade seja igual à liberdade.
o escravo, perco a minha condição de senhor.
Quando, porem, o ponto de partida e a existência No limite, se a subjetividade e liberdade e se esta
e não a essência, o sujeito continua ainda as voltas e absoluta, como afirma o existencialismo de Sartre,
com ele mesmo, e de um modo mais difÍcil, porque não então só poderia haver um único sujeito livre; todos os
pode contar com uma identidade previamente afir_ outros seriam objetos sobre os quais esse sujeito exer-
24
25
ceria sua liberdade. Assim surge, nesse contexto, o . .,-stência, isto e, na sucessão das escolhas e dos pro-
problema da intersubjetividade: a única possibilidade -:-rrs por meio dos quais tento me constituir a mim
de estabelecer relação com o outro e tomá_lo como :-.sno. Dito de outra maneira, a falta de uma determi-
objeto; a relação verdadeiramente intersubjetiva (entre :,acào essencial faz com que o sujeito jamais esteja "em
sujeitos) seria impossível. Na relação que o outro man_ mas sempre projetado para fora, na direção do que
tem comigo, a sua tiberdade se afirma à medida que a '-".
.ira a ser - para si. Isso equivale a dizer que o sujeito
minha se anula: o outro tende a me determinar, fa_ o que seria "ele mesmo") está sempre em vias de se
zendo de mim um objeto, o que significa a paralisação :ransformar em outro. Assim, cada um não depara ape-
de meu processo existencial numa imagem definitiva. nas com os outros, mas cada sujeito se vê, a cada mo-
0 outro me constitui e me define atribuindo_me de fato mento, diante do outro que está para se tornar.
uma essência que, de direito, não possuo. Essa instabilidade do processo existencial e decor-
Obserue-se que, embora o pensamento de Sartre se rência da identificação entre subjetividade e liberdade.
oponha ao de Descartes na exata medida em que o Como somos o que fazemos de nós mesmos, ou o que
ponto de partida na existência opõerse ao ponto de fazemos com o que fazem de nós, cada determinação
paftida na essência, ambos têm em comum o sujeito que assumimos, cada deflnição que damos de nós mes-
como origem da reflexão; ambos confiam na segu- mos e relativa ao tempo e à situação vivida: a situaçáo
rança oferecida pelo princípio da subjetividade, em_ pode mudar, assim como as significações que atribuí-
bora o entendam de modo diverso. 0 que pocleria nos mos aos fatos e pessoas que constituem a nossa expe-
levar a pensil que adotar o sujeito (o Eu) como princi_ riência. Transformamos a nós mesmos quando interio-
pio equivale a optar pelo solipsismo. rizamos o que está fora de nós; e transformamos o
Do fato de que o Eu não possui essência que o mundo, ao menos na sua significação, quando exterio-
determine decorre ainda outra consequência: não tenho rizamos nossos desejos e nossos projetos. 0 sujeito e
como assegurar a permanência do Eu no processo de uma contínua construção que depende, sempre e âo
26
27
mesmo tempo, dele e dos outros; por isso ele e sempre sr deve entender a instabilidade como uma categoria
outro, puro processo, e nunca algo consolidado. :rt-inidora: ela e o modo pelo qual o sujeito faz a ex-
A ideia de que o sujeito e uma construção, uma :enência de si, a vida subjetiva.
tarefa existencial que porventura nunca chegará ao A noção de experiência e chave importante para a
fim, está presente no pensamento de paul Ricoeur :,:mpreensão do processo de tornar-se sujeito. A reu-
(1913-2005). E o requisito para que tal tarefa seja as_ :,iào de erperiência e subjetiuidade permite, de um
sumida autenticamente e a exclusão dos pressupostos -ado, conferir à noção de experiência uma dimensão
de identidade e de totalidacle. 0 sujeito nunca é idên_ niaior do que a relação objetiva com o mundo: expe-
tico a si mesmo, mas constantemente uem a sel", como riência significa aquilo que se é, e não apenas aquilo
uma existência narrada para si e que se constitui nessa que se faz. Por outro lado, a associação de subjetivi-
trajetória diferenciada. 0 sujeito nunca se constituirá dade com experiência nos leva a considerar o caráter
totalmente como realidade fechada em si mesma, por_ dinâmico da noção de sujeito: não se trata de uma
que a subjetividade não e mais do que a ação de tor_ entidade metafisica, formal ou mesmo psicológica, mas
nar-se sujeito, constantemente reiterada. E a alteridade do modo de ser da realidade humana considerada
faz pafte desse processo, porque a ação de tornar-se como existência. Essa existência, em seu caráter pro-
sujeito inclui a constante alteração de si e nunca a cessual, e contínua alteração de si, constante constitui-
repetição do mesmo. Nesse sentido, o tempo e a histó_ ção de si: passagem ao outro, que faz com que o sujeito
ria não são acidentais: subjetividade, temporalidade e se reconheça no tempo e náo apesar do tempo. E pre-
historicidade não se separam e não há nenhum predi_ ciso tambem entender que o sujeito faz-se outro em
cado capaz de definir o sujeito definitivamente, porque função dos outros, isto e, o processo de tornar-se su-
o seu ser consiste num contínto fazer-se. Fica assim jeito e vivido em regime de intersubjetividade, e a ex-
tambem excluída a estabilidade que, por vezes, se pen- periência subj etiva e sempre exp eriência intersubj etiva.
sou como inerente ao "si mesmo"; por outro lado, não As relações humanas são constitutivas: o que venho a
28
ser depende do modo como vivo com os outros, do -n'ersão, questionando a preffogativa do Eu na Mo-
modo como a experiência se desdobra em amor, ami- iernidade, como tambem modifica profundamente o
zade, conflitos e divergências. Assim, se quisermos eor da relação que era vista como a mais importante,
continuar a dizer que o sujeito e ponto de partida, te-
" do sujeito consigo mesmo, passando a considerar que
remos de aceitar que esse ponto de partida acontece a a relação intersubjetivâ e a mais relevante e, mais do
cada momento, na sucessão do processo de reconheci- :Le isso, que, nessa relação, e o outro, e não o Eu, que
mento inseparável da temporalidade. :tsempenha o papel principal. Em outras palavras,
0 ponto de partida pode, entretanto, ser pensado - principio metafísico da identidade e substituído pelo
de outra maneira. A segurança que o sujeito oferece : incipio etico da alteridade.
deriva de que a certeza acerca de si seria a mais ime- Essa aiteração do princípio deixa em plano secun-
diata, porque, por mais problemático que seja o vín- reno o problema teórico do Outro, isto e, a demonstra-
culo com as coisas exteriores, a coincidência de cada :ào de sua existência, sempre necessariamente poste-
sujeito com ele mesmo parece óbvia. No entanto, se :-:,r a demonstração de minha existência. Não e preciso
abandonarmos a busca desse tipo de certeza e conce- r je a presença do outro seja uma evidência; basta que
dermos prioridade à relação com o outro, tomando-a .-. seja uma cetteza vivida e, mais do que isso, algo
como ponto de partida, a presença do outro assume o : *e devo assumir para dar sentido a minha própria
caráter primordial que antes se atribuía a si mesmo. :.--srência. 0 espanto inicial que Descartes teve ao per-
Pafto, então, do fato de que estou sempre em presença :.rer em si a ideia do Deus infinito deu imediatamente
do outro, e isso e originário e inevitável: o outro está -:ar ao exame racional do conteúdo e da proveniên-
sempre diante de mim, e essa presença e tão forte que --; dessa ideia, com a finalidade de entender sua pre-
me constitui. 0 outro está antes do Eu. >.rca em mim. Mas podemos tambem sentir, diante da
Essa perspectiva, que e a de Emmanuel Levinas ::tsenca de outro ser finito, a perplexidade diante da-
(1906-1995), não apenas provoca uma significativa ::r1o que não podemos explicar inteiramente, mas que
30 31
fazer- em primeiro lugar se minha ação atende à exigência de
é, ao mesmo tempo, a força que me constitui ao
responsabilidade para com o outro. Exigência táo radi-
-me ser na relação com ele. Note-se que substituir o
cal que dispensa a reciprocidade: não me responsabi-
ponto de partida no Eu pelo caráter originário da rela-
a questáo mais fácii de ser lizo pelo outro esperando que ele faça o mesmo por mim;
ção com o outro não torna
responsabilizo-me por ele como dever ético absoluto.
resolvida. A presença do outro mantêm-se indecifrável
Compreender que o outro é referência da üda
do ponto de vista teórico. 0 que muda e a significação
moral e principio orientador da existência incide pro-
do principio, que agora e visto no caráter imediato da
fundamente sobre o entendimento da condição hu-
relação e na força com que ela se impõe' E esse o sig-
marla. Já não e a reflexão, no sentido do retorno do
nificado do princÍpio érico de alteridade' Não se trata
sujeito a si mesmo, que fornecerá os parâmetros fun-
de conhecer o outro; trata-se de viver por ele e' tam-
damentais do conhecimento do homem. Trata-se,
bem, de morrer Por ele,
agora, de uma abertura àquele que não sou eu e, no
Essa modificaçào conduz a outra de grande al-
limite, de uma renúncia ao Eu como polo irradiador de
cance. Como, desde o princÍpio' o Eu está constituído
valores. Não é a consciência de si que dá sentido ao
pelo outro, o mais importante não e a liberdade exer-
mundo, mas a consciência do outro que constitui o
cida absolutamente e que encontra o outro como um
critério diretor da existência de cada sujeito, que se
obstáculo que poderia ser vencido pelo procedimento
prio- forma em sua integridade não apenas em relação ao
de objetivação do outro sujeito' Pelo contrário' a
outro, mas em virtude da existência do outro.
ridade do outro faz com que a responsabilidade por ele'
0 alcance da transformaçáo implicada nessa pers-
que assumo como decorrência de sua simples presença'
res- pectiva mostra-se em toda a sua amplitude quando
seja o criterio mais relevante de conduta' Assim' a
no exis- consideramos que esse outro não é, de forma alguma,
ponsabilidade não decorre da liberdade, como
o próximo e o familiar, mas o estranho que devo esfor-
tencialismo, mas a liberdade decorre da responsabilidade'
pois, acerca de tudo que posso fazer, devo considerar çar-me para compreender. Não devo esperff que o
33
32
outro seja à minha imagem e semelhança. Assim, não Conctusão
e a lógica nem a metafísica que nos conduzem a uma
universalidade efetiva, mas o caráter primordial da re-
Iação etica. 0 racionalismo moral, quando aspira à
universalidade, de modo geral o faz em nome da ideia
de humanidade, como em Immanuel Kant (172+-1804)l
os criterios orientadores de minhas ações devem poder
\ questão do outro e um grande testemunho de

ser vistos como universais, pois, do contrário, os mo- -.-. a Fiiosofia não deve ser vista como um exercÍcio
tivos de agir seriam do âmbito do interesse próprio; :-r,.o separado do mundo. Vimos que, desde o início,
assim, todo homem deve ser visto como fim e jamais .-- Platão, o problema se impõe, desafiando as prerro-
coloca
como meio. Mas a universalidade formal da ideia não =;-n-as de um racionalismo formal, porque nos
sustenta a efetiva relação com o outro; pode apenas r.,nte de uma realidade incontornável. Assim, e neces-
fornecer uma lógica da ação. A universalidade real ..no vincular a questão da alteridade às situações con-
aparece, segundo Levinas, na fcLce do outro, isto e, na .:etas em que ela vivenciada e a partir das quais pode
e

presença concreta daquele que e a razáo de minha se tornar objeto de reflexão. Por exemplo, qual a rela-
existência no plano etico. ;ào clue se pode estabelecer entre indivíduo e comuni-
dade? 0 indivíduo se define pelos laços comunitários
que constituem o lastro da singularidade ou a comuni-
clade se define pela reunião deindivíduos movidos pela
necessidade de estabelecer vinculos institucionais e
jurídicos próprios da vida social?
Se entendermos que a realidade humana se define
pelo princípio da individualidade, e que a organizaçào
34 35
social deriva de necessidades pragmáticas que jamais .... aiternativa não nos obriga a perguntar se o
poderão superar o direito naturai do indivíduo a afir-
..rr.rir.ro é.por natureza, inclinado a preselvação da
mar-se em si mesmo, então teremos de considerar a
acie ou a vida em comunidade. Mas e ne-
intersubjetividade concretamente vivida como uma
:->ario refletir acerca do estatuto das relaçôes entre as
rede de ligações extrínsecas reguladas institucional-
:ôs(las. já que a dimensão coletiva e um dado de ex-
mente. A relação com o outro se enceffa na dimensão
:<:-ência, isto e, üvemos em coletividades organizadas,
da sociabilidade estabelecida por acordo ou por con-
:-:er sejamos individualistas ou adeptos do princípio
trato. A solidariedade torna-se uma questão de regras
: , nunitário. Como essas relaçÔes acontecem, desde o
de conveniência. As sociedades modernas, fiutos das
:--i e} privado e pessoal ate a dimensão social e política?
teorias politicas liberais ciássicas, atendem a esse perfii.
iomo sáo vividas, se consideramos que a vida em
Se concordarmos que o indivíduo se define pela co-
a,tmum e secundária e convencional, ou se entendemos
munidade à qual está organicamente vinculado e que o
;ue a relação com os outros e basicamente necessária?
sentido da existência singular e inseparável do contexto
Na verdade, se entendermos que seria necessário
comunitário que o produz e o sustenta, então poderemos
superff a oposição Eu/outro, isto e, o solipsismo ou a
entender que os vÍnculos intersubjetivos são intrinsecos
relação como condição de origem, então talvez devês-
e são üvidos como dimensão essencial da realidade hu-
semos perguntar por aquilo que de fato comparlilha-
mana. A relação com o outro possui a densidade e a
mos e tambem por aquilo que nos sepâra desde a
força dos principios necessariamente vistos como requi-
consciência mais obscura da existência. Talvez venha-
sitos primordiais da existência, a tal ponto que o indiü-
mos a descobrir, assim, que, a princÍpio, não estamos
duo autossuficiente seria uma abstração. As normas de
nem sós, nem numa comunidade já formada, mas que
sociabilidade seriam apenas, no limite, regulações a pos-
nosso modo de ser no mundo envolve ambas as pos-
teriori de uma condição originária. A póli.s grega e a
sibilidades, e que tanto a solidão quanto a vida em
civilização cristã medieval poderiam ser os exemplos.
comum estão de algum modo presentes, imbricadas
36 3i
uma na outra, nos primórdios da existência, num mo_ ,+ ristência do outro nào e representada por ana-
e

mento em que a reflexão ainda não elaborou a dicoto_ .om a minha própria existência porque, nesta,
mia entre ser-em-si e ser-com-os-outros. 0 pensador sobra transparência que possa ser atribuída ao
Maurice Merleau-ponty (1908_1961) assinala que. qrüo; na verdade, falta em mim a transparência do
antes de constituir o outro, eu o vivo e ele vive em inteligível, já que o que me constitui tamhem e a ine-
mim, de um modo totalmente aquem da relação su_ ritável opacidade do corpo. E, assim como não sou
jeito-objeto. Antes de ser o polo de uma relação ptrro espirito, mas um conjunto de gestos e comporta-
obje_
tiva, o mundo e a minha experiência do mundo. E o mentos em que se dá a experiência de existir, tambem
outro não o habita de modo objetivo desde o princípio: o outro e captado como esses gestos e comportamentos
a minha experiência do mundo e a minha experiência dos quais não faço a experiência, mas que fazem parte
do outro. Quando Descartes olha pela janela e vê da minha experiência. Sei da existência do outro por-
"capas e chapeus" que apenas provavelmente que a objetividade não e a única forma de contato com
podem
ser tomadas como outros sujeitos, temos de concordar, o que existe além de mim. E preciso reconhecer uma
porque, nesse nivel objetivo, não há mesmo como obüedade: a intersubjetividade e diferente da objetivi-
visar
o outro. Objetivamente, o solipsismo não e refutável; dade. Nesse sentido, a experiência intersutrjetiva nào
mas, tambem, não se trata de refutá_lo; não e preciso consiste em objetivar o outro; se a intersubjetividade é
saber se estou diante de um autômato ou de um
espi_ uma dimensão própria da existência, então é na inter-
rito, assim como não e necessário provar que existe face das experiências subjetivas que reconhecemos a
um
mundo alem de toda experiência de percepção. Não alteridade: o out'ro eunao e um paradoxo porque ele

estou interessado em distinguir um espírito cle um 1á está descie sempre, uma vez que não constituimos a
au-
tômato, mas em compreender a vivência de uma situa_ intersubjetividade, mas ela nos constitui'
çâo que me coloca diante de uma outra consciência A natureza pensante do sujeito somente se isola no
encarnada. fundo de si mesmo se entendermos que a certeza sub-
38 39
jetiva traz consigo a incomunicabiiidade
como a sua A não comunicação
>eria, em todo caso, possivel.
condição. Mas, se essa certeza e
a da existência (que a forma de comunicaçâo; o silêncio não e a im-
indubitabilidade do pensamento revera
a Descaftesi. ade da fala, mas a sua recusa. No universr_r
então teremos de convir que o *eu
sou,, traduz o mundo a incomunicabilidade ocorre sobre o
em que o su.jeito existe. Se esse fundo da
mundo está simples_ de comunicar, porque a intersubjetivi-
mente posto diante do sujeito
como objeto, então os e a estrutura da existência. Quando vejo o outro
outros tambem são objetos. Mas,
se se trata do mundo estranho e longínquo, essa constatação e a con-
em que o sujeito existe, a existência
dos outros será -:apartida de outra possibilidade, a de conhecê-lo e
uma experiência antes de ser um
dado objetivo. Assim, .:rá-1o, compartilhar efetivamente o mundo em que
ser no mundo e, muito simplesmente,
escapar do solip_ -,r\-emos.
sismo, que só e afirmado como
condição inevitável se Em suma, assim como se concebe contemporanea-
o sujeito intui sua existência fora
do mundo. A inter- mente que o sujeito não e uma entidade pronta e aca-
subjetividade e a revelação recíproca
dos sujeitos uns bada, porque a subjetividade não e um dom metafÍsico,
aos outros, que ocorre simplesmente
por existirem mas algo a ser realizado, assim tambem a intersubjeti-
num mundo comum. E, na medida
em que esse mundo r.idade torna-se real quando a construímos no processo
comum e a condição pre_reflexiva
da existência, a re- existencial, social e histórico, em meio a toda softe de
lação intersubjetiva e originária.
obstáculos e decepçoes.
Isso não significa que as consciências
estão sempre
abeftas umas as outras, em permanente
comunicação.
Posso sentir no olhar do outro
a distância que ele toma
de mim; posso entrever no seu
silêncio um mundo a
que não tenho acesso. Mas,
mesmo nessas condições,
faço a experiência da ausência
de uma comunicacão
40
4t