Você está na página 1de 33

Princípios de Bioquímica de Lehninger – David L. Nelson & Michael M.

Cox

Glicose
• Posição central no metabolismo;
• Oxidação completa;
• Armazenamento como polímero;
• Precursor de intermediários para reações biossintéticas;
• ↑ demanda energética celular  ATP;
• 1 via metabólica elucidada;
• Provavelmente o mecanismo mais antigo de obtenção de
energia de moléculas orgânicas.
Princípios de Bioquímica de Lehninger – David L. Nelson & Michael M. Cox

As principais vias de utilização da glicose nas células


dos vegetais superiores e dos animais
Princípios de Bioquímica de Lehninger – David L. Nelson & Michael M. Cox

GLICÓLISE OU VIA GLICOLÍTICA

• Do grego glykys, “doce”ou áçúcar”, e lysis, “quebra”;


• Nesse processo, parte da energia livre é conservada na forma
de ATP e NADH.
• A quebra da glicose por esse processo é a única fonte de
energia metabólica em alguns tecidos e células de mamíferos
(eritrócitos, medula renal, cérebro e esperma,...)
• Ocorre em 10 etapas, sendo que as 5 primeiras constituem a
fase preparatória (gasto de energia – 2 ATP) e as outras 5 a
fase compensação (ganho de energia – 4 ATP e 2 NADH).
• Nesse processo uma molécula de glicose é degradada duas
moléculas do composto de três carbono, o piruvato;
Princípios de Bioquímica de Lehninger – David L. Nelson & Michael M. Cox

Via Glicolítica – Fase preparatória


1) Foforilação da Glicose
Ativiação 

• Reação irreversível sob condições celulares;


• Requer Mg2+ para a sua atividade (verdadeiro substrato MgATP2+);
Princípios de Bioquímica de Lehninger – David L. Nelson & Michael M. Cox

2) Conversão da glicose-6-P em frutose-6-P

• Isomerização reversível;
• Requer o cofator Mg2;
• Carbonila (C1)  alcool
Princípios de Bioquímica de Lehninger – David L. Nelson & Michael M. Cox

3) Fosforilação da frutose-6-P em frutose-1,6-BiP

(PFK-1)

• Essencialmente irreversível sob condições celulares;


• Primeiro passo comprometido para servir a via glicolítica  essa molécula
é destinada para glicólise;
• As duas anteriores a essa, podem ter outros destinos;
• Requer o cofator Mg2;
• A atividade dessa enzima, é aumentada quando níveis de ATP ↓ (regulação
alostérica) e é inibida quando os níveis retornam ao normal;
Princípios de Bioquímica de Lehninger – David L. Nelson & Michael M. Cox

4) Clivagem da frutose-1,6-BiP

• Reação reversível:
• Não necessita de cofator;
Princípios de Bioquímica de Lehninger – David L. Nelson & Michael M. Cox

5) Interconverção das trioses fosfatos

• Reação reversível:
• Apenas gliceraldeido-3-P pode seguir a via;
Princípios de Bioquímica de Lehninger – David L. Nelson & Michael M. Cox

6) Oxidação do gliceraldeído-3-P em 1,3-bifosfoglicerato

• Reação de oxidação;
• Reação reversível (conserva a energia - NADH ):
• Necessita de um cofator – NAD+ (íon hidreto);
Princípios de Bioquímica de Lehninger – David L. Nelson & Michael M. Cox

7) Transferência do fósforo do 1,3-bifosfoglicerato para o ADP

• Reação reversível;
• Necessita de um cofator – Mg2+;
• Produção de uma molécula de ATP;
Princípios de Bioquímica de Lehninger – David L. Nelson & Michael M. Cox

8) Conversão do 3-fosfoglicerato em 2-fosfoglicerato

• Reação reversível;
• Necessita de um cofator – Mg2+;
Princípios de Bioquímica de Lehninger – David L. Nelson & Michael M. Cox

9) Desidratação do 2-fosfoglicerato para


fosfoenolpiruvato (PEP)

• Reação reversível;
Princípios de Bioquímica de Lehninger – David L. Nelson & Michael M. Cox

10) A transferência do grupo fosforil do (PEP) para o ADP

• Inibida ↑ [ ]s ATP, acetil-CoA, ácidos graxos;


• Reação essencialmente irreversível e importante para o sítio de regulação;
• Necessita de um cofator – K+; e Mg2+;ou Mn2+;
Princípios de Bioquímica de Lehninger – David L. Nelson & Michael M. Cox
Princípios de Bioquímica de Lehninger – David L. Nelson & Michael M. Cox

Via Glicolítica – Fase de compensação (pagamento)


Princípios de Bioquímica de Lehninger – David L. Nelson & Michael M. Cox

BALANÇO FINAL

Glicose + 2ATP + 2NAD+ + 4ADP + 2Pi  2 piruvato + 2ADP + 2NADH + 2H+ + 4ATP + 2H2O
Princípios de Bioquímica de Lehninger – David L. Nelson & Michael M. Cox

VIAS AFLUENTES (ALIMENTADORAS) DA GLICÓLISE


Princípios de Bioquímica de Lehninger – David L. Nelson & Michael M. Cox

IMPORTÂNCIA DOS INTERMEDIÁRIOS FOSFORILADOS

• Cada um dos nove intermediários glicolíticos entre a glicose e o piruvato são


fosforilados. Os grupos fosforil parecem ter três funções:

 Mantém os açúcares fosforilados dentro da célula (membrana plasmática não tem tais
transportadores);
 No processo de formação das moléculas de ATPs, os grupos fosforil são doados ao
ADP para formar os ATPs;
 O acoplamento de grupos fosfatos ao sítio ativo de enzimas reduz a energia de
ativação e aumenta a especificidade das reações enzimáticas.
Princípios de Bioquímica de Lehninger – David L. Nelson & Michael M. Cox

OS TRES DESTINOS CATABÓLICOS DO PIRUVATO


Princípios de Bioquímica de Lehninger – David L. Nelson & Michael M. Cox

DESTINOS CATABÓLICOS DO PIRUVATO EM CONDIÇÕES ANAERÓBIAS:


FERMENTAÇÃO
Princípios de Bioquímica de Lehninger – David L. Nelson & Michael M. Cox

Reação catalizada pela piruvato descarboxilase e álcool desidrogenase na


fermentação alcoóolica
Princípios de Bioquímica de Lehninger – David L. Nelson & Michael M. Cox
Princípios de Bioquímica de Lehninger – David L. Nelson & Michael M. Cox

GLICOGÊNIO
Como ele é disponibilizado?
Princípios de Bioquímica de Lehninger – David L. Nelson & Michael M. Cox

DISPONIBILIDADE DE GLICOSE VIA  GLICOGÊNIO

• Glicogênio fosforilase hidroliza a ligação α 1-4 no glicogênio e libera  Glicose-1-fosfato.


• A fosfoglicomutase converte a glicose-1-fosfato em glicose-6-fosfato.
Princípios de Bioquímica de Lehninger – David L. Nelson & Michael M. Cox

G
L
I
G C
L O
I N
C E
Ó O
L G
I Ê
S N
E E
S
E
Princípios de Bioquímica de Lehninger – David L. Nelson & Michael M. Cox

GLICONEOGÊNESE
• O suprimento de glicose a partir dos estoques (glicogênio,
etc...) não é suficiente;
• Entre as refeições e durante períodos de jejum mais longos,
ou após exercício vigoroso, o glicogênio esgota-se;
• Assim, o organismo precisa de um método para sintetizar
glicose a partir de precursores que não são carboidratos;
• Isso é realizado por essa via – gliconeogênese;
• Ocorre em todos animais, vegetais, fungos e microrganismos;
• Os precursores em animais são compostos de três carbonos:
lactato, piruvato, o glicerol, e certos aminoácidos;
• Em mamíferos a gliconeogênese ocorre principalmente no
fígado (em menor extensão no córtex renal e nas células
epiteliais-intestino delgado);
• Em plantas oriundas de sementes, as gorduras e as proteínas
estocadas nas sementes são convertidas, por vias que
incluem a gliconeogênese, ao dissacarídeos sacarose .
Princípios de Bioquímica de Lehninger – David L. Nelson & Michael M. Cox

Gliconeogênese X Glicólise
• Não são vias idênticas;
• Ocorrem em direções opostas;
• Compartilham várias etapas;
• Sete das 10 reações enzimáticas da gliconeogênese são o
inverso das reações glicolíticas;
• Três reações da glicólise são essencialmente irreversíveis e não
podem ser utilizadas na gliconeogênese:
• Conversão da glicose em glicose-6-fosfato (hexoquinase);
• A fosforilação da frutose-6-fosfato em frutose-1,6-bifosfato
(PFK-1);
• A conversão de fosfoenolpiruvato em piruvato pela piruvato-
cinase.
Princípios de Bioquímica de Lehninger – David L. Nelson & Michael M. Cox

PRIMEIRO DESVIO DA GLICONEOGÊNESE

A conversão de piruvato em fosfoenolpiruvato requer duas


reações

Primeira reação de contorno


piruvato  PEP
Princípios de Bioquímica de Lehninger – David L. Nelson & Michael M. Cox

Segunda reação de contorno piruvato  PEP


Princípios de Bioquímica de Lehninger – David L. Nelson & Michael M. Cox

SEGUNDO E TERCEIRO DESVIO DA


 FBPase-1 Gliconeogênese
Princípios de Bioquímica de Lehninger – David L. Nelson & Michael M. Cox

Oxidação da glicose pela via das pentoses-fosfato

• A glicose-6-fosfato é oxidada até pentoses-


fosfato  via das pentoses fosfatos (via do
fosfogliconato ou via da hexose-monofosfato);
• Células em divisão rápida (pele, medula óssea,
mucosa intestinal) usam pentoses para as vias
de síntese de DNA, RNA, coenzima reduzidas 
NADH, FADH2 e Coenzima A;
• Em outros tecidos o produto principal não são
pentoses, mas o NADPH:
• Reações biossintéticas (Síntese intensa de
ácidos graxos);
• Defesa contra radicais livres (eritrócitos e
células da córnea);
Princípios de Bioquímica de Lehninger – David L. Nelson & Michael M. Cox

Por hoje é só…