Você está na página 1de 3

Construção da Resistência à balbúrdia do governo Bolsonaro

Nota do DCE Livre UFPI e CAs sobre o Corte de 30% do orçamento da UFPI e demais
Instituições Federais de Ensino
Rumo à Greve Geral da Educação no dia 15 de Maio

Nos últimos dias fomos surpreendidos por uma verdadeira balbúrdia por
parte do governo ultraneoliberal e fascista de Bolsonaro, que através do novo
Ministro da Educação, Abraham Weintraub, decidiu atacar abertamente o
pensamento crítico e declarar guerra às instituições de ensino público: atacando os
cursos de humanas, sobretudo Filosofia e Sociologia, sugerindo que as demais
áreas do conhecimento sejam atividades técnicas e mecânicas e ​anunciou o
bloqueio de 30% do orçamento de três universidades federais de excelência, a UnB,
UFF e UFBA, sob a falsa justificativa de que estas universidades seriam antros de
tumulto e baixa avaliação acadêmica, quando na verdade estas são instituições
internacionalmente reconhecidas em rankings de desempenho. Não satisfeito, o
governo resolve estender esses bloqueios para absolutamente todas as instituições
federais de ensino do Brasil, resultando em um alerta crítico para a educação
pública brasileira e para a UFPI. Segundo o reitor Arimatéia Dantas, o bloqueio do
MEC representa quase 50% do orçamento para o período de maio a dezembro, e o
diagnóstico é de que a instituição pode fechar as portas até o mês de setembro de
2019, caso sejam mantidos tais cortes, comprometendo gravemente a capacidade
de cumprir com as atividades administrativas e acadêmicas.

Segundo a nota lançada pela UFPI à imprensa, o bloqueio representa um


corte total de mais de 33 milhões de reais:

a) mais de 1,5 milhão dos programas de Ensino, Pesquisa e Extensão


(Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC), Programa
Institucional de Bolsas de Iniciação Tecnológica (PIBIT), Programa
Institucional de Bolsas de Extensão (PIBEX), Programa de Monitoria etc.;

b) mais de 2,8 milhões para o funcionamento das três escolas


vinculadas (Colégios Técnicos de Teresina, Floriano e Bom Jesus);

c) e 28,7 milhões para o funcionamento do Ensino Superior. Afeta


diretamente os serviços de vigilância, limpeza, fornecimento de energia e
água, manutenção de equipamentos, transporte, dentre outros. A UFPI, com
apenas 48 anos de existência, tem se firmado como uma das instituições que
mais contribui para o desenvolvimento do estado e do país, e Bolsonaro
declarou sua sentença de morte.

Seu projeto é de desmonte da educação pública, bem como da


desmoralização das universidades de excelência que contribuem com a produção
intelectual, científica e de assistência à população do Brasil, para no final entregar
tudo de bandeja aos tubarões do ensino privado que são os que mais lucram com o
desmonte de instituições como a UFPI, IFPI e UESPI - não por coincidência, a irmã
Construção da Resistência à balbúrdia do governo Bolsonaro
Nota do DCE Livre UFPI e CAs sobre o Corte de 30% do orçamento da UFPI e demais
Instituições Federais de Ensino
Rumo à Greve Geral da Educação no dia 15 de Maio

de Paulo Guedes, Elizabeth Guedes, é vice-presidente da Associação Nacional de


Universidades Privadas (ANUP). É um projeto que possui aversão à liberdade de
ideias e de produção de pensamento crítico, e por isso busca perseguir aqueles que
pensam de forma diferente e pôr fim à autonomia universitária.

Na terça-feira (7), durante audiência na Comissão de Educação no Senado, o


atual ministro Abraham Weintraub falou que “se a economia tiver crescimento, com
a reforma da previdência, se descontingencia o recurso”, relacionando o
crescimento da economia à aprovação da reforma da previdência, que, em
consequência, reestabeleceria o orçamento das instituições. Na verdade, o ministro
usa a educação como barganha para a aprovação da reforma da previdência, bem
sabemos que a reforma, além de prejudicar os trabalhadores, não irá estancar crise
alguma, pois tais medidas não interferem nos verdadeiros privilégios, tais como os
dos militares de alta patente, sendo sanada com a auditoria da dívida pública, com
uma reforma tributária que tribute efetivamente as grandes fortunas. Mais do que
isso, a reforma da previdência se apresenta como uma compensação aos
empresários e proteção aos militares, dando mais privilégios a quem já os
possuem.

Convocamos cada estudante da UFPI a contribuir, demonstrando sua


indignação, através de cartazes, frases e fotos de laboratórios e salas de aula
mostrando para a sociedade qual é a “balbúrdia” que fazemos na UFPI, postando
nas redes sociais e marcando o DCE (@dceufpi) para que possamos divulgar! Além
disso, será construído, em parceria com a ADUFPI, uma aula pública, dia 14 de
maio, às 17h, na entrada principal da UFPI, a fim de

Mas a UFPI se nega a morrer! Se por um lado existe um governo que ataca
as universidades, do outro temos estudantes, pesquisadores, professores e técnicos
à total disposição para lutar em defesa da educação. Desde os anúncios dos cortes,
o DCE UFPI, em sintonia com as mobilizações nacionais, realizou uma reunião com
todos os Centros Acadêmicos, onde foi orientada a realização de assembleias em
todos os cursos para mobilizar cada estudante da universidade rumo ao dia 15 de
maio, em que todo Brasil vai parar e irá para as ruas contra os cortes
orçamentários e pela liberdade de ensinar e aprender! Em Teresina, convocamos
todas e todos a estarem presentes no ATO UNIFICADO da Greve Geral da Educação
no dia 15/05, com concentração a partir das 08h30 da manhã, no centro de
Teresina, ao lado do INSS (próx. a Praça da Bandeira), em que junto à comunidade
do IFPI e demais setores da Educação e da sociedade iremos declarar guerra aos
inimigos da Educação!
Construção da Resistência à balbúrdia do governo Bolsonaro
Nota do DCE Livre UFPI e CAs sobre o Corte de 30% do orçamento da UFPI e demais
Instituições Federais de Ensino
Rumo à Greve Geral da Educação no dia 15 de Maio

Assinam esta nota:


Diretório Central dos Estudantes - DCE UFPI