Você está na página 1de 43

Professora Maria Alice Interno Victor Hugo P.

Simões

MANUAL DE CONDUTAS EM PEDIATRIA


ACNE : Clindoxyl® gel: aplicar na região das lesões, 1x a noite, por 30 dias.

AFTAS (ESTOMATITE AFTOSA) ------------------------------------------------------------------------------------

o Gingilone® (Hidrocortisona + Neomicina + Ácido ascórbico + Benzocaína) pomada bucal: aplicar


nas lesões aftosas 3xdia, durante 3 dias.
o Mud Oral (1 tubo): usar no local, 3x ao dia.
o Hexomedine spray (isotionato de hexamidina 1mg/ml + cloridrato de tetracaína 0,5mg/ml) –
aplicar de 4/4h por no máx 5d (crianças >3a)
o AD MUC creme: aplicar nas lesões aftosas 3xdia.
o Analgésico tópico:
Benzidamina (Flogoral® solução): bochechar e desprezar o líquido (uso apenas para acima de 6
anos).
o Vitamina C gotas: tomar 10 gotas VO, 2x ao dia.
o Vitamina A gotas: tomar 10 gotas VO, 2x ao dia.
OBS: Oncilon® em orabase não deve ser indicado para pacientes pediátricos

ALERGIA/ANTI-ALÉRGICOS

Orientações: para que o tratamento seja efetivo, nós devemos orientar medidas de controle ambiental
(evitar animais domésticos, cortinas pesadas, trocar roupas de cama diariamente, quarto bem iluminado e
com boa ventilação, etc).
Em geral fazemos uso de Anti-histaminicos e em casos mais intensos associamos com predsin ou prelone
(corticoides)

ANTI-HISTAMINICOS QUE PODEM SER USADOS:


o Hixizine®(CLORIDRATO DE HIDROXIZINA) – 1° geração: bem indicado na dermatite atópica e
urticária. Idade p/ uso: 1 mês ou 5 kg.
Apresentação xarope 2mg/ml (BIZU: PESO ÷ 4)
Dose: 0,5 mg /kg/dose
Crianças a partir de 6 anos e adultos: 10 a 25 mg/tomada.

o DEXCLORFENIRAMINA (POLARAMINE®) - 1ª geração. Idade para uso: 2 anos.


Desvantagem: causa sono/sedação.
Dose: 0,2 mg/kg/dia VO 8/8 h (Macete: Peso ÷ 6)
Para maiores de 12 anos: Dar 1 comprimido VO de 8/8 h
Apresentação: xarope 2mg/5ml e comprimidos de 2mg.

o PROMETAZINA (FENERGAN®) - 1ª geração. Idade para uso: 2 anos.


Desvantagem: causa sono/sedação intenso.
Dose: 0,5mg/kg/dia IM
Apresentação: ampola 50mg/2ml.

o LORATADINA (HISTADIN®, CLARITIN®) - 2ageração. Idade para uso: 2 anos. Vantagem: provoca
menos sedação que o POLARAMINE e FENERGAN.
*Uso 1xdia.
2 a 6 anos ou <30kg: 5ml/dia
Maiores de 6 anos ou >30kg: 10ml/dia
Apresentação: xarope 5mg/5ml e comprimidos de 10mg.

o DESLORATADINA (DESALEX®) - 2ª geração. Obs: receita de vida. Idade para uso: 6 meses.
Vantagem: provoca menos sedação que a POLARAMINE e FENERGAN.
Dose: 6 meses – 12meses: 2ml VO, 1xdia.
1 – 5 anos: 2,5ml VO, 1x dia.
6 – 12 anos: 5ml VO, 1x dia.

1
Professora Maria Alice Interno Victor Hugo P. Simões

Adolescentes: 1 comp/dia

o FEXOFENADINA (ALLEGRA®) - 2ª geração. (MELHOR e MAIS CARO). Idade para uso: 6 meses.
Vantagem: praticamente não tem penetração no SNC, não causando sedação.
Dose: 6 meses – 2 anos: 2,5ml VO, 2x ao dia.
2 – 11 anos: 5ml VO, 2x ao dia.
>11 anos: 1 comprimido (120mg) VO, 1x ao dia.

CORTICOIDES QUE PODEM SER USADOS:


o DEXAMETASONA: 4mg/ml e 4mg/2,5ml
Dose: 0,15 mg/kg/dose 6/6 - 8/8 - 12/12 (IV ou IM)

o HIDROCORTISONA: 100mg+2ml AD ou 500mg+5ml AD


Dose ataque 10mg/kg/dose
Dose de manutenção 5mg/kg/dose 6/6 OU 8/8 OU 12/12 IV ou IM

o KÓIDE D® (MALEATO DE DEXCLORFENIRAMINA + BETAMETASONA) é um anti-histamínico


sistêmico indicado no tratamento de asma brônquica grave e rinite alérgica, afecções alérgicas
cutâneas e nas afecções alérgicas inflamatórias oculares nariz e garganta.
2-6 anos de idade: (1,25 a 2,5 mL) 3 X dia.
6-12 anos de idade: 2,5 mL 3 vezes ao dia. Se uma dose diária adicional for requerida, deverá ser
administrada preferencialmente ao deitar.
>12 anos de idade: A dose inicial recomendada é de 1 a 2 colheres de chá (10 mL), 3 a 4 vezes ao
dia, após as refeições e ao deitar. A dose não deverá exceder a 8 colheres de chá (40 mL) ao dia.

OBS: ANGIOEDEMA NA CRISE ALERGICA  Fazer adrenalina 0,01ml/kg e repetir a cada 30min.

AMIGDALITE ESTREPTOCÓCICA ---------------------------------------------------------------------------------

Em caso de suspeita de infecção da via aérea superior por Streptococcus (presença de placas supurativas
nas tonsilas e/ou hemograma com leucocitose e provável desvio a esquerda), devemos lançar mão do uso
de antibióticos. Desta forma, temos:

Terapêutica: Analgésico + antinflamatório+ antibióticos

1ª Escolha: Benzetacil® (Penicilina Benzatina)

<25 kg: 50.000U/Kg IM (região glútea – metade da dose em cada nádega) - dose única.
>20 kg:1.200.000 U(1 ampola) IM(região glútea – metade da dose em cada nádega) - dose única.
Penicilina V, VO por 10 dias ou
Para alérgicos eritromicina por 10 dias

2ª Escolha: Amoxicilina
Sinot® ou Novacilin® (Amoxicilina 400mg/5ml – dica: PESO / 3) – VO de 12/12h por 10 dias
Amoxicilina 50mg/kg/dia 8/8h (7h 3h 11h) por 10 -14dias
Ou Clavulin® (Amoxacilina+Clavulanato) 40mg/kg/dia (dividido em duas tomadas).

3ª Escolha (alérgicos a penicilina):


Azitromicina 10mg/kg/dia, dose única diária, por 5 dias; ou
Claritromicina 7,5mg/kg/dose por 10 dias; ou
ANEMIA FERROPRIVA (D50.9)

o Sulfato ferroso (Noripurun®): fazer 3-5mg dia (dividido em 3 doses), por 4 meses.
Gotas: tomar 1 gota/kg (máximo de 50 gotas/dia), 2 a 3x/dia;
Xarope (5mg de ferro/ml): tomar 1 colher do xarope (5ml) VO, 2x ao dia (após as refeições);

2
Professora Maria Alice Interno Victor Hugo P. Simões

Comprimido (100mg, com 40mg de Fe elementar): tomar 1 comprimido VO, 1x ao dia, após o almoço.

o Anemix® (ferro oral + vitaminas do complexo B): 1 colher VO, 2x/dia (frasco com 150ml).

o Combiron®: 1 colher VO, 2x/dia (frasco com 120ml); ou 1 comprimido VO, 12/12h.

o Vi-Ferrin®: quelato de ferro 300mg + ácido fólico 5mg + cianocobalamina 15mcg.


Gotas (6 meses – 2 anos): 1 gota/quilo, 1 a 2x/dia, por 4 meses.
Elixir (3 – 10 anos): 5ml VO, 1 a 2x/dia, por 4 meses.
Elixir ou comprimido (>10 anos): 10ml ou 1 cp VO, 1 a 2x/dia, por 4 meses.
OBS: Crianças após 6 meses de aleitamento materno devem receber o ferro profilático até os 2 anos de
idade na dose de 1mg/kg/dia de Fe 1xdia. DICA: 1gt/kg. (No uso de sulfato ferroso iniciar com 1gt/dia até
atingir a dose preconizada igual o peso da criança).

ANOREXIA / FALTA DE APETITE

o Nutrifan® - Dar 2,5ml 1xdia antes do almoço.


ANSIEDADE/DISTÚRBIO DO COMPORTAMENTO DO SONO

Acalmil® - 1cp VO (fitoterápico)

ASMA

Doença inflamatória crônica das vias aéreas que resulta da redução ou obstrução do fluxo de ar. As crises
asmáticas são caracterizadas por sintomas como DISPNÉIA, TOSSE e SIBILOS com piora noturna. Pode
ser considerada como um quadro de “bronquite de repetição”. O tratamento é dividido em TRATAMENTO
DA CRISE x TRATAMENTO DE MANUTENÇÃO.

A) Tratamento de manutenção (prevenção)


o Ciclesonida (Alvesco®) 160mcg: fazer 1 jato com espaçador (bombinha + espaçador), 2x ao dia
(uso contínuo).
OBS: A Ciclesonidas pode ser utilizada por pacientes com mais de 2 anos de idade.

o Nasonex® (Furoato de Mometasona): aplicar 1 jato (<12 anos) ou 2 jatos (>12 anos) em cada narina,
1x ao dia (uso contínuo). Obs: receita de vida.

o Beclometazona (Clenil®) HFA 250mg spray agitar e fazer 1 jato com espaçador 3 vezes ao dia
dose mínima de 500 mcg e dose máxima de 1000 mcg. OBS: (Farmácia popular gratuito)

B) Tratamento da crise
o Aerolin® spray (Salbutamol) 100mcg: agitar e fazer 3 jatos, até 3/3h, se necessário, durante 5 a 7
dias. (Farmácia popular gratuito).
o Desalex® (Desloratadina): dar 5ml VO 1x ao dia, Obs: receita de vida.
o Predsin® solução oral (Prednisona) 60ml: dar 10ml 1x ao dia, durante 5 a 7 dias.
o Prelone® gotas ou solução oral (Prednisona) 60ml: 0,14 a 2 mg/kg por dia em 1 a 4 vezes Dica:
(peso x 2= gotas) até 20 kg acima utiliza solução oral que é peso por 3.

C) Tratamento: (Em ambiente hospitalar)


o O2
o Berotec/ aerolin dose: peso/2 → 1 gota para 2 kg podendo repetir de ate de 20-20 minutos
o Atrovente® o dobro da dose de berotec repetir só de 4-4 horas
o Hidrocortisona: 100mg e 500mg
Dose ataque 10mg/kg/dose
Dose de manutenção 5mg/kg/dose 6/6 - 8/8 - 12/12 IV ou IM
o Hidratação com SF 0,9%.

D) Asma grave:

3
Professora Maria Alice Interno Victor Hugo P. Simões

o NBZ com adrenalina - 1ml + SF 0,9% 3ml (fazer 6l/min 2-3x com intervalos de 20-30min)
o Ventilação com Venturi 50%
o Rx de tórax/hemograma
o Encaminhar para serviço especializado se necessário
OBS: atenção paciente asmático sempre tem que sair com receita para a prevenção e para a crise,
prednisona não deve ser usado mas que 15 dias, lembrar de testar o frasco se tem remédio no frasco,
colocando num recipiente com água se afundar é por que está cheio

AVALIAÇÃO DO PACIENTE ASMÁTICO

AVALIE CLASSIFIQUE TRATE


FREQUENCIA DE CRISES * DIARIAS ASMA GRAVE ORIENTAR COMO PROCEDER NA
SINTOMAS NOTURNOS ACORDA MAIS DE 2 X CRISE
/SEMANA DEVIDOÀ TOSSE OU DISPNEIAOU REFERIR AO ESPECIALISTA E NA
HISTORIA DE INTERNAÇÀO NOS ULTIMOS 12 IMPOSSIBILIDADE INICIAR
MESES CORTICOIDE INALATORIO
FREQUENCIA DE CRISES * 2 X SEMANA OU ASMA MODERADA ORIENTAR COMO PROCEDER NA
SINTOMAS NOTURNOS: ACORDA 1 A 2 X CRISE
SEMANA POR TOSSE OU DISPNEIA ENCAMINHAR < 1 ANO AO
ESPECIALISTA
INICIAR CORTICOIDE INALATORIO
FREQUENCIA DE CRISES * INFERIOR A 2 X ASMA LEVE ORIENTAR COMO PROCEDER NA
SEMANA CRISE
SINTOMAS NOTURNOS: ATE 1 X SEMANA E, NO
MAXIMO 3 X MES

COMO AVALIAR A CRIANÇA COM TOSSE OU DIFICULDADE RESPIRATORIA AVALIE E


CLASSIFIQUE A CRISE DE SIBILANCIA

SINAIS CLASSIFIQUE TRATE


Sensório: letargia, inconsciente, sempre CRISE DE REFERIR URGENTEMENTE
agitada ou SIBILANCIA GRAVE OXIGENIO 3-5 L/MIN
Dispneia: falar somente palavras isoladas ou OU DOENÇA MUITO BETA-2 AGONISTA INALATORIO
Musculatura acessória: tiragem subcostal e GRAVE CORTICOIDE ORAL: PREDNISONA
supraclavicular ou SAT O2 <90% PRIMEIRA DOSE DE ANTIBIOTICO:
AMOXICILINA/ PENICILINA
Sensório: alerta com períodos de agitação CRISE DE BETA -2 VI (ATE 3 X, A CD 20 MIN)
dispneia: fala frases entrecortadas ou SIBILANCIA CORTICOIDE ORAL OU EV
musculatura acessória: tiragem subcostal e MODERADA SE NÃO MELHORAR: REFERIR AO
FR elevada ou SAT O2:90-95% HOSPITAL
SE MELHORAR: TRATAMENTO
DOMICILIAR COM BETA-2 E
CORTICOIDE ORAL P/ 5 DIAS,
REAVALIAR COM 2 DIAS, ORIENTAR
QUANDO RETORNAR
IMEDIATAMENTE.
NENHUM SINAL DE CRISE DE SIBILANCIA CRISE DE BETA-2 AGONISTA NA UBS, SE
GRAVE OU MODERADA SIBILANCIA LEVE NECESSARIO
SAT O2 > 95 % CORTICOIDE ORAL SE EM USO DE
BETA-2 P/ 24 H OU MAIS SE NÀO
MELHORAR EM 2 DIAS, REAVALIAR.

B
BRONQUITE : A bronquite é a inflamação dos brônquios, podendo ser aguda ou crônica. A bronquite
aguda ou crônica é caracterizada por tosse e expectoração e sintomas relacionados a obstrução das vias
áreas pela inflamação e pela secreção, como dificuldade de respiração e chiados. O tratamento, assim
como a asma, deve constar de duas prescrições:

4
Professora Maria Alice Interno Victor Hugo P. Simões

A) Tratamento de manutenção (prevenção)

o Beclort® (Beclometasona) 250mcg: agitar, fazer 1 jato no espaçador e aguardar 20 segundos com
o espaçador na boca. Fazer esta sequência 2 a 4x ao dia (a depender da gravidade). Sempre lavar
o rosto da criança com água e sabão após a aplicação.
o Em caso de rinite associada: Allegra® (Fexofenadina) suspensão pediátrica 150ml: dar 2,5ml VO,
2x ao dia (uso continuo)

B) Tratamento da crise

o β-2 agonista de curta durão: Aerogold® (Salbutamol) 100mcg: agitar e fazer 2 jatos, separadamente
(mas na mesma administração durante o dia), com o espaçador. Usar de 4/4h, por 5 a 7 dias.
OBS: Tosse como queixa principal:
 Rinite / sinusite: tosse na primeira hora após deitar e/ou assim que acorda.
 Asma / bronquite / refluxo gastresofágico: tosse ao longo da noite e madrugada.
 prevenção da bronquite: Beclometasona 1 jato em cada narina 2-4x dia + alegra (se rinite associada)

C
CERA EXECESSIVA : CERUMIN®: 2 gotas em cada ouvido 4 x ao dia

CONSTIPAÇÃO/PRISÃO DE VENTRE

o Glicerol 0,831g (Glicel®), para lactentes: 1 supositório via retal, 1 a 2x ao dia.


o Wactrelona 5ml a noite

CRISE CONVULSIVA / EMERGÊNCIA EPILÉPTICA

o 1ª Escolha: Diazepam: 0,1 – 0,3mg/kg/dose, até 3x, com intervalos de, no mínimo, 15 – 30 minutos
(evitar diluir a medicação).
 Apresentação: Ampolas de 2ml com 5mg/ml.
 Idade para uso: 3 meses
 Formas de administração: fazer 0,02 – 0,06ml da ampola (evitar diluir) EV ou via retal com
auxílio de uma sonda (ao se optar por esta via, deve-se dobrar a dose). Se a diluição for
realizada, pode-se diluir 1 ampola com 8 ml de água destilada e fazer 0,3ml da solução x
peso.
 Em caso de convulsão: acesso venoso, O2 inalatório, medição de dados vitais (inclusive
temperatura) e, depois, colher melhor a história.
 Caso a crise não passe após as 3 doses, optar pela 2ª Escolha.

o 2ª Escolha: Fenitoína (Hidantal®)


 Apresentação: ampolas de 5ml com 50mg/ml
 Idade para uso: 0 meses.
 Dose de ataque: 15-20mg/kg/dose
 Manutenção: 5mg/kg/dose 12/12h a 8/8h.

o
3ª Escolha: Fenobarbital (Fenocris®)
 Apresentação: ampola 200mg/2ml
 Idade para uso: 0 meses.
 Dose de ataque: 20 mg/kg/dose EV (pode repetir 10mg/kg/dose por mais 2x se a crise
persistir).
 Dose de manutenção: 3-5mg/kg/dia 12/12 h OBS: Iniciar 12 h após dose de ataque.
COQUELUCHE ----------------------------------------------------------------------------------------------------------

o Azitromicina: 10 a 12mg/kg/dia (máximo de 500mg), por 5 a 7 dias.


o Encaminhar para serviço de referência em pediatria.

5
Professora Maria Alice Interno Victor Hugo P. Simões

CONJUTIVITE BACTERIANA (ULCERA CÓRNEA) / HORDEOLO ----------------------------------------

o MAXIFLOX® (ciprofloxacino): D é com dexametosona. Pomada oftálmica 3 a 4 vezes por dia.


Colírio: Instilar 1 ou 2 gotas a cada 2 horas durante os 2 primeiros dias de tratamento. Instilar
então, 1 ou 2 gotas a cada 4 horas, durante os 5 dias subsequentes

DOENÇA DO REFLUXO GASTRESOFÁGICO (DRGE)

Crianças de 12 a 18 anos (tratamento limitado a 8 semanas):

o Refluxo gastresofágico: Esomeprazol (Esomex®) 20mg, 1x ao dia, por 4 semanas.


o Esofagite erosiva: Esomeprazol (Esomex®) 40mg, 1x ao dia, por 4 semanas.

DENTIÇÃO (EUPÇÃO/EXTRUSÃO DENTÁRIA) Sintomáticos: analgésicos e antitérmicos, se


necessário:

o Dipirona gotas 1gt/kg de 6/6h e/ou Ibuprofeno (alivium) gotas 1gt/kg de 8/8h
o CamomilinaC: aplicar 1 conteúdo da capsula na região da irritação.
DESIDRATAÇÃO

Para tratar uma criança com sinais e sintomas de desitratação em resposta a uma desinteria ou diminuição
da oferta hídrica, nós inicialmente devemos avaliar o estado de hidratação da mesma e enquadra-la em
três planos de tratamento conforme o grau de desidratação: PLANO A X PLANO B X PLANO C.

Avaliação do estado de hidratação do paciente


Etapas A observer A B C
Estado geral Bem, alerta Irritado, Comatoso, hipotônico*
intranquilo
Olhos Muito fundos e secos
Normais Fundos

Lágrimas Presentes Ausentes Ausentes


Sede Bebe normal Sedento, bebe Bebe mal ou não é
rápido capaz de beber*
Explorar
Sinal da prega Desaparece Desaparece Desaparece muito
rapidamente lentamente lentamente
Pulso Rápido, fraco Muito fraco ou
Cheio ausente*
Definir
Se apresentar 2 ou Se apresentar 2 ou
Sem sinais de mais sinais: Com mais sinais, incluindo
desidratação desidratação pelo menos 1 com
asterisco:
Desidratação grave
Tratar
PLANO A PLANO B PLANO C

PLANO A: CRIANÇA SEM DESIDRATAÇÃO

o Recomendar o aumento da ingestão de líquidos utilizando ingredientes disponíveis no próprio


domicílio: soro caseiro (vide mais adiante), chás, cozimento de cereais (arroz, milho), sopas e

6
Professora Maria Alice Interno Victor Hugo P. Simões

sucos. O soro caseiro permite manter uma criança com diarreia aguda hidratada, porém ele não
é capaz de reidratar uma criança desidratada.
A mãe deverá ser orientada a oferecer depois de cada evacuação um volume de soro
correspondente a:
 50 a 100 ml (1/4 a meio copo): para crianças de até 12 meses.
 100 a 200 ml (1/2 a 1 copo): crianças acima de 12 meses.
 Quantidade que desejar: adolescentes (maiores de 10 anos).

o Manter a alimentação habitual para prevenir desnutrição (em especial, o leite materno,
aumentando a frequência das mamadas). As seguintes considerações gerais devem ser
tomadas: Evitar Gorduras, Evitar frutas cítricas por irritar a mucosa gástrica da criança,
Alimentação adequada de acordo com a faixa etária, Nunca suspender o aleitamento materno,
exceto nos casos de pesquisa de Rotavírus positiva, pois pode levar à intolerância temporária à
lactose.

o Orientar sobre os sinais precoces de desidratação: Redução da Diurese, Vômitos


Incoercíveis, Sonolência, Boca seca, Olhos fundos, Muita sede. NESSE CASO LEVAR A
CRIANÇA IMEDIATAMENTE AO SERVIÇO DE SAÚDE.

o Administrar ZINCO 1xdia por 10-14 dias.


 Até 6 meses: 10mg/dia
 > 6 meses: 20mg/dia

PLANO B: CRIANÇAS COM DESIDRATAÇÃO

o Administrar Solução de Reidratação Oral (SRO) e suspender alimentos, exceto o LM: A


quantidade de solução ingerida dependerá da sede da criança. A SRO deverá ser administrada
continuamente até que desapareça os sinais e sintomas de desidratação. Apenas como uma
orientação inicial, a criança deverá receber de 50 a 100 ml/kg de solução de reidratação oral (com
75mEq de sódio por litro), no período de quatro a seis horas.

o Durante a reidratação reavaliar o paciente seguindo as etapas do quadro “avaliação do estado


de hidratação”: 1) se desaparecerem os sinais de desidratação, intituimos o PLANO A; 2) Se
continuar desidratado, indicar a sonda nasogastrica (gastróclise); 3) Se o paciente evoluir para
desidratação grave, seguimos para o PLANO C.

o Durante a permanencia do paciente no serviço de saúde, fazer as seguintes orientações ao


acompanhante: 1) Reconhecer os sinais de desidratação; 2) preparar e administrar a SRO; 3)
praticar medidas de hygiene pessoal e domiciliary (lavagem adequada das mãos, tratamento de água
e higienização dos alimentos)
OBS: o plano B deve ser realizado na unidade de saúde. Os pacientes devem permanecer na
unidade de saúde até que a reidratação seja complete.

Algumas considerações gerais:

Pesar a criança no início e a cada hora: por meio deste parâmetro, deve-se avaliar se houve ou
não ganho de peso. Caso não seja registrado aumento de peso ou haja algum registro de perda de
peso, é indicativo de insucesso na dieta adotada.

SRO 10/10 minutos, até desaparecerem sinais de desidratação (30 ml/kg/hora). Se o paciente
vomitar, o volume administrado deverá ser reduzido e a frequência de administração aumentada.
Após a reidratação, que dura geralmente 4 horas, algumas medidas devem ser tomadas; as
principais estão descritas abaixo.

 Iniciar alimentação normal


 Manter oferta de líquidos
 SRO após cada evacuação ou vômito

7
Professora Maria Alice Interno Victor Hugo P. Simões

PLANO C: CRIANÇA COM DESIDRATAÇÃO GRAVE

O tratamento de escolha nestes casos é a hidratação venosa e deve ser opção para os seguintes:
 Desidratação grave
 Quando a criança não ganha ou perde peso após as primeiras duas horas de hidratação por sonda
nasogástrica
 Pacientes com alteração do estado de consciência (criança deprimida, comatosa e incapaz de ingerir
líquidos)
 Quando após o uso da sonda a criança passa a apresentar vômitos persistentes (quatro ou mais por,
no mínimo, uma hora)
 Presença de íleo paralítico (distensão abdominal e ausência de ruídos hidroaéreos).
o O plano C contempla duas fases: FASE RÁPIDA X FASE DE MANUTENÇÃO. Esse tratamento deve
ser instituído em ambiente hospitalar.
o FASE RÁPIDA (de expansão) < 5 anos: SF 0,9% 20ml/kg em 30 minutos. (cardiopatas e RN começar
com 10ml/kg);
o FASE RÁPIDA (de expansão) > 5 anos: 1° SF 0,9% 30ml/kg em 30min + 2° SRL 70ml/kg corer em
2h30min;
o FASE DE MANUTENÇÃO E REPOSIÇÃO (para todas as faixas etárias): a fase de manutenção serve
para cobrir as perdas normais (ou necessidades hídricas diárias), e a fase de reposição deve
compensar as perdas anormais decorrentes da diarréia e do vômito. O volume a ser administrado
nesta fase é resultante da soma dos volumes da manutenção e reposição, e devem estar presentes,
em um mesmo frasco, os seguintes componentes.

Manutenção: SG A 5% 4:1 SF A 0,9% (regra de Holliday)


 Até 10 kg: 100 ml/kg
 10 - 20 kg: 1000 ml + 50 ml/kg acima de 10 Kg (ou seja: para cada kg acima de 10, adiciona-
se 50ml ao esquema).
 Maior que 20 Kg: 1500 ml + 20 ml/kg acima de 20 Kg (ou seja: para cada kg acima de 20,
adiciona-se 20ml ao esquema).
Reposição: SG 1:1 SF
50ml/kg/dia. Reavaliar Essa quantidade de acordo com as perdas do paciente.
+ KCL a 10%

 2 ml para cada 100ml de solução da fase de manutenção.

o Avaliar o paciente continuamente. Se não houver melhora da desidratação, aumentar a velocidade


de infusão.
 Quando o pct puder beber, geralmente 2 a 3 horas após o inicio da reidratação venosa, iniciar
a reidratação por via oral com SRO, mantendo a reidratação venosa;
 Interromper a reidratação por via EV somente quando o pct puder ingerir SRO em quantidade
suficiente para se manter hidratdo. A quantidade de SRO necessária varia de pct para pct,
dependendo do volime das evacuações;
 Lembrar que a quantidade de SRO a ser ingerida deve ser maior nas primeiras 24h de
tratamento;
 Observar o paciente pelo menos seis horas.

Identificar Disenteria e/ou Outras patologias associadas à diarreia.

8
Professora Maria Alice Interno Victor Hugo P. Simões

1 -Perguntar se o paciente apresenta sangue nas fezes (outros achados indicativos: Mais de 8 evacuações por dia;
o
Temperatura axilar > 38,5 C).

 Em caso de positivo e com comprometimento do estado geral: reidratar o paciente de acordo com os planos A,
B e C; iniciar antibioticoterapia.
 Tratamento para crianças:
o Ciprofloxacino: 15 mg/kg Via Oral, de 12/12h, por 3 dias.
o Ceftriaxona: 50 a 100mg/kg, IM, 1x ao dia, por 2 a 5 dias como alternativa.
o Se mantiver a presença de sangue nas fezes após 48 horas do início do tratamento, encaminhar para
internação hospitalar.

2 - Perguntar quando iniciou a diarreia: se tiver mais de 14 dias de evolução:

 Encaminhar o paciente para a unidade hospitalar se:


 Menor que 6 meses
 Apresentar sinais de desidratação.
 Se o paciente não estiver com sinais de desidratação e nem for menor que seis meses, encaminhar para
consulta médica especializada para investigação e tratamento.

OBS: Medicamentos em pacientes com diarreia:

Antibióticos: devem ser usados somente para casos de diarreia com sangue (disenteria) e comprometimento do estado
geral ou em casos de cólera grave. Em outras condições, os antibióticos são ineficazes e não
devem ser prescritos.

Antiparasitários: devem ser usados somente para:


 Amebíase, quando o tratamento de disenteria por Shigella sp fracassar, ou em casos em que se identificam nas
fezes trofozoítos de Entamoeba histolytica englobando hemácias.
 Giardíase, quando a diarreia durar 14 dias ou mais, se identificarem cistos ou trofozoítos nas fezes ou no aspirado
intestinal.

Zinco: deve ser administrado, 1x ao dia, durante 10 a 14 dias.


o Até 6 meses de vida: 10mg/dia.
o Maiores de 6 meses: 20mg/dia.

DIABETES MELLITUS/HIPERGLICEMIA ----------------------------------------------------------------------------------------------

1.Hiperglicemia na urgência / Cetoacidose diabética:

o Hidratação venosa (fase rápida): SF 0,9% 15-20ml/kg em 1 hora (de preferência, em acesso venoso individualizado).
o Insulinoterapia (iniciar após 1 hora de reposição volêmica):
Dose (endovenosa): 0,1 U/kg (bolus) + 0,1 U/kg/hora em BIC.
Pode-se diluir 25 unidades (0,25ml) em 250ml de soro fisiológico (solução com 0,1 U/ml) e calcular 1ml/kg/hora em
infusão contínua (se o paciente estiver muito edemaciado, pode-se reduzir a infusão hídrica pela metade aumentando a
insulina: 50 U + 250ml  0,5ml/kg/hora).
 Medir glicemia capilar (HGT) a cada hora. Objetivo: reduzir glicemia 50- 75mg/dl/hora (não pode reduzir muito
bruscamente devido à possibilidade de edema cerebral). Se glicose não baixar na faixa desejada, dobrar a dose
(infusão) de insulina.

 Quando glicemia estiver em 200- 250mg/dl  iniciar SG 5% 5- 10ml/kg/hora (máximo: 250ml/hora) e reduzir a infusão
de insulina pela metade (fase de manutenção). Pode- se manter o SG 5% até que o paciente seja capaz de se
alimentar.

 Quando o paciente estiver se alimentando, iniciar insulina regular SC (0,5 a 0,8 U/kg) e retirar INSULINA.
o Potássio: medir e avaliar a necessidade de potássio.
+
 Se K alto (>5,2): não repor potássio e fazer apenas insulina; checar potássio a cada 2 horas.
+ +
 Se K de 3,3 – 5,2: repor K 20-30mEq/L; manter potássio entre 4 e 5.
+ +
 Se K baixo (<3,3): repor K (20-30 mEq/hora) e adiar insulina.

9
Professora Maria Alice Interno Victor Hugo P. Simões

o Se pH < 6,9  Repor HCO3.

2.Tratamento ambulatorial da diabetes insulino-dependente:

o Para diabetes recém- diagnosticada, iniciar com 0,3 – 0,5 U/kg/dia (insulina total diária) e adequar conforme a necessidade
(a dose média adequada a um diabético tipo 1 adulto oscila entre 0,5 – 1,0 U/kg/dia).
OBS: Na puberdade, há necessidade de aumento da dosagem para 1,2 – 1,5 U/kg por se tratar do período de estirão, com
liberação de GH e esteroides (hormônios contrarreguladores). Portanto, temos:

 Glargina (Lantus®) ou Determir (Levemir®): 60% da dose de insulina total diária, 1x ao dia ou divida em duas doses
diárias + Aspart (Novorapid®) ou Lispro (Humalog®): 40% da dose de insulina total diária, antes do café, almoço e
jantar, conforme HGT.
Ou
 Esquema com NPH e Insulina Regular (insulinas fornecidas pelo SUS):
 2/3 da dose calculada pela manhã, sendo 70% desta dose de NPH e 30% de regular (30-45 minutos
antes da refeição).
 1/3 da dose calculada à noite, sendo 50% desta dose de NPH e 50% de regular (30-45 minutos antes da
refeição).

OBS: MUITAS VEZES é PRESCRITA UMA DOSE FIXA EMPÍRICA DE INSULINA REGULAR OU ULTRARRAPIDA ANTES
DAS REFEIÇÕES, JUNTAMENTE COM ESQUEMAS BASEADOS NA DOSE DIARIA TOTAL DE CORREÇÃO DE
ACORDO COM A GLICEMIA CAPILAR:

 < 70mg/dl: - 2 U
 71 – 140mg/dl: manter a dose
 141 – 160 mg/dl: +1 U
 161 – 200 mg/dl: +2 U
 201 – 240 mg/dl: + 3 U
 240mg/dl: + 4 U
Nas próximas consultas com o Endocrinologista, reavaliam-se as doses prescritas de acordo com a monitoração do
paciente.

OBS: Exames complementares a serem solicitados:

 Hemograma completo;  Anti-TPO;


 Glicemia de jejum;  Ureia, creatinina;
 Glicemia pós-prandial (GPP);  TGO, TGP;
 Peptídeo C;  Colesterol total e frações;
 TSH, T4 livre;  Triglicerídeos.
DOR ABDOMINAL TIPO CÓLICA------------------------------------------------------------------------------------

o Buscopan® composto:
o Lactentes: evitar
o 1 a 12 anos: Gotas - 1 gota/kg de peso (máximo: 40 gotas) VO, de 6/6h.
o Mais de 12 anos: Comprimido - tomar 1 comprimido VO, de 6/6h.

o Luftal® gotas 75mg/ml (2,5mg/gota):


o Menores que 2 anos: 4 a 6 gotas VO, 3x/doa.
2 a 12 anos: 6 a 12 gotas VO, 3x/dia
DERMATOLOGIA

ABSCESSO -----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

o Cefalexina suspensão: 250/5ml, gotas: 5mg/gt, dose: 100mg/kg/dia de 6/6h por 10 dias. REGRA: PESO/4

DERMATITE ATÓPICA --------------------------------------------------------------------------------------------------


O tratamento da dermatite atópica em pacientes pediátricos exige o uso de corticoides de baixa potência, como a Hidrocortisona.
 Hidrocortisona 1% creme: aplicar nas leses 4x ao dia, durante 7 dias.

DERMATITE GRAVE:

o Montelucaste (Singulair) – 4mg/sashe 1xdia


o Hidratantes corporais

10
Professora Maria Alice Interno Victor Hugo P. Simões

 HidraKids ($ 40,00) – Dermovance ($ 50,00) – Cetofil ($ 130,00) – Fisiogel ($ 230,00)


o Loratadina (manhã)
o Hixizine ou Polaramine (noite)
o Mupirocina ou neomicina + dexametasona : Nas dobras

DERMATITE DE FRALDAS (DERMATITE NÃO- ECZEMATOSA DE CONTATO):

Orientações gerais:

a. Trocar as fraldas com frequência - evitar o contato prolongado da urina e das fezes com a pele. Se possível, deixar o lactente
sem fraldas
b. Limpeza da área afetada apenas com água morna. Evitar lenços umedecidos e sabonetes em excesso.
c. Nas trocas de fralda, usar cremes de barreira (à base de óxido de zinco).

Terapêutica:

Corticoterapia tópica
o Trok-N pomada
o Hidrocortisona 1% creme - 2x/dia por 7dias.
o Desonida 0,05% creme - 2x/dia por 7dias.
A co-infecção por e outras bactérias ou fungos pode ocorrer. (Candida sp)

oClotrimazol ou cetoconazol creme na área afetada 2x/dia durante 14 dias. Pode ser associado ao corticoide, mas evitar
formulações com corticoide e antimicóticos no mesmo veículo (essas apresentações geralmente apresentam corticoides
de alta potência).
DOENÇAS EXANTEMÁTICAS

Sarampo:

o Diagnóstico clínico: exantema máculo-pulmonar na forma de um rash mobiliforme intenso, de direção crânio-caudal; febre;
manchas e lesões em cavidade oral; conjuntivite com fotofobia.
o Diagnóstico laboratorial: sorologia para sarampo.
o Profilaxia pós-exposição: vacina (até 72h após a exposição). Para imunocomprometidos, fazer uso de imunoglobulina.
o Tratamento:
 Sintomáticos
 Vitamina A

Rubéola:

o Diagnóstico clínico: exantema máculo-pulmonar, de direção crânio- caudal, porém mais rápido que o do sarampo; febre;
adenomegalia bastante frequente; conjuntivite sem fotofobia.
o Diagnóstico laboratorial: sorologia para rubéola (IgM e IgG); cultura se sangue e nasofaringe.
o Profilaxia pós-exposição: vacinação de bloqueio e imunoglobulina.

Eritema infeccioso:

o Diagnóstico clínico: anemia; exantema clássico em face esbofeteada;


o Diagnóstico laboratorial: anticorpo
o Tratamento
 Sintomático
 Para pacientes com anemia de base (falcêmicos), realizar imunoglobulina.

Roséola (exantema súbito):

o Diagnóstico clínico: acomete crianças abaixo de 2 anos; temperatura elevada nos 3 a 5 primeiros dias; rash (lesões rosadas
no tronco) nas primeiras 24h após a febre ceder; convulsão febril.
o Diagnóstico laboratorial: IgG para HHV-6.

Mononucleose infecciosa:

o Diagnóstico clínico: febre e odinofagia; faringite às vezes com exsudato; linfadenomegalia generalizada;esplenomegalia;
hepatomegalia; rash maculopapular em tronco (em 3 a 15% dos casos). Ao se utilizar penicilinas para o tratamento, o rash
costuma aumentar a incidência (80%).
o Diagnóstico laboratorial: apesar de ser uma doença viral, apresenta leucocitose, mas com linfocitose e presença de linfócitos
atípicos; pesquisa de anticorpos de Paul- Bunnel; IgM para VCA (antígeno do capsídio viral).

o Tratamento:

11
Professora Maria Alice Interno Victor Hugo P. Simões

 Em caso de obstrução de vias aéreas superiores, fazer corticoterapia.

Varicela Zoster (catapora):

o Diagnóstico clínico: doença altamente contagiosa; presença de lesões que se iniciam como máculo- eritematosas, que evoluem
como vesículas e, por fim, com crostas (apresentando, simultaneamente, lesões em diferentes fases de evolução, em diferentes
partes do corpo), sem deixar cicatriz.

o Tratamento:
 Aciclovir (preferencialmente nas prieiras 24 a 48h da doença).

Escarlatina:

o Diagnóstico clínico: febre alta, cefaleia, mialgia; exantema micropapular, dando a pele uma textura áspera, como uma
lixa; hiperemia facial com palidez perioral (sinal de Filatov); hiperemia da mucosa oral, petéquias em palato, e língua saburrosa
(“língua em framboesa” ou “em morango”).
o Diagnóstico laboratorial:
o Tratamento:
 Penicilina G benzatina, 1200000 UI IM em dose única para crianças acima de 25kg e 600000 UI IM em dose
única para crianças com menos de 25kg;
 Amoxilicina 50mg/kg/dia, VO 12/12h por 10 dias;
 Alérgicos à penicilina poderão fazer uso de Eritromicina (40mg/kg/dia VO por 10 dias) ou Azitromicina
(10mg/kg/dia VO 1x/dia por 5 dias).
ESCABIOSE/SARNA-----------------------------------------------------------------------------------------------------

o Invermectina (Vermectil®) 6mg: dose única, e repetir com 08 dias.


* >2 anos OU > 15kg

 Crianças entre 15 a 30kg: 1/2 comprimido (3mg)


 Crianças entre 30 a 45kg: 1 comprimido (6mg)
 Crianças entre 45 a 60kg: 1cp e 1/2 (9mg)

o Nedax Plus® (permetrina 50mg/ml) loção cremosa 60ml aplicar so remover após 14 hs e repetir após 14 dias. * <2 anos

o Tetmosol® (Monosufiram)
Adultos: antes da aplicação, diluir uma parte de Tetmosol Solução em duas partes iguais de água.
Crianças: antes da aplicação, diluir uma parte de Tetmosol Solução em três partes iguais de água.

GRANULOMA DE COTO UMBILICAL


o Nitrato de prata bastão a 1 % aplicar de 8/8 horas

IMPETIGO/PIODERMITE

O impetigo é uma infecção cutânea superficial (mas que pode atingir a derme), mais comum em crianças, sendo causada
principalmente pelo microorganismo Streptococcus. Seu tratamento exige o uso de antibióticos. Após um período de incubação que
leva, em média, 21 dias, pode ocorrer acometimento renal (glomerulonefrite pós-estreptocócica).

Impetigo na forma crostosa: suspeitar de infecção por Streptococcus pyogens (beta- hemolítico do grupo A):

Benzetacil®
 Crianças com até 20 kg ⟶1/2 ampola (600.000U) IM (região glútea), dose única.
 Crianças com mais de 20 kg ⟶ 1 ampola (1.200.000U) IM (régio glútea), dose única.
Impetigo na forma bolhosa: suspeitar de Staphylococcus aureus:

o Cefalexina (suspensão oral com 250mg/5ml): 50mg/kg/dia, 6/6h.


o Outras opções: por 7 a 10 dias.
 Amoxicilina: 50mg/kg/dia VO, 8/8h; ou Mupirocina tópica 12/12h

MICOSES DE PELE

Pitiríase versicolor (micose de praia)


Tinea pedis (pé-de-atleta)
Tinea corporis (micose do corpo)
Tinea cruris (micose da virilha).

o TEFIN® Creme 1% - 1 bisnaga de 20 g.


*uso adulto e pediátrico (acima de 12 anos)

12
Professora Maria Alice Interno Victor Hugo P. Simões

o OXIPELLE® creme a 1%; solução a 1%.


*uso adulto e pediátrico

O Oxipelle® é utilizado para o tratamento de todas as formas de micose superficial da pele, assim como as que afetam as
dobras cutâneas, inclusive o pé de atleta (frieira), tronco, couro cabeludo e área genital externa (no tratamento profilático
do parceiro).

o Hidratante

Óleo de amêndoas doce 5%


Óleo de semente de uva 5% QSP Loção hidratante 1 tubo com 200ml
Ureia 5%

PEDICULOSE (PIOLHO) ------------------------------------------------------------------------------------------------

Pediculose é uma doença parasitária causada por piolhos. Pode ser encontrado no couro cabeludo e no corpo e pode causa a
pitiríase.

Invermectina (Vermectil®) 6mg: dose única, e repetir com 15 dias.


 Crianças entre 15 a 30kg: 1/2 comprimido (3mg)
 Crianças entre 30 a 45kg: 1 comprimido (6mg)
 Crianças entre 45 a 60kg: 1cp e 1/2 (9mg)

Permetrina loção a 1% - 3 tubos: Aplicar um tubo inteiro no couro cabeludo e deixar agir por 30 minutos (pode colocar
uma touca). Após esse período lavar o cabelo.

 Repetir 1 x por semana durante 3 semanas.

TINHA-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Seu tratamento pode ser feito com uso de antifúngicos sistêmicos, cuja dosagem varia de acordo com o peso da criança:

o Cetoconazol: dar via oral, 1x ao dia, por 10 dias.


 Criança 1 a 20kg → ¼ cp (50mg)
 Criança 20 – 40kg→1/2 cp (100mg)
 Criança > 40kg→ 1 cp (200mg)
EPILEPSIA -----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

ANTICONVULSIVANTES

É uma classe de fármacos utilizada para a prevenção e tratamento de crises convulsivas e epiléticas, neuralgias e também
no tratamento de transtornos de humor, como transtorno bipolar e ciclotimia.

TRATAMENTO DA EPILEPSIA NA INFÂNCIA

O ideal no tratamento da epilepsia é a monoterapia e que os níveis terapêuticos alcançados não produzam efeitos colaterais
indesejáveis. O hemograma e as provas de função hepática devem ser solicitados no início da terapia e mensalmente nos primeiros
três meses, época em que a toxicidade das drogas é maior.

Após o início da terapia, as crianças que permanecem livres de crises por cerca de dois anos (e que não pertençam ao
grupo de risco) podem ter suas drogas antiepilépticas suspensas. É importante lembrar que esta retirada deve ser gradual devido
ao risco de uma recidiva imediata.

DROGAS ANTICONVULSIVANTES

Droga Posologia Tipo de crise Efeitos colaterais

Fenobarbital Via oral – neonatos – manutenção da Tônico-clônicas generalizadas Hiperatividade, irritabilidade,


(Gardenal®) crise convulsiva: 3 a 6 mg/kg/dia, de Parcial Status epilepticus déficit de atenção, síndrome de
Comp: 50 e 100 mg 12/12 horas. Iniciar 12 a 24 horas após Stevens-Johnson, depressão
Gotas40mg/ml dose de ataque. Na sedação: 1a 3 da função cognitiva, discrasias
Ampola200mg mg/kg/dia, de 8/8 ou 12/12 horas. sanguíneas
Crianças: 4 a 8 mg/kg/dia, de 12/12 horas
ou 1 vez ao dia.
Injetável-neonatos dose de ataque: 20
mg/kg/dose; repetir 10 mg/kg/dose por
mais 2 vezes se as crises convulsivas se
mantiverem. Na manutenção: 3 a 5

13
Professora Maria Alice Interno Victor Hugo P. Simões

mg/kg/dia, de 12/12 horas; iniciar 12


horas após dose de ataque; dose
máxima: 40 mg/kg. Na sedação: 1 a 3
mg/kg/dia, de 8/8 ou 12/12 horas.
Crianças: mal convulsivo – 15 a 20
mg/kg; dose de manutenção: 5
mg/kg/dia; dose máxima 20 mg/kg.
Diazepam (Vallium) Via oral: 1 mg/kg/dia, de 8/8 ou 12/12
horas. Sedação oral /relaxante muscular:
0,12 a 0,8 mg/kg/dia, de 6/6 ou 8/8 horas.
Injetável: 0,2 a 0,3 mg/kg/dose; dose
máxima: 10 mg/dose. Estado de epilepsia:
0,1 a 0,3 mg/kg/dose, a cada 15 a 30
minutos (não diluir)
Carbamazepina Neonatos: 5 a 10 mg/kg/dia, de 12/12 Tônico-clônicas Sonolência, hepatotoxicidade,
(Tegretol) horas. A dose pode ser aumentada a cada generalizadas; Parciais anemia, neutropenia, SIADH.
5 a 7 dias para 10 a 20 mg/kg/dia. Nível
sérico terapêutico: 4 a 12 μg/ml.
Crianças: 10 a 20 mg/kg/dia, de 6/6 ou 8/8
horas.

Clonazepam (Rivotril) Crianças menores de 10 anos: 0,01 a Ausência Mioclônica Sonolência excessiva,
0,03 mg/kg/dia; aumentar até 0,5 mg a Espasmos infantis irritabilidade, distúrbios de
cada 3 dias. Dose usual: 0,1 a 0,2 Lennox-Gastaut comportamento, depressão e
mg/kg/dia, de 8/8 horas. salivação excessiva.
Crianças maiores de 10 anos: 0,05 a 0,2
mg/kg/dia, de 8/8 horas; dose máxima: 20
mg/dia.

Etossuximida Ausência Desconforto abdominal,


(Zarontin) Exantema cutâneo, disfunção
hepática, leucopenia.

Nitrazepam Ausência Alucinações, restante


(Nitrazepol) similar ao Clonazepam

Primidona (Primidon) Tônico-clônicas Comportamento agressivo,


generalizadas Parcial alterações de personalidade.

Fenitona (Hidantal) Via oral–neonato em estado epilético: Tônico-clônicas Hirsutismo, hipertrofia,


dose de manutenção de 4 a 8 mg/kg/dia, de generalizadas gengival,
12/12 horas. Nível terapêutico: 10 a 20 Parcial Status epilepticus pseudolinfoma, ataxia,
μg/ml. Criança: 5 a 10 mg/kg/dia, de 8/8 ou exantema cutâneo, síndrome
12/12 horas. de Stevens- Johnson,
Injetável–neonato em estado epilético: depressão da função
dose de ataque 15 a 20 mg/kg/dose; dose cognitiva,discrasias,
de manutenção: 4 a 8 mg/kg/dia, de 12/12 sanguíneas.
horas.
Crianças: 20 mg/kg; manutenção: 5 a 10
mg/kg/dia, de 8/8 ou 12/12 horas;
velocidade máxima de infuso: 1
mg/kg/hora.
Ácido valpróico Inicial: 15 mg/kg/dia, de 8/8 ou 12/12 horas; Tonico-clonicas Ganho de peso, alopecia,
(Depakene) quando necessário, Aumentar generalizadas Ausências hepatotoxicidade, amenorreia,
semanalmente 5 a 10 mg/kg/dia, até 60 Mioclonia Parcial Acinética sedação, tremor,náuseas e
mg/dia, de 8/8 horas; vômitos, trombocitopenia.
Dose média: 30 a 60 mg/kg/dia.

Gabapentina Crianças de 3 a 12 anos: iniciar com 10 a Em terapia combinada Tremor, vômitos,nistagmo,


(Neurontin) 15 mg/kg/dia, de 8/8 horas; quando as crises são pouco ataxia, exantema
Dose média: 25 a 40 mg/kg/dia, de 8/8 controladas
horas.

14
Professora Maria Alice Interno Victor Hugo P. Simões

Lamotrigina Crianças com mais de 17 kg: 2 a 5 Em terapia combinada Exantema, ataxia, diplopia,
(Lamictal) mg/kg/dia, de 12/12 horas. quando as crises tonteira, sonolência, cefaleia,
são pouco náuseas e vômitos.
controladas. Tem amplo
espectro de atividades:
parciais
complexas,mioclonais
ausência, Tônico clonicas
Lennox – gastaut.

TRATAMENTO DE UMA EMERGÊNCIA EPILÉPTICA EM CRIANÇAS

 1º passo estabilizar via areia, O2, sinais vitais

1º Escolha: Diazepam: 0,1 – 0,3mg/kg/dose, até 3x, com intervalos de, no mínimo, 15 – 30 minutos (evitar diluir a medição). DICA:
peso x 0,05ml EV lento.
 Idade para uso: 0 meses
 Apresentação: Ampolas de 10mg em 2ml, EV
 Em caso de convulso: acesso venoso, O2 inalatório, medição de dados vitais (inclusive temperatura) e, depois, colher
melhor a história.
 Caso a crise no passe após as 3 doses, optar pela 2 Escolha.

2º Escolha: Fenitoína (Hidantal)


 Dose de ataque: 15-20mg/kg/dose
 Manutenção: 5mg/kg/dose 12/12h

3º Escolha: Fenobarbital (Fenocris)

 Dose de ataque: 20 mg/kg/dose EV (pode repetir 10mg/kg/dose por mais 2x se a crise persistir).
 Dose de manutenção: 3-5mg/kg/dia 12/12 h OBS: Iniciar 12 h após dose de ataque.
 Apresentação: ampola 200mg/2ml

 2º passo achar o foco da febre

FALTA DE APETITE ----------------------------------------------------------------------------------------------------

Tratar parasitose (mais adiante) + Estimulantes de apetite

 neutrofer-prev (<2anos): dar 1ml/dia


 Neutrofer poli (>2 anos): dar 1ml/dia
 Complexo B: dar 2,5ml/dia (<2anos) e 5ml/dia (>2anos). *mais barato

FARINGOAMIGDALITE BACTERIANA----------------------------------------------------------------------------

Em caso de suspeita de infecção da via aérea superior por Streptococcus (presença de placas supurativas nas tonsilas e/ou
hemograma com leucocitose e provável desvio a esquerda), devemos lançar mão do uso de antibióticos. Desta forma, temos:

Terapêutica: Analgésico + antinflamatório+ antibióticos

1ª Escolha: Benzetacil®

 Crianças com até 20 kg: ½ ampola (600.000U) IM (região glútea), dose única.
 Crianças com mais de 20 kg: 1 ampola (1200000U) IM (região glútea), dose única.
 Penicilina V, VO por 10 dias ou
 Para alérgicos eritromicina por 10 dias

2ª Escolha: Sinot®

 (Amoxacilina) 400mg/5ml: dar 6ml VO 12/12h por 10 dias.


 Amoxicilina 50mg/kg/dia 8/8h (7h 3h 11h) por 10 -14dias

3ª Escolha:

 Azitromicina 10mg/kg/dia, dose única diária, por 5 dias; ou


 Claritromicina 7,5mg/kg/dose por 10 dias; ou

15
Professora Maria Alice Interno Victor Hugo P. Simões

 Clavulin® (Amoxacilina+Clavulanato) 40mg/kg/dia (dividido em duas tomadas).


 Amoxicilina + Sulbactam (Trifamox IBL®) suspenção oral:
 Crianças com menos de 2 anos: 50 mg/kg/dia.
 Crianças de 2 a 6 anos: 5 a 10 ml de Trifamox IBL 250/500 a cada 8 horas.
 Crianças de 6 a 12 anos: 5 a 10 ml de Trifamox IBL 500/1000 a cada 8 horas.
 Adultos e crianças maiores de 12 anos: 10 a 20 ml de Trifamox IBL 500/1000 a cada 8 horas.

FEBRE-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

AVALIAÇÃO DA FEBRE (AIDIPI):

 TEM UMA HISTORIA DE FEBRE, OU


 ESTÁ QUENTE AO TOQUE , OU
 TEM TEMPERATURA AXILAR > / = 37,5
 DETERMINE O RISCO DE MALARIA EM ALTO / BAIXO / SEM RISCO
 FEBRE HÁ QUANTOS DIAS?
 SE HÁ MAIS DE 7 DIAS: HOUVE FEBRE TODOS OS DIAS?

SUSPEITA DE MENINGITE???
Observar:

 RIGIDEZ DE NUCA
 PETEQUIAS
 ABAULAMENTO DE FONTANELA

Obs: Em relação à gravidade da febre se a criança melhora após tratamento da febre indica que o quadro é benigno,
já se não melhora pode ser quadro grave.

CONDUTA:

Sinais Classifique Trate


 Qualquer sinal geral de DOENÇA  Referir urgentemente
perigo ou FEBRIL GRAVE  Dê a primeira dose de antibiótico
 Rigidez de nuca ou  Dar antitérmico se temp AX >/= 38,5
 Petequias ou  Tartar posssível hipoglicemia
 Abaulamentode fontanelas
 Nenhum sinal de doença DOENÇA  Se tem tido febre há mais de 7 dias, referir p/
grave febril muito grave FEBRIL investigação.
 Dar antitérmico se TAX>/=38,5
 Reavaliar em 2 dias se febre persistir

TRATAMENTO PARA HIPERTERMIA:

O tratamento consiste apenas em suporte sintomático e prevenção da desidratação.


A pesquisa da etiologia da febre pode ser importante. Se houver presença de febre, mas o foco
da eventual infecção não for encontrado, devemos optar pelos seguintes exames: Hemograma, PCR,
VHS, Sumário de urina (EAS), Líquor (LCR).

OBS: A presença de febre + tosse e/ou secreção em pacientes pediátricos pode exigir a utilização de
antibióticos.

CONVULSÃO FEBRIL:

Convulso febril, em poucas palavras é definida como uma convulsão associada á febre, sem
evidencias de infecção no SNC ou causa definida, que ocorre na infância, em geral entre 6 meses de vida
e 5 anos de idade (depois, tende a desaparecer). Não acontece por altas temperaturas, mas sim em resposta
a elevação brusca de temperatura.
Se menor de 6 meses pode ser meningite ou outra patologia. Nesse caso solicitar os seguintes

16
Professora Maria Alice Interno Victor Hugo P. Simões

exames: RX de tórax e punção lombar + exame clínico.

Seu tratamento baseia-se no uso de anticonvulsivantes:

Obs: Convulsão febril > 2 em dias diferentes indicar Tratamento e pedir eletroencefalograma.

o Fenobarbital (Gardenal) 3 – 5mg/kg (máximo: 8mg/kg): administrar 1x ao dia, á noite (devido à sedação
do medicamento). É necessário, ao longo do tratamento, dosar a protrombina periodicamente.

OBS: Se não houver melhora, pode-se substituir o Gardenal gradativamente por Ácido Valpróico ou
Carbamazepina (Tegretol). Todos estes medicamentos exigem a análise peridica das funções
hematológicas, hepáticas, urinárias, etc.

Convulsão Febril: Midazolam, Diazepam.


G
GRIPE

 Sintomas: Febre (mais comum); Hiperemia conjuntival; Congestão nasal; Hiperemia de orofaringe;
Adenomegalia cervical; Taquipneia.
OBS: Sempre manter um vínculo com o paciente; falar que se não melhora vai ter q/ voltar p/solicitar
exames.

Atenção:

 Se viral é mais generalizado;


 Se bacteriano é mais localizado, é mais no ouvido ou faringe;
 Se dengue é mais mialgia.
 Exames:
 Hemograma e PCR;
 Se leucopenia viral é desvio a D;
 Se leucocitose bacteriano é desvio a E

Tratamento: Sintomático + Analgesia + Repouso + Boa alimentação.

Analgesia:

o Novalgina® Suspensão: 10-20/kg/dose *Idade para uso >3 meses


o Novalgina® (dica:gotas 1 gota por kg) ⇨verificar se não e alérgica 6/6 horas
o Dipirona sódica: kg x 0,03 dose +ad EV ou IM 6/6horas
o Tylenol®(Paracetamol) Idade para uso RN gotas 1 ou 1 e 1/2 por kg de peso 6/6 horas
o Acebrofilina (brondilat) + antiestaminicos de segunda geração +corticoide nasal. (ver rinite)
H/I
INFECÇÕES DO TRATO URINÁRIO (ITU)

ANTIBIÓTICOS DE ESCOLHA:

 Recém-nascidos: Internação com antibioticoterapia IV.


o Ampicilina – 100 mg/kg/dia + Gentamicina (5mg/ KD/dia) = Esquema de escolha.
o Aminoglicosideos
Amicacina 15mg/kg/dia IV 24/24 hs ou IM.
Gentamicina 5mg/kg/dia IV 24/24 hs.
o Cefalosporinas:
Ceftriaxona 50 a 100 mg/kg/dia, IM ou IV 12/12 hs ou 24/24 hs.

 Pré-escolares e Escolares:

17
Professora Maria Alice Interno Victor Hugo P. Simões

o Sulfametoxazol+Trimetroprim (suspensão oral com 200mg+40mg ou 400mg+80mg, em 5ml):


40mg+8mg/kg/dia, divididos em duas tomadas diárias (12/12h). Ou: 1 ml/kg/dia (da solução com
200+40mg/5ml), de 12/12h.
o Nitrofurantoína (suspensão oral com 5mg/ml): 5 a 7mg/kg/dia, 6/6 a 8/8h.
o Cefalexina (suspensão oral com 250mg/5ml): 50mg/kg/dia, 6/6h.

ETIOLOGIA: GRAM NEGATIVOS ENTÉRICOS:


 Escherichia coli – É o microorganismo mais comum (90%)
 I.T.U. Alta = Infecções do Parênquima Renal (PIELONEFRITE)
 I.T.U. Baixa = Infecções Vesical (cistite) e/ou Uretra (uretrite).
QUADRO CLÍNICO:

4.1 – ITU EM RECÉM-NASCIDOS: 4.2 –I.T.U EM LACTENTES:


RN exibe um quadro de virose ou toxemia, caracterizado Quadro clínico inespecífico.
por: ▪ Déficit pôndero-estatural;
▪ Hipertermia ou Hipotemia; ▪ Diarreia ou constipação;
▪ Sucção Débil; ▪ Vômitos;
▪ Irritabilidade; ▪ Anorexia;
▪Hipoatividade; ▪ Febre de etiologia obscura.
▪ Norteamento de pele;
▪ Palidez;
▪Presenças de Icterícia fisiológica prolongada associada
ou não à perda de peso (30% dos casos).
▪ Cianose;
▪ Distensão Abdominal;
▪ Vômitos;
▪ Diarreia.
4.3 – I.T.U EM PRÉ-ESCOLARES E ESCOLARES: 4.4 – I.T.U EM ADOLESCENTES:

É a partir da fase-escolar que os sintomas tornan-se ▪ Polaciúria;


localizatórios: ▪ Disúria;
▪ Febre; ▪ Náuseas, vômitos; ▪ Dor no baixo ventre;
▪ Polaciúria; ▪ Calafrio; ▪ Hematúria;
▪ Disúria; ▪ Dor Lombar; ▪ Febre + Calafrio e/ou Dor nos Flancos =
▪ Estrangúria; ▪ Enurese; PIELONEFRITE
▪ Urgência Miccional; ▪ Dor Abdominal;
▪ Enurese;

DIAGNÓSTICO:

Laboratorial: Imagem:
 EAS 1- Rx
 UROCULTURA 2 – Ultra- sonografia Renal
3 – Ultracistografia Miccional

MEDIDAS GERAIS:

 Ingestão de líquidos;
 Orientação familiar: 20 – 30% das crianças terão um único surto;
 Ritmo Urinário adequado;
 Ritmo Intestinal adequado;
 Medidas higiênicas em meninas quanto à vulvovaginites.
 Tto sintomático:

o PYRIDIUM® 100mg- de 8/8hs- é indicado para o alívio da disúria, de dor, ardor, desconforto para
urinar e outros sintomas decorrentes da irritação da mucosa do trato urinário inferior causados por

18
Professora Maria Alice Interno Victor Hugo P. Simões

infecção.

Obs:Sempre ter atenção em corrigir a constipação por que geralmente estão relacionados.

I.T.U FÚNGICA:

O tratamento indicado é:
- Anfotericina B (1mg/kg/dia).
- Fluconazol (6mg/kg/dia)
J/K/L/M/N
LARINGOTRAQUEOBRONQUITE AGUDA

Com estridor em repouso:

o Nebulização com Adrenalina 0,5ml/kg (máximo de 5ml da solução 1:1000) + Corticoide


(Dexametasona 0,6mg/kg IM, EV ou oral). OBS: A adrenalina tem início de ação rápido, mas o
seu efeito é passageiro, durando por até 2 horas; assim, é mandatório que essa criança permaneça
em observação por, pelo menos, esse período.
o Sem estridor em repouso: Corticoide (Dexametasona 0,6mg/kg IM, EV ou oral).

MENINGITE

o Internar em ala de isolamento;


o Medicações de base:
o Ceftriaxona: 100mg/kg de peso EV, 12/12h.
o Dexametasona (Decadron®) 2mg/ml: 0,1mg/kg de peso EV, 12/12h.
o Fenitoína (Hidantal®) 250mg/5ml: 20mg/kg de peso, via IM ou EV (preferencialmente),
de 8/8h.
o Sintomáticos.
o Referenciar para serviço com neurologista de plantão para avaliação, coleta e análise do líquor.
o Profilaxia para contactantes:

1ª Escolha
Rifampicina Adultos: 600mg, de 12/12h, por
2 dias (4 doses).
1 mês a 12 anos: 10mg/kg/dose,
de 12/12h (máx.: 600mg), por 2
dias (4 doses).

< 1 mês: 5mg/kg/dose,


12/12h, por 2 dias (4 doses).
Opções
Ciprofloxacina 500mg, dose única.
Ceftriaxona 250mg IM, dose única.
< 12 anos: 125mg IM, dose
única.

OBS: Fazer vacina anti-meningocócica e anti- pneumocócica para os contactuantes e familiares que
entraram em contato por mais de 4 horas, por pelo menos 4 dias consecutivos.

NASOFARINGITES AGUDAS: RESFRIADO COMUM --------------------------------------------------------

o Repouso.
o Hidratação: dar preferência à ingestão de líquidos como água e sucos, além de utilizar carboidratos
complexos, mas de fácil digestão.
o Analgesia e antitérmicos:

19
Professora Maria Alice Interno Victor Hugo P. Simões

o Dipirona gotas: dar 1 gota/kg de peso corporal, VO, de 8/8h a 6/6h.


o Dipirona xarope (Maxalgina® infantil) 50mg/ml:

 5 a 8 kg (3 a 11 meses): 1,25 a 2,5ml VO, 6/6h;


 9 a 15 kg (1 a 3 anos): 2,5 a 5 ml VO, 6/6h;
 16 a 23 kg (4 a 6 anos): 7,5 VO, 6/6h;
 24 a 30 kg (7 a 9 anos): 10 ml VO, 6/6h;
 31 a 45 kg (10 a 12 anos); 15 ml VO, 6/6h.

o Paracetamol 750mg + Cafeína (Tylenol®): dar 1 gota/kg de peso corporal, VO, de 8/8h a
6/6h.
o Ibuprofeno gotas (Alivium®): dar 1 gota/kg de peso corporal, VO, de 8/8h a 6/6h.

SE TOSSE IMPORTANTE:

o Ambroxol pediátrico: opção mais barata.


 1 a 5 anos: 2,5ml, 8/8h;
 6 a 10 anos: 5ml, 8/8h;
 10 anos: 10ml, 8/8h.

o Melxi® (Ananas comosus 0,66g/ml):


 1 ano: 2,5ml, 3x ao dia;
 1 a 8 anos: 5ml, 3x ao dia;
 Acima de 8 anos: 10ml, 3x ao dia.

o Acebrofilina (Brondilat®, Filinar®) xarope infantil 5mg/ml:


 1 a 3 anos: 2mg/kg/dia, dividido em 2 a 3 vezes ao dia.
 3 a 6 anos: 5ml, 2 a 3 vezes ao dia.
6 a 12 anos: 10ml, 2 a 3 vezes ao dia.

o Dropropizina(Atossion®) xarope pediátrico 1,5mg/ml:


 2 a 3 anos: 2,5 a 5ml, 4x ao dia.
 > 3 anos: 10ml, 4x ao dia.

OBS: Xaropes a base de mel estão contraindicados em crianças com menos de 1 ano de vida devido ao
risco de botulismo.

SE TOSSE E/OU SINAIS DE ATOPIA IMPORTANTES: optar por anti-histamínicos de primeira geração.

o Hidroxizina (Hixizine®): para crianças com 0 a 2 anos.


6 - 12kg: 2,0 a 3,0ml VO, 2 a 4x ao dia.
12 - 24kg: 3,0 a 6,0ml VO, 2 a 4x ao dia.
24 – 40kg: 6,0 a 12,5ml VO, 2 a 4x ao dia
.
o Dexclorfeniramina(Polaramine®) xarope 2mg/5ml:
6 – 5 anos: 1,25 ml (0,5mg) VO, 2 a 3x ao dia.
6 – 11 anos: 2,5 ml (1mg) VO, 2 a 3x ao dia
> 12 anos: 5ml (2mg) VO, 2 a 3x ao dia.

o Loratadina (Histadin®, Claritrin®) xarope 5mg/5ml:


2a6 anos ou <30kg: 5ml, 1x ao dia.

6a11 anos ou >30kg: 10ml, 1x ao dia

Sugestão de prescrição para gripes e refriados:

20
Professora Maria Alice Interno Victor Hugo P. Simões

1. Bialerge® (Bronfeniramina + Fenilefrina):


 Elixir: 3 a 6 anos: 2,5ml, até 3x ao dia; 6 a 12 anos: 5ml, até 3x ao dia; >12 anos: 5ml, até 4
vezes ao dia.
 Gotas (solução oral): 2gotas/kg/dia (máximo de 60 gotas), dividida em 3x ao dia.
2. Acebrofilina (Respiran® infantil, Filinar® infantil) ou Dipropizina (Atossion® pediátrico): dar 1
ml/ano completo (a partir dos 2 anos; dose máxima 10ml), 2 a 3x ao dia.
3. Outras medicações sintomáticas.

O/P/Q
OTITE MÉDIA AGUDA

Dor severa e diminuição da audição, febre, inquietude, perda de apetite e secreção no ouvido se houver
ruptura timpânica (perfuração do ouvido), vômitos e diarreia.
Terapêutica:
 Antitérmicas e analgésicos
+
 Amoxicilina 50mg/kg/dia 8/8h (7h 3h 11h) por 10 -14dias

Se >2 anos o dobro da dose


Se alérgicos: Macrolídeos 5 dias (AZITROMICINA)
Se resistência (por 2 a 3 dias) = GRAVE: Amoxicilina + clavulonato 90mg/kg/dia ou Cefalosporinas de 2ª
geração 14 a 21 dias

OBS: VERIFICAR SINAIS GERAIS DE PERIGO


 A criança consegue beber ou mamar no peito?
 Vomita tudo que ingere?
 Teve convulsões?
 Está letárgico ou inconsciente?

PNEUMONIA---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Todo quadro de tosse com febre + TAQUIDISPNEIA é suspeito de pneumonia até que se exclua o
diagnóstico. Tosse + taquidispneia = infecção respiratória baixa. Manifestações Clínicas:
SINAIS CLASSIFIQUE TRATAMENTO
Qualquer sinal de perigo ou tiragem DOENÇA MUITO • Dar primeira dose de antibiótico
subcostal ou estridor GRAVE OU • Referir urgentemente ao hospital
PNEUMONIA GRAVE
Respiração rápida = taquidispeneia PNEUMONIA • Dar a primeira dose de antibiótico
• Marcar retorno em 2 dias
• Informar a mãe quando retornar
imediatamente
Nenhum sinal de perigo ou de pneumonia NÃO É PNEUMONIA • Se tiver sibilância tratar com beta 1
durante 5 dias
• Reavaliar em 5 dias se não melhora
• Se tosse há mais de 30 dias referir
p/ avaliação

Gerais: Febre, calafrios, cefaleia, irritabilidade, letargia e queixas gastrintestinais. Geralmente, tem dor
abdominal referida.

Pulmonares: Tosse; ↑ FR, Taquidispneia ou apneia, tiragem intercostal ou abdominal, batimento de asa de
nariz

Pleurais: Dor torácica, limitação dos mov. Respiratórios.

Diagnóstico:

21
Professora Maria Alice Interno Victor Hugo P. Simões

Clínico: ⇨ Exame físico com ausculta pulmonar. Pede-se a radiografia quando tem dúvida.

Radiológico: condensação predominantemente em base pulmonar, quando se trata de uma pneumonia


típica. Pode vir acompanhada com dessame pleural em casos mais graves.

Laboratorial:

◦ Hemograma: pouco valor, podendo apresentar leucocitose com neutrofilia e desvio à esquerda,
anemia e plaquetopenia; leucopenia.
◦ VHS e PCR: aumentados;
◦ Hemocultura: não é indicada em pneumonia simples e sim nos casos que requer internação
◦ Cultura do trato respiratório;
◦ Bacterioscopia do derrame pleural;

TRATAMENTO:

TRATAMENTO HOSPITALAR DA PNEUMONIA NA INFÂNCIA (SBPT 2007)


IDADE PATÓGENO ANTIBIÓTICO
Todas as idades Vírus Sem indicação
Recém-nascido

< 3 dias Estreptococos o grupo Penicilina cristalina ou ampicilina associada a


B/BGN/Listeria(raro) amicacina ou gentamicina

Staphylococcus aureus /
> 3 dias Staphylococcus epidermitis / BGN
1 a 3 meses Streptococcus pneumoniae Betalactâmicos (penicilina cristalina, amoxicilina)
Haemophilus influenza Cloranfenicol (suspeita de H.influenzae) Oxacilina
Staphylococcus aureus (suspeita de S.aureus)

Pneumonia afebril Chlamydia trachomatis / Macrolídeos


Ureaplasma urealyticum
3 meses a 5 anos Streptococcus pneumoniae Betalactâmicos (penicilina cristalina, amoxicilina)
Haemophilus influenza Cloranfenicol (suspeita de H.influenzae)
Staphylococcus aureus Oxacilina (suspeita de S.aureus)
6 a 18 anos Streptococcus pneumoniae Betalactâmicos (penicilina cristalina, amoxicilina)
Mycoplasma pneumoniae / Macrolídeos
Chlamydia pneumoniae

IV: intravenosa; VO: via oral; IM: intramuscular; SMZ: sulfametoxazol; e TMP: trimetroprim.

OBS: Hidrocortisona se paciente apresentar desconforto respiratório grave!!!

QUEIMADURAS / GRANDES QUEIMADOS --------------------------------------------------------------------

Conduta no paciente queimado:

1. Proceder com os passos do “ABCDE” do ATLS® e retirar as vestes cuidadosamente.

22
Professora Maria Alice Interno Victor Hugo P. Simões

2. Classificar rapidamente a lesão:

3. Hidratação venosa vigorosa baseada na formula de Parkland:

4ml x kg de peso x %SCQ

Correr o total calculado em 24h da seguinte forma: fazer metade do


volume nas primeiras 8h a contar a partir do momento da queimadura
(e não da admissão à emergência); O restante do volume (a outra
metade) deve ser feito nas 16h seguintes.
Não usar Soro fisiológico devido ao risco acidose hiperclorêmica –
optar por Ringer Lactato.
Monitorizar o débito urinário a partir da primeira hora, e controlar a
hidratação para que se obtenha 0,5 ml/kg/h ou 30-50ml em adultos e
1ml/kg/h em crianças.
No trauma elétrico, manter diurese em torno de 1,5ml/hora ou até
clareamento.

Regra geral para iniciar hidratação venosa: iniciar 2.000 ml de RL para


correr rápido (menos de 30 minutos).
Posologia dos antibióticos recomendados no tratamento da pneumonia na infância (SBPT 2007)
MEDICAMENTO DOSE
Amicacina 15 mg/kg/dia (8/8 ou 12/12 h) IV
Amoxicilina 50 mg/kg/dia (8/8h) VO
Ampicilina 100 mg/kg/dia (6/6h) VO/200 mg/kg/dia (6/6h) IM/IV
Cefalotina 100-200 mg/kg/dia (6/6h) IV
Cefalexina 50 mg/kg/dia (6/6h) VO
Ceftriaxona *quando grave 50-100 mg/kg/dia (12/12h) IV
Cefuroxima 30-100 mg/kg/dia VO (12/12h) /IV ou IM (8/8h ou 12/12h)
Cloranfenicol 50 a 70 mg/kg/dia (6/6h); máximo de 1 g por dia VO ou IV
Oxacilina 100-200 mg/kg/dia (6/6h) IV
Eritromicina 30-40 mg/kg/dia (6/6h) VO
Gentamicina 5-7,5 mg/kg/dia (8/8h) VO
Penicilina G cristalina 100.000 U/kg/dia (4/4h ou 6/6 h) IV
Penicilina G procaína 50.000 U/kg/dia (12/12 ou 24/24h) IM
SMZ+TMP 40 g/kg/dia de SMZ ou 8 mg/kg/dia de TMP (12/12h) VO
4. Reposição Calórica segundo regra de Curreri e Luterman (1978):

Adultos: (25Kcal x Peso) + (50Kcal x %SCQ)

Crianças: Peso x (40 a 60Kcal)

 Analgesia: evitar o uso de AINES para analgesia pelo risco de úlceras de Curling nestes pacientes.

23
Professora Maria Alice Interno Victor Hugo P. Simões

o Dipirona: 15 – 25 mg/kg EV
o Morfina: 0,1mg/kg/dose (solução diluída).

 Medidas gerais:

 Lavar área com SF 0,9%, retirar pele exposta com vaselina líquida.
 Utilizar curativo com gaze e antibiótico tópico (sulfadiazina de prata 1%). Trocar a cada 2 dias.
 Evitar o uso profilático de antibióticos e corticoides. Na suspeita de infecção associada (edema
de bordas da ferida, aprofundamento das lesões, mudança de cor, coloração hemorrágica da
escara, celulite ao redor da lesão, aumento ou modificação da queixa dolorosa), optar por:
 Cefalexina 500mg, VO, 1cp, 6/6h; ou
 Cefalotina 1g + 4ml de AD EV 6/6h.
 Queimaduras circunferenciais em tórax podem necessitar escarotomia para melhorar
expansão.

Critérios de transferência para Unidade de Tratamento de Queimaduras (UTQ)

 Queimaduras de 2º grau em áreas maiores que 20% SCQ em adultos


 Queimaduras de 2º grau maiores de 10% SCQ, em crianças ou maiores de 50 anos;
 Queimaduras 3º grau >5% SCQ em qualquer idade;
 Lesões em face, olho, períneo, mão, pé e grande articulação;
 Queimadura elétrica;
 Queimadura química;
 Lesão inalatória, ou lesão circunferencial de tórax ou de membros;
 Doenças associadas, auto-extermínio, politrauma, maus tratos ou situações sociais adversas.

A transferência do paciente deve ser solicitada à UTQ de referência, após a estabilização hemodinâmica
e medidas iniciais.

Enviar sempre relatório contendo todas as informações colhidas, anotações de condutas e exames
realizados. Pacientes graves somente deverão ser transferidos acompanhados de médico em ambulância
UTI, com possibilidade de assistência ventilatória. Transporte aéreo para pacientes com trauma,
pneumotórax ou alterações pulmonares deve ser realizado com extremo cuidado pelo risco de expansão
de gases e piora clínica.
R/S________________________________________________________________________
RESFRIADO COMUM----------------------------------------------------------------------------------------------------

Diferentemente da gripe, que apresenta sinais sistêmicos mais importantes, o resfriado comum é
caracterizado por sinais mais brandos, geralmente restritos ás vias respiratórias. Seu tratamento pode ser
dispensável, uma vez que o resfriado clássico é autolimitado e dura de 5 a 7 dias. Podemos optar pelo
seguinte tratamento, em caso de incômodo maior e/ou tosse vigorosa:

o Hidroxizina (Hixizine®): anti- histamínico de 1ª geração.

 8 a 10kg: 2 a 2,5ml, 12/12h a 6/6h;


 10 a 12kg: 2,5 a 3ml, 12/12h a 6/6h;
 12 a 24kg: 3 a 6ml, 12/12h a 6/6h;
 24 a 40kg: 6 a 12ml, 12/12h a 6/6h.
 Maiores de 12 anos: 25-100 mg 3 à 4 x ao dia VO.

o Fexofenadina (Allegra®):anti-histamínico de 2ª geração. Usar em crianças > 6meses.

 6 meses – 2 anos: 2,5ml VO, 2x ao dia.


 2 – 11 anos: 5ml VO, 2x ao dia.
 Maiores de 11 anos: 1 comprimido (120mg) VO, 1x ao dia.

24
Professora Maria Alice Interno Victor Hugo P. Simões

o Salsep® ou Nari clear® (Cloreto de Sódio): aplicar 3 jatos em cada narina, 6x ao dia

Obs: Para diferenciar – A Rinite alérgica se apresenta com mais secreção hialine x A gripe tem mais
sintomas gerais, como febre, indisposição, entre outros.

RINITE ALÉRGICA--------------------------------------------------------------------------------------------------------

A rinite é o termo médico que descreve a irritação e inflamação crônica ou aguda da mucosa nasal.
É uma doença que pode ser causada tanto por vírus como por bactérias, embora seja manifestada com
mais frequência em decorrência de alergia, ou por reações ao pó, fumaça e outros agentes ambientais. A
inflamação decorrente da rinite resulta na produção excessiva de muco, gerado pelo acúmulo da histamina,
o que ocasiona o escorrimento nasal, sintoma mais típico da rinite.
Para o tratamento da rinite em pacientes pediátricos, devemos dar preferência por anti-histamínicos
de 2ª geração, pois apresentam menos efeitos colaterais (como sedação).

o Allegra® pediátrico (Fexofenadina): anti-histamínico de 2ª geração que não causa sedação.


 Idade para uso: 6 meses.
 Doses:
 6 meses a 2 anos: 2,5 ml, VO 2x ao dia
 2 anos a 11 anos: 5,0 ml, VO 2x ao dia
 Maiores de 12 anos: 120 mg, VO 1x ao dia

o Desalex® (Desloratadina): anti-histamínico de 2ª geração que não causa sedação. Obs: receita
de vida
 Idade para uso: 6 meses.
 Doses:
 6 meses a 2 anos: 2,0 ml, VO 1x ao dia
 2 anos a 5 anos: 2,5 ml, VO 1x ao dia
 5 anos a 11 anos: 5,0 ml, VO 1x ao dia
 Maiores de 12 anos: 10 mg/dia, 1cp ao dia VO

o Singulair® (Montelucaste): antiasmático; antagonista de receptores de leucotrienos cisteínicos.


Obs: receita de vida
 Apresentações:
 Sachê (a partir de 6 meses de vida): 4mg/dia
 Pediátrico: comprimido mastigável 4mg ou 5mg
 Adulto (>12 anos): 10mg

Tópico nasal:

 RN: Salsep® (Cloreto de Sódio): 1 jato por narina 6-10 x ao dia


 Menor de 2 anos: (Rilan Nasal® 2% a 5%)
*Nasonex® 2 x dia (uso >6 meses em casos mais graves)
 Maior de 2 anos corticoide nasal (Budesonida, Nasonex® 2 x dia, Fluticonasona-
PLURAIR® Propionato de fluticasona 50 mcg/dose Suspensão tópica nasal - Spray nasal)

Afecção crônica com suspeita de infecção bacteriana:

Antibiótico por 10 dias (amoxacilina) + Corticoides por 5 dias + Corticoide nasal

o Meticorten® (Prednisona) de 5mg e de 20 mg


Crianças < 40kg dose: 1 mg/kg de peso por dia
Crianças > 40 kg dose: 1 a 2 mg/kg por dia

25
Professora Maria Alice Interno Victor Hugo P. Simões

OBS: No posto faz polaramine ou dexclorfeniramina substituindo o allegra e busonid® nasal


substituindo o nasonex® por ser mais acessível

RINOSSINUSITE/RINITE -----------------------------------------------------------------------------------------------

Anti-histamínicos (UMA DAS OPÇÕES):

o Hidroxizina (Hixizine®): para crianças com 0 a 2 anos.


 6 - 12kg: 2,0 a 3,0ml VO, 2 a 4x ao dia.
 12 - 24kg: 3,0 a 6,0ml VO, 2 a 4x ao dia.
 24 – 40kg: 6,0 a 12,5ml VO, 2 a 4x ao dia.

o Dexclorfeniramina (Polaramine®) xarope 2mg/5ml:


 2 – 5 anos: 1,25 ml (0,5mg) VO, 2 a 3x ao dia.
 6 – 11 anos: 2,5 ml (1mg) VO, 2 a 3x ao dia.
 > 12 anos: 5ml (2mg) VO, 2 a 3x ao dia.

o Loratadina (Histadin®, Claritrin®) xarope 5mg/5ml:


 2 – 6 anos ou <30kg: 5ml, 1x ao dia.
 6 – 11 anos ou >30kg: 10ml, 1x ao dia.

oDesloratadina (Desalex®, Sigmaliv®) xarope 0,5mg/ml:


 6 a 11 meses: 2ml, 1x ao dia.
 1 a 5 anos: 2,5ml, 1x ao dia.
 6 a 11 anos: 5ml, 1x ao dia.
 Acima de 11 anos: 1 cp ao dia.
Corticoides orais:

o Prednisolona (Prelone®) 3mg/ml: 0,25 a 2mg/kg/dia, em dose única pela manhã ou em dias
alternados.
o Koide® (Betametasona 0,5mg/5ml): 0,017 a 0,25mg/kg/dia.
o Koide® D (Betametasona + Dexclofeniramina 2mg + 0,25mg/5ml):

 Crianças 2 a 6 anos: 1,25 a 2,5ml de colher de chá, 3 vezes ao dia. Desmamar antes de
interromper.
 Crianças de 6 a 12 anos: 2,5ml, 3 vezes ao dia.
 Crianças > 12 anos: 10ml, 3 a 4 vezes ao dia.

Medicações tópicas nasais:

o Budesonida (Busonid®) 50 e 100µg spray nasal: aplicar 1 jato em cada narina, 12/12h.
o Mometasona (Nasonex®): 1 (pacientes entre 2 e 12 anos) a 2 (pacientes acima de 12 anos) jatos
em cada narina, 12/12h.
o Soro fisiológico 0,9% tópico nasal: Maresis®, Multisoro®, Rinossoro®, Salsep®, Sorine® infantil
spray, Snif®, etc. Aplicar 1 a 2 jatos em cada narina, 6 a 8x ao dia.

SINUSITE BACTERIANA AGUDA -----------------------------------------------------------------------------------

Lembra que na criança até 7 anos não tem seio frontal e portanto não queixa de cefaleia.
Clinicamente observamos sintomas de resfriado comum que duram mais de 10 a 14 dias; febre alta +coriza;
tosse exuberante diurna e noturna persistente. O que caracteriza a sinusite em crianças é principalmente a
tosse persistente por mais de 10-15dias.

TRATAMENTO: SINTOMATICO +ANTITERMICOS +ANTIBIOTICOTERAPIA + COTICOIDE

26
Professora Maria Alice Interno Victor Hugo P. Simões

o Soro fisiológico intranasal

o Amoxicilina 50mg/kg/dia 8/8h (7h 3h 11h) por 10 -14dias. OBS: Se >2 anos o dobro da dose
T
TOSSE

Infecções das Vias Aéreas Superiores (IVAS).

COMO AVALIAR A TOSSE:

PERGUNTAR SINAIS O pulo do gato


1. Há quanto tempo está Frequência  Rinite: período da tosse logo que vai dormi e
com tosse? respiratória: quando acorda
2. Em que horário a tosse < 2 meses: ≤ 60  Asma a tosse é pela madrugada (á noite)
predomina? 2 meses a < 12 meses: ≤ Se frequência respiratória se manter elevada
3. Ocorreu febre em algum 50 após tratamento da crise com Beta 2 pode indica
momento do processo de 1 ano a < 5 anos: ≤ 40 pneumonia
tosse (início, meio, últimos Tiragem subcostal
dias)?  Estridor ou sibilância.
4. Tem história de chiado,
cansaço, sibilância?
SINAIS CLASSIFIQUE TRATAMENTO
Qualquer sinal de perigo ou DOENÇA MUITO GRAVE OU Dar primeira dose de antibiotico.
tiragem subcostal ou PNEUMONIA GRAVE Referir urgentemente ao hospital.
estridor em repouso

Respiraçao rapida PNEUMONIA Dar a primeira dose de antibitico


Marcar retorno em 2 dias
Informar a mãe qundo retornar
inediatamente

Nenhum sinal de perigo ou de pneumonia NÃO É PNEUMONIA Se tiver sibilancia tratar com beta
2 durante 5 dias
Reavaliar em 5 dias se não
menhorar
Se tosse há mais de 30 dias
referir p/ avaliaçao

27
Professora Maria Alice Interno Victor Hugo P. Simões

Tosse

<3 ≥3
semanas semanas

Doença
Doença aguda
cronica de
de vias
vias
respiratorias
respiratorias

superiore outras
s
inferiores ⇨Continuar TB
investigaça
o para TB

Rinosinusit Traqueobronquit pneumoni


e e a Asma
Bronquiectasias
DPOC
Infecciosa Hemograma
DRGE
ou RX de torax
Cancer pumonar
nao
infecciosa

V
VERMINOSE / PARASITOSE -------------------------------------------------------------------------------------
Nem sempre é necessário realizar parasitológico de fezes para o diagnóstico e tratamento de parasitoses na
infância: no Brasil, a presença de queixas inespecíficas como astenia, perda do apetite, emagrecimento, febre
inexplicada, náusea, ânsia de vômito, enjôos, alterações na coloração da pele, etc. indica a necessidade de tratamento
de parasitose. Além disso, pacientes pediátricos devem ser tratados de verminoses (tanto helmintos como protozoários)
a cada 6 meses a partir de 1 ano de vida (os familiares do meio de convívio – incluindo os pais – também devem ser
tratados).
Crianças < 1 anos não tem indicação de tratamento, exceto quando estiverem sintomáticas com
parasitológico de fezes confirmando a infecção. É NECESSARIO CONFIRMAR COM EXAME. Nesses casos
optamos pelo Mebendazol (5ml 2xdia por 3-4dias) e Giamebil (Medicamento fitoterápico que também pode ser
utilizado como antiespasmódico. Dar 1gt/kg 2xdia por 3 dias)

De uma forma geral, temos:


 Para cobrir helmintos: Mebendazol (a partir de 1 ano) ou Albendazol (a partir de 2 anos). OBS: A não ser
quando o tratamento é feito com Annita, devemos sempre iniciar o tratamento direcionado para os helmintos.
 Para cobrir protozoários: Secnidazol ou Metronidazol.
Anti-helmínticos: de um modo geral, pode-se lançar mão de Mebendazol (a partir de 1 ano) ou Albendazol (a partir
de 2 anos).

o Mebendazol: indicado para parasitoses helmínticas em pacientes acima de 1 ano.


 Idade para uso: 1 ano.
 Apresentações: suspensão oral de 100mg/5ml e comprimidos de 100mg.
 Posologia:
No tratamento da ascaridíase, oxiuríase, ancilostomíase, tricocefalíase e infestações mistas: 5 ml
2xdia por 3-4 dias, independentemente do peso (repetir após 7 a 10 dias);
No tratamento das teníases: 10 ml, 2xdia, por 3-4 dias, independentemente do peso (repetir após 7
a 10 dias).

o Albendazol: indicado para parasitoses helmínticas em pacientes acima de 2 anos.


 Idade para uso: 2 anos.
 Apresentações: suspensão oral de 400mg/10ml e comprimidos mastigáveis de 400mg.
 Posologia: 10ml ou 400mg via oral, em dose única (repetir após 14 dias); tratamento das teníases:
400 mg/dia, de 12/12 horas, por 5 dias consecutivos.
Anti-protozoários: pode-se lançar mão de Secnidazol ou Metronidazol (antibiótico).

28
Professora Maria Alice Interno Victor Hugo P. Simões

o Metronidazol: é um derivado nitroimidazol com atividade antiprotozoária que também possui


atividade antibacteriana. Pode causar gosto metálico na boca.
 Apresentações:40mg/ml (Flagyl® Pediátrico)
 Idade para uso: 1 ano.
 Dose: 30mg/kg/dia 8/8h por 7 dias.
 Giardíase: Crianças de 1-5 anos: 5ml, 2x ao dia, por 5 dias; Crianças de 5 a 10 anos: 5ml, 3x
ao dia, por 5 dias.
 Amebíase: 20mg (0,5ml)/kg, 4x ao dia, durante 5 a 7 dias.
DICA: PESO/4 DE 12/12h.

o Secnidazol:
 Idade para uso: 1ano.
 Apresentações: 450mg/15ml; 900mg/30ml; comprimidos de 1g.
 Posologia: crianças menores que 12 anos – dose única de 30 mg/kg/dia, máximo 2 g (1
ml/kg/dia); maiores de 12 anos: 4 comprimidos de 500 mg, dose única ou 2 comprimidos
de 1 g.

o Annita® (Nitazoxanida): cobre tanto helmintos como protozoários. É o antiparasitário de escolha


para crianças que não aceitam medicações, pois apresenta um gosto agradável ao paladar. Deve
ser utilizado após a refeição e pode deixar a urina escura.
 Apresentações: 20mg/ml
 Dose: 7,5mg/kg/dose (tomar VO, 2x ao dia, por 3 dias).
 Posologia: 0,4ml x peso, via oral, 12/12h, por 3 dias.
Até 20kg de massa corporal: 1 vidro com 45 ml.
Acima de 20 kg de massa corporal: 1 vidro com 100 ml.
Acima de 45 kg: comprimidos de 100mg 2x ao dia, por 3 dias.

o Helmiben® (mebendazol + tiabendazol) 100+166mg/5ml: tomar 5ml (para crianças com mais de
2 anos), VO 12/12h, por 3 seguidos.

o Pyverm® (Emboato de Pirvínio): utilizado para o tratamento da oxiuríase.

 Apresentações: suspensão 10mg/ml.


 Dose: 1ml/kg, dose única (repetir em 2 a 3 semanas).

o Piperasina 2-5mg/ 2x por dia. OU Óleo mineral 3-5ml/kg/dose. Usado na obstrução por ascaris
lumbicoides.

ANTI-PARASITÁRIOS DISPONÍVEIS

ANNITA® (Nitazoxanida): Cobre tanto helmintos como protozoários. É o antiparasitário de escolha para crianças que não aceitam
medicações, pois apresenta um gosto agradável ao paladar. Deve ser utilizado após a refeição e pode deixar a urina escura.

SUSPENSÃO ORAL
INDICAÇÃO IDADE DOSAGEM DURAÇÃO

Gastroenterites virais 0,375 ml (7,5 mg) por Kg - 2


causadas por Rotavírus e Crianças acima de vezes por dia (a cada 12
Norovírus 12 meses horas) 3 dias consecutivos

Helmintíases, amebíase, 0,375 ml (7,5 mg) por kg, 2


giardíase, isosporíase, Crianças acima de vezes por dia (a cada 12
balantidíase, blastocistose. 12 meses horas) 3 dias consecutivos

29
Professora Maria Alice Interno Victor Hugo P. Simões

0,375 ml (7,5 mg) por kg, 2


Criptosporidíase em pacientes Crianças acima de vezes por dia (a cada 12
sem imunodepressão. 12 meses horas) 3 dias consecutivos

Criptosporidíase em pacientes
imunodeprimidos, se a
contagem de CD4 for superior Crianças acima de 7,5 mg por kg, 2 vezes por
a 50 céls/mm3. 12 meses dia (a cada 12 horas) 14 dias consecutivos

Criptosporidíase em pacientes
imunodeprimidos, se a Deve-se manter a medicação por, no
contagem de CD4 for inferior a Crianças acima de 7,5 mg por kg, 2 vezes por mínimo, 8 semanas ou até a resolução dos
50 céls/mm3. 12 meses dia (a cada 12 horas) sintomas e negativação dos oocistos.

COMPRIMIDO REVESTIDO
INDICAÇÃO IDADE DOSAGEM DURAÇÃO

1 comprimido (500 mg),


Gastroenterites virais causadas Crianças acima de 2 vezes ao dia (a cada
por Rotavírus e Norovírus 12 anos e adultos 12 horas) 3 dias consecutivos

Helmintíases, amebíase, 1 comprimido (500 mg),


giardíase, isosporíase, Crianças acima de 2 vezes por dia (a cada
balantidíase, blastocistose 12 anos e adultos 12 horas) 3 dias consecutivos

1 comprimido (500 mg),


Criptosporidíase em pacientes Crianças acima de 2 vezes por dia (a cada
sem imunodepressão. 12 anos e adultos 12 horas) 3 dias consecutivos

Criptosporidíase em pacientes
imunodeprimidos, se a contagem 500 a 1000 mg, 2 vezes
de CD4 for superior a 50 Crianças acima de por dia (a cada 12
céls/mm3. 12 anos e adultos horas) 14 dias consecutivos

Deve-se manter a medicação por,


Criptosporidíase em pacientes 500 a 1000 mg, 2 vezes no mínimo, 8 semanas ou até a
imunodeprimidos, se a contagem Crianças acima de por dia (a cada 12 resolução dos sintomas e
de CD4 for inferior a 50 céls/mm3. 12 anos e adultos horas) negativação dos oocistos.

 OBS: 20mg – 1ml


 Até 20kg de massa corporal: 1 vidro com 45 ml
 Acima de 20 kg de massa corporal: 1 vidro com 100 ml
 Acima de 45 kg: comprimidos de 100mg 2x ao dia, por 3 dias

PYVERM® (Emboato de Pirvnio): Utilizado para o tratamento da oxiuríase.


 Dose: 1ml/kg, dose única (adulto: 1 comp / 10kg). Repetir em 2 a 3 semanas.

ALBENDAZOL: indicado para parasitoses helmínticas em pacientes acima de 2 anos.


 Dose: 1comp com 400mg ou 2comp de 200mg DU ou ainda 10ml de suspensão, repetir após 14 dias.

OBS: Os comprimidos podem ser engolidos, mastigados, triturados ou misturados a alimentos. A suspensão pode ser
administrada diariamente ou misturada a líquidos.
Nos casos de infecção confirmada ou suspeita de Strongylóides stercoralis e a Taenia spp, a dose deve ser repetida

30
Professora Maria Alice Interno Victor Hugo P. Simões

por 3 dias consecutivos. Nos casos de infecção por Enterobius vermiculares, a dose usual em crianças acima de 2
anos é de 100 mg em dose única.
Se o paciente não se curou após 3 semanas, um segundo tratamento está indicado.

PARASIN® comprimido mastigável 400 mg cx. c/ 1 un. ou Susp. oral fr. c/ 10 ml (400 mg) Adultos e crianças acima de
2 anos de idade:
 Dose: 400mg (1 comp. ou 10mL de susp. Oral) dose única ou por 5 dias para tratar protozoários.

Recomenda-se que Parasin seja administrado durante o jejum, uma vez que grande parte de sua ação anti-helmíntica
é realizada no intestino, e os alimentos, principalmente se for uma alimentação rica em gorduras, aumentam a absorção
sistêmica do Albendazol.
Se o paciente não se curou após três sema nas, um segundo tratamento está indicado.

MEBENDAZOL: indicado para parasitoses helmínticas em pacientes acima de 1 ano. Idade para uso: 1 ano.
 Dose: 5ml, 2x ao dia, por 03 dias; repetir com 10 dias

Os comprimidos podem ser mastigados, deglutidos com água, triturados ou dissolvidos.


Super dosagem: no caso de super dosagem, cólicas abdominais, náuseas, vômitos e diarreia podem ocorrer. Lavagem
gástrica com solução de permanganato de potássio a 20% pode ser feita.

METRONIDAZOL: É um derivado nitroimidazol com atividade antiprotozoária que também possui atividade
antibacteriana. Pode causar gosto metálico na boca. Idade para uso: 1 ano.
 Dose: 30mg/kg/dia de 8/8h (÷3)

Metronidazol 250mg – Suspensão – 1Vd (250/5mL)

 Peso/5 => dose em mL de 8/8h por 5-7 dias.

Crianças: suspensão pediátrica - giardíase:

Crianças de 1 a 5 anos:

 1 colher das de chá (5 ml) 2 vezes ao dia, por 5 dias.

Crianças de 5 a 10 anos:

 1 colher das de chá (5 ml) 3 vezes ao dia, por 5 dias.


 Amebíase: 20 mg/kg, 4 vezes ao dia, por 5 a 7 dias, (amebíase intestinal) ou 7 a 10 dias (amebíase hepática).

SECNIDAZOL: Idade para uso: 1ano.

 Dose: 30mg/kg/dose, em dose única.

Apresentações: 450mg / 15ml; 900mg/30ml; 1g (comprimido)

GIAMEBIL® (Mentha Crispa): medicamento fitoterápico que também pode ser utilizado como
antiespasmódico.Indicação: Giardia lamblia, Entamoeba histolytica Idade para uso: recém-nascido.

Formas de apresentação:
 Gotas: 1 gota/kg 2x ao dia, por 3 dias
 Xarope: < 2 anos: 5,0 ml VO, 2x ao dia, por 3 dias.
 2 anos - 12 anos: 10 ml VO, 2x ao dia, por 3 dias.
 >12 anos: 10 ml VO, 2x ao dia, por 3 dias.
 Comprimido (>12 anos): 1 cp VO, 2x ao dia, por 3 dias.

LISTA DE MEDICAÇÕES EM PEDIATRIA

1. PRINCIPAIS DROGAS UTILIZADAS NO PA:

 Adrenalina 1mg/ml (1:1000):

31
Professora Maria Alice Interno Victor Hugo P. Simões

 PCR: 0,01mg/kg de peso (diluir uma ampola de adrenalina – isto é: 1ml – em 9ml de água
destilada, e fazer 0,1ml x peso corporal, de 5 em 5 minutos) por via intravenosa;
 Anafilaxia com cianose central ou estridor respiratório: 0,01mg/kg de peso por via intramuscular
(sem diluir, isto é: 0,01ml x peso corporal), com dose máxima de 0,3ml.

 Bromoprida (Digesan®) 10mg/2ml: fazer 0,1 a 1mg/kg (0,02ml x peso) EV ou IM. Idade para uso: 1
ano.

 Dexametasona 4mg/ml: fazer 0,15mg/kg (0,04ml x peso) EV ou IM.

 Diazepam 10mg/2ml: fazer 0,3mg/kg (0,06ml x peso) EV (evitar a diluição, mas fazer EV direto
seguido de um flush de SF) ou via retal com sonda (ao se optar por esta via, deve-se dobrar a dose).

 Diclofenaco (Voltaren®) 75mg/3ml: fazer 2,5mg/kg (0,10ml x peso) IM. Idade para uso: 12 anos.

 Dipirona 500mg/ml: fazer 20mg/kg (0,03ml x peso) IM ou EV. Idade para uso: 3 meses.

 Fenobarbital 200mg/ml: fazer 15 mg/kg (0,07 x peso) EV.

 Fenitoína (Hidantal®) 250mg/5ml:


36-60Kg= 5mg/Kg EV 8/8h
6-35Kg = 8mg/Kg EV 8/8h

 Hidrocortisona 100mg/5ml: fazer 5mg/kg (0,25ml x peso) EV ou IM.

 Hidrocortisona 500mg/5ml: fazer 5mg/kg (0,05ml x peso) EV ou IM.

 Insulina regular: 0,1 U/kg/hora em BIC.

 Metoclopramida (Plasil®) 10mg/2ml: fazer 0,03 a 0,1 mg/kg/dose (0,04ml x peso) IM ou EV (evitar
esta via). Idade para uso: recém-nascido.

 Nebulização: SF0,9% 3 a 5 ml. +


 Fenoterol (Berotec®): para crianças, 1 gota para cada 3kg de peso (evitar em casos de
taquiarritmias). +
 Brometo de Ipratrópio (Atrovent®): 10 gotas para menores de 1 ano; 20 gotas entre 1 e 6 anos;
20 a 40 gotas para maiores de 6 anos e adultos.
 Repetir de 20/20 minutos.

 Prometazina (Fenergan®) 50mg/2ml: fazer 1 mg/kg (0,04 x peso) IM. Idade para uso: 2 anos.

2. ANALGESICOS/ANTIINFLAMATÓRIOS:

 Paracetamol (Piramin®, Tylenol®): 10 a 15mg/kg/dose. Idade para uso: 1 mês.


 Apresentações:
Gotas (200mg/ml): 1 gota/kg/dose, 8/8h a 6/6h.
Comprimido 500mg e 750mg

 Dipirona (Maxalgina®, Novalgina®): 10 a 25mg/kg/dose.


o Idade para uso: 3 meses.
o Apresentações:
 Gotas (500mg/ml): 1gota/kg 6/6h VO (1 gota = 25mg).
 Solução oral (50mg/ml): Maxalgina® infantil (com sabor modificado).
5 a 8 kg (3 a 11 meses): 1,25 a 2,5ml VO, 6/6h;
9 a 15 kg (1 a 3 anos): 2,5 a 5 ml VO, 6/6h;
16 a 23 kg (4 a 6 anos): 7,5 VO, 6/6h;

32
Professora Maria Alice Interno Victor Hugo P. Simões

24 a 30 kg (7 a 9 anos): 10 ml VO, 6/6h;


31 a 45 kg (10 a 12 anos); 15 ml VO, 6/6h.
 Comprimido (500mg): a partir de 30kg, dar 1 cp VO de 8/8h – 6/6h, por 3 dias.
 Supositório (300mg): a partir de 18kg.
Injetável: 15mg/kg/dose (0,03 ml/kg/dose) IM (via de administração em desuso devido à dor)
ou EV.

 Diclofenaco:
o Gotas (15mg/ml): 1gota = 0,75mg
o Dose: 2 a 3mg/Kg/dia (÷2-a 4)
o Simplificando dose:
• Peso = gotas (6/6h)
• Peso =2xgotas (12/12h)

 Cetoprofeno (Profenid®):
o Idade para uso: 12 meses.
o Gotas (50mg/ml): 1 gota kg/dose 8/8h.
• Acima de 1 ano: 1 gota/kg, de 6/6 ou 8/8 horas;
• Crianças de 7 a 11 anos: 25 gotas, de 6/6 ou 8/8 horas;
• Acima de 11 anos: 50 gotas, de 6/6 ou 8/8 horas.

 Ibuprofeno (Alivium®):
o Idade para uso: 12 meses.
o Apresentações:
 Gotas: (100mg/ml): 1 gota kg/dose 6/6hGotas (50mg/ml): 1,5 gota kg/dose 6/6h.
 Xarope (100mg/ml): Peso ÷ 2, de 6/6h.

 Nimesulida (Nisufar®): Crianças (susp): 5 mg/kg/dia, a cada 12 h; 1-3 anos: 2,5 mL, 2x/dia, ou 10 gts,
2x/dia (50 mg/dia); 4-7 anos: 5 mL, 2x/dia, ou 20 gts, 2x/dia (100 mg/dia); 8-10 anos: 7,5 mL, 2x/dia,
ou 30 gts, 2x/dia (150 mg/dia).

3. ANTIBIÓTICOS ORAIS
 Ampicilina: beta-lactâmico do grupo das penicilinas.

o Indicações: infecções respiratórias, otite média aguda, rinossinusites, faringites bacterianas, etc.
Junto com a Amoxicilina, é a droga de escolha na maioria das infecções enterocócicas. Nas
infecções respiratórias, em geral, prefere-se a Amoxicilina.

o Posologia:
 RN: 25 - 50 mg/kg/dose 12/12 h (= 50-100mg/kg/dia divididos em duas tomadas) EV.
 Crianças maiores: 100 - 200 mg/kg/dia 6/6 h.

 Amoxicilina: beta-lactâmico do grupo das penicilinas.

o Indicações: rinossinusite, otite média aguda, infecções respiratórias, febre tifoide e profilaxia da
endocardite bacteriana.
o Idade para o uso: recém-nascido (recomenda-se uso a partir do 2º mês de vida).
o Dose: 50 (até 90) mg/kg/dia (tomar VO, 8-8h ou 12-12h)
o Apresentações: Novocilin® (250mg/5ml; 400mg/5ml); Velamox® (400mg/5ml); Sinot®
(400mg/5ml).
 Suspensão 250mg/5ml: Peso ÷ 3 ou Peso ÷ 2;
 Suspensão 400mg/5ml: Peso ÷ 5;
 Comprimido: 500mg (a partir de 40kg de massa corporal).

33
Professora Maria Alice Interno Victor Hugo P. Simões

 Amoxicilina + Clavulanato de potássio: aminopenicilina associada a um inibidor de beta-lactamase.


Útil contra cocos gram- positivos, bem como um número significativo de bactérias gram-negativas.

o Indicações: tratamento de infecções de vias aéreas superiores e inferiores, exacerbações


da bronquite crônica e otites.
o Clavulin® BD (200+28,5mg/5ml e 400+57mg/5ml), Clavutrex®
(250mg+62,5mg/5ml), Novamox® (400+57mg/5ml), Sinot Clav® (400mg+57mg/5ml).
o Dose: a dose usual recomendada é de 25mg/kg/dia, em doses divididas de 8/8h.

 1 a 6 anos (13 – 21kg):


Susp. oral 250+62,5mg/5ml: 2,5ml, 3x ao dia.
Susp. oral 400+57mg/5ml: 2,5 a 5ml, 2x ao dia.

 6 a 12 anos (22 – 40kg):


Susp, oral 250+62,5mg/5ml: 5ml, 3x ao dia.
Susp. oral 400+57/5ml: 5 a 10ml, 2x ao dia.

 Acima de 12 anos:
Cpr. 500+125mg: 1 cp, 3x ao dia.
Cpr. 875+125mg: 1 cp, 2x ao dia.

34
Professora Maria Alice Interno Victor Hugo P. Simões

 Ácido nalidíxico: quinolona bactericida para germes Gram-negativos do trato urinário. Pouco ativo
contra Gram-positivos.

o Indicações: infecções urinárias não complicadas.


o Dose: 50mg/kg/dia (tomar VO, 4x ao dia, por 10 dias).

 Azitromicina: macrolídeo eficaz contra certos germes Gram-positivos, como H. influezae, M. catarrhalis
e L. pneumophila; porém, pouco eficaz contra certos Gram-positivos (como o S. pyogenes, S.
pneumoniae e S. aureus). Como os outros macrolídeos, também apresenta potencial anti-inflamatório.
DICA: P/4 1XDIA POR 3-5DIAS!

o Indicações: infecções bacterianas de vias aéreas, de pele e em casos de sinusites agudas;


tratamento de shigelose, febre tifoide e coqueluche; alternativa para o tratamento de
gonorreia, leishmaniose cutânea, etc.
o Azitron®, Astro®, etc.
o Dose: 10-12 mg/kg (1x ao dia)
 Suspensão: 200mg/5ml (Peso÷4)
 < 15kg (frasco de 600mg com 15ml): 10mg/kg em dose única diária, por 3 dias.
 15 a 25kg (frasco de 600mg com 15ml): 5ml em dose única diária, por 3 dias.
 26 a 35kg (frasco de 900mg com 22,5ml): 7,5ml em dose única diária, durante 3
dias.
 36 a 45kg (dois frascos de 600mg com 15ml cada): 10ml em dose única diária,
durante 3 dias.
 Comprimido: 500mg (a partir de 45kg de massa corporal).

 Cefalotina: cefalosporinas de 1ª geração.


o Principais indicações: pneumonias, infecções da pele e tecidos moles, infecções das vias
aéreas superiores, profilaxia cirúrgica.
o Dose: 100mg/kg/dia (1,0 g + 10ml de água destilada)

 Cefaclor: cefalosporinas de 2ª geração.

o Principais indicações: infecções da pele e tecidos moles, infecções de vias aéreas, etc.
Dose: 30 mg/kg/dia (tomar VO, 12- 12h)
o Apresentações:
 Suspensão: 250mg/5ml (Peso ÷ 3)
 Suspensão: 375mg/5ml (Peso ÷ 5)
 Comprimido: 250, 375, 500 e 750 mg.

 Cefalexina: cefalosporinas de 1ª geração. DICA: P/4 DE 6/6HORAS.

o Principais indicações: infecções da pele e tecidos moles, infecções de vias aéreas, etc.
o Dose: 50 (até 100) mg/kg/dia VO 6-6 h
o Apresentações:
 Suspensão: 250mg/5ml (Peso ÷ 4)
 Comprimido: 500mg (a partir de 40kg de massa corporal)

 Ceftriaxona: cefalosporinas de 3ª geração.


o Principais indicações: pneumonias, infecções urinárias, meningites, infecções intra-
abdominais.
o Dose: 50-100 mg/kg/dose 12/12 h (=100 – 200mg/kg/dia).

 Claritromicina: macrolídeo com espectro semelhante ao da Azitromicina. Como os outros macrolídeos,


também apresenta potencial anti-inflamatório.
o Principais indicações: infecções das vias aéreas, dos seios da face, da pele e partes
moles.
o Idade para uso: 6 meses

35
Professora Maria Alice Interno Victor Hugo P. Simões

o Dose e apresentações: 7,5 mg/kg/dose (administrar VO ou IV, de 12/12h)


 Suspensão: Clamicin® 125mg/5ml
 Suspensão: Clamicin® 250mg/5ml
 Comprimido:
Claritromicina-EMS 500mg (a partir de 50 kg de massa corporal)

 Eritromicina: macrolídeo ativo contra a maioria dos Gram-positivos (S. pyogens, estreptococos do
grupo viridians, S. pneumoniae, S. aureus), germes “atípicos” (M. pneumoniae, C. trachomatis), cocos
Gram- negativos (N. gonorrhoeae, N. meningitidis), o agente da coqueluche (B. pertussis), da sífilis
(Treponema pallidum), etc. Principais indicações: muito usada para tratar infecções estreptocócicas,
gonocócicas e treponêmicas (sífilis) em pacientes alérgicos à Penicilina. É a droga de escolha para o
tratamento de infecções por Mycoplasma pneumoniae (por ser 50 vezes mais potente que as
tetraciclinas), da coqueluche e da angiomatose bacilar. A Eritromicina é ativa ainda contra a maioria
das cepas de S. aureus oxacilina-sensível, porém, o seu uso induz uma rápida resistência desta
bactéria.

o Idade para uso: 6 meses


o Dose e apresentações: 30-50 mg/kg/dia (tomar VO, 6-6 h)
 Suspensão: Eritrex® 125mg/5ml (Peso ÷ 2) - não se usa muito esta apresentação
 Suspensão: Eritrex® 250mg/5ml (Peso ÷ 4) – apresentação mais usual.
 Comprimido: Eritex®: (500mg) (a partir de 40 kg de massa corporal)

 Nitrofurantoína: antisséptico urinário.

o Dose e apresentações: 5- 7mg/kg/dia (tomar VO, 4x ao dia, por 10 dias).


 Solução: 5mg/ml (para lactentes).
 Solução: 250mg/5ml (idade para uso: 6 meses).

 Penicilina G Benzatina (Benzetacil®): beta- lactâmico de preparação para liberação lenta, administrada
por via intramuscular, cujo efeito perdura por cerca de 10 dias.

o Principais indicações: faringoamigdalite estreptocócica, impetigo estreptocócico


e sífilis sem acometimento do SNC.
o Doses e apresentações: atualmente, só estão disponíveis no mercado frasco-ampolas de
1200000 UI.
 Crianças com até 20 kg: ½ ampola (600.000U) IM (região glútea), dose única.
 Crianças com mais de 20 kg: 1 ampola (1200000U) IM (região glútea), dose única.

 Sulfametoxazol + Trimetoprima:

o
Principais indicações: cistite bacteriana, gastroenterite infecções
respiratórias altas, exacerbações do DPOC e das bronquiectasias.
o Idade de uso: a partir de 6 semanas de vida.
o Apresentações: suspensão oral com 40mg/ml + 200mg/ml (Bactrim®) e com
80mg/ml + 400mg/ml (Bactrim® F); Frascos com 50 ou 100ml. Comprimidos de
80mg+400mg (Bactrim®) e de 160mg+800mg (Bactrim® F).
o Dose: duração do tratamento: cerca de 7 a 14 dias.
 6 semanas a 5 meses: 2,5ml da suspensão a cada 12 horas.
 6 meses a 5 anos: 5ml da suspensão pediátrica a cada 12 horas ou
2,5ml da suspensão F a cada 12 horas.
 6 a 12 anos: 10ml da suspensão pediátrica a cada 12 horas ou 5ml da
suspensão F a cada 12 horas.
 > 12 anos: 1 a 2 cp de Bactrim ou ½ a 1 cp de Bactrim F, de 12/12h.
OBS: Cálculo simplificado para SMZ+TMP suspensão 200+40mg/5ml: 1,0 ml/Kg/dia (÷2).

4. ANTIBIÓTICOS TÓPICOS
 Verutex® (Ácido Fusídico) creme a 2% (20mg/g): aplicar de 12/12h. Indicações: impetigo, furúnculos,

36
Professora Maria Alice Interno Victor Hugo P. Simões

antraz, eritrasma, foliculite, acne, paroníquia e hidranite. OBS: Verutex® B (Ácido Fusídico +
Betametasona).
 Nebacetim® (Neomicina + Bacitracina) creme ou pomada (5mg/g+250UI/g): aplicar de 12/12h.
Indicações: impetigo, furúnculos, antraz, foliculite, acne. Também é indicado para prevenir infecções
de pele e/ou mucosas após ferimentos, cortes (inclusive de cirurigas) e queimaduras pequenas.
 Bactroban® (Mupirocina) pomada (20mg/g): aplicar 12/12h a 8/8h. Indicações: impetigo, foliculite e
furunculose.

5. ANTIBIÓTICOS OFTALMOLÓGICOS
 Biamotil® colírio (Ciprofloxacino): 1 gota 6/6h.
 Biamotil D® colírio (Ciprofloxacino 3,5mg + dexametasona 1mg/ml): 1 gota 6/6h. Indicações:
infecções oculares causadas por micro-organismos susceptíveis e quando for necessária ação anti-
inflamatória da dexametasona. Belfarites e conjuntivites causadas por germes sensíveis como S.
aureus, S.epidermidis e S. pneumoniae.
 Maxitrol® colírio (Dexametasona 1mg + Sulfato de Neomicina 5mg + Sulfato de Polimixina B 6000
UI/ml): 1 gota 6/6h. Indicações: condições inflamatórias oculares que respondam aos esteroides onde
exista infecção bacteriana. Pode ser indicado em casos de uveíte anterior crônica e traumas
corneanos causados por queimaduras químicas, por radiação ou térmicas, e também em caso de
corpo estranho. É ativo contra S. auereus, E. coli, H. influenzae, P. aeruginosa, etc.
 Tobrex® colírio (Tobramicina 3mg/ml): 1 gota 6/6h.
 Tobradex® colírio: (Tobramicina 3mg + Dexametasona 1mg/ml): 1 gota 6/6 h

6. ANTICONVULSIVANTES

Droga Posologia
Fenobarbital (Gardenal®)  Via oral – neonatos – manutenção da crise convulsiva: 3 a 6 mg/kg/dia, de 12/12 horas.
 Comp: 50 e 100 mg Iniciar 12 a 24 horas após dose de ataque. Na sedação: 1 a 3 mg/kg/dia, de 8/8 ou
 Gotas 40mg/ml 12/12 horas. Crianças:
 Ampola 200mg 4 a 8 mg/kg/dia, de 12/12 horas ou 1 vez ao dia.
 Injetável – neonatos – dose de ataque: 20 mg/kg/dose; repetir 10 mg/kg/dose por mais
Usos: Tônico- clônicas 2 vezes se as crises convulsivas se mantiverem. Na manutenção: 3 a 5 mg/kg/dia, de
generalizadas Parcial 12/12 horas; iniciar 12 horas após dose de ataque; dose máxima: 40 mg/kg. Na sedação:
1 a 3 mg/kg/dia, de 8/8 ou 12/12 horas. Crianças: mal convulsivo – 15 a 20 mg/kg;
dose de manutenção: 5 mg/kg/dia; dose máxima 20 mg/kg.

Diazepam (Vallium®)  Via oral: 1 mg/kg/dia, de 8/8 ou 12/12 horas.


 Injetável: 0,2 a 0,3 mg/kg/dose; dose máxima: 10 mg/dose. Estado de epilepsia: 0,1 a
0,3 mg/kg/dose, a cada 15 a 30 minutos (não diluir)

Carbamazepina (Tegretol®)  Neonatos: 5 a 10 mg/kg/dia, de 12/12 horas. A dose pode ser aumentada a cada 5 a 7
dias para 10 a 20 mg/kg/dia. Nível sérico terapêutico: 4 a 12 μg/ml.
Usos: Tônico- clônicas  Crianças: 10 a 20 mg/kg/dia, de 6/6 ou 8/8 horas.
generalizadas; Parciais

Clonazepam (Rivotril®)  Crianças menores de 10 anos: 0,01 a 0,03 mg/kg/dia; aumentar até 0,5 mg a cada 3
dias. Dose usual: 0,1 a 0,2 mg/kg/dia, de 8/8 horas.
Usos: Ausência; Mioclônica;  Crianças maiores de 10 anos: 0,05 a 0,2 mg/kg/dia, de 8/8 horas; dose máxima: 20
Espasmos infantis; Lennox-Gastaut mg/dia.

37
Professora Maria Alice Interno Victor Hugo P. Simões

Fenitoína (Hidantal®)  Via oral – neonatos em estado epiléptico: dose de manutenção de 4 a 8


 Ampolas de 250mg/5ml mg/kg/dia, de 12/12 horas. Nível terapêutico: 10 a 20 μg/ml. Criança: 5 a 10 mg/kg/dia,
de 8/8 ou 12/12 horas.
Usos: Tônico- clônicas  Injetável – neonatos em estado epiléptico: dose de ataque 15 a 20 mg/kg/dose; dose
generalizadas; Parcial de manutenção: 4 a 8 mg/kg/dia, de 12/12 horas.
 Crianças: 20 mg/kg; manutenção: 5 a 10 mg/kg/dia, de 8/8 ou 12/12 horas;
velocidade máxima de infusão: 1 mg/kg/hora.

Ácido valpróico (Depakene®) Inicial: 15 mg/kg/dia, de 8/8 ou 12/12 horas; quando necessário, Aumentar semanalmente
5 a 10 mg/kg/dia, até 60 mg/dia, de 8/8 horas; dose média: 30 a 60 mg/kg/dia.
Usos: Tônico- clônicas
generalizadas; Ausências;
Mioclonia; Parcial;
Acinética

Gabapentina (Neurontin®) Crianças de 3 a 12 anos: iniciar com 10 a 15 mg/kg/dia, de 8/8 horas;


Usos: Em terapia combinada Dose média: 25 a 40 mg/kg/dia, de 8/8 horas.
quando as crises são pouco
controladas

Lamotrigina (Lamictal®) Crianças com mais de 17 kg: 2 a 5 mg/kg/dia, de 12/12 horas.

Usos: Em terapia combinada quando


as crises são pouco controladas.
Tem amplo espectro de atividade:
parciais complexas, mioclônicas,
ausência, tônico- clônicas, Lennox-
Gastaut.

7. ANTIEMETICOS
 Bromoprida (Digesan®): dar 30 minutos antes das refeições, 3 a 4x ao dia.

o Idade para uso: 1 ano.


o Apresentações e posologia:
 Solução (1mg/ml): 0,5 a 1,0 ml/kg/dia.
 Gotas (4mg/ml): 3 a 5 gotas/kg/dia, 3 a 4x ao dia (máx: 30 gotas/dose).
 Comprimido (10mg): 1cp VO, 3x ao dia (antes de cada refeição).

 Domperidona (Motilium®): dar 30 min antes das refeições, 3x ao dia.

o Idade para uso: recém-nascido.


o Apresentações:
 Peridal® (Domperidona) Seringa graduada por peso, até 20 kg.
 Solução (1mg/ml): 0,3 a 0,5 mg/kg/dose.
 Comprimido: 10mg

 Dimedrinato (Dramin®): dar via oral, de 6/6h.

o Idade para uso: 0 anos


o Apresentações e posologia:
 Solução (12,5mg/ml): dar 0,5ml/kg/dose, até 6/6h.
 Gotas (25mg/ml): dar 1 gota/kg/dose até 6/6h, a partir de 3 meses de vida.
 Comprimido 100mg.

 Metoclopramida (Plasil®): seu uso tem sido evitado em pediatria atualmente.


o Idade para uso: recém-nascido.
o Apresentações: gotas 4mg/ml (com 10ml) e injetável (ampolas com 10mg/2ml)
 Gotas: 1 gotas/kg/dose VO 8/8 h.

38
Professora Maria Alice Interno Victor Hugo P. Simões

 Abaixo de 1 ano: 5 gotas, 12/12h.


 1 a 3 anos: 5 gotas, 2 a 3 vezes ao dia.
 a 5 anos: 10 gotas, 2 a 3 vezes ao dia.
 a 14 anos: 13 gotas a 26 gotas, 3 vezes ao dia.
 Injetável: 0,03 a 0,1 mg/kg/dose IM ou EV 8/8h (máximo de 0,5mg/kg/dia).

 Ondasentrona (Zofran®, Nausedron®):

o Apresentações: comprimidos de 8mg; ampolas de 4 e 8mg.


o Posologia:
 Crianças de 2 a 11 anos e com menos de 40 kg – nas náuseas e vômitos de pós-operatório:
0,1 mg/kg, via oral, 1 hora antes da cirurgia.
 Crianças de 2 a 11 anos e com mais de 40 kg – nas náuseas e vômitos de pós-operatório: 4
mg, via oral, 1 hora antes da cirurgia.
 Crianças de 4 a 11 anos – quimioterapia emetogênica: 4 mg, via oral, de 8/8 horas, a primeira
dose deve ser feita meia hora antes do tratamento e, a seguir, 4 e 8 horas após a primeira
dose.
 Injetável – crianças acima de 4 anos – quimioterapia e radioterapia emetogênica: dose única
2
de 5 mg/m , durante 15 minutos imediatamente antes da terapia; vômitos de outra causa:
0,1 mg/kg.

8. ANTIHISTAMINICOS
 Hidroxizina (Hixizine®): anti-histamínico de 1ª geração.

o Idade para uso: 1 mês.


o Apresentações: xarope 2mg/ml e comprimidos de 25mg
o Dose:
8 a 10kg: 2 a 2,5ml, 12/12h a 6/6h;
10 a 12kg: 2,5 a 3ml, 12/12h a 6/6h;
12 a 24kg: 3 a 6ml, 12/12h a 6/6h;
24 a 40kg: 6 a 12ml, 12/12h a 6/6h.
Maiores de 12 anos: 25-100 mg 3 à 4 x ao dia VO.

 Dexclorfeniramina (Histamin®, Polaradex®): antialérgico/anti-histamínico de 1ª geração.

o Idade para uso: 2 anos.


o Desvantagem: causa sono/sedação.
o Apresentação: xarope 2mg/5ml (0,4mg/ml) e comprimidos de 2mg.
o Dose: 0,2 mg/kg/dia VO 8/8h (Macete: Peso ÷ 6)
 2 - 6 anos: ¼ comprimido ou 1,25ml 3x/dia. Dose máxima de 3mg/dia.
 6 - 12 anos: ½ comprimido ou 2,5ml 3x/dia. Dose máxima de 6mg/dia.
 > 12 anos: 1comprimido ou 5ml 3-4x/dia. Dose máxima de 12mg/dia. (2mg/5ml).

 Prometazina (Fenergan®): antialérgico/anti- histamínico de 1ª geração.

o Idade para uso: 2 anos.


o Desvantagem: causa sono/sedação intenso.
o Apresentação: ampola 50mg/2ml.
o Dose: 0,5mg/kg/dia IM.
a
 Loratadina (Histadin®, Claritin®): anti- histamínico de 2 geração.

o Vantagem: provoca menos sedação que o Polaramine® e Fenergan®.


o Idade para uso: 2 anos
o Apresentação: xarope 5mg/5ml e comprimidos de 10mg.
o Dose:
 2 a 6 anos ou <30kg: 5ml/dia
 Maiores de 6 anos ou >30kg: 10ml/dia

 Desloratadina (Desalex®, Sigmaliv®): anti- histamínico de 2ª geração.

o Vantagem: provoca menos sedação que a Polaramine® e Fenergan®.

39
Professora Maria Alice Interno Victor Hugo P. Simões

o Idade para uso: 6 meses Apresentações: xarope 0,5mg/ml e comprimido de 5mg.


o Dose:
 6 meses – 2 anos: 2ml VO, 1x ao dia.
 2 – 6 anos: 2,5ml VO, 1x ao dia.
 6 – 12 anos: 5ml VO, 1x ao dia.
 Adolescentes: 1 comprimido/dia

 Fexofenadina (Allegra® Pediátrico): anti- histamínico de 2ª geração.

o Vantagem: praticamente não tem penetração no SNC, não causando sedação.


o Idade para uso: 6 meses
o Apresentações: xarope de 6mg/ml e comprimidos de 120mg.
o Dose:
 6 meses – 2 anos: 2,5ml VO, 2x ao dia.
 2 – 11 anos: 5ml VO, 2x ao dia.
 Maiores de 11 anos: 1 comprimido (120mg) VO, 1x ao dia.

 Celestamine® e Koid® D (Dexclorfeniramina 2mg + Betametasona 0,25mg/5ml): caixa com 20 comprimidos ou


frascos com 120ml.

o 2 - 6 anos: 1,25 a 2,5ml 3x/dia DM = 10ml/dia


o 6 - 12 anos: ½ comp. ou 2,5ml 3x/dia. DM = 4 comp. ou 20ml/dia.
o 12 anos: 1 a 2comp. ou 5 a 10ml 3x/dia. DM = 8comp. ou 40ml/dia.

9. ANTIPARASITÁRIOS

Anti-helmínticos: de um modo geral, pode-se lançar mão de Mebendazol (a partir de 1 ano) ou Albendazol (a partir
de 2 anos).

o Mebendazol: indicado para parasitoses helmínticas em pacientes acima de 1 ano.

 Idade para uso: 1 ano.


 Apresentações: suspensão oral de 100mg/5ml e comprimidos de 100mg.
 Posologia: no tratamento da ascaridíase, oxiuríase, ancilostomíase, tricocefalíase e
infestações mistas – 5 ml, 2 a 3 vezes por dia, durante 3 a 4 dias, independentemente do peso
(repetir após 7 a 10 dias); no tratamento das teníases: 10 ml, 2 vezes por dia, durante 3 a 4
dias independentemente do peso (repetir após 7 a 10 dias).

o Albendazol: Indicado para parasitoses helmínticas em pacientes acima de 2 anos.

 Idade para uso: 2 anos.


 Apresentações: suspensão oral de 400mg/10ml e comprimidos mastigáveis de 400mg.
Posologia: 10ml ou 400mg via oral, em dose única (repetir após 14 dias); tratamento das teníases:
400 mg/dia, de 12/12 horas, por 5 dias consecutivos.

Anti-protozoários: pode-se lançar mão de Secnidazol ou Metronidazol.

o Metronidazol: é um derivado nitroimidazol com atividade antiprotozoária que também possui atividade
antibacteriana. Pode causar gosto metálico na boca.

 Apresentações: 40mg/ml (Flagyl® Pediátrico)


 Idade para uso: 1 ano.
 Dose: 30mg/kg/dia 8/8h por 7 dias.
 Giardíase: Crianças de 1 a 5 anos: 5ml, 2x ao dia, por 5 dias; Crianças de 5 a 10 anos: 5ml, 3x
ao dia, por 5 dias.
 Amebíase: 20mg (0,5ml)/kg, 4x ao dia, durante 5 a 7 dias.

o Secnidazol:

40
Professora Maria Alice Interno Victor Hugo P. Simões

 Idade para uso: 1ano.


 Apresentações: 450mg/15ml; 900mg/30ml; comprimidos de 1g.
 Posologia: crianças MENORES QUE 12 ANOS - dose única de 30 mg/kg/dia, máximo 2 g (1
ml/kg/dia); maiores de 12 anos: 4 comprimidos de 500 mg, dose única ou 2 comprimidos de 1 g.

o Annita® (Nitazoxanida): cobre tanto helmintos como protozoários. É o antiparasitário de escolha para
crianças que não aceitam medicações, pois apresenta um gosto agradável ao paladar. Deve ser utilizado
após a refeição e pode deixar a urina escura.
 Apresentações: 20mg/ml
 Dose: 7,5mg/kg/dose (tomar VO, 2x ao dia, por 3 dias).
Posologia: 0,4ml x peso, via oral, 12/12h, por 3 dias.

o Até 20kg de massa corporal: 1 vidro com 45 ml.


o Acima de 20 kg de massa corporal: 1 vidro com 100 ml.
o Acima de 45 kg: comprimidos de 100mg 2x ao dia, por 3 dias.

o Helmiben® (MEBENDAZOL + TIABENDAZOL) - tomar 5ml (para crianças com mais de 2 anos), VO 12/12h,
por 3 seguidos.

o Pyverm® (Emboato de Pirvínio): utilizado para o tratamento da oxiuríase.


 Apresentações: suspensão 10mg/ml.
 Dose: 1ml/kg, dose única (repetir em 2 a 3 semanas).

10. ANTIESPASMÓDICOS:
 Giamebil® (Mentha crispa):
o Idade para uso: recém-nascido.
o Formas de apresentação:
 Gotas: 1 gota/kg 2x ao dia, por 3 dias
 Xarope:
< 2 anos: 5,0 ml VO, 2x ao dia, por 3 dias.
2 anos - 12 anos: 10 ml VO, 2x ao dia, por 3 dias.
>12 anos: 10 ml VO, 2x ao dia, por 3 dias.
 Comprimido (>12 anos): 1 cp VO, 2x ao dia, por 3 dias.

 Endorus® (Mentha piperitada): medicamento fitoterápico.


o Dose: 1 gota/kg/dose (8/8h)

 Simeticona (Flagass®) 75mg/ml e Dimeticona (Luftal®) 75mg/ml.


o Idade para uso: 0 meses.
o Apresentações: gotas (75mg/ ml) e comprimido 40mg.
o Posologia: via oral, 8/8h.
 Lactentes: 4-6 gotas
 < 12 anos: 6-12 gotas
 > 12 anos: 16 gotas ou comprimidos de 40 mg (3x ao dia)

 Escopolamina (Buscopan®):
o Idade para uso: 3 meses.
o Dose:
Gotas (10mg/ml): 1 gotas por kg de peso, 8/8 h (para adultos: 30 gotas 8/8h).
Injetável (20mg/ml): 0,5 mg/kg/dose 8/8h IM ou IV.

11. ANTITUSSIGENO

 Dropropizina (Atossion®, Tussiflex-D®):

o Apresentações: Xarope pediátrico (7,5 mg/5ml), Xarope adulto (15mg/5ml) e gotas (1mg/gota ou
30mg/ml).
o Posologia: 0,45 mg/kg/dose, de 6/6 horas.
 6meses a 3 anos: 2,5 a 5ml ou 4 a 8 gotas (3-4xdia);

41
Professora Maria Alice Interno Victor Hugo P. Simões

 3-12 anos: 10ml ou 15 gotas (3- 4xdia).

 Levodropropizina (Antux®):
o Apresentações: xarope: (30 mg/5ml) e gotas (1mg/gota ou 30mg/ml)
o Posologia:
 Xarope – crianças acima de 2 anos: 1 mg/kg, até 3 vezes ao dia, dose diária de 3 mg/kg;
acima de 12 anos: 10 ml, até 3 vezes ao dia, em intervalos de, no mínimo, 6 horas.

 GOTAS - crianças acima de 2 anos: 1 mg/kg, até 3 vezes ao dia, dose diária de 3 mg/kg (1
gota = 3 mg); acima de 12 anos: 20 gotas (60 mg), até 3 vezes ao dia, em intervalos de, no
mínimo, 6 horas.

 Notuss® xarope (Paracetamol, Difenidramina, Pseudoefedrina, Dropropizina), 120ml: uso pediátrico acima
de 2 anos de idade.
 2 a 6 anos: 2,5ml VO, 3 a 4 vezes ao dia.
 6 a 12 anos: 5ml VO, 3 a 4 vezes ao dia.

12. CORTICOIDES

 Beclometasona (Beclosol®, Clenil Nasal®): uso nasal.


o Via nasal: acima de 6 anos – 50 μg em cada narina, até de 6/6 horas;
o Via oral: 6 a 12 anos – 50 a 100 μg, até de 6/6 horas.
 Mometasona (Nasonex®): uso nasal.
o Entre 2 e 12 anos: fazer 1 aplicação em cada narina, 1x ao dia.
o Acima de 12 anos: fazer 2 aplicações ao dia.
 Dexametasona (Decadron®):
o Apresentações: Ampolas de 1ml com 2mg/ml e 2,5ml com 4mg/ml. Elixir de 0,5mg/5ml.
o Dose:
 Injetável: 0,3 A 0,6 mg/kg/dose 12/12h a 6/6h EV ou IM
 Uso oral: 2 mg/kg/dia, de 6/6 ou 12/12 horas.
 Hidrocortisona (Cortisonal®): 100mg e 500mg
o Dose ataque: 10mg/kg/dose
o Dose de manutenção: 1 a 5mg/kg/dose 12/12h a 6/6h EV ou IM.
o Hipoglicemia em neonatos: 10 mg/kg/dia, de 12/12 horas.
 Prednisolona (Prelone®):
o Apresentações: solução oral 3 mg/ml; comprimidos 5 e 20 mg.
o Posologia:
 Neonatos: 0,5 a 1 mg/kg/dia, de 12/12 horas.
 Crianças: 1 a 2 mg/kg/dia, de 12/12 horas; dose máxima: 60 mg/dia.
 Prednisona (Predsim®):
o Apresentações: comprimidos de 5 e 20mg.
o Posologia: Crianças – como imunossupressor: 0,05 a 2 mg/kg/dia, 1 a 4 vezes ao dia; no
tratamento da asma: 1 a 2 mg/kg/dia; dose máxima: 60 mg/dia

13. MUCOLÍTICOS E EXPECTORANTES

 Ambroxol:
o Apresentações: xarope pediátrico (15mg/5ml) e adulto (30mg/5ml); Gota: 7,5mg/ml (1mg/3gts).
o Criança:
 1 a 5 anos: 2,5ml, 8/8h;
 6 a 10 anos: 5ml, 8/8h;
 10 anos: 10ml, 8/8h.

 Acetilcisteína (Fluimucil®):
o Apresentações: xarope pediátrico (100mg/5ml) e adulto (200mg/5ml).
o Posologia: Criança: 15mg/Kg/dia (÷3); Adulto: 10ml x3 dia (20mg/ml).
o Calculo simplificado:
 Até 3 meses: 1ml (x3/dia)
 3 a 6 meses: 2,5ml (x2/dia)
 6 a 12 meses: 2,5ml (x3/dia)

42
Professora Maria Alice Interno Victor Hugo P. Simões

 1 a 4 anos: (x 2-3/dia)
 Acima de 4 anos: (x 3-4/dia)
 Melxi® (Ananas comosus 0,66g/ml):
 1 ano: 2,5ml, 3x ao dia;
 1 a 8 anos: 5ml, 3x ao dia;
 Acima de 8 anos: 10ml, 3x ao dia.
14. PEDICULOSE (PIOLHO)
 Invermectina (Vermectil®) 6mg: dose única, e repetir com 15 dias.

 Crianças entre 15 a 30kg: ½ comprimido (3mg)


 Crianças entre 30 a 45kg: 1 comprimido (6mg)
 Crianças entre 45 a 60kg: 1cp e ½ (9mg)

15. PROTETORES GÁSTRICOS


 Omeprazol:
o Idade para uso: recém-nascido.
o Apresentações: ampolas de 40mg/10ml.
o Injetável: 0,5 a 3,5 mg/kg/dose EV 12/12 ou 24/24h (1 ampola - 40mg/10ml).

 Ranitidina (Antak®, Label®):


o Idade para uso: recém-nascido.
o Apresentações: solução oral de 15mg/ml; ampolas de 2ml com 25mg/ml.
o Posologia:
 Solução oral (15mg/ml): 2 a 4 mg/kg/dose (0,1 a 0,2ml/kg/dose) VO,12/12h-8/8h.
 Injetável: 2-4 mg/kg/dose 12/12h EV.

16. POLIVITAMÍNICOS
 Linha Grow®:
o Grow® VitBB (1 a 12 meses): ingerir 6 gotas ao dia.
o Grow® Vit (240ml):
 1 a 3 anos: 2,5ml, 1x ao dia.
 4 a 6 anos: 5ml, 1x ao dia.
 7 a 10 anos: 10ml, 1x ao dia.
o Grow® D: suplementação de vitamina D. Ingerir 1 gota ao dia.
o Grow® Cálcio (150ml): em caso de déficit de crescimento ou doenças ósseas.
 1 a 3 anos: 2,5ml, 1x ao dia.
 4 a 10 anos: 5ml, 1x ao dia.

 Nutrinfan® (120ml): as doses recomendadas podem ser administradas juntamente com sucos e leite. Tomar
preferencialmente junto as refeições.
o Crianças de 1 a 3 anos: 2,5ml via oral, 1x ao dia.
o Crianças de 4 a 10 anos: 5ml via oral, 1x ao dia.

 Nutrivit® A-D (240ml) e Nutrivit® B-Zn (240ml):


o Crianças de 1 a 3 anos: 2,5ml via oral, 1x ao dia.
o Crianças de 4 a 10 anos: 5ml via oral, 1x ao dia.

 Zirvit® Kids: cobre, zinco, magnésio, cálcio, ferro e vitaminas variadas.


o Crianças de 1 a 3 anos: 2,5ml via oral, 1x ao dia.
o Crianças de 4 a 10 anos: 5ml via oral, 1x ao dia.

43

Você também pode gostar