Você está na página 1de 32

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS


CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

MANUAL DE NORMALIZAÇÃO PARA


APRESENTAÇÃO DE TESES,
DISSERTAÇÕES E TRABALHOS
ACADÊMICOS

VÂNIA PINHEIRO DE SOUSA

Juiz de Fora
2011

O material que se segue constitui o padrão de normalização adotado pela UFJF e pela
FACC para a elaboração e formatação dos Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC), de
autoria de Vânia Pinheiro de Souza.

O livro da autora foi editado de modo a fornecer ao autor do TCC apenas as instruções
normativas quanto às forma de citações.
VÂNIA PINHEIRO DE SOUSA

MANUAL DE NORMALIZAÇÃO PARA


APRESENTAÇÃO DE TESES,
DISSERTAÇÕES E TRABALHOS
ACADÊMICOS

Juiz de Fora
2011
© 2011 by Vânia Pinheiro de Sousa
É proibido a reprodução total ou parcial desta obra sem autorização expressa da Editora

Studio Gráfico Editora UFJF


Supervisão Gráfica:
Thiago Berzoini, Sinval de Abranches

Capa:

Danilo Carvalho

Editoração:

Danilo Carvalho, Nathália Duque


Rodrigo Duque Patrícia Mendes

Editora UFJF
Rua Benjamin Constant, 790
Centro – Juiz de Fora – MG

CEP 36015-400

Fone/Fax: (32) 3229-7645 (32) 3229-7646

secretaria@editoraufjf.com.br

distribuicao@editoraufjf.com.br

www.editoraufjf.com.br
SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO

2 ESTRUTURA

2.1 PARTE EXTERNA

2.1.1 Capa

2.1.2 Lombada

2.2 PARTE INTERNA

2.2.1 Elementos pré-textuais

2.2.2 Folha de rosto

2.2.3 Errata

2.2.4 Folha de aprovação

2.2.5 Dedicatória(s)

2.2.6 Agradecimento(s)

2.2.7 Epígrafe

2.2.8 Resumo na língua vernácula

2.2.9 Resumo em língua estrangeira

2.2.10 Lista de ilustrações

2.2.11 Lista de tabelas

2.2.12 Lista de abreviaturas e siglas

2.2.13 Lista de símbolos

2.2.14 Sumário

2.3 ELEMENTOS TEXTUAIS

2.3.1 Introdução

2.3.2 Desenvolvimento

2.3.3 Conclusão

2.4 ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS


2.4.1 Referências

2.4.2 Glossário

2.4.3 Apêndice(s)

2.4.4 Anexo(s)

2.4.5 Índice(s)

3 REFERÊNCIAS

3.1 MONOGRAFIAS

3.2 PARTES DE MONOGRAFIA (CAPÍTULO, VOLUMES OU PARTES


DE UMA OBRA)

3.3 PUBLICAÇÕES PERIÓDICAS

3.4 DOCUMENTOS JURÍDICOS

3.5 OUTROS MATERIAIS

3.6 DOCUMENTOS ELETRÔNICOS VIA INTERNET

3.7 DOCUMENTOS DISPONÍVEIS EM CD-ROM

3.8 ORDENAÇÃO DAS REFERÊNCIAS

4 CITAÇÕES

4.1 CITAÇÃO DIRETA

4.2 CITAÇÃO INDIRETA

4.3 CITAÇÃO DE CITAÇÃO

4.4 SISTEMAS DE CHAMADA

4.5 NOTAS DE RODAPÉ

4.5.1 Notas de referência

4.5.2 Notas explicativas

5 APRESENTAÇÃO GRÁFICA

REFERÊNCIAS
1 INTRODUÇÃO

Este manual é fruto da intenção de se criar um instrumento de uniformização dos


trabalhos acadêmicos, dissertações e teses da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF).

A UFJF apresenta este “Manual de Normalização para Apresentação de Teses,


Dissertações e Trabalhos de Conclusão de Curso – TCC” como forma de auxiliar o trabalho
investigativo.

Por se tratar de um estudo ao conteúdo das normas da Associação Brasileira de


Normas Técnicas (ABNT), as Normas Brasileiras (NBRs) 6022, 6023, 6024, 6027,
6028,10520, 12225 e 14724.

Nem todos têm acesso às normas da ABNT, há detalhes que devem ser buscadas em
normas específicas, como o Código de Catalogação Anglo-Americano 2 (AACR2).

Este trabalho não pretende ser definitivo, porque precisa de constantes atualizações
(atualizado até 2011) devido às eventuais alterações das normas.

A motivação para elaboração das diretrizes fundamentou-se na premissa de que textos


científicos bem preparados e organizados valorizam os resultados e a qualidade do trabalho de
pesquisa realizado. Têm servido como base para os Programas de Pós-Graduação da UFJF
construírem seus próprios modelos de dissertações e teses. Além disso, contemplam as
normas para formatação da versão eletrônica de teses e dissertações para divulgação na
Biblioteca Digital da UFJF, obrigatória desde abril de 2007 e fundamental para o incremento
da visibilidade da Pós-Graduação.

É importante prestação de serviços à comunidade universitária, e consolida-se como


apoio para solução de dúvidas e problemas na preparação dos textos dos trabalhos
acadêmicos. Penso que esta publicação é fonte de consulta obrigatória para aqueles que se
preocupam com a eficácia da forma para ampla divulgação do conhecimento.
3 REFERÊNCIAS

As referências são constituídas pelos elementos essenciais e quando necessário acrescidas de


elementos complementares.

 Elementos essenciais

São os elementos indispensáveis à identificação do documento. Eles variam de acordo com o


suporte do documento.

 Elementos complementares

São os elementos que, acrescidos aos essenciais, complementam a informação do documento.

 Localização

As referências podem aparecer:

a) no rodapé

b) no final da seção

c) em lista de referências

3.1 MONOGRAFIAS

Inclui livros/folhetos, dicionários, trabalhos acadêmicos, dissertações e teses, enciclopédias


etc.

Consideradas no todo

a) Livros

WOLKMER, Antonio Carlos. Introdução ao pensamento jurídico crítico. 7. ed. São


Paulo: Saraiva, 2009.
Para documentos elaborados por até três autores, mencionam-se os nomes de todos na mesma
ordem em que constam da publicação, separados por ponto e vírgula.

SCHAUN, Angela; RIZZO, Esmeralda. Agências de comunicação: teoria e prática. 1.


ed. São Paulo: Expressão & Arte, 2009.

ROCHA, Julio Cesar; ROSA, André Henrique; CARDOSO, Arnaldo Alves.


Introdução à química ambiental. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2009.

Nos casos em que houver mais de três autores, pode-se optar pela indicação de todos os
autores ou indicar o primeiro autor citado no documento, seguido da expressão et al. Devemos
seguir o mesmo padrão em toda lista de referência no final do trabalho.

JOSÉ, Fábio Freire et al. Gestão do conhecimento médico. Porto Alegre: Artmed,
2009.

b) Trabalhos acadêmicos, dissertações e teses

TOSINI, Ariana Cavalcante. Crédito imobiliário no Brasil: revolução histórica.


2009. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Economia)—Universidade
Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2009.

CAPANEMA, Helder Fontes. Análise do ciclo de caixa e despesas financeiras de


uma empresa de pequeno porte. 2010. Trabalho de Conclusão de Curso
(Especialização em Auditoria Externa)—Universidade Federal de Minas Gerais, Belo
Horizonte, 2010.

DIAS, Danielle Rezende Berbert. Universo das letras: os desdobramentos da reforma


pombalina da educação em Minas Gerais Colonial. 2009. Dissertação (Mestrado em
História)—Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal de Juiz de
Fora, Juiz de Fora, 2009.

SILVA, Martin Francisco de Oliveira e. A vantagem competitiva das nações e a


vantagem competitiva das empresas: a localização é importante. 2009. Tese
(Doutorado em Administração)—Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro,
Rio de Janeiro, 2009.
c) Com responsabilidade destacada

Os documentos elaborados por vários autores, com um responsável intelectual destacado


(organizador, coordenador, compilador, editor e outros), são referenciados pelo nome desses
responsáveis, seguido da abreviatura correspondente, entre parênteses, caracterizando o tipo
de responsabilidade.

MAZZA, Alexandre (Org.). Vade mecum tributário. São Paulo: Rideel, 2009.

LÜDKE, Menga (Coord.). O que conta como pesquisa? São Paulo: Cortez, 2009.

TOLEDO, Paulo F. C. Salles de; ABRÃO, Carlos Henrique (Coord.). Comentários à


Lei de recuperação de empresas e falência. 2. ed. rev. atual. São Paulo: Saraiva,
2007.

CAVALCANTE, Antônio Cézar Rocha (Ed.). Sabores das carnes caprina e ovina.
Brasília, DF: Embrapa Caprinos, 2008.

ANTUNES, Edvan (Comp.). Frases de pára-choque de caminhão. Ilustrações


Adenir Vigilato da Paixão. Curitiba: [s.n.], 2005.

d) outros tipos de responsabilidade

Quando necessário, podemos acrescentar outros tipos de responsabilidade logo após o titulo,
conforme aparecem no documento.

YENNE, Bill. 100 homens que mudaram a história do mundo. Tradução de Roger
Maiole. Rio de Janeiro: Pocket Ouro, 2009.

CATALÃO, Marco. A origem da mandioca: inspirado num mito tupi. Ilustrações


Eduardo Moura. Americana: Adonis, 2009.

e) autores de nomes espanhol ou hispano-americano

GONZÁLEZ REY, Fernando Luis. O social na psicologia e a psicologia social: a


emergência do sujeito. Tradução de Vera Lúcia Mello Joscelyne. 2. ed. Petrópolis:
Vozes, 2009.
f) sobrenomes que indicam parentesco

ZIMMERMANN NETO, Carlos F. Processo do trabalho. 3. ed. São Paulo: Saraiva,


2009.

LOUREIRO FILHO, Lair da Silva. Introdução ao direito. Belo Horizonte: Del Rey,
2009.

LOPES JÚNIOR, Nilson Martins. Direito previdenciário: custeio e benefícios. 2. ed.


São Paulo: Rideel, 2009.

g) sobrenomes ligados por hífen

GAMBOA-CHAVES, Márcia; GAMBOA, Silvio Sánchez. Pesquisa na educação


física: epistemologias, escola e formação profissional. Maceió: EDUFAL, 2009.

h) Sobrenomes com prefixo

MAC DONALD, Sharon. Matemática em minutos: atividades fáceis para crianças de


4 a 8 anos. Tradução: Adriano Moraes Migliavaca. Porto Alegre: Artmed, 2009.

MC ARDLE, William D.; KATCHA, Frank I.; KATCH, Victor L. Fisiologia do


exercício: energia, nutrição e desempenho humano. Traduzido por Giuseppe Taranto.
Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008.

O’NEILL, Joseph. Terras baixas. Tradução Cassio de Andrade Leite. Rio de Janeiro:
Alfaguara, 2009.

i) autor entidade(s)

MINAS GERAIS. Constituição (1989). Constituição do Estado de Minas Gerais. 6.


ed. atual. até a Emenda Const. 80/2008. Curitiba: Juruã Ed., 2009.

BRASIL. Tribunal de Contas da União. Obras públicas: recomendações básicas para


a contratação e fiscalização de obras de edificações públicas. 2. ed. Brasília, DF, 2009.

BRASIL. Ministério da Ciência e Tecnologia. Relatório de gestão: janeiro de 2003 a


dezembro de 2006. Brasília, DF, [2009?].
RIO DE JANEIRO (Estado). Tribunal de Justiça. Regimento interno do Tribunal de
Justiça do Estado do Rio de Janeiro. 4. ed. atual. Curitiba: Juruá Ed., 2009.

O subtítulo é um conjunto de informações apresentadas em seguida ao título, com o propósito


de esclarecê-lo ou acompanhá-lo, dele separado por dois pontos. Apenas o título aparece de
forma destacada (negrito, itálico ou sublinhado).

ANTUNES, Celso. Educação infantil: prioridade imprescindível. 6. ed. Pettrópolis:


Vozes, 2009.

j) sem responsabilidade destacada

As publicações anônimas ou não assinadas, têm entrada pelo título da publicação, sendo a
primeira palavra impressa em letras maiúsculas.

MANUAL da criança. São Paulo: Casa Dois, 2009.

l) edição

A indicação de edição, deve ser transcrita, utilizando-se abreviaturas dos numerais ordinais e
da palavra edição, ambas de forma adotada na língua do documento.

OLIVEIRA, Carlos A. J. Faça site Flash CS4 para Windows: orientado por projeto.
1. ed. São Paulo: Érica, 2009.

COLNAGO, Rodrigo Henrique. Direito constitucional: perguntas e respostas. 3. ed.


São Paulo: Saraiva, 2009.

Devemos indicar as emendas e acréscimos à edição, de forma abreviada.

MOTTA, Carlos Alberto. Manual prático dos tabeliães. 10. ed. rev. e atual. Rio de
Janeiro: Forense, 2009.

m) local

O nome do local (cidade) do documento deve ser indicada tal como aparece.
MARTINS, Fernando Rodrigues. Princípios da justiça contratual. São Paulo:
Saraiva, 2009.

No caso de homônimos de cidades, acrescentam-se a sigla do estado, do país etc.

SILVA, Sebastião. Matérias-primas para produção de ração: perguntas e respostas.


Viçosa, MG: Aprenda Fácil, 2009.

Quando houver mais de um local para uma só editora, indica-se o primeiro ou o mais
destacado.

SWOKOWSKI, E. W.; FLORES, V. R. L. F.; MORENO, M. Q. Cálculo de


geometria analítica. 2. ed. São Paulo: Makron Books do Brasil, 1994.

(na obra: São Paulo, Rio de Janeiro, Lisboa, Bogotá, Buenos Aires, Guaremala, Mexico, New
York etc).

Quando a cidade não aparece no documento, mas pode ser indicada, coloca-se entre colchetes.

SANTAYANA, Mauro. Chemtech 20 anos: a história da engenharia em verde e


amarelo. [Rio de Janeiro]: Memória Visual, 2009.

Não podendo ser identificado o local no documento, indica-se, entre colchetes [S.l.].

LOPES, Cida. Descobrindo valores. Ilustrações Belli Studio. [S.l.]: Brasileitura,


2008.

n) editora

O nome da editora deve ser indicada tal como figura no documento, abreviando-se os
prenomes e suprimindo-se palavras que designam natureza jurídica ou comercial. Devem ser
separadas do nome do local por dois pontos.

COÊLHO, Ilden M. (Org.). Educação, cultura e formação: o olhar da filosofia.


Goiânia: Ed. PUC Goiás, 2009.

BORGNAKKE, C.; SONTAG, Richard Edwin. Fundamentos da termodinâmica.


São Paulo: E. Blücher, 2009.
Quando houver duas editoras, indicam-se ambas, com seus respectivos locais (cidades).

RIBEIRO, Vera Masagão. Alfabetismo e atitudes: pesquisa com jovens e adultos. 4.


ed. Curitiba: Ibpex; Campinas, SP: Papirus, 2009.

Quando a editora não pode ser identificada no documento, utilizam-se as abreviaturas, entre
colchetes, s.n.

SIQUEIRA, Francisco Alvez. Barra de Guaratiba e a II Guerra Mundial. 1. ed.


Rio de Janeiro: [s.n.], 2009.

Quando o local e a editora não puderem ser identificadas no documento, utilizam-se as


expressões, entre um mesmo colchetes.

PITKOWSKI, André. Restaurando sua família. [S. l.: s. n.], 2009.

o) data

A data do documento deve ser indicada em algarismos arábicos.

TENÓRIO, Robinson. A razão e o tempo: trilhos da matemática na teia da história.


Salvador: EDFBA, 2009.

Quando a única data do documento for a de copirraite, devemos indicá-la, precedida da letra
c.

CHICAGO: seu guia passo a passo. Tradução: Thais Costa. São Paulo: PubliFolha,
c2009.

Caso o documento não possua data, mas esta poderá ser identificada, devendo registrá-la entre
colchetes.

DURRIER, Frank. Construindo o caráter. Ilustrações Belli Studio. [S. l.]:


Brasileitura, [2008].
Se nenhuma data pude ser identificada, registra-se uma data aproximada, entre colchetes.

MORI, Kátia Regina Gonçalves; VAZ, Marcelo. Voluntariado educativo: uma


tecnologia social. São Paulo: Instituto Brasil Voluntário, [2009?].

TURNER, A. Simon; MCILWRAITH, C. Wayne. Técnicas cirúrgicas em animais


de grande porte. Tradução Cristina Pazzi Redko. São Paulo: Roca, [199-].

p) paginação

Registra-se o número da última página ou folha do documento.

GORDILHO, Heron José de Santana. Direito ambiental pós-moderno. Curitiba:


Juruá Ed., 2009. 197 p.

Quando o documento for constituído de mais de um volume, indica-se a quantidade de


volumes, seguida da abreviatura v.

NORBIM, Luciano Davi. Direito constitucional avançado. São Paulo: LTr, 2009. 2
v.

q) ilustrações

Pode-se indicar as ilustrações de qualquer natureza pela abreviatura il. e para as ilustrações
coloridas il. color.

BARROSO, Dalton Ellery Girão. A física dos explosivos nucleares. São Paulo: Livr.
da Física, 2009. 439 p., il.

NADDEO, Maria Lúcia Mercante. English for life: book 4. São Caetano do Sul:
Yedis, 2009. 112 p., il. color.

r) dimensões

Pode-se indicar a altura do documento em centímetros.

GARCIA, André Almeida. Prova civil. São Paulo: Saraiva, 2009. 102 p., 21 cm.
s) série e coleções

Após a descrição física, pode-se citar as notas relativas a séries ou coleções, indicando-se,
entre parênteses, seus títulos, separados por vírgula da numeração, em algarismos arábicos, se
houver.

OLIVEIRA, Luizir de. Sêneca, uma vida dedicada à filosofia. São Paulo: Paulus,
2010. 114 p., 21 cm (Ensaios filosóficos).

LOPES, Celi Espasandin; NACARATO, Adair Mendes (Org.). Educação


matemática, leitura e escrita: armadilhas, utopias e realidades. Campinas, SP:
Mercado das Letras, 2009. 280 p., il., 21 cm. (Educação matemática, 2).

t) notas

Caso necessário a identificação do documento, devem ser indicadas notas com informações
complementares, sem destaque tipográfica.

RODRIGUEZ, José Rodrigo. Fuga do direito: um estudo sobre o direito


contemporâneo a partir de Franz Neumann. São Paulo: Saraiva, 2009. 210 p., 21 cm.
Originalmente apresentada como tese do autor à Universidade Estadual de Campinas.

BLASCO, Cecília. Fale tudo em espanhol em viagens!: um guia completo para


comunicação em viagens. Barueri: Disal, 2009. 175 p., il., 22 cm. Acompanhado de
CD em bolso.

3.2 PARTES DE MONOGRAFIA (CAPÍTULO, VOLUMES OU PARTES DE UMA


OBRA)

a) Da mesma autoria

RANGEL, Mary; WESCHENFELDER, Ignácio Lúcio. Pedagogia de La Salle:


avanços e atualidade. In: ______. La Salle na atualidade e na história das correntes
pedagógicas. Niterói: Intertexto, 2010. p. 9-44.
b) Com autoria própria

BEZERRA NETO, Luiz. A educação rural no contexto das letras do MST. In:
ALVES, Gilberto Luiz (Org.). Educação no campo: recortes no tempo e no espaço.
Campinas, SP: Autores Associados, 2009. p. 1-21.

c) Trabalhos em eventos

PAULA, N.; NOVAES, C. C. Avaliação da satisfação do cliente contratante do


serviço de projeto de edificações. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE QUALIDADE
DO PROJETO NO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 9., 2009, São Carlos, WORKSHOP
BRASILEIRO DE GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETO NA CONSTRUÇÃO
DE EDIFÍCIOS, 9., 2009, São Carlos. Anais... São Carlos: ANTAC, 2009. p. 35-42.

3.3 PUBLICAÇÕES PERIÓDICAS

a) Artigo de periódicos

 Com autoria

ECA, Teresa Torres Pereira de. Educação através da arte para um futuro sustentável.
Caderno Cedes, Campinas, SP, v. 30, n. 80, p. 13-25, jan./abr. 2010.

SOUZA, Jose Manoel Meireles de. Estratégias empresariais e a internacionalização da


economia brasileira. Momento do Professor: Revista da Educação Continuada, São
Paulo, ano 2, n. 4, p. 18-26, primavera 2005.

 Sem autoria

CORDEL na Cortez. Panorama Editorial, São Paulo, ano 2, n. 21, p. 6, jul. 2006.
b) Artigo de jornal

 Com autoria

MARINHO, Antônio. Uso de plantas medicinais fica mais seguro. O Globo, Rio de
Janeiro, p. 42, 14 mar. 2010.

PLAMBECK, Joseph. A bolsa da bilheteria. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 14 mar.


2010. Caderno B, p. B16.

 Sem autoria

PROCON do Rio a um passo da modernização. O Globo, Rio de Janeiro, p. 36, 14


mar. 2010.

CONSTRUTORA do Grande ABC cresce acima da média. Valor Econômico, São


Paulo, 11 mar. 2010. Valor Empresa & Tecnologias, B8.

3.4 DOCUMENTOS JURÍDICOS

Inclui legislação, jurisprudência e doutrina.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da Republica Federativa do Brasil. 5.


ed. São Paulo: Central de Concursos; Rio de Janeiro: Degrau Cultural, [2008].

BRASIL. Lei no 12.218, de 30 de março de 2010. Altera as Leis no 9.440, de 14 de


março de 1997, e 9.826, de 23 de agosto de 1999, que estabelecem incentivos fiscais
para o desenvolvimento regional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 3 mar. 2010.
Seção 1, p. 1.

BRASIL. Decreto no 7.120, de 20 de fevereiro de 2010. Dispõe sobre o saldo


remanescente das autorizações para provimento de cargos, empregos e funções
constantes do Anexo V da Lei no 11.897, de 30 de dezembro de 2008 – Lei
Orçamentária Anual de 2009. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 26 fev. 2010.
Seção 1, p. 1-2.
BRASIL. Ministério dos Transportes. Portaria no 32, de 3 de março de 2011. Diário
Oficial da União, Brasília, DF, 4 mar. 2011. Seção 1, p. 70.

BRASIL. Código de Processo Penal. 15. ed. São Paulo: Saraiva, 2009.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Súmula no. 14. In:_______. Súmulas. São
Paulo: Associação dos Advogados do Brasil, 1994. p.16.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Habeas-corpus no 181636-1, da 6a. Câmara


Cível do Tribunal de Justiça do estado de São Paulo, Brasília, DF, 6 de dezembro de
1994. Lex: jurisprudência do STJ e Tribunais Regionais Federais, São Paulo, v.10,
n.103, p. 236-240, mar. 1998.

BRASIL. Tribunal Regional Federal (5. Região). Apelação civil no 42.441-PE


(94.05.01629-6). Apelante: Edilemos Mamede dos Santos e outros. Apelada: Escola
Técnica Federal de Pernambuco. Relator: Juiz Nereu Santos. Recife, 4 de março de
1997. Lex: jurisprudência do STJ e Tribunais Regionais Federais, São Paulo, v.10,
n.103, p.558-562, mar. 1998.

3.5 OUTROS MATERIAIS

a) Mapa

IBGE. Estados do Ceara, Rio Grande do Norte e Paraíba. Rio de Janeiro, [2006]. 1
mapa, color., 42 cm x 60 cm. Escala 1:1.500.000.

b) CD

CZERNY, Carl. Music for organ. [São Paulo]: Paulus, 2001. 1 CD. Acompanha
encarte em português e inglês.
3.6 DOCUMENTOS ELETRÔNICOS VIA INTERNET

a) Autor pessoal

CARVALHO, Cristiano Rosa de. Teoria do sistema jurídico: direito, economia,


tributação. São Paulo: Quartier Latin, 2005. Disponível em:
<http://dedalus.usp.br:4500/ALEPH/POR/ USP USP/MONO/FULL/1429867?>.
Acesso em: 28 fev. 2006.

b) Dissertação

SILVA, Marilene da. A autonomia no espaço de educação on-line na perspectiva


internacional. 2009. Dissertação (Mestrado em Educação)—Pontifícia Universidade
Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009. Disponível em:
<http://www2.dbd.puc-rio. br/arquivos/175000/179600/10_179645.htm?codBib=>.
Acesso em: 23 fev. 2010.

c) Tese

DIAS, Alexandre Teixeira. Análise do papel das estratégias corporativas nas


relações entre ambiente e desempenho. 2009. Tese (Doutorado em Ciências
Administrativas)—Departamento de Ciências Administrativas, Universidade Federal
de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2009. Disponível em:
<http://cordoba.cepead.face.ufmg.br/banco_teses/teses/ 247/d16022009atd.pdf>.
Acesso em: 23 fev. 2010.

d) Autor entidade

BRASIL. Ministério da Fazenda. Secretaria do Tesouro Nacional. Finanças publicas:


VIII Premio Tesouro Nacional – 2003 : coletânea de monografias. Brasília, DF:
Universidade de Brasília, 2004. Disponível em:
<http://dedalus.usp.br:4500/ALEPH/POR/MONO/ FULL/1383580?>. Acesso em: 17
set. 2010.
e) Sem Autoria

ROSARIO: mapa de la ciudad. [Buenos Aires?]: Argentina.com, c2000-2003.


Disponível em: <http://argentinaturisitica.com/informa/rosimapaciudad.htm>. Acesso
em: 22 fev. 2006.

f) Parte de um trabalho

LUCK, Esther Hermes; MOTTA, Jandira Souza Thompson: SOUZA, Clarice


Muhlethaler de; SAMPAIO, Maria da Penha Franco; RODRIGUES, Mara Eliane
Fonseca. A biblioteca universitária e as diretrizes curriculares do ensino de graduação.
In: SEMINÁRIO NACIONAL DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS, 2000,
Florianópolis. Memória SNBU 2000. Disponível em:
<http://snbu.bvs.br/snbu2000/docs/pt/doc/t024.doc>. Acesso em: 19 jan. 2004.

g) Artigo de periódico (revista)

GOMES, Luciano Bezerra; MERHY, Emerson Elias. Compreendendo a educação


popular em saúde: um estudo na literatura brasileira. Cadernos de Saúde Pública.
Rio de Janeiro, v. 27, n. 1, p. 7-18, jan. 2011. Disponível em:
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_ abstract&pid=S0102-
311X2011000100002&..>. Acesso em: 3 fev. 2011.

h) Artigo de jornal

CARVALHO, Luciano da Silva. Tópicos importantes a serem elucidados ao Código


de Ética Odontológica do CFO. Gazeta, São Paulo, p. 6, jul. 2005. Disponível em:
<http://www.abr. org.br/gazetas/gazetas %20 agosto/gazeta%202005.php>. Acesso
em: 4 mar. 2006.
3.7 DOCUMENTOS DISPONÍVEIS EM CD-ROM

a) Autor pessoal

IVO, Lêdo. A voz do poeta. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Letras, [2008]. 1
CD-ROM.

b) Autor entidade

MUSEU DE ASTRONOMIA E CIENCIAS AFINS. Acervo


musicológico=museological colections. Rio de Janeiro, [2003?]. 1 CD-ROM.

c) Evento no todo

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE DANÇA EM CADEIRA DE RODAS, 7., 2009,


Juiz de Fora; ENCONTRO DE ACESSIBILIDADE DA UFJF, 1., 2009, Juiz de Fora.
Programação e trabalhos apresentados... Juiz de Fora: Intertexto, 2009. 1 CD-
ROM.

d) Parte de um trabalho

OLIVEIRA JÚNIOR, W. Machado de. Apontamentos sobre a educação visual dos


mapas: a (dês) natureza da idéia de representação. In: COLÓQUIO DE
CARTOGRAFIA PARA CRIANÇAS E ESCOLARES, 6., 2009, Juiz de Fora.
Anais... Juiz de Fora: UFJF, 2009. 1 CD-ROM.
3.8 ORDENAÇÃO DAS REFERÊNCIAS

As referências devem ser reunidas no final do trabalho, em forma de lista, em uma única
ordem alfabética.

BITENCOURT, Cezar Roberto. Código penal comentado. 4. ed. atual. São Paulo:
Saraiva, 2007.

______. ______. 5. ed. atual. São Paulo: Saraiva, 2009.

______. Erro de tipo & erro de proibição. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 2007.

______. Falência da pena de prisão: causas e alternativas. 3. ed. São Paulo: Saraiva,
2004.

______. Juizados especiais criminais federais: análise comparativa das Leis no


9.099/95 e 10.259/2001. 2. ed. rev. São Paulo: Saraiva, 2005.

_______. Tratado de Direito Penal. 5. ed. rev. e atual. São Paulo: Saraiva, 2009.
4 CITAÇÕES

As citações são trechos transcritos ou informações retiradas das publicações consultadas para
a realização do trabalho. As citações podem se diretas, indiretas e citação de citação.

4.1 CITAÇÃO DIRETA

É a transcrição literal de textos de outros autores, em até 3 linhas e reproduzidas entre aspas,
exatamente como o original, acompanhado da fonte (autor, data e página).

Exemplo:

Conforme diz Ricoeur (2004, p. 13), a questão da identidade remete a uma forma de
aprendizado – a do reconhecimento: “Reconhecer é primeiramente discernir uma
identidade que se matem ao longo das mudanças”.

Nas referências

RICOUER, P. A epopéia de um sentido. Folha de S. Paulo, São Paulo, 29 fev. 2004.


Caderno Mais, p. 12-14.

Para mais de três linhas, devem constituir um parágrafo independente, com recuo de 4 cm da
margem esquerda, com letra em tamanho menor, espaço simples entre linhas, sem aspas.
Exemplo:

Assinala Délio Maranhão (2003, p. 615)

Para que o fato do príncipe transfira a obrigação de indenizar para o governo do qual
emanou, necessário se torna que reúna os mesmos requisitos da força maior, isto é,
seja um fato inevitável, para ao qual não haja concorrido o empregador e que torne
absolutamente impossível a continuação do contrato.

Nas referências

MARANHAO, Delio. Instituições de Direito do Trabalho. 21. ed. São Paulo: LTr,
2003. v. 1, p. 615.

Exemplo:

E prossegue:

Em todo território nacional ainda ecoaram manifestações e polemicas a respeito


dessa lei: o jurista e professor de direito penal Miguel Reale Junior, escrevendo logo
após a sua edição, classificou-a de hedionda. Os ambientalistas acusaram-na de
tímida e os representantes de setores por ela afetados, de draconiana (MILARE,
2004, p. 793).

Nas referências

MILARE, E. Direito do Ambiente: doutrina, jurisprudência, glossário. São Paulo: R.


dos Tribunais, 2004.
Exemplo:

O centro do debate apresentado pelo documento é a diversificação das fontes de


financiamento das universidades públicas:

Se, por um lado, a gravidade da crise emergencial das universidades está na falta de
recursos financeiros do setor público, não se pode negar que, por outro lado, a crise
decorre também das amarras legais que impedem cada universidade de captar e
administrar recursos, definir prioridades e estruturas de gastos e planejamento. Por
isso, a imediata garantia de autonomia às universidades é o passo necessário para
enfrentar a emergência (BRASIL, 2003, p. 9).

Nas referências

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Grupo de Trabalho Interministerial. Bases


para o enfrentamento da crise emergencial das universidades federais e roteiro
para a reforma universitária brasileira. Brasília, DF, 2003. Mimeografado.

Exemplo:

Essa possibilidade foi vislumbrada pelos participantes do grupo de foco, isso fica claro
na seguinte frase de um participante, que é membro de uma cooperativa habitacional:

Nós precisamos de um intercâmbio entre as cooperativas. Nós temos vários


cooperados hoje. Só em Juiz de Fora, temos sete cooperativas na área habitacional.
Nós poderíamos, por exemplo, indicar a cooperativa de transporte do Participante B
para os nossos cooperados, que só nas duas cooperativas da qual faço parte, são
quase mil. Mas falta esse relacionamento, esse intercâmbio (RELATÓRIO, 2002, p.
34).

Nas referências

RELATÓRIO de Pesquisa Qualitativa de Grupo de Foco. Focus Group: o


cooperativismo em Juiz de Fora e pré-disposição para a implantação da rede. Juiz de
Fora: Intercoop/UFJF: Unidata/UFJF, 2002.
4.2 CITAÇÃO INDIRETA

São reproduções de autor e informações do documento sem transcrição do texto.

Exemplo:

Como assinalamos, reduz-se, assim, o senso comum ao praticismo – diga-se de


passagem, identificar o conhecimento às necessidades práticas deduz daí seu modesto
campo de atuação e, mais grave ainda, a verdade como o que é útil para orientar a ação,
como crenças socialmente justificadas que são úteis e confiáveis para o uso cotidiano
(MORAES, 2003).

Nas referências

MORAES, M.C.M. Ceticismo epistemológico, ironia complacente: indagações acercado


neopragmatismo rortyano. In: ______ (Org.). Iluminismo às avessas: produção do
conhecimento e poloiticas de formação docente. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

Em caso de mais de três fontes consultadas, a citação deve seguir a ordem alfabética da
entrada dos autores referenciados.

Exemplo:

A partir da segunda metade do século XX, movimentos sociais produziram


transformações no campo da atenção à saúde mental, geando um novo paradigma: a
reabilitação através da inclusão social (ALVES, 2001; AMARANTE, 2001;
LANCETTI, 2003; PITTA, 2001; SARACENO, 2001). A convivência dentro de casa
com o portador de transtorno mental tornou-se, então, fundamental nesse novo modelo.
4.3 CITAÇÃO DE CITAÇÃO

Citação direta ou indireta de um texto em que não se tem acesso ao original.

Exemplo:

Faz, se assim, necessário ressaltar que a contação de histórias nas aulas de Língua
Inglesa é uma importante ferramenta para o ensino, pois auxilia aos ouvintes o
desenvolvimento cognitivo e psicológico. Conforme Wright (apud FERRARI, 2003), a
narração de histórias em língua estrangeira auxilia os alunos do desenvolvimento da
fluência, na busca do sentido das palavras, no estímulo para a comunicação, tanto oral
quanto escrita, e na ampliação do léxico do aluno.

No rodapé

FERRARI, Magaly. Ampliação e reforço do vocabulário em língua estrangeira através


da narração e da leitura de histórias infanto-juvenis. Letras Hoje, Porto Alegre, v. 39, n.
3, p. 73-90, set. 2003.
Exemplo:

A origem do vocábulo “administração”, segundo Osvaldo Aranha Bandeira de Mello


(1979, p. 33-34 apud DI PIETRO, 2000, p. 53, grifo nosso) é indicada em duas versões:

Para uns, vem de ad (preposição) mais ministro, as, are (verbo), que significa servir,
executar; para outros, bem de ad manus trahere, que envolve idéia de direção ou
gestão. Nas duas hipóteses, há o sentido de relação de subordinação, de hierarquia.
O mesmo autor demonstra que a palavra administrar significa não só prestar serviço,
executá-lo, como, outrossim, dirigir, governar, exercer a vontade como objetivo de
obter um resultado útil; e que até, em sentido vulgar, administrar quer dizer traçar
programa de ação e executá-lo.

Nas referências

1
MELLO, Osvaldo Aranha Bandeira de. Princípios gerais de Direito Administrativo.
Rio de Janeiro: Forense, 1969/1974. p. 33-34.

4.4 SISTEMAS DE CHAMADA

As citações devem ser indicadas no texto, por um sistema de chamada: numérico ou


autor/data.

Qualquer que seja o escolhido, deve ser usado ao longo de todo trabalho.

 Sistema numérico

É feito por uma numeração única e consecutiva, em algarismos arábicos, remetendo à lista de
referencias ao final do trabalho. Este sistema não pode ser usado quando há nota de rodapé.

 Sistema autor/data

Quando houver coincidência de sobrenome de autores, acrescentam-se as iniciais de seus


prenomes; se mesmo assim existir coincidência, coloca-se os prenomes por extenso.
Exemplo:

Azevedo, C. (2009) Silva, Maria (2009)


Azevedo, M. (2009) Silva, Mauricio (2009)

Quando se tratar de vários trabalhos de um mesmo autor, publicados na mesma data, usam-se
letras minúsculas acompanhando a data.

Exemplo: Smith (2010a, 2010b, 2010c)

(SMITH, 2010a, 2010b, 2010c)

4.5 NOTAS DE RODAPÉ

São indicações e/ou observações ao texto feitas pelo autor. Elas podem ser: notas de
referências ou notas explicativas.

Canais informais (e-mails, entrevistas, debates, comunicação pessoal) devem se usadas


somente quando possível comprová-las e colocadas em nota de rodapé.

4.5.1 Notas de referência

Notas que indicam fontes consultadas sobre o assunto abordado.


Exemplo:

O lugar estado e a idéia de nação moderna

As pequenas aldeias que gostamos de transformar nas primeiras pátrias, podemos


logo adivinhá-las a reunir-se, ligar-se, federar-se, dando origem assim às povoações.
E cada povoação tem seu espírito próprio, mas une-se a outras, bate-se contra tal
prestigioso chefe. Assim nascem sentimentos: mas o que são precisamente?
Políticos ou patrióticos? Pessoais ou referentes à terra? A fidelidade destina-se ao
solo ou está ligada ao chefe? As ligas, em qualquer caso, desligam-se com a mesma
rapidez com que se formam. Tudo que se refere ao homem é tocado pela
contingência; as ligas referem-se ao homem, portanto desmancham-se logo que são
construídos (FEBVRE, 1998, p. 2002)2.

No rodapé

2
FEBVRE, Lucien. Honra e pátria. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1998.

A numeração das notas de referências é feita por algarismos arábicos, devendo ter numeração
única e consecutiva para cada seção do trabalho.

A primeira citação de uma obra, em nota de rodapé, deve ter sua referência completa e as
subsequentes citações da mesma obra, podem ser referenciadas de forma abreviada,
utilizando-se as seguintes expressões:

Idem ou id. – mesmo autor

Ibidem ou Ibid. – na mesma obra

Opus citato ou opus cit – obra citada

Pasim – aqui e ali

Lócus citato ou loc. cit. – no lugar citado

Confira ou cf. – confronte

Secientia ou et seq. – seguinte ou que se segue


Apud – citado por

As expressões idem, ibidem, opus citato, cf. só podem ser citadas na mesma folha da citação
que se referem. A única expressão que pode ser usada no texto é apud.

Exemplo:

Uma revolução significa uma mudança estrutural, em que

a derrubada ou abolição de algumas instituições em situações históricas específicas é


um primeiro passo necessário. Atos políticos radicais são necessários a fim de
eliminar um tipo de pessoal e possibilitar o surgimento de alguma outra em seu
lugar. Mas o objetivo tem que ser um processo profundo de contínua transformação
social (MÉSZÁROS, 2007, p. 80, grifo do autor).

Nas referências

MÉSZÁROS, István. O desafio e o fardo do tempo histórico: o socialismo no século


XXI. Tradução Ana Cotrim, Vera Cotrim. São Paulo: Boitempo, 2007.

Obs.: Aspas simples são usadas quando na transcrição da citação, o texto já possui destaque.

4.5.2 Notas explicativas

Notas usadas para comentários, esclarecimentos ou explanações que não podem ser incluídas
no texto.
Exemplo:

Considerando que este trabalho sobre a identidade da enfermeira dará maior


consistência aos nossos estudos anteriores sobre construção de identidade, julgamos
oportuno apresentar alguns resultados mais significativos da pesquisa que
desenvolvemos durante o mestrado, na qual atribuímos relevo aos conceitos sobre
enfermagem e enfermeira formulados pelas participantes do estudo a partir do senso
comum5 e do agrupamento das categorias surgidas.

5
Consideramos como senso comum as representações mais incidentes nas produções
estéticas.

Nota: Esse tipo de citação só deve ser utilizado após esgotar todos os recursos de obtenção do
original.