Você está na página 1de 63

Ministério da Integração Nacional – MI

Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba


Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

SUMÁRIO

1) Introdução......................................................................................................3

1.1 Ferramenta................................................................................................3

1.2 Lança ........................................................................................................5

1.3 Sistema de translação...............................................................................7

1.4 Unidade giratória.......................................................................................8

1.4.1 Motor...............................................................................................10

1.4.2 Sistema hidráulico...........................................................................11

1.4.3 Sistema redutor..............................................................................12

1.4.4 Cabine.............................................................................................13

2. Manutenção preventiva..................................................................................15

3. Como realizar uma manutenção preventiva...................................................16

3.1 Check-list diário.......................................................................................17

3.2 Plano de lubrificação..........................................................................18

3.3 Plano de manutenção preventiva......................................................18

ANEXO A - MANUAL DE MANUTENÇÃO E OPERAÇÃO DE ESCAVADEIRAS


HIDRÁULICAS CATERPILLAR 320, 320L E 320N............................................20

1
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

LISTA DE FIGURAS

Figura 1 Escavadeira New Holland E215 B.........................................................4


Figura 2 Escavadeira perfuratriz HR 64...............................................................5
Figura 3 Escavadeira Doosan 340 LCV com rompedor hidráulico (martelo
hidráulico).............................................................................................................5
Figura 4 Escavadeira Caterpillar 320D.................................................................6
Figura 5 Dimensões operacionais da escavadeira volvo EC210B LR.................7
Figura 6 Base do sistema de uma escavadeira caterpillar 320D.........................8
Figura 7 Esteira de uma escavadeira hidráulica..................................................8
Figura 8 Escavadeira anfíbio Caterpillar 320D.....................................................9
Figura 9 Base de translação da unidade giratória acionada por um motor
hidrostático............................................................................................................9
Figura 10 Chassi da unidade giratória de uma escavadeira..............................10
Figura 11 Motor de uma escavadeira 4 tempos de 6 cilindros, ciclo Diesel
equipado com turbocompressor.........................................................................11
Figura 12 Unidade de potencia de uma escavadeira New Holland E215B.......11
Figura 13 Bomba hidráulica de uma escavadeira Caterpillar 320D...................12
Figura 14 Motor hidrostático...............................................................................13
Figura 15 Interior da cabine de uma escavadeira SDLG LG6225E...................14
Figura 16 Painel de instrumentos escavadeira Caterpillar série C....................14
Figura 17 Escavadeira hidráulica Caterpillar......................................................15

2
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

1) Introdução

Escavadeiras hidráulicas são máquinas muito versáteis, pois podem ser


utilizadas para operações de escavação em geral, demolição de obras de
pequeno e médio porte, recolhimento e transporte de materiais, dragagem de
rios e também utilizada como guindastes. São máquinas bastante robustas e
geralmente montada sobre esteiras, pois garantem maior estabilidade quando
a máquina estiver em serviço.

São compostas por 4 sistemas básicos: a ferramenta, que é o sistema


responsável pela escavação, dragagem ou outra atividade que a máquina
esteja desempenhando; a lança, que é o sistema responsável pela elevação e
deslocamento da ferramenta; a unidade giratória, que é o sistema onde se
encontra a cabine, o motor, sistema hidráulico, sistema de arrefecimento do
hidráulico e do motor, sistema de refrigeração da cabine; e a unidade de tração,
que é o sistema responsável pela translação da máquina.

1.1 Ferramenta

As escavadeiras hidráulicas podem utilizar diferentes ferramentas, no qual


cada uma possui uma adaptação melhor para o trabalho. Para escavação
existe a colher (Shovel), comumente utilizada para escavação de solo de média
ou alta compactação, com volume em torno de 0,7 a 3 m³, podendo chegar a
50 m³ em máquinas especiais. Há também a concha (Clamsheel), utilizada
para escavações em terrenos que possuem solos descompactados ou
escavações de locais na presença de água ou ainda em locais de acesso
limitado. Para operação de transporte, pode-se utilizar a colher, transportando o
material de um ponto a outro, e também a pinça, utilizado para retirada de
materiais de grandes dimensões. Existe também o rompedor hidráulico ou
popularmente chamado de martelo hidráulico, utilizado para demolição de

3
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

prédios urbanos, pavimentação urbana e rochas. A perfuratriz também pode ser


instalada na escavadeira hidráulica para perfuração de solo. Todas possuem
acionamento hidráulico, com exceção da concha, que é acionado por meio de
cabos de aço, o qual precisa de uma adaptação da unidade giratória da
máquina para utilização desta ferramenta.

Figura 1 Escavadeira New Holland E215 B.

Figura 2 Escavadeira perfuratriz HR 64.

4
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

Figura 3 Escavadeira Doosan 340 LCV com rompedor hidráulico (martelo hidráulico).

1.2 Lança

A lança é a composta por braços articulados e acionados hidraulicamente,


responsável pela elevação e deslocamento da ferramenta. É confeccionada em
aço carbono e deve possuir resistência mecânica suficiente para suportar os
esforços provenientes da operação da máquina. Possuem dimensões variadas,
o que depende do modelo e da utilização da máquina, como por exemplo, a
escavadeira hidráulica volvo EC210B LC Prime que possui lança de 5,7m de
comprimento total e braço que pode variar de 2 a 3,5m e a volvo EC210B LR
Prime que possui lança de 8,85m de comprimento total e braço de 6,25m,
fazendo com que os alcances de trabalho e forças de escavação sejam
diferentes. A escavadeira JCB JS200 LC possui alcance de escavação máximo
(A) de 9,87m, altura de escavação máxima (A) de 9,40m e profundidade
máxima de escavação (C) de 6,60m, enquanto a volvo EC210B LR possui
alcance máximo (A) de 15,81m, altura de escavação máxima (A) de 13,30m e
profundidade máxima de escavação (C) de 12,10m.

5
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

Figura 4 Escavadeira Caterpillar 320D.

Figura 5 Dimensões operacionais da escavadeira volvo EC210B LR.

6
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

1.3 Sistema de translação

São comuns máquinas escavadeiras hidráulicas possuírem esteiras como


sistema de translação, mas ainda existem máquinas que são montadas sobre
rodas. As esteiras possibilitam a máquina uma maior estabilidade, são mais
robustas e se adéquam às condições mais adversas de trabalho, além de
oferecer uma menor pressão sobre o solo e conseguir vencer diversos
obstáculos, até elevadas inclinações de solo. São acionadas por meio de um
motor hidrostático, e podem possuir diferentes velocidades de avanço e de
regressão. O sistema de translação pode possuir diferentes bitolas, no qual as
de maior dimensão são adequadas para utilização em terrenos arenosos e
possuem maior penetração, enquanto as de menor dimensão são adequadas
para utilização em outros tipos de terrenos e possuem menor penetração no
solo.

Devido à elevada estabilidade, permitem que a máquina seja operada em


rios e lagos em que o nível não ultrapasse o centro dos roletes superiores, mas
em casos de trabalhos assim, é aconselhável que se utilize uma máquina que
possua esteira anfíbia, com uma maior altura da unidade giratória em relação
ao solo.

Figura 6 Base do sistema de uma escavadeira caterpillar 320D.

7
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

Figura 7 Esteira de uma escavadeira hidráulica.

Figura 8 Escavadeira anfíbio Caterpillar 320D.

1.4 Unidade giratória.

Esta é a unidade que incorpora o sistema de hidráulico, o motor, cabine,


sistema de arrefecimento do motor e do sistema hidráulico, sistema redutor e
sistema de climatização da cabine. É assim denominada, pois permite o giro de

8
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

360° em torno do sistema de translação da máquina por meio de um motor de


acionamento hidrostático.

Figura 9 Base de translação da unidade giratória acionada por um motor hidrostático.

Figura 10 Chassi da unidade giratória de uma escavadeira.

O sistema de freios das escavadeiras hidráulicas depende do tipo do


sistema de translação que equipa a mesma. Caso seja equipada com rodas,
deve possuir dois tipos de sistema de freios, o freio de serviço e o freio de
estacionamento, o qual é ligado diretamente no eixo de saída da caixa
redutora. Se a máquina possuir esteiras como sistema de translação, dispensa
a necessidade de um sistema de freios de serviço e de estacionamento, pois o
controle do deslocamento da máquina é comandado hidraulicamente.

9
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

1.4.1 Motor

Os motores que equipam as escavadeiras hidráulicas são de grande


porte, 4 tempos do ciclo Diesel, com 4 ou mais cilindros, proporcionando
elevada potência em comparação com outras máquinas, como a escavadeira
New Holland E215B que possui motor com 6 cilindros em linha com turbo –
compressor e intercooler, o que proporciona 170 hp de potência a máquina,
enquanto a JCB JS200 LC possui motor com 4 cilindros em linha com turbo –
compressor, o que imprime a máquina 173 hp de potência líquida.

Figura 11 Motor de uma escavadeira 4 tempos de 6 cilindros, ciclo Diesel equipado com
turbocompressor.

Os motores de retroescavadeiras são arrefecidos a água, com um


radiador aletado, permitindo maior eficiência na troca de calor do motor.
Possuem uma bomba injetora de combustível para alimentação do motor.
Devido às condições extremas de trabalho, possuem filtro de ar e de
combustível em dois estágios.

10
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

Figura 12 Unidade de potencia de uma escavadeira New Holland E215B.

1.4.2 Sistema hidráulico

É o sistema responsável pelo acionamento dos equipamentos da


escavadeira hidráulica, como a lança, braço e ferramenta, pelo acionamento do
sistema de translação em máquinas de esteiras, e também pelo motor
hidrostático do giro da unidade giratória. É composto por uma bomba
hidráulica, com sensor de pressão e de carga, válvulas de controle de fluxo,
atuadores e cilindros hidráulicos. Devido às condições severas de trabalho,
possuem filtro de óleo para controlar impurezas devido ao desgaste das partes
móveis dos conjuntos hidráulicos, e também um sistema de arrefecimento
independente. É ligado diretamente ao motor da máquina.

11
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

Figura 13 Bomba hidráulica de uma escavadeira Caterpillar 320D.

O acionamento dos acessórios bem como o motor hidrostático do


sistema de translação é feito mediante o acionamento de alavancas na cabine
do operador.

1.4.3 Sistema redutor

O sistema redutor é responsável por transmitir a potência líquida


produzida no motor até o sistema de translação da máquina, seja ele por meio
de rodas ou de esteiras. Caso seja de rodas, deve possuir o conjunto redutor
comum a outras máquinas, utilizando uma embreagem, caixa de redução
(podendo ser servotransmitida), diferencial e redutor final.

Se a máquina for equipada com esteiras, o sistema redução é composto


unicamente por um motor hidrostático instalado diretamente no sistema de
translação e acionado pelo sistema hidráulico da máquina.

12
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

Figura 14 Motor hidrostático.

1.4.4 Cabine

A cabine de operação das escavadeiras hidráulicas é a região onde se


encontram todas as alavancas e comandos da máquina. É comum que
possuam sistema de climatização e isolamento acústico, proporcionando maior
conforto ao operador durante longas jornadas de operação da máquina. Todos
os principais comandos da escavadeira podem ser acionados por joystick,
proporcionando maior operacionalidade e eficiência na execução da operação,
bem como maior ergonomia do operador. Os interruptores para controle dos
sistemas elétricos da máquina também possuem boa localização. O tacômetro,
horímetro, sensores de temperatura do óleo do motor e do óleo do sistema
hidráulico, bem como todos os comandos da máquina são exibidos em um
painel localizado a frente do operador, que dispõe, também, de um visor para
alerta de algum sistema em funcionamento anormal na máquina.

13
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

Figura 15 Interior da cabine de uma escavadeira SDLG LG6225E.

Figura 16 Painel de instrumentos escavadeira Caterpillar série C.

14
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

2. Manutenção preventiva

A prática da realização das manutenções preventivas em todos os tipos


de equipamentos garante que eles estejam disponíveis para utilização
imediata, contribuindo para redução dos custos do equipamento, tendo em
vista que uma manutenção corretiva gera perdas significativas, tanto pelo fato
de permanecer fora de operação por tempo indeterminado, quanto pelo custo
elevado da substituição de peças e equipamentos que venham a falhar
precocemente.

Deve-se elaborar um cronograma de manutenções periódicas da


máquina, bem como um histórico dos eventos inesperados para que possam
ser incluído nos planos de manutenções preventivas. Inspeções de rotina,
check-list , lubrificações, eliminação de folgas e vazamentos fazem parte de
uma manutenção preventiva bem elaborada. Reparos não programados em
equipamentos também estão inseridos na manutenção preventiva e são
conhecidas por manutenções corretivas, onde após a ocorrência de um evento
indesejado, a substituição de um determinado elemento deverá ser imediata,
como por exemplo, a substituição de uma correia que se parte em pleno
funcionamento. Por isso é importante a manutenção do estoque da planta,
garantindo que o tempo de reparo seja o mínimo e que a máquina volte a
atividade o quanto antes.

Para tanto, observa-se a importância de um histórico da máquina, pois o


gerente de manutenção estará apto a solicitar peças de reposição que venham
a ser utilizadas com frequência, pois um grande problema dos almoxarifados é
o estoque excessivo de componentes que tenham durabilidade elevada,
gerando custos indesejáveis e inapropriados para a empresa.

Embora a aplicação de um plano de manutenção gere um custo inicial


de implantação, o retorno obtido pela execução correta do mesmo trará
benefícios de médio prazo, pois haverá uma diminuição considerável de

15
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

paradas indesejadas e substituição de componentes, devido à falha precoce,


bem como elevará o rendimento e a durabilidade do equipamento.

3. Como realizar uma manutenção preventiva

A manutenção em equipamentos pesados deve ser realizada em


conformidade com o plano de manutenção estabelecido, observando-se
atentamente cada item nele exposto e realizando as devidas alterações. É
importante salientar que os intervalos da realização das manutenções também
deverão ser cumpridos, tendo em vista que alguns componentes deverão ser
substituídos após a jornada de trabalho estabelecida no plano de manutenção,
o qual poderá acarretar problemas maiores caso seja negligenciado.

Também é importante levar em consideração as especificações técnicas


de peças e fluidos lubrificantes, pois fora das especificações poderão reduzir a
vida de um determinado componente ou da própria peça, gerando uma falha
prematura e eventos indesejáveis que possam vir a comprometer o
funcionamento de toda a planta. ´

A lubrificação correta de engrenagens, rolamentos e eixos atuam


reduzindo o atrito entre as partes móveis de um equipamento, minimizando o
desgaste e maximizando a durabilidade do componente. Também se deve
observar vazamentos de fluidos nos motores, sistemas hidráulicos e radiadores
da máquina, a fim de garantir que não venha à falhar devido a deficiência de
lubrificação ou refrigeração.

A verificação de folgas também é imprescindível, pois também


minimizam o desgaste prematuro das peças. A inspeção visual também deve
ser realizada com bastante atenção, pois, fissuras, deformações,
empenamento de eixos, desalinhamento de engrenagens e solda mal
executada, geram falhas, o que faz com que o equipamento sofra parada
imediata, comprometendo toda a obra ou planta. Os componentes elétricos

16
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

também deverão ser avaliados, observando fusíveis, relés e se a fiação está


em bom estado, livre de pontos que possam gerar curtos – circuito ou mau
contato. Contatos elétricos também são passíveis de oxidação.

É importante capacitar o operador quanto à execução dos planos de


inspeção semanal e check- list, pois a má execução poderá comprometer todo
o plano de manutenção preventiva já elaborado. Não se deve subestimar e
omitir informações solicitadas nos planos, pois, por menor que seja uma
alteração em um determinado componente, poderá gerar falha, como por
exemplo, uma fissura em uma lâmina de uma máquina motoniveladora, com o
uso irá expandir fazendo com que a mesma rompa.

Para tanto, a eficácia da manutenção preventiva será diminuída ser não


houver um bom planejamento e execução. A execução deverá ser realizada por
um profissional qualificado.

A manutenção preventiva consiste de um check list diário, plano de


lubrificação e plano de manutenção preventiva. A correta e assídua execução
irá garantir que o equipamento estará disponível para operação por um período
de tempo maior, diminuindo os eventos imprevistos e também custos com
manutenções corretivas indesejadas.

3.1 Check-list diário

A elaboração e correta execução de um check list diário é de fundamental


importância, pois será possível detectar um possível ponto de falha antes de o
equipamento entrar em operação, evitando problemas que possam vir a
comprometer outros componentes que estejam diretamente ligados. Este check
list é aplicável a todos os equipamentos de uma mesma categoria e é
executado pelo próprio operador do equipamento, pois, nele serão avaliados
itens de fácil detecção e solução.

17
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

Em anexo segue um modelo de check-list diário para execução em


diferentes máquinas pesadas, tais como motoniveladoras, retroescavadeiras,
escavadeiras, rolo compactadores, dentre as mais diversas.

3.2 Plano de lubrificação

Um plano de lubrificação é importante, pois todos os fluidos lubrificantes


dos equipamentos de grande porte devem ser substituídos regularmente,
conforme indica o plano de manutenção e plano de lubrificação de cada
equipamento. A utilização de um fluido lubrificante por um período muito que
ultrapassa o limite estabelecido para substituição, bem como fora das
especificações, geram um maior atrito das partes móveis, consequentemente
maior desgaste e menor durabilidade do equipamento. Cada tipo de
equipamento possui um tipo de lubrificação específico. Algumas máquinas
utilizam graxa como lubrificante de cubos de rodas, necessitando lubrificação
diária ou semanalmente, enquanto outras máquinas possuem cubo de roda são
selados e lubrificados a óleo, prolongando o período de substituição. A
especificação do fluido também pode variar dependendo do fabricante e
modelo do equipamento.

Em anexo segue um modelo de plano de lubrificação para máquinas


motoniveladoras de diversas categorias e fabricantes.

3.3 Plano de manutenção preventiva

Ao contrário do check list, a manutenção preventiva deve ser executada por


um profissional qualificado para cada máquina, necessitando ou não, de uma
manutenção corretiva, tais como substituição de filtros de óleo e ar, primário e

18
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

secundário, filtro de combustível, correias e todos os componentes que


integram a máquina. A manutenção preventiva é específica de cada
equipamento e não se pode utilizar um plano de manutenção preventiva de
uma máquina.

Nela, pode-se também avaliar o estado de um componente que, embora o


plano de manutenção indique a necessidade da substituição, o executor da
manutenção periódica poderá avaliar e estender o prazo da substituição,
alterando o plano de manutenção proposto pelo fabricante ou consultor.

Em anexo segue um modelo de plano de manutenção preventiva para


máquinas motoniveladoras de diversos modelos e fabricantes.

19
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

ANEXO A - MANUAL DE MANUTENÇÃO E OPERAÇÃO DE


ESCAVADEIRAS HIDRÁULICAS CATERPILLAR 320, 320L E
320N.

Figura 17 Escavadeira hidráulica Caterpillar.

20
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

SUMÁRIO

1. Introdução....................................................................................................26

2. Filtro de ar do motor....................................................................................26

2.1 Limpeza/substituição do filtro de ar primário........................................26

2.2 Substituição do filtro de ar secundário..................................................27

3. Fusíveis e disjuntor geral............................................................................27

3.1 Substituição dos fusíveis.......................................................................27

3.2 Reinicialização do disjuntor geral..........................................................28

4. Pontas da concha e cortadores laterais......................................................28

4.1 Substituição das pontas da concha......................................................28

4.2 Cortadores laterais................................................................................29

4.3 Ajuste da folga da concha (se for possível realizar ajustes nos calços
da concha).......................................................................................................29

5. Bomba elétrica de reabastecimento de combustível (se equipada)...........31

5.1 Limpeza do filtro....................................................................................31

6. Sistema de refrigeração e aquecimento (se equipado) da cabine.............32

6.1 Limpeza do filtro de ar da cabine..........................................................32

6.2 Limpeza do elemento filtrante de ar......................................................32

6.3 Verificação da quantidade de fluido refrigerante...................................33

6.4 Inspeção/limpeza do condensador.......................................................34

7. Material Rodante.........................................................................................34

7.1 Verificação da tensão da esteira...........................................................34

7.2 Aumento da tensão da esteira..............................................................35

7.3 Diminuição da tensão da esteira...........................................................36

21
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

7.4 Verificação de vazamento de óleo, desgaste e parafusos soltos das


esteiras............................................................................................................36

8. Lança...........................................................................................................37

8.1 Lubrificação das conexões da base......................................................37

8.2 Lubrificação das conexões....................................................................38

9. Motor............................................................................................................40

9.1 Verificação do nível de óleo..................................................................40

9.2 Substituição do óleo e filtro de óleo......................................................41

9.3 Ajuste da tensão das correias do alternador, ventilador e bomba de


água...............................................................................................................43

9.4 Limpeza do respiro do cárter.................................................................43

9.5 Lubrificação dos acessórios da bomba de água...................................44

9.6 Ajuste da folga das válvulas..................................................................45

10. Sistema hidráulico.......................................................................................45

10.1 Verificação do nível de óleo do sistema hidráulico............................45

10.2 Substituição do óleo...........................................................................46

10.3 Limpeza da tela..................................................................................49

10.4 Substituição do filtro de retorno.........................................................50

10.4 Substituição do filtro piloto.................................................................50

11. Sistema de arrefecimento...........................................................................52

11.1 Verificação do nível do fluido de arrefecimento.................................52

11.2 Limpeza do corpo do radiador...........................................................53

11.3 Inspeção das mangueiras do sistema de arrefecimento...................53

11.4 Substituição das mangueiras.............................................................53

11.5 Substituição do fluido de arrefecimento.............................................54

12. Sistema de combustível..............................................................................55

22
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

12.1 Verificação do nível do separador de água (se equipado)................55

12.1.1 Tipo A...........................................................................................55

12.1.2 Tipo B..........................................................................................56

12.2 Drenagem de água e sedimentos do tanque de combustível...........56

12.3 Abastecimento do tanque de combustível.........................................57

12.4 Substituição do filtro de combustível.................................................57

12.5 Limpeza da tela de entrada de combustível......................................58

12.6 Escorva do sistema de combustível..................................................59

12.7 Limpeza da tampa e peneira do tanque de combustível...................59

13. Redução final...............................................................................................60

13.1 Verificação do nível de óleo...............................................................60

13.2 Substituição do óleo...........................................................................61

14. Unidade de giro...........................................................................................62

14.1 Verificação do nível de óleo...............................................................62

14.2 Lubrificação da engrenagem de giro.................................................62

14.3 Substituição do óleo do motor hidráulico...........................................64

15. Bateria.........................................................................................................65

15.1 Verificação do nível do fluido eletrolítico............................................65

15.2 Substituição da bateria ou cabo da bateria.......................................66

23
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

LISTA DE FIGURAS

Figura 1 Limpeza do filtro de ar primário..............................................................6


Figura 2 Substituição das pontas da concha.......................................................8
Figura 3 Substituição dos cortadores laterais da concha....................................9
Figura 4 Ajuste da folga da articulação da concha............................................10
Figura 5 Sistema elétrico de reabastecimento...................................................10
Figura 6 filtro de ar da cabine.............................................................................11
Figura 7 Filtro de ar do sistema de ar condicionado da cabine.........................12
Figura 8 Verificação da folga da esteira.............................................................14
Figura 9 Válvula de ajuste da tensão da esteira................................................14
Figura 10 Válvula de ajuste da tensão da esteira..............................................15
Figura 11 Material rodante..................................................................................15
Figura 12 Lubrificação das conexões da base da lança....................................16
Figura 13 Bujões da conexão do cilindro da base da lança...............................17
Figura 14 Acessórios para lubrificação dos rolamentos, barras e conexões da
lança...................................................................................................................17
Figura 15 Bujões de lubrificação da conexão da concha...................................18
Figura 16 Bujões de lubrificação das conexões da concha...............................18
Figura 17 Bujões de lubrificação do cilindro e conexão do braço e cilindro da
concha................................................................................................................18
Figura 18 Verificação do nível de óleo lubrificante do motor..............................19
Figura 19 Tampa de abastecimento do óleo do motor.......................................19
Figura 20 Bujões do dreno do óleo do cárter do motor. À esquerda o bujão do
tipo A e à direita o bujão do tipo B......................................................................20
Figura 21 Instalação do filtro de óleo do motor..................................................21
Figura 22 Tampa de abastecimento do óleo do motor e vareta de indicação do
nível de óleo........................................................................................................21
Figura 23 Correias do motor. Correia do alternador e ventilador à esquerda e
correia do compressor do sistema de climatização da máquina.......................22
Figura 24 Indicador de nível de óleo hidráulico..................................................24

24
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

Figura 25 Tampa de abastecimento/bujão do dreno do óleo do sistema


hidráulico.............................................................................................................25
Figura 26 Tampa de abastecimento do óleo hidráulico......................................25
Figura 27 Válvula do dreno do tanque à esquerda e bujão do dreno do tubo à
direita..................................................................................................................26
Figura 28 Tampa de pressão do sistema hidráulico...........................................26
Figura 29 Tela do tanque do sistema hidráulico da máquina.............................28
Figura 30 Filtro de retorno do sistema hidráulico...............................................29
Figura 31 filtro piloto do sistema hidráulico........................................................29
Figura 32 Reservatório do fluido do sistema de arrefecimento da máquina.....30
Figura 33 Corpo do radiador da máquina..........................................................31
Figura 34 Separador de água do sistema de combustível.................................34
Figura 35 Separador de água do sistema de combustível.................................34
Figura 36 Bujão do dreno do tanque de combustível........................................35
Figura 37 Localização do filtro de combustível da máquina..............................36
Figura 38 Tela de entrada de combustível.........................................................37
Figura 39 filtro de combustível...........................................................................37
Figura 40 Tampa e peneira do tanque de combustível......................................38
Figura 41 Bujões do dreno (1) e de nível (2) do redutor final............................39
Figura 42 Bujões do dreno (1) e de nível (2) do redutor final............................39
Figura 43 Bujão de abastecimento do óleo hidráulico da unidade de giro........40
Figura 44 tampa da unidade de giro da máquina...............................................41
Figura 45 Reservatório de lubrificante do rolamento.........................................41
Figura 46 Bujão para drenagem do lubrificante.................................................42
Figura 47 Motor hidráulico. Bujão do dreno à esquerda, vareta de nível e bujão
de abastecimento à direita.................................................................................43

25
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

1. Introdução
Este plano de manutenção preventiva considera todos os pontos de
onde deve ser realizada a manutenção correta bem como os prazos
recomendados, garantindo a segurança e confiabilidade do equipamento
em funcionamento. A utilização responsável deste plano de manutenção,
incluindo todos os ajustes, a utilização correta dos lubrificantes
recomendados pelo fabricante, fluidos, filtros e a substituição correta dos
equipamentos garantirão que os possíveis pontos de falha sejam
eliminados.

2. Filtro de ar do motor

2.1 Limpeza/substituição do filtro de ar primário

Figura 18 Limpeza do filtro de ar primário.

Caso indicada pelo sistema de indicação do serviço de limpeza ou pelo


período que indica o plano de manutenção do fabricante da máquina, deve-
se proceder da seguinte maneira.

1. Abra a porta de acesso à caixa do filtro de ar da máquina.


2. Remova a tampa do alojamento do filtro de ar. Observe se é fixado por
um parafuso ou por presilhas.
3. Retire o filtro de ar.
4. Para limpeza do filtro, utilize ar comprimido, desde que ele não tenha
sido limpo por mais de duas vezes. A pressão máxima utilizada para
limpeza deve ser de 207 KPa (30 psi). O ar pressurizado não danifica os
depósitos de carbono e de óleo do filtro de ar.
5. Instale o filtro de ar limpo ou novo na caixa do filtro de ar.

26
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

6. Tampa a caixa utilizando parafuso ou presilhas.


7. Caso a máquina seja equipada com dispositivo para detecção da
limpeza do elemento filtrante, reiniciar o mesmo.

2.2 Substituição do filtro de ar secundário


Não se deve realizar a limpeza do filtro de ar secundário dos equipamentos,
apenas a substituição do mesmo. Alguns fabricantes recomendam a
substituição do mesmo a cada duas limpezas do filtro de ar primário.
Consulte o manual de fabricante da máquina para saber qual período
correto para substituição do mesmo.

1. Abra a porta de acesso à caixa de ar do filtro de ar da máquina.


2. Abra a caixa de ar, retire o elemento filtrante primário e em seguida retire
o elemento filtrante secundário.
3. Cubra a abertura da entrada de ar. Limpe a caixa do filtro de ar.
4. Descubra a abertura da entrada de ar, instale o filtro de ar secundário
novo. Após proceder de acordo com o tópico anterior, passo 4, instale o
filtro de ar primário na caixa de ar.
5. Tampe a caixa de ar.

3. Fusíveis e disjuntor geral

3.1 Substituição dos fusíveis


Consulte o manual do fabricante do equipamento para identificar a
localização do habitáculo dos fusíveis da máquina, bem como a
identificação de cada fusível no manual do fabricante da máquina.

3.2 Reinicialização do disjuntor geral


Consulte o manual do fabricante do equipamento para identificar a
localização e o procedimento para reinicialização do disjuntor geral do
circuito elétrico da máquina.

27
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

4. Pontas da concha e cortadores laterais

4.1 Substituição das pontas da concha

Figura 19 Substituição das pontas da concha.

1. Apoie a concha em blocos com altura suficiente para remover as pontas.


2. Remova o pino da ponta e em seguida remova a ponta e o retentor.
3. Limpe o pino e o adaptador.
4. Posicione o retentor (1) no alojamento (2). Instale o retentor (1) e o
alojamento (2) na canaleta do adaptador (3).
5. Instale a nova ou faça um rodízio das pontas. A ponta deve girar 180°
para garantir a melhor penetração durante o trabalho.
6. Insira o pino na ponta, adaptador e retentor até atingir a outra
extremidade da ponta.
7. Repita os passos 1 ao 5 para as outras pontas danificadas.

4.2 Cortadores laterais

Figura 20 Substituição dos cortadores laterais da concha.

1. Apoie a concha a uma altura suficiente para remover os cortadores


laterais.
2. Remova os parafusos e porcas de fixação do cortador e retire o cortador.
3. Limpe a superfície ao redor do ponto de fixação do cortador. Instale um
novo cortador ou faça rodízio dos cortadores.

28
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

4.3 Ajuste da folga da concha (se for possível realizar ajustes nos
calços da concha)
Consulte o manual do fabricante da máquina para identificar os
procedimentos adequados para o ajuste da folga do pino de fixação da
concha.

1. Posicione a máquina em uma superfície nivelada e leve a concha ao


chão.
2. Devagar, opere o controle do movimento do braço até o ressalto do
braço e o balde a esquerda estiverem alinhados e em contato face a
face (sem abertura). Isso ajuda a determinar a folga total na conexão do
balde com o braço.
3. Ponha o ativador hidráulico na posição LOCKED e desligue o motor.

Figura 21 Ajuste da folga da articulação da concha.

4. Meça a distância (A) e verifique qual é a folga total.


5. Determine a espessura do calço, e se necessário remova o grupo de
calços (1) instalado em (B) e calcular como se segue. A espessura dos
calços.
0.02 a 0.04∈¿
¿
0,5 a 1,0 mm ¿
Folga total=( A )−¿
6. Remova um número apropriado de calços, conforme segue o calculo
acima. Certifique-se de que a mínima folga é de 0,5 mm (0.02 in). Para
remover os calços, remova os parafusos (4), arruelas (5) e a placa (3).
7. Após remover a quantidade correta de calços, instale o prato (3),
arruelas (5) e parafusos (4) com o pino de alinhamento instalado no furo.
Aperte os parafusos (4) com um torque de 240 +/- 40 N.m (180 +/- lb.ft).
8. Após a instalação, certifique-se de que a folga (A) está correta.

29
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

5. Bomba elétrica de reabastecimento de combustível (se


equipada).

5.1 Limpeza do filtro

Figura 22 Sistema elétrico de reabastecimento.

1. Abra a porta de acesso da caixa de armazenamento localizado na frente


da máquina e retire a mangueira de sucção (1) da mangueira de fixação.
2. Remova o terminal (2) do corpo de filtração da mangueira de sucção (1).
Remova o filtro.
3. Limpe o filtro (3) utilizando um solvente não inflamável.
4. Insira o filtro (3) na mangueira de sucção (1) e alojamento do terminal
(2).
5. Quando estiver com a mangueira em armazenamento (1), enrole a
mangueira no gancho (4) localizado em cima da caixa de
armazenamento.
6. Feche a porta de acesso.

30
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

6. Sistema de refrigeração e aquecimento (se equipado) da


cabine

6.1 Limpeza do filtro de ar da cabine

Figura 23 filtro de ar da cabine.

A localização do habitáculo do filtro de ar da cabine encontra-se no manual


do fabricante da máquina, consulte-o para maiores informações.

1. O filtro (3) está localizado na região acima da cabine de operação.


2. Afrouxe os parafusos de fixação (1) e remova a tampa (2) e o filtro (3).
3. Limpe o filtro utilizando ar comprimido.
4. Inspecione o filtro após a limpeza. Se estiver danificado, substitua por
um filtro novo.
5. Quando estiver instalando o filtro, posicione a marca acima do filtro na
direção correta.

6.2 Limpeza do elemento filtrante de ar


A localização do habitáculo do filtro de ar do sistema de ar condicionado e
aquecedor encontram-se no manual do fabricante da máquina, consulte-o
para maiores informações.

31
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

Figura 24 Filtro de ar do sistema de ar condicionado da cabine.

1. Mova a parte de trás do assento para frente até obter espaço suficiente
para remover a tampa da caixa de armazenamento.
2. Remova os cinco parafusos (1) e (2) da caixa de armazenamento (4).
3. Desconecte o conector (3) de controle do painel (3) e remova a caixa de
armazenamento (4).
4. Remova o filtro de ar (5) da parte lateral da unidade.
5. Limpe o filtro utilizando ar comprimido ou água.
6. Inspecione o filtro de ar após a limpeza. Se estiver danificado ou
contaminado, substitua por um novo elemento filtrante. Antes de instalar
o filtro, certifique-se de que ele está seco.
7. Instale o filtro de ar (5), o conector (3) de controle do painel, a caixa de
armazenamento (4) e os cinco parafusos (1) e (2) da caixa de
armazenamento.

6.3 Verificação da quantidade de fluido refrigerante


Consulte o manual do fabricante para saber como proceder com a
manutenção do sistema de ar condicionado da máquina. Algumas
máquinas são equipadas com indicador de mistura. Consulte o manual do
fabricante da máquina.

32
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

Se o indicador de mistura estiver sem bolhas (1), o sistema está


funcionando perfeitamente. Bolhas no visor (2) indicam que o sistema
necessita de fluido refrigerante. Espumas (3) no visor indicam que o sistema
está muito baixo e necessita de fluido refrigerante. Raias de óleo (4)
indicam que o sistema está completamente sem fluido refrigerante.

6.4 Inspeção/limpeza do condensador


1. Abra a porta de acesso ao sistema de climatização da cabine da
máquina.
2. Verifique se há detritos no condensador da máquina e limpe caso
necessário.
3. Lave toda a sujeira do condensador com água limpa.
4. Feche a porta de acesso ao sistema de climatização da máquina.

7. Material Rodante

7.1 Verificação da tensão da esteira


As tolerâncias para tensão das esteiras estão contidas no manual do
fabricante da máquina, consulte-o para maiores informações.

33
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

Figura 25 Verificação da folga da esteira.

1. Instale uma barra entre dois pontos em linha reta da esteira, conforme
mostra a imagem acima.
2. Meça a máxima distância entre a flecha da esteira e em seguida a
máxima distância da garra da esteira. Ajuste corretamente a esteira com
aproximadamente 40 a 55 mm de ajuste.

7.2 Aumento da tensão da esteira


A localização dos parafusos de ajuste da tensão da esteira e as
especificações técnicas do lubrificante encontram-se no manual do
fabricante da máquina, consulte-o para maiores informações.

Figura 26 Válvula de ajuste da tensão da esteira.

1. Adicione graxa pela válvula de abastecimento (1) até que a tensão


correta da esteira seja atingida.
2. Opere a máquina para trás e para frente até equalizar a pressão.
3. Verifique a tensão da flecha da esteira e ajuste novamente se
necessário.

34
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

7.3 Diminuição da tensão da esteira.


A localização dos parafusos de ajuste da tensão da esteira e as
especificações técnicas do lubrificante encontram-se no manual do
fabricante da máquina, consulte-o para maiores informações.

Figura 27 Válvula de ajuste da tensão da esteira.

1. Folgue a válvula de alívio (2) com cuidado (no máximo uma volta) até
diminuir a tensão da esteira.
2. Aperte a válvula de alívio (2) com um torque de 34 N.m (25 lb.ft) quando
a tensão desejada da esteira for atingida.
3. Opere a máquina para trás e para frente até equalizar a pressão.
4. Verifique a quantidade de folga da esteira e ajuste caso necessário.

7.4 Verificação de vazamento de óleo, desgaste e parafusos


soltos das esteiras.

Figura 28 Material rodante.

1. Verifique se há vazamentos nos roletes superiores, roletes da esteira e


roda guiam.

35
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

2. Verifique se há desgaste excessivo e parafusos de fixação soltos nos


roletes superiores da esteira, roletes da esteira, roda guia, sapatas da
esteira e pinhões.
3. Mova a máquina em uma área aberta e verifique se existem ruídos
anormais.
4. Quando o desgaste anormal existe, ruídos e vazamentos são
encontrados. Procure o seu revendedor mais próximo.

8. Lança

8.1 Lubrificação das conexões da base


A localização das conexões da lança bem como as especificações
técnicas do lubrificante que deve ser utilizado encontra-se no manual do
fabricante da máquina, consulte-o para maiores informações.

Lubrifique as conexões da base da lança sempre que o pino de ligação


da base for substituído.

Figura 29 Lubrificação das conexões da base da lança.

1. Posicione a máquina em uma superfície nivelada e leve a concha da


máquina até o chão.
2. Os bujões do respiro (1) e de lubrificação (2) estão localizados na base
da lança. Remova o bujão (1) e adicione graxa pelo bujão de
lubrificação (2) até a graxa começar a sair pelo bujão.
3. Limpe e instale o bujão do respiro (1) e o de lubrificação (2).

36
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

8.2 Lubrificação das conexões


A localização dos pontos de lubrificação das conexões e rolamentos dos
cilindros da lança bem como as especificações técnicas do lubrificante que
deve ser utilizado encontra-se no manual do fabricante da máquina,
consulte-o para maiores informações.

Figura 30 Bujões da conexão do cilindro da base da lança.

1. Remova os bujões dos cilindros da base e lubrifique as conexões.

Figura 31 Acessórios para lubrificação dos rolamentos, barras e conexões da lança.

2. Estes acessórios estão localizados na base da lança. Lubrifique as


conexões (1) e (2) para os rolamentos da base da lança. Lubrifique as
conexões (3) e (4) para as barras da base do cilindro da lança.
Lubrifique a conexão (5) para o rolamento da cabeça do cilindro do
braço da lança.

37
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

Figura 32 Bujões de lubrificação da conexão da concha.

3. Lubrifique os quatro acessórios (6), (7), (8) e (9) da conexão da concha.

Figura 33 Bujões de lubrificação das conexões da concha.

4. Lubrifique os três acessórios (10), (11) e (12) da concha.

Figura 34 Bujões de lubrificação do cilindro e conexão do braço e cilindro da concha.

5. Lubrifique o acessório (13) da barra do cilindro do braço, (14), (15) da


conexão da lança com o braço e (16) da cabeça do cilindro da concha.

38
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

9. Motor

9.1 Verificação do nível de óleo


A localização da vareta de indicação do nível de óleo do motor bem
como as especificações técnicas do lubrificante que deve ser utilizado
encontra-se no manual do fabricante da máquina, consulte-o para maiores
informações.

Figura 35 Verificação do nível de óleo lubrificante do motor.

Verifique o nível de óleo do motor com a máquina desligada. Nunca


realize os procedimentos para verificação do nível de óleo com a máquina
em funcionamento.

Figura 36 Tampa de abastecimento do óleo do motor.

1. Abra a porta de acesso do motor.


2. Ligue o motor da máquina, e verifique, pelo indicador do nível de óleo do
cárter, se ele está entre as marcas indicadas na vareta.

39
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

3. Caso esteja abaixo da marca da vareta, retire a tampa da abertura de


abastecimento do óleo do motor e complete o óleo até atingir níveis
aceitáveis da marca na vareta.
4. Limpe as regiões e instale a tampa da abertura e o indicador do nível de
óleo.
5. Feche a porta de acesso do motor.

9.2 Substituição do óleo e filtro de óleo


A localização do filtro de óleo do motor, do bujão do dreno e da tampa de
abastecimento do óleo lubrificante do motor, bem como as especificações
técnicas do óleo e filtro de óleo lubrificante encontra-se no manual do
fabricante da máquina, consulte-o para maiores informações.

Na escavadeira hidráulica Caterpillar existe dois tipos de dreno do cárter


do motor, o que depende do modelo da máquina.

Figura 37 Bujões do dreno do óleo do cárter do motor. À esquerda o bujão do tipo A e à direita o
bujão do tipo B.

1. Lave a tampa de acesso ao cárter do motor e remova os parafusos da


tampa.
2. Se o bujão for do tipo A, remova o bujão e drene o óleo em um
recipiente adequado. Em seguida, limpe e instale o bujão. Se o bujão for
do tipo B, abra a válvula e drene o óleo usado em um recipiente
adequado. Em seguida, feche a válvula do dreno.
3. Limpe a região ao redor do filtro de óleo do motor. Remova o filtro de
óleo usado. Certifique-se de que a junta do filtro foi removida.
4. Aplique um filme de óleo lubrificante novo na junta do filtro de óleo novo.

40
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

5. Instale o novo filtro de óleo até que a junta entre em contato com a base
do alojamento. Aperte o filtro de óleo com ¾ de volta. Não utilize
ferramentas para apertar o filtro de óleo.

Figura 38 Instalação do filtro de óleo do motor.

6. Abra à porta de acesso à tampa de abastecimento do óleo do motor.

Figura 39 Tampa de abastecimento do óleo do motor e vareta de indicação do nível de óleo.

7. Limpe toda área ao redor da tampa do óleo do motor. Remova a tampa


do óleo do motor e abasteça o cárter com óleo lubrificante recomendado
pelo fabricante da máquina. Limpe e instale a tampa.
8. Ligue o motor e deixe-o em funcionamento por aproximadamente dois
minutos e desligue o motor em seguida. Aguarde dez minutos até que o
óleo seja drenado novamente para o cárter do motor.
9. Limpe e remova a vareta de nível e verifique se está entre as marcas H
e L. caso esteja abaixo do limite inferior, adicione óleo lubrificante.
10. Feche a tampa de acesso ao motor.

41
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

9.3 Ajuste da tensão das correias do alternador, ventilador e


bomba de água.
A especificação técnica do tipo de correia do alternador, ventilador do
sistema de arrefecimento e compressor (se equipado com sistema de
climatização) estão no manual do fabricante da máquina.

Figura 40 Correias do motor. Correia do alternador e ventilador à esquerda e correia do


compressor do sistema de climatização da máquina.

1. Abra a porta de acesso ao motor da máquina.


2. Substitua as correias se estiverem danificadas ou corrompidas.
3. Meça a deflexão das correias. Aplique aproximadamente 110 N (25 lb)
de força entre a polia acionadora e a polia do alternador. Repita a
operação para a polia do compressor (se equipado).
A deflexão das correias deve ser de, no mínimo, 10 mm (3/8 inch)
4. Ajuste as correias se a deflexão não estiver correta.
5. Afrouxe os parafusos do suporte do alternador e dos outros
componentes para afrouxar a correia.
6. Mova os componentes até atingir a deflexão correta.
7. Meça novamente a deflexão das correias. Caso a deflexão não esteja
nos valores especificados, repita os passos 4 ao 6.
8. Instale a tampa de acesso

9.4 Limpeza do respiro do cárter


A localização do respiro do cárter do motor bem como sua especificação
técnica encontra-se no manual do fabricante da máquina, consulte-o para
maiores informações.

42
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

1. Abra a porta de acesso ao motor da máquina.


2. Desaperte a abraçadeira da mangueira (1) e desconecte a mangueira de
saída (2) do respiro (3).
3. Remova o respiro (3) e o selo do O-ring (4).
4. Lave o respiro (3) utilizando um solvente não inflamável.
5. Inspecione o selo do O-ring (4) e substitua se estiver danificado ou
desgastado.
6. Instale o selo do O-ring (4) e limpe o respiro.
7. Posicione a mangueira no respiro (3) e aperte a abraçadeira da
mangueira (1).
8. Feche a porta de acesso do motor.

9.5 Lubrificação dos acessórios da bomba de água


A localização da bomba de água da máquina, acessórios e especificações
técnicas do lubrificante encontram-se no manual do fabricante da máquina,
consulte-o para maiores informações.

1. Abra a porta de acesso ao motor da máquina.


2. Aplique lubrificante no rolamento da bomba de água através do
acessório.
3. Feche a porta de acesso do motor.

43
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

9.6 Ajuste da folga das válvulas


O ajuste da folga das válvulas do motor deve ser realizado devido ao
desgaste natural das válvulas e do trem de válvulas do motor. Consulte o
manual do fabricante para identificar os prazos da manutenção da folga
das válvulas.

10. Sistema hidráulico

10.1 Verificação do nível de óleo do sistema hidráulico


A localização do indicador do nível de óleo do sistema hidráulico bem
como as especificações técnicas do óleo hidráulico que deve ser utilizado
encontra-se no manual do fabricante da máquina, consulte-o para maiores
informações.

Somente remova a tampa de abastecimento e o bujão do dreno do


tanque hidráulico antes da máquina entrar em funcionamento, pois após
períodos de trabalho o óleo estará aquecido e o ar poderá entrar no
sistema, causando danos à bomba hidráulica.

Figura 41 Indicador de nível de óleo hidráulico.

1. Para verificar o nível do óleo hidráulico, estacione a máquina em uma


superfície nivelada e leve a ferramenta da máquina ao chão, com a
lança na vertical.
2. Abra a porta de acesso ao sistema hidráulico da máquina.

44
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

3. Mantenha o nível de óleo na faixa de baixa temperatura para a máquina


fria e na faixa de alta temperatura quando a máquina estiver em
funcionamento.
4. Feche a porta de acesso.

Figura 42 Tampa de abastecimento/bujão do dreno do óleo do sistema hidráulico.

5. Afrouxe devagar a tampa de abastecimento/bujão do dreno para diminuir


aos poucos a pressão do sistema e remova para adicionar óleo se
necessário.
6. Verifique se o O-ring da tampa de abastecimento/bujão do dreno está
danificado, e substitua caso necessário.
7. Limpe e instale a tampa de abastecimento/bujão do dreno.

10.2 Substituição do óleo


A localização do bujão do dreno do óleo do sistema hidráulico, tampa de
abastecimento do óleo e especificação técnica do óleo encontram-se no
manual do fabricante da máquina, consulte-o para maiores informações.

Figura 43 Tampa de abastecimento do óleo hidráulico.

45
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

1. Estacione a máquina em uma superfície plana e leve a ferramenta ao


chão com a lança na vertical.
2. Abra a porta de acesso ao sistema hidráulico da máquina.
3. Limpe a bomba, linhas hidráulicas e o tanque hidráulico.
4. Diminua a pressão do tanque hidráulico lentamente desapertando o
bujão de abastecimento.
5. Localize a válvula do dreno do tanque. Abra a válvula e drene o óleo
usado em um recipiente adequado.
6. Limpe a válvula do dreno, inspecione o O-ring e substitua caso esteja
danificado ou desgastado.
7. Instale a válvula do dreno.

Figura 44 Válvula do dreno do tanque à esquerda e bujão do dreno do tubo à direita.

8. Remova o bujão do tubo e drene o óleo usado em um recipiente


adequado.
9. Limpe o bujão. Inspecione o O-ring e substitua caso esteja danificado ou
desgastado.
10. Instale o bujão no tubo.
11. Substitua a tela do tanque (proceda de acordo com o item 10.3, mas
substitua a tela ao invés de lavar).
12. Abasteça o tanque do óleo do sistema hidráulico.
13. Inspecione o O-ring do bujão de abastecimento e substitua se estiver
danificado ou desgastado. Limpe e instale o bujão de abastecimento.

46
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

Figura 45 Tampa de pressão do sistema hidráulico.

14. Remova a tampa de pressão.


15. Inspecione a tampa de pressão e substitua se estiver danificada ou
desgastada. Instale a tampa de pressão.
16. Quando o óleo do sistema hidráulico for substituído, proceda da seguinte
forma para retirar o ar do sistema.
 Com o motor desligado, remova o bujão do ar do topo da bomba.
Deixe o bujão fora por alguns minutos. Até que a bomba seja
preenchida com óleo hidráulico. Após isso, instale e aperte o
bujão do ar e ligue o motor da máquina. Com o motor em carga
baixa, eleve a lança totalmente e mantenha nessa posição.
 Desligue o motor e abaixe devagar a lança até a ferramenta tocar
o solo. Está pressurizado o tanque hidráulico.
 Devagar, desaperte o bujão do ar continuamente até que o óleo
escoe pelo bujão. Essa é a indicação de que o ar foi purgado da
bomba. Reaperte o bujão.
17. Ligue o motor da máquina e opere por alguns minutos em carga alta por
cinco minutos.
18. Opere todos os comandos hidráulicos para que o óleo circule por todos
os circuitos. Após isso, leve a ferramenta ao chão com a lança na
vertical e desligue o motor.
19. Mantenha o nível de óleo do tanque nas marcas especificadas pelo
fabricante da máquina.
20. Feche a porta de acesso ao tanque do sistema hidráulico.

10.3 Limpeza da tela


A localização da tela de serviço encontra-se no manual do fabricante da
máquina, consulte-o para maiores informações.
47
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

Figura 46 Tela do tanque do sistema hidráulico da máquina.

1. Estacione a máquina em uma superfície plana e leve a ferramenta ao


chão e desligue o motor da máquina.
2. Remova os parafusos (1) arruelas (2) e a tampa (3). Cuidado ao
remover a tela, pois não permita que a mola (4) caia no tanque do
óleo hidráulico.
3. Remova a mola (4) e a tela (5).
4. Lave a tela (5) utilizando um solvente não inflamável e deixe secar ao ar
livre. Inspecione a tela e substitua se estiver danificada.
5. Inspecione os selos do O-ring (6) e (7) e substitua se estiver danificado
ou desgastado. Instale a mola (4) e a tela (5) na tampa (3).
6. Posicione a tampa no tanque, instale as arruelas (2) e aperte os
parafusos (1).

10.4 Substituição do filtro de retorno


A localização da tela de serviço encontra-se no manual do fabricante da
máquina, consulte-o para maiores informações.

1. Estacione a máquina em uma superfície plana e leve a ferramenta ao


chão e desligue o motor da máquina.
2. Remova os parafusos (1), arruelas (2) e a tampa (3).
3. Remova a mola (4), válvula (5) e o elemento (6) do tanque.
4. Inspecione o selo do O-ring (7) e substitua se estiver danificado ou
desgastado.

48
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

Figura 47 Filtro de retorno do sistema hidráulico.

5. Instale a mola (4), válvula (5) e o elemento (6) no tanque. Em seguida


instale a tampa (3), arruelas (2) e os parafusos (1).

10.4 Substituição do filtro piloto


A localização do filtro piloto do sistema hidráulico bem como a
especificação técnica do mesmo encontra-se no manual do fabricante da
máquina, consulte-o para maiores informações.

Figura 48 filtro piloto do sistema hidráulico.

1. Estacione a máquina em uma superfície plana e leve a ferramenta ao


chão e desligue o motor da máquina.
2. Abra a porta de acesso ao filtro piloto do sistema hidráulico.
3. Limpe toda região ao redor do filtro e remova toda sujeira e detritos da
base do filtro.
4. Remova o elemento filtrante usado da base do filtro. Obs.: Esse filtro de
óleo não deve ser reutilizado.
5. Limpe a base do filtro.
6. Aplique uma fina camada de óleo hidráulico novo no selo do novo filtro
de óleo e instale o filtro na base. Aperte o filtro de óleo com a mão.

49
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

7. Feche a porta de acesso ao filtro de óleo da máquina e movimente a


máquina lentamente por dez a quinze minutos e também movimente
cada cilindro uniformemente por vários ciclos.
8. Estacione a máquina em uma superfície plana e leve a ferramenta ao
chão. Verifique se há vazamentos de óleo hidráulico nos cilindros.
9. Desligue o motor.
10. Mantenha o nível de óleo do tanque entre as marcas indicadas no visor
de nível de óleo.
11. Caso seja necessário adicionar óleo no tanque, desaperte devagar o
bujão de abastecimento/respiro para diminuir a pressão do sistema
lentamente. Remova o bujão e adicione óleo em seguida.
12. Limpe e instale o bujão.

11. Sistema de arrefecimento

11.1 Verificação do nível do fluido de arrefecimento


A localização do reservatório do fluido de arrefecimento do sistema de
arrefecimento da máquina encontra-se no manual do fabricante da
máquina, consulte-o para maiores informações.

Figura 49 Reservatório do fluido do sistema de arrefecimento da máquina.

1. Abra a porta de acesso ao sistema de arrefecimento da máquina.


2. O fluido de arrefecimento da máquina deve ficar entre as marcas
especificadas no reservatório do sistema de arrefecimento. Caso

50
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

necessário adicionar fluido no sistema de arrefecimento, remova a


tampa de abastecimento do reservatório e adicione fluido de
arrefecimento de acordo com as especificações do fabricante da
máquina (é comum a utilização de água destilada) ou a mistura do fluido
com aditivo anticorrosivo.
3. Se o reservatório estiver vazio, abra a porta de acesso ao motor.
4. Abra devagar a tampa do radiador da máquina para diminuir a pressão
do sistema e adicione fluido de arrefecimento e aditivo anticorrosivo.
5. Verifique o estado da junta de vedação da tampa e substitua caso
necessário.
6. Instale a tampa de abastecimento.
7. Verifique se há sujeira e detritos no corpo do radiador e limpe caso
necessário.
8. Feche a porta de acesso ao motor da máquina.

11.2 Limpeza do corpo do radiador

Figura 50 Corpo do radiador da máquina.

1. Abra a porta de acesso ao radiador da máquina.


2. Afrouxe os parafusos (1) da região frontal do radiador e remova a tela do
radiador (2).
3. Verifique se há sujeira e detritos no radiador.
4. Remova toda sujeira, detritos e poeiras do radiador e da tela do radiador.
É recomendável que se utilize ar comprimido para remoção da sujeira do
radiador e da tela.
5. Instale a tela do radiador (2) e aperte os parafusos (1).
6. Feche a tampa de acesso ao radiador da máquina.

11.3 Inspeção das mangueiras do sistema de arrefecimento


1. Abra a porta de acesso ao motor e sistema de arrefecimento.

51
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

2. Remova toda a sujeira e detritos das mangueiras e conexões.


3. Verifique se há vazamentos nas mangueiras, se estão danificadas,
fissuradas ou apresentam qualquer anormalidade.
4. Substitua as mangueiras e conexões que apresentarem defeitos como
mencionados em 3.

11.4 Substituição das mangueiras


1. Abra a porta de acesso ao motor e sistema de arrefecimento.
2. Remova toda sujeira e detritos das mangueiras, conexões e reservatório
do sistema de arrefecimento.
3. Remova devagar a tampa do reservatório do fluido de arrefecimento
para diminuir a pressão do sistema. Abra a válvula do dreno do
reservatório e drene o fluido em um recipiente adequado e em seguida
feche a válvula do dreno.
4. Desaperte as abraçadeiras das mangueiras danificadas, desconecte as
mangueiras e substitua por mangueiras novas.
5. Adicione fluido de arrefecimento até ficar entre as marcas indicadas no
reservatório do fluido de arrefecimento.
6. Limpe e instale a tampa do reservatório do fluido de arrefecimento.
7. Feche a porta de acesso ao motor e sistema de arrefecimento.

11.5 Substituição do fluido de arrefecimento


A localização do bujão do dreno e da especificação técnica do fluido
anticorrosivo do radiador encontra-se no manual do fabricante da máquina,
consulte-o para maiores informações.

1. Abra a porta de acesso ao sistema de arrefecimento da máquina.


2. Desaperte devagar a tampa de pressão do radiador da máquina para
diminuir a pressão do sistema continuamente e remova a tampa.
3. Abra a válvula do dreno do fluido do radiador e drene o fluido de
arrefecimento em um recipiente adequado. A válvula está localizada
abaixo do radiador.
4. Feche a válvula do dreno. Abasteça o sistema com mistura de água e
limpador do sistema de arrefecimento na proporção de 6 a 10%.
5. Ligue o motor e deixe-o funcionar por 90 minutos. Desligue o motor e
drene a mistura em um recipiente adequado. Adicione água limpa ao
52
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

sistema até que a água drenada esteja completamente limpa. Feche o


bujão do dreno em seguida.
6. Adicione o fluido anticorrosivo e água destilada no sistema.
7. Ligue o motor com a tampa de pressão desinstalada até o termostato do
sistema ser acionado e o fluido estabilizar no reservatório do sistema.
8. Mantenha o nível do fluido entre as marcas especificadas no
reservatório da máquina.
9. Instale a tampa do radiador. Desligue o motor e feche a porta de acesso
ao sistema de arrefecimento da máquina.

12. Sistema de combustível

12.1 Verificação do nível do separador de água (se equipado)


A localização do sistema separador de água da máquina encontra-se no
manual do fabricante da máquina, consulte-o para maiores informações.

Escavadeiras Caterpillar podem vir equipadas com sistemas


separadores de água do tipo A ou B.

12.1.1 Tipo A
O separador de água está localizado na parte esquerda do tanque de
combustível.

Figura 51 Separador de água do sistema de combustível.

1. Abra a porta de acesso ao tanque de combustível.


2. Se o anel vermelho da cuba estiver no nível da linha, afrouxe a válvula
da base do corpo e drene a água e os sedimentos.
3. Deposite o material drenado em um local adequado.

53
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

4. Feche a porta de acesso ao tanque de combustível.

12.1.2 Tipo B
O separador de água está localizado na região frontal do radiador.

1. Abra a porta de acesso ao radiador da máquina.


2. Se o anel vermelho da cuba estiver no nível da linha, afrouxe a válvula
da base do corpo e drene a água e os sedimentos.

Figura 52 Separador de água do sistema de combustível.

3. Deposite o material drenado em um local adequado.


4. Feche a porta de acesso ao tanque de combustível.

12.2 Drenagem de água e sedimentos do tanque de


combustível
A localização do bujão do dreno do tanque de combustível encontra-se
no manual do fabricante da máquina, consulte-o para maiores informações.

Figura 53 Bujão do dreno do tanque de combustível.

54
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

1. Abra a porta de acesso ao tanque de combustível e localize a válvula do


dreno de combustível. Abra a válvula e drene toda a água e sedimentos
em um recipiente adequado.
2. Feche a válvula do dreno e deposite o material drenado em um
recipiente adequado.
3. Feche a porta de acesso ao tanque de combustível.

12.3 Abastecimento do tanque de combustível


A localização da tampa de abastecimento do tanque de combustível da
máquina encontra-se no manual do fabricante, consulte-o para maiores
informações.

1. Limpe a tampa do tanque de combustível e todas as regiões próximas a


ele.
2. Remova a tampa do tanque de combustível.
3. Abasteça o tanque com combustível. (Obs.: Observar a especificação do
combustível, pois alguns motores exigem o diesel S-10).
4. Quando o tanque estiver completamente cheio de combustível, instale a
tampa do tanque de combustível.

12.4 Substituição do filtro de combustível


A localização do filtro de combustível da máquina bem como a sua
especificação técnica encontra-se no manual do fabricante da máquina,
consulte-o para maiores informações.

Figura 54 Localização do filtro de combustível da máquina.

1. Abra a porta de acesso ao tanque de combustível da máquina.


2. Limpe toda região ao redor do filtro de combustível e remova os detritos.

55
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

3. Remova o filtro de combustível usado e descarte-o em local apropriado.


Certifique-se de que o selo usado tenha sido removido.
4. Aplique uma fina camada de Diesel combustível no selo do novo filtro de
combustível e instale o filtro na base.
5. Aperte o filtro de combustível com a mão até o selo entrar em contato
com a base, e finalize com um aperto de ¾ de volta.
6. Realize o procedimento de escorva do sistema de combustível.

12.5 Limpeza da tela de entrada de combustível


A localização da tela de entrada de combustível bem como a sua
especificação técnica encontra-se no manual do fabricante da máquina,
consulte-o para maiores informações.

Figura 55 Tela de entrada de combustível.

Limpe a tela de entrada de combustível sempre que substituir o filtro de


combustível da máquina.

1. Desconecte a linha de combustível da bomba de transferência de


combustível. Use o bujão para parar o vazamento de combustível.
2. Remova o parafuso (1).
3. Remova a tela (2) do parafuso (1). Lave a tela com um solvente não
inflamável.
4. Instale a tela (2) no parafuso (1).
5. Instale o parafuso (1), remova o bujão da linha de combustível e instale
a linha de combustível.

12.6 Escorva do sistema de combustível


O procedimento de escorva do sistema de combustível encontra-se no
manual do fabricante da máquina, consulte-o para maiores informações.

56
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

Figura 56 filtro de combustível.

1. Abra o bujão de saída de ar (1) do filtro de combustível.


2. Destrave a bomba de escorva (2) girando no sentido anti-horário. Opere
o êmbolo.
3. Aperte o bujão (1) quando o fluxo de combustível estiver livre de bolhas.
4. Desaperte o bujão (3) da bomba de injeção.
5. Opere a bomba de escorva (2) até quando o fluxo de combustível estiver
livre de bolhas.
6. Trave a bomba de escorva empurrando o êmbolo e girando no sentido
horário.
7. Aperte o bujão de saída de ar (3) da bomba de injeção.

12.7 Limpeza da tampa e peneira do tanque de combustível

Figura 57 Tampa e peneira do tanque de combustível.

1. Remova a tampa do tanque e a peneira.


2. Inspecione e substitua a tampa do tanque caso esteja danificada ou
desgastada.
3. Lave a peneira do tanque utilizando um solvente não inflamável e
permite que seque ao ar.
4. Instale a peneira.

57
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

5. Aplique uma fina camada de Diesel combustível na junta da tampa do


tanque de combustível.
6. Instale a tampa.

13. Redução final

13.1 Verificação do nível de óleo


A localização dos bujões de abastecimento e verificação do nível de
óleo, bem como a especificação técnica do tipo de óleo hidráulico do
sistema de redução encontra-se no manual do fabricante da máquina,
consulte-o para maiores informações.

1. Posicione o bujão do dreno (1) na parte inferior.

Figura 58 Bujões do dreno (1) e de nível (2) do redutor final.

2. Remova o bujão do nível de óleo (2).


3. O nível de óleo deve estar na região inferior a abertura do bujão de
verificação do nível de óleo.
4. Adicione óleo pelo bujão (2) se necesário.
5. Limpe o bujão de verificação do nível de óleo (2). Inspecione a junta do
O-ring e substitua se necessário.
6. Instale o bujão (2).

13.2 Substituição do óleo


O volume e a especificação técnica do óleo hidráulico da redução final
encontram-se no manual do fabricante da máquina, consulte-o para
maiores informações.

58
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

Figura 59 Bujões do dreno (1) e de nível (2) do redutor final.

1. Posicione o bujão do dreno (1) da redução final na parte inferior.


2. Remova o bujão do dreno (1) e do nível (2) e drene o óleo em um
recipiente adequado. Verifique se há partículas sólidas de metais no óleo
drenado.
3. Limpe os bujões, inspecione o selo do O-ring e substitua caso esteja
danificado ou desgastado.
4. Instale o bujão do dreno (1).
5. Abasteça a redução final pela abertura do bujão do nível (2) até o óleo
atingir a região inferior do dreno.
6. Instale o bujão do nível (2).
7. Repita os passos 1 ao 6 para o outro redutor final utilizando outro
recipiente para coletar o óleo drenado.
8. Remover completamente o óleo derramado em todas as superfícies dos
redutores finais.
9. Ligue o motor e movimente as reduções finais por vários ciclos.
10. Desligue o motor e verifique o nível de óleo dos redutores finais.
11. Caso esteja abaixo do nível recomendado, adicionar óleo lubrificante.

14. Unidade de giro

14.1 Verificação do nível de óleo


A localização da vareta de indicação de nível do óleo da unidade de giro
bem como a especificação técnica do óleo hidráulico encontra-se no
manual do fabricante da máquina, consulte-o para maiores informações.

59
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

Figura 60 Bujão de abastecimento do óleo hidráulico da unidade de giro.

1. Localize a vareta de indicação do nível do óleo hidráulico e remova toda


a sujeira e detrito da região ao redor da vareta de indicação.
2. Remova o bujão de abastecimento e verifique se o nível do óleo
hidráulico está entre as marcas indicadas da vareta. Adicione óleo
hidráulico caso necessário.
3. Limpe o bujão do abastecimento.
4. Inspecione a junta do O-ring do bujão e substitua caso necessário.
5. Instale o bujão de abastecimento.

14.2 Lubrificação da engrenagem de giro


A localização dos bujões e acessórios para lubrificação das conexões da
unidade de giro da máquina encontra-se no manual do fabricante, consulte-
o para maiores informações.

Figura 61 tampa da unidade de giro da máquina.

1. Limpe a região ao redor dos bujões. Remova os parafusos (1) arruelas


(2) e remova a tampa (3) e a junta de vedação (4).
2. Verifique se a junta está danificada ou desgastada e substitua caso
necessário.
60
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

Figura 62 Reservatório de lubrificante do rolamento.

3. Verifique se a graxa está distribuída no fundo do reservatório do


rolamento de oscilação. A profundidade de graxa deve estar entre 13 e
19 mm. A capacidade do reservatório do rolamento de oscilação é de
15,2 litros ou 13,4 Kg. Adicione ou remova lubrificante se necessário.
Muito lubrificante no depósito é deteriorada devido à agitação do
lubrificante no depósito.
4. Verifique se o fluido lubrificante está contaminado ou descolorado.

Figura 63 Bujão para drenagem do lubrificante.

5. Se o lubrificante estiver contaminado ou descolorado com água,


substitua o lubrificante. Para substituir o lubrificante, remova o bujão (5)
e drene a água em um recipiente adequado. Após drenar toda a água,
instale o bujão (5), inspecione se o selo do O-ring (6) está danificado ou
desgastado e substitua caso necessário.
6. Eleve a ferramenta, gire a unidade em 30° e leve a ferramenta ao chão
em seguida.
7. Repita o passo 3 para cada 30° de giro da unidade, correspondendo a
12 vezes no total.

61
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

14.3 Substituição do óleo do motor hidráulico


A localização dos bujões do dreno e do abastecimento, bem como a
vareta de indicação de nível e especificações técnicas do óleo do motor
hidráulico, encontra-se no manual do fabricante da máquina, consulte-o
para maiores informações.

Figura 64 Motor hidráulico. Bujão do dreno à esquerda, vareta de nível e bujão de abastecimento à
direita.

1. Estacione a máquina em um local plano, leve a ferramenta ao chão e


desligue o motor da máquina.
2. Remova o bujão do dreno do óleo (1) e drene o óleo em uma recipiente
adequado. Verifique se no óleo drenado há partículas sólidas de metais.
3. Limpe o bujão utilizando um solvente não inflamável, aplique composto
(material) de vedação e instale o bujão do dreno.
4. Remova a vareta de indicação de nível (2) e o bujão de abastecimento
(3).
5. Adicione a quantidade especificada no manual do fabricante da
máquina.
6. Certifique-se de que o nível do óleo esta entre as marcas indicadas na
vareta de indicação de nível (2).
7. Após abastecer o motor hidráulico, inspecione o O-ring do bujão e
substitua caso esteja danificado ou desgastado.
8. Instale o bujão de abastecimento.

62
Ministério da Integração Nacional – MI
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
Gerência de Revitalização e Desenvolvimento - GRD
Unidade de Estudos e Projetos – UEP

15. Bateria

15.1 Verificação do nível do fluido eletrolítico


Os períodos de manutenção da bateria da máquina encontram-se no
manual do fabricante da máquina. Baterias convencionais exigem
manutenção a cada 100 horas, baterias de baixa manutenção exigem
manutenção a cada 250 horas e baterias livre de manutenção não exigem
nenhum tipo de manutenção.

1. Abra à porta de acesso a bateria da máquina.


2. Limpe a superfície ao redor da bateria. Remova a tampa da bateria e
limpe os terminais da bateria e aplique vaselina. Instale a tampa da
bateria.
3. Verifique o nível do fluido eletrolítico de cada célula da bateria, exceto
em baterias livre de manutenção. Mantenha o nível do fluido nas
marcas indicadas e adicione água destilada caso necessário. Se não
possuir água destilada, utilize água potável.
4. Feche à porta de acesso a bateria.

15.2 Substituição da bateria ou cabo da bateria.


1. Desligue a máquina e posicione todos os botões de comando elétricos
na posição OFF.
2. Gire a chave de comando da bateria na posição OFF.
3. Desconecte o cabo NEGATIVO (preto) do conector da bateria e em
seguida desconecte o cabo da bateria.
4. Desconecte o cabo positivo da bateria.
5. Verifique se existe corrosão nos terminais e se os cabos possuem algum
tipo de dano (desencapados, oxidados). Efetue os reparos necessários.
6. Retire a bateria velha e coloque a bateria nova.
7. Conecte o cabo positivo da bateria.
8. Conecte o cabo positivo na bateria e em seguida conecte o cabo no
conector fixado a estrutura.
9. Posicione a chave do interruptor da bateria na posição ON.

63