Você está na página 1de 88

CINECLUBE VALE UM FILME

Cineclube
vale um
filme
Vale do amanhecer
Planaltina-df

Guia de filmes
1
CINECLUBE VALE UM FILME

2
CINECLUBE VALE UM FILME

3
CINECLUBE VALE UM FILME
Índice de filmes
22/04/2017 Elena 08
29/04/2017 Sociedade dos Poetas Mortos 11
06/05/2017 Boxtrol 13
06/05/2017 Últimas Conversas 15
13/05/2017 – 06/10/17 Pro dia Nascer Feliz 17
13/05/2017 Gênio Indomável 20
03/06/2017 Encontro com Milton Santos 22
03/06/2017 Todos os homens do presidente 25
24/06/2017 Alice através do espelho 27
24/06/2017 Cabra marcado pra morrer 29
26/08/2017 Carlos Mariguella 31
15/09/2017 Atlântico negro na rota dos orixás 33
15/09/2017 Cartas para angola 35
29/09/2017 Faz seu corre 37
14/01/2018 Kirikú e a Feiticeira 39
14/01/2018 Meu nome é Nadi 41
14/01/2018 Botas e Sonhos, 43
14/01/2018 Menina Bonita do Laço de Fita 45
14/01/2018 Vista minha pele 47
17/01/2018 Transformes 49
17/01/2018 A menina e o Gigante 50
24/01/2018 Diários de motocicleta 51
24/01/2018 Um lugar ao sol 53
01/02/2018 A bailarina 57
25/02/2018 Thor Ragnarok 59
25/02/2018 A Lenda do dia e da Noite 61
10/03/2018 Viva - A vida é uma festa 63
10/03/2018 Vida de Maria 65
24/03/2018 Jumanji 68
24/03/2018 Lobo Guará 70
25/03/2018 Epa Cadê Noé? 72
25/03/2018 Nosso Cerrado 74
21/04/2018 Rap, o canto da Ceilândia 76
21/04/2018 Liga da Justiça 78

4
CINECLUBE VALE UM FILME
CineClube Vale um Filme
A cultura desempenha um papel estruturante na formação identitária dos povos. Ao
analisarmos a sociedade brasileira e a pluralidade de suas manifestações culturais, não
podemos falar de uma identidade cultural única, mas, sim, de “identidades culturais”. No
entanto, ao mesmo tempo em que as sociedades contemporâneas são marcadas pelo
multiculturalismo, o processo de desenvolvimento globalizante, alicerçado na homogeneização
cultural, exporta para os diversos cantos do mundo um modelo massificador da produção e
do consumo de bens culturais. A dinâmica hegemônica que orienta o desenvolvimento
econômico, os avanços tecnológicos e a evolução dos meios de comunicação social, longe de
promover a difusão de manifestações artísticas e culturais diversas, impõe modelos
padronizados e massificados, alheios ao patrimônio cultural dos povos.

É diante desse contexto que o Projeto Cineclube Vale um Filme, por meio de ações de
exibições audiovisuais, busca contribuir para o reconhecimento e a valorização da diversidade
cultural brasileira no Distrito Federal. Educar para a diversidade é importante porque
promove o encontro dialógico entre manifestações culturais diversas; estimula o respeito às
diferenças entre os povos, comunidades e grupos; contribui para a afirmação de identidades
culturais esquecidas, marginalizadas e/ou excluídas em processos globalizantes; promove a
afirmação dos direitos coletivos e da cidadania; e estimula a percepção de que somos sujeitos
criadores de arte e cultura.

Dentro da ampla temática da diversidade cultural, esse projeto se utiliza da função


didático-pedagógica da linguagem cinematográfica para dialogar com a realidade social da
comunidade envolvida, promovendo o desenvolvimento do senso crítico e da apreensão estética
por meio da análise fílmica. A formação continuada contribui significativamente para a
mudança no cenário cultural da comunidade envolvida.

Nesse sentido a escolha de Planaltina, como local de produção e execução do projeto,


tem importância estratégica, visto que essa é a cidade mais antiga do DF, detentora de um
5
CINECLUBE VALE UM FILME
patrimônio cultural expressivo e, embora possuidora de núcleos que buscam preservar o
patrimônio cultural (Festa do Divino, Via-Sacra, grupos de Catira, artesanato, manifestações
sazonais), ainda é uma região pouco favorecida no acesso à produção e circulação de bens
artísticos e culturais e na difusão de suas manifestações artísticas. Ressalte-se ainda o alto
índice de vulnerabilidade social da região. O projeto Cineclube Vale um Filme possibilitará a
comunidade o acesso a conhecimentos no campo do cinema e estimulará a reflexão sobre essas
descobertas e suas próprias identidades, empoderando-as para difundir esses conhecimentos e
descobertas no meio onde vivem.

Para atingir tais objetivos, a parceria com rádio comunitária Utopia FM soma-se às
diretrizes que fundamentam o projeto na medida em que as rádios comunitárias são
importantes instrumentos de democratização dos meios de comunicação e de empoderamento
das comunidades locais, dando visibilidade a produções artísticas e culturais sem espaço na
grande mídia.

O Projeto Cineclube Vale um Filme contribuirá para a mudança no cenário cultural de


Planaltina e do DF ao trabalhar com a sensibilização do público-alvo às linguagens artísticas
e expressões culturais que até então careciam de espaço na mídia e na cadeia produtiva e
criativa local. Ao ampliar o acesso à cultura, divulgar o trabalho de artistas das Regiões
Administrativas e inserir a comunidade nas redes de articulação de entes e agentes culturais, o
projeto atuará na formação de público e no fortalecimento da malha cultural do DF.

Os moradores da comunidade atuarão como multiplicadores das iniciativas propostas,


contribuindo, certamente, para a formulação de novas produções culturais, e o Distrito
Federal, a partir da capacitação desses públicos, contará com pessoas com senso crítico mais
apurado, que poderão contribuir, de maneira decisiva, para o aprimoramento de políticas
públicas na área cultural.

A partir dos recursos do FAC, o Projeto Cineclube Vale um Filme prevê benefícios eco-
nômicos e financeiros para a cadeia produtiva cultural de Planaltina e do DF e para o
comércio e a economia local na medida em que distribui recursos para todos os segmentos
6
CINECLUBE VALE UM FILME
envolvidos e fomenta o emprego e a produção cultural da região. Como exemplo desse impacto
econômico, temos as locações dos materiais para a realização das exibições audiovisuais; a
garantia de trabalho a técnicos e assistentes envolvidos na realização da mostra
cinematográfica; e o benefício ao mercado gráfico, garantindo e gerando trabalho para
inúmeras pessoas envolvidas na produção da cartilha, cartazes e banners. Além disso, a
formação de plateia é um retorno econômico importante, pois insere na cadeia produtiva
novos agentes culturais que multiplicarão iniciativas.

Desta forma o Projeto Cineclube Vale um Filme pretende contribuir para o


fortalecimento da cadeia produtiva de Planaltina e do Distrito Federal; sensibilizar o público-
alvo para as linguagens artísticas envolvidas na execução da projeto; formar público para
os variados gêneros cinematográficos; oportunizar formação de plateia; principalmente
aqueles em situação de vulnerabilidade social; empoderar a comunidade envolvida no projeto
para atuação enquanto multiplicadores culturais; ampliar a articulação entre entes e
agentes culturais do DF; fomentar a economia local e contribuir para a implementação e
formulação de políticas públicas na área cultural.

Leo Matos - Proponente

7
CINECLUBE VALE UM FILME
Elena
22/04/2017 – 1

Elena é um filme brasileiro de 2012, dirigido Em 2014, o filme também foi pré-selecionado
por Petra Costa e produzido pela Busca Vida para indicação ao Oscar 2015 na categoria de
Filmes. É um documentário baseado na vida da Melhor Documentário, na 87ª edição da
atriz Elena Andrade, irmã mais velha de cerimônia.
Petra. Foi premiado em diversos festivais ao
redor do mundo e aclamado pela crítica, Elena viaja para Nova York com o mesmo
considerado uma experiência única no cinema sonho da mãe: ser atriz de cinema. Deixa para
contemporâneo, por extrair de um tema trás uma infância passada na
difícil - o suicídio da irmã da diretora Petra clandestinidade durante a ditadura militar e
Costa - sua força poética e cinematográfica. uma adolescência vivida entre peças de
Em 2014, ganhou publicação em livro pela teatro e filmes caseiros. Também deixa Petra,
Arquipélago Editorial: "Elena - O livro do sua irmã de 7 anos. Duas décadas mais tarde,
filme de Petra Costa". A obra traz o roteiro Petra também se torna atriz e embarca para
do filme, de autoria de Petra Costa e Nova York em busca de Elena. Tem apenas
Carolina Ziskind, depoimentos, ensaios pistas: fitas de vídeo, recortes de jornais,
fotográficos, imagens de arquivo e entrevista diários e cartas. A qualquer momento, Petra
com a diretora. espera encontrar Elena andando pelas ruas.
Aos poucos, os traços das duas se confundem.
Já não se sabe quem é uma e quem é a outra.
8
CINECLUBE VALE UM FILME
A despedida veio na forma de um presente sensação de estar lendo palavras minhas,
singelo: uma concha. “Quando você sentir como se aquele diário fosse meu", diz Petra. A
saudade, encoste a concha no seu ouvido e identificação foi enorme. Na mesma época, a
assim a gente pode se falar”, disse a irmã, leitura de Hamlet e a descoberta
Elena, 13 anos mais velha. Petra, de apenas 7, de Ofélia também serviram de inspiração, bem
escutaria muitas vezes aquela concha nas como assistir ao filme Bicho de Sete Cabeças,
semanas seguintes. Meses, anos, duas décadas de Laís Bodansky - que, entre outros
se passaram. Petra já era atriz e cineasta assuntos, trata do rito de passagem da vida
quando voltou a Nova York à procura de adulta, embora do ponto de vista dos
Elena, decidida a filmar a saudade. rapazes. O projeto do filme permaneceu em
banho-maria por dez anos, sendo elaborado
Elena é um filme sobre a persistência dessas pouco a pouco. Durante esse tempo, Petra se
lembranças, a irreversibilidade da perda, o envolveu em outros trabalhos, dirigiu o
impacto causado na menina de 7 anos pela premiado curta Olhos de Ressaca, até
ausência da irmã, a quem Petra chama de sua finalmente se sentir preparada para
“memória inconsolável”. “Pouco a pouco, as mergulhar nas memórias da irmã.
dores viram água, viram memória”, diz a
diretora, a um só tempo atriz e personagem. Petra encontrou cerca de 50 horas de filmes
caseiros feitos pela irmã, das quais ao menos
Elena é, também, um filme sobre a aventura 20 horas haviam sido gravadas no ano em
de crescer, uma história de três mulheres que que ela, Petra, nasceu. Foi quando Elena, aos
dialoga com temas como família e 13 anos, ganhou sua primeira câmera. Em
maternidade, dor e superação. É, ainda, um seguida, Petra entrevistou cerca de 50
filme sobre o Brasil pós-ditadura militar, familiares e amigos de Elena, totalizando
sobre a geração que nasceu clandestina e algo em torno de 200 horas de material.
cresceu entre os anos 1970 e 1980, com o Quando foi a Nova York, levou consigo uma
desafio de batalhar por seus sonhos em agenda de telefone com os antigos contatos
tempos de abertura e esperança. da irmã e pôs-se a procurar todas as pessoas
A ideia de fazer um filme sobre a irmã surgiu que estavam ali, uma por uma, buscando os
quando a diretora Petra Costa tinha 17 anos nomes na internet e nas redes sociais. O longa
e encontrou, em casa, um antigo diário de finalmente começou a tomar corpo e a
Elena, escrito quando ela tinha a mesma ganhar o aspecto definitivo quando a
idade, 13 anos antes. "Tive a estranha diretora decidiu inserir-se na cena, como
personagem e documentarista, gravando
9
CINECLUBE VALE UM FILME
também seu percurso e estruturando o 45o Festival de Brasília, em setembro de 2012,
roteiro em parceria com Carolina Ziskind. onde Elena ganhou os prêmios de melhor
direção, direção de arte, montagem e melhor
Além de Nova York e São Paulo, algumas filme segundo o júri popular, todos na
cenas de Elena foram rodadas na Bahia e categoria documentário.
também em Barra do Una, no município de São
Sebastião, no litoral paulista. Foram dois https://pt.wikipedia.org/wiki/Elena_(filme)
anos e meio de produção até a première no

10
CINECLUBE VALE UM FILME
Sociedade dos Poetas Mortos
29/04/2017 – 2

Adoro este filme, com seus diálogos não dizer majestosa e não apenas nas imagens
inteligentes e bem humorados, principalmente da natureza ao redor do campus, como a
em se tratando do personagem maravilhoso cena do aluno descendo uma colina de
do professor nada tradicional, John Keating bicicleta, causando uma revoada de pássaros
(Robin Williams), que trata com tanta à beira de uma lagoa, é simplesmente
sensibilidade a relação difícil entre pais e esplêndida. Mas também as cenas de
filhos, professores e alunos, sonhos e interiores também são ótimas, com
realidade (tanto pessoais, como projeção de iluminação perfeita. Tem um elenco jovem
realização para os mais jovens, pelos seus incrível, nomes que iniciaram aí e que ficaram
pais), mostra conflitos diante de uma muito conhecidos, como o caso de tímido Todd
educação castradora e uma mais flexível e Anderson (Ethan Hawke), Knox (Josh
mais humanizada, numa fase tão difícil da Charles) e o lindo Neil (Robert Sean
vida, que é a adolescência e o final dela, onde Leonard). Foi indicado a várias premiações
se tem que fazer escolhas muito complexas, no Oscar 1.989, para Melhor Filme, Diretor,
que poderão mudar todo o rumo de suas Ator, mas só ganhou o de Melhor Roteiro
vidas para sempre, e as consequências disso Original para Tom Schulman. Acredito que
tudo. É um filme tocante, com uma fotografia merecia o de Fotografia, mas infelizmente nem
impecável, assinada por John Seale (Oscar foi indicado. Teve indicação ao Globo de Ouro
pelo filme O Paciente Inglês - 1.996), porque para: Melhor Filme, Diretor, Ator e Roteiro,
11
CINECLUBE VALE UM FILME
também não ganhou nenhum. Ganhou o César, circularam pelo personagem de John Keating.
por Melhor Filme Estrangeiro. Curiosidades: Williams e seu personagem foram satirizados
Foi a primeira indicação ao Oscar, de Melhor na série animada Os Simpsons, onde foi
Filme, do Estúdio Touchstone Pictures. A frase mostrado como um professor de literatura
"Carpie Dien. Aproveite o dia meninos. Façam maníaco é responsável por destruir uma
suas vidas extraordinárias", foi eleita a 95º geração de educadores. A foto usada para
entre 100 frases do cinema mais citadas, mostrar o anuário de John, numa turma
segundo o American Film Institute. Para antiga do colégio, é uma fotografia real de
manter os jovens bem unidos, o diretor Williams, de sua própria formação, em uma
manteve todos eles no mesmo quarto durante outra escola, é claro. Assista, este filme é um
as filmagens. O filme foi filmado na Escola clássico do cinema, do seu tempo. Não deixe de
privada de St. Andrews, em Delaware, nos ver ou rever!!!
Estados Unidos. O ator Liam Nieeson era a
escolha original para interpretar o papel http://umatardenocinemacommarcia.blogspo
principal, mas como houve a troca também de t.com/2012/11/sociedade-dos-poetas-
diretor (Jeff Kanew para Peter Weir, Robin mortos.html
Williams assumiu o personagem. Os nomes de
Dustin Hoffman e Bill Murray também

12
CINECLUBE VALE UM FILME
The Boxtrolls
06/05/2017 – 3

Por mais que tenha apenas quatro filmes no supermercado e adotam como nome as
currículo, já é possível notar qual é o perfil palavras que estão escritas na própria
da produtora Laika Entertainment: o tom embalagem que usam, adoram vermes e seres
sombrio em histórias feitas para crianças. gosmentos e têm por hábito vasculhar o lixo
Assim foi feito em A Noiva-Cadáver, Coraline e dos humanos madrugada adentro. Não espere
o Mundo Secreto, ParaNorman e também em explicações sobre a existência destes seres,
Os Boxtrolls, nova investida do estúdio que pois o filme não as fornece – talvez em uma
ainda tenta se firmar entre os gigantes da sequência? Fato é que os humanos, assustados
animação em Hollywood – leia-se Pixar, como eles só, morrem de medo dos boxtrolls e
DreamWorks, Blue Sky e Aardman. Um se trancafiam em casa tão logo ouvem algum
caminho que, curiosamente, tem agradado barulho estranho. Todos menos Archibald
mais o público adulto do que propriamente o Snatcher, que deseja capturá-los. Todos.
infantil.
É neste contexto que está o patinho feio
Os Boxtrolls - FotoBaseado no livro “Here Be chamado Ovo. Um garoto comum, criado
Monsters!‖, de Alan Snow, Os Boxtrolls desde bebê pelos boxtrolls, que se considera
acompanha a saga das simpáticas criaturas um deles por mais que seja bem diferente.
que vivem nos esgotos da cidade de Ponte Quando seu tutor Peixe é capturado por
Queijo. Eles vestem caixotes típicos de Snatcher, ele decide se arriscar na superfície
13
CINECLUBE VALE UM FILME
durante o dia para salvá-lo. É quando adulto, capaz de identificar questões
conhece a mimada Winnie, que resolve ajudá- relacionadas às diferenças nas classes
lo nem que seja para convencê-lo de que é sociais. Além disto, Os Boxtrolls é um filme
tão humano quanto ela. Só que tem um bastante escuro e, em certos momentos,
detalhe: Winnie vive em plena aristocracia, sombrio – o que também pode afastar os
com todo o requinte e trejeitos típicos de tal menores.
ambiente. É claro que, vindo do esgoto, Ovo
enfrenta problemas ao lidar com este tipo de Apesar dos percalços, ainda assim trata-se
gente. de um filme interessante e que diverte.
Especialmente o vilão dublado por Ben
Os Boxtrolls - FotoA bem da verdade, Os Kingsley, com sua característica voz
Boxtrolls parte de uma premissa muito imponente, que apresenta uma faceta
parecida com a de A Noiva-Cadáver: se no inusitada. Fora o fato de que a animação em
filme de Tim Burton os mortos eram mais massinha (ou stop motion, como é chamada
vivos do que as pessoas que ainda não tinham oficialmente) traz um charme todo especial,
falecido, aqui os “monstruosos” boxtrolls não apenas pela qualidade da animação, mas
são muito mais amáveis do que os humanos, pela própria dificuldade em produzi-la. Algo
que assumem posturas típicas de monstros ao que pode ser conferido nos pós-créditos do
valorizar gestuais e caprichos em detrimento próprio filme, com a exibição de um
das pessoas. A diferença é que o universo interessante making of sobre a cidade de
contraditório divertido e rico em Ponte Queijo. Vale a pena aguardar.
criatividade não se repete neste novo filme,
cujas analogias em certos casos são mais http://www.adorocinema.com/filmes/filme-
indicadas a um público um pouco mais 222333/criticas-adorocinema/

14
CINECLUBE VALE UM FILME
Últimas Conversas
06/05/2017 – 4

Últimas Conversas é um filme documentário entrevistados. Possivelmente, esta não seria


brasileiro, lançado em 7 de maio de 2015, uma opção do documentarista, porém, o
distribuído pela Vídeo Filmes e dirigido documentário não pôde ser montado por ele,
por Eduardo Coutinho. devido ao seu trágico falecimento, esta
função ficou a cargo de Jordana Berg,
O cineasta Eduardo Coutinho entrevista montadora e parceira de Eduardo desde 1995,
diversos alunos da rede pública do Rio de que conseguiu transformar o cineasta em
Janeiro, perguntando sobre suas vidas, seus uma personagem de seu próprio filme. O
sonhos e o que almejam para o futuro. longa-metragem é o décimo quarto da
O documentário foi o último dirigido pelo carreira do premiado diretor e foi exibido na
cineasta brasileiro Eduardo Coutinho e vigésima edição do "É Tudo Verdade", festival
começa com o próprio diretor, sentado em de documentários, onde estreiou nos dias 10 e
uma cadeira, relatando suas frustrações em 11 de Abril de 2015.
relação a obra que estava criando. Diferente Cineasta brasileiro, nascido em São Paulo no
da maioria dos filmes do diretor, onde só é dia 11 de Maio de 1933, foi um dos mais
possível ouvir a voz do cineasta, em Últimas premiados e respeitados documentaristas do
Conversas, Coutinho aparece em vídeo e país. Suas principais obras foram os filmes
explica sua aflição perante seus jovens Cabra Marcado Para Morrer, Edifício Master,
15
CINECLUBE VALE UM FILME
Santo Forte, As Canções e Peões. Foi morto aos externar suas opiniões. Apesar do cineasta
80 anos em 02 de Fevereiro de 2014 a facadas. aparecer no começo do longa reclamando da
Por essa razão, o projeto de "Últimas falta de naturalidade de seus entrevistados,
Conversas" ficou sob o comando de João não é isso que vemos ao longo do filme. A
Moreira Salles, diretor, produtor e maioria dos jovens assumem não acreditar em
colaborador de Eduardo Coutinho durante Deus, outros frequentam a igreja e seguem
sua trajetória. todas as orientações impostas pela igreja, A
maioria dos adolescentes possuem os pais
Foram realizadas aproximadamente 30 separados e já sofreram algum tipo de
entrevistas de 250 adolescentes bullying no colégio, seja por conta de sua
pesquisados[5]. Eduardo Coutinho trata de raça ou devido aos padrões de beleza
assuntos como racismo, religião, bullying e impostos pela sociedade. Muitos costumam
problemas familiares. Entre as diversas escrever poesias, normalmente em seus
entrevistas, algumas jovens se emocionam e diários pessoais. Em determinado momento no
acabam chorando ou passando por um real filme, Eduardo Coutinho reclama dizendo que
processo de reflexão consigo mesmo. Em seus entrevistados não costumam levar as
alguns momentos, Eduardo Coutinho pode ser poesias para ele.
visto como um psicólogo dos jovens que vêem
ele como um senhor respeitado em quem eles https://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%9Altimas
podem confiar para contar seus dramas e _Conversas

16
CINECLUBE VALE UM FILME
Pro Dia Nascer Feliz
13/05/2017 – 5
06/10/2017 - 15

O nome não deixa muito claro, mas Pro Dia criando quatro blocos homogêneos de
Nascer Feliz é um filme sobre educação no instalação num ambiente, filmando os
Brasil. E, claro, num país tão socialmente lugares, tomando depoimentos de alunos e
contrastado e de dimensões continentais professores, enfim, criando um esforço de
como o Brasil, tudo é questão do recorte que compreensão a partir do que se filma, com
se faz, e de como se operam as inter-relações um interesse maior no que está diante da
dos lugares e das situações específicas que se câmera do que com a tese que está embaixo do
vai registrar. Nesse primeiro desafio, João braço. Assim, vemos inicialmente as precárias
Jardim se sai formidavelmente bem. A condições de uma escola na cidade de Manari,
tentação de chamar a atenção para as em Pernambuco, depois somos transportados
patentes diferenças geográficas e de classe é para uma escola em Duque de Caxias, Rio de
tão grande quanto fácil, e a ideia de fazer Janeiro, em seguida vamos para
um uso "dialético" montando e integrando Itaquaquecetuba, no interior de São Paulo, e
lugares e problemáticas heterogêneas cairia por fim paramos numa escola de elite da
rapidamente num denuncismo confortável e cidade de São Paulo.
no lugar-comum. E o que Pro Dia Nascer Feliz
faz? Analisa cada segmento por si mesmo,
17
CINECLUBE VALE UM FILME
Vemos diferenças? Claro. Uma escola de fúteis (o que provoca por vezes reações
cidade pequena enfrenta problemas que uma monstruosas por parte da plateia), mas João
escola de cidade grande não enfrenta, as Jardim consegue orquestrar seu filme a
crianças numa cidade pobre vivem partir de uma estrutura que deixa cada
dificuldades diferentes daquelas de uma segmento viver sua própria vida, respirar
cidade rica. Mas o que o filme mostra com sua própria respiração.
extrema competência é que o dinheiro não faz
necessariamente uma criança mais feliz do Numa segunda parte, o filme intercala e
que outra, assim como uma educação mais integra seus segmentos a partir da questão
qualificada pode ocasionar tantas da paternidade (o que revela pais ausentes
oportunidades na vida quanto criar tanto em Manari quanto no Alto de Pinheiros,
pacientes de consultórios de psicanálise. ainda que a ausência se dê por razões
Assim, vemos a aluna-poeta de Manari que diversas) e, em seguida, para a questão,
consegue construir para si, com todas as igualmente paterna, do Estado e dos
circunstâncias contra, uma vida esclarecida, contrastes sociais (plano aéreo clichê dos
ao passo que algumas alunas de um colégio arranha-céus e das favelas horizontais de
rico do Alto de Pinheiros lutam para saber o Sâo Paulo), e ao mesmo tempo o filme toca na
que querem da vida. Cada segmento é questão da violência dos jovens, que também
afrontado por seus próprios problemas. se dá de formas heterogêneas em cada
Alguns dizem respeito à falta de condições, ambiente. É nesse momento que o filme
mas todos são afetados pelo modo de vida evidencia uma de suas insuficiências, a de
das redondezas e pelas circunstâncias buscar pronunciadamente alguns casos de
específicas dos bairros e cidades em que estão exceção, culminando em dois depoimentos de
situados. Assim, a escola de Caxias vive o crimes de aluno, ambos em áudio sem imagem,
problema da criminalidade e a escola rica de um ilustrado pela tela preta (meninos
São Paulo não consegue viver com o fato de falando que roubam por ódio ou por falta
ser um bunker de riqueza em meio à pobreza e do que fazer) e outro com a chuva batendo
falta de meios da maior parte do país. Cada nas poças em câmera lenta (uma menina que
situação é respeitada, sem tecer hierarquias narra um assassinato que cometeu no
ou expor ao ridículo algum dos lados. Claro, colégio, de forma deliberada e orgulhosa
existe a tendência de espectador em com o feito porque a pena para menor é
empatizar com os pobres e minimizar os ínfima). Por mais que seja absolutamente
problemas dos ricos, considerados como necessário se referir a casos como este, as
cenas – sobretudo a narração do assassinato
18
CINECLUBE VALE UM FILME
– se revelam como algo oportunistas no vida dos alunos e à necessidade de uma
filme, seja pela pieguice das soluções de reformulação completa do papel entre
imagem para fazer caber o áudio, seja professor e aluno, uma vez que a relação de
porque centras questões muito mais gerais e respeito ao mestre construída ao longo de
decisivas da educação acabam sendo séculos parece não mais fazer efeito nos dias
obnubiladas pela força desses depoimentos. de hoje. Filme de grandes qualidades e alguns
evidentes defeitos, Pro Dia Nascer Feliz
O filme também recorre à empatia com certos funciona como o ponto de partida para um
personagens como forma um pouco fácil de questionamento sobre educação por parte
desenvolver uma relação calorosa com a não só dos professores, mas de todos aqueles
plateia – não à toa, faz retornar a adorável interessados na importância da transmissão
aluna-poeta de Manari no fim do filme –, mas de saber, e na extrema necessidade que essa
no geral o filme consegue mais do que fazer transmissão tem na constituição da
apenas um inventário dos maiores problemas cidadania.
da educação no Brasil, chegando inclusive a
exercitar certos questionamentos mais http://www.contracampo.com.br/82/festpr
teóricos e contemporâneos como a adequação odianascerfeliz.htm
dos programas escolares às necessidades da

19
CINECLUBE VALE UM FILME
Gênio Indomável
13/05/2017 – 6

Sinopse: Em Boston, um jovem de 20 anos Damon e Ben Afleck, até então desconhecidos
(Matt Damon) que já teve algumas passagens do grande público e que acabou por
pela polícia e é servente de uma universidade, arrebatar o Oscar de 1.998, desbancando
revela-se um gênio em matemática e, por muitos roteirista de renome. Ambos também
determinação legal, precisa trabalhar trabalham no filme, Matt no papel principal
algumas horas com um professor e fazer e Ben, num papel secundário, mas deixa o seu
terapia, mas nada funciona, pois ele debocha recado. Os ambientes apresentados são
de todos os analistas, até se identificar com maravilhosos, mostrando a cidade de Boston
um deles. em ângulos, contraditórios, sendo esta a
idéia principal do filme, mostrar as
Uma mensagem tocante e que permite uma diferenças das classes sociais, enquanto uma
reflexão mais profunda acerca de alguns é formal e mais requintada (estudantes de
preconceitos e que com magia do cinema, o escolas renomadas e universidade, bares mais
efeito pode ser mais rápido e transformador. estilosos), a outra de apresentada de modo
O roteiro é poderoso, faz o expectador se mais informal, simples, mostrando a classe
conetar com ele e os personagens, que são mais trabalhadora, mas tendo o seu charme
mostrados de forma inteligente, apesar das também. Fotografia muito linda e precisa de
dificuldades pessoais de cada um. O roteiro Jean-Yves Scoffier, composta por cenas
foi escrito por nada menos que a dupla Matt limpas e naturalistas. Músicas assinadas por
20
CINECLUBE VALE UM FILME
Danny Elfman. Quanto ao elenco, é brilhantismo/segurança e uma
simplesmente maravilhoso: Damon até então vulnerabilidade tocante. Ora mais
pouco conhecido, está incrível, muito seguro comunicativo e ora mais introspectivo, sendo
(apesar do papel complicado e denso) na pele que tem o desafio de "domar" o temperamento
de Will, garoto órfão, com histórico de difícil de Will. Ambos são muito inteligentes,
violência em suas adoções, gênio na teimosos, mas acabam por se entender e se
matemática, mas com uma falta de conscientizar de que não são perfeitos. O
inteligência emocional gritante. Que se torna filme aborda temas como: genialidade
uma bomba relógio ambulante, sempre à (inteligência/conhecimento formal), medo de
beira de um colapso. mudanças, amor, compromisso, desafios,
escolhas, culpa, derrota, perdas,
Minnie Driver (Skaylar) também, muito preconceitos, responsabilidades. Que são
tranquila, emotiva, com uma capacidade apresentados de forma envolvente. Amei
admirável de se adaptar, conseguindo entrar principalmente a questão da relação
e sair dos ambientes, com sua elegância Psicólogo-Paciente, que neste filme foi
natural; muito convincente. Detalhe que não enfocada, até como forma de quebrar velhos
posso deixar de comentar: é a única mulher modelos, onde a figura do profissional é mais
num universo puramente masculino e humana e menos dona da verdade. Mostrando
machista de Boston, que se sai muito bem, que o importante é se estabelecer uma
conquistando todos os amigos de Will. Mas verdadeira, com amor e respeito.
quem encanta é o maravilhoso (sou muito,
mas muito Fã dele) Williams (Sam Maguire), http://umatardenocinemacommarcia.blogspo
que está em mais uma performance t.com/2017/06/genio-indomavel.html
emocionante, mostra ao mesmo tempo um

21
CINECLUBE VALE UM FILME
Encontro com Milton Santos
03/06/0/2017 – 7

Quando lançado, em 2006, Encontro com cinéfilos, o filme — como qualquer outro que
Milton Santos… foi a sensação do Festival de fale de política — gerou indignação em
Brasília, e ao longo de sua estreia pelo alguns grupos, que o acusaram de
mundo, arrebatou diversos prêmios. O “embelezar a miséria“, “vender opinião
diretor Silvio Tendler, famoso por ter engessada” e de trazer uma “crítica
assinado documentários críticos sobre a terceiromundista viciada“. Já compararam o
sociedade brasileira (Os anos JK – Uma Tendler de Encontro com Milton Santos…
Trajetória Política, Jango e Utopia e com Michael Moore em uma versão Tupiniquim
Barbárie, por exemplo), realiza aqui um — e isso no pior sentido de sua conotação. Um
projeto que tinha desde 1995, quando outro grupo de espectadores tinha a
conheceu o geógrafo Milton Santos e cogitou esperança de que o filme teorizasse a respeito
filmá-lo. Apenas em 2001, e cinco meses antes do mundo globalizado contemporâneo
da morte do estudioso baiano, o diretor (lembrando que a obra é de 2006, fruto de
realizou com ele uma longa entrevista e, com entrevistas gravadas em 2001) ou trouxesse
base em suas ideias, realizou o filme em questionamentos de dezenas de pensadores
questão. sobre os efeitos do consumo, a fome no
mundo, os novos rumos da civilização.
Se foi aplaudido de pé nos Festivais e obteve
elogios de muitos pensadores, críticos e
22
CINECLUBE VALE UM FILME
Não se pode deixar de assentir essenciais para que o púbico entenda melhor
relutantemente para essas observações. De outros desdobramentos, como no caso da
fato, o documentário é inerte em relação aos definição do que foi o Consenso de
questionamentos incômodos, porque não Washington, logo nos primeiros minutos do
acenam para uma intervenção, um princípio filme. Muita coisa, no entanto, fica nas mãos
de resposta, por assim dizer. O filme se auto do espectador, para pesquisá-las
explica e para por aí. Mas é necessário posteriormente.
colocar pensar a respeito da proposta da
fita. A intenção aqui não é de fato construir Se Tendler “fala o que o povo quer ouvir”
um pensamento lançado a debates de (para pegar uma frase clichê aplicada ao
“melhorias pontuais de problemas do documentário), ele o faz da melhor maneira
mundo“, porque a proposta é trazer à tona possível. No entanto, duvido que essa
as ideias do pensador entrevistado. Mesmo as estranha definição seja legítima quando se
participações realizadas durante o filme são trata de um filme que aborda manifestações
materiais de arquivo, fotos, vídeos amadores, populares na Bolívia e no Peru, crise
noticiários de TV e trechos de outros filmes econômica na Argentina, manifestações
que ajudam a explicar o pensamento sobre a ambientalistas em Davos, busca por emprego
sociedade que o geógrafo tanto se dispôs a no Brasil e fatos incômodos do mundo em
entender e interpretar. Nesse sentido, o filme pleno “Globalitarismo”. É isso o que o povo
de Silvio Tendler entrega com bastante quer ouvir?
solidez o que promete: é uma obra na medida Longe de sensacionalismos, manipulação de
certa para o tipo de material que escolheu opinião e perpetuações ideológicas rasas
mostrar. Silvio Tendler procura transmitir as ideias de
Partindo da importância da imagem para o Milton Santos o mais fielmente possível. A
homem do século XX e XXI, o documentário esperança entra como o elemento humanista
segue uma linha cadencial entre dados, e essencial do pensador e da nossa sociedade
depoimentos e exposição no estilo na reta final. As regressões de pensamento
jornalístico, com narração de alguns atores. político, ocorridas nas últimas décadas, o
De um alcance bem amplo por ser constituído sucesso empreendedor da inerte geração
comercialmente, o documentário toca em yuppie e o triunfo da colonização econômico-
pontos delicados de nosso tempo usando de comercial no mundo são expostos sobre uma
linguagem acessível, que embora dotada de visão crítica porém não niilista, nem
erudição, não se furta em explicar conceitos apontando para algo como “o fim da
23
CINECLUBE VALE UM FILME
História“. O público é convidado a ver um semente de inquietação é plantada assim que
mundo que a mídia de massa não mostra o filme termina.
(embora com a internet isso conheceu uma
série de bons — e maus também — atalhos). https://www.planocritico.com/critica-
Do lado de cá, o mundo globalizado passa a encontro-com-milton-santos-ou-o-mundo-
ter as suas primeiras cores desbotadas. Uma global-visto-do-lado-de-ca/

24
CINECLUBE VALE UM FILME
Todos os Homens do Presidente
03/06/2017 – 8

Todos os Homens do Presidente é com o tempo, uma proporção não imaginada.


um filme estadunidense de 1976, do gênero O que ocorreu de fato foi um caso amplo de
drama, dirigido por Alan J. Pakula e com espionagem política que levou o presidente
roteiro baseado no livro de mesmo nome, republicano Richard Nixon, eleito em
lançado em 1974, de Bob Woodward e Carl novembro de 1972 para seu segundo mandato,
Bernstein. a ser forçado a sair do cargo. O filme
mostra cenas históricas, permeadas às demais
Dois jornalistas investigam o escândalo de dirigidas por Pakula, reforçando sua
Watergate para o jornal Washington Post. intenção de bem reproduzir o que foi o caso
Descobrem uma rede de espionagem e lavagem Watergate.
de dinheiro, o que acaba por levar à
renúncia do então presidente dos Estados Alguns meses antes da reeleição de Nixon é
Unidos, Richard Nixon. que ocorreu a detenção dos cinco invasores,
no quartel-general eleitoral do Partido
Tudo, porém, começou em um patamar muito Democrata, no edifício Watergate. Eles eram
pequeno na esfera política dos Estados ligados ao FBI e à CIA, e foram apreendidos
Unidos: uma invasão do edifício Watergate usando câmeras e microfones. Nada disso, em
por cinco aparentes ladrões não mereceria princípio, interferiu na reeleição de Nixon,
mais do que páginas policiais, mas ganhou, porém, as suspeitas de que o próprio
25
CINECLUBE VALE UM FILME
presidente estivesse envolvido no caso do Washington Post. A partir daí, todo o
aumentaram. É neste momento que vão surgir filme mostrará o esforço e os méritos de dois
no cenário jornalístico os repórteres profissionais em busca da verdade factual na
investigativos Robert solução de um caso extremamente obscuro.
Woodward (interpretado por Robert
Redford) e Carl Bernstein (Dustin Hoffman), https://pt.wikipedia.org/wiki/All_the_Presid
ent%27s_Men

26
CINECLUBE VALE UM FILME
Alice Através do Espelho
24/06/2017 – 9

Junho chegou e trouxe um monte de filme O filme acontece mais ou menos três anos
maravilhoso pra ver no cinema! O primeiro após a visita ao País das Maravilhas da Alice.
da lista foi Alice Através do Espelho e eu Ela se torna capitã do navio do seu pai e
tava doida pra assistir. Amo os filmes da viaja pelo mundo durante esse tempo. Quando
Disney e precisava de uma folga desse monte volta pra casa descobre que seu sócio
de filme de herói que ta lançando morreu e o filho nojento (e ex quase noivo
ultimamente. O primeiro filme da Alice não é dela) assumiu a companhia e comprou os 10%
meu favorito no mundo, mas eu gosto de ações que ela tinha e o navio de seu pai.
bastante. Pra mim, ele é muito dark, o que é Além de tudo isso, ela é proibida de viajar de
compreensível já que se passa no reinado da novo e o único trabalho que oferecem é pra
Rainha Vermelha, e eu já sou acostumada com arquivar papeis do escritório da firma.
aquele ambiente colorido e maluco do Depois de ouvir tudo isso, ela foge e encontra
desenho animado. Por isso, o segundo ganhou com o Absolem, aquela lagarta azul do
meu coração. Ele é colorido e lindo, fora que primeiro filme. Em forma de borboleta, ele
eu prefiro a história dele. Mas enfim, vamo conduz a Alice até uma sala e entra no
logo falar desse filme e podem relaxar, não espelho. Como ela tava encurralada, segue
tem spoiler! ele e entra no espelho também. Daí é óbvio
onde ela chega né? No País das Maravilhas!

27
CINECLUBE VALE UM FILME
Ela encontra com todo mundo logo de cara, superar o gato Cheshire bebê, ai que coisa
mas não ta tudo certo. O Chapeleiro Maluco fofa! A história também é maravilhosa. Gostei
ta muito mal e a única pessoa que pode bem mais do que a do primeiro, me prendeu do
ajudar é a Alice. Ele tem certeza que a começo ao fim, talvez por não ser sobre uma
família está viva, mesmo isso sendo guerra do começo ao fim. O final também me
impossível, e a missão dela é voltar no tempo surpreendeu muito, não é tipo clichê, apesar
pra salvar eles da Rainha Vermelha. O único de ser, não sei explicar. Ah, também passa
jeito disso acontecer é roubar a CronoEsfera umas lições importantes sobre o tempo e
do Tempo, que, no caso, é uma pessoa e tem um como ele pode ser várias coisas na nossa
caso com a Rainha Vermelha. Depois de vida, além de algumas outras que eu não
roubar o que precisa, ela sai numa jornada posso contar senão vira spoiler. Recomendo
pelo passado com a intenção de salvar a pra todo mundo, a fotografia é linda, o
família Cartola, e acaba descobrindo fatos roteiro é maravilhoso e não deixa a desejar
que explicam muito sobre a atual formação de jeito nenhum!
do reino.
http://blogdolcedulce.blogspot.com/2016/06
Como eu já falei, eu amei demais esse filme. É /sessaopipoca-alice-atraves-do-espelho.html
todo colorido, todo lindo e eu nunca vou

28
CINECLUBE VALE UM FILME
CABRA MARCADO PARA MORRER
24/06/2017 – 10

ELENCO: Elisabeth Teixeira e família, João então vivia na clandestinidade -- e muitos dos
Virgínio da Silva e os habitantes de Galiléia outros camponeses que haviam atuado no
(Pernambuco). Narração de Ferreira Gullar, filme antes brutalmente interrompido.
Tite Lemos e Eduardo Coutinho. 120 min., Globo
Vídeo. CONTEXTO HISTÓRICO

RESUMO As Ligas Camponesas vinham sendo criadas


desde meados dos anos 50 com o objetivo de
Em fevereiro de 1964 inicia-se a produção de conscientizar e mobilizar o trabalhador
Cabra Marcado Para Morrer, que contaria a rural na defesa da reforma agrária.
história política do líder da liga camponesa Durante o governo de João Goulart (1961-
de Sapé (Paraíba), João Pedro Teixeira, 64), o número dessas associações cresceu
assassinado em 1962. No entanto, com o golpe muito e, junto com elas, também se
de 31 de março, as forças militares cercam a multiplicavam os sindicatos rurais. Os
locação no engenho da Galiléia e camponeses, organizados nessas ligas ou em
interrompem as filmagens. sindicatos ganharam mais força política
para exigir melhores condições de vida e de
Dezessete anos depois, o diretor Eduardo trabalho.
Coutinho volta à região e reencontra a viúva
de João Pedro, Elisabeth Teixeira -- que até
29
CINECLUBE VALE UM FILME
A renúncia de Jânio Quadros em 25 de agosto Muitos comícios foram organizados em apoio
de 1961, após apenas sete meses de governo, às reformas, destacando-se um comício-
abriu uma grave crise política, já que seu gigante realizado na Central do Brasil do Rio
vice, João Goulart, não era aceito pela UDN e de Janeiro em 13 de março. A mobilização
pelos militares, que o acusavam de promover popular nos comícios assustava as elites que,
agitação social e de ser simpático ao articuladas com as forças armadas e
comunismo. Assim como esses setores eram apoiadas pelos setores mais conservadores
contrários à posse de Jango, existiam outros da Igreja desferiram um golpe de Estado em
que defendiam o cumprimento da 31 de março de 1964.
Constituição, como o governador do Rio
Grande do Sul, Leonel Brizola. No dia seguinte, o controle dos militares
sobre o país era total e, no dia 4, Goulart se
O impasse foi resolvido com a adoção do auto-exilou no Uruguai, sem impor qualquer
regime parlamentarista de governo, resistência aos golpistas, temendo talvez o
aprovado pelo Congresso. Com esse regime, início de uma guerra civil no país.
Jango era apenas chefe de Estado, sendo que
o poder efetivo de decisão estava nas mãos de Iniciava-se assim um dos períodos mais
um primeiro-ministro escolhido pelos obscuros da história do Brasil, com 21 anos
deputados e senadores. de ditadura militar que promoveu uma
violenta onda de repressão sobre os
Diante da crise econômica, o regime movimentos de oposição, além de ter gerado
parlamentarista imposto pelos uma maior concentração de renda,
conservadores, se mostrava ineficiente, com agravando a questão social, produzindo mais
a sucessão de vários primeiros-ministros, sem fome e miséria. Os "anos de chumbo" da
que a crise fosse atenuada. Esse cenário ditadura ocorreram após o AI5 (Ato
fortalecerá o restabelecimento do Institucional número 5), no final do governo
presidencialismo, conquistado através de um Costa e Silva (1968), estendendo-se por todo
plebiscito em 6 de janeiro de 1963. governo Médici (1969-1974).
Reassumindo a plenitude de seus poderes,
Jango lançou as reformas de base apoiadas http://www.historianet.com.br/conteudo/de
por grupos nacionalistas e de esquerda.. Elas fault.aspx?codigo=242
incluíam a reforma agrária, a reforma do
sistema bancário, a reforma tributária e a
reforma eleitoral.
30
CINECLUBE VALE UM FILME
Marighella
26/08/2017 – 11

Filme revela vida íntima de Marighella e traz conflito entre integralistas e comunistas; a
rap inédito de Mano Brown legalização do Partidão; a clandestinidade; a
frustração com Stálin; o golpe militar e, por
“Um dia, faz 40 anos, eu estava indo com meu fim, a luta armada.
pai para a escola e ele disse: ―Vou te contar
um segredo: seu tio Carlos é o Carlos Mas o que torna “Marighella” único é o
Marighella'”. Assim começa o documentário olhar íntimo que só quem era de dentro da
“Marighella”, de Isa Grinspum Ferraz, com família seria capaz de documentar: “Tio
estreia prevista para outubro. Carlos era casado com tia Clara. Eles
estavam sempre aparecendo e desaparecendo
Em uma hora e 40 minutos, “Marighella” de casa. Era carinhoso, brincalhão, escrevia
desfia a trajetória do ícone da esquerda poemas pra gente. Nunca tinha associado o
brasileira que acabou baleado e morto rosto dele aos cartazes de ―Procura-se‖
dentro de um Fusca em 1969, em São Paulo. espalhados pela cidade”, continua a voz em
Meio século da história do país pode ser off da própria Isa, que assina direção e
contado a partir dos acontecimentos em sua roteiro do filme.
vida: a gênese do comunismo baiano, mulato, “A ideia é desfazer o preconceito que até
do qual Jorge Amado era partidário; o pouco tempo atrás havia contra meu tio. Era
31
CINECLUBE VALE UM FILME
um nome amaldiçoado, sinônimo de horror. anuncia o rompimento com o Partido
Além da vida clandestina e do ciclo de prisões Comunista e a adesão à luta armada. Mesma
e torturas, procuramos mostrar também o época em que intelectuais europeus como o
poeta, estudioso, amante de samba, praia e cineasta francês Jean-Luc Godard passam a
futebol, e acima de tudo o grande homem de enviar remessas de dinheiro em apoio à sua
ideias que ele foi”, diz Isa, socióloga formada causa.
na USP.
O filme ainda traz trilha sonora de Marco
Na esteira da pesquisa que foi feita, surgiram Antônio Guimarães e Mano Brown e
algumas revelações. Clara Charf, depoimentos esclarecedores de militantes
companheira de Marighella de 1945 até sua históricos, como o crítico literário Antonio
morte, hoje aos 86, desenterrou uma pasta Candido: “Marighella encarnava moral e
que pertencia a ele, na qual aparecem psicologicamente o seu povo. Ele era pobre e
correspondências, mapas e esboços de ações não abandonou sua classe”.
guerrilheiras.
https://www.geledes.org.br/filme-revela-
A produção também descobriu uma gravação vida-intima-de-marighella-e-traz-rap-
de Marighella para a rádio Havana, de Cuba. inedito-de-mano-brown/
Em sua fala tipicamente cadenciada, ele

32
CINECLUBE VALE UM FILME
Atlântico Negro - Na Rota dos Orixás
15/09/2017 – 12

O documentário Atlântico Negro: nas rotas representação cinematográfica nos


dos Orixás, é um filme que retrata a dimensiona a entender o início da
importância do continente Africano na mercantilização africana e de como a
construção da sociedade brasileira. Esta escravidão se tornou uma mera desculpa
estruturação cultural mostra a semelhança para a propagação das guerras civis,
existente entre estes povos, dentre estes iniciando assim um intercâmbio biológico,
laços: a religiosidade, a musicalidade, a fala, econômico e cultural entre Brasil e África.
hábitos alimentares, a estrutura familiar e
as manifestações culturais. Nota-se, que ter um outro olhar da África
nos ajuda a compreender a nossa própria
Durante as cenas do filme são desconstruídas história, tanto nos hábitos sociais, quanto
visões etnocêntricas e de censo comum sobre nos costumes oriundos desta terra quase que
o continente Africano. A ideia de um desconhecida. Tendo a perspectiva que a
território que vive em constante estado de cultura africana não é a unicamente baseada
guerras étnicas e civis, de fome e total na história colonial e no expansionismo
miséria é desmistificado para mostrar o lado europeu, a África com reinos e império possui
cultural da África que deu origem ao suas formas particulares de governar e agir
candomblé, o Xangô e ao Tangô, religiões como povo. A reconstrução da histórica
presentes no território brasileiro. Essa africana nos permite entender como a
33
CINECLUBE VALE UM FILME
escravidão se promulgou pelo espaço escravidão, a cultura brasileira continua
geográfico e social do Brasil, dissipando as sendo preservada por este povo que se
misturas biológicas que originou a denominam brasileiros, mesmo tendo nascido
miscigenação nacional e a diversidade em solo africano.
religiosa presentes nos terreiros de
candomblé como o: ilê aié axé opô ofonjá e Esta perspectiva mostra a construção de
casa branca. nossas raízes, ajudando a fazer paralelos
que melhorem o entendimento dessas
Todo o tema abordado no documentário abre aplicações no Brasil. Hoje em pleno século
um leque de oportunidades para entender XXI a forma de vida dos afro-descendentes
melhor a África e o Brasil e conhecer também tornou-se uma luta política e social que visa
que existe uma troca cultural entre os dois a reparação da escravidão que aconteceu no
lugares referidos. Compreendendo que o país. Entretanto, este documentário ressalta
retorno dos africanos escravizados para o a trajetória africana como um continente
continente de origem, representou também a repleto de etnias e formas de vidas variadas,
ida de valores culturais, morais e sociais desconstruíndo a visão eurocêntrica e
brasileiro como: a construção da igreja e da religiosa da igreja católica que foi
festa do Senhor do Bonfim, a construção desenvolvida na história ao longo dos
(mesmo que em pequena escala) da séculos.
arquitetura brasileira em solo africano e a
vestimenta feminina das mulheres agudás. https://aricostajunior.wordpress.com/2007/
Além de entender que mesmo depois da 06/09/resenha-atlantico-negro-nas-rotas-
dos-orixas/

34
CINECLUBE VALE UM FILME
Cartas para Angola
15/09/2017 – 13

Nesse mundo contemporâneo de relações acordados mediante a vizinhança de amigos


líquidas, como diria o filósofo Zygmunt que nos cercam, ou uma cidade é um lugar
Bauman, há quanto tempo uma carta não lhe interno, que nos persegue do lado de dentro
chega às mãos? O documentário Cartas para dos olhos e mora no nosso coração como uma
Angola, dirigido por Coraci Ruiz e Julio ancora pesada que nos mantém presos às
Matos, resgata não apenas as memórias e lugares de outro lugar?”.
correspondências, mas amizades que
ultrapassam as fronteiras entre Angola, As relações de gênero e as diferenças e
Brasil e Portugal. semelhanças das opções de vida para
mulheres entre os dois lados do Atlântico são
O filme, que retrata trocas culturais, compartilhadas pela angolana Sizaltina
afetivas e históricas entre os países Cutaia e a brasileira Fernanda Fernandes,
lusófonos, circula pelas cidades de Luanda, que se tornaram amigas em Angola. Enquanto
em Angola; São Paulo, Rio de Janeiro, Taboão isso, as similaridades dos resquícios da
da Serra e Campinas, no Brasil; e Lisboa, em guerra colonial em Angola e a guerrilha
Portugal, e ecoa uma reflexão que, a cada urbana das periferias paulistas, mescladas
depoimento, perpassa toda a obra: “uma às questões de identidade, de passado e do
cidade é um lugar externo onde moramos, presente são suscitadas por Allan da Rocha,
caminhamos e sonhamos com os olhos jovem poeta que mora em Taboão da Serra, e
35
CINECLUBE VALE UM FILME
pelo angolano Lukeny Bamba Fortunato, para a independência estão nas vozes do
ambos trabalhando a força da poesia em português Carlos Serrano e do angolano
suas comunidades. Jacinto Fortunato. Por fim, a memória, a
saudade e os sentimentos ambíguos que
A busca pela africanidade, a preservação dos habitam todo imigrante estão traduzidos
costumes afro-brasileiros, a musicalidade, as pelos escritores Ondjaki e Ana Paula Tavares.
relações e tradições das religiões africanas
que aqui ecoam unem a brasileira Alessandra Premiado no Festival do Filme Etnográfico do
Ribeiro e Augusto Van Dumen, angolano que Recife, no Festival Internacional de Cinema de
resgata em seu país as danças tradicionais; Luanda e no Festival de Cinema Itinerante da
Já o diálogo musical fica por conta da Língua Portuguesa em Lisboa, o filme já teve
amizade entre Edu Maria e Wiza e os sabores exibições públicas em eventos e premiações
angolanos e as reminiscências afetivas estão como no É Tudo Verdade, em São Paulo e no
representadas nos depoimentos de Suzana e Rio, no Cinelatino Film Festival, em
Avelino Dias, pai e filha, egressos de Toulouse, Brésil en Mouvements, em
Portugal, que preparam uma receita de Paris, Brazilian Film Festival in Scandinavia,
muzonguê em homenagem à angolana Júlia. em Estocolmo e Gotemburgo e no BRAFFTV, em
Toronto, entre outros.
Os sentimentos de pertencimento a uma
comunidade que mantém seus fortes vínculos https://www.sescsp.org.br/online/artigo/71
nacionais, apesar da distância, e os relatos 76_CARTAS+PARA+ANGOLA+IDENTIDADE+E+ME
das profundas marcas deixadas pela guerra MORIA+AS+MARGENS+DO+ATLANTICO

36
CINECLUBE VALE UM FILME
Faz Seu Corre
29/09/2017 – 14

O curta-metragem ―Faz Seu Corre‖, gravado Nascido e criado em Ceilândia, o cineasta


nas ruas da Ceilândia, mostra situações conta que também já viveu situações
vividas diariamente por jovens das periferias retratadas no curta-metragem. “A maioria
do DF, como a repressão policial, o abuso de dos meus amigos de infância já morreram ou
autoridades e a discriminação racial e se perderam envolvidos com as drogas ou
social. Além disso, o filme traz como trilha foram presos. Eu tive a escola e optei em
sonora o rap símbolo de protesto e querer mudar a minha realidade, mas é claro
reivindicações das comunidades. Além disso, também teve coisas boas como pessoas que
os atores e protagonistas são os próprios conseguiram subverter a situação e sair
moradores de Ceilândia, que voluntariamente desse ciclo de violência que acaba te
participaram das gravações nos setores do P sugando”, diz o jovem cineasta.
Norte, Ceilândia Norte e Expansão do Setor O.
O jovem cineasta idealizador do curta, Palito ressalta que o filme foi gravado sem
Ricardo Soares, de 22 anos, mais conhecido pretensões de disputar prêmios ou ser mais
como Palito, conta que escreveu o roteiro do uma obra que retrata apenas os grandes
filme baseado na realidade vivida e índices de violência nas comunidades. “O que
enfrentada por muito de seus colegas queríamos não era mais um “clichê”, mas
moradores de Ceilândia. Papel revela que trazer questionamentos e gerar reflexão
quando começou as gravações com o apoio da sobre como a violência é tratada nas
comunidade teve a certeza que a obra teria periferias do DF e principalmente quem é mais
um diferencial por retratar o cotidiano exposto, o jovem pobre e negro uma dura
dessas pessoas. realidade que vivemos”, desabafa palito.
37
CINECLUBE VALE UM FILME
Os filmes que disputarão o troféu foram (duzentos mil reais) em prêmios. Os
escolhidos entre 81 produções brasilienses vencedores serão escolhidos por júri
inscritas. São quatro longas-metragens e popular e oficial.
quatro curtas, que serão exibidos na Mostra
Brasília durante o 48º Festival de Brasília do Os vencedores do 20º Troféu Câmara
Cinema Brasileiro, que acontecerá de 14 a 21 Legislativa do DF serão eleitos pelos jurados:
de setembro deste ano. André Sachs, músico, produtor musical e
compositor de trilhas sonoras para cinema e
O prêmio Troféu Câmara Legislativa do TV; Chico Sant'Anna, ator de cinema, teatro e
Distrito Federal foi criado em 1996 como um TV e Jorge Bodanzky, fotógrafo, diretor e
reconhecimento aos cineastas de Brasília e produtor de cinema e TV.
como incentivo aos jovens realizadores que
começavam a despontar no cenário local e http://www.ceilandia.df.gov.br/2015/09/16/
nacional. Os filmes selecionados concorrerão filme-de-ceilandia-concorre-a-premio-em-
em 14 categorias, totalizando R$ 200.000,00 festival-de-cinema/

38
CINECLUBE VALE UM FILME
Kiriku e a Feiticeira
14/01/2018 – 16

Kiriku: a lenda do bebê guerreiro que salvou parece ser maior do que a de todos os
sua aldeia da feiticeira adultos juntos.

Uma lenda que virou filme, peça de teatro, Ao longo do conto, é possível ver inúmeras
espetáculo de dança em todo o mundo leva referências à cultura da África Subsaariana
um pouco da África para diferentes culturas. como as vestimentas, a musicalidade, a
Kiriku (ou Kirikou) conta a história de um relação com a natureza… – Com o olhar
recém-nascido superdotado que sabe falar, espiritual, a lenda inteira traz referências,
andar e correr. Ele é o salvador de sua como exemplo, ao baobá, que é cultuado
aldeia, ameaçada pela feiticeira Karabá. como uma árvore sagrada, conhecido como
“a única árvore que nasce de cabeça pra
Ainda no ventre da mãe, kiriku ordena o seu baixo”! Creio que a lenda ficou conhecida
nascimento e sua mãe diz que, se ele pode por dois motivos principais: porque agrada
pedir para nascer, é porque tem capacidade muito as crianças de todas as nacionalidades
para realizar isso sozinho. Em resposta, o e porque os adultos também aprendem com
menino nasce, corta seu próprio cordão ela – conta em entrevista ao Por dentro da
umbilical e diz: “Meu nome é Kiriku” A África Mario Tenório, psicanalista e
criança é bem pequena e nem sequer chega especialista em Lendas Africanas.
aos joelhos de um adulto, mas a sua coragem
39
CINECLUBE VALE UM FILME
Diferentemente de muitas histórias de tenta matá-lo, mas ele foge. Um dia, com a
guerreiros africanos, Kiriku não é forte, não ajuda da mãe, ele arma um plano para
anda armado, não comanda um exército. A visitar o sábio da montanha e aprender mais
sua coragem é acompanhada de doçura, paz, sobre a feiticeira. Kiriku descobre o motivo
tranquilidade. Ele não usa roupas enquanto de tanta maldade de Karabá e a liberta da
a sua oponente Karabá é banhada de jóias, maldição quebrando os feitiços que ela fizera
malícia e poder. Mario acredita que, nas contra a sua aldeia.
lendas em que surgem líderes tribais, o
importante é que um guerreiro seja No filme, dirigido por Michel Ocelot (1998), é
inteligente e calmo para sempre voltar bem possível enxergar altruísmo, astúcia,
de suas empreitadas… perdão, a importância da coletividade e do
amor na aldeia de Kiriku. Mario Tenório, que
Encontro com Karabá Logo após o nascimento elege o nascimento de Kiriku como um dos
de Kiriku, seu tio vai até a feiticeira para momentos mais marcantes da história, utiliza
exigir o fim de suas maldades contra a o filme em seu curso de ensinamentos
aldeia. Kiriku insiste em acompanhá-lo, mas sobre lendas africanas para que seus alunos
ele não permite a presença do sobrinho, que abordem questões sobre a própria
se esconde em seu chapéu. Disfarçado, Kiriku espiritualidade. O musical está em francês,
consegue salvar o tio de uma morte certa. O mas é imperdível!
pequeno guerreiro é movido pela curiosidade,
pela energia e deseja saber o motivo de tanta http://www.pordentrodaafrica.com/cultur
maldade. Em uma dessas tentativas, a bruxa a/kiriku-a-lenda-do-bebe-guerreiro-que-
salvou-a-aldeia-da-feiticeira

40
CINECLUBE VALE UM FILME
Pode me chamar de Nadí
14/01/2018 – 17

Complexada por seus cabelos crespos, a ajudá-la. Escreveu um roteiro para um curta
pequena Nadí não tira seu boné por nada! e apresentou à pequena, que meteu o pitaco e
Sabendo dessa fraqueza, dois colegas de sala deixou o filme a cara dela. A promessa já
tomam o boné de Nadí e correm, zombando de estava "meio" cumprida faltava agora só o
seus cabelos. Enquanto parte contra tudo e mais difícil, afinal do que adiantava um
contra todos em busca de recuperar seu roteiro de filme se o dito filme não fosse
boné, Nadi conhece a belíssima modelo Laila e parar na telona? E dois anos se passaram e
descobre, através de Laila, o poder da sua Nadí não parou de importunar o padrinho um
própria beleza. único instante. E muitos "nãos" Déo levou de
todos os lados até que na última hora do
Um belo dia o professor Déo último dia do prazo para inscrição em um
Cardoso encontrou sua afilhada Nadí concurso para produção de curtas do
chorando. Quando perguntou o que tinha governo do Estado do Ceará os ventos
acontecido ela respondeu que não aguentava mudaram para o professor. Para sua
mais ser chamada de "cabelo de surpresa (ele já não tinha esperança mesmo
bombril" pelos meninos da escola. Depois de que poderia cumprir sua promessa),
tanto tentar em vão convencê-la de que isso arrematou o primeiro lugar no concurso e
era besteira e que ela deveria deixar pra lá, utilizou todo o dinheiro do prêmio para
prometeu que faria alguma coisa para produzir o belíssimo "Pode me chamar de
41
CINECLUBE VALE UM FILME
Nadí", que é sem sombra de dúvida, um dos http://brunorodrigues6b.blogspot.com.br/2
filmes mais brilhantes e sensíveis que alguém 013/11/resumo-do-filme-pode-me-chamar-de-
já produziu sobre o tema da beleza negra. nadi.html

http://devehaveralgumlugar.blogspot.com.b
r/2012/11/voce-precisa-assistir-pode-me-
chamar-de.html

42
CINECLUBE VALE UM FILME
Cores e Botas
14/01/2018 – 18

Deslocamento no mundo caucasiano (Bruno Lourenço) fala: “Parece que vocês


não percebem. A gente não é assim”. E também
Dirigido por Juliana Vicente, “Cores e Botas” no momento em que o manobrista negro
— exibido no programa Mulheres Negras – (Regis Donizete da Silva) devolve as chaves
Identidade Polifônica — fala sobre uma para o pai de Joana (Luciano Quirino),
menina negra nos anos 1980 que deseja ser criando-se ali uma contradição.
paquita, porém naquela época não existiam
paquitas negras. A direção de arte dialoga bem com o
contexto visual do filme: a mansão com uma
Logo de início nos damos com o plano das cenografia típica de uma família burguesa, o
botas brancas de Joana (Jhenyfer Lauren), figurino com cores que conversam bem com os
que estabelece um contraponto com a pele da personagens, incluindo as botas de Joana,
personagem, enfatizando o assunto de que o que também fazem uma ponte com o contexto
filme trata. Apesar de a personagem ser visual já existente no curta, o de Xuxa e das
aparentemente de classe média alta, ela e sua paquitas, na década de 1980.
família se sentem deslocados ao se depararem
com o meio social majoritariamente O espelho tem a função de criar uma conexão
caucasiano. Isso se evidencia no restaurante com os pais da personagem (a mãe, Dani
a que eles vão quando o filho do casal Ornellas, e o pai, Luciano Quirino), servindo
43
CINECLUBE VALE UM FILME
de reflexão quando ambos vislumbram suas Xuxa e as paquitas representam sem sombra
imagens refletidas nele. Nessa sequência, de dúvida essa padronização, de acordo com
seria como se os personagens se visem ao a qual somente o semblante autêntico de
fundo através do espelho, dando-se enfim europeias era aprovado pelo júri. No filme,
conta da infeliz realidade racial. isso fica evidente quando Joana gera certa
estranheza em relação às outras crianças,
Quando a protagonista pega uma máquina pois esse tipo de pensamento racista é
fotográfica, seu olhar visualiza o objeto, a incutido em todos desde a formação.
perspectiva da câmera se torna subjetiva,
então, a fotografia em movimento passa a A reflexão que Juliana Vicente nos traz é de
falar por si só. O final confirma a ideia da que a população negra ainda é minoria no
protagonista, resolver trilhar outros que diz respeito à exposição de suas pautas e
caminhos ao invés de ser paquita, tanto que na resolução dos problemas que ainda
ela mesma fala de seu interesse repentino enfrentam na sociedade burguesa, porém essa
pela fotografia. minoria, reunida, ganha força e empatia das
pessoas que abraçam a causa. A história do
Existe o contexto étnico-social que aparenta filme é baseada em parte na trajetória de
ser tratado de modo sutil, mas é diretamente vida da diretora.
abordado. Desde a colonização do Brasil,
sabemos que o fenótipo europeu reinou na http://kinoforum.org.br/criticacurta/cores
mentalidade dos brasileiros. Foi aperfeiçoada -e-botas/
a ideia de uma padronização visual das
pessoas no Brasil, sendo até hoje mais
realçada a beleza europeia.

44
CINECLUBE VALE UM FILME
Menina bonita do laço de fita
14/01/2018 – 19

O livro Menina Bonita do Laço de Fita (2001), reforçando neles sentimentos dos valores
de Ana Maria Machado, conta a história de sociais.
uma menina negra e de um coelho branco que
sonha em ter uma filha bem pretinha tal qual A literatura infantil contemporânea
a menina. apresenta um texto aberto a múltiplas
leituras e é (provavelmente) por isso que a
No seu blog pessoal, Machado revela que o menina bonita do laço de fita gerou
livro não foi inspirado numa menina negra, discussões em que ora foi visto como aliado
mas na filha da escritora, que era bem na construção de uma sociedade de respeito à
branquinha. Tampouco a autora tinha a diferença, ora (visto) como aliado da
pretensão de colocar em evidência os parcela racista, acusado de fomentar o mito
problemas histórico-sociais do Brasil. da democracia racial através da positividade
Entretanto, na obra Literatura e Sociedade, da mestiçagem. Esse paradoxo ideológico,
Candido (2000, p.20) revela que A arte é talvez, possa começar a ser entendido se
social nos dois sentidos: depende da ação de levarmos em conta o que Munanga (2004, p.
fatores do meio, que se exprimem na obra em 29) diz: O racismo hoje praticado nas
graus diversos de sublimação; e produz sobre sociedades contemporâneas não precisa mais
os indivíduos um efeito prático, modificando do conceito de raça ou da variante
a sua conduta e concepção do mundo, ou biológica, ele se reformula com base nos
45
CINECLUBE VALE UM FILME
conceitos de etnia, diferença cultural ou individualidade ou de uma coletividade
identidade cultural, mas as vítimas de hoje pressupõe a noção de alteridade. É a partir
são as mesmas de ontem e as raças de ontem do contato com o outro que se constitui a
são as etnias de hoje. identidade.

O que mudou na realidade são os termos ou Para melhor entender como essas relações
conceitos, mas o esquema ideológico que étnico-raciais, relações de gênero e de classe,
subentende a dominação e a exclusão ficou representadas pelos personagens (coelho –
intato. É por isso que os conceitos de etnia, menina – mãe da menina) se constituem
identidade étnica ou cultural são de uso elementos essenciais para se pensar na
agradável para todos: racistas e ante- construção de uma nova identidade étnico-
racistas. A compreensão de como se dá a cultural, este estudo divide-se em três temas:
representação da diferença no texto de Ana Racismo e etnias, Gênero e miscigenação e O
Maria Machado perpassa as abordagens, nos cômico em Menina bonita do laço de fita.
estudos atuais, sobre a identidade e a
identificação. Nesse sentido, a análise de uma https://periodicos.utfpr.edu.br/rl/article/vi
ewFile/5056/3729

46
CINECLUBE VALE UM FILME
Vista Minha Pele
14/01/2018 – 20

Trata-se de uma paródia da realidade Maria quer ser Miss Festa Junina da escola,
brasileira, para servir de material básico mas isso requer um esforço enorme, que vai
para discussão sobre racismo e preconceito desde a predominância da supremacia racial
em sala-de-aula. Nessa história invertida, negra (a mídia só apresenta modelos negros
onde os negros são a classe dominante e os como sinônimo de beleza), a resistência de
brancos foram escravizados. Os países pobres seus pais, a aversão dos colegas e a
são, por exemplo, Alemanha e Inglaterra, e dificuldade em vender os bilhetes para seus
os países ricos são, por exemplo, África do conhecidos, em sua maioria muito pobres.
Sul e Moçambique. Maria tem em Luana uma forte aliada e as
duas vão se envolver numa série de
Maria, é uma menina branca pobre, que aventuras para alcançar seus objetivos.
estuda num colégio particular graças à
bolsa-de-estudos que tem pelo fato de sua Vencer ou não o Concurso não é o principal
mãe ser faxineira nesta escola. A maioria de foco do vídeo, mas sim a disposição de Maria
seus colegas a hostilizam, por sua cor e por em enfrentar essa situação. Ao final ela
sua condição social, com exceção de sua descobre que, quanto mais confia em si
amiga Luana, filha de um diplomata que, por mesma, mais possibilidades ela tinha de
ter morado em países pobres, possui uma convencer outros de sua chance de vencer.
visão mais abrangente da realidade.
47
CINECLUBE VALE UM FILME
CURIOSIDADES – O filme pretende colaborar com a
discussão sobre discriminação no Brasil
– O filme é patrocinado pelo CEERT Centro de através de um produto atraente, com
Estudos das Relações de Trabalho e linguagem ágil e atores conhecidos do
Desigualdades, uma organização sem fins público alvo – adolescentes na faixa de 12 a
lucrativos, criada em 1990 com o objetivo de 16 anos.
conjugar a produção de conhecimento e
programas de intervenção na problemática https://cinemahistoriaeducacao.wordpress.c
das desigualdades. om/cinema-e-historia/historia-da-
africa/vista-minha-pele/

48
CINECLUBE VALE UM FILME
Transformers: O Último Cavaleiro
17/01/2018 – 21

Humanos e transformers estão em guerra. série televisiva de animação sobre seres


Optimus Prime, o líder supremo dos pacíficos robóticos de um planeta distante
autobots, os "robots" que tantas vezes (Cybertron) com a particularidade de se
lutaram pela salvação do mundo, partiu transformarem em automóveis e outros
numa importantíssima missão: encontrar os aparelhos. Tal como nos capítulos
quintessons, os responsáveis pela criação da anteriores, a realização está entregue a
sua espécie. Enquanto isso, uma nova ameaça Michael Bay; Steven Spielberg continua na
chegou à Terra, decidida a extinguir a equipa de produtores executivos. Mark
Humanidade e dominar o universo. E desta vez Wahlberg, Stanley Tucci, Anthony Hopkins,
a batalha é de tal magnitude que nada Josh Duhamel, Laura Haddock e Isabela
parece ser suficiente para a travar… Moner integram o elenco.

Rico em cenas de acção e efeitos especiais, https://cinecartaz.publico.pt/Mobile/Filmes/I


"Transformers: O Último Cavaleiro" é o ndex/373588
quinto capítulo da saga cinematográfica
baseada na linha de bonecos da Hasbro que
inspirou, durante os anos 1980, uma célebre

49
CINECLUBE VALE UM FILME
A menina e o gigante
17/01/2018- 22

Parece que estamos a um passo de produzir No primeiro dia no Youtube já obteve mais de
filmes recheados de efeitos especiais e de alta 200 mil acessos. Quase 5 dias depois chegou a
qualidade, sem nada a ficar dever para mais de 1 milhão de acesso. Ademir Di Paula, o
indústria de Hollywood. então desconhecido virou a nova aposta
para o cinema Brasileiro.
Foi oque nos mostrou o diretor Ademir Di
Paula que causou a maior esplosão na O assunto é destaque nos principais blogs,
internet depois de produzir alguns curta sites, jornais, tv e imprensa em geral,
metragens usando apenas seu computador. principalmente pela qualidade que lembra
grandes produções americanas.
Em apenas 10 dias ele produziu efeitos
especiais que nem ao longo dos últimos 20 Ademir chegou a falar em um Blog que seu
anos de nosso cinema brasileiro ainda foi único gasto foi R$ 100,00,cerca e que deve ter
visto. sido por causa das xícaras de café e da
energia elétrica que gastou.
O curta chamado A MENINA E O GIGANTE virou
febre na internet entre diversos tipos de https://dimensaosobrenatural.blogspot.com/
públicos e isso não foi só no Brasil, 2011/11/a-menina-e-o-gigante.html
conquistou também os americanos, méxico
entre outros países.
50
CINECLUBE VALE UM FILME
Diários de motocicleta
24/01/2017 – 23

Filmes que inspiram: Diários de Motocicleta a seguir viagem através de caronas e


caminhadas, sempre conhecendo novos
Uma história emocionante sobre dois amigos lugares. Porém, quando chegam a Machu
que viajam pela América do Sul para ajudar Picchu, a dupla conhece uma colônia de
e descobrir pessoas, mundos e condições leprosos e passam a questionar a validade do
diferentes. Diário de Motocicleta é um ótimo progresso econômico da região, que
exemplo de filme para motivar nossas privilegia apenas uma pequena parte da
competências. O longa é dirigido por Walter população.
Salles e foi ganhador do Oscar de melhor
tema original em 2005, com “Al outro lado A história é uma injeção de motivação e um
del río” de Jorge Drexler. incentivo para os profissionais que estejam
buscando uma motivação intrapessoal, ou
O filme conta a história de Che Guevara (Gael seja, para aqueles que queiram se descobrir
García Bernal), um jovem estudante de ou viver novos desafios.
Medicina que, em 1952, decide viajar pela
América do Sul com seu amigo Alberto Além disso, o filme é um apanhado de
Granado (Rodrigo de la Serna). A viagem é competências tanto de Che como de Granado,
realizada em uma moto, que acaba que vão a cada vilarejo descobrindo uma
quebrando após oito meses. Eles então passam
51
CINECLUBE VALE UM FILME
América tão maravilhosa e, ao mesmo tempo, Existem atitudes que favorecem a expressão
tão separada e cheia de mazelas. da competência como: autoconfiança,
autenticidade, empatia, ética, flexibilidade,
Com a moto eles percorrem trechos onde humildade, persistência, resiliência e
passam por apuros e muitas risadas sensibilidade. O filme explora todas estas
acontecem, no entanto, o longa encanta em atitudes e é uma forma diferente de se
sua simplicidade, musicalidade e mensagem. conhecer um ícone tão importante na
Dentro das empresas, devemos expor nossas história das revoluções sociais e entender de
competências explorando nossas habilidades onde veio as inspirações dele para a luta
e focando sempre no bem do próximo. Por socialista na América.
mais que as metas e as cobranças sejam
incisivas e, muitas vezes, feitas de formas https://www.catho.com.br/carreira-
rudes ou com prazos curtos, devemos sucesso/carreira/dicas-emprego/filmes-que-
explorar nosso lado humano. inspiram-diarios-de-motocicleta/

52
CINECLUBE VALE UM FILME
um lugar ao sol
24/01/2017 – 24

Um Lugar ao Sol, de Gabriel Mascaro, e aparentemente contrária à intenção que a


algumas questões de classe. gerou poder ser adequada a essa mesma
intenção.” (Vladimir Safatle em Cinismo e
Embora pouco se fale dela hoje em dia, a luta
Falência da Crítica), temos como que selada a
de classes permanece a tal ponto arraigada
inter-relação entre quadro econômico-
em nossa vivência social que seguimos nos
social, postura crítica, proposição artística
relacionando com o mundo através deste viés
e... o conceito de paradoxo.
sem nem mesmo perceber. Quando Cleber
Eduardo (crítico e curador da Mostra de E talvez o grande paradoxo que alimenta
Tiradentes) abre o texto do catálogo da Tiradentes é o fato de que a promoção do
mostra com estas citações: “O Brasil do novo, ou pouco visto, acompanhada da
século XXI é um país novo-rico e proposta de debate crítico sistemático, ao
conservador” (Luiz Carlos Oliveira Jr. em “A mesmo tempo em que abre as portas para o
Mitologia e a Realidade do Cinema que há de mais livre e ousado em termos de
Brasileiro”, publicado aqui na Contracampo) forma e pensamento cinematográficos, mina
e “O paradoxo deriva de uma concretização em grande parte a postura crítica e o

53
CINECLUBE VALE UM FILME
embate. Como uma estufa para o cultivo do contemplativa – ah, sempre ela! – passam a
porvir, a mostra pode estar promovendo uma incitar a mais profunda desconfiança por
retro-alimentação estético-formal do “novo parte do olhar exigente. Pois, na maior parte
cinema brasileiro”. Aqui, realizadores das vezes, o conceito que amarraria tais
consomem avidamente os filmes uns dos manifestações de superfície a uma real
outros através do filtro da crítica concepção artística é frouxo ou inexistente.
especializada, envoltos pela anuência de uma
Seriam estes os novos-ricos do cinema
curadoria carinhosa com os filmes, atenta ao
brasileiro? O pretenso reverso do
risco e a iniciativas arrojadas e propostas
conservadorismo cinematográfico se
difíceis, em suma, uma curadoria preocupada
tornando tão afeito à falta de movimento e
também em deixar sua marca autoral. Desta
encontrando a paralisia que os assegura um
forma, a todos é garantida a chancela da
lugar tranqüilo em meio aos “escolhidos”,
relevância dentro de um cenário cada vez
qualquer confronto de fato passa a ser visto
mais plural e caótico – uma vez que a
com maus olhos.
produção só aumenta. Todos são parte de um
mesmo conjunto seleto, em que apenas as ***
questões serão discutidas e debatidas, pois a
tomada de posição faria parte de um E como esta elite cinematográfica, seleta,
momento anterior e se encontraria embutida quase clandestina (uma vez que há no mundo
na própria seleção do filme. lá fora, a real elite do cinema brasileiro,
aquela que controla em alguma medida os
Em meio a esta elite artística, como em meios de produção e distribuição) lida com as
qualquer elite, a condescendência é grande. questões de classe socioeconômica? Na maior
Portanto, esgarçamentos estéticos sem parte das vezes, as vozes têm sua procedência
propósitos claros ou experimentações na classe média intelectualizada e para ela se
autoindulgentes e inconsequentes circulam endereçam. Neste aspecto podemos dizer que
com aceitação quase inconteste. Rumo a um esta produção em sua maioria se afasta das
anunciado novo academicismo, planos fixos, duas correntes dominantes do nosso cinema
tempos estendidos e a observação recente: os dramas relacionados ao que

54
CINECLUBE VALE UM FILME
Cleber Eduardo chamou, no já citado texto como uma série de depoimentos confessionais,
de abertura do catálogo da mostra, de do ponto de vista de um observador atento e
“déficit social urbano” e as comédias de eventualmente sarcástico. Ouvir o lado
costumes que, a exemplo das telenovelas, são oposto ao dos desprivilegiados, que por
ambientadas numa classe média alta que decreto sempre recebem o mais generoso dos
configura muito propriamente nossa elite olhares, é tarefa difícil. Uma vez que a
econômica. Nas franjas do sistema produtivo delicadeza e a sensibilidade tornaram-se
e exibidor e no centro da consciência da moeda corrente – e a montagem de atrações
realização do “bom cinema”, esta elite destituída de prestígio – o julgamento de
cinematográfica está situada num certo valor do discurso de um personagem de
limbo, numa permissividade compartilhada documentário passou a ser operação
que a isenta de grandes responsabilidades, proibida. Pois cada personagem deve ser
uma vez que a suavidade da forma ameniza obrigatoriamente tratado em sua expressão
também o confronto direto com o mundo. de singularidade – mesmo que esta seja
irrelevante no contexto – e nunca como face
Por estes motivos, talvez o filme mais
visível de uma realidade maior, como
instigante a ser exibido aqui seja Um Lugar ao
metonímia palpável de um tecido social muito
Sol, de Gabriel Mascaro. Expondo uma elite de
mais amplo.
alto poder aquisitivo por meio de seus
discursos sobre si – e, fatalmente, sobre a O deleite da revelação, da descoberta das
fratura social urbana – e alternando nuances de um pensamento disseminado,
imagens de depoimentos e de observação dos embora desconhecido e misterioso para quem
espaços, o filme entabula um discurso não o compartilha, nunca é, no entanto,
direcionado, a partir do limbo mencionado desacompanhado de um desconforto. Pois a
acima, como se desejasse criar uma ponte reafirmação de uma opinião prévia ronda o
concreta entre as tais duas tendências resultado final como um mau agouro. O
dominantes. Sem narrador e com as inimigo foi eleito, mas o posicionamento não é
perguntas de Mascaro raramente aquele facilmente condenável de um Michael
presentes, Um Lugar ao Sol se descortina Moore, tampouco o de Cidadão Boilesen, cuja

55
CINECLUBE VALE UM FILME
“elegância” em se ater aos fatos, expostos em efetivamente à opulência do lado oposto é
sua maioria por imagens de arquivo, gera a pouco. Seria talvez preciso encarar
aura santa da “não inferência” do diretor. expressamente o fato de que o conflito de
Apesar de revelador de uma discursividade, classes tem estado mascarado pela
de enunciações de classe que ele faz ouvir, Um amplamente aceita lisura do “bom olhar”.
Lugar ao Sol não possui um olhar generoso Sair do limbo e correr o risco de atentar
nem ousa assumir seu lugar de enunciação, também contra a elite do “bom cinema”.
recaindo na lógica do paradoxo. A
Tatiana Monassa
constatação é de que a existência dos
desprivilegiados que dominam o cinema http://www.contracampo.com.br/94/pgtira
documental brasileiro recente corresponde dentes03.htm

56
CINECLUBE VALE UM FILME
A Bailarina
01/02/2018 – 25

França, século 19. Fim do século 19. "Belle social; total. Victor, o amigo de Félicie que
Époque". Situar A Bailarina em tempo e constrói geringonças voadoras para auxiliá-
espaço quase que prioritariamente, como la nas fugas, é, inteligentemente, um
tantas sinopses do filme internet afora, vai inventor. Desse modo, o menino que vem a ser
bem além da contextualização pura e simples. funcionário de Gustave Eiffel personifica,
É a síntese de seu principal elemento, do que com singeleza, o marco do progresso
caracteriza a animação de Eric Summer e Éric tecnológico no mundo moderno que foi a
Warin como uma produção particular na Belle Époque, revolucionando a comunicação
indústria e faz até suas limitações visuais e os transportes, impulsionando a
serem distintivas em relação às principais arquitetura e as artes.
obras do gênero, dominado comercialmente
pelos estúdios Disney e Pixar. A cereja do Assim, se a Estátua da Liberdade prestes a ser
bolo. presenteada aos Estados Unidos e uma Torre
Eiffel em construção representam um período
Sob o olhar fascinado de Félicie Milliner, a histórico e também funcionam como ótimos
menina órfã que sonha em se tornar cenários de ação dos protagonistas, as cenas
bailarina, conhecemos a Paris de 1880: uma externas da Cidade Luz remontam sutilmente
cidade ainda vazia, porém efervescente, em à pintura impressionista. Até a definição da
plena transformação — urbana, cultural, animação franco-canadense, sem o grau de
57
CINECLUBE VALE UM FILME
nitidez das produções multimilionárias de mais fáceis, de reviravoltas inconvincentes,
Hollywood, mostra-se eficiente, pois realça de lições de moral pouco inspiradas. Outro
as características do célebre movimento subgênero marcante, o humor pastelão
artístico dessa bela época. (slapstick) até confere carisma aos
personagens, que são bobos, mas condizentes
Diante de tal capacidade de encontrar boas com a ingenuidade e ternura que permeiam o
resoluções visuais e narrativas para emular longa animado.
um tempo e seus ícones, é frustrante que a
trama de A Bailarina seja tão simplória. A A Bailarina encontra um equilíbrio entre
história de superação de Félicie segue o esses rompantes de criatividade e preguiça
modelo mais formulaico possível: para dos realizadores em suas músicas e
conseguir o papel de Clara na ópera O coreografias — que, se não contêm o caráter
Quebra-Nozes, ela terá de bater suas revolucionário da Belle Époque, são
concorrentes uma a uma num processo de moldadas à feição do amor ingênuo de Félicie
eliminação tão previsível quanto enfadonho. pelo balé.
A mesma falta de inventividade se aplica ao
melodrama do filme, a serviço das resoluções http://www.adorocinema.com/filmes/filme-
232143/criticas-adorocinema/

58
CINECLUBE VALE UM FILME
Thor Ragnarok
25/02/2018 – 26

De todos os filmes do MCU, os filmes do Thor mais claro e colorido, o que podemos
são os mais flopadinhos. Seus arcos são perceber logo pelos posters e trailer.
histórias bem interessantes, mas infelizmente
seus filmes não fazem tanto jus. Eu queria Outra mudança bem radical foi o humor da
saber como iriam adaptar o Ragnarok nos história. Eu vi que muita gente não curtiu
cinemas, já que nas HQs ele acontece antes da muito esse tom de Guardiões da Galáxia no
Guerra Civil. Por isso, fui sem expectativa e filme, mas eu curti bastante. Confesso que
acabei me divertindo bastante com o filme do fiquei com medo de sair algo parecido como
herói asgardiano. Homem de Ferro 3, que vendeu uma coisa e
apareceu algo completamente diferente.
Eu tinha certeza que depois nada poderia ser
pior que O Mundo Sombrio. Parece que toda a Não é segredo pra ninguém que eu sou uma
galera teve um brainstorming para a pessoa que adora um efeito especial. O filme
criação de Thor e praticamente tudo foi pode ter uma história bosta, mas se tiver
mudado. Começando pela fotografia. Algo bons efeitos, eu saio até que satisfeita da sala
que me estressava bastante era como os de cinema. Com Thor não foi diferente. Como
filmes do Thor (principalmente Mundo sempre, a Marvel não deixa a desejar nos
Sombrio) tinham uma fotografia escura e só seus efeitos e eu nem piscava em cenas assim.
piorava com o 3D. Em Thor Ragnarok, tudo é
59
CINECLUBE VALE UM FILME
As cenas das batalhas em Asgard me deixaram As mulheres roubam todas as cenas que
de olhinhos brilhando. aparecem. Cate Blanchett estava
maravilhosa de Hela. Apesar de achar que
Sobre as atuações, não tenho muito a que ela apareceu bem pouco em tela, sendo que é
reclamar. Creio que a Mi (O que tem na nossa a vilã do filme, adorei todas suas aparições.
estante) comentou comigo que Chris mozão Tessa Thompson (Valquíria) também não ficou
Hemsworth estava mais relaxado no papel de atrás no quesito dona da bagaça toda.
Thor e eu super concordo. Não sei se o tom do
filme colaborou, mas ele pareceu menos Só houve uma decepção na história toda: as
travado. cenas pós-créditos. OK que a primeira até que
tem relação com Guerra Infinita, mas a
De início achei estranho Loki (Tom segunda fez eu me arrepender amargamente
Hiddleston) sem aquele ar de emo gótico de ter ficado na sala de cinema.
raivoso, porém creio que a interpretação do
personagem desse filme foi a que chegou mais Depois de três filmes, ouso dizer que Thor
perto da essência do personagem nas HQs. Ragnarok é o melhor deles. Provavelmente
Hulk (Mark Ruffalo) também foi um não vai ser o filme MCU favorito de muita
personagem que me surpreendeu. Fiquei gente, mas é bom pra se divertir.
pensando como fariam ele funcionar com
Thor, mas no final foi uma boa junção. https://balaiodebabados.blogspot.com/2017/
11/filme-27-thor-ragnarok.html

60
CINECLUBE VALE UM FILME
A Lenda do dia e da noite
25/02/2018 – 27

O povo indígena Karajá, que vive na ilha do Histórico e Artístico Nacional (Iphan) o
Bananal e nas margens dos rios Araguaia e título de patrimônio cultural nacional.
Javaés, no Brasil Central, passa de pai pra
filho e de filho pra neto a lenda de que a Em 40 páginas com ilustrações do próprio
noite vivia prisioneira dentro de um coco, no autor do texto, o carioca Rui de Oliveira, o
mais fundo dos rios, guardado por uma livro narra a lenda de que no princípio do
cobra. mundo apenas o sol brilhava solitário e os
animais não conseguiam dormir. Entre os
Um dia, o índio Aruanã decide partir em indígenas Karajá se dizia que a noite vivia
busca da noite, mas sua curiosidade quase prisioneira dentro de um coco de tucumã,
põe tudo a perder. guardado no mais fundo dos rios pela
Boiuna, a Grande Serpente. Aruanã, marido
O livro é a versão do desenho animado A de Tuilá, filha da Boiuna, decide partir em
lenda do dia e da noite, que foi premiado no busca da noite, em uma longa viagem rumo ao
Concurso Nacional de Roteiros da Secretaria desconhecido.
do Audiovisual do Ministério da Cultura. O
traço dos personagens principais foi O autor já ganhou quatro prêmios Jabuti
inspirado nas bonecas dos índios Karajá, que como ilustrador, o Prêmio ABL de Literatura
receberam do Instituto do Patrimônio Infantojuvenil pelo seu livro “Cartas
61
CINECLUBE VALE UM FILME
lunares” e foi indicado ao Prêmio Hans da Escola de Belas Artes da Universidade
Christian Andersen. Já fez seis filmes de Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Ilustrou
animação. Ele é doutor em Artes Visuais pela mais de 100 livros e projetou cerca de 400
Escola de Comunicação e Artes (ECA) da capas.
Universidade de São Paulo (USP), foi diretor
da Rede Globo e da TV Educativa e professor https://avosidade.com.br/a-lenda-do-dia-e-
da-noite/

62
CINECLUBE VALE UM FILME
Viva a vida é uma festa
10/03/2018 – 28

Fica até meio repetitivo, mas quando a Pixar triste, pelo contrário é um olhar delicado e
acerta a mão, em geral ela realiza amoroso sobre a memória afetiva que todos
verdadeiras obras-primas da animação, e carregam. O roteiro ainda encontra espaço
felizmente, Viva – A Vida é uma Festa é mais para colocar em pauta o respeito pelas
um acerto do estúdio. diferenças.

No filme, Miguel é um garoto de 12 anos que O mais interessante é que o andamento do


sonha em se tornar um musico famoso, mas arco dramático nunca segue o caminho fácil
não encontra apoio da família devido a um e previsível, a todo momento a trama segue
acontecimento do passado. Determinado a para um caminho diferente do esperado para
mudar essa história, o menino acaba um produto direcionado ao público infantil
desencadeando uma série acontecimentos em (extremamente corajoso).
pleno feriado mexicano do Dia dos Mortos.
A construção dos personagens é outro
O roteiro de Adrian Molina (Universidade destaque do longa, em diálogos bem escritos,
Monstros) é brilhante, primeiro porque a personalidade de cada membro da família é
exalta a cultura mexicana sem estereotipa- desenhado de forma muito clara para o
la, segundo porque consegue falar de morte espectador. O carisma e o trejeitos próprios
sem transformar o enredo em algo pesado e logo causa empatia com a plateia, e esse
63
CINECLUBE VALE UM FILME
cuidado é realizado para todos os gosta de se emocionar e se encantar por uma
personagens dos protagonistas aos linda história.
coadjuvantes.
Vale ressaltar que mesmo a animação
Tecnicamente o filme é impecável, o designer tratando de um tema religioso, espiritual, em
dos personagens e dos cenários são nenhum momento a história busca mostrar
deslumbrantes, o uso do som e a iluminação igrejas e elementos sacros, as músicas e a
acontece de forma precisa, a trilha sonora poesia presente na trama é a responsável por
surge sempre para guinar a narrativa a apresentar ao mundo a cultura popular dos
frente, sem contar a montagem que é ágil e mexicanos.
delicada, já que o filme tem a presença do
silencio cirurgicamente pensado na história, Dessa forma concluímos que, “Viva – A Vida é
e esses são os que mais tocam a plateia. uma Festa” é mais uma obra-prima
emocionante da Pixar.
O filme não é nada original no que tange o
arco dramático do protagonista, mas a http://www.ccine10.com.br/viva-a-vida-e-
forma poética e sem estereótipos com que os uma-festa-critica/
diretores levam a trama acaba fazendo dessa
aventura musical um presente para quem

64
CINECLUBE VALE UM FILME
A vida de Maria
10/03/2018 – 29

“Vida Maria” é um curta-metragem em 3D, interrompida, muitas vezes para ajudar a


lançado no ano de 2006, produzido pelo família a sobreviver, infância essa resumida
animador gráfico Márcio Ramos. a poucos recursos e a más condições de vida.

O filme nos mostra a história da rotina da A Maria do filme mostra satisfação em apenas
personagem “Maria José”, uma menina de escrever seu primeiro nome, o momento em
cinco anos de idade que se diverte que sua mãe lhe chama a atenção dizendo:
aprendendo a escrever o nome, mas que é “Não perca tempo “desenhando” seu nome!”,
obrigada pela mãe a abandonar os estudos e é tirado o seu futuro de ser uma pessoa
começar a cuidar dos afazeres domésticos e diferente de sua mãe, que não tem uma visão
trabalhar na roça. Enquanto trabalha ela do futuro, querendo dar à filha a mesma
cresce, casa e tem filhos e depois envelhece e criação que teve num processo de
o ciclo continua a se reproduzir nas outras reprodução sem mudanças de suas
Marias suas filhas, netas e bisnetas. perspectivas por comodismo.

São apresentadas no filme imagens que O filme retratou como o indivíduo em


mostram uma semelhança muito grande com a formação internaliza os eventos e as
realidade, traços bem parecidos com o real experiências vividas na infância e como são
onde vemos crianças que tem sua infância determinantes para formação daquela pessoa
65
CINECLUBE VALE UM FILME
na vida adulta. No filme a menina Maria foi mulheres enfrentam durante toda a sua vida,
arrancada do seu mundo lúdico, quando sua se repetindo por diversas gerações. Mais que
mãe a repreende por estar escrevendo, ela isso, “Vida Maria” ultrapassa os limites do
corta da vida da filha os sonhos, os sertão nordestino, aproxima-se também das
objetivos de uma vida melhor. mulheres pobres urbanas, que da mesma
forma que “Maria José” vivem a mercê do
A mãe da personagem vive aquela vida sem marido, cuidando da casa e dos filhos.
perspectiva por que foi isto que aprendeu e
da mesma forma ensina a filha Maria e esta Vida Maria revela o quanto é difícil ser
reproduz para seus filhos, que também foram protagonista da própria vida sem que haja
estimulados a deixar de sonhar e de brincar. um estímulo externo quando se trata de
A ausência da educação nas gerações mostra figuras que consideramos autoridade sobre
como na infância é importante o lúdico e a nós, nos nossos primeiros anos de vida como
escola. nossos pais. Nas muitas discussões sobre
gênero e sexualidade à mulher,
O objetivo do filme é mostrar que essa principalmente nordestina, viveu e ainda vive
realidade existe e que a vivenciamos no dia a em uma cultura alicerçada em que a mesma
dia e que devemos tentar procurar construir nasceu para cuidar da casa e dos filhos, e ao
um futuro melhor buscando qualidade de mesmo tempo surpreende a força e
vida e não se acomodar, mais sim refletir determinação destas mulheres que são
sobre as condições de vida que estamos vitoriosas.
construindo e que devemos provocar e
forçar uma mudança de atitude denunciando Quantas Marias nós temos em nossas escolas,
a ausência de escolarização e as condições algumas no papel de mães e a maioria no
precárias de vida de várias gerações nesse papel de filhas. O filme retrata a vida de
nosso Brasil, principalmente no nordeste. muitas Marias que ficam condicionadas, as
situações às quais se acomodaram
O filme explora as limitações e a falta de desgastadas por falta de possibilidades, sem
perspectiva de “Maria José” que é apenas coragem deixam seus sonhos perderem-se no
mais uma Maria que deixou de lado os estudos tempo e acabam perdendo a oportunidade da
e se dedicou a casa, ao marido e aos filhos, construção do seu "eu", talvez até imposta
vivendo em estado de autoanulação, onde sua pela própria sociedade que mantém uma
vontade e seus sonhos não ultrapassam a hierarquia de valores que não se abre para a
cerca da casa onde vive, é o que essas transformação.
66
CINECLUBE VALE UM FILME
O filme expressa mais que uma realidade É preciso preparar o planejamento,
material a sua concepção cultural, e suas acompanhar e revisar para que aja
crenças a partir da educação descendente. A transformação da estrutura a partir do que
partir dele pode-se constatar o quanto a existe, do possível, do oportuno, incluindo
mulher tem sido ferida em sua subjetividade, todas as possibilidades da realidade existente
ficando notório o que vem acontecendo há e da realidade desejada, para que ocorra
séculos: preconceitos, estigma, rótulos, mudança no modo de vida de sociedades que
estereótipos, exclusão social, indiferença. insistem em reproduzir uma estrutura na
Como mudar isso, esse é um grande dilema no qual estão condenados ao comodismo pela
Brasil, como alterar os valores que relação causa-efeito, objetivando mudança
“funcionam” bem numa vida dura e pobre. de suas perspectivas de vida para que possa
Está na educação, talvez, mas educar o quê, sanar essa reprodução de valores
Português, matemática, física, química,…? ultrapassados.
Será isso o necessário e fundamental para
alteração cultural da vida de Maria? Não, Esse filme é excelente para conscientizar os
isso, na verdade, passa ao longe. jovens de que eles não precisam repetir a
história de seus antepassados, eles precisam
Contudo, sua mensagem ficou clara de que há renovar suas vidas. Remete-nos a pensar o
solução para este problema, o acesso a uma que fazemos ou podemos fazer para
educação de qualidade e às políticas contribuir na quebra de ciclos de "Marias"
públicas. É necessária uma educação que se perpetuam pelo Brasil a fora, o país
diferenciada, a questão parece óbvia, o precisa de oportunidades e não de caridades.
difícil é a prática. Escolas que formem
cidadãos, que desenvolvam discernimento https://www.portaleducacao.com.br/conteu
crítico. Núcleos de discussões e estudos sobre do/artigos/cotidiano/sintese-do-filme-
o próprio meio de vida, onde famílias podem %22vida-maria%22-com-o-%22planejamento-
se compreender melhor e sejam orientadas ao educacional%22/48818
planejamento familiar, ao direito das
crianças e adolescentes e também sobre a
situação econômica do país.

67
CINECLUBE VALE UM FILME
Jumanji: Bem-vindo à Selva
24/03/2018 – 30

O que explica o fenômeno de “Jumanji: Bem- dias antes, e algo pressionado por uma
vindo à Selva”? temporada de sagas encalhadas na largada
(“Baywatch”, “A Múmia”, “Rei Arthur”, “A
Dentro do atual contexto das franquias de Torre Negra”) e em crise (“Alien”, “Carros”,
Hollywood, no qual a Disney é cada vez mais “Piratas do Caribe”, “Transformers”).
dominante, “Jumanji: Bem-vindo à Selva”
parecia um projeto fadado ao fracasso. Uma Que tal atualizar o jogo de tabuleiro para o
sequência com pinta de reboot de “Jumanji” mundo dos videogames com Jack Black
(1995), querido filme de fantasia estrelado (recentemente lembrado por dublar “Kung
por Robin Williams (morto em 2014) sobre um Fu Panda”), Dwayne Johnson, o The Rock, e
jogo de tabuleiro que aprisiona seus Kevin Hart (dupla que mostrou química
participantes em seu mundo mágico. cômica em “Um Espião e Meio”), Karen Gillan
(recentemente vista em “Guardiões da
As credenciais da continuação eram Galáxia Vol. 2”) e o diretor Jake Kasdan, das
inegavelmente simpáticas, mas não esquecíveis comédias “Sex Tape” (2014) e
representavam tiro certo. O longa chegou ao “Professora Sem Classe” (2011)?
Brasil na primeira semana de janeiro,
estreou nos Estados Unidos sob a sombra de Pois o novo “Jumanji”, obviamente
“Star Wars: Os Últimos Jedi”, lançado poucos beneficiado pelo período de férias, soube
68
CINECLUBE VALE UM FILME
equilibrar nostalgia (há referência a Alan por exemplo, a do último filme da Pixar,
Parrish, personagem de Williams que ficou “Viva: A Vida É uma Festa” (US$ 626 milhões).
mais de duas décadas preso no jogo) e Mesmo com Batman, Superman e Mulher-
novidade. A crítica, ainda influente na Maravilha reunidos para defender o planeta
guerra entre estúdios pela atenção das (e, quem sabe, salvar o universo DC nos
plateias, avaliou o filme de razoável para cinemas), “Liga da Justiça” fez menos
bom, o suficiente para não repelir o grande dinheiro – meros US$ 655 milhões.
público.
No Brasil, terra em que as bilheterias sempre
Novo “Jumanji”: sucesso lá fora e no Brasil se comportam de maneira imprevisível –
“Extraordinário” atrai mais gente do que
“Bem-vindo à Selva” custou US$ 90 milhões, “Star Wars: Os Últimos Jedi” –, “Jumanji”
orçamento nada arriscado para a atual também reina.
carga de investimento exigida pela média dos
blockbusters – qualquer filme de super-herói Estreou na primeira quinta-feira de 2018 e
por aí não sai do papel por menos de US$ 140 ocupou a primeira posição nas duas
milhões. primeiras semanas do ano: público perto de
2,7 milhões de pessoas e renda acumulada de
O primeiro “Jumanji” consumiu US$ 65 milhões R$ 43,6 milhões (dados coletados pela
e terminou 1995 como a décima produção mais comScore até 14/1).
lucrativa em ano (US$ 262 milhões, sem
considerar ajuste de inflação) liderado por https://www.metropoles.com/colunas-
“Toy Story” (US$ 373 milhões). blogs/spoilers/o-que-explica-o-fenomeno-de-
jumanji-bem-vindo-a-selva
Até 16 de janeiro, a bilheteria de “Bem-vindo
à Selva” registra US$ 676 milhões, superando,

69
CINECLUBE VALE UM FILME
O Lobo Guará, o símbolo do cerrado
24/03/2017 – 31

Guará: o grande lobo do cerrado mais de dois meses, nascem em média dois
filhotes.
Parente dos lobos selvagens e dos cachorros
domésticos, o lobo-guará (Chrysocyon Apesar do porte imponente e da alcunha de
brachyurus) é um animal típico do Cerrado e “lobo”, é tímido, solitário e praticamente
maior canídeo da América do Sul, podendo inofensivo, preferindo manter distância de
atingir até um metro de altura e pesar 30 populações humanas. Usa suas presas para se
quilos. Além do Brasil, pode ser encontrado alimentar de pequenos animais, como
em regiões da Argentina, Bolívia, Paraguai, roedores, tatus e perdizes, além de frutos
Peru e Uruguai. variados do Cerrado, como o araticum e a
lobeira (Solanum lycocarpum), alimento
Altivo, esguio e elegante, também é conhecido muito consumido pelo guará.
como lobo-de-crina, lobo-vermelho, aguará,
aguaraçu e jaguaperi, todos nomes É avistado normalmente circulando por
atrelados a sua bela pelagem laranja- grandes campos nos fins de tardes e durante
avermelhada, que o torna um dos mais belos as noites. Nessa rotina, costuma cruzar
animais brasileiros. Na natureza, vive cerca estradas onde muitas vezes é atropelado. A
de 15 anos. A cada gestação, que dura pouco ampla fragmentação dos remanescentes de
Cerrado faz com que animais tenham que
70
CINECLUBE VALE UM FILME
deixar refúgios de matas para se alimentar e de Brasília e Fazenda Água Limpa da
reproduzir, tornando-se vítimas de Universidade de Brasília). Desse total, 26%
automóveis e caçadores, por exemplo. eram animais domésticos, e 104 espécimes
silvestres - 43,3% de aves, 33,7% de répteis e
Entre fevereiro e junho deste ano, um 23% de mamíferos, incluindo lobos-guará,
projeto do Instituto Brasília Ambiental espécie mundialmente reconhecida como
registrou 141 atropelamentos na região da ameaçada de extinção.
Reserva da Biosfera do Cerrado (Estação
Ecológica de Águas Emendadas, Parque https://www.wwf.org.br/natureza_brasilei
Nacional de Brasília, Reserva Ecológica do ra/especiais/biodiversidade/especie_do_mes/d
IBGE, Estação Ecológica do Jardim Botânico ezembro_lobo_guara.cfm

71
CINECLUBE VALE UM FILME
Epa! Cadê Noé?
25/03/2018 – 32

A proposta desta animação é bem atuais - o que, de certa forma, já dá uma


interessante e até inusitada: e se, às vésperas pista do que vem por aí. É claro que, para
do dilúvio, alguns animais não conseguissem atrair o público infantil, ambos têm
embarcar na salvadora arca de Noé? características bem explícitas: os adoráveis
Consciente das consequências que algo do nestrians mais parecem bichos de pelúcia
tipo traria, os responsáveis por esta coloridos e soltam uma fumaça para se
coprodução proteger - o que, é inevitável dizer, levanta a
Luxemburgo/Alemanha/Bélgica/Irlanda/Esta possibilidade de piadas envolvendo
dos Unidos aproveitaram o gancho para flatulência, por mais que não seja
inserir, de forma sutil e necessária, exatamente isto que aconteça -, enquanto que
elementos evolucionários pregados por os grymps possuem o ar raivoso de lobos,
Charles Darwin. Tudo sem tornar a com uma espécie de "tatuagem" na testa. É
narrativa didática ou maçante para os claro que temperamentos tão distintos vão
menores, mas ao mesmo tempo respeitando a bater de frente e, como acontece em toda
inteligência daqueles que os acompanham. aventura infantil, juntarão forças em uma
aventura repleta de aprendizados. Até aí,
Epa! Cadê o Noé? - Senão, vejamos: os dois sem problema algum. Faz parte do gênero.
seres protagonistas desta animação, os
nestrians e os grymps, não existem nos dias
72
CINECLUBE VALE UM FILME
A questão maior é que a narrativa entrega lado colorido e de bons sentimentos. Mas é
algumas inconsistências consideráveis em também mais voltado aos pequeninos, com até
relação à história como um todo. Por cinco anos de idade, mais ou menos. Os
exemplo, se o objetivo da arca é garantir a maiores podem achar tudo muito ingênuo, e
existência das espécies, como é permitido que realmente é - o confronto com o leão é o
mãe e filha embarquem juntas, sem qualquer maior exemplo disto.
macho? Outro ponto: por mais que o dilúvio
seja causado por 40 dias e 40 noites de chuva Por mais que seja bastante simples, ainda
ininterrupta, algo que é lembrado pelo assim Epa! Cadê o Noé? traz momentos
próprio filme, o que menos se vê em cena é interessantes. Como o passeio a la montanha-
chuva. Talvez por uma questão de manter a russa dentro de um túnel, feito nitidamente
tela mais limpa, sem a "poluição visual" das para explorar o efeito 3D, ou a brincadeira
gotas constantes. Ainda assim, soa estranho envolvendo dois estilos de videogame, pelo
ver o nível da água subir sem parar sem que lado visual. No fim das contas, trata-se de
haja um motivo real para tanto. um filme que, se não chega a brilhar, até
consegue prender a atenção e ainda oferecer
Epa! Cadê o Noé? - FotoTais falhas conceituais um interessante lado instrutivo..
acabam minando bastante o longa-metragem,
ao menos para os adultos. Para as crianças, http://www.adorocinema.com/filmes/filme-
é fato que o filme dá um enfoque especial ao 236231/criticas-adorocinema/

73
CINECLUBE VALE UM FILME
Nosso Cerrado
25/03/2018 – 33

O Cerrado é o segundo maior bioma da excepcional perda de habitat. Do ponto de


América do Sul, ocupando uma área de vista da diversidade biológica, o Cerrado
2.036.448 km2, cerca de 22% do território brasileiro é reconhecido como a savana mais
nacional. A sua área contínua incide sobre os rica do mundo, abrigando 11.627 espécies de
estados de Goiás, Tocantins, Mato Grosso, plantas nativas já catalogadas. Existe uma
Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Bahia, grande diversidade de habitats, que
Maranhão, Piauí, Rondônia, Paraná, São determinam uma notável alternância de
Paulo e Distrito Federal, além dos encraves espécies entre diferentes fitofisionomias.
no Amapá, Roraima e Amazonas. Neste espaço Cerca de 199 espécies de mamíferos são
territorial encontram-se as nascentes das conhecidas, e a rica avifauna compreende
três maiores bacias hidrográficas da América cerca de 837 espécies. Os números de peixes
do Sul (Amazônica/Tocantins, São Francisco e (1200 espécies), répteis (180 espécies) e
Prata), o que resulta em um elevado anfíbios (150 espécies) são elevados. O número
potencial aquífero e favorece a sua de peixes endêmicos não é conhecido, porém os
biodiversidade. valores são bastante altos para anfíbios e
répteis: 28% e 17%, respectivamente. De
Considerado como um hotspots mundiais de acordo com estimativas recentes, o Cerrado é
biodiversidade, o Cerrado apresenta extrema o refúgio de 13% das borboletas, 35% das
abundância de espécies endêmicas e sofre uma abelhas e 23% dos cupins dos trópicos.
74
CINECLUBE VALE UM FILME
Além dos aspectos ambientais, o Cerrado tem não ocorram em áreas protegidas e que pelo
grande importância social. Muitas menos 137 espécies de animais que ocorrem no
populações sobrevivem de seus recursos Cerrado estão ameaçadas de extinção. Depois
naturais, incluindo etnias indígenas, da Mata Atlântica, o Cerrado é o bioma
quilombolas, geraizeiros, ribeirinhos, brasileiro que mais sofreu alterações com a
babaçueiras, vazanteiros e comunidades ocupação humana. Com a crescente pressão
quilombolas que, juntas, fazem parte do para a abertura de novas áreas, visando
patrimônio histórico e cultural brasileiro, e incrementar a produção de carne e grãos
detêm um conhecimento tradicional de sua para exportação, tem havido um progressivo
biodiversidade. Mais de 220 espécies têm uso esgotamento dos recursos naturais da
medicinal e mais 416 podem ser usadas na região. Nas três últimas décadas, o Cerrado
recuperação de solos degradados, como vem sendo degradado pela expansão da
barreiras contra o vento, proteção contra a fronteira agrícola brasileira. Além disso, o
erosão, ou para criar habitat de predadores bioma Cerrado é palco de uma exploração
naturais de pragas. Mais de 10 tipos de frutos extremamente predatória de seu material
comestíveis são regularmente consumidos lenhoso para produção de carvão.
pela população local e vendidos nos centros
urbanos, como os frutos do Pequi (Caryocar Apesar do reconhecimento de sua importância
brasiliense), Buriti (Mauritia flexuosa), biológica, de todos os hotspots mundiais, o
Mangaba (Hancornia speciosa), Cagaita Cerrado é o que possui a menor porcentagem
(Eugenia dysenterica), Bacupari (Salacia de áreas sobre proteção integral. O Bioma
crassifolia), Cajuzinho do cerrado apresenta 8,21% de seu território legalmente
(Anacardium humile), Araticum (Annona protegido por unidades de conservação;
crassifolia) e as sementes do Barú (Dipteryx desse total, 2,85% são unidades de
alata). conservação de proteção integral e 5,36% de
unidades de conservação de uso sustentável,
Contudo, inúmeras espécies de plantas e incluindo RPPNs (0,07%).
animais correm risco de extinção. Estima-se
que 20% das espécies nativas e endêmicas já http://www.mma.gov.br/biomas/cerrado

75
CINECLUBE VALE UM FILME
Rap o canto da Ceilândia
21/03/2017 – 34

O documentário é um Diálogo com quatro cinema iriam transformar um curta filmado


consagrados artistas do Rap nacional (X, em digital em película, para tentar colocá-lo
Jamaika, Marquim e Japão), todos moradores em festivais. Naquele ano foi feito um
da Ceilândia. O filme mostra a trajetória concurso dentro da UnB e eu ganhei. Nós
desses integrantes no universo da música e colocamos o filme no Festival de Cinema de
faz um paralelo com a construção da cidade Brasília, ele estreou lá e ganhou os dois
onde moram. São artistas que vêem no Rap a prêmios de melhor filme, pelo júri oficial e
única forma de revelar seus sentimentos e de pelo júri popular.
se auto-afirmar enquanto moradores da
periferia. Alunos de escolas de Ceilândia, Nessa época não tínhamos equipamento e
rappers de vários estados e também da usávamos o material da UnB, mas eu só podia
Bolívia prestigiaram o evento que contou com pegar ele à noite ou nos finais de semana. A
a participação do rapper Japão do Viela 17. gente trazia esse material para Ceilândia,
cidade-satélite de Brasília onde eu moro.
"Em 2005 eu tinha que fazer um trabalho Então quando eu vinha para Ceilândia era
final para me formar na universidade. O encantador ter aqueles equipamentos. Ao
filme que fizemos se chamou Rap, o Canto da mesmo tempo em que fazíamos o filme,
Ceilândia. Demos muita sorte porque na época mostrávamos para as pessoas como
surgiu um projeto no qual as escolas de funcionavam aqueles equipamentos. A partir
76
CINECLUBE VALE UM FILME
dali foi surgindo a Ceicine (Coletivo de cinema." Afirmou Adirley, que é morador de
Cinema em Ceilândia). Essas pessoas que Ceilândia.
vinham ver os equipamentos nunca tinham
tido contato com o cinema, não iam a salas https://www.diariodeceilandia.com.br/2014/
de cinema nem produziam cinema, e eles 08/documentario-rap-o-canto-da-ceilandia-
começaram a se interessar pelo processo do e.html

77
CINECLUBE VALE UM FILME
Liga da Justiça
21/03/2018 – 35

Depois do sucesso de Mulher-Maravilha As coisas, no entanto, vão mal no planeta


(2017), dava para sentir que Gal Gadot Terra. Desde a morte de Superman (Henry
ocuparia mais espaço em futuras aventuras Cavill) – ocorrida em Batman vs Superman –
de ação – além de ganhar um segundo filme A Origem da Justiça (2016) -, os super-herois
exclusivo para sua personagem, previsto sumiram de vista. Batman/Bruce Wayne (Ben
para estrear em 2019. Affleck), que participou daquele trágico
episódio, não está recuperado do desânimo,
Seu maior protagonismo acontece já em Liga nem da pecha de vilão.
da Justiça, de Zack Snyder, um filme pensado
para salientar o trabalho de equipe, mas no Mas é ele mesmo quem toma a iniciativa de
qual a liderança da única heroína feminina procurar outros heróis escondidos pelo
sobressai em várias sequências. Para começo mundo, já que uma ameaça externa de peso
de conversa, ela é a primeira a chegar num chegou – o Lobo da Estepe (Ciarán Hinds),
cenário inicial de perigo, quando terroristas tipo belicoso, interessado em reunir três
invadem um local público com a intenção de “caixas maternas”, escondidas em lugares
colocar uma bomba e causar muitas mortes. diferentes, e que juntas lhe darão um poder
E, sozinha, mostra-se capaz de resolver a de destruição sem paralelo. Uma das caixas
confusão. está escondida na ilha das amazonas, o lar
da Mulher-Maravilha; a outra, no fundo do
78
CINECLUBE VALE UM FILME
mar, reino do Aquaman/Arthur Curry (Jason poder regenerativo das caixas para tentar
Momoa); a outra, em lugar desconhecido. ressuscitar o herói morto. Entre uma trama e
outra, o roteiro de Chris Terrio e Joss
Procurando Aquaman, Batman é recebido com Whedon investe pesado na ideia de uma
desconfiança, já que o rei das águas prefere, colaboração conjunta entre as diferentes
por estilo, agir sozinho. O morcego pede gerações do time de heróis, sua grande
então a ajuda de Mulher-Maravilha para aposta.
vencer as resistências da nova geração, indo
cada um deles procurar Ciborgue/Victor Duas cenas após o filme lançam pistas para a
Stone (Ray Fisher) e The Flash/Barry Allen reação de outros vilões que virá em outros
(Ezra Miller) – dois jovens que ainda não filmes. Quem esperar para ver o final dos
sabem muito bem como lidar com seus créditos, verá.
superpoderes.
http://cineweb.com.br/filmes/filme.php?id_fi
Se no segmento de combate ao Lobo da Estepe lme=5960
pode-se esperar pouca conversa, muita
destruição e efeitos especiais, um outro
segmento dedica-se a desdobramento mais
ousado. Sentindo-se culpado pela morte de
Superman, Batman sonha utilizar o incrível

79
CINECLUBE VALE UM FILME
Ficha Técnica

Leonio Matos Gomes - Coordenação de produção:


Igor Frederico de Freitas Arruda - Assistente de produção:
Brandon Gabriel Gomes Cosmos - Operador de Som e Vídeo:
Marcelo de Oliveira Arruda - Assessor de imprensa:
Janaina Viana da Silva – Palestrante
LORRAYNE BEZERRA VASCONCELOS COLARES – Palestrante
Márcia Vânia Pereira Lima – Palestrante
Patrick Martins de Carvalho – Palestrante
Elias Viana de Barros – Palestrante
Natasha Barros Cardoso - Colaboradora
Luana Pereira Lucianete - Colaboradora
Daniel Pernambucano – Colaborador
Alana yasmim viana pereira - Colaboradora
Diogo victor viana pereira – Colaborador
Bruno Viana Cardoso - Colaborador
Cleyton ferreira dos santos – Colaborador
Maria Antônia ferreira rocha - Colaboradora
Renan Reis da Silva - Colaborador
Marlene bezerra – Colaboradora
Wellington de oliveira – Colaborador
80
CINECLUBE VALE UM FILME

Parcerias
Rádio utopia fm
SRL, Quadra 4, conjunto “F”, lote 21, , Planaltina-DF – 61 98441 1738

AACHP – (associação dos amigos do centro histórico de planaltina-df)


Rua Bernardo Sayão quadra 148, lote 11 – 61 99279 0003

Garagem cultural
CR 81, casa 83, Amanhecer, Planaltina, DF. – 61 99316 4323

rua da diversão
CR 35 casa 81, Vale do Amanhecer, Planaltina – DF. – 61 99309 6091

PIMEV (projeto meninos do vale)


CR 78, lote 186, Vale do Amanhecer, Planaltina, DF. – 61 98101 1039

Centro educacional Vale do Amanhecer


Área especial 03 - Lote 01 – Vale do Amanhecer, Planaltina, DF. – 61 3901 8007

AGRADECIMENTOS
Agradecemos a todos e todas que contribuíram com a realização desse projeto, em
especial aos moradores da comunidade do vale do amanhecer que juntos delinearam o
formato do projeto.
Agradecemos, também, a todos os sites de onde foram retiradas as críticas dos filmes.

81
CINECLUBE VALE UM FILME

82
CINECLUBE VALE UM FILME

83
CINECLUBE VALE UM FILME

PRODUÇÃO
LEO MATOS
https://www.facebook.com/ValeUmFilme/
2017/2018

APOIO
Rádio utopia fm
AACHP – (associação dos amigos do centro histórico de Planaltina-df)
Garagem cultural
rua da diversão
PIMEV (projeto meninos do vale)
Centro educacional Vale do Amanhecer

Apresentação
Fundo de apoio à cultura
Secretaria de cultura
Governo do distrito federal

84
CINECLUBE VALE UM FILME

85
CINECLUBE VALE UM FILME

86
CINECLUBE VALE UM FILME

87
CINECLUBE VALE UM FILME

“No interior de grandes períodos históricos, a


forma de percepção das coletividades humanas
se transforma ao mesmo que seu modo de
existência. O modo pelo qual se organiza a
percepção humana, o meio em que ela se dá, não
é apenas condicionado naturalmente, mas
também historicamente.”
A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica
Walter Benjamin
1955

88

Você também pode gostar