Você está na página 1de 8

REFERÊNCIAS

ALVES, Gionanni; BATISTA, Roberto Leme. O Fetiche do Capital Intelectual: A


Ideologia do Conhecimento e da Adaptação no Contexto da Reestruturação
Produtiva do Capital. Histedbr, Campinas, v. 20, n. 3, p.154-174, ago. 2010.

ARROYO,Miguel G. O direito do trabalhador à educação. Em: GOMEZ, C.;


FRIGOTTO, G.,ARRUDA, M. ARROYO, M.; NOSELLA, P. Trabalho e
conhecimento: Dilemas na educação do trabalhador. São Paulo: Cortez,
2012, 6 ed., pp. 103-127.

BELL, Daniel. O advento da sociedade pós-industrial: uma tentativa de


previsão social. São Paulo: Abril Cultural, 17976.

BOITO JR, Armando. Política Neoliberal e Sindicalismo no Brasil. Ed.


Xamã, São Paulo, 1999.

BRASIL. Presidência da República. Câmara da Reforma do Estado. Plano


Diretor da Reforma do Aparelho do Estado. Brasília, DF: MEC, 1995.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CEB nº 16/99. Dispõe


sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Profissional de
Nível Técnico. Disponível: Acesso em: 4 julho 2017. Brasília, DF: 05 out. 1999.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Plano nacional de qualificação


do trabalhador: Educação profissional: um projeto para o desenvolvimento
sustentado. Brasília - DF, 1999. 80p. (Série avanço conceitual).

BRASIL. Educação Profissional: concepções, experiências e propostas.


Anais do Seminário Educação Profissional: concepções, experiências e
propostas. Brasília: MEC/SEMTEC/PROEP, 2003. Disponível em: . Brasília,
DF, 2003. Acesso em: 4 julho 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Educação Profissional Técnica de Nível


Médio Integrada ao Ensino Médio, Documento Base. Disponível em:
Acesso em: 4 julho 2017. SETEC, Brasília, 2007.

BRASIL, Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases Educacionais.


Brasília: MEC, 1961.

BRASIL, Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases Educacionais.


Brasília: MEC, 1996.

CAMARGOS, Marcos Antônio de. Reflexão sobre o cenário econômico


brasileiro na década de 1990. XXII Encontro Nacional de Engenharia de
Produção, Curitiba, v. 8, n. 1, p.1-8, 23 out. 2002.

CARDOSO, F. Henrique. O Brasil a caminho da sociedade do


conhecimento. XIV Fórum Nacional. Rio de Janeiro, maio. 2003.
CARINHATO, Pedro Henrique. Neoliberalismo, Reforma do Estado e
políticas sociais nas últimas décadas do século XX no Brasil. Marília. 2010
CASTELLS, Manuel. A sociedade em Rede. Volume1, São Paulo: Paz e
Terra, 1999.

CEPAL & UNESCO. Educação e Conhecimento: eixo da transformação


produtiva com equidade, Brasília. 1995.

CHAUÍ, Marilena. A Universidade Pública sob nova perspectiva.


Conferência de abertura da Associação Nacional de Pesquisadores em
Educação. ANPED. Poços de Caldas. 5 out. 2003.

DAMBROS, M.; MUSSIO, B. R. Política educacional brasileira: a reforma dos


anos 90 e suas implicações. Anais X ANPED sul, 2014. Fonte <
http://xanpedsul.faed.udesc.br/arq_pdf/656-1.pdf> Consultado em: 23, junho,
2017.

DELORS, J. Educação: um tesouro a descobrir. 4 ed. São Paulo. Cortez;


Brasília, DF: MEC; UNESCO. 2000.

DRUCKER, Peter. Uma era de descontinuidade: orientações para uma


sociedade em mudança. Rio de Janeiro: Zaha, 1970.

DUARTE, N. Sociedade do conhecimento ou sociedade das ilusões: quatro


ensaios crítico- dialéticos em filosofia da educação. Campinas, SP: Autores
Associados. 2003.

GOMEZ, C.; FRIGOTTO, G.,ARRUDA, M. ARROYO, M.; NOSELLA, P.


Trabalho e conhecimento: Dilemas na educação do trabalhador. São
Paulo: Cortez, 2012, 6 ed.

FERREIRA, L. A. S.; WOILFF, S. Precarização e Flexibilização do Trabalho


e Políticas Públicas de Desenvolvimento no Estado do Paraná: um retrato
empírico. Londrina. 2010.

FIORI, José. L. Ajustes e Milagres Latino-Americanos. In: Os Moedeiros


Falsos., p. 65-78. Petrópolis, Ed. Vozes, 1997.

FRIGOTTO, G. Educação e Trabalho: Bases para debater a Educação


Profissional emancipadora. Perspectiva, v.19, m.1, p.71-87, 2001

FRIGOTTO, G.; CIAVATTA, M.; RAMOS, M. N. A Gênese do Decreto nº


5.154/04: um debate no contexto controverso da democracia restrita. In:
Trabalho Necessário. Revista Eletrônica do neddate. Disponível em: . Acesso
em: 10 julho. 2017.

GENNARI, Adilson Marques. Globalização, Neoliberalismo e Abertura


Econômica no Brasil nos anos 90. Pesquisa & Debate, Araraquara- SP, v. 13,
n. 21, p.30-45, nov. 2001.
GIAMBIAGI, F.; VILLELA, A. (Org). Economia brasileira contemporânea:
1945- 2004. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.

LIBÂNEO, J. C.; OLIBEIRA, J. F., TOSCHI, M. S. Educação Escolar:


Políticas, Estrutura e Organização. São Paulo: Cortez, 2012, 10 ed.

MANFREDI, S M. História da Educação profissional no Brasil.In:________


Educação de Profissional no Brasil. São Paulo: Cortez, 2002. p 63-108.

MARI,C.L.Sociedade do Conhecimento e Educação Superior na década de


1990: O Banco Mundial e a produção do desejo irrealizável de Midas. 265 f.
Tese ( Doutorado em Educação)- Centro de Ciências da Educação.
Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis. 2006.

MARI, Cezar Luiz de. Educação Superior e Sociedade do Conhecimento:


entre as orientações econômicas e pedagógicas do Banco Mundial na década
de 90. Conjectura, Caxias do Sul, v. 14, n. 1, p.167-190, jan. 2009.

MARI, Cezar Luiz de. Educação Superior e Sociedade do Conhecimento:


entre as orientações econômicas e pedagógicas do Banco Mundial na década
de 90. Conjectura, Caxias do Sul, v. 14, n. 1, p.167-190, jan. 2009.

MARI, Cezar Luiz de. Sociedade do Conhecimento: Ideologia acerca da


Ressignificação do Conhecimento. Filosofia da Educação, Diamantina, v. 5, n.
8, p.1-15, 2010.

MARI, Cezar Luiz de. Sociedade do Conhecimento: A escola e o verso


reverso dos Desafios Contemporâneos. Trabalho&educação, Belo Horizonte,
v. 20, n. 3, p.71-82, 14 set. 2011.

MARONEZE, Luciane FrancielliZorzetti; LARA, Ângela Mara de Marros. A


Política educacional brasileiro pós 1990: Novas configurações a partir da
política neoliberal de estado. Ix Congresso Nacional de Educação, Paraná, v.
15, n. 8, p.3280-3293, 29 out. 2009.

MARX, K. O Capital: crítica da economia política. Livro 1. V.1.21. Ed. Rio de


Janeiro. Civilização brasileira. 2003.

MARX, K. Capítulo VI inédito de O Capital. 2.ed. São Paulo. Centauro. 2004.

MASSON, Gisele; MAINARDES, Jefferson. A ideologia da sociedade do


conhecimento e suas implicações para a educação. Currículo Sem
Fronteira, Ponta Grossa, v. 11, n. 2, p.70-85, 8 Dez, 2011.

SAES, D. A política Neoliberal e o campo político conservador no Brasil atual.


In: República do capital: capitalismo e processo político no Brasil. São Paulo:
Boitempo, 2001. P. 81-91.

SAVIANI, Demerval. Transformações do capitalismo, do mundo do


trabalho e da educação. In: LOMABRDI, J. C.; SAVIANI, D; SANFELICI, J. L.
Capitalismo, trabalho e educação. 2 ed. Ver. Campinas, SP. Autores
associados, HISTEDBR, 2004.

SHIROMA, Eneida Oto; MORAES, Maria Célia Marcondes de; EVANGELISTA,


Olinda. Política Educacional. Rio de Janeiro: Lamparina, 4 ed, 2011.
TOFLLER, Alvin. A terceira onda. Rio de Janeiro. Record, 1995.

YANO,Nina Machado; MONTEIRO, Marley Modesto. Mudanças institucionais


na década de 1990 e seus efeitos sobre a produtividade total dos fatores.
Rio Grande do Sul. 2009.

ZORZAL, Marcos Freisleben. O discurso da competência para o trabalho e


a educação em tempos neoliberais: a história reeditada como farsa?2006.
309 f. Tese (Doutorado) - Curso de Educação, Universidade Federal de São
Carlos, São Carlos, 2006. Cap. 4.

CAP.2
ALTHUSSER, Louis (1999). Ideologia e aparelhos ideológicos de Estado.
Lisboa, Presença.

BOSCHETTI, Luís Paulo Zanolla. A Pedagogiadas Competências: Estudo


de caso em um Curso de Tecnologias da UTFPR. 2014. 121 f. Dissertação
(Mestrado) - Curso de Educação, Universidade Estadual Paulista - Faculdade
de Filosofia e Ciências – Câmpus de Marília (sp)., Marília, 2014. Cap. 2.

BRASIL, Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases Educacionais.


Brasília: MEC, 1996.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Parecer CNE/CP


nº 05/2005, 13 de dezembro de 2005. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais
para o curso de graduação em Pedagogia. Encaminhado para homologação do
MEC. Brasília, 2005.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução nº1, de 15 de maio de


2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de Graduação em
Pedagogia, licenciatura. Brasília, 2006.

CHAUI, M.A ideologia da competência. Organizador André Rocha. Belo


Horizonte: Autêntica Editora; São Paulo: Ed. Fundação Perseu Abramo, 2014.

______, M. Cultura e Democracia: o discurso competente e outras


falas.10.ed. São Paulo. Cortez, 2003.

DELORS, Jacques (et. Al.). Educação:um tesouro a descobrir. relatório para a


UNESCO da comissão internacional sobre educação para o século XXI. 6ª ed.
São Paulo: Cortez. Brasília: MEC: UNESCO, 2001.

DEPRESBITERIS,Léa. Competências na educação profissional- é possível


avaliá-las? São Paulo: Editora SENAC, 2016.
DUARTE, N. Vigotski e o “aprender a aprender”. Crítica às apropriações
neoliberais e pós-modernas da teoria vigotskiana.São Paulo, SP: Autores
Associados, 2001.

_______, N.Sociedade do Conhecimento ou Sociedade das Ilusões?Quatro


ensaios críticos- dialéticos em filosofia da educação. Campinas: Autores
associados, 2008.

FONSECA, Vitor. Aprender a aprender: a educabilidade cognitiva. Porto Alegre,


Artes Médicas. 1998.

FRIGOTTO, G. , CIAVATTA, M. Educar o trabalhador cidadão produtivo ou o


ser humano emancipado?, 2003. Disponível em
<http://www.revista.epsjv.fiocruz.br/upload/revistas/r28.pdf>. Acesso em: 22
nov. 2016.

FRIGOTTO, G., CIAVATTA, M. E RAMOS, M.N. Educação Profissional e


Desenvolvimento,2005, Disponível em:
<www.educacao.rs.gov.br/pse/binary/down_sem/DownloadServlet?arquivo=text
os/Palestra%20Gaudencio%20Frigotto%5B1%5D.pdf>. Acesso em: 20 nov.
2016.

GARCIA, Alanna. CENÁRIO DA IMPLANTAÇÃO DE GESTÃO POR


COMPETÊNCIAS NO BRASIL. Revista de Carreiras e Pessoas, São Paulo,
v. 3, n. 2, p.20-34, mar. 2013

HIRATA, Helena. Os mundos do trabalho. In: CASALI, Alipio et al. (org).


Empregabilidade e educação: novos caminhos no mundo do trabalho. São
Paulo: EDUC-PUC; RHODIA,1997.

HOLANDA, Francisca Helena de Oliveira; FRERES, Helena; GONÇALVES,


Laurinete Paiva. A Pedagogia das competências e a formação de
professores: Breves considerações críticas. Arma da Crítica, Ceará, v. 1,
n. 5, p.122-135, 20 jan. 2009.

KUENZER, A. Z. Exclusão includente e inclusão excludente: a nova forma de


dualidade estrutural que objetiva as novas relações entre educação e trabalho,
2005.Disponível
em:<www.gestaoescolar.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/sem_pedagogica/fev_2
009/exclusao_includente_acacia_kuenzer.pd>. Acesso em: 10-09-2016.

MACHADO,Lucélia R.S. Mudanças tecnológicas e a educação da classe


trabalhadora. IN: Machado, L.R.S; Neves, M.A; FRIGOTTO,G. (org). Campinas:
Papirus, 1994, p. 9-23.

MARKETE, W. Revendo o trabalho como princípio educativo á luz da


experiência alemã. IN:..... p.103-112.
PERRENOUD, P. Construir as competências desde a escola. Porto Alegre:
Artmed, 1999.

___________, P. Dez (10) novas competências para Ensinar.Porto Alegre,


Artemed, 2000.

____________, P. As competências para ensinar no século XXI: a


formação dos professores e o desafio da avaliação. Porto Alegre: Artmed,
2002.

____________, P. Desenvolver competências ou Ensinar saberes? A


escola que prepara para a vida. Porto Alegre: Penso, 2013.

______________P. et al. FORMANDO PROFESSORES PROFISSIONAIS:


Quais estratégias? Quais competências? Porto Alegre: Artmed, 2001. 232 p.

PROENÇA-LOPES, Leandro de; ZAREMBA, Fellipe de Assis. O discurso de


crise da educação: crítica ao modelo de competências desde a epistemologia
da educação. História de la educacion. latino americano, São Paulo,vol.15,
nº.21, p.283-304, 28 jun. 2013.

RAMOS, M. N. A pedagogia das competências: autonomia ou


adaptação?.São Paulo. Ed. Cortez, 2001.

_______, M. N. “É possível uma pedagogia das competências contra-


hegemônica? Relações entre pedagogia das competências, construtivismo e
neopragmatismo.” Trabalho, Educação e Saúde, a1,n1, p.93-114. 2003.

RESENDE, E. J. O livro das competências: desenvolvimento das


competências: a melhor autoajuda para pessoas, organizações e sociedade.
2ed.Rio de Janeiro: Qualitymark, 2003.

SAVIANI, Demerval. História das idéias pedagógicas no Brasil. Campinas-


SP: Autores Associados Ltda, 2007. 472 p.

-----------------------------. Aberturas para a história da educação: do debate


teórico-metodológico no campo da história ao debate sobre a construção do
sistema nacional de educação no Brasil. São Paulo: Autores Associados, 2013.

----------------------------Pedagogias histórico-crítica: primeiras aproximações.


11.ed.rev- Campinas, SP: Autores Associados, 2013.

SCHEIBE, Leda. Diretrizes Curriculares para o Curso de Pedagogia:


Trajetória Longa e Inconclusa. Caderno de pesquisa, v.37,nº.130, p.43-62,
jan/abr. 2007.

TROJAN, Rose Meri. Pedagogia das Competências e Diretrizes


Curriculares: A Estetização das Relações entre Trabalho e Educação. 2005.
246 f. Tese (Doutorado) - Curso de Educação, Universidade Federal do
Paraná, Curitiba, 2005. Cap. 3.
CAP.3

ARROYO,Miguel G. O direito do trabalhador à educação. Em: GOMEZ, C.;


FRIGOTTO, G.,ARRUDA, M. ARROYO, M.; NOSELLA, P. Trabalho e
conhecimento: Dilemas na educação do trabalhador. São Paulo: Cortez,
2012, 6 ed., pp. 103-127.

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo. 8. Ed.


Perspectiva, 2015. P. 337.

BRASIL, Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases Educacionais.


Brasília: MEC, 1996.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil.


Brasília, DF: Senado, 1988.

BRASIL. Ministério da Educação e do Porto. Plano Decenal de Educação


para Todos. 1993.

BRASÍLIA. Ministério da Educação e Cultura. Decreto nº. 2.208 de 17 de abril


de 1997. Disponível em: <http: // www.mec.gov.br> . Acesso em: Novembro
2017.

CARVALHO, José Sérgio. Por uma pedagogia da dignidade: memórias e


crônicas sobre a experiência escolar. São Paulo: Summus, 2016. 244 p.

CARVALHO, Viviane Moller de. A importância da educação corporativa para a


vantagem competitiva das organizações. Caderno de
Administração, Maringá, v. 23, n. 1, p.60-67, set. 2015.

CANEN, Ana et. al. Ênfase e omissões no currículo. Campinas- Sp: Papirus,
2001. 240 p.

CHAUÍ, M. Cultura e Democracia: o discurso competente e outras


falas.10.ed. São Paulo. Cortez, 2003.

DELORS, Jacques (et. Al.). Educação:um tesouro a descobrir. relatório para a


UNESCO da comissão internacional sobre educação para o século XXI. 6ª ed.
São Paulo: Cortez. Brasília: MEC: UNESCO, 2001.

EVANGELISTA, Olinda. Políticas públicas educacionais contemporâneas,


formação docente e impactos na escola. In: XVI ENDIPE- ENCONTROS
NACIONAL DE DIDÁTICA E PRÁTICAS DE ENSSINO, 1., 2012, Campinas-
SP. Anais... . Campinas: Junqueira&marin;, 2012. v. 1, p. 39 - 51.

FRIGOTTO, G.; CIAVATTA, M.; RAMOS, M. N. A Gênese do Decreto nº


5.154/04: um debate no contexto controverso da democracia restrita. In:
Trabalho Necessário. Revista Eletrônica do neddate. Disponível em: . Acesso
em: 10 julho. 2017.

HOLANDA, Francisca Helena de Oliveira; FRERES, Helena; GONÇALVES,


Laurinete Paiva. A Pedagogia das competências e a formação de
professores: Breves considerações críticas. Arma da Crítica, Ceará, v. 1,
n. 5, p.122-135, 20 jan. 2009.

LIBÂNEO, José Carlos. Pedagogia e pedagogos, para quê? 12. ed. São
Paulo: Cortez, 2010. 208 p.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política. Rio de Janeiro:


Civilização Brasileira, 2016. 360 p.

NUSSBAUM, Martha. Sem fins Lucrativos: Por que a democracia precisa


das humanidades. São Paulo: Wmf Martins Fontes, 2015. 153 p.

PERRENOUD, P. Construir as competências desde a escola. Porto Alegre:


Artmed, 1999.

____________, P. As competências para ensinar no século XXI: a


formação dos professores e o desafio da avaliação. Porto Alegre: Artmed,
2002.

______________P. et al. FORMANDO PROFESSORES PROFISSIONAIS:


Quais estratégias? Quais competências? Porto Alegre: Artmed, 2001. 232 p.

SAVIANI, Demerval. História das idéias pedagógicas no Brasil. Campinas-


SP: Autores Associados Ltda, 2007. 472 p.

----------------------------Pedagogias histórico-crítica: primeiras aproximações.


11.ed.rev- Campinas, SP: Autores Associados, 2013.

SHIROMA, Eneida Oto; EVANGELISTA, Olinda. Estado, Capital E Educação:


Reflexões sobre hegemonia e redes de governança. Educação e
Fronteiras, Dourados, v. 4, n. 11, p.21-38, maio 2014.

SHIROMA, Eneida Oto. O eufemismo da profissionalização. In: MORAES,


Maria Célia Marcondes (org) Iluminismo ás avessas: produção de
conhecimento e políticas de formação docente. Rio de Janeiro. DP&A, 2003.

SHIROMA, Eneide Oto; MORAES, Maria Célia Marcondes de; EVANGELISTA,


Olinda. Políticas Educacional. 4. ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2011. 128 p.