Você está na página 1de 2

LOTEAMENTO FECHADO x CONDOMÍNIO FECHADO

O Loteamento Fechado é a divisão de um terreno em vários lotes destinados a edificação, com abertura
de novas vias de circulação e de logradouros públicos, cujo perímetro da gleba original, ao final, é cercado
ou murado de modo a manter acesso controlado.
Não posso impedir a entrada de terceiros, a Portaria não pode impedir a entrada de terceiros, mesmo que
haja Concessão de Direito Real de Uso, pois as áreas internas são públicas.
O adquirente estará obrigado a contribuir com as despesas de manutenção do espaço comum (despesas
propter rem).
O condomínio fechado é divido em frações, e cada proprietário é dono de uma fração de uma área total.
Todos são donos das vias de acesso. Há uma restrição absoluta quanto à entrada de terceiros sem a
permissão dos moradores. A Portaria pode impedir a entrada de terceiros, pois suas áreas internas são
privativas e de responsabilidade direta de seus condôminos.
A conservação das áreas comuns é de responsabilidade do condomínio, que promove um rateio das
despesas entre os condôminos através de Assembleias Gerais, aprovando um plano orçamentário para
definir uma taxa condominial mensal.

FORMAS DE AQUISIÇÃO DE BENS PÚBLICOS


Por contrato, se for meio de compra é necessário a licitação, tanto de bens móveis e imóveis. Necessidade
de licitação; demonstração da utilidade do bem para a atividade administrativa; prévia dotação orçamentária.

Uso Privativo ou Especial


O uso privativo poderá recorrer sobre bens de qualquer das três categorias de bens públicos.
O uso dos bens públicos pode ser feito pela própria pessoa que detém a propriedade ou por particulares,
quando for transferido o uso do bem público.
Tal transferência se da através de autorização, concessão e permissão de uso.
AUTORIZAÇÃO: É o ato administrativo unilateral, discricionário e precaríssimo através do qual transfere-se
o uso do bem público para particulares por um período de curtíssima duração. Libera-se o exercício de uma
atividade material sobre um bem público.
O prazo máximo estabelecido na Lei Orgânica do Município é de 90 dias (Ex: Circo, Feira do livro).
PERMISSÃO: Na permissão o uso de bem público é permanente (Ex: Banca de Jornal)
É o ato administrativo unilateral, discricionário e precário através do qual transfere-se o uso do bem público
para particulares por um período maior que o previsto para a autorização.
Concessão comum de uso ou Concessão administrativa de uso:
É o contrato por meio do qual delega-se o uso de um bem público ao concessionário por prazo determinado.
Por ser direito pessoal não pode ser transferida, “inter vivos” ou “causa mortis”, a terceiros.
Concessão especial de uso:
É a nova figura jurídica criada para regularizar a ocupação ilegal de terrenos públicos pela população de
baixa renda.
Medida Provisória 2220/2001.
Art. 1º Aquele que, até 22 de dezembro de 2016, possuiu como seu, por cinco anos, ininterruptamente e
sem oposição, até duzentos e cinquenta metros quadrados de imóvel público situado em área com
características e finalidade urbanas, e que o utilize para sua moradia ou de sua família, tem o direito à
concessão de uso especial para fins de moradia em relação ao bem objeto da posse, desde que não seja
proprietário ou concessionário, a qualquer título, de outro imóvel urbano ou rural. (Redação dada pela lei nº
13.465, de 2017).
Cessão de uso:
É o contrato administrativo através do qual transfere-se o uso de bem público de um órgão da Administração
para outro na mesma esfera de governo ou em outra.

SERVIDORES PÚBLICOS
AGENTES PÚBLICOS: Significa o conjunto de pessoas que, a qualquer título, exercem uma função pública
como prepostos do Estado.
São PESSOAS FÍSICAS incumbidas de uma função estatal, de maneira transitória ou definitiva, com ou
sem remuneração.