Você está na página 1de 20

Índice

CAPITULO I

1. INTRODUÇÃO........................................................................................................................1

1.1. Objectivos.................................................................................................................................2

1.2. Geral.........................................................................................................................................2

1.2.1. Específicos........................................................................................................................2

1.3. Metodologia de Pesquisa......................................................................................................2

CAPITULO II

2. Descrição do local do estágio...................................................................................................3

2.1. Localização...............................................................................................................................3

2.2. Historial................................................................................................................................3

2.5. Atribuições............................................................................................................................4

2.6. Principais Actividades do INCAJU......................................................................................5

2.7. Objectivos do INCAJU.........................................................................................................5

2.8. Estrutura Orgânica e Funcionamento do INCAJU...............................................................6

2.9. Organograma do INCAJU....................................................................................................6

CAPITULO III

3. ACTIVIDADES DESENVOLVIDAS NO LOCAL DO ESTÁGIO.......................................7

3.1. Actividades realizadas na Repartição da Contabilidade.......................................................7

3.1.2. Durante o estágio, a estagiária teve a oportunidades de realizar as seguintes actividades:...7

3.2. Análise crítica das actividades realizadas na RC..................................................................9

3.3. Actividades realizadas na Repartição de Recursos Humanos............................................10

3.3.1. Critica e analise dos processos individuais.....................................................................11

0
3.3.2. Análise crítica das actividades realizadas na RRH.........................................................11

3.4.2. Análise crítica das actividades realizadas na repartição de património..........................14

3.4.3. Propostas de solução.......................................................................................................15

CAPITULO IV

4. Conclusões e Recomendações...................................................................................................16

4.2. Aspectos Positivos..................................................................................................................16

4.3. Aspectos Negativos............................................................................................................16

4.4. Recomendações..................................................................................................................17

5. Bibliografia.............................................................................................................................18

1
CAPITULO I

1. INTRODUÇÃO

O presente relatório de estágio profissional tem em vista a apresentação das actividades


desenvolvidas durante o período de estágio.

O relatório é um documento que descreve as actividades desenvolvidas pela estagiária, estagio de


como se comportar no ambiente laboral. No contexto do período de estágio, o relatório é escrito
pelo estudante no final do curso como uma síntese do trabalho efectuado na instituição que o
escolheu. O estágio representa um período de aprendizado sedimentado na prática os
conhecimentos teóricos adquiridos no período da formação. É a oportunidade de familiarizar se
com ambiente de trabalho, melhorando assim o seu relacionamento humano e contribuindo com
a sua formação profissional.

O estágio constitui um momento impar de extrema importância para a formação profissional e


serviu de base para a consolidação da prática absorvida durante a formação. Para o sucesso deste
relatório usou-se como metodologia a revisão bibliográficas que consistiu na leitura de obras
literária.

O relatório obedeceu cinco capítulos sendo que, o primeiro capítulo traz a introdução, objectivos
e metodologia; o segundo capítulo descreve o local do estágio desde a localização geográfica, o
historial, a natureza assim como as suas atribuições; no terceiro capítulo encontramos o
desenvolvimento do relatório e as atividades realizadas pela estagiária, e, o quarto capítulo,
encontramos a conclusão e recomendações.

2
1.1. Objectivos

1.2. Geral

 Descrever de forma detalhada as actividades realizadas no período de estágio.

1.2.1. Específicos

 Detalhar as actividades realizadas durante o estágio;


 Descrever o historial do INCAJU;
 Explicar detalhadamente o processo de realização das actividades no INCAJU;
 Caracterizar os sectores onde a estagiária realizou o seu estágio;
 Detectar anomalias existentes no INCAJU e propor as devidas soluções; e

 Relacionar a teoria e pratica.

1.3. Metodologia de Pesquisa


Durante o estágio, foram utilizadas as seguintes técnicas e métodos
 Observação Directa - A observação directa é um método utilizado em pesquisa de cariz
exploratório e descritivo. A observação consiste na visualização e registo sistemático de
padrões de comportamento das pessoas ou outros objecto de forma obter informações
sobre o objecto da Pesquisa. O observador não questiona pessoas nem comunica com as
pessoas que estão a ser observadas, apenas regista, geralmente, segundo uma grelha de
observação, os comportamentos efectuados. Consistiu na observação das actividades que
os funcionários do local do estágio realizavam, tendo feito o registo dos procedimentos
seguidos.
 Consulta Bibliográfica – é o acto de fixar, relacionar, referenciar, ler, arquivar, fazer
resumo com assuntos relacionados com a pesquisa em questão. Esse tipo de pesquisa tem
por finalidade investigar as diferentes contribuições científicas sobre determinado tema,
de forma que o pesquisador possa utilizá-la para confirmar, confrontar ou enriquecer suas
proposições. Consistiu na leitura de diferentes obras bibliográficas incluindo a
legislação contendo informação pertinente.

3
CAPITULO II

2. Descrição do local do estágio


2.2. Breve historial do INCAJU

O Instituto de Fomento do Caju é uma instituição de Direito pública, dotada de personalidade


jurídica e autonomia administrativa e financeira, criada pelo Decreto nº 43/97 de 23 de
Dezembro do Conselho de Ministros. Na sua actuação o INCAJU relaciona-se com o Ministério
da Indústria, Comércio e Cultura e Turismo.

O Instituto de Fomento de Caju tem por finalidade impulsionar e executar a politica definida
para o fomento da cultura e o desenvolvimento da Indústria do caju, bem como participar na
definição duma adequada política comercial. O Instituto de Fomento de Caju tem a sua sede em
Maputo e possui Delegações nas Províncias de Cabo Delgado, Nampula, Zambézia, Sofala,
Manica, Inhambane, Gaza e Maputo.

O Subsector do caju é vital para o desenvolvimento económico de Moçambique. A produção,


comercialização e processamento de caju garantem emprego e renda a mais de um milhão de
famílias rurais, gera actividade económica para pequenos, médios e grandes comerciantes e tem
potencial para assegurar emprego para milhares de trabalhadores no nosso País. A Província de
Nampula produz anualmente mais de 60% da produção nacional e as Províncias de Cabo
Delgado, Zambézia, Inhambane e Gaza contribuem com quase a totalidade da restante produção
havendo, no entanto, produções marginais em Maputo, Manica e Sofala. A produção média anual
em todo o País é de cerca de 80.000 toneladas.

Não obstante a multiplicidade de aplicações que se pode obter do caju (processamento de


amêndoa, sumos, vinhos, aguardentes, marmeladas, Jam, passas, entre outros), em Moçambique
esta cultura tem sido subaproveitada, resumindo-se a sua utilização na venda da castanha em
bruto ou seu processamento na indústria local, sendo mínimo o aproveitamento do falso fruto,
que se resume apenas no processamento artesanal de sumo e aguardente.

4
2.3. Natureza

O Instituto de Fomento de Cajú (INCAJU) é uma instituição de âmbito nacional que se


subordina ao Ministério da Agricultura e Segurança alimentar (MASA) foi criado em 1997 com a
extinção da Secretaria do Estado de Caju através do Decreto nº 43/97de 23 de Dezembro, o qual
aprovou igualmente o seu Estatuto Orgânico.

2.1. Localização

O Instituto de Fomento de Cajú (INCAJU) localiza-se no Bairro da Maxaquene, Rua da


Resistência número 1746 Quarto andar.

2.4. Elementos Estratégicos

O INCAJU, tem como elementos estratégicos:


a) Visão: ”Tornar o sector do caju competitivo, sustentável e gerador de riqueza para o País”
b) Missão: “Promover, de forma sustentável, o aumento da produção e da qualidade da
castanha, a organização da comercialização e a estruturação da indústria de
processamento, em coordenação com todas as entidades interessadas, tendo em vista
transformar as vantagens comparativas do país em vantagens competitivas, incrementar a
renda das famílias rendas, gerar emprego e contribuir para a melhoria da balança de
pagamentos”.
c) Valores: Transparência e honestidade, Independência e imparcialidade, Flexibilidade e
disponibilidade, Dinamismo e excelência, Responsabilidade e humildade, Justiça social e
equidade.
2.5. Atribuições

De acordo com artigo 4 do Decreto 43/97 de 23 de Dezembro, que aprova o Estatuto orgânico do
Instituto de Fomento de Caju, são atribuições do INCAJU as seguintes:

a) Promover programas de fomento de caju;


b) Promover a Indústria de processamento da castanha de Caju, em particular a que
adopte tecnologias de mão-de-obra intensiva e baixo custo de produção;
c) Promover o aproveitamento do falso fruto e do óleo da casca;

5
d) Encorajar as indústrias existentes no sentido de estabelecimento de plantações para o
seu abastecimento em matéria-prima;
e) Promover programas de educação da população sobre medidas de prevenção e
queimadas descontroladas, doenças e pragas;
f) Cooperar com as instituições de investigação e extensão, na recolha de dados e na
aplicação dos resultados da investigação;
g) Zela pela observância das técnicas, pela conservação do solo e pela defesa do ambiente
na implementação de acções relativas ao cultivo e industrialização do cajú e;
h) Apresentar a entidade de Governo que superintende a área comercial propostas sobre o
preço ao apanhador do cajú, o licenciamento dos comerciantes, as taxas de
sobrevalorização da exportação da castanha e volume de castanha a exportar.

2.6. Principais Actividades do INCAJU

a) Produção e distribuição de mudas de Caju;


b) Maneio integrado do Caju;
c) Monitoria da comercialização do Caju;
d) Promoção da indústria do Caju.

2.7. Objectivos do INCAJU

O INCAJU prossegue os seguintes objectivos:

a) Promover o plantio de cajueiros;


b) Promover a indústria do Caju e seus derivados;
c) Aumentar número de mudas produzidas, distribuídas e plantadas;
d) Aumentar a quantidade de castanha produzida;
e) Aumentar a produtividade de cada cajueiro;
f) Melhorar a qualidade de castanha em toda a cadeia de valor;
g) Aumentar o volume de processamento primário nacional.

6
2.8. Estrutura Orgânica e Funcionamento do INCAJU

De acordo com o Decreto 43/97 de 23 de Dezembro que aprova o Estatuto Orgânico do


INCAJU, o INCAJU compreende a seguinte Estrutura:

a) Direcção Geral;
b) Departamento de Fomento e Tecnologias;
c) Departamento de Economia;
d) Departamento de Administração e Finanças;
e) Repartição de Recursos Humanos Subordina se a Direcção.

2.9. Organograma do INCAJU

DIRECÇÃO

Secretariado

Assessoria Juridica e
Conselho Geral Imprensa e Auditoria

Departamento de Departamento de Departamento de Repartição de


Economia Administração e Finanças Fomento e Tecnologia Recursos
Humanos

Repartição de Repartição de Repartição de Repartição de Repartição Repartição de


Estudos e Analise Administração de Fomento
Finanças Tecnologia
Projectos Econmica e
Indústria

7
CAPITULO III

3. ACTIVIDADES REALIZADAS

Durante o estágio, a estagiária passou pelas seguintes unidades orgânicas:

a) Repartição de Contabilidade;
b) Repartição de Recursos Humanos; e
c) Repartição de Património.

3.1. Actividades realizadas na Repartição da Contabilidade

A repartição de contabilidade é uma repartição que tem como função a concepção, planificação,
aquisição, alocação e controlo de meio logístico é procedimento do livro de controlo de conta
bancária.

São funções da Repartição da Contabilidade

a) Elaborar o orçamento e assegurar a sua execução


b) Gerir os recursos humanos e os recursos financeiros
c) Manter actualizado o cadastro de pessoal afecto na INCAJU

d) Elaborar os relatórios de prestação de contas da actividade financeira

Durante o estágio, a estagiária teve a oportunidades de realizar as seguintes actividades:

 Preencheu os livros obrigatórios. A escrituração e contabilização das despesas são


efectuadas nos seguintes livros obrigatórios.
 Livro do Controlo orçamental, Neste livro faz-se o lançamento e controlo de verbas
orçamentais de acordo com a classificação económica de despesa.

São escrituradas todas as requisições externas emitidas mensalmente por cada rubrica
orçamental.

Em cada folio e somada no fim de mês e efectua-se o resumo por verba orçamental, sendo assim
a soma deve conferir com o total dos cheques emitidos durante o mês constante no livro de
controlo de conta bancária.

8
 Livro de Controlo de Conta Bancária, Serve para registar os movimentos de
pagamento efectuados de forma sequenciadas durante o período da execução de cada
conta a ordem. E neste livro onde são escriturados diariamente e somadas mensalmente
todas entradas (depósitos) e saídas (pagamentos). Este deve conter: data, mês, valor,
número de documento, beneficiário e observação.

O saldo acusado no fim de cada mês no livro de controlo da conta bancária de ser igual com o
acusado no livro da conta bancária depois de efectua a conciliação bancária (cheques em
circulação, anulados e despesas bancárias).

 Livro Numerador de Requisições Externas e de Controlo de Pagamento, Para o


controlo de pagamento são registados neste livro todas as requisições externas e todos os
cheques emitidos durante o período de execução.
Este livro é somado no fim de cada mês e a soma deve ser igual com o do livro de controlo
orçamental do livro de controlo de conta bancária.

 Livro de Protocolo, Regista se cheques emitidos onde deve constar a assinatura e o


número do bilhete de identidade do beneficiário ou seu representante legal, que tiver
levantado o cheque.
 Organizou processos administrativos. Neste processo aprendeu que os processos são
enumerados de ordem crescente, e as pastas são arquivadas por período de acordo com a
sua enumeração.
 Verificou arquivos de documentos de despesas segundo os PA - Processos
Administrativos que primeiro observa se o numero da requisição externa se o nome do
fornecedor o valor, confere com a OP – Ordem de pagamento o cheque, mês e data em
que foi emitida.

Ainda nesse sector aprendeu que para se fazer uma requisição é necessário preciso constituir um
processo administrativo para efectuar o pagamento com autorização da entidade competente;

Para adquirir material com o fornecedor que tem o contrato com a instituição primeiro emite-se
requisição externa para formalizar o fornecimento para posterior efectuar o pagamento;

3.2. Análise crítica das actividades realizadas na Repartição de Contabilidade.

9
Falta de imparcialidade no que se refere ao pagamento de ajudas de custos. Nesta instituição o
processo de prestação de contas de ajudas de custo começa com a elaboração de uma proposta de
deslocação em missão de serviço onde vem a relação nominal dos funcionários e a categoria.
Esta proposta é acompanhada pelo plano de deslocação e encaminhada para o dirigente
competente que e o chefe da Administração e Finanças para dar o seu parecer e em seguida ao
Director para o despacho. Depois da autorização começa a fase do processo de pagamento.

O processo do pagamento de ajudas de custo é composto por seguinte:

 Relação dos beneficiários;


 Mapa contendo número da guia, data e hora da saída, data e hora do regresso, número de
dias, valor a pagar;
 Guia com carimbo, data e hora do local onde se apresentou e a declaração do
beneficiário, esta mostra que o funcionário não se beneficiou de nenhuma ajuda.

Para o pagamento deste abono existem regras principais:

 O motivo da deslocação deve ser a missão de serviço


 Deve ter a autorização do dirigente competente;
 E pago o abono quando a deslocação do funcionário for superior a 6 horas e para além de
40 km.
 Por cada deslocação o funcionário leva consigo uma guia de marcha que consta a data,
hora de deslocação.

3.3. Actividades realizadas na Repartição de Recursos Humanos

A Repartição dos Recursos Humanos do INCAJU, subordina-se directamente a Direcção, é o


órgão encarregue na gestão do pessoal no que diz respeito a recrutamento, selecção, assiduidade,
efectividade, pagamento de vencimentos, previdência social e procedimento disciplinar,
remuneração, progressão, mudança de carreira e nomeação.

Nesta repartição, a estagiária realizou as seguintes actividades:

 Organizou processos individuais dos funcionários; respeitando as regras de


organização do mesmo, onde o processo deve estar dividido em processo e subprocesso
para fácil localização de um documento no caso de solicitação: no processo devem
constar todos documentos da vida do funcionário na instituição como diploma de

10
provimento, despacho de nomeação e cabimento de verba, e ainda no subprocesso costa
todos documentos da vida pessoal do funcionário como certidão do nascimento,
certificado de habilitação e curriculum vitae;

 Participou na organização de processos individuais do pessoal em comissão de serviço


para auditoria;

 Preencheu do Livro de Ponto, de acordo com os nomes, carreira e o local de trabalho


(Departamentos e ou Repartição), Função.

 Preencheu o Cartão de Assistência Medica e Medicamentosa, de acordo com a


Relação dos dependentes do funcionário e Agentes do Estado. Nos cartões preenche-se o
nome do funcionário, a categoria, residência do funcionário, cônjuge e outras pessoas da
família;

 Elaborou informação proposta e os respectivos Despachos para progressão de


funcionário da Classe única, nos termos nos termos do nº3 do artigo 11 do Decreto
54/2009 de 8 de Setembro, que aprova o processo de Progressão na carreira inicia com a
solicitação do Processo Individual do funcionário no cadastro, e de seguida, verificar o
tempo de serviço na Administração Pública e o tempo de escalão actual, que deve ser no
mínimo 3 anos, a avaliação do desempenho, se tiver todos os requisitos passa para o
escalão seguinte. E em seguida após o despacho e anotação do TA chama-se o
funcionário para tomar conhecimento.

 Elaborou da informação proposta e o respectivo despacho para mudança de carreira, na


repartição do disposto no artigo 35 do Estatuto Geral dos Funcionários e Agentes do
Estado, conjugado com o nº 1 do artigo 29 do Regulamento de Estatuto Geral dos
Funcionários e Agentes do Estado. Este processo solicita-se o PI, termo de início de
funções, data e a hora em que o funcionário inicia a trabalhar, no caso do nível
profissional deve ter a continuação dos estudos.

Para o funcionário continuar com os estudos tem como requisitos necessários as seguintes: ser do
quadro do aparelho do Estado, nomeação definitiva, duas boas ultima classificações boas,
requerimento de parecer ou informação do sector idade media 35 anos idade superior 40 anos.

11
3.3.1. Análise crítica das actividades realizadas na Repartição dos Recursos Humanos

Alguns funcionários não cumprem as Normas do Funcionamento da Administração Pública que


resulta em alguns casos a falta de controlo de assiduidade e pontualidade e consequentemente o
atraso de alguns funcionários, mas isso deve-se ao facto de que o funcionário responsável pelo
livro de controlo de assiduidade não seja comprometido com o trabalho que ele desempenha e
que ele é primeiro a atrasar. De salientar que procede o controlo e assiduidade e pontualidade dos
funcionários através do livro de ponto, na qual cada funcionário rubrica o nome o nome no
espaço para efeito assinalado, no início e no fim de cada período de trabalho.

Um quarto de cada hora após a entrada procede-se ao preenchimento de espaços em brancos e


vermelhos nos termos das Normas de Funcionamento de Serviços de Administração Pública,
aprovada pelo Decreto 30/2001 de 15 de Outubro, o livro e controlado pelo chefe da Repartição
dos Recursos Humanos do INCAJU de referir que até 5 de cada mês são levantadas todas as
faltas para a elaboração do mapa de efectividade que mensalmente é enviado a Direcção da
Economia e Finanças para efeitos de desconto no vencimento dos funcionários que tiveram
cometidos faltas injustificadas incluindo-se também no mapa de efectividade a informação sobre
as licenças dos funcionários.

Verificou-se igualmente a falta de actualização dos processos individuais dos funcionários e que
tem como consequência a desorganização da informação de cada funcionário.

3.3.2. Critica e analise dos processos individuais

Durante a organização dos processos a estagiaria constatou que os processos individuais da


Escola estão bem organizados de uma forma singular, mas no seu conjunto não são organizados
em ordem alfabética, o que faz com que a sua localização não seja fácil, isso porque, alguns
funcionários da secção dos Recursos Humanos quando localizam um processo, depois do seu uso
não devolvem no seu devido lugar e acabam por espalhar todos processos. Quando deviam
organizar segundo o artigo 93 do Decreto 30/2001 de 15 de Outubro no seu número 1 que diz

12
que os processos individuais são numerados e descritos em ficheiros por ordem alfabética,
devendo conter todos os dados e documentos respeitantes ao funcionário e á sua carreira.

É da Opinião da Estagiária que para solucionar os dilemas acima, deve haver Maior controle da
efectividade por parte do funcionário responsável pelo controle e aplicar as medidas severas.

O livro deve ser recolhido na secretaria durante toda semana os funcionários assinalam os nomes
no caso de alguns funcionários que tenha faltado durante a semana devera justificá-lo as suas
faltas ao chefe do departamento e ele permitira que este faça o registo de tempo de atraso de falta
justificada e injustificadas, os descontos de faltas que pode corresponder a instauração dos
procedimentos disciplinares em caso de acesso de faltas previsto no Estatuto Geral dos
Funcionários e Agentes do Estado.

3.3.3. Actividades Realizadas Repartição do Património

São funções da unidade de supervisão do subsistema do património do Estado, as seguintes:

a) Coordenar o processo de elaboração e consolidação do inventário;


b) Supervisionar as actividades relacionadas com a gestão do património;
c) Identificar e harmonizar as necessidades em bens patrimoniais e emitir parecer sobre a
sua aquisição e distribuição;
d) Organizar, coordenar e supervisionar a realização dos inventários anuais e gerais nos
anos que terminem por “0” ou “5”;
e) Organizar, coordenar e supervisionar a alienação de bens patrimoniais e contratação
pública, nos termos da legislação específica;
f) Organizar a capacitação e formação no âmbito da gestão patrimonial; g) Realizar
quaisquer outras acções necessárias e pertinentes no quadro das suas responsabilidades
no âmbito da gestão patrimonial.

Compete ainda à Unidade de Supervisão do Subsistema do Património do Estado orientar e


coordenar a elaboração e a actualização do inventário, bem como assegurar a criação do sistema
informático do cadastro e inventário do património do Estado.

Neste sector a estagiária realizou as seguintes actividades:

13
 Percebeu sobre o processo de aquisição e alienação de bens. Neste processo percebeu
que a aquisição e alienação de bens patrimoniais do Estado é feita nos termos da
legislação específica. A aquisição de um bem deve ser precedida de um parecer da
Unidade Gestora Executora do Subsistema do Património do Estado, sobre a
disponibilidade ou não do mesmo no sector.
 Elaborou o processo de compra de uma viatura para o INCAJU. O responsável de
qualquer compra nesta instituição é a comissão de compra, esta comissão é responsável
pela preparação da lista de compra, a sua aprovação pelo conselho da instituição, a
aquisição dos materiais e serviços da lista de compra aprovada e em conformidade com
regras de aquisição.

 Registou bens patrimoniais do Estado. Todo o património do Estado sujeito a registo é


inscrito nas respectivas Conservatórias em nome deste, pelo Ministério que superintende
a área das Finanças e, os pertencentes às autarquias locais, empresas do Estado, institutos
e fundos públicos dotados de autonomia administrativa, financeira e patrimonial, pelos
respectivos órgãos. Quando se trate de bens de domínio público ou de uso especial para o
serviço a que estão afectos, será igualmente inscrito um ónus de impenhorabilidade,
inalienabilidade e imprescritibilidade. Para além do registo, os imóveis devem ser
inscritos na matriz predial da Direcção de Economia e Finanças da respectiva área fiscal.
 Inventariou bens patrimoniais. Os bens devem ser inventariados pela Unidade Gestora
Executora do Subsistema do Património do Estado considerando, entre outros, os
seguintes elementos:
 Código;
 Número;
 Designação do bem;
 Tipo de aquisição;
 Dimensões;
 Valor;
 Data de aquisição;
 Localização institucional e geográfica;

 Elaborou Proposta de abate dos bens patrimoniais. Compete à Unidade Gestora


Executora do Subsistema do Património do Estado propor, fundamentadamente, o abate

14
de bens do património do Estado, devendo tal proposta indicar o motivo do abate, e
anexar o respectivo auto indicando:

o Designação, número do Tombo, Cadastro ou Inventário, valor e ano de aquisição


ou construção, estado de conservação e o valor líquido do bem a abater;
o Valor comercial aproximado ou interesse histórico, artístico ou de curiosidade;
o Informação sobre a necessidade de substituição do bem julgado incapaz; e
o Informação sobre a substituição do bem.

Sempre que o motivo de abate seja incapacidade, do auto do abate deve constar a informação
sobre se a mesma foi verificada e confirmada pela Comissão referida no artigo 46, tratando-se de
imóveis, máquinas, ferramentas, material de transporte ou eléctrico ou instrumentos de precisão.

3.3.4. Análise crítica das actividades realizadas na Repartição de Património


 Falta de conservação dos bens alocado no INCAJU que resulta na falta de
comprometimento com coisa pública;

 Verificou-se a degradação dos bens patrimoniais em algumas repartições e que a mesma


resulta na falta de inventariação.

 Constatou-se que não se faz a actualização de Imóveis nesta instituição, e que para tal, a
estagiária fez a listagem dos bens imóveis em algumas direcções padronizadas que depois
foi colocada em cada unidade orgânica, para facilitar a fiscalização dos bens do Estado e
se saiba de todo o inventário referente a cada unidade orgânica.

Para solucionar as constatações acima, A instituição deve ter um responsável ou técnico que
vela pela entrada dos estagiários para efectuar o estágio, de modo a responder as
preocupações dos mesmos.

Deve ter um espírito de ajuda perante aos estagiários para nela obter mais prática naquilo que já
aprendeu durante a formação, muito mais na área de recursos humanos.

Criar um bom ambiente de trabalho sem excepção a outros.

15
CAPITULO IV

Conclusões e Recomendações

4.1. Conclusões

Após a realização do estágio conclui que o Instituto de Fomento do Caju é uma instituição de
direito público, dotada de personalidade jurídica e autonomia Administrativa e Financeira,
nacional subordina-se ao Ministério da Agricultura e Segurança Alimentar com a missão de
Promover de forma sustentável o aumento da produção e da qualidade da castanha, a organização
da comercialização e a estruturação da industria de processamento, em coordenação com todas as
entidades interessadas, tendo em vista transformar as vantagens comparativas do pais em
vantagens competitivas, incrementar a renda das famílias rurais, gerar emprego e contribuir para
a melhoria da balança de pagamentos.

O estágio realizado no Instituto de Fomento de Caju foi proveitoso para conciliação dos
conhecimentos teóricos com a prática pelo que teve a oportunidade de desenvolver actividades
em diversos sectores algo que foi enriquecedor e reforçou os conhecimentos que já trazia do
Instituto, concluindo o estágio a estagiária superou as expectativas de forma que foi motivador
pois o que aprendeu será de grande utilidade.

4.2. Aspectos Positivos

É importante realçar que foi muito bom ter efectuado o estágio nesta instituição, todos os
colaboradores receberam-me bem, mostrando na prática a execução das actividades na
instituição.

4.3. Aspectos Negativos


 Falta de identificação entre estagiários e os funcionários;
 Falta de rotação do estagiário para as diversas áreas do Incajú.

16
O estágio na área dos Recursos Humanos e Administração Financeira e Patrimonial não teve
facilidades e acesso aos computadores para as práticas no manuseio e organização de
documentos em formato eletrónico.

A falta de eficiência na conservação dos documentos e controlo, dificultando assim a localização


dos mesmos.

Alguns arquivos não estão devidamente codificados, correndo assim o risco de se perder alguns
documentos.

Na área do património verificou-se que o inventario, Segundo o artigo 3, do regulamento do


património do Estado, aprovado pelo Decreto nº 23/2007 de 9 de Agosto, é um instrumento
utilizado para o registo, acompanhamento e controlo dos bens que compõem o património do
Estado ou que esteja a sua disposição, devendo ser qualificados e valorados.

Durante as actividades da estagiária na secção do património constatou que a inventariação no


INCAJU é realizado segundo o preconizado no Decreto nº 23/2007 de 9 de Agosto, mas a
estagiária enfrentou muitas dificuldades na actualização de alguns bens em alguns sectores do
INCAJU porque estes não tinham etiqueta, e tornou difícil as actividades da estagiária porque
não tinha como identificar os bens sem os códigos colocado nas etiquetas.

2.1. Constatações
Durante o período do estágio a estagiária constatou que no Instituto de Fomento de Cajú, os
funcionários ainda não estão abalizados com o Sistema Nacional de Arquivo de Estado,
vulgarmente conhecido por (SNAE), havendo uma necessidade de treinamento das actividades
realizadas.

 Existência de boas relações de trabalho;

 Atendimento ao público cada vez melhor;

 Respeito e gosto pelo trabalho que cada um exerce;

 Em alguns momentos tem tido falha do material.

17
2.2. Sugestões
Sugerir que o Instituto de Fomento de Cajú treine o pessoal no sentido de melhorar o sistema de
arquivamento. Que continuem na formação dos seus quadros para cada vez servirem melhor;

Que o INCAJU procure, deixar a disposição dos seus funcionários, todos os livros que podem ser
usados para consultar (leis e decretos leis)

18
5. Bibliografia
 Decreto nº 43/97 de 23 de Dezembro, cria o Instituto de Fomento de Caju;
 Decreto nº 23/2007 de 9 de Agosto, aprova o Regime Jurídico de Gestão eficaz do
Património do Estado;
 Decreto 30/2001 de 15 de Outubro, aprova as Normas de Funcionamento da
Administração Pública;
 Diploma Ministerial n.º 78/2008 de 4 de Setembro, aprova um sistema uniforme e
harmonizado de normas e procedimentos sobre a gestão, fiscalização, utilização e
conservação do Património do Estado.
 Regulamento de Estatuto Geral dos Funcionários e Agentes do Estado.

19