Você está na página 1de 2

SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÕES (SED) E SISTEMA DE

DISTRIBUIÇÃO DE MÉDIA TENSÃO (SDMT).

O objetivo do planejamento das SED e do SDMT é definir a expansão


dos alimentadores, a expansão das SED existentes e a localização das novas
SED, compondo um conjunto de obras para atender o incremento de carga,
observando os critérios técnicos, econômicos e ambientais.
Os estudos de implementação de novos acessantes no SDMT deve
seguir os mesmo critérios e diretrizes apresentados no planejamento dos
SDAT. Esses estudos devem de ter um horizonte de sete anos para SDMT e
de dez anos para SED, sendo dividido e revisado ano a ano.
O planejamento das SED deve partir dos diagnósticos das SED já
existentes, através das informações de cargas, dos recursos de operação,
níveis de tensão, perdas técnicas em seus transformadores e da qualidade nos
barramentos.
As informações de cargas são a demanda das potencias reativas e
ativas e a curva de carga.
As SED serão caracterizadas pela avaliação de suas perdas técnicas
(somente transformadores), confiabilidade (duração e frequencia média de
interrupções) e desempenho de tensão nos barramentos secundários
(extrapolação dos limites estabelecidos).
Para que haja expansão das SED, as mesmas devem ser planejadas
considerando o planejamento do SDMT para assim definir a sua localização, o
número de barramentos secundários e de possíveis compensações de
reativos, exigindo assim estudos técnicos, econômicos e ambientais. Sendo
considerado também as solicitações e os esquemas de conexão ao SDAT
A definição da potência e do número de transformadores deve usar
como referência a confiabilidade e a otimização das perdas e do uso da
capacidade instalada.
Resumindo o planejamento de SED deve seguir os seguintes passos:
Obtenção dos dados necessários, estudos elétricos, formulação de
alternativas, análise técnica e ambiental, análise econômica e seleção de
alternativas.
Para o SDMT o planejamento também deve seguir os diagnósticos dos
SDMT já existentes, através da caracterização da carga, da rede, das perdas
técnicas e da avaliação da qualidade.
A caracterização da carga pode ser feita através da demanda de
potência ativa e da distribuição de carga ao longo dos alimentadores, alem do
fator de carga e da potencia e o cálculo das perdas técnicas.
Já a de rede consiste em sua topologia, dados geográficos associados,
nos dados elétricos e estruturais, considerando a localização dos acessantes.
A avaliação das perdas técnicas considera as perdas nos alimentadores
e transformadores de distribuição. A avaliação da confiabilidade é realizada
pelo cálculo de DEC e FEC por alimentador, comparados nas metas
estabelecidas para os conjuntos de unidades consumidoras. A avaliação dos
perfis de tensão é feita a partir da caracterização da carga e da rede primária
(alimentadores). Sendo esse diagnóstico realizado anualmente e comparado
com o do ano anterior criteriosamente.
A expansão do SDMT deve ser feita com a previsão do traçado dos
alimentadores para os próximos sete anos e as obras a serem realizadas nos
próximos doze e vinte e quatro meses levando em consideração os planos
diretores dos municípios ou de desenvolvimento regionais e a legislação
ambiental, além do plano de universalização de energia elétrica da
distribuidora.
Tendo a nova topologia do SDMT planejado, deve-se realizar a
avaliação das perdas técnicas, dos perfis de tensão e de carregamento e a
estimativa da evolução da confiabilidade, comparando com a situação
diagnosticada. Não deixando de anualmente realizar uma avaliação crítica
entre o planejado no ano anterior e o realizado.

SISTEMA DE DISTRIBUICAO DE BAIXA TENSAO (SDBT)

O objetivo do planejamento do SDBT é definir a expansão das redes


secundárias do sistema de distribuição, compondo um conjunto de obras para
atender o incremento da carga, observando os critérios técnicos, contábeis e
econômicos. A fim de definir um plano de obras para um horizonte de sete
anos, visando adequar o sistema existente ao atendimento de novas cargas e
melhores condições operativas.