Você está na página 1de 23

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS

CAMPUS MANAUS CENTRO


ENGENHARIA MECÂNICA

REFRIGERAÇÃO E AR CONDICIONADO
SPLITÃO

MANAUS
MAIO DE 2018
ELEONARDO FURTADO
FÁBIO MARQUES FREIRE
FERNANDA SANTOS OLIVEIRA
RICARDO RIBEIRO VIEIRA

SPLITÃO

Trabalho apresentado ao Profº Msc. Carlos


Machado para obtenção parcial de
avaliação na disciplina Refrigeração e Ar
Condicionado.

MANAUS
MAIO DE 2018
Introdução 3

Componentes 4
2.1 Unidade Evaporadora 5
2.1.1 Gabinetes 5
2.1.2 Bandejas de Condensado 5
2.1.2 Motor e Ventilador 5
2.1.3 Módulo Trocador de Calor 6
2.2 Unidade Condensadora 6
2.2.1 Módulo Serpentina 7
2.2.2 Módulo Ventilador 7
2.2.3 Módulo Caixa de Mistura (Opcional) 8
2.2.4 Módulo Filtro 8
2.2.5 Módulo de Retorno e Módulo Vazio 8

Instalação 8
3.1 Transporte e Movimentação 9
3.2 Tubulação Frigorífica 11
3.2.1 Unidade Condensadora (UC) 11
3.2.2 Tubulação de Refrigerante 12
3.2.3 Unidade Evaporadora 12
3.4 Dutos 14
3.4.1 Duto Aparente 14
3.4.2 Duto Isolado 15

Manutenção 16
4.1 Manutenção Preventiva 16
4.2 Manutenção Corretiva 18

Conclusão 22

Referências Bibliográficas 23
1. Introdução

O conceito básico desta alternativa é a centralização do sistema em uma casa de


máquinas, acoplado a uma rede de dutos para distribuição do ar. Possui uma unidade
interna com sua correspondente externa conectadas por tubos de refrigerante, por isso o
nome split (repartido).

A unidade interna, também conhecida como evaporadora, consiste de um ventilador,


serpentina de resfriamento interna e filtro, enquanto a unidade externa contém o
compressor e o condensador. Quanto ao gás refrigerante, o mais comum empregado é o
HFC R-410A que é livre de cloro e não-tóxico.

Outro conceito utilizado nos splits de alta capacidade é o modular que permitem o
estagiamento da unidades racionalizando o consumo de energia. Módulos condensadores
com conceito modular podem ter uma configuração de capacidade que variam de 10 a 60
TR. Existem dois tipos de sistema: a linha fixa e a linha inverter.

Esse tipo de sistema de refrigeração é muito utilizado em prédios de escritório,


metrôs, bancos, supermercados, cinemas, academias, instalações industriais e locais de
uso contínuo.
2. Componentes

2.1 Unidade Evaporadora

Apresentam o conceito modular e tem construção robusta, podendo ser construídas


em chapas de aço galvanizado e perfil de alumínio.

2.1.1 Gabinetes

Construído sobre estrutura de chapas de aço galvanizado e fosfatizadas, os


gabinetes são revestidos por um processo de pintura a pó poliéster na cor cinza. Os
painéis de fechamento são facilmente removíveis, permitindo total acesso aos
componentes internos. Alguns modelos utilizam uma manta de polietileno expandido,
revestido com uma fina camada de alumínio.

2.1.2 Bandejas de Condensado

As bandejas de recolhimento de condensado, peças únicas em chapa de aço


galvanizado e fosfatizado, foram projetadas para permitir um adequado escoamento de
condensado, evitando os desconfortos causados pela estagnação de água e formação
de mofo, beneficiando assim a qualidade do ar a ser condicionado.

2.1.2 Motor e Ventilador

Os módulos de ventilação utilizam ventiladores centrífugos de dupla aspiração.


Rotor em aço galvanizado, dinâmica e estaticamente balanceados, acionados por motor
elétrico com polia e correia. É do tipo ação (pás curvadas para frente) ou reação (pás
curvadas para trás; sendo integrado por: pás, discos centrais, cubos de fixação e anéis
laterais.
O ventilador centrífugo e o motor estão apoiados sobre uma base única isolada
da estrutura por amortecedores de vibração de borracha ou mola com borracha,
assegurando uma operação livre de vibração e baixo nível de ruído.

Montado em conjunto com o módulo trocador de calor de maneira a formar uma


unidade evaporadora para a aplicação desejada. Podem ser instalados em sala de
máquinas, embutidos em armários ou forros fornecendo o ar condicionado para um ou
diversos ambientes.

As conexões podem ser feitas por ambos os lados do módulo ventilação. Os


motores dos ventiladores atendem ao grau de proteção IP54 e classe de isolação tipo B
(130 ºC). As posições de descarga do ventilador são: frente, traseira e superior. Cada
uma dessas posições tem duas opções de motorização: uma para direita e uma para
esquerda.

2.1.3 Módulo Trocador de Calor

Trocador de calor de expansão direta tipo aletas e tubos com válvula de


expansão termostática. Utilizando serpentinas com aletas corrugadas de alumínio e
tubos de cobre em todos os módulos. O perfil desenvolvido para as aletas facilita,
especialmente, a manutenção e a limpeza, reduzindo o acúmulo de sujeira que pode
prejudicar o rendimento da unidade. As conexões de refrigerante são do tipo bolsa.

As unidades evaporadoras são fornecidas com filtro padrão G4 moldura


descartável. Os filtros são de fácil remoção e limpeza. Vários tipos de filtragem são
permitidos para o módulo trocador de calor.
2.2 Unidade Condensadora

A unidade condensadora tem capacidade de 5 a 25 TR dependendo do modelo e da


fabricante. O compressor utilizado é do tipo Scroll. Existem dois tipos de descarga:
horizontal e vertical. Na descarga horizontal a capacidade varia de 5 a 15 TR, na vertical de
20 a 25 TR. A estrutura é de chapa de aço galvanizado, a qual recebe pintura.

Construídas sobre estrutura de chapas de aço galvanizado e fosfatizadas, os


gabinetes das unidades condensadoras são revestidos por processo de pintura a pó
poliéster em tons de cinza, com posterior secagem em estufa.

2.2.1 Módulo Serpentina

Este módulo é composto por filtro, serpentina de resfriamento, válvula de


expansão e bandeja com dreno. Opcionalmente, pode ser fornecido com resistências
de aquecimento. Possui três caixilhos para colocação de até três filtros.
2.2.2 Módulo Ventilador

Composto por ventilador de pás curvadas para a frente ou para trás (Limit
Load), motor de acionamento, polia motora regulável, polia ventiladora e correias. O
módulo ventilador possui várias opções de descarga de ar. Possui colarinho de lona em
corvin, para facilitar a fixação dos dutos de tomada de ar externo e de ar de retorno.

2.2.3 Módulo Caixa de Mistura (Opcional)

A caixa de mistura é montada sempre antes do módulo de serpentina. É uma


caixa onde podem ser feitas as fixações dos dutos de tomada de ar externo e de ar de
retorno. O módulo caixa de mistura possui dumpers fabricados em chapa de aço
galvanizado, com lâminas opostas e eixo para acionamento manual ou automático, por
meio de dampers, da regulagem de ar. Em caso de montagem da caixa de mistura
filtros são incorporados ao módulo com acesso em ambos os lados da caixa.

2.2.4 Módulo Filtro

Este módulo é uma opção para instalações que requerem um melhor tratamento
do ar. Posicionado depois do módulo ventilador e do módulo serpentina esta opção
torna possível a utilização de filtragem fina (tipo bolsa) e absoluta (H.E.P.A.). Filtragens
desse tipo devem ser alocadas neste módulo, pois a profundidade dos filtros não
permite que sejam utilizados em outro módulo.

2.2.5 Módulo de Retorno e Módulo Vazio

Para o tratamento do ar de retorno existe esta opção de gabinete. O módulo de


retorno é utilizado para receber filtros com maior profundidade (bolsa F8).

O módulo vazio é um gabinete com as mesmas características dos demais


módulos. Trata-se de um módulo vazio que é utilizado para instalação de acessórios
em campo (atenuador de ruído, umidificador, aquecedor elétrico, etc).
3. Instalação

As unidades split de alta capacidade (splitão) são projetadas para oferecer um


serviço seguro e confiável quando operadas dentro das especificações do projeto. Todavia,
devido à pressão do sistema, componentes elétricos e movimentação da unidade, alguns
aspectos da instalação, partida inicial e manutenção deste equipamento deverão ser
observados.

3.1 Transporte e Movimentação

As seguintes normas vigentes para transporte, movimentação e içamento deverão


ser observadas:

● NBR 15883 - Cintas Têxteis para Amarração de Cargas - Segurança;


● NBR ISO 4309 - Equipamento de Movimentação de Carga - Cabos de Aço -
Cuidados, Manutenção, Instalação, Inspeção e Descarte;
● NR-11 - Transporte, Movimentação, Armazenagem e Manuseio de Materiais;
● NBR 8400 - Cálculo de Equipamentos para Levantamento e Movimentação de
Cargas.

Observe também as seguintes recomendações gerais:

a) Evite danos aos equipamentos não removendo-os das embalagens até chegar
ao local definitivo de instalação.
b) Para instalação ou mesmo para depósito dos equipamentos, o piso base deverá
estar nivelado.
c) Evite que cordas, correntes ou cabos de aço encostem nos equipamentos
danificando-os.
d) Não balance os equipamentos durante o transporte e nem incline-os mais do
que 15° em relação à vertical.
e) Respeite o limite de empilhamento indicado nas embalagens dos equipamentos.

Para içamento das unidades condensadoras deverá ser usado uma viga (ou
qualquer outra estrutura semelhante), nas extremidades e, somente nas extremidades . O
ângulo para os cabos (ou correntes) deverá ser de acordo com o mostrado na figura abaixo.
Sendo o comprimento dos cabos estimado por este ângulo.
Para as unidades evaporadoras o posicionamento das cintas nos módulos deve ser
realizado conforme a figura abaixo, ou de maneira a garantir a integridade do produto e a
segurança na operação. As unidades que não possuírem ponto de içamento deverão ser
içadas por empilhadeira ou paleteira.
3.2 Tubulação Frigorífica

3.2.1 Unidade Condensadora (UC)

Para a instalação das unidades condensadoras remotas, deve-se tomar as


seguintes precauções:

● A unidade condensadora deve estar em uma área de boa ventilação, seguir


espaços recomendados para instalação, conforme seção de espaços
recomendados;
● A linha de interligação entre a unidade evaporadora e a unidade condensadora
deverá ser o mais curta possível;
● Não reduzir a bitola das linhas;
● Evitar curvas nas linhas de interligação;
● Não instalar a UC em poços e túneis;
● A UC deverá estar o mais próximo possível de uma linha horizontal;
● As soldas das tubulações devem ser feitas com solda prata ou foscoper.
● Cuidado especial deverá ser tomado para que não ocorra nenhum tipo de
obstrução dos tubos, ao serem soldados as linhas. Os tubos de interligação não
deverão ser amassados. Toda solda deverá ser feita com circulação de
nitrogênio pela parte interna dos tubos que estão soldados para evitar a
formação de fuligem;
● Após as linhas de interligação ficarem prontas, pressurizar as mesmas, com
aproximadamente 200 psig de pressão para pesquisar vazamentos;
● Fazer o vácuo em todo o sistema, linhas de interligação, unidades evaporadora
e condensadora;
● Dar carga de refrigerante.
3.2.2 Tubulação de Refrigerante

A interligação das unidades deverão ser feitas, preferencialmente, com tubos


de cobre interligando as unidades.

As bitolas das conexões das unidades condensadoras e as bitolas das


tubulações de líquido e sucção recomendadas para interligação estão indicadas nas
tabelas fornecidas pelos fabricantes.

Os comprimentos equivalentes indicados já incluem as perdas geradas por


válvulas, curvas, cotovelos, reduções, etc.

3.2.3 Unidade Evaporadora

Instalação acima da Unidade Condensadora

Construir um sifão invertido de 20 cm na linha de sucção logo à saída da


unidade evaporadora, após o sifão normal de acúmulo de óleo. Nos trechos
horizontais da linha de sucção deve ter uma inclinação de 45 mm a cada 10 m de
linha no sentido da unidade condensadora.
Instalação abaixo da Unidade Condensadora

Construir um sifão de 10 cm logo na subida e mais um sifão a cada 7,5 . de


linha vertical. Trechos horizontais da linha de sucção devem ter uma inclinação de
45 mm a cada 10 m de linha no sentido da unidade condensadora.

Instalação no mesmo nível da Unidade Condensadora

Construir um sifão invertido de 20 cm na linha de sucção logo à saída da


unidade evaporadora, após o sifão normal de acúmulo de óleo. Nos trechos
horizontais da linha de sucção devem ter uma inclinação de 45 mm a cada 10 m de
linha no sentido da unidade condensadora.
3.4 Dutos

Os equipamentos do tipo splitão devem ser instalados acoplados à rede de dutos


que poder ser:

3.4.1 Duto Aparente

Esta alternativa é utilizada onde se requer uma instalação rápida e o sistema


atenderá, por exemplo, a um ambiente sem divisão (ex. supermercado), podendo ser
do tipo giroduto, giroval ou convencional.

Giroduto

A seção circular é a melhor opção para construção de dutos. Seu


perímetro é sempre menor que o de qualquer seção oval, retangular ou
quadrada equivalente e o formato circular é mais resistente a deformações
quando submetido a pressões positivas elevadas. É a melhor escolha
quando há espaço suficiente para instalação, sem restrições de pé direito.

A montagem é fácil e econômica através do sistema macho-fêmea


(split-joint), ou utilizando-se de luvas externas ou flanges. O duto possuem
resistência mecânica superior a qualquer duto calandrado convencional de
mesma espessura, tornando-os mais leves e reduzindo os custos de
instalação.
Giroval

É a melhor opção para ambientes com pé direito limitado,


proporcionando leveza e contraste com a decoração interior. A montagem é
fácil e econômica. Sua construção em espiral assegura reforço adicional a
parede dos dutos preservando a aparência e boa rigidez mecânica.

3.4.2 Duto Isolado

Esta alternativa é utilizada em locais onde se requer uma distribuição de ar


em vários ambientes, e que a sua utilização será de uso contínuo, para esta alternativa
deverá ser levado em consideração a necessidade de espaço sobre o forro para passagem
da rede de dutos e demais elementos da obra.
4. Manutenção

4.1 Manutenção Preventiva

Fazer todas as inspeções e serviços de manutenção nos intervalos recomendados.


Isto prolongará a vida útil do equipamento e reduzirá a possibilidade de falhas do
equipamento.

É importante fazer o registro mensal das condições de operação da unidade. A folha


com os dados de operação pode ser uma ferramenta valiosa de diagnóstico para o pessoal
da assistência técnica. Anotando tendências nas condições de operação o operador pode
frequentemente prever e evitar situações-problema antes deles serem sérios.

Manutenção Semanal

Uma vez que o equipamento esteja funcionando há aproximadamente 30


minutos e o sistema estabilizado, é necessário verificar as condições de operação e
seguir os seguintes procedimentos de verificação:

● Limpe os filtros de ar permanentes com maior frequência dependendo do local


de instalação.

Manutenção Mensal

● Limpe os filtros de ar permanentes. Os filtros descartáveis devem ser


substituídos.
● Verifique a tensão, alinhamento e estado das correias dos ventiladores.
● Limpe a voluta dos ventiladores.
● Reaperte todos os parafusos dos terminais.
● Limpe a bandeja do evaporador, a mangueira e o ralo da água condensada.
● Verifique o visor da linha de líquido. Teste vazamentos e corrija-os se
necessário.
● Se as condições de operação e o visor de líquido indicam falta de gás, meça o
superaquecimento e o sub resfriamento do sistema.
● Se as condições de funcionamento indicam sobrecarga, retire refrigerante pela
válvula shrader de serviço da linha de líquido, de forma cuidadosa para
minimizar perdas de óleo.
● Inspecione o sistema para detectar condições anormais. Use a folha de leitura
para registrar as condições da unidade.

Manutenção Trimestral

● Faça todos os serviços de manutenção mensal.


● Verifique os parafusos de fixação dos mancais e polias, ajuste-os se necessário.
● Limpe o condensador com maior frequência dependendo do local de instalação.
● Limpe o evaporador com maior frequência dependendo do local de instalação.
● Verifique e anote as tensões e correntes de serviço dos motores dos
ventiladores e compressores.
● Teste os controles de segurança.
● Verifique e anote as temperaturas de bulbo seco e bulbo úmido na entrada e
saída do evaporador.
● Verifique a pressão de sucção e descarga com o manifold.
● Meça e registre o superaquecimento do sistema.
● Meça e registre o subresfriamento do sistema.

Manutenção Anual

● Faça todos os serviços de manutenção mensais e trimestrais recomendados.


● Verifique a regulagem e funcionamento de cada controle e inspecione e
substitua, se necessário, as contatoras ou os controles.
● Retire os painéis do gabinete e elimine focos de ferrugem.
● Troque a isolação térmica e guarnições que apresentem defeitos.
● Retoque as pinturas externas e internas, se necessário.
● Elimine ferrugens.
● Inspecione os tubos do condensador e limpe se necessário.
● Inspecione o bulbo da válvula de expansão para limpeza. Limpe se necessário.
O bulbo deve ter um excelente contato com a linha de sucção e estar
apropriadamente isolado.
● Medir o isolamento elétrico do motor do compressor.
4.2 Manutenção Corretiva

É recomendável descobrir a causo do mau funcionamento do sistema identificando


qual é o controle que abriu o circuito. A confirmação é realizada através da falta da
continuidade através do controle indicado. Verificando se o controle em questão está
corretamente ajustado e funcionando adequadamente.

Tratamento de água

A água utilizada nos tanques de umidificação deve ser tratada (filtra).


Fabricantes como a “Trane” recomendam a instalação de um filtro antes da entrada
do tanque, evitando assim que seja utilizada água com impurezas. O uso de água
imprópria pode causar mau funcionamento do sistema de umidificação ou até
mesmo perda completa de sua funcionalidade

Tanque de Umidificação

A água utilizada nos tanques de umidificação deve ser tratada (filtrada).


Recomenda-se a instalação de um filtro antes da entrada do tanque, evitando assim
que seja utilizada água com impurezas. O uso de água imprópria pode causar mau
funcionamento do sistema de umidificação ou até mesmo perda completa da sua
funcionalidade.

Testes de vazamento com nitrogênio

O teste de vazamento deverá ser executado após efetuar a instalação das


tubulações de interligação das unidades divididas, sempre que o visor de líquido
apresentar borbulhamento ou após o aparelho sofrer reparos no circuito frigorífico.

O uso do refrigerante é usado como um elemento de teste de detecção de


vazamentos e nitrogênio seco para atingir a pressão de teste.

Procedimentos

● Instalar a válvula reguladora de pressão no cilindro de nitrogênio;


● Injetar progressivamente este gás no sistema até chegar a uma pressão máxima de
200 psig;
● Procurar vazamentos em todas as soldas e conexões e flanges do circuito com
espuma de sabão que formam bolhas no local do defeito;
● O teste com R410a é feito injetando uma pressão de 80 psig com R410a antes de
colocar a pressão de nitrogênio. Procurar o vazamento com detector eletrônico ou
lâmpada de halogênio;
● Caso detecte algum vazamento libere a pressão, faça o reparo e faça novo teste
para ter certeza de que o vazamento foi eliminado.
● Todas as unidades Solution Plus são fornecidas pressurizadas com uma pequena
carga de Nitrogênio ou Hélio. Instalar manômetro em uma das válvulas ​Schader
localizada nas linhas de refrigerante para verificar se o circuito permanece
pressurizado. Se não tiver pressurizado, houve vazamento durante o transporte e
este necessita ser localizado e reparado antes de prosseguir a instalação.

Evacuação

● A evacuação é necessária para retirar do sistema o vapor de água e gases não


condensáveis;
● Usar bomba de alto vácuo do tipo rotativo;
● Instalar o jogo de manômetros Manifold;
● Recomenda-se um tempo mínimo de vácuo de uma hora para efetuar a primeira
leitura. A evacuação só estará concluída se o vácuo de uma hora para efetuar a
primeira leitura. A evacuação só estará concluída se o vácuo final ficar entre 250 e
500 microns. Como teste de liberação o registro da bomba deve ser fechado durante
5 minutos e o vácuo não deve aumentar mais de 100 microns.

Instalação do Compressor

O compressor pode apresentar dois tipos de problemas: mecânicos ou


elétricos. Em ambos os casos o compressor deverá ser trocado, porém não basta
trocá-lo, procure sempre localizar e eliminar a(s) causa(s) do defeito.

Quebra mecânica

Se o compressor não tiver válvulas de serviço, transferir o refrigerante para


um cilindro apropriado, fazer teste de pressurização (máxima de 200 psig para
proteger o pressostato de baixa pressão), fazer novo vácuo, carga de refrigerante e
nova partida com todas as leituras.
Corrigir a instalação no que ela possa ter prejudicado o equipamento,
liberando-o para funcionamento e mantendo-o sempre o acompanhamento por firma
credenciada.

Caso o compressor tenha válvulas de serviço, o refrigerante pode ser


mantido no circuito. Seguindo os seguintes passos:

● Desligando o circuito elétrico do compressor e retirando os cabos elétricos


(marcando os mesmos).
● Fechando as válvulas de sucção e descarga do compressor;
● Retire a solda das conexões do compressor com as tubulações de sucção e
descarga;
● Retire o compressor;
● Instale o novo compressor;
● Instale o circuito elétrico e os rabichos dos pressostatos;
● Evacue o compressor;
● Abra as válvulas do compressor.

Queima do Motor

A queima do motor implica na formação de ácidos e deposição de óxidos e


bôrra em partes do circuito, daí a necessidade de efetuar-se a substituição do
refrigerante e do óleo e fazer a limpeza de todo o circuito com a colocação de filtros
secadores antiácido, na sucção e na linha de líquido.

Neste caso, a limpeza deve ser procedida da seguinte forma:

● Recolha todo o refrigerante em cilindro e envie para ser reciclado pelo fabricante, ou
faça a sua própria reciclagem com equipamento próprio.
● Retire o compressor;
● Retire o filtro secador;
● Instale o filtro adequado na linha de sucção do compressor e troque o da linha de
líquido;
● Instale o compressor novo ou recuperado, evacue e carregue o sistema;
● Verifique o contator. Os contatos devem ser limpos ou trocados;
● Coloque o equipamento em funcionamento e acompanhe sua operação;
● Verifique a perda de pressão através do filtro de sucção. Se a perda de pressão
exceder à recomendada pelo fabricante, o filtro deverá ser trocado;
● Após 24 horas de funcionamento, o óleo deve ser analisado;
● Troque óleo e os filtros a cada 48 horas até obter o óleo isento de acidez;
● Retire o filtro de sucção.

Quando fizer a limpeza de um circuito com dois compressores, será


necessário trocar o óleo do compressor queimado e do seu par também.
5. Conclusão

O sistema split de alta capacidade (splitão) foi desenvolvido para ambientes com
fluxo contínuo de pessoas. É um aparelho de ar-condicionado com características mais
pesadas. A unidade condensadora pode ter diferentes tamanhos, dependendo da
capacidade térmica do sistema.

Também pode ser chamado de ar-condicionado built-in ou dutado., pois na grande


maioria dos casos, as unidades internas ficam embutidas dentro de forros, dutos, armários
ou sancas de gesso. A estrutura que receberá as unidades interna e externa são
pré-estabelecidas pelo projeto de climatização, item obrigatório para a instalação desse tipo
de equipamento.

Por fim a manutenção desse sistema é fundamental para seu funcionamento e


operação. Os dutos são considerados dispositivos que aumentam a eficiência do sistema,
concentrando a vazão do ar condicionado. A limpeza dos dutos desse aparelho é um ponto
que deve-se ter atenção.
6. Referências Bibliográficas

CATÁLOGO ECOSPLIT E ECOSPLIT DC INVERTER CARRIER - INSTALAÇÃO,


OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO.

CATÁLOGO TRANE - INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO, Dezembro de 2017.

CATÁLOGO TRANE SOLUTION PLUS - Split System - Parede Dupla - 5 a 50 TR,


Dezembro de 2017.

Você também pode gostar