Você está na página 1de 94

PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

MRP II/ERP

Conceitos, Uso e Implantação

Henrique Luiz Corrêa

Crummer Graduate School of Business, Rollins College

Irineu Gustavo Nogueira Gianesi

IBMEC Business School, São Paulo

Mauro Caon

Fundação Carlos Alberto Vanzolini da USP

PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

MRP II/ERP

Conceitos, Uso e Implantação

5 a Edição

Respostas dos Exercícios

Portal Atlas

SÃO PAULO EDITORA ATLAS S.A. – 2007

2

Conceitos de Gestão de Estoques

Exercício 1

Um novo gerente de materiais de um atacadista identificou as seguintes característi- cas do item pasta de dente Dentex:

DA = demanda anual = 20.000 itens, relativamente estável;

Cf = custo de pedir o item do fornecedor = R$ 35,00;

Ce = custo anual de carregar em estoque uma unidade do item = R$ 0,35 (o custo do item é R$ 1,00 e a taxa de carregamento de estoques é de 35% do seu valor por ano).

O gerente calculou o lote econômico de compra (LEC) do item e comparou o resul- tado com o tamanho de lote que estava sendo usado pela empresa. Ele ficou chocado, porque descobriu que o tamanho do lote em uso era 75% maior que o tamanho do lote econômico calculado.

a) Antes de fazer qualquer conta, teste sua intuição e estime de quanto, percen- tualmente, o custo total anual de estoques com o tamanho de lote atual é maior que o custo anual de estoques, considerando um lote econômico de compra.

b) Calcule o tamanho do lote econômico de compra (LEC) e os custos anuais totais de estoque correspondentes.

c) Calcule o tamanho do lote atualmente em uso (75% maior que o LEC) e os custos anuais totais de estoque correspondentes.

d) Compare percentualmente os custos anuais totais dos dois tamanhos de lote (cal- culados em b e em c). Sua intuição estava certa? O que é possível aprender com este exercício?

2

Planejamento, Programação e Controle da Produção Corrêa/Gianesi/Caon

Solução:

a) Aqui a idéia é “induzir” o estudante a pensar que grandes diferenças no tamanho de lote em relação ao LEC levarão a grandes diferenças em custos totais, o que em geral não é o caso. O cálculo do LEC é relativamente “robusto”.

b)

LEC =

O cálculo do LEC é relativamente “robusto”. b) LEC = 2 x DA x C f

2 x DA x Cf

Ce

CT = Ce x

L

2

+ Cf x

DA

LE

2 x 20.000 x 35

0,35

2.000

2

+ 35 x

=

=

20.000

2.000

= (0,35) x

2.000

= ~ 350 + 350 = R$ 700

O

LEC é de 2.000 unidades e o custo total anual de estoque é de R$ 700.

c)

Lote atual = 1,75 x LEC = 1,75 x 2.000 = 3.500 unidades

 

L

DA

3.500

20.000

CT = Ce x

+ Cf x

= (0,35) x

+ 35 x

 

2

LE

2

3.500

= ~ 612,5 + 200 = R$ 812,5

O lote atual é de 3.500 unidades e o custo total anual de estoques é de R$ 812,50.

d) A diferença percentual de custos totais anuais de estoques é de 812,5 700

= 16%.

700

Ou seja, para uma diferença de 75% na quantidade do tamanho de lote, o custo total apenas aumentou 16%. Em que pese ser um percentual considerável, é muito menor que os 75% da diferença no tamanho de lote. Isso significa que variações relativamente gran- des de tamanhos de lote, em torno do lote econômico, não trazem correspondentemente variações grandes nos custos. Isso é boa notícia, pois indica que o modelo é robusto, ou seja, mesmo se a estimativa dos parâmetros de entrada não for perfeita, os custos não ficarão correspondentemente elevados. Ficarão elevados, mas menos do que proporcio- nalmente, em geral.

Sistemas de Administração da Produção

3

Exercício 2

O gerente de materiais descrito no Exercício 1 resolveu alterar o tamanho de lote de

compra do item Dentex para o lote econômico de compra (LEC). Depois de dois meses trabalhando com o LEC, ele implantou um novo sistema automatizado de colocação de pedidos que integrou a empresa ao seu fornecedor, reduzindo o custo de fazer um pedido para R$ 10,00 (redução de 71,4%).

a) Que efeito percentual tem esta redução no tamanho do LEC?

b) Que efeito percentual teve esta mudança no resultante custo anual total de esto- ques para a Dentex?

Solução

a) Primeiro, calculamos o LEC para o Dentex, considerando os R$ 35,00 originais como custo de pedir:

LEC =

2 x DA x Cf

Ce

=

2 x 20.000 x 35

0,35

=

2.000

Com a redução do custo de pedir, o novo LEC* fica:

LEC* =

2 x DA x Cf Ce

=

2 x 20.000 x 10

0,35

=

1.069 (redução de 46,6%)

A

redução do LEC foi de 46.6%.

b)

Primeiro, calculamos o custo total de estoques com o LEC original:

CT = Ce x

L

2

+ Cf x

DA

LE

= (0,35) x

2.000

+ 35 x

20.000

2 2.000

= ~ 350 + 350 = R$ 700

Agora, calculamos o custo total anual de estoque com o novo LEC:

CT* = Ce x

L

2

+ Cf x

DA

LE

= (0,35) x

1.069

2

+ 10 x

20.000

1.069

= ~ 187 + 187 = R$ 374

A diferença percentual nos custos totais anuais de estoque, pela redução dos custos

de pedir de 71,4% é de 46,6%, ou seja, considerável!

4

Planejamento, Programação e Controle da Produção Corrêa/Gianesi/Caon

Exercício 3

Um determinado item comprado por uma loja de material de construção tem uma demanda anual de 14.000 unidades sem sazonalidades, outras ciclicidades ou tendências relevantes. O seu custo unitário é $ 0,40. O custo anual de manutenção do estoque é estimado em 25% do valor do estoque (custo médio) e o custo total da emissão de um pedido é, aproximadamente, de $ 20.

a) Qual o tamanho do lote econômico de compra?

b) Com que freqüência deverá ser comprado, em média?

c) Qual o custo total anual de manutenção do estoque?

d) Se a mesma empresa decidisse produzir o mesmo item ao custo unitário de $ 0,30, com um custo total de setup (preparação) e controle de $ 45 para cada ordem de produção emitida e demanda anual sobre a produção de 21.600 unidades, qual deveria ser o tamanho do lote econômico da ordem de produção?

Solução

a)

LEC =

2 x DA x Cf

Ce

=

2 x 14.000 x 20

0,40 x 0,25

~

=

2.366

O lote econômico de compra é de 2.366 unidades.

b) A freqüência de compra pode ser calculada definindo-se em média quantas vezes por ano o item será pedido:

Número de pedidos por ano =

Demanda anual

LEC

=

14.000

2.366

~

= 5,9

Isso significa que serão feitos, em média, 5,9 pedidos por ano.

c) O custo total de manutenção do estoque (assumindo estoque de segurança igual a zero) pode ser calculado conforme abaixo:

CT (custo total) = CA (custo de carregar estoques) CP (custo anual de fazer pedidos)

 

L

DA

2.366

14.000

CT = Ce x

+ Cf x

= (0,4 x 0,25) x

+ 20 x

 

2

LE

2

2.366

= ~ 118,3 + 118,3 = $ 136,6

Sistemas de Administração da Produção

5

O custo anual de manutenção de estoque é de $ 136,60. Note que as duas parcelas

(CA e CP) são iguais. Isso evidentemente não é coincidência, já que, para o lote econômi- co, ambos os custos são iguais.

d) Este item refere-se ao cálculo do lote econômico de produção e não de compra. O custo fixo Cf em lotes de produção em geral refere-se a custos referentes ao setup (preparação de máquina) e controle. Daí vem:

LEP =

(preparação de máquina) e controle. Daí vem: LEP = 2 x DA x C f Ce

2 x DA x Cf

Ce

=

2 x 21.600 x 45

0,30 x 0,25

~

=

5.091 itens

O lote econômico de produção seria de 5.091 itens.

6

Planejamento, Programação e Controle da Produção Corrêa/Gianesi/Caon

Exercício 4

Uma consulta às informações históricas de um item estocado com demanda indepen- dente apresentou o seguinte resultado:

Demanda anual D, relativamente estável: 26.000 unidades.

Lote econômico de compra LEC: 500 unidades.

Lead time LT: uma semana.

Desvio-padrão do erro na previsão semanal de demanda σ: 200 unidades.

O gerente de suprimentos definiu, como aceitáveis, apenas 300 itens por ano em falta em estoque.

Determine:

a) O número de “exposições a falta” por ano.

b) O nível de serviço requerido pelo gerente de suprimento.

c) O estoque de segurança necessário.

d) O ponto de ressuprimento.

Solução

a) O número de “exposições a falta” e o número de vezes que o nível de estoque aproxima-se de zero, ou seja, o número de ciclos de reposição (dado que a cada ciclo de reposição o estoque se aproxima de zero):

Número de “exposições a falta” por ano =

Demanda anual

26.000

=

LEC

1.000

= 26

b) O nível de serviço requerido é bastante alto, já que exige 1 item faltando em 26.000, no máximo. Em termos percentuais, isso quer dizer que devem estar dis- poníveis em estoque 25.700 itens de cada 26.000 solicitados:

26.000 300

26.000

= 0,988 ou 98,8%

Sistemas de Administração da Produção

7

c) Neste caso, devido à definição adotada pelo gerente, para definir o nível de serviço (percentagem de itens em falta comparado ao total de itens demandados), a abor- dagem a ser usada para a definição de estoques de segurança é a numérica:

E(z) =

(1 NS) x L

σ LT

(1 0,998) x 500

=

200

= 0,005

Entrando na Tabela 2.5 do livro, com E(z) = 0,005, vem que z = 2,20.

Pode-se então calcular o estoque de segurança necessário:

ES = z x σ LT = 2,20 x 200 = 440 unidades.

O

d)

estoque de segurança necessário é de 440 unidades.

O ponto de ressuprimento é calculado conforme abaixo:

PR = D x LT + ES = 26.000 x 1 + 440 = 26.440 unidades.

O

ponto de ressuprimento é de 26.440 unidades.

8

Planejamento, Programação e Controle da Produção Corrêa/Gianesi/Caon

Exercício 5

A editora ABC publica um renomado guia de ruas. A demanda anual estimada tem

sido de 5.000 guias, relativamente estável. O custo de produção de cada guia é de R$ 13,00 e cada ordem de produção enviada à gráfica gera um custo fixo de setup de R$ 500,00 e leva uma semana para ficar pronta. Considere que um lote (econômico) inteiro e produzido e, só então, transferido para o estoque. O custo anual de manter o estoque de livros é calculado utilizando um Ce = 0,25 (ou 25%). A editora tem um bom sistema de previsão de demanda, com desvio-padrão dos erros de previsão de demanda semanal de 22,6 guias. Sabendo que o ponto de ressuprimento utilizado pelo editor é de 125 guias, calcule:

a) Qual o nível de serviço atual da editora, utilizando a abordagem probabilística?

b) De quanto este nível de serviço melhoraria se a qualidade das previsões melho- rasse a ponto de reduzir o desvio-padrão dos erros semanais de previsão para 14 guias (com os outros parâmetros permanecendo iguais)?

c) Qual seria o nível de serviço adotando-se a abordagem numérica (considerando o desvio-padrão dos erros de previsão original de 29 guias por semana)?

Solução

a) Em primeiro lugar, precisamos calcular qual o estoque de segurança atual. Como sabemos que, na abordagem probabilística:

PR = D x LT + E

seg

E seg = PR D x LT = 125

(

5.000

52

)

x 1 = 29 unidades

~

Sabemos também que a expressão do estoque de segurança para abordagem proba- bilística é:

ES = σ LT x FS = 29

FS =

22,6 )

29
29

= 1,283

Usando a Tabela 2.3, vemos que um FS = 1,283 corresponde a um nível de serviço de aproximadamente 90%.

O nível de serviço atual é de aproximadamente 90%.

Sistemas de Administração da Produção

9

b) Se o desvio-padrão dos erros de previsão semanais caísse para 14 unidades, o fator de serviço ficaria, para um estoque de segurança de 29 unidades:

ES = σ LT x FS = 29

FS =

(

29

14

)

= 2,071

Usando a Tabela 2.3, vemos que um FS = 2.071 corresponde a um nível de serviço superior a 98%.

O nível de serviço melhoraria de 90% para 98% (com o mesmo nível de estoque de segurança).

c) Para calcularmos o nível de serviço utilizando a abordagem numérica, partimos também do estoque de segurança considerado:

PR = D x LT + E

seg

E seg = PR D x LT = 125

(

5.000

52

)

x 1 = 29 unidades

~

Sabemos também que a expressão do estoque de segurança para abordagem proba- bilística é:

ES = z x σ LT = 29

z =

(

29

22,6

)

= 1,283

Entrando na Tabela 2.5, vemos que a um z = 1,283 corresponde um E(z) = 0,385 (interpolando-se).

Sabemos também que:

E(z) =

(1 NS) x L

σ LT

(1 NS) =

E(z) x σ LT

L

Conhecemos E(z) = 0,385 e conhecemos também σ LT = 29, mas temos ainda que calcular o lote econômico utilizado:

~

L(econômico) =

2 x DA x Cf

Ce

=

2 x 5.000 x 500

13 x 0,25

= 1.240 unidades

~

10

Planejamento, Programação e Controle da Produção Corrêa/Gianesi/Caon

Daí:

(1 NS) =

E(z) x σ LT

0,385 x 29

=

L 1.240

= 0,00900

NS = 1 0,00900 = 0,991 = 99,1%

O nível de serviço considerando a abordagem numérica é de 99,1%.

Sistemas de Administração da Produção

11

Exercício 6

Uma empresa de vendas por Internet tem como seu principal critério competitivo frente à concorrência uma alta certeza da entrega no prazo prometido. A tabela a seguir registra as vendas de CDs (virgens) das últimas 30 semanas. O lead time de obtenção dos CDs é de duas semanas e se deseja um nível de serviço ao cliente de 98% dos pedidos atendidos (2% das unidades demandadas por ano ficam sem atendimento imediato). O lote de compra utilizado é de 100.000 unidades.

a) Qual o estoque de segurança necessário?

b) Qual o ponto de ressuprimento?

c) Suponha que o gerente de suprimentos queira aumentar o nível de serviço para

99,9% dos pedidos. Qual o acréscimo necessário no estoque de segurança?

Semana

Vendas

Semana

Vendas

Semana

Vendas

1

39.459

11

40.604

21

36.067

2

41.778

12

38.960

22

38.589

3

36.375

13

36.560

23

41.720

4

38.987

14

37.980

24

39.500

5

39.480

15

39.638

25

39.269

6

36.304

16

38.921

26

38.680

7

40.649

17

37.475

27

41.757

8

38.890

18

41.397

28

38.009

9

37.717

19

38.400

29

39.491

10

38.793

20

36.980

30

40.040

Solução

a) Pela definição do “nível de serviço”, nota-se que a abordagem esperada é a numé- rica (percentual de itens faltantes ao longo do ano). Analisando a característica “bem comportada” da demanda, também podemos adotar a hipótese de perma- nência, assumindo que não haja ciclicidades ou tendências relevantes nos dados históricos de demanda.

Trabalhando os dados numa planilha Excel, tiramos que a demanda histórica tem as seguintes características:

μ = 38.949 unidades

σ = 1.615 unidades

12

Planejamento, Programação e Controle da Produção Corrêa/Gianesi/Caon

O estoque de segurança, ES, na abordagem numérica, é calculado como:

ES = z x σ LT = z x σ semanal x

LT

= z x 1.615 x 2

Para obtermos z, temos que utilizar a Tabela 2.5 e, para isso, temos então que calcular E(z).

Sabemos que:

(1 NS) x L

σ LT

(1 0,98) x 100.000

=

2.000

E(z) =

x

2

=

2.284

1.615

2

= 0,876

z = 0,74 (interpolando)

~

Podemos agora calcular o estoque de segurança:

ES = z x 1.615 x

= (0,74) x 1,615 x 2

= 1.690

Note que um estoque de segurança negativo aqui significa que o ponto de ressupri- mento será menor que a demanda média durante o lead time, ou seja, o sistema “força” a falta de itens até o nível desejado de 2% de itens faltando.

b) PR = D x LT + ES = 38.949 x 2 + (1.690) = 76.208

O ponto de ressuprimento é de 76.208 unidades.

c) Para aumentar o nível de serviço para 99,9%, vem:

(1 NS) x L

(1 0,999) x 100.000

100

E(z) =

 

=

=

σ LT

1.615 x

2

2.284

Podemos agora calcular o estoque de segurança:

ES = z x 1.615 x

2

= 0,0,44

z = 1,31 (interpolando)

~

= (1,31) x 1.615 x 2

= 2.992 unidades

O acréscimo no estoque de segurança é de 2.992 – (– 690) = 4.682 unidades.

Interessante notar que quando o nível de serviço NS se aproxima de 100%, pequenas alterações de nível de serviço (no caso, de 98% para 99,9%, ou seja, menos de 2%) reque- rem um acréscimo grande nos estoques de segurança (no caso de mais 10% da demanda média mensal).

Sistemas de Administração da Produção

13

Exercício 7

Um supermercado está analisando a possibilidade de importação de copos da China, em substituição a um fornecedor local. O nível de serviço definido pelo supermercado para este item é de 98% (utilize a abordagem probabilística). O fornecedor local tem um lead time de uma semana confiável (desvio-padrão da distribuição de tempos de entrega pode ser considerado zero). O fornecedor chinês tem lead time de oito semanas, mas devi- do a várias incertezas no processo de importação e transporte, sujeito a um desvio-padrão calculado (com base em outros itens comprados do mesmo fornecedor) de quatro sema- nas (já houve um caso, por exemplo, em que o despacho levou 19 semanas para chegar). A demanda prevista por copos neste supermercado é de 2.500 unidades por semana, com desvio-padrão esperado de 800 unidades.

a) Qual o estoque de segurança que o supermercado está usando atualmente?

b) Qual o estoque de segurança que o supermercado precisaria para manter o nível de serviço de 98% e mudar de fornecedor?

c) De quanto, percentualmente, o estoque de segurança de copos do supermercado teria que aumentar para suportar a troca de fornecedor? Comente.

Solução

a) Com abordagem probabilística, o estoque de segurança é calculado como:

LT √ = 2,055 x 800 x √ 1 = 1.644 unidades E Seg =
LT
= 2,055 x 800 x
√ 1
= 1.644 unidades
E Seg = FS 98% x σ D x
PP
1
O estoque de segurança que o supermercado hoje usa é de 1.644 unidades.
b)
Para calcular o estoque de segurança em situações que a demanda e o lead time
variam conforme distribuições normais, em primeiro lugar, é necessário calcular o
desvio-padrão da demanda durante o lead time. Pode-se para isso usar a expressão
D 2 x σ 2 LT + LT x σ 2 D =
2.500 2 x 4 2 + 8 x 800 2 =
σ Demanda durante o LT =

6.250.000 x 16 + 8 x 640.000 = 10.253 unidades

Portanto, o estoque de segurança pode ser calculado como:

E Seg = FS x σ Demanda durante o LT = 2.055 x 10.253 = 21.070 unidades

14

Planejamento, Programação e Controle da Produção Corrêa/Gianesi/Caon

c) O aumento no estoque de segurança teria que ser de 1.181,6%. Este valor é grande o suficiente para sugerir que alterações na rede de suprimentos, por exemplo, a troca de um fornecedor, devem basear-se em cálculos cuidadosos de custos na rede como um todo. Pode ser, por exemplo, que mesmo uma diferença substancial de preço do item seja mais do que compensada pelos custos adicionais de estoques de segurança devido ao aumento substancial do lead time e do aumento também substancial de variabilidade desse lead time.

Sistemas de Administração da Produção

15

Exercício 8

Uma empresa, fabricante e distribuidora de cosméticos, precisa dimensionar o tama- nho do lote econômico de produção (reposição dos produtos no estoque feito gradual e linearmente durante o lead time de produção) para um shampoo de sua linha. O custo de se fazer um setup (preparação) do equipamento requerido para produzir o shampoo foi calculado em R$ 1.500,00. O custo de cada frasco de shampoo é de R$ 1,00. A taxa anual de manutenção de estoques para a empresa é de 25%. A demanda para este shampoo é de 50.000 frascos por semana em média e a taxa que representa a capacidade de produção (a fábrica trabalha sete dias por semana, 360 dias por ano) para este shampoo é de 20.000 frascos por dia, em média.

a) Qual o tamanho do lote econômico de produção para o shampoo?

b) Considerando que este shampoo é feito sem conservantes e com ingredientes fres- cos, o seu shelf life (tempo que o shampoo dura até se estragar) é de apenas quatro semanas. Que tipo de problema isso traz para a nossa fabricante de shampoo?

c) O que você poderia fazer para resolver o problema identificado em b (considere que não é possível mudar a formulação nem a embalagem do produto), de forma

a permitir uma produção “econômica” do shampoo?

Solução

a)

O lote econômico de produção é calculado por:

LE* =

2 x DA x Cf DA

Ce x

PA

DA = 50.000 x 52 = 2.600.000 frascos/ano (considerando que um ano tem 52 se- manas)

PA = 20.000 x 365 = 7.200.000 frascos/ano (considerando que a empresa trabalhe 360 dias por ano)

Cf = R$ 1.500,00

Ce = R$ 1,00 x 0,25 = R$ 0,25 por frasco por ano

LE* =

2 x 2.600.000 x 1.500

2.600.000

0,25 x

7.200.000

= 293.939 frascos (5,9 semanas de demanda)

O lote econômico de produção é de 293.939 frascos.

16

Planejamento, Programação e Controle da Produção Corrêa/Gianesi/Caon

b) O lote econômico de 293.939 frascos representa 5,9 semanas de demanda. Se a duração do shelf life é de quatro semanas, isso significa um risco alto de grande quantidade de shampoo se estragar antes de ser vendido.

c) Já que o shelf life do shampoo é de quatro semanas, seria aconselhável que o ta- manho do lote de produção usado não excedesse a 200.000 frascos. Isso significa que o tamanho de lote deveria ser de apenas 68,05% do atual. Para se obter um lote econômico de produção de 68,05% do original, seria necessário alterar os parâmetros (ou “drivers”) interferentes no tamanho de lote, por exemplo:

1. Diminuindo custo de setup para 46,30% do original, para no máximo R$ 694,44 (pois 0,4630 = 0,6805). Com isso, um lote suficiente para quatro semanas seria

economicamente produzido.

~

2. Diminuido a taxa de produção para 46,30% da original, para 9.259 unidades por dia. Embora matematicamente esta seja uma possibilidade, provavelmente não seria a melhor, porque isso implicaria trabalhar com taxas de utilização baixas da capacidade instalada da máquina.

Sistemas de Administração da Produção

17

Exercício 9

Uma grande concessionária de veículos decide adotar o sistema de revisão perió- dica para gerenciar seus estoques de pastilha de freio do veículo do tipo Challenger. A montadora, que fornece as pastilhas, ofereceu um desconto maior nos preços das peças fornecidas, em troca de a concessionária aceitar receber uma única remessa por semana de todas as peças e, com isso, reduzir os custos totais de distribuição de sua rede de su- primentos. A demanda de pastilhas de freio na concessionária é de 120 peças por semana (trabalhando seis dias por semana), em média, relativamente estável, com desvio-padrão semanal de apenas 24 peças. A revisão do estoque se dá no sábado ao final do expedien- te. O lead time de entrega da montadora é de dois dias (entrega se dá na terça-feira ao final do expediente) e o nível de serviço exigido pelos clientes da montadora é de 95% (abordagem probabilística).

a) Calcule o “estoque máximo” para o sistema de gestão de estoques da pastilha de freio.

b) Se numa sexta-feira o sistema de informações da montadora indica que há 188 peças em estoque e nenhuma entrega “pendente”, mas uma contagem física re- velou que há na verdade 195 pastilhas em estoque disponíveis para uso, quantas pastilhas devem ser pedidas? Que atitude adicional o gerente de peças da conces- sionária deveria tomar?

Solução

a)

Para calcular o estoque máximo, pode-se usar a expressão:

M

= D x (P + LT) + ES

Onde:

D = Taxa de demanda = 20 pastilhas por dia.

P = Período de revisão = 6 dias (podemos ignorar o domingo, já que nem fornece- dora nem cliente trabalham).

LT = Lead time = 2 dias.

ES = Estoque de segurança =

(P + LT) PP

.

FS 95% x σ D x

Onde:

FS 95% = fator de serviço para um nível de 95% = 1,645 (Tabela 2.3, pois a aborda-

gem adotada é a probabilística).

18

Planejamento, Programação e Controle da Produção Corrêa/Gianesi/Caon

σ D = desvio-padrão da demanda diária (estamos usando “dias” como unidade).

Como temos o desvio-padrão da demanda semanal (6 dias neste caso), para estimarmos

o desvio-padrão diário, fazemos D diária =

D semanal

6

=

24

6

= ~ 9,8 unidades.

Então:

ES = 1,645 x 9,8

(6 + 2)

1

= 46 peças.

~

M = D x (P + LT) + ES = 20 x (6 + 2) + 46 = 206 peças.

b) Se no sistema de informações da concessionária aparecem 188 peças, mas um inventário físico resultou em 195 peças disponíveis, deve-se utilizar o valor do inventário físico para decidir quantas peças pedir:

Q = M – (E + QP)

Onde:

Q

= Quantidade a pedir.

M

= Estoque máximo calculado em a = 206 peças.

E

= Estoque disponível = 195.

QP = Quantidade pendente = 0.

Q = 206 – (195 + 0) = 11 peças.

Devem ser pedidas 11 peças.

O gerente deveria ajustar o estoque no sistema de informações para o estoque in- ventariado (contado) e disparar ações para identificar as causas básicas da discrepância encontrada para buscar a eliminação completa das causas. A implantação de inventário rotativo (contagem cíclica) pode também auxiliar e deve ser considerada como uma ação possível de ser implantada para melhorar os níveis de acurácia das informações sobre estoques.

Sistemas de Administração da Produção

19

Exercício 10

Um jornaleiro tem que decidir quantos jornais comprar para atender às suas vendas diárias. Ele paga R$ 0,60 por jornal e vende cada jornal por R$ 1,80. Os jornais não vendidos são recomprados pelo fornecedor do jornal por R$ 0,20. O jornaleiro sabe que historicamente ele vende entre 101 e 200 jornais por dia, com uma função distribuição de probabilidades uniforme de venda para todas as quantidades entre 101 e 200 jornais.

a) Qual quantidade o jornaleiro deveria pedir para que seu lucro esperado seja ma- ximizado?

b) Esta decisão seria outra se em vez de R$ 0,20 por jornais não vendidos, o fornece- dor pagasse R$ 0,40? Que impacto isso teria para o fornecedor do jornal e para o jornaleiro?

Solução

a) Para definir a quantidade a ser pedida, em primeiro lugar, o jornaleiro precisa de- finir nível de serviço ótimo NSO*. Isso pode ser calculado usando a expressão:

NSO* =

Cf

=

Cf + Ce

1

1 +

Ce

Cf

Cf = Custo de falta de uma unidade do jornal = p – c = R$ 1,80 – R$ 0,60 = R$ 1,20

Ce = Custo de excesso de uma unidade do jornal = c – r = R$ 0,60 – R$ 0,20 = R$ 0,40

NSO* =

1,20

1,20 + 0,40

= 75%

O NSO* é a probabilidade de a demanda ser menor ou igual ao correspondente pe- dido de jornais E*. Analisando a função distribuição de probabilidade:

ser menor ou igual ao correspondente pe- dido de jornais E* . Analisando a função distribuição

20

Planejamento, Programação e Controle da Produção Corrêa/Gianesi/Caon

Chegamos à conclusão de que o NSO* = 75% definido corresponde à quantidade E* de 175 jornais. Esta é a quantidade que o jornaleiro deveria pedir.

b) Se o valor da recompra altera-se de R$ 0,20 para R$ 0,40 por jornal, os custos de excesso se alterarão:

Cf = Custo de falta de uma unidade do jornal = p – c = R$ 1,80 – R$ 0,60 = R$ 1,20

Ce = Custo de excesso de uma unidade do jornal = c – r = R$ 0,60 – R$ 0,40 = R$ 0,20

E,

portanto, o NSO* também se alterará:

NSO* =

1,20

1,20 + 0,20

= 86%

a correspondente quantidade E* se alteraria para 186 jornais. Isso significa que,

quando o custo do excesso para o jornaleiro diminui, ele naturalmente dispõe-se a aumen- tar o risco de ter excesso, porque relativamente ao custo de excesso, o custo de falta ficou mais relevante (neste caso, ele tenta reduzir o risco de falta, aumentando a quantidade pedida). Esta iniciativa se justifica (a empresa fornecedora do jornal aumentar o preço pago na recompra, às vezes até o limite de pagar o total do custo do jornal, num arranjo chamado “consignação”) quando a empresa jornalística fornecedora tem custos de falta e de excesso que, por sua vez, justificariam um nível de serviço (e, por conseguinte, de disponibilidade de jornais) mais alto. Assim, disparando uma iniciativa para reduzir o custo do excesso do jornaleiro, incentiva-o a pedir mais jornais e, portanto, a “cadeia de suprimentos” inteira correr menos risco de vendas perdidas.

E

3

MRP Planejamento de Necessidades de Materiais

Exercício 1

O produto final A é produzido utilizando os itens B, C e D. O item B é montado a partir de C. O subconjunto D é produzido a partir de B. Todos utilizam duas unidades de seus componentes. Apenas a montagem de uma unidade de B requer apenas um C.

a) Desenhe a estrutura do item “A”.

b) Quais itens provavelmente são comprados e quais itens provavelmente são fabri- cados internamente? Por quê?

c) Quais itens em princípio têm “demanda independente” e quais têm “demanda dependente”?

d) Qual a necessidade bruta de “C” para se produzir 20 unidades de “A”, considerando que haja zero unidade em estoque?

e) Se há 50 unidades de “D”, 30 unidades de “B” e zero unidade de “C” em estoque, qual a necessidade líquida de “C” para se produzir 50 unidade de “A”?

22

Planejamento, Programação e Controle da Produção Corrêa/Gianesi/Caon

Solução

a)

Trata-se de uma estrutura vertical

 
 

A

 
 

2

 

D

 
 

2

 

B

 
 

1

 

C

 

b)

Provavelmente os itens A, D e B são fabricados internamente (pois se controlam suas estruturas de componentes) e o item C é comprado (porque não se controla sua estrutura de componentes).

c)

O

item A provavelmente tem demanda independente (é um produto final vendido

ao mercado) e os itens D, B e C têm demanda dependente (dependem da neces-

sidade de produção do item A). É claro que se a empresa vende itens como D, B

C para o mercado de reposição de peças, estes também teriam parte de suas demandas geradas de forma “independente”.

e

d)

Para produzir 20 unidades de A, são necessárias 40 unidades de D. Para produzir

40

unidades de D, são necessárias 80 unidades de B e para produzir as 80 unida-

des de B, são necessárias 80 unidades de C. Ou seja, a necessidade bruta de C é de 80 unidades.

e)

Para produzir 50 unidades de A, são necessárias 100 unidades de D. Como há

em estoque 50 unidades de D, apenas outras 50 necessitam ser produzidas. Para produzir estas 50 unidades de D, são necessárias 100 unidades de B. Como já há

30 unidades de B em estoque, apenas 70 necessitam ser produzidas. Para pro-

duzir 70 unidades de B, são necessárias 70 unidades de C. Como não há nenhuma

unidade de C em estoque, a necessidade líquida de C é de 70 unidades.

Sistemas de Administração da Produção

23

Exercício 2

Qual o lead time TOTAL mínimo, em semanas, para atender a um pedido do produto “Caneta A” cuja estrutura é mostrada abaixo, supondo que não haja nenhum estoque? ( LT dado em semanas).

Caneta A LT = 2 Carga B LT = 3 Corpo E LT = 2
Caneta A
LT = 2
Carga B
LT = 3
Corpo E
LT = 2
PLástico F
Ponta C
Tubo D
LT = 5
LT = 8
LT = 4

Solução

Representando a estrutura de produtos de forma alternativa, considerando os lead times, é fácil ver que o lead time mínimo para produção do item Caneta A, na ausência de estoques de componentes, é de 13 semanas (veja abaixo).

time mínimo para produção do item Caneta A, na ausência de estoques de componentes, é de

24

Planejamento, Programação e Controle da Produção Corrêa/Gianesi/Caon

Exercício 3

O produto A é montado a partir dos itens B e C (uma unidade de cada). Por sua vez, o item B é montado utilizando-se D e E como componentes diretos (uma unidade de cada). O subconjunto C é montado a partir dos componentes diretos F e H (uma unidade de cada). Finalmente, o subconjunto E é produzido a partir dos componentes diretos G e H (uma uni- dade de cada). Note que o item H tem dois itens “pais”, ou seja, aparece como componente de dois itens. A tabela a seguir mostra os diversos lead times para os itens envolvidos.

a)

Qual o mínimo lead time, em semanas, necessário para atender a um pedido de cliente, supondo estoques zerados?

b)

E se houver estoques suficientes dos itens D, F, G e H, mas não dos outros compo- nentes, qual será o lead time total mínimo?

Item

A

B

C

D

E

F

G

H

 

Lead Time

               

(semanas)

12563413

Solução

a) A estrutura do produto A pode ser representada conforme a seguir:

      (semanas) 12563413 Solução a) A estrutura do produto A pode ser representada conforme

Sistemas de Administração da Produção

25

O lead time total na ausência completa de estoques de components é de 10 semanas.

b) Considerando que haja componentes suficientes de D, F, G e H, isso significa que os seus lead times passam a ser “zero”:

significa que os seus lead times passam a ser “zero”: O lead time mínimo então seria

O lead time mínimo então seria reduzido de 10 semanas para 6, se houvesse quanti-

dades suficientes de D, F, G e H para a produção de A.

26

Planejamento, Programação e Controle da Produção Corrêa/Gianesi/Caon

Exercício 4

Para a situação representada no registro básico de MRP a seguir, determine:

a) A seqüência de liberação de ordens planejadas, considerando estoque de seguran- ça igual a 0.

b) Se fosse possível utilizar “lote a lote”, qual a nova seqüência de liberação de or- dens planejadas?

c) Qual o efeito que reduções no tamanho de lote têm no estoque médio do período analisado?

LT: 3

Atraso

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

Lote: 25

Necessidades

 

15

10

20

0

15

30

0

15

0

20

brutas

Recebimentos

 

25

                 

programados

Estoque proje-

20

                   

tado

Receb. ordens

                     

planejadas

Liber.

ordens

                     

planejadas

Solução

a) Considerando estoque de segurança como sendo 0, o registro ficaria (a seqüência solicitada está em negrito):

LT: 3

Atraso

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

Lote: 25

Necessidades

 

15

10

20

0

15

30

0

15

0

20

brutas

Recebimentos

 

25

                 

programados

Estoque proje-

20

30

20

0

0

10

5

5

15

15

20

tado

Receb. ordens

         

25

25

 

25

 

25

planejadas

Liber.

ordens

   

25

25

 

25

 

25

     

planejadas

Sistemas de Administração da Produção

27

b) “Lote a lote” é equivalente a ter-se tamanho de lote mínimo igual a “1”, ou seja, o registro ficaria assim:

LT: 3

Atraso

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

Lote: 1 (LaL)

Necessidades

 

15

10

20

0

15

30

0

15

0

20

brutas

Recebimentos

 

25

                 

programados

Estoque proje-

20

30

20

0

0

0

0

0

0

0

0

tado

Receb. ordens

         

15

30

0

15

0

20

planejadas

Liber.

ordens

   

15

30

 

15

 

20

     

planejadas

c) O efeito da redução de lote mínimo é uma redução dos estoques médios ao longo do período. No primeiro caso (lote = 25), a média de estoques foi de 12,7 unida- des por período, enquanto no segundo caso (lote a lote, ou lote igual a 1), a média de estoques foi de aproximadamente 6,4 unidades por período.

28

Planejamento, Programação e Controle da Produção Corrêa/Gianesi/Caon

Exercício 5

A empresa SuperSkate produz dois tipos básicos de patins chamados A e B. A cada semana, Rafael, seu proprietário, planeja montar dez patins do tipo A e cinco do tipo B. Conhecidas as estruturas dos dois modelos e as informações sobre estoques a seguir, preencher os registros do MRP dos itens G e Y para as próximas sete semanas. O item G tem lead time de uma semana e tamanho de lote igual a dez; e o item Y tem lead time de duas semanas e tamanho de lote igual a 20. Considere estoques de segurança como sendo zero para todos os itens.

A B X Y G F Y Z Item G Atraso 1 2 3 4
A
B
X
Y
G
F
Y
Z
Item G
Atraso
1
2
3
4
5
6
7
Lote = 10
LT = 1
Necessidades
brutas
Recebimentos
7
programados
Estoque proje-
0
tado
Receb. ordens
planejadas
Liber.
ordens
planejadas

Sistemas de Administração da Produção

29

Item Y Atraso 1 2 3 4 5 6 7 Lote = 20 LT =
Item Y
Atraso
1
2
3
4
5
6
7
Lote = 20
LT = 2
Necessidades
brutas
Recebimentos
10
programados
Estoque proje-
28
tado
Receb. ordens
planejadas
Liber.
ordens
planejadas

Solução

a) A produção de cinco produtos “B” gera uma necessidade bruta de cinco unidades do item “G” por semana. Veja o registro a seguir. Com esta definição e tendo as informações sobre tamanho de lote, lead time e estoque de segurança, podemos calcular o registro básico do item “G”. Este, por sua vez, vai ser importante para que se possa gerar a linha de necessidades brutas do item “Y”. Uma parte destas necessidades brutas vem da necessidade de montagem do produto “A”, de dez unidades por semana. A outra parte vem da necessidade de liberações de ordens planejadas do item “G”.

30

Planejamento, Programação e Controle da Produção Corrêa/Gianesi/Caon

Item G Atraso 1 2 3 4 5 6 7 Lote = 10 LT =
Item G
Atraso
1
2
3
4
5
6
7
Lote = 10
LT = 1
Necessidades
5555555
brutas
Recebimentos
7
programados
Estoque proje-
02727272
tado
Receb. ordens
10
10
10
planejadas
Liber.
ordens
10
10
10
planejadas
Da necessidade do produto “A”
Item Y
Atraso
1
2
3
4
5
6
7
Lote = 20
LT = 2
Necessidades
10 + 10
10
10 + 10
10
10 + 10
10
10
brutas
Recebimentos
10
programados
Estoque proje-
28
18
8
8
18
18
8
18
tado
Receb. ordens
20
20
20
20
planejadas
Liber.
ordens
20
20
20
20
planejadas

Sistemas de Administração da Produção

31

Exercício 6

Considere a estrutura abaixo e as informações de estoque:

Item

Estoque

 

A 10

 

B 40

 

C 60

 

D 60

Considere o lead time como sendo de uma semana para cada um dos itens.

Não há recebimentos programados para nenhum item.

Quantas unidades do produto A podem ser entregues aos clientes no início da próxi- ma semana, para cada uma das seguinte situações, não cumulativamente:

a) A lista de materiais de B está errada. Na verdade, são necessárias duas unida- des de B para montar cada item A.

b) O estoque disponível de D é de somente 40 unidades.

c) Foi necessário eliminar dez unidades do estoque do item C por apresentarem defeitos.

A 2 B C D 2 D
A
2
B
C
D
2
D

Solução

a) Como o lead time de todos os itens é de uma semana, o lead time de montagem de

A também é de uma semana. Logo, na semana que vem, só será possível entregar

produtos A, no máximo, em quantidade que seja menor que o número de itens

A já prontos em estoque (segundo o enunciado, são dez), mais a quantidade de

produtos A que puderem ser montadas esta semana a partir de componentes já em estoque.

32

Planejamento, Programação e Controle da Produção Corrêa/Gianesi/Caon

Como são, na verdade, duas unidades de B necessárias para montar cada unidade de A, as quantidades atuais de B, C e D em estoque permitem a produção de:

B: (40 unidades em estoque)/2 = 20 unidades de A possíveis de serem montadas.

C: (60 unidades em estoque)/2 = 30 unidades de A possíveis de serem montadas.

D: (60 unidades em estoque)/1 = 60 unidades de A possíveis de serem montadas.

Ou seja, só é possível montar, no máximo, 20 unidades de A para estarem prontas no início da próxima semana. Somando-se as 10 unidades de A já em estoque, é possível entregar 20 + 10 = 30 unidades de A no início da próxima semana.

b) Considerando que o estoque de D é de apenas 40 unidades e não de 60, podemos calcular quantas unidades de A podem ser entregues na próxima semana usando um raciocínio similar ao usado no item b, acima.

B: (40 unidades em estoque)/1 = 40 unidades de A possíveis de serem montadas.

C: (60 unidades em estoque)/2 = 30 unidades de A possíveis de serem montadas.

D: (40 unidades em estoque)/1 = 40 unidades de A possíveis de serem montadas.

Ou seja, só é possível montar, no máximo, 30 unidades de A para estarem prontas no início da próxima semana (limitada pela quantidade disponível de C). Somando-se as 10 unidades de A já em estoque, é possível entregar 30 + 10 = 40 unidades de A no início da próxima semana.

c) Como 10 unidades de C apresentaram defeito, só podemos utilizar 50 unidades de C para montar o produto A:

B: (40 unidades em estoque)/1 = 40 unidades de A possíveis de serem montadas.

C: (50 unidades em estoque)/2 = 25 unidades de A possíveis de serem montadas.

D: (60 unidades em estoque)/1 = 60 unidades de A possíveis de serem montadas.

Ou seja, só é possível montar, no máximo, 25 unidades de A para estarem prontas no início da próxima semana (limitada pela quantidade disponível de C). Somando-se as 10 unidades de A já em estoque, é possível entregar 25 + 10 = 35 unidades de A no início da próxima semana.

Sistemas de Administração da Produção

33

Exercício 7

Utilize a estrutura a seguir e os dados da tabela para planejar a produção dos itens A e B, para os próximos sete períodos.

a) Quais são as ordens planejadas para o item B?

b) Numa infeliz sexta-feira 13, o planejador do item A descobre que há 13 itens a menos no estoque: apenas 55 estão disponíveis e não 68, como previa. O que acontece com as ordens planejadas para o item B?

c) Assuma agora que o estoque de A (68) está correto, porém sua demanda no período 1 seja de 60 unidades ao invés de 50. Reelabore os registros para os períodos 2 a 10. O que muda no planejamento de materiais de A e B?

d) Qual o impacto se a demanda de 60 unidades se repetir do período 1 ao 6, com- parando com a demanda anterior de 50 unidades por período?

 

Item

 

A

 

B

Necessidade

 

50 / período

 

calcular

Estoque inicial

   

68

 

8

Lead time

 

1

 

1

Estoque de segurança

   

10

 

0

Tamanho do lote

 

Lote a lote

 

250

Recebimentos programados

 

0

250 no período 1

 

A

 
 

2

 

4

 

B

   

C

 

D

 
 

2

 

E

 

34

Planejamento, Programação e Controle da Produção Corrêa/Gianesi/Caon

Item A

Atraso

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

Necessidades

                     

brutas

Recebimentos

                     

programados

Estoque proje-

                     

tado

Receb. ordens

                     

planejadas

Liber.

ordens

                     

planejadas

Item B

Atraso

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

Necessidades

                     

brutas

Recebimentos

                     

programados

Estoque proje-

                     

tado

Receb. ordens

                     

planejadas

Liber.

ordens

                     

planejadas

Solução

 

a)

Item A

Atraso

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

LT = 1

ES = 10

Lote a lote

Necessidades

 

50

50

50

50

50

50

50

50

50

50

brutas

Recebimentos

                     

programados

Estoque proje-

68

18

10

10

10

10

10

10

10

10

10

tado

Receb. ordens

   

42

50

50

50

50

50

50

50

50

planejadas

Liber.

ordens

 

42

50

50

50

50

50

50

50

50

 

planejadas

Sistemas de Administração da Produção

35

(X2)

Item B

Atraso

 

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

LT = 1

 

ES = 0

Lote = 250

Necessidades

   

84

100

100

100

100

100

100

100

100

 

brutas

 

Recebimentos

 

250

                 

programados

Estoque proje-

8

174

74

224

124

24

174

74

224

124

124

tado

Receb. ordens

     

250

   

250

 

250

   

planejadas

Liber.

ordens

   

250

   

250

 

250

     

planejadas

As ordens planejadas para o item B estão em negrito.

 

b) Supondo que apenas 55 e não 68 unidades de A estejam disponíveis:

 

Item A

Atraso

 

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

LT = 1

 

ES = 10

Lote a lote

Necessidades

   

50

50

50

50

50

50

50

50

50

50

brutas

 

Recebimentos

                     

programados

Estoque proje-

55

 

5

10

10

10

10

10

10

10

10

10

tado

 

Receb. ordens

   

55

50

50

50

50

50

50

50

50

planejadas

Liber.

ordens

5

Liber. ordens 5 50 50 50 50 50 50 50 50 50  

50

50

50

50

50

50

50

50

50

 

planejadas

 

36

Planejamento, Programação e Controle da Produção Corrêa/Gianesi/Caon

(X2)

Item B

Atraso

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

LT = 1

ES = 0

Lote = 250

Necessidades

 

110

100

100

100

100

100

100

100

100

 

brutas

Recebimentos

 

250

                 

programados

Estoque proje-

8

148

48

198

98

248

148

48

198

98

98

tado

Receb. ordens

     

250

 

250

   

250

   

planejadas

Liber.

ordens

   

250

 

250

   

250

     

planejadas

A ordem planejada para ser liberada na semana 5 tem de ser antecipada para a semana 4. No plano do item A, o fato de só haver 55 unidades disponíveis hoje faz com que ao longo da primeira semana o estoque caia abaixo do nível de segurança, para cinco unidades. Isso faz aparecer um atraso de liberação de cinco unidades de A. O momento mais cedo em que é possível abrir esta ordem é o início do período 1, junto com a libera- ção da ordem de 50 unidades. Isso faz com que a liberação de ordens no período 1 seja de 55, gerando um recebimento planejado de 55 no período 2. Este aumento de liberação é sentido na linha de necessidades brutas do item B, que agora tem 110 unidades de ne- cessidade bruta no período 1.

c) Assumindo estoque de A de 68 unidades, mas a demanda no período 1 passa a ser de 60 unidades.

Item A

Atraso

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

LT = 1

ES = 10

Lote a lote

Necessidades

 

60

50

50

50

50

50

50

50

50

50

brutas

Recebimentos

                     

programados

Estoque proje-

68

8

10

10

10

10

10

10

10

10

10

tado

Receb. ordens

   

52

50

50

50

50

50

50

50

50

planejadas

Liber.

ordens

2

50

50

50

50

50

50

50

50

50

 

planejadas

Sistemas de Administração da Produção

37

=(X2)

Item B

Atraso

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

LT = 1

ES = 0

Lote = 250

Necessidades

 

104

100

100

100

100

100

100

100

100

 

brutas

Recebimentos

 

250

                 

programados

Estoque proje-

8

154

54

204

104

4

154

54

204

104

104

tado

Receb. ordens

     

250

   

250