Você está na página 1de 6

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR

Protocolo
rotocolo de atendimento de RNs de mãe
com toxoplasmose congênita no alojamento
conjunto do HUM.

Ana Gabriela Gomes Ferrari Strang – responsável pelo atendimento médico pediátrico do
Ambulatório de Toxoplasmose Congênita
C

Cristiane de Oliveira Riedo - responsável pelo atendimento de enfermagem Ambulatório de


Especialidades

Fábio Massaiti Tokunaga – responsável


esponsável pelo atendimento Oftalmológico

Fernanda
ernanda Ferreira Evangelista – enfermeira mestranda do atendimento de enfermagem do
Ambulatório de Toxoplasmose
oxoplasmose Materna

Hellen Carla Rickli – responsável pelo


pelo atendimento de enfermagem do Ambulatório de
Toxoplasmose Congênita / enfermeira da Vigilância Epidemiológica

Jose Gilberto Pereira – chefe da Farmácia Hospitalar

Lourenço Tsunetomi Higa – responsável pelo atendimento médico das gestantes do


Ambulatório de Toxoplasmose Materna

Marcos Antonio Américo – chefe do Laboratório de Análises Químicas


Químicas do HUM

Mariluci Pereira de Camargo Labegalini – responsável pelo atendimento dee enfermagem do


Ambulatório de Toxoplasmose
oxoplasmose Congênita / enfermeira da Vigilância Epidemiológica

Odete Correia Antunes de Oliveira – coordenadora da Vigilância Epidemiológica Hospitalar

Solange Cardoso Martins – bioquímica responsáv


responsável
el pela Gestão da Qualidade do Laboratório
de análises Clínicas

Viviani Guilherme Dourado – responsável pelo atendimento de enfermagem Ambulatório de


Especialidades

MARINGÁ - 2018
VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR

Diretriz de acompanhamento::

Diretriz de acompanhamento para RN de mãe com toxoplasmose suspeita ou confirmada


nascido no HUM

Coletar sangue para realização de: hemograma com plaquetas, TGO, TGP, IgM, IgG, IgA
anti-T.gondii.

Coletar LCR para: rotina (análise


análise da celularidade, dosagem de proteína, glicose, lactato)
lactato e
T.gondii em líquor.
pesquisa IgG, IgM anti-T.gondii

Solicitar TAC de crânio.

Iniciar tratamento no alojamento conjunto conforme doses da tabela 1.

exames: hemograma com plaquetas, TGO, TGP e


Alta com esquema 3T e pedido de exames:
sorologia IgM e IgG para serem coletados 10 dias antes do retorno no ambulatório de
Alojamento Conjunto

toxoplasmose congênita.

Agendar ambulatório toxoplasmose/neuropediatria


oxoplasmose/neuropediatria 30 – 45 dias

Agendar ambulatório retinólogo nos próximos 30 dias

Agendar ambulatório com otorrino na vaga se teste da orelhinha alterado

Avaliação com retinólogo:

Pacientes expostos serão avaliados a cada 6 meses pelo retinólogo até os 3 anos de idade.

Pacientes infectados serão


erão avaliados a cada 3 meses pelo retinólogo,
retin , no primeiro ano de vida
e após de 6/6 meses até os 3 anos de idade.

MARINGÁ - 2018
VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR

Figura 1 - Algoritmo geral de encaminhamento/seguimento para os recém nascidos no


Hospital Universitário Regional de Maringá – HUM – UEM

 Realizar TC crânio e
agendar para
RN com toxoplasmose congênita retinólogo/toxoplasmose
congênita no Ambulatório
antes da alta hospitalar
Alojamento Conjunto

Alta hospitalar

Ambulatório
Consulta

Consulta de Consulta médica Serviço Social do


enfermagem neuropediatria/toxoplasmose Ambulatório
(Ambulatório Toxoplasmose
congênita)

- acolhimento com - registro no prontuário, - notificação ao


orientações planilhas e na ficha de Conselho Tutelar
referentes à acompanhamento anexada à dos faltosos após
Toxoplasmose Caderneta de Saúde da a 2ª falta.
falta
Congênita e ao Criança.
Ambulatório;
- avaliação da
adesão ao
tratamento,
intercorrências e
agendamento de
retorno;
- busca ativa de
faltosos,
reagendamento e
comunicar Serviço
Social do
Ambulatório após
duas faltas.

MARINGÁ - 2018
VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR
Tabela 1

*Modificado para 5mg/ml (concentração padronizada pelaMARINGÁ - 2018


Farmácia do HUM).
VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR

REFERÊNCIAS

BRASIL. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde,


Saúde Departamento de Ações
Programáticas Estratégicas, Coordenação-Geral
Coordenação Geral de Saúde da Criança e Aleitamento Materno
– CGSCAM, Caderneta de Saúde da Criança.
Criança 2015.

BRASIL.. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações


Programáticas e Estratégicas. Atenção à saúde do recém-nascido:
recém nascido: guia para os
profissionais de saúde - intervenções comuns,
com icterícia e infecções, 2011.

Brasil. Secretaria de Saúde do Paraná, Divisão de Atenção à Saúde da Criança e do


Adolescente,, Cadernos de Atenção a Saúde, Atenção ao Pré-Natal – Toxoplasmose
Toxoplasmose, 2013.

Carellos E.V.M., et al. High Frequency of Bone Marrow Depression During Congenital
Toxoplasmosis Therapy in a Cohort of Children Identified By Neonatal Screening in Minas
Gerais, Brazil. The Pediatric Infectious Disease Journal no prelo

Cortina-Borja M., et al. Prenatal Treatment for Serious Neurological Sequelae of Congenital
Toxoplasmosis: An Observational Prospective Cohort Study. PLoS Med 2010; 7(10).

Dard C., Fricker-hidalgo


hidalgo H. & Pelloux H. Relevance of and New Developments in Serology
for Toxoplasmosis. Trends Parasitol.
Parasitol 2016; 32(6).

Faucher B., et al. Long-term


term ocular outcome in congenital toxoplasmosis: a prospective
cohort of treated children. J Infect.. 2012; 64(1).

Freeman K.,, et al; European Multicentre Study on Congenital toxoplasmosis. Predictors of


retinochoroiditis in children with congenital toxoplasmosis: European, prospective cohort
study. Pediatrics. 2008; 121(5).

Gilbert R.E.,, et al; European Multicentre Study on Congenital Toxoplasmosis (EMSCOT).


Ocular sequelae of congenital toxoplasmosis in Brazil compared
with Europe. PLoS Negl Trop Dis.. 2008; 2(8)

Gras L.,, et al; European Multicenter Study on Congenital Toxoplasmosis. Association


between prenatal treatment and clinical manifestations of congenital toxoplasmosis in
infancy:a cohort study in 13 European centres.
centres.Acta Paediatr. 2005; 94(12).

Grigg M.E., Dubey J.P.,, Nussenblatt R.B.


R B. Ocular toxoplasmosis: lessons from
Brazil. Am J Ophthalmol. 2015; 159.

Holec-Gasior L. Toxoplasma gondii Recombinant Antigens as Tools for Serodiagnosis


of Human Toxoplasmosis: Current Status of Studies Clinical and Vaccine Immunology
Immunology.
2013; 20(9).

Hotop A., Hlobil H.,, Gross U. Efficacy of rapid treatment initiation following primary
Toxoplasma gondii infection during pregnancy. Clin Infect Dis. 2012; 54(11).
MARINGÁ - 2018
VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR

Khan A.,, et al. Genetic Divergence of Brazilian Toxoplasma gondii Strains. Emerging
Infectious Diseases. 2006; 12(6).

Kieffer F., et al. Risk factors for retinochoroiditis during the fi rst 2 years of life in infants
with treated congenital Toxoplasmosis. Pediatr Infect Dis J. 2008; 27(1).

Maldonado Y.A., Read J.S.,, AAP COMMITTEE ON INFECTIOUS DISEASES. Diagnosis,


Treatment, and Prevention of Congenital Toxoplasmosis in the United States. Pediatrics.
2017; 139(2)

Medronho R.A. et al. Epidemiologia.


Epidemiologia São Paulo: Ed. Atheneu, 2002.

Pradhan E., et al.. Antibiotics versus no treatment for toxoplasma retinochoroiditis. Cochrane
Database of Systematic Reviews. 2016; 5

Rothova A. Ocular manifestations of toxoplasmosis. Curr Opin Ophthalmol. 2003; 14:384


14:384–
388.

Sanders A.P., et al. Ocular Lesions in Congenital Toxoplasmosis in Santa Isabel do Ivaí,
Paraná, Brazil Pediatr Infect Dis J 2017; 36:817–820

Tan H.K.,, et al; European Multicentre Study on Congenital toxoplasmosis (EMSCOT). Risk
of visual impairment in children with congenital toxoplasmic
retinochoroiditis. Am J Ophthalmol.
Ophthalmol 2007;144(5).

Thiébaut R., et al;; SYROCOT (Systematic Review on Congenital Toxoplasmosis) Study


Group. Effectiveness of prenatal treatment for congenital toxoplasmosis: a meta-analysis
meta analysis of
individual patients’ data. Lancet.. 2007; 369(9556).

Wallon M., et al. Long-term


term ocular prognosis in 327 children with congenital toxoplasmosis.
Pediatrics. 2004; 113(6).

Wallon M., et al.. Congenital toxoplasma infection: monthly prenatal screening decreases
transmission rate and improves clinical outcome at age 3 years. Clin Infect Dis. 2013; 56(9).

MARINGÁ - 2018