Você está na página 1de 330

Estudos Disciplinares

Formação Geral

Prof. Rogério Traballi


Políticas públicas: inclusão digital

Fonte: https://www.tecmundo.com.br/banda-larga/2543-a-historia-da-conexao.htm
Políticas públicas: inclusão digital

 O celular é um dispositivo relevante


para inclusão digital.

Fonte: https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2017/09/1915950-
smartphone-impulsiona-crescimento-da-internet-no-brasil-diz-
pesquisa.shtml
Políticas públicas: inclusão digital

 Inclusão digital pode ser considerada democratização das tecnologias.

 Incluir uma pessoa digitalmente não apenas “alfabetizá-la” em informática, mas


fazer com que o conhecimento adquirido por ela sobre a informática seja útil para
melhorar seu quadro social.

 Somente colocar um computador/smartphone na mão das pessoas ou


vendê-lo a um preço menor não é, definitivamente, inclusão digital.
Políticas públicas: inclusão digital

 Reflexão: a prioridade das necessidades na definição das políticas públicas.

INCLUSÃO
DIGITAL

Fonte: <http://inclusaodigital82013.blogspot.com.br/2013/>
Gráficos

O que é gráfico?

 É uma representação de informações obtidas em pesquisas por meio de formas


geométricas para facilitar a leitura dos dados.
Gráfico de barras

 É feito por meio de retângulos para representar a quantidade relativa


a cada informação.

 Esses retângulos são alinhados por sua base e sua altura varia de acordo com a
variação da grandeza que eles representam. Além disso, cada barra (retângulo)
está relacionada a uma informação, que pode ser um período, pessoa etc.
Gráfico – educação: anos de estudo dos brasileiros

Distribuição das pessoas de 25 anos ou mais de idade, por grupos de anos de estudo – Brasil –
2007/2015
30,0

% 20,0
Fonte: Adaptado de IBGE, Diretoria de
Pesquisas, Coordenação de Trabalho e
Rendimento, Pesquisa Nacional por
10,0
Amostra de Domicílios 2007/2015

0,0

2007 2015
Gráfico – educação: anos de estudo dos brasileiros

 De acordo com os dados, observa-se tendência de aumento nos anos de estudo


das pessoas maiores de 25 anos no período de 2007 a 2015.
 Pelos dados, infere-se que pouco mais de 10% da população brasileira havia
concluído o Ensino Superior em 2015.

Fonte: Adaptado de IBGE, Diretoria de


Pesquisas, Coordenação de Trabalho e
Rendimento, Pesquisa Nacional por
Amostra de Domicílios 2007/2015
Sociedade: preconceito

Preconceito:

 É um juízo preconcebido, que se manifesta numa atitude discriminatória perante


pessoas, crenças, sentimentos e tendências de comportamento.

 É uma ideia formada antecipadamente e que não tem fundamento crítico ou lógico.
Sociedade: preconceito
(charge utilizada no Enem: excessivo uso de “agrotóxicos”)

.
Ela me serviu E de sobremesa
pimentão, alface
morango e uva
e tomate no
jantara

Fonte: Adaptado de: https://www.brasil247.com/pt/colunistas/luizrobertobarcelos/202989/Charge-


utilizada-no-Enem-reforça-preconceito.htm
Sociedade: preconceito
(charge utilizada no Enem: excessivo uso de “agrotóxicos”)

 Agrotóxico. No mundo inteiro, usam-se as palavras defensivo ou pesticida. Note


que o nome muda completamente a abordagem.

 A sabedoria popular mostra que a diferença entre veneno e remédio é a dosagem.

Fonte adaptado de: https://www.brasil247.com/pt/colunistas/luizrobertobarcelos/202989/Charge-


utilizada-no-Enem-reforça-preconceito.htm
Sociedade: preconceito (charge utilizada no Enem: excessivo uso de
“agrotóxicos”)

 Se bem utilizados, seguindo todas as normas de segurança, os defensivos


agrícolas são remédios para as plantas.

 Eles curam os vegetais e os protegem das pragas.

 É uma ideia formada antecipadamente e que


não tem fundamento crítico ou lógico.

Fonte adaptado de: https://www.brasil247.com/pt/colunistas/luizrobertobarcelos/202989/Charge-


utilizada-no-Enem-reforça-preconceito.htm
Sociedade: preconceito (charge utilizada no Enem: excessivo uso de
“agrotóxicos”)

 Todo e qualquer defensivo vendido no país traz no rótulo informações sobre o


prazo que deve ser respeitado entre a última aplicação do produto e a data
da colheita.

Fonte adaptado de: https://www.brasil247.com/pt/colunistas/luizrobertobarcelos/202989/Charge-


utilizada-no-Enem-reforça-preconceito.htm
Sociedade: preconceito (charge utilizada no Enem: excessivo uso de
“agrotóxicos”)

 Esse prazo é calculado com boa margem de segurança para que as substâncias
químicas contidas no produto sejam eliminadas e que nenhuma quantidade de
defensivo chegue às mesas dos brasileiros.

Fonte adaptado de: https://www.brasil247.com/pt/colunistas/luizrobertobarcelos/202989/Charge-


utilizada-no-Enem-reforça-preconceito.htm
Meio ambiente: consumo consciente e preservação ambiental

 À medida que o papel é puxado, a área verde do continente é reduzida.

Disponível em
http://commktbra.blogspot.com.b
r/2009/11/5-propagandas-de-
sustentabilidade-para.html>.
Acesso em 23 out. 2017
Observação. A parte inferior do
mapa é verde e a parte superior
do mapa é preta.
Questão 1

Como alunos da educação básica estão se saindo nas avaliações de aprendizagem?


Porcentual médio de estudantes com bom desempenho em avaliações
86,2
81,4
80,0
70,4 Matemática
Nota: Os dados sobre regiões não 66,2
incluem os países de alta renda 60,0 55,3 Leitura
Fonte: Relatório sobre o 48,4
Desenvolvimento Mundial, usando a 40,0 40,0 42,2
Base de Dados Mundial sobre a
Qualidade da Educação, de Altinok,
Angrist e Patrinos, 2017
20,0
14,4
6,9

África Oriente América Ásia Europa e


Subsaariana Médio e Latina e do Leste Ásia
Norte da Caribe E Pacífico Central
África
Resposta

 De acordo com os dados do gráfico, apenas 14,4% dos estudantes da África


Subsaariana tiveram bom desempenho na avaliação de matemática e 6,9% dos
alunos apresentaram bons resultados na avaliação de leitura.

Nota: Os dados sobre regiões não incluem os países de alta


renda Fonte: Relatório sobre o Desenvolvimento Mundial,
usando a Base de Dados Mundial sobre a Qualidade da
Educação, de Altinok, Angrist e Patrinos, 2017
INTERVALO
Política internacional: refugiados

 A Síria é um dos países que registra o maior fluxo de refugiados. Palco de uma
guerra civil que assola suas cidades desde 2013 e de uma luta incessante contra o
estabelecimento do grupo terrorista Estado Islâmico. A Síria é o país de origem de
4,9 milhões dessas pessoas e sua capital é Damasco.

Fonte Adaptado de:


Adapthttps://www.google.com/maps/place/Siria/
@34.814801,34.5106535,6z/data=!4m5!3m4!1s
0x1518e6dc413cc6a7:0x877546f4882af620!8m
2!3d34.802075!4d38.996815 Acesso 14/03/19
Síria
Política internacional: refugiados

 Artista sírio Abdalla Al Omari.

 Nascido em Damasco, 1986.

 Deixou o país em 2011 em razão da violência.

Fonte: http://www.abdallaomari.com/biograph
Política internacional: refugiados

 Vive em Bruxelas, na Bélgica, com o status de refugiado.


 Seu trabalho tem uma proposta ousada: mostrar ao mundo como seria a vida dos
atuais líderes globais se fossem refugiados.
 Na série de pinturas, pertinentemente intitulada “A Série da Vulnerabilidade” (The
Vulnerability Series), o artista retrata nomes famosos.

Fonte: https://aino.hamburg/s/abdalla-al-omari-the-vulnerability-series-extended/
Política internacional: refugiados

Fotos da série da vulnerabilidade (The Vulnerability Series):

 Presidente norte-americano Donald Trump, a primeira-ministra da Alemanha


Angela Dorothea Merkel e o líder supremo da Coreia do Norte Kim Jong-un.

Fonte:
https://tranquilmonkey.com/syrian-
artist-turns-world-leaders-into-
vulnerable-refugees-abdalla-al-
omari-vulnerability-series/
Política internacional: refugiados

Fotos da série da vulnerabilidade (The Vulnerability Series):

 Barak Obama.
 Kim Jong-um.
 Vladimir Putin.

Fonte: https://aino.hamburg/s/abdalla-al-omari-the-vulnerability-series-extended/
Sociedade: desigualdades de gênero

 De acordo com o texto, mais de 40% de mulheres e homens europeus mantêm


arraigados valores tradicionais da sociedade, pois consideram que o trabalho
doméstico é função feminina.

 O objetivo dos quadrinhos é apontar que o uso da linguagem é ideológico e reflete


as desigualdades presentes na sociedade.

Fonte Adaptado de:


http://soacomomusica.blogspot.co Cabelos brancos Saindo cedo do trabalho Limpando
m.br/. Acesso em 24 jan. 2018. para cuidar de criança

Estrela do rock, Mulher


Experiente Velha Fofo Preguiçosa marido super incrível
Sociedade e tecnologia: exclusão digital

 A charge ilustra o fato


de uma parcela da
população estar
excluída do acesso à
tecnologia atual.

Fonte Adaptado de:


http://inclusaodigital82013.blo
gspot.com.br/2013/>. Acesso
em 29 jan. 2018.
Sociedade: trabalho escravo

 O texto sugere uma


relação entre a falta de
instrução e a sujeição a
condições que
caracterizam o trabalho
escravo.
Fonte disponível em:
http://www.youtube.com/watc
h?v=i5rdHZvekXY>. Acesso
em 13 dez. 2017.
Sociedade

 Filósofo francês René Descartes.


 “Penso, logo existo.”
 A frase original foi escrita em francês
(Je pense, donc je suis).
 Livro Discurso do Método, de 1637.

Fonte: https://www.culturagenial.com/significado-da-frase-penso-logo-existo/
Sociedade

A frase “Penso, logo existo” também conhecida por sua forma em latim:
 Cogito, ergo sum.
 É, normalmente, traduzida como “Penso, logo existo”, porém a tradução mais
literal seria “Penso, logo sou”. O pensamento de Descartes surgiu da dúvida
absoluta. O filósofo francês queria chegar ao conhecimento absoluto e, para tal,
era preciso duvidar de tudo o que já estava posto.
 A única coisa que ele não podia duvidar
era da própria dúvida e, consequentemente,
do seu pensamento. Assim surgiu a máxima
do “Penso, logo existo”. Se eu duvido de tudo,
o meu pensamento existe e, se ele existe,
eu também existo.
Fonte: https://www.culturagenial.com/significado-da-frase-penso-logo-existo/
Sociedade

Fonte:
<http://angloguarulhos.com.br/temas-
pos-verdade-e-manipulacao-das-redes-
sociais/>. Acesso em 05 fev. 2018.
Sociedade: pós-verdade

 A pós-verdade é marcada pela supressão da razão e da reflexão, substituídas pela


mera crença. Opiniões e crenças pessoais tendem a ser divulgadas como
verdades universais e alimentam o senso comum.

Fonte:
<http://angloguarulhos.co
m.br/temas-pos-verdade-
e-manipulacao-das-
redes-sociais/>. Acesso
em 05 fev. 2018.
Sociedade brasileira: mapa da fome

 O desemprego e os
cortes em projetos Trataremos a questão
sociais são apontados da fome numa próxima
como fatores que reunião-almoço!
geram o aumento da
fome no Brasil.

Fonte adaptado de: https://wilmarx.blogspot.com.br/2008/02/> Acesso em 25 out. 2017.


Meio ambiente: Floresta Amazônica

 Nove países: Brasil,


Venezuela, Colômbia, Peru,
Bolívia, Equador, Suriname,
Guiana e Guiana Francesa.

Bioma Amazônia Brasileira

Amazônia Legal Brasileira

Limite Panazônia (OTCA)

Fonte adaptado de: https://fakeclimate.wordpress.com/2012/08/02/amazonia-


brasileira-e-o-interresse-internacional/
Meio ambiente: Floresta Amazônica

 É a maior floresta tropical úmida do planeta e com a maior biodiversidade.

Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Amazônia#/media/File:Amazon_CIAT_(3).jpg
Meio ambiente: Floresta Amazônica

 Em 9 países, a Floresta
Amazônica perdeu 240 mil
km² de 2000 a 2010.
 O número é de rede de
ONGs que levantou dados
do Brasil e vizinhos.
 Ambientalista diz que a
Amazônia pode sofrer mais
com “novas ameaças”.

Fonte: http://g1.globo.com/natureza/noticia/2012/12/em-9-paises-floresta-
amazonica-perdeu-240-mil-km-de-2000-2010.html
Meio ambiente: necessidade de preservação das florestas

 A vegetação mostrada na imagem tem a forma de pulmões humanos,


o que remete à ideia de que a Amazônia é o “pulmão do mundo”.

 A frase “Antes que seja tarde demais”,


que acompanha a imagem, alerta para
a urgência da tomada de ações para
a proteção das florestas.

Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Amazônia
Sociedade: representatividade

 Quadrinhos apontam que a questão da representatividade negra tem ganhado


evidência na sociedade.

Fonte adaptado de: https://donaisaura.com.br/tag/black-Friday/. Acesso em 29 nov. 2017.


Questão 2: O Pisa, exame internacional desenvolvido e aplicado pela
Organização para a Cooperação Econômica e Desenvolvimento (OCDE)

Pontuação Média PISA Matemática


 Como está o Brasil? 500
480
460
440
420
400
380
360
340
320
Fonte: OECD, microdados do Pisa 300
(2000, 2003, 2006, 2009, 2012). 2000 2003 2006 2009 2012
Brasil muito desfavorecidos Argentina muito desfavorecidos
Chile muito desfavorecidos Brasil desfavorecidos
Argentina desfavorecidos Chile desfavorecidos
Brasil desfavorecidos Argentina favorecidos
Chile desfavorecidos
Fonte Adaptado: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-15742015000300450
Resposta

 Em 2000, a pontuação do Brasil em Matemática no Pisa foi inferior a 358 pontos,


o que classifica o país em “abaixo do nível 1”.

 A Polônia apresentou significativo crescimento de pontuações em Matemática no


Pisa de 2009 para 2012, passando de quase
500 pontos para cerca de 520 pontos.
A China (Hong Kong) sempre obteve
cerca de 550 pontos ou mais.

Fonte: OECD, microdados do


Pisa (2000, 2003, 2006,
2009, 2012).

Fonte Adaptado: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-15742015000300450


INTERVALO
Avaliação crítica de situações: modos diferentes de se ver uma
circunstância

Platão:
 Foi um filósofo e matemático do período clássico
da Grécia Antiga, autor de diversos diálogos
filosóficos e fundador da Academia em Atenas,
a primeira instituição de educação superior do
mundo ocidental.

 “A razão é a ideia que fundamenta o mundo.”

Fonte: http://www.acervofilosofico.com/platao-e-o-mundo-das-ideias/
Avaliação crítica de situações: modos diferentes de se ver uma
circunstância

Disponível em https://charges.uol.com.br/e-mails-
comentados/2017/05/02/desabafo-da-semana.Acesso em 09 out. 2017
Avaliação crítica de situações: modos diferentes de se ver uma
circunstância

 A charge indica que, dependendo da posição, a pessoa vê um “seis” ou um “nove”.


Ou seja, alude-se a uma situação em que o certo e o errado dependem da posição
do observador.

Disponível em https://charges.uol.com.br/e-mails-
comentados/2017/05/02/desabafo-da-semana.Acesso em 09 out. 2017
Avaliação crítica de situações: modos diferentes de se ver uma
circunstância

Fonte: autoria própria


Avaliação crítica de situações: modos diferentes de se ver uma
circunstância

Fonte: http://sequeciast229.blogspot.com/p/solidos-geometricos.html
Sociedade contemporânea: consciência no consumo e avaliação crítica
de descontos e comparação de promoções

 Consciência.

 Código de Defesa do Consumidor.

 Avaliação.

 Consumismo.
Sam Walton, o fundador da maior rede de varejo do mundo, Wal-Mart e
Sam’s Club

 “Eu sou o homem que vai a um restaurante, senta-se à mesa e pacientemente


espera, enquanto o garçom faz tudo, menos anotar o meu pedido.

 Eu sou o homem que vai a uma loja e espera calado, enquanto os vendedores
terminam suas conversas particulares.

 Eu sou o homem que entra num posto de gasolina e nunca toca a buzina,
mas espera pacientemente que o empregado termine a leitura do seu jornal.

 Eu sou o cliente que nunca mais volta!”


Sociedade contemporânea: consciência no consumo e avaliação crítica
de descontos e comparação de promoções

Fonte: arquivo pessoal


Sociedade contemporânea: consciência no consumo e avaliação crítica
de descontos e comparação de promoções

 A diferença entre o valor normal do quilo da banana


(R$ 5,39) e o valor do quilo da banana para o “Cliente mais” (R$ 4,85) é R$ 0,54,
pois R$ 5,39 – R$ 4,85 = R$ 0,54.

 Se o “Cliente mais” comprar 4 kg de bananas, terá


R$ 2,16 de desconto, pois 4 x R$ 0,54 = R$ 2,16.

Fonte: arquivo pessoal


Cidadania: análise de tabela e avaliação correta de desempenhos em
concurso de redação

Fonte: https://www.mensagens10.com.br/mensagem/8220
Tabela: concurso nacional de redação, região Nordeste, notas poderiam
variar de 0 a 1.000 pontos – aluna “Clara”

Fonte: autoria própria

 Como a nota máxima no país é 879 pontos, houve alguma região em que a nota
máxima superou 862 pontos.
Desenvolvimento pessoal: impacto da leitura no indivíduo e
transformação do modo de ver a realidade
Desenvolvimento pessoal: impacto da leitura no indivíduo e
transformação do modo de ver a realidade

 A personagem lê, sofre o impacto da leitura e transforma


seu modo de ver a realidade.
Cidadania: justiça social, igualdade e ações afirmativas

Base da Revolução Francesa:


 Os iluministas.
 Busca lógica pela verdade poderia levar
a uma sociedade mais progressista e justa,
que permitiria liberdade e felicidade para todos.

Fonte: https://www.infoescola.com/historia/ideais-da-revolucao-francesa/
Cidadania: justiça social, igualdade e ações afirmativas

 Liberdade, igualdade, fraternidade.

Fonte: autoria própria


Cidadania: justiça social, igualdade e ações afirmativas

 Café Le Procope, Paris.

 Fundado em 1686 por um


italiano, Francesco Procópio,
esse restaurante esteve no
centro dos acontecimentos
do período revolucionário.

Fonte: autoria própria


Cidadania: justiça social, igualdade e ações afirmativas

 Os iluministas.

 Café Le Procope, Paris.

Fonte: autoria própria


Cidadania: justiça social, igualdade e ações afirmativas

 Maximilien François Marie Isidore


de Robespierre.

 “O incorruptível.”

 Líder da Revolução Francesa.

Fonte: http://www.oieduca.com.br/biblioteca/que-dia-e-hoje/morre-maximilien-robespierre-
lider-da-revolucao-francesa.html?sniveleduca=efaf
Cidadania: justiça social, igualdade e ações afirmativas

 Robespierre.

 “Não é por um povo que combatemos, mas


pelo universo! Não pelos que vivem hoje,
mas por todos aqueles que existirão.”

 “A morte não é o sono eterno. [...] A morte é


o início da imortalidade!”

Fonte: http://www.oieduca.com.br/biblioteca/que-dia-e-hoje/morre-maximilien-robespierre-
lider-da-revolucao-francesa.html?sniveleduca=efaf
Referência: https://citacoes.in/autores/maximilien-robespierre/
Cidadania: justiça social, igualdade e ações afirmativas

IGUALDADE NÃO SIGNIFICA JUSTIÇA

Fonte disponível em:


https://www.facebook.com/
sociedaderacionalista.
Acesso em 15 nov. 2013.

IGUALDADE JUSTIÇA
Cidadania: justiça social, igualdade e ações afirmativas

 A charge mostra que são


necessárias ações reparadoras
para garantir as mesmas
oportunidades a todos e
para que haja justiça.

Fonte disponível em:


https://www.facebook.com/
sociedaderacionalista.
Acesso em 15 nov. 2013.
Cidadania: justiça social, igualdade e ações afirmativas

Para garantir uma


seleção justa,
vocês farão o
mesmo teste: subir
naquela árvore.

Fonte: Adaptado
de:
http://www.luisfe
lipenascimento.
net/a-diferenca-
entre-igualdade-
e-justica/
Justiça: Antigo Egito

 Mundo dos “diferentes e das diferenças”.


 Representação do Livro do Morto e tem uma figura desenhada com uma grande
balança (símbolo da justiça) em que o peso do coração é comparado ao da pluma
de avestruz, símbolo da verdade.

Fonte: https://mx.depositphotos.com/48015689/stock-photo-book-of-the-dead.html/
INTERVALO
Ética, democracia e cidadania: desmatamento e condições de vida da
população indígena

ONTEM HOJE

Fonte: Adaptado de: http://www.diariodecanoas.com.br/_conteúdo/2015/04/noticias/região/15282-


sustentando-partidos-e-os-índios-de-ontem-e-de-hoje-nas-charges-dos-jornais-de-quarta-
feira.html.Acesso em 19 abr. 2017.
Ética, democracia e cidadania: desmatamento e condições de vida da
população indígena

 A charge mostra, no quadro da direita, um índio com roupas de “homem branco”,


ostentando marcas, com uma garrafa de bebida alcoólica e tirando uma selfie:
situações que não pertenciam ao universo original dos nativos. Note a diferença
nas expressões faciais do índio, que expressa alegria no ambiente da floresta e
mostra tristeza quando imerso no mundo do “homem branco”.
HOJE
ONTEM

Fonte: Adaptado de: http://www.diariodecanoas.com.br/_conteúdo/2015/04/noticias/região/15282-sustentando-


partidos-e-os-índios-de-ontem-e-de-hoje-nas-charges-dos-jornais-de-quarta-feira.html.Acesso em 19 abr. 2017.
Sociodiversidade e multiculturalismo: inclusão social de pessoas com
deficiência

Disponível em www.multiplicandocidadania.com.br Acesso em 30 jul. 2016.


Sociodiversidade e multiculturalismo: inclusão social de pessoas com
deficiência

 A Lei nº 8.213/1991 faz com que as pessoas portadoras de necessidades


especiais tenham mais chances no mercado de trabalho, mas a charge ilustra
o preconceito quanto a essas pessoas, que, frequentemente, são vistas
como incapazes.

Disponível em
www.multiplicandocidadania.com.br
Acesso em 30 jul. 2016.
Sociodiversidade e multiculturalismo: inclusão social de pessoas com
deficiência

 A charge indica que um dos maiores problemas enfrentados por portadores de


necessidades especiais é o preconceito no local de trabalho.

Disponível em
www.multiplicandocidadania.com.br
Acesso em 30 jul. 2016.
Sociodiversidade e multiculturalismo: relações étnico-raciais e
articulação indígena e quilombola

 Quilombola.
 O termo “quilombo” deriva do kimbundu, língua africana que pertence à família
linguística Bantu, relativa à atual região de Angola.
 Na África, a expressão designava algo
próximo a um grupo de pessoas em
deslocamento, geralmente, fazendo
O que é quilombo?
referência a disputas guerreiras.

Fonte: https://www.estudokids.com.br/o-que-e-um-quilombo/
Sociodiversidade e multiculturalismo: relações étnico-raciais e
articulação indígena e quilombola

 No Brasil, os quilombos surgiram entre os séculos 16 e 19, eram onde os escravos


se refugiavam em busca de uma nova forma de vida. Os escravos fugiam de seus
senhores e procuravam os quilombos para se esconder dos capitães do mato e
outras pessoas que tivessem interesse em capturá-los novamente.

O que é quilombo?

Fonte: https://www.estudokids.com.br/o-que-e-um-quilombo/
Sociodiversidade e multiculturalismo: relações étnico-raciais e
articulação indígena e quilombola

 A articulação indígena e quilombola vem-se consolidando em Oriximiná, no Pará,


desde 2012.

Fonte:
https://www.google.com/maps/place/Orixi
miná,+Pará,+68270-000/@-1.7596199,-
60.3260459,6z/data=!4m5!3m4!1s0x927d1
545300bbe93:0xc71ed28bcfb3e201!8m2!3
d-1.7618311!4d-55.8638155
Sociodiversidade e multiculturalismo: relações étnico-raciais e
articulação indígena e quilombola

 Objetivo de incentivar a parceria entre índios e quilombolas frente a novos desafios


comuns. A aliança possibilitou, em 2015, a reaproximação entre índios da Terra
Indígena Kaxuyana-Tunayana e os quilombolas da Terra Quilombola Cachoeira
Porteira, cujas relações, no processo de regularização de suas terras, haviam
assumido ares de conflito.
Sociodiversidade e multiculturalismo: relações étnico-raciais e
articulação indígena e quilombola

 Reunidos no Quilombo Abuí, escolhido como local neutro e livre de influências


externas, em maio de 2015, lideranças indígenas e quilombolas de ambas as
terras, com a mediação de lideranças quilombolas de outras comunidades,
acordaram os limites territoriais para fins de regularização fundiária. O acordo foi
oficializado junto ao Ministério Público Federal e ao Ministério Público Estadual.
Sociodiversidade e multiculturalismo: relações étnico-raciais e
articulação indígena e quilombola

 Conflito.
 Solução: lideranças indígenas e quilombolas dialogando para solucionar conflitos
territoriais, sem a participação de terceiros.

Fonte: http://www.psicologaenipeniche.com/p/coaching.html
Processos migratórios e questão de gênero: números de imigrantes
homens e mulheres para diversos países e continentes

 Imigrantes. Número de imigrantes por sexo e área de destino, 2000 a 2015


50

Número de imigrantes (milhões)


Homens (4) Mulheres
40 (2)
(2)
(4)
30
(3) (3)
Fonte: Adaptado de: ONU,
International Migration Report 20
2015. Disponível em
http://www.un.org. Acesso em (1) (1)
10
20 jun. 2015 (com adaptações).
(5)(6) (5)(6)
0
2000 2005 2010 2015 2000 2005 2010 2015
(1) África (4) Asia
(2) Europa (5) América Latina e Caribe
(3) Canadá e Estados Unidos (6) Oceania
Processos migratórios e questão de gênero: números de imigrantes
homens e mulheres para diversos países e continentes

 Do gráfico, vemos que, em 2015, os números de imigrantes homens foram os


indicados a seguir.
 Para a África: cerca de 10 milhões.
 Para a Europa: cerca de 35 milhões.
 Para o Canadá e os Estados Unidos:
cerca de 25 milhões.
 Para a Ásia: cerca de 45 milhões.

ONU, International Migration Report 2015. Disponível em


http://www.un.org. Acesso em 20 jun. 2015 (com adaptações).
Processos migratórios e questão de gênero: números de imigrantes
homens e mulheres para diversos países e continentes

 Em 2015, os números de imigrantes mulheres foram os indicados a seguir.


 Para a África: cerca de 10 milhões.
 Para a Europa: cerca de 40 milhões.
 Para o Canadá e os Estados Unidos: cerca de 25 milhões.
 Para a Ásia: cerca de 30 milhões.
 Temos, então, que as diferenças entre os números de imigrantes homens e de
imigrantes mulheres foram de 5 milhões para a Europa e de 15 milhões para a
Ásia. Nas demais regiões, os números de imigrantes homens
e mulheres foram similares.
Processos migratórios e questão de gênero: números de imigrantes
homens e mulheres para diversos países e continentes

 Para analisarmos crescimento, devemos comparar as inclinações dos gráficos:


quanto maior a “inclinação para direita”, maior a taxa de crescimento. Vemos, no
gráfico de imigrantes mulheres com destino à Europa, que a inclinação é maior no
período de 2000 a 2010 do que no período entre 2010 e 2015, o que evidencia
menor taxa de migração
no segundo período.
Responsabilidade social e setor privado: responsabilidade social
empresarial e diminuição das desigualdades sociais

A visão da minha empresa é dar cada


vez mais lucro. Já a missão é fazer com
que as pessoas acreditem que ela tem
algum outro objetivo além desse.

Fonte: <http://mitnoticias.blogspot.com.br/2012/11/a-visao-da-empresa-e-
mais-importante.html>. Acesso em 09 jan. 2016.
Responsabilidade social e setor privado: responsabilidade social
empresarial e diminuição das desigualdades sociais

 Responsabilidade social é quando as empresas decidem, voluntariamente,


contribuir para uma sociedade mais justa e para um ambiente mais limpo.
 O nível externo são as consequências das ações de uma organização sobre o
meio ambiente, os seus parceiros de negócio e o meio em que estão inseridos.

Fonte:
https://escolaaberta3setor.org.br/noticia/termos-e-
definicoes-da-responsabilidade-social/
Políticas públicas: profissionais da área da saúde e realização de
procedimentos adequados

SAÚDE NO DF... ROLETA DO VAMOS


DOUTOR, NÃO ESTOU ME DIAGNÓSTICO DESCOBRIR
SENTINDO MUITO BEM... O QUE VOCÊ
TEM...

Fonte Adapatado disponível em:


<http://www.jornaldebrasilia.com.br/charge DENGUE
s/685/erro-de-diagnostico-medico>.
Acesso em 26 jan. 2016.
Questão 3: Coloque verdadeiro (V) ou falso (F)

( ) A charge é uma crítica ao programa “Mais Médicos”, do Governo Federal.


( ) O médico da charge representa um profissional que não adota procedimentos
adequados para chegar a um diagnóstico.
( ) A charge sugere que os erros de diagnóstico são comumente realizados pelos
médicos em nosso país, mas culpa os pacientes por esse problema, pois eles não
sabem relatar com exatidão o que estão sentindo.

Fonte Adapatado disponível em:


<http://www.jornaldebrasilia.com.
br/charges/685/erro-de-
diagnostico-medico>.
Acesso em 26 jan. 2016.
Resposta

 (F) A charge é uma crítica ao programa “Mais Médicos”, do Governo Federal.


 JUSTIFICATIVA. A charge não faz qualquer menção ao programa “Mais Médicos”.
 (V) O médico da charge representa um profissional que não adota procedimentos adequados
para chegar a um diagnóstico.
 JUSTIFICATIVA. A charge mostra o profissional da saúde usando um método não científico
(aleatório) para fazer o diagnóstico da doença do paciente. A charge usa a ironia, marcada pelo
exagero, para denunciar que há médicos que fazem diagnósticos errados ou descuidados.
 (F) A charge sugere que os erros de diagnóstico são comumente
realizados pelos médicos em nosso país, mas culpa os pacientes
por esse problema, pois eles não sabem relatar com exatidão o
que estão sentindo.
 JUSTIFICATIVA. A charge critica o diagnóstico por parte do
médico, não por parte do paciente. O paciente não passou
informações sobre o que sente e não foram feitos exames, mas o
médico já quer definir um diagnóstico.
ATÉ A PRÓXIMA!
Estudos Disciplinares
Formação Geral

Prof. Rogério Traballi


Sociodiversidade e multiculturalismo: violência, relações étnico-raciais e
assassinatos de afrodescendentes em relato da ONU

 Multiculturalismo: várias culturas.

 Sociodiversidade: é a convivência pacífica de diversas sociedades distintas.

 É riqueza cultural.

 O Brasil tem uma grande mistura de etnias, raças, religiões etc.


Sociodiversidade e multiculturalismo: violência, relações étnico-raciais e
assassinatos de afrodescendentes em relato da ONU

Brasil: tolerância e inclusão?

 Segundo o Alto Comissário da ONU para Direitos Humanos, foram feitos alertas
“sobre a insegurança que muitos jovens afro-brasileiros sentem diante da violência
policial e da impunidade" e, em 2015, "mais de 2.000 pessoas foram mortas pela
polícia no Brasil (...) e eram, de forma desproporcional, de afrodescendência".
Sociodiversidade e multiculturalismo: violência, relações étnico-raciais e
assassinatos de afrodescendentes em relato da ONU

Mãe, Mãe,
tô saindo! tô saindo!
Não esquece
Não esquece o casaco, não use
nada que cubra
Fonte:
o casaco! seu rosto, não
http://profwladimir.blogspot.co faça movimentos
m.br/2015/09/charge-triste-
bruscos se for
duas-realidades.html. Acesso
em: 22 mar. 2016. abordado por um
policial, responda
em voz baixa e
deixe suas mãos
sempre à vista,
não dê motivo
para que ele
atire, não...
Ciência, tecnologia e sociedade: relações de consumo e
descartabilidade na sociedade contemporânea

 Sociedade de consumo e o descarte de resíduos.

Fonte:
https://www.ecodebate.co
m.br/2013/04/04/a-
sociedade-de-consumo-e-
o-descarte-de-residuos-
artigo-de-marcos-mol/
Ciência, tecnologia e sociedade: relações de consumo e
descartabilidade na sociedade contemporânea

 Lixo espacial.

Fonte:
https://www.revistaplaneta.
com.br/poluicao-orbital/
Ciência, tecnologia e sociedade: relações de consumo e
descartabilidade na sociedade contemporânea
A tela do meu É mais fácil Uma pecinha É mais fácil
Iphone rachou! comprar um do meu rádio comprar um
celular novo! quebrou! rádio novo!

Fonte: http://www.quadrinhosacidos.com.br/2015/07/89-e-
mais-fácil-descartar.html?m=1. Acesso em: 17 dez. 2015.
Ciência, tecnologia e sociedade: relações de consumo e
descartabilidade na sociedade contemporânea

O meu casaco É mais fácil Uma pecinha da É mais fácil O meu É mais fácil
rasgou um comprar um minha máquina de comprar uma computador tá comprar
pouquinho! casaco novo! lavar quebrou! máquina nova! meio devagar! um novo!

Fonte: http://www.quadrinhosacidos.com.br/2015/07/89-e-
mais-fácil-descartar.html?m=1. Acesso em: 17 dez. 2015.
Ciência, tecnologia e sociedade: relações de consumo e
descartabilidade na sociedade contemporânea
A alça da É mais fácil O meu tênis É mais fácil Ah, você tá É mais fácil
minha xícara comprar uma tá descolando comprar um ficando arranjar um
quebrou! xícara nova! a sola! tênis novo! muito chato! namorado novo!

Fonte: http://www.quadrinhosacidos.com.br/2015/07/89-e-
mais-fácil-descartar.html?m=1. Acesso em: 17 dez. 2015.
Ciência, tecnologia e sociedade: relações de consumo e
descartabilidade na sociedade contemporânea

 ... queixa-se de que as coisas quebraram, geralmente, por motivos simples e de


fácil conserto, mas diz ser mais simples comprar um produto novo.

 ... desiste do relacionamento em vez de tentar melhorar a relação, mostrando que


a descartabilidade se aplica tanto aos produtos quanto às relações pessoais.

 A charge visa criticar esse pensamento tão comum em nossa sociedade.


Tecnologias de informação e comunicação: redes sociais e construção
da autoestima

Fonte:
http://www.facebook.com/13745
9689780175/fotos/a.4090685392
85954.1073741892.1374596897
80175. Acesso em: 15 out. 2015.
Tecnologias de informação e comunicação: redes sociais e construção
da autoestima

Pesquisas recentes:

 Negativo: quanto mais tempo as pessoas passavam navegando no site, pior iam
se sentindo, ou seja, com o passar do tempo, menor era a satisfação que tinham
com a própria vida.
 Departamento de Marketing da Universidade da Pennsylvania (EUA).
 Positivo: eles descobriram que, para algumas pessoas,
as mídias sociais podem ajudar a aumentar seu bem-estar.

Fonte:
http://www.facebook.com/13745
9689780175/fotos/a.4090685392
85954.1073741892.1374596897
80175. Acesso em: 15 out. 2015.
Cultura e arte: registros fotográficos, situações do cotidiano e realidade

Fonte: https://blog.emania.com.br/tag/evolucao-fotografica/
Meio ambiente: pegada ecológica, biocapacidade e razão
entre indicadores

 A pegada ecológica visa quantificar a demanda humana sobre o meio ambiente


para se atender ao consumo atual. Trata-se de um indicador do fluxo de ativos
ambientais necessários para nosso padrão de consumo.

 A biocapacidade visa quantificar a regeneração natural do meio ambiente. Ambas


são medidas em hectares globais, com base somente nas áreas produtivas do
planeta.
Meio ambiente: pegada ecológica, biocapacidade e razão
entre indicadores

Razão entre pegada ecológica e biocapacidade do planeta

Fonte: http://financasfaceis.wordpress.com. Acesso em: 10 ago. 2014.


Meio ambiente: pegada ecológica, biocapacidade e razão
entre indicadores

Se R é a razão entre a pegada ecológica (PE) e a biocapacidade (BIO), então:

PE
R .
BIO
Meio ambiente: pegada ecológica, biocapacidade e razão
entre indicadores

 Se R<1, então a capacidade de recuperação do planeta é


superior à demanda humana sobre os recursos do meio
ambiente.
PE
R .  Se R=1, então a demanda humana sobre os recursos do
BIO meio ambiente é igual à capacidade de recuperação
do planeta.

 Se R>1, então a demanda humana sobre os recursos do


meio ambiente é superior à capacidade de recuperação
do planeta.
Meio ambiente: pegada ecológica, biocapacidade e razão
entre indicadores
Razão entre pegada ecológica e biocapacidade do planeta  O gráfico mostra valores da razão R
entre 1961 e 2008.
 Podemos verificar que, antes de 1970,
tínhamos R<1, ou seja, a capacidade de
regeneração do planeta ultrapassava a
exigência humana por seus recursos.
 Após 1970, ocorre a inversão dessa
Fonte: http://financasfaceis.wordpress.com.
Acesso em: 10 ago. 2014. situação: a exigência humana por
recursos ambientais passa a ultrapassar
PE a capacidade de regeneração do planeta
R . (R>1), e a razão entre a pegada
BIO ecológica e a biocapacidade apresenta
tendência de crescimento.
Questão 4 – O que mostra o gráfico?

 Taxa de homicídios de mulheres (por 100 mil) por estado. Brasil, 2006 e 2013.
AC 8,3 PB 6,4
4,4 3,3
AP 5,3 PE 5,5
4,2 7,1
AM 5,3 2,9
3,2 PI 2,1
5,8 5,3
PA 4,0 RN
6,3 2,7
RO 6,7 SE 5,1
15,3 3,9
RR 6,6 ES 9,3
5,7 10,5
TO 3,4 MG 4,2
8,6 4,0
AL 6,8 4,5
5,8
RJ 6,2
BA 3,4 2,9
6,2 SP 3,8
CE 3,2 5,2
3,8 PR 4,7
MA 2,1
RS 3,8
0,0 2,0 4,0 6,0 8,0 10,0 12,0 14,0 16,0 2,9
3,1
SC 3,0
2013 DF
5,6
3,9
8,6
2006 GO 5,0
5,8
Fonte: Adaptado de: MT 5,0
5,9
https://www.mapadaviolenci MS 4,8
4,8
a.org.br/pdf2015/MapaViole BR 4,2
ncia_2015_mulheres.pdf 0,0 2,0 4,0 6,0 8,0 10,0 12,0 14,0 16,0
Resposta

Pela leitura do gráfico, temos o que segue:


 Taxa de homicídios de mulheres em SP em 2006: 3,8 por
100 mil habitantes.
 Taxa de homicídios de mulheres no Brasil em 2006: 4,2
por 100 mil habitantes.
 Taxa de homicídios de mulheres em SP em 2013: 2,9 por
100 mil habitantes.
 Taxa de homicídios de mulheres no Brasil em 2013: 4,8
por 100 mil habitantes.
 Concluímos que as taxas de homicídios de mulheres em
São Paulo, em 2006 e em 2013, foram menores do que as
taxas brasileiras nesses períodos.
Fonte:
https://www.mapadaviolencia.org.br/pdf2015/MapaViolencia_2015_mulheres.pdf
INTERVALO
Sociodiversidade e multiculturalismo: relações de gênero e jornada
semanal de trabalho

Jornada média total de trabalho


por semana no Brasil (em horas)
mãe com filhos 25,9 36,8

pai com filhos 15,5 41,4

mulher chefe de casal com filhos 30,3 36,5

homem chefe de casal com filhos 10,1 44,4

mulher cônjuge em casal com filhos 31,7 34

0 10 20 30 40 50 60 70
tempo médio por semana dedicado aos afazeres domésticos
tempo médio por semana dedicado ao trabalho remunerado

Fonte: Adaptado de: https://ipea.gov.br. Acesso em: 30 jul. 2013.


Sociodiversidade e multiculturalismo: relações de gênero e jornada
semanal de trabalho

 A soma dos tempos gastos com afazeres


domésticos e com trabalho remunerado é
indicada no gráfico. De cima para baixo, a
primeira barra, a terceira barra e a última
barra, que representam jornadas de trabalho
de mulheres, são maiores do que a segunda
barra e a quarta barra, que se referem às
jornadas de trabalho de homens.
Fonte: Adaptado de: https://ipea.gov.br.
Acesso em: 30 jul. 2013.
Sociodiversidade e multiculturalismo: relações de gênero e jornada
semanal de trabalho

 No gráfico, vemos que a jornada de trabalho


remunerado dos homens é superior à das
mulheres. No texto, afirma-se que mulheres
ainda ganham menos do que homens. Ao
compararmos o trabalho não remunerado,
com afazeres domésticos, o tempo gasto
pelas mulheres é praticamente o dobro do
que o tempo gasto pelos homens. Logo, as
Fonte: Adaptado de: https://ipea.gov.br.
Acesso em: 30 jul. 2013. mulheres têm carga de trabalho total superior
aos homens e recebem menos do que eles.
É necessária a implantação de políticas que
equalizem o tempo gasto em atividades não
remuneradas entre homens e mulheres e que
promovam igualdade salarial.
Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC): alfabetização midiática
e informacional e consequências da falta de letramento digital

 Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) pode ser definida como um


conjunto de recursos tecnológicos, utilizados de forma integrada,
com um objetivo comum.

 As TICs são utilizadas das mais diversas formas, na indústria (no processo de
automação), no comércio (no gerenciamento, nas diversas formas de publicidade),
no setor de investimentos (informação simultânea, comunicação imediata) e na
educação (no processo de ensino-aprendizagem, na Educação a Distância).
Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC): alfabetização midiática
e informacional e consequências da falta de letramento digital

 Comportamento moderno

 ... “como principal meio de acesso à internet e (...) às redes sociais, o telefone
celular tem sido a ferramenta mais importante de utilização social das diferentes
mídias (...), sendo, assim, uma das principais formas para o letramento digital da
população”.

 No entanto, existem pessoas digitalmente letradas que


não usam o celular nem as redes sociais.
Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC): alfabetização midiática
e informacional e consequências da falta de letramento digital

 Comportamento moderno

 O letramento digital “desenvolve-se em vários níveis, desde a simples utilização de


um aplicativo de conversação com colegas até a utilização em transações
financeiras nacionais e internacionais”.

 As pessoas letradas digitalmente não desenvolvem, necessariamente, as mesmas


habilidades de comunicação e ação.
Meio ambiente: desmatamento da Amazônia e suas consequências

Fonte: https://umaincertaantropologia.org/tag/amazonia/
Meio ambiente: desmatamento da Amazônia e suas consequências

 Já não chove tanto em Buenos Aires por causa do desmatamento na Amazônia.


 19% das chuvas que caem anualmente na bacia da Prata originam-se da umidade
gerada pela Floresta Amazônica e dispersada rumo ao sul.
 A Amazônia é um dos fatores fundamentais que regula o clima da região e está
gravemente ameaçada pelas atividades humanas.

Fonte:
https://umaincertaantropolo
gia.org/tag/amazonia/
Meio ambiente: desmatamento da Amazônia e suas consequências

 Apenas no Brasil derrubaram 2.000 árvores por minuto durante 40 anos.


 Existem cerca de 350 comunidades indígenas na região amazônica, das quais em
torno de 60 vivem em isolamento voluntário há séculos, buscando fugir das
ameaças.
 Podemos construir um modelo de desenvolvimento que entenda a
conservação como uma oportunidade e não como um obstáculo.
Fonte:
https://umaincertaantropolo
gia.org/tag/amazonia/
Sociedade, cultura e arte: manifestações artísticas e formas de
expressão popular

Fonte: http://coletivodar.org/wp-
contente/uploads/2014/08/parede.jpg.
Acesso em: 04 mar. 2015.
Sociedade, cultura e arte: manifestações artísticas e formas de
expressão popular

 A frase “parede branca, povo mudo" mostra a pichação como forma de


expressão popular.
 ... os grafites e as pichações atuais nascem da necessidade humana de produção
de representações que lhe são
negadas.

Fonte:
http://coletivodar.o
rg/wp-
contente/uploads/
2014/08/parede.jp
g. Acesso em: 04
mar. 2015.
Sociedade, cultura e arte: manifestações artísticas e formas de
expressão popular

 ... necessidade que os pichadores e os grafiteiros têm de serem reconhecidos pelo


seu meio social e pela sociedade como um todo.
 Em alguns casos, de forma negativa, sanando assim, em parte, a invisibilidade a
que muitas vezes estão submetidos, por pertencerem, em geral, às camadas
economicamente mais pobres da sociedade.

Fonte: http://coletivodar.org/wp-
contente/uploads/2014/08/pared
e.jpg. Acesso em: 04 mar. 2015.
População: números de habitantes nos estados brasileiros

Maiores crescimentos
11º Santa Catarina 6.727.148
POPULAÇÃO NO BRASIL 12º Goiás 6.523.222 1º
2013-2014 (por capital)
Palmas (TO) 2,91%
Veja o ranking populacional, segundo o IBGE: 13º Paraíba 2º Brasília (DF) 2,25%
3.943.885
3º Macapá (AP) 2,17%
14º Espírito Santo 3.885.049
1º São Paulo 44.035.304 4º Manaus (AM) 1,92%
15º Amazonas 3.873.743 5º Boa Vista (RR) 1,91%
2º Minas Gerais 20.734.097
16º Rio Grande do Norte 3.408.510 6º Rio Branco (AC) 1,89%
3º Rio de Janeiro 16.461.173 7º Porto Velho (RO) 1,86%
17º Alagoas 3.321.730
4º Bahia 15.126.371 202.768.562 8º Florianópolis (SC) 1,82%
18º Mato Grosso 3.224.357 é o total de 9º Aracaju (SE) 1,50%
5º Rio Grande do Sul 11.207.274 19º Piauí 3.194.718 brasileiros 10º João Pessoa (PB) 1,45%
6º Paraná 11.081.692 20º Distrito Federal 2.852.372 11º Goiânia (GO) 1,35%
7º Pernambuco 9.277.727 12º Campo Grande (MS) 1,29%
21º Mato Grosso do Sul 2.619.657
13º Vitória (ES) 1,10%
8º Ceará 8.842.791 22º Sergipe 2.219.574 14º Cuiabá (MT) 0,99%
9º Pará 8.073.924 23º Rondônia 1.748.531 15º São Luís (MA) 0,98%
24º Tocantins 16º Natal (RN) 0,95%
10º Maranhão 6.850.884 1.496.880
17º Maceió (AL) 0,86%
25º Acre 790.101 18º Curitiba (PR) 0,84%
26º Amapá 750.912 19º Fortaleza (CE) 0,79%
27º Roraima 496.936 20º Salvador (BA) 0,67%
21º São Paulo (SP) 0,63%
Menos populosas 22º Recife (PE) 0,56%
Fonte: Adaptado de: 1º Serra da Saudade (MG) 822 23º Teresina (PI) 0,49%
http://www.metrojorn 2º Borá (SP) 835 24º Belém (PA) 0,49%
al.com.br/nacional/b 3º Araguainha (MT) 1.000 25º Belo Horizonte (MG) 0,48%
rasil. Acesso em: 29 4º Oliveira de Fátima (TO) 1.091 26º Rio de Janeiro (RJ) 0,37%
ago. 2014. 5º Anhanguera (GO) 1.093 27º Porto Alegre (RS) 0,32%
Megacidades

 No estado de São Paulo, temos 44 milhões de habitantes.

 Na cidade de São Paulo (IBGE, 2014), temos 12 milhões de habitantes.

 As megacidades representam grandes centros urbanos que concentram a maior


quantidade de habitantes do planeta. Segundo a ONU (Organização das Nações
Unidas), as megacidades são aquelas que abrigam elevada densidade
populacional, com mais de 10 milhões de habitantes.
Megacidades

 Grande parte das megacidades faz parte de países emergentes ou


subdesenvolvidos.

 Seu crescimento pode ocorrer de forma descontrolada e sem planejamento, o que


leva a diversos problemas sociais e urbanos, do qual merece destaque a poluição.

 Em vários locais do mundo, muitos moradores das megacidades utilizam máscaras


para saírem de casa.
Megacidades

 Por sua vez, existem maneiras de diminuir a poluição nos grandes centros, por
exemplo, optar por um meio de transporte menos poluente.

 Muitos governos das megacidades estão atentos ao assunto e buscando


alternativas que causem menor impacto ao ambiente, além de realizarem
campanhas para alertar a população.
Megacidades

 Com o processo de globalização a partir do século XX, o número de megacidades


aumentou consideravelmente no mundo.
 Atualmente, cerca de 21 megacidades estão espalhadas pelos continentes, sendo
a capital do Japão, Tóquio, a maior delas, já com mais de 30 milhões de
habitantes.
 No Brasil, São Paulo e Rio de Janeiro são
as duas megacidades do país.

Tóquio, Japão.
Fonte:
https://www.todamateria.com
.br/megacidades/
Questão 5 – Transportes, tempo de deslocamento casa-trabalho e
políticas públicas direcionadas à mobilidade urbana. O que nos mostra o
gráfico a seguir?
 (Enade 2014). O Tempo de
Brasil Rio de Janeiro São Paulo Curitiba
quadro a seguir deslocamento
apresenta a proporção
(%) de trabalhadores Até cinco minutos 12,70 5,80 5,10 7,80
por faixa de tempo
gasto no deslocamento De seis minutos 52,20 32,10 31,60 45,88
casa-trabalho, no até meia hora
Brasil e em três Mais de meia hora
cidades brasileiras. 23,60 33,50 34,60 32,40
até uma hora

Mais de uma hora


9,80 23,20 23,30 12,90
até duas horas

Mais de duas horas 1,80 5,50 5,30 1,20


Resposta

 A distribuição do tempo de deslocamento na cidade do Rio de Janeiro apresenta


pico em deslocamentos de meia hora até uma hora, com porcentagem um pouco
menor para deslocamentos de seis minutos a uma hora.
 A distribuição do tempo de deslocamento em São Paulo apresenta o mesmo
padrão, com pico para deslocamentos de meia hora até uma hora e porcentagem
um pouco menor para deslocamentos de seis minutos até meia hora.
 Em Curitiba e no Brasil como um todo, o pico ocorre para deslocamentos de 6
minutos a meia hora, seguido de porcentagem menor para deslocamentos de meia
hora até uma hora. Tempo de
deslocamento
Brasil Rio de Janeiro São Paulo Curitiba
Até cinco minutos 12,70 5,80 5,10 7,80
De seis minutos
52,20 32,10 31,60 45,88
até meia hora
Mais de meia hora
23,60 33,50 34,60 32,40
até uma hora
Mais de uma hora
9,80 23,20 23,30 12,90
até duas horas
Mais de duas horas 1,80 5,50 5,30 1,20
Resposta

 Nas metrópoles, a maior parte dos postos de trabalho que envolvem comércio e
serviços encontra-se nas regiões centrais.
 Essa concentração atrai investimentos em transporte público, o que faz com que o
preço de moradia nessas regiões aumente. Consequentemente, muitos
trabalhadores são afastados para as regiões periféricas, onde o custo de moradia
é mais acessível. Tempo de
Brasil Rio de Janeiro São Paulo Curitiba
deslocamento
Até cinco minutos 12,70 5,80 5,10 7,80
De seis minutos
52,20 32,10 31,60 45,88
até meia hora
Mais de meia hora
23,60 33,50 34,60 32,40
até uma hora
Mais de uma hora
9,80 23,20 23,30 12,90
até duas horas
Mais de duas horas 1,80 5,50 5,30 1,20
INTERVALO
Sociodiversidade e multiculturalismo: relações de gênero, conquistas
das mulheres e participação feminina na política
Mas por que você
não quer mais
brincar de casinha
Adivinha!
comigo, Cebolinha?

Fonte: Adaptado de: http://jornalopcao.com.br/posts/ultimas-


noticias/a-menininha-do-vestido-vermelho-e-do-coelhinho-de-
pelucia-conquistou-o-seu--lugar. Acesso em: 17 mar. 2016.
Sociodiversidade e multiculturalismo: relações de gênero, conquistas
das mulheres e participação feminina na política

 Os quadrinhos mostram Mônica e Cebolinha brincando de casinha, com uma


inversão de papéis em relação ao estereótipo aceito pela sociedade: Mônica chega
do trabalho e Cebolinha está limpando a casa. Os quadrinhos apresentam uma
crítica à divisão de trabalhos, na qual o homem sai para trabalhar e a mulher é a
única responsável pelos afazeres domésticos.
Fonte: Adaptado de:
http://jornalopcao.com.br/posts/ultimas- Mas por que você
noticias/a-menininha-do-vestido- não quer mais
Adivinha!
vermelho-e-do-coelhinho-de-pelucia- brincar de casinha
conquistou-o-seu--lugar. Acesso em: comigo, Cebolinha?
17 mar. 2016.
Sociedade e relações de trabalho: levantamento da renda familiar
no Brasil

 Levantamento da renda familiar no Brasil em 2013. O salário mínimo na época da


pesquisa era de R$ 678. 1% R$ 13.560 a R$ 33.900
BRASIL 4% R$ 6.780 a R$ 13.560
É POBRE 9% R$ 3.390 a R$ 6.780
Renda mensal das 16%
Fonte: famílias, em % R$ 2.034 a R$ 3.390
http://www1.folha.uol.com.br/col
unas/fernandocanzian/2014/01/1
20%
398643-o-role-do-brasil.shtml.
Acesso em: 22 mar. 2016. R$ 1.356 a R$ 2.034

46% 66%
Renda familiar das famílias
de até R$ 1.356 ganham até
R$ 2.034
Sociedade e relações de trabalho: levantamento da renda familiar
no Brasil

 Do gráfico, vemos que, em 2013, a renda de 36% (20% + 16%) das famílias estava
entre 2 e 5 salários mínimos (entre R$ 1.356,00 e R$ 3.390,00).

 Riscos Brasil
BRASIL 1% R$ 13.560 a R$ 33.900
4% R$ 6.780 a R$ 13.560
 Inflação É POBRE 9% R$ 3.390 a R$ 6.780
Renda mensal das
 Juros famílias, em % 16%
R$ 2.034 a R$ 3.390
 Variação da moeda
20%
 Política R$ 1.356 a R$ 2.034
Fonte:
http://www1.folha.uol.
com.br/colunas/ferna
ndocanzian/2014/01/
46% 66%
Renda familiar das famílias
1398643-o-role-do-
brasil.shtml. Acesso de até R$ 1.356 ganham até
em: 22 mar. 2016. R$ 2.034
Sociedade e relações de trabalho: levantamento da renda familiar
no Brasil

Sugestões: aumento da renda familiar:

BRASIL
1. Investir em formação; 1% R$ 13.560 a R$ 33.900
2. Trabalhos extras; É POBRE 4% R$ 6.780 a R$ 13.560
Renda mensal das
3. Se puder fazer horas extras; famílias, em % 9% R$ 3.390 a R$ 6.780

4. Vender “outros” produtos/serviços; 16%


R$ 2.034 a R$ 3.390
5. Empreender. 20%
R$ 1.356 a R$ 2.034
Fonte:
http://www1.folha.uol.
com.br/colunas/ferna
ndocanzian/2014/01/
46% 66%
Renda familiar das famílias
1398643-o-role-do-
brasil.shtml. Acesso de até R$ 1.356 ganham até
em: 22 mar. 2016. R$ 2.034
Igualdade de gêneros: direito das jovens à educação formal, relações de
poder entre homens e mulheres e discurso de Malala na ONU

 A paquistanesa Malala Yousafzai, de dezessete anos de


idade, ganhou o Prêmio Nobel da Paz de 2014, pela
defesa do direito de todas as meninas e mulheres de
estudar. “Nossos livros e nosso lápis são nossas melhores
armas. A educação é a única solução, a educação em
primeiro lugar”, afirmou a jovem em seu primeiro
pronunciamento público na Assembleia de Jovens, na
Organização das Nações Unidas (ONU), após o atentado
em que foi atingida por um tiro ao sair da escola, em 2012.
Recuperada, Malala mudou-se para o Reino Unido, onde
estuda e mantém o ativismo em favor da paz e da
igualdade de gêneros.

Fonte: Adaptado de: http://mdemulher.abril.com.br. Acesso em: 18 ago. 2015.


Igualdade de gêneros: direito das jovens à educação formal, relações de
poder entre homens e mulheres e discurso de Malala na ONU

 Até o século XX, na maior parte do mundo, as mulheres não iam à escola porque
seu papel social era definido em função do casamento, da família e da procriação.

 Com a luta de movimentos e grupos, a mulher alcançou o direito à educação.

 A Declaração dos Direitos Humanos considera a educação um direito essencial de


qualquer ser humano, mas ainda se veem países e regiões que colocam
empecilhos à escolarização feminina.
Igualdade de gêneros: direito das jovens à educação formal, relações de
poder entre homens e mulheres e discurso de Malala na ONU

 Nesse sentido, a luta de Malala é emblemática porque deu voz a milhões de


jovens que não têm seu direito garantido por leis ou por costumes.

 Vivemos em um mundo patriarcal, seja no Ocidente ou no Oriente.

 A mulher, considerada o “segundo”, sofre a socialização imposta pelos


interesses masculinos.

 Uma forma de conscientizar as mulheres dos seus direitos


e da luta por mudanças é a educação e, por isso, a atitude
de Malala é importante.
Responsabilidade social: formas de chegada dos usuários aos
serviços socioassistenciais
Percentual de Unidades de Prestação de Serviços Socioassistenciais
Privadas sem Fins Lucrativos, por forma de chegada dos usuários,
Busca ativa segundo os serviços socioassistenciais prestados – Brasil – 2014-2015

Serviço de Acolhimento 15,5


Espontânea 60,4
institucional
87,5
Serviço Especializado 40,1
Encaminhamento para pessoas em 73,3
situação de rua 57,2
Serviço de Proteção Social 34,3
Fonte: Adaptado de: Especial para deficientes, 79,4
http://biblioteca.ibge.gov.br. idosos e suas famílias 81,6
Acesso em: 10 jun. 2016. Serviço de Proteção Social
Básica no domicílio 51,9
para pessoas com 72,8
deficiência e idosas 61,4

Serviço de Convivência 32,2


e fortalecimento 82,4
de vínculos 67,2
%
0,0 90,0
Responsabilidade social: formas de chegada dos usuários aos
serviços socioassistenciais

 Vemos, na quarta parte do gráfico, que, em 51,9%


das unidades do Serviço de Proteção Social Básica
no domicílio para pessoas com deficiência e
idosas, o acesso dos usuários ocorre por busca
ativa (barra superior).
 Vemos, na segunda parte do gráfico, que, em
40,1% das unidades que prestam serviço
Fonte: Adaptado de: especializado para pessoas em situação de rua, a
http://biblioteca.ibge.gov.br.
Acesso em: 10 jun. 2016.
procura dos usuários ocorre por busca ativa
(barra superior).
 Vemos, na última parte do gráfico, que, em 82,4%
das unidades que prestam serviço de convivência
e fortalecimento de vínculos, o acesso de usuários
ocorre de forma espontânea (barra central).
Sociodiversidade e multiculturalismo: intolerância religiosa

 ... eu até compreendo os salvadores profissionais sua feira de ilusões


 só que o bom barraqueiro que quer vender seu peixe em paz
 deixa o outro vender limões
 um vende limões, o outro
 vende o peixe que quer
 o nome de Deus pode ser Oxalá
 Jeová, Tupã, Jesus, Maomé
 Maomé, Jesus, Tupã, Jeová
 Oxalá e tantos mais
 sons diferentes, sim, para sonhos iguais
“Guerra Santa”
Gilberto Gil
Sociodiversidade e multiculturalismo: intolerância religiosa

 Nos versos apresentados, o autor quer expressar a ideia de que um bom


comerciante vende seus produtos e não impede que outro comerciante venda
produtos diferentes. No contexto religioso, isso quer dizer que é possível professar
dada fé sem impedir que o próximo tenha a liberdade de professar outra fé.

 A ideia do trecho do texto é dizer que uma mesma divindade pode assumir nomes
diferentes em crenças distintas. Nesse sentido, são citados os nomes mais
comuns de “Deus” e é mencionado que ainda existem outros mais.
Meio ambiente: consumo sustentável e descarte de resíduos

 Consumo sustentável é a ideia de


consumir produtos e serviços de modo
consciente, com a intenção de evitar
ou eliminar o desperdício e o impacto
ambiental e social.

Fonte:
http://desenvolvimentoamb
iental.wordpress.com.
Acesso em 9 set. 2016.
Meio ambiente: consumo sustentável e descarte de resíduos

 Práticas adequadas de consumo e de descarte de resíduos beneficiam a


manutenção da diversidade biológica.

Fonte:
http://desenvolvime
ntoambiental.word
press.com. Acesso
em 9 set. 2016.

Fonte: https://www.vgresiduos.com.br/blog/porque-aplicar-a-politica-dos-
5rs-para-reduzir-a-geracao-de-residuos/
Meio ambiente: consumo sustentável e descarte de resíduos

Na hora de consumir: Fonte:


http://dese
 Reflita se é realmente necessário adquirir o produto. Muitas nvolviment
oambienta
vezes somos levados pelos apelos publicitários a adquirir l.wordpres
s.com.
bens desnecessários; Acesso
 Evite produtos descartáveis e escolha produtos mais duráveis em 9 set.
2016.
e recicláveis;
 Ao comprar produtos eletroeletrônicos, consulte a etiqueta de eficiência energética
e escolha os da categoria “A”. Em caso de ausência desta etiqueta, consulte
o fabricante;
 Ao comprar madeira ou móveis de madeira, verifique se é
certificada, o que garante que ela foi manejada de forma
correta e não extraída ilegalmente de matas nativas;
 Ao pensar em se desfazer de um produto, reflita se é
possível consertá-lo, reutilizá-lo ou reciclá-lo.
Meio ambiente: consumo sustentável e descarte de resíduos

No seu dia a dia:


 Separe os resíduos orgânicos e os recicláveis (plásticos, vidros, latas, papéis) do
lixo imprestável, encaminhando para a reciclagem (se não existir coleta seletiva,
doe a catadores e instituições ou leve a postos de coleta);
 Reduza o tempo do banho. O chuveiro elétrico é um dos aparelhos que consome
mais energia;
 Use as máquinas de lavar louça e roupa apenas com toda
sua capacidade preenchida; no caso da lava roupa, só use
a pré-lavagem quando a roupa estiver muito suja;

Fonte:
http://desenvolvime
ntoambiental.word
press.com. Acesso
em 9 set. 2016.
Meio ambiente: consumo sustentável e descarte de resíduos

No seu dia a dia:


 Substitua as lâmpadas incandescentes por lâmpadas econômicas. Elas geram a
mesma luminosidade, duram mais e poupam 80% de energia elétrica;
 Não durma com a televisão ligada, recorra ao timer para que o aparelho
desligue automaticamente;
 Ao imprimir, utilize sempre que possível a frente e o verso do papel;
 Procure utilizar o transporte coletivo. Organize caronas solidárias no trabalho e nos
deslocamentos dos filhos. Para distâncias curtas, opte por se deslocar a pé.

Fonte:
http://desenvolvime
ntoambiental.word
press.com. Acesso
em 9 set. 2016.
INTERVALO
Formação do Brasil: reflexos da colonização

Portugal descobriu o Brasil?

Fonte:
https://www.buzzfeed.com/br/rafaelc
apanema/portugueses-opinam-
sobre-o-brasil
Formação do Brasil: reflexos da colonização

O que Portugal tem a ver com o Brasil?


 Texto: Alexandra Lucas Coelho

Fonte:
https://www.routetour.net/single-
post/2016/11/11/O-que-Portugal-
tem-a-ver-com-o-Brasil
Formação do Brasil: reflexos da colonização

O que Portugal tem a ver com o Brasil?


 Texto: Alexandra Lucas Coelho

 “a violência sistêmica brasileira tem raízes nas duas violências fundadoras da


colonização portuguesa, extermínio indígena e escravatura africana.”

Fonte:
https://www.routetour.net/single-
post/2016/11/11/O-que-Portugal-
tem-a-ver-com-o-Brasil
Meio ambiente e saúde: poluição do ar

 As fontes de poluição atmosférica são variadas e podem ser divididas em


antropogênicas (derivadas de atividades humanas) ou naturais.
 Dentre as fontes de poluição antropogênicas estão aquelas geradas por
automóveis, fábricas, aerossóis, produção de energia e outros;
 já as fontes naturais incluem as emissões provenientes de vulcões, forneiras,
metanos emitidos por animais e outros.

Fonte:
https://www.todoestudo.com.br
/geografia/poluicao-do-ar
Meio ambiente e saúde: poluição do ar

 Níveis de poluição do ar
estão crescendo em muitas
das cidades mais pobres do
mundo. OPAS/OMS Brasil –
Trecho (12 de maio de 2016)

Fonte:
https://catracalivre.com.br.
Acesso em 18 ago. 2016.
Meio ambiente e saúde: poluição do ar

 “A poluição do ar é uma das principais causas de doenças e mortes.


 A notícia de que mais cidades estão intensificando o monitoramento da qualidade
do ar é positiva, então quando tomam medidas para melhorá-lo passam a ter um
ponto de referência”, afirmou Flavia Bustreo, diretora-geral assistente do programa
da OMS sobre Saúde das Crianças, Mulheres e Família.
 “Quando o ar poluído toma nossas cidades, as populações
urbanas mais vulneráveis – mais jovens, mais velhos e mais
pobres – são as mais afetadas”. Fonte:
<http://www.paho.org/bra/index.php?opti
on=com_content&view=article&id=5096
&Itemid=839>. Acesso em 28 jun. 2016

Fonte:
https://catracalivre.com.br.
Acesso em 18 ago. 2016.
Arte urbana: expressões artísticas e grafite

 A arte do grafite é uma forma de manifestação artística em espaços públicos.


 A definição mais popular diz que o grafite é um tipo de inscrição feita em paredes.
Existem relatos e vestígios dessa arte desde o Império Romano.
 Seu aparecimento na Idade Contemporânea se deu na década de 1970, em Nova
Iorque, nos Estados Unidos.
 Alguns jovens começaram a deixar suas marcas nas paredes da cidade e, algum
tempo depois, essas marcas evoluíram com técnicas e desenhos.

Fonte:
https://brasilescola.uol.com.br/artes/grafite.htm
Arte urbana: expressões artísticas e grafite

 São Paulo, a capital mundial do grafite


 A cidade mais populosa da América Latina concentra um dos mais grandiosos
museus a céu aberto de arte urbana do mundo.

Fonte:
https://lobopop
art.com.br/sao-
paulo-capital-
do-grafite/
Arte urbana: expressões artísticas e grafite

 São Paulo, a capital mundial do grafite


 Reconhecimento do grafite como obra de arte, como a publicação do livro com
figuras de arte urbana e a criação do Museu Aberto de Arte Urbana de São Paulo.
 A arte urbana é efêmera, pois pode ser apagada ou coberta por outra, e acessível
a todos que circulam pela cidade. Normalmente, essas expressões têm relação
com causas sociais, pois são manifestações populares.

Fonte:
https://lobopopart.com.br/sao-
paulo-capital-do-grafite/
Saúde: alimentação e obesidade

 Denomina-se alimentação ao processo de ingestão de alimentos a fim de


proporcionar os nutrientes necessários para o desenvolvimento do organismo.
 A alimentação é de grande importância para a saúde humana, pois quando
realizada de maneira correta é possível evitar um grande número de doenças,
além de servir de base da nutrição.

Fonte:
https://vivasaude.digisa.com.br/familia/
como-os-pais-deixam-os-filhos-
obesos/209/
Saúde: alimentação e obesidade

 A obesidade é caracterizada pelo acúmulo excessivo de gordura corporal no


indivíduo. Para o diagnóstico em adultos, o parâmetro utilizado mais comumente é
o do índice de massa corporal (IMC).
 O IMC é calculado dividindo-se o peso do paciente pela sua altura elevada ao
quadrado. É o padrão utilizado pela Organização Mundial da Saúde (OMS).
 A obesidade é fator de risco para uma série de doenças. O obeso tem mais
propensão a desenvolver problemas como hipertensão, doenças cardiovasculares,
diabetes tipo 2, entre outras.

Fonte:
https://vivasaude.digisa.com.br/familia/
como-os-pais-deixam-os-filhos-
obesos/209/
Saúde: alimentação e obesidade

 Até recentemente, acreditava-se que essa era uma epidemia que atingia
principalmente as populações que estavam melhorando economicamente,
associada ao acesso à alimentação, ao acesso à caloria, à gordura, à proteína.
 O que nós estamos a viver é não só o aumento da doença no mundo inteiro, mas,
ao contrário do que se esperava, quem é mais afetada é a população mais
carente, mais vulnerável.
 Pobreza e obesidade se aproximam de tal maneira que a pessoa pode ter fome e
ser obesa ao mesmo tempo.
 “Em muitos lugares é mais fácil e barato encontrar
produtos ultraprocessados e calóricos - ricos em açúcar,
sal e gordura - em vez de alimentos frescos”.
 Vemos diariamente publicidade de produtos
ultraprocessados e super calóricos.
Tecnologia: realidade aumentada

 Pokémon GO é um jogo eletrônico free-to-play de realidade aumentada voltado


para smartphones.
 O jogo é desenvolvido entre a Niantic, Inc., a Nintendo e a The Pokémon Company
para as plataformas iOS e Android.

Fonte:
http://www.blogmodai
nfantil.com.br/pokem
on-go-como-jogar-o-
game-que-e-febre-
entre-criancas-e-
adultos/
Tecnologia: realidade aumentada

Pokémon GO no Brasil:
 primeiro dia do jogo no país
 Jogo dos monstrinhos leva
pessoas à rua e faz estranhos
se socializarem.

 Bruno Silva - 04/08/2016

Fonte:
https://www.faceb
ook.com/autonomi
aliteraria/photos.
Acesso em 10
ago. 2016.
Tecnologia: realidade aumentada

 A charge mostra um jovem que


não percebe o mundo à sua
volta pelo fato de estar
entretido com o jogo.

Fonte:
https://www.faceb
ook.com/autonomi
aliteraria/photos.
Acesso em 10
ago. 2016.
Preconceito: estereótipos sociais e racismo

Para uma negra, você Você tem sorte de


até que é bonita! ser negro! Nem precisa
estudar para o vestibular!

Fonte: Adaptado de: <http://www.quadrinhosacidos.com.br/2015/05/86-


racismo-sem-querer.html>. Acesso em 14 jun. 2016.
Preconceito: estereótipos sociais e racismo

Você lava Eu não sabia que Como assim você


o cabelo? gente como você tinha não sabe sambar?
sensibilidade para arte!

Fonte: Adaptado de: <http://www.quadrinhosacidos.com.br/2015/05/86-


racismo-sem-querer.html>. Acesso em 14 jun. 2016.
Preconceito: estereótipos sociais e racismo

Você conseguiu Médica? Você Desculpe! É que


ser advogado tem mais cara eu te achei suspeito!
com esse cabelo? de enfermeira!

Fonte: Adaptado de: <http://www.quadrinhosacidos.com.br/2015/05/86-


racismo-sem-querer.html>. Acesso em 14 jun. 2016.
Preconceito: estereótipos sociais e racismo

Os quadrinhos mostram:
 visões pré-concebidas de pessoas, com base na cor da pele.

Os quadrinhos denunciam:
 o discurso racista, que, muitas vezes, é proferido sem que o enunciador admita
ser preconceituoso.
Condição humana: opressão social e comportamento

 Opressão social é quando uma pessoa é alvo da crueldade e humilhação por parte
de uma sociedade ou um determinado grupo.
 Um exemplo de opressão social é o racismo e qualquer tipo de preconceito de cor
da pele, religião, sexo, etc.
 O comportamento é um termo que caracteriza toda e qualquer reação do indivíduo,
animal, órgão ou instituição perante o meio em que está inserido.
 Ele trata da forma que as pessoas ou organismos
procedem perante os estímulos em relação ao entorno,
mas também podem ser realizados de acordo com as
diversas convenções sociais existentes, em que a
sociedade espera que as pessoas ajam de acordo com os
padrões em determinadas situações.
Condição humana: opressão social e comportamento

Eu tenho pena de pássaros


como você, Adalberto.
Eu morreria de claustrofobia
se vivesse em uma gaiola
tão pequena.

Fonte:
Adaptado de:
http://sorisom
ail.com/img/1
30478981977
6.jpg. Acesso
em 18 jun.
2016.
Condição humana: opressão social e comportamento

 “O maior cego é Eu tenho pena de pássaros


aquele que se como você, Adalberto.
Eu morreria de claustrofobia
recusa a ver”. se vivesse em uma gaiola
tão pequena.

Fonte:
Adaptado de:
http://sorisom
ail.com/img/1
30478981977
6.jpg. Acesso
em 18 jun.
2016.
Condição humana: opressão social e comportamento

 Opressão Social x Liberdade

Fonte:
https://guiaesoterico.com/sonhar-
passaros-sonhos/
ATÉ A PRÓXIMA!
Estudos Disciplinares
Formação Geral

Prof. Rogério Traballi


Alimentação: desperdício de alimentos

Só Só
consumo Só consumo
consumo
orgânico! orgânico!
orgânico!

Fonte: adaptado de:


<https://www.facebook.com/BoicoteOConsum
ONU – 1/3 do alimento do mundo vai pro lixo ismo/photos>. Acesso em 13 nov. 2014.

 Brasil desperdiça 40 mil toneladas de alimentos todos os dias.


 Embrapa diz que 19 milhões de pessoas poderiam ser
alimentadas com alimento jogado fora. De acordo com o
órgão, o desperdício ocorre, principalmente, durante a
preparação de refeições (Mônica Clica/Flickr).
Alimentação: desperdício de alimentos

Só Só
consumo Só consumo
consumo
orgânico! orgânico!
orgânico!

Fonte: adaptado de:


<https://www.facebook.com/BoicoteOConsum
ONU – 1/3 do alimento do mundo vai pro lixo ismo/photos>. Acesso em 13 nov. 2014.

 O humor é construído pelo contraste irônico dos


personagens. De um lado, os que podem optar por
produtos mais refinados, por terem bom poder aquisitivo;
de outro, o menino pobre, que tem que se alimentar com o
que acha no lixo. Também a polissemia da palavra
“orgânico” contribui para o efeito humorístico.
Alimentação: desperdício de alimentos

 Ceasa/Ceagesp – SP.

Fonte: autoria própria


Alimentação: desperdício de alimentos

 Ceasa/Ceagesp – SP.

Fonte: autoria própria


Alimentação: desperdício de alimentos

 Ceasa/Ceagesp – SP.

Fonte: autoria própria


Alimentação: desperdício de alimentos

 Ceasa/Ceagesp – SP.

Fonte: autoria própria


Alimentação: desperdício de alimentos

 Ceasa/Ceagesp – SP.

Fonte: autoria própria


Alimentação: desperdício de alimentos

 Ceasa/Ceagesp – SP.

Fonte: autoria própria


Cidadania: protagonismo social

 Protagonismo é o processo de protagonizar, de ser o protagonista, o ator principal


de uma apresentação.

 Deriva do grego protagonistes, em que protos significa principal ou primeiro e


agonistes significa lutador ou competidor.

 Protagonismo é um termo muito usado no teatro, no cinema, na novela etc. para


se referir ao personagem principal da encenação.
Cidadania: protagonismo social

Quem tem o direito de falar?


Texto adaptado. Disponível em <http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrada/234248-quem-tem-o-direito-de-falar.shtml>. Acesso em 13
jun. 2016.

 [...] a maneira com que somos afetados define o que somos e o que não somos
capazes de ver, o que somos e não somos capazes de sentir e perceber. Definido
o que vejo, sinto e percebo, define-se o campo das minhas ações, a maneira com
que julgo, o que faz parte e o que está excluído do meu mundo.
 [...] mas há ainda outra forma de silêncio. Ela consiste em
limitar sua fala. Assim, um será a voz das minorias. A
princípio, isto pode parecer um ato de dar voz aos
excluídos e subalternos, fazendo com que eles apenas de
seus problemas, e por aí vai [...].
 O verdadeiro medo do poder é que você se coloque na
posição de qualquer um.
Tecnologia: mundo virtual

Fonte: <https://www.facebook.com/tirasarmandinho/photos>.
Acesso em 30 nov. 2014.
Tecnologia: mundo virtual

 O personagem aplica o conceito filosófico à atualidade, em que a virtualidade é


intensa e a realidade é conhecida, muitas vezes, pelas imagens virtuais.

Fonte: <https://www.facebook.com/tirasarmandinho/photos>.
Acesso em 30 nov. 2014.
Tecnologia: mundo virtual

 O personagem aplica o conceito filosófico à atualidade, em que a virtualidade é


intensa e a realidade é conhecida, muitas vezes, pelas imagens virtuais.
Tecnologia: mundo virtual

 O Mito da Caverna, ou Alegoria da Caverna, foi escrito pelo filósofo Platão e está
contido em A República, no livro VII.
 Na alegoria, narra-se o diálogo de Sócrates com Glauco e Adimato.
Fonte: adaptado de: <http://filosofia.uol.com.br>. Acesso em 30 nov. 2014.

Fonte:
https://www.consultorio
psique.com.br/blog/o-
mito-da-caverna/
Tecnologia: mundo virtual

 A história narra a vida de alguns homens que nasceram e cresceram dentro de


uma caverna e ficavam voltados para o fundo dela.
 Ali contemplavam uma réstia de luz que refletia sombras no fundo da parede. Esse
era o seu mundo.
 Certo dia, um dos habitantes resolveu voltar-se para o lado de fora da caverna e
logo ficou cego devido à claridade da luz. E, aos poucos, vislumbrou outro mundo
com natureza, cores, “imagens” diferentes do que estava acostumado a “ver”.
 Voltou para a caverna para narrar o fato aos seus amigos,
mas eles não acreditaram nele e ficaram revoltados com
a “mentira” [...].
Fonte: adaptado de: <http://filosofia.uol.com.br>. Acesso em 30 nov. 2014.
Tecnologia: mundo virtual

Com essa alegoria, Platão divide o mundo em duas realidades:

 A sensível, que se percebe pelos sentidos.


 A inteligível (o mundo das ideias).
 Sensível é o mundo da imperfeição.
 A inteligível encontraria toda a verdade possível para o homem.
 O ser humano deve procurar o mundo da verdade.
Fonte: adaptado de: <http://filosofia.uol.com.br>. Acesso em 30 nov. 2014.
Tecnologia: mundo virtual

 O personagem aplica o conceito filosófico à atualidade, em que a virtualidade é


intensa e a realidade é conhecida, muitas vezes, pelas imagens virtuais.
Comunicação de massas: sensacionalismo

Chamas a isto noticiário?! Isto é poluição sonora!


Isto não é informativo! Diversão! Sensacionalismo! Felizmente, é só
para o que tenho
paciência.

Fonte: adaptado de:


<http://sites.uai.com.br/app/noticia/saudeplena/noticias/2014/03/10/noticia_
saudeplena,147743/pesquisa-usa-personagens-de-tirinhas-para-explicar-
funcao-de-estereoti.shtml>. Acesso em 08 nov. 2014.
Comunicação de massas: sensacionalismo

 A reação não é antagônica ao que afirma Marcondes, pois ele comenta que o
sensacionalismo explora as carências psíquicas das pessoas e, assim, elas
são atraídas.
 O autor não afirma que as notícias sensacionalistas são comprometidas com os
elementos factuais essenciais. Para ele, o sensacionalismo extrai dos fatos sua
carga mais apelativa. Chamas a isto noticiário?! Isto é poluição sonora! Felizmente, é só
Isto não é informativo! Diversão! Sensacionalismo! para o que tenho
paciência.

Fonte: adaptado de:


<http://sites.uai.com.br/app/noticia/saudeplena/noticias/2014/03/10/noticia_saudeplena,147743
/pesquisa-usa-personagens-de-tirinhas-para-explicar-funcao-de-estereoti.shtml>. Acesso em
08 nov. 2014.
Educação: formação do indivíduo

É mais fácil ensinar do que


educar. Para ensinar, você
só precisa saber; mas, para
educar, você precisa ser!

Fonte: adaptado de:


<http://blogs.sapo.pt/noauth?blog=
perguntasparvas>. Acesso em 13
fev. 2015.
Educação: formação do indivíduo

 Há diferença entre ensinar e educar. É mais fácil ensinar do que


 Ensinar está ligado a transmitir conteúdo educar. Para ensinar, você
e educar está associado a despertar o olhar
e a compreensão do outro.
só precisa saber; mas, para
educar, você precisa ser!

Fonte: adaptado de:


<http://blogs.sapo.pt/noauth?blog=
perguntasparvas>. Acesso em 13
fev. 2015.
INTERVALO
Educação: formas de ensinar

Formação?

Google...

Fonte: adaptado de:


<http://www.cartuns.com
.br/page1.html>. Acesso
em 18 dez. 2014.
Educação: formas de ensinar

 Ensinar e aprender exigem, hoje, muito mais flexibilidade espaço-temporal,


pessoal e de grupo; menos conteúdos fixos e processos mais abertos de pesquisa
e de comunicação.

 Uma das dificuldades atuais é conciliar a extensão da informação, a variedade das


fontes de acesso, com o aprofundamento da sua compreensão, em espaços
menos rígidos, menos engessados. Temos informações demais e dificuldade em
escolher quais são significativas para nós e conseguir integrá-las dentro da nossa
mente e da nossa vida.
Educação: formas de ensinar

 A aquisição da informação dependerá cada vez menos do professor.

 As tecnologias podem trazer, hoje, dados, imagens, resumos de forma rápida e


atraente. O papel do professor – o papel principal – é ajudar o aluno a interpretar
esses dados, a relacioná-los, a contextualizá-los.
Educação: formas de ensinar

 Aprender depende também do aluno, de que ele esteja pronto, maduro, para
incorporar a real significação que essa informação tem para ele, para incorporá-la
vivencialmente, emocionalmente.

 Enquanto a informação não fizer parte do contexto pessoal – intelectual e


emocional –, não se tornará verdadeiramente significativa, não será
aprendida verdadeiramente.
Educação: formas de ensinar

 Aqui é um local de aprender e ensinar.


Educação: relação entre pais e filhos

Agora não
Pai, vamos dá, tô
brincar? compartilhando
uma foto fofa
sua!

Fonte: adaptado de
<http://speranzanueva.blogspot.com.br
/2013/06/charge_12.html>. Acesso em
15 dez. 2014.
Educação: relação entre pais e filhos

 Há contradição na atitude do pai, que ocupa o tempo que poderia efetivamente


dedicar ao filho para postar fotos e declarações de amor a ele nas redes sociais.
Agora não
Pai, vamos dá, tô
brincar? compartilhando
uma foto fofa
sua!

Fonte: adaptado de
<http://speranzanueva.blogspot.c
om.br/2013/06/charge_12.html>.
Acesso em 15 dez. 2014.
Educação: sistemas de ensino

 O ensino como forma unificada de transmissão de conhecimento,


independentemente das características de cada aluno, parece estar com
os dias contados.
 Nada mais de ensinar de um único jeito para alunos distintos.
Fonte: <http://consumidormoderno.uol.com.br/index.php/inovacao/novas-tecnologias>. Acesso em 12 nov. 2014 (com adaptações).
Educação: sistemas de ensino

 Para alcançar esse objetivo, o projeto utilizará todo o potencial da internet e do Big
Data – que acumulará todo o histórico do aluno permitindo conhecer seus talentos
e suas fraquezas e definir um plano de ensino que melhor se adapte a ele.
 Com o auxílio de ferramentas de análises em rede, proporcionará um
conhecimento para o melhor caminho profissional e educativo desse aluno.
 Ou seja, a personalização passa a ser a chave de todo o projeto educacional.

Fonte: <http://consumidormoderno.uol.com.br/index.php/inovacao/novas-tecnologias>. Acesso em 12 nov. 2014 (com adaptações).


Educação: sistemas de ensino

 No entanto, esse modelo segue tendo como pilar principal o professor.


 “Por exemplo, o programa dirá a ele que: nessa semana foram explicados 32
conceitos. O aluno assimilou 27.
 Esses são os cinco que merecem reforço. Ou, esse aluno é muito esperto e está
aprendendo sem problemas, porém está se esforçando ao limite”, explica Manuela
Clara, sobre o quão acessível e o quão didática é a ferramenta para
os professores.

Fonte: <http://consumidormoderno.uol.com.br/index.php/inovacao/novas-tecnologias>. Acesso em 12 nov. 2014 (com adaptações).


Educação: sistemas de ensino

 A nova proposta de ensino já começa a apresentar boa aceitação entre


os docentes.
 A tecnologia como ferramenta educativa já não é mais questionável. Videojogos e
outros passatempos têm auxiliado, há um bom tempo, o desenvolvimento de
nossas habilidades e seduzido nossa fome por conhecimento.
 A novidade aqui, no entanto, abre espaço para um avanço e uma discussão mais
ampla envolvendo percepção e a análise psíquica de cada indivíduo [...] buscando
um “aprendizado adaptativo”, por meio da tecnologia on-line disponível, para
individualizar o ensino a cada estudante.
Fonte: <http://consumidormoderno.uol.com.br/index.php/inovacao/novas-tecnologias>. Acesso
em 12 nov. 2014 (com adaptações).
Formas alternativas de energia: energia solar

Fonte: autoria própria


Formas alternativas de energia: energia solar

Fonte: autoria própria


Formas alternativas de energia: energia solar

Fonte: autoria própria


Formas alternativas de energia: energia solar

Fonte: autoria própria


Formas alternativas de energia: energia solar

 Exemplos

 Amazônia: há mais de 2 milhões de pessoas sem energia elétrica e poderia


melhorar as condições de vida das comunidades por meio da instalação
de painéis solares.

 Paróquia Alphaville (SP), energia solar, crédito nas casas.


Educação – impostos: carga tributária no Brasil

Fonte: <http://1.bp.blogspot.com>.
Acesso em 15 dez. 2014.
Brasil é o pior em retorno de impostos à ação, aponta estudo

 “Pela quinta vez consecutiva, o Brasil é o país que proporciona o pior retorno de
valores arrecadados com tributos em qualidade de vida para a sua população.
 A conclusão consta de estudo do IBPT (Instituto Brasileiro de Planejamento e
Tributação) que compara 30 países com maior carga tributária em relação ao PIB
(Produto Interno Bruto) e verifica se o que é arrecadado por essas nações volta
aos contribuintes em serviços de qualidade.
 Estados Unidos, Austrália e Coreia do Sul ocupam,
respectivamente, as primeiras posições do ranking. O
Brasil está em 30º lugar, atrás da Argentina (24º) e do
Uruguai (13º).”
Disponível em <http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2014/04/1434959-brasil-e-o-pior-em-
retorno-de-imposto-a-populacao-aponta-estudo.shtml>. Acesso em 15 dez. 2014.

 A educação financeira ajudar a solucionar o problema.


Meio ambiente: emissões de gases e efeito estufa

 O efeito estufa em si é um processo natural que ocorre na nossa atmosfera e que


é benéfico, pois mantém a temperatura do planeta amena e sem
grandes variações.

 No entanto, o problema é a exacerbação desse efeito, o que leva ao


aquecimento global.

 O problema acontece porque o ser humano está lançando


cada vez mais gases-estufa na atmosfera, sendo que o
principal vilão é o gás carbônico (dióxido de carbono) que
é liberado na queima dos combustíveis fósseis, tais como
os derivados do petróleo (gasolina, óleo diesel etc.)
e o carvão.
Entre as principais consequências do efeito estufa, temos:

 Derretimento das calotas polares, que aumenta o nível das águas dos mares, que
é agravado também pela dilatação térmica da massa de água oceânica. Isso
causará a perda de vários ecossistemas costeiros.
 Alterações climáticas, ou seja, enquanto em algumas regiões há chuvas muito
fortes, em outras ocorrem grandes ondas de calor.
 Aumento de doenças tropicais e proliferação de insetos nocivos transmissores
de doenças.
 Modificações em vegetações de determinados lugares.
 A aceleração da função clorofiliana e o aumento do
CO2 dissolvido nos oceanos levarão a um aumento da
biomassa terrestre e oceânica.
Meio ambiente – emissões de gases e efeito estufa: grandes potências

 EUA e China anunciam acordo para reduzir emissão de gases poluentes

 Os presidentes Barack Obama, dos Estados Unidos, e Xi Jinping, da China,


assinaram nesta quarta-feira (12.11.2014) em Pequim um acordo para a luta
contra a mudança climática, que incluirá reduções de suas emissões de gases do
efeito estufa na atmosfera. A iniciativa constitui o primeiro anúncio de corte das
emissões de gases poluentes por parte da China e mais um pelos EUA.

Fonte: <http://g1.globo.com/natureza/noticia/2014/11/eua-e-china-anunciam-acordo-para-
reduzir-emissao-de-gases-poluentes.html>. Acesso em 14 nov. 2014 (com adaptações).
Meio ambiente: emissões de gases e efeito estufa

 Pelo acordo, os EUA pretendem cortar entre 26% e 28% as emissões de gases em
até 11 anos, ou seja, até 2025, o que representa um número duas vezes maior que
as reduções previstas entre 2005 e 2020.
 Os chineses se comprometem a cortar as emissões até 2030, embora isso possa
começar antes. Segundo o presidente chinês, até lá 20% da energia produzida no
país vai ter origem em fontes limpas e renováveis.

Fonte: <http://g1.globo.com/natureza/noticia/2014/11/eua-e-china-anunciam-acordo-para-reduzir-emissao-de-gases-poluentes.html>.
Acesso em 14 nov. 2014 (com adaptações).
Meio ambiente: emissões de gases e efeito estufa

 Estados Unidos e China representam juntos 45% das emissões planetárias de


CO2, um dos gases apontado como culpado pela mudança climática.
 A União Europeia representa 11% das emissões planetárias de CO2. No mês
passado, o bloco se comprometeu a reduzir em pelo menos 40% as emissões até
2030, na comparação com os níveis de 1990.

Fonte: <http://g1.globo.com/natureza/noticia/2014/11/eua-e-china-anunciam-acordo-para-reduzir-emissao-de-gases-poluentes.html>.
Acesso em 14 nov. 2014 (com adaptações).
Meio ambiente: resíduos sólidos

 Os resíduos sólidos são gerados pelos processos produtivos e, assim, a sua


redução depende das indústrias, e não da conscientização do consumidor.
 O Conselho Nacional do Meio Ambiente – Conama dispõe de uma resolução com
o objetivo de inventariar os resíduos sólidos gerados em todo o país, para que seja
elaborado o Plano Nacional para Gerenciamento de Resíduos Sólidos Gerados.
 O inventário é elaborado a partir de informações como quantidade, formas de
acondicionamento e armazenamento e destinação final, enviadas trimestralmente
ao órgão estadual competente (Resolução Conama nº 313/2002).

Fonte: <http://cascavel.ufsm.br/revistas/ojs-2.2.2/index.php/reget/article/viewFile/4083/2797>.
Acesso em 12 nov. 2014 (com adaptações).
Deer Island Waste-water Treatment Plant

 Educação: população, alunos e professores.

Fonte:
http://www.mwra.state.ma.us/03se
wer/html/sew.htm
INTERVALO
Mídia: influência dos meios de comunicação

Fonte:
<http://www.materiaincognita.c
om.br/wp-
content/uploads/2012/04/TV-
faz-mal-ao-cerebro.jpg>.
Acesso em 20 jun. 2016.
Mídia: influência dos meios de comunicação

 Meios de comunicação são ferramentas


que possibilitam a comunicação entre os
indivíduos por meio da transferência de
informações de forma individual ou em
massa. ... Ou
 Meios de comunicação são ferramentas
que possibilitam a comunicação entre os
indivíduos, propiciando a difusão
de informações.

Fonte:
<http://www.materiaincognita.c
om.br/wp-
content/uploads/2012/04/TV-
faz-mal-ao-cerebro.jpg>.
Acesso em 20 jun. 2016.
Mídia: influência dos meios de comunicação

 A figura mostra a criança perdendo seu


raciocínio próprio ao ficar exposta
à televisão.

Fonte:
<http://www.materiaincognita.c
om.br/wp-
content/uploads/2012/04/TV-
faz-mal-ao-cerebro.jpg>.
Acesso em 20 jun. 2016.
Preconceito

 É um juízo preconcebido, que se manifesta numa atitude discriminatória perante


pessoas, crenças, sentimentos e tendências de comportamento. É uma ideia
formada antecipadamente e que não tem fundamento crítico ou lógico.
Herança colonial

 Um conjunto de atitudes políticas, econômicas e militares que visa à tomada de


territórios coloniais por meio da conquista das terras de outros povos.
 Os séculos XV e XVI foram o período auge do colonialismo.
 Os europeus, principalmente portugueses e espanhóis, colonizaram
o continente americano.
 O objetivo principal dos países colonizadores era a
exploração de recursos naturais e minerais, como pode
ser confirmado com a colonização da América e da África:
nativos submissos a colonos e sujeitos à exploração e
genocídio desenfreado, a sua população transformada em
escrava foi espalhada pelo resto do mundo, como no caso
da África.
Preconceito: herança colonial e racismo

 O Brasil de hoje é herdeiro de uma sociedade colonial e imperial escravocrata, em


que o negro ocupou fundamentalmente a posição de pessoa escravizada.

 O Brasil, em 1888, foi o último país a abolir a escravidão nas Américas.


 Um abolicionismo incompleto, que não permitiu incluir o negro na ordem social
capitalista (BASTIDE; FERNANDES, 2008).
Preconceito: herança colonial e racismo

Vamos ver Essa região Eu quero Se não for pedir


como é que aqui é minha. uma onde demais eu
a gente divide Eu vi primeiro. passe gostaria dessa
isso. um rio. com lagos e
montanhas.

Fonte: adaptado de: http://cne-


historia.blogspot.com/2009/06/heranca
-colonial.html
ÁFRICA
Preconceito: xenofobia

 Desconfiança, temor ou antipatia


por pessoas estranhas ao meio
daquele que as ajuíza.
 Conceito que define as
manifestações de aversão,
hostilidade ou ódio contra
pessoas que são estrangeiras ou
são vistas como forasteiras.

A crise de refugiados causada pela Guerra da Síria


na Europa fez com que os sírios fossem alvos de
xenofobia naquele continente.

Fonte: adaptado de: https://brasilescola.uol.com.br/doencas/xenofobia.htm


Questão 6: Questão de gêneros: educação para a igualdade

Você não pode subir Pra começar, que Incrível como uma
aqui, Susie! É proibido diabos te faz achar garota consegue acabar
para meninas. que eu ia querer ficar com toda a graça da
numa árvore idiota? discriminação sexual.

 ... as crianças estão sujeitas a situações de discriminação


por gênero.
Fonte: adaptado de:
http://gabrielacaldeiraaranhaposusp.blogspot.com.br/2
012_11_01_archive.html. Acesso em 15 fev. 2015.
Saúde pública: ebola

 Ebola é uma doença causada por um vírus de mesmo nome, e seu principal
sintoma é a febre hemorrágica, que causa sangramentos em órgãos internos.
 O vírus é nativo da África, onde surtos esporádicos ocorrem ao longo de décadas.
 É uma doença grave e, muitas vezes, fatal; com uma taxa de letalidade de até
90%, segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Fonte:
http://registrosdahora.blogspot.
com/2014/10/o-que-e-o-virus-
ebola-conheca-causas.html
Saúde pública: ebola

 A taxa de mortalidade da doença nos países mais afetados (Guiné, Serra Leoa e
Libéria), que é de 70%.

 A OMS estimou haver um total de 13.042 casos diagnosticados, o que significa


que muitas mortes não foram comunicadas.

 Se a taxa de mortalidade é de 70% e o número total de casos é de 13.042,


estimam-se mais de 9.000 mortes.

 Calculando-se o produto 0,70 x 13.042, chega-se ao


número de 9.129 mortes.
Saúde: atividade física

COM OU SEM ATIVIDADE Entre as Entre os


Pesquisa sobre prática de esporte 45,9% mulheres homens
e de atividade física no país dos brasileiros não
praticam esporte
50,4% 41,2%
não praticam não praticam
ou atividade física

Sedentários por região Esportes mais praticados


Fonte: adaptado de: Entre os que declaram
http://www.metrojornal.com.br/nacion Norte
al/plus/brasileiros-se-tornam- 37,4% fazer algum esporte
sedentarios-antes-dos-34-anos-diz-
Nordeste Futebol
pesquisa-200699. 59,8%
Acesso em 08 jun. 2016. 38,5%
Centro-Oeste Vôlei
45,1% 9,7%
Sudeste Natação
54,4% 4,9%
Sul Futsal
39,3% 3,3%
Saúde: atividade física

 Pesquisa aponta que 45,9% COM OU SEM


ATIVIDADE
dos brasileiros não fazem exercícios físicos. Pesquisa sobre
prática de esporte
e de atividade
Os motivos? física no país

 Falta de tempo (para 58,8%), problemas de saúde


(em 9,5% dos casos) e a preguiça ou falta de
interesse, declarada por 11,8% dos entrevistados. A
pesquisa teve 8.902 entrevistas pessoais, realizadas
em 2013. Foi considerado sedentário quem declarou
não ter feito esporte ou atividade física no tempo livre.

Fonte: adaptado de: http://www.metrojornal.com.br/nacional/plus/brasileiros-se-


tornam-sedentarios-antes-dos-34-anos-diz-pesquisa-200699.
Acesso em 08 jun. 2016.
Saúde: atividade física

 Abandono. COM OU SEM ATIVIDADE


Pesquisa sobre prática de esporte
e de atividade física no país
 Além de avaliar quem
está sedentário, o Ministério também
perguntou a quem estava parado se
havia deixado alguma prática física.
Concluiu que quase 90% dos brasileiros
abandonam a prática esportiva e viram
sedentários até os 34 anos. Como a
estudante Isabela, 20 anos.
Fonte: adaptado de:
http://www.metrojornal.com.b
r/nacional/plus/brasileiros-se-
tornam-sedentarios-antes-
dos-34-anos-diz-pesquisa-
200699.
Acesso em 08 jun. 2016.
Saúde: atividade física e seus benefícios

 Combater o excesso de peso.


 Melhorar a autoestima e promover a sensação de bem-estar.
 Diminuir a depressão.
 Melhorar o desempenho escolar, no caso de crianças e adolescentes.
 Diminuir o estresse e o cansaço.
 Aumentar a disposição.
 Promover o fortalecimento do sistema imune.
 Melhorar a força e a resistência muscular.
 Fortalecer ossos e articulações.
 Melhorar a postura.
 Diminuir a dor.
 Diminuir o risco de doenças cardiovasculares.
 Melhorar a aparência da pele.
Questão 7: Observe a charge e analise as afirmativas a seguir

Fonte: https://www.pinterest.com/gaagabriel/a-evolucao-
humana-charges. Acesso em 08 fev. 2015.
Questão: A seguir, analise se as alternativas são verdadeiras ou falsas

 ( ) A charge enaltece a evolução humana, ilustrando a saída de um passado


primitivo e a chegada ao desenvolvimento tecnológico, que melhora as condições
de vida da população.
 ( ) O código de barras, na figura, representa a “coisificação” do homem no atual
sistema socioeconômico.
 ( ) A crítica da charge se refere ao uso de novas tecnologias na atualidade, uma
vez que elas não são acessíveis a todos.
 ( ) A charge mostra que o ser humano ainda
é primitivo, apesar das novas tecnologias.

Fonte:
https://www.pinterest.com/gaagabr
iel/a-evolucao-humana-charges.
Acesso em 08 fev. 2015.
Questão: A seguir, analise se as alternativas são verdadeiras ou falsas

 (F) A charge enaltece a evolução humana, ilustrando a saída de um passado


primitivo e a chegada ao desenvolvimento tecnológico, que melhora as condições
de vida da população. JUSTIFICATIVA. A charge mostra a transformação do ser
humano em código de barras, parodiando a tradicional ilustração da evolução do
homem. Não há qualquer menção à melhoria das condições de vida; trata-se de
uma crítica à sociedade de consumo.
 (V) O código de barras, na figura,
representa a “coisificação” do homem
no atual sistema socioeconômico.
JUSTIFICATIVA. O código de barras
representa o consumo na nossa sociedade. Assim, vê-se
que o homem se transformou em mercadoria, perdendo
sua identidade. Fonte: https://www.pinterest.com/gaagabriel/a-evolucao-
humana-charges. Acesso em 08 fev. 2015.
Questão: A seguir, analise se as alternativas são verdadeiras ou falsas

 (F) A crítica da charge se refere ao uso de novas tecnologias na atualidade, uma


vez que elas não são acessíveis a todos. JUSTIFICATIVA. A charge não se refere
ao acesso das pessoas às novas tecnologias.
 (F) A charge mostra que o ser humano ainda é primitivo, apesar das novas
tecnologias. JUSTIFICATIVA. A charge não mostra o homem como primitivo, mas
como “coisificado”, integrado ao mercado de consumo.

Fonte:
https://www.pinterest.com/gaagabr
iel/a-evolucao-humana-charges.
Acesso em 08 fev. 2015.
INTERVALO
Sustentabilidade: energia eólica

 A energia eólica é gerada a partir da força


dos ventos e tem um enorme potencial
para a geração de energia elétrica.

Fonte: autoria própria


Sustentabilidade: energia eólica

 [...] A primeira turbina de energia eólica do Brasil foi instalada em Fernando de


Noronha em 1992. Dez anos depois, o governo criou o Programa de Incentivo às
Fontes Alternativas de Energia Elétrica (Proinfa) para incentivar a utilização de
outras fontes renováveis, como eólica, biomassa e Pequenas Centrais
Hidrelétricas (PCHs).
 O Brasil tem capacidade para produzir 140 GW de energia eólica e, em 2011,
produziu 1.000 MW, o que equivale a 1 GW. Assim, a produção foi de menos de
1% do potencial.
Fonte: adaptado de: <http://evolucaoenergiaeolica.wordpress.com/energia-eolica-no-brasil/>. Acesso em 05 nov. 2014.
Sustentabilidade: energia eólica

 “Um exemplo de um
sistema de energia híbrido
é um módulo de panéis
solar fotovoltaico ou
mesmo com coletores
solares térmicos,
juntamente instaladas com
uma turbina eólica.”
Fonte: http://www.ecoplanetenergy.com/all-
about-eco-energy/overview/hybrid/
Tecnologia: obtenção de água potável

 Os microrganismos, quando expostos aos raios ultravioleta tipo C, perdem a


capacidade de se multiplicar.

 Esse tipo de luz provoca danos fotoquímicos instantâneos no material genético das
bactérias, o que gera efeito desinfetante.
Tecnologia: obtenção de água potável

 Tubo guarda lâmpada com


radiação ultravioleta, o que
garante a desinfecção.

Fonte: adaptado de:


http://g1.globo.com/am/amazonas/noticia/2014
/11/na-amazonia-tecnologia-usa-raios-uv-e-
sol-para-purificar-agua-de-rios.html
Foto: Jamile Alves/G1 AM
Tecnologia: obtenção de água potável

 Criada por pesquisadores do Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia (Inpa), a


tecnologia nomeada “Ecolágua” utiliza raios ultravioleta (UV) para purificar água de
rios e torná-la potável em poucos segundos. A ideia surgiu após apelo de
indígenas, que revelaram mortes por ingestão de água contaminada no interior do
Amazonas. Movido pela energia solar, o equipamento sustentável pode ser uma
alternativa para problemas de escassez de água. O Ecolágua purifica até 400 litros
de água por hora.

Desinfecção solar de água na aldeia indígena


Morada Nova, da tribo Deni, no Amazonas.
Foto: Divulgação/QLuiz).
Fonte: adaptado de:
http://g1.globo.com/am/amazonas/noticia/2014
/11/na-amazonia-tecnologia-usa-raios-uv-e-
sol-para-purificar-agua-de-rios.html
Celulares

Fonte:
https://www.jornaldoestadoms.com/2
013/11/a-evolucao-do-celular.html
Violência: celulares e o registro do cotidiano

 Vários casos em que o registro com o celular serviu de prova para revelar crimes e
arbitrariedades do poder estatal.

 Obs.: arbitrariedades: procedimento, comportamento arbitrário, capricho.


Violência: inadequação e ineficiência dos presídios brasileiros

Sim, nossas cadeias Um sistema penal


Ele aprenderá
transformam ladrões de preocupado com a
uma profissão segurança das
galinhas em homicidas
na prisão? profissionais. galinhas.

Fonte: adaptado de: http://www.diariodagardenia.com.br/2013_04_01_archive.html.


Acesso em 06 nov. 2014.
Violência: repressão policial

 Violência: ação ou efeito de empregar força física ou intimidação moral;


ato violento.
 Repressão é o ato de reprimir, conter, deter, impedir e punir um indivíduo, um
objeto, uma ideia ou um desejo.

 Em política, a repressão é um tipo de ação pública, geralmente (mas nem sempre),


tomado por parte do Estado para conter e calar manifestações de oposição,
subversão e dissidência ao regime estabelecido.
Questão 8

 “Criminologia (Eduardo Galeano)


 A cada ano, os pesticidas químicos matam pelo menos três milhões
de camponeses.
 A cada dia, os acidentes de trabalho matam pelo menos dez mil trabalhadores.
 A cada minuto, a miséria mata pelo menos dez crianças.
 Esses crimes não aparecem nos noticiários. São, como as guerras, atos normais
de canibalismo.
 Os criminosos andam soltos. As prisões não foram feitas
para os que estripam multidões. A construção de prisões é
o plano de habitação que os pobres merecem.”

Fonte: <https://dissencialistas.wordpress.com/2012/10/11/eduardo-
galeano-criminologia/>. Acesso em 24 ago. 2016.
Com base na leitura e nos seus conhecimentos, avalie as afirmativas
(verdadeiro ou falso)

 ( ) Do texto, apreende-se que práticas econômicas e sociais vigentes causam a


morte de milhões de cidadãos.
 ( ) Quando o autor afirma que “os criminosos estão soltos”, quer dizer que o
sistema prisional tem vagas insuficientes para abrigar aqueles que são
responsáveis por estripar multidões.
 ( ) Os pesticidas, os acidentes de trabalho e a miséria, por não serem indivíduos,
não podem ser presos. Portanto, quando alguém morre por uma dessas causas,
não há culpados.
 ( ) O autor considera que a justiça poupa grandes
corporações e instituições e defende a ideia de que as
prisões sejam habitações destinadas aos mais pobres.
Com base na leitura e nos seus conhecimentos, avalie as afirmativas
(verdadeiro ou falso)

 (V) Do texto, apreende-se que práticas econômicas e sociais vigentes causam a


morte de milhões de cidadãos. JUSTIFICATIVA. O autor denuncia as mortes
provocadas legitimamente pelo sistema.

 (F) Quando o autor afirma que “os criminosos estão soltos”, quer dizer que o
sistema prisional tem vagas insuficientes para abrigar aqueles que são
responsáveis por estripar multidões. JUSTIFICATIVA. De acordo com o texto, os
criminosos são os que detêm o poder econômico e político e que não são
responsabilizados pelos males que causam.
Com base na leitura e nos seus conhecimentos, avalie as afirmativas
(verdadeiro ou falso)

 (F) Os pesticidas, os acidentes de trabalho e a miséria, por não serem indivíduos,


não podem ser presos. Portanto, quando alguém morre por uma dessas causas,
não há culpados. JUSTIFICATIVA. O autor aponta que os culpados são os que
detêm o poder político e econômico.

 (F) O autor considera que a justiça poupa grandes corporações e instituições e


defende a ideia de que as prisões sejam habitações destinadas aos mais pobres.
JUSTIFICATIVA. O último verso revela, ironicamente, a indignação do autor pelo
fato de a justiça agir de forma diferenciada com os poderosos e com o povo.
ATÉ A PRÓXIMA!
Estudos Disciplinares
Formação Geral

Prof. Rogério Traballi


Arte: Leonardo da Vinci

 Um dos autorretratos mais famosos do mundo está em Turim, na Itália, e


raramente é exibido ao público.

 É o autorretrato de Leonardo da Vinci,


feito há 500 anos. Sua fama vem não
apenas do fato de ter sido produzido
por Da Vinci, mas também por seus
supostos poderes mágicos.

Fonte:
https://observador.pt/20
14/10/30/auto-retrato-
de-da-vinci-escondido-
de-hitler-exposto-em-
turim/
Arte: Leonardo da Vinci

 Segundo a lenda, o olhar de Da Vinci em seu autorretrato é tão intenso que aquele
que o observa recebe uma força extraordinária.

 Diz-se, inclusive, que foi devido a esse


poder místico, e não ao valor cultural
ou monetário do desenho, que ele foi
levado de Turim para Roma durante
a Segunda Guerra Mundial.

Fonte:
https://observador.pt/20
14/10/30/auto-retrato-
de-da-vinci-escondido-
de-hitler-exposto-em-
turim/
Arte: Leonardo da Vinci

 O atual diretor da biblioteca, Giovanni Saccani, disse que ninguém sabe ao certo
onde o quadro estava escondido.

 “Para evitar que os nazistas o


levassem, colocou-se em prática uma
grande operação para transportá-lo
em total sigilo para Roma.”

Fonte:
https://observador.pt/20
14/10/30/auto-retrato-
de-da-vinci-escondido-
de-hitler-exposto-em-
turim/
Arte: Leonardo da Vinci

 Apesar da importância da obra, não há um consenso entre especialistas se ela é


mesmo um autorretrato de Da Vinci.
 “Ele não era fã da ideia de autorretratos”, afirma James Hall, autor do livro O
autorretrato: uma história cultural, que duvida que o retrato tenha sido feito
por Da Vinci.
 Já Saccani, diretor da Biblioteca Real, não tem
dúvidas: “O poder expressivo de seu rosto está
absolutamente aliado a uma emoção e uma
habilidade que apenas Leonardo podia ter”.

Fonte:
https://observador.pt/2014/10/30/auto-
retrato-de-da-vinci-escondido-de-
hitler-exposto-em-turim/
Cultura e arte: evolução tecnológica e produção/divulgação
de obras artísticas

 O trecho da música Nos Bailes da Vida, de Milton Nascimento, “todo artista tem de
ir aonde o povo está”, é antigo, e a música, de tão tocada, acabou por se tornar um
estereótipo de tocadores de violões e de rodas de amigos em Visconde de Mauá,
nos anos 1970.

Fonte: adaptado de: RADFAHRER, L. Todo artista tem de ir aonde o povo está. Disponível em: <http://novo.itaucultura.org.br>.
Acesso em: 29 jul. 2014.
Cultura e arte: evolução tecnológica e produção/divulgação
de obras artísticas

 Em tempos digitais, porém, ela ficou mais atual do que nunca.

 É fácil entender o porquê: antigamente, quando a informação se concentrava em


centros de exposição, veículos de comunicação, editoras, museus e gravadoras;
era preciso passar por uma série de curadores, para garantir a publicação de um
artigo ou livro, a gravação de um disco ou a produção de uma exposição.

Fonte: adaptado de: RADFAHRER, L. Todo artista tem de ir aonde o povo está. Disponível em: <http://novo.itaucultura.org.br>.
Acesso em: 29 jul. 2014.
Cultura e arte: evolução tecnológica e produção/divulgação
de obras artísticas

 O mesmo funil, que poderia ser injusto e deixar grandes talentos de fora,
simplesmente porque não tinham acesso às ferramentas, às pessoas ou às fontes
de informação; também servia como filtro de qualidade.
 Tocar violão ou encenar uma peça de teatro em um grande auditório costumava
ter um peso muito maior que fazê-lo em um bar, um centro cultural
ou uma calçada.
 Nas raras ocasiões em que esse valor se invertia, era justamente porque, para uso
do espaço “alternativo”, havia mecanismos de seleção tão ou mais rígidos que os
do espaço oficial.
Fonte: adaptado de: RADFAHRER, L. Todo artista tem de ir aonde o povo está. Disponível
em: <http://novo.itaucultura.org.br>. Acesso em: 29 jul. 2014.
Cultura e arte: evolução tecnológica e produção/divulgação
de obras artísticas

 Segundo o texto, “antigamente, quando a informação se concentrava em centros


de exposição, veículos de comunicação, editoras, museus e gravadoras, era
preciso passar por uma série de curadores, para garantir a publicação de um artigo
ou livro, a gravação de um disco ou a produção de uma exposição” e “tocar violão
ou encenar uma peça de teatro em um grande auditório costumava ter um peso
muito maior que fazê-lo em um bar, um centro cultural ou uma calçada”.

Fonte: adaptado de: RADFAHRER, L. Todo artista tem de ir aonde o povo está. Disponível em: <http://novo.itaucultura.org.br>.
Acesso em: 29 jul. 2014.
Desenvolvimento sustentável: sustentabilidade ambiental, econômica e
sociopolítica

 (Enade, 2011) A definição de desenvolvimento sustentável mais usualmente


utilizada é a que procura atender às necessidades atuais sem comprometer a
capacidade das gerações futuras.

 O mundo assiste a um questionamento crescente de paradigmas estabelecidos na


economia e também na cultura política.

 A crise ambiental no planeta, quando traduzida na


mudança climática, é uma ameaça real ao pleno
desenvolvimento das potencialidades dos países.
Desenvolvimento sustentável: sustentabilidade ambiental, econômica e
sociopolítica

 (Enade, 2011) O Brasil está em uma posição privilegiada para enfrentar os


enormes desafios que se acumulam.

 Abriga elementos fundamentais para o desenvolvimento: parte significativa da


biodiversidade e da água doce existentes no planeta; grande extensão de terras
cultiváveis; diversidade étnica e cultural e rica variedade de reservas naturais.
Desenvolvimento sustentável: sustentabilidade ambiental, econômica e
sociopolítica

(Enade, 2011) O campo do desenvolvimento sustentável pode ser conceitualmente


dividido em três componentes:

 sustentabilidade ambiental;
 sustentabilidade econômica;
 sustentabilidade sociopolítica.
Direitos humanos: literatura e arte

 Trecho de O direito à literatura, do professor Antonio Candido.


 “E aí entra o problema dos que lutam para que isso aconteça, ou seja: entra o
problema dos direitos humanos.
 Por quê? Porque pensar em direitos humanos tem um pressuposto: reconhecer
que aquilo que consideramos indispensável para nós é também indispensável para
o próximo.
 Esta me parece a essência do problema, inclusive no
plano estritamente individual, pois é necessário um grande
esforço de educação e autoeducação a fim de
reconhecermos sinceramente este postulado.”
Fonte: <http://www.escolamobile.com.br/emedio/vereda/arquivos/portugues/3cport_etc_01.pdf>.
Acesso em: 19 jun. 2015.
Direitos humanos: literatura e arte

 Trecho de O direito à literatura, do professor Antonio Candido.

 “Na verdade, a tendência mais funda é achar que os nossos direitos são mais
urgentes do que os do próximo.
 Nesse ponto, as pessoas são frequentemente vítimas de uma curiosa obnubilação.
 Elas afirmam que o próximo tem direito, sem dúvida, a certos bens fundamentais,
como casa, comida, instrução, saúde, coisas que ninguém bem formado admite
hoje em dia que sejam privilégio de minorias, como são no Brasil.”
Fonte: <http://www.escolamobile.com.br/emedio/vereda/arquivos/portugues/3cport_etc_01.pdf>.
Acesso em: 19 jun. 2015.
Direitos humanos: literatura e arte

 Trecho de O direito à literatura, do professor Antonio Candido.


 “Mas será que pensam que seu semelhante pobre teria direito a ler Dostoievski ou
ouvir os quartetos de Beethoven? Apesar das boas intenções no outro setor, talvez
isto não lhes passe pela cabeça.
 E não por mal, mas somente porque quando arrolam os seus direitos não
estendem todos eles ao semelhante. Ora, o esforço para incluir o semelhante no
mesmo elenco de bens que reivindicamos está na base da reflexão sobre os
direitos humanos.”
Fonte: <http://www.escolamobile.com.br/emedio/vereda/arquivos/portugues/3cport_etc_01.pdf>. Acesso em: 19 jun. 2015.
Economia: globalização e relações de trabalho

 O fim do trabalho? Thomaz Wood Jr. (adaptado)


 O trabalho é ideia milenar nem sempre muito apreciada.
 A Grécia antiga não o tinha em grande conta e o considerava um inimigo da
virtude, a cercear os homens de suas mais nobres aptidões, as quais deveriam ser
desenvolvidas na filosofia e na política.
 As sociedades industrializadas modernas, contrariamente aos gregos, celebram o
trabalho como valor central, algo capaz de gerar riqueza e bem-estar, beneficiando
o indivíduo e a sociedade.
Economia: globalização e relações de trabalho

 Três grandes tendências.

 A primeira delas é a superação do trabalho pelo capital. Desde os anos 1980, as


empresas investiram em reestruturações e em automação industrial, na busca de
formas eficientes para organizar o trabalho e automatizar seus processos. O
resultado foi o enxugamento dos quadros e uma perda progressiva do poder de
barganha do trabalho diante do capital.
Economia: globalização e relações de trabalho

 Três grandes tendências.

 A segunda tendência é o desaparecimento progressivo do trabalhador. Estatísticas


norte-americanas indicam um aumento inexorável do porcentual de homens que
não estão trabalhando ou procurando trabalho.
Economia: globalização e relações de trabalho

 Três grandes tendências.

 A terceira tendência se relaciona ao avanço das tecnologias de informação e


comunicação. Os impactos de mudanças tecnológicas podem demorar anos para
se manifestar, mas, quando ocorrem, são contundentes. Vendedores, caixas,
atendentes e funcionários de escritórios são os primeiros na linha de fogo.
Economia: globalização e relações de trabalho

 Passado – presente – futuro.


INTERVALO
Economia: globalização e desigualdades

Ainda bem que Fonte: adaptado de:


a gente mora neste fim http://2.bp.blogspot.com/-
de mundo, bem longe dessa 9J813AqbckY/T-
tar de globalização! _r9B5hvaI/AAAAAAAABWs/
elOPjU96_a0/s1600/rio-
mais-vinte-110612-walter-
humor-politico.gif. Acesso
em: 11 ago. 2015.
Economia: globalização e desigualdades

Ainda bem que Fonte: adaptado de:


a gente mora neste fim http://2.bp.blogspot.com/-
de mundo, bem longe dessa 9J813AqbckY/T-
tar de globalização! _r9B5hvaI/AAAAAAAABWs/
elOPjU96_a0/s1600/rio-
mais-vinte-110612-walter-
humor-politico.gif. Acesso
em: 11 ago. 2015.

 A charge mostra, com os logotipos das multinacionais, a


alteração no cotidiano mesmo de comunidades afastadas.
Educação: ensino e política

Eu não estudei.
Pretérito Tu não te responsabilizaste.
Eles não investiram em educação.

Eu depredo, me drogo e agrido.


Presente Tu choras.
Eles não investem em educação.

Eu sofrerei.
Futuro Tu sofrerás.
Eles se elegerão.

Fonte: adaptado de: http://www.tiagoluchini.eu/2007/12/19/desigualdade-ii/.


Acesso em: 22 jun. 2015.
Educação: ensino e política

 A charge aponta que “eles” não


investem em educação e “eles”
se elegem.

 A disposição do texto em blocos com


os tempos verbais (pretérito, presente e
futuro), com os pronomes pessoais do
caso reto e com as conjugações,
remete a uma aula, o que se confirma
Fonte: adaptado de:
http://www.tiagoluchini.e com a presença de folha de caderno
u/2007/12/19/desiguald como cenário e de um aluno em uma
ade-ii/. Acesso em: 22
jun. 2015. carteira escolar.
Educação: escolaridade, emprego e salário

 A educação é o Xis da questão. Desemprego Salário


Aqui se vê que a taxa de Aqui se vê que os salários
desemprego é menor para aumentam conforme os
quem fica mais tempo anos de estudo (em reais)
na escola 13,05%
Até 10 anos
18.500
de estudo
Salário de
7,91% quem tem
12 a 14 anos doutorado
de estudo ou MBA

8.600 3,83%
Salário de 15 a 17 anos
quem tem curso de estudo
superior e fala
2,66%
uma língua
Mais de
estrangeira 1.800 17 anos
Salário de de estudo
Fonte: adaptado de: quem conclui
http://ead.uepb.edu.br/n o Ensino Fonte: Manager Assessoria
Médio em Recursos Humanos e IBGE
oticias.82. Acesso em:
24 ago. 2011.
Educação: escolaridade, emprego e salário

 A expressão “o Xis da questão” do título Desemprego Salário


Aqui se vê que a taxa de Aqui se vê que os salários
do infográfico se refere também às desemprego é menor para aumentam conforme os
quem fica mais tempo anos de estudo (em reais)
oportunidades de elevação salarial na escola 13,05%

geradas pelo aumento da escolaridade. Até 10 anos


de estudo
18.500
Salário de
 Verificar a relação entre taxa de desemprego e 7,91%
12 a 14 anos
quem tem
doutorado
anos de estudos e entre salário e anos de estudos. de estudo ou MBA

 Identificar a referência da expressão


“Xis da questão” contida no título da figura 8.600 3,83%
Salário de
(“A educação é o Xis da questão”). quem tem curso
15 a 17 anos
de estudo
superior e fala
2,66%
uma língua
Mais de
estrangeira 1.800 17 anos
Salário de de estudo
Fonte: adaptado de: quem conclui
http://ead.uepb.edu.br/n o Ensino Fonte: Manager Assessoria
Médio em Recursos Humanos e IBGE
oticias.82. Acesso em:
24 ago. 2011.
Educação: papel do educador

 A complicada arte de ver – Rubem Alves.


 O autor propõe um tipo de professor que ensine os alunos a olhar de fato as coisas
do mundo.

 Refletir sobre o processo de “ver o mundo”.

 Analisar o papel do educador.


Educação: valorização do professor

SALA DOS PROFESSORES

Fonte: adaptado de:


ENTRE
https://www.facebook.com/quebran SEM
dootabu/fotos/a.575920611246433 BATER
0.1073741825,165205036869225/
879913415398380/?type=1&theat
er. Acesso em: 03 ago. 2015.
Educação: valorização do professor

 Pesquisa põe Brasil


em topo de ranking SALA DOS PROFESSORES
de violência contra
professores.

Fonte: adaptado de:


ENTRE
https://www.facebook.com/quebran SEM
dootabu/fotos/a.575920611246433 BATER
0.1073741825,165205036869225/
879913415398380/?type=1&theat
er. Acesso em: 03 ago. 2015.
Globalização: estágio supremo da internacionalização

 A globalização é o estágio supremo da internacionalização.

 O processo de intercâmbio entre países, que marcou o desenvolvimento do


capitalismo desde o período mercantil dos séculos 17 e 18, expande-se com a
industrialização, ganha novas bases com a grande indústria nos fins do século 19
e, agora, adquire mais intensidade, mais amplitude.

Fonte: adaptado de: SANTOS, M. O país distorcido. São Paulo: Publifolha, 2002.
Globalização: estágio supremo da internacionalização

 O mundo inteiro se torna envolvido em todo tipo de troca: técnica, comercial,


financeira e cultural.

 A produção e a informação globalizadas permitem a emergência de lucro em


escala mundial, buscado pelas firmas globais, que constituem o verdadeiro motor
da atividade econômica.

Fonte: adaptado de: SANTOS, M. O país distorcido. São Paulo: Publifolha, 2002.
Globalização: estágio supremo da internacionalização

 [...] a “desregulação dos mercados financeiros norte-americano e europeu levou à


formação de uma bolha de empréstimos especulativos e imobiliários, a qual, ao
estourar em 2008, acarretou um efeito dominó de quebras nos mercados”.
Globalização: estágio supremo da internacionalização

 Com a globalização pautada “na integração dos mercados e na competitividade


em escala mundial, as crises econômicas deixaram de ser problemas locais e
passaram a afligir praticamente todo o mundo” e a crise iniciada em 2008 “é um
dos exemplos mais significativos da conexão e interligação dos países, suas
economias, suas políticas e seus cidadãos”.
Industrialização: transformações nos meios rural e urbano

 Constantes transformações ocorreram nos meios rural e urbano, a partir do século


XX. Com o advento da industrialização, houve mudanças importantes no modo de
vida das pessoas, em seus padrões culturais, valores e tradições.

 O conjunto de acontecimentos provocou, tanto na zona urbana quanto na rural,


problemas como explosão demográfica, prejuízo nas atividades agrícolas
e violência.
Industrialização: transformações nos meios rural e urbano

 Iniciaram-se inúmeras transformações na natureza, criando-se técnicas para


objetos até então sem utilidade para o homem. Isso só foi possível em decorrência
dos recursos naturais existentes, que propiciaram estrutura de crescimento e
busca de prosperidade, o que faz da experimentação um método de transformar
os recursos em benefício próprio.

Fonte: adaptado de: Santos, M. Metamorfoses do espaço habitado. São Paulo: Hucitec, 1988.
Movimentos migratórios: xenofobia

 Refletir sobre
movimentos migratórios.

Fonte: www.operamundi.uol.com.br.
Acesso em: 10 set. 2015.
Movimentos migratórios: xenofobia

 São muitos os casos de


agressão e hostilidade
praticados aos imigrantes
por europeus xenófobos.

Fonte: www.operamundi.uol.com.br.
Acesso em: 10 set. 2015.
INTERVALO
Saúde pública: medicina preventiva e desigualdade social

 “Em breve, as doenças infecciosas, que vêm há milênios dizimando bebês e


crianças, podem deixar de ser a principal causa de mortalidade infantil.

 [...] a diminuição das mortes em 2013 em relação a 2000 pode ser atribuída a
ganhos no controle da pneumonia, diarreia e sarampo. São avanços formidáveis
da humanidade.”

Fonte: <http://www1.folha.uol.com.br/opiniao/2014/12/1555682-editorial-vitoria-sobre-infeccoes.shtml>. Acesso em: 03 mar. 2015.


Saúde pública: medicina preventiva e desigualdade social

 “[...] a partir desse ponto, contudo, melhorias tendem a ficar mais difíceis.

 Aos poucos, os países esgotam o arsenal de ações fáceis, capazes de atingir


grandes fatias da população – oferecer água tratada e esgoto, fazer campanhas de
vacinação e pelo aleitamento materno.”

Fonte: <http://www1.folha.uol.com.br/opiniao/2014/12/1555682-editorial-vitoria-sobre-infeccoes.shtml>. Acesso em: 03 mar. 2015.


Saúde pública: medicina preventiva e desigualdade social

 “À medida que se registram reduções nas mortes por infecções, os óbitos


neonatais (até o 28º dia de vida) tendem a ganhar preponderância – e as
iniciativas para enfrentá-los se tornam cada vez mais individualizadas e caras.”

Fonte: <http://www1.folha.uol.com.br/opiniao/2014/12/1555682-editorial-vitoria-sobre-infeccoes.shtml>. Acesso em: 03 mar. 2015.


Saúde pública: medicina preventiva e desigualdade social

 “Se o quadro global, de todo modo, é bastante positivo, há uma nota negativa para
a qual é preciso chamar a atenção: permanecem abissais as diferenças entre as
diversas regiões do planeta.

 Enquanto Estados desenvolvidos já baixaram há vários anos a mortalidade infantil


para faixas inferiores a 10 óbitos por mil nascimentos com vida e nações
emergentes estão chegando lá, países da África subsaariana continuam mal.”

Fonte: <http://www1.folha.uol.com.br/opiniao/2014/12/1555682-editorial-vitoria-sobre-
infeccoes.shtml>. Acesso em: 03 mar. 2015.
Saúde pública: medicina preventiva e desigualdade social

 “Respondendo por 25% dos nascimentos no mundo e quase 50% dos óbitos de
crianças até cinco anos, esse grupo eleva a taxa média do planeta para 46 óbitos
por mil nascimentos com vida.

 Um índice bem melhor que os 200 por mil estimados para a Idade Média, mas
muito pior do que aquele que seria possível atingir com o nível de conhecimento
médico e avanço tecnológico do mundo.”

Fonte: <http://www1.folha.uol.com.br/opiniao/2014/12/1555682-editorial-vitoria-sobre-
infeccoes.shtml>. Acesso em: 03 mar. 2015.
Saúde pública: medicina preventiva e desigualdade social

 “A taxa de mortalidade infantil é maior na África subsaariana e que ‘permanecem


abissais as diferenças entre as diversas regiões do planeta’.”

Fonte: <http://www1.folha.uol.com.br/opiniao/2014/12/1555682-editorial-vitoria-sobre-infeccoes.shtml>. Acesso em: 03 mar. 2015.


Saúde: mapa com áreas populacionais sem acesso ao
saneamento básico

 Para se analisar o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de um país, devem-


se diagnosticar suas condições básicas de infraestrutura, seu PIB per capita, a
saúde e a educação.
mais de 50%
As áreas populacionais
sem acesso ao de 31 a 50%
saneamento, em
média mundial
porcentagem do total
da população em 2004, de 5 a 30%
estão representadas menos de 5%
no mapa, conforme
dados não
a legenda.
disponíveis

Philippe Rekacewicz (Le Monde Diplomatique). Organização Mundial da Saúde, 2006.


Fonte:
https://pt.wikipedia.org/wiki/Lista_de_pa%C3%ADses_por_%C3%8Dndice_de_Desenvolvimento_Humano.
Acesso em: 28 mar. 2019.
Saúde: mapa com áreas populacionais sem acesso ao
saneamento básico

 Itens como condições básicas de infraestrutura, PIB per capita, saúde e educação
são importantes indicadores do nível de desenvolvimento de um país.
mais de 50%
As áreas populacionais
sem acesso ao de 31 a 50%
saneamento, em
média mundial
porcentagem do total
da população em 2004, de 5 a 30%
estão representadas menos de 5%
no mapa, conforme
dados não
a legenda.
disponíveis

Philippe Rekacewicz (Le Monde Diplomatique). Organização Mundial da Saúde, 2006.


Fonte:
https://pt.wikipedia.org/wiki/Lista_de_pa%C3%ADses_por_%C3%8Dndice_de_Desenvolvimento_Humano.
Acesso em: 28 mar. 2019.
Saúde: nova tecnologia aplicada à Medicina (método Odón)

 “Uma ideia e um aparelho simples devem, em breve, ajudar a salvar vidas de


recém-nascidos.
 Idealizado pelo mecânico argentino Jorge Odón, o dispositivo que leva seu
sobrenome desentala um bebê preso no canal vaginal, e, por mais inusitado que
pareça, foi criado com base em técnica usada para remover rolhas de dentro
de garrafas.”

Fonte: adaptado de: GUSMÃO, G. Aparelho deve facilitar partos em situações de emergência. Disponível em:
<http://exame.abril.com.br>. Acesso em: 18 nov. 2013.
Saúde: nova tecnologia aplicada à Medicina (método Odón)

 “O aparelho consiste em uma bolsa plástica inserida em uma proteção feita do


mesmo material e que envolve a cabeça da criança.
 Estando o dispositivo devidamente posicionado, a bolsa é inflada para aderir à
cabeça do bebê e ser puxada aos poucos, de forma a não o machucar.
 O método Odón deve substituir outros já arcaicos, como o de fórceps e o de tubos
de sucção, os quais, se usados por mãos mal treinadas, podem comprometer a
vida do bebê, o que, segundo especialistas, não deve acontecer com
o novo equipamento.”

Fonte: adaptado de: GUSMÃO, G. Aparelho deve facilitar partos em situações de


emergência. Disponível em: <http://exame.abril.com.br>. Acesso em: 18 nov. 2013.
Saúde: nova tecnologia aplicada à Medicina (método Odón)

 “Segundo o The New York Times, a ideia recebeu apoio da Organização Mundial
de Saúde (OMS) e já foi até licenciada por uma empresa norte-americana de
tecnologia médica. Não se sabe quando o equipamento começará a ser produzido
nem o preço a ser cobrado, mas presume-se que ele não passará de 50 dólares,
com redução do preço em países mais pobres.”

Fonte: adaptado de: GUSMÃO, G. Aparelho deve facilitar partos em situações de emergência. Disponível em:
<http://exame.abril.com.br>. Acesso em: 18 nov. 2013.
Saúde: nova tecnologia aplicada à Medicina (método Odón)

 O uso do método Odón poderá diminuir a mortalidade de crianças na hora do


nascimento em todos os países.

 A simplicidade de utilização do dispositivo de Odón é um atrativo que gera


potencial de uso em vários países.

 A perspectiva de redução do preço do dispositivo de Odón em países mais pobres


indica preocupação com a responsabilidade social.
Sociedade brasileira: invisibilidade social

Fonte:
http://netodestrovocanhota.blogspot.c
om.br/2014/09/invisíveis.html.
Acesso em: 05 ago. 2015.
Sociedade brasileira: invisibilidade social

 A charge e a reportagem
revelam situações em que
indivíduos economicamente
pouco favorecidos são
tratados como “invisíveis”.

Fonte:
http://netodestrovocanhota.blogspot.c
om.br/2014/09/invisíveis.html.
Acesso em: 05 ago. 2015.
Saúde: vida moderna e obesidade

Ô Juditi... Você
Hoje eu vi na internet não perde essa
que metade da população mania de acreditar
brasileira está obesa! em tudo que lê!

Fonte: adaptado de:


http://chargedodenny.blogspot.com.br
/2012/04/brasil-obeso.html. Acesso
em: 31 ago. 2015.
Sociedade brasileira: política e corrupção

Trocaria Tenho
seu voto meus
por uma próprios
dentadura? dentes.

E por Tenho
Fonte: adaptado de:
muletas? minhas
http://cienciacriticacultural.blogspot.c próprias
om.br/2010/08/charge,html. Acesso
em: 14 ago. 2015.
pernas.

E por
Quanto?
suas
próprias
ideias?
Sociedade brasileira: política e corrupção

 A charge mostra a tentativa Trocaria Tenho


de subornar um cidadão. seu voto meus
por uma próprios
dentadura? dentes.

E por Tenho
Fonte: adaptado de:
muletas? minhas
http://cienciacriticacultural.blogspot.c próprias
om.br/2010/08/charge,html. Acesso
em: 14 ago. 2015.
pernas.

E por
Quanto?
suas
próprias
ideias?
INTERVALO
Sociedade contemporânea: internet, redes sociais e conhecimento

JUVENTUDE
DIGITAL
Olha, mãe!
Um Twitter
Fonte: adaptado de:
http://blogs.odiario.com/wilteixeira/wp-
contente/uploads/sites/36/2010/08/cartu
m02blog.jpg. Acesso em: 03 ago. 2015.
Sociedade contemporânea: internet, redes sociais e conhecimento

 A situação da charge retrata a


alienação do jovem que só vive JUVENTUDE
no mundo digital e que tenta
associar, de forma equivocada, DIGITAL
os elementos do mundo real Olha, mãe!
ao que ele conhece na rede.
Um Twitter
Fonte: adaptado de:
http://blogs.odiario.com/wilteixeira/wp-
contente/uploads/sites/36/2010/08/cartu
m02blog.jpg. Acesso em: 03 ago. 2015.
Sociedade contemporânea: racionalidade técnica e problemas sociais

 “Em comparação a eras passadas, chegamos a um máximo de racionalidade


técnica e de domínio sobre a natureza.
 Isso permite imaginar a possibilidade de resolver grande número de problemas
materiais do homem, quem sabe inclusive o da alimentação.
 No entanto, a irracionalidade do comportamento é também máxima, servida
frequentemente pelos mesmos meios que deveriam realizar os desígnios
da racionalidade.”
Fonte: CANDIDO, Antonio. Direito à Literatura. in: Vários Escritos.
Sociedade contemporânea: racionalidade técnica e problemas sociais

 “Assim, com a energia atômica podemos ao mesmo tempo gerar força criadora e
destruir a vida pela guerra; com o incrível progresso industrial aumentamos o
conforto até alcançar níveis nunca sonhados, mas excluímos dele as grandes
massas que condenamos à miséria.”

Fonte: CANDIDO, Antonio. Direito à Literatura. in: Vários Escritos.


Sociedade do controle: internet e redes sociais

 “Você curte ser manipulado? Você acha legal ter sua visão de mundo determinada
por terceiros? Você não se sente meio idiota sabendo que o conteúdo que você
acha que está escolhendo consumir, na verdade, foi escolhido por outro alguém?”

Fonte: <https://www.youpix.com.br/bem-vindos-%C3%A0-maravilhosa-e-medonha-zuckernet-3e27f304dc13>.
Acesso em: 23 jun. 2015.
Sociedade do controle: internet e redes sociais

 “Inclusão digital é algo maravilhoso, mas conhecer o mundo através do olhar e das
regras de uma única rede social, sem experimentar a verdadeira web, que é livre,
colaborativa e criativa, é problemático. O Facebook não é a internet, é a Zuckernet
–  um cachorro gigante que corre na sua direção e que vai arrancar a sua
cabeça… na base da dentada ou da lambida. ☹”

Fonte: <https://www.youpix.com.br/bem-vindos-%C3%A0-maravilhosa-e-medonha-zuckernet-3e27f304dc13>.
Acesso em: 23 jun. 2015.
Sociedade: civilização e progresso

Progresso

Fonte: adaptado de:


http://4.bp.blogspot.com/-
vPaxSI5C8AA/UcLrH-
sFVMI/AAAAAAAAHoY/gfU7C-
C0tIk/s640/Charge_Progresso1.jpg.
Acesso em: 03 ago. 2015.
Sociedade: civilização e progresso

 A charge é um gênero textual que faz uma crítica a fatos cotidianos por meio do
humor. No caso apresentado, critica a baixa adesão dos motoristas paulistanos ao
dia mundial sem carro.

Que raio de
congestionamento
Fonte: adaptado de: é esse?
http://blog0news.blogspot.com/2009/0
9/dia-mundial-sem-carros-mas-com- Dia mundial
charges.html. Acesso em: 4 ago. sem carro!
2018.
Tecnologia: redes sociais e trabalho

 Importante website de relacionamento caminha para 700 milhões de usuários.


Outro conhecido servidor de microblogging acumula 140 milhões de
mensagens ao dia.
 É como se 75% da população brasileira postassem um comentário
a cada 24 horas.
 Com as redes sociais cada vez mais presentes no dia a dia das pessoas, é
inevitável que muita gente encontre nelas uma maneira fácil, rápida e abrangente
de se manifestar.
 Uma rede social de recrutamento revelou que 92% das
empresas americanas já usaram ou planejam usar as
redes sociais no processo de contratação.
Fonte: adaptado de: Enade, 2014.
Tecnologia: redes sociais e trabalho

 Dessas, 60% assumem que bisbilhotam a vida dos candidatos em websites de


rede social. Realizada por uma agência de recrutamento, uma pesquisa com 2500
executivos brasileiros mostrou que 44% desclassificariam, no processo de seleção,
um candidato por seu comportamento em uma rede social.
 Muitas pessoas já enfrentaram problemas por causa de informações online, tanto
no campo pessoal quanto no profissional.
 Algumas empresas e instituições, inclusive, já adotaram cartilhas de conduta em
redes sociais.
Fonte: adaptado de: Enade, 2014.
Tecnologia: redes sociais e trabalho

 92% das empresas americanas já usaram ou planejam usar as redes sociais em


processos de contratação, sendo que 60% delas admitem abertamente
que o fazem.

 44% dos executivos brasileiros pesquisados desclassificariam, no processo de


seleção, um candidato por seu comportamento em uma rede social.

 Algumas empresas já adotaram cartilhas para orientar


seus funcionários sobre como devem se comportar nas
redes sociais. Portanto, as organizações estão atentas
aos perfis e às postagens realizadas pelos seus
trabalhadores atuais e potenciais.
Questão 9: Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC):
exclusão digital

 (Enade, 2011) Exclusão digital é um conceito que diz respeito às extensas


camadas sociais que ficaram à margem do fenômeno da sociedade da informação
e da extensão das redes digitais.
 O problema da exclusão digital se apresenta como um dos
maiores desafios dos dias de hoje, com implicações
diretas e indiretas sobre os mais variados aspectos da
sociedade contemporânea. Nessa nova sociedade, o
conhecimento é essencial para aumentar a produtividade
e a competição global. É fundamental para a invenção,
para a inovação e para a geração de riqueza. As
Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs)
proveem uma fundação para a construção e a aplicação
do conhecimento nos setores públicos e privados.
Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC): exclusão digital

 É nesse contexto que se aplica o termo exclusão digital, referente à falta de


acesso às vantagens e aos benefícios trazidos por essas novas tecnologias, por
motivos sociais, econômicos, políticos ou culturais.

 Considerando as ideias do texto anterior, avalie as afirmativas a seguir em


verdadeiras ou falsas.
Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC): exclusão digital

 ( ) Um mapeamento da exclusão digital no Brasil permite aos gestores de políticas


públicas escolherem o público-alvo de possíveis ações de inclusão digital.

 ( ) O uso das TICs pode cumprir um papel social, ao prover informações àqueles
que tiveram esse direito negado ou negligenciado e, portanto, permitir maiores
graus de mobilidade social e econômica.
Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC): exclusão digital

 ( ) O direito à informação se diferencia dos direitos sociais, uma vez que esses
estão focados nas relações entre os indivíduos e, aquele, na relação entre o
indivíduo e o conhecimento.

 ( ) O maior problema de acesso digital no Brasil está na deficitária tecnologia


existente em território nacional, muito aquém da disponível na maior parte dos
países do primeiro mundo.
Resposta

 (V) Um mapeamento da exclusão digital no Brasil permite aos gestores de políticas


públicas escolherem o público-alvo de possíveis ações de inclusão digital.

 JUSTIFICATIVA. A adequada definição do público-alvo de ações de inclusão


digital requer que os gestores de políticas públicas façam um mapeamento da
exclusão digital.
Resposta

 (V) O uso das TICs pode cumprir um papel social, ao prover informações àqueles
que tiveram esse direito negado ou negligenciado e, portanto, permitir maiores
graus de mobilidade social e econômica.

 JUSTIFICATIVA. A inclusão digital, que permite maior mobilidade social e


econômica, ocorre também pelo uso das TICs.
Resposta

 (F) O direito à informação se diferencia dos direitos sociais, uma vez que esses
estão focados nas relações entre os indivíduos e, aquele, na relação entre o
indivíduo e o conhecimento.

 JUSTIFICATIVA. O direito à informação também é um direito social.


Resposta

 (F) O maior problema de acesso digital no Brasil está na deficitária tecnologia


existente em território nacional, muito aquém da disponível na maior parte dos
países do primeiro mundo.

 JUSTIFICATIVA. O problema de exclusão digital no Brasil não é consequência de


tecnologia deficitária.
ATÉ A PRÓXIMA!