Você está na página 1de 7

São Paulo, 13 de junho de 2016.

Ao Comando Logístico - COLOG


A/C: Diretoria de Fiscalização de Produtos Controlados - DFPC
Ref. Consulta Pública- R-105
OFÍCIO N° 18/2016

A Federação Paulista Desportiva de Airsoft, Força Tarefa Nacional de Airsoft, Federação Cearense
Desportiva de Airsoft e a Revista Airsoft Action Magazine, através de seus representantes legais com o intuito de
proteger os interesses dos atletas e esportistas do Airsoft e seus associados, na manutenção da legalidade e crescimento do
esporte vem através deste, se manifestar referente à consulta Pública realizada por esta diretoria em relação à minuta
apresentada com alterações ao R-105.

Proposta decreto fiscalização PCE - Contribuições da FPDA, FTNA, FCDA, CDD OAB/RJ, RACM.

VERSÃO ORIGINAL TEXTO SUGERIDO OU OBSERVAÇÕES


COMENTÁRIO

ART. 15 ART. 15 Entendemos que a generalização do


VII - OUTROS: a) equipamento de VII - OUTROS: a) equipamento de equipamento de visão noturna impede a
visão noturna; e visão noturna com característica X e compra de brinquedos ou câmeras, ou
ou potencia x; e acessórios que possuem tal finalidade,
mas não capacidade para emprego
tático ou militar.

ART. 15 ART. 15 Entendemos que existe um erro no que


§3°: De uso permitido: os produtos §3°: De uso permitido: os produtos se refere a localização do artigo em
controlados não relacionados no §2° controlados não relacionados no §2° questão.
do art. 17 desde decreto. do art. 15 desde decreto.

Seção III - Da importação. (Acréscimo) A não inclusão de pessoa física para a


XII - Pessoa física através de CII para aquisição de equipamento de Airsoft,
a aquisição de arma de pressão por limita a compra de tal equipamento em
ação de mola ou a gás de uso lojas e mercado nacional que é escasso
permitido. além de não possuir fabricação
nacional, estimulando o contrabando.

ART. 31 ART. 31 A intenção é deixar claro que


IX - a atiradores desportivos IX - a atiradores desportivos praticantes de esporte Airsoft podem
estrangeiros em competições estrangeiros ou praticantes de visitar o país com o intuito de participar
nacionais. esportes com armas de pressão por de eventos nacionais ou competições
ação de mola ou gás de uso permitido aqui realizadas. Ja que o praticante de
em competições ou eventos nacionais. Airsoft não é caracterizado como
atirador desportivo.

Seção IV - Do desembaraço Flexibilização ou desburocratização Hoje no Brasil, diferente de diversos


alfandegário. na entrada de atiradores desportistas outros países que permitem a pratica do
ou esportistas com armas de pressão Airsoft, é quase impossível a realização
por ação de mola ou gás de uso de eventos internacionais por conta da
dificuldade de entrada com
permitido para participação de equipamentos no Brasil, mesmo que
eventos ou competições nacionais estes estejam só de passagem e
retornarão para seus países de origem
com seus equipamentos.

VERSÃO ORIGINAL TEXTO SUGERIDO OU OBSERVAÇÕES


COMENTÁRIO

ART. 95 ART. 95 Embora a Portaria 2 do COLOG de


PARÁGRAFO ÚNICO. Não se § único: Não se considera tráfego de 26/02/2010 estabeleça a questão de
considera tráfego de PCE o porte de PCE o porte de arma de fogo para transporte de equipamentos de Airsoft,
arma de fogo para defesa pessoal. defesa pessoal, assim como o acreditamos que a não inclusão no R-
transporte de arma de pressão por 105 pode causar confusão para o
ação de mola ou a gás de uso esportista e órgãos fiscalizadores.
permitido, desde que obedecidas as
legislações específicas quanto ao
transporte e uso.

ART. 12 São auxiliares da (Acréscimo) Acreditamos que a inclusão de


fiscalização de PCE e, portanto, VIII - Federações ou entidades Federações e ou Entidades relacionadas
integrantes do SisFPC: ligadas à prática de esportes com arma ao Airsoft como força auxiliar de
de ação de mola ou gás de uso Fiscalização, nos dará a possibilidade
permitido devidamente registrado no de aumentar a eficácia do controle e
Exercito. regulamentação dos itens que se
referem a pratica deste esporte.

Art. 2°: A Fiscalização de Produtos (Acréscimo) A preservação da história nacional


Controlados (FPC) pelo Exército VII – Auxiliar na elaboração de através de reencenações promovidas
tem por finalidade institucional: políticas públicas de preservação do pela sociedade civil, além do fomento
patrimônio histórico militar e fomento ao esporte são mecanismos de interação
ao desporto. social, relevantes que ao longo do
decreto já se encontram previstos.

Art. 12°: São auxiliares da (Acréscimo) As entidades desportivas constituem o


fiscalização de PCE e, portanto, VIII – As Federações, Associações ou objetivo de difundir e aperfeiçoar a
integrantes do SisFPC: entidades desportivas de airsoft prática, através de eventos esportivos,
registradas no Exército. portanto, torna-se importante
auxiliadora com o objetivo de fiscalizar
os atletas.

(Acréscimo) Trata-se de um erro material, natural


Art. 15°: Art. 15°: em uma minuta.
§3°: De uso permitido: os produtos §3°: De uso permitido: os produtos
controlados não relacionados no §2° controlados não relacionados no §2°
do art. 17 desde decreto. do art. 15 desde decreto.
Capítulo III – Dos Produtos (Acréscimo) A previsão descrita neste artigo prevê a
Controlados: c) dispositivos óticos de pontaria com liberação de dispositivos óticos de
Art. 15°: §2°: VII: aumento maior que seis vezes e menor alcance para os atletas de airsoft,
diâmetro da objetiva maior que trinta prevenindo e assegurando direitos e
e seis milímetros. deveres quanto ao tema.

(Acréscimo)
§ segundo: Ficam isentas pessoas A Diretoria de Fiscalização de Produtos
Seção III: Da Importação físicas da necessidade de solicitação Controlados ao isentar os atletas da
ou apresentação do Certificado apresentação deste documento fomenta
Internacional de Importação - CII a prática desportiva.
para a aquisição de arma de pressão
por ação de mola ou a gás cujo
princípio de funcionamento é a
propulsão de cápsulas biodegradáveis
ou esferas plásticas de uso permitido
adquiridas no exterior., desde que
devidamente inscritas e/ou associadas
em Federações, Associações ou
entidades desportivas de Airsoft
registradas no Exército,
(Acréscimo)
Art. 31°: A autorização para XII – A desportistas devidamente Todos os anos são realizados inúmeros
importação de PCE poderá ser filiados em Associações, Federações eventos internacionais pelo país, neste
concedida: ou entidades desportivas de airsoft. escopo a importação de armas de
Parágrafo único: A autorização que se pressão deve se encontrar delineada,
refere o caput trata-se de armas de esclarecendo possíveis dúvidas.
pressão por ação de mola ou a gás de
uso permitido, cujo princípio de
funcionamento é a propulsão de
cápsulas biodegradáveis ou esferas
plásticas.

Art. 56°: Eventos públicos e (Acréscimo) Através deste parágrafo o R-105 atende
empréstimos para fins artísticos e § único: A utilização, por maiores de sua função social de preservar a história
cultuais, com PCE objeto de 18 anos, de armas de pressão por ação nacional, cultura e o esporte.
coleção, demandam autorização de mola ou a gás cujo princípio de
prévia do Exército. funcionamento é a propulsão de
cápsulas biodegradáveis ou esferas
plásticas de uso permitido para fins
esportivos, artísticos ou culturais, não
necessitam de prévia autorização.
(Acréscimo)
Art. 95:
§ único. Não se considera tráfego de § único: Não se considera tráfego de As armas de pressão por ser um objeto
PCE o porte de arma de fogo para PCE o porte de arma de fogo para que previsto no Art. 43, deve ser isento
defesa pessoal. defesa pessoal, assim como o de qualquer impossibilidade de tráfego.
transporte de arma de pressão por
ação de mola ou a gás de uso
permitido, cujo princípio de
funcionamento é a propulsão de
cápsulas biodegradáveis ou esferas
plásticas, bastando para seu transporte
à posse de nota-fiscal emitida em
território nacional ou comprovação de
recolhimento de impostos de
nacionalização e nota original de
produto no caso de produto importado
pelo esportista prevista no Art. 43.

Art. 99°: Do desembaraço (Acréscimo) Através deste parágrafo o R-105 atende


alfandegário: § segundo: Encontram-se isentas de sua função social de preservar a história
desembaraços alfandegários as armas nacional, cultura e o esporte.
de pressão por ação de mola ou a gás
de uso permitido, cujo princípio de
funcionamento é a propulsão de
cápsulas biodegradáveis ou esferas
plásticas.

Não possui texto original Seção XI – Do praticante de esporte


Atualmente os Esportes de Ação
de ação:
conhecidos popularmente como
Art. 70: O Esporte de Ação conhecido Paintball e Airsoft reúnem
como Airsoft está enquadrado como aproximadamente cerca de 100 mil
desporto previsto no Art. 217 da atletas em todo o território nacional.
Constituição Federal de 1988.
O constituinte originário de 1988 ao
Art. 71: O atleta de airsoft é a pessoa assegurar o direito constitucional à
física registrada em Federações, prática desportiva previu o
Associações ou entidades desportivas surgimento de novos esportes como
e que prática, habitualmente, o um fomentador de políticas públicas
esporte.
de interação social.
§ único: Para fins de aplicação desta
Lei, considera-se desportista,
profissional ou amador de airsoft não As duas modalidades por todos os
registrado em Federação, Associação anos sofrerem um crescimento
ou entidades desportivas. vertiginoso, portanto urge a
necessidade em um normal legal
Art. 72: Habitualidade é a prática que possa trazer direitos e deveres a
frequente do airsoft realizada em local todos os atletas.
autorizado, em treinamento ou em
competições desportivas. Destarte, é cristalina a importância
do R-105 conter em suas linhas uma
Art. 73: Os praticantes desportivos de seção destinada ao Airsoft, já que
airsoft encontram-se isentos de sua prática e comum em todo o país,
controle de PCE. envolvendo inclusive a importação
e exportação de produtos.
Art. 74: Os atletas poderão utilizar
armas de pressão por ação de mola ou
a gás de uso permitido, cujo princípio
Dessa forma, acreditamos ser
de funcionamento é a propulsão de fundamental a inclusão de uma
cápsulas biodegradáveis ou esferas seção destinada ao esporte de ação
plásticas deverão conter na airsoft.
extremidade do cano marcação na
coloração laranja ou vermelha, a fim
de distingui-los de arma de fogo, de
réplica ou de simulacro.
§ único: O atleta amador ou
profissional somente poderá utilizar
arma de pressão adquiridos em
conformidade com a legislação em
vigor acompanhada de nota fiscal.

Art. 75: As armas de pressão não


poderão ser conduzidas
ostensivamente durante seu
transporte, devendo estar
devidamente acondicionadas em um
recipiente próprio acompanhadas da
nota fiscal.

Art. 76: Os acessórios usados pelos


desportistas de uso restrito deverão
ser adquiridos em conformidade com
a legislação em vigor.

Art. 77: A remessa de armas de


pressão por qualquer operador
logístico deverá obedecer à legislação
consumerista, atendendo ainda:
I – ao envio do produto de forma
acondicionada; e
II – ao envio da nota fiscal de compra
e remessa.

Art. 78: As entidades de airsoft, na


forma prevista no art. 16 da Lei n°
9.615, de 24 de março de 1988,
pessoas jurídicas registradas no
Exército, são auxiliares de
fiscalização, e têm como atribuição:
I – Capacitar instrutores das forças de
segurança no manuseio de armas de
pressão para fins de adestramento;

II – Emitir certificados referentes à


capacitação de instrutores, conformes
normatização emanada pelo Exército;

III – Não permitir o uso de armas de


pressão em locais proibidos;

IV – Colaborar com o Exército


durante competições, simulações ou
reencenações que ocorram em suas
instalações;

V – Promover ou participar de
reuniões temáticas, seminários ou
simpósios, para atualização de
informações, trocas e experiências
e/ou propostas de sugestões sobre
normas que afetam às atividades do
airsoft.

Diante do exposto, agradecemos a iniciativa ímpar de Vsa. Excelência em convidar a sociedade civil para compor
em conjunto a construção do R-105, fundamental para a manutenção da legalidade da modalidade esportiva Airsoft que
reúne milhares de desportistas pelo país, responsável por delinear as condições de uso de armas por ação de mola ou a gás.
As entidades que subscrevem este ofício se colocam à disposição para quaisquer esclarecimentos que se fizerem necessários.

Sem mais, Atenciosamente.

_________________________________________
Nelson Paulino
Força Tarefa Nacional de Airsoft

_________________________________________
Roy Rhino
Federação Paulista Desportiva de Airsoft

_________________________________________
Guilherme José Pereira
Comissão de Direito Desportivo OAB/RJ

_________________________________________
Thadeu Abdullah
Presidente da Federação Cearense Desportiva de Airsoft

_________________________________________
Francisco Angelini
Revista Airsoft Action Magazine