Você está na página 1de 22

SEJA BEM VINDO AO CURSO:

Noções de
Primeiros Socorros
no Ambiente Escolar
Carga Horária: 40 horas

Bem vindo ao curso de Noções de Primeiros Socorros no Ambiente Escolar, aqui você irá
aprender a socorrer crianças que sofrem acidentes nas escolas, ou seja, as situações mais
comuns. Serão apresentados aqui os conceitos, as causas, os sintomas e principalmente
o detalhamento para a assistência imediata à criança, minimizando assim agravos futuros
e/ou controlando a situação, ofertando deste modo conforto e segurança aos pais, direção,
professores e demais alunos.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

APRESENTAÇÃO

PROCEDIMENTOS INICIAIS

COMO PREVENIR ACIDENTES NO AMBIENTE ESCOLAR

MEDIDAS BÁSICAS DOS SINAIS VITAIS

SITUAÇÕES QUE PRECISAM DE PRIMEIROS SOCORROS

2
APRESENTAÇÃO

Os primeiros socorros são definidos como um atendimento temporário e imediato de


uma pessoa que está ferida ou que adoece repentinamente, bem como, se insere o
atendimento no domicílio quando não se pode ter acesso a uma equipe de resgate ou
enquanto os técnicos em emergência médica não chegam ao local.
Acidentes no ambiente escolar são muito frequentes. A curiosidade natural das
crianças expõe-nas a situações de risco nem sempre perceptíveis para seus responsáveis.
Na escola, por exemplo, somente após o acidente é que o professor percebe o perigo de
uma cadeira próxima à janela ou um móvel pontiagudo na sala de aula. Muitas vezes, os
professores não recebem um treinamento adequado em “primeiros socorros”, assim, assim,
diante de uma situação extrema, não sabem como proceder.

Mas quais são as finalidades dos primeiros socorros?

_ Preservar a vida;
_ Restringir os efeitos da lesão;
_ Promover a recuperação da vítima.
A pessoa que presta os primeiros socorros é chamada de socorrista. Ela deve agir
imediatamente, transmitindo sempre segurança e confiança.

E como proceder?

_ Mantenha o controle de si mesmo e também da situação;


_ Aja com calma e lógica;
_ Use as mãos delicadamente;
_ Fale com a vítima de modo gentil;
_ Seja objetivo.

Que atribuições devem ter um socorrista?

 Equilíbrio Emocional
 Conhecimento
 Habilidade
 Manter a calma
 Ter ordem de segurança
3
 Verificar riscos no local
 Manter o bom senso
 Ter espírito de liderança
 Distribuir tarefas
 Evitar atitudes intempestivas
 Dar assistência à vítima que corre o maior risco de morte
 Seja um (a) socorrista e não herói!
 Pedir auxílio: telefonar para atendimento de urgência

PROCEDIMENTOS INICIAIS

1. A pessoa responsável deverá avaliar a situação e reconhecer se trata de urgência ou


não;
2. Chamar o serviço médico e realizar a avaliação e os procedimentos iniciais.
3. Atuar conforme o seu conhecimento;
4. Decidir se atende na escola, encaminha para o posto de saúde, hospital ou chama o
SAMU, Corpo de Bombeiro (permanecendo SEMPRE ao lado da criança).

É importante lembrar que, como adulto, você é responsável pela sua segurança e,
muitas vezes, também pela segurança de terceiros, principalmente de crianças e idosos.
Eles precisam e devem ser protegidos.

O Estojo de Primeiros Socorros que deve estar presente nas escolas e deve conter:

Luvas de procedimento
Atadura de crepe
Dois pacotes de algodão esterilizado
Dois pacotes de gazes esterilizadas
Uma caixa de curativos (tipo band-aid)
Um rolo de esparadrapo
Um termômetro
Uma tesoura sem ponta
Um frasco de loção antisséptica
Um frasco de água boricada
Um frasco de solução fisiológica

4
Estes materiais são essenciais aos primeiros socorros prestados no ambiente
escolar e podem ser utilizados pelos professores. É importante que o estojo seja guardado
sempre no mesmo local, mas longe do alcance das crianças, deve ser sempre verificado o
prazo de validade dos materiais e realizado a reposição dos mesmos quando utilizados.

ALGUMAS ORIENTAÇÕES IMPORTANTES

1. Atentar para as crianças que já chegam doentes, solicitar a presença dos pais (evitar
risco de disseminação de doenças infectocontagiosas na escola);

2. Ter sempre as informações completas das crianças (nome, idade, ocorrência, dados de
saúde);

3. Chamar os pais ou responsáveis sempre, porém não retardar a atendimento da criança


por suas ausências;

4. Fazer o atendimento inicial; mas em casos de dúvidas ou insegurança é melhor deixar o


atendimento para a equipe especializada que deverá ser acionada imediatamente em casos
moderados a graves (SAMU: 192, Corpo de Bombeiro: 193, ou a Unidade de Saúde mais
próxima da escola);

5. Não oferecer qualquer bebida/comida para as crianças acidentadas ou doentes até que
haja avaliação da situação;

6. Manter um ambiente escolar seguro.

COMO PREVENIR ACIDENTES NO AMBIENTE ESCOLAR

 Não permitir a entrada de alunos na cozinha.


 Tomar cuidado para que não haja vazamento de gás e deixar sempre o botijão em
lugar arejado.
 Nunca deixar o fogo acesso sem que fique um responsável no local.
 Verificar sempre o prazo de validade dos alimentos.
 Evitar o uso de objetos quebrados ou rachados.
 Manter sempre o lixo tampado, e dar a ele o destino correto.
 Não tocar em fios, interruptores, tomadas ou aparelhos elétricos com as mãos
molhadas ou pés descalços.
 Evitar o uso de tez e benjamins nas tomadas.

5
 Os produtos de limpeza devem ser guardados em local apropriado, sempre nas
embalagens originais com identificação do produto. Nunca reutilize frascos.
 Materiais de conservação da escola, como martelos, pás, enxadas, entre outros,
também precisam de lugar apropriado para serem guardados, e só devem ser
usados por pessoas adultas que sabem fazer uso correto dos mesmos.
 Manter limpas as áreas externas evitando entulhos como pedras, tijolos e madeira.
 Aparar regularmente a grama e recolher folhas caídas, que se acumulam
excessivamente.
 Escadas devem ter corrimão e piso antiderrapante.
 Evitar subir em escadas, árvores e andaimes sem material de segurança.
 Sinalizar pisos molhados, e evitar andar sobre os mesmos.
 Usar sempre calçado apropriado para a atividade que vai desenvolver.
 Praticar atividades físicas sempre com cautela e calma.
 Não andar pelo pátio com objetos de vidro ou pontiagudos.
 Usar o laboratório sempre com a supervisão de um responsável
 Observar atentamente as instruções de uso de qualquer substância que se for fazer
uso.
 Fazer uso correto, de acordo som sua finalidade, do mobiliário da escola.
 Evitar improvisos, e pensar sempre duas vezes antes de executar qualquer tarefa.
 Sinalizar locais com maior incidência de acidentes.

Não Esqueça: A Prevenção deve ser sempre o objetivo!

6
MEDIDAS BÁSICAS DOS SINAIS VITAIS

Os sinais vitais dão informações importantes sobre funções básicas do corpo.

1- Frequência Cardíaca

Pressione levemente com os dedos indicador e médio a artéria radial localizada


abaixo da base do polegar. Também pode se verificar a frequência cardíaca pressionando
levemente a artéria carótida localizada na lateral do pescoço, pouco abaixo da mandíbula.
Com um relógio, conte os batimentos cardíacos por 1 minuto.

Frequência Cardíaca Normal:


Bebês de menos de 1 ano: 100 a 160 batimentos por minuto.
Crianças de 1 a 10 anos: 70 a 120 batimentos por minuto.
Crianças de mais de 10 anos e adultos: 60 a 100 batimentos por minuto.

2- Frequência Respiratória

Para verificar a respiração deite a criança, conte quantas vezes o peito sobe por 1
minuto.

Frequência Respiratória Normal:


Recém-nascidos: 44 respirações por minuto.
Bebês: 20 a 40 respirações por minuto.
Crianças em idade pré-escolar: 20 a 30 respirações por minuto.
Crianças mais velhas: 16 a 25 batimentos por minuto.

3- Temperatura Axial

Termômetro de Mercúrio: é o mais tradicional de todos, e sua leitura nem sempre é


simples, antes de cada uso é preciso sacudir o termômetro para recolocar o mercúrio em
uma posição abaixo da marca de 36°C.
Estes termômetros exigem em torno de 4 a 5 minutos para que possam ser lidos. Os
termômetros de mercúrio estão em desuso e não são recomendados para uso em crianças
por causa dos riscos de toxicidade, em caso de quebra.

7
Termômetro Digital: Apresenta a temperatura em números digitais, de fácil leitura e são
mais rápidos do que os termômetros de mercúrio. Em geral levam 60 segundos para soar
o alarme. Não são tóxicos e não agridem o meio ambiente.
Considera-se febril a criança que tem uma temperatura axilar superior a 37,5ºC, a
principal causa de febre nas crianças são as infecções por vírus e bactérias.
Em caso de febre a criança deve ficar vestida com roupa fresca, em crianças
pequenas, pode ser realizado um banho de água morna (nunca com água fria). A hidratação
oral também é uma medida importante, deve-se oferecer água ou outros líquidos com
frequência.

SITUAÇÕES QUE PRECISAM DE PRIMEIROS SOCORROS

Escoriações: Escoriação é uma lesão que ocorre na superfície da pele.

Como Proceder:
 Antes de manusear qualquer lesão, lave as mãos com água e sabão, ou álcool gel
se disponível;
 Pequenos cortes, perfurações superficiais e escoriações podem ser tratadas apenas
com limpeza local lavando com água e sabão neutro. Outra opção é irrigação com
soro fisiológico, limpando o local da escoriação até desaparecer qualquer sinal de
sujeira;

8
 Lesões mais profundas e cortes mais extensos devem ser avaliadas por um médico
para decidir se há necessidade de realizar sutura.

Hemorragias: É tido como hemorragia todo derramamento de sangue do organismo


humano para fora dos vasos sanguíneos.

Como Proceder:
 É necessário manter e transmitir a calma diante da situação;
 Coloque as luvas de procedimento;
 Deite a criança em posição em decúbito dorsal (de barriga para cima), pois facilita a
circulação sanguínea entre o coração e o cérebro;
 Aplique sobre o corte uma compressa com gaze, ou um pano limpo, fazendo uma
pressão firme sobre o local com uma ou com as duas mãos, manter a compressão
até que a hemorragia estanque (no mínimo 10 min.). Após, faça uma ligadura
compressiva (um curativo bem preso e com certa pressão sobre a região afetada)
no local da hemorragia;
 Durante todo esse processo deve-se manter a criança calma e acordada, não
oferecer comida ou bebida e mantê-la aquecida;
 Em hemorragias nasais (sangramentos no nariz), deve-se manter a cabeça reta
(nem para trás, nem para baixo); comprimir a narina que sangra com os dedos;
aplicar gelo ou compressas frias por 10 min; não assuar. Caso o sangramento não
cesse, deve-se colocar um tampão, de algodão ou gases, de maneira a preencher
bem a cavidade nasal e levar ao hospital.

Fraturas: Em crianças até os três anos de idade, as fraturas são consequência de lesões
por esmagamento e após os dez anos de idade em crianças do sexo masculino, devido à
prática esportiva e brincadeiras no recreio, e podem ser fechadas ou abertas (exposta).
Diante a uma situação de emergência por fratura o professor deve manter a calma e
acalmar a criança.
Como Proceder:

 Alguns sinais devem ser observados como: nível de consciência, hematomas,


hemorragias, localizar se há ferimentos, formigamento, dor intensa, inchaço,
deformidade do membro e perguntar a criança se ela ouviu um estalo no momento
do ocorrido;

9
 Se houver hipótese de fratura estabilize o membro com uma tala, se a lesão for grave
nunca se deve tentar endireitar uma fratura ou colocar o osso no lugar, telefone para
o serviço de emergência mais próximo e aguarde atendimento especializado.

Desmaio: O desmaio na criança pode acontecer devido ao calor, desidratação ou esforço


físico, quando ela está em ambientes fechados, dias de calor ou quando está brincando no
sol.

Como Proceder:

 No momento que a criança começou a desfalecer, tente segurá-la antes que caia e
ajude-a a sentar-se numa cadeira, peça que respire profundamente até que o mal
estar passe;
 Nos casos que já se encontre inconsciente, deitar a criança e levantar
suas pernas, pelo menos 40 cm do chão; colocar a criança de lado para ela não se
engasgar, desapertar as roupas apertadas para que possa respirar, manter a criança
aquecida;
 Enquanto a criança estiver desacordada nunca oferecer algo para cheirar, beber ou
comer. Caso a criança não recupere a consciência depois de 3 minutos, telefone
para o serviço de emergência mais próximo.

Convulsões: As convulsões em bebes de seis meses a crianças de cinco anos de idade


podem estar relacionadas a um estado febril, nos bebes geralmente o aumento da
temperatura é causada por uma infecção viral, sendo do tipo catarral a mais comum. As
convulsões se manifestam por: perda da memória; movimentos dos olhos virados para
cima; dentes cerrados e tensos; saída de espuma pela boca; contrações musculares com
duração em média 5 minutos.

Como Proceder:

 Deitar a criança, evitando quedas e traumas;


 Remover objetos, para evitar traumas;
 Afrouxar roupas apertadas;
 Proteger a cabeça da criança;
 Lateralizar a cabeça para que a saliva escorra (evitando aspiração);
 Limpar as secreções salivares, com um pano ou papel, para facilitar a respiração;
10
 Observar se a criança consegue respirar;
 Após a crise convulsiva pode haver incontinência urinária ou fecal.

Você Não Deve:


 Imobilizar os membros (braços e pernas) deve-se deixá-los livres;
 Balançar a criança, evitando a falta de ar;
 Introduzir os dedos dentro da boca, involuntariamente ela pode feri-lo;
 Realizar banhos ou usar compressas com álcool caso haja febre, pois há risco
de afogamento ou lesão ocular pelo álcool;
 Administrar medicamentos na hora da crise, pela boca. Os reflexos não estão
totalmente recuperados, e criança pode se afogar ao engolir o comprimido e a
água;
 Caso as crises convulsivas se manifestem por repetição ou durem mais que 10
a 15 minutos, telefone para o serviço de emergência mais próximo.

Obstrução De Vias Aéreas Por Corpos Estranhos: Os casos de obstrução de vias aéreas
em bebês e crianças ocorrem durante a alimentação ou com pequenos objetos em
brincadeiras. Neste momento é fundamental prestar os primeiros socorros realizando a
técnica correta executa em bebês e crianças.
Como Proceder:
Bebês (menos 1 ano de idade).
 Coloque o bebê em decúbito ventral (de barriga para baixo), segurando com uma
mão a cabeça inclinada para baixo e apoiando o restante do corpo no antebraço ou
na coxa, com a outra mão em forma de concha bata levemente na região
interrescapular (no meio das costas) até que a via seja desobstruída, faça isso por
5x. Depois de realizar esta manobra se o objeto não tiver saído realize 5 pressões
entre os mamilos do bebê (passo 2), se o objeto não sair volte a fazer o passo 1.

Crianças (mais de 1 ano de idade)

11
 Primeiro estimule a criança a tossir, se a tosse for ineficaz bata com a mão em forma
de concha na região interescapular (no meio das costas), se a via aérea continuar
obstruída inicie a Manobra de Heimlich, realizada com a criança sentada em seu
colo e com a mão fechada faça compressões abdominais até que a via seja
desobstruída.

Corpos estranhos:

NA PELE: Corpos estranhos (e pequenos) encravados na pele podem causar infecções,


por isso devem ser removidos quando possível com uma pinça, e depois o local deve ser
lavado com água e sabão, mas se o objeto for grande e estiver cravado profundamente ou

12
estiver em local difícil de ser retirado, não mova o objeto, fixe e proteja o local com gaze ou
pano limpo e encaminhe a vítima para o atendimento médico.

NO OUVIDO: Corpos estranhos introduzidos no ouvido causam desconforto. Não se deve


tentar retirar um corpo estranho com pinça ou cotonete, isso pode empurrar ainda mais
para dentro do ouvido, e afetar o tímpano. A vítima deve ser acalmada e encaminhada para
o médico.

Se o corpo estranho for um inseto pode-se proceder da seguinte maneira:

 Puxar a orelha da vítima para trás e dirigir um facho de luz para o canal auditivo. Isso
atrai o inseto.
 Caso o inseto permaneça no ouvido deve-se procurar o médico.
 Não colocar nenhuma substância líquida no ouvido, pois pode dificultar a retirada do
inseto pelo médico.

NO NARIZ: Corpos estranhos no nariz podem ser removidos, fazendo a pessoa inspirar
pela boca, comprimir a narina que está livre e expelir o ar pela narina obstruída, sem muita
força para não causar ferimento. Caso o corpo estranho não saia, deve-se procurar o
médico. Jamais introduzir qualquer instrumento na narina, pois isso poderá empurrar o
corpo estranho ainda mais para dentro.

NOS OLHOS: Os olhos são órgãos delicados que podem ser atingidos por poeira, areia,
insetos ou pequenos corpos estranhos, provocando irritação, inflamação ou ferimentos
mais graves.

Como proceder:

 Lavar o olho com água em abundância.


 Proteger os olhos com gaze ou pano limpo, para evitar o movimento do olho afetado.
 Não deixar que a vítima esfregue o olho.
 Não tentar retirar um corpo estranho que fique encravado no olho, somente proteger
com gaze.
 Encaminhar sempre para um oftalmologista.
 Se necessário chamar o atendimento especializado de urgência prestar socorro.

13
Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP): A parada cardiopulmonar em crianças é menos
comum do que no adulto, mas pode ocorrer em locais fora do ambiente hospitalar, causada
por trauma, afogamento, intoxicação, sufocamento, asma grave, alergias e pneumonia.
Após identificar a PCR e acionar o socorro avançado o socorrista leigo deve iniciar as
compressões torácicas imediatamente.

Como Proceder:

 Posicionar a criança deitada de costas sobre uma superfície plana e dura;


 Bebês: colocar dois dedos no meio do peito da vítima, sobre o osso esterno, logo
abaixo da linha intermamilar, e comprimir o tórax aproximadamente 4 cm. Após, a
compressão deve ser aliviada sem retirar os dedos do tórax, deixando a parede do
tórax voltar completamente à posição original; o tempo de compressão e
descompressão deve ser igual. Se apenas um socorrista estiver presente, realizar
30 compressões e intercalar com duas ventilações (boca a boca). Se dois socorristas
estiverem presentes, realizar 15 compressões e intercalar com duas ventilações. As
compressões devem ser rápidas e fortes, com uma velocidade de no mínimo 100
compressões/minuto.

 Criança: colocar o “calcanhar” de uma das mãos no meio do peito, sobre o osso
esterno, de forma que os dedos não toquem no tórax. Com o braço estendido e
perpendicular ao corpo da vítima, o socorrista deve deixar que seu próprio peso
comprima o tórax, comprimindo-o aproximadamente 5 cm. Após, a compressão deve
ser aliviada sem retirar as mãos do tórax; o tempo de compressão e descompressão
deve ser igual. Se um socorrista estiver presente, realizar 30 compressões e
intercalar com duas ventilações (boca a boca). Se dois socorristas estiverem
presentes, realizar 15 compressões e intercalar com duas ventilações. As

14
compressões devem ser rápidas e fortes, com uma velocidade de 100 a 120
compressões/minuto.

Queimaduras: As queimaduras no ambiente escolar podem ocorrer por diversos fatores,


com bebidas e alimentos quentes, água muito quente na hora do banho, principalmente os
bebês que possuem a pele muito fina, tomadas sem protetores, fios ao alcance das
crianças, brinquedos nos parquinhos principalmente os que possuem partes metálicas e
também por exposição prolongada ao sol.
As queimaduras são classificadas em:

Primeiro Grau: que danifica somente a camada mais externa da pele deixando a
pele vermelha e pode causar um leve inchaço.
Segundo Grau: provoca bolhas e um inchaço maior, sendo bastante dolorida.
Terceiro Grau: afeta a terceira camada mais profunda da pele ficando muito
danificada, pode parecer branca ou cinzenta, provocando muita dor.

Como Proceder:

 É importante resfriar a área queimada o mais rápido possível, aplicando compressas


frias ou colocando na água fria por 10 a 15 minutos, não coloque gelo, pois pode
prejudicar ainda mais a pele. Isso impede que a queimadura continue atingindo
camadas mais profundas da pele. Depois pode-se secar com cuidado a região da
queimadura e cobrir com gaze. Não passar nenhum tipo de pomada e nunca estoure
as bolhas para que se evite infecções.

A criança deve ser encaminhada ao hospital quando:

15
 A queimadura for no rosto, nas mãos ou nos órgãos genitais;
 A queimadura for em uma área extensa (maior que o diâmetro de uma bolinha de
pingue-pongue);
 A queimadura for resultado de um choque elétrico.

Ataque Por Animal Peçonhento: Os principais sinais e sintomas iniciais pós-acidente são:
dor (podendo ou não ter a marca da picada), vermelhidão, inchaço, hematoma e formação
de bolhas no local. Em alguns casos, porém, não há dor. A criança pode ter calafrios, febres,
vômitos e dor na barriga.

Como Proceder:

 As principais condutas frente a uma suspeita de acidente com animal peçonhento é


acalmar a criança, não deixar que ela se movimente muito, elevar o membro atingido
na altura do coração, lavar o ferimento com água e sabão;
 Telefone para o serviço de emergência mais próximo;
 Os principais erros cometidos por pessoas leigas no primeiro atendimento a picadas
de animais peçonhentos são intervenções inadequadas como torniquete (amarrar o
local), sugar o ferimento com a boca, cortar o local afetado e uso de substâncias
contaminadas, como: urina, terra e pó de café;
 Se possível e não houver perigo, leve o animal envolvido no acidente em transporte
adequado para que seja feito seu reconhecimento, facilitando o diagnóstico e
tratamento.

16
Choque elétrico: É a passagem da corrente elétrica pelo corpo, que serve de caminho
para a corrente elétrica em direção à terra. Ele pode causar queimaduras, arritmias e até
mesmo a morte. Deve-se lembrar que a água torna o choque mais perigoso, e que a
corrente elétrica passa por vários corpos que tiverem algum contato.

Como Proceder:

 Antes de socorrer a vítima, interromper a corrente elétrica. Quando isso não for
possível, chamar a central elétrica ou o corpo de bombeiros. Jamais tocar em fios
elétricos com as mãos ou a vítima logo após o choque, espere alguns segundos.
 Se for necessário usar um cabo de vassoura ou outro material que não seja condutor
elétrico.
 Verificar se o calçado usado tem solado de borracha.
 Após verificar todas as medidas de segurança, observar os sinais vitais da vítima.
 Se houver queimadura usar os procedimentos adequados.
 Chamar o socorro especializado.

Intoxicação alimentar: É provocada pela ingestão de alimentos contaminados. Provocam


enjôo, vômito, diarréia, sudorese, palidez, febre e dores abdominais.

Como proceder:

 Manter a criança deitada lateralmente após o vômito.


 Não dar medicamentos para interromper a diarréia.
 Ministrar o soro caseiro, feito com 200 ml de água filtrada ou fervida, uma medida
rasa de sal e duas medidas de açúcar (a colher medida é distribuída em postos de
saúde ou pela Pastoral da Criança, na sua falta usa-se uma colher de sopa rasa de
açúcar e duas colheres de café rasas de sal). Procurar atendimento médico.
Dentes soltos e quebrados: Alguns impactos podem soltar ou quebrar um ou mais dentes.

Como proceder:

 Quando o dente apresenta movimento, deve-se morder uma gaze com firmeza para
manter o dente na cavidade e procurar imediatamente o dentista
 Quando o dente cair, deve-se enxaguar a boca com água para remover o sangue ou
outro tipo de sujeira, e colocar uma gaze enrolada no local.
17
 Colocar o dente no leite gelado, e procurar o dentista imediatamente.
 Quando o dente estiver quebrado, deve-se levar o pedaço do dente até o dentista.

Febre: É a condição em que a temperatura corporal está acima de 37,5º. É causada por
infecção resultante de bactérias ou vírus.

Como proceder:

 Deixar a criança confortável e monitorar a temperatura com um termômetro, pois a


febre muito alta pode provocar convulsões.
 Dar líquidos leves para a pessoa ingerir.
 Trocar roupas molhadas.
 Colocar compressas com água fria sobre a testa ou encaminhar ao banho morno.
 Procurar orientação médica.

Dor de cabeça: Qualquer doença pode vir acompanhada de dor de cabeça. Ela pode ser
o sintoma de doenças graves como meningite ou um acidente vascular. Ela surge sem
razão aparente causando desconforto e até dores insuportáveis que impossibilitam a
pessoa de realizar suas tarefas normais.

Como proceder:

 Procurar orientação médica se a dor aumentar rapidamente, se for forte e impedir as


atividades normais, for recorrente ou persistente, for acompanhada de perde do nível
de consciência, for acompanhado de rigidez do pescoço, seguir-se de uma lesão na
cabeça, provocar vômitos e desmaios.
 Não ministrar medicamentos que podem agravar determinadas doenças.
 Colocar a criança em ambiente tranquilo.
 Medicar conforme orientação médica.

QUE TAL TESTARMOS AGORA O SEU CONHECIMENTO ADQUIRIDO?

18
ASSINALE AS ALTERNATIVAS CORRETAS PARA AS
QUESTÕES ABAIXO (A, B, C ou D):

1) Em casos de convulsões não devemos fazer:

a- Deitar a criança, evitando quedas e traumas.


b- Afrouxar roupas apertadas.
c- Proteger a cabeça da criança.
d- Segurar a criança para não debater muito evitando ferimentos.

2) Quando a vítima apresentar ausência dos movimentos respiratórios, de pulso e


batimento cardíaco ela estará sofrendo sintomas de:

a- Parada cardíaca e respiratória.


b- Parada cardíaca.
c- Parada respiratória.
d- Hemorragia nos pulmões.

3) Quando a vítima começa apresentar hemorragia nasal o que o socorrista deve fazer:

a- Tampe o nariz com algodão.


b- Comprimir o nariz da vítima, se a hemorragia persistir colocar compressa fria.
c- Aplicar remédios no nariz.
d- Pingar gotas de álcool no nariz.

4) Em vítima com hemorragia externa, devemos:

a- Mesmo que não aja nada limpo devemos usar panos ou compressas para
estancar o sangramento.
b- Aplicar medicamentos no local.
c- Amarrar o local com barbante para estancar o sangramento.
d- Deixar o sangramento parar sozinho.

5) Sobre o Desmaio, assinale a alternativa incorreta:

a- Pode ser causado por pancada forte na cabeça.


b- A pessoa pode permanecer inconsciente por horas.
c- Elevar as pernas da vítima.
d- Evitar jejum prolongado é uma medida preventiva para o desmaio.

6) O que devemos fazer com acidentes nos olhos?


19
a- Proteger os olhos com gaze ou pano limpo, para evitar o movimento do olho
afetado.
b- Deixar que a vítima esfregue o olho, pois isto facilita a saída do objeto.
c- Tentar retirar o corpo estranho que estiver encravado no olho.
d- Aplicar colírio para aliviar a dor.

7) Assinale a alternativa que corresponde ao que não fazer nos casos de intoxicações
por ingestão de substâncias tóxicas?

a- Provocar o vômito na vítima, para a substância ser menos absorvida.


b- Manter a vítima deitada em posição lateral.
c- Retirar roupas e acessórios para que a vítima possa respirar melhor.
d- Todas as alternativas acima são casos que não podem ser realizados.

8) Hematomas, hemorragias, formigamento, dor intensa, inchaço, deformidade do


membro e estalo no momento do ocorrido, significa presença de:

a- Luxação.
b- Entorse.
c- Fratura.
d- Contusão.

9) O que não fazer em casos de fraturas expostas:

a- imobilizar a articulação.
b- encaminhar ao médico.
c- aplicar gelo no local.
d- colocar a fratura no local.

10) O que fazer em casos de ferimentos abertos:

a- Retirar o objeto de dentro do ferimento.


b- Aplicar compressas quentes.
c- Efetuar limpeza com soro fisiológico ou água limpa.
d- Permitir que o sangramento aconteça para que a área seja limpa de forma
natural.

11) Sobre as intoxicações alimentares, assinale a alternativa correta:

a- Ocorre devido à ingestão de produtos químicos.


b- Lavar com água e é sempre a melhor opção para este tipo de acidente.
c- Oferecer leite ajuda a controlar os vômitos
20
d- Não devemos interromper a diarreia, pois o microorganismo deve ser eliminado.

12) Ao transportar uma vítima com fratura exposta, deve-se:

a- Não mexer na fratura.


b- Segurar o membro quebrado enquanto os outros levantam a vítima.
c- Prevenir a vítima que ela sentirá dor, e depois puxar o membro machucado.
d- Procurar algo rígido, enfaixando junto ao membro machucado para imobilizá-lo.

13) Existem duas classificações para as fraturas, quais são:

a- Aberta e semi-aberta.
b- Aberta e exposta.
c- Exposta e anatômica.
d- Exposta e fechada.

14) Febre é a condição em que a temperatura corporal está acima de:

a- ( ) 38 ºC
b- ( ) 37,5 ºC
c- ( ) 37 ºC
d- ( ) 40 º C
15) Não é conduta frente a uma suspeita de acidente com animal peçonhento é:

a- Amarrar o local para que o veneno não se espalhe.


b- Não deixar que a criança se movimente muito.
c- Elevar o membro atingido na altura do coração.
d- Lavar o ferimento com água e sabão.

16) Não devemos fazer nos casos de queimaduras:

a- Resfriar a área queimada o mais rápido possível.


b- Aplicar compressas frias ou colocando na água fria por 10 a 15 minutos.
c- Secar com cuidado a região da queimadura e cobrir com gaze.
d- Estourar as bolhas, pois facilita o curativo.

17) A Manobra de Heimlich pode ser realizada a partir de qual idade?

a- 6 meses
b- 1 ano
c- 1 ano e 6 meses
d- 2 anos

18) Na RCP de bebês com 1 socorrista, deve ser realizado:

21
a- 10 compressões com 1 ventilação
b- 15 compressões com 1 ventilação
c- 20 compressões com 2 ventilações
d- 30 compressões com 2 ventilações

19) Caso não se consiga desligar a chave geral da casa, as vítimas de choque elétrico
devem ser afastadas da corrente elétrica com auxílio de material não condutor de
eletricidade, que pode ser, exceto:

a- Madeira
b- Ferro
c- Plástico
d- Tecido

20) Em caso de febre em crianças e adultos o socorrista deverá:

a- Colocar compressas com água fria sobre a testa ou encaminhar ao banho


morno.
b- Dar banho gelado no febril.
c- Ligar para o corpo de bombeiros.
d- Aguardar para a febre ceder.

REFERÊNCIAS

BROLEZI, E. A. Orientações de primeiros socorros em urgência na escola

FRANGE, P. Primeiros Socorros. São Paulo, 80p.

Manual de prevenção de acidentes e primeiros socorros nas escolas/Secretaria da Saúde.


Coordenação de Desenvolvimento de Programas e Políticas de Saúde. CODEPPS. São Paulo: SMS,
2007.129p.

MELO, E. M. C. et al. Cartilha informativa. Projeto Creche das Rosinhas. Departamentos de Pediatria da
Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais. 2011.

REIS, I. Manual de primeiros socorros: situações de urgência nas escolas, jardins de infância e
campos de férias. 80p

SANTINI, G. I.; MELLO, J. M. de. Primeiros socorros e prevenção de acidentes aplicados ao ambiente
escolar. Campo Mourão, 2008.

SILVA, M. B. S. S. Apostila primeiros socorros à criança na escola. Unimed Blumenau. 2010, 11p.

22