Você está na página 1de 27

VLANs

Switches

VLANs 1
Vlan (Virtual LAN)

 Em uma rede comutada, a rede é plana (flat), ou seja, todos


os pacotes broadcats transmitidos são “enxergados” por
todos os dispositivos conectados á rede, mesmo que um
dispositivo não seja o destinatário de tais pacotes.

Cada host possui seu próprio domínio de colisão, porem a rede


Ainda é um grande domínio de broadcast

VLANs 2
Redução do domínio de Broadcast

 Os Routers matem as mensagens de broadcast dentro da


rede que o originou.

 Switches propagam mensagens de broadcast para todos os


seus segmentos.

 Por este motivo chamamos uma rede comutada de “plana”,


ou seja, se trata de um grande domínio de colisão.

VLANs 3
Redução do domínio de Broadcast

 Um bom Administrador de redes certifica-se que a rede esteja


devidamente segmentada para evitar que problemas em um
determinado segmento se propague para toda rede.

 A maneira mais eficaz de fazer isso é através de comutação e


roteamento.

VLANs 4
Redução do domínio de Broadcast

 Em uma VLAN todos os dispositivos são membros do mesmo


domínio de Broadcast.

 As mensagens de broadcast por padrão são barradas de


todas as portas em um switch que não sejam membros da
mesma VLAN.

 Roteadores devem então ser usados para realizar a


comunicação inter-vlan.

VLANs 5
Redução do domínio de Broadcast

VLANs 6
VLAN’s

 A interconexão de switches na presença de VLANS motivou a


elaboração dos seguintes padrões IEEE:

 IEEE 802.1Q: define o funcionamento de VLANs


 Acrescenta dois campos no quadro:
 Identificador de VLAN
 Prioridade

 IEEE 802.1p: define o uso do campo prioridade.

VLANs 7
Quadro Ethernet

IEEE 802.3

MAC origem MAC destino Tamanho Dados FCS


(6 bytes) (6 bytes) (2 bytes) (46 a 1500 bytes) (4 bytes)

IEEE 802.1Q

MAC origem MAC destino Tipo Proto VLAN id e prioridade Dados FCS
(6 bytes) (6 bytes) (2 bytes) (2 bytes) (46 a 1500 bytes) (4 bytes)

Tipo 802.1Q = 0x8100 Prioridade (3 bits) + CF (1bit) + VLANID (12 bits)

VLANs 8
Interligação de Switches
B C

VLAN 2 VLAN 2

VLAN 1 VLAN 1,2,3


A SWITCH SWITCH D
ACCESS TRUNK

VLAN 3

VLAN 1,2,3 VLAN 1,2,3

Interface Trunk: Tráfego de


Várias VLANs SWITCH
IEEE 802.1Q

VLAN 2
Interface de Acesso: Tráfego
de uma única VLAN E
IEEE 802.3
VLANs 9
VLAN – Limites físicos

VLANs 10
VLAN – Aplicabilidade

VLANs 11
VLAN – Aplicabilidade

VLANs 12
Conexão Inter-Vlan

 Como vimos, para que Vlan’s se comuniquem é necessário


que um ou mais roteadores tratem rotas para as redes.

VLANs 13
Conexão Inter-Vlan
 Para que esta conexão com o roteador seja possível, fisicamente o
roteador até onde vimos deveria ter 3 interfaces, ou seja, uma para
cada Switch.

 No entanto podemos utilizar apenas 1 interface e criar sub-interfaces


lógicas.

Obs: O roteador para


comunicação inter-Vlan
deve suportar o
protocolo 802.1Q, no
qual veremos a seguir.

VLANs 14
Sub-interfaces

VLANs 15
Modos das portas do Switch
 As portas de um switch pode trabalhar em dois modos:

 Modo Access
 Cada porta do switch pertence a uma única VLAN.
 Quadros Ethernet: Formato Normal.

 Modo Trunk
 O tráfego de múltiplas VLANs é multiplexado em um único link
físico.
 Usualmente interconectam switches.
 Quadros Ethernet: formato especial (VLAN).
 Apenas computadores com placas especiais podem se
conectar a essas portas.

VLANs 16
Trunk

 Os quadros nas interfaces Trunk são formatados em quadros


especiais para identificar a quais LANs eles pertencem. O IEEE
802.1Q é um protocolo para interface Trunk.

0x8100

6 Bytes 6 Bytes 2 Bytes 3 Bits 1 Bit 12 Bits 2 Bytes

DESTINO ORIGEM TYPE PRIO CFI VLAN ID TYPE Dados CRC

Esses campos são removidos PRIO: IEEE 802.1 P


quando o quadro é enviado para
CFI: Canonical Format Indicator
uma interface do tipo access.
• 0 em redes Ethernet

VLANs 17
Trunk

VLANs 18
Modos das portas do Switch

Modo Access

VLANs 19
Modos das portas do Switch

Modo Trunk

VLANs 20
Vlan’s estáticas
 Neste método as interfaces de um switch serão inseridas
manualmente a cada Vlan criada.

VLANs 21
Vlan’s dinâmicas

VLANs 22
Resolução de problemas com VLAN’s

VLANs 23
VTP -VLAN Trunking Protocol

 VTP- O papel do VTP é manter a consistência de configuração


de VLANs através de um domínio de administração de rede
comum.

 O VTP é um protocolo de mensagens que usa quadros de


tronco da camada 2 para adicionar, excluir e renomear
VLANs em um único domínio.

 O VTP também permite mudanças centralizadas que são


comunicadas aos demais switches na rede.

VLANs 24
VTP - VLAN Trunking Protocol

 Este serviço é implementado diretamente nos switch’s, onde


como todo serviço de rede, trabalha no modelo cliente X
servidor;

 Suas formas de trabalho

VLANs 25
VTP - VLAN Trunking Protocol

 Através deste recurso os switch’s são configurados em um


mesmo domínio, onde as VLAN’s criadas no servidor VTP são
replicadas aos Clientes VTP.

VLANs 26
Etapas de configuração do VTP

VLANs 27