Você está na página 1de 7

Nº 2, Xxxxxx de 2017

Documento Científico
Departamento Científico de Terapia Intensiva

Insuficiência Respiratória Aguda


Departamento Científico de Terapia Intensiva
Presidente: Werther Brunow de Carvalho
Secretário: Ricardo Maria Nobre Othon Sidou
Conselho Científico: Helena Müller, Lara de Araújo Torreão, Marcelo Barciela Brandão,
Michelle Luiza Cortez Gonin, Norma Suely de Oliveira

As emergências respiratórias pediátricas es- Considera-se outra definição com base na


tão entre as causas mais frequentes de internação avaliação da gasometria arterial, a saber: PaO2 <
hospitalar e óbitos em crianças menores de 1 ano 60mmHg, PaCO2 >55mmHg e SatO2 <90%.1
de idade.1,2 Desta forma, é essencial o reconheci-
A população pediátrica é particularmente
mento precoce e ações imediatas de tratamento
suscetível a desenvolver distúrbio respiratório
para prevenir a parada cardiorrespiratória.
de maior gravidade, em decorrência de diversos
A insuficiência respiratória aguda (IRpA) é a in- fatores inter-relacionados que favorecem essa
capacidade do sistema respiratório em manter a oxi- evolução, que vão desde peculiaridades anatô-
genação e/ou ventilação ocasionando falha no su- micas a características fisiológicas e imunológi-
primento das demandas metabólicas do organismo. cas (Quadro 1)

Quadro 1 - Particularidades na criança que predispõem à Insuficiência respiratória3,4

• Maior metabolismo e maior consumo de O2; • Musculatura respiratória menos desenvolvida e


frequência respiratória mais elevada;
• Língua grande, próxima ao palato mole facili-
tando a obstrução da via aérea; • Pequeno diâmetro das vias aéreas com tendên-
cia à obstrução;
• Ventilação colateral (canais de Lambert e Poros
• Tórax em barril diminuindo os movimentos com-
de Kohn) pobremente desenvolvidos, favore-
pensatórios para aumentar o volume corrente;
cendo a formação de atelectasias;
• Pulmões com menos elastina nas crianças pe-
• Diafragma perpendicular ao tórax e caixa torá- quenas, ocasionando diminuição na proprieda-
cica mais complacente ocasionando a incoorde- de de recolhimento elástico, com consequente
nação toracoabdominal no sono REM; diminuição na complacência pulmonar;

1
Insuficiência Respiratória Aguda

Classificações da Insuficiência respiratória aguda (IRpA)


• Pela gasometria arterial – Tipo I (hipoxêmica – o Hipóxia anêmica: diminuição da taxa de hemo-
PaO2 baixa com PaCO2 normal) ou Tipo II (hiper- globina comprometendo o transporte de O2. Ex.
cápnica – PaO2 baixa e PaCO2 elevada) anemia grave

• Pela localização anatômica – via aérea: Alta (su- o Hipóxia circulatória: diminuição da perfusão
perior) ou baixa (inferior) tissular. Ex. choque

• Pelo tipo de hipóxia o Hipóxia histotóxica: incapacidade da célula


metabolizar o O2 disponibilizado. Ex.: Intoxica-
o Hipóxia hipoxêmica: diminuição da PaO2 no san-
ção por cianeto
gue arterial. Ex. alteração da relação V/Q (pneu-
monia), alteração da difusão (pneumonia intersti- • Pelo tempo: Aguda (horas ou dias) ou crônica
cial), presença de shunt intrapulmonar (síndrome (tempo suficiente para compensação fisiológi-
do desconforto respiratório agudo – SDRA). ca gasométrica e/ou polictemia) (tabela 1)

Tabela 1 - Diferenças entre insuficiência respiratória aguda e crônica4


Insuficiência PaCO2 PaO2 HCO3
pH
Respiratória (mmHg) (mmHg) mEq/L
Aguda ↓ ↑ ↓ ↓
Normal ou
Crônica ↑ ↓ ↑
levemente ↓
Crônica agudizada ↓ ↑ ↓ ↑ ou normal

Causas da Insuficiência Respiratória


A tabela 2 reúne as principais causas de insuficiência respiratória

Tabela 2 - Causas da Insuficiência respiratória5


Sistema nervoso central (SNC)
medicamentos (sedativos, anestésicos), epilepsia, Encefalopatia hipóxico-
isquêmica, Trauma crânio-encefálico, Infecções (meningites, encefalites)
Afecções Neurológicas
Sistema nervoso periférico
- Síndrome de Guillian-Barré, miastenia gravis, Infecções (miosites, botulismo),
Intoxicação por organofosforado, Bloqueio neuromuscular por medicamentos
Patologias obstrutivas de vias aéreas
• Obstrução de vias aéreas superiores
Laringite, Epiglotite, Corpo estranho
• Obstrução de vias aéreas inferiores
Afecções Pulmonares Asma aguda, Bronquiolite aguda, Compressão extrínseca
Patologias restritivas do parênquima pulmonar
Edema pulmonar, pneumonia, síndrome do desconforto respiratório agudo,
doença da membrana hialina, fibrose pulmonar
Torácicas
Derrame pleural, pneumotórax, trauma torácico, hérnia diafragmática
Esqueléticas
Afecções que alteram a
Cifoescoliose, malformações torácicas, escoliose congênita
mecânica ventilatória
Abdominais
Ascites volumosas, Tumores abdominais, Hemorragia intra-abdominal, Ob-
strução do trato gastrintestinal
Alteração no transporte
Choque, Insuficiência cardíaca, alterações metabólicas, Intoxicação por cianeto
dos gases aos tecidos
Distúrbios metabólicos Hipofosfatemia, Hipomagnesemia, Hipopotassemia, Alcalose metabólica grave

2
Departamento Científico de Terapia Intensiva • Sociedade Brasileira de Pediatria

Quadro clínico

O quadro clínico da insuficiência respira- to do volume minuto (Vol Min) como mecanismo
tória pode variar de acordo com a etiologia e a compensatório. Sabe-se que o Vol Min = Volume
faixa etária da criança. No lactente os sinais e corrente (VC) X frequência respiratória (FR). No
sintomas são mais exuberantes do que no ado- VC inclui-se também o espaço morto (EM) onde

lescente. No entanto, há um ponto em comum: a não ocorre a troca gasosa. Vol min = (VC-EM)X

TAQUIPNEIA. Este é o sinal clínico mais precoce FR. A BRADIPNEIA e a APNEIA são sinais de maior

em qualquer idade, uma vez que para manter a gravidade e mais tardios.3,4,6

oxigenação próxima ao normal ocorre o aumen- Seguem abaixo os valores normais da FR (tabela 3)

Tabela 3 - Valores normais da frequência respiratória de acordo com a faixa etária4

Idade Respirações/ minuto


<1 ano 30 a 60
1 a 3 anos 24 a 40
4 a 5 anos 22 a 34
6 a 12 anos 18 a 30
13 a 18 anos 12 a 16

Outros sinais e sintomas respiratórios: disp- um sinal de alerta importante de fadiga. Cianose
neia, tiragens intercostais e subdiafragmáticas, é um sinal tardio, principalmente em pacientes
tiragens de fúrcula, batimento de asa de nariz, di- com anemia.
minuição ou ausência dos sons respiratórios são
Sinais cardiovasculares como taquicardia ou
comuns no desconforto respiratório de qualquer
bradicardia, hipotensão, hipertensão, má perfu-
etiologia. O estridor está presente em obstruções
são periférica e pulso paradoxal indicam maior
da via aérea superior, sibilos nas obstruções de
gravidade.
via aérea inferior e crepitações nas doenças do
parênquima pulmonar. O gemido (fechamento Sinais gerais como irritação, sonolência, fadi-

da glote para aumentar a capacidade residual) é ga e sudorese também podem estar presentes.

Monitorização e Exames complementares

Os exames complementares devem ser orien- A gasometria arterial é muito útil na avalia-
tados de acordo com a suspeita diagnóstica da ção da oxigenação, ventilação e metabolismo
doença que ocasionou a IRpA. O Raio-X de tórax celular. Auxilia também na diferenciação do pro-
pode auxiliar na confirmação dos achados clínicos cesso agudo ou crônico. A oximetria de pulso é
de uma pneumonia, atelectasias, derrame pleural um bom parâmetro para a monitorização con-
e avaliar complicações das intervenções/procedi- tínua e para avaliação da resposta imediata da
mentos, como o pneumotórax. oxigenoterapia.

3
Insuficiência Respiratória Aguda

Monitorização da oxigenação

Dados coletados Objetivos


Saturação de O2 Forma indireta para avaliar oxigenação
(avaliar com critério Pode-se usar a relação SatO2/FiO2 (normal > 264)
em pacientes com má
perfusão periférica)8,9
Mensurar o índice de saturação (IS) = 100 x MAP x FiO2/SatO2
O IS pode ser usado
• Hipoxemia leve 5 ≤ IS < 7,5
em locais onde não
• Hipoxemia moderada 7,5 ≤ IS <12,3
há disponibilidade de
gasometria arterial11,12 • Hipoxemia grave IS ≥12,3
Relação PaO2/FiO2 para seguimento das intervenções e definir grau de
hipoxemia10
• Hipoxemia leve → Rel PaO2/FiO2 = 201 a 300
• Hipoxemia moderada → Rel PaO2/FiO2 =100 a 200
• Hipoxemia grave → Rel PaO2/FiO2 <100
Gasometria arterial
Em pacientes em VM monitorar o índice de oxigenação (IO) como preditor
de gravidade11, 12
• Hipoxemia leve 4 ≤ IO < 8
• Hipoxemia moderada 8 ≤ IO <16
• Hipoxemia grave IO ≥16

Tratamento

Metas terapêuticas dirigidas (enfoque estru- inclinação da cabeça.


turado em relação à via aérea, respiração e circu-
d. Pode-se utilizar dispositivos como a câ-
lação): 1) garantir a patência e a manutenção da
nula orofaríngea (Guedel) quando o paciente está
via aérea superior; 2) oferecer suporte respirató-
inconsciente ou a cânula nasofaríngea que pode
rio (oxigenação e ventilação); 3) otimizar suporte
ser usada em crianças conscientes, com reflexo de
cardiovascular e 4) tratamento da doença de base.
tosse intacto.
1) Garantir a patência e a manutenção da via aé-
2) Oferecer suporte respiratório (oxigenação e
rea superior3, 4
ventilação)
a. Promover posição de conforto ou abertura
OXIGENOTERAPIA
da via aérea superior → posicione corretamente
a cabeça da criança, de forma a alinhar os eixos A oferta de O2 é mandatória na IRpA, mesmo
oral, traqueal e faríngeo. com SatO2 >92%, para otimizar o transporte de
O2 aos tecidos e diminuir o trabalho respiratório
b. Se necessário, aspiração das vias aéreas
(Vol Min). Se a criança estiver mantendo ventila-
com remoção de secreções, muco ou sangue.
ção espontânea efetiva, pode-se administrar O2
c. Realiza-se a abertura das vias aéreas com por meio de numerosos dispositivos. A escolha
manobra manual de inclinação da cabeça e ele- do sistema de oferta de O2 é determinada pela
vação do queixo. Se houver suspeita de lesão de condição clínica da criança e pela concentração
coluna cervical, deve-se elevar a mandíbula, sem desejada de oxigênio (tabela 4)

4
Departamento Científico de Terapia Intensiva • Sociedade Brasileira de Pediatria

Tabela 4 - Dispositivos utilizados para oferta suplementar de O24

Dispositivo de baixo fluxo FiO2 (%) Fluxos de O2 (L/min)


Cânula nasal 25 a 40 1a4
Máscara simples 35 a 50 5 a 10
Máscara com reinalação parcial 50 a 60 10 a 12
Máscara não reinalante 80 até 95 10 a 15 (média 5-10)
Dispositivo de alto fluxo
Máscara de Venturi 25 a 60 12 a 15
Capacete de Oxigênio (hood) 25 a 90 10 a 15

Se o paciente apresenta ventilação espontâ- (VM) no qual se fornece pressão positiva contínua
nea não efetiva ou estiver inconsciente deve-se (CPAP) ou dois níveis de pressão (BIPAP) através
proceder à ventilação assistida com o dispositivo de uma interface (máscara ou pronga). Melhora o
bolsa valva-máscara com reservatório. A FiO2 per- desconforto respiratório, com incremento na oxi-
manece próxima de 100% se a máscara estiver genação e na ventilação. Existem vários estudos
bem acoplada na face. Os pacientes com doença mostrando benefício do uso em IRpA e parece uma
pulmonar crônica e retenção crônica de CO2 per- boa alternativa para evitar a VM. O sucesso da apli-
dem o estímulo hipercapinico do centro respi- cação da VNI depende da seleção adequada do pa-
ratório. São pacientes dependentes do estímulo ciente e o momento “ideal” para o seu início.
hipóxico e necessitam de titulação da oxigenote-
VENTILAÇÃO MECÂNICA
rapia e, portanto, não se pode utilizar os disposi-
tivos de alto fluxo nestes pacientes. Está indicada quando há falhas nas tentativas
anteriores de fornecer oxigenação e ventilação
CÂNULA NASAL DE ALTO FLUXO
adequadas.
É um sistema que oferece oxigênio aquecido
3) Otimizar o suporte cardiovascular
(37°C) e umidificado (100% de umidade relativa)
com um sistema que emprega altas taxas de fluxo Há uma relação direta entre o sistema respi-
e gera uma pressão positiva na via aérea. Vários ratório e o cardiovascular. Na insuficiência respi-
estudos indicam bons resultados do suporte ven- ratória aguda moderada a grave qualquer dispo-
tilatório com as cânulas de alto fluxo, especial- sitivo pressórico utilizado (VNI ou VM) diminui o
mente, em crianças com bronquiolite aguda, im- retorno venoso, podendo diminuir o débito cardí-
pedindo a evolução para a ventilação mecânica. aco. As patologias pulmonares podem determinar
Com o alto fluxo ocorre uma redução do espaço- a secreção inapropriada de hormônio antidiuréti-
-morto, com aumento da oferta de oxigênio e di- co. Um dos desafios é manter o equilíbrio na flui-
minuição do PCO2 no alvéolo. Parece uma alterna- doterapia, pois o excesso de fluidos pode acarre-
tiva promissora em pediatria.13-15 tar em pior prognóstico na evolução da IRpA.16

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA (VNI) 4) Tratamento da doença de base

É uma alternativa de suporte respiratório que O tratamento será direcionado para o evento
se utiliza antes de optar pela ventilação mecânica que determinou a IRpA.

5
Insuficiência Respiratória Aguda

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

1. Hammer J. - Acute respiratory failure in 10. Acute Respiratory Distress Syndrome. The Berlin
children. Paed Resp Rev. 2013;14:64–69. Definition. JAMA. 2012;307(23):2526-2533.

2. Ghuman AK, Newth R, Khemani RG. Respiratory 11. Emeriaud G, Newth CJ; Pediatric Acute
support in children. Symposium: Intensive care. Lung Injury Consensus Conference Group.
Paediatr Health Child. 2011;l21(4):163–169. Monitoring of children with pediatric acute
respiratory distress syndrome: proceedings
3. Matsuno AK. Insuficiência respiratória from the Pediatric Acute Lung Injury Consensus
aguda na criança. Medicina (Ribeirão Preto) Conference. Pediatr Crit Care Med. 2015;16(5
2012;45(2):168-84. Suppl 1):S86-101.
4. Fonseca JG, Oliveira AMLS; Ferreira AR. 12. Trachsel D, McCrindle BW, Nakagawa
Avaliação e manejo inicial da insuficiência S, Bohn D. Oxygenation Index Predicts
respiratória aguda na criança. Rev Med Minas
Outcome in Children with Acute Hypoxemic
Gerais 2013; 23(2):196-203.
Respiratory Failure. Am J Respir Crit Care Med
5. Weiner D, Fleisher GR, Wiley JF. Causes of acute 2005;172:206–211.
respiratory distress in children. Disponível em
https://www.uptodate.com/contents/causes-of- 13. Lee JH, Rehder KJ, Williford L, Cheifetz IM, Tuner
acute-respiratory-distress-in-children acessado DA. Use of high flow nasal cannula in critically ill
em 08 dezembro 2016. infants, children, and adults: a critical review of
the literature. Int Care Med. 2013;39:247–257.
6. Matsumoto T. Insuficiência Respiratória. In:
Lopez FA, Campos Jr D. Tratado de Pediatria: 14. Milési C, Boubal M, Jacquot A, Baleine J, Durand
Sociedade Brasileira de Pediatria- 2ª ed, S, Odena MP, et al. High-flow nasal cannula:
Barueri, SP: Manole: 2010, pg.2313-2319. recommendations for daily practice in pediatrics
Ann Intensive Care 2014, 4:29, pg:2-7.
7. Schneider J, Sweberb T. Acute Respiratory
Failure. Crit Care Clin. 2013;29:167–183. 15. Kawaguchi A, Yasui Y, deCaen A, Garros D. The
Clinical Impact of Heated Humidified High-Flow
8. Ross PA, Newth CJ, Khemani RG. Accuracy Nasal Cannula on Pediatric Respiratory Distress.
of pulse oximetry in children. Pediatrics. Pediatr Crit Care Med. 2017;18(2):112-119.
2014;133(1):22-9.
16. Lubrano R, Cecchetti C, Elli M, Tomasello C,
9. Khemani RG. Comparison of SpO2 to PaO2 Guido G, Di Nardo M, et al. Prognostic value of
based markers of lung disease severity for extravascular lung water index in critically ill
children with acute lung injury. Crit Care Med children with acute respiratory failure. Intensive
2012; 40:1309–1316. Care Med. 2011;37(1):124-31.

6
Departamento Científico de Terapia Intensiva • Sociedade Brasileira de Pediatria

Diretoria
Triênio 2016/2018

PRESIDENTE: COORDENAÇÃO DO CEXTEP: EDITOR REVISTA RESIDÊNCIA PEDIÁTRICA


Luciana Rodrigues Silva (BA) Hélcio Villaça Simões (RJ) Clémax Couto Sant’Anna (RJ)
1º VICE-PRESIDENTE: COORDENAÇÃO DE ÁREA DE ATUAÇÃO EDITOR ADJUNTO REVISTA RESIDÊNCIA PEDIÁTRICA
Clóvis Francisco Constantino (SP) Mauro Batista de Morais (SP) Marilene Augusta Rocha Crispino Santos (RJ)
2º VICE-PRESIDENTE: COORDENAÇÃO DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL CONSELHO EDITORIAL EXECUTIVO
Edson Ferreira Liberal (RJ) José Hugo de Lins Pessoa (SP) Gil Simões Batista (RJ)
SECRETÁRIO GERAL: DIRETORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS Sidnei Ferreira (RJ)
Sidnei Ferreira (RJ) Nelson Augusto Rosário Filho (PR) Isabel Rey Madeira (RJ)
1º SECRETÁRIO: REPRESENTANTE NO GPEC (Global Pediatric Education Sandra Mara Amaral (RJ)
Cláudio Hoineff (RJ) Consortium) Bianca Carareto Alves Verardino (RJ)
2º SECRETÁRIO: Ricardo do Rego Barros (RJ) Maria de Fátima B. Pombo March (RJ)
Paulo de Jesus Hartmann Nader (RS) REPRESENTANTE NA ACADEMIA AMERICANA DE PEDIATRIA (AAP) Sílvio Rocha Carvalho (RJ)
3º SECRETÁRIO: Sérgio Augusto Cabral (RJ) Rafaela Baroni Aurilio (RJ)
Virgínia Resende Silva Weffort (MG) REPRESENTANTE NA AMÉRICA LATINA COORDENAÇÃO DO PRONAP
DIRETORIA FINANCEIRA: Francisco José Penna (MG) Carlos Alberto Nogueira-de-Almeida (SP)
Maria Tereza Fonseca da Costa (RJ) Fernanda Luísa Ceragioli Oliveira (SP)
DIRETORIA DE DEFESA PROFISSIONAL, BENEFÍCIOS E PREVIDÊNCIA
2ª DIRETORIA FINANCEIRA: Marun David Cury (SP) COORDENAÇÃO DO TRATADO DE PEDIATRIA
Ana Cristina Ribeiro Zöllner (SP) Luciana Rodrigues Silva (BA)
DIRETORIA-ADJUNTA DE DEFESA PROFISSIONAL
3ª DIRETORIA FINANCEIRA: Sidnei Ferreira (RJ) Fábio Ancona Lopez (SP)
Fátima Maria Lindoso da Silva Lima (GO) Cláudio Barsanti (SP) DIRETORIA DE ENSINO E PESQUISA
DIRETORIA DE INTEGRAÇÃO REGIONAL: Paulo Tadeu Falanghe (SP) Joel Alves Lamounier (MG)
Fernando Antônio Castro Barreiro (BA) Cláudio Orestes Britto Filho (PB) COORDENAÇÃO DE PESQUISA
Membros: Mário Roberto Hirschheimer (SP) Cláudio Leone (SP)
Hans Walter Ferreira Greve (BA) João Cândido de Souza Borges (CE) COORDENAÇÃO DE PESQUISA-ADJUNTA
Eveline Campos Monteiro de Castro (CE) COORDENAÇÃO VIGILASUS Gisélia Alves Pontes da Silva (PE)
Alberto Jorge Félix Costa (MS) Anamaria Cavalcante e Silva (CE)
Analíria Moraes Pimentel (PE) COORDENAÇÃO DE GRADUAÇÃO
Fábio Elíseo Fernandes Álvares Leite (SP) Rosana Fiorini Puccini (SP)
Corina Maria Nina Viana Batista (AM) Jussara Melo de Cerqueira Maia (RN)
Adelma Alves de Figueiredo (RR) Edson Ferreira Liberal (RJ) COORDENAÇÃO ADJUNTA DE GRADUAÇÃO
Célia Maria Stolze Silvany ((BA) Rosana Alves (ES)
COORDENADORES REGIONAIS: Suzy Santana Cavalcante (BA)
Norte: Kátia Galeão Brandt (PE)
Elizete Aparecida Lomazi (SP) Angélica Maria Bicudo-Zeferino (SP)
Bruno Acatauassu Paes Barreto (PA)
Maria Albertina Santiago Rego (MG) Silvia Wanick Sarinho (PE)
Nordeste:
Anamaria Cavalcante e Silva (CE) Isabel Rey Madeira (RJ) COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO
Jocileide Sales Campos (CE) Victor Horácio da Costa Junior (PR)
Sudeste: Eduardo Jorge da Fonseca Lima (PE)
Luciano Amedée Péret Filho (MG) COORDENAÇÃO DE SAÚDE SUPLEMENTAR
Maria Nazareth Ramos Silva (RJ) Fátima Maria Lindoso da Silva Lima (GO)
Sul: Ana Cristina Ribeiro Zöllner (SP)
Darci Vieira Silva Bonetto (PR) Corina Maria Nina Viana Batista (AM)
Álvaro Machado Neto (AL) Jefferson Pedro Piva (RS)
Centro-oeste: Joana Angélica Paiva Maciel (CE) COORDENAÇÃO DE RESIDÊNCIA E ESTÁGIOS EM PEDIATRIA
Regina Maria Santos Marques (GO) Cecim El Achkar (SC) Paulo de Jesus Hartmann Nader (RS)
ASSESSORES DA PRESIDÊNCIA: Maria Helena Simões Freitas e Silva (MA) Ana Cristina Ribeiro Zöllner (SP)
Assessoria para Assuntos Parlamentares: COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE GESTÃO DE CONSULTÓRIO Victor Horácio da Costa Junior (PR)
Marun David Cury (SP) Normeide Pedreira dos Santos (BA) Clóvis Francisco Constantino (SP)
DIRETORIA DOS DEPARTAMENTOS CIENTÍFICOS E COORDENAÇÃO Silvio da Rocha Carvalho (RJ)
Assessoria de Relações Institucionais:
Clóvis Francisco Constantino (SP) DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS Tânia Denise Resener (RS)
Dirceu Solé (SP) Delia Maria de Moura Lima Herrmann (AL)
Assessoria de Políticas Públicas: Helita Regina F. Cardoso de Azevedo (BA)
Mário Roberto Hirschheimer (SP) DIRETORIA-ADJUNTA DOS DEPARTAMENTOS CIENTÍFICOS
Lícia Maria Oliveira Moreira (BA) Jefferson Pedro Piva (RS)
Rubens Feferbaum (SP) Sérgio Luís Amantéa (RS)
Maria Albertina Santiago Rego (MG) DIRETORIA DE CURSOS, EVENTOS E PROMOÇÕES Gil Simões Batista (RJ)
Sérgio Tadeu Martins Marba (SP) Lilian dos Santos Rodrigues Sadeck (SP) Susana Maciel Wuillaume (RJ)
Assessoria de Políticas Públicas – Crianças e COORDENAÇÃO DE CONGRESSOS E SIMPÓSIOS Aurimery Gomes Chermont (PA)
Adolescentes com Deficiência: Ricardo Queiroz Gurgel (SE)
Alda Elizabeth Boehler Iglesias Azevedo (MT) COORDENAÇÃO DE DOUTRINA PEDIÁTRICA
Paulo César Guimarães (RJ) Luciana Rodrigues Silva (BA)
Eduardo Jorge Custódio da Silva (RJ) Cléa Rodrigues Leone (SP)
Hélcio Maranhão (RN)
Assessoria de Acompanhamento da Licença COORDENAÇÃO GERAL DOS PROGRAMAS DE ATUALIZAÇÃO
Maternidade e Paternidade: COORDENAÇÃO DAS LIGAS DOS ESTUDANTES
Ricardo Queiroz Gurgel (SE)
João Coriolano Rego Barros (SP) Edson Ferreira Liberal (RJ)
COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE REANIMAÇÃO NEONATAL: Luciano Abreu de Miranda Pinto (RJ)
Alexandre Lopes Miralha (AM) Maria Fernanda Branco de Almeida (SP)
Ana Luiza Velloso da Paz Matos (BA) Ruth Guinsburg (SP) COORDENAÇÃO DE INTERCÂMBIO EM RESIDÊNCIA NACIONAL
Assessoria para Campanhas: Susana Maciel Wuillaume (RJ)
Conceição Aparecida de Mattos Segre (SP) COORDENAÇÃO PALS – REANIMAÇÃO PEDIÁTRICA
Alexandre Rodrigues Ferreira (MG) COORDENAÇÃO DE INTERCÂMBIO EM RESIDÊNCIA INTERNACIONAL
GRUPOS DE TRABALHO: Kátia Laureano dos Santos (PB) Herberto José Chong Neto (PR)
Drogas e Violência na Adolescência: DIRETOR DE PATRIMÔNIO
Evelyn Eisenstein (RJ) COORDENAÇÃO BLS – SUPORTE BÁSICO DE VIDA
Valéria Maria Bezerra Silva (PE) Cláudio Barsanti (SP)
Doenças Raras: COMISSÃO DE SINDICÂNCIA
Magda Maria Sales Carneiro Sampaio (SP) COORDENAÇÃO DO CURSO DE APRIMORAMENTO EM NUTROLOGIA
PEDIÁTRICA (CANP) Gilberto Pascolat (PR)
Educação Física: Virgínia Resende S. Weffort (MG) Aníbal Augusto Gaudêncio de Melo (PE)
Coordenador: Ricardo do Rego Barros (RJ) Isabel Rey Madeira (RJ)
Luciana Rodrigues Silva (BA) CONVERSANDO COM O PEDIATRA
Victor Horácio da Costa Júnior (PR) Joaquim João Caetano Menezes (SP)
Patricia Guedes de Souza (BA) Valmin Ramos da Silva (ES)
Alex Pinheiro Gordia (BA) PORTAL SBP Paulo Tadeu Falanghe (SP)
Maria Teresa Quadros (BA) Flávio Diniz Capanema (MG) Tânia Denise Resener (RS)
Metodologia Científica: COORDENAÇÃO DO CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA João Coriolano Rego Barros (SP)
Gisélia Alves Pontes da Silva (PE) José Maria Lopes (RJ) Maria Sidneuma de Melo Ventura (CE)
Cláudio Leone (SP) PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO CONTINUADA À DISTÂNCIA Marisa Lopes Miranda (SP)
Pediatria e Humanidade: Altacílio Aparecido Nunes (SP) CONSELHO FISCAL
Álvaro Jorge Madeiro Leite (CE) João Joaquim Freitas do Amaral (CE) Titulares:
Luciana Rodrigues Silva (BA) DOCUMENTOS CIENTÍFICOS Núbia Mendonça (SE)
Christian Muller (DF) Luciana Rodrigues Silva (BA) Nélson Grisard (SC)
João de Melo Régis Filho (PE) Dirceu Solé (SP) Antônio Márcio Junqueira Lisboa (DF)
Transplante em Pediatria: Emanuel Sávio Cavalcanti Sarinho (PE) Suplentes:
Themis Reverbel da Silveira (RS) Joel Alves Lamounier (MG) Adelma Alves de Figueiredo (RR)
Irene Kazue Miura (SP) DIRETORIA DE PUBLICAÇÕES João de Melo Régis Filho (PE)
Carmen Lúcia Bonnet (PR) Fábio Ancona Lopez (SP) Darci Vieira da Silva Bonetto (PR)
Adriana Seber (SP)
Paulo Cesar Koch Nogueira (SP) EDITORES DA REVISTA SBP CIÊNCIA ACADEMIA BRASILEIRA DE PEDIATRIA
Fabiana Carlese (SP) Joel Alves Lamounier (SP) Presidente:
Altacílio Aparecido Nunes (SP) José Martins Filho (SP)
DIRETORIA E COORDENAÇÕES: Paulo Cesar Pinho Pinheiro (MG) Vice-presidente:
DIRETORIA DE QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO Flávio Diniz Capanema (MG) Álvaro de Lima Machado (ES)
PROFISSIONAL EDITOR DO JORNAL DE PEDIATRIA Secretário Geral:
Maria Marluce dos Santos Vilela (SP) Renato Procianoy (RS) Reinaldo de Menezes Martins (RJ)