Você está na página 1de 78

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA “LUIZ DE QUEIROZ”.


DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO
LSO-526 Adubos e Adubação

Prof. Paulo Sergio Pavinato

Piracicaba, 25 e 26 de fevereiro de 2016.


Fluxograma da lei, decretos, instrução normativa e portarias do MAPA.
I) Macronutrientes:

Macronutrientes primários: nitrogênio (N);


fósforo (P2O5); potássio (K2O);

Macronutrientes secundários: cálcio (Ca ou


CaO); magnésio (Mg ou MgO); enxofre
(S).

II) Micronutrientes:

Boro (B); Cloro (Cl); Cobalto (Co); Cobre


(Cu); Ferro (Fe); Zinco (Zn); Manganês
(Mn); Molibdênio (Mo); Níquel (Ni);
Silício (Si).
Artigo 2º
III - Fertilizante: substância mineral ou orgânica,
natural ou sintética, fornecedora de um ou mais
nutrientes de plantas, sendo:

a) Fertilizante mineral: produto de natureza


fundamentalmente mineral, natural ou sintético obtido por
processo físico, químico ou físico-químico, fornecedor de um ou
mais nutrientes de plantas;

b) Fertilizante orgânico: produto de natureza


fundamentalmente orgânica, obtido por processo físico, químico,
físico-químico ou bioquímico, natural ou controlado, a partir de
matérias-primas de origem industrial, urbana ou rural, vegetal
ou animal, enriquecido ou não de nutrientes minerais;
Exemplos: Fertilizante Mineral
Natural:

Fluorapatita: Ca10(PO4)6F2 (fosfato natural)

Sintético:

CO2 + NH3 CO(NH2)2 (45%N)


uréia

Cloreto de potássio (KCl) (60%K2O)

Superfosfato Triplo: Ca(H2PO4) (42%P2O5)


Mineral: Natural Fosfato Reativo
1. Fertilizante mononutriente: produto
que contém um só dos macronutrientes
primários;

N ou P2O5 ou K2O

N - uréia: CO(NH2)2

P2O5 - SPS: Ca(H2PO4) CaSO4.2H2O

K2O – Cloreto de potássio: KCl


2. Fertilizante binário: produto que contém dois

macronutrientes primários;

N-P2O5 ou N-K2O ou P2O5-K2O

Ex.: MAP (Fosfato Monoamônio)  NH4H2PO4

Nitrato de potássio  KNO3


3. Fertilizante ternário: produto que contém
os três macronutrientes primários;

N - P2O5 - K2O

Ex. Formulação: 04 - 14 - 08

04Kg N

100Kg 14Kg P2O5

08Kg K2O
h) Fertilizante mineral simples: produto
formado, fundamentalmente, por um composto
químico, contendo um ou mais nutrientes de
plantas;

Uréia - N  CO(NH2)2

MAP - N + P2O5 - NH4 H2PO4


i) Fertilizante mineral misto: produto resultante
da mistura física de dois ou mais fertilizantes
simples, complexos ou ambos;

Ex.: Uréia + MAP


KCl + Uréia
SPS + KCl
j) Fertilizante mineral complexo: produto formado
de dois ou mais compostos químicos, resultante da
reação química de seus componentes, contendo dois ou
mais nutrientes;

NH3 + H3PO4 + KCl  complexo (N-P2O5-K2O)


(gás) (líquido) (sólido) (sólido)
3.1. Garantias

3.1.1. Fertilizantes minerais sólidos

a) Fertilizantes simples

As especificações dos principais fertilizantes


minerais simples comercializados no Brasil estão
apresentadas no Anexo V da Legislação.
ESPECIFICAÇÕES DOS FERTILIZANTES MINERAIS SIMPLES
ANEXO V – IN SARC Nº10/2004

GARANTIA MÍNIMA/
FERTLIZANTE OBTENÇÃO OBSERVAÇÃO
CARACTERÍSTICAS
Amônia 82% de O Nitrogênio Síntese catalítica
entre o Nitrogênio do ar
Anidra N deverá ser atmosférico e o
totalmente na Hidrogênio
proveniente do craqueamento
forma de hidrocarboneto.
amoniacal
Aquamônia 10% de O Nitrogênio deverá Reação da Amônia
N estar totalmente na Anidra com
forma amoniacal.
água.
Ácido bórico 17% de Boro solúvel em
B água na forma
de ácido
(H3BO3)
ESPECIFICAÇÕES DOS FERTILIZANTES MINERAIS SIMPLES
ANEXO II – IN SARC Nº10/2004
Cloreto de 58% de K2O Potássio na forma de cloreto A partir de sais brutos de Mínimo de
determinado como K2O solúvel em Potássio por dissoluções 45% de
Potássio água seletivas, flotação ou outros Cloro (Cl).
métodos de separação.

Fosfato Fósforo determinado como P2O5 Reação do Ácido fosfórico com


17% de N solúvel em CNA mais água e mínimo Amônia
Diamônico 45% de P2O5 de 38% solúvel em água. Nitrogênio
(DAP) na forma amoniacal

Fósforo determina-do em P2O5 solúvel Reação do Ácido Fosfórico com


Fosfato 9% de N em citrato neutro de amônio mais água e Amônia
Monoamônico 48% de P2O5 mínimo de 44% solúvel em água.
Nitrogênio na forma amoniacal.
(MAP)

Fosfato Natural 27% de P2O5 Fósforo determinado como P2O5 total Moagem da fosforita
e mínimo de 4% solúvel em Ácido
Reativo 28% de Ca Cítrico a 2% na relação de 1:100
Granulometria: partículas deverão
passar 85% em peneira de 0,075mm
(ABNT nº200)
Nitrato de 32% de N O Nitrogênio deverá estar Neutralização do Ácido Nítrico pela
50% na forma amoniacal e Amônia Anidra
Amônio 50% na forma nítrica

Nitrato de Cálcio 14% de N O Nitrogênio deve estar na Reação de Ácido Nítrico Óxido ou
forma nítrica, podendo ter Carbonato de Cálcio.
16% de até 1,5% na forma
Ca amoniacal.

Sulfato de 20% de N O Nitrogênio deverá estar na 1) Neutralização do Ácido sulfúrico pelo O teor de
forma amoniacal. Amoníaco. Tiocianato não
Amônio 22% de S 2) Reação do Carbonato de Amônio com poderá exceder a
o gesso. 1%, expresso em
3) A partir de gases de coqueria de gases Tiocianato de
provenientes de unidades de Ácido Amônio.
Sulfúrico.
Sulfato de Zinco 20% de Zinco solúvel em água na Por meio da reação do Óxido de Zinco
forma de Sulfato com Ácido Sulfúrico
Zn (ZnSO4.XH2O)
9% de S

Superfosfato 18% de P2O5 Fósforo determinado como Reação do concentrado apatítico moido
16% de Ca P2O5 solúvel em Citrato com Ácido Sulfúrico
Simples 8% de S Neutro de Amônio mais
água e mínimo de 15% em
água.
Cálcio e Enxofre total
Superfofato 41% de Fósforo determinado Reação de Ácido
como P2O5 solúvel em
Triplo P2O5 Citrato Neutro de
Fosfórico com
10% de Amônio mais água e concentrado
Ca mínimo de 36% em apatítico moido
água.

Ulexita 8% de B Boro na forma de Borato Beneficiamento físico do Mínimo de 7% de Ca


de Sódio e Cálcio mineral natural e 6% de Sódio.
Mínimo de 60% do
(Na2O.2.CaO.5 B2
teor total de Boro (B)
O3.16H2O) solúvel em ácido
cítrico a 2%

Uréia 45% de N O Nitrogênio Reação do O teor de


deverá estar Amoníaco e Gás Biureto não
totalmente na Carbônico sob pode ser maior
de 1,5% para
forma amídica pressão
aplicação direta
no solo e 0,3%
para aplicação
foliar
3.1. Garantias

3.1.1. Fertilizantes minerais sólidos

b) Fertilizantes minerais mistos e complexos

- Devem conter NPK, ou dois deles;


- Somatória mínima N total + P2O5 solúvel em
ácido cítrico ou citrato neutro de amônio +
H2O + K2O solúvel em água igual ou
superior a 21%.
Fórmulas

Expressão dos Nutrientes (%)

4 – 14 – 8

100 kg: 4 kg N – 14 kg P2O5 – 8 kg K2O

Relação de uma fórmula e mínimos de garantia

Fórmulas Relação
4 – 14 – 8 1 – 3,5 – 2
4 – 16 – 8 1–4–2
10 – 10 – 10 1–1–1
27 – 3 –11 9 – 1 – 3,5
8 – 28 – 16 1 – 3,5 - 2
Mínimos de Garantia
N + P2O5 + K2O > 21 %
Classificação das Fórmulas quanto à concentração

a) Baixa < 25% Nutrientes

3 – 18 – 4

b) Média: 26 a 40% Nutrientes

10 –10 – 10

c)Alta> 40% Nutrientes

14 – 07 – 28
Maior uso no Brasil: 90%
63% do Total: Misturas mais ricas em P2O5
FÓRMULA
N - P2O5 - K2O
04 – 14 – 08

1t (1000kg)

40kg N - 140kg P2O5 - 80kg K2O

a) Fontes dos nutrientes


N – uréia – CO(NH2)2 – 45%N
P2O5 – SPS – CaH2PO4.CaSO4.2H2O – 18%P2O5
K2O – Cloreto de potássio (KCl) – 60%K2O
b) Quantidade de matéria-prima

1. K2O: 1000kg KCl – 600kg K2O


x – 80kg K2O
x = 133,33 kg KCl/t

2. P2O5: 1000kg SPS – 180kg P2O5


y – 140kg P2O5
y = 777,77 kg SPS/t

3. N: 1000kg uréia – 450kg N


z – 40kg N
z = 88,88 kg Uréia/t
88,88kg + 777,77kg + 133,33kg
Uréia SPS KCl

4. Total: 88,88 + 777,77 + 133,33 = 999,88kg

Portanto, fechou a fórmula.

5. Quantidade de nutrientes em:


1t: 40 + 140 + 80 = 260kg N+P2O5+K2O
6. Relação da fórmula: 04 – 14 – 08
(1) (3,5) (2)

c) Adubação de plantio de Milho

Necessidade: 40kg N – 140kg P2O5 – 80kg K2O/ha


(1) (3,5) (2)

d) Quantidade da fórmula

Portanto, 1000kg/ha 04 – 14 – 08

e) Fórmula mais concentrada: múltiplo da fórmula 04-14-08

2x 04 – 14 – 08 = 08-28-16

500kg/ha 08 – 28 – 16 = 520kg N+P2O5+K2O/ha


Concentração da formulação x Custo de transporte
3.2. Tolerância - Fertilizantes simples,
mistos e complexos (Anexo II)

a) Teores de N, P2O5, K2O, Ca, Mg e S

Tolerância Garantia no produto


(1) até 15,0%  5,0%
(2) até 10,0% 5 a 40,0%
(sem exceder 1 unidade)

(3) até 1,5 unidade > 40,0%


Ex.:

a) Uréia

CO(NH2)2 : 45,0%N

Logo: >40%  até 1,5 unidade

45,0 - 1,5 = 43,5%N

Portanto, o mínimo de N na uréia permitido por


lei é de 43,5%N.
b) Fosfato Monoamônico (MAP)

9,0% N
NH4H2PO4 48,0% P2O5 CNA + H2O
44,0% P2O5 : H2O

b1) N = 9,0% 5,0 a 40,0% (Garantia)


até 10,0% sem exceder 1 unidade

9,0 x 0,10 = 0,9


9,0 - 0,9 = 8,1% N ou
9,0 - 1,0 = 8,0% N

Portanto, o mínimo de N no MAP é de 8,1% N.


b2) P2O5 CNA + H2O = 48,0%

Garantia > 40%  até 1,5 unidade


48,0 - 1,5 = 46,5% P2O5 CNA + H2O

Portanto, o mínimo de P2O5 CNA + H2O é de


46,5% P2O5 (a tolerância, portanto é de 0,96%
P2O5).
No caso de fertilizantes mistos ou complexos,
somatória dos teores não poderá ser
inferior a 95% do teor total, sem exceder
2,0 unidades da garantia total do produto.

c) Na somatória de N e/ou P2O5


e/ou K2O, até 5,0%, sem exceder 2
unidades.
Ex.: 04 - 14 - 08

(1) Nitrogênio = 4%
15% de 04 = 0,6
4 - 0,6 = até 3,4% N

(2) Fósforo = 14%


10% de 14 = 1,4
14 - 1,4 = até 12,6% P2O5
 sem exceder 1,0 unidade
(3) Potássio = 8% 14 - 1,0 = 13%P2O5
10% de 8,0 = 0,8
8,0 - 0,8 = até 7,2% K2O (*)

 não exceder 1,0 unidade


8,0 - 1,0 = 7,0% K2O
04 - 14 - 08 =  N + P2O5 + K2O = 26
26 x 0,05 = 1,3
26,0 - 1,3 = 24,7 ( N + P2O5 + K2O)
sem exceder 2 unidades
26 - 2 = 24,0 ( N + P2O5 + K2O)
Portanto, valor tolerado = 24,7

Obs..: 3,4N + 13P2O5 + 7,2K2O = 23,6


(portanto, fora da legislação pelo critério dos
teores individuais)
3.2. Tolerância - Micronutrientes

a) Tolerâncias mínimas

1. Quando produzidos ou comercializados em


misturas.

Tolerância (%) Garantia (%)


até 20  1,0
até 15 1,0 a 5,0
até 10 > 5,0
Ex.: 04 - 14 - 08 + 0,5%B
0,5%B  < 1,0% (tolerância)
0,5%B x 0,2 = 0,1% (tolerância)
0,5 - 0,1 = 0,4%B

Portanto, valor mínimo é de 0,4%B.


2. Quando produzidos ou comercializados
isoladamente ou quando se tratar de fertilizantes
minerais simples constantes do Anexo II.

Até 10% sem exceder 1,0 unidade

Ex.: Sulfato de Zinco


ZnSO4.H2O : 20% Zn
 10% de 20 = 2
20,0 - 2,0 = 18,0%Zn
 20 - 1,0 = 19,0%Zn

Portanto, o teor mínimo de zinco é de


19,0%Zn.
b) Tolerâncias máximas

I- Com relação aos nutrientes garantidos ou


declarados dos produtos

a) Para os fertilizantes para aplicação via solo

(1) Para Boro (B), até 1,5 vez o teor declarado,


quando produzido ou comercializado em
misturas, e até 1/4 do valor declarado quando
produzido ou comercializado isoladamente.
(1.1) Em misturas

Ex.: 04 - 14 - 08 + 0,5%
Limite: 1,5 x 0,5 = 0,75%B
Portanto, 0,75% B (teor máximo)

(1.2) Comercialização isolado

Ex.: Ácido Bórico (H3BO3) = 17,0%B


17  4 = 4,25
17 + 4,25 = 21,25%B (valor máximo)
(2) Para manganês (Mn), zinco (Zn), cobre (Cu),

até 3 vezes o teor declarado desses nutrientes

quando produzidos ou comercializados em

misturas com macronutrientes primários e até

1/4 do valor declarado, quando produzidos ou

comercializados isoladamente.
2.1 - Em Misturas
Ex.: 4 - 14 - 8 +3,0%Zn
2,0%Mn
1,0%Cu

Zn: 3 x 3 = até 9,0% Zn


Mn: 2 x 3 = até 6,0% Mn
Cu: 1 x 3 = até 3,0% Cu
(2.2) Produtos Simples

Sulfato de Zinco: ZnSO4.H2O : 22%Zn

22  4 = 5,5

22 + 5,5 = 27,5%Zn (valor máximo permitido)


Fertilizante orgânico

Natural: Cama de frango, esterco de bovino, torta


de mamona

Controlado:
Compostagem: C/N (baixa) = C/N (alta)
esterco de curral + serragem de madeira
esterco de galinha + palha de milho

torta de filtro + bagaço de cana


Cama de frango

a) Tipo da cama: casca de arroz;casca de amendoim;


maravalha de madeira; resto de capineira;
b) Número de engordas, ou seja, quantos lotes
passaram pela cama;
c) Retirada da cama e presença de restos animais,
penas etc...

Tabela 1. Teores médios de nutrientes presentes na cama


de frango (%).
N P2O5 Total K2O Ca Mg S C/N M.O. Umidade

2,63 2,24 2,57 6,17 0,53 0,34 10,91 66,01 21,73


l) Fertilizante orgânico simples: produto natural de
origem vegetal ou animal, contendo um ou mais
nutrientes de plantas;
Ex.: Esterco de curral; Cama de frango; Torta de
mamona; Torta de filtro; Esterco de poedeira

m) Fertilizante orgânico misto: produto de natureza


orgânica, resultante da mistura de dois ou mais fertilizantes
orgânicos simples, contendo um ou mais nutrientes de plantas;

Esterco + Sangue
Esterco + Restos vegetais
Vinhaça + Tortas vegetais
n) Fertilizante orgânico composto: produto obtido por
processo físico, químico, físico-químico ou bioquímico,
natural ou controlado, a partir de matéria-prima de
origem industrial, urbana ou rural, animal ou vegetal,
isoladas ou misturadas, podendo ser enriquecido de
nutrientes minerais, princípio ativo ou agente capaz de
melhorar suas características físicas, químicas ou
biológicas;

Ex.: Compostagem
Umidade
Aeração
Materiais com diferentes C/N
COMPOSTAGEM
o) Fertilizante organomineral: produto
resultante da mistura física ou combinação de
fertilizantes minerais e orgânicos.

Fosfato Natural + Esterco de curral

Gesso Agrícola + Cama de frango


IV - Corretivo: produto de natureza inorgânica,
orgânica ou ambas, usado para melhorar as propriedades
físicas, químicas e biológicas do solo, isoladas ou
cumulativamente, ou como meio para o crescimento de
plantas, não tendo em conta seu valor como fertilizante,
além de não produzir característica prejudicial ao solo e
aos vegetais, assim subdividido: corretivos de acidez, de
alcalinidade ou de sodicidade
a) Corretivo de acidez: produto que
promove a correção da acidez do solo, além
de fornecer cálcio, magnésio ou ambos;

Calcário: Ca, Mg(CO3)2


Cal virgem: CaO
Cal hidratada: Ca(OH)2

Aumenta o pH do solo

CaMg (CO3)2  Ca++ + Mg++ + OH- + HCO-3


3OH- + H+  H2O
OH- + Al+++  Al(OH)3
XIII - Carga: material adicionado em
mistura de fertilizantes, para o ajuste de
formulação, que não interfira na ação destes
e pelo qual não se ofereçam garantias em
nutrientes no produto final.

Ex.: Granilha
Quartzo

Ver apostila de Legislação.


XV - Aditivo: qualquer substância
adicionada intencionalmente ao produto para
melhorar sua ação, aplicabilidade, função,
durabilidade, estabilidade e detecção ou para
facilitar o processo de produção.

Ex.: Óleo / Cera

Ver apostila de Legislação.


Contaminantes

- São agentes fitotóxicos, patogênicos


ao homem, animais e plantas, metais
pesados tóxicos, pragas e ervas
daninhas.

Ver Anexo VIII da apostila de Legislação.


1. Propriedades físicas, físico-químicas
e químicas dos fertilizantes e
corretivos

1.1. Atributos de natureza física


1.1.1. Natureza física
1.1.2. Granulometria
1.1.3. Dureza dos grânulos
1.1.4. Fluidez ou escoabilidade
1.1.5. Densidade
1.1. Atributos de natureza física

1.1.1. Natureza física

Via solo
(1) Sólido Via foliar
Fertirrigação
Hidroponia

(2) Fluido
Via solo
A classificação dos fertilizantes sólidos via solo
são:

a) Granulado e mistura granulada;


b) Mistura de grânulos;
c) Microgranulado;
d) Pó;
e) Farelado fino;
f) Farelado;
g) Farelado grosso.
Tabela. Natureza física e especificação granulométrica.
ESPECIFICAÇÃO GRANULOMÉTRICA
NATUREZA FÍSICA
Peneira Passante Retido
GRANULADO E MISTURA 4 mm (ABNT nº 5) 95% mínimo 5% máximo
GRANULADA: produto 1 mm (ABNT nº 18) 5% máximo 95% mínimo
constituído de partículas em que
cada grânulo contenha os
elementos declarados ou
garantidos do produto.
MISTURA DE GRÂNULOS: 4 mm (ABNT nº 5) 95% mínimo 5% máximo
produto em que os grânulos 1 mm (ABNT nº 18) 5% máximo 95% mínimo
contenham, separadamente ou
não, os elementos declarados ou
garantidos do produto.
Microgranulado 2,8 mm (ABNT nº 7) 90% mínimo 10% máximo
1 mm (ABNT nº 18) 10% máximo 90% mínimo
Pó 2,0 mm (ABNT nº 10) 100% 0%
0,84 mm (ABNT nº 20) 70% mínimo 30% máximo
0,3 mm (ABNT nº 50) 50% mínimo 50% máximo
Farelado Fino 3,36 mm (ABNT nº 6) 95% mínimo 5% máximo
0,5 mm (ABNT nº 35) 75% máximo 25% mínimo
5% máximo
25% mínimo
Farelado 3,36 mm (ABNT nº 6) 95% mínimo 5% máximo
0,5 mm (ABNT nº 35) 25% máximo 75% mínimo
Farelado Grosso 4,8mm (ABNT nº 4) 100% 0%
1,0 mm (ABNT nº 18) 20% máximo 80% mínimo

(*) Os fertilizantes sólidos destinados a aplicação foliar, fertirrigação e


hidroponia ficam dispensados de apresentar garantia granulométrica.
Sólido

- Granulado:
a) Mistura de grânulos:
adubos simples  misturador.

b) Granulado e Mistura Granulada


b1) Misturas granuladas:
adubos simples em pó  granulador e secador.

b2) Misturas complexas:


matérias primas em diferentes estados físicos 
reator, granulação e secagem

Mistura de Fertilizantes
Grânulos

Mistura de Grânulos
Grânulos
Mistura Granulada

A) Mistura de Grânulos: fertilizante composto


pela mistura mecânica de dois ou mais elementos
simples granulados.
= SPS
= KCl
= Uréia

Desvantagem: Existe problema de segregação


B) Mistura Granulada:
fertilizante composto
originado da mistura de produtos na forma de pó e
posteriormente granulado, tendo no mesmo dois ou
três macronutrientes primários.
= SPS + Uréia + KCl
(P2O5 + N + K 2O)

H2O N

N Misturador

Pó P2O5 Granulador

K2O Secador P2O5 K2O

Fertilizante simples pó Mistura granulada


Fluido

I- Solução verdadeira: soluções puras ou perfeitas.


Ex.: 32-00-00 (UAN), 20-00-00-04S (SULFURAN).

II- Suspensão homogênea: consistência espessa e


viscosidade alta.
amônia anidra ou aquamônia + ácido fosfórico, como
10-30-00, 06-30-00.

- Suspensão heterôgenea: 32-00-00, 10-30-00, 06-


30-00+ cloreto de potássio.
Ex.: 12-06-12, 16-4-16, 5-15-10.
1.1.2. Granulometria

Tamanho dos grãos

Segregação Densidade dos grãos


Formato dos grãos

Para evitar a segregação:

- Utilizar matérias-primas dentro de faixa granulométrica


adequada.

- Usar processos de manuseio adequados, desde a matéria-


prima até seu destino.

Melhor: FORMA ESFÉRICA


1.1.3. Dureza dos grânulos

Resistência a compressão; a abrasão; ao impacto.

Mole - Quando o grão pode ser rompido ao ser


comprimido entre os dedos indicador e polegar;

Mediamente Duro - Quando pode ser rompido ao


comprimirmos sobre uma superfície dura e com o dedo
indicador;

Duro - Quando não se rompe, mesmo comprimido sobre


uma superfície dura e com o dedo indicador.
1.1.4. Fluidez ou escoabilidade

Fluidez = escoamento dos fertilizantes sólidos

Comprometido: - higroscopicidade
- empedramento
- desuniformidade de tamanho e forma
das partículas

Fertilizantes fluidos: - natureza da mistura (solução ou


suspensão)
- viscosidade
- densidade

Fluidez compromete uniformidade da distribuição e rendimento da


aplicação.
1.1.4. Fluidez ou escoabilidade

Medida: Ângulo de repouso


Função: Higroscopicidade/ empedramento/
desuniformidade no tamanho/ forma das partículas
Afeta: Uniformidade de distribuição/ rendimento da
aplicação
Ângulo de repouso = arc tg x escala vertical (a)
escala horizontal (b)
ÂNGULO DE REPOUSO = 

a

Produto a b a/b 
Uréia 14,4 22,8 0,63 32,28
Gesso 16,9 18,6 0,91 42,26
Calcário 13,8 16,7 0,83 39,57
NPK: 6-12-6 14,3 19,8 0,72 35,84

Conclusão: A uréia por apresentar menor ângulo de repouso,


apresenta maior fluidez.
Determinação do ângulo de repouso.
2.2. ATRIBUTOS DE NATUREZA FÍSICO-QUÍMICA

2.2.1. SOLUBILIDADE

* alta solubilidade em água  perdas acentuadas

Lenta liberação de nutrientes (“Slow release”)

Ex.: uréia revestida com enxofre (SCU) ou uréia protegida


com formaldeído
PRODUTO DE SOLUBILIDADE (PS): é a quantidade máxima do fertilizante ou
corretivo (em gramas) que conseguimos dissolver em 100 mL de água.

Tabela 5. Produto de solubilidade de alguns fertilizantes


Fertilizantes Produto de solubilidade
(g/100 mL água) a 20ºC
Ácido fosfórico 45,7
Ácido bórico 5
Cloreto de cálcio 60
Cloreto de potássio 34
DAP 40
MAP 22
Gesso 0,241
Nitrato de amônio 190
Nitrato de potássio 31
Sulfato de amônio 73
Sulfato de potássio 11
Superfosfato simples 2
Superfosfato triplo 4
Sulfato de manganês 105
Sulfato de zinco 75
Sulfato de cobre 22
Uréia 100
2.2.2) HIGROSCOPICIDADE

Conceito: é a propriedade que um adubo possui de


absorver água da atmosfera

Umidade crítica: umidade relativa do ar em que o adubo


inicia a absorção de água

Ex.: nitrato de amônio  UR = 59,4

Interpretação: quando a temperatura estiver a 30ºC e a


umidade relativa da atmosfera estiver acima de 59,4%
o nitrato de amônio absorverá água.

Misturas: uréia + nitrato de amônio a 30ºC  Umidade


crítica = 18%
Umidades críticas de fertilizantes e misturas a 30ºC. Valores em
porcentagem de umidade relativa.
2.2.3) Empedramento

Cimentação das partículas do fertilizante


formando uma massa de dimensões muito
maiores que a das partículas originais

Causas: Efeito Químico


Efeito Físico

2.2.4. Índice Salino


Medida da tendência do adubo para aumentar a pressão
osmótica da solução do solo comparada à de igual peso
de nitrato de sódio, cujo valor é igual a 100.

Ex.: cloreto de potássio, nitrato de amônio, uréia


Tabela 6. Índice salino de diversos fertilizantes, calculados em
relação ao nitrato de sódio tomado como índice 100.
Fertilizantes Índice salino

Nitrato de sódio 100


Nitrato de amônio 105
Sulfato de amônio 69
DAP 30
MAP 34
Nitrocálcio 61
Uréia 75
Amònia anidra 47
Superfosfato 8
simples
Superfosfato triplo 10
Cloreto de potássio 116
Sulfato de potássio 46
Nitrato de potássio 74
2.3.2. Formas e garantias dos nutrientes

a) Teor total
Ex.: nitrogênio

b) Teor solúvel em água


Ex.: Potássio (K2O)

c) P2O5
Água
Água + Citrato neutro de amônio (CNA + H2O)
Ácido Cítrico a 2,0% (1:100) (HCi)
Total

d) Micronutrientes
Teor Total: todos
CNA + H2O: Cu e Mn (mínimo 60% do teor total)
HCl a 2,0%: demais micro (mínimo 60% do teor total)
2.3.4. Poder acidificante dos adubos

Conceito: índice de acidez de um fertilizante 


quilogramas (kg) de carbonato de cálcio
necessários para neutralizar a acidez originada
pelo uso de 100 kg do fertilizante.

Adubos amoniacais: caráter ácido, pela


presença do íon amônio (NH4) - nitrificação

2 NH4+ + O2 NO2- + 4H+


H2O
Tabela 10. Índice de acidez de alguns fertilizantes

Fertilizante Índice Acidez


Amônia anidra (83%N) 147

Sulfato de amônio (20%N) 110

Nitrato de amônio (34%N) 62

Uréia (45%N) 71

MAP (9%N) 58

DAP (16%N) 75

Quanto > N, > Índice de Acidez


Sulfato de amônio: alta lixiviação
N/S  1,0/1,0
2.3.5. Índice de basicidade

É a quantidade em kg de CaCO3 que exercem a mesma ação


neutralizadora de 100 kg do fertilizante.

Ex.: I.B. do Termofosfato = 50

50kg CaCO3  100kg de Termofosfato

Tabela 11. Índice de basicidade (IB) de fertilizantes.

Fertilizantes I.B.
Termofosfato 50
Escorias de desfosforização e Escorias silicatadas 50-65
Fosfato natural reativo 20(*)
(*) Valor médio.
3. Mistura de adubos

As misturas podem ser: Compatíveis; Semi-compatíveis


e/ou Incompatíveis
* Semi-compatíveis  misturar um pouco antes da aplicação

Ex.: Uréia + Superfosfatos

* Incompatíveis  não podem ser misturados

Ex1.: Uréia + Termofosfatos

CO(NH2)2  NH4+ + OH-  NH3 + H2O

Ex2: Fontes de cálcio + fontes contendo sulfato (fertirrigação)


CaNO3 + (NH4)2SO4  Incompatível, pela formação de CaSO4
(insolúvel)
Dúvidas?

Você também pode gostar