Você está na página 1de 5

AGÊNCIA DA GUARDA CIVIL METROPOLITANA DE GOIÂNIA

GERENCIA DE PESQUISA, ESTUDO, ENSINO E CAPACITAÇÃO

10º CURSO DE QUALIFICAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO

LEONDERSON DIVINO DA SILVA MENDES

TEXTO DISSERTATIVO

POLICIAMENTO PREVENTIVO TEM SIDO PRATICADO PELA GCM?

Goiânia

2019
Policiamento preventivo tem sido praticado pela GCM?

É bem evidente a crise que, a segurança pública vem apresentando ao


longo dos anos, porém esta situação chamou a atenção e se deu início a um
período de transformações, quebra de paradigmas e investimentos, tais como a
participação efetiva dos municípios perante a segurança pública de seus
munícipes, tendo como ente principal as Guardas Civis de todo o Brasil. Debates
têm sido realizados, leis promulgadas, com foco não somente na proteção de
bens, serviços e instalações, mas também na proteção de suas populações,
levando as principais capitais brasileiras a buscar apoio do governo federal para
criar ou melhorar estrutura, formação e aparelhamento dos Guardas Civis,
colocando os olhares para o controle da violência e redução da criminalidade em
suas respectivas áreas de atuação. Por esforços, a Secretaria Nacional de
Segurança Pública, procura consolidar o paradigma da Segurança Cidadã,
através do Policiamento Comunitário.

Na constituição federal de 1988, as Guardas Civis não são inclusas no


caput do artigo 144, porém faz parte deste artigo, sendo elencado no parágrafo
8º, e a união, estados e municípios, despertaram para importância das Guardas
Civis, para controle da criminalidade e da violência, através do policiamento
preventivo. Nesse contexto segue a importância de se dialogar sobre a
segurança cidadã e a garantia do policiamento comunitário e sua contribuição
para redução da criminalidade nas cidades brasileiras. Tem se notado enorme
questionamento, sobre inconstitucionalidade das ações destes agentes de
segurança pública, porém os municípios legislaram sobre o assunto e
regulamentaram a nível municipal a atuação de suas Guardas Civis, embora a
maioria dos gestores públicos municipais, não tenham mesma visão. Em 2014
foi sancionada a lei 13.022, que regulamentou a nível federal, as ações das
Guardas Civis, e de fato fez a inclusão destes agentes na efetiva segurança
pública, além de cobrar dos gestores públicos municipais, formação e
aparelhamento das corporações já existentes.
A segurança cidadã propõe uma gestão articulada, com políticas de
repressão e prevenção qualificada visando reduzir a incidência de crimes,
propondo de forma pontual e efetiva através de diálogo e cooperação
interinstitucional e participação social, o melhor meio de gerir questões
relacionadas à proteção dos direitos e garantias do cidadão. É nessa noção de
segurança cidadã que emerge a importância da responsabilidade dos municípios
em promover de forma compartilhada, também o controle da violência e da
criminalidade no cenário da segurança pública atual. Isso fica bem claro quando
da leitura do art. 3º do capítulo II, da referida lei em seus princípios:
(...) Art. 3o. São princípios mínimos de atuação das
guardas municipais:
I - proteção dos direitos humanos fundamentais, do
exercício da cidadania e das liberdades públicas;
II - preservação da vida, redução do sofrimento e
diminuição das perdas;
III - patrulhamento preventivo;
IV - compromisso com a evolução social da
comunidade; e

V - uso progressivo da força.

O fundamento de polícia comunitária é a integração entre policiais e a


comunidade, sendo dever da polícia, nesse caso, agir preventivamente com os
cidadãos para identificar e solucionar os problemas. Essa integração entre a
polícia e a comunidade envolve a participação do policiamento ostensivo e
investigativo, cujas políticas são amparadas pela sociedade de maneira
democrática. Em que tanto as responsabilidades quanto a manutenção da paz
social e da ordem pública não cabem somente à polícia, mas também a todos
os cidadãos.

As atuações das Guardas Civis, na proteção de bens, serviços e


instalações, fazem com que os Guardas Civis, estejam mais próximos do
cidadão, onde está presente em escolas, unidades de saúde, centros de
referência em assistência social, em eventos sociais e comunitários nos bairros,
dentre outros locais nos limites dos municípios. O crime acontece dentro das
comunidades, e também dentro destes próprios públicos que atendem toda a
sociedade, e a parceria entre Guarda Civil e sociedade, traz benefícios diretos.
Destaca se a inclusão da Guarda Civil em Conselhos Locais de Segurança
Pública, e também a criação de Gabinetes de Gestão Integrada, que integra
todos os órgãos da municipalidade e também os órgãos ligados ao Estado que
representam a segurança pública estadual.

Desde então as Guardas Civis, tem planejado ações efetivas que busque
essa colaboração comunitária. Pode se citar o programa Goiânia mais segura,
realizado pela Guarda Civil Metropolitana de Goiânia, que teve seu plano piloto
no ano de 2010, em uma região de grande incidência de criminalidade e violência
da cidade de Goiânia, e que apresentou diminuição, nos dados estatísticos para
o crime e violência. A atuação se deu com o propósito de ir ao cidadão, de buscar
saber quais as dificuldades enfrentadas por aquela comunidade, e de posse
destas informações, planejar ações diretas e indiretas orientadas ao problema,
com uso de policiamento a pé e motorizado. A comunidade se tornou parte
essencial neste propósito. A partir deste plano piloto, este se tornou programa e
tem desde então, se desenvolvido por várias regiões de Goiânia, e também com
parceria financeira do Governo Federal. Além desta atuação do programa, as
unidades que trabalham diretamente com a proteção dos bens, serviços e
instalações, em cada região da cidade, se desenvolveram e trouxeram o
policiamento comunitário para dentro destas unidades públicas, integrando
Guardas Civis, servidores e comunidade, aliás há de se ressaltar que a
comunidade usa todos estes lugares diariamente, inclusive praças e parques.
Várias outras formas de aproximação com as comunidades, têm sido feitas
ultimamente, e pode se destacar a visita à comunidade, inserida na região de
próprios públicos, efetivação de demandas levantadas dentro as reuniões dos
conselhos locais de segurança pública, realização de parcerias com demais
órgãos, incluindo os órgãos policiais estaduais.

Pode se ver que outras atividades da Guarda Civil Metropolitana de


Goiânia, se mostram efetivas, são elas o Programa Anjos da Guarda, que leva
prevenção de forma lúdica, atendendo diretamente as crianças de escolas,
creches e outros. Banda de música da GCM, que leva através da música a
cidadania e deixa o laço entre comunidade e Guarda Civil, mais apertado.

Pode se concluir que, a Guarda Civil, tem sim realizado o policiamento


comunitário, e mesmo diante de dificuldades enfrentadas pelos Guardas Civis
diuturnamente, estas ações de policiamento comunitário tem se mostrado
efetivas, e tem dado resultado positivo perante a comunidade e na prevenção
contra furtos e roubos em próprios públicos. É notório que se necessite de uma
evolução rápida de ações preventivas, formação, remuneração, investimentos a
nível federal, estadual e municipal, e participação maior de todos os agentes
envolvidos e comunidades.

Interesses relacionados