Você está na página 1de 38

Compressibilidade,

Adensamento e
Recalques no Solo
Prof.ª FLÁVIA GONÇALVES
Curso de Engenharia Civil – UNOPAR

Londrina, 2017
Torre
de Piza

2
Santos/SP

3
4
Cidade do México

5
Compressibilidade, Adensamento
e Recalques no Solo
• Definições:

– COMPRESSIBILIDADE DOS SOLOS é a diminuição do


volume sob a ação de cargas aplicadas.
– ADENSAMENTO é o processo lento e gradual de redução
do índice de vazios de um solo por expulsão do fluido
intersticial e transferência da pressão do fluído para a
estrutura sólida.
– DIFERENTE de COMPACTAÇÃO é o processo manual ou
mecânico de redução do índice de vazios, por expulsão do
ar.

6
Compressibilidade, Adensamento
e Recalques no Solo
• Definições:

– COMPRESSIBILIDADE DOS SOLOS é a diminuição do


volume sob a ação de cargas aplicadas.
– ADENSAMENTO é o processo lento e gradual de redução
do índice de vazios de um solo por expulsão do fluido
intersticial e transferência da pressão do fluído para a
estrutura sólida.
– RECALQUE ou ASSENTAMENTO designa o fenômeno que
ocorre quando uma obra sofre um rebaixamento devido
ao adensamento do solo sob sua fundação

7
Compressibilidade
• É a característica de todos os materiais de quando submetidos
a forças externas (carregamentos) se deformarem

• Um esforço de compressão aplicado a um sistema multifásico


faz com que ele varie seu volume devido a:
PARA SOLO:
– compressão da fase sólida,
Desprezíveis
– compressão da fase fluída ou
– drenagem da fase fluida dos vazios.

8
Compressibilidade
• É a característica de todos os materiais de quando submetidos
a forças externas (carregamentos) se deformarem

• As deformações do solo podem ser subdividida em 3 categorias:

– DEFORMAÇÕES ELÁSTICAS: associadas a variações


volumétricas totalmente recuperadas após a remoção do
carregamento

9
Compressibilidade
• É a característica de todos os materiais de quando submetidos
a forças externas (carregamentos) se deformarem

• As deformações do solo podem ser subdividida em 3 categorias:

– DEFORMAÇÕES PLÁSTICAS: induzem a variações


volumétricas permanentes

• expulsão da água presente nos vazios (solo saturado) –


ADENSAMENTO PRIMÁRIO

10
Compressibilidade
• É a característica de todos os materiais de quando submetidos
a forças externas (carregamentos) se deformarem

• As deformações do solo podem ser subdividida em 3 categorias:

– DEFORMAÇÕES VISCOSAS: ou fluência, são associadas a


variações volumétricas sob estado de tensões constante

• variação do volume de vazios devido ao deslocamento


relativo entre partículas – ADENSAMENTO SECUNDÁRIO

11
Recalque de Solo

𝜌𝑡 = 𝜌𝑖 +𝜌𝑎 +𝜌𝑠
Recalque Recalque Recalque Recalque
Total Imediato Primário ou por Secundário
Adensamento
Teoria da Elasticidade Serão Abordados nos
Será Visto na disciplina de Fundações Próximos Itens

• Solos Granulares – Somente recalques imediatos


• Solos Coesivos/Finos – Podem ocorrer as 3 parcelas

12
Recalque de Solo

13
• A saída dessa água dependerá da permeabilidade do solo:

– Para as areias, em que a permeabilidade é alta, a água é


drenada fácil e rapidamente;

– Para as argilas, a expulsão de água dos vazios demora


(muito) mais tempo, até que o solo atinja um novo estado
de equilíbrio. Essas variações volumétricas nos solos finos,
ao longo do tempo, constituem o fenômeno de
ADENSAMENTO.

14
Imagine um perfil geotécnico constituído de um solo argiloso saturado,
homogêneo e com uma superfície do terreno horizontal, portanto não há
tensões tangenciais nas faces do prisma.

Em uma pequena fração deste solo a ser


analisada, recorda-se a existência três planos
ortogonais onde há tensões atuantes
(tensões principais - σ1, σ2 e σ3). Um
elemento de solo saturado está inicialmente
sob estas tensões, com uma pressão neutra
(u0) e sem variação de volume (V = V0).

15
Quando o mesmo elemento sofre um acréscimo triaxial de tensões (Δσ1,
Δσ2 e Δσ3) ocorre simultaneamente um aumento da poro-pressão (u0)
devido a baixa permeabilidade do solo.

A medida que a pressão neutra (excesso - Δu) se dissipa, pela saída de água, as
deformações vão aparecendo (recalques), portanto o volume do elemento diminui
(V < V0).

16
Teoria de Adensamento
de Terzaghi
• Permite obter uma avaliação da dissipação das sobre
PRESSÕES HIDROSTÁTICAS (excesso de pressão neutra gerada pelo
carregamento) e, consequentemente, da variação de volume ao
longo do tempo, a que um elemento, de solo estará sujeito,
dentro de uma camada compressível.

• A partir dos princípios da Hidráulica, Terzaghi elaborou a sua


teoria, entretanto, precisou fazer algumas simplificações para
o solo. As hipóteses básicas de Terzaghi são:

17
Teoria de Adensamento
de Terzaghi
a) O solo é homogêneo e saturado
b) Partículas sólidos e água contida nos vazios do solo são
incompressíveis
c) A compressão (deformação) e a drenagem do solo são
adotadas como Unidimensionais (VERTICAL)
d) As propriedades do solo ao longo do tempo permanecem
constantes
e) Validade da Lei de Darcy (v = k . i)
f) Há linearidade entre a variação do índice de vazios e as
cargas aplicadas.

18
Analogia mecânica de Terzaghi - Taylor

Solo (esqueleto)  Mola


Compressibilidade do solo  Deformação da mola
Água  Água
Válvula  Coef. de permeabilidade

19
20
Teoria de Adensamento
de Terzaghi
• Sabe-se que que o adensamento é o fenômeno pelo qual os
recalques ocorrem com a expulsão de água do interior dos
vazios do solo.
• Analogia mecânica de Terzaghi – proposta por Taylor
- O solo saturado é representado por uma mola dentro de um
pistão cheio de água, no êmbolo do qual existe um orifício de
reduzida dimensão pela qual a água só passa lentamente;
- Ao se aplicar uma carga sobre o pistão, no instante
imediatamente seguinte, a mola não se deforma, pois ainda não
terá ocorrido qualquer saída de água, que á muito mais
compressível que a água. Com a água em carga, ela começa a
sair do pistão provocando deformação.
21
Teoria de Adensamento
de Terzaghi
• Compreende-se facilmente esse mecanismo de transferência de
pressões, utilizando-se a analogia da mecânica de Terzaghi, onde
as molas representam as partículas sólidas do solo, e os furos
capilares nos êmbolos, os seus vazios. É claro que a pressão nas
molas (ou seja, nas partículas sólidas) aumenta à medida que a
água escapa pelos furos (através dos vazios do solo).
• Com a expulsão da água intersticial da camada compressível
considerada, o volume dos seus vazios vai diminuindo e,
consequentemente, o seu volume total. Como a camada está
confinada lateralmente, a redução do volume se dará pela
redução de altura. Esta redução de altura é o que se denomina
recalque por adensamento.
22
Processo de Adensamento
Situação Real
q
Na Na

z ues t = to - 1 z ues ues t = to

Impermeável Impermeável

q t
Na q
Na
ues
z ues t = to + 1 z ues t=

Impermeável Impermeável

23
Adensamento

24
Adensamento
• Condições de fluxo para determinar a altura de drenagem:

𝑨𝒍𝒕𝒖𝒓𝒂 𝒅𝒂 𝑪𝒂𝒎𝒂𝒅𝒂
d 𝑯𝒅 =
𝑵º 𝒅𝒆 𝑭𝒂𝒄𝒆𝒔 𝑫𝒓𝒆𝒏𝒂𝒏𝒕𝒆

25
Porcentagem de Adensamento
• O progresso do processo de adensamento em um ponto pode
ser expresso pela porcentagem de adensamento definida
como:

onde: ∆Vt  variação de volume após um tempo “t”


∆Vt=∞  variação de volume após adensamento total “t =∞”
∆ut  pressão neutra após tempo “t”
∆ut=∞  pressão neutra após “t =∞”
ue  sobrepressão hidrostática logo após a aplicação da carga
u  sobrepressão num tempo “t”
u0  pressão neutra existente na água

26
FATOR TEMPO (T)
no Processo de Adensamento
• O progresso do processo de adensamento em um ponto pode
ser expresso pela porcentagem de adensamento definida
como:

onde: T Fator tempo (admissional; exclui da solução todas as características do solo que
interferem no adensamento, RESULTANDO EM UM COEFICIENTE COMPARÁVEL)
Cv  coeficiente de consolidação/adensamento
t  tempo
Hd  altura de drenagem
k  coeficiente de permeabilidade dos solo
𝛾𝑤  peso específico (ou massa específica) da água
mv  coeficiente de variação volumétrica (inverso do módulo de elasticidade: mv = 1/E)

27
Solução gráfica da equação de adensamento
- Grau de adensamento localizado

28
100 kN/m²

NT = NA

29
T = 0,044

u0 + q q – % Uz

𝑢 = 𝑢𝑒 − (𝑈𝑧 × 𝑢𝑒 − 𝑢0 )
Para t = 0 (logo após o carregamento) a
pressão neutra aumentou de 100 kN/m² em
todos os pontos

30
32
33
E para t = 20 anos? T = 0,175

u0 + q q – % Uz

𝑢 = 𝑢𝑒 − (𝑈𝑧 × 𝑢𝑒 − 𝑢0 )

34
E para t = 20 anos? T = 0,175
0 50 100 150 200 250
0 u0 + q 𝑢 = 𝑢𝑒 q−–(𝑈𝑧
% Uz× 𝑢𝑒 − 𝑢0 )

2 Pressão neutra após o


carregamento
4 Pressão neutra após 20
anos
6
Pressão neutra inicial e ao
8 final do adensamento

10

12

14

35
Solução da equação de adensamento
- Grau de adensamento MÉDIO

36
Solução da equação de adensamento
- Grau de adensamento MÉDIO
Fator tempo em função da porcentagem de recalque para adensamento pela Teoria de Terzaghi

37
• Próxima aula...

Ensaio de Adensamento
Exercícios - Adensamento

38
TRABALHO
Fazer um trabalho escrito sobre as obras de terra a seguir:
• Estruturas de contenção ou de arrimo (muro de gravidade, atirantado, de
flexão, de contraforte, gabião, necessidade de sistemas de drenagem em
muros, novas técnicas)
• Escoramento (cortinas estaca-prancha; Paredes diafragma, Paredes de
estacas justapostas e secantes)
• Solos reforçados (solo grampeado e terra armada).

ENTREGA: 04, 05 ou 06 de JUNHO - em duplas / trios

“Apresentação” de um Exercício/Exemplo Prático


de Dimensionamento/Implantação