Você está na página 1de 6

UNIDADE INTEGRADA Dr.

FRANCISCO Professor:
BATISTA
Rua Presidente Médici S/N Centro Data: ____/____/_______ Nota:
Alto Alegre do Pindaré - MA Ano: ________Turma: _________ __________

Aluno (a): ____________________________________________________ Data de Nascimento:_____ /_____ / ____


Disciplina: ____________________________________

TEXTO 1

Gráfico 01 Gráfico 02

Chuva
(mm)

MOREIRA, Ígor. Construindo o espaço humano; Geografia – 5ª série; ed.Ática, p.170,171.

QUESTÃO 1 (Descritor: localizar informações num texto)

Assunto: Procedimentos de leitura

Os gráficos são utilizados para representar dados. A quantidade de chuvas em um período é


representada em um gráfico de precipitações pluviométricas. A partir da leitura desses gráficos
NÃO se pode afirmar que

a) O eixo horizontal indica o período / tempo a ser analisado.


b) O gráfico 2 foi construído com colunas e percebe-se, com clareza, o período chuvoso e o
período da seca.
c) O eixo vertical indica a quantidade de chuva em mm.
d) O gráfico 1 é mais eficiente, pois as retas deixam claras as diferenças entre os períodos
chuvosos e os secos.

Texto 2

SEDUCE-GO 2012). Leia o texto abaixo e, a seguir, responda às questões 1, 2, 3 e 4:

A incapacidade de ser verdadeiro

Paulo tinha fama de mentiroso. Um dia chegou em casa dizendo que viu no campo dois
dragões da independência cuspindo fogo e lendo fotonovelas.

A mãe botou-o de castigo, mas na semana seguinte ele veio contando que caíra no
pátio da escola um pedaço de lua, todo cheio de buraquinhos, feito queijo, e ele provou e
tinha gosto de queijo. Desta vez Paulo não só ficou sem sobremesa como foi proibido de
jogar futebol durante quinze dias.

Quando o menino voltou falando que todas as borboletas da Terra passaram pela
chácara de Siá Elpídea e queriam formar um tapete voador para transportá-lo ao sétimo céu,
a mãe decidiu levá-lo ao médico. Após exame, o Dr. Epaminondas abanou a cabeça:

— Não há nada a fazer, dona Coló. Este menino é mesmo um caso de poesia.
(Carlos Drummond de Andrade. Deixa que eu conto. São Paulo. Ática, 2002)

QUESTÃO 2 Paulo foi proibido de jogar futebol porque

A) contou que caiu no pátio da escola um pedaço de lua.


B) falou que Siá Elpidía havia se transformado em borboleta.
C) afirmou que todas as borboletas da terra queriam transportá-lo para o sétimo céu.
D) disse que viu no campo dois dragões da independência, cuspindo fogo e lendo
telenovelas.

QUESTÃO 3- Dr. Epaminondas considera Paulo um caso de poesia por suas mentiras serem

A) bobas e comuns.
B) comuns e interessantes.
C) criativas e emocionantes.
D) desinteressantes e absurdas.

TEXTO (SEDUCE-GO - 1ª P.D - 2013). Leia o texto abaixo

Giba Pedrosa

Diz que era uma vez um homem que era o mais preguiçoso que já se viu debaixo do céu
e acima da terra. Ao nascer nem chorou, e se pudesse falar teria dito:

"Choro não. Depois eu choro".

Também a culpa não era do pobre. Foi o pai que fez pouco caso quando a parteira
ralhou com ele: "Não cruze as pernas, moço. Não presta! Atrasa o menino pra nascer e ele
pode crescer na preguiça, manhoso".

E a sina se cumpriu. Cresceu o menino na maior preguiça e fastio. Nada de roça, nada
de lida, tanto que um dia o moço se viu sozinho no pequeno sítio da família onde já não se
plantava nada. O mato foi crescendo em volta da casa e ele já não tinha o que comer. Vai
então que ele chama o vizinho, que era também seu compadre, e pede pra ser enterrado
ainda vivo. O outro, no começo, não queria atender ao estranho pedido, mas quando se
lembrou de que negar favor e desejo de compadre dá sete anos de azar...

E lá se foi o cortejo. Ia carregado por alguns poucos, nos braços de Josefina, sua rede de
estimação. Quando passou diante da casa do fazendeiro mais rico da cidade, este tirou o
chapéu, em sinal de respeito, e perguntou:

"Quem é que vai aí? Que Deus o tenha!"


"Deus não tem ainda, não, moço. Tá vivo."

E quando o fazendeiro soube que era porque não tinha mais o que comer, ofereceu dez
sacas de arroz. O preguiçoso levantou a aba do chapéu e ainda da rede cochichou no ouvido
do homem:

"Moço, esse seu arroz tá escolhidinho, limpinho e fritinho?"

"Tá não."

"Então toque o enterro, pessoal."


Disponível em: http://revistaescola.abril.com.br/. Acesso:19/11/2012.

QUESTÃO 4 O vizinho aceitou enterrar o compadre vivo porque

A) o mato estava crescendo em volta da casa do compadre.


B) negar um pedido de compadre dá sete anos de azar.
C) o compadre morava sozinho no sítio da família.
D) acabara tudo que o compadre tinha para comer.

(SEDUCE-GO - 1ª P.D - 2014). Leia o texto abaixo e, a seguir, responda as


questões 1, 2 e 3:
Gato pensa?
Dizem que gato não pensa
mas é difícil de crer.
Já que ele também não fala
como é que se vai saber?

A verdade é que o Gatinho,


quando mija na almofada,
vai depressa se esconder:
sabe que fez coisa errada.

E se a comida está quente,


ele, antes de comer,
muito calculadamente,
toca com a pata pra ver.

Só quando a temperatura
da comida está normal,
vem ele e come afinal.

E você pode explicar


como é que ele sabia
que ela ia esfriar?
Ferreira Gullar, “um gato chamado Gatinho”, Editora Salamandra,2000.http://www.antoniomiranda.com.br/ poesia_infantil/ferreira_gullar.html
QUESTÃO 5

No verso “E você pode explicar”, o poeta conversa com


A
o gato.
B

o leitor.
C

a almofada.
D

a comida.

(SEDUCE-GO - 1ª P.D - 2016). Leia os textos abaixo e, a seguir,


responda.

Disponível em: http://www.filedegato.com. Acesso em: 06 dez. 2015.


QUESTÃO 6

No primeiro quadrinho, a expressão “cai na real...” significa que


Felpudo precisa
A

andar com duas patas como os pais.


B

entender a realidade sobre os pais.


C
ser parecido com os pais.
D

ter bigode como o pai.


Leia e responda.
Como opera a máfia que transformou o Brasil num dos campeões da fraude de
medicamentos

É um dos piores crimes que se podem cometer. As vítimas são homens, mulheres e
crianças doentes — presas fáceis, capturadas na esperança de recuperar a saúde perdida.
A máfia dos medicamentos falsos é mais cruel do que as quadrilhas de narcotraficantes.
Quando alguém decide cheirar cocaína, tem absoluta consciência do que coloca no corpo
adentro. Às vítimas dos que falsificam remédios não é dada oportunidade de escolha. Para
o doente, o remédio é compulsório. Ou ele toma o que o médico lhe receitou ou passará a
correr risco de piorar ou até morrer. Nunca como hoje os brasileiros entraram numa
farmácia com tanta reserva.

QUESTÃO 7 . (D1) Segundo a autora, “um dos piores crimes que se podem cometer”
é:
venda de narcóticos.
a falsificação dos remédios.
a receita de remédios falsos.
a venda abusiva de remédios.

A assembleia dos ratos

Um gato de nome Faro-Fino deu de fazer tal destroço na rataria duma casa velha que os
sobreviventes, sem ânimo de sair das tocas, estavam a ponto de morrer de fome.
Tornando-se muito sério o caso, resolveram reunir -se em assembleia para o estudo da
questão. Aguardaram para isso certa noite em que Faro- Fino andava aos miados pelo
telhado, fazendo sonetos à lua.
— Acho – disse um deles - que o meio de nos defendermos de Faro-Fino é lhe atarmos
um guizo ao pescoço. Assim que ele se aproxime, o guizo o denuncia e pomo- nos ao
fresco a tempo.
Palmas e bravos saudaram a luminosa ideia. O projeto foi aprovado com delírio. Só votou
contra um rato casmurro, que pediu a palavra e disse:
—Está tudo muito direito. Mas quem vai amarrar o guizo no pescoço de Faro-Fino?
Silêncio geral. Um desculpou-se por não saber dar nó. Outro, porque não era tolo.
Todos, porque não tinham coragem. E a assembleia dissolveu-se no meio de geral
consternação.
Dizer é fácil - fazer é que são elas!
LOBATO, Monteiro. in Livrodas Virtudes –William J. Bennett – Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1995. p. 308.

QUESTÃO 8 . (D1) Na assembleia dos ratos, o projeto para atar um guizo ao pescoço do
gato foi
a) (A) aprovado com um voto contrário.
b) (B) aprovado pela metade dos participantes.
c) (C) negado por toda a assembleia.
d) (D) negado pela maioria dos presentes.

Interesses relacionados