Você está na página 1de 9

A Liderança como Ferramenta Essencial na Gestão Pública: uma

análise do perfil de liderança do Secretário de Administração de um


município do Estado da Bahia

Marli Márcia Nascimento Santos (Universidade Estácio de Sá) marlijere@hotmail.com

Resumo:

A liderança é de extrema importância na Gestão Pública, uma vez que é responsável pelo o
direcionamento das pessoas ao alcance das metas e objetivos, levando-as ao sucesso, visto que o
sucesso ou fracasso das organizações depende da maneira pela qual será conduzida. Na atualidade, a
empresa pública passa a focar no cidadão, buscando com isso atender aos seus anseios. Essa
preocupação com resultados e com a satisfação do público ocasiona tanto na redução de custos como
na melhora da qualidade dos serviços prestados à população. Este trabalho mostra a importância da
liderança na Gestão Pública, analisando o perfil de liderança do Secretário de Administração de um
município do Estado da Bahia. Quanto aos objetivos, a metodologia utilizada para a realização desta
pesquisa foi a pesquisa descritiva; quanto aos procedimentos, esta pesquisa é tipificada como
bibliográfica e estudo de caso, tendo como instrumento de coleta de dados a observação in loco, no
período de 02 de janeiro a 02 de junho de 2017. Foi observado que o gestor possui o perfil do líder
contemporâneo, uma vez que inspira e influencia seus liderados, tem postura amigável, sincera,
corajosa, age com transparência, empatia, dá liberdade aos liderados e está aberto a mudanças,
conseguindo com isso, engajar toda equipe na execução dos projetos estratégicos.

Palavras chave: Liderança. Gestão Pública. Satisfação.


Leadership as an Essential Tool in Public Management: an analysis of
the leadership profile of the Secretary of Administration of a
municipality in the State of Bahia

Abstract:

Leadership is of the utmost importance in Public Management, since it is responsible for directing
people towards the goals and objectives, leading them to success, since the success or failure of
organizations depends on the way in which they will be conducted. Nowadays, the public company
focuses on the citizen, seeking to meet their expectations. This concern with results and with the
satisfaction of the public causes both the reduction of costs and the improvement of the quality of the
services provided to the population. This work shows the importance of leadership in Public
Management, analyzing the leadership profile of the Secretary of Administration of a municipality in
the State of Bahia. Regarding the objectives, the methodology used to carry out this research was the
descriptive research; As for the procedures, this research is typified as bibliographical and case study,
having as an instrument of data collection the observation in loco, from January 2 to June 2, 2017. It
was observed that the manager has the profile of the leader Contemporary, as it inspires and influences
its leaders, has a friendly, sincere, courageous attitude, acts with transparency, empathy, gives freedom
to the leaders and is open to change, managing to engage all the team in the execution of the strategic
projects.

Key-words: Leadership. Public Administration. Satisfaction

1 Introdução

O sucesso ou fracasso das organizações depende da maneira pela qual será conduzida. Neste
sentido, surge a importância das pessoas na administração, destacando-se a figura do
administrador, que, além de administrar a empresa, direciona as pessoas aos objetivos tanto
pessoais como organizacionais.

Muito mais que administradores, as organizações precisam de líderes capazes de influenciar


os outros a atingir metas. Há líderes que, com seu carisma, conseguem atrair grande número
de seguidores; outros são mais liberais; já outros apostam na participação do grupo; outros
ainda são mais duros e utilizam-se da hierarquia como meio de fazer com que seus liderados
atinjam as metas propostas.

Surge a necessidade do desenvolvimento de competências essenciais, pois, independente das


mudanças que venham a ocorrer, não se tornarão obsoletas. Essas competências se resumirão
no conhecimento acerca da organização, seu ambiente interno e externo, na capacidade e
habilidade de solucionar problemas e conduzir negócios e sua atitude no enfrentamento e
resolução dos problemas cotidianos.

Tão importante como na gestão privada, a liderança na gestão pública precisa ser entendida e
explorada, uma vez que se tornou cada vez mais fundamental a figura do líder na empresa
pública, incentivando o desempenho dos funcionários, suas habilidades, preparando-os para
se tornarem futuros gestores e atendendo aos anseios dos cidadãos de forma isonômica e
satisfatória.

Este trabalho tem por objetivo mostrar a importância da liderança na Gestão Pública,
analisando o perfil de liderança do Secretário de Administração de um município do Estado
da Bahia e a maneira pela qual sua equipe é conduzida; e possui relevância cientifica e social.

No que diz respeito à ciência, sua importância está no fato de a literatura não dispor de muitos
estudos voltados para a liderança na gestão pública, por isso é indispensável direcionar a
atenção também a esses gestores, mostrando como isso influencia no direcionamento da
equipe e alcance dos resultados.

No tangente social, é relevante porque busca mostrar como a liderança na Gestão Pública
poderá desenvolver competências que resultem tanto na melhoria dos serviços prestados a
sociedade como na tomada de decisão que vise o interesse comum.

2 Metodologia

Este capítulo descreve os procedimentos metodológicos necessários para a realização desta


pesquisa. A metodologia utilizada objetiva dar embasamento tanto cientifico como teórico à
pesquisa, resultando no alcance do objetivo inicialmente proposto.

Tendo em vista que a vital importância da pesquisa científica, Ruiz (1996, p. 48), a define
como "a realização concreta de uma investigação planejada, desenvolvida e redigida de
acordo com as normas da metodologia consagradas pela ciência."

Portanto, quanto aos objetivos, a metodologia utilizada para a realização desta pesquisa foi a
pesquisa descritiva, já que de acordo com Gil (2008), as pesquisas descritivas possuem como
objetivo a descrição das características de uma população, fenômeno ou de uma experiência.
Por exemplo, será traçado e analisado o perfil de liderança do Secretário de Administração de
um município do Estado da Bahia, objeto de estudo desta pesquisa.

Quanto aos procedimentos, esta pesquisa se caracteriza como bibliográfica. Para Gil (2002, p.
44),‖é desenvolvida com base em material já elaborado, constituído principalmente de livros e
artigos científicos. Embora em quase todos os estudos seja exigido algum tipo de trabalho
dessa natureza, há pesquisas desenvolvidas exclusivamente a partir de fontes bibliográficas‖.

Para efeito do estudo, foi feita uma análise conceitual baseada em pesquisa bibliográfica sobre
Liderança de modo geral e Gestão Pública, de modo que fosse possível mencionar a
importância da liderança na Gestão Pública, embasada em teóricos como Bateman e Snell
(1998); Carvalho Filho (2010), Scott; Klering, L. R.; Porsse, M. C. S.; Guagagnn (2010);
Zapelini (2013), dentre outros, objetivando assim, maior arcabouço teórico.

Além da pesquisa bibliográfica, esta pesquisa é tipificada como estudo de caso. Para Severino
(2007, p. 121), o estudo de caso é uma ―pesquisa que se concentra no estudo de um caso
particular, considerando representativo de um conjunto de casos análogos, por ele
significativamente representativo. [...]‖.
A coleta de dados foi feita por meio da observação in loco. A observação é de extrema
importância para que se obtenham os dados que necessita para examinar determinados
assuntos e/ou fatos que pretende entender, já que ela:
Ajuda o pesquisador a identificar e a obter provas a respeito de objetivos
sobre os quais os indivíduos não têm consciência, mas que orientam seu
comportamento. Desempenha papel importante nos processos
observacionais, no contexto da descoberta, e obriga o investigador a um
contato mais direto com a realidade. É o ponto de partida da investigação
social. (LAKATOS e MARCONI, 2003, p. 191).

O meio utilizado foi a observação sistemática, que consistiu na observação da condução da


equipe e perfil de liderança do gestor da secretaria de administração de um município da
Bahia, com população de 42.000 habitantes, sendo que destes, 1826 são funcionários públicos
e 20 estão diretamente subordinados à secretaria de administração, contexto formal desta
pesquisa.

3 Fundamentação Teórica

Este capítulo dá o arcabouço teórico, norteando sobre a importância da liderança na


contemporaneidade e na Gestão Pública.

3.1 Liderança

A liderança é indispensável para o sucesso das organizações, uma vez que é responsável pelo
o direcionamento das pessoas ao alcance das metas e objetivos, levando-as ao sucesso. A
forma como o líder conduz as pessoas influenciará nos resultados obtidos pela organização, já
que compreender seus comportamentos e anseios fará com que ele defina a melhor maneira de
comunicar o que precisa ser feito, preocupando-se no alcance tanto dos objetivos
organizacionais como pessoais.

Durante muito tempo, ouviu-se a famosa expressão popular ―manda quem pode e obedece
quem tem juízo‖, ocasionando em chefes autoritários e subordinados obedientes, fazendo com
que as pessoas executassem suas tarefas conforme seus chefes mandavam, resultando em
dependência constante, já que não tinham autonomia.

Além disso, ocasionava no afastamento do líder para com a equipe, uma vez que ele achava
que quanto mais próximo dos seus subordinados, menor a sua autoridade e que sua equipe
poderia tirar algum proveito da situação. Desta forma, a cultura empresarial criava medo na
equipe, fazendo com que ela sempre concordasse com seu chefe, para evitar o erro.

Na contemporaneidade, apesar do autoritarismo ainda persistir em algumas empresas como


sendo a única forma de garantir que as atividades sejam executadas de forma eficiente, os
líderes estão comprometidos com o bom desempenho da sua equipe, agindo de forma clara,
amigável, verdadeira, corajosa, por meio do autoconhecimento, autoconcepção para saber
onde precisa melhorar, criatividade e inovação, trabalhando em equipe e dando poder a ela, já
que quando o líder dá poder, paralelamente se empodera.

De acordo com Bateman & Snell (1998, p. 335),

Líder é alguém que influencia os outros a atingir metas. Quanto maior o número de
seguidores, tanto maior a influência. E quanto mais bem sucedida a realização de
metas importantes, tanto mais evidente a liderança. [...] líderes excepcionais têm
visão.[...] ter uma visão e comunicá-la aos outros são componentes essenciais de
uma grande liderança.

Adotando este conceito de que o líder tem a habilidade de influenciar e ser influenciado, vê-se
quão necessário é abandonar a postura do ―líder de ontem‖, na qual impunha sua vontade sem
escrúpulos, fazendo o subordinado ―comer na sua mão‖, sem dar-lhe um voto de confiança, já
que achava que as coisas só aconteciam se ele comandasse. Resta, portanto às empresas,
buscar líderes contemporâneos, já que eles seduzem as pessoas, buscando o que é bom para
sua equipe, assumindo riscos juntamente com ela.

Vale ressaltar que nem todo administrador é um líder. É preciso administrar de forma eficaz,
ter um comportamento coerente com as metas aspiradas, comunicando isso aos seus liderados,
já que "Os administradores devem lidar com as complexidades correntes nas organizações. Os
verdadeiros líderes administram com eficácia e dedicam-se à orquestração da mudança"
(BATEMAN & SNELL,1998, p. 337).

Assim, torna-se evidente o grande papel do líder na organização, devendo este ser visionário e
comunicar suas visões e objetivos, manter aberta as linhas de comunicação com todos os
liderados, estimulando-os a desempenhar as responsabilidades que fora delegadas, tornando-
os comprometidos com a organização, atingindo com isso maior número de seguidores e
esforçando-se para que estas visões sejam concretizadas.

3.1.1 Tipos de liderança

Estudar o perfil de liderança adotada pelo líder facilita o entendimento de como a equipe é
conduzida e quais resultados poderão ser esperados. Existem vários perfis de liderança, porém
não se pode falar em um melhor ou pior perfil, uma vez que este julgamento é situacional,
feito de acordo com as tarefas a seres executadas, as pessoas e situações a serem lidadas. Para
esta pesquisa, serão considerados os três tipos de liderança abordados por Chiavenato (2005):
Autocrática, Liberal e Democrática. Para o autor, na Liderança Autocrática, o líder é pessoal e
dominador, fixa as metas, divide as tarefas conforme seus critérios, toma decisões sem
nenhuma participação do grupo; na Liderança Liberal, há total liberdade para tomada de
decisões grupais ou individuais, com participação mínima do líder; já na Liderança
Democrática, o líder procura ser um membro normal do grupo, decidindo juntamente com ele,
ouvindo-o e dando maior participação.

3.2 Gestão Pública

As novas exigências das pessoas evidenciam a necessidade de cada vez mais fazer uma gestão
voltada para o povo. Neste sentido, o objetivo da Administração Pública ―compreende a
própria atividade administrativa exercida pelo Estado, através de seus órgãos e agentes, para
realizar seus fins, jungidos à ordem constitucional e legal, cujos destinatários não são outros
senão os próprios indivíduos‖. (CARVALHO, 2009, p. 11).

Torna-se indispensável que os gestores estejam atentos à realização de tarefas de modo que
seu olhar esteja voltado para os indivíduos, satisfazendo suas necessidades. Uma ferramenta
que precisa ser compreendida, assimilada e utilizada para auxiliar no cumprimento destas
tarefas de forma clara e objetiva, resultando em maior eficiência nos serviços prestados é a
Gestão Pública.
Para Santos (2006, p. 89) ―a gestão pública refere-se às funções de gerência pública dos
negócios do governo‖. Já o professor Zapelini (2013, p. 7), aproxima a Gestão Pública à
privada, mostrando que:
O termo Nova Gestão Pública é um conceito genérico que abrange os esforços feitos
na Inglaterra e nos Estados Unidos, ao longo dos anos 80 e 90, sobretudo, no sentido
de aproximar a gestão pública de sua congênere privada, mudando o foco dos
processos para os resultados. O cidadão a ser servido pela estrutura administrativa
passa a ser considerado como um consumidor cujos direitos devem ser
reconhecidos. A empresa pública passa a focar no cidadão, buscando com isso
atender a seus anseios.

Essa preocupação com resultados e com a satisfação do público, ocasiona tanto na redução de
custos como na melhora da qualidade dos serviços prestados à população. Infelizmente
algumas instituições públicas ainda não fizeram a transição do pensamento político para o
administrativo, atendendo apenas aos interesses de cidadãos distintos e não de forma
isonômica, fazendo com que interesses individuais sobreponham os coletivos.

Surge a necessidade de agir de forma isonômica para com a população, trazendo ganhos
significativos. Assim sendo, torna-se necessário encontrar o melhor meio de gerir as
atividades designadas, já que os cidadãos, assim como em empresa privada, devem ter os
serviços das quais precisam de forma eficiente, sendo o gestor público peça fundamental no
alcance desses objetivos.
3.3 Liderança na Gestão Pública

Assim como nas empresas privadas, a liderança é de extrema importância nas empresas
públicas, uma vez que o líder traça estratégias e faz planejamento governamental,
direcionando e motivando o servidor para o cumprimento das suas funções, de modo que os
serviços sejam prestados à população com qualidade.

Vale ressaltar que enquanto o líder no setor privado visa o lucro, o líder na gestão pública
deve focar no atendimento do interesse coletivo, identificando problemas e propondo
soluções, de modo que se tenham mais resultados efetivos. De acordo com Oliveira et al
(2010, p. 1461),

Enquanto líderes públicos devem concatenar inúmeros objetivos, com diferentes


racionalidades e interesses, os líderes do setor privado tenderiam a ter objetivos mais
claros. Afinal, encontram-se focados em um propósito central: o lucro, mais
facilmente mensurável, por meio de indicadores econômico-financeiro. Além de
dificuldades de se mensurar o desempenho dos líderes do setor público, soma-se o
turnover desses agentes, quer em função de limites de tempo no cargo, quer por
mudanças administrativas e políticas frequentes. Agrega-se a isso, ainda, a
estabilidade no emprego experimentada por grande parte — ou mesmo a totalidade
— de seus liderados.

Denota-se a dificuldade enfrentada pelo setor público, que muitas vezes passa a ocasionar no
não cumprimento dos objetivos da gestão pública e consequentemente na insatisfação da
população, fazendo com que a empresa pública receba inúmeras críticas de forma
generalizada.

Ser líder na gestão pública torna-se um desafio, já que terá que lidar com um público
diversificado, que luta para que seus anseios sejam atendidos. Resta a estes líderes a busca
constante pelo aperfeiçoamento e qualificação, juntamente com sua equipe, pois só assim será
possível atender a demanda de forma eficaz, ganhando com isso a confiança da população.

Assim sendo, o gestor público enquanto líder deve se empenhar no alcance de resultados
efetivos, desenvolvendo competências tanto organizacionais como inter e intrapessoais, seja
na realização de tarefas sob sua responsabilidade, seja na coordenação de sua equipe, visando
sempre o interesse público.

3 Resultados e Discussões

No período de 02 de janeiro a 02 de junho de 2017, foi realizada a coleta de dados por meio
da observação in loco na Secretaria de Administração de um município do Estado da Bahia,
tendo como objetivo principal, observar como o gestor, secretário de Administração, conduzia
a equipe e qual seu perfil de liderança.

No rol de atividades de condução da equipe, o gestor analisou qual o possível grau de


motivação da equipe e criou algumas estratégias que resultassem na sua satisfação e melhor
desempenho das atividades. Desse modo, três estratégias foram fundamentais para que esse
objetivo fosse alcançado: realização de reuniões quinzenais com todos os colaboradores,
implantação do Programa de Ginástica Laboral e implantação do projeto Funcionário do Mês.

Na primeira estratégia, realização de reuniões quinzenais com todos os colaboradores, é feito


o feedback das ações, são discutidos os desafios da gestão, as conquistas, os resultados
almejados, a necessidade do processo de melhoria contínua e as sugestões para que os
esforços coletivos retornem positivamente à população.

A segunda estratégia foi a implantação do programa de ginástica laboral, na qual todas as


quartas-feiras os funcionários do prédio da Prefeitura realizam coletivamente, por 10 minutos,
exercícios físicos durante a jornada de trabalho, objetivando evitar as principais doenças
ocupacionais e proporcionar bem-estar através da consciência corporal.

Por fim, a terceira estratégia foi implantar o Projeto Funcionário do mês, que deve ser
indicado pelos próprios colegas de trabalho, tendo como critério de escolha a proatividade,
engajamento, esforço, espírito de equipe, assiduidade, empenho, capacidade e disponibilidade
para resolver conflitos.

Tais estratégias resultaram na maior produtividade dos colaboradores, já que estão cada vez
mais motivados e dispostos a oferecerem o melhor de si, melhorando significativamente a
prestação dos serviços à população.

Foi possível observar que o gestor possui o perfil do líder contemporâneo, uma vez que,
apesar do curto período de tempo que está conduzindo sua equipe (cinco meses) nota-se que o
mesmo possui amplitude de controle, tem postura amigável, sincera, corajosa, age com
transparência, empatia, dá liberdade aos liderados para fazerem suas tarefas de sua própria
maneira e está aberto a mudanças, conseguindo com isso, engajar toda a equipe na execução
dos projetos estratégicos.

5 Considerações Finais
Após a realização da pesquisa, percebeu-se a importância de estudar a liderança na
contemporaneidade e na Gestão Pública, uma vez que torna-se cada vez necessário atrair e
conquistar as pessoas, influenciando-as a trabalhar com entusiasmo e paixão para o alcance
dos objetivos que resultem no bem comum.

O papel desempenhado pelo o líder é de extrema relevância, devendo este abandonar o papel
de líder autoritário e passar a conquistar seus liderados pelo carisma, conhecimento,
assertividade, comunicação, inovação, etc. tornando-os apaixonados pelo que faz e
consequentemente competentes no exercício de suas funções.

Quando se fala em Gestão Pública, deve ressaltar que atualmente as empresas públicas estão
cada vez mais parecidas com as privadas, trabalhando pelo o atendimento dos anseios da
população. Além disso, os contribuintes passam a avaliar constantemente seus dirigentes, que
deverão mostrar-se eficientes para que possam continuar gerindo a instituição.

O problema da gestão pública ainda são alguns dirigentes que se deixam levar pela a política,
tomando decisões que visem objetivos individuais e não coletivos; além disso, a estabilidade
do setor público faz com que muitos servidores fiquem acomodados e não busquem o
aperfeiçoamento e conhecimento, sem se preocupar, portanto, com o bom desempenho e
funcionamento do setor.

O estudo do perfil de liderança do gestor da secretaria de administração do município


estudado mostrou que este possui liderança contemporânea e portanto, está preocupado em
criar estratégias de engajamento e motivação dos seus liderados, sendo que embora haja um
curto período de tempo que está conduzindo a equipe (cinco meses), tais estratégias
melhoraram significativamente a equipe, trazendo benefícios múltiplos: por um lado, os
colaboradores estão cada vez mais motivados, positivos, proativos e produtivos; como
consequência disso, por outro lado, os serviços estão sendo prestados à população com
eficácia, já que cada colaborador está comprometido em mostrar seu potencial e melhorar
diariamente suas competências, dando sempre o melhor de si.

Em suma, o líder contemporâneo tem um papel indispensável na transformação da sociedade,


sendo a liderança uma ferramenta essencial na Gestão Pública, surgindo com isso gestores
comprometidos com a melhoria dos serviços prestados ao público.

Referências
BATEMAN, Thomas S.; SNELL, Scott A. Administração Management: Construindo Vantagem Competitiva.
1 ed. São Paulo – SP: Atlas, 1998.

CARVALHO FILHO, José dos Santos. Direito Administrativo e Administração Pública. 21ª ed. Rio de
Janeiro: Lumen Juris, 2009.

CHIAVENATO, I. Gerenciando com as pessoas: transformando o executivo em um excelente gestor de


pessoas. 6 reimpressão, Elsevier- Campos, Rio de Janeiro, 2005

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de Pesquisa. 4.ed. São Paulo: Atlas, 2002

______. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6ª ed. São Paulo: Atlas, 2008

KLERING, L. R.; PORSSE, M. C. S.; GUAGAGNN, L. A. Novos caminhos da Administração Pública


Brasileira. Análise. Porto Alegre, v. 21, n. 1, p. 4-17, jan./jun. 2010.Disponível em:
http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/face/article/view/8231/5903. Acesso em: 22/12/2016 às 20:00h
OLIVEIRA, Fátima Bayma de; SANT'ANNA, Anderson de Souza; VAZ, Samir Lofti.Liderança no contexto da
nova administração pública: uma análise sob a perspectiva de gestores públicos de Minas Gerais e Rio de
Janeiro. Rev. Adm. Pública, Rio de Janeiro vol.44. nº6. Rio de Janeiro Nov./Dez.2010. Disponível
em:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S003476122010000600009. Acesso em: 03/01/2017
às 22:00h

RUIZ, João Álvaro. Metodologia Científica: guia para eficiência nos estudos. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

SANTOS, Clézio Saldanha dos. Introdução à Gestão Pública. 1ª São Paulo. Editora Saraiva. 2006.

ZAPELINI, Marcello Beckert. Ética e Administração Pública: Uma Abordagem a Partir de

Três Modelos Normativos. XXXVII Encontro ANPAD- Associação Nacional de Pós Graduação e Pesquisa
em Administração. Rio de Janeiro. 7 a 11 de setembro de 2013. Disponível
em:<http://www.anpad.org.br/diversos/trabalhos/EnANPAD/enanpad_2013/02%20%20APB/PDF%20APB%20
%20Tema%2010/2013_EnANPAD_APB580.pdf> Acesso em: 08/12/2016 às 20:20hs