Você está na página 1de 28

Evolução do papel da

mulher ao longo da história e


a evolução das políticas de
atenção a mulher

PROFª SÍLVIA HELENA C. DE A. CARVALHO


Aspectos da vida da mulher

 Comportamento feminino;
 Vida sexual;
 Matrimônio;
 Educação dos filhos;
 Gerência do lar;
 Luta sócio-econômica;
 Atividade política;
 Agente social.
Evolução histórica

 Antiguidade: Atividades restritas


ao lar
 Século XVII – movimento feminista ganha
características de ação política
 Após 1ª e 2ª guerras, mulheres começam a
assumir os negócios da família
 Capitalismo = necessidade de mão de obra
 Conquistas legais no século XIX
Programas
Materno- Infantil:
Décadas de 30, 50 e 70
NECESSIDADE DOS DIREITOS DAS MULHERES

• os homens detinham o direito de exercer uma vida


pública.
• Às mulheres, sempre foi reservado um lugar de menor
destaque, seus direitos e seus deveres estavam sempre
voltados para a criação dos filhos e os cuidados do lar.
• Com o passar dos anos, muitas foram as mulheres que
queriam igualdade de direitos entre géneros e por isso
muitas se revoltaram contra os regimes políticos e os
próprios maridos.
• Durante esta luta muitas foram mortas ou humilhadas,
enquanto defendiam o que são hoje os direitos do
Homem.
ORIGEM DO DIA DAS MULHERES

 No Dia 8 de Março de 1857, operárias de uma fábrica de tecidos, de


Nova Iorque (EUA), greve/ melhores condições de trabalho:
• redução na carga diária de trabalho para dez horas,
• equiparação de salários com os homens
• tratamento digno dentro do ambiente de trabalho.
 A manifestação foi reprimida com total violência.
• As mulheres foram trancadas
• Aproximadamente 130 mulheres morreram carbonizadas,
• Somente no ano de 1910, conferência na Dinamarca, ficou decidido
que o 8 de Março - o "Dia Internacional da Mulher“
• No ano de 1975, através de um decreto, a data foi oficializada pela
ONU (Organização das Nações Unidas).
Atualidade

 Mulheres = 41% da força de trabalho


 Apenas 24% dos cargos de gerência
 Evolução intelectual
 Mantém sobrecarga com o trabalho doméstico
 Direitos trabalhistas:
 proibição de diferença de salários;
Atualidade
proibição exercício de funções e de critério de admissão
por motivo de sexo;
proteçãoà maternidade (licença-maternidade - horário
para amamentação - a estabilidade da gestante);
proibição de execução de serviços que demandem o
emprego de força muscular superior a 20 quilos em trabalho
contínuo, ou 25 quilos em trabalho ocasional.
 O nº de mulheres em situação de pobreza > o nº de
homens;
 Mulheres trabalham mais horas que os homens;
 Metade do seu tempo é gasto em atividades não
remuneradas.
Políticas de atenção a mulher

saúde da mulher nas


políticas nacionais
de saúde
limitação às
falta de integração
demandas relativas à
com outros
gravidez e ao parto
programas

Século
XX
“(...)A DOENÇA, A SAÚDE E A MORTE NÃO SE REDUZEM A
UMA EVIDÊNCIA ORGÂNICA, NATURAL, OBJETIVA,
MAS ESTÃO INTIMAMENTE RELACIONADAS COM AS
CARACTERÍSTICAS DE CADA SOCIEDADE (...) A
DOENÇA É UMA REALIDADE CONSTRUÍDA E (...) O
DOENTE É UM PERSONAGEM SOCIAL.”

(CECÍLIA MINAYO – O DESAFIO DO CONHECIMENTO)


POLÍTICAS DE ATENÇÃO À SAÚDE DA MULHER
HISTÓRICO / EVOLUÇÃO

 Programas maternos–infantis
 Importância do movimento de mulheres
 Saúde em todos os ciclos de vida;
 Particularidades sociais, econômicas, culturais e
afetivas.
 Elaboração do PAISM em 1984
 Influência do processo de construção do SUS
 Avanços a partir de 2003
descentralização,
hierarquização e
regionalização dos serviços
Programa
de
Assistência
Integral à integralidade e a eqüidade da
Saúde da atenção
Mulher
(PAISM)
1984
ações educativas,
preventivas, de diagnóstico,
tratamento e recuperação
POLÍTICA DE ATENÇÃO À SAÚDE DA MULHER
(1984 - PAISM)
HISTÓRICO / EVOLUÇÃO
AÇÕES / DIRETRIZES

 Assistência clínico – ginecológica


 Assistência pré – natal, parto e puerpério
 Planejamento familiar
 Prevenção do câncer do colo e mama
 Prevenção das DSTs
 Assistência no climatério
 Assistência às necessidades populacionais
POLÍTICA DE ATENÇÃO À SAÚDE DA MULHER
HISTÓRICO / EVOLUÇÃO
AÇÕES / DIRETRIZES

1998 - 2002
 Prevenção e tratamento dos agravos resultantes da
violência sexual;
 Ações para redução da mortalidade.
2003 – Política Integral à Saúde da Mulher
 Assistência às mulheres do campo, com deficiências,
negras, indígenas, presidiárias, as que fazem sexo
com mulheres;
 Participação nas discussões e atividades.
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde
da Mulher
POLÍTICA DE ATENÇÃO À SAÚDE DA MULHER

EM 2004 ANO DA MULHER


LANÇADO A POLÍTICA DE ATENÇÃO
INTEGRAL À SAÚDE DA MULHER, QUE
CONTEMPLA:

 PRINCÍPIOS
 DIRETRIZES
 PLANO DE AÇÃO 2004 - 2007
POLÍTICA DE ATENÇÃO À SAÚDE DA MULHER

EM 2006
INSTITUÍDO O PACTO PELA SAÚDE
DEFINIU 06 PRIORIDADES

 1-Saúde do idoso
 2-Controle do câncer do colo do útero e mama
 3-Redução da mortalidade materna e infantil
 4-Fortalecimento da capacidade de resposta
às doenças emergentes e endemias (dengue,
hanseníase, tuberculose, malária e influenza)
 5-Promoção da saúde
 6-Fortalecimento da atenção básica/primária
POLÍTICA DE ATENÇÃO À SAÚDE DA MULHER

PRINCÍPIOS: HUMANIZAÇÃO E QUALIDADE


Para atingir os princípios da humanização e da qualidade
da atenção, deve-se levar em conta, os seguintes
elementos:
 Acesso nos três níveis de assistência
 Definição da estrutura e organização da rede assistencial
 Captação precoce
 Disponibilidade de recursos tecnológicos, insumos e
informações
 Capacitação técnica dos profissionais
 Acolhimento
 Acompanhamento e avaliação continuada
 Análise dos indicadores
PLANO DE AÇÃO
PRIORIDADES PARA O PERÍODO 2004-2007

 Ampliar e qualificar a atenção integral à saúde


de grupos da população feminina, ainda não
considerados devidamente nas políticas
públicas: Trabalhadoras rurais, mulheres negras,
na menopausa e na terceira idade, com
deficiência, lésbicas, indígenas e presidiárias.
Além disso, promover a saúde mental das
mulheres, com enfoque de gênero.
Programa de Assistência
Integral à Saúde da Mulher (PAISM)

 Ações educativas;
 Ações preventivas;
 Ações de diagnóstico;
 Ações de tratamento e recuperação;
 Clínica ginecológica;
 Pré-natal, parto e puerpério;
 Climatério;
 Planejamento familiar, DSTs;
 Câncer de colo de útero e de mama.
Ações a serem desenvolvidas

 Maior atenção ao climatério/menopausa;


 Infertilidade e reprodução assistida;
 Saúde da mulher na adolescência;
 Doenças crônico-degenerativas;
 Saúde ocupacional;
 Saúde mental.
Situação Sócio-demográfica

 10 a 14 anos – 8.091.022;
 15 a 19 anos – 8.433.904;
 20 a 29 anos – 16.524.472;
 30 a 39 anos – 13.934.024;
 40 a 49 anos – 11.420.987;
 50 anos e mais – 15.505.461.
Mulheres em idade
reprodutiva(10 a 49 anos) =
65% da população feminina
Mortalidades Maternas

 92% dos casos são evitáveis;


 Principais causas são: hipertensão arterial,
hemorragias, infecção puerperal e o aborto;
 Queda relacionada a melhoria na qualidade
da atenção obstétrica e ao planejamento
familiar, nos anos de 1999-2001.
 Cobertura de assistência ao pré-natal
reduzida nas regiões Norte e Nordeste
OBRIGADA!