Você está na página 1de 13
PROPOSTA DE REGULAMENTAÇÃO DO SISTEMA EDUCACIONAL NO SETOR DE BELEZA Conteúdo elaborado por Leticia Chaves

PROPOSTA DE REGULAMENTAÇÃO DO SISTEMA EDUCACIONAL NO SETOR DE BELEZA

Conteúdo elaborado por Leticia Chaves

JUSTIFICATIVAS E OBJETIVOS

JUSTIFICATIVAS E OBJETIVOS Identificar caminhos e oportunidades que viabilizem a regulamentação do sistema educacional

Identificar caminhos e oportunidades que viabilizem a regulamentação do sistema educacional no setor de beleza. Com ênfase na estética capilar, este estudo se pretende a erradicar o caráter precário e informal designado aos profissionais atuantes nesse mercado especificamente.

e informal designado aos profissionais atuantes nesse mercado especificamente. Conteúdo elaborado por Leticia Chaves

Conteúdo elaborado por Leticia Chaves

BASES TEÓRICAS PARA A COMPOSIÇÃO DESTA PROPOSTA:

BASES TEÓRICAS PARA A COMPOSIÇÃO DESTA PROPOSTA: ①   Norma técnica 16483/ 2015- Estabelecimentos de beleza:

Norma técnica 16483/ 2015- Estabelecimentos de beleza:

Competências de pessoas que atuam nos estabelecimentos de beleza;

Classificação brasileira de ocupações (CBO)- livro 3 2002- estrutura, tabua de conversão e índice de títulos;

Práticas de empreendedorismo para salões de beleza no Brasil- texto referencial para a relação salão parceiro e profissional parceiro;

Planos de curso técnico de enfermagem e de cozinha do instituto Paula Souza/ SP.

Planos de curso técnico de enfermagem e de cozinha do instituto Paula Souza/ SP. Conteúdo elaborado

Conteúdo elaborado por Leticia Chaves

JUSTFICATIVAS PARA A REGULAMENTACAO EDUCACIONAL NA BELEZA:

JUSTFICATIVAS PARA A REGULAMENTACAO EDUCACIONAL NA BELEZA: Ø   Em uma interpretação racional do problema, pode-se

Ø Em uma interpretação racional do problema, pode-se dizer que a estrutura básica de uma empresa se dá em três âmbitos:

O setor estratégico- que é responsável pelo aspecto macro de uma organização, bem como, pelo planejamento geral, voltando-se ao alcance da visão da empresa.

O setor tático – que é responsável por um determinado setor de uma empresa, definindo as principais ações e necessidades desse setor.

O setor operacional – responsável pela operação diária e cotidiana das tarefas necessárias ao desenvolvimento do produto/ serviço à ser oferecido por uma empresa.

Conteúdo elaborado por Leticia Chaves

O PROJETO DE LEI DO SALÃO PARCEIRO IMPULSIONA A REGULAMENTAÇÃO EDUCACIONAL: Aplicando-se essa teoria básica,

O PROJETO DE LEI DO SALÃO PARCEIRO IMPULSIONA A REGULAMENTAÇÃO EDUCACIONAL:

SALÃO PARCEIRO IMPULSIONA A REGULAMENTAÇÃO EDUCACIONAL: Aplicando-se essa teoria básica, pode-se entender que

Aplicando-se essa teoria básica, pode-se entender que existem dois importantes agentes : um primário e outro secundário.

dois importantes agentes : um primário e outro secundário. •   O Agente primário- compreende nos

O Agente primário- compreende nos profissionais de beleza; O agente secundário- compreende nos empresários/ investidores do mercado de beleza.

Conteúdo elaborado por Leticia Chaves

O Empreendedor no mercado de beleza acumula funções de diferentes instancias : Desse modo, pode-se

O Empreendedor no mercado de beleza acumula funções de diferentes instancias :

de beleza acumula funções de diferentes instancias : Desse modo, pode-se observar comumente dois cenários

Desse modo, pode-se observar comumente dois cenários distintos, são eles:

O administrador / empreendedor- profissional que possui uma

enorme experiência em administração e que aflora seu lado empreendedor, sem possuir qualquer conhecimento especifico do mercado de beleza.

O técnico / empreendedor- profissional que possui enorme

conhecimento e técnica e que aflora seu lado empreendedor motivado pelo domínio e experiência especifica do fluxo de trabalho operacional e da excelência de execução que possui.

Conteúdo elaborado por Leticia Chaves

O ADMINISTRADOR EMPREENDEDOR: Ø   Gestão da estrutura física do salão e gerenciamento do setor

O ADMINISTRADOR EMPREENDEDOR:

O ADMINISTRADOR EMPREENDEDOR: Ø   Gestão da estrutura física do salão e gerenciamento do setor operacional

Ø Gestão da estrutura física do salão e gerenciamento do setor operacional podem ser indicadores de uma atuação que reduz o papel do empreendedor a função do gerente administrativo ou supervisor técnico.

papel do empreendedor a função do gerente administrativo ou supervisor técnico. Conteúdo elaborado por Leticia Chaves

Conteúdo elaborado por Leticia Chaves

O TÉCNICO EMPREENDEDOR: Ø   Altos investimentos em materiais e equipamentos, bem como em uma

O TÉCNICO EMPREENDEDOR:

O TÉCNICO EMPREENDEDOR: Ø   Altos investimentos em materiais e equipamentos, bem como em uma estrutura

Ø Altos investimentos em materiais e equipamentos, bem como em uma estrutura luxuosa podem ser indicadores de uma gestão que reduz o papel do empreendedor a função de um técnico especialista.

gestão que reduz o papel do empreendedor a função de um técnico especialista. Conteúdo elaborado por
gestão que reduz o papel do empreendedor a função de um técnico especialista. Conteúdo elaborado por

Conteúdo elaborado por Leticia Chaves

e

to

as

e

o

e to as e o A LEI DO SALÃO PARCEIRO PRECONIZA NÍVEIS DE ATUAÇÃO, TAIS COMO:

A LEI DO SALÃO PARCEIRO PRECONIZA NÍVEIS DE ATUAÇÃO, TAIS COMO:

Ø Em um plano ideal, especialmente no mercado de beleza, o empreendedor precisa possuir uma formação multidisciplinar, mais vasta, que o habilite à gerenciar/ administrar o trabalho de uma equipe técnica treinada com base em protocolos de serviços inovadores de modo inteligente e eficaz.

Ø Seguindo essa linha de raciocínio, propomos uma reflexão aprofundada acerca dos aspectos necessários para uma formação multidisciplinar, para que você maquiador profissional possa se tornar um empreendedor capaz de gerenciar o seu trabalho e de sua equipe, bem como o de criar protocolos de processos e serviços inovadores

FORMALIZAÇÃO DE RELAÇÕES TRABALHO NORMAS E REGULAMENTAÇÕES TRIBUTOS E PROFISSIONALIZAÇÃO ENCARGOS
FORMALIZAÇÃO
DE RELAÇÕES
TRABALHO
NORMAS E
REGULAMENTAÇÕES
TRIBUTOS E
PROFISSIONALIZAÇÃO
ENCARGOS

Conteúdo elaborado por Leticia Chaves

Modelos de empreendedorismo unilateral e convergente Nesse modelo há apenas um empreendedor (CNPJ), que em

Modelos de empreendedorismo unilateral e convergente

Modelos de empreendedorismo unilateral e convergente Nesse modelo há apenas um empreendedor (CNPJ), que em geral

Nesse modelo há apenas um empreendedor (CNPJ), que em geral constitui-se na figura do salão/ e ou instituto de beleza, onde a prestação dos serviços de maquiagem ou beleza são realizados pelo próprio empreendedor, dono do negócio. Nessa modalidade é muito comum o empreendedor ter empregados/ funcionários, caso, sua estrutura necessite e o contrato de trabalho deve seguir pelo regime CLT- com um registro em carteira de trabalho.

trabalho deve seguir pelo regime CLT- com um registro em carteira de trabalho. Conteúdo elaborado por

Conteúdo elaborado por Leticia Chaves

Modelos de empreendedorismo convergente Nesse modelo , mais moderno e atual, que consiste em um

Modelos de empreendedorismo convergente

Modelos de empreendedorismo convergente Nesse modelo , mais moderno e atual, que consiste em um empreendedorismo

Nesse modelo , mais moderno e atual, que consiste em um empreendedorismo de parceria coexistem diversos empreendedores (CNPJs) dentro de um mesmo salão de beleza. Ou seja, existem inúmeros negócios dentro de um, onde a prestação de serviços ao cliente final pode ser realizada não apenas por um único empreendedor, mas sim por muitos. Desta maneira, na prática do empreendedorismo convergente é comum verificar a separação de duas funções especificas dentro da dinâmica dos salões: o salão e os profissionais de beleza.

Conteúdo elaborado por Leticia Chaves

Conteúdo elaborado por Leticia Chaves

Conteúdo elaborado por Leticia Chaves
Conteúdo elaborado por Leticia Chaves

Conteúdo elaborado por Leticia Chaves

Conteúdo elaborado por Leticia Chaves

Conteúdo elaborado por Leticia Chaves

Conteúdo elaborado por Leticia Chaves

Conteúdo elaborado por Leticia Chaves

Obrigado!