Você está na página 1de 20

Journal of Empreendedorismo e Políticas Públicas

Um (parcial) avaliação da literatura empresarial em todas as disciplinas


Noel Campbell David T. Mitchell

informações do artigo:

Para citar este documento:


Noel Campbell David T. Mitchell, (2012), "Uma revisão (parcial) da literatura empreendedorismo em todas as disciplinas", Journal of
Empreendedorismo e Políticas Públicas, Vol. 1 Iss 2 pp 183 -. 199
Link permanente para este documento:
http://dx.doi.org/10.1108/20452101211261453

Transferido em: 26 de novembro de 2014, em: 02:34 (PT)


Referências: este documento contém referências a 96 outros documentos. Para copiar este
documento: permissions@emeraldinsight.com
O texto completo deste documento foi baixado 1631 vezes desde 2012 *

Usuários que baixaram este artigo também baixaram:


Transferido pela Universidade Monash Às 02:34 26 nov 2014 (PT)

RW Hafer, (2013), "Empreendedorismo e estado de crescimento econômico", Journal of Empreendedorismo e Políticas Públicas, Vol. 2 Iss 1 pp.
67-79

Juita-Elena (Wie) Yusuf, (2014), "Impacto do apoio start-up através de uma preparação guiada", Journal of Empreendedorismo e Políticas
Públicas, Vol. 3 Iss 1 pp 72-95 http://dx.doi.org/10.1108/JEPP-01-2012-0004 Siwan Mitchelmore, Jennifer Rowley, (2010), "competências
empreendedoras: a agenda revisão da literatura e desenvolvimento"., Internacional Jornal de Comportamento empreendedor & amp; Research,
Vol. 16 Iss 2 pp. 92-111

O acesso a este documento foi concedido através de uma subscrição Emerald fornecido pelo 451335 []

para Autores
Se você gostaria de escrever para este, ou qualquer outra publicação Emerald, em seguida, utilize o nosso Emerald para informações de serviço
Autores sobre como escolher qual publicação para escrever para e diretrizes de submissão estão disponíveis para todos. Por favor, visite
www.emeraldinsight.com/authors para mais informações.

Sobre Emerald www.emeraldinsight.com


Emerald é uma editora global ligação da investigação e prática para o benefício da sociedade. A empresa administra uma carteira de
mais de 290 revistas e mais de 2.350 livros e volumes da série de livros, bem como proporcionar uma ampla gama de produtos on-line e
recursos adicionais do cliente e serviços.

Emerald é tanto COUNTER 4 e TRANSFER compatível. A organização é um parceiro da Comissão de Ética da publicação (COPE) e
também trabalha com Portico ea iniciativa LOCKSS para a preservação do arquivo digital.
* conteúdo relacionado e informações de download correta no momento do download.
Transferido pela Universidade Monash Às 02:34 26 nov 2014 (PT)
A corrente de emissão e texto completo do arquivo da revista está disponível em

www.emeraldinsight.com/2045-2101.htm

Um (parcial) avaliação da empreendedorismo


Revisão do

literatura empresarial literatura

em todas as disciplinas
Noel Campbell e David T. Mitchell 183
College of Business, University of Central Arkansas, Conway, Arkansas, EUA

Finalidade Abstract - O objetivo deste trabalho é estimular o interesse dos pesquisadores ao familiarizá-los com alguns aspectos da
literatura sobre empreendedorismo eles podem não ter conhecido.

Desenho / metodologia / abordagem - O trabalho é uma revisão de literatura não-meta-analítica de várias literaturas em
empreendedorismo.
descobertas - A literatura empreendedorismo é vasto e pode ser encontrado em todas as disciplinas onde os seres humanos e seu
comportamento são objeto de análise.
limitações da pesquisa / implicações - Porque a literatura sobre empreendedorismo é tão grande e generalizada, o documento analisa
apenas uma pequena amostra, deliberadamente escolhido da literatura.
Transferido pela Universidade Monash Às 02:34 26 nov 2014 (PT)

Originalidade / valor - Para conhecimento dos autores, ninguém anteriormente escreveu um comentário unificada do empreendedorismo
mercado, empreendedorismo política e escolha pública.

Palavras-chave rentista, empreendedorismo Político, escolha Pública e empreendedorismo, estratégia empresarial, revisão da
literatura Empreendedorismo, Empreendedorismo, a política pública
Tipo de papel Revisão da literatura

1. Introdução
A literatura empreendedorismo acadêmico é muito grande. É fácil citar os nomes dos principais pesquisadores de
empreendedorismo em diversas disciplinas, mas é muito mais difícil de encontrar e resumir a literatura. Muito do
que está em livros ou séries de livros, o que torna a pesquisa mais difícil porque muitas dessas fontes não são
facilmente entregues por computadores pessoais. Porque uma essência importante do empreendedorismo é a
ação, as linhas entre o conselho empresarial prática, a saída de consultoria, edição de imprensa popular, e
literatura acadêmica são especialmente ampla e difusa. Da mesma forma, como o empreendedorismo é sobre
perceber oportunidades e agir sobre essa percepção - quando, onde, e no entanto essas oportunidades são
percebidas - o estudo da ação empreendedora “adequadamente” pertence a um excepcionalmente ampla coleção
de disciplinas acadêmicas. Algumas dessas disciplinas comunicar prontamente através da partilha disciplinar;
outros não fazem. Por exemplo, a economia rotineiramente se comunica com a ciência política e as disciplinas de
negócios, mas de negócios e ciência política correspondem a menos intensamente. Negócios prontamente
comunica com a psicologia, mas a economia se comunica com a psicologia muito menos intensamente. A situação
leva a uma multiplicidade de esforço e uma proliferação de jargões específicos da disciplina. Os resultados de um
campo são transferidos para outros lentamente e com dificuldade, apesar do reconhecimento comum do
“interdisciplinar-ness” do campo do empreendedorismo e suas revistas. Imaginamos um diagrama do universo da
literatura empreendedorismo para ser um diagrama de Venn de muitos círculos diferentes. Cada círculo representa
uma disciplina acadêmica; por exemplo, marketing, gestão, economia, ciência política, psicologia, sociologia e
geografia. Alguns destes círculos existir como díades ou tríades com comparativamente pequenos conjuntos de
interseção. Algumas dessas díades e tríades parecem ser completamente separado de outros conjuntos sindicais. Journal of Empreendedorismo e
Política Pública
Vol. 1 No. 2, 2012
pp. 183-199
r Emerald Grupo Publishing Limited
2045-2101
DOI 10,1108 / 20452101211261453
JEPP Por exemplo, considere três documentos excelentes: de Kuratko (de negócios) “O surgimento da educação
para o empreendedorismo: Desenvolvimento, tendências e desafios” (Kuratko, 2005); de Audretsch (economia)
1,2
“Empreendedorismo: um levantamento da literatura” (Audretsch, 2002) e Van Praag (economia) e da Versloot
(economia) “Qual é o valor do empreendedorismo? Uma revisão de pesquisas recentes”(Van Praag e Versloot,

2007). A partir de 03 de março de 2012, Kuratko (2005) tem 311 citações de acordo com o Google Scholar,

184 enquanto Audretsch de 2002 tem 248 citações, e Van Praag e Versloot (2007) tem 186 citações. A peça de
Kuratko efetivamente serve como um artigo de revisão da literatura para um campo mais amplo de conhecimento
do que apenas a pedagogia do empreendedorismo. Kuratko e Audretsch escreveram juntos e estão na faculdade
da mesma universidade, mas o artigo de Kuratko e artigo de Audretsch vêm de muito diferentes literaturas. Há
pouca sobreposição entre títulos de periódicos em Kuratko de e referências de Audretsch, muito menos em artigos
de periódicos específicos. Kuratko oferece uma lista de periódicos de empreendedorismo de alta qualidade. Entre
Kuratko e Van Praga e Versloot, apenas o Journal of Business Venturing e a Strategic Management Journal aparecem
tanto na lista de Kuratko e Van Praag e referências de Versloot. Embora estes títulos representam 25 por cento da
lista de Kuratko, eles compreendem apenas 4,4 por cento das referências Van Praag e Versloot. “O surgimento de
educação para o empreendedorismo: Desenvolvimento, tendências e desafios” (Kuratko, 2005) foi publicado pela Empreendedorismo
Teoria e Prática, um jornal que é reconhecidamente um jornal empreendedorismo e reconhecidamente um jornal
disciplina de negócios. o Journal of pequeno Estratégia de Negócios também é reconhecidamente um jornal diário
Transferido pela Universidade Monash Às 02:34 26 nov 2014 (PT)

empreendedorismo e disciplina de negócios. o Journal of pequeno Estratégia de Negócios lançou o Carraher


(business) e Paridon estudo (de negócios), “rankings Empreendedorismo jornal em todo o disciplina” (Carraher e
Paridon,

2008) que classificou os 50 melhores revistas de empreendedorismo. Apenas sete dos periódicos listados
de Kuratko estão incluídas no ranking Carraher e Paridon dos 50 principais revistas de empreendedorismo,
mas a lista de Kuratko não inclui sete dos dez melhores Carraher e Paridon revistas. De 257 referências de
Audretsch, apenas dois são extraídos de revistas listadas na Kuratko, tanto do Journal of Business
Venturing. Fora da notável exceção de Pequeno Economia Empresarial, nenhuma das referências de
Audretsch são de periódicos listados por Carraher e Paridon. Carraher e Paridon têm Pequeno Economia
Empresarial listado como 29 de 50 revistas. Nenhum desses artigos citam Schneider (ciência política) e
(ciência política) de Teske “Rumo a uma teoria do empreendedor político: evidência de governo local”
(Schneider e Teske, 1992). Este artigo foi publicado no American Political Science Review, um dos principais
periódicos em ciência política e o artigo tem 195 citações do Google Acadêmico. Nenhum desses artigos
citam (economia) “Empreendedorismo: produtivo, improdutivo, e destrutivo” de Baumol (Baumol, 1990), que
foi publicado na prestigiosa Journal of Political Economy e tem 2.074 citações no Google Scholar, nem
“Empreendedorismo na teoria econômica”, de Baumol publicado no American Economic Review ( Baumol,
1968) - 912 citações no Google Scholar.

Nós não estamos criticando nem falha bolsa de ninguém. Estes artigos foram escritos para públicos
específicos, mas para dizer que é fazer o nosso ponto. Apesar do reconhecimento comum que se centrou,
investigação disciplinada em empreendedorismo ocorre em todos os andares da torre de marfim e além no mundo
real, audiências separadas e em grande parte não-comunicativos para pesquisa sobre empreendedorismo
continuar a existir.
Agravar essas condições é a observação de que a investigação interesse em empreendedorismo parece
sempre caem na intersecção de campos mais solidamente estabelecidas, ou seja, na intersecção de
marketing e gestão, ou na intersecção de
gestão e economia, e assim por diante. Parece que o empreendedorismo é no mainstream de nenhuma das Revisão do
ciências sociais ou disciplinas de negócios.
empreendedorismo
Portanto, uma ampla revisão da literatura sobre empreendedorismo parece quase impossível de fazer, menos do
que um compromisso enorme de tempo e recursos financeiros por parte de uma equipa de investigadores. Falta de literatura
acesso a tais recursos abundantes, parece-nos que um pesquisador deve decidir sobre uma estratégia de
investigação e perfurar através da literatura empreendedorismo (pelo menos, parte da literatura da qual o
pesquisador está consciente) de acordo com essa estratégia. Isto é o que nós fazemos no restante deste artigo. 185
Nossa estratégia é simples e modesto. Desejamos para familiarizar com o outro alguns desses “díades” e “tríades”,
que conhecemos e que achamos que possam beneficiar de um conhecimento mais próximo.

2. A natureza da actividade empresarial


2 (a) Empreendedorismo como um campo de pesquisa
O estudo do empreendedorismo como um campo em vez de como um fenômeno observado em outros campos
de pesquisa é relativamente novo. Como resultado, questões de definição já teve grande importância na
literatura. Em suas maciçamente citados (3.907 citações do Google Acadêmico a partir de 03 de março de 2012),
Shane e Venkataraman (2000) criar limites para o campo da pesquisa sobre empreendedorismo. Eles construir
Transferido pela Universidade Monash Às 02:34 26 nov 2014 (PT)

em cima Venkataraman (1997), e definir o campo de pesquisa como “o exame acadêmico de como, por quem e
com que efeitos oportunidades para criar produtos e serviços futuros são descobertos, avaliados, e exploradas.”
(Shane e Venkataraman, 2000 , p. 218) Portanto, os elementos essenciais da teoria do empreendedorismo e
pesquisa são o “ fontes de oportunidades; a processos da descoberta, avaliação e exploração de oportunidades;
eo conjunto de indivíduos que descobrir, avaliar e explorá-los”(Shane e Venkataraman, 2000, p. 218).

Portanto, o empreendedorismo é maior do que iniciar novos negócios ou gestão de uma pequena
empresa: “O Empreendedorismo não exige, mas pode incluir, a criação de novas organizações” (Shane e
Venkataraman, 2000, p 219).. Além disso, o campo do empreendedorismo é maior do que o estudo do
empresário: “Comportamento empreendedor é transitória [ y]. [ I] t é improvável que o empreendedorismo
pode ser explicado apenas por referência a uma característica de certas pessoas independentes das
situações em que se encontram”(Shane e Venkataraman, 2000, p. 218). Deste modo, o espírito empresarial
é dependente ou influenciada por “factores de nível populacional [ y]

[S] [factores ocietal y] [ e o ambiente institucional] [ y] ”(Shane e Venkataraman, 2000, p. 219), no qual o potencial
empreendedor percebe e age sobre a oportunidade potencial. Negócios e ciências sociais pesquisadores
muitas vezes se referem às “regras do jogo” e “instituições”. Ambos os termos referem-se as diretrizes de
interação social e econômica que a maioria das pessoas conhecem e geralmente seguem. Essas diretrizes
podem ser formais - tais como leis, decisões judiciais, regulamentos escritos e programas públicos

- ou podem ser informal - como normas sociais, as expectativas gerais de conduta pessoal, e “como fazemos
negócios por estas bandas.” Essas diretrizes influenciar fortemente os custos e benefícios da maioria das
escolhas indivíduos enfrentam; portanto, eles parcialmente determinar qual comportamento é racional, no sentido
econômico do termo.

2 (b) estrutura útil de Baumol


No contexto do Shane e de Venkataraman “fatores de nível populacional, fatores sociais e do ambiente institucional,”
a maioria - mas certamente não todos - os candidatos a empresários será alerta para ou procurar oportunidades de
auto-ganho ou auto-promoção. Nem todos empreendedorismo resultante será benéfico para a economia ou na
sociedade em geral, mesmo que
JEPP enriquece o empresário (de Baumol 1990). Muito empreendedorismo é produtivo e aumenta a riqueza líquida na
sociedade; alguns é improdutiva e simplesmente transfere a riqueza de uma pessoa para outra; e, finalmente, alguns
1,2
empresarial é destrutivo e destrói riqueza (no líquido) no processo de transferência de riqueza a partir de uma
pessoa para outra. Imagine que um empreendedor cria um arranjo logístico inovador que reduz os custos de
transação ao longo de sua cadeia de suprimentos. Esta inovação cria valor econômico, e a riqueza total de
societywill, eventualmente, aumentar como resultado. Agora, imagine um uso inovador de uma doutrina legal que

186 permite que o litigante de lucro, mas os custos para os seus concorrentes e clientes é mais do que o seu benefício.
Normalmente, aplaudimos a inovação, mas neste caso, a inovação seria prejudicial para a riqueza da sociedade.
Alguns sistemas jurídicos e demais instituições sociais incentivar mais este tipo de prejudicial empreendedorismo em
relação ao incentivo do espírito empresarial produtivo. Essas sociedades pode ter apenas como muitos empresários,
mas muitos dos empresários se concentrar na transferência de riqueza em vez de criá-la. Esperamos que esses
países a ser mais pobres, e nós encontrá-los a ser mais pobres (Murphy et al., 1991; Bhagwati, 1982; Olson, 1996;
Sobel, 2008).

(1990) introspecção chave de Baumol foi que as pessoas vão estar mais alerta para e buscar mais
agressivamente oportunidades empresariais produtivos, improdutivos, ou destrutivas, dependendo dos
retornos relativos ao empreendedorismo produtivo, improdutivo, ou destrutivo. Além disso, os retornos de
Transferido pela Universidade Monash Às 02:34 26 nov 2014 (PT)

empreendedorismo produtivo, improdutivo, e destrutiva depender de instituições das sociedades.

Muitos estudiosos têm desenvolvido o conceito que temos de construir sociedades onde é mais promissor
para ser um empreendedor que cria valor do que um empresário que transfere valor. Esses estudiosos têm
tendência para se concentrar em instituições, ou, as regras para a tomada de regras (Landes, 1949). Buchanan
(1999), Brennan e Buchanan (1977) e Buchanan e Tullock (1962) foco nas regras gerais da sociedade. Como as
decisões são tomadas? Como são direitos protegidos? Outros, como Fukuyama (1995) e Weber (1920), o foco
sobre as formas que confiam em uma sociedade incentiva um “círculo virtuoso”, encorajando uma grande
variedade de bons comportamentos, incluindo mas não limitado ao empreendedorismo produtiva (em vez de
improdutiva ou empresarial destrutivo). Shleifer e Vishny (1993) se concentrar no caminho que certas sociedades
permitir e incentivar a corrupção, enquanto outros não. Corrupção incentiva o empreendedorismo destrutiva;
incentiva os tipos e níveis de investimento não ideais, e corrupção incentiva as pessoas inteligentes e
trabalhadoras para se tornar funcionários corruptos em vez de empresários produtivos.

Na raiz, o empreendedorismo é sobre perceber uma oportunidade lucrativa; em seguida, arriscando tempo,
tesouro, e os recursos para perseguir uma oportunidade lucrativa percebida através da criação de novidade ou a
redução da ignorância. Normalmente, o ganho esperado é para ir para o ator, o empresário, mas nem sempre.
Freqüentemente, a oportunidade percebida está no mercado, mas nem sempre. Empreendedorismo é tão facilmente
encontrado em nossas vidas políticas, pois é em nossas vidas econômicas. Empreendedorismo pode ser produtivo,
improdutivo, ou destrutivo para a riqueza da sociedade. Empreendedorismo é também - e parece sempre ter sido -
generalizada nas sociedades humanas. Onde você tem os seres humanos, você vai encontrar alguma forma de
empreendedorismo. Todo mundo tem o potencial ea facilidade para ser um empreendedor, mas algumas pessoas têm
mais; outros têm menos. Algumas pessoas optam por agir sobre este potencial; outros, nem tanto. empreendedorismo
mercado é a introdução deliberada de novidade, inovação ou de arbitragem para os processos de produção e de
câmbio. empreendedorismo política é a introdução deliberada de novidade, inovação ou de arbitragem para o processo
político.

Como as instituições das sociedades afetar nossas escolhas, em geral, afetam nossas escolhas sobre o
comportamento empresarial em particular, incluindo nossas percepções de
oportunidades, o tipo de comportamento empreendedor considerada, ea intensidade da ação empreendedora. Assim, as instituições podem Revisão do
estimular o empreendedorismo produtivo ou empreendedorismo não produtiva. Além disso, em muitos contextos práticos, as instituições de uma
empreendedorismo
sociedade são feitas prático e operacional por meio de suas políticas públicas. decisores políticos, se eleito, nomeado ou empregado, estão

cientes do potencial do empreendedorismo. Ao longo das últimas quatro décadas, políticas destinadas a promover o espírito empresarial -
literatura
especialmente a nível local e sub-nacional - tornaram-se um componente significativo de repertórios de desenvolvimento econômico dos

formuladores de políticas. No entanto, as políticas públicas podem ter a consequência não intencional de promoção do espírito empresarial não

produtiva, deixando assim os ganhos não exploradas de troca e retardar a taxa de crescimento económico. Além disso, política pública que se 187
destina a apoiar o empreendedorismo pode ser propenso a rent-seeking e captura política. Os decisores políticos e implementadores de

políticas têm acesso aos poderes do governo e do erário público. Se os empresários (políticos ou não) esperar que os formuladores de políticas

podem usar esses poderes para apoiar o empreendedorismo, isso vai atrair os esforços por estreitos interesses, locais e pessoais na sociedade

para influenciar as políticas em determinadas direções sobre os outros. Como o público em geral normalmente tem pouco em jogo uma decisão

política em particular, a política pode estar de acordo com o interesse especializado mais do que ele está em conformidade com um interesse

geral, público. Se os empresários (políticos ou não) esperar que os formuladores de políticas podem usar esses poderes para apoiar o

empreendedorismo, isso vai atrair os esforços por estreitos interesses, locais e pessoais na sociedade para influenciar as políticas em

determinadas direções sobre os outros. Como o público em geral normalmente tem pouco em jogo uma decisão política em particular, a política

pode estar de acordo com o interesse especializado mais do que ele está em conformidade com um interesse geral, público. Se os empresários

(políticos ou não) esperar que os formuladores de políticas podem usar esses poderes para apoiar o empreendedorismo, isso vai atrair os

esforços por estreitos interesses, locais e pessoais na sociedade para influenciar as políticas em determinadas direções sobre os outros. Como o público em geral normalmente tem pouco em jo
Transferido pela Universidade Monash Às 02:34 26 nov 2014 (PT)

empreendedorismo 3. Mercado
empreendedorismo mercado é a introdução deliberada de novidade, inovação ou de arbitragem para os processos de
produção e de câmbio. ação empreendedora mercado é uma pedra angular do processo de mercado, ter impacto
significativo e mensurável sobre os resultados do mercado. Além disso, o empreendedorismo mercado - ou as escolhas
dos empresários do mercado
- responder aos incentivos criados pelas políticas públicas. Não surpreendentemente, as pessoas e organizações
envolvidas no processo político têm procurado usar a política pública (o resultado imediato do processo político) para
influenciar o empreendedorismo mercado.

3 (a) empreendedorismo Mercado e econômicas resultados


Fora de praticante ou interesse consultivo, os investigadores e os cuidados público em geral sobre
empreendedorismo mercado apenas na medida em que o empreendedorismo afeta os resultados
econômicos. Quantificar esses efeitos foi o objetivo de “Qual é o valor do empreendedorismo? Uma revisão de
pesquisas recentes”(Van Praag e Versloot, 2007). Uma versão estendida deste artigo foi publicado como Van
Praga e Versloot (2008). Van Praag e Versloot revisão da literatura empírica, ao invés da literatura teórica,
sobre as contribuições empresariais para a criação de valor econômico. Eles observam que a literatura teórica
é utilmente revisto em Parker (2004) e em muitos dos estudos empíricos que Van Praag e Versloot, eles
próprios, de revisão. Nem Van Praag e Vandersloot relacionar o comportamento das empresas
empreendedoras para os resultados económicos (por exemplo, Wynarczyk e Watson, 2005; Maes et al., De
2005, Norton e Moore,

2006), nem avaliar como fatores institucionais afetam comparativamente o crescimento e produtividade das
empresas empreendedoras e outros de forma diferente (por exemplo Hartarska e Gonzalez-Vega, 2006). Ao longo
dos 12 anos estudados por van Praag e Versloot, 57 estudos de teste 87 relações apareceu na sua amostra de
revistas.
Van Praag e Versloot (2007) é uma contribuição significativa para a literatura, porque, como dizem os autores:

Surpreendentemente, dada a relevância de mostrar a relação entre o empreendedorismo e os resultados


econômicos, este artigo é a primeira revisão da literatura empírica (primário) neste
JEPP área. Mais precisamente, é a primeira revisão do economia e gestão de alta qualidade estudos, focando vários tipos de
contribuições que os empresários podem fazer para a economia em termos de medidas quantificáveis e avaliação do
1,2 desempenho dos empreendedores nessas áreas
em relação aos seus congéneres, ou seja, maior, mais velhas ou empresas incumbentes. Nestes sentidos nosso estudo é único (p. 352).

Eles continuam em uma nota de rodapé:


188
Para nosso conhecimento, cinco estudos anteriores e recentes são algo relacionado: Acs e Audretsch (2005) sobre
empreendedorismo e inovação; Carree e Thurik (2003) sobre o empreendedorismo eo crescimento económico a partir
de uma perspectiva macroeconômica; Biggs (2002), discutindo as pequenas e médias empresas (PME) e geração de
emprego e inovação; Caves (1998), com foco na entrada, saída e volume de negócios, bem como o crescimento firme
e eficiência de produção, e, finalmente, Sutton (1997) sobre a geração de emprego (Van Praag e Versloot, 2007, p.
352). Van Praag e Versloot focado nesses periódicos classificados AA ou A pela Research Escola Tinbergen Institute,
bem como “o principal jornal empreendedorismo no campo da economia” (Van Praag e Versloot, 2007, p. 353) e “o
empreendedorismo líder revista no domínio da gestão”(Van Praag e Versloot, 2007, p. 353) e três principais revistas de
gestão. Assim, a amostra foi tirada a partir das seguintes publicações:
Transferido pela Universidade Monash Às 02:34 26 nov 2014 (PT)

American Economic Review, Econometrica, Journal of Finance, Journal of Political Economy, Quarterly
Journal of Economics, Revisão de Estudos Económicos, Contabilidade Review, Teoria Econométrica, Economic
Journal, Revisão Económica Europeia, Jogos e Comportamento Econômico, Economic Review International, Jornal
de Contabilidade e Economia, Jornal de Negócios e Economia Estatística, Journal of Econometrics, Journal
of Economic Literature, Journal of Economic Perspectives, Journal of Economic Theory, Jornal de Economia
e Gestão Ambiental, Journal of Financial Economics, Jornal de Intermediação Financeira, Journal of Health
Economics, Journal of Human Resources, Journal of International Economics, Journal of Labor Economics,
Revista de Direito, Economia e Organização, Journal of Marketing Research, Journal of Monetary
Economics, Journal of Public Economics, Jornal de risco e incerteza, Journal of the European Economic
Association, Jornal de Economia Urbana, Gestão de Ciência, Marketing Science, Matemática de Pesquisa
Operacional, Pesquisa Operacional, Rand Journal of Economics, revisão de Economia e Estatística, Análise
de Estudos Financeiros, World Economic revisão Bank, Pequeno Economia Empresarial, Jornal of Business
Venturing, Strategic Management Journal, Academy of Management Journal, e Administrativa Quarterly
Science.

É interessante notar que apenas quatro revistas - a Academy of Management Journal, Administrative
Science Quarterly, Pequeno Economia Empresarial, e a Strategic Management Journal - aparecem tanto o
conjunto de dados Van Praag e Versloot e na lista Carraher e Paridon (2008) das principais revistas de
empreendedorismo.
No que diz respeito a inovação, Van Praag e Versloot (2007) concluem: Empresários não mais investir em inovação do que
suas contrapartes e produzem menos inovações. A qualidade de suas inovações podem ser mais elevados e essas
inovações parecem ser produzidas de forma mais eficiente [ y]. Em relação ao comercialização de inovações, a níveis são
relativamente mais elevados para os empresários (em termos de participação nas vendas). No entanto, a relativa

benefício de comercialização por empresários vis-à-vis seus colegas ainda não está claro. Além disso, os empresários e homólogos são

igualmente susceptíveis de adotar inovações de baixo custo, enquanto que os homólogos são mais propensos a adoptar inovações

de custo mais elevado (p. 365). Virando-se para a produtividade dos factores, eles escrevem que os resultados são
“principalmente não em apoio relativamente alta níveis da produtividade do trabalho dos empresários “, e produtividade total dos
fatores
“ níveis de empresários não são diferentes de ou menores do que os dos seus homólogos”(Van Praga e Versloot, 2007, p. Revisão do
368) (o sublinhado é nosso). No entanto, no crescimento de valor acrescentado “, o valor da produção dos empresários
empreendedorismo
cresce relativamente rápido em comparação com o grupo controle [ y]. ”(Van Praag e Versloot, 2007, p. 370), e que“o
crescimento da produtividade do trabalho é maior em empresas empreendedoras do que em outras empresas. Ambos os
literatura
estudos baseados em dados dos macro micro e mostram que o efeito do aumento da atividade empresarial gera o
crescimento da produtividade do trabalho”(Van Praag e Versloot, 2007, p. 371). Mesmo assim, “A evidência para o
crescimento nos níveis da PTF é escassa” (Van Praag e Versloot, 189

2007):

Os empreendedores criam mais emprego do que os seus homólogos, em relação ao seu tamanho. [ y].
[E] ntrepreneurs criar mais empregos, mas o fazem de uma forma bastante dinâmica, o que é desvantajoso para a estabilidade
do mercado de trabalho. [ y]. A evidência sugere que, em vez de forma convincente de que há um efeito positivo a longo-termo de
actividade mais empresarial sobre a procura de trabalho, também por empresas não-empresariais (pp. 372, 377).

3 (b) empreendedorismo Mercado e políticas públicas


Audretsch (2002) foi escrito para resumir a literatura para uso pelo funcionalismo União Europeia. Com base
Transferido pela Universidade Monash Às 02:34 26 nov 2014 (PT)

em suas referências, Audretsch centrada sobre a economia e estudos regionais literaturas, ao invés das
literaturas educação para o empreendedorismo de negócios e, ao escrever este relatório. Audretsch (2002)
detalha a justificação teórica para a intervenção do governo na economia, no caso da política de
empreendedorismo em termos familiares para qualquer pessoa que tenha tomado uma aula de economia. A
justificativa de raiz para a intervenção do governo no apoio ao empreendedorismo está em corrigir falhas de
mercado, devido à existência de custos externos, benefícios externos ou bens públicos. “[T] ele mandato
para a intervenção política pública é o resultado de três fontes fundamentais de falha de mercado -
externalidades de rede, externalidades do conhecimento,

externalidades de rede resultam do valor de um capacidades da firma individual ou estar condicionada à proximidade
geográfica de empresas complementares e indivíduos. [ y]
Tal falha de mercado pode ocorrer quando há um potencial para o agrupamento geográfico, ligações sectoriais, ou redes. [K]
conhecimento, que envolve novas ideias, é inerentemente um bem público [ y]. A segunda fonte de fracasso do mercado é que
o valor econômico positivo para as empresas de terceiros e indivíduos é criada mesmo em empresas empreendedoras que
não [; conhecimento que de outra forma seriam perdidos]. A terceira fonte de falha de mercado envolve o efeito de
aprendizagem ou de demonstração, que emana da atividade empresarial.
[ y] Outras pessoas vão aprender a
empreendedorismo é uma alternativa viável para o status quo. Ao preencher essas lacunas deixadas por falha de mercado,
políticas públicas podem criar um ciclo virtuoso empreendedor, onde os empresários se tornam em rede e ligados uns aos
outros, e fortes modelos de empreendedorismo existe para os outros a imitar (pp. 47-8).

Neste relatório, Audretsch escreveu extensivamente sobre o papel potencial de políticas públicas podem desempenhar em
influenciar o comportamento empreendedor. “Se o grau real de empreendedorismo [ y]
desvia o grau alvo do empreendedorismo [ y], políticas governamentais podem ser tomadas para alterar as
forças básicas que moldam a atividade empresarial. [S] políticas de empreendedorismo uch são
implementadas, alterando os diferentes componentes moldar cada lado da demanda, o lado da oferta, ou
então o perfil de risco-recompensa diretamente “.

Audretsch prevê vários tipos de política de espírito empresarial. As políticas podem promover o empreendedorismo
alterando os fatores que moldam oportunidades para o empreendedorismo,
JEPP tais como a desregulamentação de entrada no mercado, privatização e promoção de ligações e aglomerados firmes.
Outros tipos de políticas de promoção do empreendedorismo por fatores que alteram moldam o lado da oferta, como o
1,2
aumento das capacidades de indivíduos e empresas e facilitar o acesso aos recursos, ou seja, as políticas de imigração
e diversidade, educação e formação, prestação de finanças, e campanhas promocionais e educativas para melhorar
opiniões da sociedade de empreendedores. Outras políticas alterar o perfil de risco-recompensa diretamente; políticas,
tais como impostos, subsídios, regras do mercado de trabalho e regulação falência (Audretsch, 2002, p. 31).

190

Audretsch estabelece uma distinção nítida entre as políticas tradicionais voltadas para a proteção e
promoção de pequenas e médias empresas (PME) e “política de espírito empresarial.” Em contraste, a
política de empreendedorismo é um fenômeno relativamente novo:

Uma importante distinção deve ser feita entre políticas (pequena empresa) PME tradicionais e políticas de
empreendedorismo. política das PME é quase exclusivamente orientada para o estoque existente de empresas e
praticamente todos os instrumentos incluídos na carteira política se destinam a promover a viabilidade das PME. Por
outro lado, a política de empreendedorismo tem um foco muito mais amplo. A definição introduzida por Lundstrom e
Stevenson (2001,
p. 19) [ y] é certamente aplicável [ y], “A política de Empreendedorismo consiste em medidas tomadas para estimular um
Transferido pela Universidade Monash Às 02:34 26 nov 2014 (PT)

comportamento mais empreendedor em uma região ou país [ y] Nós definimos política de espírito empresarial como as
medidas destinadas a influenciar diretamente o nível de vitalidade empreendedora em um país ou região (Audretsch, 2002,
p. 46).

Baseando-se em Lundstrom e Stevenson (2002), Audretsch escreve que o empreendedorismo é distinta da política
para as PME de duas maneiras distintas. O primeiro é a amplitude de orientação e instrumentos de política:

[E] política ntrepreneurship é mais focado no processo de mudança, independentemente da unidade organizacional,
enquanto a política das PME é focado exclusivamente no nível empresarial. política de espírito empresarial também tem
uma maior sensibilidade à estrutura ou condições ambientais que moldam o processo de tomada de decisão dos
empresários. Nesse sentido, a política de espírito empresarial tende a ser mais sistêmica do que a política das PME
(Audretsch, 2002, p. 46). A segunda grande distinção entre a política empresarial e política das PME é que quase todos os
países tem um escritório formal do governo ou agência mandatada para promover os interesses das PME. Até agora,
nenhum país tem um órgão ou organismo semelhante para promover o empreendedorismo, per se.

Audretsch afirma que como formuladores de políticas tornaram-se mais em sintonia com a natureza do motor
de inovação e crescimento empresarial das economias, a natureza da política pública deslocou-se em dois
aspectos importantes. Primeiro, a política mudou longe de regulação, defesa da concorrência e propriedade pública
para políticas “que permite a criação e comercialização de conhecimento” (Audretsch, 2002, p. 48). Em segundo
lugar, o locus da política está mudando a nível nacional (por um lado) e ao nível da empresa (por outro lado) para o
local, estadual e regional (Audretsch, 2002, p. 51).

Audretsch refere-se extensivamente para Storey (2003), que apresenta o trabalho empírico de Storey sobre a
incidência ea amplitude das políticas de empreendedorismo reais em todo o mundo desenvolvido. Estas políticas públicas
são destinados a remediar restrições ao acesso ao financiamento, investidores e mercados; para promover a
conscientização do empreendedorismo como uma opção de vida; para melhorar empresários (e seus empregados)
competências profissionais e acesso a outros recursos produtivos; para aliviar os encargos administrativos para as PME;
para promover a aglomeração espacial empresarial e estimular a inovação e pesquisa e desenvolvimento. As políticas
incluem programas de empréstimos garantidos pelo governo, incentivos fiscais para
investidores anjo, feiras organizadas pelo governo, parques promovido pelo governo de ciência e incubadoras, Revisão do
formação e aconselhamento para os empresários, esquemas educações gerais centrados sobre empreendedorismo
empreendedorismo
e desregulamentação seletiva. As evidências sobre a eficácia de uma determinada política para alcançar o objectivo
declarado é executado a gama de pouco estudado, para ineficaz, a geralmente eficaz. literatura

4. escolha Público: política sem o romance 191


Antes de ligar a partir de nossa discussão de “empreendedorismo de mercado” para uma discussão sobre
“empreendedorismo político”, desejamos avaliar muito do empreendedorismo mercado à luz de outro campo dentro da
economia, da escolha pública. A literatura empreendedorismo resumido por Audretsch não parece dar conta de
considerações escolha pública; isto é, para os atores políticos racionalmente egoístas. política pública que se destina a
apoiar o empreendedorismo pode ser propenso a rent-seeking e captura política, um tema desenvolvido mais
completamente na escola escolha pública do pensamento (por exemplo Tullock, 1967; Stigler, 1971). Os decisores políticos
e implementadores de políticas têm acesso aos poderes do governo e do erário público. Se os cidadãos esperam que os
decisores políticos podem usar esses poderes para apoiar o empreendedorismo, isso vai atrair os esforços por estreita,
local, e interesses pessoais na sociedade para influenciar essas políticas em certas direções em detrimento de outros.
Como o público em geral normalmente tem pouco em jogo uma decisão política em particular, a política pode estar de
acordo com o interesse especializado mais do que ele está em conformidade com um interesse geral, público.
Transferido pela Universidade Monash Às 02:34 26 nov 2014 (PT)

escolha pública é um campo em economia que enfoca os incentivos de todos os atores se esses atores são eleitores, políticos, lobistas, ou

juízes (Mueller, 2003). It “explica e interpreta a política como a interação entre componentes e agentes que procuram avançar ou expressar seus

próprios interesses” (Buchanan, 1987, p. 29). Esta ideia baseia-se Federalista # 51: “Se os homens fossem anjos, nenhum governo seria

necessário. Se os anjos foram para governar os homens, controles nem externas nem internas no governo seria necessário. Na elaboração de

um governo que está a ser administrado por homens sobre homens, a grande dificuldade reside no seguinte: primeiro você deve habilitar o

governo a controlar os governados; e no lugar seguinte obrigá-lo a se controlar. A dependência das pessoas é, sem dúvida, o controle primário

sobre o governo; mas a experiência ensinou a humanidade a necessidade de precauções auxiliares”(Madison, 1788). A perspectiva da escolha

pública não é que o governo ou os lobistas ou políticos são maus (ou ganancioso, cínico, corrupto, etc.), mas que a pessoa na cabine de

votação, na câmara legislativa, ou no escritório do regulador não é diferente do que a pessoa no mercado: a mesma pessoa está em todas

essas configurações, e enfrenta incentivos semelhantes em todas as configurações (Buchanan, 1999). Independentemente da definição, os

tomadores de decisão são fundamentalmente os mesmos, assim como os meios e os fins de escolhas, e os métodos de uma pessoa emprega

em fazer uma escolha. mas que a pessoa na cabine de votação, na câmara legislativa, ou no escritório do regulador não é diferente do que a

pessoa no mercado: a mesma pessoa está em todas essas configurações, e enfrenta incentivos semelhantes em todas as configurações

(Buchanan, 1999 ). Independentemente da definição, os tomadores de decisão são fundamentalmente os mesmos, assim como os meios e os

fins de escolhas, e os métodos de uma pessoa emprega em fazer uma escolha. mas que a pessoa na cabine de votação, na câmara legislativa,

ou no escritório do regulador não é diferente do que a pessoa no mercado: a mesma pessoa está em todas essas configurações, e enfrenta

incentivos semelhantes em todas as configurações (Buchanan, 1999 ). Independentemente da definição, os tomadores de decisão são fundamentalmente os mesmos, assim como os meios e o

Muitos pesquisadores e profissionais deseja aplicar a análise científica e “resolver” uma variedade de
problemas para os empresários, encontrando as políticas ótimas; se essas políticas são o imposto ideal
sobre as empresas, ou a política de transferência ótima tecnologia, ou o melhor conjunto de normas de
proteção do consumidor, ou as regras de patentes ótimas (Buchanan, 1967). escolha pública conclui que as
políticas reais nunca serão as políticas ótimas, porque há muitos, prospectivas jogadores egoístas que
podem afetar o resultado (Kydland e Prescott, 1977).

Vai ser difícil, mesmo para os decisores políticos perfeitamente altruístas para encontrar a política que maximiza
conjuntamente a felicidade de todos os intervenientes (Buchanan, 1969, 1975). Além disso, os eleitores, como quaisquer
outros gerentes, terão dificuldade em monitorar e gerenciar seus agentes - funcionários eleitos e funcionários públicos.
custos monitoramento sempre existirá (Cheung, 1969; Jensen e Meckling, 1976; Fama e Jenson, 1983).
JEPP Não só os eleitores enfrentam custos de monitoramento positivos, o indivíduo, o custo por pessoa de até mesmo uma
política muito caro será muito pequeno, e, mesmo se um indivíduo se opõe a uma política, há muito pouco que ela pode fazer
1,2
para realmente mudar a política. Desde eleitores individuais não serão capazes de afetar o resultado da maioria das eleições,
os eleitores não vai gastar muito tempo a tornar-se bem informados sobre as eleições. Após a eleição a maioria dos eleitores
não vai knowmuch sobre qualquer política particular (Olson, 1965, 1982; Caplan, 2001). Assim, Downs (1957) sugere que
muitos, se não a maioria dos eleitores será racionalmente ignorante.

192
Isso cria uma situação em que não gerais, grupos de interesses pequenos, organizados podem influenciar as
políticas públicas para a sua vantagem, mesmo que à custa do, interesse público geral (McCormick e Tollison,
1981). Os eleitores são um grupo de interesse, mas não o único. Eleitores fornecer votos, mas outros grupos
fornecer organização, campanhas, lobbying e de dinheiro é claro. Olson (1965) demonstra convincentemente que as
grandes, grupos de interesse de interesse público geral não são susceptíveis de formar, mas grupos de interesses
pequenos, com juros estreita tendem a fundir-se; Assim, a política irá refletir a manipulação da maioria
desorganizada pela minoria organizada. Os grupos de interesse competir uns contra os outros para obter a política
que eles querem. A política que será promulgada será a política que equilibra marginal pressão de grupos de
interesse (Riker, 1962; McCormick e Tollison, 1981; Becker, 1983).
Transferido pela Universidade Monash Às 02:34 26 nov 2014 (PT)

A volumosa literatura em busca de renda (Tollison, 1982) fornece uma perspectiva semelhante, paralela
sobre esses fenômenos. rentista é a ideia de que as pessoas vão gastar recursos reais na tentativa de garantir
uma vantagem para si mesmos do governo (Krueger, 1974; Tollison, 1982; Tullock, 1967). rentista difere de
outros tipos de actividade económica em que ele não cria benefício mútuo, como fazem a maioria das actividades
económicas (Bhagwati, 1982). Em vez de criar riqueza como atividades de mercado geralmente fazem,
rent-seeking é simplesmente um meio caros de transferência de riqueza de uma entidade económica para outro.
Para muitos, buscando rendas é a sua estratégia (Bowman, 1974).

O exemplo clássico de rent-seeking é quando uma empresa gasta tempo e recursos para convencer o governo a
fornecer algum tipo de protecção do mercado que permite que o “vencedor política” para ganhar um lucro quase
monopólio (Tollison, 1982). Alternativamente empresas podem alugar procurar incentivar vários regulamentos que
aumentam os custos relativos dos concorrentes (Alchian e Allen, 1964; Salop e Scheffman, 1983). Mesmo se um
regulamento eleva os custos do aluguel do candidato a, se a regulamentação aumenta os custos dos concorrentes por
mais, fazendo lobby para a regra poderia ser útil para o aluguel buscador.

Os economistas tendem a abominar rent seeking porque impede o crescimento (Krueger, 1974; Bhagwati,
1982; Baumol, 2002; Murphy et al., 1993; Olson, 1996). rentista prejudica o crescimento de várias maneiras. Ele
estimula o acúmulo de poder de monopólio nos mercados, o que reduz a chance para a troca benéfica (Harberger,
1971). Ele encoraja as pessoas produtivas para se tornar rentistas que redistribuem a riqueza em vez de criá-lo
(Bhagwati, 1982; Baumol, 1990; Murphy et al., 1991). Ele encoraja as pessoas bem conectadas para investir em
projetos de longo prazo, porque eles sabem que os novos operadores serão proibidos. No entanto, a maioria das
pessoas não será bem conectado. Por isso a maioria das pessoas vai ser cauteloso sobre o investimento a longo
prazo em uma sociedade rent seeking (Murphy, 1993; Olson, 1996). rentista pode levar a um “círculo vicioso” em
que mais e mais pessoas se envolverem em busca de renda, e cada vez menos pessoas estão envolvidas na
produção (Murphy et al., 1991; SHLEIFER e VISHNY, 1993). McChesney (1987) aponta que uma vez que um
governo é organizado para fornecer proteção de mercado, funcionários do governo pode então extorquir empresas.
Finalmente, rent seeking pode impedir a adoção de novas tecnologias porque os produtores de tecnologia mais
antiga vai tentar proteger sua posição (Acemoglu e Robinson, 2000).
Porque os empresários tendem a ter pequenas empresas ou mesmo ainda-não-existentes, eles estão em um rent-seeking Revisão do
desvantagem em relação aos estabelecidos, as empresas já estabelecidas. Eles não vão ser tão bom no que faz, e, muitas vezes, não
empreendedorismo
têm os recursos financeiros iniciais para se envolver em rent-seeking
- ou defender-se do rent seeking de empresas estabelecidas - e lançar um novo empreendimento. empresas literatura
estabelecidas são mais capazes de lidar com as novas regulamentações do que potenciais candidatos empresariais ( Economista,
1994).
Por exemplo, uma maneira que rent seeking pode afetar empresários é através de licenciamento ocupacional 193
(Kleiner e Krueger, 2010). Os governos usam licenciamento para proteger o público de charlatões, mas seu uso pode
ser exagerada. Profissões que realmente não exigem proteção público, como fazer tranças no cabelo, muitas vezes
requerem uma licença do estado caro, porque cosmetologists existentes quer a proteção dos concorrentes do
mercado.
Portanto, como Baumol (1990) explicou, as regras políticas e jurídicas e leis, a cultura política e judicial e
instituições na ajuda geral determinar os custos esperados e benefícios esperados de rent-seeking ação
política em relação à ação de mercado com fins lucrativos. Intencionalmente ou não, alguns quadros
institucionais levantar as recompensas e / ou reduzir os custos de rent-seeking improdutivas ou destrutivo
empreendedorismo em relação às recompensas e custos de empreendedorismo com fins lucrativos.
Intencionalmente ou não, outros enquadramentos institucionais terão o efeito oposto.
Transferido pela Universidade Monash Às 02:34 26 nov 2014 (PT)

Por isso, os autores que exigem uma boa política empresarial ou política que irá promover uma sociedade mais
empreendedora (Storey, 1985; Acs e Audretsch, 2005; Acs e Storey,
2004) para o benefício de todos nós golpear como um pouco otimista. Suas chamadas para uma boa política de
empreendedorismo arrancar uma corda sensível, mas escolha pública sugere que a política ideal de qualquer tipo é como
Papai Noel: altamente desejado, mas inexistente e improvável que alguma vez existir.

Neste ambiente, o papel do pesquisador política de espírito empresarial é ajudar a explicar por que
existe política atual, dentre o universo de possíveis (em oposição a ideal) políticas reais, e sugerir melhorias
nas políticas que seriam consistentes com uma política de rent-seeking ; isto é, para buscar formas viáveis
​para limitar o alcance do potencial empreendedorismo improdutiva ou destrutivo e ampliar o alcance do
potencial empreendedorismo produtivo.

5. empreendedorismo Political
Vamos agora transformar a discussão para o “empreendedorismo político.” Empreendedorismo política é a
introdução deliberada de novidade, inovação ou de arbitragem para o processo político. empreendedorismo
política é um subconjunto do empreendedorismo de mercado, de modo mais geral (Shockley et al., 2008).
empreendedorismo política incorpora uma ampla variedade de atividades. Ele inclui vendo uma necessidade
não atendida ou desejo de nova política (Schneider et al., 1995), e descobrir oportunidades no âmbito de
políticas (Mintrom e Norman, 2009). “Empresários políticos desenvolver políticas novas e inovadoras e
galvanizar outra forma cidadãos difíceis de organizar, dispersos para apoiar as suas políticas” (Schneider e
Teske, 1992, p. 742). Schneider e Teske (1992) afirmam que empresários políticos são mais propensos a
surgir quando há fatores que fazem lucros empresariais mais provável e onde as condições locais facilitar
uma solução para problemas de ação coletiva. Schneider e Teske (1992) referem-se especificamente o
empreendedorismo política para “condições locais fiscais [e] padrões orçamentais locais” (p 743.); ou, em
nossa língua, em função das instituições.

empreendedorismo política pode envolver ver o potencial que poderia ser adquirida a formação de um novo
grupo de interesse (Ostrom, 1964; Wagner, 1966; Campbell, 1999;
JEPP Schneider e TESKE, 1992). empreendedorismo político poderia envolver mudando a natureza de um debate político
(Riker, 1962). Becker (1983) e Wittman (1989, 1995) argumentam que se os objetivos políticos não estão a ser
1,2
alcançados no caminho de menor custo, então há uma oportunidade de lucro. Qualquer um que pode reorganizar as
atividades do governo para reduzir os custos podem tomar essas economias de custo e fazer outras coisas com eles
(Holcombe, 2002). Estas poupanças podem vir de fazer as coisas de forma diferente, combinando recursos políticos de
forma diferente, ou terceirização-los (Milward e Provan, 1993). As economias de custo são um lucro político que o

194 empresário pode então aplicar para a satisfação de outras metas. Claro, é muito simples de ver o empreendedorismo
política através da lente mais geral de rent-seeking.

Nós pensamos de lucros monetários como o pagamento para o empreendedorismo (Knight, 1921). Um conceito
particularmente interessante da literatura empreendedorismo político é que, como em outras formas de
empreendedorismo de mercado, os lucros podem vir em uma grande variedade de maneiras não pecuniários: fama
(Cowen, 2002; Goktepe-Hulte'n e Mahagaonkar,
2008), o sucesso reeleição (ller MU, 2007), força bruta, a construção do império, o desejo de melhorar o mundo
(Ruvio et al., 2010), o desejo de ser criativo (Stewart et al., 1999), ou a capacidade de criar algo duradouro.
Todos são tipos de lucro para o empreendedorismo política (Schneider e Teske, 1992). lucro pecuniário é, no
entanto, ainda é relevante e tem implicações importantes (Krueger, 1974; Baumol, 1990; Bhagwati, 1982).
Transferido pela Universidade Monash Às 02:34 26 nov 2014 (PT)

empresários políticos têm os mesmos mecanismos cognitivos como empresários mercado: pensamento
contrafactual, afetam infusão, estilo de atribuição, o planejamento falácia, e auto-justificação (Baron, 1998);
não tão diferente das motivações dos empresários de mercado (Schaver e Scott, 1991; Penrose, 1959; Baron,
1998). No entanto, Mintrom e Norman (2009) apontam que as motivações dos empreendedores de políticas
têm recebido pouca atenção. Mintrom e Norman (2009) acrescentam que “como fatores contextuais servem
para constranger e moldar as ações dos empreendedores de políticas também exige mais atenção” (2009, p.
661). Por “fatores contextuais,” tomamos Mintrom e Norman para significar “instituições”.

6. Conclusão
Empreendedorismo e políticas públicas é uma agenda de pesquisa vibrante e incompleto. Citamos 4 90 artigos, e que mal começaram.
Análise na economia política, rent seeking, escolha pública, e empreendedorismo tem muitas áreas à espera de ser pesquisado. Além
disso, nós nem sequer começar a rever o material aplicável a partir de direito, psicologia, sociologia, estratégia, liderança, história ou
finanças. Nem fazemos uma revisão da literatura que descreve como as políticas específicas podem afetar o empreendedorismo. Não
consideramos, em nenhum detalhe apreciável, microfinanças, a difusão do conhecimento, transbordamentos, incubadoras, patentes, ou
qualquer um dos miríade de outros programas que afetam e são afetados pela política de espírito empresarial. Nós não considerar a
maneira que as políticas podem afetar se imitadores ou inovadores obter uma maior proporção dos lucros aplicáveis ​(Teece, 1987). Nós
não considerar como política pública pode afetar o conhecimento prévio que os empresários ter e usar para iniciar novos empreendimentos
(Shane, 2000). Nós não gastar tempo com os vários tipos de mudança de política empresarial que possam ocorrer como “incrementalismo,
correntes políticas, institucionalismo, equilíbrio pontuado, e coalizões de defesa” (Mintrom e Norman, 2009, p. 649). Obviamente, este
artigo de revisão não é autorizada. Ainda há muito trabalho a fazer no resumindo a pesquisa existente e re embalagem-lo para diferentes
grupos de leitores. Neste artigo de revisão não é autorizada. Ainda há muito trabalho a fazer no resumindo a pesquisa existente e re
embalagem-lo para diferentes grupos de leitores. Neste artigo de revisão não é autorizada. Ainda há muito trabalho a fazer no resumindo a
pesquisa existente e re embalagem-lo para diferentes grupos de leitores.

Além disso, há uma tremenda quantidade de trabalho a ser feito na área de empreendedorismo e
políticas públicas. Acreditamos que a quantidade de novas pesquisas
como-ainda-não-escrita na área de empreendedorismo e políticas públicas é uma oportunidade emocionante. Os Revisão do
estudiosos são capazes de fazer grandes avanços e grandes avanços em nossa compreensão e melhorias não
empreendedorismo
marginais ou refinamentos nas bordas, como estão disponíveis em vários campos de pesquisa. Para citar tema de
pesquisa apenas uma amostra, chegou a com esforço moderado, no máximo: como pode regimes fiscais diferentes literatura
afetar a ecologia de empresas empreendedoras - se os novos empreendimentos estão organizados como familiar ou
franquia; como gazela ou de estilo de vida empresas, etc. Nós não sabemos a resposta a estas perguntas. Desejamos
que os pesquisadores iria escrever estes artigos rapidamente. Queremos lê-los. 195

Referências

Acemoglu, D. e Robinson, JA (2000), “perdedores políticos como uma barreira para o desenvolvimento econômico”,
A American Economic Review, Vol. 90 No. 2, pp. 126-30.

Acs, ZJ e Audretsch, DB (2005), “Empreendedorismo, inovação e mudança tecnológica”,


Fundações e Trends in Empreendedorismo, Vol. 1 No. 4, pp. 1-65. Acs, ZJ e Storey, DJ (2004), “Introdução: o

empreendedorismo eo desenvolvimento econômico”,


Estudos Regionais., Vol. 38 n ° 8, pp. 871-7. Alchian, A. e Allen, W. (1964), Universidade Economia, Wadsworth
Transferido pela Universidade Monash Às 02:34 26 nov 2014 (PT)

Publishing, Belmont, CA. Audretsch, DB (2002), “Empreendedorismo: a pesquisa da literatura”, preparado para o Europeu

Comissão, Direcção-Geral Empresa, Bruxelas.

Baron, R. (1998), “mecanismos cognitivos em empreendedorismo: por que e quando empresários


pensar de forma diferente do que outras pessoas”, Journal of Business Venturing, Vol. 13 N ° 4, pp. 275-94.

Baumol, WJ (1968), “Empreendedorismo na teoria econômica”, American Economic Review, Vol. 58


No. 2, pp. 64-71.

Baumol, WJ (1990), “Empreendedorismo: produtivo, improdutivo, e destrutivo”, Diário de


Economia política, Vol. 98 No. 5, pp. 893-921. Baumol, WJ (2002), O Innovation Máquina de livre mercado: Analisando

o milagre do crescimento de
Capitalismo, Princeton University Press, Princeton, NJ.

Becker, G. (1983), “A teoria da concorrência entre os grupos de pressão para influência política”, o
Quarterly Journal of Economics, Vol. 98 No. 3, pp. 371-400. Bhagwati, JN (1982), “Diretamente improdutiva, fins

lucrativos (DUP) atividades”, Journal of Political


Economia, Vol. 90 No. 5, pp 988-1002. Biggs, T.

(2002), “é pequeno bonito e digno de subsídio?”, Disponível em: http: //


kb.trilincanalytics.com/upload/a7/a7748348a9dc009.pdf (acessada 17 de fevereiro de 2012). Bowman, EH (1974),
“Epistemologia, estratégia corporativa, e academia”, Gestão Sloan
Reveja, Vol. 15 pp. 35-50.

Brennan, G. e Buchanan, JM (1977), “Rumo a uma constituição fiscal para Leviathan”, Diário
Economia Pública, Vol. 8 N ° 3, pp. 255-73.

Buchanan, JM (1967), “política e ciência: reflexões sobre a crítica do cavaleiro de Polanyi”, Ética,
Vol. 77 N ° 4, pp. 303-10. Buchanan, JM (1969), Custo e Escolha, University of Chicago Press, Chicago, IL. Buchanan,

JM (1975), Os limites da liberdade, University of Chicago Press, Chicago, IL. Buchanan, JM (1987), “A reforma tributária como

a escolha política”, O Journal of Economic Perspectives,

Vol. 1 N ° 1, pp. 29-35. Buchanan, JM (1999), Finanças Públicas em processo democrático Liberty Fund,

Indianapolis, IN
(reimprimir).
JEPP Buchanan, JM e Tullock, G. (1962), The Calculus of Consent, University of Michigan Press,
Ann Arbor, MI.
1,2
Campbell, ND (1999), “empresários políticos e o processo exigindo a transferência: homesteading
o distrito não atribuído”, Review of Austrian Economics, Vol. 12 No. 2, pp. 201-25. Caplan, BD (2001), “ignorância

racional contra a irracionalidade racional”, Kyklos, Vol. 54 N ° 1,


pp. 3-26.

196 Carraher, SM e Paridon, TJ (2008) “, rankings Empreendedorismo jornal em todo o


disciplina", Journal of pequeno Estratégia de Negócios, Vol. 19 No. 2, pp. 89-98. Carree, MA e Thurik, AR (2003), “O

impacto do empreendedorismo no crescimento econômico”, em


Acs, ZJ e Audretsch, DB (Eds), Handbook of Entrepreneurship Research, Kluwer Academic Publishers, Boston,
MA, pp. 437-71.

Caves, RE (1998), “a organização industrial e novas descobertas sobre o volume de negócios e mobilidade dos
empresas”, Journal of Economic Literature, Vol. 36 N ° 4, pp. 1947-1982. Cheung, SN

(1969), “custos de transação, a aversão ao risco, e a escolha dos arranjos contratuais”, Journal of Law
and Economics, Vol. 12 No. 1, pp. 23-42. Cowen, T. (2002), O preço Fame ?, Harvard University Press, Cambridge, MA.
Downs, A. (1957), Uma Teoria Económica da Democracia, Harper, New York, NY.
Transferido pela Universidade Monash Às 02:34 26 nov 2014 (PT)

Economist ( 1994), “Regular nos, por favor”, Economista, 08 de janeiro, p. 89. Fama, EF e Jenson, MC (1983), “problemas de

agência e reivindicações residuais”, Journal of Law and


Economia, Vol. 26 No. 2, pp. 327-49. Fukuyama, F. (1995), Confiança: as virtudes sociais ea criação da

prosperidade, Imprensa livre,


New York, NY.

Goktepe-Hulte'n, D. e Mahagaonkar, P. (2008), “O que os cientistas querem: dinheiro ou fama”, Jena


Papers Pesquisa Econômica No. 2008.032, Friedrich-Schiller-Universidade, Jena, disponível em:
http://hdl.handle.net/10419/25714 (acessado em 10 de março de 2012).

Harberger, AC (1971), “Três postulados básicos para a economia do bem estar aplicadas: uma interpretativo
redação", Journal of Economic Literature, Vol. 9 No. 3, pp. 785-97.

Hartarska, V. e Gonzalez-Vega, C. (2006), “Que efeitos expansão novos e estabelecidos das empresas?
Evidências de pequenas empresas na Rússia”, Pequeno Economia Empresarial, Vol. 27 No. 2, pp. 195-206. Holcombe,

R. (2002), “empreendedorismo política ea alocação democrática da economia


Recursos", A Review of Austrian Economics, Vol. 15 N ° s 2/3, pp. 143-59. Jensen, MC e Meckling, WH (1976),

“Teoria da firma: comportamento gerencial, custos de agência


e estrutura de propriedade”, Journal of Financial Economics, Vol. 3 Nº 4, pp. 305-60. Kleiner, MM e Krueger, AB

(2010), “A prevalência e os efeitos de licenciamento ocupacional”,


British Journal of Industrial Relations, Vol. 48 N ° 4, pp. 676-87. Knight, FH (1921), Risco, Incerteza e Lucro, Houghton

Mifflin Company, Boston, MA. Krueger, A. (1974) “A economia política da sociedade rent-seeking”,, Econômica da América

Reveja, Vol. 64 No. 3, pp. 291-303.

Kuratko, DF (2005), “O surgimento da educação empreendedorismo: devoloupment, tendências e


alterar", Teoria e Prática Enterprenurship, Vol. 29 No. 5, pp. 577-97. Kydland, FE e Prescott, CE (1977), “Rules em

vez de critério: a inconsistência do ideal


planos”, O Journal of Political Economy, Vol. 85 No. 3, pp. 3473-92. Landes, DS (1949), “empreendedorismo

francês e crescimento industrial no século XIX”,


The Journal of Economic History, Vol. 9 N ° 1, pp. 45-61. Lundstrom, A. e Stevenson, L. (2001), Política de

empreendedorismo para o Futuro, sueco


Fundação para Small Business Research, Estocolmo.
Lundstrom, A. e Stevenson, L. (2002), On the Road da estratégia empresarial, sueco Revisão do
Fundação para Small Business Research, Estocolmo. McChesney, FS (1987), Money for Nothing: Políticos, Rent
empreendedorismo
Extração, ea Extorsão Político,
Harvard University Press, Cambridge, MA. McCormick, RE e Tollison, RD (1981), Os políticos, legislação e da
literatura
Economia: Uma Investigação
no Grupo de Teoria interesse de Governo, Martinus Nijhoff, Boston, MA. Madison, J. (1788), “Federalista # 51”,

reimpressão, disponível em: http://www.constitution.org/fed/ 197


federa51.htm (acessada 14 março de 2012).

Maes, J., Sels, L. e Roodhooft, F. (2005), “Modelando a ligação entre práticas de gestão e
desempenho financeiro", Pequeno Economia Empresarial, Vol. 25 N ° 1, pp. 17-34. Milward, HB e Provan, KG

(1993), “O estado oco: provisão privada de serviços públicos”, em


Ingram, H. e Rathgeb Smith, R. (Eds), Políticas Públicas para a Democracia, Instituto Brookings, de Washington, DC.

Mintrom, M. e Norman, P. (2009), “empreendedorismo Política e mudança de política”, Estudos Políticos


Diário, Vol. 37 N ° 4, pp. 649-67. Mueller, DC (2003), Escolha Pública III, Cambridge University Press, Cambridge. Mu

ller, M. (2007), “A motivação de políticos e políticas de longo prazo”, Escolha Pública, Vol. 132 No. 3,
Transferido pela Universidade Monash Às 02:34 26 nov 2014 (PT)

pp. 273-89.

Murphy, KM, Shleifer, A. e Vishny, RW (1993), “Por que o rent-seeking tão caro para o crescimento?”,
A American Economic Review, Vol. 83 No. 2, pp. 409-14.

Murphy, KM, Shleifer, A. e Vishney, RW (1991), “A alocação de talento: Implicações para


crescimento", Quarterly Journal of Economics, Vol. 106 No. 2, pp 503-30. Norton, WI e Moore, WT (2006), “A

influência da avaliação de risco empresarial em


lançamento venture ou decisões de crescimento”, Pequeno Economia Empresarial, Vol. 26 No. 3, pp. 215-26. Olson, M

(1965), A lógica da ação coletiva: bens públicos e teoria dos grupos, Harvard
University Press, Cambridge, MA. Olson, M (1982), A ascensão e declínio das Nações: Crescimento Económico,

estagflação, e Social
rigidez, Yale University Press, New Haven, CT.

Olson, M. (1996), “Big contas deixado na calçada: por que algumas nações são ricos e outros são pobres”,
Journal of Economic Perspectives, Vol. 10 No. 2, pp. 3-24.

Ostrom, E. (1964), “empreendedorismo público: um estudo de caso em gestão de bacias águas subterrâneas”,
tese de doutorado, University of California, Los Angeles, CA. Parker, SC (2004), A Economia da Auto-Emprego e

Empreendedorismo, Cambridge
University Press, Cambridge. Penrose, ET (1959), A teoria do crescimento da firma, Wiley, New York, NY. Riker,

WH (1962), A Teoria das coalizões políticas, Yale University Press, New Haven, CT. Ruvio, A., Rosenblatt, Z. e

Hertz-Lazarowitz, R. (2010), “visão de liderança empresarial em

sem fins lucrativos vs organizações com fins lucrativos”, The Quarterly Liderança, Vol. 21 No. 1, pp. 144-58. Salop, SC e

Scheffman, DT (1983), “Aumentar os custos dos rivais”, American Economic Review,


Vol. 73 No. 2, pp 267-71.

Schaver, KG e Scott, LR (1991), “A pessoa, processo, escolha: a psicologia do novo empreendimento


criação", Empreendedorismo, Teoria e Prática, Inverno, pp. 23-45.

Schneider, M. e Teske, P. (1992), “Rumo a uma teoria do empreendedor político: evidência de


governo local", American Political Science Review, Vol. 86 No. 3, pp. 737-47. Schneider, M., TESKE, P e Mintrom,

M. (1995), Empresários públicos: agentes de mudança em


Governo americano, Princeton University Press, Princeton, NJ.
JEPP Shane, S. (2000), “O conhecimento prévio ea descoberta de oportunidades empresariais”,
Organization Science, Vol. 11 N ° 4, pp. 448-69.
1,2
Shane, S. e Venkataraman, S. (2000), “A promessa de empreendedorismo como um campo de pesquisa”,
Academy of Management Review, Vol. 25 N ° 1, pp. 217-26. Shockley, GE,

Frank, PM e Stough, R. (2008), Empreendedorismo não-Mercado:


Abordagens interdisciplinares, Edward Elgar, North Hampton, MA. SHLEIFER, A. e VISHNY, RW (1993), “A
198 corrupção”, Quarterly Journal of Economics, Vol. 108 No. 3,
pp. 599-617.

Sobel, R. (2008), “Testing Baumol: qualidade institucional ea produtividade do empreendedorismo”,


Journal of Business Venturing, Vol. 23 No. 6, pp. 641-55.

Stewart, WH, Watson, WE, Carland, JC e Carland, JW (1999), “A propensão para


empreendedorismo: uma comparação de empresários, pequenos empresários e gerentes de empresas”, Journal
of Business Venturing, Vol. 14 No. 2, pp. 189-214. Stigler, GJ (1971), “A teoria da regulação económica”, Sino Jornal
de Economia e
Gestão de Ciência, Vol. 2 No. 1, pp. 3-21. Storey, DJ

(Ed.) (1985), "Introdução", Pequenas empresas e Económica Regional


Desenvolvimento: Grã-Bretanha, Irlanda e Estados Unidos, Cambridge University Press, Londres, pp. 1-5.
Transferido pela Universidade Monash Às 02:34 26 nov 2014 (PT)

Storey, DJ (2003), “Empreendedorismo, pequenas e médias empresas e políticas públicas”, em


Acs, ZJ e Audretsch, DB (Eds), Manual Internacional de Empreendedorismo, Kluwer Academic Publishers,
Dordrecht, vol. 1 Parte 7, pp. 473-511. Sutton, J.
(1997), “O legado de Gibrat”, Journal of Economic Literature, Vol. 35 N ° 1, pp. 40-59. TEECE, DJ (1987), O
Desafio competitivas: Estratégias para a Inovação Industrial e Renovação,

Ballinger Publishing Company, Cambridge, MA. Tollison, RD (1982), “rent-seeking: uma pesquisa”, Kyklos, Vol. 35 N

° 4, pp. 575-60. Tullock, G. (1967), “Os custos de bem-estar de tarifas, monopólios e roubo”, económica ocidental

Diário, Vol. 5 n ° 3, pp. 224-32.

Van Praag, CM e Versloot, PH (2007), “Qual é o valor do empreendedorismo? Uma análise de


pesquisa recente", Pequeno Economia Empresarial, Vol. 29 N ° 4, pp. 351-82. Van Praag, CM e Versloot, PH (2008), “Os

benefícios econômicos e custos de empreendedorismo:


uma revisão da Pesquisa", Fundações e Trends in Empreendedorismo, Vol. 4 No. 2, pp. 63-152.

Venkataraman, S. (1997), “O domínio distintivo da pesquisa sobre empreendedorismo: um editor de


perspectiva”, em Katz, J. e Brockhaus, R. (Eds), Advances in Empreendedorismo, Surgimento Firme e
Crescimento (3), JAI Press, Greenwich, CT, pp. 119-38. Wagner, RE (1966), “grupos de pressão e empresários
políticos: um artigo de revisão”, Público
Escolha, Vol. 1 N ° 1, pp. 161-70. Weber, M. (1920), A Ética Protestante eo Espírito do Capitalismo, Imprensa da

Scribner, New York,


NY, reimprimir.

Wittman, D. (1989), “Por Democracias produzir resultados effiecient”, The Journal of Political
Economia, Vol. 97 No. 6, pp. 1395-424. Wittman, D. (1995), O Mito do Fracasso Democrática: Por que as instituições políticas

são eficientes, pequeno


Economia de negócios, University of Chicago Press, Chicago, IL.

Wynarczyk, P. e Watson, R. (2005), “Empresa de crescimento e da cadeia de fornecimento parcerias: uma


análise empírica de subcontratantes UK PME”, Pequeno Economia Empresarial, Vol. 24 N ° 1, pp. 39-51.
Outras leituras Revisão do
Baum, JR e Locke, EA (2004), “A relação de características empreendedoras, habilidade e empreendedorismo
motivação para o crescimento venture posterior”, Journal of Applied Psychology, Vol. 89 N ° 4, pp. 587-98.
literatura
Brennan, G. e Buchanan, JM (1980), O poder de tributar, Cambridge University Press,
Cambridge.

Hayes, C. (2007), “Revolta dos CEOs: a expansão maciça do governo federal, apoiado 199
pelas grandes empresas, está a caminho. Os conservadores não poderia ser menos preparados”, Washingtonian mensal, 26 de maio.

Kalt, JP e Zupan, MA (1990), “O comportamento ideológico aparente dos legisladores: testando


folga de agente principal nas instituições políticas”, Journal of Law and Economics, Vol. 103 n ° 33, pp. 103-31.

Kleiner, MM (2006), “A licença para proteção”, Regulamento, Vol. 29 No. 3, pp. 17-21. Norman, E., Frommer, R., Gall, B e

Knepper, L. (2011), Ruas de Sonhos: como as cidades podem


Criar oportunidades econômicas por derrubar barreiras protecionistas para venda ambulante,
Instituto para a Justiça, Arlington, VA. Olson, M. (1971), A lógica da ação coletiva: bens públicos e teoria dos

grupos, Harvard
Transferido pela Universidade Monash Às 02:34 26 nov 2014 (PT)

University Press, Cambridge, MA. Wittman, DA (1997), Mito do Fracasso Democrática, University of Chicago

Press, Chicago, IL.

Sobre os autores
Noel Campbell é o Editor-in-Chief da revista. Ele é um economista na Faculdade de Economia na Faculdade de Negócios da
Universidade de Central Arkansas. Como estudante, ele estudou na Universidade Texas A & M, e fez o seu trabalho de
graduação na Universidade George Mason. Seus interesses de pesquisa primária, não surpreendentemente, são políticas
públicas e empreendedorismo. Noel Campbell é o autor correspondente e pode ser contactado em: ncampbell@uca.edu

David T. Mitchell é um professor de economia na Universidade de Central Arkansas. Ele atua no Conselho Consultivo
Editorial da Journal of Empreendedorismo e Políticas Públicas. Ele é graduado em Economia pela Universidade de Clemson, e
doutorado em Economia pela George Mason University. Seus interesses de pesquisa têm sido muito diversas, que vão desde
o desenvolvimento de direitos de propriedade para bancos de ostras, para a reconstrução pós-furacão em Nova Orleans, a
evidência experimental sobre os incentivos para participar em duelos.

Para adquirir reimpressões deste artigo, envie um e-mail: reprints@emeraldinsight.com


Ou visite o nosso site para mais detalhes: www.emeraldinsight.com/reprints
Este artigo foi citado por:

1. Dr. Allam Ahmed, Yagoub Ali Gangi, Elfadil Timan. 2013. Uma investigação empírica do ambiente empresarial no Sudão. World
Journal of Empreendedorismo, Gestão e Desenvolvimento Sustentável 9: 2/3, 168-177. [ Abstrato ] [ Texto completo ] [ PDF ]
Transferido pela Universidade Monash Às 02:34 26 nov 2014 (PT)

Você também pode gostar