Você está na página 1de 45

AGÊNCIA GOIANA DE DESENVOLVIMENTO RURAL E FUNDIÁRIO

Jurisdicionada à Secretaria da Agricultura e Abastecimento

CRIAÇÃO DE GALINHA CAIPIRA

MELHORADA

Supervisão de Profissionalização
Goiânia, Goiás
2007

7
EDITOR
Agência Goiana de Desenvolvimento Rural e Fundiário
AUTORES:
Esmeralda Arcanjo de A. Araújo
Médica Veterinária – CRMV-GO 1747 – Mossâmedes – GO

Márcio Mesquita Lobo -


Médico Veterinário - Buriti de Goiás

DIGITAÇÃO:
Esmeralda Arcanjo de A .Araújo
Médica Veterinária – CRMV –GO 1747 - Mossâmedes – GO
Márcio Mesquita Lobo
Médico Veterinário - Buriti de Goiás

COLABORAÇÃO:

AFRANIO MARTINS DA SILVA

Médico Veterinário – CRMV-GO 1125 – Trindade-GO

Email : afrânio@agenciarural.go.gov.br

Diretoria de Assistência Técnica e Extensão Rural


Reprodução e acabamento: Gráfica da AGENCIARURAL
Distribuição: Gerência de Profissionalização
Rua Jornalista Geraldo Vale, 331- Setor Leste Universitário - Caixa Postal 331
CEP 74610-060 - Goiânia – GO.
Telefone: 62-232-1147/1148
Home Page: www.agenciarural.go.gov.br
Email: seprof@agenciarural.go.gov.br

8
CRIAÇÃO DE GALINHA CAIPIRA
MELHORADA

9
I – Introdução
Os consumidores vêm dando preferência a produtos naturais e saudáveis e
mostram preocupação com os possíveis efeitos da criação industrial. Por esse
motivo, o frango de fundo de quintal tradicional está novamente no mercado, com
carne de sabor silvestre, com menor teor de gordura, menos colesterol e mais
proteína, atendendo um mercado diferenciado, que paga mais por essas
características.
A criação de galinhas caipira é bastante representativa no Estado de Goiás,
visto que quase a totalidade dos produtores possui pequenas criações em suas
propriedades. Porém, apesar de sua alta rusticidade, o rendimento é baixo, devido à
precariedade do manejo e baixa qualidade genética das aves.
Para que a criação seja viável, é necessário que se atenda a alguns cuidados.
Devemos dar alimentação de boa qualidade, instalações e equipamentos
adequados, controle sanitário rigoroso e melhoramento genético das aves.
Alguns fatores são importantes para iniciar uma criação, como por exemplo, a
escolha do local: .Deve ser de fácil acesso
. Evitar baixadas (umidade)
. Rede elétrica próxima
. Água potável com disponibilidade
. Local arejado e arborizado.
Apresentaremos nesta apostila, sugestões para melhorar o desempenho da
criação de fundo de quintal, viabilizando economicamente sua atividade.

II – Estratégias de melhoramento genético


Para a formação do plantel temos vários caminhos a seguir. Respeitando a
intenção do produtor, tempo que ele quer gastar, vocação, experiência na atividade e
o plantel já existente, poderemos escolher entre:
- introdução de galos geneticamente superiores;
- introdução de galinhas ou frangas melhoradas;
- aquisição de pintinhos de granjas idôneas;
- aquisição de ovos galados;
- aproveitamento dos mestiços selecionados.
Cabe ao produtor escolher entre uma das alternativas ou combiná-las de
acordo com seu interesse e disponibilidade econômica. Independente da opção

1
escolhida, na hora de selecionar as aves é bom lembrar que não comemos crista,
barbela ou penas. Não adianta ser apenas bonita. Algumas características
desejáveis deverão estar presentes como: rusticidade, boa conversão alimentar,
empenamento precoce, pele amarela, bom aprumo, sem defeitos físicos, ter dorso
reto, coxas grossas e peito aberto, precocidade, baixa disposição para briga e bom
índice de cobertura e boa postura. Além disso, se a opção do produtor for utilizar
chocadeira, deverá escolher matrizes com baixa incidência de choco.
É muito importante que o produtor entenda, que não basta cruzar animais
com as características desejáveis. Os animais resultantes dos cruzamentos deverão
ser selecionados, eliminando os que se encontram abaixo da média. Isso deverá ser
feito por várias gerações sucessivas.
Em criações industriais, selecionamos características para corte ou postura.
Nos caipiras, o ideal é que tenha uma combinação das duas finalidades, pois em
criações caipira aproveitaremos os frangos e venderemos o excedente de ovos que
não foram para incubação ou consumo. Além das características já citadas acima,
outras deverão ser observadas como: bom ganho de peso, carcaça com boa
cobertura de carne, mas não redonda, pele amarela e penas coloridas, boa postura,
com ovos de bom tamanho com casca de cor da característica e gema bem
amarela.

É bom lembrar, que o consumidor vai dizer o que é caipira ou não.


Nosso produto tem que ter cara de caipira ou não conseguiremos coloca-lo no
mercado. Este foi um erro comum e que prejudicou muito o desenvolvimento da
criação de caipiras melhorados. Foram colocadas, no mercado, aves muito
1
pesadas, com aparência de frango de granja, o que fez com que a aceitação fosse
ruim, dificultando o escoamento da produção.
Caso a opção desejada seja a introdução de matrizes ou reprodutores
para fazer cruzamento com as aves caipiras já existentes, o ideal é que se introduza
o galo caipira e galinhas raças melhoradas. O inverso não é recomendável, visto que
a galinha caipira tem choco. Na impossibilidade de se usar chocadeiras, usar
machos de raças especializadas em galinhas caipiras. Exemplos de cruzamentos:

RHODE ISLAND RED CAIPIRA GIGANTE

PLYMOUTH ROCK BARRADA GALINHA CAIPIRA

Por serem híbridos, o label rouge e o paraíso pedrês não são indicados para
cruzamento com aves caipiras. No entanto, não poderíamos deixar de citar, tendo em vista que
têm sido muito utilizados na prática e com resultados satisfatórios.

1
Diferenças produtivas entre aves caipiras, melhoradas e de granja:
CAIPIRA
PARÂMETRO CAIPIRA GRANJA
MELHORADO
GANHO DE PESO 1,8 kg 2,0 kg 2,3 kg
IDADE ABATE 200 dias 90 – 100 dias 42 dias
MORTALIDADE 1% 4% 3%
CONVERSÃO ALIMENTAR - 2,40 1,90
Nº DE OVOS 80/ano 260/ano 310/ano
PESO DOS OVOS 50 g 55 g 60 g

Pesos comparativos entre frangos caipiras, cruzados e de granja.


TIPO DE AVE IDADE PESOS (gramas) PERDAS DO PESO VIVO
(dias)
Abatido e Abatido e
Vivo depenado Eviscerado depenado Eviscerado
CAIPIRA 100 1.400 1.200 1.150 10,7% 17,8%
CRUZADO 100 2.400 2.100 1.940 12,5% 19,1%
GRANJA 42 1.970 1.740 1.600 11,7% 18,8%
FONTE: Christian Grandsire

III – Instalações dos Parques e Galpões


As instalações devem ser em local de fácil acesso, plano, seco, protegido
de ventos, com área sombreada e próxima a fonte de água limpa, preferencialmente
de poço.
III.1 – Parques Recreativos:
Os parques permitirão as aves se exercitarem e pastejarem. Vários
capins poderão ser utilizados, como: Quiquio, Cost Cross, Estrela Africana, Tifton,
etc. Algumas árvores, de preferência frutíferas, poderão ser utilizadas para
sombrearem os piquetes, desde que em pequena quantidade para não atrapalharem
as gramíneas.
Deveram ter uma área de 5 a 10 metros quadrados por ave, dependendo
da qualidade da pastagem.
As cercas terão altura de 1,80 m e preferencialmente devem ser feitas
com tela de 2 polegadas. Assim como nos galpões, outros materiais existentes na
propriedade poderão ser utilizados.
Podem ser colocadas lâmpadas a 1,60 m de altura para que se atraia
insetos durante a noite.
III.2 - Galpões:
1
O galpão deve ser construído no sentido leste –oeste para que não haja
incidência direta dos raios solares dentro deste. Os materiais a serem utilizados na
construção vão variar de acordo com sua disponibilidade. O ideal é que se aproveite
ao máximo, materiais existentes na propriedade, visando diminuir os custos. As
instalações devem ser funcionais e confortáveis para as aves. Devem permitir bom
manejo e perfeita higienização. Preferencialmente deverão ser de alvenaria, com
piso de cimento e telhas de barro. No entanto, outras alternativas poderão ser
utilizadas.
Sua área deverá ser definida em função do número de aves a serem
criadas. A densidade a ser utilizada é de 8-10 aves/m². A largura mínima é de 3
metros. A largura máxima recomendada é de 12 metros, levando-se em
consideração o tamanho das telhas e o comprimento do galpão. A altura do pé
direito deve ser de 2,7 a 3,0 metros. O galpão mais alto favorece a circulação de ar
diminuindo o calor e a concentração de gases de amônia liberados pelos
excrementos (fezes) das aves.
Alem disso, deverá ter uma mureta lateral de 40 a 60 cm de altura com
borda superior inclinada para evitar empuleiramento, cuja função é proteger as aves,
bem como sustentar as cortinas e telas.
Deve ser provido de calçadas laterais de 50 cm de largura e com
declividade de 3% para fora, um beiral de 1 a 2 m de largura para proteger as aves
do sol e principalmente das chuvas. Sua frente e laterais devem ser teladas e
recobertas com cortinas.

A distância entre galpões deverá ser de 2 vezes a largura dos mesmos.


1
III.3 - Fábrica de Ração:
Galpão utilizado para armazenar rações prontas ou nutrientes
necessários à fabricação de rações. Caso o produtor opte por fabricar sua ração
deverá contar com alguns equipamentos indispensáveis para este fim:
- triturador com ventoinha e ciclone;
- balança;
- misturador.
A capacidade de cada um vai variar com a quantidade que se pretende
produzir. Mas aqui também vale nossa lei básica: a instalação e os equipamentos
devem ser funcionais, mas não luxuosos. Não podemos perder o foco e devemos
sempre estabelecer uma relação custo/benefício.
III.4 – Instalação para chocadeiras e criadeiras de pintos:
Instalar em local arejado, fresco, sem corrente excessiva de ar, ao abrigo
do sol e seguro para evitar furtos.
III.5 - Reservatório de água:
Sua capacidade deve ser de 0,5l/ ave/dia.
IV – Equipamentos:
Os equipamentos a serem utilizados vão variar de acordo com a
disponibilidade, tipo e fase da criação. Assim como já citado nos outros itens, o
avicultor poderá buscar alternativas mais baratas para sua criação desde que estas
sejam funcionais.

IV.1 – Comedouros:
– Tipo bandeja:
Usado para pintinhos na proporção de 1 comedouro /80 -100 pintos.
Serão totalmente substituídos até 12 a 15 dias. A substituição deve ser gradual, aos
poucos, para que os pintinhos vão se acostumando.
– Tipo tubular:
Utilizado para aves acima de 28 dias de idade, na proporção de 1
comedouro /40 - 50 aves. Ir introduzindo gradativamente a partir da 2ª semana de
vida. Sua altura deve ser regulada periodicamente em função da altura do dorso da
ave.

1
– Calha:
A metragem recomendada é de 10 cm / ave.
IV.2 – Bebedouros:
- Copos de pressão:
Usados para pintinhos até 12-15 dias, na proporção de 1 bebedouro /80 -
100 pintos. Possuem geralmente 4 l de capacidade.
- Pendular:
Utilizados na proporção de 1 bebedouro / 80 - 100 aves, a partir da 2ª
semana de vida até o abate. Regula-se a altura 2 cm acima do dorso das aves a
cada 5 dias.

Estimativa de consumo de água de bebida (litros/1000 aves/ dia) por


frangos de corte a diferentes idades e temperaturas ambientais (21 a
30 º C) e em acordo com o consmo de ração recomendado para cada
idade (AgRoss, 2000).

1
Tipo de
Equipamentos (bebedouros)
“Nippie” sem copo “Nippie” com copo Pendular
Consumo água vs 1,6 litros/kg de ração 1,7 litros/kg de ração 1,8 litros/kg de ração
ração
Idade das aves (dias) a 21 º C a 30 º C a 21º C a 30 º C a 21º C a 30º C
7 53 93 56 98 59 103
14 98 173 104 183 110 193
21 152 267 162 285 171 300
28 211 371 224 394 238 418
35 253 445 269 473 284 499
42 290 510 308 542 326 573
49 312 549 332 584 351 617
56 318 559 338 594 358 630

Fonte: ave world/Dez/05.

Obs.: A ingestão de água bebida aumenta em 6-7% para cada grau centígrado de
temperatura ambiental acima de 21º C.
Água – adicionar hidratante ou polivitamínicos na fase incial da criação.

IV.3 – Campânula a gás:


Utilizada nos primeiros dias de vida para controle da temperatura. Sua
capacidade vai depender da recomendação do fabricante. Geralmente se usa a para
500 pintinhos. Deve ser colocada inicialmente a 80 cm do solo, regulando-se
1
posteriormente de acordo com o comportamento das aves. É importante lembrar que
o botijão de gás deverá ficar do lado de fora do círculo de proteção.
Também encontra-se no mercado campânulas elétricas e a lenha.
IV.4 – Chocadeiras:
Existem no mercado diversos modelos disponíveis. Na hora de adquirir,
verificar se tem ventilação forçada, controle de abastecimento de água, a
capacidade ideal para o que se pretende e principalmente se a firma é idônea.
IV.5 – Cortinas:
É utilizada para proteção contra ventos, chuvas e controle de temperatura
do galpão. Deve ser instalada do lado de fora do galpão, afixada na mureta e
roldana, de forma que para fechar a cortina deve-se levantá-la. Geralmente se usa
as de lona encerada. Pode-se improvisar com sacos de farelo, costurados. O
problema é a durabilidade que é baixa, mas em compensação o custo é mínimo.

IV.6 – Poleiros:
Roliços em forma de escada a 30-40 cm do chão e a 40 cm um dos
outros. Cada galinha ocupa cerca de 30 cm de poleiro.

IV.7 – Ninhos:
A dimensão recomendada é de 30 x 30 x 30 cm ou 40x40x40 cm para
aves muito pesadas, com uma ripa de 10-12 cm na entrada, para segurar a cama.
Devem ser colocados a 45 cm do chão, localizados na parte mais escura do galpão,
para evitar que a ave permaneça no seu interior quando não esteja botando;

Condições básicas para iniciar a criação:


.Limpar o galpão antes de introduzir as aves
.Círculos já estejam montados (pintos)

1
.Comedouros e bebedouros já distribuidos
.Campânulas já pré-aquecidas

V – Manejo das aves


Todos os cuidados adotados na criação das galinhas estão dentro do
que chamamos manejo. Existem três tipos básicos de manejo: intensivo (utilizado
para as chamadas aves de granja), extensivo (aves de fundo de quintal, ou seja, as
aves são criadas soltas) e o semi –intensivo (sistema caipira melhorado, em que as
aves dormem fechadas em galpões e são soltas em piquetes no final da manhã). A
recomendação é que se use para aves caipiras o sistema semi-intensivo, ou pelo
menos um que se aproxime deste. As grandes vantagens estão na diminuição das
perdas tanto de ovos quanto de aves e na diminuição da idade de abate.
O sistema consiste em soltar as aves com idade acima de 28 dias para o
piquete às 10 horas da manhã e prendê-las aproximadamente às 18 horas.
Colocar a ração nos galpões para estimular as aves a dormirem fechadas.
As aves devem ser criadas separadas por idade. Preferencialmente um
box por lote. Se não for possível, juntar duas idades com diferença de no máximo
uma semana. As matrizes e os galos devem ser criados separados dos pintos e
frangos.
V.1-Cria:
O manejo na fase de cria, que vai do nascimento até os 28 dias de idade,
vai variar de acordo com o sistema escolhido. Pode ser feito no piso ou em gaiolas
chamadas baterias.
a. Piso
O manejo no piso inicia-se antes da chegada dos pintinhos, seja de outra
granja ou da eclosão de ovos de postura própria. O galpão deve ser preparado para
o recebimento dos pintinhos. A densidade a ser utilizada será de acordo com a
capacidade da campânula. As providencias a serem tomadas são:
- Limpeza e desinfecção das instalações e equipamentos (ver item VIII.1).
O galpão será limpo e desinfetado antes de se começar a criação e após cada saída
de lote. Deverá permanecer vazio no mínimo 10 dias.
- Preparar cama, geralmente uma camada de maravalha com 5-6 cm de
espessura e o círculo de proteção. Este pode ser de maderit, duratex, papelão ou

1
folha de zinco, com altura de mais ou menos 60-70 cm, e 3,5 m de diâmetro. Para
isso, pode-se usar 4 folhas de eucatex com 2,75m de comprimento.
Manejo do círculo de proteção: amplia-se no 4º e no 8º dia aproveitando
as paredes do galpão.

- Colocar comedouros tipo bandeja e bebedouros copo de pressão


alternados na zona livre de calor. Lembrar de montar os comedouros tipo tubular e
bebedouros pendulares, que ficarão suspensos até a sua utilização.
- Montar e testar campânula a gás, a 80 cm do chão. Ligar 2 h antes da
chegada dos pintos.
- Cobrir a cama com jornal amassado durante os 3 primeiros dias. Fechar
as cortinas.
- Se for adquirir os pintinhos de fora, transportar nas horas mais frescas
do dia. Ao chegar abrir a caixa e deixar em repouso por 5 minutos. Só depois, retirar
da caixa, contar e refugar os indesejáveis de acordo com os seguintes critérios:
peso, cicatrização do umbigo, vivacidade, hidratação, plumagem sem cascas
aderidas, má formação. Fornecer água com açúcar na proporção de 1 colher das de
sopa para cada litro de água. Trocar 2 vezes por dia.
 Depois de 2 horas da chegada a granja, fornecer a ração inicial. Para os pintos
nascidos na propriedade não precisa dar água com açúcar e a ração pode ser
dada 6-10 horas após o nascimento.
- Observar comportamento dos pintos para regular a campânula. A
regulagem será feita de acordo com o movimento e comportamento dos pintos:
Se estiverem amontoados debaixo da campânula, estão com frio. Deve-
se abaixar a campânula e/ou fechar um pouco as cortinas.
Se estiverem amontoados junto ao cercado, estão com calor. Deve-se
levantar a campânula e/ou abrir as cortinas.
Se estiverem amontoados junto ao cercado de um lado só, estão fugindo
de uma corrente de ar.
- As cortinas deverão estar fechadas no momento da chegada dos
pintinhos e a partir daí o manejo será conforme a temperatura
ambiente, umidade, ventos, chuvas, presença de gases, idade e
comportamento das aves.b- Bateria
Quando a opção for pela utilização de baterias, a densidade será
estabelecida pela capacidade recomendada pelo fabricante. Geralmente usamos
2
uma com capacidade de 60 pintos/andar. A grande vantagem da criação em baterias
é a economia de espaço físico. A grande desvantagem é o risco de aparecimento de
doenças quando a higiene é mal feita ou na ocasião de soltar para o piso na fase de
crescimento. Recomenda -se que quando for soltar para o chão, fazer premunição
contra coccidiose, dentro do seguinte esquema: Dar coccidiostático durante 3 dias
em doses preventivas antes de soltar o pinto. Depois de 3 dias de solto, dar
coccidiostático mais 2 dias só que em doses curativas.
Alguns cuidados com os pintinhos devem ser tomados independente do
sistema adotado:
- Higiene:
É importante manter o local de criação dos pintos bastante limpo e seco.
A falta de higiene causa doenças, mortalidade e atraso no crescimento.
Lavar os bebedouros todos os dias, fornecendo água limpa e fresca.
Desinfetar as instalações a cada entrada de lote. Os equipamentos podem ser
desinfetados semanalmente com creolina, lisoformio ou água sanitária.
A renovação da cama só será feita com a saída do lote, ou se estiver
muito emplastada. Caso esteja molhada de forma localizada, basta retirar a área
umedecida e completar a cama.
- Calor:
Não pode faltar ou exceder. O desequilíbrio no aquecimento provoca
estresse, diarréia, doenças respiratórias, atraso no crescimento, etc.
- Alimentação:
Nunca deixar faltar água limpa e fresca.
Não pode deixar faltar ração. Evitar mudanças bruscas na formulação da
mesma. De 6 a 10 horas após o nascimento, já pode entrar com ração inicial.

CÍRCULO DE PROTEÇÃO
Tem com função básica proteger os pintinhos de correntes de ar, frio,
predadores e ainda delimitar a área mais próxima possível da fonte de aquecimento,
comedouros e bebedouros. Pode ser de eucatex, duratex, chapas galvanizadas ou
folhas de papelão. A altura é variavel, indo de 30 até 70 cm. Deve ter uma
circunferência de 5 a 7 m2, para alojar 500 pintinhos. No inverno recomenda juntar 2
círculos (1000 pintinhos).
V.2- Recria e engorda

2
A fase de recria e engorda vai dos 28 dias aos 100 dias de idade. Nessa
fase usaremos o sistema semiconfinado, em que as aves passarão parte do dia
presas no galpão e parte soltas no piquete. Dormirão no galpão, onde tem
comedouros, bebedouros e poleiros e serão soltas pela manhã.
Permanecerão num mesmo galpão até a pega para o abate. A pega e
carregamento são serviços que devem ser feitos com muito cuidado para evitar
batidas, machucados e amontoamento.
A cama só é retirada, quando sair o lote, se não emplastar.

V.3 – Manejo da Reprodução


O lote de reprodutores deve ser criado separando-se os machos das
fêmeas para controle da reprodução. Serão acasalados antes da maturidade sexual,
aproximadamente por volta dos cinco meses de idade, na proporção de 1 galo para
8 a 12 galinhas. Nesta fase, a densidade recomendada é de 8 galinhas por metro
quadrado. Não conta o galo. A idade reprodutiva geralmente vai dos 6 aos 24 meses
de idade tanto para os galos quanto para as galinhas. Após este período, deve-se
descartar as aves, devido a muda das penas e queda na produção. Não é
recomendável esperar as galinhas mudarem as penas porque encarece o custo de
produção e os ovos do segundo ciclo de produção não servem para serem
colocados para chocar.
A ração será fornecida somente à tarde e numa quantidade média de
130g./ave. Não conta o macho. Deve-se fazer o controle do consumo evitando
perdas de ração e engorda das aves. Galinhas e galos gordos são piores
reprodutores.
Construir um ninho para cada 4 galinhas, com a dimensão recomendada,
a 50 cm do chão, com uma ripa de 10-12 cm para proteção da cama.

2
A cama deverá ser de material seco, limpo e confortável.
Preferencialmente, cepilho de madeira (maravalha) ou caroço de algodão. Manter a
cama do ninho limpa com uma espessura de 7 a 10 cm, trocando-a periodicamente
(15 dias). Se for necessário utilize um inseticida (Kothrine, bolfo, butox pó) para
controle dos ectoparasitas (parasitas externos) e um desinfetante (creolina).
Os Ninhos devem possuir algum dispositivo para permitir seu fechamento durante a
noite, evitando que aves durmam no mesmo. Deve-se abri-los pela manhã.
Os ovos serão apanhados 4-5 vezes ao dia, fazendo-se a desinfecção a
cada colheita e armazenando em local fresco e arejado com a câmara de ar para
cima. Os ovos botados no chão devem ser colhidos em separado.
Uma forma simples de se fazer a desinfecção dos ovos é a seguinte:
Colocar em uma bandeja meio litro de formol e meio litro de água. Coloca-
la na frente de um ventilador soprando sobre os ovos dentro de uma caixa por meia
hora. Feita diariamente a cada coleta.
O período de incubação é sempre de 21 dias, independente do método de
incubação escolhido, natural ou artificial. Na natural, as próprias aves chocam seus
ovos e na artificial, utiliza-se chocadeiras. Preferencialmente trabalharemos com a
artificial, devido a melhor utilização das galinhas e a dificuldade de sincronização do
choco das mesmas, que dificulta a obtenção de lotes homogêneos.
Na incubação natural deveremos colocar em média 12 ovos/galinha. Esse
número varia de acordo com o tamanho das aves entre 10-14 ovos. É importante
selecionar as aves que chocam melhor. Observar sempre o estado dos ninhos e dos
ovos. Deixar água e alimentos disponíveis em local próximo.
Na incubação artificial, o importante é seguir o que determina o manual de
sua chocadeira. No entanto, vale lembrar alguns cuidados essenciais como: manter
a chocadeira sempre limpa e desinfetada, certificar do abastecimento de água no
reservatório, fazer a viragem dos ovos, transferir os ovos para a bandeja de
nascimento ou eclosão no 19º dia.
- Desinfecção da chocadeira:
Deve ser feita com uma solução contendo uma parte de formol para nove
partes de água. Colocar em uma bandeja plástica no fundo da chocadeira, fechar a
porta e deixar por 20 minutos, com as aberturas de ventilação fechadas. Abrir a
ventilação e deixar por mais 4 horas.

2
As condições ideais para incubação são as mesmas, independente de ser
natural ou artificial, são elas: temperatura, umidade, ventilação e viragem dos ovos.
Na natural, a galinha se responsabiliza pelo trabalho, bastando deixar água por
perto.

INCUBAÇÃO ECLOSÃO
PARÂMETRO
(1º AO 18º DIA) 19º AO 21º DIA)
TEMPERATURA 37 a 38º C 37ºC
UMIDADE 65 a 68% 68 a 74%
VENTILAÇÃO Contínua Contínua
VIRAGEM DOS OVOS No mínimo 5 vezes ao dia Não virar

TABELA – TEMPERATURA DE CONFORTO:

idade..........................................................................Temperatura

1 a 7 dias....................................................................32 ºC
8 a 14 dias..................................................................29 ºC
15 a 21 dias................................................................26 ºC
22 a 30 dias................................................................23 ºC.

Selecionar ovos antes de colocar para chocar, escolhendo os limpos, de


casca íntegra, lisa e sem deformações, de tamanho médio e uniforme. Só começar
a juntar ovos para incubação, após 10 dias de iniciada a criação ou de introduzido
galo. Os ovos para incubação deverão ser armazenados em local fresco e ventilado,
de preferência embandejados, realizar a viragem dos ovos três vezes ao dia. Não
devem ser incubados ovos com mais de 7 dias de armazenamento.
Nos ovos selecionados deve-se fazer ovoscopia para verificar trincas não
vistas a olho nu, ovo com câmara de ar fora do seu lugar ou cheia de bolhas e para
verificar se a gema está rodando.

2
Fatores que interferem no percentual de eclodibilidade e de pintos
refugos:

- manejo da chocadeira: ao comprar uma chocadeira deve-se estudar seu


manual para entender bem seu funcionamento antes de colocar os ovos para
incubar. Essa atitude evita grandes perdas de ovos e que se estrague a chocadeira.
O controle da ventilação, viragem, temperatura e umidade não pode falhar.

- idade das aves: as aves velhas ou novas demais não são boas
reprodutoras.

- higiene: a falta de higiene propicia contaminação por agentes


infecciosos que podem matar o embrião.

- armazenamento dos ovos: o armazenamento inadequado em local


quente, abafado, com a câmara de ar para baixo e sem viragem diminui as chances
de eclosão dos pintinhos e aumenta o aparecimento de defeitos.

- ambiência: a relação do animal com o ambiente em que vive pode afetar


a reprodução positiva ou negativamente dependendo se é ou não adequado à
criação.

- proporção entre machos e fêmeas: a proporção entre machos e fêmeas


deve ser mantida em torno de um galo para oito galinhas. Muitos machos aumentam
a competição entre eles e isso atrapalha a cobertura das galinhas. Pelo contrário,
poucos machos acabam fazendo com que algumas galinhas não sejam cobertas.
Em ambos os casos, o número de ovos não galados aumenta.

Uma avaliação rotineira das galinhas será feita visando saber se a ave
está ou não em postura, através de um teste chamado Culling. Lembrem-se! Este
informa se a ave está em postura ou não. Não determina a freqüência, nem a
quantidade.
Os critérios avaliados são:
AVE EM POSTURA AVE FORA DE POSTURA

Crista e barbela bem desenvolvida, vermelha, Crista e barbela pequena,


lisa esbranquiçada e rugosa
Bico e canela despigmentados, esbranquiçados. Bico e canela pigmentados.

2
Cloaca larga, úmida e esbranquiçada. Cloaca estreita, seca e rosada.

Distância da ponta da quilha a cloaca de 4 Distancia entre a quilha e a cloaca pequena,


dedos. por volta de dois dedos.

Ílio e ísquio com espaçamento de 4 dedos. Ílio e ísquio com espaçamento de


aproximadamente 2 dedos.

VI - Alimentação

Para obtenção de uma melhor produtividade daremos a nossa ave caipira


uma ração balanceada associada ao pastejo.
A ração representa em torno de 60-70% do custo de produção,
dependendo do preço dos nutrientes. Por isso, sua correta utilização evita perdas e
desperdícios. Devemos dar a ave somente o que ela necessita, sem excessos,
mantendo os comedouros sempre regulados para evitar o desperdício de ração e
estocá-la em local apropriado.
Em aves caipiras, usaremos 3 tipos de rações:
- Inicial;
- crescimento e engorda;
- postura.
A partir do 28º dia, podemos dar uma alimentação alternativa: rami,
hortaliças, frutas, capim.
A ração é composta dos seguintes nutrientes:
- Proteínas: as fontes são geralmente farelo de soja e algodão;
2
- Energia: principais fontes são milho, sorgo, farelo de arroz, farelo de
trigo;
- Vitaminas e aminoácidos: DL metionina, premix;
- Minerais: calcário de calcítico, fosfato bicálcico, sal;
- Aditivos: antibióticos, palatabilizantes, estabilizantes, etc.
Hoje temos três opções no mercado a disposição do produtor:
- formulação pronta para uso;
- milho mais núcleo;
- ração balanceada na propriedade com uso de premix.
O importante é que a ração esteja bem balanceada e atenda as
necessidades das aves. Os ingredientes poderão variar de acordo com a
disponibilidade e preço dos mesmos. Na escolha da ração o fator determinante será
o custo/benefício.
Estima-se que o consumo total de ração por frango caipira melhorado até
o abate seja de 6,5 Kg. O consumo de ração por matriz é 130 g/gal/dia no máximo.
Dependendo das condições de mercado e desenvolvimento da ave, pode ser
necessário fazer restrição de ração para os frangos.
A água é outro fator de extrema importância a ser considerado. Constitui
60-70% do peso corporal de 1 frango. Uma ave bebe de 2 a 3 l de água/Kg de ração
consumida ou 4%do seu peso vivo por dia. Deve ser de boa qualidade e estar
sempre a disposição das aves.De preferência, deve ser tratada utilizando produtos a
base de cloro. Usualmente podemos utilizar 25 ml de água sanitária a 2% em 500
litros de água.

VI – Proposta de formulação de ração:


CUSTOS DOS INGREDIENTES POR kg DO PRODUTO
INGREDIENTES SACO R$/SACO R$/Kg
FARELO DE SOJA 50,00 48,15 0,96
FARELO DE TRIGO 40,00 14,00 0,35
DL-MET 1,00 12,41 12,41
CALCÁRIO 1000 44,50 0,04
F. BICÁLCICO 50,00 56,50 1,13
MILHO 50,00 24,12 0,48
SAL 25,00 6,53 0,26
PREMIX 1,00 14,00 14,00
PROPOSTA PARA FORMULAÇÃO DE RAÇÃO INICIAL
2
Composição Alimentar/ Custo

ALIMENTO R$/Kg QUANTIDADE CUSTO TOTAL


CALCÁRIO 0,04 1,156 0,05
DL-MET 12,41 0,090 1,12
F. SOJA 0,96 25,801 24,85
F. BICÁLCICO 1,13 1,776 2,01
F. TRIGO 0,35 5,852 2,05
MILHO 0,48 64,536 31,13
SAL 0,26 0,288 0,08
PREMIX 14,00 0,500 7,00
TOTAL 100,0 68,28

R$ / Kg de ração R$ 0,68 x 40 Kg (= 1 saco) R$ 27,20

2
PROPOSTA PARA FORMULAÇÃO DE RAÇÃO CRESCIMENTO E ENGORDA
Composição Alimentar/Custo

ALIMENTO R$/Kg QTDE. CUSTO TOTAL


CALCÁRIO 0,04 1,112 0,05
DL-MET 12,41 0,066 0,82
F. SOJA 0,96 7,440 7,16
F. BICÁLCICO 1,13 1,493 1,69
F. TRIGO 0,35 25,061 8,77
MILHO 0,48 64,123 30,93
SAL 0,26 0,301 0,08
PREMIX 14,00 0,400 5,60
TOTAL 100,0 55,11

R$ / Kg de ração R$ 0,55 x 40 Kg (= 1 saco) R$ 22,00

PROPOSTA PARA FORMULAÇÃO DE RAÇÃO POSTURA


Composição Alimentar/Custo

ALIMENTO R$/Kg QTDE. CUSTO TOTAL


CALCÁRIO 0,04 5,771 0,26
DL-MET 12,41 0,019 0,24
F. SOJA 0,96 15,738 15,16
F. BICÁLCICO 1,13 0,949 1,07
F. TRIGO 0,35 13,964 4,89
MILHO 0,48 62,841 30,31
SAL 0,26 0,219 0,06
PREMIX 14,00 0,500 7,00
TOTAL 100,0 58,98

R$ / Kg de ração R$ 0,59 x 40 Kg (= 1 saco) R$ 23,60

VII - Pega e carregamento dos frangos para abate


Deixar as aves em jejum 12 horas antes do abate, diminuindo as chances
de contaminação das carcaças na hora da evisceração. Colocar água à vontade.
Cuidados:
- Conduzir as aves com calma;
- fazer cercado pequeno;
- colocar uma ave por vez dentro das caixas, sem jogar;
2
- não encher demais as caixas;
- cuidado no carregamento.
VIII –Sanidade
Dentro de sanidade, abordaremos higiene, prevenção e principais
doenças.
VIII.1- Higiene:
Devemos limpar os bebedouros todo dia, colocar água fresca e limpa.
Evitar umidade ao seu redor.
Os comedouros também devem estar limpos. Não deixar alimento velho e
mofado no seu interior.
VAZIO SANITÁRIO:
. Retirar toda a cama antiga
. Varrer o galpão
. Passar lança chama em todo o chão e ao redor do galpão
. Lavar o galpão com água e sabão
. Pulverizar desinfetante (glutaraldeido e amonia quaternária)
. Fazer caiação (8 sacos cal/200 litros d'agua)
. Espalhar a cama nova
. Desinfetar todo o equipamento
. Recolher entulhos ao redor do galpão
. Lavar caixa dágua e encanamentos
. Manter equipamentos em perfeito estado.

Em cada entrada de lote para galpões de cria/engorda ou um ou dois


meses para os galpões das matrizes, podemos pulverizar as instalações com um
desinfetante (creolina, água sanitária, outros). Cal também pode ser usada (em pó
para o chão ou água de cal para paredes). Os desinfetantes mais usados são:
Calda de cal extinta:
- água : 25 litros
- cal: 20 Kg
- creolina: 200 ml
Modo de usar:
caiação das instalações

Cal virgem:
Modo de usar:
usado nos pedilúvios.

Solução de creolina a 10%:


- creolina: 1 litro
- água: 9 litros
Modo de usar:
pulverização das instalações e/ou lavagem de piso, paredes muretas e
cortinas.

3
Solução de formalina a 2%:
- água: 19 litros
- solução de formalina(40%): 1 litro
Modo de usar:
pulverização das instalações. Não utilizar nas cortinas, porque o formol as
resseca diminuindo sua vida útil.
No mercado existe uma diversidade de produtos indicados para este fim.
Citamos estes por serem encontrados com maior facilidade e por terem baixo custo.
As aves que morrerem deverão ser enterradas fundo, queimadas ou jogadas em
fossa séptica, longe do galinheiro, independente da causa da morte..

VIII.2- Prevenção de doenças:


Na prevenção de doenças alguns cuidados deverão ser tomados para
evitar o aparecimento de enfermidades. Vale aqui aquele velho ditado popular:
”antes prevenir do que remediar”.
Os primeiros cuidados a serem estabelecidos são dar boa alimentação e
manejo adequado as aves, manter higiene, desinfetar instalações e os
equipamentos, controlar o aparecimento de ratos, moscas e ectoparasitas.
É de extrema importância estabelecer um calendário de vacinação do
plantel e estar sempre atento ao comportamento das aves e ao aparecimento de
doenças em sua região. O avicultor tem que estar sempre atento ao aparecimento
de sinais indicativos de doença. Citaremos alguns exemplos, mas existem muitos
outros:
- presença de corrimento nasal e ronqueira;
- diarréia(fezes de cor e aspecto diferente do normal);
- crescimento desuniforme e baixo desenvolvimento do lote;
- aumento do consumo de água e diminuição do consumo de ração;
- pele e as mucosas de cor pálida ou esbranquiçada;
- febre;
- aumento da mortalidade.
Não podemos esquecer de tomar cuidado para não introduzir aves
doentes ou ovos contaminados na propriedade e sempre que acontecer deve-se
isolar os animais e chamar um médico veterinário. Outra medida preventiva é manter
isolamento de outros animais e evitar contato com outras criações.
Se em uma eventualidade ocorrer alguma doença em sua propriedade,
algumas medidas de controle deverão ser tomadas principalmente visando que esta
se espalhe por todo o plantel. São elas:
- isolamento dos animais doentes dos outros animais do plantel;

3
- desinfecção das instalações e queima das carcaças dos animais que
morreram;
- manejo adequado visando alterações bruscas de temperatura ou
qualquer outra mudança que possa estressar as aves, diminuindo sua resistência a
doenças;
- vacinação de todo o plantel, caso não estejam vacinados.
A vacinação é o método mais seguro e barato de se evitar doenças.
Porém para que se obtenha bons resultados, alguns cuidados devem ser tomados
na vacinação:
- a dose deve ser aplicada de acordo com a via de aplicação escolhida e
conforme a recomendação da bula;
- geralmente as vacinas devem ser mantidas à temperatura de 2 ºC a 8ºC
e não podem receber incidência direta de raios solares;
- o transporte das vacinas deve ser feito em caixas de isopor com gelo.
Retirá-las apenas na hora do uso.
- evitar vacinar aves doentes, pois estas não apresentaram boa resposta
à vacina;
- não usar água clorada em vacinas orais.
Esquema completo de vacinação sob sistema caipira:

Doenças Idade (Dias) Via de aplicação


1 ( no incubatório) Subcutânea
Bouba 1 ( no incubatório) Subcutânea
Bronquite Infecciosa 4 Oral
Newcastle 10 Ocular/Nasal/Oral
Bouba 20 Punctura Da Asa
Gumboro 21 Oral
Newcastle 28 Ocular/Nasal/Oral
Bronquite Infecciosa 28 Oral
Coriza 40 Intramuscular
Cólera e Tifo 60 Intramuscular
Bouba 80 Punctura Da Asa
Newcastle 100 Ocular/Nasal/Oral
Bronquite Infecciosa 100 Oral
Cólera e Tifo 100 Intramuscular
Newcastle 160 Ocular/Nasal/Oral
Bronquite Infecciosa 160 Oral

3
Esquema simplificado de vacinação sob sistema caipira:
Local de
Doença Idade (Dias) Via de aplicação Dosagem
aplicação
Bouba Alta incidência:
1, 10, Amostra suave: subcutânea Pescoço 0,2 ml
28 Amostra forte: tópica asa ou coxa
Baixa asa ou coxa
incidência: 20 Amostra forte: tópica
Newcastle 10,28 Ocular ou nasal Olho ou nariz 1 gota
120 Intramuscular (oleosa) Músculo do peito 0,5 ml
Cólera e Tifo 80,100 Intramuscular Músculo do peito 0,5 a 2,0 ml

3
VACINAÇÃO

1º dia...............................................Marek/Bouba
7/10º dia..........................................Newcastle/Gumboro
21/25º dia........................................Newcastle/Gumboro
32/38º dia........................................Bouba forte

Galinha de Postura..........................Bronquite/Coriza Infecciosa.

VIII.3- Principais doenças infecciosas:


Bouba aviária
É uma doença infecciosa causada por um vírus e que ataca mais as aves
jovens. Isso não significa que não possa atacar também as adultas. É caracterizada
por produzir nódulos(caroços) nas áreas sem penas da pele como crista, barbela,
canela, pés e ao redor do bico e dos olhos, podendo também produzir placas
amarelas na garganta, canto do bico, embaixo da língua, esôfago e traquéia.
O vírus geralmente é transmitido pelo contato de uma ave contaminada
com outra. A transmissão é acelerada pela presença de mosquitos e moscas.
Algumas aves podem se tornar portadoras e a doença pode ser reativada
pelo estresse, como por exemplo, a muda de pena.
O controle é feito pela manutenção da higiene das instalações e controle
da presença de insetos, isolamento da criação e das aves doentes. Mas o principal é
a vacinação das aves conforme calendário já apresentado. Sempre lembrar de
examinar as aves vacinadas mais ou menos uma semana depois da vacinação, para
verificar se a vacina “pegou”. Se não tiver inchado e formado uma “feridinha” no local
da vacinação, deve-se revacinar a ave, de preferência com outro lote da vacina.
O tratamento é feito com base na desinfecção das feridas e aplicação de
antibióticos visando evitar complicações secundárias e no fornecimento de
polivitamínicos para melhorar a resistência e resposta das aves à infecção.

Bronquite infecciosa
A bronquite infecciosa é uma doença de origem viral, altamente
contagiosa que acomete aves de diferentes idades. A disseminação da doença se dá
por contato direto e indireto entre as aves.
Dificilmente ocorrerá sozinha, estando na maioria dos casos, associada a
outras doenças de origem bacteriana que vão agravar o quadro.
As aves doentes apresentarão corrimento nasal e dificuldade respiratória.
Podem apresentar diarréia, desidratação, e lesões renais.
O controle da bronquite infecciosa está relacionado à prevenção através
de vacinações, controle do fluxo de pessoas e acesso de veículo na criação. Evitar a
introdução de aves doentes no plantel.
Não tem tratamento específico. Em alguns casos há a necessidade de se
utilizar antibióticos para controlar as infecções secundárias.

Influenza aviária
É uma doença infecciosa das aves, causada por um vírus. Tem severidade
variável podendo ir de uma infecção leve ou assintomática do trato respiratório e
intestinal a infecções sistêmicas fatais e com altas taxas de mortalidade. As aves
acometidas apresentavam rinite, conjuntivite e nos casos mais graves pneumonia
mortal, considerada altamente patogênica para o homem.

3
O surto em galinhas e perus podem causar grandes perdas de produção e limitar
seriamente o acesso industrial aos mercados internacionais.
As possíveis fontes de infecção primária são: aves selvagens, aves
domésticas e mamíferos. Os únicos mamíferos reconhecidos como possíveis fontes
de infecção para as aves são os suínos e os humanos.
É uma doença de comunicação obrigatória. Todo produtor ou técnico que souber da
ocorrência da doença é obrigado a comunicar ao órgão de defesa. Entre as medidas
de controle estabelecidas pela Defesa Sanitária Animal estão as seguintes:
- notificação da suspeita do foco;
- assistência ao foco;
- medidas de desinfecção;
- sacrifício sanitário;
- vazio sanitário de 21 dias.

Doença de Newcastle
É uma doença causada por um vírus, que acomete aves de todas as
idades. Apresenta grande importância econômica pelos prejuízos que podem causar
à avicultura nacional. Um surto de Newcastle fecha as portas para o comercio
internacional. Por outro lado, tem grande importância para o criador de aves caipiras
devido à queda na produção e mortalidade das aves.
A Newcastle pode se apresentar de três formas que podem aparecer
isoladas ou associadas: respiratória, digestiva e nervosa.
A forma respiratória é mais comum nas aves jovens e se manifesta com
dificuldade respiratória, espirros e tosse.
Na forma digestiva ocorre perda de apetite, papo distendido por um
conteúdo verde escuro, diarréia verde azulada.
A forma nervosa apresenta tremores, paralisia das asas, patas ou
pescoço, levando a um quadro de torcicolo.
A mortalidade em animais jovens pode chegar a 80%. A morte se
estabelece em aproximadamente uma semana.
Não há tratamento para a doença. Por se tratar de uma enfermidade de
notificação obrigatória, a qualquer suspeita deve-se comunicar a Agencia Goiana de
Defesa Agropecuária-AGRODEFESA, para que sejam tomadas as medidas
cabíveis, entre elas:
- notificação da suspeita do foco;
- assistência ao foco;
- medidas de desinfecção;
- sacrifício sanitário;
- vazio sanitário de 21 dias;
- vacinação dos plantéis;
- introdução de aves sentinelas, etc.
Em nível de propriedade, o que o avicultor pode fazer para evitar o
aparecimento da doença é manter a higiene dos equipamentos e instalações,
isolamento da criação e vacinação.

Micoplasmose ou doença crônica respiratória


É uma doença respiratória causada por uma bactéria que ataca
principalmente aves jovens ou em pico de postura. Depois que afeta o plantel é de
difícil eliminação. Tem tratamento longo e caro, o que o torna inviável. Geralmente
ocorre associada a outras doenças.

3
As aves acometidas apresentam espirros, dificuldade respiratória,
ronqueira, baixa eficiência produtiva do lote, aumento de volume das articulações,
manqueira, caquexia e morte.
As formas de controle são a higiene, isolamento, comprar pintos de
granjas livres e evitar corrente de ar e estresse. A vacinação não é recomendada em
galinhas caipiras.

Pulorose
É uma doença causada por uma bactéria, que acomete qualquer espécie
de aves, e que apresenta forma distinta nas aves jovens e adultas. Os pintos
desenvolvem uma diarréia branca cujas fezes ficam aderidas as penas da cloaca.
Estes casos têm mortalidade elevada. Nas aves adultas ocorre uma queda na
postura.
A transmissão se dá através do ovo, pelo contato entre as aves e com
objetos contaminados.
A vacinação não é indicada. O controle deve ser feito através da higiene
das instalações e equipamentos, isolamento da criação, eliminação das aves
doentes.
As aves quando se curam tornam-se portadoras e continuam eliminando a
bactéria contaminando todo o plantel. Por este motivo, quando acontecer a doença o
ideal é eliminar todo o plantel, desinfetar todas as instalações e equipamentos, dar
um vazio sanitário e depois reiniciar a criação com aves livres da doença.
Os ovos contaminados, quando consumidos podem provocar um quadro
de intoxicação no homem.

Tifo aviário
É uma doença que ataca principalmente aves adultas. Seu agente
etiológico é uma bactéria, adquirida pela ingestão de alimento ou água
contaminados.
As aves doentes apresentam cristas e barbelas pálidas, febre e diarréia
esverdeada. À necropsia podemos observar que o músculo do peito fica com
aparecia de cozido. A morte ocorre em 1 a 2 dias após o aparecimento dos primeiros
sintomas.
O controle se faz através da higiene, isolamento e vacinação.
O tratamento pode ser feito utilizando antibióticos e polivitamínicos.

Cólera aviária
Doença altamente contagiosa, com grande mortalidade, conhecida como a
peste das aves. Seu agente causador é uma bactéria.
A infecção se dá por via respiratória ou digestiva.Uma vez penetrando no
organismo, a bactéria lesa principalmente o fígado, os pulmões, o coração, os vasos
e serosas, levando à morte por pneumonia, por hemorragias ou por enterite grave.
Após os primeiros sinais da doença, a morte pode vir em poucos minutos, algumas
horas e às vezes, até 1 a 2 dias. As aves apresentam diarréia verde-amarelada, pus
nas articulações, barbela, cavidade peritonial e cianose da crista devido à
septicemia. O fígado se apresenta à necropsia com pontos necróticos e aparência
de cozido.

3
Quando a doença se instala o melhor é não tratar, sacrificar todas as aves
e iniciar nova criação, após desinfecção e vazio sanitário.

Coccidiose
É uma doença grave e comum, provocada por um protozoário do gênero
Eimeria, com alta mortalidade devido às lesões intestinais. Pode afetar aves de
qualquer idade, mas as jovens são as mais afetadas.
Os animais doentes apresentam diarréia preta ou com sangue, fraqueza
progressiva, anemia e desidratação.
O controle da doença é feito através, principalmente, da higiene e
isolamento. Temporariamente pode-se usar na ração, produtos conhecidos por
coccidiostáticos, quando não for possível manter o controle da doença de outras
formas ou em condições de estresse intenso e higiene deficitária.
Coriza
Também conhecida como pevide, é uma doença bacteriana, altamente
contagiosa, afeta principalmente galinhas. O agente da doença pode ser transmitido
por aerosóis, moscas, contato direto entre as aves, água contaminada, etc.
A ave doente apresenta corrimento nasal e ocular, conjuntivite, inchaço da
cabeça e barbela.
Botulismo
Caracterizada por um quadro de intoxicação provocada por uma
neurotoxina, em que o animal apresenta debilidade, prostração, paralisia e morte.
O principal meio de produção de toxinas botulínicas são os alimentos
deteriorados, como forragem, carcaças, camas úmidas, larvas, etc. A toxina é
produzida nos tecidos de animais mortos, como conseqüência do crescimento do
Clostridium botulinum. As aves que consumirem estas carcaças contaminadas pela
toxina adoecerão.
Não existe tratamento. A prevenção é feita através da higiene das
instalações e equipamentos, evitar contato das aves com carcaças e principalmente,
alimentação de boa qualidade.
Gumboro
É uma doença viral de galinhas jovens, altamente contagiosa, que ataca o
sistema imunológico das aves fazendo com que elas fiquem mais sensíveis às
doenças e não respondam bem as vacinações.
As galinhas doentes apresentam prostração intensa, incoordenação,
diarréia aquosa com penas cloacais sujas, canibalismo e inflamação da cloaca.
Não tem tratamento. O controle é feito com higiene, isolamento,
vacinação.
Marek
Doença viral que atinge as aves antes que elas alcancem a maturidade
sexual. Transmite facilmente de uma ave para a outra.Uma vez infectadas, as
galinhas tornam-se portadoras do vírus por longos períodos e atuam como fonte de
infecção.
As aves doentes podem apresentar paralisia, andar inseguro, posição de
apoio do peito contra o solo com uma perna estirada para frente e outra para trás,
tumores na pele, músculos, fígado, baço, rins, coração, pulmão, proventrículo,
ovários e testículos. Não tem tratamento. O controle se baseia na higiene,
isolamento, vacinação no primeiro dia de vida e criação de aves geneticamente
resistentes à doença.

3
DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DE DOENÇAS INFECCIOSAS
DOENÇA AGENTE PRINCIPAIS SINTOMAS CONTROLE TRATAMENTO
bouba aviária vírus Verrugas, placas amarelas na garganta controle de moscas, sulfas, antibióticos,
vacinação polivitamínicos
bronquite infecciosa vírus dificuldade respiratória vacinação não existe
cólera bactéria diarréia verde-amarela, fígado com vacinação sulfas, antibióticos,
aparência de cozido c/ pontos escuros, pus polivitamínicos
nas articulações, barbela, cavidade
abdominal
coccidiose protozoário diarréia de sangue ou escura, fraqueza, coccidiostático sulfas e polivitamínicos
desidratação
coriza bactéria corrimento nasal e ocular, inflamação de proteger aves do frio antibiótico e
olhos e barbela polivitamínico
gumboro vírus aparecimento repentino, hemorragias nos vacinação não existe
músculos e tecidos subcutâneos
marek vírus paralisia dos membros, lesões tumorais, vacinação no incubatório não existe
peito apoiado no chão, perna p/ frente e
outra p/ trás
micoplasmose (DCR) bactéria dificuldade. respiratória, aumento das comprar pintos de granjas antibiótico e
articulações, baixa eficiência produtiva, livres, vacinação em granjas polivitamínico,
caquexia, morte de reprodutores positivos difícil e prolongado
new castle vírus dificuldade respiratória, paralisia, torcicolo, vacinação não existe
diarréia verde escura
tifo bactéria diarréia verde amarela, músculo do peito c/ vacinação sulfas, antibióticos,
aparência de cozido, alta mortalidade polivitamínicos
pulorose bactéria diarréia branca eliminar portadores, sulfas, antibióticos,
vacinação planteis postura e polivitamínicos
reprodução
outras salmoneloses bactéria diarréia amarela esverdeada eliminar portadores sulfas, antibióticos,
crista caída e azulada polivitamínicos

3
VIII.4- Principais doenças parasitárias
- Parasitas externos (ectoparasitas):
- Ácaros
- Carrapatos
- Percevejos
- Piolhos
- Parasitas internos (endoparasitas):
- Ascaris
- Capilária
- Heterakis
- Tênias

Parasitos externos:
Os prejuízos provocados pelos ectoparasitas são:
- Propagação de doenças;
- Contaminação dos alimentos;
- Ataque direto aos animais.

1- Ácaros:
Estes parasitas causam a sarna, que se caracteriza por lesões na pele e
nas penas. As aves ficam irritadas, comem mal, ficam debilitadas e podem até
morrer, dependendo do grau de infestação.
O combate é feito o uso de acaricidas nas aves e instalações. A higiene
das instalações e equipamentos é de suma importância para evitar seu
aparecimento.
2- Carrapatos:
São parasitas que sugam o sangue das aves, levando a um quadro de
anemia. Pintos e frangos atacados apresentam asas caídas, cristas e barbelas
pálidas.
A prevenção é a mesma da sarna e o combate é feito através de
pulverizações com carrapaticida nas aves e nas instalações.
3- Percevejos:
Causam danos semelhantes aos carrapatos e são combatidos da mesma
forma. São de difícil percepção porque atacam a ave à noite e se escondem nas
instalações durante o dia.
4- Piolhos:
Os piolhos provocam irritação intensa podendo causar a morte de pintos.
Parasitam as penas e a pele das aves.
A prevenção se baseia na higiene e o combate é feito com pulverização
ou polvilhamento de produtos inseticidas nas aves e instalações. Pode-se adotar o
sistema de colocar o inseticida em uma caixinha com areia dentro do galpão,
deixando que as próprias aves façam a pulverização.
5- Moscas:
Sua importância deve-se ao fato de contaminarem a ração com vermes e
outros agentes causadores de doenças, devido ao fato de pousarem nas fezes e
depois no alimento. Devemos controlar sua infestação utilizando inseticidas
aplicados na cama e instalações. É importante tomar cuidado em sua utilização para
não aplicar na ração, na água e nem nas aves, devido ao risco de intoxicação.
7
Parasitas internos
Os parasitas internos concorrem pelos nutrientes com as aves, lesam a
parede dos órgãos afetados, dificultam a absorção dos nutrientes devido às lesões
provocadas na parede do intestino. Provocam debilidade, anemia, diminuem a
resistência das aves às doenças e dependendo da severidade, podem levar a morte.
Apresentam formas semelhantes de controle.Um bom manejo, evitando
principalmente superpopulações, aliado a higiene das instalações e equipamentos,
garante um controle da infestação. A utilização periódica de vermífugos também se
apresenta como boa alternativa. Recomenda-se a utilização de vermífugos a base
de mebendazol ou oxibendazol, na dosagem recomendada pelo fabricante.
Geralmente, vamos utilizar 60 g mebendazol/100 Kg de ração, durante 5 dias, a
partir dos 45 dias de idade. Em criações novas pode-se fazer a vermifugação
anualmente, em criações já estabelecidas o ideal é fazer uma a cada 4 meses.
Vermífugos naturais como sementes de abóbora e de mamão também
podem ser utilizados.
Os vermes mais importantes para a avicultura caipira são:

Ascaris:
A espécie Ascaridia galli é a mais comum. É um verme redondo de até 10
cm e que ataca o intestino delgado da ave, podendo levar a obstrução intestinal.

Syngamus traquealis(singamose ou gogo):


Ataca a traquéia de aves geralmente entre 6 a 8 semanas de vida.
Provoca inquietação, tosse e dificuldade respiratória.

Capilaria:
Este gênero engloba várias espécies de vermes redondos e finos. Podem
infestar o esôfago, papo, proventrículo, duodeno, ceco.

Heterakis:
Verme redondo, branco, pequeno(1 cm) que ataca o ceco das aves.
Controla-se com higiene das instalações. O tratamento é feito com
vermífugos à base de fenotiazina ( 2 a 3g/Kg de ração).

Tenia:
Conhecidas como solitária, são vermes achatados, em forma de fitas
segmentadas e que se hospedam no intestino delgado. Os animais infestados
apresentam cansaço, comem pouco e perdem peso.

8
IX – Avaliação econômica da criação

Temos que considerar nossa criação de galinhas caipira como uma


atividade econômica. Como tal, ela tem que ser viável, ou seja, tem que nos dar
lucro. Para sabermos se estamos tendo lucro ou prejuízo, precisamos saber quanto
nos custa cada frango ou cada dúzia de ovos. Para isso apresentaremos exemplos
de custos de produção que deverão servir de modelo. Mas lembrem-se, cada um
deverá adaptar os custos à sua realidade.
Para estabelecermos os custos teremos que entender primeiro o que são
índices zootécnicos. A grosso modo, poderemos defini-los como índices produtivos.
Em seguida apresentaremos alguns índices que interferirão em nossos custos de
produção:

ÍNDICE UNIDADE VALOR


POSTURA % 70-80 (75)
APROVEITAMENTO PARA INCUBAÇÃO % 85-95 (90)
ECLODIBILIDADE % 70-90 (80)
PINTOS REFUGOS % 2-8
SOBREVIVÊNCIA ATÉ 28 DIAS % 95
SOBREVIVÊNCIA ATÉ ABATE % 92
CONSUMO MÉDIO RAÇÃO POR FRANGO Kg 6,50
ABATIDO
CONSUMO RAÇÃO POR MATRIZ/DIA Kg 0,13
PESO AO ABATE Kg 2,20

Geralmente quanto melhor a eficiência produtiva, melhor a lucratividade.


Mas nem sempre os melhores índices representaram melhores resultados
econômicos. Nesta hora, entra outra expressão muito usada, que é a relação
custo/benefício, ou seja, quanto se gastou comparado com o quanto isso aumentou
em termos de produção. Algumas vezes o incremento em termos de produção não
paga o investimento feito. Nesta hora é necessário que se avalie o manejo utilizado,
buscando “furos” por onde nosso dinheiro está vazando. Por isso, sempre
deveremos estar buscando um equilíbrio e tentado reduzir o custo de produção.
Como é o mercado que vai ditar o preço do frango ou do ovo, se quisermos
aumentar nossos lucros, deveremos diminuir nossos custos, mas sem afetar a
saúde das aves, é claro.

9
ÍNDICES ZOOTÉCNICOS EFICIÊNCIA( % )
BAIXA ÓTIMA MÉDIA
ECLODIBILIDADE 70 90 80
APROVEITAMENTO PINTOS 92 98 95
SOBREVIVÊNCIA ATÉ 28 DIAS 95 98 97
CUSTO DO OVO R$ 0,17 R$ 0,15 R$ 0,15
CUSTO DO PINTO R$ 0,43 R$ 0,31 R$ 0,35
CUSTO DO FRANGO R$ 4,64 R$ 4,60 R$ 4,65
PREÇO DE VENDA DO FRANGO R$ 7,00 R$ 7,00 R$ 7,00
PRODUÇÃO DE FRANGOS MÊS 220 311 265
LUCRATIVIDADE /MÓDULO / MÊS 519,20 746,40 R$ 622,75

Além dos índices produtivos e do manejo adotado na criação, a


comercialização é outro fator que vai interferir nos custos, e talvez seja o que o
produtor tenha maior dificuldade de resolver. Saber comprar e vender é uma ciência
que o produtor deverá aprender. Não adianta fazer tudo direito e depois vender mal
seu produto ou comprar mal os insumos e materiais necessários ao
desenvolvimento de qualquer atividade. Temos que valorizar nosso produto e buscar
formas de comprarmos mais barato, seja pela venda e compra conjunta com outros
produtores, seja por uma pesquisa de mercado minuciosa de preços, aliados a
época certa, como acontece com os grãos que tem preço bem mais acessível
durante o período de safra.
Para exemplificarmos os cálculos tomaremos como base um módulo
mínimo de 30 galinhas e 3 galos, com utilização de uma chocadeira para 360 ovos.
Os custos vão variar de acordo com a eficiência do sistema de criação.

Numa hipótese de eficiência média teremos:


CUSTO DO OVO
Valor da ave (galinha) R$ 12,00 / 12 meses de produção R$ 1,00
Custo com ração p/ 30 130 g/cabeça /dia X 30 dias = 3,9 Kg x R$ R$ 2,30
dias 0,59/Kg
Mão-de-obra e outros Salário R$ 240,00 / 1053 cabeças R$ 0,23
TOTAL DO CUSTO MENSAL POR AVE R$ 3,53
Produção 75% em 30 dias = 23 ovos/mês = R$ 3,53 / 23 ovos R$ 0,15
Custo da dúzia de ovos (R$): 1,80

1
CUSTO DO PINTO
Valor da máquina /60 meses R$ 17,26
Energia Valor estimado R$ 30,00
Ovos incubados/mês Capacidade chocadeira x valor ovo R$ 54,00
TOTAL DO CUSTO MENSAL R$ 101,26
Produção 101,26/ 288 pintos (80% de nascimento) R$ 0,35
CUSTO DO FRANGO
Pinto R$ 0,35
Ração 6,5 Kg x R$ 0,55 R$ 3,58
Vacinas e outros R$ 0,30
SUBTOTAL R$ 4,23
Perdas e consumo 10% R$ 0,42
CUSTO TOTAL DO FRANGO R$ 4,65

No caso de uma eficiência alta os custos ficarão assim:


CUSTO DO OVO
Valor da ave (galinha) R$ 12,00 / 12 meses de produção R$ 1,00
Custo com ração p/ 30 130 g/cabeça /dia X 30 dias = 3,9 Kg x R$ R$ 2,30
dias 0,59/Kg
Mão-de-obra e outros Salário R$ 240,00 / 1053 cabeças R$ 0,23
TOTAL DO CUSTO MENSAL POR AVE R$ 3,53
Produção 80% em 30 dias = 24 ovos/mês = R$ 3,53 / 24 ovos R$ 0,15
Custo da dúzia de ovos (R$): 1,80

CUSTO DO PINTO
Valor da máquina /60 meses R$ 17,26
Energia Valor estimado R$ 30,00
Ovos incubados/mês Capacidade chocadeira x valor ovo R$ 54,00
TOTAL DO CUSTO MENSAL R$ 101,26
Produção 101,26/ 324 pintos (90% de nascimento) R$ 0,31

CUSTO DO FRANGO

1
Pinto R$ 0,31
Ração 6,5 Kg x R$ 0,55 R$ 3,58
Vacinas e outros R$ 0,30
SUBTOTAL R$ 4,19
Perdas e consumo 10% R$ 0,41
CUSTO TOTAL DO FRANGO R$ 4,60

Se um manejo adequado não for adotado, teremos uma eficiência baixa e na melhor
das hipóteses os custos ficarão assim:

CUSTO DO OVO
Valor da ave (galinha) R$ 12,00 / 12 meses de produção R$ 1,00
Custo com ração p/ 30 130 g/cabeça /dia X 30 dias = 3,9 Kg x R$ R$ 2,30
dias 0,59/Kg
Mão-de-obra e outros Salário R$ 240,00 / 1053 cabeças R$ 0,23
TOTAL DO CUSTO MENSAL POR AVE R$ 3,53
Produção 70% em 30 dias = 21 ovos/mês = R$ 3,53 / 21 ovos R$ 0,17
Custo da dúzia de ovos (R$): 2,04
CUSTO DO PINTO
Valor da máquina /60 meses R$ 17,26
Energia Valor estimado R$ 30,00
Ovos incubados/mês Capacidade chocadeira x valor ovo R$ 61,20
TOTAL DO CUSTO MENSAL R$ 108,46
Produção 108,46/252pintos ( 70% de nascimento) R$ 0,43
CUSTO DO FRANGO
Pinto R$ 0,43
Ração 6,5 Kg x R$ 0,55 R$ 3,58
Vacinas e outros R$ 0,30
SUBTOTAL R$ 4,31
Perdas e consumo 10% R$ 0,43
CUSTO TOTAL DO FRANGO R$ 4,74

X – Noções de abate:
Abordaremos neste item, noções de abate, para que o produtor possa
entender melhor como a ave é processada após abatida e também para que possa

1
adotar alguns cuidados necessários em seu abate para consumo próprio, visando a
obtenção de um produto melhor.
O abate comercial, com o objetivo de vender os frangos já processados,
só é permitido em abatedouros registrados no serviço de defesa oficial. O abate
clandestino é crime.
Para que se possa compreender melhor o abate pode ser dividido em 12
fases, que se iniciam antes mesmo da morte do animal. As etapas são:

01 – Dieta Hídrica
Consiste em 12 horas antes do abate deixar as aves sem ração, dando-lhes apenas
água., visando esvaziar o trato digestivo e diminuir o risco de contaminação das
carcaças.

02 – Recepção e sangria
A recepção deve ser feita em área ventilada e sombreada, deixando as aves em
repouso por algum tempo.
A sangria aumenta a durabilidade do produto. Deve-se deixar sangrar de cabeça
para baixo por 3 minutos, de preferência em funis de sangria.
No meio rural, muitas pessoas gostam de matar torcendo o pescoço. Porém esta
forma só pode ser utilizada para consumo próprio e imediato.

03 – Escaldagem

A escalda tem a função de facilitar a remoção das penas, impurezas e sangue. Deve
ser feita com temperatura em torno de 70º C. Não deixar a água ferver. Na prática,
quando começar a subir as primeiras bolinhas. A água muito quente cozinha a carne
e danifica a pele.

04 – Depenagem
Consiste na remoção das penas. Pode ser feita manual ou com utilização de
depenadeiras.

05 – Evisceração
Remoção das vísceras.

06 – Pré-resfriamento
Tem o objetivo de lavar e resfriar as carcaças.

07 – Gotejamento
Deixar as carcaças escorrer a água por 3 a 5 minutos.

08 – Embalagem
Em abatedouros comerciais o frango abatido deve ser embalado respeitando estas
exigências:
- embalagem de polietileno de baixa densidade, pigmentada, com fundo
arredondado.
- Miúdos e sangue devem ser embalados separados em sacos de polietileno liso e
colocados dentro do frango.

1
09 – Resfriamento, armazenamento e expedição.

XI - FISCALIZAÇÃO DE TRÂNSITO DE AVES:


Para comercializarmos a produção devemos tomar conhecimento de
algumas exigências sanitárias que o Estado adota visando o controle do trânsito de
animais. Esse controle é necessário para que se consiga evitar a disseminação de
doenças.
Para o transporte de ovos férteis, pintos de um dia, aves de corte e
postura, deveremos procurar a Agência Goiana de Defesa Agropecuária –
AGRODEFESA – onde será emitida uma guia de trânsito animal, também conhecida
por GTA.
É importante sabermos, que para se emitir uma GTA para trânsito de
animais destinados a reprodução, será exigida comprovação de vacinação contra
doença de Newcastle.
Frango abatido só pode ser transportado se o abate ocorreu em
abatedouros credenciados junto ao órgão oficial de fiscalização.

Perguntas mais frequentes sobre incubação de aves:

1- Quanto tempo os ovos podem ser armazenados até serem colocados na


chocadeira?
Depende da temperatura ambiente. Os ovos podem ficar 1 a 2 dias (em 34ºC), 4 dias
(em 30ºC) e até 7 dias ou mais (em 28ºC) antes de serem chocados na chocadeira.

2- Como guardar os ovos?


Retire-os todos os dias dos ninhos (os ovos não devem Ter contato com o chão), de
preferência guarde-os em cartelas próprias sempre com o bico para baixo. Evite colocá-
los em geladeira, pois podem perder umidade, ou lugares muito quente (acima de 34ºC).

3- A temperatura do ambiente prejudica os ovos?


Sim, em lugares muito frio (abaixo de 4ºC) os embriões podem morrer e em lugares
muito quente acima de 34ºC o embrião começará a desenvolver-se.

4- Devo botar na chocadeira ovos trincados ou rachados?


Não. Pois a temperatura dentro da chocadeira fará com que os ovos estoure, sujando e
infectando os outros ovos.

5- Depois de ligada a chocadeira e ajustada a temperatura como colocar os


ovos?
Depois de estabilizada a temperatura da chocadeira vá colocando os ovos deitados em
fileira na grelha deixando espaço para que os mesmos possam ser movidos.

6- Com quantos dias depois posso começar a mexer os ovos?


Depois de postos na chocadeira mexer cuidadosamente após 3 dias (ou 72 horas),
sempre devagar e no mínimo 3 vezes ao dia.

7- Tem horário rígido para o meximento?


Não, porém lembre-se que são pelo menos 3 vezes ao dia, preferencialmente uma vez
pela manhã, uma vez a tarde e outra à noite.

8- Como deve ser o meximento ?


Nunca puxe a ponta da grelha que fica na gaveta em movimentos vai e vem. Você deve

1
apenas puxá-la na primeira mexida, empurrá-la na Segunda e puxá-la novamente na
próxima e assim por diante até faltar um dia para a data prevista do nascimento.

9- Posso abrir a(s) gaveta(s) para verificar os ovos?


Não recomendamos fazê-lo, pois dependendo das condições ambientais externas (que
varia de cidade para cidade) podem haver perdas durante o nascimento. Entretanto
aqueles que desejarem arriscar devem fazê-lo à noite, com a chocadeira desligada, após
1/3 do tempo de eclosão da ave (p.ex. galinha » 21x1/3 » 7dias) e com a maior
brevidade possível. Os que não estiverem fecundados poderão ainda ser aproveitados em
bolos, tortas etc.

10- Como saber se estão fecundados?


Os ovos devem ser examinados com o bico para baixo e sob um feixe lateral de luz. Os
ovoscópios de luz monocromática (p. ex. a raios laser) são os melhores para visualizar
detalhes do embrião, entretanto qualquer bom ovoscópio pode revelar o contraste que
caracteriza a fecundação.

11- Retirados os ovos não fecundados posso colocar outros ovos no espaço
daqueles retirados?
Não recomendamos pois geralmente altera as condições de temperatura, umidade e
oxigenação naquele momento.

12- Perto do dia do nascimento o que devo fazer?


Na véspera do dia da eclosão evite mexer os ovos, pois os pintos já buscam a posição
adequada para eles nascerem. Após o nascimento, deixe-os no mínimo duas horas
dentro da chocadeira e no máximo 6 horas (eles podem atrapalhar o nascimento dos
demais pintos, apesar de terem reserva nutritiva para até 48 horas sem comida).
Aqueles que possuirem uma nascedeira, devem utilizá-la para evitar a infecção da
chocadeira com as fezes dos pintinhos.

13- Quanto tempo devo tirar os ovos da chocadeira?


Espere até dois dias após o período de eclosão estabelecido para a ave para então
realizar a limpeza na chocadeira.

14- Após a retirada dos ovos que não nasceram, posso colocar imediatamente
novos ovos na chocadeira?
Não recomendamos. A chocadeira deve ser limpa com solução anti-séptica e em seguida
permanecer de 8 a 12 horas sob ventilação (com as gavetas retiradas e a porta inferior
aberta).

15- Depois de tirados da chocadeira quais os cuidados que devemos ter com os
recém nascidos?
Se você não tem o pinteiro (ou criadeira) poderá improvisar um utilizando uma caixa de
papelão ou madeira com piso abrasivo (para evitar o aleijamento das aves). Uma fonte
de calor (lâmpada de 40W) e um ou mais bebedouro de passarinho são essenciais para
evitar altos índices de mortalidade, bem como ração de crescimento de boa qualidade
(rica em proteínas). A água do bebedouro tem que ser trocada diariamente pois a higiene
nos primeiros dias é muito importante.

16- A alimentação das aves-mães influi na taxa de nascimento em chocadeiras?


Sim. Aves-mães devem ter tratamento diferenciado em termos de ração (rica em
proteínas e sais minerais) e suplementos alimentares (vitaminas e aminoácidos)

17- Como a cosanguinidade pode afetar as aves recém-nascidas?


Depende da ave. Em codornas o incesto causa nascimento precoce (14 dias) e os pintos
não se desenvolvem como seus pais (raquitismo). Em gansos os ovos podem nem sequer

1
nascer. Em galinhas caipiras a cosanguinidade é bem tolerada e seus efeitos podem levar
anos para serem percebidos.

18- Quanto tempo pode faltar energia elétrica sem prejudicar a chocada?
Durante as primeiras 48 horas no máximo 15 minutos, após esse tempo, é tolerada até
quatro horas a partir de então começam as perdas (que depende da ave).

19- Podemos anotar nos ovos a data que eles estão indo para a chocadeira?
Sim, mas somente com carvão vegetal ou lápis grafite. Nunca com tinta ou esmaltes,
pois o ovo respira pela casca.

20- Existe uma proporção macho-fêmea ideal para otimizar a fecundação?


Depende da ave. Em codornas é de um macho para quatro fêmeas (1»4), em galinhas de
raça aprox. 1» 5, em gansos é de aprox. 1»3 etc.

21- Posso chocar aves de diferentes espécies ao mesmo tempo na mesma


chocadeira?
Sim. Desde que haja faixas de temperatura em comum. Por exemplo, em 37,5ºC (99,5ºF)
pode-se chocar galinha, angola, codorna e pata. A taxa de nascimento não será máxima
para todas as aves porque a temperatura não é a ótima para todas elas e também o
período de eclosão por ser diferente altera as condições dentro da chocadeira.

Dicas

- A estocagem dos ovos não deve ser superior a sete (7) dias.
- A temperatura para estocagem é de 12,7o C, e a umidade de 75%.
- Os ovos estocados devem ser girados no minimo duas vezes por dia.
- Os ovos devem ser estocados com a ponta para baixo.
- O transporte dos ovos deve ser feito com bastante cuidado, evitando que não
haja impactos, abafamento ou exposição sol.
- A coleta dos ovos deve ser feita pelo menos duas vezes por dia para evitar que
as aves antecipem a incubação.
- O controle sanitário, a idade e a alimentação das matrizes, devem ser
rigorosos. Vermifugar o plantel anualmente,usar água limpa e fresca e ração
balanceada, são também imprescindíveis.
- As regulagens de temperatura e umidade são muito importantes.
- Para chocadeiras que trabalham com cargas múltiplas, recomendamos o uso
do nascedouro (eclodidor), para que não haja contaminação dos ovos durante o
nascimento.
- Em chocadeiras que não dispõe do giro automático, os ovos deverão ser
virados, no mínimo, três vezes ao dia.
- Recomendamos lavar os ovos de ganso, pato e marreco com bombril e água,
antes de colocar para chocar
- Evite ficar abrindo a chocadeira. Só abra quando necessário e no máximo três
vezes ao dia.
- Havendo dúvida quanto a procedencia dos ovos, recomendamos que se faça
uma ovoscopia antes de colocá-los na chocadeira.

EQUIPE LOCAL DE TRINDADE


Afranio Martins da Silva Médico Veterinário
Helena Maria Silva Porto Auxiliar Administrativa
João Machado Neto Técnico em Agropecuária
Maria Luiza Silva Pereira Supervisora Local
Welinton º Alencar Eng. Agrônomo

1
REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Apostila do Curso de Produção de Frangos e Ovos Caipiras –


Christian Grandsire – 1998
Sistema Caipira de Criação de Frango de Corte
Daniela Beatriz de C. Gomes (et. Al) Brasília: MA/SDR/PNFG, EMATER-
DF, 1998
Manual sobre Criação de Galinha Caipira na Agricultura Familiar: Noções
Básicas – Natália Inagaki e Albuquerque, Cristóvão Morelli K.A Freitas,
Henrique Sawaki, Darcísio Quanz – EMBRAPA – Documentos n° 114,
1998
Manual para Criação de Galinhas – Ícaro Fiechter – EMATER-PR, 1983
Sistema de Produção para Avicultura de Corte – Boletim n° 335 –
EMBRATER/EMBRAPA – 1981
Apostila Principais Enfermidades de Aves – AGENCIARURAL – 2003
Legislação de Defesa Sanitária animal/Programa Estadual de Sanidade
Avícola.

Contato : Unidade Local de Trindade


062-35051483

1
1
VENDA PROIBIDA