Você está na página 1de 46

Universidade Eduardo Mondlane

Faculdade de Engenharia – DEEL


Licenciatura em Engenharia Eletrónica – 3º ano

Eletrónica Analógica II

Modulação Angular (FM e PM)

Docente:
Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc.
AM DSB
Modulação
Linear AM
SSB/VSB

Transmissão
Passa Banda

FM
Modulação
Angular
PM
Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 2
Linear
Onda contínua
(portadora 
Exponencial ou Sinusoide)
angular

Modulação

De pulsos (portadora  trem de


pulso periódico)

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 3


P
Espectro modulado  espectro da mensagem é
r
trasladado.
o
p
r Largura de Banda de transmissão (BT)  nunca
Modulação i excede em duas vezes a largura da mensagem
linear e [BT máx= 2 W ].
d
a Relação sinal Ruído (SNR) Não é melhor que a
d que se obtém na transmissão em banda base,
e mas é possível melhora-la acrescentando a
s potência de transmissão.

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 4


P Espectro modulado  Não está relacionado
r com o espectro da mensagem de maneira
o simples (processo não linear).
p
r
i Largura de Banda de transmissão (BT)  quase
Modulação sempre é maior que o dobro da mensagem.
e
Angular
d
a
d
e Relação Sinal Ruído (SNR)  é acrescentada
sem que haja necessidade de acrescentar a
s
potência de transmissão.

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 5


Modulação angular – Conceitos Gerais

O ângulo dum sinal sinusoidal


descreve-se em termos de
frequência e ângulo de fase.

O que significa frequência?

A  Amplitude constante;
A θ Θ(t)  angulo de fase;
ω
ω  frequência angular;
Se a velocidade angular da
sinusoide é constante, a frequência
Representação fasorial geral angular é ωo (rad/s).
Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 6
Modulação angular – Conceitos Gerais

O que acontece se ωo não é constante?

A θ Se Θ(t) aumenta linearmente com o tempo,


ω
então: θ(t) = ωo t

Representação fasorial geral

Se ωo não é constante pode-se escrever uma relação entre a


velocidade angular instantânea ωi (t) e o ângulo de fase θ(t) será:

θ(t) = ∫ ωi(t)
t dt + θo

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 7


Modulação angular – Conceitos Gerais

Se ωo não é constante pode-se escrever uma relação entre a


velocidade angular instantânea ωi (t) e o ângulo de fase θ(t) será:

θ(t) = ∫ ωi(t) dt + θo
t

Derivando podemos obter:


ωi(t)=dθ/dt  frequência instantânea, que é a derivada
da sua fase.

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 8


Modulação angular – Conceitos Gerais

Modulação angular  acontece quando o ângulo de fase (θ) duma


onda sinusoidal varia com o tempo.

Xc (t) = Vc cos [ωct +θ(t)] θ(t) = F [Vm(t)]


v m (t )  Vm sen( m t )
Forma de onda duma portadora,
na qual está acontecendo a
modulação angular, tanto a
frequência como a fase estão a
mudar proporcionalmente com a
amplitude do sinal modulador
(Vm).
Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 9
Modulação angular – Conceitos Gerais

Sinal modulante v m (t )  Vm sen( 2 f m t )

A mudança em frequência
chama-se desvio de frequência
(Δf) e a mudança em fase
chama-se desvio de fase (Δθ).

Frequência variando com o tempo

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 10


Modulação angular – Conceitos Gerais

Tmax
Ilustra-se uma onda portadora que é
desviada num período de tempo.

Corresponde à
frequência mínima
Tmin

O desvio de frequência será:


Corresponde à
frequência máxima  1 1 

f p  p    
 Tmim Tmax 
Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 11
Modulação angular – Conceitos Gerais
Tmax

Tmin

Desvio de fase instantânea  é a mudança instantânea na fase da


portadora num instante de tempo e indica quanto está a mudar a fase da
portadora em relação a sua fase de referência.

Desvio de frequência instantânea  é a mudança instantânea na


frequência da portadora. É a primeira derivada em função do tempo do desvio
de fase instantânea.
Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 12
Modulação angular – Conceitos Gerais

Onde introduzir a informação da mensagem?

Neste caso o fasor visto no mesmo plano de fase é móvel, oscilando


segundo ᶲc(t).
A informação será introduzida no argumento da sinusoide generalizada.

S (t )  AC cos( i (t ))  i (t )  C  t  C (t )
Portadora modulada
Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 13
Modulação angular – Conceitos Gerais

A θ d i (t ) dC (t )
inst (t )   C 
ω dt dt

Representação fasorial geral

Frequência instantânea  velocidade instantânea de rotação do fasor.


É diferente da frequência do espectro – O espectro não pode ser risca
em movimento.

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 14


Modulação angular – Conceitos Gerais

A θ
d i (t ) dC (t )
inst (t )   C  ω
dt dt
Possibilidades Representação fasorial geral

1. Se o ângulo de fase (θ) varia de forma linear com o sinal da


mensagem.

 i (t )  C  t  k p m(t )
S PM  AC cos(C  t  k p m(t ))
Fase relacionada de forma linear com a mensagem  Modulação de fase.
Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 15
Modulação angular – Conceitos Gerais
A θ
d i (t ) dC (t )
inst (t )   C  ω
dt dt
Possibilidades Representação fasorial geral

2 – Se a frequência instantânea (ωi) é proporcional ao sinal da


mensagem.
f inst  f C  k f m(t ) inst  C  2k f m(t )
 i (t )  C t  2k f  m(t )dt

S FM (t )  AC cos C t  2k f  m(t )dt 
Frequência relacionada de forma linear com a mensagem  Modulação de
frequência.
Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 16
Modulação angular – Conceitos Gerais

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 17


Modulação angular – Conceitos Gerais

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 18


Modulação exponencial / angular

Modulação FM  é a modulação angular na qual o desvio


de frequência instantânea θ´(t) é proporcional à tensão
do sinal modulador.

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 19


Modulação exponencial / angular

Modulação PM  é a modulação angular na qual o


desvio de fase instantânea θ(t) é proporcional à tensão
do sinal modulador.

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 20


Modulação Angular

Considerando um sinal modulador:


vm (t )  Vm cos(mt )
A modulação em fase será:

 (t )  Kvm (t ) rad  K e K1 são constantes e são


chamados sensibilidades do
A modulação de frequência será: desvio dos moduladores de fase e
frequência, respetivamente.
 ´(t )  K1vm (t ) rad / s 

K = rad/Volt e K1 = rad/(s.Volt)
Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 21
Modulação Angular

 (t )    ´(t )dt´   K1 vm (t ) dt  K1  vm (t ) dt
Se vm (t )  Vm cos(mt )
vPM (t )  Vc cosc t   (t ) Vc cosc t  KVm cos (mt )

  
vFM (t )  Vc cos c t    ´(t )  Vc cos c t   K1vm (t ) dt 
 K1Vm 
 Vc cos c t  sen( m t ) 
 m 
Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 22
Modulação Angular

Se se repara para as formas de ondas das PM e FM pode-se observar


que são idênticas, exceto pela sua relação de tempo (fase).

Portanto é impossível
distinguir uma forma de
onda FM da PM sem saber as
características do sinal
modulador.

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 23


Modulação Angular

Com FM, o máximo desvio de frequência acontece durante os máximos


pontos negativos e positivos do sinal modulador.

A derivação da frequência é proporcional à amplitude


do sinal modulador.
Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 24
Modulação Angular
Com PM, o máximo desvio de frequência acontece durante os cruzamentos por
zero do sinal modulador.

O desvio de frequência é proporcional à pendente ou primeira


derivada do sinal modulador.
Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 25
Modulação Angular

De forma geral para modulação angular

vEM (t )  Vc cosc t  m cos(mt )

 (t )  m cos(mt )  Desvio de frequência instantânea

Representa o máximo desvio de fase, em rad, para uma portadora


modulada em fase.

Este máximo desvio chama-se índice de modulação e muitas vezes para


não se confundir com o índice de modulação em AM usa-se β.
Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 26
Modulação Angular

De forma geral para modulação angular:

vEM (t )  Vc cosct  m cos(mt )

Para PM, o índice de modulação é proporcional à amplitude do sinal


modulador, independente da sua frequência

m    KVm rad 
K  Desvio pico de fase
Vm  Tensão pico do sinal modulado
Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 27
Modulação Angular

Para FM, o índice de modulação é diretamente proporcional à amplitude


do sinal modulador e inversamente proporcional à sua frequência.

K1Vm K1Vm
m  
m 2f m
K1Vm  Desvio de frequência [rad/s]

K1Vm  Desvio de frequência [Hz]


2
O desvio de frequência dá-se normalmente como um deslocamento em
frequência pico.
Δf  oscilação da portadora.
Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 28
Modulação Angular

f K1Vm  Hz 
Portanto: m    Hz 
fm 2f m  

Percentagem de modulação: relação entre o desvio de frequência


realmente produzido e o máximo desvio de frequência permitido
pela normalização em forma percentual.

f( actual )
% Modulação  x 100%
f( máx )
EM

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 29


Modulação Angular

As constantes de frequência e fase podem também ser calculadas


de forma simples usando as seguintes fórmulas:


K  K  (rad / V )
em

f
K1  K f  ( Hz / V )
em

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 30


Modulação Angular

Análise no domínio da frequência


Considere-se uma modulação por uma onda simples

vEM (t )  Vc cosct  m cos(mt )


As componentes de frequências não são obvias, devido ao facto de
estarem relacionadas duma maneira mais complexas às componentes
de frequência do sinal modulado.

A modulação angular produz um número infinito de pares de


frequências laterais, portanto a largura de banda é infinita.

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 31


Modulação Angular

Análise no domínio da frequência


vEM (t )  Vc cosct  m cos(mt )

cos (  m cos  )  J ( m) cos(  n  n  )
n  
n 2

Identidades da função de Bessel

 Função de Bessel de primeira classe de n-ésima ordem com


J n (m) argumento m.

vEM (t )  Vc  J ( m ) cos( t  n t  n  )
n  
n c m 2
Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 32
Modulação Angular

Análise no domínio da frequência



vEM (t )  Vc J ( m) cos(c t  n m t  n  )
n  
n 2
Um sinal modulado, em frequência simples, produz um número infinito
de conjunto de frequências laterais. Deslocadas da portadora.

f c  f m ; f c  2 f m ; f c  nf m
Banda lateral de Banda lateral de Banda lateral da
primeira ordem segunda ordem n-ésima ordem

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 33


Modulação Angular

Análise no domínio da frequência


As magnitudes das bandas laterais determinam-se pelos coeficientes de
Bessel:
J1 (m), J 2 (m), J n (m)

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 34


Modulação Angular

Coeficientes da Funções de Bessel

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 35


Modulação Angular

Funções
de Bessel

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 36


Modulação Angular

Análise no domínio da frequência


As magnitudes das bandas laterais determinam-se pelos coeficientes de Bessel:
J1 (m), J 2 (m), J n (m)
Conforme o índice de modulação (m = β) aumenta a partir
de zero, a magnitude da portadora diminui.

Onda se amortiza no tempo


J 0 ( m)

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 37


Modulação Angular
Análise no domínio da frequência:
Quando m = β = 2.4 , a componente da portadora
tende a zero (primeiro zero da portadora), é usado
para determinar o índice de modulação ou
J 0 ( m) estabelecer a sensibilidade do desvio dum
modulador FM.

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 38


Modulação Angular


vEM (t )  Vc J ( m) cos(c t  n m t  n  )
n  
n 2

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 39


Modulação Angular

Espectro

1 – A amplitude relativa da linha portadora varia com o índice de


modulação, dependendo do sinal modulador.
A componente da frequência portadora “contém” parte da informação da
mensagem.
Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 40
Modulação Angular

Espectro

2 – O número de linhas de banda lateral que têm amplitude relativa


apreciável, é função de β. Com β <<1 apenas J1 e J0 são significativas (a
portadora e duas bandas laterais), com inversão de fase da LSB.
Para β >>1 existiram muitas linhas de banda lateral
Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 41
Modulação Angular

Espectro

3 – Para valores de β altos  implica grandes larguras de banda para


poder alocar a estructura das bandas laterais.

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 42


Modulação Angular
Espectro

BT  2 (n f m )  Largura de banda utilizando as tabelas de Bessel

Frequência do sinal modulador


Número de bandas laterais Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 43
Modulação Angular

 
Regra de Carson
BT  2 f  f m max

É uma aproximação que


inlcui o 98% da potência
total na onda modulada.

BT min Carson   BT min Bessel 

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 44


Modulação Angular

Relação de desvio  é o índice de modulação do pior caso, e é


igual ao máximo desvio de frequência dividido pela máxima
frequência do sinal modulador.

f (max)
DR 
f m (max)
Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 45
Modulação Angular

Balanço de Potências
Uma das diferenças mais importantes entre a modulação linear e a
angular é a distribuição de potências na onda modulada.
2
V
Pc  c  Potência da portadora

2R
2 2 2 2 2
V 2V 2V 2V 2V
PT   c
  1
 ...  2 3 n

2R 2R 2R 2R 2R
Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 46