Você está na página 1de 32

Edição Porto • Ano XXX • n.º 10.

548 • 1,70€ • Domingo, 10 de Março de 2019 • Director: Manuel Carvalho Adjuntos: Amílcar Correia, Ana Sá Lopes, David Pontes, Tiago Luz Pedro Directora de Arte: Sónia Matos

Viagem ao país dos CTT


“Mais dia, menos dia,
não temos nada”
Economia, 18/19

Estado retém 33% da indemnização


nos casos com apoio judiciário
Proposta do Governo, a que o PÚBLICO teve acesso, prevê o congelamento automático de parcela. Após
acerto de contas das custas, excedente será devolvido. Ordem dos Advogados critica medida Sociedade, 12/13
ADRIANO MIRANDA

Escola de juízes
“não pode
mudar
mentalidades”
Director abriu CEJ a artistas,
como Adriana Calcanhotto.
Sobre Neto de Moura,
lembra a idade do juiz p15

Rede G5 Risco
de espionagem
chinesa é só
invenção?
Especialistas ouvidos pelo
PÚBLICO desdramatizam
receios de Trump perante
tecnologia chinesa no G5 p2/3

Até quando Guiné-Bissau


vamos vota hoje para
evitar ser um
continuar Estado falhado
a comê-los? Candidato do PAIGC é o
vencedor esperado. A
dúvida é saber se conseguirá
governar sozinho p20/21 ISNN-0872-1556

571b50ed-6c2f-429c-901f-270aff607ac3
2 • Público • Domingo, 10 de Março de 2019

DESTAQUE
SEGURANÇA

Riscos do 5G made
in China são um
receio made in EUA?
Os Estados Unidos querem impedir empresas chinesas
de liderar a construção das próximas redes móveis.
O PÚBLICO falou com especialistas que concordam que
a segurança é crítica, mas consideram os medos exagerados
“tranquilo” quanto à segurança das Recentemente, investigadores das tecnologia do exército chinês ao lon-
Karla Pequenino redes 5G. Universidades de Purdue e da Univer- go da década de 1970, antes de se
Os EUA estão a tentar convencer os sidade de Iowa, nos EUA, descobri- juntar ao Partido Comunista Chinês.

A
mudança para as novas e seus aliados, incluindo Portugal, a ram vulnerabilidades comuns às Como tal, a empresa estará na esfera
mais rápidas redes 5G pro- impedir a chinesa Huawei de fornecer redes 4G e às novas 5G, que facilitam do regime de Pequim.
mete um mundo ainda mais equipamentos de infra-estrutura para a intercepção de chamadas, a falsiÆ# A empresa chinesa — que se está a
conectado — desde compu-
tadores e smartphones aos
as redes 5G, com base em receios de
espionagem. Taiwan, Austrália e
cação de mensagens de textos, e a
monitorização da localização de
Estamos a assistir posicionar como líder no fornecimen-
to da estrutura para as novas redes 5G
semáforos nas estradas, pas- Nova Zelândia também já impediram alguém. a uma guerra de — tem desmentido repetidamente as
sando por frigoríÆcos, pelos futuros
carros autónomos e por infra-estru-
fornecedores de comunicações de
utilizar componentes da Huawei nas
“Tudo isto já pode ser feito nas
redes actuais”, sublinha ao PÚBLICO interesses por parte acusações de espionagem: “A Huawei
não registou qualquer ameaça de
turas críticas, como serviços de emer-
gência, hospitais, redes eléctricas e
suas redes. Na semana passada, foi a
vez de Lisboa ser pressionada por
Pedro Veiga, professor na Universida-
de de Lisboa e ex-coordenador do
dos EUA. E há muita segurança cibernética nos últimos 30
anos”, lê-se em declarações enviadas
até centrais nucleares. Os EUA têm
vindo a avisar para os riscos de deixar
Washington.
“Tecnicamente, as redes 5G são
Centro Nacional de Cibersegurança.
“Se num smartphone for introduzido
confusão entre ao PÚBLICO esta semana e que repe-
tem o que tem sido dito à imprensa.
estas redes nas mãos de fornecedores mais seguras que as 4G. Uma compa- um programa criminoso, é possível, a realidade do “A Huawei apela para que não se dis-
chineses. Mas o nível de preocupação
mostrado pelos americanos não
ração simples é entre um telemóvel a
que se acede com pin e outro a que se
por exemplo, todas as nossas comu-
nicações serem enviadas para um problema e a torça a evolução da tecnologia com
uma discussão sobre interesses geo-
encontrou eco em todos os países e é
visto como exagerado pelos especia-
acede com a impressão digital. O
segundo método não é infalível, mas
sistema alheio sem nos apercebermos
disso.” E acrescenta: “Sabemos, via
percepção pública políticos internacionais.”
Na Europa, os esforços dos EUA
listas ouvidos pelo PÚBLICO. é mais seguro”, explica Aguiar. “A Edward Snowden, que a NSA usava Rui Aguiar para impedir a chinesa Huawei de
“Estamos a assistir a uma guerra questão problemática com o 5G é técnicas destas para espiar quem que- Investigador construir a infra-estrutura para as
comercial e de interesses por parte estratégica e não tecnológica.” ria.” “O que devemos é ter conÆança próximas redes móveis estão a ser
dos EUA. E há muita confusão entre Miguel Pardal, investigador na área nos nossos fornecedores”, defende recebidos com cautela. A empresa
a realidade do problema com as de segurança de redes e sistemas no Veiga. “Esta guerra sobre o 5G, enten- chinesa tem mais de 12 mil trabalha-
redes 5G e a percepção pública des- Instituto de Engenharia de Sistemas do-a como uma peça de uma luta dores neste continente e parcerias de
tes problemas”, diz ao PÚBLICO Rui e Computadores de Lisboa (INESC), sobre o domínio tecnológico das investigação com 140 universidades
Aguiar, investigador do Instituto de explica a preocupação com as redes redes.” europeias. Esta semana, tanto a Ale-
Telecomunicações e responsável 5G: “Como se prevê que vão ser usa- manha como o Reino Unido anuncia-
pela Networld2020, uma platafor- das para aplicações críticas, como Acusações de espionagem ram medidas para proteger as novas
ma europeia que reúne mais de mil veículos autónomos, as falhas de Um dos argumentos usados contra a redes, sem banir a Huawei: os ale-
entidades nas telecomunicações. segurança podem ter consequências Huawei é que o fundador da empresa, mães falam em regas de segurança
Aguiar descreve-se mesmo como mais drásticas.” Ren Zhengfei, trabalhou na área de adicionais, os ingleses em limites no
Público • Domingo, 10 de Março de 2019 • 3

CARLO ALLEGRI/REUTERS
Donald Trump ameaça
banir marcas
de telecomunicações
chinesas

Uma corrida entre asiáticos e europeus

sas americanas, como a Cisco. tratos para fornecimento de equi-


João Pedro Pereira Este é um mercado em crescimen- pamentos de rede 5G. Em Janeiro,
to. A analista IDC estima que as infra- esse número subiu para 30. Apenas

O
s primeiros telemóveis com- estruturas de 5G venham a ser um três contratos foram na Ásia, ao pas-
patíveis com 5G podem ter negócio global de 26 mil milhões de so que 18 foram feitos em países
sido anunciados recente- dólares (23 mil milhões de euros) em europeus, entre os quais está Por-
mente por marcas como a 2022, um valor que é 49 vezes o esti- tugal, onde os operadores têm
Huawei e a Samsung, mas mado para 2018. defendido a empresa chinesa e avi-
esta é uma tecnologia que Naquele que foi o seu primeiro rela- sado que a escolha de outro forne-
ainda vai demorar a chegar aos con- tório sobre o sector, publicado no cedor atrasará a transição para a
sumidores. Por ora, os operadores de Ænal do ano passado, a IDC não adian- nova tecnologia.
telecomunicações estão a escolher tou quotas de mercado, por conside- A Ericsson anunciou até agora 14
quem vai fornecer a infra-estrutura rar ser demasiado cedo para esse tipo contratos para o fornecimento de
da próxima geração de redes móveis. de análise. É uma tarefa que é tam- equipamento de 5G em vários países,
É uma corrida disputada sobretudo bém diÆcultada pela conÆdencialida- incluindo cinco com operadores
por uma mão-cheia de empresas de dos negócios, pela estratégia de americanos. No mercado europeu,
europeias e asiáticas — e na qual os comunicação das empresas (que gos- fechou contratos com a Vodafone no
americanos se estão a esforçar por tam de anunciar que são as primeiras Reino Unido, bem como com opera-
inÇuenciar o resultado. a avançar para uma nova tecnologia) dores na Suíça, Itália e Noruega. Já a
A chinesa Huawei é um dos pesos- e pela profusão de acordos, contratos Nokia refere ter feito 70 acordos, em
pesados no sector e, tal como a ZTE e testes que vêm a público. todos os continentes.
(outra fabricante com sede na Chi- No Ænal do ano passado, a Huawei É uma corrida de fundo. A Gartner,
na), tem relações antigas com opera- anunciou que tinha fechado 25 con- uma analista de mercado, antecipa
dores de telecomunicações em todo que a maioria dos fornecedores de
o mundo. As duas multinacionais serviços de telecomunicações só

23
equipamento que se pode ter de um observa. Um dos problemas, por fornecem há anos vários tipos de tenha uma infra-estrutura de 5G
só fornecedor. E a Huawei, além de exemplo, é a formação de pessoal produto, desde equipamentos de completa entre 2025 e 2030.
abrir um novo centro de cibersegu- para trabalhar com equipamentos e rede domésticos e empresariais, até No universo das tecnologias 5G há
rança em Bruxelas para ajudar a esta- estruturas distintas. “Por isso é que telemóveis, alguns dos quais vendi- também negócio para outros tipos
belecer objectivos ligados à ciberse- muitas pessoas que têm equipamen- dos com a marca dos próprios ope- de empresas. É o caso, por exemplo,
gurança na Europa, avançou com um tos de um fabricante, quando os que- radores. das fabricantes de chips, como a
processo contra o Governo dos Esta- rem substituir, compram da mesma Porém, as questões levantadas americana Qualcomm, cujas inven-
dos Unidos por ter proibido a compra marca, para não terem de aprender pelos EUA sobre a segurança e os mil milhões de euros é quanto ções já foram cruciais para o desen-
dos equipamentos de telecomunica- a usar um sistema diferente.” eventuais riscos da ligação ao regime a analista IDC estima que volvimento das redes 3G, que foram
ções pelos serviços públicos sem “Os benefícios previstos [com o 5G] de Pequim deram alento aos rivais, o mercado das infra-estruturas o padrão na década passada.
motivo factual. são signiÆcativos”, frisa o investigador que estão a aproveitar o facto de de 5G valha em 2022 – 49 vezes
Miguel Pardal, do INESC. “O tempo aquelas duas fabricantes terem sido mais do que em 2018 jppereira@publico.pt
Concentração de poder de resposta vai ser mais curto. Isto vai barradas nos EUA, bem como na REUTERS

Na escolha dos fornecedores de uma fazer toda a diferença no tempo de Austrália e no Japão (a Huawei foi
tecnologia, “há problemas estratégi- resposta de carros autónomos”, ainda posta de fora das redes 5G na
cos”, avalia o investigador Rui Aguiar. exempliÆca. Mas ainda falta algum Nova Zelândia).
“Quão dependentes é que queremos tempo para as redes 5G chegarem a O espaço deixado pela rejeição da
estar de algumas empresas? Vejamos Portugal. O arranque da rede vai ser Huawei e da ZTE pelos EUA está dar
o caso do Google e do Facebook. O gradual, porque implica mudar a mais margem de manobra a duas
poder da Internet está em meia dúzia camada física em que as comunica- empresas europeias: a sueca Erics-
de empresas. Isso permite que pos- ções acontecem: é preciso novas esta- son e a Ænlandesa Nokia (as infra-
sam abusar. As redes 5G são um acti- ções, novas antenas e novos centros estruturas de comunicações são um
vo estratégico com que temos de ter de dados. dos grandes negócios desta empre-
cuidado.” Para Aguiar, no entanto, “A maior parte da disputa actual sa após a venda da divisão de tele-
“o medo da segurança das redes 5G deve-se ao facto de alguns países móveis à Microsoft, há vários anos).
está fora de proporção”, e “o proble- reconhecerem que não têm a capaci- Ambas já Ærmaram contratos com
ma real é que os norte-americanos dade de inspeccionar todos os dispo- operadores americanos.
perderam a corrida”. sitivos para garantir que não há pon- As desconÆanças face às multina-
Para Pedro Veiga, uma das soluções tos de entrada secretos”, nota Pardal. cionais chinesas estão também a
é garantir que há mais do que um for- “Politicamente, o 5G tornou-se uma beneÆciar a sul-coreana Samsung,
necedor. “A heterogeneidade de for- arma de arremesso.” para quem as infra-estruturas de
necedores é importante, se bem que comunicações não são um negócio
traz diÆculdades adicionais e custos”, karla.pequenino@publico.pt central, bem como algumas empre- Tecnologia 5G ainda vai demorar a chegar aos consumidores
4 • Público • Domingo, 10 de Março de 2019

ESPAÇO PÚBLICO
O jogador do Sporting voltou a ser o melhor Adriano Sérgio, músico e luthier português,
da sua equipa, que ontem venceu de forma construiu uma guitarra eléctrica inspirada
justa mas difícil o Boavista, no Estádio do nas guitarras recorrentes na pintura de
Bessa. Um penálti já em cima do minuto 90 deu o Amadeo de Souza Cardoso, cujo centenário da
triunfo aos “leões” e o médio sportinguista foi quem morte se assinalou em 2018. Chama-se Amarante. De
teve a responsabilidade de garantir a vitória para a Souza Cardoso e está cheia de detalhes e referências
sua equipa. Bruno Fernandes não vacilou e juntou à ao pintor. Agora, pela primeira vez, construtores de
sua boa exibição mais um golo ao seu já guitarras puderam mostrar o seu ofício na Feira
impressionante registo de 24 golos nesta Internacional de Arte de Tóquio e Adriano foi um dos
Bruno Fernandes temporada. (Pág. 28) J.M.M Adriano Sérgio convidados. (Págs. 24/25) N.P.

Um novo capítulo nas relações com Angola


formal, o que sublinha esse novo paz, de democracia, de regeneração e, para Angola, Portugal é o parceiro
tempo é o estado de espírito exibido Ænanceira, de desenvolvimento ideal para desenvolver a sua
pelos angolanos nas recepções ao económico, de combate à corrupção” agricultura (o saber da agronomia
Presidente-Rei Marcelo. Se muitos em curso em Angola sem cair no nacional sobre o potencial angolano é
dos ingredientes tóxicos na relação ridículo. E, havendo uma maior precioso), para diversiÆcar a sua
Manuel Carvalho entre os dois países resultavam de sintonia de valores na política ou na economia ou para modernizar o seu
Editorial questões emocionais que persistem prática empresarial, tudo Æca mais sistema Æscal ou educativo. Investir

E
desde o colonialismo, os banhos de simples. Marcelo pode falar numa em Angola num quadro mais
stá deÆnitivamente aberto um multidão a Marcelo Rebelo de Sousa “proximidade íntima” entre os dois transparente, com mais segurança
novo capítulo nas relações de são a prova acabada que o discurso países, o Governo de Angola pode jurídica e sem a ameaça da corrupção
Portugal com Angola e essa baÆento e instigador de anunciar com credibilidade um novo torna-se uma oportunidade única para
certeza não Æca apenas desconÆanças da anterior liderança clima de conÆança para atrair as empresas nacionais. Aproveitar os
conÆrmada pelo “discurso de Angola está a dar lugar a um novo investimentos portugueses e o muro saberes da gestão, da ciência ou da
encorajador” do Presidente da clima, no qual o respeito e o interesse de arrogância que foi sendo governação dos portugueses é crucial
República na Assembleia Nacional mútuos se sobrepõem. Uma solidiÆcado nos últimos anos pode para o sucesso do projecto que João
em Luanda, na celebração de novos excelente notícia para os dois povos. Ænalmente ruir. Lourenço anunciou. Enterrados os
acordos estratégicos ou no empenho Para começar, é muito mais fácil E ruirá com mais certeza se os dois irritantes, Portugal e Angola têm hoje
que o Governo de João Lourenço haver empatia com a nova liderança países se servirem dos afectos para como raramente no passado uma
revela para resolver pendências angolana do que com a clique cimentar uma relação económica mais oportunidade única para abrir uma
“irritantes” como os pagamentos a nepotista e corrupta de José Eduardo intensa e duradoura. Para Portugal, relação mais intensa e frutuosa.
empresas portuguesas. Mais dos Santos. Hoje, o chefe de Estado Angola é um destino crucial para a
importante do que a diplomacia português pode elogiar o “projecto de internacionalização das suas empresas manuel.carvalho@publico.pt

CARTAS AO DIRECTOR
Presos políticos ex-ministro do Interior depuseram que a UE está a olhar para o outro surpreenderam pela negativa.
na Catalunha como testemunhas. Responderam lado. Num universo de 251 municípios
às perguntas dos advogados Convidamos leitores a consultar inquiridos, somente 22
No século XXI, encontramo-nos na defensores dos presos políticos o relatório que acaba de ser conÆrmaram ter um plano em
Catalunha com presos políticos. É com uma grande falta de publicado pelo Conselho de vigor. Os demais alegaram: estar a
difícil compreender a brutal veracidade. Referindo-se a cargas Direitos Humanos da ONU para trabalhar no seu desenvolvimento,
repressão que estamos a receber policiais desproporcionadas (com este julgamento. Acusa as que é uma opção política, que não
do Estado espanhol. Actualmente, mais de mil eleitores feridos), autoridades espanholas de têm recursos para promover
nove dos nossos líderes políticos responderam não ter violarem os direitos humanos e políticas dirigidas aos jovens.
estão a ser julgados por terem conhecimento das operações fala de irregularidades neste Argumentos pouco convincentes
organizado um referendo sobre a policiais. Nem reconheceram a julgamento. Muitos de nós que reÇectem, na minha
autodeterminação. Por isso, estão violência por parte das forças de pedimos a absolvição dos nossos perspectiva, uma visão anacrónica
em prisão preventiva há mais de segurança, quando as imagens de políticos e uma solução e põem em causa a densidade
As cartas destinadas a esta secção um ano. O nosso legítimo tal selvajaria deram a volta ao democrática que nos permita demográÆca dos respectivos
devem indicar o nome e a morada Presidente Carles Puigdemont está mundo. Uma das vítimas perdeu escolher o nosso futuro. concelhos. É que não basta falar
do autor, bem como um número exilado em Bruxelas. Mais seis um olho, atingido por uma bala de Lola Salmerón, Barcelona do desemprego, do trabalho
telefónico de contacto. O PÚBLICO conselheiros do Governo catalão borracha disparada por um precário, das diÆculdades ao
reserva-se o direito de seleccionar e também tomaram o caminho do polícia, o que é particularmente Acautelar o futuro acesso à habitação (…) que
eventualmente reduzir os textos não exílio. Esta repressão deve-se à grave porque estas armas estão assolam os mais jovens sem
solicitados e não prestará posição imutável do Governo proibidas na Catalunha. Os Os resultados do inquérito manifestar o intuito de criar
informação postal sobre eles. central, que não permite ao povo políticos catalães no exílio estão a realizado pela equipa do dinâmicas territoriais que
catalão decidir sobre a sua internacionalizar esta causa, uma Observatório Permanente da permitam um desenvolvimento
independência. vez que a Espanha está interessada Juventude do Instituto de Ciências sustentável. Caso contrário, é
Na semana passada, o em tornar invisível esta grande Sociais (ICS) às autarquias protelar o futuro do nosso país e
Email: cartasdirector@publico.pt ex-presidente espanhol Mariano injustiça. Um dos nossos slogans é: referente à existência de planos isso é perverso para todos.
Telefone: 210 111 000 Rajoy, o vice-presidente e o “Ouçam a Europa”, pois parece municipais para a juventude Manuel Vargas, Aljustrel
Público • Domingo, 10 de Março de 2019 • 5

A opinião publicada no jornal respeita a norma ortográfica escolhida pelos autores

Neste momento, ainda só é um anteprojecto As condições de vida dos venezuelanos


de proposta de lei, mas já é polémico e agravam-se dia após dia. O país, presidido
suscita críticas da parte da Ordem dos por Nicolás Maduro, continua quase todo às
Advogados. O Ministério da Justiça quer alterar o escuras pelo terceiro dia consecutivo. As forças de
regime jurídico do acesso ao direito e aos tribunais. segurança venezuelanas responderam ontem com
Quem receber uma indemnização num processo em gás pimenta a uma manifestação convocada pela
que teve apoio judiciário do Estado vê um terço oposição em Caracas e impediram a marcha de
daquele montante ser imediatamente congelado até seguir para a avenida da capital onde estava prevista
que sejam acertadas as custas com a Justiça. Parece mais uma concentração de protesto contra o regime
Francisca Van Dunem ser o mais justo? (Pág. 12/13) H.P. Nicolás Maduro de Maduro. (Pág. 23) H.P.

ESCRITO NA PEDRA
O prazer
O desenvolvimento técnico só vai deixar um único
problema por resolver: a debilidade da natureza humana das épocas
Karl Kraus (1874-1936), escritor austríaco

SEM COMENTÁRIOS FAIXA DE GAZA, NA FRONTEIRA COM ISRAEL


MOHAMMED SABER/EPA

A
Miguel Esteves Cardoso
Ainda ontem
inda ontem falei da importância
de não pescarmos os peixes fora
da época deles. É uma questão
de bom senso. Mas também é
uma oportunidade de prazer.
Pensemos na sardinha.
Começamos a comê-la em Maio
e em Setembro fartamo-nos
dela. Melhor seria que
começássemos a pescá-la no
princípio do Verão e nos deixássemos disso
quando chegasse o Outono.
A sazonalidade não é só um palavrão.
Apenas signiÆca comer as coisas quando
estão melhores — precisamente quando estão
na época. Quando aparecem as cerejas —
ainda falta um bocadinho mas já se começa a
falar delas — o nosso apetite é espicaçado
pelas saudades que tivemos. Temos depois
dois meses para nos fartarmos delas e poder
assim enfrentar os meses sem cerejas.
Entretanto apareceram os pêssegos e outras
frutas estivais para nos distrair — e já não nos
lembramos de comer cerejas. A natureza,
convenhamos, é um negócio bem montado.
Os japoneses celebram cada estação do ano
como nós celebramos o ano novo. O resultado
é terem quatro anos por ano, cada um com os
seus peixes, as suas frutas e os seus pratos.
Porque não fazemos o mesmo? Não seria o
Outono mais delicioso se fosse a única altura
EM PUBLICO.PT do ano em que podíamos comer sargos,
douradas e robalos?
Dava Newman: “A natureza Como Afroz Shah tirou mais de Casais inter-raciais Como é que podemos dar valor a peixes
ensinou-me a olhar para as cinco mil toneladas de lixo de chegam aos emojis e têm que comemos todo o ano, se durante nove
estrelas e sonhar uma praia em Bombaim 71 opções ao dispor meses estamos a comê-lo quando está magro
e sensaborão? Estamos a fazer tudo para Æcar
No Dia Internacional da Mulher, o Pavilhão Em 2015, Afroz Shah decidiu pegar num Um ano e 50 mil assinaturas depois, os com má impressão dos peixes.
do Conhecimento, em Lisboa, recebeu saco e começar a apanhar lixo sozinho. emojis tornaram-se mais inclusivos e Celebremos todos os peixes como
Dava Newman, antiga vice-administradora Hoje, é responsável pela “maior acção de representativos e em breve os celebramos a lampreia. A ganância de comer
da NASA, para falar sobre o papel da limpeza de praia do mundo” em Bombaim, smartphones passarão a contar com ícones peixe e carne todo o ano banaliza o que nos
mulher na ciência. na Índia. E esteve no Porto, com Al Gore. de casais inter-raciais. daria prazer e mostra desprezo pela vida e
publico.pt/culto publico.pt/P3 publico.pt/culto morte dos animais.
6 • Público • Domingo, 10 de Março de 2019

ESPAÇO PÚBLICO

Macron fez o que devia.


Os seus pares deviam fazer o mesmo
LUDOVIC MARIN/REUTERS
das que faz sentido — é, justamente, a adoptar uma “política industrial” alemã,

1.
Teresa de Sousa criação de um Conselho de Segurança sem qualquer preocupação de negociá-la no
Sem Fronteiras Europeu no qual, mesmo fora, o Reino quadro de uma eventual “política
Unido tenha assento. Ninguém como ele industrial” europeia. E o que é mais
Pode não se concordar com percebe até que ponto a capacidade militar interessante é que, quando Macron defende
todas, ou até com a maioria das britânica é vital para a segurança europeia uma “política industrial europeia” e as
propostas de Emmanuel Macron nesse novo mundo da rivalidade entre mentes mais liberais lhe caem em cima (até,
para um Renascimento Europeu. grandes potências. “Nesta Europa, o Reino talvez, com alguma razão), ninguém as ouve
Pode não se apreciar as belas Unido encontrará o seu lugar.” criticar a mais recente decisão de Berlim
frases que são típicas da França e sobre o mesmíssimo assunto. Nada disto
do francês. Cada língua é a 3. As suas propostas são muito serve para denegrir a Alemanha. Serve
expressão de um povo e de uma “francesas”, dizem os críticos. É verdade, apenas para sublinhar o facto de estarmos a
cultura. Pode até pensar-se que a mas também não seria de esperar outra atravessar terreno escorregadio, o que
iniciativa do Presidente francês coisa. Há, no entanto, uma distinção que é recomenda alguma modéstia e também
acontece agora porque tem que ver com as necessário fazer. Em Paris já se percebeu há alguma abertura de espírito.
suas diÆculdades internas e é, também, muito que a Europa não existe, como
uma forma de mostrar aos franceses que antigamente se dizia, para garantir “la 4. Macron tem razão quando fala de
ainda não abdicou de liderar a Europa. Em grandeur de la France”. Os sucessivos “soberania europeia” em contraponto à
matéria de oportunidade, pode ser isso alargamentos encarregaram-se de soberania nacional? Se a Europa é, em
tudo, mas convém não esquecer que a transformar essa visão inicial. O primeiro lugar, partilha de soberania, há
campanha para as eleições europeias está a alargamento a oito países de Leste em 2004 uma soberania partilhada e a palavra não é
começar, o que justiÆca plenamente o pôs-lhe Æm. Hoje, no geral, a elite francesa proibida, desde que os cidadãos tenham a
momento escolhido. Dito isto, a verdade é percebe que mudaram radicalmente os ver com ela. Por exemplo, tem razão quando
que, no essencial, a sua mensagem aos 500 equilíbrios de poder internos da União e não defende que é preciso reconstruir Schengen,
milhões de cidadãos europeus merece a favor da França. Como percebe que a sobretudo se nos lembrarmos que Schengen
reÇexão — pelo que signiÆca e pelo que dimensão da União passou a ser uma já praticamente só existe no papel, a não ser
propõe —, e não apenas um encolher de seu impacte político. vantagem perante o mundo e não uma nos aeroportos para dividir zonas de
ombros ou algumas críticas sobre a mania Não tenta disfarçar a desvantagem que ameaçava a sua coesão partidas. Os atentados terroristas e a crise
das grandezas dos franceses ou sobre o ameaça. interna. Macron percebe-o melhor do que dos refugiados foram o pretexto para que
irrealismo das suas propostas. A sua segunda ninguém, sem abdicar de uma das missões muitos Estados-membros reerguessem as
mensagem também que se propôs quando chegou ao Eliseu: o suas fronteiras, que agora levam tempo a
2. Há duas ou três coisas fundamentais na Há duas ou três tem a virtude da regresso da França ao palco europeu e voltar a baixar. Só pode haver Schengen com
carta de Macron aos europeus. A primeira é, clareza: se a Europa mundial. A sua carta segue os seus grandes a mesma lei de asilo para todos e a garantia
justamente, dirigir-se aos europeus. Não se coisas não for capaz de discursos sobre a Europa, esses sim com um de que as fronteiras externas da União
dirige à Alemanha ou aos seus pares, em fundamentais reagir, acabará destinatário concreto: Berlim. Do outro lado Europeia são devidamente vigiadas. É a sua
geral, nem sequer aos franceses, em
particular. A Alemanha não é mencionada
na carta de submergida pelo
poder das velhas e
do Reno, a resposta não veio ou foi bastante
mitigada. A própria carta revela que o
“Europa que protege” para não deixar a
segurança das pessoas nas mãos dos
uma única vez na carta. Mas a França Macron aos das novas grandes Presidente francês já abdicou de algumas demagogos.
também não, o que já lhe mereceu as
reacções “patrióticas” de muitos políticos e
europeus. A potências num
mundo que deixou
das resposta que esperava. Não menciona a
necessidade de levar mais adiante a reforma
São mais polémicas as suas propostas
sobre o investimento estrangeiro ou sobre a
comentadores franceses. Macron acredita primeira é, de funcionar da zona euro nem os mecanismos “preferência europeia”. Diz o Presidente
que se deve construir um “demos” europeu justamente, segundo as regras do indispensáveis para facilitar a convergência francês que a Europa tem de jogar o jogo
— um sentimento generalizado de pertença multilateralismo para económica entre os países que a integram. económico internacional com as mesmas
que trave o forte sentimento nacionalista em dirigir-se aos passar a ser Curiosamente, mais do que a França, é armas que outros grandes blocos usam para
crescimento acelerado e que dê sentido à europeus dominado pelas hoje a Alemanha que mais frequentemente se proteger. O escrutínio do investimento
ideia da Europa para uma maioria de relações de força cai na tentação de decidir sozinha, tendo estrangeiro em sectores estratégicos pode
cidadãos europeus. A carta foi publicada nos entre grandes pólos apenas em conta os seus interesses e fazer sentido, desde que não se transforme
28 países da União e, certamente, provocou de poder. “A Europa ignorado os parceiros. Quando, por numa forma encapotada de proteccionismo.
polémica em quase todos eles. Objectivo não soube responder exemplo, decide tratar da sua própria As regras da concorrência no Mercado
alcançado. Qual é o principal propósito do às necessidades de “segurança” energética, apadrinhando mais Interno podem estar ultrapassadas, mesmo
Presidente? A Europa tem de ser defendida protecção dos povos uma ligação directa de abastecimento de gás que sirvam em primeiro lugar para a
contra os seus detractores. É verdade que face aos grandes entre a Rússia e território alemão, protecção dos cidadãos? É outro debate que
muitos líderes europeus o fazem com choques do mundo contemporâneo.” A contornando a Ucrânia ou os Bálticos (Nord hoje pode ser feito sem tabus. A Siemens e a
convicção. Mas também é verdade que a França, como o Reino Unido, percebem o Stream II), depois de tremenda polémica Alstom podem criar um gigante europeu
defesa da Europa tem hoje um cunho que isso é melhor do que a maioria das causada pelo Nord Stream I. Questão capaz de dominar 50% do mercado dos
demasiado “defensivo” ou, então, outras nações europeias. Vai directamente menor? Não, questão estratégica. Quando comboios. É bom ou é mau? Talvez seja
demasiado acrítico, evitando enfrentar os ao mais dramático dos sinais de ignora qualquer preocupação com os excessivo. Já a “preferência europeia”, que
problemas e os riscos monumentais que desagregação europeia e da sua perda de desequilíbrios macroeconómicos internos à igualmente propõe, é uma questão bastante
enfrenta. Como a carta demonstra sem importância relativa no mundo: o “Brexit”. União — cuja obrigatoriedade de correcção mais problemática. Há muitas outras ideias
ambiguidade, Macron não subestima esses Os britânicos insurgiram-se contra uma está inscrita em letra de forma no Tratado na sua carta que vale, obviamente, a pena
perigos, o primeiro dos quais é o “ingerência” que, dizem alguns, apenas Orçamental —, mantendo o seu modelo de discutir. Ele fez o que devia. Outros deviam
nacionalismo. Não faz contas às sondagens ajuda os “brexiteers”. Não é assim. O crescimento assente numa balança seguir-lhe o exemplo.
para mostrar que tudo está bem. Não mede Presidente sublinha que “todos altamente excedentária com quase todos os
em percentagem os partidos de aprendemos” com o que aconteceu no seus parceiros europeus e tornando a vida Jornalista. Escreve ao domingo
extrema-direita nacionalista, minimizando o Reino Unido. Uma das suas propostas — uma deles bastante mais difícil. Quando decide teresa.de.sousa@publico.pt
Público • Domingo, 10 de Março de 2019 • 7

ESPAÇO PÚBLICO

Que faremos desta Quaresma?

PAULO PIMENTA
de defuntos, como lembrei no Domingo
Frei Bento Domingues O.P. passado: a vida não acaba, apenas se
transforma. No rito actual, a imposição
das cinzas é magníÆca: arrependei-vos e
Sabemos demasiado as acreditai no Evangelho. SigniÆca que não
consequências das vezes que, devemos continuar a estragar a vida, mas
pelo contrário, acreditar que a alegria é

1.
na Igreja, se esqueceram as possível. É o tempo da conversão, da
opções do Mestre esperança!
A proclamação do Evangelho [4], desse
Quem nunca ri, quem nunca dia, é uma diatribe contra a hipocrisia das
tem vontade de rir, quem anda rezas, dos gestos, das esmolas, do jejum,
sempre à procura de más de tudo o que é feito para compor um
notícias, falta-lhe alguma cenário de ostentação dos que querem dar
coisa. Desde sempre se uma boa imagem de si. O conselho de
considerou que o ser humano Jesus é outro: quando jejuardes, não
é um animal que ri, que ri das tomeis um ar sombrio, como os hipócritas,
coisas e das situações mais que desÆguram o rosto para mostrar que
variadas, que faz rir e, jejuam. Tu, porém, quando jejuares,
sabedoria suprema, sabe rir perfuma a cabeça e lava o rosto para que os
de si mesmo. Não é muito agradável viver outros não percebam que jejuas. Deve
com pessoas que reprimem, em si, o bastar que seja Deus, teu Pai, a alegrar-se
sentido de humor e que se ofendem com com as transformações que estão
o humor dos outros. acontecer em ti.
A relação do riso com as religiões está Hoje, somos informados que Jesus
tecida de contrastes. Só os ignorantes também foi fazer retiro, um longo retiro,
podem dizer que a alegria, o bom humor e conduzido pelo Espírito de Deus. Estava
a religião andaram e andam sempre de Recordo que, nessa festinha de Santa carnavais nacionais e estrangeiros. Não perante a concretização do seu projecto
costas voltadas [1]. Pelo contrário, muitas Apolónia, estavam velhos e novos assinaria, porém, a carta da Irmã Lúcia ao de vida. Que fazer? Como fazer? Um dia
das expressões da religião popular eram, entusiasmadíssimos a dançar. De repente, Patriarca de Lisboa para que o governo de publicará o manifesto das suas opções
também, as grandes celebrações da ouviu-se a voz do pároco, pelo altifalante, Salazar proibisse o carnaval. Substituir as radicais em favor dos atirados para a
alegria do povo cristão. No entanto, em a proibir aquela alegria e disse festas populares do carnaval pela margem da história [5].
certas épocas e em certos grupos, no textualmente: “Preferia ver-vos ir para o adoração reparadora do Santíssimo O Diabo, a Ægura de tudo e todos os que
campo católico (mas não só), religião e Hospital de S. Marcos de Braga, de cabeça Sacramento pode ser um exercício se opunham a este projecto libertador,
tristeza, vida religiosa e clima sombrio, rachada, do que ver-vos dançar.” espiritual de grande valor, mas pode propõe-lhe uma alternativa exaltante: usa
desenvolveram uma relação pouco sadia. Para entender esta referência hospitalar, também dar a ideia que Jesus se dá mal os teus recursos divinos para resolver, por
Não riem e não suportam o riso dos é preciso não esquecer que as feiras e as com a alegria popular. Quando se diz que decreto, os problemas da fome, da
outros. Sentem-se tão ofendidos com as romarias não eram só ocasiões de folia. os Evangelhos não mostram Jesus a rir, dependência política, exibindo um
brincadeiras que os outros fazem ou Eram, também, ocasiões de grandes cenas esquece-se que rir não é um milagre, uma miraculoso espectáculo religioso. Deixa-te
dizem acerca da sua religião que podem de pancadaria entre aldeias desavindas. acção extraordinária, mas o normal de de lirismo e convence-te que o caminho é o
até suscitar a violência contra os Algo absolutamente brutal e estúpido. gente normal. Por outro lado, é posto na do poder de dominação económica, política
humoristas. Decretam que o sagrado é Ora, aquele bendito pároco preferia o boca de Jesus: eu digo estas coisas para que e religiosa.
intocável. exercício da violência entre grupos e a minha alegria esteja em vós e a vossa Jesus, a todas essas propostas, disse um
Foi há muitos anos — eu ainda era muito aldeias às danças e alegria seja plena [2]. João termina a não absoluto, deÆnitivo.
novo — que, numa aldeia vizinha, na festa às desgarradas das introdução à sua Primeira Carta em plena Sabemos demasiado as consequências
de Santa Apolónia, ouvi o que nunca festas. O pecado sintonia com o Mestre: e isto vos das vezes que, na Igreja, se esqueceram as
esqueci. não estava ligado à escrevemos para que a nossa alegria seja opções do Mestre.
Não havia electricidade, mas uns violência, mas aos completa [3]. A maior ignorância de quem Agora, parece-me ridículo, quando o
geradores conseguiam que os altifalantes
transmitissem discos de folclore nortenho
Jesus também folguedos
decretados como
ouve falar do Evangelho é não saber que a
palavra inicia a narrativa, em quatro
Papa Francisco insiste, contra tempos e
marés, na renovação da Igreja ao serviço
que estavam proibidos em festas foi fazer pecado. O versões, de boas notícias. Não tem nada a da transformação do mundo na pátria da
religiosas. É evidente que as populações
nem dessa nova tecnologia precisavam
retiro, um desnorte moral era
tão disparatado
ver com o estilo usado nos telejornais que
esquecem tudo o que há de bom, belo e
alegria, se exija que ele faça um milagre de
transformar a Igreja e a sociedade, por
para cantar à desgarrada e dançar horas a longo retiro, que as expressões alegre no mundo à mistura com o que decreto, dispensando o empenhamento
Æo. Não faltava, nas aldeias, quem conduzido normais da alegria estraga a vida. Inverte-se a realidade: é por de todas as pessoas de boa vontade.
soubesse tocar viola, violão, cavaquinho, eram pecado e as causa da beleza e da bondade do mundo
concertina, etc. Nos anos 40 do século pelo Espírito expressões do ódio que é horrível aquilo que o perverte. [1] Alessandro Pronzato, “La boca se nos
passado, nasceu e desenvolveu-se uma de Deus e da violência, uma 3. Com a quarta-feira de cinzas (dia 6) llenó de risas”. Sentido del humor y fe, Sal
pastoral equivocada de “cristianização” boa alternativa. começou a quadra litúrgica da Quaresma. Terrae, Santander, 2006
das festas. Havia, na mesma altura, muita 2. A Quaresma As cinzas não se parecem nada com um [2] Jo 15, 11
vontade de criar a JAC. Quem pertencesse vem depois do rito de alegria. Ainda sou do tempo que [3] 1Jo 1, 1-4
à Acção Católica não podia dançar, mas a carnaval. Não essa imposição era acompanhada de uma [4] Mt 6, 1-18
dança em público, no terreiro, era, na tenho grande triste e niilista verdade empírica: lembra-te [5] Lc 4, 16-30
minha zona, tão antiga que era devoção às versões que és pó e em pó te hás-de tornar. Esta
irreprimível. televisivas dos aÆrmação contrariava o prefácio da missa Escreve ao domingo
8 • Público • Domingo, 10 de Março de 2019

POLÍTICA
“Temos mulheres capazes
mas ainda não temos poder”
O dilema no caminho para equilibrar a representação de homens e mulheres foi umas das questões
mais vezes colocadas em Bruxelas nos debates que tiveram lugar ao longo da última semana
NELSON GARRIDO

Igualdade de género
Aline Flor
Em ano de eleições europeias, o tema
do debate do Dia Internacional das
Mulheres no Parlamento Europeu
era incontornável: o poder das
mulheres na política. Ao longo dos
eventos que tiveram lugar ao longo
da última semana, em Bruxelas, as
intervenções andaram à volta de três
aspectos essenciais para que as
mulheres possam participar plena-
mente na política: igualdade de direi-
tos, igualdade de representação e
igualdade no acesso a recursos.
E se os direitos cívicos são um dado
adquirido entre os países da União
Europeia, na questão da paridade
nos cargos de poder ainda há um lon-
go caminho a percorrer. “Temos
mulheres capazes e temos exercido
responsabilidades sociais, mas ainda
não temos poder. Isto é uma falha do
sistema”, aÆrmou Vera Jourová,
comissária europeia da Justiça, Con-
sumidores e Igualdade de Género, na
abertura da reunião interparlamen-
tar da comissão dos Direitos da
Mulher e Igualdade de Género
(FEMM), na quinta-feira. Recordando
os passos dados ao longo do seu man-
dato na Comissão Europeia, que ter-
mina depois das eleições europeias,
que em Portugal estão agendadas
para 26 de Maio, a comissária checa
alertou: “Não podemos ser hipócri- Na manifestação do Dia de Mulher, no Porto, as preocupações foram idênticas às manifestadas em Bruxelas
tas, temos de ir além da letra.”
Na Europa, de acordo com o Euros- nio Costa na sexta-feira, quando se aumenta a procura por candidatas tas que prevalecem no campo políti-
tat, a média de proporção de mulhe- juntou à manifestação que assinalou mulheres (devido à introdução de co, em particular nos quadros dos
res nos 28 governos nacionais Æca-se a Greve Feminista Internacional. quotas), a oferta tem surgido sem partidos.
pelos 30,2% (em Portugal é de 36,1%) problemas. Entretanto, continua a não haver
e nos parlamentos pelos 29,9%. Em Homens a mais No Ænal das contas, segundo a um único Estado-membro com uma
Portugal, onde temos 36,4% do Par- É importante não Pode-se também olhar o problema investigadora, a grande barreira ao maioria de mulheres no respectivo
lamento composto por mulheres, a de outra forma: “É importante não acesso das mulheres aos lugares de parlamento nacional — os que estão
nova lei da paridade em titulares de falarmos apenas falarmos apenas da sub-representa- poder são os próprios partidos, que mais perto são a Suécia (47%) e a Fin-
cargos políticos, que estabelece uma da sub-represen- ção das mulheres, mas sim da sobrer- ainda não apostam em candidatas. lândia (42%), com Hungria (13%) e
representação mínima de 40% de representação dos homens”, subli- “As mulheres não decidem simples- Malta (15%) no extremo oposto. Em
cada género, foi aprovada a 8 de tação das nhou a investigadora Meryl Kenny, mente que vão concorrer”, descreve Portugal, o debate recente sobre pari-
Fevereiro pelo PSD, PS, Bloco, PAN e mulheres, mas sim da Universidade de Edimburgo, na Meryl Kenny. Têm de ser escolhidas dade nas listas fez-se em termos de
pela presidente do CDS-PP, Assunção reunião interparlamentar do FEMM, para serem candidatas, colocadas em aumentar a fasquia já atingida, mas
Cristas. A lei deveria entrar em vigor da sobrerrepresen- em Bruxelas. AÆnal, os homens ocu- posições favoráveis nas listas e Ænan- em muitos países europeus este ain-
a tempo das legislativas de Outubro, tação dos homens pam, em média, 75% dos assentos ciadas para esse Æm. Mas os patama- da é um tema sem conclusões. Ape-
mas ainda não é certo que isso acon- parlamentares por todo o mundo. E res mínimos devem ser também nas nove países da União Europeia
teça. “Espero que seja promulgada Meryl Kenny esta especialista em género e política, aplicados em conjunto com outras têm leis para representação paritária:
pelo Presidente da República a tem- Investigadora da Universidade de que tem investigado o impacto das medidas, como a capacitação das Bélgica, Irlanda, Grécia, Espanha,
po de poder ser aplicada às próximas Edimburgo medidas de correcção das disparida- mulheres, programas de mentoria ou França, Croácia, Polónia, Portugal e
eleições legislativas”, aÆrmou Antó- des entre géneros, assegura: onde o próprio combate às atitudes sexis- Eslovénia. Destes, apenas Portugal e
Público • Domingo, 10 de Março de 2019 • 9

30,2 75%
é a média de proporção
de mulheres nos 28 governos
dos assentos parlamentares
por todo o mundo
nacionais da UE. são ocupados por homens
Em Portugal, é de 36,1%

Espanha conseguiram que a repre- sempre reverter-se. Exemplo disso é riam trazer um contributo particu- apresentados pela directora Mas é aqui que entra outro proble-
sentação parlamentar estivesse no a Eslovénia, onde o Parlamento pas- larmente benéÆco para as políticas do EIGE mostram que 45% das ma: “Não obstante termos cada vez
mesmo patamar estabelecido para as sou de 16,7% para 35,6% com a intro- públicas, como a saúde ou a educa- mulheres nunca discutem assuntos mais mulheres nas listas para os
listas (33% e 40%, respectivamente) dução de uma quota de 35%, nas ção. “É um conhecimento valioso relacionados com políticas europeias vários lugares políticos, estas mulhe-
— em França, a proporção de mulhe- eleições de 2011. Contudo, em 2018, que está a ser desperdiçado”, aÆrma. com amigos ou familiares. Entre os res continuam a ser escolhidas por
res no Parlamento é 20 pontos per- esta proporção baixou para 27,8%, de A meritocracia, portanto, parece não homens, a proporção desce para homens. Esta, sim, é uma circunstân-
centuais abaixo da quota estabeleci- acordo com o último relatório da funcionar para as mulheres. “A repre- 35%. cia que tem de ser alterada e que
da para as candidaturas, segundo o Comissão Europeia sobre igualdade sentação das mulheres na política “É uma questão de enquadramen- acreditamos que no futuro vai fazer
último relatório da CE. entre homens e mulheres na UE. ainda não reÇecte a sua real partici- to”, crê Joanna Maycock, secretá- toda a diferença”, aÆrmava Carla
Na Croácia, houve mesmo uma pação quer no mercado de trabalho, ria-geral do Lobby Europeu das Tavares, deputada socialista, na sua
diminuição do número de mulheres Meritocracia? quer no Ensino Superior”, sublinha- Mulheres. Questões económicas, intervenção na sessão interparlamen-
deputadas. Como é possível? Nesses Virginija Langbak, directora do Ins- va também a deputada portuguesa como impostos ou o combate à tar.
países, regras pouco rígidas permi- tituto Europeu para a Igualdade de Germana Rocha, do PSD, na sua pobreza, ou matérias de saúde, edu- É por isso que as quotas devem ser
tem que as mulheres sejam coloca- Género (EIGE), explica que não faz intervenção na sessão interparlamen- cação e habitação são temas que têm acompanhadas por outras iniciativas
das em lugares em que há poucas sentido pensar que não haja mulhe- t ar organiz ada pela comi s- um impacto ainda mais directo no como formação, oportunidades
hipóteses de serem eleitas, ou parti- res em número suÆciente capazes de são FEMM na quinta-feira. dia-a-dia das mulheres, aÆrma a acti- de networking e apoio Ænanceiro,
dos que simplesmente preferem exercer cargos políticos, quando as Há ainda caminho a fazer para vista feminista. A habitação, por nomeadamente para campanhas ou
pagar as multas em vez de cumprir estatísticas mostram que as mulheres mostrar às mulheres, em particular exemplo, é uma das áreas em que se mesmo outras iniciativas.
a paridade. já são a maioria no ensino superior, as mais jovens, que a política é um nota a força das mulheres para lutar
Além disso, as conquistas podem em particular em áreas em que pode- assunto que lhes diz respeito. Dados pelos seus direitos. aline.flor@publico.pt

UCRÂNIA
22 de MARÇO - 19h45
com outros descontos ou vales promocionais. Compra limitada a 10 bilhetes por cliente.
Válido em Portugal Continental. Oferta limitada ao stock existente. Não acumulável

50
DESCONTO

SÉRVIA
25 de MARÇO - 19h45
EM CARTÃO

bilhetes a partir de
estádio DO SPORT LISBOA e BENFICA
10 • Público • Domingo, 10 de Março de 2019

POLÍTICA

PS quer Europa a investir PR: “Seguro


de vida” do
mais e a financiar Governo foi
habitação acessível “o que fez”
FERNANDO VELUDO/LUSA

Eleições europeias Visita a Angola


Liliana Valente
Marcelo Rebelo de Sousa
Programa socialista propõe diz que “a cooperação
contribuição para institucional era e é
multinacionais das áreas necessária” para o país
digital e financeira para
financiar orçamento da UE O Presidente da República, que
ontem cumpriu três anos de manda-
O PS deu ontem o tiro de partida to, defendeu em Luanda que “o segu-
para as eleições europeias com todos ro de vida do Governo foi a sua base
os elementos na mão, lista de candi- de apoio parlamentar e aquilo que
datos e manifesto eleitoral. A cerca fez ao serviço do país”.
de dois meses do início da primeira Após ser questionado se sente que
campanha eleitoral, os socialistas foi um pouco o “seguro de vida” do
lançam duas ideias para a Europa: executivo minoritário do PS cheÆado
um plano de investimentos, além por António Costa, suportado por
dos quadros plurianuais, e uma redi- acordos com PCP, BE e PEV, numa
recção dos actuais fundos, para o solução inédita, o chefe de Estado
apoio a um plano de habitação. rejeitou essa leitura, contrapondo:
Estes são os dois principais ingre- “O seguro de vida Governo foi a sua
dientes para uma mudança de polí- base de apoio parlamentar e aquilo
tica que António Costa e o cabeça de que fez ao serviço do país. Isso é que
lista do PS às europeias, Pedro Mar- foi o seu seguro de vida”, disse na
ques, defenderam na reunião da conferência de imprensa Ænal da visi-
comissão nacional do partido, em ta de Estado a Angola.
Lisboa. A receita de Costa passa por Em seguida, argumentou que
uma política europeia expansionista, Costa acredita que, se “foi possível” mudar de política em Portugal, também “é possível” na Europa “para o país a cooperação institucio-
que “vire as costas à austeridade”, nal era e é necessária” e que existe
sem grandes empresas “gigantes à tação a preços controlados sejam esta receita possa ser cobrada onde um desejo de “normalidade consti-
escala global”, que sacriÆquem as Ænanciados pelos fundos europeus. é produzido o resultado dessas tran- tucional que permita os objectivos de
pequenas e médias empresas de “Queremos os fundos comunitá- sacções Ænanceiras ou do sector digi- crescimento económico, criação de
cada Estado-membro. Só com uma rios a apoiar a política de habitação. tal” e depois seja canalizada para emprego, justiça social e estabilidade
política económica que aposte no Queremos que as grandes cidades “permitir novas políticas, sem estar- também social”.
“crescimento, emprego e investi- A Europa está sob europeias, sempre que promovam mos a onerar os cidadãos ou as “O Presidente da República jamais
mento que é prioritário fazer” se habitação acessível, possam também pequenas e médias empresas”, pensou questionar a estabilidade da
pode defender os princípios euro- um forte ataque recorrer aos fundos comunitários”, defendeu Pedro Marques. legislatura através de crises políticas
peus, acredita. e temos de nos disse. Em termos práticos, a ideia é Neste tema, o candidato socialista ou através de incidentes de percurso,
Se estas são escolhas que para Cos- tornar elegíveis para os fundos exis- aproveitou para responder às críticas num período particularmente sensí-
ta afastam o PS de outros partidos mobilizar para tentes projectos para habitação aces- da líder do CDS, Assunção Cristas. vel para a economia, para as Ænanças
que defendem a Europa, sobretudo defender a Europa, sível. “Estas políticas de habitação “Se não defendermos este tipo de e para o crescimento económico do
de direita, antes, há outra “batalha” não são elegíveis. Há apoio nas zonas receitas próprias da UE estaríamos país”, aÆrmou.
a fazer, contra os antieuropeístas. O porque ela é a mais carenciadas, na recuperação a defender — que é o que imagino Antes, Marcelo Rebelo de Sousa
líder dos socialistas citou o presiden- melhor forma de dos territórios com mais diÆculdades que defende o CDS — impostos sobre discursou perante centenas de pes-
te francês, Emmanuel Macron, para há alguns apoios comunitários, mas os portugueses em Portugal” e isso soas presentes neste encontro com a
retratar o estado actual da Europa. defender não são elegíveis este tipo de projec- “rejeitamos”. comunidade portuguesa, com quem
“A Europa está sob um forte ataque portugueses tos”, disse em conversa com os jor- O socialista aproveitou ainda para tirou fotograÆas durante cerca de
e temos de nos mobilizar para defen- nalistas no Ænal da comissão nacio- acusar a direita de fazer “uma pré- duas horas, e assinalou o facto de
der a Europa, porque ela é a melhor e os interesses nal do PS onde o manifesto eleitoral campanha de calúnia e falsidades”. cumprir três anos de mandato nesta
forma de defender portugueses e os dos portugueses foi aprovado com um voto contra. Uma delas, disse, é o facto de Paulo ocasião.
interesses dos portugueses. Não Para Ænanciar este tipo de políticas Rangel, cabeça de lista do PSD, ter “É também motivo de satisfação
somos daqueles que acreditamos António Costa através do orçamento da União Euro- dito que se tinha recusado a debater. adicional, e aí não é uma originalida-
que sair nos faria andar para a frente, Primeiro-ministro peia, o PS propõe que as grandes “Não tenho é nada para debater com de minha: o Presidente Cavaco Silva
temos a certeza de que sair seria empresas transnacionais das áreas o candidato da direita, porque tem gostava de celebrar os anos de man-
andar para trás”, disse. digital e Ænanceira passem a pagar estado a fazer uma campanha só a dato junto das comunidades espalha-
directamente uma taxa que seria dizer mal de tudo o que se passa em das no mundo — o seu a seu dono”,
Habitação paga por fundos consignada ao orçamento europeu. Portugal. Só ainda não me acusou de realçou, observando: “Como vêem,
Uma das medidas que o PS apresen- Este novo instrumento Æscal ao ser responsável pelo falhanço do há realidades em que sou cavaquista.
tou passa pela criação de um plano nível da UE levaria a que as grandes acordo entre Donald Trump e Coreia E eu diria mesmo, em todas realida-
de apoio à habitação acessível. Na empresas como a Google ou o Face- do Norte.” des em que está em causa o país e a
prática, os socialistas querem que book passassem a pagar uma contri- aÆrmação de Portugal.”
projectos públicos destinados a habi- buição à UE. “Nós queremos que liliana.valente@publico.pt Lusa
Público • Domingo, 10 de Março de 2019 • 11

POLÍTICA

Catarina Martins compara


Costa a Passos: “Limpa bancos ÁLVARO PINTO
com o dinheiro de todos” CORREIA
O BE foi o partido que propôs no do governador, Catarina Martins 1932 - 2019
Banca Parlamento a exoneração do gover- lembrou que nenhum dos partidos
Liliana Valente nador do Banco de Portugal (BdP), “assume” a solução que foi encon- Sua mulher, Älhas, genros e netos participam o falecimento de
Carlos Costa. O facto de o PS não ter trada para o Novo Banco e por isso seu marido, pai, sogro e avô.
A líder do Bloco de acompanhado o partido nessa mis- empurram as culpas do processo A Missa de corpo presente será hoje dia 10, na igreja do Campo
são levou a bloquista a apontar o para o regulador. “Agora, a culpa até
Esquerda diz que PS e PSD Grande em Lisboa às 14h30, seguindo o funeral para o cemite-
dedo aos socialistas: “Já percebe- já é do BdP”, ironizou.
têm mantido Carlos Costa mos nestes anos porque insistem Costa sugeriu a criação de uma rio de Tremés em Santarém.
como governador porque em manter Carlos Costa como comissão de inquérito para avaliar
este tem “costas largas” governador. Não é pela sua compe- a actuação do BdP no Novo Banco, Agência Funerária Magno - Alvalade
Servilusa - Número Verde Grátis 800 204 222
tência, mas pelas suas costas largas, mas o PS remeteu para a próxima Funerária Serra das Minas - Telf. 216006994/969442880
Nesta fase final da legislatura, o que muito jeito têm dado a PSD e legislatura. com Lusa Serviço Funerário Permanente 24 Horas

Governo e o BE têm andado às aves- PS”, criticou.


sas. Este sábado, a líder do BE vol- Como prova das “costas largas” liliana.valente@publico.pt
tou a criticar o primeiro-ministro
por causa do trabalho do executivo
na banca. “Sobre o sistema financei-
ro [António Costa fez] exactamente
o mesmo que fez Passos Coelho,
limpar bancos com o dinheiro de
todos”, disse Catarina Martins.
O tema tem sido recorrente nas
intervenções da líder do BE e
ontem, no comício comemorativo
dos 20 anos do BE, que decorreu
este sábado em Lisboa, voltou ao
tema. Para Catarina Martins, ao lon-
go destas duas décadas, o BE fez
“inimigos poderosos” numa elite
financeira que “se incomoda” com
a presença bloquista.
“Essa elite teve no Partido Socia-
lista um aliado ao longo desta legis-
latura porque sabemos hoje que se
cada voto à esquerda protegeu as
pensões e os salários, também sabe-
mos que cada voto no Partido Socia-
lista em 2015 foi usado por António
Costa para fazer sobre o sistema
financeiro exactamente o mesmo
que fez Passos Coelho”, disse.
Em causa está, disse Catarina
Martins, o facto de ambos terem
andado a “limpar bancos com o
dinheiro de todos e entregá-los lim-
pos ao negócio de alguns”.
Catarina Martins tem condenado
a posição do Governo sobretudo
por causa da venda do Novo Banco.
O banco pediu uma injecção de
capital do Fundo de Resolução de
1,15 mil milhões de euros que a blo-
quista considera uma “garantia”.
Uma ideia recusada pelo primeiro-
ministro que, ainda no último deba-
te quinzenal insistiu na ideia que o
Governo não deu uma “garantia” à
LoneStar, a dona do Novo Banco,
porque o mecanismo de capital con-
tingente criado a quando da venda
não é ilimitado, tem um valor máxi-
mo de 3,9 mil milhões de euros e
isso, disse, é diferente de uma
garantia.
12 • Público • Domingo, 10 de Março de 2019

SOCIEDADE
Tem apoio judiciário? Se receber
indemnização, Estado retém 33%
É uma proposta do Governo, que quer
alterar o regime de acesso aos tribunais
e pretende compensar o Estado dos
custos que tem com a protecção jurídica
de quem beneÄcia de apoio
superiores dos juízes e do Ministério
Justiça Público, às ordens dos advogados,
Mariana Oliveira dos notários e dos agentes de execu-
ção, para parecer.
O Estado quer ser compensado dos Na sequência destas análises a pro-
custos que tem com quem precisa de posta pode ter sofrido algumas alte-
ajuda por não ter condições econó- rações, tendo, entretanto, sido entre-
micas para suportar as despesas de gue na Presidência do Conselho de
acesso aos tribunais. Como? Conge- Ministros com a indicação de que o
lando, de forma automática, um ter- seu agendamento é urgente. Por isso,
ço do valor que os beneÆciários do o PÚBLICO confrontou o Ministério
apoio judiciário venham a receber da Justiça com o conteúdo de algu-
no âmbito de acções em que tenham mas das alterações previstas, tendo
Æcando isentos das taxas de Justiça este recusado fazer qualquer comen-
ou em que tenham tido um advoga- tário sobre a matéria. Contudo, ao
do pago pelo erário público. que o PÚBLICO apurou, a proposta
Esse montante (um terço do que do reembolso automático continua
as pessoas recebam, por exemplo, em cima da mesa. O diploma ainda
em indemnizações) Æcará cativo até terá que ir ao Parlamento, onde terá
que seja apurado qual o valor das que ser discutido e aprovado antes
custas. Se corresponder a mais do das eleições de Outubro.
que o Estado suportou, o remanes- A lei em vigor já prevê uma forma
cente é devolvido ao beneÆciário. de o Estado se fazer compensar dos
Um exemplo: alguém pede apoio gastos que teve com o apoio judiciá-
judiciário para interpor uma acção rio caso o seu beneÆciário venha a
contra o responsável por um aciden- adquirir “meios económicos suÆ#
te de viação que lhe deixou proble- cientes”, mas a compensação não é
mas graves de saúde. O beneÆciário automática e tem várias salvaguar-
do apoio, que não pagou taxas de das. No caso do beneÆciário do apoio
Justiça nem o advogado que a Ordem vencer a acção judicial, diz a actual
dos Advogados lhe atribuiu, ganha o lei, “presume-se aquisição de meios
processo, tendo direito a receber 100 económicos suÆcientes”, salvo se,
mil euros. Destes, 33 mil serão reti- “pela sua natureza ou valor”, o mon-
dos como uma espécie de caução até tante que o beneÆciário recebe no
se apurar que parte cabe ao Estado âmbito da acção não o Æzer perder o
nas contas Ænais do processo. Se se direito ao apoio judiciário. O próprio O essencial das mudanças previstas em quatro pontos

A
concluir que as despesas correspon- juiz que decidiu a acção onde foi
dem a três mil euros, então o Estado pedido o apoio pode condenar o s pessoas que não têm fundamento legal ou factual para apoio junto do respectivo
devolve-lhe os restantes 30 mil. beneÆciário a compensar o Estado condições para pagar as a pretensão e, face à existência Conselho Regional da Ordem.
Esta é uma das alterações ao regi- num determinado montante. Antes, despesas associadas a de outros processos propostos • O Governo quer criar quatro
me jurídico do acesso ao direito e aos deve pedir um parecer à Segurança processos judiciais podem pela mesma pessoa, verificar se escalões de apoio. O 1.º prevê
tribunais, prevista no anteprojecto Social que avalia quem está em con- ter apoio, se cumpridos certos há indícios de “uso indevido do que os beneficiários que
da proposta de lei apresentada pelo dições de ter protecção jurídica. requisitos. Eis o que pode sistema”. Por uma questão de integrem um agregado familiar
Ministério da Justiça, após as suges- Mas há muitos juízes que se consi- mudar, com a proposta do eventual conflito de interesses, com um rendimento médio
tões feitas por um grupo de trabalho deram incompetentes para deÆnir Governo. este advogado não pode ser mensal igual ou inferior a 363
em que estiveram representadas as esta compensação ou simplesmente • Os beneficiários do apoio nomeado depois para intentar a euros (3/4 do indexante dos
várias proÆssões que intervêm ou optam por não o fazer. O Ministério judiciário passam a ser tal acção se ela vier a ocorrer. A apoios sociais) têm direito à
vão passar a intervir no sistema de Público também pode intentar uma obrigados a ir a uma consulta sua avaliação sobre a existência dispensa de taxas de justiça e ao
acesso ao direito, como advogados, acção autónoma para reembolsar o com um advogado (escolhido ou não de fundamento é pagamento de advogado; o 2.º
agentes de execução e notários. Estado dos montantes gastos. Con- pela Ordem dos Advogados) comunicada à Ordem e, se for no (agregado com rendimento igual
A proposta, a que o PÚBLICO teve tactado pelo PÚBLICO, o Ministério antes de intentarem uma acção sentido de não existir base legal ou inferior a 654 euros) permite
acesso, foi enviada no início deste da Justiça não respondeu que verbas em tribunal. Esse defensor é para interpor a acção, pode ser dispensa total das taxas e
ano a vários parceiros da área da Jus- o Estado conseguiu reaver neste que vai ter de avaliar se existe contestada pelo requerente do suporta 75% do pagamento do
tiça, nomeadamente aos conselhos âmbito. Também a Procuradoria-Ge-
Público • Domingo, 10 de Março de 2019 • 13

41,3
A Ordem dos
Advogados não
concorda com
o reembolso
automático dos milhões de euros foi o valor pago
apoios que nos primeiros dez meses de 2018
o Estado dá a aos advogados que prestaram
quem não pode apoio judiciário. Entre 2017
pagar a Justiça e 2015, foram pagos quase
60 milhões de euros/ano
NELSON GARRIDO
ral da República não deu, em tempo
útil, números sobre as acções inter- COMO FUNCIONA HOJE E QUEM TEM DIREITO?
postas com este objectivo.
Pedro Loureiro, que representou O que é a protecção jurídica? se encontram numa situação de
a Ordem dos Advogados no grupo de Destina-se às pessoas singulares insuficiência económica. Para
trabalho que analisou a alteração do e colectivas que não tenham esta avaliação, são tidos em
regime de acesso aos tribunais, diz condições económicas para conta todos os rendimentos do
que a instituição não concorda com aceder ao direito e aos tribunais. agregado familiar, incluindo
um mecanismo de reembolso auto- Inclui a consulta jurídica e o pensões e apoios na área da
mático. “É preciso perceber em cada apoio judiciário. habitação, obtidos durante um
caso se a pessoa ganhou de facto Para que serve a consulta ano e divididos por 12 meses. Os
alguma coisa com a causa ou sim- jurídica? imóveis que qualquer um deles
plesmente viu um dano que teve ser Trata-se de uma consulta com detiver são considerados
ressarcido”, argumenta. um advogado para esclarecer o rendimentos prediais, com
Voltando ao caso do acidente de enquadramento jurídico de um excepção da casa de família, no
viação, Pedro Loureiro considera caso concreto que envolva montante correspondente a 5%
que “se a pessoa recebeu uma interesses pessoais legítimos do do valor patrimonial tributário.
indemnização para compensá-la dos beneficiário ou direitos próprios Onde se faz o pedido para
rendimentos de trabalho que deixou que tenham sido lesados ou receber a protecção jurídica?
de auferir em virtude do acidente, estejam ameaçados de lesão. Pessoalmente em qualquer
está apenas a receber o que tinha Pode abarcar diligências simples serviço de atendimento da
direito, o que não signiÆca que este- feitas pelo advogado para Segurança Social ou enviados
ja numa situação económica melhor resolver o caso fora dos por fax, email ou por correio.
do que antes do dano”. tribunais, como o envio de uma Quem avalia?
Já o bastonário da Ordem dos Soli- carta à parte contrária. O pedido é decidido pelos
citadores e Agentes de Execução, O que é o apoio judiciário? directores dos centros distritais
José Carlos Resende, considera justo É a protecção prevista no âmbito da Segurança Social da área da
que se a pessoa vai receber dinheiro de processos que correm, residência ou da sede do
possa compensar o Estado pelos gas- maioritariamente, nos tribunais. requerente. Em princípio, o
tos com a sua defesa. Mesmo que isso As acções também podem pedido é respondido em 30
signiÆque receber menos. “Os que correr nos julgados de paz ou dias. Mas, em determinados
não beneÆciam do apoio judiciário em centros de arbitragem. O locais, como na região de Lisboa
também gastam dinheiro com o apoio pode incluir a dispensa da ou no distrito Porto, a decisão
advogado e a taxas de Justiça para taxa de justiça e dos restantes chega a demorar vários meses.
conseguirem fazer valer os seus encargos (como peritagens, O próprio requerente pode
direitos”, aÆrma. traduções, etc.) e ainda a atrasar a resposta se não
Outras das novidades da proposta nomeação e pagamento de um apresentar todos os
do Governo é obrigar os requerentes advogado. Neste momento, o documentos, obrigando a
do apoio judiciário a ir a uma consul- beneficiário do apoio judiciário Segurança Social a dar um prazo
ta com um advogado nomeado pela pode ficar isento de qualquer de dez dias para juntar os
Ordem, antes de intentarem uma pagamento (tanto das taxas elementos em falta.
acção em tribunal. Esse defensor vai como dos custos com o O apoio pode ser retirado
ter que avaliar se existe fundamento defensor) ou apenas ter direito a a meio de um processo?
legal ou factual para a pretensão e, pagar uma das despesas ou Pode. A protecção jurídica é
face à existência de outros processos ambas em prestações. O retirada se a situação económica
propostos pela mesma pessoa, veri- Governo quer acabar com os do beneficiário ou do seu
Æcar se há indícios de “uso indevido pagamentos em prestações e agregado familiar se alterar de
defensor; o 3.º (agregado com passem a recorrer a um agente do sistema”. A sua avaliação é comu- sugere criar quatro escalões em forma a poder dispensar o
rendimento igual ou inferior a de execução, um profissional nicada à Ordem e, se for no sentido que o apoio é total ou apoio. O mesmo acontece se
872 euros) dá direito à dispensa especializado nos processos de não existir base legal para a acção, corresponde a uma surgirem provas de que a
de 50% das taxas e dos executivos. o requerente do apoio pode recla- percentagem dos gastos. protecção lhe foi concedida por
honorários de advogados e o • Os beneficiários que mar junto do respectivo Conselho Quem tem direito à protecção razões inválidas ou se os
4.º (rendimento igual ou receberem uma determinada Regional da Ordem. Serão criadas jurídica? documentos que serviram de
inferior a 1087 euros) a apenas verba no âmbito da acção Comissões de Apoio Judiciário para Os cidadãos portugueses e da base à concessão forem
25%. judicial em que tiveram o apoio esse efeito. União Europeia, os estrangeiros declarados falsos por decisão
• Ter apoio judiciário num vão ver congelado um terço Sobre os novos escalões de protec- e apátridas com título de do tribunal da qual já não pode
processo de cobrança de desse valor para pagar a ção jurídica a criar, Pedro Loureiro residência válido num Estado- haver recurso. O apoio cessa
dívida implica que o protecção a que tiveram diz que o objectivo era alargar o membro, as pessoas colectivas igualmente se, em recurso, for
beneficiário opte por entregar a direito. O montante fica cativo número de beneÆciários, mas não sem fins lucrativos – que só não confirmada a sua condenação
resolução do caso a um até serem apuradas as custas está certo de que venha a ocorrer. Só têm acesso à consulta jurídica –, como litigante de má-fé.
funcionário judicial. O Governo devidas e, se houver dinheiro a a análise comparativa de casos con- as empresas e os empresários
quer que os cidadãos com mais, o remanescente é cretos permitirá tirar conclusões. em nome individual. Isto Fonte: Segurança Social
direito ao apoio do Estado devolvido ao beneficiário. obviamente se se verificar que e PÚBLICO
meoliveira@publico.pt
14 • Público • Domingo, 10 de Março de 2019

SOCIEDADE

Nos Narcóticos Anónimos são 10 mil os


que procuram uma vida sem drogas
Os números são da organização, presente no continente e ilhas. Todos os dias realizam-se 136 reuniões para
ajudar quem ainda está a consumir a parar e para levar os que já estão “limpos” a permanecer assim
adianta António, referindo que esta
Dependências evolução se deve essencialmente à
Clara Viana entrada de novas drogas sintéticas no
mercado. Segundo as últimas estatís-
Entre o continente e as regiões autó- ticas oÆciais, a percentagem da popu-
nomas, serão perto de 10 mil as pes- lação com consumos recentes subiu
soas que actualmente acorrem com de 2,7% em 2012 para 5% em 2017. No
regularidade às reuniões dos Narcó- grupo dos 15 aos 24 anos, esta propor-
ticos Anónimos (NA) para tentarem ção passou de 6% para 7,5%. Canna-
chegar a uma vida sem drogas. Como bis, cocaína e ecstasy foram as drogas
não existem inscrições para se estar mais consumidas.
na organização, esta estimativa tem António conta que nas reuniões
como base o Çuxo de pessoas que vai “tende a desaparecer a sensação
passando pelos encontros. Todos os recorrente entre os adictos de que
dias realizam-se 136. Os números são não se enquadram, sem que tal signi-
avançados ao PÚBLICO pelo coorde- Æque anularem a sua identidade”.
nador nacional da 28.ª convenção “Há um processo de identiÆcação”
anual dos NA, que termina hoje, na porque os outros que já lá estão pas-
Zambujeira do Mar, um momento saram pelo mesmo tipo de situações,
que António descreve como sendo tiveram os mesmos problemas,
uma oportunidade de “celebrar a “sofreram a mesma solidão”, mas
recuperação” (estar sem consumir) e agora “estão noutro caminho” que
também de partilha de experiências, também pode ser o seu.
medos e expectativas. Mais uma vez foi o que se passou
Participam pessoas que já não con- com António. Tem um Ælho, vai ao
somem há mais de 20 anos e outras ginásio, passou a ser “um membro
que começaram agora esta experiên- produtivo da sociedade, que trabalha
cia de recuperação — que pressupõe e paga impostos”. Continua, contudo,
a abstinência total de consumo de a ter o seu “padrinho”, uma Ægura
drogas, o que inclui o álcool. O que tutelar nos NA que é de escolha livre,
não quer dizer, sublinha António (não embora seja apresentada como sendo
AL

há apelidos porque o anonimato é a essencial não só para as horas de


BR
CA

identidade da organização), que maior aÇição, “em que uma palavra


SO
RA

quem está ainda a consumir não pos- amiga pode fazer a diferença”, mas
FE
EL

sa estar entre os NA. também para que o dependente em


GU
MI

É por isso que existe um único recuperação “possa trabalhar os 12


requisito para se “ser NA”, uma orga- como sendo possível”. Mesmo que passos”. Este é um programa criado
nização que está presente em 131 paí-
ses: “O desejo de parar de usar.” Não
Doações de fora não são aceites existam recaídas pelo meio.
Tudo começa por uma primeira
em 1935 nos Estados Unidos.
“É uma forma de conseguirmos

A
é coisa pouca para quem acumula reunião. Em Portugal, de acordo com crescer espiritualmente”, resume
anos de dependência, que muitas auto-suficiência é uma das simples: um lugar onde a organização, fazem-se 136 por dia, António. Nas reuniões, é sempre o
vezes levam a que a vida se vire do pedras basilares dos podemos realizar as nossas geralmente em igrejas, centros paro- primeiro passo que está presente,
avesso. Sem recursos, sem contactos Narcóticos Anónimos, que reuniões, literatura para ajudar a quiais ou juntas de freguesia, espaços como uma espécie de mantra que
com a família, sem amigos, com pro- se traduz no seguinte levar a nossa mensagem e, em que são cedidos gratuitamente. E alerta para as armadilhas que podem
blemas recorrentes com as autorida- postulado: devem ser muitos casos, um simples depois é preciso ir a outra reunião: levar a novas recaídas. Reza assim:
des. E com este problema que Antó- declinadas quaisquer doações refresco”, explica-se no site “Para quem começa, costumamos “Admitimos que éramos impotentes
nio diz ser o principal: como lidar que sejam feitas por pessoas ou português da organização. Ali dizer o seguinte: 90 dias/90 reu- perante a droga.” Embora não pro-
consigo próprio? entidades exteriores ao grupo. É também se alerta para que as niões.” Não existe uma imposição, diz fessem nenhuma religião em concre-
Ele sabe do que fala. Com 43 anos, aquilo a que chamam “sétima contribuições não sejam António, tudo depende da vontade to, os NA acreditam que no caminho
tem cerca de 20 de consumo de dro- tradição”. recolhidas nas reuniões dos NA, da pessoa. Mas quem já lá está sabe que irão fazer poderão contar com a
gas duras. Esteve internado. Está sem Também é por essa razão que, porque esta prática pode que quando se decide “pedir ajuda, ajuda de um “poder superior que tor-
consumir há seis anos. “A única forma segundo garantem, não aceitam desviá-los do “propósito todo o acompanhamento é pouco”. na possível aquilo que parece impos-
que encontrei para conseguir estar apoios do Estado. O primordial” destes encontros e Também são realizadas reuniões sível”. Mesmo que seja sempre um dia
limpo foi nos NA”, diz. E isto aconte- financiamento das actividades pode também “apresentar uma em prisões, centros de tratamento ou de cada vez, há respostas que podem
ceu porque nesta organização, que dos Narcóticos Anónimos é feito impressão inexacta da hospitais. E existem ainda encontros passar a ser positivas a perguntas
chegou a Portugal em 1986, e que ago- assim por via de contribuições mensagem dos Narcóticos destinados a grupos especíÆcos. Por como esta: “Senti-me hoje parte da
ra tem o estatuto de instituição parti- anónimas dos seus membros. Anónimos, especialmente aos exemplo, para jovens entre os 16 e os humanidade?”
cular de solidariedade social, “a recu- “As nossas necessidades são olhos dos recém-chegados”. 24 anos. Não são muitos, embora
peração é sentida, por quem entra, “sejam hoje mais do que eram antes”, cviana@publico.pt
Público • Domingo, 10 de Março de 2019 • 15

SOCIEDADE

O Centro de Estudos Judiciários Tempo de


espera por
forma magistrados, mas “não pode ovócitos é
mudar mentalidades” de 33 meses
ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Violência doméstica Infertilidade


Rita Marques Costa
Faltam dadores. Médicos
O director do CEJ diz que a lançam campanha que
sensibilização dos juízes pretende explicar que
para a violência doméstica “doar uma célula não é
e outras questões actuais doar um filho”
têm sido uma prioridade
“Dar vida à esperança.” É este o
Adriana Calcanhotto, José Jorge Letria lema de uma campanha da Socieda-
e Marisa Liz. São alguns dos nomes de Portuguesa de Medicina de
que já marcaram presença no Centro Reprodução (SPMR) que alerta para
de Estudos Judiciários (CEJ) para cele- a importância e a urgência da doa-
brar o Dia Mundial da Poesia. O direc- ção de óvulos e espermatozóides
tor do instituto responsável pela for- para responder à crescente procura
mação dos juízes, João Silva Miguel, de tratamentos de infertilidade.
nota que as sessões — a par de muitas “Infelizmente, temos uma taxa de
outras, como aulas de ética e deonto- doação muito baixa, uma grande
logia ou conferências mensais subor- escassez de dadores e imensos
dinadas a diferentes tópicos como casais em lista de espera em Portu-
arte, animais ou amor — contribuem gal para fazer tratamentos sem pos-
para dar a estes proÆssionais “um sibilidade de recorrer a clínicas
perfeito conhecimento daquilo que é privadas”, disse à agência Lusa o
o ser magistrado, não só a componen- presidente da SPMR, Pedro Xavier.
te técnica, mas também uma dimen- Neste momento, o banco público de
são de mundividência que lhes per- gâmetas para doação de ovócitos
mita conhecer o mundo”. tem uma lista de espera de 33
Nos últimos dias, milhares de Manifestação promovida pelo Movimento Democrático de Mulheres ontem, em Lisboa meses, mas mesmo os casais que
mulheres (e homens) saíram à rua em podem pagar clínicas privadas “têm
manifestações por todo o país a pro- de que se faz pouco é errada”. competência pessoal para este tipo de esperar meses pelo tratamento”
pósito do Dia Internacional da Mulher. Juiz pode decidir “A formação neste plano sempre de assuntos”. Em comentário à entre- devido à escassez de dadores. A
A violência doméstica e as polémicas
sentenças do juiz Neto de Moura (que indemnizações foi uma prioridade”, garante por seu
lado o ex-director do CEJ, Pedro Bar-
vista de Neto de Moura ao Expresso,
publicada ontem — o juiz aÆrma que
SPMR promoveu ontem, em Lisboa,
uma sessão de esclarecimento sobre

A
decidiu retirar a pulseira electrónica bas Homem. “A Justiça tem de estar os casos que julgou “não são particu- a importância da doação de gâmetas
a um homem que rebentou um tím- pesar da decisão do preparada para responder de forma larmente graves”, que não é “despro- (óvulos e espermatozóides) e apre-
pano à mulher ao soco e que atribuiu Tribunal da Relação do articulada a estes problemas.” positado citar a Bíblia” numa decisão sentou a sua campanha de sensibi-
pena suspensa a dois homens que Porto em passar o Apesar destes esforços, João Silva e que não se considera “machista” — o lização.
agrediram a companheira com uma juiz-desembargador da Miguel nota que “os juízes, tal como bastonário critica o magistrado: Em Portugal, existe “um grave
moca de pregos, citando a Bíblia na secção criminal para a secção todas as pessoas da sociedade, têm a “Pode ser muito bom tecnicamente, problema de natalidade” e, simul-
sentença que proferiu) não Æcaram cível — o que implica que sua formação e a sua educação”. mas tem um problema de competên- taneamente, um aumento do
esquecidas. Falta formação nesta deixará de lidar directamente “Muita da educação das pessoas de cias a outro nível.” Guilherme Figuei- “número de casos de infertilidade,
área? O responsável do CEJ diz que há com processos de violência hoje e daquelas da idade [63 anos] do redo é taxativo quanto à entrevista: e infertilidade de difícil tratamen-
vários workshops e cursos. Alguns são doméstica —, Neto de Moura juiz Neto de Moura tem muitos laivos “É desnecessária. É ruído”, contém to”, associada a mulheres com ida-
organizados em parceria com a Equi- ainda poderá decidir sobre da nossa tradição judaico-cristã. O referências “infelizes” que “trespas- des mais avançadas. Por esta razão,
pa de Análise Retrospectiva de Homi- indemnizações no âmbito que nós temos aqui são problemas de sam alguma inconsciência em relação “tem sido necessário recorrer cada
cídio em Violência Doméstica. Cada destes casos. O presidente da mentalidades”, refere. E “estas men- à questão de fundo que é a desvalori- vez mais a tratamentos com doação
sessão tem entre 20 e 30 participan- Relação do Porto, Ataíde das talidades não se mudam de um zação da violência doméstica”. de gâmetas, nomeadamente gâme-
tes que analisam, em conjunto com Neves (que justifica a momento para o outro, nem é o CEJ Escusando-se a comentar a entre- tas femininos”, disse Pedro Xavier.
um dinamizador, um caso de violên- transferência do juiz com a que as pode mudar”. Isso seria, acres- vista, o actual director do CEJ defende Também há uma maior procura de
cia doméstica e tudo o que esteve necessidade de este se sentir centa, “uma lavagem ao cérebro que que “uma coisa são as decisões outra tratamentos com doação de gâme-
bem e mal na actuação das forças mais “confortável”) desvaloriza: não é função do CEJ fazer”. O que coisa é argumentação” que os juízes tas masculinos.
policiais e dos tribunais. “Não prevejo que resulte cabe ao CEJ fazer “é dar os instrumen- usam nos acórdãos. E acrescenta: “Às Para elucidar a população, sobre-
Também Mário Morgado, vice-pre- algum perigo. [Neto de Moura] tos necessários para que um técnico vezes, alguma da argumentação não tudo os jovens, que são os poten-
sidente do Conselho Superior de não é uma pessoa sem do direito possa responder e resolver chega a sê-lo. São desabafos, estados ciais dadores, foi criada a campanha
Magistratura (órgão que puniu Neto capacidade para avaliar uma os casos que tem perante si”. de alma que se transmitem para ali. “dar vida à esperança”, que preten-
de Moura com uma advertência regis- questão destas.” Para além A melhor aÆrmação que já ouvi sobre de explicar que “doar uma célula,
tada por causa do acórdão com cita- disso, diz, é pouco provável Entrevista de juiz “é ruído” isso foi da ministra da Justiça. As sen- um óvulo ou um espermatozóide
ções da Bíblia), sublinha que “a for- que um caso destes chegue à O bastonário da Ordem dos Advoga- tenças são documentos da República. não é doar um Ælho” e “vai fazer
mação dos juízes portugueses é con- secção cível e é sempre um dos, Guilherme Figueiredo, lembra Devem ser os documentos mais enxu- felizes muitos casais” — de acordo
tínua e exigente”. Sim, “é preciso colectivo de três juízes a que “a formação é fundamental”, tos possíveis.” com estatísticas citadas pela SPMR,
acentuar o esforço de formação em deliberar em conjunto. mas que quem decide sobre casos de cerca de 300 mil terão problemas
determinadas matérias”. Mas “a ideia violência doméstica “tem de ter uma rita.costa@publico.pt de infertilidade em Portugal.
16 • Público • Domingo, 10 de Março de 2019

LOCAL
Reserva de S. Jacinto fez 40 anos
mas não há muito para festejar
Área protegida situada no litoral de Aveiro já viveu melhores dias. A ameaça das espécies invasoras é cada
vez maior e o número de visitantes tem vindo a cair a pique. O futuro? É a pergunta que todos fazem
ADRIANO MIRANDA

Ambiente
Maria José Santana
O biólogo Nuno Gomes Oliveira recor-
da com exactidão o momento da cria-
ção da Reserva Natural das Dunas de
São Jacinto e, talvez ainda mais impor-
tante do que isso, todas as movimen-
tações e trabalhos prévios que estive-
ram na génese dessa constituição. O
decreto-lei que oÆcializou a criação
da área protegida aveirense foi publi-
cado a 6 de Março de 1979, mas, con-
trariamente ao que seria de esperar,
a passagem do 40.º aniversário não
dá azo a grandes festejos. Muito pelo
contrário: a reserva acusa vários
sinais de abandono, a ameaça das
plantas invasoras (acácias) é cada vez
maior e o número de visitantes sofreu
uma queda abrupta.
O futuro? É a pergunta que todos
levantam, ambientalistas e responsá-
veis políticos locais, e que tarda em
ser respondida. A Câmara de Aveiro
já manifestou interesse em assumir a
gestão da reserva, mas as negociações
com o ICNF (Instituto de Conservação
da Natureza e das Florestas) ainda
não conduziram a uma decisão. Uma
coisa é certa: esta área protegida de
960 hectares — parte dos quais, cerca
de 200, em espaço marítimo — carece
de uma decisão. Urgente.
“A conservação da natureza teve
dias bons em Portugal; neste momen-
to é um patinho feio”, repara Nuno O decreto-lei que oficializou a criação da área protegida aveirense foi publicado a 6 de Março de 1979
Gomes Oliveira ao PÚBLICO. Entre
esses dias bons estão os vividos antes também território de instalações mili- esteve disponível para prestar quais- tilha de custos”, revela o autarca, que
e depois da criação da Reserva Natu-
“A conservação da tares, acolhendo uma unidade, há 101 quer esclarecimentos sobre a situação não tem quaisquer dúvidas de que “a
ral das Dunas de São Jacinto, proces- natureza teve dias anos, que já passou pelos três ramos actual da reserva. câmara seria muito melhor gestora da
so no qual o biólogo portuense teve das forças armadas. Preocupado com o presente e o reserva do que o ICNF”.
um papel activo. “Tivemos uma pri-
bons em Portugal; Desde a criação da reserva, Nuno futuro da área protegida plantada O presidente da autarquia dá
meira fase, em 1971, na qual chegou a neste momento é Gomes Oliveira jamais deixou de estar entre o mar e a ria está também como exemplo o caso do Museu de
ser criado um grupo de trabalho para atento à área protegida aveirense. E Ribau Esteves, presidente da Câmara Aveiro, cuja gestão passou para as
criar a reserva”, lembra. Só depois da
um patinho feio”, nunca como antes esteve tão preocu- de Aveiro. “Está nos mínimos, tem mãos do município e “o processo
revolução, mais concretamente em repara o biólogo pado. “Está infestada com acácias, cada vez menos funcionários e o está a correr bem”, evidencia. Resta,
1979, é que foi possível oÆcializar a que vão destruindo a Çora autóctone, número de visitantes diminuiu imen- agora, ver qual o desfecho do pro-
constituição da área protegida.
Nuno Gomes e não há por ali um responsável, so”, relata o autarca, especiÆcando: cesso relativo à reserva que, pelo
“E o curioso é que um dos motivos Oliveira alguém que assuma a direcção e ges- “passámos de 14 mil para 3 mil visi- menos, vive a esperança de passar a
que deram origem à criação da reser- tão da reserva”, nota o também fun- tantes por ano”. contar, este ano, com um novo cen-
va acabou por desaparecer no ano dador do Parque Biológico de Gaia. Ribau Esteves já tinha demonstra- tro de interpretação e um auditório
em que ela foi constituída”, recorda, Neste momento, a área protegida do o interesse da Câmara de Aveiro ao ar livre. Uma obra a cargo do pro-
aludindo a uma “colónia de garças” aveirense está sob a alçada do Depar- em assumir a gestão da reserva — ao grama Polis Litoral Ria de Aveiro e
que importava proteger. “Nesse ano, tamento de Conservação da Natureza abrigo da transferência de competên- que representa um investimento de
houve exercícios militares na mata, e Florestas do Centro (do ICNF), cias —, mas o processo negocial ainda cerca de 760 mil euros.
que espantaram a colónia de garças”, sediado em Viseu, que não obstante decorre. “Temos estado à mesa, mas
acrescenta o biólogo. São Jacinto é as várias tentativas do PÚBLICO não há essa questão mais delicada da par- mjs@publico.pt
Público • Domingo, 10 de Março de 2019 • 17

Está nos mínimos, tem


m
cada vez menos
funcionários e
o número de visitantess
diminuiu imenso
Ribau Esteves
Presidente da Câmara de Aveiro

Faltam meios humanos na reserva, alerta a Quercus

O núcleo de Aveiro da associação resultados rápidos, imediatos mas Municipal de Aveiro, a Quercus diz ta o dirigente do núcleo de Aveiro. vegetais. Garças, mergulhões, patos-
ambientalista Quercus, que tam- que não resultam”. que importa acautelar se essa pas- No entender dos dirigentes locais reais ou andorinha-do-mar-comum
bém tem vindo a dedicar algum “A Reserva de São Jacinto foi sendo sagem de testemunho vai ser total da associação ambientalista, essa são algumas das aves mais facilmen-
trabalho à Reserva das Dunas de esquecida”, repara, ainda, o dirigen- ou não. transferência de competências para te observáveis. Ao nível da vegeta-
São Jacinto, critica que se tenham te da Quercus, especiÆcando com o “Importa decidir se o Instituto da a autarquia “tem de ser muito clara” ção, na zona de dunas, proliferam
feito, no passado, “intervenções quadro de “falta de meios humanos” Conservação da Natureza e das Flo- e deveria resultar “de um processo espécies espontâneas como o estor-
pesadas ali para controlar as acá- naquela área protegida. “Não é caso restas vai continuar a ter alguma aberto à comunidade e a várias enti- no, cardo-marítimo e narciso-das-
cias que se revelaram muito pouco único no país, também afecta outras intervenção na reserva ou se a dades”. areias; na Çoresta, veriÆca-se a pre-
eÆcientes. “Essa intervenção tem de áreas protegidas, mas a verdade é câmara municipal passa a ser res- “Não devia ser um processo deci- sença de pinheiro-bravo, choupo-
ser feita de forma inteligente, com que a reserva não tem o número de ponsável por tudo. Se a opção for dido apenas dentro de gabinetes”, negro, amieiro, samouco, entre
apoio técnico, de forma manual”, funcionários suÆciente”, faz questão esta última, é algo que nos preocu- remata Raul Silva. outras espécies. Mas há uma que
defende Raul Silva, dirigente do de vincar o ambientalista. pa pela inexperiência da autarquia A Reserva Natural das Dunas de tem vindo, há vários anos, a domi-
núcleo, ainda que reconheça que Sobre a eventual transferência na gestão de matérias tão especíÆ# Jacinto tem uma riqueza inquestio- nar atenções pela negativa: a acácia,
“com máquinas se conseguem de competências para a Câmara cas como a biodiversidade”, susten- nável ao nível de espécies animais e espécie invasora.

PÓS-GRADUAÇÕES
• DIREITO DA FAMÍLIA EMPRESÁRIA
• DIREITO DOS VALORES MOBILIÁRIOS E DIREITO BANCÁRIO
• FASHION LAW & BUSINESS
INÍCIO A 15 DE MARÇO
INSCREVA-SE!

• DIREITO ADMINISTRATIVO
• DIREITO À PROTEÇÃO DE DADOS PESSOAIS
• DIREITO IMOBILIÁRIO
• DIREITO INTELECTUAL
• DIREITO DO TRABALHO E DA SEGURANÇA SOCIAL
• NEGOCIAÇÃO, MEDIAÇÃO E RESOLUÇÃO DE CONFLITOS
• ORGANIZAÇÃO E GESTÃO NO FUTEBOL PROFISSIONAL

40 ANOS A FORMAR • INTERDISCIPLINAR EM DIREITOS HUMANOS


CIDADÃOS QUE FAZEM
A DIFERENÇA
Estudos Avançados e Formação SIGA - NOS
Rua Diogo Botelho, 1327 | 4169-005 Porto
formacao.avancada@porto.ucp.pt
22 619 62 02 / 43
www.direito.porto.ucp.pt
18 • Público • Domingo, 10 de Março de 2019

ECONOMIA

“Mais dia, menos dia,


NUNO FERREIRA MONTEIRO

No ano passado
fecharam 70
estações dos CTT
em todo o país por
causa do plano de
reestruturação da
empresa. Em
muitos casos, os
serviços passaram
para as câmaras
municipais, lojas,
como papelarias e
até uma Åorista,
como, por exemplo,
em Arraiolos.
Os moradores, em
alguns locais,
Arraiolos “O que é prioritário? Os familiares Alvaiázere “Está
desÄam queixas do defunto ou os utentes dos CTT?”
mas também
conseguem Jacinto Barbeiro, que reside fora da O autarca é peremptório na defunto ou os utentes dos CTT?”, Até Outubro, o serviço dos correios
sede do concelho, chegou a avaliação que faz: “[O serviço] tem realçou ao PÚBLICO um dirigente de Alvaiázere funcionava no
encontrar Arraiolos para tratar de “uns sofrido uma quebra signiÆcativa na do Sindicato Nacional dos rés-do-chão de um edifício de dois
vantagens. assuntos” nos correios, mas “não
sabia que tinham fechado”. “Era
sua qualidade, não assegurando,
muitas vezes, patamares mínimos.”
Trabalhadores dos Correios e
Telecomunicações, que pediu para
pisos, propriedade dos CTT. O
imóvel Æca a curta distância do
Os CTT foram onde eu mandava umas coisitas A câmara chega a estar “dias sem não ser identiÆcado. tribunal, que está de portas
para a minha Ælha que mora na receber correio, o que é impensável Ana Russo, proprietária da fechadas há bem mais tempo.
privatizados a 100% Baixa da Banheira e recebia a minha no caso de uma autarquia”, refere. Çorista, adiantou ao PÚBLICO que “Tinham uma casa boa”, introduz
reforma”, disse, interrogando-se Não é um caso isolado. Os o respectivo contrato de concessão António Gonçalves, 67 anos e
em 2014, sendo que sobre o local onde o poderia fazer. O protestos das populações de vários “ainda não está assinado”, ainda reformado, naquela que é a
o actual contrato PÚBLICO indicou-lhe a Rua da
Misericórdia. “Está tudo a acabar”,
concelhos do Norte, Centro e Baixo
Alentejo, têm sido expressos de
estão a decorrer negociações com
a administração dos CTT. “Se eles
expressão mais simpática que vai
utilizar para se referir ao serviço da
termina em reagiu num misto de ironia e várias formas (manifestações, insistirem em atribuir-me o valor empresa postal naquele concelho
desagrado Jacinto Barbeiro. moções e apelos ao inicial que me ofereceram, não do Norte de Leiria.
Dezembro de 2020. São os idosos os que mais se primeiro-ministro e Presidente da quero o posto dos CTT nem mais Desde o Ænal de 2018 que a
PCP, BE e uma parte ressentem das alterações
efectuadas nos serviços dos CTT.
República), para que seja travado o
processo de encerramento dos
um dia na minha loja.” A verba
que foi proposta “só dá para
estação está encerrada. O serviço
dos CTT passou a ser assegurado
do PS não desistem Nalguns casos são forçados a serviços dos CTT e que seja aquecer. E para me aquecer pela Papelaria Alternativa, num
percorrer dezenas de quilómetros revogada a concessão e reassumido preÆro fazer lume”, ironiza a prédio de habitação com serviços
de tentar para receber as reformas e o serviço público. proprietária do estabelecimento no piso térreo. Para se aceder ao
pensões. O serviço público de A mais recente movimentação Ana Florista. interior do estabelecimento há um
renacionalizar correios “conÆgura uma ocorreu em Arraiolos, que tem uma Na localidade, é patente o obstáculo de dois degraus, embora
a empresa no necessidade primordial das
populações, acentuada no Baixo
população residente de cerca de
7300 habitantes. A estação dos CTT
desconforto por outra razão de
fundo. “Arraiolos, mais dia, menos
ao lado da porta a proprietária
tenha instalado uma pega para
futuro próximo Alentejo, marcado por uma baixa fechou a 30 de Dezembro e a partir dia, não tem nada. O banco já ajudar a subir.
densidade demográÆca, por do dia 2 de Janeiro, o serviço passou fechou e agora já se fala que Esse não é o único reparo de
cidadãos de baixa escolaridade e para uma Çorista, que faz arranjos também vão encerrar o serviço de António Gonçalves, que vai das
idade avançada”, aÆrma ao para casamentos, baptizados e Finanças”, queixa-se uma dimensões do espaço à pouca
PÚBLICO o presidente da Câmara funerais. “Se houver um funeral o moradora em Arraiolos. privacidade. “Custa-me um bocado,
de Aljustrel, Nelson Brito (PS). que é prioritário? Os familiares do Carlos Dias mas temos de engolir”, conclui. O
Público • Domingo, 10 de Março de 2019 • 19

não temos nada”


ADRIANO MIRANDA PAULO PIMENTA

a ir-se tudo embora” Mondim de Basto “O horário ajuda.


Já cheguei a vir aqui ao sábado”
pior, comenta, ao lado, Jacinto Natal, quando o negócio postal tem Há uma casa na vila de Mondim de consignação e uma comissão por Na manhã de sexta-feira, entre as
Henriques, de 70 anos e também um pico. O acordo com a empresa Basto onde as portas estão ainda cada venda, numa estreita 10h e as 11h, a papelaria atendeu,
reformado, é que “está a ir-se tudo implica que a papelaria Æque com contornadas a vermelho. Mas a articulação com o posto de Celorico pelo menos, quatro clientes. E o
embora”. António Gonçalves uma percentagem que varia palavra “Correios” já lá não está, de Basto, uma vila também sede de horário é algo que agrada na nova
completa: “Uma pessoa que consoante os produtos, à qual se indicando precisamente o concelho, a cerca de 10 quilómetros. versão do serviço postal. “Nunca
estudou, como é que vai fazer a vida somam comissões. desaparecimento dos serviços que “Temos contacto diário com estive à espera para nada. O horário
dela? Não é aqui.” A presidente da Câmara de aí se prestavam. Os pouco mais de 7 Celorico e com os carteiros. Os ajuda. Já cheguei a vir aqui ao
O que aconteceu em Alvaiázere, Alvaiázere, Célia Marques, lamenta mil habitantes do concelho têm funcionários da loja dão-nos todo o sábado”, disse Osvaldo Oliveira,
embora tenha sido repentino, não que o processo tenha sido agora de recorrer a um outro local, apoio. Também temos tido antigo trabalhador da construção
acabou por ser surpreendente. “praticamente imediato”, sem a cerca de 500 metros do anterior. formação acerca de como prestar o civil, já reformado, que reside por
“Como vi na televisão tantas uma comunicação formal à A papelaria Letras & C.ª recebeu serviço”, disse. cima do antigo posto dos CTT.
[estações] a fechar, pensei que autarquia por parte dos CTT. Para o serviço em Maio, na sequência de Utilizado essencialmente para Mas nem todos os clientes são de
também havia de cair aqui”, refere. Célia Marques, o encerramento da um contacto dos CTT, e assumiu-o envio e recepção de cartas, tão perto. Maria de Conceição
Os dois homens conversam com estação num município com cerca exclusivamente a partir de Agosto, pagamento de contas mensais e Lopes, de 58 anos, vive na aldeia de
PÚBLICO em frente ao Café do de 7 mil habitantes é motivo de quanto o antigo posto fechou, levantamento dos vales das Agunchos, no concelho de Ribeira
Mercado, onde trabalha Catarina apreensão. “Sabemos que estes revelou ao PÚBLICO a proprietária reformas, a papelaria recebe cerca de Pena, mas aproveitou a ida a
Raquel, de 24 anos. A jovem territórios estão a Æcar cada vez do estabelecimento, Joana Araújo. de 30 clientes por dia, “em situação Mondim para enviar coisas para os
assinala que uma sede de concelho mais desertiÆcados. Se tem de Revestido por jornais, livros e muito normal”, e funciona melhor do que Ælhos que residem no estrangeiro. Já
deveria ter uma estação de haver um número mínimo de material escolar, sobretudo para o antigo posto na questão dos Ângelo Martins, da freguesia de
correios. Menciona também a utilizadores para que os serviços crianças, o espaço tem um balcão horários, já que funciona Ermelo, percorreu cerca de 20
privacidade. Num sítio onde muitos possam existir, começamos a Æcar apenas destinado ao serviço postal, ininterruptamente das 9h às 19h, à quilómetros para enviar um registo
idosos vão levantar as reformas, “as deveras preocupados com este separado do espaço para as semana, e ainda nas manhãs de a um cunhado que vive em Lisboa.
outras pessoas não têm de saber o cenário”, explica. restantes vendas, que, segundo a sábado e de domingo, sempre com Ambos elogiaram o funcionamento
valor”. Mas nem tudo mudou para pior, responsável, oferece os mesmos duas pessoas no atendimento. “O do serviço. “Há uns anos, estavam
Até agora, o negócio não vai mal, assinala Helena Geraldes. A serviços de uma estação própria, feedback das pessoas quanto a esse duas ou três pessoas no antigo
descreve Helena Geraldes, anterior estação dos CTT fechava com excepção dos produtos do aspecto é muito positivo. Quem não posto, mas ultimamente só estava
proprietária da Papelaria às 18h e só atendia de segunda a Banco CTT. pode cá passar durante a semana uma. Aqui consigo fazer o que fazia
Alternativa. A abertura de um sexta. Agora a papelaria fecha às A papelaria, explicou ainda, pode vir ao sábado levantar uma da mesma maneira”, disse o
balcão dos CTT na sua loja 19h e abre também ao sábado. recebe todos os materiais reforma ou fazer a expedição do agricultor, de 65 anos, enquanto era
permitiu-lhe apanhar o mês de Camilo Soldado necessários ao serviço à correio”, disse. atendido. Tiago Mendes Dias
20 • Público • Domingo, 10 de Março de 2019

MUNDO
Um país à espera de ser salvo
do falhanço pelas eleições
Guineenses votam em eleições impostas
de fora e esperando com elas encerrar um
longo ciclo de crise política. Analistas dão
vitória ao PAIGC, resta saber se
conseguirá governar sozinho
mana, antigo bastião do PAIGC que
Guiné-Bissau está agora em risco de perder para
Paulo Jorge Agostinho um novo partido, o Movimento Alter-
texto Paulo Cunha fotos nância Democrática (Madem), criado
pelos derrotados por Domingos
A Guiné-Bissau vai hoje a votos e Simões Pereira no congresso de
quem vai decidir a dimensão da Cacheu. Depois dessa assembleia do
vitória nestas legislativas são as maior partido do país, milhares de
zonas rurais de um país que olha militantes saíram e agora as tradicio-
para estas eleições como a última nais zonas mandingas estão em risco.
oportunidade para não se tornar Por isso, no Ænal da campanha,
um Estado falhado. Domingos Simões Pereira visitou o
A Madina Gambiel, junto ao rio local para assegurar a Ædelidade da
Cacheu, chega-se depois de muitos terra. No encontro, igual a tantos
quilómetros da estrada de asfalto. outros e com outros partidos, os líde-
Demba Baldé, que não sabe falar por- res locais apresentaram as queixas e
tuguês, é um dos nomes que vão deci- os políticos Æzeram promessas.
dir os resultados de domingo. Tem Domingos Simões Pereira falou
nas suas mãos 251 votos eleitorais, o numa estrada nova, mas Demba Bal-
número de eleitores recenseados da dé não acredita. “Já vieram [cá] mui-
tabanca (aldeia) de que é chefe. tos e todos dizem igual: uma estrada
“Aqui o voto é livre e o chefe da nova, uma escola”. Mas os pedidos do
tabanca recebe todos os candidatos e chefe local são mais simples: “Quere-
nunca diz em quem é que vota”, diz o mos apoio ao trabalhador e ao pesca-
irmão, Mamadou Baldé, 67 anos, dor, temos uma associação legalizada
autoproclamado “historiador” da ter- e queremos só ajuda para vendermos
ra e o seguinte na lista de sucessão. Já os nossos produtos fora daqui”.
Nin, de 17 anos, ainda não vota, mas
explica que não é bem assim. “O mais Isolamento e pobreza
velho ajuda nós a decidir e nós segui- O isolamento de Madina Gambiel é o
mos conselho do mais velho”, diz o retrato de um país retalhado por rios, Domingos
jovem, vestido com uma T-shirt do estradas sem manutenção e uma Simões
Sporting dos anos 80 do século passa- pobreza perpétua que Æxa as pessoas Pereira
do, quando a Guiné-Bissau ainda não à terra, numa economia de subsistên- (PAIGC, ao
sabia o que era a democracia. cia. “Quem nos traz produto da cida- centro da
Gaudêncio Bacai, da juventude do de, pede o preço que quer e nós paga- mesa), em
Partido Africano da Independência da mos. Não temos carro”, explica campanha em
Guiné-Bissau (PAIGC) também sabe Mamadou Baldé, o único da família Madina
que o voto nas zonas rurais é decidido que fala Çuentemente português e Gambiel, que
pelos líderes locais, como Demba Bal- que faz o registo diário de tudo quan- é o retrato do
dé. “Vimos quais foram as tabancas to se passa na terra. “Sei toda a histó- isolamento
onde tivemos menos votos e começá- ria da tabanca. Meu pai, Bacar Demba que fixa
mos a fazer trabalho de preparação, Baldé, criou a tabanca em 1977 e mor- as pessoas à
ver os problemas e preparar visitas. reu com 135 anos e deixou 46 netos e terra e à
Temos de ganhar aqui e vamos bisnetos”. economia de
ganhar” no país, diz o apoiante do Pai e Ælhos lutaram pelo exército subsistência
líder do PAIGC, Domingos Simões colonial português e, nos primeiros
Pereira, sujo de pó e visivelmente can- anos da independência, decidiram ir
sado de centenas de quilómetros por para o mato criar a sua própria comu-
caminhos e picadas, na caixa aberta nidade. “Não fomos propriamente
de uma carrinha que percorreu o país perseguidos [por ter combatido pelos
nestes 21 dias de campanha. portugueses], mas era mais fácil
Madina Gambiel é uma zona da irmos para uma nova tabanca”, expli-
etnia mandinga e de religião muçul- ca Mamadou Baldé.
Público • Domingo, 10 de Março de 2019 • 21

Domingos
Simões
Pereira
(PAIGC),
Alberto
Nambeia
(PSR) e Braima
Camará
(Madem)

religiosa da família de cada líder con-


ta no momento de votar.
Campanha marcada pela ostentação
“Geringonça”?
No Ænal, a grande questão é saber se e apresentação de programas
o PAIGC ganha com maioria absoluta
ou os dois outros grandes partidos —
Partido da Renovação Social (PRS) e
Madem — conseguem ter mais depu- A campanha eleitoral para as legisla- sentado no sentido de resgatar o país, segundo dados de 2015. “Num país
tados em conjunto, criando uma tivas de hoje na Guiné-Bissau, que tirar o país do marasmo em que tem pobre, onde as pessoas vivem diÆcul-
“’geringonça’ à guineense”, com o terminou na sexta-feira, foi marcada vivido durante estes anos e propor dades imensas, fazer campanhas
patrocínio do Presidente, José Mário pela ostentação de meios, mas tam- um programa de desenvolvimento”, políticas milionárias durante 21 dias
Vaz, o homem que Domingos Simões bém pela apresentação de programas disse Domingos Simões Pereira. é preocupante, porque alguém terá
Pereira não perdoa. eleitorais por todos os partidos. Já a segunda maior força política hipotecado qualquer coisa que
“O Presidente não está a ajudar a “Há uma coisa diferente em rela- do país, o Partido de Renovação depois os guineenses terão de vir a
democracia e apoia quem não queria ção às campanhas passadas, pratica- Social (PRS) apresentou o “Lantanda pagar e a grande verdade é que é pre-
as eleições”, explica o líder do PAIGC, mente todos os partidos têm-se cin- Guiné” (Reerguer a Guiné), que pre- ciso fazer passar esta mensagem”,
demitido de primeiro-ministro em gido aos programas, houve uma vê reformas desde a saúde à educa- disse Agnelo Regala, líder da União
2015, apesar de o seu partido ter a interacção entre partidos e eleitores ção, passando pelos recursos natu- para a Mudança, também candidato
maioria absoluta no Parlamento. para tentar convencê-los a votar nos rais, justiça e Constituição da Repú- às legislativas.
Agora, foi a comunidade internacio- seus projectos políticos, que é muito blica. A crítica foi feita por mais forma-
nal que impôs as eleições, sob pena bom. É uma inovação que a campa- O povo guineense “quer mudan- ções políticas, de menor dimensão,
de novas sanções além das que já nha trouxe”, disse o analista político ças”, aÆrmou Alberto Nambeia, pre- mas também pela sociedade civil.
estão em vigor para quem colaborou guineense Rui Jorge Semedo. sidente do PRS. “Do ponto de vista da estratégia
com a instabilidade militar dos últi- Durante as três semanas da cam- E são mudanças ou reformas, as para a mobilização dos eleitores,
mos anos e com o tráÆco de droga, panha, os partidos apresentaram os principais promessas apresentadas acho que o país fez uma das campa-
que transformou o país num narco- programas de Governo ao eleitorado pelos partidos políticos guineenses, nhas mais caras da sua recente histó-
estado entre 2012 e 2014, segundo e participaram numa iniciativa iné- que defendem, quase todos, uma ria”, aÆrmou à Lusa Rui Jorge Seme-
relatórios internacionais. dita de uma rádio de Bissau que pôs refundação do Estado. do, manifestando a sua preocupação
O discurso tribal e étnico na Guiné- os candidatos a deputados a respon- Com 1,8 milhões de habitantes, a porque o Estado da Guiné-Bissau é
Bissau chegou à política nos últimos derem a perguntas da população. Guiné-Bissau é um dos países mais “incapaz de fazer alguns investimen-
20 anos, com o nascimento do PRS de O Partido Africano para a Indepen- pobres, com 67% da população a tos”.
Kumba Ialá, o líder dos balantas, uma dência da Guiné e Cabo Verde viver abaixo do limiar da pobreza, Hoje, a Guiné-Bissau volta a esco-
das etnias maiores do país e normal- (PAIGC) regressou com o “Terra lher novos representantes na

67%
mente associada às Forças Armadas. Arranca”, um programa já apresen- Assembleia Popular, cinco anos
Ali, a poucos quilómetros de Madi- tado em 2014, mas que se viu na depois de, em Abril de 2014, ter rea-
na Gambiel, é “chão balanta”, onde o impossibilidade de cumprir depois lizado legislativas e presidenciais,
PRS ganha quase todos os lugares. do primeiro-ministro, Domingos na sequência de um golpe de Estado
Mas aqui o chão é mais “misturado”, Simões Pereira, ter sido demitido em em 2012.
reconhece Gaudêncio Bacai. Este 2015 pelo chefe de Estado guineense, dos 1,8 milhões de habitantes da Se as eleições de 2014 signiÆcaram
A aldeia é composta por meia dúzia jovem, do PAIGC, quer “ser político e José Mário Vaz. Guiné-Bissau vive abaixo do uma esperança de desenvolvimento
de palhotas grandes onde todos dor- útil ao desenvolvimento do país” e diz “O programa do PAIGC é o único limiar da pobreza, segundo e estabilidade para o país, rapida-
mem e é o rio que mata a fome de que é nestes locais que se vai decidir programa credível, sério, que é apre- dados de 2015 mente as expectativas se dissiparam
muitos. A uma centena de quilóme- a dimensão da vitória do seu partido, com o início de uma grave crise polí-
tros de Bissau, Madina Gambiel está algo que analistas e observadores dão tica em 2015.
bloqueada no tempo e os jovens, sem como certa. Durante aquele período, a Guiné-
trabalho e qualiÆcações, repetem a Já Njinin Baldé, de 22 anos, prefere Bissau teve seis primeiros-ministros
vida dos pais e dos avós. “Só temos votar no novo partido liderado por e o parlamento nacional esteve
escola até quarta classe” e, “na histó- Braima Camará porque o “Madem é encerrado. A grave crise levou à
ria da tabanca”, só “12 pessoas com- dos mandingas”. Mas vota onde o intervenção e mediação da Comuni-
pletaram o 12.º ano” e há apenas um “mais velho” quiser. “Ele diz, e nós dade Económica dos Estados da Áfri-
licenciado: “um médico, que teve votamos na urna”. ca Ocidental, que ameaçou impor
ajuda de um casal de Bissau”, diz Mas em Madina Gambiel, “terra sanções a quem criasse obstáculos
Mamadou Baldé. sem luz, sem estrada e só com água ao processo eleitoral.
Nas tabancas, todos os partidos do rio” como diz Mamadou Baldé, a Para o politólogo guineense Rui
falam contra as divisões étnicas e tri- grande política do país não interessa. Landim, a Guiné-Bissau está cada vez
bais que acentuam a tensão no país. As questões são mais concretas e mais mais a “progredir na grande regres-
Madina Gambiel não é excepção. simples. “Se não há emprego, não há são e o país afunda-se”.
Domingos Simões Pereira pede futuro para tabanca e para juventude. “A Guiné-Bissau está perante uma
para não acreditarem nos “discursos E isto vai morrer tudo sem futuro”, situação em que tem de ter uma
do ódio e dos clãs” e recorda a sua diz o historiador da aldeia. opção clara, ou sobrevive como país
ligação ao islamismo, apesar de ser ou desaparece. Estas eleições são
católico. Todas as ligações pessoais, Lusa / Serviço especial para determinantes para o futuro”, salien-
todas as amizades, a história étnica e o PÚBLICO As eleições de hoje são “determinantes para a Guiné-Bissau” tou. Lusa
22 • Público • Domingo, 10 de Março de 2019

MUNDO
STEPHANIE LECOCQ/EPA

Actividade em base
norte-coreana
sugere preparação
para novo teste Breves
tares norte-coreanos surgem após o
Ásia falhanço diplomático da cimeira de Turquia
João Ruela Ribeiro Hanói, entre Kim e o Presidente dos
EUA, Donald Trump. O encontro ter-
Polícia prende
Imagens de satélite minou mais cedo do que o previsto activistas em greve
mostram actividade na base sem a assinatura de uma declaração
conjunta. Segundo a Casa Branca, a
de fome por Öcalan
onde são montados mísseis insistência de Kim em obter garantias A polícia turca prendeu sete
e satélites. Não se sabe ao de um alívio das sanções a curto pra- Michel Barnier foi acusado de falta de sensibilidade pelo DUP pessoas e provocou estragos
certo o que está Kim a fazer zo tornou impossível um acordo. numa das principais sedes do

Imagens obtidas por satélite apresen-


tam indícios de que a Coreia do Norte
Um novo teste por parte da Coreia
do Norte iria fazer descarrilar deÆni-
tivamente o processo diplomático em
Que jogo está Partido Democrático dos
Povos (HDP), terceira força
política do Parlamento. A três
pode estar a fazer preparativos para
lançar um satélite espacial ou um mís-
sil. Washington já avisou que qual-
curso, estimam os analistas. Desde
Novembro de 2017 que o regime sus-
pendeu os testes balísticos e nuclea-
Barnier a fazer, semanas das eleições
municipais, um contingente
policial entrou na sede do HDP
quer novo teste irá quebrar o clima
de reaproximação do último ano.
As imagens foram captadas a 22 de
res para abrir caminho ao diálogo
com Seul e Washington.
Trump disse esta semana que Æca-
pergunta Londres em Diyarbakir, a capital das
regiões curdas da Turquia, e
deteve sete pessoas que
Fevereiro e mostram uma intensiÆca- ria “muito desapontado” caso Kim estavam em greve de fome em
ção de actividade na base de decidisse voltar a fazer testes. Mesmo protesto contra o isolamento a
Sanumdong, onde o regime norte- a possibilidade de o regime tentar dos a votarem contra o texto negocia- que está submetido há vários
coreano monta a maioria dos seus fazer um lançamento espacial, de Brexit do entre May e Barnier. anos Abdullah Öcalan,
mísseis e satélites espaciais. Nas foto- cariz civil, mas cuja tecnologia é A União Europeia “tem de fazer fundador do Partido dos
graÆas, publicadas pela National semelhante à usada pelos mísseis May pediu concessões uma escolha”, disse May. “As decisões Trabalhadores do Curdistão
Public Radio (NPR, a rádio pública balísticos, seria mal recebida em que a União Europeia Æzer nos próxi- (PKK), a guerrilha turco-curda.
norte-americana), é possível ver
de última hora, mas em Segundo Musa Farisogullari,
Washington. “O lançamento de um mos dias terão um grande impacto no
camiões, carros, duas gruas e vagões veículo espacial seria inconsistente Bruxelas diz-se não. resultado da votação”, disse May, deputado do partido, a polícia
em caminhos-de-ferro. com os compromissos feitos pelos As relações entre a UE e o pondo a pressão sobre Bruxelas. “partiu portas e vidros” e
“Quando se junta tudo, é isto que norte-coreanos”, disse na sexta-feira Reino Unido deterioram-se Respondendo a May, Barnier foi causou outros estragos.
parece quando a Coreia do Norte está um responsável do Departamento de claro — a alternativa é voltar à pro-
no processo de construir um míssil”, Estado, citado pela NPR. A primeira-ministra britânica, There- posta inicial para a fronteira na Irlan-
disse o especialista em não prolifera- Uma hipótese, avançada pela cor- sa May, pode estar a caminho de uma da, um backstop apenas para a fron- Diplomacia
ção nuclear Jeèrey Lewis, depois de
analisar as imagens.
respondente da BBC em Seul, é a de
que Pyongyang esteja apenas a tentar
segunda derrota quando voltar a
apresentar para votação em West-
teira da Irlanda do Norte, o que na
prática signiÆca uma fronteira aber-
Bolsonaro vai à Casa
Porém, aquilo que é possível veri- testar os EUA, fornecendo sinais de minster a sua proposta para o “Bre- ta e a província do Reino Unido Branca discutir
Æcar não permite concluir se Kim
Jong-un está a organizar o lançamen-
que se prepara para um novo lança-
mento, para pressionar a Administra-
xit”, depois de o negociador da União
Europeia, Michel Barnier, ter rejeita-
debaixo das regras de Bruxelas, o
que May rejeita.
Venezuela e defesa
to de um míssil intercontinental ou ção Trump a oferecer um novo acor- do fazer concessões de última hora “A União Europeia compromete-se A cooperação económica e a
de um satélite espacial civil. do a Æm de evitar o teste. ao acordo. em dar ao Reino Unido a opção de crise política na Venezuela
Imagens mais recentes, obtidas na A escassos 18 dias do “Brexit” sair da união aduaneira unilateral- vão marcar a agenda do
sexta-feira por outra empresa, indi- joao.ruela@publico.pt (marcado para 29 de Março), e nas mente, enquanto os outros elementos encontro entre os presidentes
cam que a actividade dos veículos vésperas da votação deÆnitiva sobre do backstop são mantidos para evitar do Brasil, Jair Bolsonaro, e dos
cessou, diz a NPR. “Posso dizer que o o acordo no Parlamento de Londres, uma fronteira rígida. O Reino Unido Estados Unidos, Donald
comboio saiu da estação, mas não na terça-feira, as relações entre Lon- não é forçado a permanecer na união Trump,no dia 19 de Março na
posso usar visão de raio-X para ver o dres e Bruxelas parecem estar a dete- aduaneira contra a sua vontade”, Casa Branca. “O Presidente
que está dentro do comboio e saber riorar-se — ainda que as negociações escreveu Barnier no Twitter na sexta- Trump e o Presidente
se se trata de um veículo de lança- prossigam este Æm-de-semana. feira ao Æm da tarde. Bolsonaro vão discutir formas
mento espacial civil ou um ICBM Sinal deste ambiente foi a pergunta O backstop só para a Irlanda do de construir um hemisfério
[míssil balístico intercontinental]”, que a deputada do Partido Conserva- Norte, rejeitado por Londres, voltou ocidental mais próspero,
disse a analista do One Earth Future dor (o de May) Andrea Leadsom fez a ser criticado pelo DUP — o partido seguro e democrático. Os
Foundation, Melissa Hanham. ontem: “Ainda há esperança, mas unionista que sustenta com os seus líderes das duas maiores
Esta semana, outras imagens tam- tenho de dizer que estou muito desa- deputados o Governo de May no Par- economias do hemisfério irão
bém obtidas por satélite mostraram pontada com o que estamos a ouvir lamento de Londres —, que aÆrma também discutir
que a Coreia do Norte iniciou recons- da UE. Tenho de perguntar que espé- que esta opção separa de facto a Irlan- oportunidades de cooperação
truções noutra base muito usada para cie de jogo estão eles a fazer.” da do Norte do resto do Reino Unido. de defesa”, diz o comunicado
o lançamento de satélites espaciais. Na sexta-feira, May pediu à UE para Um dos líderes do partido, Nigel da Casa Branca a anunciar a
Kim tinha começado a desmantelar a fazer novas concessões sobre a fron- Dodds, também questionou o posi- visita. Bolsonaro, que é um
base de Sohae no ano passado, como teira na Irlanda, o ponto mais polémi- cionamento de Barnier depois dos admirador de Trump, disse
parte do processo de reaproximação co do acordo devido à cláusula conhe- tweets do negociador europeu: “Isto em Janeiro que não punha de
diplomática com a Coreia do Sul e cida por backstop, o mecanismo de não é nem realista nem sensível da parte a possibilidade de ver
com os EUA. salvaguarda, exigido por Bruxelas, parte de Barnier. Desrespeita a inte- instalada uma base militar dos
Os indícios de renovada actividade Kim Jong-un quer um alívio para evitar uma fronteira física na ilha gridade constitucional e económica EUA no Brasil.
nas bases usadas para os testes mili- das sanções a curto prazo irlandesa e que levou muitos deputa- do Reino Unido.”
Público • Domingo, 10 de Março de 2019 • 23

MUNDO

Sem luz, sem hospitais e com fome,


venezuelanos regressam às ruas
A Venezuela continuou quase toda às escuras pelo terceiro dia consecutivo. Maduro insiste na tese
da sabotagem. Manifestação da oposição convocada por Guaidó reprimida pela polícia em Caracas
CARLOS GARCIA RAWLINS/REUTERS
custo humano da crise energética
América Latina actual possa ser elevado.
João Ruela Ribeiro Num país que tem também sido
assolado pela escassez de bens ali-
As forças de segurança venezuela- mentares, a conservação de bens
nas responderam com gás pimenta perecíveis está em causa. Foi o que
a uma manifestação convocada pela aconteceu a Lilia Trocel, uma ven-
oposição em Caracas e impediram dedora de 58 anos, que participava
a marcha de seguir para a avenida na manifestação contra Maduro em
da capital onde estava previsto Caracas. “Os polícias abusam de
haver ontem uma concentração. A nós, apesar de sofrerem a mesma
maior parte do país continua sem calamidade”, disse à Reuters. A
electricidade e há fortes receios de insegurança quotidiana nas grandes
que os serviços de saúde estejam cidades corre também o risco de se
perto do colapso. agudizar com a ausência de ilumi-
O presidente da Assembleia Nacio- nação.
nal, Juan Guaidó, que é reconhecido Anos de desinvestimento na
por dezenas de países como presi- modernização da rede de produção
dente interino, tinha convocado e distribuição de energia eléctrica
manifestações em todo o país para tornaram comuns os apagões na
ontem em mais um protesto contra Venezuela. A crise em curso tem
o regime de Nicolás Maduro — que a origem na central hidroeléctrica de
oposição acusa de estar a “usurpar” Guri, a maior do país, construída há
o cargo. Em Caracas, foi mobilizado mais de 40 anos e símbolo da degra-
um forte contingente da Polícia dação das infra-estruturas nacio-
Nacional Bolivariana que impediu as nais, que desde 2010 tem sofrido
centenas de manifestantes de chegar várias avarias. “Porém, este é o
à Avenida Victoria, uma das princi- colapso de maior escala, não só
pais artérias da capital, e onde se falhou Guri, mas também os siste-
esperava que Guaidó discursasse. mas alternativos”, explicou ao El
A polícia recorreu ao gás pimenta País o analista da consultora IHS,
para dispersar a manifestação, A polícia impediu a progressão da manifestação contra Maduro em Caracas Diego Moya-Ocampo. “Simplesmen-
numa das repressões mais muscu- te não se está a gerar [energia] suÆ#
ladas das forças de segurança pró- sos recursos naturais, intensiÆca as sofre pelas más condições de traba- ciente para poder suprir a procura”,
governamentais desde que em suas agressões brutais contra a lho e pela escassez de medicamen- acrescentou.
Janeiro começou a recente onda de pátria, juntamo-nos com Ærmeza tos. O improviso acabou por ditar a A centralização da gestão energé-
manifestações oposicionistas. para defender a nossa terra e gritar forma de contornar a falta de elec- tica na empresa pública Corpoelec,
Durante a madrugada, a polícia com força: Yankee, go home! Somos tricidade, com as luzes dos telemó- “um elefante gigantesco”, nas pala-
metropolitana tinha desmontado o
palco montado pelos organizadores
Tem sido muito anti-imperialistas!”, aÆrmou Madu-
ro numa publicação no Twitter.
veis a serem usadas para iluminar
procedimentos.
vras do professor da Universidade
Central da Venezuela, Leonardo
da manifestação que ia servir de complicado falar Dos 40 hospitais contactados pela Vera ao El País, também veio criar
ponto de encontro e deteve os dois com os médicos À luz de telemóveis associação Médicos pela Saúde, ape- problemas, apesar de se terem cons-
motoristas que conduziam os A delicada situação na Venezuela nas 23 responderam, e desses, 12 não truído várias centrais eléctricas,
camiões com o material, segundo o porque as — onde a par da crise política se vive tinham geradores em funcionamen- muitas das quais continuam sem
jornal venezuelano El Nacional.
Guaidó encorajou os seus apoian-
comunicações uma profunda crise económica —
complicou-se nos últimos dias com
to, diz o El País. “Tem sido muito
complicado falar com os médicos
funcionar. “Corrupção, projectos
inacabados por falta de recursos ou
tes a não baixarem os braços e pediu estão a falhar uma falha de electricidade que atin- porque as comunicações estão a cálculos errados sobre os recursos
para que mantivessem a mobiliza- Julio Castro ge praticamente todo o território falhar”, dizia ao mesmo jornal Julio em falta, improvisação ou pressão
ção e a pressão sobre Maduro. “Não Membro dos Médicos pela Saúde desde quinta-feira. Durante a noite Castro, membro da organização. de burocratas cubanos sobre o dese-
nos vão tirar das ruas até alcançar- de sexta-feira, a energia regressou O Inquérito Nacional de Hospi- nho do sistema”, são as razões
mos a nossa liberdade”, aÆrmou o a alguns locais, mas poucas horas tais, feito pela Médicos pela Saúde, apontadas por Vera.
líder da oposição. depois o país voltou a Æcar quase calculou que entre 16 de Novembro O Governo de Maduro insiste, no
O regime convocou também totalmente às escuras. A maior par- do ano passado e 9 de Fevereiro entanto, na tese de que tudo não
manifestações de apoio a Maduro te das cidades preparava-se para morreram 79 pessoas nos principais passa de actos de “sabotagem” a
contra o que o Presidente diz ser uma terceira noite consecutiva sem hospitais do país por causa dos cor- mando do Presidente norte-ameri-
uma tentativa de desestabilização electricidade. tes de electricidade. Nas redes cano, Donald Trump, para desesta-
orquestrada pelos EUA. “Hoje, Uma das situações mais preocu- sociais circulavam já alguns balan- bilizar a Venezuela.
quando o império dos EUA, no seu pantes é o impacto do apagão nos ços provisórios, embora sem conÆr-
desespero por deitar a mão nos nos- hospitais, cujo funcionamento já mação oÆcial, mas teme-se que o joao.ruela@publico.pt
24 • Público • Domingo, 10 de Março de 2019

CULTURA
As guitarras de Amadeo deram
uma guitarra que foi a Tóquio
Adriano Sérgio foi um dos construtores
de guitarra convidados para a edição da
Feira de Arte de Tóquio. Foi a primeira vez
que construtores de guitarras puderam
mostrar o seu ofício em tal certame
uma guitarra acústica de ácer que
Música “veio de um tipo romeno louco que
Rodrigo Nogueira texto apareceu há uns anos de carro, tinha
Miguel Manso fotografia uma encomenda de uma escola de
guitarras em Espanha mas chegou
A guitarra é esverdeada, em mogno lá e tinha sido cancelada, depois
das Honduras, inspirada nas guitar- andou a guiar pela Europa à procura
ras recorrentes na pintura de Ama- de construtores para vender”. A pró-
deo de Souza Cardoso, cujo cente- pria construção é uma adaptação a
nário da morte foi assinalado no ano assinatura, em forma de guitarra,
passado. Chama-se Amarante. De com que marca todas as criações
Souza Cardoso e está cheia de deta- da Andy Manson Custom Guitars.
lhes e referências ao pintor, como A parte mais estranha: há apenas
janelas ou o auto-retrato que ele dez anos, ao contrário do colega,
fazia. O seu autor, Adriano Sérgio, Adriano Sérgio, 52 anos, ainda nem
levou-a à Feira Internacional de Arte sequer era luthier. Só em 2014 é
de Tóquio, que acaba hoje. Foi a pri- que fundou a Ergon, mas não come-
meira vez que construtores de gui- çou propriamente do zero. Adriano
tarras tiveram a oportunidade de Sérgio é alguém que aprende rápi-
mostrar o seu ofício em tal certame. do, mas isto requer bases. Aos seis
Adriano foi um dos nove contempla- anos, quando estava a crescer em
dos. Paris, “ao lado do Louvre”, Ælho de
E isso esteve quase para não acon- imigrantes portugueses que se tor-
tecer. “Quase cancelaram há dois naram porteiros, os pais oferece-
meses. O responsável, à última hora, ram-lhe uma caixa de ferramentas
já com os voos marcados e tudo, — ainda hoje usa a marreta dos anos
começou a questionar-se sobre se 1970. Em adolescente, deram-lhe o
guitarras seriam ou não arte”, expli- braço de um baixo e ele construiu
ca ao PÚBLICO. Era suposto serem o resto.
mais do que nove luthier. “Houve Em adulto, essa faceta manteve- ColdÆnger, teve os Cães de Crómio, e indescritível”, conta. Nesse dia,
um compromisso”, conta o colega se. Tinha duas oÆcinas chamadas os Red Nose, actuou com Três Tris- disse aos colegas: “Vamos fazer o
britânico Andy Manson, que tem Guitar Rehab, uma em Loures e tes Tigres, Ithaka e Mesa, entre que fazemos na sala de ensaio”. Eles
mais de 40 anos de carreira (foi ele outra Londres — ainda mantém a outros nomes — chegou a tocar com disseram que não. Ele avançou na
quem construiu a famosa guitarra/ primeira, entretanto desistiu segun- a banda de Marco Paulo, uma expe- mesma, o que obrigou os parceiros
bandolim de três braços de Jimmy da — e era técnico de guitarras e de riência pouco feliz —, mas desistiu de banda a continuar. “Não tiveram
Page dos Led Zeppelin, por exem- Há uns anos, palco, percorrendo o mundo a quando percebeu que não era “bom coragem de me parar”, comenta.
plo) e vive há quase uma década no resolver problemas e a certiÆcar-se o suÆciente para tocar a música dou- “De repente, vi muitos daqueles
nosso país, tendo uma oÆcina mon- meti-me a fazer de que os concertos de inúmeras tras pessoas só como executante”, milhares de pessoas a desfrutar de
tada em Mortágua, Viseu. uma escultura com bandas corriam bem. Não era do como um músico de estúdio. Garan- uma coisa que nunca tinham ouvido
Estão a falar, e a mostrar os instru- metal, mas um convite dos Moons- te, contudo, que mesmo desta lista, na vida. Estava a tocar e pensei ‘se
mentos que levaram para Tóquio, o meu meio, pell desencadeou uma série de os projectos mencionados que não eu não tiver isto, como músico, não
no dia antes de partirem na LX Fac- construir acontecimentos que o Æzeram per- eram da responsabilidade dele lhe quero tocar’.”
tory, em Lisboa. Manson continua: correr o mundo com artistas como davam prazer. E foi aí que percebeu que, em Por-
“Aparentemente, reduziram a nossa guitarras, para Kreator, Cannibal Corpse, Napalm O construtor de guitarras lembra- tugal, era difícil ter isso constante-
exposição. Não sei bem o que acon- fazer uma pessoa Death, DragonForce, Dimmu Borgir, se do dia exacto em que quis deixar mente. “Optei por fazer uma carrei-
teceu, mas o resultado é que uma Cradle of Filth, Anthrax, Type O de ser músico proÆssional a tempo ra técnica e só tocar a música que
parte da exposição estará na feira de de tamanho real, Negative, Machine Head ou Ozzy inteiro. Estava no Festival Paredes queria” e “não era bom o suÆciente
artes e outra numa loja de guitar- uma sereia com Osbourne. E ganhou um respeito e de Coura, em 2002, a tocar com ao fazer aquilo que não gostava de
ras”, com alguma rotatividade, entre gosto pelo género. ColdÆnger, a banda a que pertencia, fazer”, explica. Fez 46 espectáculos
a feira em si e a Yamano-Music de um braço de num dia em que os cabeças de car- em 46 dias com os Moonspell e,
Ginza, uma zona da cidade. guitarra. Era arte? “Sem isto, não quero tocar” taz eram os Morcheeba. “Nos depois de um ano sem nenhum con-
Andy Manson leva, na cabina do Antes disso, foi mergulhador da ensaios, antes de começar, improvi- vite, num dia em que estava a tocar
avião — assegura que nunca teve pro- Amadeu Sérgio marinha e depois músico, um bai- sávamos sempre à volta de umas com os Lisbon City Rockers, rece-
blemas de transporte —, Cadência, Músico e luthier xista requisitado que pertenceu aos bases, dava-me um prazer enorme beu uma chamada a convidá-lo para
Público • Domingo, 10 de Março de 2019 • 25

2002
Adriano Sérgio
e Andy Manson
a mostrarem
as guitarras que
levaram a Tóquio, Foi no Festival de Paredes de
na véspera da Coura de 2002 que Adriano
partida (na Lx Sérgio quis deixar de ser músico
Factory, em profissional a tempo inteiro
Lisboa)

uma digressão de Kreator, a banda começar a fazer guitarras acústicas “Passei anos a ir a espectáculos e deste ano com uma demonstração
alemã de thrash metal, e Cannibal em breve e guardar uma para ele. feiras de guitarras, na maioria can- de um guitarrista famoso e dará um
Corpse, os nova-iorquinos do death Cada vez que completa uma guitar- sas-te, é a mesma velha história Ælme de Luís Filipe Rocha.
metal. Iam tocar ao Hard Club, no ra, que demora entre quatro e cinco vezes e vezes sem conta. Há muito E a questão do reticente organiza-
Porto, tinham despedido o técnico semanas, toca um bocado para tes- tempo que ando a pensar que que- dor, sobre se o que eles fazem é ou
de guitarra em França, e precisavam tar e, apesar de achar que toca “mal” ria ir para outra área diferente de só não arte? “No meu dicionário, a pri-
de alguém. “Não disse nada aos Quase cancelaram esse instrumento, está com cada vez fazer guitarras e bandolins normais. meira deÆnição de ‘arte’ é ‘habilida-
outros músicos, Æz o concerto, aca- há dois meses. mais vontade de tocar, seja guitarra Não é como se estivesse aborrecido, de’. Há uns anos, meti-me num pro-
bámos e disse que me ia embora”, ou baixo. “Há qualquer coisa que mas não me sentia tão desaÆado. jecto, fazer uma escultura com o
partilha. A sua esposa levou-o ao O responsável, me diz que tenho de tocar mais”, Depois veio isto e outro projecto meu meio, construir guitarras, para
Porto. “Fiz o concerto e a partir daí à última hora, já prossegue, “o Andy toca e tem um com o Adriano, que é igualmente fazer uma pessoa de tamanho real,
nunca mais acabou. No espaço de grupo de amigos que se encontram paralelo ao percurso normal, e acho uma sereia com um braço de guitar-
dois anos estava fora de casa de 10 com os voos semanalmente em Mortágua, já me que as minhas preces foram respon- ra. Era arte? Para mim, o produto
a 11 meses. Isto durou até há dois marcados e tudo, comprometi a ir lá de uma em uma didas”. Ænal não interessa, é a transforma-
anos”, resume. ou duas em duas semanas desfrutar Esse projecto é o Guitar Barrel ção e a experiência que tens enquan-
começou a de tocar música só por prazer, mas Project, que surgiu quando, por to estás a trabalhar na peça”, conta
A arte de ir a Tóquio questionar-se ainda não aconteceu”. mero acaso, Adriano descobriu em Andy Manson.
A música, essa, não o abandonou. O convite para a Feira de Arte de Santarém barricas antigas de vinho O colega português continua:
“Cada vez vou tocando mais, neste sobre se guitarras Tóquio foi inesperado para ambos que terão pertencido ao Marquês de “Não posso dizer que sou um artista,
momento na minha oÆcina tenho o seriam ou não arte os representantes que vivem em Pombal. Eles os dois e mais luthiers mesmo se o pensar Æco desconfor-
meu contrabaixo e um baixo eléctri- Portugal. Foi um convite inespera- — quatro dos envolvidos vão a tável. Há quem diga que sou, cabe
co para poder tocar quando sentir Andy Manson do para ambos. “Não conseguia Tóquio — farão guitarras a partir do às outras pessoas pensar no que
falta”, conta. Não são criações dele: Luthier britânico, autor da célebre acreditar, comecei a chorar”, expli- mogno dessas barricas, numa cola- fazes”. No Æm, “será o público da
como trabalha por pedidos e enco- guitarra de Jimmy Page, dos Led ca Adriano Sérgio. Já Andy Manson boração com a Villa Oeiras. O resul- Feira a decidir” se fazer guitarras é
mendas, não guarda stock, mas vai Zeppelin comenta que é “um pouco surreal”: tado será apresentado em Setembro ou não arte.
26 • Público • Domingo, 10 de Março de 2019

CLASSIFICADOS Rua Júlio Dinis, n.º 270, Tel. 22 615 10 00


Bloco A, 3.º Piso
4050-318 Porto
lojaporto@publico.pt
De seg a sex das 09H às 18H

AdRA - Águas da Região de Aveiro, S.A.


Ordem dos Médicos Veterinários
Delegação Regional Norte
AVISO
INTERRUPÇÃO DO ABASTECIMENTO DE ÁGUA CONVOCATÓRIA
Nos termos do n.º 1 do Artigo 54.º e do regime estabelecido nos
12/03/2019 – DAS 14:00H ÀS 16:00H Artigos 39.º e 41.º do Estatuto, convoco a Assembleia Regional
do Norte da Ordem dos Médicos Veterinários, para reunir, em
Rua 14 de Julho à Rua do Desporto – Lugar de Carvalhais sessão ordinária, no próximo dia 10 de abril, pelas 18:00 horas,

CONHEÇA
² 8QLmRGH)UHJXHVLDVGH3RQWHGH9DJRVH6DQWD&DWDULQD² nas suas instalações sitas em Braga, na Avenida D. João II, loja
59, Nogueiró, com a seguinte ordem de trabalhos:
Município de Vagos

A NOSSA
Ponto um: Discussão e votação do Relatório e Contas do ano
de 2018.

SELECÇÃO
Ponto dois: Assuntos diversos.

Investimento ao serviço das populações: Se à hora marcada não se encontrar presente a maioria dos

DE MODA
membros, a Assembleia Regional funcionará meia hora depois
com qualquer número de presenças.

NA LOJA
Braga, 10 de março de 2019

O Presidente do Conselho de Administração O Presidente da Mesa da Assembleia Regional


Fernando Vasconcelos, Eng. Manuel José Almeida da Silva Afonso
PÚBLICO
Universidade de Aveiro Ambiente e Transição Energética
Contratação de 1 Professor Auxiliar e de 1 Doutorado Direção-Geral de Energia e Geologia
Equiparado a Investigador Coordenador (M/F)
Aviso
Professor Auxiliar e Investigador Coordenador em Ciências Biomédicas Na sequência do procedimento decorrente do aviso n.º 5627/2017 e
de apresentação de proposta contratual apresentada ao abrigo do n.º
1- O Departamento de Ciências Médicas (DCM) da Universidade de Aveiro faz 1 e do n..º 3 do artigo 5.º do Decreto-Lei n.º 88/90, de 16 de março, e
saber que se encontram abertos 2 concursos para a contratação de 1 Professores face à necessidade de ajustar a área atendendo aos limites das áreas
potenciais para lítio, designadamente a área Barroso/ Alvão enunciadas
Auxiliar e de 1 Investigador Coordenador nas seguintes subáreas científicas: na Resolução de Conselho de Ministros n.º 11/2018, de 31 de janeiro
de 2018, dá-se conhecimento que a empresa Ambieco Energia, Lda.,
a) Professor Auxiliar, na área científica de Ciências Biomédicas, sub-área de requereu a atribuição de direitos de prospeção e pesquisa de depósitos
Microbiologia Médica; minerais de lítio, volfrâmio, estanho, nióbio e tântalo, numa área deno-
minada “Malhão 2”, localizado nos concelhos de Montalegre e Boticas,
delimitada pela poligonal cujos vértices, se indicam seguidamente, em
b) Doutorado Equiparado a Investigador Coordenador, na área cientifica de coordenadas no sistema PT-TM06/ETRS89:
Ciências Biomédicas com vista ao desenvolvimento da investigação em Área total do pedido: 21,223 Km2
áreas das Ciências Biomédicas Fundamentais ou Aplicadas. Vértice X (m) Y (m)
Bloco A
O presente anúncio visa reforçar o ensino e a investigação na área de Biomedici- 1 31643,45 226640,48
na no DCM, encorajando-se candidatos com curriculum vitae de mérito, atividade 2 31611,91 226478,56
3 29565,66 227163,98
de investigação independente, financiamento próprio, liderança de equipas de in- 4 28635,40 229505,00
vestigação e redes de colaboradores internacionais consolidadas a concorrerem. 5 31548,71 237652,50
Para os devidos efeitos, informa-se que foi publicado no Diário da República, 2.ª 6 31745,76 237391,74
Bloco B
série, de 27-02-2019 o seguinte aviso (extrato) n.º 3206-A/2019, relativo à aber- 7 31095,38 223827,33
tura de 20 concursos ao abrigo do Concurso de Estímulo ao Emprego Científico 8 30966,44 223751,14
na Modalidade de Apoio Institucional 2018, sendo os procedimentos menciona- 9 30080,80 225937,21
dos relativos aos editais com Ref.ª CD-CTTI-75-ARH/2019 e Ref.ª CDL-CTTRI- 10 31419,09 225488,88
-89-ARH/2019. Atendendo ao Decreto-Lei n.º 88/90, de 16 de março, convidam-se to-
dos os interessados, no prazo de 30 dias a contar da data da publicação
2 - O texto integral dos Editais destes procedimentos encontra-se disponível na do presente, a apresentar por escrito, ao abrigo do n.º 1 do artigo 6.º,
reclamações fundamentadas.
Bolsa de Emprego Público (BEP), no sítio da internet da Universidade de Aveiro O pedido está patente para consulta, dentro das horas de expediente, na
(http://www.ua.pt/sgrhf/PageText.aspx?id=15031), e no portal Eracareers, atra- Direção de Serviços de Minas e Pedreiras da Direção-Geral de Energia e
vés dos seguintes links : Geologia, sita na Av.ª 5 de Outubro, n.º 208 (Ed. Santa Maria), 1069-203
LISBOA, entidade para quem devem ser remetidas as reclamações. O
• http://www.eracareers.pt/opportunities/index.aspx?task=global&jobId=111429 presente aviso, planta de localização e a publicitação do pedido estão
também disponíveis na página eletrónica desta Direção-Geral.
• http://www.eracareers.pt/opportunities/index.aspx?task=global&jobId=111248 04 de fevereiro de 2019

3 - O requerimento de candidatura deverá ser elaborado nos termos do edital A Subdiretora-Geral, Cristina Lourenço INFO: loja.publico.pt | 210 111 010
antes referido, publicitado no seguinte endereço eletrónico: https://www.ua.pt/
Fundada em 1988 pelo Professor Doutor Carlos Garcia, a Associação Portuguesa de Familiares e Amigos de Doentes de Alzheimer
sgrhf/PageText.aspx?id=15031. - Alzheimer Portugal é uma Instituição Particular de Solidariedade Social. É a única organização em Portugal, de âmbito nacional,
especificamente constituída para promover a qualidade de vida das pessoas com demência e dos seus familiares e cuidadores. Tem
4 - O prazo de candidaturas destes concursos é de 30 dias úteis a contar da data cerca de dez mil associados em todo o país.
Oferece Informação sobre a doença, Formação para cuidadores formais e informais, Apoio domiciliário, Apoio Social e Psicológico e Consultas Médicas da
de publicação do aviso no Diário da República. Especialidade.
Como membro da Alzheimer Europe, a Alzheimer Portugal participa ativamente no movimento mundial e europeu sobre as demências, procurando reunir e divulgar
Universidade de Aveiro, em 07 de março de 2019 os conhecimentos mais recentes sobre a Doença de Alzheimer, promovendo o seu estudo, a investigação das suas causas, efeitos, profilaxia e tratamentos.
Contactos
Sede: Av. de Ceuta Norte, Lote 15, Piso 3 Quinta do Loureiro, 1300-125 Lisboa

EMPREGO
Telefones: 213 610 460 - Fax : 21 361 04 69 - E-mail: geral@alzheimerportugal.org
Centro de Dia Prof. Doutor Carlos Garcia: Av. de Ceuta Norte, Lote 1, Loja 1 e 2 Quinta do Loureiro, 1350-410 Lisboa
Telefone: 213 609 300 - E-mail: geral@alzheimerportugal.org
Lar, Centro de Dia e Apoio Domiciliário «Casa do Alecrim», Rua Joaquim Miguel Serra Moura, n.º 256 - Alapraia, 2765-029 Estoril - Telefone: 214 525 145 - E-mail: casadoalecrim@alzheimerportugal.org
Horário de Atendimento: Quartas e sextas, entre as 9h e as 13h

PESQUISE INSCREVA-SE EM EM PARCERIA COM


Núcleo do Ribatejo da Alzheimer Portugal: R. Dom Gonçalo da Silveira n.º 31 «A, 2080-114 Almeirim - Telefone: 243 000 087 - E-mail: geral.ribatejo@alzheimerportugal.org
Delegação Norte da Alzheimer Portugal: Centro de Dia «Memória de Mim», Rua do Farol Nascente
n.º 47A R/C, 4455-301 Lavra - Telefone: 229 260 912 | 226 066 863 - E-mail: geral.norte@alzheimerportugal.org

EMPREGO AQUI EMPREGO.PUBLICO.PT


Delegação Centro da Alzheimer Portugal: Centro de Dia do Marquês, Urb. Casal Galego - Rua Raul Testa Fortunato n.º 17, 3100-523 Pombal - Telefone: 236 219 469 - E-mail: geral.centro@alzheimerportugal.org
Núcleo de Aveiro: Santa Casa da Misericórdia de Aveiro, Complexo Social da Quinta da Moita - Oliveirinha 3810 Aveiro, Telefone: 234 940 480 - E-mail: geral.aveiro@alzheimerportugal.org
Delegação da Madeira da Alzheimer Portugal: Avenida do Colégio Militar, Complexo Habitacional
da Nazaré, Cave do Bloco 21 - Sala E, 9000-135 Funchal, Telefone: 291 772 021 - Fax: 291 772 021 - E-mail: geral.madeira@alzheimerportugal.org
Público ClassiÄcados • Domingo, 10 de Março de 2019 • 27

Inscrições
para expositores
em sip2019.pt

2º EDIÇÃO DO MAIOR SALÃO


IMOBILIÁRIO DO NORTE DO PAÍS
NÃO PERCA A OPORTUNIDADE DE ESTAR PRESENTE!
210 967 871 932 582 866 gep@apemip.pt facebook.com/salaoimobiliarioporto/

Organização

Parceiros
PRÉMIOS
PRÉM
É IOS
OS DE OURO
DO IMOBILIÁRIO
O IMO
MOBILIÁRIO
MO O
Real Estate
e l Estate
ate
tte G
Golden
o Awards

Portal Oficial Jornal Oficial Media Partners


28 • Público • Domingo, 10 de Março de 2019

DESPORTO
Uma vitória tão controversa
quanto merecida
Sporting derrota o Boavista graças a um penálti em cima do minuto 90. Triunfo dos sportinguistas assenta
bem a uma equipa que entrou praticamente a perder mas deu a volta ao marcador
FERNANDO VELUDO/LUSA

Boavista 1
Neris 3’

Sporting 2
Edu Machado 17’ (p.b.), Bruno
Fernandes 90’ (g.p.)

Jogo no Estádio do Bessa, no Porto.

Assistência Não disponível.

Boavista Bracali a71’, Talocha, Neris,


Jubal, Edu Machado a90’, Idris,
Obiora, Bueno a86’ (André Claro, 90’),
Sauer, Perdigão (Matheus Índio, 69’),
Falcone a32’ (Yusupha Njie, 79’).
Treinador Lito Vidigal.

Sporting Renan Ribeiro, Borja (Diaby,


79’), Coates, Mathieu, Ristovski, Gudelj
a33’, Wendel (Doumbia, 78’), Bruno
Fernandes, Acuña, Raphinha, Luiz
Phellype. Treinador Marcel Keizer.

Árbitro João Pinheiro (AF Braga)

Positivo/Negativo

Bruno Fernandes
É difícil elogiar o médio
sportinguista sem repetir
elogios. Mas aqui vai.
Ontem, voltou a ser o
melhor em campo na
equipa “leonina”.

Raphinha
Se Bruno Fernandes é a Jogadores do Sporting festejam o segundo golo, apontado em cima do minuto 90 e que valeu o triunfo sobre o Boavista
classe, Raphinha é a
velocidade no futebol do dentro da baliza sportinguista. menor virtuosismo técnico dos seus sua baliza protegida. Até que, em
Sporting. Crónica de jogo Estava inaugurado o marcador e o jogadores com um futebol de garra e cima do minuto 90, um cruzamento
Jorge Miguel Matias Sporting via a sua vida complicar-se lutador, enquanto o Sporting procu- mais ou menos inofensivo para o inte-
Edu Machado ainda mais perante um opositor que rava aproximar-se da baliza de Braca- rior da área do Boavista foi disputado
O lance que deu origem ao Foi de penálti e com muitos protestos tinha somado três vitórias no Bessa li como podia. Daí que, lances de por Edu Machado e Raphinha, com o
penálti favorável ao do Boavista à mistura que o Sporting desde que Lito Vidigal assumiu o perigo, só mesmo junto da baliza boa- defesa boavisteiro a abrir os braços e,
Sporting pode ser derrotou ontem os “axadrezados” no comando técnico da equipa. visteira e foram vários, todos eles sem de costas para o seu adversário, acer-
discutível, mas o defesa Estádio do Bessa. Um triunfo justo e O Sporting demorou um pouco a sucesso. tar no rosto do sportinguista com um
devia ter abordado o lance merecido da equipa que mais traba- reagir, mas graças à classe de Bruno Luiz Phelyppe, substituto do lesio- braço. Jogada controversa, com os
de outra forma. lhou para conquistar os três pontos e Fernandes e à velocidade de Raphi- nado Bas Dost no “onze” “leonino”, jogadores do Boavista a defenderem
que soube dar a volta ao texto, depois nha, conseguiu não se afundar. E foi foi uma nulidade durante o jogo e o que o toque não foi mais do que isso,
Luiz Phellype de se ter visto a perder desde, prati- precisamente num lance com Raphi- melhor que conseguiu fazer, ainda no um toque, e que a reacção de Raphi-
Com Bas Dost indisponível camente, o início da partida. nha como protagonista que chegou à primeiro tempo, foi acertar num dos nha foi exagerada. Mas o veredicto do
lesionado, avançou Luiz O jogo começou e terminou com igualdade, já que o cruzamento do postes da baliza adversária quando videoárbitro foi diferente e o Sporting
Phellype. Mas notou-se a emoção. Logo aos três minutos, avançado “leonino” foi desviado para estava completamente solto. beneÆciou mesmo do penálti.
diferença. O brasileiro, que numa jogada que não prometia dar dentro da baliza do Boavista por Edu Marcel Keizer apostou tudo no últi- Bruno Fernandes, o médio golea-
era o melhor marcador da II nada, o Boavista inaugurou o mar- Machado, na tentativa de evitar o des- mo quarto de hora do encontro, dor, não vacilou e marcou o seu 24.º
Liga, continua desinspirado cador. Livre apontado por Bueno, vio de Acuña. fazendo entrar Diaby e Doumbia e o golo da temporada, garantindo os três
e ontem teve uma noite má abordagem ao lance de Coates e O jogo foi para intervalo mas pouco Sporting empurrou o Boavista ainda pontos ao Sporting.
apagadíssima. Ristovski e Neris a aproveitar o des- ou nada mudou no segundo tempo. mais para a sua área. Só que os “axa-
lize para encaminhar a bola para O Boavista tentava compensar o drezados” resistiam e mantinham a jmatias@publico.pt
Público • Domingo, 10 de Março de 2019 • 29

DESPORTO

Sp. Braga vence V. CLASSIFICAÇÃO FC Porto


de visita a um
Guimarães e reforça
I LIGA

terreno pouco
Jornada 25
Desp. Chaves-Rio Ave 1-1

terceiro lugar
Marítimo-Moreirense 3-2
Sp. Braga-V. Guimarães
Boavista-Sporting
Portimonense-Nacional
1-0
1-2
hoje, 15h, SP-TV2
pantanoso
Santa Clara-Desp.Aves hoje, 15h, SP-TV4
V. Setúbal-Tondela hoje, 17h30, SP-TV2
Feirense-FC Porto hoje, 20h, SP-TV1
Benfica-Belenenses SAD amanhã, 20h30, BTV
defesa incompleta de Miguel Silva a
Sp. Braga
Ricardo Horta 34’
1 um remate de Fransérgio, de fora
1. Benfica
J
24
V E
19 2
D
3
M-S
66-21
P
59
Futebol 18.º 2.º
da área. 2. FC Porto 24 18 3 3 48-14 57 Diogo Cardoso Oliveira FEIRENSE FC PORTO
Os minutos finais do jogo acaba- 3. Sp. Braga 25 17 4 4 43-24 55
V. Guimarães 0 ram por animar o Vitória, na procu- 4. Sporting 25 16 4 5 49-27 52 COMPARAÇÃO GERAL
5. Moreirense 25 13 3 9 31-30 42
Feirense recebe os
ra do golo, mas o Sp. Braga não vaci- 24 Jogos 24
6. V. Guimarães 25 11 6 8 28-22 37 campeões nacionais, numa
lou perante a parca inspiração 7. Belenenses SAD 24 9 9 6 29-23 36
8. Santa Clara 24 9 4 11 32-32 31 partida em que estão em 2 Vitórias 18
Jogo no Estádio Municipal, em Braga. adversária na hora de criar situa-
ções de finalização e até foi sua a
9. Rio Ave 25 7 8 10 35-38 29
jogo a liderança da Liga 8 Empates 3
Assistência Não disponível. 10. Portimonense 24 8 4 12 29-38 28
ocasião mais clara de golo, quando 11. Marítimo 25 8 3 14 16-28 27 e a fuga à despromoção 14 Derrotas 3
Fransérgio acertou em cheio no pos- 12. Boavista 25 7 5 13 19-31 26
Sp. Braga Tiago Sá, Marcelo Goiano, GOLOS
13. Nacional 24 7 5 12 27-49 26
Bruno Viana, Raúl Silva, Sequeira, te esquerdo da baliza vitoriana. 14. Desp. Aves 24 7 4 13 26-38 25
O Feirense-FC Porto, marcado para 14 Marcados 48
Wilson Eduardo (Ryller, 90’), Palhinha, Com este resultado, o Sp. Braga hoje (20h), terá muito em jogo, entre
15. V. Setúbal 24 5 9 10 20-26 24
Claudemir, Ricardo Horta (Murilo, 71’),
encurtou, provisoriamente, a dis- 16. Tondela 24 6 5 13 28-39 23 duas equipas entusiasmadas. De um 42 Sofridos 14
Fransérgio e Dyego Souza (Paulinho, 17. Desp. Chaves 25 5 6 14 18-36 21
76’). Treinador Abel Ferreira. tância para Benfica e FC Porto e lado, um Feirense entusiasmado pela CARTÕES
18. Feirense 24 2 8 14 14-42 14
manteve o Sporting a três pontos. Já escorregadela do Desp. Chaves, na 72 Amarelos 47
V. Guimarães Miguel Silva, Sacko o Vitória conservou o sexto lugar, Próxima jornada Sporting-Santa Clara, fuga aos últimos lugares. Do outro,
(João Carlos Teixeira, 88’), Pedro Belenenses SAD-Portimonense, Nacional-Rio Ave, 0 Vermelhos 0
mas não conseguiu capitalizar a der- FC Porto-Marítimo, V.Setúbal-Sp. Braga, um FC Porto entusiasmado pela pos-
Henrique, Osorio, Rafa Soares, André
André a85’, Wakaso, Matheus Oliveira rota do Moreirense frente ao Marí- V. Guimarães-Boavista, Desp. Aves-Desp. Chaves, sibilidade de colocar pressão no Ben-
Moreirense-Benfica, Tondela-Feirense CASA vs FORA
(Rochinha, 61’ a81’), Tozé (Ola John, timo, no Funchal. Para a equipa de Æca, que só joga amanhã, frente ao
71’), Welthon e Davidson. Treinador
11 Jogos 12
Luís Castro, aliás, esta derrota man- Belenenses SAD. Isto uma semana
Luís Castro. II LIGA 1 Vitórias 8
tém a série negativa fora do D. Afon- depois da perda da liderança, no
Jornada 25
5 Empates 3
Árbitro Luís Godinho (AF Évora) so Henriques, com apenas uma clássico disputado no Dragão. 5 Derrotas 1
Famalicão-Sp. Braga B 1-2
vitória nos últimos seis jogos e duas FC Porto B-Leixões 1-0 Em Santa Maria da Feira, enfren- 11 19
Golos marcados
derrotas nos últimos três. Benfica B-Paços de Ferreira 0-1 tam-se o segundo melhor ataque 17 Golos sofridos 6
Estoril-V. Guimarães B hoje, 11h15, SP-TV1
No final da partida, Abel Ferreira Ac. Viseu-Académica hoje, 15h
frente à segunda pior defesa, a equi-
considerou que houve um Sp. Braga Oliveirense-Sp. Covilhã hoje, 15h pa que mais remata contra a que ÚLTIMOS 10 RESULTADOS
Futebol “mais perto do segundo golo do que Farense-Varzim hoje, 15h menos “tiros” dispara e a equipa que
o adversário de igualar o resultado”,
Penafiel-Mafra
Arouca-Cova Piedade
hoje, 17h
hoje, 17h mais dribla frente à que mais faltas E E E E D D D D D D
Os vitorianos venceram considerando o resultado “justo” e faz. Prevê-se um jogo de sentido V V E V V E E V V D
J V E D M-S P
defendendo que as oportunidades único, sendo que o Feirense, sem
apenas um dos seus seis 1. Paços de Ferreira 25 19 1 5 37-14 58
Fonte: Liga LPFP PÚBLICO
de golo do Vitória surgiram apenas 2. Famalicão 25 14 6 5 34-22 48 qualquer golo marcado em lances de
últimos jogos longe de casa em lances de bola parada. 3. Estoril 24 12 5 7 34-23 41 contra-ataque, nesta I Liga, deverá
4. Académica 24 12 4 8 27-25 40
e não aproveitaram Já Luís Castro, treinador do Vitó- 5. Benfica B 25 11 5 9 31-24 38
querer contrariar este registo, numa “fugiu” ao mau momento do Feiren-
o deslize do Moreirense ria, assumiu a falta de criatividade 6. FC Porto B 25 10 7 8 31-29 37 partida em que as transições rápidas se, deixando elogios a um clube que
da sua equipa em zonas ofensivas: 7. Mafra 24 9 7 8 33-30 34 poderão ser fundamentais. “faz falta”. “Isso das estatísticas não
8. Penafiel 24 9 4 11 29-29 31
Um golo foi suficiente para o Spor- “Conseguimos sair bem para o ata- 9. Sp. Covilhã 24 8 7 9 28-28 31
Outro dado a contrariar é o de me diz muito. É verdade que não
ting de Braga receber e vencer o que, mas, no último terço, não 10. Arouca 24 8 7 9 29-30 31 equipa que menos aproveita o factor ganham há muito, estão num
Vitória de Guimarães, por 1-0, em fomos tão fortes. Abusámos dos cru- 11. Leixões 25 9 4 12 25-28 31 casa, com apenas um triunfo (frente momento difícil e é uma pena. O Fei-
12. Oliveirense 24 7 8 9 29-34 29
duelo da ronda 25 da I Liga. Ontem, zamentos para a área.” PÚBLICO/ ao Rio Ave, logo na primeira jorna- rense parece-me um clube bem
13. Varzim 24 7 6 11 19-26 27
no Municipal de Braga, o jogo mais Lusa 14. Ac. Viseu 24 7 6 11 30-40 27 da). Mais: o FC Porto vem de uma orientado, com um estádio à medi-
aguardado do ano para bracarenses 15. Cova da Piedade 24 7 6 11 16-33 27 jornada europeia motivadora — ain- da. É uma equipa que faz falta à I
e vimaranenses “tombou” para o 16. Farense 24 6 8 10 25-25 26 da que cansativa, com direito a pro- Liga”, disse. Para este jogo, Concei-
17. Sp. Braga B 25 9 1 15 27-35 28
lado dos da casa, fruto do golo de 18. V. Guimarães B 24 5 8 11 25-34 23 longamento —, enquanto o Feirense ção deverá promover algumas alte-
Ricardo Horta, aos 34 minutos. tem a “corda na garganta”, com 22 rações, depois de 120 minutos frente
Próxima jornada Académica-Sp. Braga B,
No Minho, o derby minhoto teve Leixões-Arouca, Benfica B-Penafiel, jogos consecutivos sem triunfos na à Roma, sendo Óliver Torres, Brahi-
os ingredientes mais comuns entre Mafra-Ac. Viseu, Paços de Ferreira-Estoril, Liga. O único dado estatístico que mi e Adrián candidatos evidentes a
Varzim-Oliveirense, Sp. Covilhã-Famalicão,
estas equipas. A saber: conflitos fora Cova Piedade-FC Porto B, V. Guimarães B-Farense poderá animar o Feirense é a força regressar ao “onze” inicial.
do estádio — houve carros apedre- aérea: tal como frente à Roma, o FC Do lado do Feirense, Filipe Martins,
jados e acção da polícia —, uma casa Porto tem no Feirense um rival à treinador que substituiu Nuno Manta
MELHORES MARCADORES
bem composta — após o jogo, Abel altura para os duelos aéreos, tradi- Santos, em Fevereiro, garante que
I Liga
lançou uma “bicada” aos adeptos 15 golos Seferovic (Benfica) cionalmente importantes na equipa tem uma equipa pronta para vencer
bracarenses por só comparecerem II Liga portista. os campeões nacionais. “Preparámos
11 golos Fabrício Simões (Famalicão)
nas partidas de maior cartaz —, emo- Se as estatísticas de 2018/19 não a equipa para a vitória (…) queremos
ção, resultado incerto, jogo equili- PUBLICIDADE
abonam a favor do Feirense, a histó- retardar o golo do FC Porto e sair na
brado e postura algo faltosa dos ria menos ainda. Os “fogaceiros” frente do marcador”, disparou, tra-
jogadores. nunca venceram o FC Porto na I Liga, çando o plano: “Podemos acentuar o
O encontro acabou por trazer somando apenas um triunfo, em cansaço do FC Porto depois do jogo
uma equipa vimaranense com mais 2016, para a Taça da Liga. O jogo da desgastante que tiveram [com a
bola — quase 60% de posse de bola primeira volta, no Dragão, trouxe Roma, para a Liga dos Campeões].
—, mas o Sp. Braga foi mais remata- um 2-0 a favor do FC Porto, com Cabe-nos fazer com que esse cansaço
dor e, sobretudo, mais eficaz. golos de Felipe e Marega. e a pressão venham ao de cima.”
Desbloqueou a partida com o golo Na antevisão da partida, Sérgio
de Ricardo Horta, depois de uma Ricardo Horta Conceição, treinador do FC Porto, diogo.oliveira@publico.pt
30 • Público • Domingo, 10 de Março de 2019

DESPORTO

Marco Silva permite reviravolta,


sai do top-10 e “atira-se” ao árbitro
De Inglaterra veio, ainda, um lance polémico que desbloqueou o jogo do Manchester City.
Em Espanha, Nélson Semedo foi decisivo para o triunfo do Barcelona sobre o Rayo Vallecano
SCOTT HEPPELL/REUTERS
foi mais duro na análise: “O Newcastle
Futebol internacional encontrou-se enquanto o Everton
Diogo Cardoso Oliveira tentava ‘estacionar o autocarro’. As
más substituições de Marco Silva con-
O Everton caiu — e fê-lo com estrondo denaram um Everton que continua
— e Marco Silva e André Gomes já não inconsistente como sempre”. Espe-
estão no top-10 da Liga Inglesa. O ram-se tempos difíceis para Marco
Everton esteve a vencer o Newcastle, Silva, até porque se segue o Chelsea.
por 2-0, fora de casa, mas deixou que
os “magpies” virassem o jogo, numa Polémica no City
das já tradicionais reviravoltas “à Ainda em Inglaterra, o Manchester
inglesa”. City tratou de garantir que terminará
Ontem, com André Gomes no a jornada na liderança. A equipa de
“onze”, o Everton começou por sair Bernardo Silva, que foi titular, venceu
na frente, com golos de Calvert-Lewin o Watford, por 3-1, um resultado que
e Richarlison, mas, já na segunda par- começou a ser construído com algu-
te, Rondón e Ayoze Pérez (bis) vira- ma polémica.
ram o jogo para o Newcastle. Nota Aos 46 minutos, Agüero e Sterling
ainda para o penálti provocado e foram lançados por Gundogan. O
defendido por Pickford, que escapou argentino fez um passe para Sterling
à expulsão e salvou Marco Silva de um que, em posição de fora-de-jogo,
resultado mais dilatado. tomou parte activa na jogada, dispu-
Mais do que pelo resultado, o trei- tando a bola com Janmaat. Esta aca-
nador português mostrou-se revolta- bou por entrar na baliza, após
do por aquela que considerou ser Janmaat fazer um corte contra o pé
uma ilegalidade no último golo do de Sterling, e o árbitro assistente assi-
Newcastle. Marco Silva não poupou Marco Silva protesta junto do árbitro por causa do lance que deu o terceiro golo ao Newcastle nalou — e bem — o respectivo fora-de-
na ira que dirigiu à equipa de arbitra- jogo. Só que, depois de uma conversa
gem, após o final da partida, uma entre o assistente e o árbitro princi-
atitude que, segundo a imprensa
inglesa, deverá valer ao português um
CLASSIFICAÇÕES pal, o golo foi validado.
A partir daqui, o jogo “desblo-
castigo. Dos pesados. INGLATERRA ESPANHA FRANÇA queou” e o City fez o 2-0, aos 50’,
Sobre o lance, Marco Silva conside- Jornada 30 Jornada 27 Jornada 28 novamente por Sterling, e o 3-0, aos
ra que Rondón, quando participou na Crystal Palace-Brighton 1-2 Athletic Bilbau-Espanyol 1-1 Estrasburgo-Lyon 0-1 59’, com o hat-trick do extremo inglês.
Cardiff City-West Ham 2-0 Alavés-Eibar 1-1 Dijon-Reims 1-1
jogada do golo de Ayoze Peréz, estava Newcastle-Everton 3-2 Atlético de Madrid-Leganés 1-0 Mónaco-Bordéus 1-1
Deulofeu ainda reduziu, mas de nada
em fora-de-jogo. “O terceiro golo é um Southampton-Tottenham 2-1 Barcelona-Rayo Vallecano 3-1 Nantes-PSG adiado valeu o golo do espanhol. Este resul-
grande erro do árbitro assistente. Era Leicester City-Fulham 3-1 Getafe-Huesca ?-1 Amiens-Nimes 2-1 tado coloca pressão no Liverpool que,
Huddersfield-Bournemouth 0-2 Celta de Vigo-Betis hoje, 11h, Eleven1 Toulouse-Guingamp hoje, 14h
um fora-de-jogo óbvio: não um, não Manchester City-Watford 3-1 Girona-Valência hoje, 15h15, Eleven1 Montpellier-Angers hoje, 14h
se não vencer o Burnley, hoje (12h),
dois, mas cinco jogadores. Não há Liverpool-Burnley hoje, 12h, SP-TV2 Levante-Villarreal hoje, 17h30, Eleven2 Saint-Etiénne-Lille hoje, 14h, Eleven3 deixará o City com quatro pontos de
dúvida”, disse, aos jornalistas, acerca Chelsea-Wolverhampton hoje, 14h05, SP-TV1 Sevilha-Real Sociedad hoje, 17h30, Eleven1 Rennes-Caen hoje, 16h vantagem.
Arsenal-Manchester Unitedhoje, 16h30, SP-TV1 Valladolid-Real Madrid hoje, 19h45, Eleven1 Marselha-Nice hoje, 20h, Eleven2
de um lance cujas imagens dão a ideia Em Espanha, foi com um penálti
J V E D M-S P J V E D M-S P J V E D M-S P
de haver, de facto, fora-de-jogo. ganho por Nélson Semedo que o Bar-
1. Manchester City 30 24 2 4 79-21 74 1. Barcelona 27 19 6 2 69-26 63 1. PSG 26 23 2 1 79-15 71
O certo é que o Everton perdeu e, 2. Liverpool 29 21 7 1 64-15 70 2. Atlético de Madrid 27 16 8 3 39-17 56 2. Lille 27 16 6 5 44-23 54
celona desbloqueou o jogo frente ao
com mais este desaire, Marco Silva 3. Tottenham 30 20 1 9 57-32 61 3. Real Madrid 26 15 3 8 43-31 48 3. Lyon 28 14 8 6 47-33 50 Rayo Vallecano — uma vitória por 3-1.
poderá enfrentar, novamente, algu- 4. Manchester United 29 17 7 5 58-38 58 4. Getafe 26 11 9 6 34-23 42 4. Marselha 27 13 5 9 43-35 44 Com este resultado, os catalães res-
ma contestação. A equipa de Liver- 5. Arsenal 29 17 6 6 61-39 57 5. Alavés 27 11 8 8 28-30 41 5. Saint-Étienne 27 12 7 8 36-33 43 ponderam ao triunfo do Atlético de
pool tem “apenas” nove pontos de 6. Chelsea 28 17 5 6 49-30 56 6. Sevilha 26 10 7 9 41-34 37 6. Reims 28 10 13 5 30-27 43 Madrid sobre o Leganés, mantendo
7. Wolverhampton 29 12 7 10 37-35 43 7. Valência 26 7 15 4 27-21 36 7. Montpellier 27 10 11 6 36-29 41
vantagem para a zona de despromo- sete pontos de vantagem no topo da
8. Watford 30 12 7 11 42-44 43 8. Betis 26 10 6 10 30-32 36 8. Nice 27 11 7 9 20-27 40
ção, uma margem que ainda dá 9. West Ham 29 11 6 12 37-41 39 9. Real Sociedad 26 9 8 9 30-27 35 9. Estrasburgo 28 9 11 8 43-33 38
Liga espanhola.
algum conforto, mas que, fruto do 10. Leicester City 30 11 5 14 38-42 38 10. Eibar 27 8 11 8 35-36 35 10. Rennes 26 10 7 9 35-34 37 O Rayo até saiu na frente, no Camp
investimento feito, tem deixado os 11. Everton 30 10 7 13 41-42 37 11. Espanyol 27 9 7 11 32-40 34 11. Nimes 27 10 6 11 38-40 36 Nou, com um golo de De Tomás, aos
adeptos dos “toffees” com “sabor a 12. Bournemouth 30 11 4 15 41-54 37 12. Athletic Bilbau 27 7 13 7 26-31 34 12. Angers 27 8 10 9 31-31 34 24 minutos. Mas aos 50’, já depois de
pouco”. 13. Newcastle 30 9 7 14 29-38 34 13. Leganés 27 8 9 10 27-32 33 13. Bordéus 28 8 9 11 27-30 33 Piqué ter empatado, Semedo foi der-
14. Crystal Palace 30 9 6 15 36-41 33 14. Girona 26 7 10 9 27-34 31 14. Nantes 27 8 7 12 31-34 31
Em Inglaterra, o Telegraph definiu rubado na área do Rayo e Messi con-
15. Brighton 29 9 6 14 32-42 33 15. Levante 26 8 6 12 37-46 30 15. Toulouse 27 6 10 11 26-42 28
a queda do Everton, na segunda par- 16. Southampton 30 7 9 14 34-50 30 16. Real Valladolid 26 6 8 12 20-34 26 16. Amiens 28 8 4 16 24-43 28
verteu o penálti. Suárez ainda
te: “A equipa estava desorientada e a 17. Burnley 29 8 6 15 32-53 30 17. Celta Vigo 26 6 7 13 36-44 25 17. Mónaco 28 6 9 13 29-44 27 ampliou a vantagem, aos 82’, dando
disciplina perdeu-se, bem como a 18. Cardiff City 29 7 4 18 25-57 25 18. Villarreal 26 4 11 11 27-35 23 18. Dijon 27 5 6 16 21-41 21 tranquilidade ao “Barça”.
organização defensiva”. Já o site Royal 19. Fulham 30 4 5 21 28-68 17 19. Rayo Vallecano 27 6 5 16 29-48 23 19. Caen 27 3 11 13 22-36 20
Blue Mersey, da cidade de Liverpool, 20. Huddersfield 30 3 5 22 15-53 14 20. Huesca 26 5 7 14 26-42 22 20. Guingamp 27 4 7 16 18-50 19 diogo.oliveira@publico.pt
Público • Domingo, 10 de Março de 2019 • 31

DESPORTO
MANUEL BRUQUE/EPA

Vítor Campos, Liu Hong é a primeira


um símbolo mulher a fazer 50km
da Académica marcha em menos
de quatro horas
tância, uma vez que a também chine-
Opinião Atletismo sa Li Maucuo, segunda ontem, melho-
Manuel Alegre rou o anterior máximo, ao fazer
A chinesa Liu Hong estabeleceu 4h03m51s, sensivelmente menos 10
Vítor Campos não foi só um ontem um novo recorde mundial nos minutos em relação à sua anterior
grande jogador da Académica e da 50km marcha, no Grande Prémio de melhor marca, que era de 4h13m04s,
Selecção Nacional de futebol, foi e Huangshan, na China, e tornou-se a Æxada o ano passado.
será sempre um símbolo de uma primeira mulher a fazer a distância A anterior recordista mundial Liang
certa cultura de Coimbra, que é em menos de quatro horas. Rui, não foi além da sétima posição,
um modo de ser e conviver, mas, Miguel Oliveira estreia-se hoje no Mundial de MotoGP Hong, campeã olímpica e recordista cumprindo a di st ânc ia em
sobretudo, um estilo de vida, de mundial dos 20km, conseguiu um tem- 4h19m34s.
solidariedade, uma forma de viver
com os outros e para os outros,
uma partilha.
Miguel Oliveira sai po de 3h59m15s, menos cinco minutos
em relação à marca anterior, da com-
patriota Liang Rui (4h04m36s) e logo
O quarto melhor tempo mundial
pertence à portuguesa Inês Henri-
ques, actual campeã europeia e do
Como o seu irmão Mário, como
todos os outros dessa equipa que,
nos anos 60, jogava um futebol
da sexta linha da na primeira vez que completou a dis-
tância. Tudo isto na terceira prova que
realizou após dois anos de ausência
mundo, com 4h05m56s, marca alcan-
çada por ocasião da conquista do
título mundial, em Londres 2017, data
diferente, os que Æcaram em
segundo lugar no campeonato, e,
por duas vezes, foram vencidos na
grelha na sua estreia devido a uma licença de maternidade.
Linag Rui caiu para o terceiro lugar
na tabela de melhores marcas na dis-
em que a IAAF começou a reconhecer
os recordes mundiais femininos na
distância.
Taça de Portugal, principalmente
em 1969 quando o Jamor se
transformou no palco de uma das
maiores manifestações Motociclismo GRELHA DE PARTIDA
antifascistas de sempre.
Diferentes no campo, diferentes Para esta primeira prova
na vida, eles batiam-se pela
do Mundial, a pole ficou GP do Qatar
Académica e, com ela e connosco, MotoGP
cá fora, lutavam, também, pela com Maverick Viñales,
1.º Maverick Viñales (Yamaha) 1m53,546s
liberdade. Quando entravam em que bateu Andrea 2.º Andrea Dovizioso (Ducati) a 0,198s
campo, às vezes a monte, às vezes Dovizioso e Marc Márquez 3.º Marc Márquez (Honda) a 0,199s
de capa, todos nós entrávamos (…)
com eles de capa. Representavam Correu bem a estreia de Miguel Oli- 17.º Miguel Oliveira (KTM) a 0,856s
a Académica, levavam nas veira na qualiÆcação para um Gran- Moto2
camisolas negras a nossa de Prémio de MotoGP, a categoria 1.º Marcel Schrotter (Kalex) 1m58,585s
juventude, as nossas utopias e, rainha do Mundial de velocidade. O 2.º Xavi Vierge (Kalex) a 0,146s
quando se enrolavam nas capas piloto português, o primeiro a algu- 3.º Lorenzo Baldassarri (Kalex) a 0,199s
negras, estavam dentro daquela ma vez alcançar este patamar, vai Moto3
capa mítica que o Adriano largar hoje da sexta linha da grelha 1.º Aron Canet (KTM) 2m05,883s
cantava: Capa negra rosa negra/ de partida do Grande Prémio do 2.º Lorenzo dalla Porta (Honda) a 0,197s
Bandeira de liberdade. Qatar, depois de ter obtido o 17.º 3.º Kaito Toba (Honda) a 0,226s
Assim era o Vítor, duro a jogar, melhor tempo da qualiÆcação. A cor-
tão sereno, doce e cavalheiro na rida está agendada para hoje, às 17h
vida, tão solidário, sempre a sofrer de Portugal continental. oÆcial de Johann Zarco, ocupando a
pela Académica e pelas injustiças, Oliveira rodou em 1m55,122s — o posição logo atrás da de Pol Esparga-
tão suave mesmo quando se sétimo melhor registo da Q1 — e con- ró.
zangava. Trazia uma Académica seguiu bater o seu companheiro de A marca registada pelo português
libertadora na alma e na pele. equipa, HaÆzh Syarhin, que Æcou na Q2 não foi, contudo, suÆciente
Não sei se hoje se compreende o em 22.º e penúltimo lugar. para garantir-lhe o apuramento para
que foi a Coimbra dos anos 60. O registo de Miguel Oliveira Æca a Q1, na qual se discutiu a pole posi-
Não sei se se consegue entender a perto do que foram as suas anterio- tion. E para esta primeira prova do
dimensão e a grandeza de um res estreias, quer em 125cc (2011), Mundial, a pole Æcou na mão do espa-
homem como Vítor Campos. quando fez o 12.º melhor registo da nhol Maverick Viñales, que bateu o
Podia ter ido para grandes clubes qualiÆcação, quer em Moto 2 (2016), italiano Andrea Dovizioso e o espa-
estrangeiros, mas não quis sair de quando foi o 21.º mais rápido antes nhol e campeão do mundo em título
Coimbra. Para ser médico, para da corrida. Marc Márquez.
ser na vida como tinha sido no O resultado alcançado pelo piloto Nota, ainda, para as marcas
campo, Æel à raiz, construtor de português é um bom prenúncio, já modestas do italiano Valentino Ros-
democracia e do SNS, solidário que o malaio tem mais um ano de si (Yamaha) e do espanhol Jorge
praticante. experiência em MotoGP do que Oli- Lorenzo (Honda). Este último foi
Vítor Campos, um emblema no veira, acabado de chegar a esta cate- mesmo ao chão duas vezes durante
coração, uma capa negra, depois goria. Mas há mais. Com o seu o dia de ontem, embora ambas as
uma bata branca. Pela Académica, desempenho de ontem, Oliveira con- quedas não tenham sido graves.
por Coimbra, sempre. seguiu também Æcar à frente da KTM PÚBLICO/Lusa
Domingo, 10 de Março de 2019

BARTOON LUÍS AFONSO

A ESQUINA DO MUNDO

Da violência doméstica à vertigem bancária


ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA
principal factor de mobilização a dramaticamente distantes desses
violência contra as mulheres. Já horizontes idealizados.
quanto à desregulação Ænanceira, é Ora, é outra miragem paralela
bem conhecido o que se passou no que alimenta a regeneração
mundo depois da recessão de 2008, miraculosa do sistema bancário ou
sem que as suas lições tenham sido que faz o ministro das Finanças
Vicente Jorge Silva

A
suÆcientemente aprendidas. declarar — aparentemente convicto
No entanto, à escala de um país mas contra todas as evidências —
última semana Æcou pequeno e periférico como o nosso, que os contribuintes não terão de
marcada em Portugal por as marcas de cada um desses vir a pagar os mais de mil e tantos
novos episódios de folhetins Çagelos ganharam uma dimensão milhões de euros injectados agora
de géneros completamente inusitada, motivando uma tomada num banco supostamente “novo” e
diversos mas onde se de consciência contra aquilo que se “bom” mas, aÆnal, bem velho e
entrecruzam os sintomas tornou insuportável ou péssimo, carregando consigo o
porventura mais extremos do aparentemente inexplicável. A trágico legado do BES (um legado
estado patológico do país: a percepção de que os casos de de que estaremos muito longe de
violência doméstica — ou o agora violência doméstica se multiplicam libertar-nos). Quando tanto se fala
chamado feminicídio, em que os em Portugal, gerando um efeito de de populismos a nível europeu,
requintes do horror parecem mimetismo arrepiante, dá-nos a ver estes reÇexos cruzados de um país
querer desaÆar a avidez cada vez uma sociedade onde os laços assaltado pelas pragas da violência
mais insaciável do jornalismo afectivos e familiares tendem a É todo um padrão cultural que doméstica entre as classes
tablóide, num efeito mórbido de entrar em colapso trágico sobretudo está em causa, com reÇexos médias-baixas e dos desvarios do
atracção mútua — e a vertigem entre os estratos sociais decisivos nos comportamentos dinheiro entre as elites à sombra do
bancária, ilustrada pelo médio-baixos e onde se acentuam sociais e institucionais, poder constituem um típico caldo
interminável caso do Novo Banco/ os fenómenos de exclusão e nomeadamente na área da Justiça, da cultura populista e compõem a
BES e os abusos do poder pessoal
no Montepio.
precariedade, exacerbando a
violência sexista. Ora, isso é
É todo um padrão onde a herança dos valores mais
arcaicos tende a prevalecer num
imagem virtual das ameaças que
nos espreitam. Não basta conÆar,
Nem uma nem outra destas também acompanhado — como cultural que está em Portugal perdido na noite dos por isso, num Presidente capaz de
patologias sócio-Ænanceiras são —
longe disso — um exclusivo
vimos, para além da polémica
anedótica, através do caso
causa, com reflexos tempos. Pois é precisamente isso o
que impõe uma emergência
desencadear essas ameaças
encarnando um populismo “bom”
português. No primeiro caso, isso paradigmático do juiz Neto de decisivos nos máxima na intervenção dos ou num primeiro-ministro que
foi patente através das Moura — pela incapacidade do comportamentos poderes públicos, cuja percepção conquista a guerra das audiências
manifestações do Dia Internacional sistema judicial em responder dos problemas do país Æca, tantas cozinhando uma cataplana no
da Mulher que ocorreram em oportuna e eÆcazmente às situações sociais e vezes, refém de uma miragem programa da Cristina.
muitos países — e com invulgar que põem em risco a segurança e a institucionais europeia ou cosmopolita, enquanto
expressão no nosso —, tendo como vida das mulheres. nos mantemos ainda Jornalista

Esta informação não dispensa a


consulta da lista oficial de prémios Totoloto 1 8 11 17 39 9 1.º Prémio
3.800.000€
Contribuinte n.º 502265094 | Depósito legal n.º 45458/91 | Registo ERC n.º 114410 | Conselho de Administração - Presidente: Ângelo Paupério Vogais: Cláudia Azevedo, Cristina Soares E-mail publico@publico.
571B50ED-6C2F-429C-901F-270AFF607AC3
pt Estatuto Editorial publico.pt/nos/estatuto-editorial Lisboa Edifício Diogo Cão, Doca de Alcântara Norte, 1350-352 Lisboa; Telef.:210111000 (PPCA); Fax: Dir. Empresa 210111015; Dir. Editorial 210111006; Redacção
210111008; Publicidade 210111013/210111014 Porto Rua Júlio Dinis, n.º270, Bloco A, 3.º, 4050-318 Porto; Telef: 226151000 (PPCA) / 226103214; Fax: Redacção 226151099 / 226102213; Publicidade, Distribuição
226151011 Madeira Telef.: 963388260 e/ou 291639102 Proprietário PÚBLICO, Comunicação Social, SA. Sede: Lugar do Espido, Via Norte, Maia. Capital Social €4.050.000,00. Detentor de
100% de capital: Sonaecom, SGPS, S.A. Impressão Unipress, Travessa de Anselmo Braancamp, 220, 4410-350 Arcozelo, Valadares; Telef.: 227537030; Lisgráfica - Impressão e Artes
Gráficas, SA, Estrada Consiglieri Pedroso, 90, Queluz de Baixo, 2730-053 Barcarena. Telf.: 214345400 Distribuição VASP – Distribuidora de Publicações, SA, Quinta do Grajal - Venda Seca,
2739-511 Agualva Cacém, Telef.: 214 337 000 Fax : 214 337 009 e-mail: geral@vasp.pt Assinaturas 808200095 Tiragem média total de Fevereiro 30.457 exemplares Membro da APCT

PUBLICIDADE

Apenas 52€ por ano Porque é possível


distinguir a verdade
Para aderir a esta campanha, aponte para aqui a câmara
ou aplicação do seu telefone e carregue no link que aparece
ou contacte-nos
publico.pt/assinaturas | assinaturas@publico.pt
808 200 095 (DIAS ÚTEIS DAS 9H ÀS 18H)
da manipulação
571b50ed-6c2f-429c-901f-270aff607ac3