Você está na página 1de 2

Universidade Federal da Paraíba – UFPB

Centro de Ciências Sociais Aplicadas – CCSA


Programa de Pós-graduação em Administração – PPGA
TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES (2019.1)
Professor: Carlos Eduardo Cavalcante

DISCENTE: Douglas Oliveira Bezerra MATRÍCULA: 20191003238

Resumo – Encontro 11 – Tema: Cultura Organizacional

Cultura é o conjunto de manifestações humanas, padrões, comportamentos, símbolos etc, que


contrastam com a natureza ou comportamento natural. No que tange a organização, cultura
organizacional pode ser definida como um sistema de valores compartilhados pelos seus membros, em
todos os níveis, que diferencia uma organização das demais.
De acordo com Davi (1984 apud MASCARENHAS, KUNDA e VASCONCELOS, 2004),
cultura é o padrão de crenças e valores compartilhados que fornece significados aos membros de uma
instituição e estabelece regras comportamentais dentro da organização.
Segundo Mascarenhas, Kunda e Vasconcelos (2004), é com o desenvolvimento da Escola das
Relações Humanas que a antropologia fornece princípios teóricos para o estudo das organizações,
entre eles a etnografia e observação, onde consiste em atividades de familiarização com a cultura e
permite a interpretação pela investigação de como os sistemas de valores são organizados e de como
influenciam o comportamento do grupo. Os teóricos da cultura organizacional sustentaram que as
organizações subestimavam a importância da autoridade moral, da integração social, da qualidade e da
flexibilidade.
Os autores defendem que a cultura organizacional pode ser dividida em três abordagens:
integração, diferenciação e fragmentação. A integração reflete o referencial funcionalista e é
geralmente ligado a interesses gerenciais, marcada por discussão das culturas fortes e fracas, vista
como vantagem competitiva. A cultura é constantemente produzida e negociada no contexto de
interação social entre os grupos. Na perspectiva de diferenciação se foca nas manifestações culturais
que são interpretadas de maneira inconsciente dentro da organização. Enquanto a perspectiva de
fragmentação tem seu foco no componente de diversidade da cultura. Assim, a inclusão das
perspectivas de diferenciação e de fragmentação permite que os administradores construam um
entendimento mais profundo e detalhado do ambiente social no qual estão inseridos, onde tal
conhecimento pode ser usado para derivar um conjunto de parâmetros para tomada de decisão.
A cultura organizacional é vista como um atributo das organizações cuja formação é
influenciada pelos padrões da cultura nacional. Nesse aspecto, Mota e Caldas (1997), defendem que os
comportamentos dos executivos e trabalhadores baseiam-se em crenças, atitudes e valores e ciclos
viciosos de comportamento são causados por crenças, atitudes e valores. Para eles, cada tipo de cultura
exerce um tipo próprio de controle de seus membros participantes.
Assim, Tanure (2009) aborda a ideia de cultura nacional, definida como conjunto de valores
compartilhados por um grupo de pessoas dentro das fronteiras nacionais ou dos limites regionais
expressos através de comportamentos, símbolos e rituais. Ainda defende que a cultura nacional é
baseada em três abordagens: a universalista (única maneira aceitável de administrar), a relativista (o
contexto é importante) e a divergência convergência (tende a ser inclusiva e não se pode ter visão
limitada).
Contudo, a cultura organizacional é importante porque explica o comportamento humano nas
empresas mostrando o caminho para mudanças e melhorias. Estudar a cultura da empresa é
fundamental para viabilizar estratégias e conduzir processos de mudança.

Perguntas/frases

 Cultura se refere a regras de interpretação da realidade, a sistemas de classificação e


interpretação que permeiam a interação dos indivíduos e grupos e criam condições que
possibilitam o compartilhamento e a negociação de sentimentos e representações entre eles.
 Fenômenos culturais estão imbricados em processos e contextos socialmente estruturados, e
estão associados a relações de poder e de conflito.

Referências

MASCARENHAS, A. O.; KUNDA, G.; VASCONCELOS, I. F. G. Cultura organizacional e


antropologia interpretativa – ultrapassando a abordagem de integração na pesquisa e na
prática. In: VASCONCELOS, F. C.; VASCONCELOS, I. F. G. (Orgs.) Paradoxos Organizacionais:
uma visão transformacional. São Pau- lo: Pioneira Thomson Learning, 2004.

MOTTA, F. C. P.; CALDAS, M. P. (Org.). Cultura Organizacional e Cultura Brasileira. São


Paulo: Atlas, 1997.

TANURE, B. Singularidades da gestão à brasileira?! In: BARBOSA, L. (Coord.) Cultura e


Diferença nas Organizações: reflexões sobre nós e os outros. São Paulo: Atlas, 2009.

Você também pode gostar