Você está na página 1de 56

Expediente / Índice

imprensa@sieeesp.com.br

DIRETORIA

Presidente
Matéria de Capa
4
Benjamin Ribeiro da Silva
Colégio Albert Einstein

1º Vice-presidente A qualidade de vida – e o conhecimento –


José Augusto de Mattos Lourenço
Colégio São João Gualberto dos professores
2º Vice-presidente
Waldman Biolcati
Curso Cidade de Araçatuba

1º Tesoureiro
José Antonio Figueiredo Antiório
Colégio Padre Anchieta
Comportamento Nutrição
2º Tesoureiro
Antonio Batista Grosso
Colégio Átomo
10 Quando a avaliação 30 Alimentos que
1º Secretário é mais do que dar rejuvenescem
Itamar Heráclio Góes Silva
Educ Empreendimentos Educacionais uma nota
2º Secretário
Cidadania
34
Antonio Francisco dos Santos
Colégio Novo Acadêmico
Educação Digital
DIRETORES DE REGIONAIS

ABCDMR
12 Tendências
Voltar para casa
Oswana M. F. Fameli - (11) 4437-1008 tecnológicas para
a Educação: Tecnologia
36
Araçatuba
Waldman Biolcati - (18) 3623-1168

Bauru
É possível prever? Tecnologias na sala
Gerson Trevizani - (14) 3227-8503
de aula
Campinas
Antonio F. dos Santos - (19) 3236-6333 Drogas
Guarulhos 16 Quais são as Tributos
40
Wilson José Lourenço Júnior - (11) 4963-6842

Marília
Luiz Carlos Lopes - (14) 3413-2437
consequências do Imunidades
Ribeirão Preto
uso de drogas na tributárias nas
João A. A. Velloso - (16) 3610-0217 adolescência? instituições de ensino
Osasco
José Antonio F. Antiório - (11) 3681-4327

Presidente Prudente Educação Sexual


Antonio Batista Grosso - (18) 3223-2510

Santos
Ermenegildo P. Miranda - (13) 3234-4349
20 Vacina de HPV 46
Secretaria Escolar
Secretaria escolar –
Uma arma poderosa
São José dos Campos
Maria Helena Baeza - (12) 3931-0086
a porta de entrada
São José do Rio Preto
da escola
Cenira Blanco Fernandes Lujan - (17) 3222-6545 Entrevista
Sorocaba
Edgar Delbem - (15) 3231-8459
22 Gustavo Cerbasi Homenagem
JUNHO DE 2014
51 Diretor do Sieeesp
Editor
Jurídico é homenageado
26
Adhemar Oricchio - MTB 8.171
Repórteres
Gisele Carmona
Ygor Jegorow (estagiário)
Redes Sociais:
Avanço ou
Assessoria de Imprensa e
Produção Editorial
Editor-chefe: Adhemar Oricchio
retrocesso? 52 Obrigações
Editor gráfico: Balduino Ferreira Leite
Site: Gisele Carmona
Redes Sociais: Ygor Jegorow
Impressão: Companygraf Reflexão
Colaboradores
• Ana Paula Saab • Antonio Higa
• Carlos Alberto Nonino
28 A importância do 54
• Clemente de Sousa Lemes
• Ivaci de Oliveira • Jocelin de Oliveira erro no processo de Cursos
• José Maria Tomazela • José Rodrigues
• Ulisses de Souza aprendizagem
www.sieeesp.org.br
Av. das Carinás, 525 - São Paulo - SP
CEP 04086-011 - (11) 5583-5500

2 Escola Particular
Editorial

Benjamin

Em Busca Ribeiro da Silva


Presidente do Sieeesp

da Qualidade
Sindicato dos Estabelacimentos de
Ensino no Estado de São Paulo
benjamin@einstein24h.com.br

M ais uma vez a educação Organização, de 500. No topo do O contato com


brasileira está sendo colocada
em xeque quando comparada
ranking ficaram países asiáticos
como Cingapura, Coreia do Sul e
educadores
com o mesmo setor de países Japão. internacionais abre
considerados mais avançados
que o nosso. Agora, no Pisa
É um novo tipo de avaliação,
mas os professores ainda têm
uma porta essencial
(Programa Internacional de dificuldades em se aperfeiçoar. para o intercâmbio
Avaliação de Estudantes), que Não podemos esquecer que,
mede diferentes competências de em outra pesquisa realizada
de informações e
jovens nas salas de aula, em um pelo Pisa, em dezembro do ano para se desenvolver
ranking de 44 países, ficamos em passado, o Brasil ficou entre os
38º lugar. O relatório foi divulgado piores do mundo em educação. projetos de
pela OCDE (Organização para a Entre 65 nações, ficamos em 58º interesse comum
Cooperação e o Desenvolvimento em Matemática, 55º em Leitura e
Econômico). em 59º em Ciências.
Tradicionalmente voltada para Temos muito a avançar e
as áreas de Leitura, Matemática uma das formas encontradas
e Ciências, o teste do Pisa pelo Sieeesp - Sindicato dos Para alcançar esses objetivos,
buscou avaliar as habilidades Estabelecimentos de Ensino no os Ministérios de Educação
dos estudantes para resolver Estado de São Paulo, entidade organizaram seminários,
em computadores problemas que presido, é realizar viagens durante os quais nossa
de lógica e de raciocínio, em que de estudos por países que têm delegação conheceu a estrutura
os métodos de solução não são muito o que colaborar com o do sistema, as prioridades
óbvios. Os testes foram feitos em Brasil nessa área. Este ano, no da educação, o papel e a
todo o mundo com 85 mil alunos mês de maio, realizamos a 17ª formação dos professores e dos
de 15 anos, em 2012, e traziam viagem, com a participação de gestores, projetos inovadores
questões ligadas à vida prática, 80 educadores de todo o país, ou diferenciais , bem como o
como comprar bilhetes em uma e o destino foi a Finlândia e a uso de tecnologia em classe, a
máquina, operar um MP3 player e Rússia. Importante destacar que avaliação de alunos e da escola,
encontrar a menor diferença entre o objetivo da viagem foi conhecer dentre outros temas de grande
dois pontos. Do total de alunos o sistema de ensino da Finlândia, relevância. Os Ministérios e
brasileiros avaliados pelo Pisa, número um do mundo, e da Departamentos de Educação das
47,3% tiveram desempenho pífio. Rússia, desde a educação infantil cidades visitadas selecionaram
Para a OCDE, a importância até o ensino médio e técnico, suas melhores escolas, que
de medir as habilidades deve-se à obtendo-se uma visão completa traduzem bem os aspectos acima.
crescente demanda do mercado dos vários níveis de educação. Tivemos a oportunidade única
por profissionais criativos. Evidentemente, o contato com de conversar com professores e
Anteriormente, o Pisa já havia educadores internacionais abre estudantes, assistir as aulas em
medido competências para uma porta essencial para o classe e conhecer as instalações.
resolver problemas complexos. intercâmbio de informações e Com essa iniciativa, buscamos
O resultado do Brasil, de 428 para se desenvolver projetos de colaborar com a qualidade da
pontos, ficou abaixo da média da interesse comum. melhoria do ensino do país.

Escola Particular 3
Matéria de Capa

Gisele Carmona

R ecentemente a Organização para Cooperação e Desenvolvimento


Eco-nômico (OCDE) divulgou o resultado do Programa Internacio-
nal de Avaliação de Estudantes (Pisa), que testou a habilidade de alunos
de 15 anos em resolver problemas de raciocínio lógico relacionados a
situações práticas do cotidiano. O Brasil não teve um bom resultado e
ocupou o 38° lugar entre os 44 países que tiveram a habilidade de seus
estudantes avaliada.
O teste é aplicado a cada três anos e, normalmente, está voltado
para Leitura, Ciências e Matemática. O Pisa avaliou 85 mil estudantes e,
pela primeira vez, mediu a capacidade de resolução de problemas mais
elaborados de lógica e raciocínio. Infelizmente, menos de 2% dos nossos
estudantes atingiram a performance máxima na solução dos problemas.
A inovação na avaliação se deve à demanda do mercado, que exige
profissionais cada vez mais criativos. Para chegar aos resultados, os
alunos testados executaram tarefas em um aparelho MP3, tiveram
de usar o controle remoto de um aparelho de ar-condicionado para
controlar condições de temperatura e umidade, encontrar a menor
distância entre dois pontos e simular a compra de um bilhete de trem
em um teclado sensível ao toque. Tarefas aparentemente simples, mas
que deixaram nossos jovens para trás em comparação aos demais países
que passaram pelos mesmos testes.
O Sudeste do Brasil apresentou 447 pontos, enquanto o Norte teve
o pior índice, com 383 pontos, atrás apenas de algumas regiões dos
Emirados Árabes, deixando claro que a desigualdade regional ainda
existe e é complexa. Além disso, apontou-se também uma considerável
diferença entre gêneros, as meninas tiveram desempenho melhor do
que os meninos.
office.microsoft.com

4 Escola Particular
A liderança do ranking ficou com Cinga-
pura, Coreia do Sul e Japão. As três últimas
posições foram ocupadas por Uruguai,
Bulgária e Colômbia.
Esse é mais um exemplo da situação da
educação no Brasil que, assim como já foi
afirmado diversas vezes, está abaixo dos
parâmetros em avaliações realizadas por
vários órgãos de pesquisas. Em dezembro
de 2013, por exemplo, a OCDE divulgou os
resultados do PISA 2012 demonstrando
que, entre os 65 países comparados, o
Brasil estava em 58º lugar no desempenho
dos estudantes nas três áreas de conheci-
mento avaliadas.
Em missão de tentar desvendar os pro-
blemas existentes dentro e fora de nossas
salas de aula, a revista Escola Particular
continua sua série “Os Rumos da Educação
Brasileira”, tentando alertar mantene-
dores, professores e pais sobre a situação
escolar de nossas crianças e jovens, e o
que está sendo feito – ou não – para que
se busque uma solução adequada, tirando
finalmente nossos resultados de índices
tão preocupantes.
Um dos temas mais questionados é a
qualidade de trabalho e remuneração de
nossos professores. Será que a qualidade
de ensino cresceria se oferecêssemos
melhores condições a nossos educado-
res? Ou o problema não é simplesmente
esse? Sendo assim, aproveitamos esse
questionamento e conversamos com uma

Escola Particular 5
Matéria de Capa

especialista no assunto, para explorar um Ariana completa dizendo que a edu- A especialista garante que, assim
pouco o tema. cação está em uma nova fase. Agora as que resolvermos essa primeira parte – a
Ariana Cosme é educadora com li- escolas estão funcionando e as crianças e graduação – chegará a vez de atualizar
cenciatura em Ciências da Educação e jovens estão nelas, no entanto, é preciso também a formação continuada, afinal,
doutoramento em Ciências da Educação que tenham um objetivo, um rumo. É pre- os professores devem sempre continuar
na Faculdade de Psicologia e de Ciências ciso que o conhecimento adquirido seja aprendendo. Um professor não está feito
da Educação da Universidade do Porto, em de qualidade, algo que construa pessoas quando termina a sua faculdade de Magis-
Portugal. Publicou, em parceria com Rui capazes de acompanhar o desenvolvimen- tério, a verdadeira prova começa quando
Trindade, as seguintes obras: Escola, Edu- to que o mundo está pedindo. ele inicia suas aulas.
cação e Aprendizagem: Desafios e respostas “Se queremos entrar corretamente “Uma sala de aula é diferente todos
pedagógicas (WAK editora) e Todas as nessa nova fase, o grande ponto de mu- os anos. Cada grupo de professores é
Aprendizagens são Pessoais, mas Ninguém dança terá de ser a formação dos profes- diferente, cada organização de escola tem
Aprende Sozinho: Gerir as salas de aula como sores. Afinal, para garantir que o ensino sua forma de trabalhar, cada coordenação
comunidades de aprendizagem (Editora seja de qualidade, precisamos preparar pedagógica tem uma visão. E isso precisa
Melo). Para trazer um pouco mais de sua aqueles que transmitirão a educação”. de um trabalho de atualização permanen-
experiência aos professores brasileiros, ela Para ela, os desafios que se colocam te. A formação continuada não chega a ser
esteve presente no Congresso Saber 2013 diante do Brasil não são diferentes dos de- tão importante quanto a formação inicial
com a palestra “A formação de professo- safios que existem no restante do mundo. (essa precisa ser perfeita), mas ela também
res de Educação Infantil e Séries Iniciais”. Comenta que a ideia de que os outros é muito importante”.
Diante da situação brasileira em níveis países têm um trabalho melhor do que o No entanto, reforça que essa forma-
de educação, ela nos aponta, primeira- nosso muitas vezes nos trava, nos impede ção continuada precisa ser feita baseada
mente, a diferença entre oferta escolar e de tentar melhorar, de tentar progredir. totalmente na realidade dos professores,
qualidade de ensino. A educadora confessa que os problemas em seus problemas diários, ou seja, só
“Se o assunto for o nível de oferta es- existentes por aqui são os mesmos que faz sentido se ajudar a pensar a prática
colar do Brasil, os últimos dez anos foram em Portugal. do trabalho. “Durante anos discutimos o
fantásticos. A oferta alargou-se e hoje “A universidade tem de trabalhar teórico versus prático. O que seria mais
milhares de crianças têm a oportunidade melhor os currículos de nossos professo- importante para a formação de nossos
de frequentar a escola. O Brasil tem um res, transformar o aprendizado em algo professores? Uma visão mais científica ou
bom trabalho de rede municipal. As redes que os futuros educadores realmente mais didática? Mas a questão é que devía-
municipais, nos últimos, anos têm cons- encontrarão em sala de aula. É importante mos seguir os dois caminhos, afinal, um dá
truído um projeto de educação infantil lembrar o verdadeiro papel do professor. sentido ao outro”.
consistente, coerente, sólido e que atende Ser professor não é guardar crianças, para Os professores, que antes eram con-
às questões logísticas que envolvem as isso a pessoa não precisa de uma forte siderados respeitados, hoje estão esque-
crianças. E o Brasil tem um bom trabalho formação científico-pedagógica. Ser pro- cidos e desanimados com a sua profissão.
com creches do zero aos três anos. No fessor e educador é muito mais complexo. “Tanto aqui quanto na Europa nota-se
meu país (Portugal), por exemplo, não E isso significa que as universidades pre- isso. O discurso deles é de que não são
existe rede pública do zero aos três anos”. cisam sair de sua torre de marfim – onde reconhecidos socialmente como antes,
Já imaginando a reação das pessoas estiveram protegidas e isoladas durante mas, a meu ver, os professores do Brasil
ao ler essa afirmação, ela lembra que o tanto tempo – e elaborar novos métodos nunca foram tão bem pagos como hoje.
Brasil é um país formado por mais de 200 para formação. Tanto as universidades do É claro que, antes que digam qualquer
milhões de habitantes, o que faz com que Brasil quanto as de Portugal vivem em um coisa, estamos longe de ter uma realidade
as tarefas e trabalhos realizados não sejam mundinho fechado”, completa ela. “Elas perfeita, a diferença em alguns municípios
tão evidentes, e que pareça sempre impos- não gostam de renovações, vivem de cos- é preocupante, no entanto, nunca, como
sível alcançar o planejamento desejado. tas para a realidade do mundo”. hoje, se percebeu que é necessária uma
“Tanto o meu país quanto o Brasil
possuem democracias recentes e foram
vítimas da ditadura, o que afastou a es-
cola das pessoas. Afinal, as instituições de
ensino permitiam que as pessoas tivessem
consciência de cidadania, que aprendes-
sem a ter autonomia, e isso levaria o povo É preciso que o
à democracia, o que não era interessante
para os militares. As ditaduras, tanto em
conhecimento adquirido
Portugal quanto no Brasil, fecharam as
escolas por muitos anos”.
seja de qualidade, algo
Segundo ela, com o fim da ditadura o
governo precisou abrir as escolas nova-
que construa pessoas
mente e recomeçar do zero. Isso causou
o atraso em relação aos demais países,
capazes de acompanhar
tendo que se recuperar desse período e ga- o desenvolvimento que o
rantir a qualidade da oferta. “Eu acredito
que agora, tendo conseguido tantos mundo está pedindo
avanços na questão de quantidade, o Brasil
precise parar um pouco com o projeto de
office.microsoft.com

ter todos nas escolas e passar a pensar em


ter todos com qualidade na escola”.

6 Escola Particular
remuneração mais adequada para que os os políticos, e os professores estavam
professores se estabilizem no mercado nas colocações do meio para cima, antes
de trabalho, possam se especializar e que de profissionais como advogados e enge-
não precisem fazer dois ou três turnos para nheiros. Ou seja, segundo a educadora, o
conseguir sobreviver”. reconhecimento existe.
Ariana ressalta que esse não é o único “Eu imagino que no Brasil aconteça
ponto. Além de bons salários, eles também algo bem parecido com Portugal, os
precisam ser reconhecidos como intelec- professores estão sempre comentando
tuais e como agentes de cultura. E, para como foram colocados de lado e como o
que isso aconteça da forma correta, eles país deixou de prestar atenção em suas
precisam ter condições de ir ao cinema, ao escolas. No entanto, se pensarmos bem,
teatro, ter a chance de abrir seu leque de a coisa não é bem assim, afinal, não há
conhecimento e poder compartilhar isso programa de estado ou de administração
com seus alunos. que não precise de escolas. É só prestar
“Em Portugal, que é o lugar que eu
posso descrever com mais detalhes, os
Os professores atenção, qualquer campanha que é di-
vulgada, começa primeiro pelas escolas.
professores vão pouco ao teatro, ao cine-
ma, saem pouco, não conhecem direito
estão sempre Se o governo cria uma campanha para
conscientização do cuidado dos dentes
sua cidade, conhecem poucos museus,
bibliotecas, às vezes nem conhecem os
comentando para ajudar os dentistas, o primeiro lugar
a ser visitado são as escolas. O ministério
parques onde poderiam ter uma boa opor- como foram do meio ambiente está desenvolvendo
tunidade para ensinar seus alunos de uma um programa para preservação das flo-
forma diferente, saindo do convencional”. colocados de lado restas?: escola. Vamos lá, é só observar o
Ela comenta que, entre os portugue- dia a dia dos projetos, todos os parceiros
ses, foi feito um estudo recente sobre a e como o país contam com a escola. Isso significa que se
representação social dos professores e,
por incrível que pareça, a profissão estava deixou de prestar reconhece que as escola possuem grande
influência em seus alunos e famílias. A
muito bem colocada. Entre os primeiros
foram citados os médicos e enfermeiros, atenção em suas verdade é que não há nenhuma estrutura
de governo que não conte com a escola
já que cuidam da saúde das pessoas e em
todas as culturas possuem uma represen- escolas para essas campanhas. Portanto, não é
tão verdade assim que os professores são
tação de cuidado e poder. Os últimos são mal vistos”.

Escola Particular 7
Matéria de Capa

office.microsoft.com

A profissão é de
risco porque é
Para a especialista, o que acontece
feita de urgências
é que, individualmente, os professores
não se sentem reconhecidos, mas esse é
e é extremamente
um trabalho que também precisa partir solitária
das instituições de ensino. É preciso que
elas reconheçam a importância de seus
professores, que entendam que sem eles os alunos atacam. Ela é de risco porque exi-
sua administração não conseguiria seguir ge do profissional uma resposta urgente.
em frente. Até porque, com a proximidade “Ela é uma profissão de risco porque
que se criou entre escola, alunos e família, nos obriga a decidir em cinco segundos
a cobrança desses profissionais tem se se eu comento aquilo que vi, ou finjo que
tornado cada vez maior. não vi. Se respondo, ou não, à provocação.
“Hoje em dia as famílias sentem-se tão Eu não sei responder aquilo que o aluno
à vontade em ir à escola para ver o que perguntou. O que faço, digo que não sei?
está acontecendo com seus filhos, que Ou digo que vou pesquisar? São cinco
muitas vezes os pais acham que estão no segundos. Ela é de risco porque é feita de
direito de xingar os professores. Isso, em urgências e é extremamente solitária. A
outros tempos, jamais aconteceria. Mas gente fecha a porta da sala de aula e está
não aconteceria porque as famílias ti- sozinha. Os médicos, por exemplo, estão
nham vergonha de entrar na escola, pais e sempre acompanhados de uma equipe
responsáveis pelas crianças não se sentiam para apoiá-los em emergências. Isso não
no direito de atravessar os portões de uma acontece conosco. E, como somos edu-
escola por não terem tido a oportunidade cadores, temos de tomar boas decisões,
de estudar. A questão é que os tempos já que aqueles pares de olhos sentados
mudaram, e esse fosso que existia entre em sua frente vão contar em suas casas
escola e família se tornou bem pequeno. se decidimos certo ou errado. E a nossa
Quando existem mudanças, sempre temos condição de ser humano nem sempre nos
vantagens e desvantagens. A vantagem é a permite acertar. A urgência muitas vezes
questão da presença, da proximidade, e é nos leva à falha”.
preciso entender isso como um ‘pertencer Seguindo essa linha de raciocínio,
à comunidade’. Mas, é claro, que isso Ariana conclui que a profissão é de risco
demanda também se tornar respeitado porque os profissionais são obrigados a
pela comunidade. E a maior dificuldade do tentar conciliar o inconciliável. “Por um
professor é ganhar esse respeito. Ninguém lado eu tenho de admitir que não sei de
se torna respeitado se não investe na edu- tudo, ninguém sabe. Mas também preciso
cação de seus alunos, se chega tarde, se me lembrar que sou uma fonte de conhe-
fuma no portão da escola, se usa celular na cimento para aqueles que estão na sala de
sala de aulas. A escola, e principalmente o aulas comigo. Agora, é claro, ela não pode
professor, precisa passar alguns exemplos ser uma profissão de risco físico. No dia em
positivos, praticando sempre aquilo que que a escola tiver medo de seus alunos, ela
quer que seus alunos sigam. E acho, sin- precisa fechar as portas. Alguma coisa não
ceramente, que as escolas estão em um está funcionando bem quando a gente tem
bom caminho”. medo. A vocação das escolas é colhê-los,
Ariana comenta que a profissão de e eles estão melhor conosco do que nas
professor é, sim, de risco, mas não porque ruas”, finaliza. •

8 Escola Particular
Escola Particular 9
Comportamento

QUANDO A AVALIAÇÃO
É MAIS DO QUE DAR
UMA NOTA
P or muitos e muitos anos, o sistema de ava-
liação na educação brasileira se estruturou
sobre a lógica de uma aritmética exata que respon-
não conseguem responder perguntas que exigem
maior interpretação. Esse problema está muito
ligado ao modo como ensinamos os nossos alunos
dia ao entendimento que se tinha de como a escola e não ao tempo de permanência. Escolarizamos a
deveria se organizar e o que nela se fazia. O ano cultura, as coisas do mundo, apresentando pergun-
escolar era dividido em bimestres, os períodos em tas e respostas sabidas de antemão, cabendo a um,
aulas com a mesma duração, as salas com crianças a exposição, ao outro, a passividade. Isso tem a ver
com a mesma idade. Durante esses períodos o aluno com a avaliação.
recebia um enorme volume de conteúdo em que se- Olhar para a avaliação e entendê-la como um
ria avaliado ao final de um período de formação (mês meio para promover uma educação que realmente
ou bimestre). Ao final de cada período, somavam-se favoreça o pensar é certamente um dos caminhos
e dividiam-se os resultados obtidos em duas ou três para termos no Brasil uma escola voltada ao propósi-
provas para chegar na nota do bimestre, nota essa to de uma educação de qualidade, que realmente
que na grande maioria das vezes estava longe de desenvolva no aluno as habilidades essenciais para
expressar o real aproveitamento dos conteúdos a completa participação nas sociedades modernas.
trabalhados no período. Bastava ter aprendido Nesse sentido, a avaliação deve estar a serviço das
muito bem um dos diversos temas do período e ter a aprendizagens e não reduzida a um balanço no final
sorte de ser exatamente esse o conteúdo em maior de um bimestre ou final de ano.
quantidade na prova que tudo seguia bem na vida Nessa perspectiva, avaliar acompanha o pro-
escolar daquele aluno. Esse modelo de avaliação cesso de ensino-aprendizagem o tempo todo.
geralmente está baseado numa concepção de edu- Avaliar deixa de ser entendido somente como “dar
cação que não atende mais os anseios da sociedade
e dos tempos que vivemos.
Quando vemos o desempenho do Brasil em
testes como o PISA (Programa Internacional de
Avaliação de Estudantes), principal avaliação inter-
nacional da educação básica, percebemos que há
muito por ser feito em relação à qualidade de nossos
processos educacionais. No último PISA, divulgado
no final de 2013, o Brasil ficou em 58º lugar entre os
65 países participantes. É claro que a carga horária
office.microsoft.com

dos estudantes dos países mais bem colocados é


significativamente maior do que a dos brasileiros.
Contudo, tem um dado relevante que essas pesqui-
sas têm apontado ano após ano: os nossos alunos

A avaliação deve
estar a serviço das
aprendizagens

10 Escola Particular
As crianças não
são aquilo que
elas fazem nas
salas de aula,
mas o que
os nossos
métodos de
ensino as
office.microsoft.com

submetem

uma nota” a uma produção do aluno (tarefa, tra- Na medida em que vamos promovendo uma
balho, prova), mas como um juízo de valor, como relação de inteligibilidade do conhecimento, por
uma apreciação, das atividades realizadas por eles. meio de um processo avaliativo que promova o
Essa apreciação sempre deverá vir acompanhada pensamento, a dúvida, novos questionamentos
de novos desafios, de novas mediações, afim de que e soluções, o medo do novo, a passividade e a re-
os estudantes possam corrigir seus equívocos (que produção, vão deixando de ter sentido, dando lugar
é inerente às aprendizagens) ao longo do processo a novas relações com o saber, nasce a invenção. A
(e não somente no final do mês) ou avançar em “nota” de um aluno obtida num contexto mais rico
suas aprendizagens: ampliando a compreensão, em possibilidades de aprendizagens tem maior
promovendo novos nexos, problematizando as qualidade do que num em que o conhecimento é
situações, construindo novos questionamentos. memorizado literalmente.
É um constante ir e vir sob o olhar atento de um Repensemos a égide sob a qual autorizamos
professor que promove novas mediações a partir uma pedagogia hegemônica, que insiste em reduzir
de sua apreciação. a complexidade da vida, escolarizando o mundo,
Uma avaliação que promova verdadeiramente criando modos de ser sujeito, muito contrário ao
aprendizagem traz em si mesma diferentes ma- modo de como a vida se manifesta. Há uma relação
neiras de ensinar. Como o acompanhamento é intensa entre qualidade educacional e avaliação que
continuo, o feedback dado aos alunos passa a ser se põe a serviço das aprendizagens. Modos de ava-
constante, evitando que os erros se acumulem. É liar “determinam” modos de aprender. As crianças
uma avaliação que considera, por meio da sua me- não são aquilo que elas fazem nas salas de aula, mas
diação, diversidade de modos de aprender. o que os nossos métodos de ensino as submetem.
O que torna uma avaliação em processo não Vivemos num tempo em que as novas tecnolo-
é a redação presente no Regimento Escolar, mas gias nos favorecem a realização da docência com
como ela é implementada em sala de aula. Às vezes maior elegância pedagógica, possibilitando-nos
usamos boa parte do tempo pensando na “me- atender à diversidade de ritmos de aprendizagens
lhor” fórmula matemática a ser usada na avaliação de modo personalizado. •
quando deveríamos pensar em como promover
intensa e extensivamente as aprendizagens. So-
mamos, multiplicamos e dividimos conhecimentos
distintos com a pretensa intenção de comunicar as Flávio Antônio Sandi é diretor
educacional da Rede de Colégios do
aprendizagens realizadas. Quando a matemática é Grupo Marista.
colegiosmaristas.com.br
a maior responsável pela “produção” da nota e não
o repertório metodológico e a qualidade do instru-
mento de avaliação, certamente descaracterizamos
o próprio processo formativo.

Escola Particular 11
Educação Digital

Parte III

freeimages.com
C ontinuamos, nesta edição, a comentar as proposições apresentadas pela pes-
quisa realizada pelo Universia a respeito das tendências para a educação, até 2028.
Nesta etapa enfocaremos os temas que tratam de conteúdos compartilhados e aulas
multimídia. No próximo artigoabordaremos os assuntos “Big data” e “Extraclasse”.
freeimages.com

Big Data, o que é e em que pode servir? Este é apenas um exemplo, mas em
Para o Universia, tecnologias de moni- geral a meta das organizações com acesso
toramento constante de dados – como o a grandes volumes de dados é ter condições
Big Data – podem se tornar ferramentas de utilizá-los com fins às suas atividades e
importantes para educação num futuro tomada de decisões.
próximo. Nem todo dado será relevante ou útil.
A tecnologia de Big Data não apenas Mas, como se pode encontrar os dados
suporta a funcionalidade de se poder que mais importam? Esse é um problema
coletar grandes volumes de dados, como amplamente conhecido. Nos processos ar-
também provê a habilidade de com- caicos de avaliação escolar, por exemplo,
preendê-los e tirar proveito de seu valor. A provas são aplicadas pontualmente, a cada
metáfora é como acontece num processo com potencial efetivo de intervenção na determinado intervalo de tempo, com o
de garimpagem: em meio a toneladas de realidade. objetivo de acompanhar a aprendizagem
terra podem existir pedras preciosas! Se os batimentos cardíacos aumenta- dos estudantes. No entanto, como se
A obtenção de dados relevantes, rem durante uma aula, por exemplo, pode sabe, este processo se torna mais eficiente
dentre outras aplicações, pode estar as- ser que um aluno esteja com dificuldade na razão direta em que a frequência da
sociada à gestão no que tange à tomada para entender o assunto”, afirma a Uni- aquisição de dados sobre o desempenho
de decisões. Dados se transformam em in- versia. No caso, esta informação permitiria e aprendizagem do aluno aumente.
formação e, por processos que envolvem que uma atenção especial fosse dada pelo Levando-se os termos desta equação
competências, se chega a conhecimento professor ao aluno em apuros. ao limite se vislumbra o ideal em que a

12 Escola Particular
Escola Particular 13
Educação Digital

freeimages.com
A expectativa dos especialistas da
Universia é de que, em casa, o aluno possa
contar com conteúdo que complementaria
ou até substituiria aquilo que hoje só a
escola ensina
cada instante novos dados sobre o pro- expectativa dos especialistas da Universia
cesso de ensino aprendizagem possam é de que, em casa, o aluno possa contar
ser adquiridos de modo que a gestão do com conteúdo que complementaria ou até
professor possa se tonar cada vez mais substituiria aquilo que hoje só a escola en-
eficiente. O retorno oferecido pelo pro- sina. Existirão sites gratuitos para aprender
cesso de Big Data, neste caso, é propiciar e ensinar, tão completos e eficazes quanto
ao professor potencial interventivo quase instituições de ensino”, afirma a entidade.
instantâneo, de modo que as interações Outra tendência apontada pelo Uni-
sejam altamente qualificadas e eficazes. versia é a organização em rede das institui-
De um modo geral, Big Data é um ções de ensino. Nela, os alunos vão poder
termo popular usado para descrever o trocar informações e ideias entre si.
crescimento, a disponibilidade e o uso Estas tendências apresentam, na atua-
exponencial de informações estruturadas lidade, evidências presentes. O concurso
e não estruturadas. Muito tem sido escrito das mídias digitais dedicadas à educação
sobre Big Data e como ele pode servir e a processos de gestão do conheci-
como base para a inovação, diferenciação mento já contribuem de modo exemplar.
e crescimento. Nesta perspectiva é rele- Veja-se, por exemplo, o caso dos objetos
vante que que os líderes das organizações educacionais digitais (OED), concebidos
em geral, e das educacionais em particular, e produzidos em diversas modalidades
se concentrem no crescente volume, va- de mídia (jogos digitais, simuladores, ani-
riedade e velocidade de informações que mações, audiovisuais, áudio, infográficos,
constituem o Big Data, para compreendê- complexmedia, hipermídia etc.).
lo e saber como tirar o melhor proveito O Programa Nacional do Livro Didático
dele para fins de gestão. (PNLD), realizado pelo Ministério da Edu-
cação (MED) e um dos maiores programas
Extraclasse do mundo nesta vertente já incorporam,
No futuro, o fim da aula pode não desde 2012, em seus planos de produção
representar o fim da hora de aprender. A pelas editoras, objetos educacionais

14 Escola Particular
digitais e o que era facultativo (PNLD – Vale ressaltar que sistemas de gestão às tecnologias semânticas apresentação
2014, ensino fundamental), passou a ser de informações e aprendizagem (do um nível crescente de organização e de
obrigatório no PNLD – 2016, para o ensino inglês, Learning Management System – disponibilização de soluções dedicadas à
médio): todas as obras, em todas as disci- LMS e, mais recentemente, os Knowledge educação, em todos os níveis de ensino,
plinas, devem disponibilizar mídia digital. Learning Management System (KLMS) inclusive informal. •
Esta é uma das evidências que apon- apontam com diferenciais tanto para a
tam para uma educação que não começa produção editorial 100% digital, quanto
e termina unicamente no recinto das para a realização da gestão de proces- REFERÊNCIAS
escolas, mas que pode antecede-la e sos, tecnologias e mídias com integração
prossegui-la, mesmo depois que as aulas para comunicação em nuvem. Com isso Artigo na revista Exame: 5 tendências de tec-
nologia para educação até 2028. Disponível
de um dia letivo se encerram. Atualmente o que hoje apresenta-se como ainda
em: http://exame.abril.com.br/tecnologia/
já acontece isso e escolas onde práticas fragmentado e resultado de pesquisas noticias/cinco-tendencias-de-tecnologia-pa-
que incorporam modelos de Educação conduzidas por robôs, no decorrer do ra-educacao-ate-2028. Acesso em 16/04/2014.
Digital já estão presentes. tempo a intervenção humana associada
CARVALHO NETO, C. Z. Knowledge Learning
Sugestões para visita e uso de mídia digital dedicada à educação Management System (KLMS): engenharia
editorial e gestão do conhecimento a serviço
• Acesse: www.digital-education.com.br. Procure, ao final da página, por MAGIC. da educação digital. São Paulo: Laborciencia
Em ‘Usuário’ digite ‘convidado’ e em ‘Senha’ ‘convidado’. Trafegue pelo LMS MAGIC e editora, 2014.
veja como são estruturados os conteúdos de conhecimento produzidos por um KLMS
e entregues ao usuário. _ _ _ _ _ _. Educação digital: Paradigmas,
tecnologias e complexmedia dedicada à
• Acesse: www.fisicavivencial.pro.br.Em ‘buscar’ digite uma palavra-chave (por exem-
gestão do conhecimento. Tese de doutora-
plo, mecânica). Acompanhe as soluções apresentadas pelas Plataformas Complexmedia mento defendida perante o Programa de
disponibilizadas, diferenciando e integrando conhecimento. Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do
Conhecimento da Universidade Federal de
Santa Catarina (UFSC). Florianópolis, 2011.
Disponível em: http://www.carvalhonetocz.
Cassiano Zeferino de Carvalho Neto é pós-doutorado em educação digital pelo ITA e dou-
torado em engenharia e gestão do conhecimento pela UFSC; é mestre em educação cientí- com/artigos/. Acesso em 16/04/2014.
fica e tecnológica (UFSC) e especialista em qualidade na educação básica (INEAM/OEA/
USA). Tem licenciaturas em Física e Pedagogia (PUCSP). É fundador e atual presidente do
Instituto Galileo Galilei para a Educação (IGGE), e também fundador e diretor executivo da UNIVERSIA: disponível em http://noticias.
Laborciencia editora. www.carvalhonetocz.com. Contato: carvalhonetocz@gmail.com. universia.com.br/tag/educa%C3%A7%C3%A3o-
2028/. Acesso em 16/04/2014.
Esta coluna conta com o apoio do Instituto Galileo Galilei para a Educação (www.igge.org.br)

Escola Particular 15
Drogas

O uso de drogas na adolescência pode


acarretar uma série de modificações
estruturais no cérebro do usuário.

freeimages.com
Jovens que abusam de drogas apre-
sentam de uma maneira geral prejuízos
acentuados nos estudos e nos relaciona-
mentos sociais. A capacidade de cognição
e raciocínio lógico fi cam comprometidos,
ocorrendo lentificação do pensamento,
dificuldade de concentração e de reten-
ção de informações. Outros prejuízos
cognitivos estão relacionados com alte-
rações na capacidade de julgamento e
juízo crítico, aumento da agressividade e
impulsividade.
Esses adolescentes irão se afastar
dos outros jovens não usuários de drogas
e desta maneira, os laços afetivos serão
comprometidos. Atividades esportivas e
recreacionais em grupo serão abolidas,
laços de confiança, companheirismo, ética
e respeito não serão formados, restando
ao jovem a interação social com outros
usuários e baseados na simples relação
de consumo de drogas.
Essa relação socialmente pobre e dis-
funcional lentamente levará o adolescente
ao padrão comportamental caracterizado
por comportamentos do tipo: acordar
pensando na droga, passar o dia inteiro
pensando em consumi-la ou em como
consegui-la, deixando de lado a família e os
amigos. Uma realidade triste, mas viven-
ciada por milhares de jovens todos os dias.
Desta forma, as alterações químicas
e comportamentais produzidas por esse
consumo de drogas resultarão invariavel-
mente em graves alterações da persona-
lidade desse futuro adulto em formação.
Mas por que tantos adolescentes
abusam das drogas?
Essa é uma pergunta que aflige pais,
professores e profissionais da saúde
mental em todo o mundo. Mas quais são
os fatores que colaboram para que o
consumo de drogas seja um fenômeno
da juventude?
Dificilmente um único fator de risco
levará o jovem ao transtorno por uso de
álcool e drogas. Na verdade o uso proble-
mático das drogas está relacionado a uma

16 Escola Particular
Escola Particular 17
Drogas

freeimages.com
A facilidade com que as drogas são
ofertadas no meio acadêmico torna o
controle ainda mais difícil
série de características, sendo que quanto nessa fase de experimentações. O lar onde
mais fatores de risco tiver este jovem, esse adolescente está inserido pode re-
maiores serão suas chances de envolvi- presentar um fator de proteção ou de risco
mento problemático com as drogas. ao envolvimento com as drogas.
Na verdade, a adolescência é uma fase Primeiramente temos o fator genético
complicada do desenvolvimento e um e logicamente imutável: filhos de pais de-
furacão de mudanças comportamentais e pendentes de álcool ou drogas possuem
físicas ocorrem no corpo e na mente dos até quatro vezes mais chances de se tor-
jovens, mediada por uma descarga intensa narem dependentes, quando comparados
de hormônios que passam a modificar com filhos de pais não usuários dessas
completamente seus corpos. substâncias. Fatores ambientais também
O jovem está buscando sua identi- são importantes, logo filhos vivendo em
dade, sua individualidade, fazendo novas ambientes domésticos caóticos e doentes,
experiências, questionando, duvidando onde convivem diariamente com pais al-
e, muitas vezes, brigando e lutando por coólatras, usuários de drogas, agressivos,
questões que julga importante. Nesta fase violentos, negligentes, hostis, desafiado-
o adolescente não aceita mais passiva- res e onde não há diálogo, nem respeito
mente as determinações e orientações de mútuo, o risco desse adolescente abusar
seus pais, existe uma tendência de maior de drogas e álcool também será maior.
identificação com o grupo de amigos. Portanto, a primeira maneira de preve-
São mais impulsivos, curiosos, mais aptos nir o uso e abuso de drogas por seus filhos
a seguir as opiniões dos colegas e todos é através da existência de uma família
esses fatores podem impulsionar o jovem estável, respeitadora, ética, onde um
a buscar novas experiências, sensações e diálogo franco e honesto com seus filhos
prazeres. exista sempre. Uma criança que vive em
Logo, a adolescência é uma fase com- um ambiente doméstico sadio e seguro,
plexa do desenvolvimento físico e mental. onde as normas e regras sociais sejam
Esse conjunto de fatores agregará o que ensinadas por seus pais, conceitos éticos
se pode chamar de um “ambiente facilita- e morais sejam passados aos filhos para a
dor” para a experimentação das drogas. formação de um jovem responsável, se-
A facilidade com que as drogas são guro de seus deveres e responsabilidades,
ofertadas no meio acadêmico, nas festas e sabendo lidar com a questão dos limites
nas próprias ruas, em bares e lanchonetes são maneiras importantes e eficazes para
que vendem álcool e cigarros indiscrimina- evitar o envolvimento com as drogas.
damente para menores de dezoito anos Jovens com baixa autoestima, in-
de idade, mesmo sendo proibido pela seguros, tímidos, retraídos e que não
legislação federal, torna o controle ainda conseguem se destacar nos estudos, nos
mais difícil. esportes, nem nos relacionamentos soci-
Outro fator importante para o início ais são mais aptos ao envolvimento com as
do uso de álcool e drogas pelos adoles- drogas, portanto a identificação precoce
centes são as influências dos modismos. A desses perfis psicológicos e comporta-
juventude contemporânea e nossa própria mentais será de grande importância para
sociedade encaram o consumo alcoólico a prevenção ao uso de drogas. •
durante eventos esportivos, como Copa
do Mundo, ou eventos sociais a exemplo
do carnaval, réveillon ou outras festivi- Dr. Gustavo Teixeira
Médico psiquiatra da
dades, como um comportamento normal, infância e adolescência.
Professor visitante
sendo praticamente uma regra a presença da Bridgewater State
de álcool nestes momentos. University. Mestre em
Educação, Framingham
Importante ressaltar também a im- State University.
comportamentoinfantil.com
portância do papel da família do jovem

18 Escola Particular
Escola Particular 19
Educação Sexual

freeimages.com
O Ministério da Saúde no início do
ano, por meio do SUS, passou a
Embora os homens pareçam ter mais
HPV, eles agem mais como transmissores, O HPV é altamente
oferecer a vacina contra o papilomavírus
humano (HPV). Eu li esta notícia com muita
pois apresentam menor índice de doenças
relacionadas a esse vírus que as mulheres.
contagioso.
alegria, feliz por saber que muitas garotas
poderão se proteger do HPV.
É por isso que num primeiro momento as
meninas é quem serão as privilegiadas
Basta uma única
O HPV é altamente contagioso. Basta
uma única atividade sexual envolvendo
com a vacina. atividade sexual
contato genital para que qualquer pes-
soa corra o risco de adquirir este vírus.
O vírus
O HPV é um vírus comum que afeta
envolvendo
Segundo a OMS (Organização Mundial tanto homens quanto mulheres. Existem contato genital
de Saúde), o HPV é uma das doenças mais mais de 100 tipos diferentes de HPV. Al-
comuns do mundo e estima-se que muitas guns deles são os responsáveis pelo apare- para que qualquer
pessoas adquirem este vírus nos primeiros cimento nas mãos e nos pés daquelas ver-
2-3 anos de vida sexual ativa. Para vocês rugas comuns. Outros não causam nenhum pessoa corra o
terem uma ideia, uma em cada 5 mulheres tipo de sintoma e a doença desaparece sem
sexualmente ativas estão infectadas pelo tratamento. Destes inúmeros tipos, cerca risco de adquirir
HPV e um em cada dois homens são por-
tadores deste vírus.
de 30 são genitais, transmitidos na relação
sexual, e afetam seriamente esta área, este vírus
20 Escola Particular
principalmente nas mulheres. Isso porque
existem alguns tipos de HPV que não Esta vacina combate
ocasionam nenhum sinal visível, mas que
podem provocar mudanças nas células do
quatro tipos do vírus
colo do útero, causando o câncer nesta
região. Entre estes, os mais perigosos são
HPV, responsáveis
os tipos 16 e 18. Já outros tipos, como o 6
e o 11, apresentam o sinal característico
pelo alto índice de
de verrugas nos genitais e no ânus, em
ambos os sexos.
casos de câncer de
colo de útero
A vacina contra o HPV
Não existe uma forma de prevenção
do HPV que seja 100% segura, já que este
vírus pode ser transmitido até mesmo E o que o professor tem a ver com isso? Quanto aos pais, façam uma reunião
por meio de uma toalha ou outro objeto Tudo. O SUS fez a imunização de sobre o assunto apresentando os benefí-
contaminado e que entre em contato com meninas a partir de 11 anos em março em cios desta vacina para suas filhas. O profes-
os genitais. A camisinha é muito eficiente escolas públicas e privadas. Em setembro, sor de cada escola e disciplina pode fazer
na prevenção durante o ato sexual; o pro- provavelmente acontecerá a aplicação da alguma coisa para que os pais colaborem
blema é que nem sempre o vírus está alo- 2a dose e é muito importante que estas com a vacinação de suas filhas. É impor-
jado em um local que possa ser protegido garotas participem também desta etapa tante esclarecer que não tem o menor
por ela. Daí a importância das meninas se da vacinação. Portanto, se torna impres- sentido julgar esta vacinação como incen-
vacinarem contra o HPV. cindível que este tema seja trabalhado na tivo ao sexo. A vacinação contra o HPV é
Esta vacina combate quatro tipos do escola, tanto com os pais como com os um cuidado à saúde de nossas meninas. •
vírus HPV, que, segundo o ministério, são alunos da faixa etária alvo desta vacinação
responsáveis pelo alto índice de casos de para que esta arma não seja desperdiçada.
câncer de colo de útero. Procurem saber de suas alunas como
De acordo com o ministério, a vacina foi a adesão da vacina, como os pais delas Maria Helena Vilela é
educadora sexual e diretora
tem eficácia comprovada para pessoas reagiram a esta campanha? Vejam se elas do Instituto Kaplan.
kaplan.com.br
que ainda não iniciaram a vida sexual, mas sabem do que se trata e porque foram
não elimina as outras ações de prevenção, as escolhidas para participar? E por fim,
como a realização do exame papanicolau reforcem a importância de se tomar a
e o uso de camisinha nas relações sexuais. 2a dose.

Escola Particular 21
Entrevista

• Entrevista • Entrevista • Entrevista • Entrevista • Entrevista • Entrevista • Entrevista • Entrevista • Entrevista •

Gustavo
Cerbasi

Ygor Jegorow

E ducação é algo que se aprende de pequeno. Logo, educação financeira também deve ser ensinada
desde cedo aos filhos. É o que diz o consultor financeiro Gustavo Cerbasi. Autor de mais de 10 livros,
ele divide sua carreira entre consultor e escritor de livros sobre finanças. Nesta entrevista à revista
Escola Particular, ele diz como ensinar os filhos a usar bem o dinheiro, como a sociedade influencia
no modo como cuidamos do nosso dinheiro e também dá dicas para quem quer aproveitá-lo mais.

Escola Particular - Vivemos em uma mas sem que percamos isso no futuro. O
sociedade onde se dá mais valor ao que se grande desafio da educação financeira é
tem do que o que se é. Esse exemplo pode O povo passa doze criar esse desafio de sustentabilidade no
afetar a formação da criança? consumo. Eu não vejo o consumo como
Gustavo Cerbasi - Nenhuma forma meses pagando algo ruim. O problema é o tipo de consumo
de aprendizado é mais consistente e
marcante do que o exemplo passado de prestações de feito aqui no Brasil.

geração em geração. Pode ser tanto o


exemplo afirmativo, quando a criança decisões tomadas EP - Como é o tipo de consumo do
povo brasileiro?
espelha o comportamento dos pais, como
pode ser o exemplo contra-afirmativo
no natal e GC - Aqui no Brasil, a época de con-
sumo fica concentrada no fim do ano,
quando a criança se recusa a fazer o que
os pais faziam por ser algo ruim. Do ponto
consumindo menos por cauda do natal e do décimo terceiro.
Quando as pessoas pagam parte de suas
de vista do consumo do dinheiro, admirar
o que o outro tem e se espelhar no outro
do que poderia dívidas e fazem mais dívidas para o ano
seguinte. O povo passa doze meses pa-
ou usar as referências de consumo como: gando prestações de decisões tomadas no
casa, carro, roupa, pra dizer que a pessoas natal e, consequentemente, consumindo
está bem não é visto como algo nega- EP - Você acredita que a educação menos do que poderia. Isso não é só é
tivo. Esse costume é mais comum aqui na financeira pode mudar essa visão? ruim em termos de recompensa e satisfa-
América Latina. Portugueses e espanhóis GB - Eu não acho que seja possível mu- ção pessoal, pois ela tem essa satisfação
têm muito isso de dar valor a aparência e dar isso com a educação financeira. Não esporadicamente. Geralmente, uma vez
isso acabou sendo passado de geração pra é educando bem as crianças que vamos por ano. Isso faz aumentar o custo Brasil,
geração como algo natural como se o que diminuir essa visão latina de comparar o porque o lojista, fabricante e distribuidor
a pessoa ostenta seja visto como conquis- nosso sucesso com o sucesso do outro, e toda a cadeia produtiva tem que estar
tas na vida. Esse é um ciclo muito perigoso. pelo status e tipo de consumo que a pes- preparada pra atender àquele pico de con-
O que aparece são os itens de consumo e soa tem. Porém, a educação financeira sumo no fim de ano e ficar ociosa durante
o que não aparece são as consequências tem que levar às crianças uma consciên- o resto do ano. Então, esse ócio da estru-
do consumo. Que é a falta de dinheiro, a cia de que o consumo seja sustentável. tura faz com que o lojista pague ao longo
dificuldade financeira. Devemos ostentar nossas conquistas, do ano um custo que não é atendimento

• Entrevista • Entrevista • Entrevista • Entrevista • Entrevista • Entrevista • Entrevista • Entrevista • Entrevista •

22 Escola Particular
Escola Particular 23
Entrevista

• Entrevista • Entrevista • Entrevista • Entrevista • Entrevista • Entrevista •

O nível de
endividamento
do brasileiro é o
mesmo do povo
dos outros países

geração de riquezas e boa parte da renda


que o brasileiro tem hoje é consumida
em pagamento de juros. Se deixássemos
de pagar parte desse juros teríamos um
consumo muito mais interessante para as
famílias e para o comércio.

EP - É importante mostrar o valor das


coisas para a criança?
GC - Educação financeira não deve ser
por aquele custo anual. Ele é atendido uma paranoia. A criança deve ser continu-
em uma época do ano em que os preços amente estimulada a refinar suas escolhas
sobem e pra conseguir garantir algum a partir do conceito de valor. Por exemplo,
lucro. Esse custo poderia ser reduzido se se ela quer muito um brinquedo, mas ele
o brasileiro tivesse um hábito simples de custa o mesmo que outro brinquedo mais
consumir menos parcelado. Não assumir duradouro em termos de uso e aproveita-
prestações a pagar, mas consumir todos mento, os pais devem explicar isso à cri-
os meses o que ele gostaria. E chegar ao ança, dizendo que ela vai aproveitar mais o
fim do ano, em vez de consumir para si, outro brinquedo. O conceito de valor tem
consumir para os outros pra presentear. que ser sempre lembrado para a criança.
Esse consumo nivelado ou estável ao É parte da educação financeira discutir
longo do ano que faria com que o prazer como o uso do dinheiro gera recompensas
fosse mais freqüente e o custo Brasil fosse ao longo da vida. Esse estímulo deve ser
mais diluído com estruturas mais enxutas prático pelos pais e pelas escolas.
pra atender o consumo.
EP - Você acha que na grade das es-
EP - Então a dívida é considerada um colas deveria ter a disciplina de educação
problema? financeira?
GC - A dívida não é o problema. O pro- GC - Não. Ela é um módulo transversal
blema é a dívida baseada no consumo. O multidisciplinar. Ela é uma filosofia que
crédito é uma benção, não um problema. deve ser adotada pelas escolas nas aulas
Mas ele deveria ser usado pra fomentar a de matemática, física que são os aspectos
expansão dos negócios. Como o crédito racionais da educação financeira como nas
usado para pagar custos com a educação aulas de estudos da sociedade quando
como o Fies (Fundo de Financiamento Es- se discute filosofia, o uso de um tributo
tudantil), por exemplo. Todo o crédito que que é pago ao governo, a importância e
é usado para gerar riqueza é um crédito relevância das pessoas que estão gerindo
bem-vindo. Agora o crédito usado, por dinheiro da sociedade. Pois você está
exemplo, para pagar uma viagem parce- conscientizando a criança do valor do
lada em 12 vezes é utilizado de maneira dinheiro. Com isso, ele pode funcionar
errada, pois se ela fosse planejada com melhor na vida das pessoas quando usado
antecedência, sairia mais barato pagá-la com inteligência. Educação financeira não
à vista. O brasileiro está usando mal o é só cortar gastos e fazer poupança, mas
crédito, ele é caro, pois não é focado na sim fazer este dinheiro gerar mais recom-

• Entrevista • Entrevista • Entrevista • Entrevista • Entrevista • Entrevista •

24 Escola Particular
• Entrevista • Entrevista • Entrevista • Entrevista • Entrevista • Entrevista • Entrevista • Entrevista • Entrevista •

pensas para a família e sociedade. Se isso problema que o país impõe ao brasileiro, EP - O pagamento sempre deve ser
for discutido num único módulo, talvez mas sim o tipo de dívida que o brasileiro à vista?
ele fique pequeno diante da importância paga que é de má qualidade. Quando ele GC - Depende. Da maneira como o
da educação financeira. Se for limitado à pega um empréstimo pra cobrir os seus brasileiro se comporta com o uso do
matemática o conceito fica muito racional. problemas de planejamento, ele provavel- dinheiro a regra é pagar à vista. Mas
O ideal é adotar como módulo transversal mente vai acessar o crédito fácil que é o existem situações que o parcelamento é
e aplicar nas escolas que cada disciplina cheque especial, o cartão de crédito, o bem-vindo. Se você tem uma vida plane-
use, dentro do seu contexto, como um empréstimo pessoal, pois é o dinheiro que jada e sabe como usar esse dinheiro, o
dos pilares importantes para que o aluno está disponível de maneira facilitada. Se o pagamento pode ser parcelado. O impor-
aprenda a lidar com as regras da sociedade. brasileiro tomasse o cuidado de planejar tante é ter o dinheiro antes de efetuar a
um pouco melhor as suas conquistas e compra. Quando você parcela e não tem
EP - O brasileiro tem um nível de endi- seus sonhos, seria pago menos juros. o dinheiro e nem está organizado de uma
vidamento superior comparado com o Segundo um levantamento da Fundação maneira que irá conseguir pagar a dívida
povo estrangeiro? Getúlio Vargas, cerca de 20% da renda dos depois, terá problemas, pois quando
GC - O nível de endividamento do brasileiros são consumidos com juros. O chega a fatura, você não tem como pagar.
brasileiro é o mesmo do povo dos outros povo não tem noção disso porque esses Não podemos correr o risco de entrar
países. Mas isso não é uma boa notícia, 20% são diluídos com parte da prestação no vermelho e surgir uma despesa que
já que, o custo aqui é muito mais alto do da casa, do carro. Ele acredita que está não com juros alto que não é desejada. A
que nos países desenvolvidos. Em outros pagando os itens, mas na verdade está questão principal é ter uma organização
países essa dívida tem custo aproximado pagando juros. Eu não acredito que tenha- das finanças. E para isso, é necessária uma
de 4% a 5% ao ano. No Brasil o custo chega mos que acabar com esses juros, mas se educação maciça por parte da escola, da
a 25% a 30% ao ano. O brasileiro está endi- reduzíssemos esses juros pela metade, por mídia, para provocar alterações nesse
vidado num bom nível, só que com um exemplo, já faria uma grande diferença no comportamento totalmente inadequado
custo de dívida muito ruim. E isso não é um bolso da população. do brasileiro. •

• Entrevista • Entrevista • Entrevista • Entrevista • Entrevista • Entrevista • Entrevista • Entrevista • Entrevista •

Escola Particular 25
Jurídico

REDES SOCIAIS:
AVANÇO OU RETROCESSO?

E stá cada vez mais distante o tempo


em que as pessoas se correspondiam
através de cartas. Muitas vezes a trabalho,
Tem sido frequente algumas escolas
serem vítimas dessas situações. Muitas
vezes são citadas em sites de relaciona-
e outras apenas para contar “as novida- mento de forma difamatória, injuriosa e
des” ou para ter notícias do “lado de lá”. até mesmo caluniosa.
Outro dia ouvi que se corresponder E é fato que nessas citações os comen-
através de “e-mail” é coisa do passado. tários postados começam a se espalhar
As mudanças são tão rápidas que nem numa rapidez impressionante, com dis-
conseguimos nos adaptar a elas e logo nos torções de fatos e inverdades.
deparamos com novas tecnologias. Ora, trata-se de situação extrema-
As pessoas quase não conversam mais mente preocupante, em razão da rapidez
e vivem a se corresponder pelo whatsApp, com que as notícias são transmitidas,
facebook, instagram e tantos outros exis-
tentes e à disposição dos usuários.
Nos dias de hoje podendo acarretar sérios prejuízos à ima-
gem da pessoa física ou jurídica envolvida
É fácil saber se as pessoas estão feli-
zes, tristes e até mesmo onde estão em
não existe mais na situação.
Tais citações devem ser banidas e coi-
tempo real. É só olhar o facebook das
pessoas.
privacidade bidas, podendo, até mesmo, o ofensor ser
passível de indenizações por danos morais
Nos dias de hoje não existe mais melhor, que não relacionasse o seu nome e materiais.
privacidade e as pessoas são facilmente a pesquisas com outros sites. Isto porque o Diante de uma situação assim, deve
encontradas. É só buscar os sites de rela- Tribunal entendeu ser direito da pessoa ter a instituição de ensino tomar as medidas
cionamento, cruzar com informações do o seu nome excluído de um site de buscas, cabíveis, seja através de notificações ou
Google e por aí vai. quando a informação viole a vida privada medidas mais drásticas, como as adminis-
E isso é bom ou ruim? A meu ver, a de uma pessoa. Assim, resta claro que o trativas e judiciais.
resposta é muito pessoal. direito individual se sobrepõe ao direito Não podemos viver sem a liberdade
Porém, para aqueles que gostam de de informação e ao interesse econômico de expressão, mas esta liberdade deve ser
exposição, existe um risco grande e, por da ferramenta de busca, exceto quando com responsabilidade. •
vezes, um preço alto a pagar, visto que a se tratar de pessoa pública e informação
exposição gera, muitas vezes, uma reação de interesse público.
das pessoas. Desta maneira, não poderia ser dife- Josiane Siqueira Mendes
Há poucos dias, através de um jul- rente com as pessoas jurídicas, que Advogada do Sieeesp

gamento inédito, o Tribunal de Justiça também participam dessas redes sociais


da União Europeia, determinou que o e que muitas vezes são citadas nesses
Google “apagasse” o nome de um cidadão mesmos sites, em razão das mais diversas
espanhol para determinados sites, ou situações.

26 Escola Particular
Escola Particular 27
Reflexão
freeimages.com

A escola foi credenciada como espaço de apropriação da cul-


tura, dos saberes acumulados pelo homem, com a finalidade
de promover o pleno desenvolvimento do indivíduo. É ali que a
criança necessita encontrar respeito pela sua individualidade e
acolhimento para dar prosseguimento ao percurso que a levará
em direção à conquista de sua cidadania.
Entretanto, isso não tem acontecido. Ainda é possível encon-
trar escolas e profissionais valorizando um sistema educacional
que não responde às necessidades de formação integral do ser
humano. A diversidade cultural e a individualidade, com suas
características inerentes, como preferências e ritmo de apren-
dizagem, não são levadas em consideração, ou seja, não há
respeito ao que cada um traz consigo em seu percurso de vida.
Nessa proposta pedagógica, na qual a “nota” e o “boletim
escolar” são mais valorizados do que a apropriação da cultura
como possibilidade de formação crítica e emancipação humana,
o erro ainda é condenável e usado como fonte de castigo moral,
de violência velada.
Souza (1995, p.17), aponta que “os alunos não discutem o que
estão aprendendo, se estão aprendendo, o sentido do que estão
aprendendo, mas que nota tiraram e em que disciplina estão com
ou sem ‘média’. Isso é confirmado por Luckesi (2009), quando

28 Escola Particular
O aluno não é um objetivo apresentar ao aluno o universo de
possibilidades que o conhecimento pode
ciado, que havia se trasladado até o cor-
po da menor e aparecia do brilho dos
mero expectador e oferecer, ou seja, o sentido que aquele
conhecimento terá para a sua vida, além
seus olhos.
— Ah! Aprender é quase tão lindo
sim sujeito de sua da sua beleza intrínseca.
Apresento um texto de Alícia Fer-
quanto brincar – respondeu.
— Sabe, papai não fez como na escola.
aprendizagem nandes que ilustra a beleza do brilho nos
olhos, relacionada ao aprender.
Não me disse ‘Hoje é dia de aprender a
andar de bicicleta. Primeira aula: andar di-
Vou aprender a nadar – disse Silvina reito. Segunda aula: andar rápido. Terceira
com a alegria de seus seis anos recém aula: dobrar. Não tinha um boletim onde
refeitos. anotar: muito bem, excelente, regular...
afirma que os exames são autoritários e — Vai nadar? – intervém a irmã, três porque, se tivesse sido assim, não sei, algo
têm um fim em si mesmos. Segundo o au- anos mais jovem. em meus pulmões não teria me deixado
tor, trata-se de um tipo de verificação com — Não, vou aprender a nadar. aprender.
um misto de disciplinamento e punição em — Eu também vou brincar na piscina. Existem inúmeras possibilidades para
vez de um ato pedagógico fundamental e — Não é o mesmo. Eu vou “aprender” superar a lógica de um sistema educacio-
necessário, como é o caso de uma avalia- (grifo da autora) a nadar – diz Silvina. nal que, além de não contemplar o erro
ção da aprendizagem processual. — O que é aprender? como parte integrante do processo de
O aluno não é um mero expectador — Aprender é... como quando o papai aprendizagem, impede crianças e adoles-
e sim sujeito de sua aprendizagem, por- me ensinou a andar de bicicleta. Eu queria centes de expressar todo o seu potencial.
tanto [...] “como sujeito, só se modifica, muito andar de bicicleta. Então... papai me Ampliar o campo de estudo para identifi-
só aprende se participa ativamente do deu uma bici... menor do que a dele. Me car a raiz do problema poderia estar entre
processo educativo e, para isso, deve ajudou a subir. A bici sozinha cai, tem de elas, portanto deixamos o convite. •
querer aprender” (ASBAHR, 2001, p.20). segurar andando...
E para querer aprender é preciso sentir- — Eu fico com medo de andar sem Bibliografia:
se motivado e acolhido, podendo contar rodinha. FERNÁNDEZ, Alicia. Os idiomas do
com a possibilidade do erro como parte — Dá um pouco de medo, mas papai aprendente: análise das modalidades
ensinantes com famílias, escolas e meios de
integrante do seu processo de aprendiza- segurava a bici. Ele não subiu na sua comunicação. Porto Alegre: Artmed, 2001.
gem. Encontrando motivos para aprender, bicicleta grande e disse: ‘Assim se anda de
fica atento, se concentra, pensa sobre o bici...’ Não, ele ficou correndo ao meu lado
que está aprendendo e, assim, se apro- sempre segurando a bici... muitos dias e,
Lucy Duró
pria. Para isso é necessário que tenha um de repente, sem que eu me desse conta Pedagoga, Psicopedagoga
interesse legítimo que vai além da mera disso, soltou a bici e seguiu correndo ao e membro do Laboratório
Interinstitucional de
materialidade do objeto exposto. meu lado. Então eu disse: Ah... APRENDI!” Pesquisa em Psicologia
Escolar do Instituto de
Este interesse começa com a curio- Uma mulher que escutava a cena de Psicologia da Universidade
de São Paulo.
sidade, que pode ser provocada, e segue longe não pode deixar de ver a alegria evoluireducacional.com.br
com o amparo do educador que terá como do “aprender” (grifo da autora) pronun-

Escola Particular 29
Nutrição

ALIMENTOS QUE
REJUVENESCEM

A lém do avanço cosmetológico, a


ciência da Nutrição traz, a cada dia, Esse arsenal de e aumentando, consequentemente, o
estresse oxidativo, agravando o quadro
novas descobertas de alimentos e nutri-
entes capazes de modularem a expressão
nutrientes permite clínico.
A excessiva exposição à luz solar propi-
gênica, dentre os quais: o ômega 3 e as lig-
nanas da semente de linhaça; os polifenóis
cuidar da pele de cia a formação dos radicais livres e eleva o
número de lesões oxidativas que alteram
como resveratrol, presente na uva, no
vinho tinto e nas oleaginosas; o chá verde,
forma mais direta o metabolismo, sendo responsáveis pelo
envelhecimento precoce.
fonte de epigalocatequina galato, além de Como o envelhecimento cutâneo se
muitos outros antioxidantes. xenobióticos, conservantes, agrotóxi- traduz na somatória de vários eventos que
Esse arsenal de nutrientes permite cos), o fumo, o álcool e o desequilíbrio ocorrem concomitantemente em todas
cuidar da pele de forma mais direta, nutricional. as camadas da pele (epiderme, derme e
principalmente quando o foco está na Outro fator desencadeante a se con- hipoderme) e seus constituintes celulares,
individualidade bioquímica do paciente. siderar no envelhecimento é a exposição e considerando as influências do meio ex-
Muitos fatores são responsáveis pela aos raios ultravioletas. A irradiação faz terno e da dieta, a adequação nutricional
perda da vitalidade tecidual, tais como o com que os níveis tissulares de antioxi- deve estar alicerçada, mais uma vez, na
consumo de substâncias tóxicas (corantes, dantes diminuam, reduzindo as defesas individualidade bioquímica da cada um.

30 Escola Particular
Escola Particular 31
Nutrição

Nutrientes a serem considerados na prevenção e tratamento do envelhecimento cutâneo

ALGUMAS FONTES
NUTRIENTE ATUAÇÃO
ALIMENTARES
Componente importante da
Oleaginosas, cereais integrais,
enzima superóxido dismutase
ostras, açafrão, gengibre,
Zinco (SOD), inibe a despolimerização
carnes vermelhas, folhas
ácido hialurônico e promove
verdes escuras.
elasticidade do tecido cutâneo
Mantém equilíbrio hídrico e
Folhas verdes principalmente
maciez da pele, participa do
Magnésio as escuras (clorofila); broto de
metabolismo do cálcio, usado
Alfafa
para tratamento de manchas;
Participa da produção das
fibras de colágeno e elastina, Miolo do pinhão, grão de bico,
Cobre
indicado para acne, dermatite amêndoa, feijões, lentilha
(distúrbios da pele).
Bio-síntese de colágeno,
Silício participa da integridade das Aveia, Cevada, Salsa, nabo
fibras colágenas e elásticas.
Sinergismo com a vitamina
E e C; previne oxidação LDL, Aspargo, sardinha, damasco,
Coenzima Q10 (Ubiquinona)
produção ATP, regeneração amêndoas, espinafre
tecidual.
Brócolis, cogumelos, castanha
Participa de diversas enzimas
do Brasil, couve, cebola, alho,
das quais glutationas selênio
Selênio levêdo de cerveja, grãos , peixe
dependente, com forte ação
(atum, arenque), gérmen de
antioxidante, como a SOD.
trigo, rabanete, tomate.
Manutenção parede vascular;
potente antioxidante, indicado
Protoantocianidinas Uva, açaí
para tratamento celulite e
envelhecimento celular.
Combate Radicais livres,
Vitamina E especialmente peroxidação Oleaginosas
lipídica de membrana

Desta forma, independente da idade, A dieta é capaz de modular os anti-


sempre será priorizado os antioxidantes oxidantes, mas para que isso ocorra é
teciduais, dentre os quais as vitaminas C necessário o bom estado e equilíbrio da
e E, ubiquinol, glutationa, catalase, super- função intestinal, grande responsável pela
óxido dismutase, glutationa redutase, etc. absorção de nutrientes. •

Martha Amodio
Nutricionista clínica
e diretora técnica da
consultoria em nutrição
escolar “Comer e
Aprender”
comereaprender.com.br

32 Escola Particular
Escola Particular 33
Cidadania

VOLTAR PARA CASA


C om mais de 25 anos de trabalho em
prevenção e investigação de aciden-
tes, frequentemente ministro palestras
teie todas as atividades de todos os níveis
da estrutura funcional.
Vencer esse desafio implica eficiência
cia o resultado é observado na eficiência
de operações.
Começamos com a estrutura de exe-
falando sobre temas relacionados com em algumas funcionalidades ou com- cução, tanto em termos de equipamento
“segurança”. Nesses eventos, uma das petências essenciais, como: análise e adequado quanto com relação à escolha e
primeiras perguntas que faço é: “qual monitoramento de riscos, planejamento preparação “das tripulações”. Frequente-
é o seu objetivo dentro do contexto da de atividades, formação de pessoas, moti- mente observamos certos “ajustes fun-
segurança?” vação de pessoas, comunicação e eficiência cionais” (vulgarmente: gambiarras) sendo
Dependendo do público, mais espe- de operações. utilizadas para suprir a falta de equipa-
cificamente das atividades de cada um Cada uma dessas competências tem mentos adequados para o cumprimento
na plateia, as respostas que passam pela características e problemas peculiares e das tarefas. Esse problema pode ir desde
mente dos participantes vão desde “reduzir todas devem ser consideradas de mesma uma chave de fenda de tamanho incor-
custos” até “voltar para casa vivo”. importância pela direção. reto até uma máquina adaptada para fazer
O fato é que segurança é um assunto Certamente poderíamos, em um texto algo para qual não foi projetada. A conta
complexo que pode ser visto de vários mais amplo, analisar uma a uma, citando é simples: a economia resultante dessas
pontos de vista. O desafio da gestão da se- exemplos e necessidades. Contudo, para improvisações não compensa a falta de
gurança é achar um ponto de convergência este artigo, eu gostaria de enfatizar apenas eficiência e o risco consequente de inci-
entre essas diversas perspectivas e usar alguns aspectos da eficiência de operações. dentes e acidentes. Quanto à preparação
esse fator, dentro das condições especificas Esta é a competência que têm contato de pessoal, algumas vezes me deparo com
da sua organização, para criar e divulgar e resultado direto. Ou seja, se algo não fun- diretores que, espantados com o custo de
uma cultura de segurança sólida que nor- ciona bem com qualquer outra competên- cursos e treinamentos para operadores,

34 Escola Particular
A interface homem-máquina precisa prever essas condições e
oferecer meios para que o operador realize sua tarefa
com eficiência e segurança

freeimages.com
me perguntam: “mas, suponha que que o treinamento é fundamental nesses casos. eu simplesmente CUMPRO os procedimen-
eu pague isso para treinar essa pessoa. E Esse é o caso que encontramos em missões tos EXATAMENTE como estão escritos e
se ela sair da empresa?” Aí eu respondo: espaciais. Nossas condições são críticas, o como foram treinados. NUNCA poderei
“imagine que você NÃO treine essa pes- que eleva ao máximo a importância de boa “criar” ou “modificar” um procedimento
soa e ela CONTINUE na empresa?”. Equi- interface e de muito treinamento. com a minha criatividade durante a exe-
pamento e treinamento adequados são Indo um pouco mais a fundo na questão cução em voo. Aliás, isso não se chama
essenciais para a eficiência e a segurança operacional, e aproveitando o “gancho” do criatividade; chama-se “indisciplina de
das operações. treinamento necessário, discutimos agora a voo”, e é passível de punição operacional.
Aliás, contrário ao que alguns acre- questão de ATITUDE de segurança. Por alguma razão cultural, observa-se
ditam, segurança e eficiência andam de Sem qualquer dúvida, esse é o ponto menor aderência aos procedimentos em
mãos dadas. As atividades e restrições MAIS IMPORTANTE para a garantia de países latinos, quando comparados com
necessárias para a segurança asseguram redução de riscos de operação. Cada ope- outras culturas mais “frias” como nos EUA,
a continuidade das operações e não o rador tem de ter plena consciência da sua na Alemanha e no Japão (países em que
contrário. importância na segurança de todos e saber tenho oportunidade de trabalhar). Cien-
Além do equipamento necessário e EXATAMENTE o que ele(a) tem de fazer tes disso, os responsáveis por segurança
do pessoal treinado, é importante ressal- para garantir isso. Um operador atento e operacional em organizações no Brasil, por
tar a interface “homem-máquina” e sua conhecedor dos procedimentos pode evi- exemplo, devem tomar especial cuidado
dependência das condições de operação. tar MUITOS incidentes e acidentes, coope- em enfatizar frequentemente a importân-
O nível de eficiência e segurança das ope- rando com suas observações e sugestões cia de se conhecer e seguir exatamente
rações é diretamente relacionado com a para aumentar a eficiência e a segurança os procedimentos, especialmente para os
facilidade que o operador tem em ler e de cada atividade. Aqui, criatividade é es- operadores mais experientes.
interpretar os parâmetros mostrados pela sencial: na prevenção. Como citado no início deste artigo, o
máquina, assim como a sua facilidade em A criatividade é, por outro lado, preju- assunto é complexo e amplo. Contudo,
comandar o sistema. Lembre-se de que dicial quando associada à baixa aderência para finalizar dentro do espaço disponível,
uma máquina operando dentro de uma sala aos procedimentos, especialmente em apenas gostaria de ressaltar que segurança
ampla, silenciosa, iluminada, com ar condi- momentos críticos do processo. Isto é, no perfeita não é impossível, desde que seja
cionado e sem necessidade de curto tempo meu caso, como astronauta, eu uso minha uma preocupação constante de TODOS.
de resposta para uma situação crítica ofe- criatividade para observar e analisar os Afinal, todos queremos cumprir nossa
rece condições MUITO diferentes daquelas procedimentos durante os treinamentos e missão com sucesso e voltar para casa, para
que o operador teria em um ambiente de para propor melhorias. Durante a missão, nossas famílias. Correto? •
alta temperatura, restrito, barulhento,
escuro e com pouquíssimo tempo de res-
posta. A interface homem-máquina precisa
prever essas condições e oferecer meios Marcos Pontes
para que o operador realize sua tarefa com Embaixador da ONU para o Desenvolvimento Industrial
www.marcospontes.com.br
eficiência e segurança. Obviamente, é ne- Nascido em Bauru, SP, em 1963, Marcos Pontes atualmente é Astronauta à disposição do
Brasil, aguardando a escalação pelo governo para seu segundo voo espacial, é Palestrante
cessário também a melhoria do ambiente Motivacional, Coach Especialista em Desempenho Pessoal e Desenvolvimento Profissional,
Mestre em Engenharia de Sistemas, Engenheiro Aeronáutico pelo ITA, Diretor Técnico do
de operação e a redução do período de Instituto Nacional para o Desenvolvimento Espacial e Aeronáutico,Empresário, Consultor
trabalho nessas condições. O que influencia Técnico, Embaixador das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial, Presidente da
Fundação Astronauta Marcos Pontes e Autor de três livros: “Missão Cumprida. A historia
aqui é a redução de eficiência devido ao completa da primeira missão espacial brasileira”, “É Possível! Como transformar seus sonhos
em realidade” e “O Menino do Espaço”, todos publicados pela editora Chris McHilliard do Brasil.
estresse, cansaço e distração. Certamente

Escola Particular 35
Tecnologia

Tecnologias na sala de aula:


O que sabemos do que ousamos criticar sem usar?

freeimages.com
O mundo tem se transformado rapi-
damente. Esta máxima parece um Recentemente um certificado. De lá para cá muita coisa
mudou. Tivemos os módulos entregues
mantra entoado por muitos. Sim! O mundo
tem se transformado. Mudaram geografia
nossa população nas residências, os tele-ensinos, o uso das
ferramentas: retroprojetor, TV, vídeos...
dos países, formas de falar, de cozinhar,
padrões de beleza, de vestir, de estudar e
descobriu as Recentemente nossa população desco-
briu as possibilidades de interação com
de comportamento. Tudo isso vem acon-
tecendo por séculos, mas dentro de um
possibilidades de a internet. Aos que vivem lamentando a
invasão da internet, um alerta: a palavra
universo caótico e globalizado que impul-
siona os indivíduos a darem o máximo de si
interação com a de ordem é adaptação. Precisamos fazer
parte disso, buscar novos caminhos, usar
mesmo para conseguirem sair da margem internet as tecnologias a nosso favor. Na semana
do contexto social dos “excluídos” fica passada, mediava conteúdos em aula para
mais forte e por vezes cruel. um grupo de universitárias. A maioria
Neste contexto, percebe-se uma cres- salas de aula das diferentes etapas da com celulares, smartphones e tablets na
cente revolução informacional que busca educação escolar. Se antes, alguns profes- mão. Paralelo à minha explicação, elas se
a expansão e apropriação de aspectos sores ainda ficavam renitentes a utilização equilibravam entre o envio de mensagens
culturais que acabam por modificar nossa da televisão, aparelhos de reprodução e posts. Falava sobre as artes visuais e
forma de perceber e vivenciar nossas como retroprojetor, vídeos ou DVD e fiz uma alusão a Fernando Botero e suas
relações com o outro. Diante das inces- se agarravam ao quadro-negro e livro obras. Silêncio total na sala. Pedi que
santes mudanças ocorridas na sociedade didático como tábua de salvação na rotina buscassem nos seus aparelhos e o diálogo
torna-se pertinente pensarmos sobre as escolar, agora precisam lidar com o acesso voltou a fluir na sala. Em outro momento
influências que tal mudança vem causando livre à internet, aparelhos telefônicos que e já em outra turma pude contribuir com
a escola. Como esta instituição social tem desafiam seu “poder” sobre a informação a correção de palavras na construção de
lidado com esta questão? e controle de turma. textos pelas alunas. Queriam saber o sig-
De certo, avanço tecnológico e infor- Ora, desde o início da escrita a hu- nificado de algumas palavras que teriam
macional não tem sido acompanhado pelo manidade lida com as descobertas e que que usar num texto. Pedi que baixassem
meio escolar. Muitos atores deste meio nem sempre foram disponibilizadas para aplicativos específicos e de lá para cá, a
estão perdidos. Neste cenário, destaca-se todos. Tomemos como exemplo as escritu- maioria o utiliza em sala. Hoje também não
o professor. É fácil perceber, estão ator- ras, impressos, manuais e livros. É lógico aceito mais desculpas sobre esquecimento
doados com tanta informação, aplicativos, que com o fortalecimento da sociedade de textos ou livros em casa. Pode-se trazê-
formas de comunicação, possibilidades de técnico-industrial obteve-se um avanço los no bolso, nos celulares e tablets, pois o
busca para pesquisas, e ainda, com tantos e alcance em larga escala. No século XX a importante é participar com qualidade. Fiz
eletrônicos e portáteis que apareceram tecnologia vem ajudando a formar profis- na semana passada, após uma exposição
ou que se fortaleceram nos últimos dez sionais. Veja o caso das revistas que eram dialogada, um desafio relâmpago aos
anos na sociedade. Aliados a esta questão enviadas pelos correios. De casa a pessoa meus alunos de graduação. Pedi que eles
acrescenta-se as mudanças ocorridas nas estudada, fazia provas, trabalhos e recebia criassem uma linha do tempo que eviden-

36 Escola Particular
Escola Particular 37
Tecnologia

freeimages.com
ciasse a ciência da ludicidade e que eviden-
ciasse o papel do brinquedo como objeto
Mas é preciso dizer que até quatro
anos atrás, eu nem sonhava com isso e que A maioria das
social a ser conhecido e internalizado no
processo de socialização. Foi um rebuliço
tive que buscar muita ajuda e que ainda
preciso de muita mediação. E por vezes
coisas que sei sobre
só. Em duplas e com os eletrônicos ligados,
realizaram interessantes descobertas e
ela vem das crianças da família. Espantada
com uma mensagem sonora enviada por
tecnologia aprendi
alguns até visitaram, de forma virtual, o
Museu dos Brinquedos em Sintra (Portu-
uma sobrinha de sete anos numa rede
social, perguntei o que era aquilo. Com a
com os alunos e
gal). Não sou experiente no ramo e nem
domino muitas técnicas. A maioria das
lógica infantil, ela me explicou e disse que
não sabia como podia ser professora e não
colegas mais novos
coisas que sei sobre tecnologia aprendi saber disso. Entre o assombro e a risada no trabalho
com os alunos e colegas mais novos no entendi que serei para sempre aprendiz.
trabalho. Adaptar-se é preciso e (re) apren- É na crise que se tem a chance de cres-
der também. Se para nós falta a agilidade, cimento e quebra de paradigmas. Se hoje
podemos buscar em cursos de formação a realidade é essa, precisamos, para além
SETE DICAS PARA UTILIZAÇÃO DA
continuada. Hoje, depois de aprender com da crítica, por vezes de pura resistência a TECNOLOGIA EM SALA DE AULA
elas, possuo páginas em redes sociais, se- mudança, buscar soluções. De forma cria-
• Familiarize-se com o uso das ferramen-
leciono links para debate, participo de gru- tiva, honesta e didática o uso de diferentes tas que irá utilizar em sala de aula ou
pos de estudo com elas e que por vezes, tecnologias pode ser grande aliado ao laboratórios de Informática.
funcionam como sala de aula invertida. processo de ensino e aprendizagem. Fica • Busque incentivar os alunos a conhe-
Tenho utilizado cenas de filmes, tedtalks, tudo mais claro quando se percebe que a cerem, baixarem e trocarem informações
tirinhas, charges eletrônicas, palestras educação não pode ser manter à margem sobre aplicativos didáticos.
virtuais e os nossos encontros ficaram deste momento e precisa começar a se • Faça slides e intercale suas explicações
mais divertidos, dinâmicos e desafiadores. modificar. Não se trata de pregar o fim com imagens, gráficos e animações.
Lógico que nessa perspectiva, existe a dos livros ou da educação acadêmica, • Incentive seu aluno a realizar pesquisas
virtuais, a publicar suas descobertas,
necessidade da tolerância e da aprendiza- mas de buscar mudanças nos conceitos, lembrando sempre que cada um é respon-
gem continua. Assim, é comum encontrar nas metodologias e estratégias. Buscar sável por aquilo que publica.
“selfies” durante a aula e que aparecem na o conhecimento científico como forma • Participe das interações dos alunos nas
rede: “Hoje a aula foi demais! Vejam como de inovação. redes sociais.
fiquei!” Ou “Será que a bateria vai aguen- Ademais, debater uma educação co- • Tenha objetivos claros ao propor pes-
tar mais um desafio dela?” Também gosto nectada na sociedade do conhecimento. quisas, buscas ou até mesmo criações
e curto tirar fotos com elas, registro ativi- Agregar o conhecimento, os valores virtuais.
dades e posto. Ficam registros do feito e individuais. A grande rede de conheci- • Crie álbuns virtuais com as descobertas
depois boas lembranças dos tempos de mento institucional é e continuará sendo da turma e partilhe o crescimento deles
com a comunidade educativa.
estudo. Mantenho ativa, também, uma o grande desafio. A hora é agora. Nesse
rede de contatos virtuais com egressos. contexto, é pertinente lembrar as palavras
Adaptação e tolerância. Tanta coisa ainda de Fernando Pessoa: “Há um tempo em
existe por fazer e apara aprender. Mais que é preciso abandonar as roupas usa-
uma novidade está a caminho, até o final das, que já têm a forma do nosso corpo, Denise Tinoco é
professora de Educação
do ano, desejo criar um blog. É, Jorge Lar- e esquecer os nossos caminhos, que nos infantil da rede pública
e privada, Especialista
rosa está certo: “... teremos que aprender levam sempre aos mesmos lugares”. É o em Educação Infantil
a viver de outro modo, a pensar de outro tempo da travessia: e, se não ousarmos e em Psicopedagogia.
Professora Universitária e
modo, a falar de outro modo, a ensinar de fazê-la, teremos ficado, para sempre, à Pedagoga
outro modo.” margem de nós mesmos. •

38 Escola Particular
Escola Particular 39
Tributos

O Estado não tem


condição de atender
todas as demandas
sociais que são
garantidas pela
Constituição Federal

O
freeimages.com
principal papel do Estado é atender os interesses
sociais e proporcionar o bem comum da população,
a saber: educação, saúde, segurança, etc. Para isso, precisa
arrecadar recursos com a finalidade de atender a todas es-
sas necessidades, e o principal meio é através da cobrança
de tributos. No entanto, o Estado não tem condição de
atender todas as demandas sociais que são garantidas pela
Constituição Federal.
Desse modo, o ente estatal incentiva às instituições
particulares a suprir essa demanda, através de benefícios
fiscais, dentre os quais salientamos a Imunidade Tributária
que garante a efetivação dos direitos fundamentais dos
cidadãos estabelecidos na Constituição Federal, em seu
artigo Art. 6º, que abaixo transcrevo:
“São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação,
o trabalho, a moradia, o lazer, a segurança, a previdência so-
cial, a proteção à maternidade e à infância, a assistência aos
desamparados, na forma desta Constituição.”
Segundo Ruy Barbosa Nogueira: “As imunidades aludem
a uma exclusão do próprio poder de tributar”. (NOGUEIRA,
Ruy Barbosa, Curso de Direito Tributário, 5ª edição, Saraiva,
p. 172.)
Assim, a imunidade tributária impede que o Estado
institua impostos em relação a determinadas pessoas jurídi-
cas, bens, coisas ou situações, visando à proteção dos seus
interesses para efetivação do bem comum.

40 Escola Particular
Escola Particular 41
Tributos

office.microsoft.com
A imunidade
tributária
concedida a estas
entidades é um
benefício por sua
atuação junto às
lacunas deixadas
pelo Estado

Das Instituições de Ensino A Imunidade Tributária das Instituições


Sabemos que as Instituições de En- de Ensino
sino são entidades que complementam a A Imunidade Tributária das Instituições
atividade Estatal, com objetivo de efetivar de Ensino encontra-se disposta no art.
uma das garantias sociais estabelecidas no 150, VI, “c” da Constituição da República
artigo 6º da Constituição Federal, no caso Federativa do Brasil de 1988.
a Educação. A Constituição Federal proíbe que a
Instituições, segundo Regina Helena União Federal, Estados, Distrito Federal e
Costa, no livro Imunidades Tributárias, Municípios criem impostos sobre:
página 73, Editora Malheiros, “São pessoas “Patrimônio, renda ou serviços dos
de Direito Privado que exercem, sem fim partidos políticos, inclusive suas fundações,
lucrativo, atividades de colaboração com o das entidades sindicais dos trabalhadores,
Estado em funções cujo desempenho é, em das instituições de educação e de assistên-
princípio, atribuições deste. Objetiva-se as- cia social, sem fins lucrativos, atendidos os
sim, impedir sejam tais entidades oneradas requisitos da lei;” Art. 150, VI, “C”.
por via de impostos”. Como dito anteriormente, a proibição
A imunidade tributária concedida a da criação de impostos para as Instituições
estas entidades é um benefício por sua de Ensino, tem como objetivo garantir que
atuação junto às lacunas deixadas pelo os valores sociais citados na Constituição,
Estado. dentre eles, o desenvolvimento das ativi-
A Educação é um conceito Constitucio- dades de educação, sejam atingidos.
nal estabelecido no artigo 205, conforme Sendo assim, a finalidade da imunidade
abaixo disposto: das Instituições de Ensino é incentivar as
“A educação, direito de todos e dever atividades dessas entidades, para que to-
do Estado e da família, será promovida e dos os cidadãos tenham acesso à educação.
incentivada com a colaboração da sociedade,
visando ao pleno desenvolvimento da pes- Requisitos para obtenção da Imuni-
soa, seu preparo para o exercício da cidadania dade Tributária
e sua qualificação para o trabalho.” No que se refere à Imunidade Tribu-
Sendo a Educação um direito de todos tária, as Instituições Educacionais sem
office.microsoft.com

e dever do Estado, temos que é uma ga- Fins Lucrativos, estão condicionadas ao
rantia fundamental, “Assegurada a todos os preenchimento cumulativo unicamente
brasileiros e aos estrangeiros estabelecidos dos requisitos fixados em lei, sendo estes
no país”, nos termos do artigo 5º da Cons- previstos nos artigos 9º c/c o artigo 14, am-
tituição Federal. Dessa forma, o Estado bos do Código Tributário Nacional – CTN,
deve promover o incentivo das Instituições abaixo transcritos:
de Ensino para que completem a ação do Art. 14. O disposto na alínea c do inciso
Poder Público. IV do artigo 9º é subordinado à observância

42 Escola Particular
Escola Particular 43
Tributos

dos seguintes requisitos pelas entidades nele que mal consegue esconder a distribuição do
referidas: patrimônio ou das rendas da entidade”.
I – não distribuírem qualquer parcela de
O que afasta a seu patrimônio ou de suas rendas, a qual-
quer título; (Redação dada pela Lcp nº 104,
Nesse sentido:
O 1º Conselho de Contribuintes da 1a. Câ-
imunidade é a de 10.1.2001) mara o ACÓRDÃO nº 101-93.916 em 21.08.2002
II - aplicarem integralmente, no País, Referente ao IRPJ E OUTROS - Ex(s): 1996
remuneração os seus recursos na manutenção dos seus a 2000
objetivos institucionais;
exorbitante, que III - manterem escrituração de suas Instituições de Educação – Suspensão
receitas e despesas em livros revestidos da Imunidade Tributária – As instituições de
mal consegue de formalidades capazes de assegurar sua educação podem ter a imunidade tributária

esconder a exatidão.
§ 1º Na falta de cumprimento do dis-
suspensa nos precisos termos do parágrafo
1º, do artigo 14, do Código Tributário Nacional,
distribuição do posto neste artigo, ou no § 1º do artigo 9º, a
autoridade competente pode suspender a
por descumprimento dos incisos I e II, do
mesmo artigo. Porém, o pagamento regular
patrimônio ou aplicação do benefício.
§ 2º Os serviços a que se refere a alínea c
de salários e outros benefícios aos diretores,
não caracteriza a distribuição de lucros ou
das rendas da do inciso IV do artigo 9º são exclusivamente,
os diretamente relacionados com os obje-
rendas a dirigentes ou participação nos
resultados pelos seus administradores, por
entidade tivos institucionais das entidades de que
trata este artigo, previstos nos respectivos
terem sido considerados excessivos.

estatutos ou atos constitutivos. Conclusão


Portanto, temos que no inciso I do art. 14 Conclui-se que a principal função das
do CTN (Código Tributário Nacional), segun- imunidades tributárias é atrair os cidadãos
do Roque Antonio Carrazza, “A remuneração e Instituições Privadas para colaborar com
dos funcionários e administradores não afasta o Estado, em suas funções essenciais,
a imunidade, desde que seja equivalente aos tendo em vista que esse não consegue sozi-
serviços por eles prestados. O que afasta a nho, efetivar todas as garantias conferidas
imunidade é a remuneração exorbitante, aos cidadãos pela Constituição Federal. •

BIBLIOGRAFIA
• COSTA, Regina Helena. Imunidades Tributárias. São Paulo: Malheiros, 2001.
• PAULSEN, Leandro. Direito Tributário Constituição e Código Tributário a luz da doutrina e da
jurisprudência. 14a. 2012- Porto Alegre – Livraria do Advogado Editora.
• CARVALHO, Paulo de Barros. Curso de Direito Tributário. 13. ed. São Paulo: Saraiva, 2000.
• MARTINS, Ives Gandra da Silva, Disciplina Legal Tributária do Terceiro Setor, Editora Revista
dos Tribunais.
• MORAES, Alexandre de. Direito Constitucional. 15. ed. São Paulo: Atlas
• NOGUEIRA, Ruy Barbosa, Curso de Direito Tributário, 5ª edição, Saraiva, p. 172.
• Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm
• A Imunidade Tributária das Instituições de Educação e o papel da Lei Complementar. Disponível em:
http://www.fiscosoft.com.br/a/32gl/a-imunidade-tributaria-das-instituicoes-de-educacao-e-
o-papel-da-lei-complementar-critica-ao-julgamento-da-adin-n-1802df-octavio-campos-fischer
office.microsoft.com

Dra. Sheila Damasceno de Melo Vêga


Advogada Tributarista da Celso Carlos Fernandes e Melo Advocacia, Pós-graduada em
Direito Tributário pelo IBET, com 20 anos de experiência na área tributária. Participações
em Cursos, Debates e Seminários promovidos pela Associação dos Advogados de São
Paulo, Ordem dos Advogados do Brasil - Seccional São Paulo e pelo CEU/IICS.
sheila.vega@ccfmadvocacia.com.br

44 Escola Particular
Escola Particular 45
Secretaria Escolar

SECRETARIA ESCOLAR:
a porta de entrada da escola
office.microsoft.com

Ygor Jegorow

O Sieeesp, entidade que comemora


82 anos de existência no próximo
mês de outubro é constituído de vários
Para a coordenadora do setor, Marlene
Schneider “a área pedagógica é a alma da
escola. Nós aqui do Sieeesp assessoramos
Foram selecionadas para este li-
vro, as dúvidas mais frequentes que o
departamento pedagógico do Sieeesp
departamentos. Cada um deles desenvolve no que os mantenedores nos pedem, mas recebeu a partir de consultas via internet,
uma função específica e direcionada, de forma alguma interferimos no projeto ligações e até visitas pessoalmente. Além
colaborando para que o mantenedor pedagógico de qualquer escola”. disso, foram incluídos ainda tópicos rela-
tenha o melhor assessoramento em todos E com tamanha importância desse tivos ao perfil do profissional de secretaria
os setores do seu estabelecimento. Os departamento não poderia deixar de surgir e também uma sugestão de rotina dos
departamentos de Cursos, Relações e dúvidas por parte dos mantenedores a trabalhos. Tudo visando um melhor aten-
Atendimento, Comunicação, Regionais, respeito de como atuar ao se depararem dimento e melhor funcionamento da escola.
Comercial, Gerência Administrativa, com algumas situações que possam ocorrer Marlene diz que não é raro atender
Financeiro, Jurídico, Pedagógico e Inter- no dia a dia da escola. Somente no estado as dúvidas do trabalho cotidiano das
nacional mostram o que é oferecido de São Paulo há 9.914 estabelecimentos secretarias de escola. “Atualmente, o
de melhor em cada um deles e que as de ensino. O que corresponde 35% na rede atendimento diário está tranquilo, mas
perspectivas para 2014 são as melhores escolar. quando nós pegamos o departamento
possíveis. A análise a seguir demonstra pedagógico, atendíamos muitos secretários
não só a preocupação do Sieeesp com a de escolas. E com as mais diversas dúvidas
quantidade como também com a qualidade
dos serviços oferecidos.
A influência possíveis sobre escrituração escolar, a
formação que um professor tem que ter
Nesta edição da revista Escola Par-
ticular, vamos mostrar o que é o De-
do órgão para poder lecionar etc. A legislação muda
muito, está sempre em transição. Às vezes,
partamento Pedagógico do Sieeesp, sua
influência e sua atuação. Ele responde
administrativo vinham imposições que antes não eram
obrigatórias. Com tantas mudanças o
aos principais questionamentos dos man- é vital para pessoal ficava perdido. Por isso, achamos
tenedores sobre a parte pedagógica de seu tão importante eles terem um manual
estabelecimento, seja por telefone, e-mail o sucesso do pra tirar essas dúvidas antes de ligarem
ou pessoalmente. Além disso, faz a parte aqui“ diz.
de pesquisa e consultas ao Diário Oficial, processo escolar
divulgando as novidades sobre legislação A importância de uma secretaria escolar
e autorização. Todo esse trabalho foi desenvolvido
Caso um mantenedor necessite de um Devido ao grande número de dúvidas por causa da tamanha importância que
projeto mais amplo, entra em ação um que o Sieeesp recebia, surgiu a ideia de o depar tamento representa para o
segundo lado do departamento que é o publicar o manual da secretaria escolar. O funcionamento da escola, pois pelos
do banco de dados de pessoas capazes intuito dos autores do manual foi elaborar mantenedores, é considerado como a porta
de desenvolver a questão que a escola um documento que agregue indicações de entrada da escola para a comunidade
apresenta. Dentre os trabalhos, deve-se legais, e instruções sobre postura e rotinas escolar. A influência do órgão administrativo
ressaltar o curso para secretários escolares do trabalho. Neste manual com pouco mais é vital para o sucesso do processo escolar,
- “Organizando a Secretaria Escolar”, e o de 144 páginas o secretário também tem pois é encarregado da execução de todos
“Selo Escola Legal”, que já tem mais de acesso a informações que podem ser úteis os trabalhos de escrituração, expedição,
1.500 estabelecimentos cadastrados. Outra e ajudá-lo a sanar dúvidas e problemas que guarda e arquivamento de documentos e
atividade da coordenação é participar das possam surgir na rotina da secretaria e da correspondências. Lá também são feitas
discussões do Conae. vida escolar. matrículas, o atendimento ao público, e

46 Escola Particular
Escola Particular 4774
Secretaria Escolar

office.microsoft.com
são guardados todo o arquivo e histórico
escolar dos alunos. Sua posição é tão
importante no estabelecimento que um
dos requisitos básicos para a autorização
de funcionamento de uma escola é a
existência de um secretário. Na hierarquia
administrativa das escolas, o secretário
vem logo depois do diretor.
“Ele fica responsável por orientar e
organizar todo o setor administrativo,
assina documentos e responde pela
escola em diversos assuntos. Por isso,
é importante aperfeiçoar o trabalho
desse profissional. Ele é responsável por
todo o funcionamento da secretaria” diz
Marcia Gomes auxiliar do departamento • Contribuir para a integração escola- Sobre a formação do secretário escolar
pedagógico. comunidade, garantindo que todos os que Segundo a coordenadora, nunca
Além disso, o secretário escolar tem precisam da Secretaria da Escola, sejam houveram secretários formados que
uma constante e direta relação com atendidos com respeito e urbanidade atuassem na secretaria escolar. Geralmente
diferentes áreas de atuação da escola, o • Desempenhar as ações e compe- estas pessoas adquiriram experiência
que exige uma eficiente interação com as tências previstas no Regimento, pertinentes conforme o dia a dia no trabalho. Esse foi
equipes técnica e docente, com a direção ao cargo, garantindo a transparência dos mais um motivo que a fez criar esse guia de
e com os clientes da escola. Em resumo, procedimentos uso prático para o secretário escolar. “Em
tudo o que acontece na escola, passa pela • Conhecer as normas regimentais algumas escolas, o secretário tem mais
secretaria escolar. básicas, garantindo a sua correta apli- responsabilidades do que o diretor. Ela diz
Segundo Marcia, a escola existe para o cação, em especial no que diz respeito à que é necessário ter noção do regimento
aluno. Tudo o que diz respeito ao controle escrituração da vida escolar dos alunos escolar, saber que existem órgãos que
e registro da vida escolar e do percurso • Organizar e manter atualizado são responsáveis pelo ensino como o
desse aluno dentro da unidade são de o acervo de recortes de leis, decretos, MEC, o Conselho Estadual e Municipal. É
responsabilidade da secretaria. portarias, regulamentos, resoluções, co- importante o secretário saber tudo isso,
E qualquer sindicância ou denúncia que municados e outros, mantendo-se a par da as divisões entre educação básica, infantil,
há e que possa ocorrer em encerramento legislação vigente médio e superior” afirma.
da escola, é 99% de responsabilidade da • Exercer a liderança na coordenação Uma coisa importante que Marlene e
secretaria. “Quando procuraram algum das atividades concernentes à secretaria Márcia ressaltam é a postura do secretário
erro, ele é encontrado ali. Porque lá é a da escola escolar. O secretário tem que ter uma boa
estância de registro” diz Marcia Gomes. postura e saber atender bem ao pai do
O secretario é o responsável por A Secretaria Escolar e suas interações aluno. Pois quando ele procura uma escola
assinar qualquer expedição de histórico A secretaria escolar, de um modo para matriculá-lo, o primeiro lugar onde ele
ou diploma do aluno. Quem não vive no geral, é um elo entre todos os outros se dirige é a secretaria. E se ali não tiver um
ambiente escolar pode acreditar que em departamentos do estabelecimento de bom atendimento oferecido pela secretaria
muitos casos é o coordenador ou o diretor ensino. da escola, ele vai embora e, provavelmente,
que se prontifica a realizar análises do • Com a direção do estabelecimento, vai procurar outra escola.
aluno. Nesses casos, descobrimos como a secretaria escolar tem a função de Dicas de como se portar corretamente
a atuação do secretario é importante. assessorar, coo rdenar e supervisionar no local de trabalho e como agir na hora do
Ao receber um pedido de transferência as atividades que estão sob sua respon- atendimento estão no manual. “A escola
de um aluno, é o secretário escolar que sabilidade. Tudo isso usando a harmonia particular não pode se dar ao luxo de perder
fica responsável por analisá-la, e verificar de propósitos e princípios. um aluno. A escola particular tem que
se o aluno é capaz de ser matriculado na • Com a supervisão do estabelecimento ter uma pessoa para fazer esse primeiro
série pretendida, atuando no processo de ensino ela colabora com a apresentação atendimento e encaminhar o aluno para
pedagógico da escola em conjunto com o de situações para ratificação ou retificação. outros departamentos” diz Marlene.
coordenador e o diretor. • Com o corpo discente é feito o aten- No manual, é alertado sobre um
dimento direto, sem o uso de nenhum posicionamento sério do secretário no local
São atribuições do secretário intermediário, além de busca de soluções de trabalho. Sugerindo que seja evitado:
• Responder, perante o Diretor, pelo para os problemas dos alunos. • Aventurar-se em questões que não
expediente em geral pelos serviços da • Já com o corpo docente, a secretaria domina
Secretaria escolar também é o elemento de liga- • Uso de roupas extravagantes
• Participar do planejamento es- ção entre atividades pedagógicas e • Atender ao telefone pessoal en-
colar programado, com seus auxiliares, administrativas. Respeito à competência quanto se procede o atendimento escolar
as atividades da secretaria e responsa- e aos métodos do professor. Postura ética. • Conversar com o colega de trabalho
bilizando-se pela sua execução É responsável pela Orientação e Supervisão em voz alta
• Manter um sistema funcional de das rotinas de trabalho com a Equipe de • Deve-se lembrar que a imagem da
arquivamento, que assegure a verificação Trabalho: escola é transmitida pelo secretário escolar.
da identidade de cada aluno e regularidade • Além de ser responsável por O primeiro atendimento é feito para
e autenticidade de sua vida escolar prestar informações para os pais e para a conversar com os pais, mostrar a proposta
• Organizar e atualizar o prontuário do comunidade escolar, buscar soluções com de ensino. Dar todas as informações
pessoal em exercício na escola o respeito ao sigilo profissional. que o pai precisa saber. Em escolas me-

48 Escola Particular
Escola Particular 49
Secretaria Escolar

office.microsoft.com
nores, as atividades se resumem todas
na secretaria escolar. Embora, tudo se
resuma à secretaria escolar, o secretário
responsável pelo departamento não pode
acumular todas as funções para ele. Isso
nas proporções de uma grande escola pode
se transformar num verdadeiro caos. O
secretário precisa saber delegar as funções
e também saber cobrá-las.

Atualização do manual
O primeiro manual foi bem aceito,
pois, segundo Marlene, os mantenedores
e secretários estavam sedentos por
informação. Hoje as informações já
estão consolidadas e, em breve, uma
versão atualizada do manual, com leis e matrícula, não são ações minimamente e caráter como mostra o quadro abaixo.
recomendações novas, será lançada. administrativas. É necessário ter um Levando-se em consideração as
Segundo a Marcia, já é uma tendência olhar pedagógico, pois a classificação informações acima, alguns atributos que
nas grandes e médias escolas uma do aluno pode depender do secretário. são interessantes o secretário ter:
diferenciação entre recepção e secretaria. “A única série que a matrícula é inicial é • Integridade moral e de caráter
A secretaria, muitas vezes, fica escondida, a primeira. As outras são classificadas • Senso de organização, iniciativa e
não tem tanto a função de guichê. Outra nas séries subsequentes até o final do discernimento para estabelecer prioridades
área que está deixando de fazer parte ensino médio. Se o secretário tiver um • Capacidade laborativa e de liderança
do departamento de Secretaria é o olhar pedagógico, ele tem a condição de • Presteza, zelo, lisura e precisão do
administrativo, que é responsável pela qualificar se o trabalho prestado pela escola desempenho das atribuições
parte contábil do estabelecimento. Onde e o atendimento prestado aos pais é de boa • Cautela e confiabilidade no trato
tratam de contratação de professores e qualidade” dizem. de assuntos sigilosos e/ou de interesse
funcionários como em um setor de RH das exclusivo da administração
outras empresas. Organização • Boa vontade e solicitude para for-
A prática comum da secretaria escolar Imagine a seguinte cena: um aluno necer orientações e esclarecimentos, de
é a mesma em todas, independente que deixou a escola há mais de dez anos qualquer ordem, assim como para divulgar
do tamanho do estabelecimento: se chega e diz ao secretário que perdeu o assuntos de interesse geral ou específico,
preocupar com a vida escolar do aluno. E histórico escolar e que precisa de um a quem couber
tudo o que diz respeito a isso como sua novo. Essa responsabilidade de ter acesso • Lealdade e colaboração, tanto no
trajetória acadêmica. A secretaria não é à dados de antigos alunos cabe a secretaria relacionamento com superiores, quanto
responsável pelo setor de contratação, mas escolar e aí percebemos a importância de todo o pessoal da escola e da comunidade
é responsável pela habilitação do professor. um arquivo escolar. Hoje em dia, graças • Estar aberto às mudanças e ino-
Quando um supervisor visita uma à informatização, está mais fácil o acesso vações, inclusive propondo alteração
comunidade escolar, se dirige diretamente aos dados. Há alguns anos todo o processo nas rotinas de trabalho que impliquem
à secretaria. Porque o único interesse dele é que dizia respeito ao aluno era registrado agilização, racionalização e eficiência nos
o aluno. “E tudo o que diz respeito ao aluno em papel. E ainda hoje em algumas escolas serviços
é verificado. Se eles cumprem o regimento continua assim. Se uma pessoa que já • Disponibilidade para exercer
escolar, o prontuário do aluno, a formação terminou os estudos há 30 anos e que outras atividades compatíveis com suas
do docente, a parte de autorização e agora precisa de algum documento escolar, atribuições, de modo geral, sempre que
funcionamento de acordo e dos cursos a escola tem que disponibilizar para ela. determinadas pela Direção da Escola
que estão sendo mantidos” diz Marcia. “A escola faz parte da vida da pessoa. Um e/ou que se imponham por situações
Toda essa parte é de responsabilidade da aluno é ex-aluno da escola para sempre. Por emergenciais clareza de redação
secretaria escolar. Esse manual considera isso é importante ter tudo bem arquivado. • Facilidade de solicitar as informações
que a secretaria é a recepção. Em algumas Existem documentos que é pra vida toda” e orientações recebidas
escolas, a secretaria se limita apenas à diz Marcia. • Habilidade em comunicar-se com os
escrituração o que, segundo Marcia, não Atualmente, até o boletim escolar diferentes agentes organizacionais
é bom, pois limita o trabalho da secretaria. é informatizado. O pai do aluno tem
acesso pela internet ao boletim do filho. “Fizemos no manual uma atribuição
O que é necessário para ser secretário? As notas são lançadas no site da escola, de rotina. Mostrando o que é de respon-
Não há um curso superior que forme e quem faz esse trabalho é o secretário sabilidade do secretário e também dos
secretários escolares. Geralmente é escolar. Segundo Márcia, por conta da auxiliares. Como o secretário precisa dividir
necessário apenas o ensino médio. De informatização dos documentos e arquivo, as suas atribuições com os seus auxiliares
preferência, alguns mantenedores pedem o secretario precisou se atualizar. E embora e como deve se portar no mercado de
um curso de secretariado em nível de um secretário mais velho tenha muita trabalho. Seguindo todas as instruções
ensino médio. Atualmente, existem cursos experiência na área, é necessário se contidas no manual escolar é possível
específicos de secretário escolar. Mas atualizar e aprender a usar as ferramentas realizar um trabalho eficaz que trará
Marlene e Márcia aconselham ter sempre tecnológicas. benefícios não somente para a rotina da
um pedagogo presente na secretaria, Além das competências, um secretário escola, mas também para a vida do aluno,
pois todas as ações de rotina da escola, eficiente deve ter um bom relacionamento dos pais e de toda a comunidade escolar”,
de transferência, de recebimento de interpessoal. Além de integridade moral afirma Marlene. •

50 Escola Particular
Homenagem

Diretor do Sieeesp, José Antonio Antiório, é homenageado


Antiório, ao receber a láurea, fez um
significativo pronunciamento, repleto de
conteúdo, dando ênfase à certeza que
tem na humanidade que saberá superar
todos os obstáculos e finalmente alcan-
çar a verdadeira paz e harmonia entre
os povos.
Momento especial foi vivido por todos
quando pediu que viessem também para
participar daquele momento mágico, 3
dos seus 4 filhos, que estavam presentes
no evento, lembrando de sua esposa Ana
Lúcia que não pode estar presente, mas
que na companhia de outro filho, certa-
mente estavam radiantes e muito felizes
pela justa homenagem.
Sérgio de Castro

T roféu Bandeirante é um reconheci-


mento de alta significação promovi-
do anualmente pelo Rotary Club de São
da natação paralímpica brasileira Andre
Brasil Esteves, o professor Dr. Miguel Srou-
gi, consagrado médico, especialista em
Paulo - Jardim das Bandeiras, conceituada urologia pela Unversidade de São Paulo.
unidade rotária do Distrito 461 de Rotary Foi reconhecido também com o prêmio o
International. O evento, este ano, foi rea- Presidente da Federação das Indústrias do
lizado dia 29 de março, no Edifício Rotary, Estado de São Paulo, Paulo Skaf.
bairro de Higienópolis, região central de Antiório também é reconhecido como
São Paulo. um dos rotarianos mais destacados do
José Antonio Figueiredo Antiório, país e do mundo, ocupou todos os car-
educador nato tem uma longa folha de gos possíveis em sua longa caminhada de
serviços na área da educação, adminis- mais de 50 anos, apresentado por seu pai, Tratando-se de um evento promovido
tração pública, instituições e empresas Fortunato Antiório que também teve uma pelo Rotary, muito apropriadamente
de economia mista em Osasco, Estado de extraordinária atuação no Rotary. Antiório falou um pouco a respeito de
São Paulo e no país. Foi apresentado por seu amigo e um grandioso evento em nossa Cidade
Fez jus a inúmeras condecorações e decano dos Governadores, Eduardo de de São Paulo. Convenção Mundial de Ro-
reconhecimentos em todas as principais Barros Pimentel, um dos mais ilustres tary International , em junho de 2015, na
atividades comunitárias no Brasil e no nomes da educação no país e Chanceler verdade uma Convenção do nosso grande
exterior. das Faculdades Rio Branco, que enalteceu país que deverá contar com a participação
Recebeu este reconhecimento junto as enormes qualidades do empresário, de aproximadamente 40.000 pessoas, in-
com outras personalidades como o em- engenheiro, advogado e professor, sa- formando que tudo está sendo feito para
presário e líder da indústria hoteleira, Al- lientando também as suas virtudes como o sucesso do evento, do qual ele é um dos
ceu Antimo Vezozzo, o consagrado atleta chefe de família exemplar. principais responsáveis. •

Escola Particular 51
Classsiesp

AGENDA DE OBRIGAÇÕES • JULHO DE 2014 •


• 04/07/2014 SALÁRIOS - ref. 06/2014 • 25/07/2014 COFINS – Faturamento - ref. 06/2014
• 07/07/2014 FGTS - ref. 06/2014 PIS – Faturamento - ref. 06/2014
CAGED - ref. 06/2014 • 30/07/2014 IRPJ – (Mensal) - ref. 06/2014
CSLL – (Mensal) - ref. 06/2014
• 10/07/2014 ISS (Capital) - ref. 06/2014 IRPJ – (2º Trimestre) - ref. 04-05-06/2014
• 15/07/2014 INSS (Individual) - ref. 06/2014 CSLL – (Mensal) - ref. 04-05-06/2014
• 18/07/2014 INSS (Empresa) - ref. 06/2014
SIMPLES NACIONAL - ref. 06/2014 Dados fornecidos pela HELP – Administração e Contabilidade
PIS – Folha de Pagamentos - ref. 06/2014 helpescola@helpescola.com.br • (11) 3399-5546 / 3399-4385

52 Escola Particular
Escola Particular 53
Cursos

54 Escola Particular
Escola Particular 55
56 Escola Particular