Você está na página 1de 21

LÍNGUA PORTUGUESA Prof.

ª Luana Lopes
O mais importante de todos os sinais, é a palavra,
LINGUAGEM sem a qual não seria possível a convivência humana, e
a própria sociedade inexistiria, dada a impossibilidade
de intercâmbio lingüístico. Sem esse extraordinário
suporte, desapareceria a cosmovisão que o homem tem
Todas conquistas que o homem alcançou no
das coisas, e nem se chegaria ao desenvolvimento com
curso de sua história estão de alguma forma
a ausência do código lingüístico oral ou escrito. Sem
relacionadas à linguagem. Sem ela, não haveria cultura
idéias ou conceitos, seria possível existir cultura,
– conjunto de crenças, valores e comportamentos
progressos e civilização? Óbvio que não, pois as
próprios de uma comunidade -, pois, os conhecimentos
palavras são o sustentáculo de toda essa gigantesca
de cada indivíduo não seriam transmitidos e assim
arquitetura chamada civilização, como sinais
desapareceriam com a sua morte. Mas...
convencionais. Quando se destruiu a Biblioteca de
Alexandria, o mundo chorou; mas por quê? Será
O que é linguagem?
preciso responder?
Linguagem é todo sistema formado por
símbolos que permite a comunicação entre os
indivíduos.
Considerando esse sentido amplo de
linguagem, podemos falar de várias linguagens: a
linguagem verbal, modelo de todas as outras, e as
linguagens não-verbais. A linguagem verbal é aquele
que tem por unidade a palavra, as linguagens não
verbais têm outros tipos de unidade, como o gesto, o
movimento, a imagem, a nota musical, etc...
Exemplos de atividades que predomina a
linguagem não verbal são: a mímica, a dança, a
pintura.

- Linguagem Verbal e Linguagem Visual

Leia as figuras abaixo e procure observar qual delas


é capaz de veicular a mesma informação com maior
rapidez.

Comparando as linguagens utilizadas nos


exemplos, percebemos que a linguagem verbal é a
mais eficaz, porque é mais clara, enquanto a linguagem
visual é a mais econômica, porque veicula a
informação com maior rapidez.

A linguagem verbal permite transmitir de forma


mais objetiva e completa o que pensamos, sentimos e
ou desejamos – por isso é mais eficaz. É também a
única linguagem capaz de traduzir as outras
linguagens. O que é mais objetivo: a explicação de um
poema com uma pintura? Daí a nossa opção pela
linguagem verbal quando o que temos a comunicar
apresenta maior complexidade.

Já a linguagem visual é altamente econômica


porque sua base é um ícone, isto é, uma figura, cuja
percepção se dá de forma imediata e global.

Palavra é Símbolo

Língua Portuguesa Prof.ª Luana Lopes


1
LÍNGUA PORTUGUESA Prof.ª Luana Lopes

Alberto Mesquita de Camargo SINÔNIMOS

Leia com atenção, os dois trechos abaixo:


DENOTAÇÃO E CONOTAÇÃO:
“Cai o crepúsculo, e era como um triste sorriso de
Na ânsia de comunicar-se, o homem procura usar a mártir.”
palavra ou o signo de acordo com as situações que se (Manuel Bandeira)
apresentam na sua vida diária.
Veja: “Nem mesmo sinto falta do que me completa e é
quase sempre melancólico.”
(Carlos Drummond de Andrade)

Na cena acima, o signo pedra está sendo


empregado no seu sentido próprio, dicionarizado,
convencional, objetivo, não permitindo mais de uma

interpretação. Ao ouvir a palavra pedra, neste contexto,


imaginamos logo o mineral duro e sólido.

Denotação é o uso do signo em sentido objetivo e


restrito, admitindo apenas uma interpretação.

Um signo também pode ser empregado com novas


significações, com interpretações diferentes,
dependendo das situações que se apresentam: é o
sentido afetivo, figurado, conotativo. Veja:

Você é uma pedra no meu caminho.


Ao ouvirmos a palavra pedra, neste contexto,
associamo-la a obstáculo, dificuldade a ser superada,
empecilho. E este não é o seu sentido objetivo e
convencional, mas sim o sentido conotativo que ela
assume nesta frase.

Conotação é o uso do signo em um sentido mais


rico, novo ou abrangente.
Língua Portuguesa Prof.ª Luana Lopes
2
LÍNGUA PORTUGUESA Prof.ª Luana Lopes
É bom apreçar a limpeza das celas, pois
As duas palavras destacadas nesses recebemos a notícia de que o inspetor estadual chegará
trechos têm o mesmo sentido, o mesmo para uma visita. É bom providenciar também o
significado. Elas formam um par de concerto do mural de avisos que está quase
palavras sinônimas. Podemos dizer, então, despencando, por isso fui ao armazém buscar algumas
que: taxas.”
Com certeza, o delegado entendeu o recado;
Sinônimos são palavras que apresentam, entre si, o deve Ter percebido, porém, que seu ajudante necessita
mesmo (ou aproximadamente o mesmo) urgentemente conhecer o significado de alguns termos.
significado. Apreçar, concerto e taxas são, respectivamente,
homônimos de apressar, conserto e tachas. Essas
palavras possuem a mesma pronúncia; entretanto, a
Outros exemplos de palavras sinônimas: grafia e o sentido são diferentes.
Resgatar = recuperar
Maciço = compacto Homônimos são palavras escritas ou
Digno = decente = honesto pronunciadas da mesma maneira, mas com significados
Reminiscências = lembranças diferente.
Ratificar = confirmar
Insipiente = ignorante
Retificar = corrigir HOMÔNIMOS HOMÓGRAFOS
Efêmero = transitório
Compare a grafia e a pronúncia das palavras
A relação de sinonímia entre duas palavras destacadas na frase:
raramente é exata, perfeita. Por isso, ao escrever, você No tempo da seca, o açude seca.
deve procurar escolher, entre duas ou mais palavras
sinônimas, aquela que seja mais adequada ao contexto Note que são escritas da mesma forma, isto é,
e à idéia a ser transmitida. têm a mesma grafia. No entanto, as pronúncias são
diferentes: na primeira pronuncia-se ê (sêca) e; na
ANTÔNIMOS segunda, pronuncia-se é (séca).
Essas duas palavras formam um par de
“Buscou no amor o bálsamo da vida homônimos homógrafos.
Não encontrou senão o veneno da morte.”
(Manoel Bandeira) Homônimos homógrafos são palavras que
apresentam a mesma grafia, mas são diferentes
Nesses versos, as palavras destacadas têm quanto à pronúncia e também quanto ao significado.
sentido contrário, por isso são denominadas Outros exemplos de homônimos homógrafos:
antônimas.
Almoço (substantivo) – almoço (verbo)
Colher (verbo) – colher (substantivo)
Jogo (substantivo) – jogo (verbo)
Antônimos são palavras que apresentam, Molho (substantivo) - molho (verbo)
entre si, sentidos opostos, contrários. Pêlo (substantivo) - pélo (verbo)
Sede (necessidade de líquido) – sede (local)
Outros exemplos de palavras antônimas. HOMÓNIMOS HOMÓFONOS

Bom x mau condenar x absolver Compare as palavras destacadas em:


Bem x mal simplificar x complicar
O mecânico terminou o conserto do carro.
HOMÔNIMOS Nós assistimos a um concerto da orquestra
sinfônica.
Leia: Observe que elas apresentam grafias
diferentes, mas têm a mesma pronúncia. Elas formam
O delegado da pequena cidade interiorana de um par de homônimos homófonos.
São Paulo ficou estupefado ao ler o bilhete que lhe
deixara seu ajudante: Ou seja:
“Senhor delegado,
Homônimos Homófonos são palavras que
apresentam a mesma pronúncia, mas são diferentes na
grafia e no sentido.
Língua Portuguesa Prof.ª Luana Lopes
3
LÍNGUA PORTUGUESA Prof.ª Luana Lopes
Acidente (desastre) – incidente (episódio)
Outros exemplos de homônimos homófonos: Amoral (sem moral) – imoral (contra a moral)
Acender (pôr fogo) – ascender (subir) Arrear (pôr arreios) – arriar (abaixar)
Apreçar (dar preço) – apressar (pôr pressa) Comprido (longo) – cumprido (realizado)
Acento (tom de voz) – assento (lugar onde se senta) Comprimento (extensão) – cumprimento
Caçar (prender, matar) – cassar (anular os direitos) (saudação)
Censo (recenseamento) – senso (juízo) Conjetura (hipótese) – conjuntura (situação)
Cerrar (fechar) – serrar (cortar) Diferir (diferenciar) – deferir (aceitar)
Concertar (harmonizar) – consertar (reparar) Descrição (ato de descrever) – discrição
Cessão (doação) – seção ou secção (divisão) (reserva)
- sessão (reunião) Despensa (lugar para mantimento) – dispensa
Coser (costurar) – Cozer (cozinhar) (desobrigação)
Espiar (olhar) – expiar (pagar uma culpa) Emergir (vir à tona) – imergir (afundar)
Espectador (o que vê) – expectador (o que tem Eminente (ilustre, importante) – iminente (que
expectativa) está para acontecer)
Extrato (fragmento, resumo) – estrato (camada de Flagrante (evidente, no ato) – fragrante
rocha) (perfumado)
Externo (o lado de fora) – esterno (nome de um osso) Infligir (aplicar) – infringir (desobedecer)
Insipiente (ignorante) – incipiente (principiante) Pleito (disputa eleitoral) – preito (homenagem)
Mal (advérbio) – mau (adjetivo) Soar (produzir som) – suar (transpirar)
Paço (palácio) – passo (verbo passar) Sortir (abastecer) – surtir (originar)
Sessão (reunião) – cessão (ato de ceder) –
seção/secção (setor de repartição) Obs.: O estudo dos homônimos e parônimos não tem
Taxar (botar preço) – tachar (acusar) razão de ser fora do contexto, por isso é imprescindível
o seu conhecimento no momento da elaboração de
Observação: texto, para que não se cometam erros, tais como:
“Você percebeu o seu comprimento? Não foi
Há certos pares de palavras que são, ao mesmo nada simpático!”
tempo, homógrafas (mesma grafia) e homófonas
(mesma pronúncia).
Vícios de Linguagem
Exemplo:
Sela (verbo selar) – sela (arreio)
Leve (verbo levar) – leve (de pouco peso) Em matéria de correção de linguagem, devemos
pautar-nos pelos três seguintes princípios:
PARÔNIMOS 1. não cometer erros que perturbem a compreensão;
2. não cometer também os que revelem insuficiência
Leia: do domínio da língua culta e do seu ideal
Para ratificar o pedido da diretoria, foi normativo;
necessário retificar o erro no documento. 3. não dar a impressão de que somos originais na
maneira de falar ou escrever.
Observe que as palavras ratificar e retificar O desrespeito ao 3º princípio insinua-se
possuem a grafia e a pronúncia parecidas, mas capciosamente através das prescrições gramaticais,
significados diferentes. excessivamente conservadoras e rígidas, que não levam
em conta as inovações inelutavelmente dito e
A palavra foi cumprida com eficiência. discordância de uso. Com isso só obtemos um resultado
A fila estava muito comprida. contraproducente, por um ou outro dos seguintes
motivos.
Nas frases, as duas palavras destacadas têm a) colocamo-nos na posição de pessoas esquisitas e
sentidos diferentes, mas são bastante semelhantes na até pouco sensatas, que não se exprimem como
grafia e na pronúncia. Elas formam um par de palavras tanta gente;
parônimas. b) mesmo que sejamos por isso admirados, a atenção
Pode-se, portanto, dizer que: geral se desvia do pensamento para a forma
surpreendente em que ele assim se consubstancia.
Parônimos: são palavras que apresentam entre J. Mattoso Câmara Jr.
si, uma certa semelhança tanto na grafa quanto na
pronúncia.

Outros exemplos:
Língua Portuguesa Prof.ª Luana Lopes
4
LÍNGUA PORTUGUESA Prof.ª Luana Lopes
Neste texto, o autor finaliza a necessidade de termos “O grafiteiro pixou no muro caiado: Herrar é
uma linguagem correta, mas que não seja umano”
obsessivamente rígida, pois o fundamental é a clareza, Esta é uma questão de múltipla escolha.
na qual consiste a qualidade essencial da expressão 1. Você corrige um erro.
lingüística de quem fala ou escreve. 2. Você corrige dois erros.
No entanto, descuidos ou desconhecimento dos 3. Você não corrige nada e elogia a
mecanismos lingüísticos podem gerar distorções que criatividade do grafiteiro.
contrariam essa norma. Os vícios de linguagem 4. Você fica louco da vida, xinga o cara de
englobam alguns dos erros mais comuns que os ignorante e manda repintar o muro”
usuários da língua podem cometer ao utilizá-la para (Lourenço Diaféria)
exprimir seus pensamentos,
Assim, de modo geral, vícios de linguagem são CACOFONIA
expressões que, às vezes corretas, podem dar margem A cacofonia consiste na junção de duas
a vários modos de interpretação. Os mais comuns são: palavras formando uma terceira no sentido
ambigüidade, barbarismo, cacofonia, pleonasmo inconveniente ou desagradável. Temos cacofonia em:
vicioso, estrangeirismo, solecismo, colisão e Senti que a boca dela se aproximava de mim.
arcaísmo. cadela

AMBIGÜIDADE Distribuiu os presentes aos alunos um por


Ocorre ambigüidade de sentido quando não há cada.
clareza no enunciado: Porcada
O professor protestou contra a sua falta de
atenção. Veja alguns cacófagos cunhados pelo povo:
“Meu coração por ti gela.”
tigela
Sua de quem? Da pessoa com quem se fala ou
de quem se fala. “Meus afetos por ti são.”
Tição
Saíram a passear: a mãe e a sua filha.
“Já nela não penso então.”
janela

De quem? Da mãe ou da pessoa com quem se “Vamos cá indo”.


fala. caindo

homófonos. “Meus ideais como os concebo”


como os com sebo

“Se é por tão grande motivo, desisto.”


Portão

BARBARISMO PLEONASMO
O pleonasmo só será vicioso quando a
Barbarismo ocorre quando se pronunciam ou repetição do termo ou expressão for considerada
se escrevem de forma incorreta certas palavras ou, desnecessária ou quando a redundância não trouxer
ainda, quando se dá à palavra ou expressão um acréscimo ou reforço algum à idéia. Assim, mão há
significado errado. São considerados barbarismo: inovação alguma em dizer:
Subir para cima sair para fora
Mendingo em vez de mendigo Descer para baixo entrar para dentro
Paecambu em vez de Pacaembu Grande maioria
Rúbrica em vez de rubrica
Circuíto em vez de circuito
Misântropo em vez de misantropo ESTRANGEIRISMO
Umano em vez de humano Estrangeirismo é o emprego de certas palavras
ou expressões estrangeiras no lugar de termos
Observe o texto a seguir, no qual o autor correspondentes na própria língua. É também chamado
registra barbarismo da linguagem popular: de:
Língua Portuguesa Prof.ª Luana Lopes
5
LÍNGUA PORTUGUESA Prof.ª Luana Lopes
Galicismo: quando a palavra é de origem
francesa.
Anglicismo: quando a palavra é de origem
inglesa
Germanismo: quando a palavra é de origem
alemã, etc...
EXERCÍCIOS DE LINGUAGEM
Algumas palavras estrangeiras já se
incorporaram ao nosso vocabulário, mas há outras, cujo
uso é desnecessário, visto que temos vocábulos
correspondentes em nosso idioma, Veja, a seguir, Os desastres de Sofia
alguns estrangeirismos com a opção correspondente na
nossa língua:
Qualquer que tivesse sido o seu trabalho
Buquê – ramalhete
anterior, ele o abandonara, mudara de profissão e
Chance = oportunidade
passara pesadamente a ensinar no curso primário: era
Chofer – motorista
tudo o que sabíamos dele.
Enquete – inquérito, pesquisa
O professor era gordo, grande e silencioso, de
Gafe – disparate
ombros contraídos. Em vez de nó na garganta, tinha
Marcante – notável, ilustre
ombros contraídos. Usava paletó curto demais, óculos
Menu – cardápio
sem aro, com um fio de ouro encimando o nariz grosso
Performance – atuação, desempenho
e romano. E eu era atraída por ele. Não amor, mas
Revanche – desforra
atraída pelo seu silêncio e pela controlada impaciência
que ele tinha em nos ensinar e que, ofendida, eu
SOLECISMO
adivinhara. Passei a me comportar mal na sala. Falava
Solecismo é o erro que infringe as regras da
muito alto, mexia com os colegas, interrompia a lição
sintaxe. Pode ser concordância, regência ou colocação.
com piadinhas, até que ele dizia, vermelho:
- Cale-se ou expulso a senhora da sala.
Fazem dois anos que ela morreu.
Ferida, triunfante, eu respondia em desafio:
Faz
pode me mandar! Ele não mandava, senão estaria me
obedecendo. Mas eu o exasperava tanto que se tornara
Ela necessitava que a socorressem imediatamente.
doloroso para mim ser o objeto do ódio daquele
De que
homem que de certo modo eu amava. Não o amava
Assiste-se bons filmes em São Paulo.
como a mulher que eu seria um dia, amava-o como
Assiste-se a
uma criança que tenta desastradamente proteger um
adulto, com a cólera de quem ainda não foi covarde e
Vou no correio agora.
vê um homem forte de ombros tão curvos. (...)
Vou ao
LISPECTOR, Clarice. A legião
Me veja um café.
estrangeira. São Paulo. Ática, 1977, p. 11
Veja-me

COLISÃO
A colisão é a seqüência desagradável de fonemas
consonatais idênticos. Veja:

Viajarei já em janeiro.

Sem cessar, só sei sofrer por você

ARCAÍSMO
Arcaísmo é o uso de palavras ou expressões
que já pertencem a um etapa ultrapassada da evolução
da língua. Veja alguns exemplos:
Fremosa em vez de formosa
Vos mecê em vez de você
Co’a em vez de com a
Língua Portuguesa Prof.ª Luana Lopes
6
LÍNGUA PORTUGUESA Prof.ª Luana Lopes
Questão 1 Questão 7

Na linha 3, o narrador afirma que o professor tinha Como se sabe, todo o texto revela a visão de
“ombros contraídos”. mundo de quem o produziu. No caso desse texto,
Esta característica, fora do contexto em que pode-se dizer que ele foi produzido para mostrar que:
está inserida, pode sugerir várias interpretações, como, (a) Todo aluno nutre pelo professor um grande afeto e
por exemplo: se irrita quando não é correspondido.
- que o professor era velhinho; (b) Todo professor se dedica à tarefa de ensinar com
- que era frágil fisicamente; extremo cuidado e prazer.
- que era corcunda; (c) O professor não tinha mais condições físicas para
- que era acovardado e submisso às pressões executar seu trabalho.
sociais. (d) A relação professor e aluno é sempre tensa e
contraditória.
Mas, levando-se em conta o contexto, (e) As condições da vida prática e a necessidade de
apenas uma dessas possibilidades contém uma seguir regras e normas podem levar o homem a
interpretação adequada. Indique qual é essa reprimir suas emoções.
possibilidade, com outras passagens do texto,
justifique a sua escolha.

Questão 2

Há várias passagens do texto em que o AS FUNÇÕES DA LINGUAGEM


narrador dá a entender que o professor era uma pessoa
que tomava atitudes contrárias à sua vontade ou tinha
características que não combinava entre si Todos nós, quando organizamos nossos
Cite ao menos duas passagens do texto que discursos, efetuamos duas operações: a seleção e a
comprovem essa afirmação. combinação.

Questão 3 Escolhemos dentre todas as possibilidades que


a língua oferece – em termos lexicais, sintáticos,
Segundo o texto, os sentimentos da aluna pelo semânticos – os elementos que nos interessam e os
professor eram ambíguos, isto é, eram sentimentos que combinamos em vista de transmitir determinado
se contrariavam. conteúdo, ou seja, os signos articulam-se de um modo
a) Cite algumas passagens em que se específico segundo a função para que se destinam.
manifesta essa contradição.
b) Qual o motivo dessa ambigüidade? Segundo o lingüista Roman Jakobson, s eis são
as funções da linguagem: referencial, emotiva,
Questão 4 conotativa, fática, poética e metalingüística.

Na linha 9, o professor diz: “Cale-se ou expulso 1- A Função Referencial:


a senhora da sala”. Para falar-se em função referencial, é necessário
Perante essa explosão, a aluna tem dupla antes distinguir dois níveis de linguagem: o denotativo
reação. e o conotativo.
Procure explicar:
a) Por que se sentiu ferida? A conotação é também conhecida como linguagem
b) Por que se sentiu triunfante? figurada, aquela que faz uso de todo o arsenal retórico
de que a língua dispõe como forma de expressão.
Questão 5
Exemplo:
Nas linhas 13 e 14, a menina diz que amava o Quero afogar-me no azul do teu olhar.
professor “com a cólera de quem ainda não foi
covarde”. Tente explicar o significado de ainda nesse Houve aqui, a associação por similaridade azul/
contexto. água e daí ver / afogar-se (apaixonar-se). Assim um
signo “emprestou” sua significação a outro, o que é a
Questão 6 base da metáfora, figura que estudaremos nos
próximos capítulos.
Segundo o texto, em que consistia a covardia
do professor? O outro nível de linguagem é a denotação, tenta
uma aproximação mais direta entre o termo e o objeto.
Língua Portuguesa Prof.ª Luana Lopes
7
LÍNGUA PORTUGUESA Prof.ª Luana Lopes

Exemplo: Exemplo:

Quase me afoguei no mar... Introspecção

Nesta frase percebemos que afogar está Nuvens lentas passavam


sendo usado no seu sentido próprio: matar-se ou Quando eu olhei o céu.
morrer por asfixia na água. E mar também: Eu senti na minha alma a dor do céu
massa de água salgada, A denotação é, pois, a Que nunca poderá ser calmo.
base da função referencial.
Quando eu olhei a árvore perdida
Nela os signos organizam-se em função do Não vi ninhos nem pássaros.
referente, procurando transmitir informações Eu senti na minha alma a dor da árvore
precisas sobre ele. A mensagem está apoiada em Esgalhada e sozinha
ambigüidade. Esta função, que tem por objetivo Sem pássaros cantando nos seus ninhos.
informar o leitor transmitindo dados e
conhecimentos exatos, marca-se pelo uso da Quando eu olhei minha alma
terceira pessoa do discurso e da denotação. Vi a treva.
Eu senti no céu e na árvore perdida
A dor da treva que vive na minha alma.
Exemplo: (Vinícius de Moraes. Poesia Completa e Prosa,
RJ, Editora Nova Aguilae S/A, 1981, pág. 64.
O índice de Preços – Fipe – Estadão, que
aponta a tendência de bens e serviços
competitivos, apresentou variação de 31,665 nos
30 dias encerrados em 18 de agosto de 1993,
mantendo a tendência de alta, ainda pressionada
pelo grupo dos alimentos protéicos, além dos
insumos básicos da construção civil (pedra
britada e areia).
O índice Fipe-Estadão de Preços Públicos, que
mostra o comportamento dos bens e serviços
controlados pelo governo, mostrou variação de
34,52% para o período de 30 dias encerrado
ontem, mantendo a tendência da semana
passada. A exceção ficou com energia elétrica,
que teve alta de 8%.
(O Estado de São Paulo,
19/08/93).

Temos, nesse texto, o predomínio absoluto


da informação fornecida de maneira direta.
Objetiva, precisa e denotativa. Trata-se de
informação bruta, enxuta, sem comentários nem
juízos.

2- A Função Emotiva:

Esta função centra-se no emissor que deixa


transparecer suas intenções marcando suas
mensagens com verbos e pronomes na primeira
pessoa, com interjeições, com adjetivos e com sinais de
pontuação (exclamação, reticências) que apontam seu
ponto de vista ou estado de espírito.

Língua Portuguesa Prof.ª Luana Lopes


8
LÍNGUA PORTUGUESA Prof.ª Luana Lopes
Neste texto percebe-se a predominância da função Com a Federal Express não existe problema de
emotiva já no título: o poeta propõe um voltar-se para peso na hora de enviar sua encomenda. É a única que
dentro dele mesmo. E é apartir de sua emoção, do seu envia até
estado de espírito que ele “lerá” o mundo fora dele. 70kg, com
Tudo é triste e doloroso porque sua alma está em rapidez e
trevas. É evidente que existe neste texto, também, uma segurança,
outra função bastante importante: a poética, que se para qualquer
centra na organização da mensagem. lugar do
Não se deve pensar, no entanto, que somente mundo.
textos que apresentem essa irrupção de elementos E tem
subjetivos sejam aqueles em que predomina a função mais,
emotiva. Ela pode ocorrer também em cartas e estar na nosso
base de textos aparentemente referenciais, como serviço é
artigos críticos, relatórios, editoriais de jornais e porta a
revistas. porta.
Na Varagem do Vício, de George Stevens Em sua
(Something To Live for, EUA, 1952) próxima
remessa
Melodramão que gostaria de ser tão criativo e
importante quanto o clássico Farrapo Humano
(1945, de Billy Wilder), mas fica só na vontade. Ex-
bebum e agora militante dos Alcoólicos Anônimos, o
publicitário e aparentemente bem casado Alan (Ray
Milland, que abafou justamente em Farrapo
Humano) se apaixona por uma jovem e bela atriz internacional, leve em conta este nome de peso:
(Joan Fontaine) que bebe mais que um Dodge Federal Express. Ligue para: (011)
Charger 75. Com Teresa Wright (versão original com 828-0588 – SP. De 2ª a 6ª, coleta até 22h. Aos
legendas, preto-e-branco, 88 min), Globo (5), 1h. sábados, até às 12h. Consulte-nos.
Veja, S.P. 19 a 25/07/93, pág. 89 FEDERAL EXPRESS. NO LUGAR CERTO. NA HORA
CERTA.
Nesta mini-resenha, percebe-se claramente a Nesse texto, além do uso do imperativo, existe toda
posição do emissor através da seleção de palavras, das uma série de argumentos para convencer o leitor a
comparações, do uso de sufixos aumentativos. Todos enviar sua encomenda pela Federal Express.
esses índices da função emotiva, convivem, no entanto,
com a função referencial, informativa do texto. 4- A Função Fática
3- A Função Conativa Quando a mensagem centrar-se no contato, no
suporte físico, no canal, a função será fática. O objetivo
A palavra “conativa” tem sua origem no termo desta função é testar o canal, interromper ou reafirmar
latino conatum, que significa tentar influenciar alguém a comunicação, não no sentido de informar, mas de
através de um esforço. Essa função – também chamada assegurar a transmissão da mensagem.
de apelativa – representa um esforço de tentar No nosso cotidiano, certos tiques lingüísticos como
convencer o receptor através de uma ordem, “entende?”, “tá?”, “certo?”..., são elementos conectores
exortação, chamamento, saudação ou súplica. Ela que reforçam a mensagem, embora não transmitam
produz textos que “falam a mesma língua que o nenhuma informação.
receptor”. Isto quer dizer que, no projeto de elaboração
dos textos, sempre se consideram as características do
destinatário para que o texto se adapte às condições
sociais, psicológicas e lingüísticas de quem o recebe.
Assim a característica gramatical desse tipo de texto é a
segunda pessoa do discurso, ou ainda, os pronomes de
tratamento (você, o senhor, a senhora, etc...). o
imperativo e o vocativo. A mensagem publicitária é o
exemplo mais flagrante desse tipo de função.

Veja São Paulo 12 a 18 de julho/93, pág. 35

PELA FEDERAL EXPRESS


Língua Portuguesa Prof.ª Luana Lopes
9
LÍNGUA PORTUGUESA Prof.ª Luana Lopes
A conversa sobre o tempo, dentro de um elevador Percebe-se no texto um trabalho com o ritmo
ou quando não se tem o que dizer, é fática. binário (seqüência de sílabas forte / fraca / forte /
fraca) que dá ao leitor a impressão dos tambores
São fáticos também, recursos, que facilitam a indígenas preparando-se para a guerra.
leitura e asseguram a transmissão da mensagem tais Neste fragmento de Cruz e Sousa
como: recursos gráficos, escolha de palavras mais
curtas e mais fáceis, extensão das frases, etc... “Vozes veladas, veludosas vozes,
Recentemente, o jornal Estado de S. Paulo passou Volúpias dos violões, vozes veladas
por uma reprogramação visual cujo objetivo era ganhar Vagam nos velhos vórtices vorazes
mais “legibilidade”. Dos ventos, vivas, vãs, vulcanizadas... (...)”.

Leitor elogia
O trabalho se dá ao nível da repetição de
fonemas fricativos (/v/, /z/, /s/), que nós dá a idéia
de vozes abafadas, de murmúrios.
mudança no “Estado” E uma simplificação excessiva e enganadora, no
Comprador em banca diz que alterações deixaram o
jornal mais leve, diferente e jovem entanto, tenta reduzir a função poética à poesia. Na
prosa, pode-se apontar o uso da função poética
Os leitores aprovam o novo visual do Estado. não só na utilização das figuras de linguagem ou na
Os entrevistados foram unânimes em afirmar que a estrutura do texto, como também na atribuição de
nova diagramação melhorou a leitura, tornando-a mais nomes às personagens. Guimarães Rosa, um
leve. O comerciante Martinho Alexandre, 58 anos, um mestre da invenção na literatura brasileira, em seu
dos herdeiros da Floricultura Dora, no Largo do conto “Desenredo”, cria personagens cujos nomes
Arouche, é assinante do Estado há 20 anos, mas a sua apontam para suas principais características
curiosidade em ver a mudança gráfica foi tão grande psicológicas.
que ele não esperou ela entrega do jornal na manhã de
Domingo. Jó Joaquim, o protagonista, tem uma
Às 18 horas de sábado Alexandre foi até a personalidade apaziguadora e é sobretudo
banca mais próxima e gostou do que viu. “Está paciente, daí ser Jó (símbolo de paciência na
belíssimo, é um jornal classe A”, não se cansava da Bíblia). Mas é tão paciente, que é Jó ao quadrado:
repetir para os amigos, “O colorido é muito bonito, Jó Joaquim. Enquanto que sua amante á
está mais fácil de ler e até parece uma revista.” (...) apresentada no conto como Livíria, Rivília, Irlívia.
O Estado de São Paulo, 23/08/93, pág. 10 Sob esses nomes mutantes, esconde-se a mulher
volúvel que tem vários amantes. Mas ao final do
Os trechos grifados apontam para o caráter fático das conto, quando é purificada pelo paciente trabalho
modificações : elas não trouxeram informação nova, de Jó Joaquim, ela aparece com o nome de Vilíria:
mas garantiram a transmissão da mensagem porque, virgem e lírio (símbolo da pureza), isto é, sem
através delas, a leitura ficou mais fácil e agradável. culpa, sem mácula, sem pecado.
4- A Função Poética

Esta é a função que se centra sobre a própria


mensagem. Ela opera um trabalho com a própria
linguagem colocando em evidência o lado palpável Esta função também extrapola o campo do
do signo. Isso vale dizer que o significante é literário e pode aparecer em qualquer tipo de texto
trabalhador na sonoridade, no ritmo, na disposição onde se perceba um trabalho com a linguagem. O
gráfica das palavras na página em branco, na publicitário, por exemplo:
utilização da figuras de linguagem, etc... Exemplo:
Meu canto de morte
Guerreiros, ouvi, “Sinta a suave sensação de Nívea Loção.”
Sou filho das selvas,
Nas selvas, cresci; Aqui a repetição do fonema /s/ enfatiza a
Guerreiro, descendo suavidade que o creme proporciona aos consumidores,
Da tribo tupi. (...) além de operar o entrecruzamento de sensações táteis
com sensações sonoras, promovendo o que se chama
Gonçalves Dias de sinestesia.

6- A Função Metalingüística:

Língua Portuguesa Prof.ª Luana Lopes


10
LÍNGUA PORTUGUESA Prof.ª Luana Lopes
A função metalingüística explica o próprio código,
isto é, num espelhar-se, a linguagem fala da própria
linguagem.
Código
Função metalingüística
A poesia
- e toda -
é uma viagem ao desconhecido.

A poesia
- é como a lavra
do rádio um ano para cada grama.

Para extrair
uma palavra
Milhões de toneladas
de palavra-prima

Vladimir Maiakovski

(tradução de Augusto Campos)

A poesia disseca o ato de fazer poesia. O poder


poético é o próprio tema da poesia.

Um dicionário, uma gramática e mesmo este nosso


livro são exemplos de exercício metalingüístico.

Para terminar este capítulo, devemos ainda fazer


duas observações.

A primeira é que o esquema dos elementos da


comunicação superpõe-se exatamente ao esquema de
funções da linguagem.

Observe o quadro a seguir:

Referente
Função referencial

Mensagem
Função poética

Emissor Receptor

Função Função
Emotiva Conotativa

Canal
Função fática
Língua Portuguesa Prof.ª Luana Lopes
11
LÍNGUA PORTUGUESA Prof.ª Luana Lopes
“Não se pode mudar o curso do rio, pelo
menos, não sem tocá-lo; e o sonho era como o rio, ia e
A segunda, extremamente importante, é a de que vinha sem se dividir, sem parar. E nele a vida.”
existe sempre, dentro de qualquer texto, uma (Mônica Mazzonni)
hierarquização de funções. Isto vale dizer que, numa
dada mensagem, não há uma só função, mas um jogo 06.
de várias funções com a preponderância de uma delas. “Protegei, ó São Cosme e Damião! – protegei
os meninos protegidos pelos asilos e orfanatos, e que
Voltando ao texto de Vinícius de Moraes da página aprendem a rezar e obedecer andar na fila e ser
90, vemos aí a função emotiva contracenando com a humildes...”
poética de “Sinta a suave sensação de Nívea Loção” (Rubem Braga)
dividindo espaço com a função conativa. Ou quaisquer
outras combinações possíveis. 07.
“A cidade é passada pelo rio
A noção de hierarquização é importante para que como uma rua
se percebam as intenções do produtor do texto e as é passada por um cachorro
várias nuanças de significação desse mesmo texto. uma fruta
por uma espada.”
(João Cabral de Melo Neto)

EXERCÍCIOS - FUNÇÕES DE LINGUAGEM 08.


“Façam a festa
cantem, dancem
que eu faço o poema duro
Leia os textos e identifique as funções de linguagem o poema-murro
predominantes sujo
como a miséria brasileira.”
1. (Ferreira Gullar)
“A mãe estava na sala, costurando. O menino 09.
abriu a porta da rua, meio ressabiado, arriscou um “A linguagem é fundamental, pois através dela
passo para dentro e mediu cautelosamente a distância. que o homem se comunica, transmite experiências,
Como a mãe não se voltasse para vê-lo, deu uma ouve outras, troca informações e aprendem além de
corridinha em direção ao seu quarto.” aprender os valores que o integrarão na comunidade
(Fernando Sabino) social. Também é através da linguagem que ele poderá
contribuir para a mudança dos valores da sociedade.
(Noel Rosa)

02.
“Aproveita a oferta! Compre já seu novo 10.
aparelho de televisão. Assista à Copa do Mundo com “Senhor
visão colorida.” fazei de mim um instrumento de vossa paz;
onde houver ódio, consenti que eu semeie
03. amor”
“Eu vivo bem sem amar ninguém (Prece de São Francisco)
Ser feliz é sofrer por alguém
Zombo de quem sofre assim:
Quem me fez chorar, hoje chora por mim, 11. “Vamos visitar a estrela
Quem ri melhor é quem ri no fim.” de manhã raiada
(Noel Rosa) que eu pensei perdida
pela madrugada
04. mas que vai escondida
“- Alô, está me ouvindo? querendo brincar”.
- Ahn? (João de Aquino e Paulo César Pinheiro)
- Tá me ouvindo?
- Ligo depois” 12.
“Agora, o cheiro áspero das flores
05. leva-me o olhos por dentro de suas pétalas.”
(Cecília Meireles)
Língua Portuguesa Prof.ª Luana Lopes
12
LÍNGUA PORTUGUESA Prof.ª Luana Lopes

(Jorge Miguel Marinho)


13.
“- É a Lila? Olha, estou no banco para pagar
sua prestação, mas o caixa não quer receber em
cheque, só em dinheiro. Está me ouvindo? O que faço? Indique as funções da linguagem predominantes em
Estou sem dinheiro.” cada um dos textos seguintes:

21.
14. Ossada misteriosa achada em Campos
“A população invade a avenida Paulista, pula,
canta, acompanha o trio elétrico; em casa sorriso e no Muitos curiosos já foram ver, em Campos, a
ritmo da batucada, a vitória certa contra o adversário. ossada da cabeça de um animal de grande porte
Conseguiremos o tetra? Buzinas explodem, samba no encontrado no fundo do mar, perto da cidade. Ninguém
coração, nos pés, bola na cabeça e no arrepio de conseguiu identificar a ossada, sabendo-se apenas que
emoção que custa a passar. Céu estrelado. O frio, a era de um mamífero. Só os ossos da cabeça pesam 50
garoa e o cinzento dos prédios ficam aquecidos pela quilos.
força e alegria da multidão. O Globo, 13/03/80

15.
“Sujo, pés descalços, aparentando dez anos, 22.
calça curta, justa, no meio daquele frio, poucos dentes Eu sei que vou te amar
na boca, mas muitos dedos para segurar os jornais que Por toda a minha vida eu vou te amar
vendia toda manhã na esquina mais movimentada. Vinícius de Moraes. “Eu sei que vou te amar”.
Preto, olhos grandes, raquítico e uma barriga
avolumada.”
23.
16. Você que é tão avoada
“No dia 12 de junho de 1948, a rede de lojas Possui em meu coração
‘Exposição Clipper’ lançou a campanha do Dia dos Moça, escuta esta toada
Namorados, com o objetivo de levar os casais a Cantada em sua canção.
trocarem presentes.”

17. Milton Nascimento. “Canto Latino”


“Escolha seu patrão no Classifolha EMPREGOS.
Todo Domingo na Folha de S. Paulo.”

18. 24.
“O pacotinho com os desenhos estava em cima - O que quer dizer “cativar”?
da mesa e as malas, fechadas. Quer dizer: uma velha - “Cativar” significa “criar laços”.
malinha de papelão prensado sem fecho, que ele teve Antoine de Saint-Exupéry. O Pequeno Príncipe.
de amarrar com uma cordinha fina”
(Murilo Carvalho) 25.
- Olá, como vai?
19. - Eu vou indo e você, tudo bem?
“Quando você me deixou, meu bem Paulino da Viola. Sinal Fechado”
Me disse pra ser feliz e passar bem
Quis morrer de ciúme, quase enlouqueci 26.
Mas depois, como era de costume, obedeci.” (...) e além do som e das dobras
(Chico Buarque de Holanda) do que sobra ai olho nu –
vem outro além,
20. mas já sopra o verde alento do azul.
“Pega a palavra como arma Gilberto Mendonça Teles. “Viagem”
Pontiaguda
De furar 27.
Enche de sangue as sílabas Alô, Dona Maria, como vai sua tia?
Menos flexíveis” Alô. Dona Aurora, como vai a senhora?
Língua Portuguesa Prof.ª Luana Lopes
13
LÍNGUA PORTUGUESA Prof.ª Luana Lopes
Chacrinha A soja é o cultivo que mais cresceu no Brasil nos
últimos quinze anos e representa, atualmente, o ramo
28. mais importante do setor oleaginoso.
- ‘Quadrado’ é uma gíria! Quer dizer que você é
desatualizada!... 37.
Uma ‘por fora, sabe? Conheça Portugal viajando pela TAP.
- Então tenho que ficar por dentro? Por dentro Voe com quem sempre soube voar.
do quê, hein?
38.
29. (...) Eu sei que um outro deve estar falando
Agora não pergunto mais aonde vai a estrada Ao seu ouvido
Agora não espero mais aquela madrugada. Palavras de amor como eu falei
Mas eu duvido
Milton Nascimento. “Fé Cega” Duvido que ele tenha tanto amor
E até os erros do meu português ruim
E nessa hora você vai
30. Vai lembrar de mim.
No dia 12 de junho, dê uma flor à sua namorada. Roberto e Erasmo Carlos. “Detalhes”
Ela vai “vibrar” de emoção.
39. (UF-GO) Leia o texto que segue:
31.
Amanhã não haverá aula. É massa, brother

32. Brother, dentro dessa nova edição do


Refogue as folhas e misture com ovos batidos com Vestibular 500 Testes tem tudo para que o
um pouco de farinha de trigo. Leve à frigideira. Depois próximo vestiba role na maior.
é só servir! Só de português são 80 questões, sendo 50
testes e 30 escritas.
33. Fora as questões de física, química, biologia,
Era uma casa história, geografia, matemática e inglês.
Muito engraçada Ah, tem uma lista de livros e uma série de dicas
Não tinha teto que você precisa ficar por dentro antes de encarar
Não tinha nada os exames.
Ninguém podia Vestibular 500 testes, especial do Guia do
Entrar nela não Estudante,
Porque a casa Desencana, brother.
Não tinha chão (...) Vestibular agora é manha.

Vinícius de Moraes “A Casa” (Veja, São Paulo, ed. de 23.10.1991, pág. 13)
34.
A descoberta de uma vacina contra a hepatite do O texto que você acabou de ler é de um
tipo B pelo instituto Pasteur, da França, foi anunciada anúncio publicitário. Observe que a linguagem se
ontem pelo professor Jean Bernard. organiza em torno de um determinado objetivo, ou
Jornal da Tarde, 19/12/80 seja, o seu uso é deliberado e revela intenções. O leitor
é tratado com intimidade; o coloquialismo tenta
35. envolvê-lo.
-Bem! - disse o rapaz. Tendo em vista as considerações anteriores,
-Bem! – respondeu ela. identifique e explique a principal função que preside a
-Bem, cá estamos! – disse ele. linguagem do anúncio.
-Cá estamos, - confirmou ela – não
estamos? ***
- Pois estamos mesmo! – disse ele. Upa! Cá
estamos.
- Bem! – disse ele.
- Bem! Confirmou ela – Bem!
Roman Jakobson. Lingüística e FIGURAS DE LINGUAGEM
Comunicação

36.
Língua Portuguesa Prof.ª Luana Lopes
14
LÍNGUA PORTUGUESA Prof.ª Luana Lopes
A linguagem poética explora o sentido
conotativo das palavras, recriando, alterando e “Ouviram do Ipiranga às margens plácidas
enfatizando o significado institucionalizado dessas de um povo heróico o brado retumbante.”
mesmas palavras. Incidindo sobre a área da conotação, (Osório Duque Estrada)
as figuras dividem-se em:

 Figuras de Construção (ou de sintaxe) - têm esse Constitui um exemplo de hipérbato para que a
nome porque mexem com a estrutura gramatical frase se ajustasse ao ritmo da música. Em ordem
da frase; direta, teremos: “As margens plácidas do Ipiranga
ouviram o brado retumbante de um povo heróico”.
 Figuras de Palavras (ou tropos) – constituem-se de
figuras que adquirem novo significado num 5- Silepse
contexto específico; É a chamada concordância ideológica. Ocorre
quando a concordância deixa de ocorrer com o
 Figuras de Pensamento que realçam o significado elemento gramatical claro, expresso na frase, para
das palavras ou expressões. fazê-lo em função da idéia a eles associada em
nossa mente. A silepse pode ser:
Figuras de Linguagem (ou Sintaxe)
a) de gênero:
1- Pleonasmo Santos é muito poluída (poluída concorda
Repetição de um termo ou idéia. O efeito é o implicitamente com a palavra cidade)
reforço da expressão. Ex.: Vossa Majestade mostrou-se generoso.
Vi-o com meus próprios olhos. (generoso concorda com a palavra soberano,
Rolou pela escada abaixo. não explícita na frase).
Resta-me a mim somente uma esperança.
b) de número:
2- Aliteração O povo lhe pediram que cedesse. (pediram não
Consiste na repetição de um som consonatal para concorda com a palavra povo mas com a idéia
sugerir um objeto ou a idéia desse objeto (já de coletivo, de plural presente em povo)
falamos desta figura no capítulo sobre Poesia). Ex.:
“Acho que a chuva ajuda a gente a se ver.” c) de pessoa:
(Caetano Veloso) Todos os brasileiros somos assim. (somos
indica que o narrador integra o sujeito).
A repetição dos fonemas fricativos remete à
idéia de água escorrendo, correndo.

3- Onomatopéia
Consiste na imitação de um som. Ex.:
O tique-taque do relógio enervava.
Veio o vento e zupt! Levantou-lhe a saia.

4- Hipérbato EXERCÍCIOS
Consiste na inversão da ordem natural das palavras
ou das orações do período. Ex.:

“Ó Netuno, lhe disse, não te espantes 1) Identifique as figuras de construção:


De Baco nos teus reinos receberes, a) Coisa irritante é gente velha: como se queixam.
Porque também c’os grandes e possantes b) Os clássicos, todos devemos lê-los.
Mostra a fortuna injusta deus poderes.” c) A maior parte dos meus amigos são médicos.
(Camões) d) Amores passados, é melhor não recordar.
e) “Levo uma pena leve
de não ter sido bom.”(Thiago de Mello)
O Hipérbato foi muito usado no Classicismo f) A vítima não ficou com da perna.
(século XV) porque a imitação dos modelos greco- g) Aqueles olhos verdes parecia que o coração pegava
romanos exigia que também a sintaxe portuguesa fogo.
se aproximasse da sintaxe latina caracterizada pela h) “Por que está escrevendo à mão? Por que não usa
inversão dos termos da oração. a máquina?
Língua Portuguesa Prof.ª Luana Lopes
15
LÍNGUA PORTUGUESA Prof.ª Luana Lopes
- Porque o tic-tic, toc-toc ou puc-puc da máquina A metáfora fundamenta-se numa relação subjetiva,
me picota a cuca.”(Mário Quintana) ela consiste na transferência de um termo para um
i) Alguns estudam, outros não. âmbito de significação que não é o seu e para isso
j) O menino resmunga, e chora, e esperneia, e grita, parte de uma associação afetiva, subjetiva entre dois
e bate a cabeça na parede. universos. É uma espécie de comparação abreviada, à
k) “Tudo cura o tempo, tudo gasta, tudo digere, tudo qual faltam elementos conectores ( como, assim como,
acaba." (Padre Vieira) que nem, tal qual, etc...) Ex.:
l) Ela não descansa e repete, repete, repete a mesma Murcharam-lhe (assim como murcham as flores)
frase. os entusiasmos da mocidade.

02. Levando em consideração as figuras de construção, Costuma-se distinguir a metáfora pura da metáfora
relacione as colunas: impura (ou símile): é aquela em que os dois termos da
comparação vêm expressos. Ex.:
1- Pleonasmo 5- Anacoluto A noite é um manto negro sobre o mundo. (noite e
2- Silepse 6- Polissíndeto manto negro são os dois termos da comparação).
3- Aliteração 7- Onomatopéia
4- Hipérbato Metáfora pura: é aquele em que não está presente
( ) Vamos ver quem é que sabe soltar fogos de São nenhum termo da comparação. Ex.:
João? O manto negro desceu sobre o mundo.
Foguetes; bombas, chuvinhas Esquematizando:
Chios, chuveiros, chiando Essa mulher é perigosa qual uma cascavel =
Chiando comparação.
Chovendo Essa mulher é uma cascavel = metáfora impura
Chuvas de fogo ! Convivo com uma cascavel = metáfora pura
Chá-Bum!” (Jorge de Lima)
2- Metonímia
( ) Gato em casa, eu não quero mais. A metonímia consiste na substituição de um nome
( ) O que você pensa, isso não me interessa, por outro porque entre eles existe alguma relação
( ) “E o olhar estaria ansioso esperando de proximidade. Essa relação de substituição surge
e a cabeça ao sabor da mágoa balançando quando se emprega:
e o coração fugindo e o coração voltando a) a parte pelo todo (ou vice-versa):
e os minutos fugindo e o coração voltando Estava novamente sem teto. (teto = casa)
e os minutos fugindo e os minutos passando...” b) O gênero pela espécie (ou vice-versa):
(Vinícius de Moraes) Os mortais são covardes. (mortais = homens)
c) O singular pelo plural (ou vice-versa):
( ) Minha vida tudo não passa de alguns anos sem O francês gosta de um bom vinho. (francês =
importância, franceses)
( ) A gente somos inútil” (Roger Rocha Medeiros) d) A matéria pelo objeto:
( ) As árvores farfalharam ao vento. Colocou seus cristais à venda. (cristais = copos
ou objetos de cristal)
OBS.: Os casos acima exemplificados são
denominados por alguns autores como
sinédoque. Modernamente a metonímia
engloba a sinédoque.
FIGURAS DE PALAVRAS e) o autor pela obra:
Ou Tropos Devolva o Neruda que você me roubou e nunca
As figuras de palavras baseiam-se no emprego leu ... (Chico Buarque). (Neruda = livro de
simbólico, figurado de uma palavra por outra, quer por poesias de Pablo Neruda)
contiguidade (relação de proximidade), quer por f) a causa pelo efeito (ou vice-versa):
similaridade (associação, comparação). Como já vimos, Comerás o pão com o suor do teu rosto.”
estes são os dois conceitos básicos que nos permitem (suor = efeito da causa que é o trabalho, isto é,
reconhecer a metonímia e a metáfora. “Comerás a comida com o fruto do teu
trabalho.” Temos aqui, também a parte pelo
1- Metáfora todo: o pão designa o alimento em geral.

g) O continente pelo conteúdo:


Tomou duas latas de cerveja. (lata = a cerveja
contida na lata).
Língua Portuguesa Prof.ª Luana Lopes
16
LÍNGUA PORTUGUESA Prof.ª Luana Lopes
É a figura que evidencia a oposição entre idéias. Foi
h) O instrumento pela pessoa que o utiliza: uma das figuras mais utilizadas no Barroco para
Ele é um bom garfo. (garfo = glutão, guloso, o expressar a condição do homem dividido entre o
homem que come muito) céu e a terra, entre o pecado e a salvação.

i) O lugar pelo produto. Ex.:


O presidenciável gosta de um bom havana. Buscas a ida, eu, a morte.
(Havana = charuto fabricado em Havana, Toda a vida se tece de mil mortes.
capital de Cuba) “Falou que o mal é bom e o bem cruel”
(Caetano Veloso)
j) O concreto pelo abstrato (ou vice-versa)
A juventude brasileira está desorientada. “Nasce o sol, e não dura mais que um dia,
(juventude = as pessoas jovens) Depois da luz, se segue a noite escura,
Em tristes sombras morre a formosura,
k) O sinal pela coisa significada. Em contínuas tristezas, a alegria.”
O trono estava abalado. (trono = império, (Gregório de Matos)
reino)
2. Hipérbole:
3- Antonomásia
É uma afirmação exagerada para conseguir-se
Consiste na substituição de um nome por outro maior efeito estilístico.
ou por uma expressão (perífrase) que facilmente o Ex.:
identifique. Chorou um rio de lágrimas.
Toda vida se tece de mil mortes
Ex.: Um oceano de cabeças ondulava à sua frente.
A Cidade Maravilhosa, depois das
chacinas e dos arrastões, já está sendo chamada 3. Eufemismo:
de Cidade Perigosa. (Cidade Maravilhosa e
Cidade Perigosa = Rio de Janeiro). Consiste no abrandamento de expressões cruas
ou desagradáveis.
EXERCÍCIOS Ex.:
Foi acometido pelo mal de Hansen = (contraiu lepra).
1. Identifique as figuras de palavras (ou tropos): O hábil político tomou emprestado dinheiro dos
a) Gostaria de conhecer a Cidade-Luz. cofres públicos e esqueceu-se de devolver. (o hábil
b) Serra Pelada é um formigueiro humano. político roubou dinheiro público).
c) Um grito agudo cortou o silêncio.
d) “No jardim as flores flamejam”(Érico Veríssimo) 4. Ironia:
e) Joguei duas pratas no chapéu do pedinte.
f) O Pai da Aviação suicidou-se. Consiste em sugerir, pela entonação e
g) “Na guerra os meus dedos disparam mil mortes” contexto, o contrário do que as palavras ou as
(Junqueira Freire) frases exprimem, por intenção sarcástica. Ex.:
h) “O uniforme era lembrança viva do perigo Que belo negócio! (= que péssimo negócio!)
constante, da ceifadora implacável” (Orígenes O rapaz tem a sutileza de um elefante.
Lessa)
i) “O luar amacia o mato sonolento”(Raul Bopp). 5. Prosopopéia (ou Personificação)

Consiste na atribuição de qualidades e sentimentos


humanos a seres irracionais ou inanimados.
Ex.:
“Meu cachorro me sorriu latindo”
FIGURAS DE LINGUAGEM (Roberto Carlos)

As árvores são imbecis; despem-se justamente


quando começa o inverno.
1. Antítese: 6. Comparação

Língua Portuguesa Prof.ª Luana Lopes


17
LÍNGUA PORTUGUESA Prof.ª Luana Lopes
É uma figura que consiste em estabelecer uma Qual é a figura de linguagem da expressão
relação de qualidade entre dois termos da oração a fim destacada?
de destacar a semelhança entre eles. 3. (CESGRANRIO-RJ) Na frase: “O fio da idéia
Ex.: “A sombra das roças é macia e doce, é como cresceu, engrossou e partiu-se” ocorre o processo
uma carícia” (Jorge Amado). de gradação. Não há gradação em:
“Tal qual um dois de paus, ela mantinha-se a) O carro arrancou, ganhou velocidade e capotou.
calada.” b) O avião decolou, começou a subir e apagou.
 Essa figura é marcada lingüisticamente pelas c) O balão inflou, começou a subir e apagou.
expressões que ligam os dois termos: d) A inspiração surgiu, tomou conta de sua mente e
Como, tal qual, assim como, tão... quanto. frustou-se.
e) João pegou um livro, ouviu um disco e saiu.
7. Sinestesia
É um recurso estilístico em que o poeta faz 4. (OSWALDO CRUZ-SP) “Sois Anjo, que me tenta, e
inusitadas combinações entre sons, cores e não me guarda.” Temos aqui a seguinte figura de
perfumes para expressar imagens e sensações. Ou linguagem, típica do Barroco:
seja, é a percepção da realidade através dos a) antítese
sentidos. b) pleonasmo
Ex.: c) elípse
Há perfumes frescos como carnes de crianças, d) hipérbole
Doces como aboés, verdes como as pradarias,
- e outros, corrompidos, ricos, triunfantes.” 5. (UM-SP) Qual dos períodos abaixo apresenta um
(Charles Baudelaire) desvio das normas propostas pela Gramática,
conhecido no domínio da linguagem figurada como
“Ó formas aluas, brandas, formas claras de catacrese?
luares, de neves, de neblinas!... a) Os olhos piscavam mil vezes por minuto diante
Ó formas vagas, fluídas, cristalinas... do horrível espetáculo.
Ó formas vagas, fluídas, cristalinas... b) Eu parece-me que vivo em função de um
Incensos dos turíbulos dos aras... áspero orgulho.
c) Com o espinho enterrado no pé, levantou-se
* * * rápida à procura do pai.
d) Suas faces avermelhadas traduziam-se em
chamas encolerizadas por causa dos males
FIGURAS DE LINGUAGEM - EXERCÍCIOS imaginados.
e) A perversidade secreta daquelas montanhas
selvagens assustava as calmas águas do riacho.

1. (LAVRAS-MG) 6. (UM-SP) Texto para a questão de nº 06:


Vozes veladas, veludosas vozes,
Senhor, nada valho Volúpias dos violões, vozes veladas,
Sou a planta humilde dos quintais pequenos e das Vagam nos velhos vórtices velozes
lavouras pobres. Dos ventos, vivas, vãs, vulcanizadas.”
Meu grão, perdido por acaso, (Cruz e Sousa)
Nasce e cresce na terra descuidada.”
“O Justo não consagrou o Pão da Vida, nem lugar No texto de Cruz e Sousa temos exemplo de:
me foi dado nos altares.”(Cora Coralina) a) paralelismo
b) versos brancos
Nos versos transcritos acima, Cora Coralina, c) eufemismo
através de uma figura de linguagem, contrapõe d) aliteração
dois cereais. e) hipérbole

Responda: 7. (SÃO MARCOS-SP) Na frase “Ao pobre não lhe devo


a) Qual a figura de linguagem? nada”, encontramos um caso de:
b) Quais os cereais contrapostos? a) anacoluto
c) O que eles simbolizam? b) pleonasmo
c) elipse
2. (OSWALDO CRUZ-SP) Observe a oração: “O tique- d) zeugma
taque do relógio nos perturbava”. e) solecismo

Língua Portuguesa Prof.ª Luana Lopes


18
LÍNGUA PORTUGUESA Prof.ª Luana Lopes
c) metonímia e aliteração
d) hipérbole e anacoluto
8. (PUC-SP) Nos trechos: e) anáfora e metáfora
“... nem um dos autores nacionais ou 13. Construa frases com parônimos das palavras
nacionalizados de oitenta pra lá faltava nas destacadas:
estantes do major.” a) O trato entre o peão e o fazendeiro não foi
“... o essencial é achar-se as palavras que o violão cumprido
pede e deseja” b) Era necessário sortir a despensa a fim de que os
encontramos, respectivamente, as seguintes convidados fossem bem servidos.
figuras de linguagem: c) O castigo infligido ao pequeno garoto, segundo as
a) prosopopéia e hipérbole irmãs, foi severo.
b) hipérbole e metonímia d) A descrição das testemunhas permitiu à polícia
c) perífrase e hipérbole chegar até os bandidos.
d) metonímia e eufemismo e) O incidente entre as duas mulheres provocou uma
e) metonímia e prosopopéia longa fila no caixa do supermercado.

9. (FMU-SP) Nos dois primeiros versos: 14. Preencha as lacunas com cessão, seção ou
“O vento voa sessão.
a noite toda se atordoa”
aparece a mesma figura: a) A _______________ dos donativos à Santa Casa
a) metáfora permitiu a compra de remédios para o ambulatório.
b) metonímia
c) hipérbole b) Quando chegamos do cinema, a __________ das
d) personificação oito já havia iniciado.
e) antítese
c) Na ____________ de biscoitos, as crianças ficavam
10. (FMU-SP) Observe a letra destacada nos dois agitadas.
primeiros versos.
“O vento voa 15. (VUNESP-SP) – Vocábulos como bom e bem, mau e
A noite toda se atordoa.” mal, em virtude da variedade de seu uso em nossa
Na consoante que se repete, você vê: língua, não podem ser classificados senão após
a) aliteração examinar o contexto de cada frase. Isto se verifica
b) assonância no poema em pauta. Com base nestas
c) eco observações,
d) rima
e) onomatopéia a) Aponte a classe e a função sintática de bem, no
11. (UM-SP) Aponte a alternativa em que não haja uma sétimo verso de Camões;
comparação.
a) “Rio como um regato que soa fresco numa pedra.”
b) “É mais estranho do que todas as estranhezas que b) Aponte a classe a função sintática de mau, no
as cousas sejam realmente o que parecem ser.” oitavo verso de Camões.
c) “Qual um filósofo; o poeta vive a procurar o
mistério oculto das cousas.”
d) “Os pensamentos das árvores a respeito do ESPARSA – AO DESCONCERTO DO MUNDO
mistério das cousas são tão estranhos quanto os Os bons vi sempre passar
dos rios.” No Mundo graves tormentos
e) “Os meus sentidos estavam tão aguçados, que E para mais me espantar,
aprenderam sozinhos o mistério das cousas.” Os maus vi sempre nadar
Em mar de contentamentos.
12- (PUC-SP) Nos trechos: Cuidando alcançar assim
“O pavão é um arco-íris de plumas.” O bem tão mal ordenado,
e Fui mau, mas fui castigado,
“... de tudo que ele suscita e esplende e Assim que só para mim
estremece e delira...“ Anda o Mundo concentrado.
enquanto procedimento estilístico, temos, CAMÕES, Luís Vaz de. In: Redondilhas – Obra
respectivamente: Completa. Rio de Janeiro: Aguillar, 1963.
a) metáfora e polissíndeto
b) comparação e repetição
Língua Portuguesa Prof.ª Luana Lopes
19
LÍNGUA PORTUGUESA Prof.ª Luana Lopes

16. Complete com homônimos adequados:


a) Para _________________ sua culpa, ele subia
todos os dias a escadaria do Mosteiro da
Penha. (espiar/expiar)
b) As ____________ espalhadas pelo chão
mostravam que as crianças continuavam com o
trabalho iniciado antes do almoço.
(tachas/taxas)
c) ______________ de tempos melhores, o
homem luta para que a natureza não seja
depredada. (Expectador/Espectador)
d) Quando foram ______________ as portas,
todos respiraram aliviados. (serradas/cerradas)
e) Os noivos foram à loja de móveis
______________ o custo dos tapetes orientais.
(apressar/apreçar)

17. Na Língua Portuguesa, a mesma palavra, por vezes,


possui significados diferentes. A esse fato
lingüístico dá-se o nome de polissemia. Veja:
pena = pluma; peça de metal para escrever;
punição; dó. Construa frases, usando as palavras
dadas em, pelo menos, duas diferentes acepções:
a) manga
b) linha
c) ponto
d) capa
ANOTAÇÕES

Língua Portuguesa Prof.ª Luana Lopes


20
LÍNGUA PORTUGUESA Prof.ª Luana Lopes

Língua Portuguesa Prof.ª Luana Lopes


21