Você está na página 1de 3

COMPARATIVOS DAS DIFERENÇAS ENTRE AS ATIVIDADES

TERRESTRES E AQUÁTICAS

DESLOCAMENTOS
Em Terra – o equilíbrio é Na Água – o equilíbrio é horizontal;
vertical;
os apoios são fixos; os apoios não são fixos;
os braços equilibram; os braços deslocam;
as pernas deslocam. as pernas deslocam.

RESPIRAÇÃO
Em Terra – o automatismo Na Água – de início é voluntária e
é nato e ocorre posteriormente condicionada pelos
voluntariamente movimentos e pela água

VISÃO
Em Terra – é normal e o ar Na Água – é limitada pelo fenômeno
pouco interfere em sua da refração e a água pode conter
eficiência agentes agressores aos olhos;

AUDIÇÃO
Em Terra – normal Na Água – limitada pela água nos
ouvidos e pelas condições acústicas
das Instalações.

TERMO-REGULAÇÃO
Em Terra – contato com a Na Água – contato com a água (frio)
atmosfera (frio – calor) solicitando grande intervenção do
sistema termo–regulador.

INFORMAÇÕES PRÓPRIO-CEPTIVAS / ESQUEMA


CORPORAL
Em Terra Na Água
– informações vindas da – informações da planta do pé
planta do pé desaparecem
- informações vindas do - informações do ouvido interno são
ouvido interno alteradas
- informações vindas dos - informações vindas dos músculos
músculos
- interpretação tanto mais - maior dificuldade de interpretação
difícil quanto o é o do movimento
movimento
IMPORTÂNCIA DE UMA BOA ADAPTAÇÃO AO MEIO
AQUÁTICO

A natação favorece a tomada de consciência do aluno em


relação a si, ao meio, ao grupo e à sociedade, contribuindo no seu
desenvolvimento e favorecendo o desenvolvimento de todas as
suas aptidões.

A natação nos traz a possibilidade de, utilizando a água,


desencadearmos no indivíduo uma nova vivência que irá provocar
novas capacidades de adaptação.

O meio aquático cria novas sensações, abrindo um largo


campo de experiências á capacidade motora sob o efeito de uma
certa ausência de gravidade.

Entretanto é preciso conhecer os efeitos destas novas


experiências:

EQUILÍBRIO – a sua transformação passa por uma


conscientização dos mecanismos que o orientam e pela percepção
voluntária de inúmeras informações motoras que, no seu conjunto,
permitem a aquisição de um “novo esquema corporal” devidamente
enquadrado com o meio aquático.

Sem ele as técnicas de nado serão comprometidas em sua


fase de aquisição e, mais ainda, quando se passa à fase de eficácia
motora ou performance desportiva propriamente dita.

RESPIRAÇÃO – tem grande influência por razões


mecânicas e de ordem técnica, sendo necessário efetuar uma
expiração completa na imersão e diminuir ao máximo o tempo de
inspiração. Por isso, é necessária uma conscientização expiratória –
inspiratória com os respectivos requisitos técnicos.

PROPULSÃO – existe uma correlação direta e


proporcional entre a qualidade respiratória e equilíbrio ótimo. Tal
situação influi significativamente na aquisição dos gestos técnicos e
na eficácia motora. Da sua correlação depende a quantidade e
qualidade do repertório motor do praticante e a base das
performances desportivas em Natação.
Falta acrescentar que não são só estes três fundamentos o
suporte do conteúdo de ensino. É natural associar nesta fase, a
noção de profundidade, através de técnicas de deslocamento em
imersão e ainda, a vivência de diferentes situações de salto, para
uma correta noção da entrada na água.

COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR (objetivos da


aprendizagem)

Para se alcançar uma boa técnica de nado, largadas e


viradas, é primordial que haja anteriormente o ensino de destrezas
básicas no desenvolvimento motor do aluno.

O aluno, ao longo da sua aprendizagem, deve ser


submetido a uma variedade de exercícios, de forma a adquirir
determinadas competências de extrema importância para um bom
desempenho posterior como nadador. O desenvolvimento dessas
competências necessita de uma estimulação de variados domínios,
tais como: . visão ; . tato ; . audição; . equilíbrio; . propulsão; .
respiração; . flutuação; . rotação; . cambalhotas; . imersão; .
mergulho; . salto.

Todas estas competências ajudarão o aluno a melhor


desenvolver a noção de corpo, a coordenação global, a
estruturação espaço-temporal e a noção de ritmo, ou seja, ajudará o
aluno a melhor compreender o efeito da água sobre o seu corpo no
meio aquático.

Os processos de adaptação ao meio aquático são longos


(dependendo sempre das vivências de cada aluno), complexos e
determinantes para a aquisição dos gestos técnicos.