Você está na página 1de 3

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ECONOMIA

DISCIPLINA: ECONOMIA DO SETOR PÚBLICO. PROFESSORA: DENISE


LOBATO GENTIL.

OBJETIVO: Analisar a intervenção estatal na área da política fiscal


e sua relação com o processo de desenvolvimento econômico.
Avaliar a gestão das finanças públicas no Brasil.
PROGRAMA DA DISCIPLINA – 2019/1
Parte I – Estado e economia
1.1 A importância de estudar o setor público.
1.2 “Falhas” ou “imperfeições” de mercado e a necessidade
de intervenção do Estado.
1.3 Funções do Estado e os objetivos da política fiscal.

Parte II - Finanças Públicas na Teoria Macroeconômica


2. Abordagens sobre o impacto da intervenção pública na economia
2.1. A visão neoclássica: Friedman, Novos Clássicos, Novo
Consenso.
2.2. A visão heterodoxa: Keynes, Kalecki, Lerner e Haavelmo

Parte III – Receita Pública e as fontes de financiamento do gasto


público no Brasil
3.1. Sistema tributário: características; tipos de tributos; carga
tributária e sua evolução; classificação e estrutura das receitas
públicas no Brasil.
3.2. Problemas atuais e proposta de reforma tributária em pauta
no governo Temer.

Parte IV – Despesa pública


4.1. Conceito de despesa e suas diversas classificações
4.2. Planejamento do gasto público: plano plurianual, lei de
diretrizes orçamentárias (LDO) e Orçamento Anual.
4.3. Comportamento da despesa orçamentária da União nos
anos recentes.
4.4. Lei de Responsabilidade Fiscal.

Parte V – Déficit e Dívida Pública


4.1. O significado de déficit e de dívida pública: conceitos e
indicadores.
4.2. Justificativas teóricas para o endividamento;
4.3. Dívida pública e déficit público no Brasil nos últimos 20 anos;
4.4. Títulos públicos e a gestão da dívida pública no Brasil.

Parte VI – Previdência Social no Brasil


4.1. Estrutura das Receitas e dos Gastos
4.2. Problemas atuais e a proposta de reforma da previdência em
pauta no governo Temer.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

CARVALHO, Fernando Cardim (1999). "Políticas Econômicas para


Economias Monetárias". In: LIMA, SICSÚ e De Paula (Org.).
Macroeconomia Moderna. Keynes e Economia Contemporânea.

CARVALHO, F. C.(2008). Equilíbrio fiscal e política econômica


keynesiana. Análise Econômica, v.26, nº 50.

CARVALHO, Marcelo Soares. "Os Pós-Keynesianos e o Pleno


Emprego: uma proposta e suas origens, limites e possibilidades".
Tese de Doutorado, Instituto de Economia, Unicamp, 2011. Cap. 2

GENTIL, Denise. Receita Pública. Classificação orçamentária do


governo federal. Notas de aula.

GENTIL, Denise. Despesa Pública. Classificação orçamentária do


governo federal. Notas de aula.

GENTIL, Denise e ARAÚJO, Victor. Dívida pública e passivo externo:


onde está a ameaça? In: Fabio Sá Earp, Eduardo F. Bastian e André
de Melo Modenesi. (Org.). Como vai o Brasil?. 1ed.Rio de Janeiro:
Imã Editorial, 2014, v. 1, p. 95-115.

GENTIL, D. L.. ESTRATEGIA DE DESENVOLVIMENTO E INTERVENÇÃO


FISCAL DO ESTADO. In: João Sicsú, Armando Castelar. (Org.).
Sociedade e Economia: Estratégias de Crescimento e
Desenvolvimento. 1ed.Brasília: Ipea, 2009, v. 1, p. 131-142.

GIANBIAGI, F. e ALÉM,. A.C. Finanças Públicas. Teoria e Prática no


Brasil. Elsevier, 2008.

LERNER, A P. 1943. “Functional Finance and the Federal Debt.” Social


Research10:38-51

LÓPEZ, J. & ASSOUS, M. “Michal Kalecki” Palgrave McMillan 2010


(cap. 6)

REZENDE, Fernando. Finanças Públicas. São Paulo, Atlas, 2ª edição.


SANTOS, Reginaldo Souza. A História das Ideias sobre o Estado e as
Finanças Públicas no Capitalismo. Tese de doutorado, IE/UNICAMP,
1991.

SERRANO, F. (2012) Efeitos Multiplicadores de um superávit


primário: um teorema do orçamento desequilibrado, IE-UFRJ, Julho,
2012.

SERRANO, F.; SUMMA, R. (2012) A Política Fiscal na Macroeconomia


da Demanda Efetiva IE-UFRJ, Setembro, 2012 (seção 2 e 3).

NOTA:
Modificações comportando exclusões e incorporações de
referências bibliográficas ao longo do desenvolvimento da
disciplina serão informadas com antecipação.