Você está na página 1de 2

O novo ordenamento político e socioeconómico (1832/34-1851)

Ação reformadora da regência de D. Pedro


José Mouzinho da Silveira, ministro da Fazenda e da Justiça de D. Pedro
 enorme trabalho legislativo:
Agricultura: abolição da dízima, morgadios e forais (liberta os camponeses das dependências
tradicionais);
Comércio: fim das alfândegas internas e redução dos impostos sobre as exportações;
Indústria: fim dos monopólios;
Administração: criação do Registo Civil, divisão do território em províncias, comarcas e concelhos;
Justiça: criação de circunscrições judiciais e do Supremo Tribunal de Justiça;
Finanças: criação de impostos a nível nacional;
Educação e Cultura: criação de novas escolas e da Biblioteca Pública do Porto;
 Objetivo - criação de um Estado moderno e liberal

Setembrismo (1836/1842)

Setembro de 1836 – revolução civil - obrigou a rainha D. Maria (1826/1853) a revogar a Carta
Constitucional, a jurar a Constituição de 1822 e a convocar eleições
Setembrismo – movimento da pequena e média burguesia, apoiada pelo povo
reação contra o domínio da alta burguesia que levara o país à miséria e o governo era
acusado de corrupção.
Líderes setembristas - visconde Sá da Bandeira e Passos Manuel

Novo governo procurou desenvolver um país mais democrático


Promulgação de uma nova constituição – Constituição de 1838
procurava um compromisso entre o conservadorismo da Carta Constitucional
e o radicalismo da Constituição de 1822

Constituição de 1838
- Rei perde o poder moderador, mas continua com a possibilidade de vetar definitivamente as leis;
- Voto censitário;
- Dá relevo aos direitos individuais;
- Parlamento bicamaral: Câmara dos Deputados e Câmara dos Senadores;

Governo setembrista
Economia – medidas protecionistas:
• Aumento das taxas alfandegárias sobre as importações;
• Fomento do associativismo comercial;
• Desenvolvimento da exploração colonial em África, proibição do tráfico de escravos a sul do
Equador (fomentar o desenvolvimento de outras áreas económicas não baseadas na mão de obra
escrava);
• Não abolição das taxas fiscais aplicadas aos pequenos agricultores;

Em termos económicos a política setembrista saldou-se por um relativo fracasso;


Ensino
• Reforma do ensino primário, secundário e universitário;
• Criação dos liceus - ensino moderno para preparar os filhos da burguesia para seguirem estudos
superiores ––– não teve efeitos imediatos, devido à falta de professores com preparação;

O setembrismo falhou
- por não ter abolido os pesados impostos que recaíam sobre os pequenos agricultores e pelo facto de
não ter aumentado as taxas sobre os grandes proprietários;
- em termos de desenvolvimento industrial foi um relativo fracasso. A falta de capitais para investir e o seu
desvio para fins especulativos e de usura dificultou o desenvolvimento económico;
No entanto, pode-se dizer que o governo setembrista permitiu algum desenvolvimento à
burguesia;

Cabralismo (1842/1851)

Governo setembrista enfrentou oposição dos liberais mais radicais bem como dos mais conservadores
(cartistas)
Fevereiro de 1842 - ministro da Justiça, António Costa Cabral, com o apoio da rainha –– golpe de
Estado pacífico, pôs termo à Constituição de 1838

Cabralismo - poder autoritário, restauração da Carta Constitucional, regresso ao poder da


grande burguesia sob a bandeira da ordem pública e do desenvolvimento económico;

Principais medidas do cabralismo:


• Fomento industrial (difusão do vapor);
• Desenvolvimento das obras públicas (Companhia das Obras Públicas de Portugal (1844) (reparação
e construção de estradas), construíram-se pontes;
• Reforma fiscal (Código Administrativo de 1842), criação do Tribunal de Contas para fiscalizar as
despesas do Estado;
• Lei da Saúde Pública (1846) - proibia o enterramento nas Igrejas;
Esta lei e o excesso de autoritarismo e burocracia do governo cabralista desencadearam, entre
1846 e 1847, um clima de guerra civil.

Viveram-se duas movimentações de cariz popular:


 Revolta da Maria da Fonte – abril/maio de 1846, Minho
 Patuleia – outubro de 1846 a junho de 1847, começa no Porto e alastra a todo o país
O pretexto foi o facto do não cumprimento da promessa da rainha de realizar eleições por sufrágio
direto para a Câmara dos Deputados –– alguns falam em depor a rainha e implantar uma República.

Perante a gravidade da situação o governo pediu a intervenção de Espanha e Inglaterra ao abrigo da


Quádrupla Aliança;
Na Convenção do Gramido (Valbom, Gondomar, junho de 1847) foi assinada a paz entre as fações em
disputa (setembrista e cabralistas);
• Costa Cabral foi demitido, mas voltaria ao governo em 1849;
• Foi afastado do poder em 1851, pelo golpe militar do marechal Duque de Saldanha, que instituiu a
Regeneração (cartismo moderado).