Você está na página 1de 51

2x√6≠λ5a3µ≥0÷9Δα4Ω7y≤∞8σ×±ƒπΓ

Πβ1Σεδb2x√6≠λ5a3µ≥0÷9Δα4Ω7y≤∞
8σ×±ƒπΓΠβ1Σεδb2x√6≠λ5a3µ≥0÷9Δ
α4Ω7y≤∞8σ×±ƒπΓΠβ1Σεδb2x√6≠λ5a
PETROFOCO Treinamento
 

3µ≥0÷9Δα4Ω7y≤∞8σ×±ƒπΓΠβ1Σεδb2
Apostila de Cálculo – Curso Preparatório para 
o Concurso da Petrobras – Cargo de 

x√6≠λ5a3µ≥0÷9Δα4Ω7y≤∞8σ×±ƒπΓ
Engenheiro de Petróleo Júnior 
 
01/12/2010
 

Πβ1Σεδb2x√6≠λ5a3µ≥0÷9Δα4Ω7y≤∞
 
Professor RÔMULO GÓES FURTADO
 

8σ×±ƒπΓ1Πβ1Σεδb2x√6≠λ5a3µ≥0÷9
Δα4Ω7y≤∞8σ×±ƒπΓΠβ1Σεδb2x√6≠λ5
a3µ≥0÷9Δα4Ω7y≤∞8σ×±ƒπΓΠβ1Σεδb
2x√6≠λ5a3µ≥0÷9Δα4Ω7y≤∞8σ×±ƒπΓ
Πβ1Σεδb2x√6≠λ5a3µ≥0÷9Δα4Ω7y≤∞
8σ×±ƒπΓ1ΠβΣεδb2x√6≠λ5a3µ≥0÷9Δ
α4Ω7y≤∞8σ×±ƒπΓΠβ1Σεδb2x√6≠λ5a
3µ≥0÷9Δα4Ω7y≤∞8σ×±ƒπΓΠβ1Σεδb2
x√6≠λ5a3µ≥0÷9Δα4Ω7y≤∞8σ×±ƒπΓ
Πβ1Σεδb2x√6≠λ5a3µ≥0÷9Δα4Ω7y≤∞
8σ×±ƒπΓΠβ1Σεδb2x√6≠λ5a3µ≥0÷9Δ
α4Ω7y≤∞8σ×±ƒπΓ1ΠβΣεδb2x√6≠λ5a
3µ≥0÷9Δα4Ω7y≤∞8σ×±ƒπΓΠβ1Σεδb2
PETROFOCO Treinamento                                                                             Engenheiro de Petróleo Júnior 
APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado 
 

2
PETROFOCO Treinamento                                                                             Engenheiro de Petróleo Júnior 
APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado 
 

AULA 1 – INTRODUÇÃO ÀS DERIVADAS

Velocidade Média/ Instantânea

1. Conceito:
x1 − x 2
• Velocidade média:
t1 − t 2
x1 − x 2 ⎛ ⎞
• Velocidade instantânea: quando ⎜⎜ t1 − t 2 ⎟⎟ → 0
t1 − t 2 ⎝ ⎠
Exemplo: Tem-se um móvel com equação da posição definida por S(t) = 5.t2, onde
S(t) é a posição em metros e t, o tempo, em segundos. Calcule sua velocidade
média para os instantes:
a) [0,1] ; [1,2] c) [0,99; 1] ; [1; 1,01]

b) [0,9 ; 1] ; [1;1,1] d) [ 1 − Δt ; 1] ; [1; 1 + Δt ]

2. Análise Gráfica Gráfico de Posiçao por tempo

45
40
35
30
Posicao ( m )

25
20
15
10
5
0
0 0,5 1 1,5 2 2,5
tempo ( s )

- Inclinação da tangente, como limite da inclinação da secante:


f (t0 + Δ t ) − f (t0 )
Para uma função qualquer, f ' (t0 ) = lim Δt →0 assumindo t = t 0 + Δ t ,
Δt
temos:
f (t ) − f (t 0 )
f ' (t 0 ) = lim t →t0
t − t0

Exemplo: Fazer pela definição de derivada f ' (t ) → f (t ) = t 3

- Propriedades das derivadas:

3
PETROFOCO Treinamento                                                                             Engenheiro de Petróleo Júnior 
APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado 
 

i. Derivada de uma função constante: f ( x ) = c , onde c = cte , temos


df ( x ) d (c )
= =0
dx dx

Exemplo: f ( x) = 8 → df ( x) = ?

dx n
ii. Derivação para potencias: = nx n −1
dx

Exemplo: Complete a tabela abaixo

f (x ) x x2 x3 x4 ...
f ' ( x)

iii. Regra da multiplicação por constante:

d (cu ) d (u )
=c , onde c = cte e u=função derivável
dx dx

Exemplo: f ( x) = 3x 2 → df ( x) = ?

d (u + v ) d (u ) d (v)
iv. Derivada da soma: = +
dx dx dx

Exemplo 1: f ( x) = x 4 + 12 x → df ( x) = ?

4 2
Exemplo 2: f ( x) = x 3 + x + 5 x + 1 → df ( x) = ?
3

d ( f ( x) ⋅ g ( x) ) df ( x) dg ( x)
v. Regra do produto: = ⋅ g ( x) + ⋅ f ( x)
dx dx dx

Exemplo: Calcule ( f ⋅ g )' , para f ( x) = 4 x 2 − 1 ; g ( x) = 7 x 3 + x .

d ⎛ f (x ) ⎞ g ( x) ⋅ f `( x) − f ( x) ⋅ g `( x)
vi. Regra do quociente: ⎜ ⎟=
dx ⎜⎝ g ( x ) ⎟⎠ g ( x) 2
x2 −1
Exemplo: f ( x) = → df ( x ) = ?
x4 +1

vii. Função exponencial: f ( x) = e x → f ' ( x) = e x


g ( x) = a x → g ' ( x) = a x . ln a , onde a ∈ ℜ .

4
PETROFOCO Treinamento                                                                             Engenheiro de Petróleo Júnior 
APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado 
 

1
viii. Função logarítmica: f ( x ) = log a x → f ' ( x) = , onde a f 0 e a ≠ 1
x. ln a

Encontrando tangentes horizontais

1. Condição → f ' ( x) = 0

Exemplo 1: Encontrar os pontos onde tem tangente horizontal em f(x).

a) f ( x) = x 4 − 2 x 2 + 2

b) y = π 3

1 1
c) y= ( x ² + x + c ) , onde a, b e c são constantes
a b

d) y = −3x −8 + 2 x

3t
e) y =
2t + 1

f) y = (2 − x − 3x ³)(7 + x 5 )

d²y
Exemplo 2: Encontre , sendo y = 7 x ³ − 5 x ² + x .
dx ²

Funções Trigonométricas

dsen(θ ) d cos(θ )
= cos(θ ) = sen(θ )
dθ dθ

Exercício 1: Definir as derivadas das funções trigonométricas abaixo:

a) tan(θ ) c) cos sec(θ )

b) sec(θ ) d) cot g (θ )
3
x
Exercício 2: Uma escada de 3m está apoiada em uma parede,
conforme ilustra o desenho abaixo. A parte mais alta está em “x”
metros do solo. Se a base da escada for empurrada em direção a θ
parede, ache a taxa a qual “x” varia em relação ao ângulo que a
escada forma com a horizontal, quando esse ângulo for 60 graus. Resposta em
(m/grau)

5
PETROFOCO Treinamento                                                                            Engenheiro de Petróleo Júnior 
 

APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado

Regra da Cadeia

1. Conceito: y = f ( g ( x )) e u = g (x ) logo y = f (u )
dy dy du
= .
dx du dx
dy
Exemplo 1: u = x ³ e y = 4 cos( u ) , ache .
dx

dy
Exemplo 2: w = tan( x ) e x = 4t ³ + t , .
dx

dy
Exemplo 3: y ( x) = ( x ² − x + 1) , ache
23
.
dx

Exercício: Derretimento de um cubo de gelo de aresta “S”.

Considerações: O gelo mantém a forma cúbica durante o derretimento e a taxa de


dv
variação do volume em relação ao tempo é = − k 6S ² , K>0; K é função da
dt
temperatura externa e umidade e é constante. O cubo de gelo em uma hora perde
1
do seu volume. Calcule o tempo total de derretimento.
4

6
PETROFOCO Treinamento                                                                            Engenheiro de Petróleo Júnior 
 

APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado

I LISTA DE EXERCÍCIOS:

1 – Calcular as derivadas para as funções abaixo:

2- Derivar (exercício com nível de complexidade maior)

7
PETROFOCO Treinamento                                                                            Engenheiro de Petróleo Júnior 
 

APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado

8
PETROFOCO Treinamento                                                                            Engenheiro de Petróleo Júnior 
 

APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado

AULA 2 – DERIVADAS (CONTINAÇÃO)

1. Derivadas das Funções trigonométricas inversas:

2. Derivadas das Funções Hiperbólicas:

2ª LISTA DE EXERCÍCIO
APLICAÇÕES DE DERIVADA E TAXAS RELACIONADAS
1- Encontre os pontos P e Q sobre a parábola y=1-x2 tal que o triângulo ABC formado pelo
eixo X e as tangentes em P e Q seja eqüilátero.

2- Um balão de ar quente, subindo na vertical a partir do solo, é rastreado por um telêmetro


colocado a 500 pés de distância do ponto de decolagem. No momento em que o ângulo de
elevação do telêmetro é π/4, o ângulo aumenta a uma taxa de 0,14 rad/min. A que velocidade
o balão sobe nesse momento?

3- Uma viatura de polícia, vindo do norte e aproximando-se de um cruzamento em ângulo


reto, está perseguindo um carro em alta velocidade, que no cruzamento toma a direção leste.
Quando a viatura está a 6mi ao norte do cruzamento e o carro fugitivo a 0,8 mi ao leste, o
radar da polícia detecta que a distância entre a viatura e o fugitivo está aumentando a 20mi/h.

9
PETROFOCO Treinamento                                                                            Engenheiro de Petróleo Júnior 
 

APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado

Se a viatura está se deslocando a 60 mi/h no instante dessa medida, qual é a velocidade do


fugitivo?

4- A voltagem V(Volts), a corrente I (em ampères) e a resistência ( R ) em Ohms de um


circuito elétrico. Estão relacionadas entre si pela equação V=RI. Suponha que V esteja
aumentando a uma taxa de 1 volt/s enquanto I está diminuindo a uma taxa de 1/3 A/s. Tempo
em segundos.
a) Qual é o valor de dV/dt?
b) Qual é o valor de dI/dt?
c) Qual equação relaciona dR/dt, a dV/dt e dI/dt?
d) Encontre a taxa com a qual R está variando quando V=12 V, I= 2 A.
R está aumentando ou diminuindo?

5- O comprimento l de um retângulo diminui a uma taxa de 2cm/s. enquanto a largura w


aumenta a uma taxa de 2cm/s. Encontre as taxas de mudança para:
a) Área
b) Perímetro
c) Comprimento das diagonais quando l=12cm e w=5 cm. Quais medidas estão aumentando
e quais estão diminuindo.

6- Uma escada com 13 pés de está em pé e apoiada em uma parede, quando sua base começa
a escorregar afastando-se da parede. No momento em que a base está a 12 pés da casa, ela
escorrega a uma taxa de 5 pés/s.
a) A que taxa o topo da escada escorrega para baixo
nesse momento?
b) A que taxa a área do triângulo, formado pela escada,
parede e solo, varia?
c) A que taxa o ângulo θ, formado pela escada e pelo
solo, varia?

10
PETROFOCO Treinamento                                                                            Engenheiro de Petróleo Júnior 
 

APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado

7- A água escoa a uma taxa de 6m³/min de um reservatório hemisférico com raio de 13 m.


Responda as questões a seguir:
a) A que taxa o nível da água variará quando a água
tiver 8 m de profundidade?
b) Qual será o raio r na superfície da água quando a
água tiver y metros de profundidade?
c) A que taxa o raio r variará quando a água tiver 8 m
de profundidade?

8 - Uma piscina tem 20 ft de largura, 40 ft de compriment,o 9 ft de profundidade no lado mais


fundo e 3 ft no lado mais raso. A secção transversal está exibida na figura abaixo. Se a piscina
está sendo enchida a uma taxa de 0.8 ft3/min, qual a velocidade com que o nível de água está
subindo quando a profundidade no lado mais fundo era 5 ft?

9- Um balão esférico é inflado com hélio a uma taxa de 100π pés³/min. Quando o raio do
balão for de 5 pés, a que taxa aumentará? A que taxa a área da superfície externa aumentará?

10- Um bote é puxado por uma corda presa à proa e


que passa por uma argola presa no cais a 6 pés acima
da proa. A corda é puxada com uma taxa de 2 pés/s.

a) A que velocidade o bote se aproxima do cais


quando 10 pés de corda foram puxados?
b) A que taxa o ângulo θ varia nesse momento?

11- Um corredor corre em uma trajetória circular de raio 100 m a uma velocidade constante
de 7 m/s. Um outro indivíduo está parado a uma distância de 200 m do centro da pista. Qual a
taxa de variação da distância entre os dois quando esta distância era 200 m?

11
PETROFOCO Treinamento                                                                            Engenheiro de Petróleo Júnior 
 

APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado

12- Um balão está subindo verticalmente acima de uma estrada a uma


velocidade constante de 1pé/s. Quando ele está a 65 pés acima do solo,
uma bicicleta que se desloca a uma velocidade constante de 17pés/s
passa por baixo dele. A que taxa a distância S(t) entre o balão e a
bicicleta aumentará três segundos depois?

13 - O café escoa de um filtro cônico para uma cafeteira cilíndrica a uma taxa de 10pol³/min.
Determine:
a) A que taxa o nível na cafeteira aumentará quando o café no filtro
tiver 5 pol de profundidade?
b) A que taxa o nível no filtro diminuirá nesse momento?

14 - O débito cardíaco pode ser calculado pela fórmula y=Q/D onde Q é o volume (ml³) de
CO2 exalado por minuto, e D é a diferença entre as concentrações de CO2 ( ml/l). Suponha
que para Q = 233ml/min D= 41 ml/l diminua a uma velocidade de 2 unid/min, mas Q
permanece constante. O que acontece com o débito cardíaco?

15 - Uma empresa pode produzir x itens a um custo de c(x) mil dólares, um rendimento de
venda r(x) mil dólares e um lucro p(x) = r(x)- c(x) mil dólares. Determine dc/dt, dr/dt, dp/dt
para os valores de x e dx/dt abaixo:
a) r(x)= 9x , c(x) = x³ - 6x²+15x e dx/dt =0,1 para x=2
b) r(x)= 70x , c(x) = x³ - 6x²+45/x e dx/dt =0,05 para x= 1,5

16 - Uma luz está acesa no topo de um poste de 50 pés de altura. Uma bola cai da mesma
altura em um ponto situado a 30 pés de distância do poste. A que velocidade a sombra da bola
se desloca no solo 1/2 s depois – S ( t )bola = 16t²; com t em segundos.

12
PETROFOCO Treinamento                                                                            Engenheiro de Petróleo Júnior 
 

APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado

17 - Uma bola de ferro esférica com 8 pol de diâmetro está coberta com uma camada de gelo
de espessura uniforme. Se o gelo derrete com uma taxa de 10 pol³/min, a que taxa a espessura
do gelo diminuirá quando tiver 2 pol? A que taxa a área da superfície externa do gelo
diminuirá?

18 - Se duas resistências com R1 e R2 ohms (Ω) estão conectadas em paralelo em um


circuito elétrico, resultando em um resistência R Ω. Se R1 diminui a uma taxa de 1 Ω/s e R2
aumenta a uma taxa de 0,5 Ω/s, a que taxa R varia quando R1= 75 Ω e R2= 50 Ω?

19 - A impedância Z (ohms) de um circuito em série está relacionada com a resistência R


(ohms) e a reatância X (ohms) pela equação Z = ( R² + X²)1/2. Se R aumenta a 3 ohms/s e X
diminui a 2 ohms/s a que taxa Z varia quando R = 10 ohms e X = 20 ohms?

20 - Suponha um barco a 1 Km de distância da praia, varrendo a costa com um farolete . Esta


gira a uma taxa constante de dθ/dt = -0,6 rad/s.
a) A que taxa o ponto iluminado se desloca na costa quando a luz atinge o ponto A?
b) Quantas voltas por minuto equivalem a 0,6 rad/s ?

21 - Um ônibus transporta 60 pessoas . O número x de pessoas por viagem que tomam o


ônibus está relacionado com o preço cobrado (p em R$) pela lei p = (3- x/40)². Escreva uma
expressão para o rendimento total r(x) recebido por viagem pela companhia de ônibus.
Quantas pessoas por viagem tornarão o rendimento marginal dr/dx nulo? Qual é o preço
correspondente?

22 - A posição de uma partícula no instante t >= 0 que se desloca ao longo de


S(t) = 10 cos( t + π/4). Com base nesta informação determine:
a) Qual a posição inicial da partícula?
b) Quais são os pontos mais distantes da origem, à direita e à esquerda, alcançados pela
partícula?
c) Calcule a velocidade e a aceleração da partícula nos pontos mencionados no item b.
d) Quando a partícula atinge a origem pela primeira vez? Qual é a sua velocidade, o módulo
de sua velocidade e a aceleração nesse momento?

23 - Um carro está trafegando à noite ao longo de uma rodovia na forma de uma parábola
y=x2. O carro começa em um ponto a 100m a oeste e 100m ao norte da origem na direção

13
PETROFOCO Treinamento                                                                            Engenheiro de Petróleo Júnior 
 

APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado

leste. Há uma estátua localizada 100m a leste e 50 m ao norte da origem. Determine o ponto
sobre a estrada no qual os faróis do carro estarão iluminando
a estátua.

AULA 3 – CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS DE FUNÇÕES

1. Introdução:

Através dos conceitos de derivabilidade e de continuidade de uma função num


intervalo contido em seu domínio, descobrimos que é possível estudar sua variação
e, portanto, construir o seu gráfico. Para tanto, precisamos estabelecer alguns
conceitos e alguns resultados:
• O conceito de crescimento/decrescimento de uma função num intervalo contido
em seu domínio e os seus eventuais pontos de extremo.
• O conceito de concavidade do gráfico de uma função num intervalo contido em
seu domínio e os eventuais pontos de inflexão.
• Finalmente, a construção de gráficos.

1.1. Crescimento/decrescimento de uma função:

Definição 1: Uma função f é dita crescente num intervalo I quando para qualquer
par de pontos x1 e x2, com x1< x2, tem-se .

Definição 2: Uma função f é dita decrescente num intervalo I quando para qualquer
par de pontos x1 e x2, com x1< x2, tem-se .
.

14
PETROFOCO Treinamento                                                                            Engenheiro de Petróleo Júnior 
 

APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado

1.1.1 Ponto de extremo da função

Definição: Seja I um intervalo aberto, tal que e seja . Dizemos que x0


é um ponto de máximo local para f quando existe uma vizinhança V ao redor de x0

tal que , para todo x pertencente a V. Analogamente, x0 é um ponto de


mínimo local para f quando existe uma vizinhança V ao redor de x0 tal que

, para todo x pertencente a V.

O ponto x0 pode ser dito um ponto de máximo global quando para todo
x pertencente a Dom f. Analogamente, o ponto x0 é um ponto de mínimo global

quando para todo x pertencente a Dom f.


Analisando da maneira com a qual esses conceitos se relacionam com a função
derivada, temos:

Propriedade: Seja f uma função contínua com um máximo ou um mínimo local num
ponto x0, no qual f é derivável. Então f'(x0)=0, isto é, x0 é um ponto crítico para f, ou
seja, a reta tangente ao gráfico de f no ponto (x0,f(x0)) é horizontal.

Teorema: Teste da 1a Derivada para Extremos Relativos

Seja f uma função contínua em um intervalo aberto (a, b) contendo xo. Se f


é derivável em todo os pontos do intervalo (a ,b), então:

i) f ’(x) > 0, ∀ x ∈ (a, xo) e f ’(x) < 0, ∀ x ∈ (xo, b) ⇒


⇒ f tem um valor MÁXIMO RELATIVO em xo.

15
PETROFOCO Treinamento                                                                            Engenheiro de Petróleo Júnior 
 

APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado

ii) f ’(x) < 0, ∀ x ∈ (a, xo) e f ’(x) > 0, ∀ x ∈ (xo, b) ⇒


⇒ f tem um valor MÍNIMO RELATIVO em xo.

16
PETROFOCO Treinamento                                                                            Engenheiro de Petróleo Júnior 
 

APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado

iii) f ’(x) < 0, ∀ x ∈ (a , xo) e f ’(x) < 0, ∀ x ∈ (xo , b) ou

f ’(x) > 0, ∀ x ∈ (a, xo) e f ’(x) > 0, ∀ x ∈ (xo , b) ⇒

⇒ em xo f NÃO tem um extremo relativo.

Exemplo:
Seja :

a) Encontre os intervalos onde f é crescente e onde é decrescente;


b) Encontre e classifique os extremos relativos;
c) Encontre o valor máximo absoluto da f no intervalo [ –1 , 2 ).

Exercícios 1: Determine os intervalos em que cada uma das funções dadas abaixo
é estritamente crescente ou estritamente decrescente:

a) b) c)

Exercício 2: Seja :

a) Encontre os intervalos onde g é crescente e onde é decrescente;


b) Encontre e classifique os extremos relativos;
c) Encontre o valor máximo absoluto da g no intervalo ( 3 , 5 ]

Exercício 3: Mostre que, para todo x>0, e que .

1.2. Concavidade do gráfico de uma função:

A noção intuitiva de crescimento/decrescimento de uma função num intervalo


aberto, contido em seu domínio, nos faz pensar num determinado tipo de gráfico.
Entretanto, é preciso tomar muito cuidado com as definições abaixo.

17
PETROFOCO Treinamento                                                                            Engenheiro de Petróleo Júnior 
 

APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado

Seja f uma função derivável num intervalo aberto I contido em seu domínio e x0
um ponto de I. A reta tangente ao gráfico de f no ponto (x0,f(x0)) é dada por:

Ou seja, a reta tangente pode ser encarada como sendo o gráfico de uma função
polinomial de primeiro grau T, dada por:

Definição: Dizemos que o gráfico de f tem concavidade para cima no intervalo


aberto I quando f(x)>T(x) quaisquer que sejam x e x0 em I, sendo , ou seja,
sempre que f(x) estiver “acima” de T(x).

Analogamente, podemos definir o que vem a ser concavidade para baixo do


gráfico de f.

Definição: Dizemos que o gráfico de f tem concavidade para baixo no intervalo


aberto I quando f(x)<T(x) quaisquer que sejam x e x0 em I, sendo . , ou
seja, sempre que f(x) estiver “abaixo” de T(x).

Finalmente, o ponto onde ocorre mudança de concavidade no gráfico tem um


nome especial que é ponto de inflexão. Mais precisamente, temos:

18
PETROFOCO Treinamento                                                                            Engenheiro de Petróleo Júnior 
 

APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado

Definição: Seja f uma função contínua e x0 um ponto de seu domínio. O ponto x0


é denominado um ponto de inflexão de f quando nele ocorre mudança de
concavidade do gráfico de f.

O ponto (xo, f(xo)) é um ponto de inflexão do gráfico da função f, se o gráfico tiver


nele uma reta tangente e se existir um intervalo aberto (a , b), contendo xo, tal
que uma das seguintes condições é satisfeita:

i) f ’’(x) < 0, ∀ x ∈ (a, xo) e f ’’(x) > 0, ∀ x ∈ (xo, b):

ii) f ’’(x) > 0, ∀ x ∈ (a, xo) e f ’’(x) < 0, ∀ x ∈ (xo, b):

Por exemplo, no gráfico de f(x)=x3, temos um ponto de inflexão que é x=0.

19
PETROFOCO Treinamento                                                                            Engenheiro de Petróleo Júnior 
 

APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado

No gráfico de f(x)=tg x temos uma infinidade de pontos de inflexão, que são da


forma x=kπ, onde
.

Teorema: Teste da 2a Derivada – Determinando as concavidades

Seja f uma função derivável pelo menos até segunda ordem num intervalo aberto
I, temos:
i) Se f''(x)>0 em I, então o gráfico de f terá concavidade para cima em I:

b) Se f''(x)<0 em I, então o gráfico de f terá concavidade para baixo em I.

20
PETROFOCO Treinamento                                                                            Engenheiro de Petróleo Júnior 
 

APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado

1.3. Construção de Gráficos:

1.3.1. Roteiro para construção de gráficos:


i) Determine o domínio da função;
ii) Determine as interseções com os eixos;
iii) Calcule da primeira derivada;
iv) Determine os pontos críticos, isto é, pontos que anulam a primeira derivada;
v) Analise os intervalos entre os pontos críticos acima:
a) Se f '(x)>0 ∀ x ∈ (a, b), então f será estritamente crescente neste intervalo.
b) Se f '(x)<0 ∀ x ∈ (a, b), então f será estritamente decrescente no intervalo.
vi) Calcule a segunda derivada, sendo f uma função derivável até segunda
ordem;
vii) Determine os pontos que anulam a segunda derivada;
viii) Analise os intervalos entre os pontos que anulam a segunda derivada:
a) Se f''(x)>0 ∀ x ∈ (a, b), então o gráfico de f terá concavidade para cima neste
intervalo.
b) Se f''(x)<0 ∀ x ∈ (a, b), então o gráfico de f terá concavidade para baixo neste
intervalo.
c) Se f ’’(x) < 0, ∀ x ∈ (a, xo) e f ’’(x) > 0, ∀ x ∈ (xo, b) ou se f ’’(x) > 0, ∀ x ∈ (a,
xo) e f ’’(x) < 0, ∀ x ∈ (xo, b), então (xo, f(xo)) é um ponto de inflexão.
ix) Determine os Limites nas extremidades dos intervalos que constituem o
domínio da função.

Exemplo 1: Sendo , façamos o gráfico de f(x):

Exercícios 1: Estude o comportamento das seguintes funções e construa os


respectivos gráficos, com todas as informações que considerarem necessárias:

a) b) c)

d) e)

21
PETROFOCO Treinamento                                                                            Engenheiro de Petróleo Júnior 
 

APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado

Exercícios:
Teorema da primeira derivada:

a) Se f ' ( x ) > 0 para todo valor de x em (a, b), então f é crescente em [a,b].
b) Se f ' ( x ) < 0 para todo valor de x em (a, b), então f é decrescente em [a,b].
c) Se f ' ( x ) = 0 para todo valor de x em (a, b), então f é constante em [a,b].

1 – Ache os intervalos nos quais as seguintes funções são crescentes ou decrescentes.

a) f ( x) = x 2 − 4 x + 3 b) f ( x) = x 3

2 – Sobre o gráfico abaixo de f ( x) = 3x 4 + 4 x 3 − 12 x 2 + 2

40

30

20

10

0 Série1
1

3
-3

-1

2
,6

,2

,8

,4

,6

,2

-10
0,

0,

1,

1,

2,

2,

3,

3,

4,
-2

-2

-1

-1

-0

-0

-20

-30

-40

a) Determine os intervalos de crescimento e decrescimento:


b) Usando o teorema da primeira derivada faça a comparação

Teorema 2 – Seja f duas vezes derivável em um intervalo aberto I.


a) Se f ' ' ( x ) > 0 em I, então f tem a concavidade para cima em I.
b) Se f ' ' ( x ) < 0 em I, então f tem a concavidade para baixo em I.

Exercício: Encontre os intervalos abertos nos quais as seguintes funções tem a convavidade
para cima e para baixo.

a) f ( x) = x 2 − 4 x + 3 b) f ( x) = x 3 c) f ( x) = x 3 − 3 x 2 + 1

Encontre os pontos de inflexão das funções abaixo.

a) f ( x) = x 4 b) f ( x) = xe − x

22
PETROFOCO Treinamento                                                                            Engenheiro de Petróleo Júnior 
 

APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado

d) f ( x) = tg −1 ( x)
c) f ( x ) = sen( x ) de [0,2π]
Localize os máximos e mínimos relativos de:

a) f ( x) = 3x 5 / 3 − 15 x 2 / 3 b) f ( x) = x 3 − 3x 2 + 3x − 1

Pelo teorema da segunda derivada localize os extremos relativos da função:

f ( x) = x 4 − 2 x 2

Movimento retilíneo. Analise o movimento da partícula abaixo:

a) S (t ) = 2t 3 − 21t 2 + 60t + 3

b) Um jogador de beisebol lança a bola verticalmente com velocidade de 100pés/s de uma altura
de 7 metros. A bola chega a altura de 208 pés?

Problemas básicos de aplicação de máximo e mínimo de funções:

a) Ache as dimensões de um retângulo com perímetro de 100 metros, cuja área é a maior
possível.
b) Uma caixa aberta deve ser feita de uma folha de papelão medindo 16 cm por 30 cm,
destacando-se quadrados iguais nos quatro cantos e dobrando-se o lados conforme figura abaixo.
Qual é o tamanho dos quadrados para se obter uma caixa com o maior volume.

c) Ache o raio e a altura de um cilindro circular reto com o maior volume, o qual pode ser
inscrito em um cone circular reto com 10 cm de altura e 6 cm de raio.

d) Uma lata cilíndrica fechada deve conter 1 litro de liquido. Como poderíamos escolher a altura
e o raio para minimizar o material usado na confecção da lata.

Sendo H = altura da lata em cm, R = raio da lata em cm e S = área superficial da lata em cm2.

e) Ache um ponto na curva f ( x) = x 2 o qual esteja mais próximo de (18,0)

f) Uma forma liquida de penicilina fabricada por uma firma farmacêutica é vendida a granel a
um preço de 200 reais por unidade. Se o custo total de produção em dólares para x unidade for

23
PETROFOCO Treinamento                                                                            Engenheiro de Petróleo Júnior 
 

APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado
 

C ( x) = 0,003x 2 + 80 x + 500000 e se a capacidade de produção da firma for de no Maximo 30000


unidades em um tempo especificado, quantas unidade de penicilina devem ser fabricadas e
vendidas naquele tempo para maximizar o lucro?

24
PETROFOCO Treinamento                                                                            Engenheiro de Petróleo Júnior 
 

APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado
 

AULA 5 – INTEGRAÇÃO

Integrais Imediatas

∫ du = u + c ∫ cos sec u .co tgu du = − cos sec u + c


x m +1 ∫ sec u du = ln sec u + tan u + c
∫ x dx = + c com m ≠ −1
m

m +1 ∫ cos sec u du = ln cos sec u − cot g u + c


u m +1
∫ u du = m + 1 + c com m ≠ −1
m
∫ cot g u du = ln sen u + c
∫ sec u du = tan u + c
2
du
∫ u = lnu + c ∫ cos sec u du = − cot g u + c
2

∫e du = e u + c ∫ senh u du = cosh u + c
u

au ∫ cosh u du = senh u + c
∫ a du = +c
u

ln a
∫ sec h u du = tanh u + c
2

∫ sen u du = − cos u + c ∫ cos sec h u du = − cot gh u + c


2

∫ cos u du = sen u + c ∫ sec h u .tanh u du = − sec h u + c


∫ tan u du = ln sec u + c ∫ cos sec h u .co tgh u du = − cos sec h u + c
∫ sec u .tan u du = sec u + c

Exercícios - Integrais por substituição

25
PETROFOCO Treinamento                                                                            Engenheiro de Petróleo Júnior 
 

APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado
 

26
PETROFOCO Treinamento                                                                            Engenheiro de Petróleo Júnior 
 

APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado
 

Exemplo 01 – Área entre Funções

Exercícios – Área entre funções

1. Ache a área limitada acima por y=x+6 e abaixo por y = x² e nas laterais em
x = 0 e x = 2.

2. Ache a área limitada pelas funções do exercício anterior.

3. Encontre a área entre as curva x = y² e y = x-2.

4. Encontre a área do item anterior integrando em função de y.

5. Encontre a área entre as funções y= e^x , y=e^2x.

6. Calcular a área para círculo, elipse por integração.

27
PETROFOCO Treinamento                                                                            Engenheiro de Petróleo Júnior 
 

APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado
 

Volume por fatiamento


Idéia:
Se A(x) for uma função contínua de x, podemos usá -la para calcular o
volume do sólido.

Procedimento:
• dividir o intervalo [a, b] em subintervalos de comprimento dx;
• fatiar o sólido em cada ponto determinado pelos subintervalos;
• cada fatia cilíndrica tem volume aproximado de:
Vk = área da base × altura = A(xk) × dx
• o volume total será: VSol = ∑ A(xk) · dx, com k variando de 1 a n.
Tomando n -> ∞, temos:

Definicão:
O volume de um sólido compreendido entre os planos x = a e x = b, cuja
área da seção transversal por x é dada por A(x):

Exercícios Propostos – Volume por fatiamento

1. Determine o volume do sólido que se situa entre os planos perpendiculares


ao eixo x em x = 0, e x = 4. As seções transversais perpendiculares ao eixo
x são discos circulares cujas diagonais vão da parábola y = x² à parábola y
= 2 − x².

28
PETROFOCO Treinamento                                                                            Engenheiro de Petróleo Júnior 
 

APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado
 

2. Uma cunha curva foi obtida por meio do corte de um cilindro de raio 3 por
dois planos. Um deles é perpendicular ao eixo do cilindro. O segundo cruza
o primeiro formando um ângulo de 45 graus no centro do cilindro.
Determine o volume da cunha.

3. Calcular volume de cilindro, cone, pirâmide de dimensões H, R por


integração.

29
PETROFOCO Treinamento                                                                            Engenheiro de Petróleo Júnior 
 

APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado
 

Exemplo – Calculando o Volume de um sólido de revolução

1. Calcule o volume de uma esfera de raio “a”.

30
PETROFOCO Treinamento                                                                            Engenheiro de Petróleo Júnior 
 

APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado
 

Exercícios Propostos - Volume de um sólido de revolução

1. Calcule o volume do sólido gerado com a revolução da função f(x) = x³ em


relação ao eixo x, no intervalo [1,2].

2. Determine o volume do sólido obtido com a rotação, em torno da reta y = 1


da região limitada por y = x^(1/2) e pelas retas y = 1 e x = 4.

3. Determine o volume do sólido obtido com a rotação, em torno do eixo y, da


região compreendida entre o eixo y e a curva x =2/y, 1=< y =< 4

31
PETROFOCO Treinamento                                                                            Engenheiro de Petróleo Júnior 
 

APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado
 

4. Determine o volume do sólido obtido com a rotação, em torno da reta x = 3,


da região compreendida entre a parábola x =y² + 1 e a reta x = 3.

5. Ache o volume do sólido gerado quando a região entre os gráficos das


equações f(x) =0,5 + x² e g(x) = x sobre o intervalo [0,2] é girada em torno
do eixo x.

6. Ache o volume do sólido gerado quando a região limitada por y =x^(0,5),


y=2 e x =0 girada em torno do eixo y.

7. Calcule o volume gerado quando fazemos a função y=x² ser rotacionada no


eixo y no intervalo de y : [0,4]

32
PETROFOCO Treinamento                                                                            Engenheiro de Petróleo Júnior 
 

APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado
 

8. Calcular o volume pela rotação da intersecção de y=x² e y=x+2 ao longo do


eixo x.

9. Achar o volume quando rotacionamos a área compreendida entre as


funções y² = 4x e x=4 ao longo do eixo x= 6.

10. Dados os gráficos y=x³ e x=2, calcular o volume compreendido quando


rotacionarmos ao longo do eixo y.

Volume por camadas cilíndricas

Volume = ∫2πxf(x)dx para o intervalo [a,b]

Exercícios Propostos - Volume por camadas cilíndricas

1. Calcule o volume por cascas cilíndricas quando fazemos girar em torno do


eixo y a região envolvida y=x^0,5 , x=1 e x=4.

2. Calcular o volume quando girado em torno do eixo y a área limitada por


y=x^(3/2), y=1 em x [1,3].

33
PETROFOCO Treinamento                                                                            Engenheiro de Petróleo Júnior 
 

APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado
 

3. Usando o método das cascas cilíndricas, calcular o volume quando


rotacionada a área limitada por y=x^(0,5), y=1 e x=4 em torno de y =-2.

Comprimento de Arco de Curvas

Exercícios Propostos - Comprimento de Arco de Curvas

1. Determinar o comprimento do arco da curva f(x) = x ^(2/3) entre os


pontos P1 (8,4) e P2(27,9).

34
PETROFOCO Treinamento                                                                            Engenheiro de Petróleo Júnior 
 

APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado
 

2. Calcular o comprimento de uma circunferência de raio r.

Área de superfície de revolução


Seja y = f(x) contínua e derivável em [a,b],

Seja x = f(y) contínua e derivável em [a,b]

35
PETROFOCO Treinamento                                                                            Engenheiro de Petróleo Júnior 
 

APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado
 

Exercícios Propostos - Área de superfície de revolução

1. Determinar a área obtida pela revolução da curva y = x^0,5, entre x= 1 e x=


4 em torno do eixo x.

36
PETROFOCO Treinamento                                                                            Engenheiro de Petróleo Júnior 
 

APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado
 

Exercícios Propostos – Integração por Partes

37
PETROFOCO Treinamento                                                                            Engenheiro de Petróleo Júnior 
 

APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado
 

Questões de Provas de provas anteriores da Petrobras

1ª Questão:

2ª Questão:

a)

b)

38
PETROFOCO Treinamento                                                                            Engenheiro de Petróleo Júnior 
 

APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado
 

3ª Questão:

4ª Questão:

39
PETROFOCO Treinamento                                                                            Engenheiro de Petróleo Júnior 
 

APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado
 

5ª Questão:

6ª Questão:

40
PETROFOCO Treinamento                                                                            Engenheiro de Petróleo Júnior 
 

APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado
 

AULA 6 – INTEGRAÇÃO

2 3 2(x − 3) 3(x + 1) 2(x − 3) + 3(x + 1) 2x − 6 + 3x + 3 5x − 3


+ = + = = =
x + 1 x − 3 (x + 1)(x − 3) (x + 1)(x − 3) (x + 1)(x − 3) (x + 1)(x − 3) x − 2x − 3
2

5x − 3
Facilitando a encontrar a integral ∫ x 2 − 2x − 3
dx

se a mesma puder ser escrita na forma:


⎛ 2 3 ⎞ 2 3
∫⎝ x +1 x − 3⎠
⎜ + ⎟ dx ou ∫ x +1
dx + ∫ x −3
dx

2 3 1 1
∫ x +1 dx + ∫ x − 3 dx = 2 ∫ x +1 dx + 3 ∫ x − 3 dx

= 2 ln x + 1 + 3 ln x − 3 + C

A idéia agora é utilizar o método de frações parciais para


determinar

5x − 3
∫x 2
− 2x − 3
dx

5x − 3 5x − 3
O primeiro passo é fatorar o denominador: =
x − 2x − 3 (x + 1)(x − 3)
2

O passo seguinte é determinar as constantes A e B de maneira


que:
5x − 3 A B
= +
x 2 − 2x − 3 (x + 1) (x − 3)

(5x− 3) A B
= (x − 3) + (x + 1)
(x2 − 2x − 3) (x + 1)(x- 3) (x − 3)(x+ 1)

o que resulta: 5x − 3 = A(x− 3)+ B(x+1)


41
PETROFOCO Treinamento                                                                            Engenheiro de Petróleo Júnior 
 

APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado
 

Combinando os termos do lado esquerdo:

5x − 3 = (A + B)x − 3A + B

Equacionando os coeficientes, o seguinte sistema de equações


lineares é obtido:
⎧A+B=5

⎩ − 3A + B = −3

FRAÇÕES PARCIAIS: DESCRIÇÃO GERAL DO MÉTODO

O sucesso em escrever uma fração racional f(x)/g(x) como a soma de


frações parciais depende de dois fatores:

1 – O grau de f(x) deve ser menor que o grau de g(x).


Funções racionais deste tipo são chamadas de funções
próprias.

2 – Os fatores de g(x) devem ser conhecidos.

UTILIZANDO UM FATOR LINEAR REPETIDO


O problema agora é como expressar por meio de uma soma de frações
parciais funções racionais do tipo:
6x + 7
(x + 2) 2

6x + 7 6x + 7 A B
NÃO se pode escrever: = = +
(x + 2) 2 (x + 2)(x + 2) (x + 2) (x + 2)

A B A+B
pois (lembrar que A e B são constantes!): + =
(x + 2) (x + 2) (x + 2)

6x + 7 A B
= +
42
(x + 2)2 x + 2 (x + 2)2
PETROFOCO Treinamento                                                                            Engenheiro de Petróleo Júnior 
 

APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado
 

Seja a função dada escrita na forma:

6x + 7 A B ou 6x + 7 = A(x + 2) + B
= (x + 2) +
(x + 2)2 (x + 2)(x + 2) (x + 2)2

que gera o seguinte sistema de equações lineares: ⎧A =6



⎩ 2A + B = 7
Portanto, A = 6 e B = – 5.

6x + 7 6 5
Assim: = −
(x + 2) 2
x + 2 (x + 2) 2

6x + 7
Este resultado pode ser utilizado para determinar: ∫ (x + 2) 2
dx

Desta forma: 6x + 7 6 5
∫ (x + 2) 2
dx = ∫
x+2
dx − ∫
(x + 2)2
dx

1 1
=6∫ dx − 5 ∫ dx
x+2 (x + 2)2

1
=6∫ dx − 5 ∫ (x + 2)−2 dx
x+2

5
= 6 ln x + 2 + +C
x+2

INTEGRANDO UMA FRAÇÃO IMPRÓPRIA


Seja a função racional f(x)/g(x). Quando o grau de f(x) for maior que o
grau de g(x), a função racional é denominada função imprópria.

O novo problema é como expressar por meio de uma soma de frações


parciais funções racionais do tipo:
2x3 − 4x2 − x −3
x2 − 2x− 3
43
PETROFOCO Treinamento                                                                            Engenheiro de Petróleo Júnior 
 

APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado
 

O primeiro passo é dividir o numerador pelo denominador.

2x3 − 4x2 − x − 3 x2 − 2x − 3
2x

Portanto: 2x3−4x2 −3 x2 −2x−3


– 2x3−4x2−6x 2x

2x 3 − 4x 2 − x − 3 x 2 − 2x − 3
ou
− 2x 3 + 4x 2 + 6x 2x
5x

ou, finalmente:
2x 3 − 4x 2 − x − 3 x 2 − 2x − 3
− 2x 3 + 4x 2 + 6x 2x
5x − 3
Desta forma:

2x3 − 4x2 − x − 3 2x(x2 − 2x − 3) + 5x − 3


=
x 2 − 2x − 3 x 2 − 2x − 3
2x(x2 − 2x − 3) 5x − 3
= + 2
x − 2x − 3
2
x − 2x − 3
5x − 3
= 2x + 2
x − 2x − 3

2x 3 − 4x 2 − x − 3 5x − 3
Assim sendo:
∫ x 2 − 2x − 3 dx = ∫ 2x dx + ∫ x 2 − 2x − 3 dx
= x2 +2lnx+1 +3lnx−3 +C

44
PETROFOCO Treinamento                                                                            Engenheiro de Petróleo Júnior 
 

APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado
 

INTEGRANDO UMA FRAÇÃO COM UM FATOR QUADRÁTICO


IRREDUTÍVEL NO DENOMINADOR
Seja a função racional: − 2x + 4
(x 2 + 1)(x − 1)2
O problema agora é reescrever esta função utilizando frações parciais.

O denominador possui:
− 2x + 4
(x 2 + 1) (x − 1) 2

fator quadrático fator linear


irredutível repetido

Então:
− 2x + 4 Ax + B C D
= + +
(x + 1)(x − 1)
2 2
x +1
2
x −1 (x − 1) 2

devido ao fator devido ao fator


irredutível linear repetido

− 2x + 4 = (Ax + B)(x − 1) 2 + C(x 2 + 1)(x − 1) + D(x 2 + 1)

Expandindo e agrupando termos resulta:

− 2x + 4 = (A + C)x 3 + ( − 2A + B − C + D)x 2
+
(A − 2B + C)x + B − C + D

Com este resultado, determinar: − 2x + 4


∫ (x 2
+ 1)(x − 1)2
dx

Esta integral pode, portanto, ser escrita como:

45
PETROFOCO Treinamento                                                                            Engenheiro de Petróleo Júnior 
 

APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado
 

− 2x + 4 2x + 1 2 1
∫ (x2 +1)(x −1)2 dx = ∫ x2 +1 ∫ x −1 ∫ (x −1)2 dx
dx − dx +

− 2x + 4 2x 1 2 1
∫ (x 2
+ 1)(x − 1) 2
dx = ∫x 2
+1
dx + ∫ 2
x +1
dx − ∫
x −1
dx + ∫
(x − 1) 2
dx

1 1 ⎛x⎞
∫x 2
+a 2
dx = arctg⎜ ⎟ + C
a ⎝a⎠

E, finalmente:
− 2x + 4 1
∫ (x 2
+1)(x −1)2
dx = ln(x2 +1) + arctg(x) − 2ln x −1 −
x −1
+C

46
PETROFOCO Treinamento                                                                            Engenheiro de Petróleo Júnior 
 

APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado
 

Questões que caíram na Petrobras:

47
PETROFOCO Treinamento                                                                            Engenheiro de Petróleo Júnior 
 

APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado
 

48
PETROFOCO Treinamento                                                                            Engenheiro de Petróleo Júnior 
 

APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado
 

49
PETROFOCO Treinamento                                                                            Engenheiro de Petróleo Júnior 
 

APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado
 

*Quanto vale a área da região delimitada pelo eixo das abscissas, as retas x=0
e x= pi/3? e o gráfico da função de R em R cuja lei é f(x) = cos (2x)

50
PETROFOCO Treinamento                                                                            Engenheiro de Petróleo Júnior 
 

APOSTILA DE CÁLCULO                                                                                        Prof. Rômulo Góes Furtado
 

51