Você está na página 1de 18

EQUILÍBRIOS MOLECULARES

Fala Gás Nobre! Preparado para reagir? Nesta apostila vamos falar
sobre o equilíbrio químico, que é um dos conceitos mais importantes
no estudo da Química. Mas o que é o equilíbrio químico? Vamos ver?

Algumas reações químicas ocorrem completamente, devido ao


consumo total de pelo menos um dos reagentes participantes da
reação. Esse tipo de reação é ​irreversível​. Quando isso não ocorre
e, portanto, a reação não se completa totalmente, temos uma reação
reversível.
Nas ​reações irreversíveis, os reagentes são convertidos em
produtos e não ocorre reação no sentido inverso. É o caso das
reações de combustão, por exemplo, note que na reação de
combustão do metano os produtos formados são dióxido de carbono
e água:
CH​4​ + 2O​2(g)​ ​→​ CO​2(g) +
​ 2H​2​O​(l)
Será possível formar metano novamente através desses compostos
(produtos da reação)? Não gás nobre! Seria ótimo se isso
acontecesse não é mesmo? Se fosse assim, não teríamos problemas
com a escassez dos combustíveis fósseis.

Então temos que esse tipo de reação ocorre em um ​único sentido e


é representada por ​ ​→
Já nas ​reações reversíveis, os reagentes são convertidos em
produtos e os produtos são convertidos em reagentes. Veja o
exemplo da reação de decomposição do carbonato de cálcio:
CaCO​3(s)​ CaO​(s)​ + CO​2(g)
O carbonato de cálcio se decompõe em óxido de cálcio e dióxido de
carbono. Esses produtos podem se juntar novamente e reconstituir o
reagente, o que não acontece com os produtos da reação de
combustão do metano. Logo, a reação ocorre nos dois sentidos
simultaneamente, ou seja, os reagentes são transformados em
produtos e os produtos são transformados em reagentes ao mesmo
tempo.

Então temos que esse tipo de reação ocorre em ​dois sentidos e é

representada por​

Mas como tudo isso acontece?


No início de um processo reversível, a reação ocorre no sentido do
consumo dos reagentes e da formação dos produtos, e assim que são
formadas algumas moléculas do produto, a reação no sentido inverso
começa a ocorrer também. As concentrações dos reagentes e dos
produtos variam e quando param de variar, ou seja, quando a
concentração dos produtos e reagentes ficam constantes, o processo
atinge o equilíbrio.

Obs: As concentrações são constantes, porém não necessariamente


são iguais!

Percebeu que o equilíbrio só pode ocorrer em reações que são


reversíveis?
Mas como se comporta uma reação em equilíbrio?
Bem, os sistemas em equilíbrio químico são ​dinâmicos. Isso significa
que as reações continuam a ocorrer simultaneamente na ​mesma
velocidade no sentido da formação dos produtos (sentido direto) e
dos reagentes (sentido inverso):

Sentido Direto

Reagente A + Reagente B Produto C + Produto D


Sentido Inverso

Por exemplo: água líquida contida num ​sistema fechado (para que
não ocorra troca de matéria com o meio ambiente).
Nesse sistema, temos moléculas de água passando continuamente do
estado líquido para o de vapor e do de vapor para o líquido. Tanto as
reações diretas quanto as reações inversas, possuem uma
velocidade. No esquema a seguir nos referimos a essas velocidades
como: velocidade de vaporização (vd) e velocidade de condensação
(vi).

Quando a velocidade de vaporização (vd) se iguala à de condensação


(vi) e as transformações macroscópicas (que são mudanças visíveis)
deixam de acontecer, dizemos que o sistema atingiu o equilíbrio.
Podendo ser representado graficamente:
Lembrando que as concentrações são constantes, pois ao atingir o
equilíbrio as velocidades direta e inversa são iguais.

Como vimos, no início de uma reação a quantidade de matéria dos


reagentes é máxima até que se forme os produtos. Com o passar do
tempo, a concentração de reagentes vai diminuindo e a concentração
dos produtos vai aumentando, até que o equilíbrio é atingido e as
concentrações de reagentes e produtos se estabilizam.

Vamos ressaltar algumas características importantes sobre um


sistema em equilíbrio!

● O equilíbrio químico pode ser atingido somente em sistemas


fechados ou vedados.
● Em sistemas fechados, toda reação química é reversível.
● A velocidade da reação direta é igual a velocidade da reação
inversa (V1 = V2).
● As propriedades macroscópicas permanecem, pois, o equilíbrio é
dinâmico.
● Depois de atingido o equilíbrio, as concentrações de cada
participante do equilíbrio não se alteram mais, ou seja, a
concentração passa a ser constante.
● A concentração dos reagentes pode ser menor, maior ou igual a
dos produtos.
● O conteúdo energético armazenado nos participantes é o menor
possível (​ΔG = 0)

CONSTANTE DE EQUILÍBRIO (kc)

A constante de equilíbrio é dada pelo quociente da multiplicação das


concentrações dos produtos pela multiplicação das concentrações dos
reagentes, elevadas a expoentes numericamente iguais aos
respectivos coeficientes estequiométricos de cada participante da
reação.

Vamos ver o exemplo a seguir:

1N​2(g)​ + 3H​2(g)​ 2NH​3(g)

Kc = [NH​3​]​2

[N​2​]​1​ . [H​2​]​3

É importante estar as seguinte observações sobre Kc.

● A temperatura é o único fator que altera o valor da constante de


equilíbrio.
● Reações endotérmicas: Kc aumenta com a temperatura
● Reações exotérmicas: Kc diminui com a temperatura
● Kc>1: no equilíbrio a concentração dos produtos é maior que a
dos reagentes.
● Kc<1: no equilíbrio a concentração dos reagentes é maior que a
dos produtos.
● Kc=1: no equilíbrio a concentração dos reagente é igual a dos
produtos.
● Sólidos e líquidos não aparecem na expressão da constante de
equilíbrio porque possuem concentração em quantidade de
matéria constante (molaridade)
● Kc não possui unidade, portanto, é um número adimensional
(puro).

Kp, Qc e GRAU DE EQUILÍBRIO

Num equilíbrio que participam apenas substâncias gasosas, podemos


escrever outra constante que utiliza as pressões parciais dos gases, o
Kp.

Desta forma temos:

1N​2(g)​ + 3H​2(g)​ 2NH​3(g)

Kc = (P​NH3​)​2

(P​N2​)​1​ . (P​H2​)​3

Lembrando que:

● Na expressão kp, só podem ser representados componentes


gasosos.
● Kp depende somente da temperatura.
Veja o exercício a seguir:

Cloreto de nitrosila puro (NOCl) foi aquecido a 240 ºC em um


recipiente fechado. No equilíbrio, a pressão total foi de 1,000 atm e a
pressão parcial do NOCl foi de 0,640 atm.
A equação abaixo representa o equilíbrio do sistema:
2NOCl​(g)​ <--> 2NO​(g)​ + Cl​2(g)
a) Calcule as pressões parciais do NO e do Cl​2​ no equilíbrio.
b) Calcule a constante do equilíbrio.
A pressão parcial de um gás numa mistura é diretamente
proporcional à quantidade de matéria do gás na mistura.
a) Se o NOCl tem a pressão igual a 0,640 atm, temos que:
1,000 atm
-0,640

0,360

Sendo assim, restam, 0,360atm para os dois produtos da reação.


Portanto:
3 mol de NO e Cl​2​ --- 0,360atm
2 mol de NO --- X
X = 0,240 atm

Logo, P​NO​ é igual a 0,240 atm e P​Cl2​ é igual a 120 atm.

b) K​p​ = (P​NO​)​2​.(P​Cl​)​1

(P​NOCl​)​2
K​p​ = (0,240)​2​.(0,120)​1

(0,640)​2
K​p​ = 0,017atm
Relação entre K​c​ e K​p

K​p​ = K​c​ (R . T)​∆n


Vejamos algumas reações em equilíbrio químico e como
determinar essas expressões para elas.
1N​2(g)​ + 3H​2(g)​ ↔ 2NH​3(g)
K​p​ = K​c​ (R . T)​(2 – 4)
K​c​ = K​p​ . (R . T)​2

● Quando o valor de ∆n = 0 ​→​ ​Kp​​ = K​c


● ∆n é a diferença entre os valores dos coeficientes
estequiométricos dos produtos e reagente gasosos da reação,
como mostra o exemplo acima.

Quociente de Equilíbrio (Q​c​)


Quando colocarmos concentrações aleatórias de reagentes e produtos
na expressão da constante de equilíbrio, temos como resultado o
quociente de equilíbrio ou reacional. Portanto, o quociente reacional é
calculado da mesma forma que K​c​.

Qc = [produtos]​α


[reagentes]​β

Quando:

Qc < Kc: sentido da reação é para a direita

Qc = Kc: a reação encontra-se em equilíbrio

Qc > Kc: sentido da reação é para a esquerda


O quociente de equilíbrio serve para avaliar se o sistema está em
equilíbrio ou não.

Grau de equilíbrio químico (α)


Indica a relação entre a quantidade de matéria (número de mol) que
reage até que o sistema atinja o equilíbrio (n​R​), e a quantidade de
matéria inicial (n​1​).
Podendo assim, ser calculado por meio da seguinte expressão:
α = n​R

​n1​

O grau de ionização geralmente é expresso em porcentagem.


● O grau de ionização em sistemas em equilíbrio, NUNCA é 100%.
● É influenciado pela temperatura e pela diluição da solução.

Gás nobre, contudo que vimos até agora, temos que se não ocorrer
ação de nenhum agente externo, sobre um sistema em equilíbrio ele
tende a permanecer nessa situação indefinidamente. Ok? Entretanto,
podemos ​deslocar o Equilíbrio exercendo uma ação externa sobre
esse equilíbrio, quando isso acontecer e ele tenderá a reagir de
maneira a minimizar os efeitos dessa ação.

É o que diz o ​Princípio de Le Chatelier: ​“Quando se aplica uma


força em um sistema em equilíbrio, ele tende a se reajustar no
sentido de diminuir os efeitos dessa força”.

DESLOCAMENTO DE EQUILÍBRIO

Você sabe quais são os fatores que podem afetar a condição de


equilíbrio de um sistema?
Bem, esses fatores são ​concentração​, ​temperatura​, ​pressão e
catalisador. Vamos ver então qual a influência de cada um dos
fatores no equilíbrio.

Concentração
Vamos analisar o comportamento do equilíbrio a seguir, em três
situações:

1N​2(g)​ + 3H​2(g)​ 2NH​3(g)

1​ª ​situação: adição de N​2(g)


Quando adicionamos gás nitrogênio ao equilíbrio, imediatamente
ocorre um aumento na concentração do composto, causando a
quebra do equilíbrio. Logo, a reação tende a anular essa força
externa. Mas como? Bem... não foi adicionado mais gás nitrogênio?
Então, para a reação anular essa força ela irá ​consumir ​o nitrogênio
que foi adicionado, e para que isso ocorra ​o equilíbrio se desloca
para direita no sentido da formação (formando mais amônia),
aumentando assim, a velocidade v1. Desta forma, a reação entra em
equilíbrio novamente.

2​ª ​situação — adição de NH​3(g)


Quando adicionamos amônia ao equilíbrio, imediatamente ocorre um
aumento na concentração do composto, perturbando o equilíbrio.
Desta forma, a amônia se decompõe (quebra-se) em N​2(g) e em H​2(g)
para que se estabeleça o equilíbrio novamente. Nesse caso, o
equilíbrio se ​desloca para a esquerda, no sentido em que a amônia
se quebra e volta a ser nitrogênio e hidrogênio.
Você percebe que a reação faz de tudo para voltar a ter o equilíbrio?!

Note que sempre que​ ​aumentamos​ ​a concentração​ ​o equilíbrio se


desloca para o lado oposto.​ Sendo assim, temos que:
↑​[ ] do reagente o equilíbrio desloca para o lado dos
produtos.
↑[ ] do produto o equilíbrio desloca para o lado dos
reagentes.

As duas situações são de adição! Mas o que acontece de retirarmos


um composto?

3​ª ​situação — remoção de H​2(g)


Quando retiramos o gás hidrogênio presente no equilíbrio,
imediatamente ocorre uma diminuição na concentração do composto.
Logo, a reação tende a repor o que foi retirado e, portanto, a amônia
começa a se quebrar, pois ela produz hidrogênio que foi retirado.
Nesse tipo de situação temos que:

↓[ ] do reagente o equilíbrio desloca para o mesmo lado, ou


seja, do reagente que foi retirado.
↓[ ] do produto o equilíbrio desloca para o mesmo lado, ou
seja, do produto que foi retirado.

Resumindo:
↑​[ ] o equilíbrio se desloca para o lado oposto para
retirar o que foi adicionado.
↓[ ] o equilíbrio desloca para o lado mesmo lado para
repor o que foi retirado.

Lembrando o seguinte gás nobre:


- Variar as concentrações não altera a constante de equilíbrio (kc)
- Sólidos não vão deslocar o equilíbrio.
(A CONSTANTE É A MESMA NAS DUAS SITUAÇÕES)
Temperatura
Já vamos começar a falar da temperatura evidenciando que ela é o
único fator responsável por alterações na constante de equilíbrio
(Kc).

Observe o que ocorre com os dois equilíbrios dados como exemplos:


Endotérmica

2NO N​2​O​4(g)​ ΔH = + 58KJ


Exotérmica

O delta H, por convenção é referente a reação direta. Sendo assim,


ela é endotérmica, pois o ΔH é positivo. Logo, a reação inversa é
exotérmica. Temos então, um processo que absorve energia e o outro
que libera energia.

Se aumentamos a temperatura, o equilíbrio vai absorver o calor e a


reação que consome calor é a endotérmica. Sendo assim, o lado
endotérmico está sendo favorecido e o equilíbrio se desloca para a
direita. Mas se diminuirmos a temperatura o sentido favorecido é o
exotérmico. Dessa maneira, ocorre liberação de calor e assim é
possível repor o calor que foi retirado.

Então num sistema em equilíbrio, sempre temos duas reações:


- Endotérmica:​ que absorve calor
- Exotérmica:​ que libera calor

Aumento da temperatura — ​desloca o equilíbrio no sentido da


reação ​endotérmica​ ​(para a direita);
Diminuição da temperatura — ​desloca o equilíbrio no sentido da
reação ​exotérmica​ ​(para a esquerda).

Pressão
A pressão afeta somente os componentes da reação no ​estado
gasoso. Então, quando aumentamos a pressão sobre um equilíbrio
gasoso, à temperatura constante, ele se desloca no sentido da reação
capaz de diminuir esse aumento da pressão e vice-versa.

Considere o seguinte equilíbrio:

2NO​(g)​ N​2​O​4(g)​

Lembra que a pressão parcial de cada um é proporcional as moléculas


do sistema? Nesse caso, os reagentes têm o dobro de moléculas dos
produtos, logo os reagentes ocupam 2 volumes e os produtos
ocupam 1 volume.

Se aumentamos a pressão, o equilíbrio se desloca para a direita,


favorecendo a formação do produto, porque nesse sentido há uma
diminuição do número de mol de gás e, consequentemente, uma
diminuição da pressão. Logo, temos que:

Aumento de pressão - provoca contração de volume - o


equilíbrio se desloca para o lado de menor volume (menor nº
de mol)
Diminuição de pressão – provoca expansão de volume - o
equilíbrio se desloca para o lado de maior volume (maior nº de
mol)

Obs: Volumes iguais (2 V = 2 V) não são afetados por variações de


pressão.
CATALISADOR

E os catalisadores quais são os efeitos que eles têm sobre o


equilíbrio?

Os catalisadores são substâncias que aumentam a velocidade das


reações químicas pela diminuição da energia de ativação. Numa
situação de equilíbrio, a diminuição da energia de ativação, produzida
pelo catalisador, tem o mesmo valor para a reação direta e para a
inversa.

Logo, os catalisadores não deslocam equilíbrio!

Se o catalisador aumenta a velocidade das reações direta e inversa, o


único efeito que ele provoca num equilíbrio é a diminuição do tempo
necessário para que esse equilíbrio seja atingido. Ok?

Vamos ver alguns exercícios?


Questão 01 - (ENEM/2010)

O abastecimento de nossas necessidades energéticas futuras


dependerá certamente do desenvolvimento de tecnologias para
aproveitar a energia solar com maior eficiência. A energia solar é a
maior fonte de energia mundial. Num dia ensolarado, por exemplo,
aproximadamente 1 kJ de energia solar atinge cada metro quadrado
da superfície terrestre por segundo. No entanto, o aproveitamento
dessa energia é difícil porque ela é diluída (distribuída por uma área
muito extensa) e oscila com o horário e as condições climáticas. O
uso efetivo da energia solar depende de formas de estocar a energia
coletada para uso posterior.
Atualmente, uma das formas de se utilizar a energia solar tem sido
armazená-la por meio de processos químicos endotérmicos que mais
tarde podem ser revertidos para liberar calor. Considerando a reação:

CH4(g) + H2O(v) + calor <-_-> CO(g) + 3H2(g)

e analisando-a como potencial mecanismo para o aproveitamento


posterior da energia solar, conclui-se que se trata de uma estratégia:

a) insatisfatória, pois a reação apresentada não permite que a


energia presente no meio externo seja absorvida pelo sistema para
ser utilizada posteriormente.
b) insatisfatória, uma vez que há formação de gases poluentes e com
potencial poder explosivo, tornando-a uma reação perigosa e de difícil
controle.
c) insatisfatória, uma vez que há formação de gás CO que não possui
conteúdo energético passível de ser aproveitado posteriormente e é
considerado um gás poluente.
d) satisfatória, uma vez que a reação direta ocorre com absorção de
calor e promove a formação das substâncias combustíveis que
poderão ser utilizadas posteriormente para obtenção de energia e
realização de trabalho útil.
e) satisfatória, uma vez que a reação direta ocorre com liberação de
calor havendo ainda a formação das substâncias combustíveis que
poderão ser utilizadas posteriormente para obtenção de energia e
realização de trabalho útil.

RESOLUÇÃO/COMENTÁRIOS

Conforme a afirmação: “Uma das formas de se utilizar a energia solar


tem sido armazená-la por meio de processos químicos endotérmicos
que mais tarde podem ser revertidos para liberar calor.”
A reação direta: CH​4(g) + H​2​O​(v) + calor ​→ CO​(g) + 3H​2(g) é endotérmica
e produz substâncias combustíveis que em contato com um
comburente (O​2​) podem fornecer energia.

Letra D
Para assistir a resolução do exercício clique no link:
https://www.quimicaemacao.com.br/resumos/33-e01
Questão 02 - (ENEM/2010)

Às vezes, ao cobrir um refrigerante, percebe-se que uma parte do


produto vaza rapidamente pela extremidade do recipiente. A
explicação para esse fato está relacionada à perturbação do equilíbrio
químico existente entre alguns dos ingredientes do produto, de
acordo com a equação:

CO​2(g)​ + H​2​O​(l)​ <-_-> H​2​CO​3(aq)

A alteração do equilíbrio anterior, relacionada ao vazamento do


refrigerante nas condições descritas, tem como consequência a:

a) liberação de CO​2​ para o ambiente.


b) elevação da temperatura do recipiente.
c) elevação da pressão interna no recipiente.
d) elevação da concentração de CO​2​ no líquido.
e) formação de uma quantidade significativa de H​2​O.

RESOLUÇÃO/COMENTÁRIOS

Alterações na temperatura, na pressão e na concentração das


substâncias em um equilíbrio, deslocam esse equilíbrio para um dos
lados; ou seja, deixam uma das reações, a direta ou a inversa, mais
rápida que a outra. Depois um novo equilíbrio é restabelecido. Mas a
variação da pressão só exerce influência nos sistemas, quando pelo
menos uma das substâncias envolvidas for gasosa.

A solubilidade de um gás é diretamente proporcional à pressão


parcial desse gás acima do líquido, de acordo com a Lei de Henry. Ou
seja, quanto mais pressão das moléculas gasosas na superfície do
líquido, mais moléculas “entram” no líquido, dissolvendo-se ou
reagindo com ele.

Do modo inverso, quando a garrafa de refrigerante é aberta, há


diminuição da pressão interna sobre o líquido, aumentando a
velocidade de saída das moléculas para o meio gasoso.

Letra A
Para assistir a resolução do exercício clique no link:
https://www.quimicaemacao.com.br/resumos/33-e02